11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas"

Transcrição

1 GRÃO DE MILHETO E GLICEROL COMO FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA NA TERMINAÇÃO EM CONFINAMENTO DE TOURINHOS: DESEMPENHO PRODUTIVO E AVALIAÇÃO COMPORTAMENTAL Djacir Luiz Batista Santos 1 ; Fabrícia Rocha Chaves Miotto 2 1 Aluno do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína; PIBIC/UFT 2 Orientadora Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína; mail.uft.edu.br RESUMO: Objetivou-se com este trabalho determinar a influência de fontes energéticas alternativas para alimentação de bovinos sobre o desempenho produtivo e o comportamento ingestivo. Foram utilizados 24 bovinos machos inteiros, sendo 12 mestiços de origem leiteira e 12 animais nelores confinados por 84 dias recendo as dietas com relação volumoso:concentrado de 10:90. Os animais foram distribuídos em três tratamentos (dietas): 1º fornecimento de concentrado padrão à base de milho e farelo de soja; 2º inclusão de 12% de glicerol na dieta total (base na matéria seca - MS), o substituindo o milho; 3º inclusão de milheto na dieta total, substituição total do milho e do farelo de soja. O delineamento experimental utilizado foi um arranjo fatorial 2x3. Os animais nelore tiveram seu consumo matéria seca (CMS) reduzido quando alimentados com as dietas padrão e milheto, não havendo modificação no CMS dos animais mestiços. Os animais mestiços apresentaram maior ganho de peso médio diário (GMD) que os animais nelore (1,3 x 0,99 Kg/dia). As dietas experimentais não influenciaram o GMD (1,15kg/dia), peso da carcaça quente (427,5 kg), rendimento da carcaça quente (54,12%) e espessura de gordura subcutânea (2,91 mm). As dietas experimentais não influenciaram a distribuição das atividades diárias, porém em comparação aos animais nelore, os mestiços passaram mais tempo ruminando (309,73 x 206,11 minutos/dia), e menos tempo se alimentando (116,35 x minutos/dia). As dietas experimentais atuaram de forma diferente sobre as características de ruminação dos diferentes grupos genéticos. Palavras-chave: biocombustíveis, fibra em detergente neutro, ganho de peso, glicerina bruta, ruminação, subprodutos INTRODUÇÃO O estudo de novos alimentos e de sua influência na produção animal e interferência no comportamento destes é uma ferramenta eficaz na definição de estratégias adequadas de manejo e da alimentação animal. O milheto (Pennisetum americanum (L.)) se constitui em uma forrageira anual de verão de alto valor nutritivo que pode ser utilizada tanto para a produção de grãos quanto de forragens. O teor de amido do grão de milheto é 10 pontos percentuais inferior ao do grão de milho, por outro

2 lado, o teor de proteína bruta do milheto (14-16%) é bem superior ao do milho (8-9%) (RIBEIRO et al., 2004). Outro alimento alternativo com potencial para o uso na alimentação de ruminantes é a glicerina bruta, subproduto proveniente da produção de biodiesel, sendo estudado como fonte energética alternativa para alimentação de ruminantes. A glicerina apresenta consideráveis valores energéticos, contribuindo para manutenção do conteúdo energético das dietas. Objetivou-se com este trabalho determinar a influência das fontes energéticas alternativas milheto e glicerol sobre o desempenho produtivo e o comportamento ingestivo de bovinos mestiços leiteiros e nelore terminados em confinamento. MATERIAL E MÉTODOS Foram utilizados 24 bovinos machos inteiros, com idade média de um ano e quatro meses, sendo 12 mestiços de origem leiteira, e 12 animais da raça nelores. Os animais foram distribuídos em três tratamentos. Tratamento 1 fornecimento de concentrado padrão à base de milho e farelo de soja; Tratamento 2 inclusão de 12% de glicerol na dieta total (com base na matéria seca- MS), o qual substituiu principalmente o milho; Tratamento 3 inclusão de milheto na dieta total, substituição total do milho e do farelo de soja (Tabela 1). As dietas padrão, glicerol e milheto apresentaram, respectivamente, 79,5; 76.9 e 81% de MS; 14,2; 15,5 e 12,9% de proteína bruta e 17,3; 17,3 e 16,8% de fibra em detergente neutro. O delineamento experimental utilizado foi um arranjo fatorial 2x3, dois grupos genético e três dietas, com quatro repetições. Tabela 1 Proporção de ingredientes nas dietas experimentais Item Dietas (% matéria seca) Padrão Glicerol Milheto Silagem de capim elefante 10,00 10,00 10,00 Milho moído médio 77,76 63,16 - Farelo de soja a 45% 9,60 12,50 - Glicerol - 12,00 - Milheto ,36 Núcleo * 2,64 2,34 2,64 * Núcleo contendo ureia, calcário, sal mineral sem cloreto de sódio, monensina sódica e cloreto de sódio (o cloreto de sódio não foi adicionado ao concentrado com glicerol). Os animais foram submetidos a período de adaptação de 14 dias, e o período experimental correspondeu a 84 dias de confinamento. A quantidade de alimento sólido ajustada para permitir 10% de sobra. O fornecimento de ração era realizado uma vez ao dia às 10 horas da manhã. Eram amostrados semanalmente a silagem, os concentrados experimentais e as sobras dos alimentos

3 fornecidos de cada animal para posteriores realização das análises bromatológicas. Os animais foram submetidos a três observações comportamentais de 24 horas: nos dias 1º de outubro; 13 de novembro e 4 de dezembro de Durante as avaliações comportamentais os animais eram observados quanto ao tempo de despendiam em alimentação, ruminação, ócio e outras atividades. As observações eram feitas a cada cinco minutos. Também foi avaliada a taxa de ruminação, em que era observado o tempo e frequência de mastigadas do bolo alimentar durante o processo de ruminação. O comportamento de ruminação foi realizado durante três dias consecutivos nos quais os animais eram observados durante três períodos do dia (manhã 06 às 08 horas; tarde 13 às 15 horas; e, noite - 20 às 22 horas). Para cada animal foi marcado três bolos ruminais por período. As variáveis foram avaliadas estatisticamente por análise de variância, testando-se a interação entre os efeitos de grupo genético e fonte de energia. Quando não houve interação o efeito das fontes energéticas sobre as médias das variáveis foi avaliado pelo teste de Tukey, e os grupos genéticos pelo teste F, ambos a 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os animais Nelore consumiram menor quantidade de MS em comparação aos animais mestiços quando submetidos às dietas padrão e milheto, p<0,05 (Tabela 2). No entanto, a dieta contendo glicerol proporcionou mesmo nível de consumo para os dois grupos. A composição genética taurina nos animais mestiços pode ter contribuído para seu maior consumo de MS. Segundo HUNTER & SIEBERT (1985), animais taurinos ingerem mais alimento e utilizam este alimento com mais eficiência quando este é de melhor qualidade. A dieta contendo glicerol pode ter proporcionado maior consumo aos animais nelore tanto pela sua boa palatabilidade, como pela redução dos teores de amido da dieta, reduzindo a capacidade da dieta provocar queda do ph ruminal. A redução do ph do rúmem pode promover quadros de acidose, aos quais os animais zebuínos são mais sensíveis, havendo a consequente redução do consumo de MS. Tabela 2 Consumo de matéria seca de tourinhos nelore ou mestiços terminados em confinamento alimentados com dietas contendo diferentes fontes energéticas Grupo genético Fontes de energia Padrão Glicerol Milheto Média Nelore 5,6 bb 7,24 aa 5,51bB 6,12 Mestiço 8,39 aa 7,84 aa 7,28 aa 7,84 Média 7,0 7,54 6,4 Médias seguidas por letras distintas (maiúsculas na linha e minúsculas na coluna) diferem entre si pelo teste Tukey (p<0,05).

4 Não houve efeito do grupo genético ou a fonte energética sobre o peso final dos animais (p>0,05), Tabela 3. Foi observado maior ganho de peso diário para os animais mestiços, que é explicado pelo maior consumo de MS. Não foi verificado efeito da fonte energética sobre o ganho médio diário dos animais (p>0,05), o que demonstra que o uso do milheto e do glicerol pode ser interessante na substituição de alimentos convencionais, já que não prejudicam o desempenho animal e geralmente têm custo inferior. O peso da carcaça quente, rendimento de carcaça quente e espessura de gordura subcutânea não foram influenciados pelos tratamentos (p>0,05). Tabela 3- Desempenho produtivo de tourinhos nelore ou mestiços terminados em confinamento com dietas contendo diferentes fontes de energia (FE) Variáveis FE Grupo Genético (GG) p-valor CV Padrão Glicerol Milheto Nelore Mestiço Dieta GG FE x GG (%) PF, kg 428,88 434,50 419,0 420,75 434,17 0,745 0,428 0,753 9,48 GMD, kg/dia 1,11 1,18 1,15 0,99 B 1,30 A 0,822 0,002 0,77 18,43 PCQ, kg 236,25 232,44 225,81 232,0 231,0 0,67 0,92 0,27 10,1 RCQ, % 55,13 53,51 53,91 55,14 53,23 0,47 0,10 0,14 5,0 EGS, mm 3,10 2,64 3,0 3,12 2,71 0,263 0,113 0,084 19,71 PF peso final; GMD ganho médio diário; PCQ peso da carcaça quente; RCQ rendimento de carcaça quente; EGS espessura de gordura subcutânea. O tempo diário disponibilizado para a realização das atividades comportamentais avaliadas não sofreu efeito das fontes de energia utilizadas (p>0,05), com médias de 134,4; 257,7; 734,1 e 313,8 minutos por dia, respectivamente, para as atividades de alimentação ruminação, ócio e outras atividades. Este resultado demonstra que os alimentos milheto e glicerol podem substituir os ingredientes convencionais milho e soja sem alterar o comportamento diário dos animais. Porém os animais nelore ficaram mais tempo em ócio e menos tempo em ruminação do que os mestiços (p<0,05), Tabela 4, o maior tempo diário de ruminação dos animais mestiços pode ser efeito do seu maior consumo de MS. Também foi verificado que os animais nelore passaram mais tempo se alimentando quando comparados aos mestiços. Certamente este resultado reflete o tempo que estes animais passam selecionando o alimento volumoso, buscando consumir maior quantidade de fibra. Tabelas 4 Atividades comportamentais de bovinos machos nelore ou mestiços terminados em confinamento Grupo genético Atividades, minutos por dia Ócio* Ruminação* Alimentação* Outras atividades Nelore 762,92 206,11 152,36 318,61 Mestiços 705,28 309,31 116,39 309,03 Média 734,10 257,71 134,38 313,82 *p<0,05.

5 A dieta com glicerol reduziu o número de bolos ruminais dos animais mestiços (p<0,05), Tabela 5, e proporcionou menor número de mastigações por bolos ruminais nos animais nelore, não havendo modificação na dieta com milheto. Os animais nelore alimentados com as dietas experimentais glicerol e milheto tiveram menor tempo de mastigação por bolo ruminal do que aqueles alimentados com a dieta padrão (p<0,05), não havendo efeito das fontes de energia para os animais mestiços. Verificou-se que as fontes energéticas influenciaram a eficiência de ruminação dos animais nelore, sem alterarem esta variável para os animais mestiços. O glicerol e o milheto proporcionara maior quantidade de MS ruminada por hora (p<0,05). Tabelas 5 Variáveis de ruminação de bovinos machos nelore ou mestiços terminados em confinamento com diferentes fontes energéticas Grupo genético Número de bolos ruminais por dia Médias Nelore 231,39 aa 310,26 aa 295,44 aa 279,03 Mestiço 277,59 aa 200,46 ba 225,61 aa 234,55 Média 51,46 48,17 41,37 Número de mastigações por bolo ruminal Nelore 51,17 aa 38,04 ba 38,8 aa 42,67 Mestiço 51,75 aa 58,29 aa 43,94 aa 51,33 Média 51,46 48,17 41,37 Tempo de mastigação por bolo ruminal, segundos Nelore 56,08 aa 40,83 ab 41,17 ab 46,03 Mestiço 46,25 aa 52,25 aa 43,42 aa 47,31 Média 51,17 A 46,54 42,29 Eficiência de ruminação, kg MS/hora Nelore 1,59 aa 2,17 ba 1,71 ba 1,82 Mestiço 2,52 aa 3,25 aa 2,77a A 2,85 Média 2,06 2,71 2,24 Médias seguidas por letras distintas (maiúsculas na linha e minúsculas na coluna) diferem entre si pelo teste Tukey (p<0,05); * P>0,05. LITERATURA CITADA HUNTER, R.A. & SIEBERT, B.D. Utilization of low-quality roughage by Bos taurus and Bos indicus cattle. 1. Rumen digeston. British Journal Nutrition, v.53, n.3, p , RIBEIRO, C.V.M.; PIRES, A.V.; SUSIN, I. et al. Substituição do grão de milho pelo de milheto (Pennisetum americanum) na ração de vacas em lactação. Revista Brasileira de Zootecnia, v.33, n.5, p , AGRADECIMENTOS O presente trabalho foi realizado com o apoio da UFT.

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Comportamento, medidas morfométricas e características de carcaça e da carne de machos de aptidão leiteira alimentados com grão de milho inteiro ou moído com ou sem inclusão de farelo do mesocarpo de babaçu

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Desempenho de machos de aptidão leiteira alimentados com dietas contendo grão de milho inteiro ou moído com ou sem inclusão de farelo do mesocarpo de babaçu Odimar de Sousa Feitosa 1 ; João Restle 2 1

Leia mais

Características da carcaça e da carne de tourinhos terminados em confinamento com dietas contendo grão de milheto e inclusão de glicerina bruta

Características da carcaça e da carne de tourinhos terminados em confinamento com dietas contendo grão de milheto e inclusão de glicerina bruta Características da carcaça e da carne de tourinhos terminados em confinamento com dietas contendo grão de milheto e inclusão de glicerina bruta Bruna Gomes Pereira 1 ; João Restle 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BEZERROS LEITEIROS ALIMENTADOS COM DIETAS ALTERNATIVAS

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BEZERROS LEITEIROS ALIMENTADOS COM DIETAS ALTERNATIVAS AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BEZERROS LEITEIROS ALIMENTADOS COM DIETAS ALTERNATIVAS Higor Patrick Rocha de Sousa¹, José Neuman Miranda Neiva², Darley Oliveira Cutrim³ ¹Aluno do curso de Zootecnia;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Leide Karla Ribeiro Loureiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 ; 1 Aluno do Curso de

Leia mais

DEGRADABILIDADE IN VITRU DE CONCENTRADOS CONTENDO INCLUSÃO DO FARELO DO MESOCARPO DO BABAÇU EM DIETAS A BASE DE GRÃO DE MILHETO MOÍDO PARA BOVINOS

DEGRADABILIDADE IN VITRU DE CONCENTRADOS CONTENDO INCLUSÃO DO FARELO DO MESOCARPO DO BABAÇU EM DIETAS A BASE DE GRÃO DE MILHETO MOÍDO PARA BOVINOS DEGRADABILIDADE IN VITRU DE CONCENTRADOS CONTENDO INCLUSÃO DO FARELO DO MESOCARPO DO BABAÇU EM DIETAS A BASE DE GRÃO DE MILHETO MOÍDO PARA BOVINOS Luís Felipe Felix Monteiro da Silva¹, Fabrícia Rocha Chaves

Leia mais

Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael de Sousa Carneiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2

Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael de Sousa Carneiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 Produção e qualidade do leite de vacas em pastejo, recebendo milheto (Pennisetum americanum) em substituição parcial e total ao grão de milho no concentrado Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael

Leia mais

ECONOMICIDADE DA SUBSTITUIÇÃO MILHO PELO RESÍDUO ÚMIDO DA EXTRAÇÃO DE FÉCULA DE MANDIOCA NA TERMINAÇÃO DE TOURINHOS EM CONFINAMENTO

ECONOMICIDADE DA SUBSTITUIÇÃO MILHO PELO RESÍDUO ÚMIDO DA EXTRAÇÃO DE FÉCULA DE MANDIOCA NA TERMINAÇÃO DE TOURINHOS EM CONFINAMENTO ECONOMICIDADE DA SUBSTITUIÇÃO MILHO PELO RESÍDUO ÚMIDO DA EXTRAÇÃO DE FÉCULA DE MANDIOCA NA TERMINAÇÃO DE TOURINHOS EM CONFINAMENTO José Jorge dos Santos Abrahão 1, Jair de Araújo Marques 1*, Daniel Perotto

Leia mais

O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG

O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. PROF. DR. JULIANO FERNANDES EVZ/UFG O QUE PESQUISAMOS PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA DA PECUÁRIA. Situação da Pecuária nacional Papel dos órgãos de

Leia mais

Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento

Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento Comportamento ingestivo de bovinos em confinamento Nível de concentrado e Frequência do fornecimento da dieta Gustavo L. Sartorello o consumo de matéria seca é uma das variáveis mais importantes que influencia

Leia mais

USO DA MACAÚBA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

USO DA MACAÚBA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Workshop Estratégico CTBE: Macaúba, Desafios e Oportunidades USO DA MACAÚBA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Profª. Luciana Castro Geraseev Instituto de Ciências Agrárias UFMG SISTEMAS DE PRODUÇÃO - RUMINANTES Sistemas

Leia mais

Airon Aparecido Silva de Melo

Airon Aparecido Silva de Melo PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL. Tabela 5 Desempenho de vacas da raça Holandesa

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS Vitória Luisa Almeida Lira 1 ; Ana Cristina Holanda Ferreira 2 ; Lorena da Mota Lima Bringel 3 1 Aluna do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína-TO;

Leia mais

Quem vence é o que melhor se adapta

Quem vence é o que melhor se adapta Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016 Perfil dos confinamentos

Leia mais

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo. Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS Airon Aparecido Silva de Melo Zootecnista, D.Sc. Professor UFRPE - UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS PALMA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL.? Característica da palma Cactácea

Leia mais

Comunicado Técnico. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN São Carlos, SP

Comunicado Técnico. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN São Carlos, SP Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comunicado Técnico Dezembro, 53 ISSN 1517-1116 São Carlos, SP 2004 Desempenho e características das carcaças de garrotes de quatro grupos genéticos alimentados

Leia mais

~~Jraê5r

~~Jraê5r ~~Jraê5r 1999.00 005 ~J 'W" PROCI-FD CPPSE 1999 Confinamento, também se faz com Grão de Sorgo... Com Excelente Resultado. Confinamento tambem se faz com 1999 FD-1999.00005 GRÃO DE SORGO NA ALIMENTAÇÃO

Leia mais

VALENÇA, Roberta de Lima Aluno de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), , São Cristovão, SE, Brasil.

VALENÇA, Roberta de Lima Aluno de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), , São Cristovão, SE, Brasil. COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS SANTA INÊS ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO DIFERENTES NÍVEIS DE FARINHA DE RESÍDUO DE CAMARÃO EM SUBSTITUIÇÃO AO FARELO DE SOJA NOS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO FEEDING BEHAVIOR

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS

CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS Tamires Moraes FERREIRA* 1, Camila de Oliveira NASCIMENTO 1, Gleidson Giordano Pinto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

Aveia Preta (Avena stringosa) como fonte de volumoso em substituição à silagem de milho na terminação de cordeiros

Aveia Preta (Avena stringosa) como fonte de volumoso em substituição à silagem de milho na terminação de cordeiros Aveia Preta (Avena stringosa) como fonte de volumoso em substituição à silagem de milho na terminação de cordeiros Ricardo Cruz Vargas¹, Carlos Alberto de Carvalho², Cassio Roberto Silva Noronha³, Mariane

Leia mais

Aditivos na dieta de bovinos de corte confinados. Vinícius Nunes de Gouvêa Supervisor de Inovação e Ciência Aplicada para Ruminantes - LATAM

Aditivos na dieta de bovinos de corte confinados. Vinícius Nunes de Gouvêa Supervisor de Inovação e Ciência Aplicada para Ruminantes - LATAM Aditivos na dieta de bovinos de corte confinados Vinícius Nunes de Gouvêa Supervisor de Inovação e Ciência Aplicada para Ruminantes - LATAM DSM: Inovação e ciência para a pecuária moderna Centros de Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA AGRÁRIA EMBRAPA. Bovinos em confinamento ENERGIA NA DIETA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA AGRÁRIA EMBRAPA. Bovinos em confinamento ENERGIA NA DIETA CO N C L USÃ O! A análise econômica do confinamento, no período de 3 meses, demonstrou uma rentabilidade sobre o capital investido (animais e custeio) de 12,5%, ou seja de 4,0% ao mês. Recomenda-se que

Leia mais

Suplementação estratégica: recria e terminação em pastagem Ricardo Andrade Reis UNESP-Jaboticabal

Suplementação estratégica: recria e terminação em pastagem Ricardo Andrade Reis UNESP-Jaboticabal Suplementação estratégica: recria e terminação em pastagem Ricardo Andrade Reis UNESP-Jaboticabal Introdução Manejo Suplementação nas águas Suplementação na seca Considerações finais DESAFIOS DESAFIOS

Leia mais

Manejo Nutricional e suas Influências na Qualidade do Leite. Gabriel Candido Bandeira RC DSM TORTUGA

Manejo Nutricional e suas Influências na Qualidade do Leite. Gabriel Candido Bandeira RC DSM TORTUGA Manejo Nutricional e suas Influências na Qualidade do Leite Gabriel Candido Bandeira RC DSM TORTUGA Atender exigências dos animais; Produção; Custo de produção? Vacas; Bezerras; Novilhas; Machos.? Curva

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

ANÁLISE DA GRANULOMETRIA DA DIETA TOTAL EM PROVA DE EFICIÊNCIA ALIMENTAR DE BOVINOS SENEPOL CONFINADOS

ANÁLISE DA GRANULOMETRIA DA DIETA TOTAL EM PROVA DE EFICIÊNCIA ALIMENTAR DE BOVINOS SENEPOL CONFINADOS ANÁLISE DA GRANULOMETRIA DA DIETA TOTAL EM PROVA DE EFICIÊNCIA ALIMENTAR DE BOVINOS SENEPOL CONFINADOS Glenda dos Anjos RIBEIRO*¹, Ulisses Gabriel Moraes LOBO 1, Carina Ubirajara de FARIA 1, Aline Maria

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia COMPORTAMENTO INGESTIVO DE CORDEIROS ALIMENTADOS EM CONFINAMENTO COM DIFERENTES RESÍDUOS AGROINDUSTRIAS Pablo de Souza Castagnino 1, Sérgio Carvalho 2*, Marcel Hastenpflug 3, Liziany Müller Medeiros 3,

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM SISTEMAS DE ILPF

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM SISTEMAS DE ILPF NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS DE CORTE EM SISTEMAS DE ILPF Confinamento Rodrigo da Costa Gomes SUMÁRIO A inserção do confinamento em sistemas ILPF. Características dos animais para o confinamento.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sombrio. Sombrio. Sombrio.

INTRODUÇÃO. Sombrio.     Sombrio. Sombrio. SUBSTITUIÇÃO DA SILAGEM DE MILHO (Zea mays) POR SILAGEM DE CASCA E RASPA DE MANDIOCA (Manihot sculenta Crantz) A ALIMENTAÇÃO DE OVELHAS DE DESCARTE CONFINADAS 1 Rodrigo Dalhanholli 2 ; Elias Donadel 3

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE A QUALIDADE DA FORRAGEM E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE A QUALIDADE DA FORRAGEM E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE A QUALIDADE DA FORRAGEM E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS NA SECA Ana Carolina de Brito Silva Siqueira 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluna do Curso de

Leia mais

GANHO DE PESO DE CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM NÍVEIS CRESCENTES DE TORTA DE GIRASSOL

GANHO DE PESO DE CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM NÍVEIS CRESCENTES DE TORTA DE GIRASSOL GANHO DE PESO DE CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM NÍVEIS CRESCENTES DE TORTA DE GIRASSOL Amanda de Freitas Pena (Bolsista CNPq), Edson Luis de Azambuja Ribeiro (Orientador), e-mail: elar@uel.br, Francisco Fernandes

Leia mais

(1) Qual a proporção kg de ração por litro leite produzido? (2) Qual a quantidade de volumoso por peso de vaca leiteira? (3) Existe diferença na quantidade de alimentação em relação às raças leiteiras,

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos 1/9 Coprodutos da indústria cervejeira /9 Cevada é o principal grão. Em 011 foram produzidos 180 milhões de toneladas de cerveja, gerando de 35-40 milhões de toneladas de resíduos; É um concentrado de

Leia mais

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos

Coprodutos e subprodutos agroindustriais na alimentação de bovinos 1/9 /9 3/9 POLPA CÍTRICA Coproduto do processamento de laranjas, limões, tangerinas e outras frutas cítricas; É o resíduo que permanece depois da extração do suco, representam 50-70% do peso da fruta original;

Leia mais

Degradação ruminal da matéria seca e de proteína bruta de volumosos para bovinos 1

Degradação ruminal da matéria seca e de proteína bruta de volumosos para bovinos 1 Degradação ruminal da matéria seca e de proteína bruta de volumosos para bovinos 1 Ruminal degradability of dry matter and crude protein of roughages for cattle Rafael Henrique de Tonissi e Buschinelli

Leia mais

Atividades que foram desenvolvidas no ano (incluir principais resultados qualitativos e

Atividades que foram desenvolvidas no ano (incluir principais resultados qualitativos e ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Nome do Grupo: Nutrição de bovinos Sigla: Nutribov Ano de Criação: 2008 Professor (es) Responsável (eis): Flávio Augusto Portela

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL COMPOSIÇÃO CORPORAL DE TOURINHOS NELORE, ALIMENTADOS COM FARINHA AMILÁCEA DE BABAÇU, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Rafyze Uchoa Silva 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 1 Aluna do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína;

Leia mais

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS SUBMETIDOS A DIFERENTES NÍVEIS SUPLEMENTARES E OFERTA DE FORRAGEM, EM PASTAGENS DE Brachiaria brizantha CV.

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS SUBMETIDOS A DIFERENTES NÍVEIS SUPLEMENTARES E OFERTA DE FORRAGEM, EM PASTAGENS DE Brachiaria brizantha CV. COMPORTAMENTO INGESTIVO DE BOVINOS SUBMETIDOS A DIFERENTES NÍVEIS SUPLEMENTARES E OFERTA DE FORRAGEM, EM PASTAGENS DE Brachiaria brizantha CV. MARANDU Solange AMORIM * 1, Fernando Oliveira BARRETO 2 Fábio

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO NOVILHOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO E ALIMENTADOS COM DIETAS DE ALTO GRÃO CONTENDO DIFERENTES ADITIVOS

DESEMPENHO PRODUTIVO NOVILHOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO E ALIMENTADOS COM DIETAS DE ALTO GRÃO CONTENDO DIFERENTES ADITIVOS DESEMPENHO PRODUTIVO NOVILHOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO E ALIMENTADOS COM DIETAS DE ALTO GRÃO CONTENDO DIFERENTES ADITIVOS Felipe Batista Alves CHAVES* 1, Vanusa Alves de SOUSA 1 Wanderson Martins

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas

Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas Rafael dos Reis Paulo¹; Elizete Maria Possamai Ribeiro²; (1) Acadêmico do Curso de Licenciatura em Matemática, Segunda Fase, Instituto Federal Catarinense

Leia mais

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR MILHETO NA DIETA DE NOVILHOS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO Alexey Heronville G. da SILVA João RESTLE Juliano José R. FERNADES Ubirajara Oliveira

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS Fatores que determinam o sistema de produção de leite Terra área/limitações Capital investimento/tecnologia Mão de obra capacitação/tecnologia

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução

CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Introdução 137 CUSTO DE PRODUÇÃO DE TOURINHOS NELORE ALIMENTADOS COM DIETAS À BASE DE FUBÁ OU MILHO DESINTEGRADO COM PALHA E SABUGO (MDPS) Rivânia Ferreira Moreira¹, Daniene Aparecida Pereira 2, Marco Túlio Lopes

Leia mais

AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA

AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE BEZERROS LEITEIROS NA FASE DE RECRIA ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE INCLUSÃO DE LEVEDURA SECA DE CANA SILVEIRA, M.A.¹; JAYME D.G.²; GONÇALVES T.¹; RODRIGUES V.H.C.¹; CAMILO

Leia mais

Desempenho de novilhos Purunã x Canchim terminados com diferentes níveis de concentrado 1

Desempenho de novilhos Purunã x Canchim terminados com diferentes níveis de concentrado 1 [T] Desempenho de novilhos Purunã x Canchim terminados com diferentes níveis de concentrado 1 [I] Performance of finishing Canchim x Purunã steers fed with different concentrate levels [A] doi:10.7213/academica.12.01.ao08

Leia mais

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Resumo Expandido Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Palavras-chave: brachiária, adubação, conteúdo ruminal.

Leia mais

DESEMPENHO DE BOVINOS CONFINADOS ALIMENTADOS COM DIETA DE MILHO GRAO INTEIRO IN NATURA OU REIDRATADO

DESEMPENHO DE BOVINOS CONFINADOS ALIMENTADOS COM DIETA DE MILHO GRAO INTEIRO IN NATURA OU REIDRATADO DESEMPENHO DE BOVINOS CONFINADOS ALIMENTADOS COM DIETA DE MILHO GRAO INTEIRO IN NATURA OU REIDRATADO Felipe Natan Rodrigues de SOUSA 1, Eliene Pereira CAIXETA 1, Lucas Alves CARVALHO 1, Marcos Vinicius

Leia mais

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 2 dias de idade Luciana Pereira Nabute Cunha ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Flávia Luzia

Leia mais

¹ Bacharelando em Agronomia DCA/IFMG/Bambuí ² Prof. DSc. Forrragicultura e Pastagens Orientador DCA/IFMG/ Bambuí

¹ Bacharelando em Agronomia DCA/IFMG/Bambuí ² Prof. DSc. Forrragicultura e Pastagens Orientador DCA/IFMG/ Bambuí Resumo Expandido para publicação na Semana de Iniciação Científica UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Rodrigo de Paula CRISÓSTOMO

Leia mais

SILAGEM DE GRÃOS ÚMIDOS GIOVANI RODRIGUES CHAGAS ZOOTECNISTA

SILAGEM DE GRÃOS ÚMIDOS GIOVANI RODRIGUES CHAGAS ZOOTECNISTA SILAGEM DE GRÃOS ÚMIDOS GIOVANI RODRIGUES CHAGAS ZOOTECNISTA IMPORTÂNCIA DO MILHO 70% DA ALIMENTAÇÃO DOS NÃO RUMINANTES 40% DA ALIMENTAÇÃO DOS RUMINANTES PRINCIPAIS DIFICULDADES FALTA DE CONDIÇÕES PARA

Leia mais

Área de Atuação (se necessário consultar a relação da capes): Nutrição de Ruminantes.

Área de Atuação (se necessário consultar a relação da capes): Nutrição de Ruminantes. ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Nome do Grupo: Nutrição de bovinos Sigla: Nutribov Ano de Criação: 2008 Professor (es) Responsável (eis): Flávio Augusto Portela

Leia mais

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE NOVILHOS CONFINADOS SOB EFEITO DE DOSES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM DIETA DE ALTA DENSIDADE ENERGÉTICA

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE NOVILHOS CONFINADOS SOB EFEITO DE DOSES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM DIETA DE ALTA DENSIDADE ENERGÉTICA COMPORTAMENTO INGESTIVO DE NOVILHOS CONFINADOS SOB EFEITO DE DOSES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM DIETA DE ALTA DENSIDADE ENERGÉTICA Karina PETKOWICZ* 1, Mikael NEUMANN 1, Gabriela Letícia Delai VIGNE 2, Bruno

Leia mais

COMPORTAMENTO DE EQUINOS EM PASTEJO NO SEMIÁRIDO MINEIRO

COMPORTAMENTO DE EQUINOS EM PASTEJO NO SEMIÁRIDO MINEIRO COMPORTAMENTO DE EQUINOS EM PASTEJO NO SEMIÁRIDO MINEIRO Autores: CAMILA LIMA DE SÁ, WEMERSON FABIO GOMES RIBAS, GISLANE EVANGELISTA BISPO, WAGNER SOUZA ALVES, ANA CLÁUDIA FONSECA VELOSO, MARIA DULCINEIA

Leia mais

A utilização da silagem de Milho na alimentação de ruminantes. Aspetos nutricionais

A utilização da silagem de Milho na alimentação de ruminantes. Aspetos nutricionais Manuel Cancela de Abreu Universidade de Évora A utilização da silagem de Milho na alimentação de ruminantes. Aspetos nutricionais 35ª Reunião da Primavera da Sociedade Portuguesa de Pastagens e Forragens

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA Marcos L. DIAS 1 ; Fábio R. de ALMEIDA 1 ; Helena M. F. da SILVA 1 ; Antônio

Leia mais

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA PALMA FORRAGEIRA PARA NOVILHOS EM CONFINAMENTO: COMPORTAMENTO INGESTIVO

NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA PALMA FORRAGEIRA PARA NOVILHOS EM CONFINAMENTO: COMPORTAMENTO INGESTIVO NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO PELA PALMA FORRAGEIRA PARA NOVILHOS EM CONFINAMENTO: COMPORTAMENTO INGESTIVO Ulisses Barbosa de SOUSA 1*, Sansão de Paula HOMEM NETO 2, Aureliano José Vieira PIRES 3, Natan

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal

Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal Odilon Gomes Pereira Introdução Pecuária brasileira Pasto forma mais

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

Defesa de estágio extracurricular em NUTRIÇÃO ANIMAL

Defesa de estágio extracurricular em NUTRIÇÃO ANIMAL Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Defesa de estágio extracurricular em NUTRIÇÃO ANIMAL Acadêmica: Patrícia Mattei Orientador de estágio: Henrique Mendonça

Leia mais

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA. Cleandro Pazinato Dias

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA. Cleandro Pazinato Dias TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA Cleandro Pazinato Dias Apresentação Introdução: Tecnologias de produção mais limpa Sistemas produtivos da Pecuária Intensiva Bovinos de leite: Free

Leia mais

DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO

DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO Nagylla Melo da Silva Barros 1 ; Susana Queiroz Santos Mello 2 1 Aluna

Leia mais

Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão

Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão Multidisciplinar 1/22 Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão Antonio Ferriani Branco 2/22»» O conhecimento das concentrações dos diferentes minerais na forragem e no solo

Leia mais

Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu

Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu Desempenho de novilhas Gir suplementadas durante o período seco em pastagem de capim-marandu Glayk Humberto Vilela Barbosa (1), Edilane Aparecida da Silva (2), Douglas Martins Resende (1), José Mauro Valente

Leia mais

Comportamento ingestivo de cordeiros em confinamento alimentados com dietas contendo diferentes níveis de triguilho na matéria seca

Comportamento ingestivo de cordeiros em confinamento alimentados com dietas contendo diferentes níveis de triguilho na matéria seca VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

Fontes de alimentos (Lana, 2003) Alimento % MS

Fontes de alimentos (Lana, 2003) Alimento % MS 1 Fontes de alimentos (Lana, 2003) Alimento % MS %NDT %PB %Ca %P % da MS Silagem de milho 27 63 8 0,52 0,16 Feno de braquiária 89 54 8 0,23 0,10 Cana-de-açúcar 23 61 4 0,45 0,17 Milho 89 85 9 0,02 0,31

Leia mais

DESEMPENHO E O COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRUTÍFERA RESUMO

DESEMPENHO E O COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRUTÍFERA RESUMO 1 DESEMPENHO E O COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIFERENTES RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRUTÍFERA JEFFERSON VINÍCIUS SERAFIM DE SIQUEIRA 1, RAUL DIRCEU PAZDIORA 1, POLIANA DE JESUS SOUZA 1,

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO ENERGÉTICA PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM TROPICAL: COMPORTAMENTO ALIMENTAR

SUPLEMENTAÇÃO ENERGÉTICA PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM TROPICAL: COMPORTAMENTO ALIMENTAR SUPLEMENTAÇÃO ENERGÉTICA PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM TROPICAL: COMPORTAMENTO ALIMENTAR Luana TERRES 3*, Daniel Marino Guedes de CARVALHO 1, Gilcifran Prestes de ANDRADE 2, Caio de Souza TEIXEIRA 2,

Leia mais

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO DA MATÉRIA SECA DE SILAGENS DE CAPIM-ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM SCHUM.) PRODUZIDAS COM FARELO DE BATATA DIVERSA Ronaldo Francisco de Lima (1), Adauto

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica) e o método de imunocastração¹ Rayane Fonseca MIRANDA², Bruno Côrrea da SILVA³, Silvana Lúcia dos Santos MEDEIROS 4, Mateus

Leia mais

HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO AVALIADAS NUTRICIONALMENTE PELA TÉCNICA DE DIGESTIBILIDADE IN VITRO DE PRODUÇÃO DE GASES

HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO AVALIADAS NUTRICIONALMENTE PELA TÉCNICA DE DIGESTIBILIDADE IN VITRO DE PRODUÇÃO DE GASES HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO AVALIADAS NUTRICIONALMENTE PELA TÉCNICA DE DIGESTIBILIDADE IN VITRO DE PRODUÇÃO DE GASES Elisângela dos Santos Oliveira 1, Susana Queiroz Santos Mello 2 1 Aluna do

Leia mais

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O.

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O. VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE RACTOPAMINA EM RAÇÕES PARA SUÍNOS EM TERMINAÇÃO DE DIFERENTES POTENCIAIS GENÉTICOS PARA GANHO DE PESO OU SÍNTESE DE CARNE MAGRA Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO LINHA LINHA BRANCA PROTEÍNADOS CONCENTRADOS ENERGÉTICOS RAÇÕES NÚCLEOS PRODUTO Tech Sal Reprodução ADE Tech Sal 40 Tech Sal 45 Tech Sal 65 Tech Sal 80 Tech Sal 87 Tech Sal

Leia mais

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta?

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta? Producote Feed O que é? Producote Feed é um aditivo nutricional de liberação controlada, indicado para a suplementação proteica segura de ruminantes, com alta concentração de nitrogênio não proteico de

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Monensina sódica ou extrato de própolis LLOS C1++ na dieta de bovinos Nelores terminados em confinamento: freqüência e tempo das atividades de comportamento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE SUPLEMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS A PASTO. Dr. Antonio Ferriani Branco Prof. Associado/DZO-UEM

ESTRATÉGIAS DE SUPLEMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS A PASTO. Dr. Antonio Ferriani Branco Prof. Associado/DZO-UEM ESTRATÉGIAS DE SUPLEMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS A PASTO Dr. Antonio Ferriani Branco Prof. Associado/DZO-UEM afbranco@uem.br CARACTERÍSTICAS DO RELVADO -Valor nutritivo - Estrutura MANEJO DA PASTAGEM INGESTÃO

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DO CONCENTRADO TRADICIONAL PELO RESÍDUO DE PANIFICAÇÃO NA DIETA DE CABRAS EM LACTAÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DO CONCENTRADO TRADICIONAL PELO RESÍDUO DE PANIFICAÇÃO NA DIETA DE CABRAS EM LACTAÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DO CONCENTRADO TRADICIONAL PELO RESÍDUO DE PANIFICAÇÃO NA DIETA DE CABRAS EM LACTAÇÃO Bruno Joaninho de Assis VILLAR*¹, Priscila Bernardo de ANDRADE* ¹, Danilo Antonio

Leia mais

25 a 28 de novembro de 2014 Câmpus de Palmas

25 a 28 de novembro de 2014 Câmpus de Palmas Características fermentativas, degradabilidade ruminal in vitro e digestibilidade in vitro de silagens de capim Mombaça (Panicum maximum Jacq. cv. Mombaça) contendo farelo do mesocarpo do babaçu ou inoculante

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Degradabilidade Potencial dos Componentes da Parede Celular das Silagens de Seis Genótipos de Sorgo Ensilados no Estádio Leitoso.

Degradabilidade Potencial dos Componentes da Parede Celular das Silagens de Seis Genótipos de Sorgo Ensilados no Estádio Leitoso. Degradabilidade Potencial dos Componentes da Parede Celular das Silagens de Seis Genótipos de Sorgo Ensilados no Estádio Leitoso. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002

Leia mais

Teorias de Consumo Voluntário em Ruminantes

Teorias de Consumo Voluntário em Ruminantes UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO/ CAMPUS DE SINOP CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS Teorias de Consumo Voluntário em Ruminantes Douglas dos Santos Pina Introdução A maioria do animais de interesse

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)

RESUMOS DE PROJETOS ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS) 1265 RESUMOS DE PROJETOS... 1266 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1269 RESUMOS DE PROJETOS 1266 EFEITOS DA ADIÇÃO DE SILAGEM DE MILHO EM DIETA DE ALTO GRÃO NO DESEMPENHO DE BOVINOS NELORE CONFINADOS A PASTO...

Leia mais

SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE

SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE Marya Karollyne Tondato MARTINS* 1, Janaína Januário da SILVA 2, Daniel Marino Guedes de CARVALHO 2, Josiani

Leia mais

DIGESTIBILIDADE DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DE CERVEJARIA E ARROZ

DIGESTIBILIDADE DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DE CERVEJARIA E ARROZ DIGESTIBILIDADE DE OVINOS ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DE CERVEJARIA E ARROZ Francisca Claudia da Silva de SOUSA *1, Breno de Moura GIMENEZ 2, Anderson de Moura ZANINE 3,

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Manejo nutricional de vacas em lactação

Manejo nutricional de vacas em lactação Manejo nutricional de vacas em lactação O que se espera das vacas leiteiras? Desafio Pico da produção Concepção de uma nova cria nos primeiros 85 dias de lactação Adequado manejo nutricional durante o

Leia mais

Batata doce na alimentação de ruminantes

Batata doce na alimentação de ruminantes UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Batata doce na alimentação de ruminantes Introdução A Batata-doce (ipomoea

Leia mais

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS COM SILAGEM DE RESTOS CULTURAIS DE ABACAXI. Apresentação: Pôster

COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS COM SILAGEM DE RESTOS CULTURAIS DE ABACAXI. Apresentação: Pôster COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS COM SILAGEM DE RESTOS CULTURAIS DE ABACAXI Apresentação: Pôster Almeida, B. T 1 ; Bahia, B.A. L 2 ; Pereira, A. N 3 ; Nogueira, A. S 4 Introdução O Nordeste é uma das

Leia mais

PRODUÇÃO ANIMAL TENDO COMO BASE ALIMENTAR A PALMA FORRAGEIRA

PRODUÇÃO ANIMAL TENDO COMO BASE ALIMENTAR A PALMA FORRAGEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Avenida Bom Pastor, s/nº - Boa Vista - Garanhuns/PE 55.296-901 - Telefone: (87) 3764.5555 PRODUÇÃO ANIMAL

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CONSUMO E DESEMPENHO DE CORDEIROS DE DOIS GRUPOS GENÉTICOS EM DIFERENTES FASES DE CRESCIMENTO FABRÍCIO LEONARDO ALVES RIBEIRO 1, JUAN RAMÓN OLALQUIAGA PÉREZ 2, RAFAEL FERNANDES LEITE 3, IRAÍDES FERREIRA

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO ZOOTÉCNICA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

EXPERIMENTAÇÃO ZOOTÉCNICA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari EXPERIMENTAÇÃO ZOOTÉCNICA Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Introdução o Os ensaios em quadrados latinos levam em conta o controle local, aplicado em dois destinos:

Leia mais