UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:"

Transcrição

1 UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - Britcham Rio de Janeiro/RJ 10 abr José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

2 CONTEXTO GERAL

3 TRANSIÇÃO PARA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO LEVANTA DÚVIDAS SOBRE O FUTURO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Contexto geral Mudanças climáticas e políticas ambientais Novas fontes de energia Incerteza nos preços do petróleo Ameaças geopolíticas Uso da energia sofre modificações Norteadores Redução de emissões locais e globais Segurança energética

4 A INSTABILIDADE É CARACTERÍSTICA DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO... Mar 1999 Oct 2003 Jun 2004 Aug 2005 May 2008 Pico de oferta ou pico de demanda? Aug 2013 Dec 2014 Jan 2015 Jan 2016

5 MUDANÇAS CLIMÁTICAS: REALIDADE E DESAFIO PARA AS POLÍTICAS ENERGÉTICAS... Dec 2005 Sep 2006 Dec 2009 Nov 2010 Aug 2013 Nov 2016 Feb 2017 Como atender a crescente demanda energética em um cenário de restrições às emissões de gases de efeito estufa?

6 ... MAS, HISTORICAMENTE, AS TRANSIÇÕES ENERGÉTICAS FORAM LENTAS. Combustível da próxima transição energética

7 CONSUMO DE ENERGIA NO MUNDO Demanda mundial de energia primária por década bilhões de tep por Setor Transporte Indústria* Não Energético Residencial por Região Outros África Demais Ásia Índia China OCDE Renováveis Hídrica Nuclear Carvão Gás Natural Petróleo por Fonte * Não considera o uso não-energético na indústria. Fonte: BP Energy Outlook 2018

8 DE QUE FORMA O BRASIL ESTÁ INSERIDO NESSE CONTEXTO? Grande produtor de petróleo O Brasil tem um imenso potencial exploratório, principalmente, no pré-sal. O país pode se tornar um dos 5 maiores exportadores de petróleo do mundo em 10 anos... Arábia Saudita (2016): 7,5 milhões b/d Rússia (2016): 5,5 milhões b/d Iraque (2016): 3,6 milhões b/d Brasil (2030): 3,6 milhões b/d Canadá (2016): 3,3 milhões b/d Emirados Árabes Unidos (2016): 2,5 milhões b/d... embora seja importador líquido de derivados GLP: 57 mil b/d Nafta: 179 mil b/d Gasolina A: 77 mil b/d mil b/d QAV: 10 mil b/d Óleo Diesel A: 223 mil b/d 760 mil b/d Brasil (2017): 1,0 milhão b/d

9 DE QUE FORMA O BRASIL ESTÁ INSERIDO NESSE CONTEXTO? Grande produtor de biocombustíveis O Brasil possui enorme vantagem comparativa no setor. A implementação da Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) promoverá a adequada expansão da produção e do uso de biocombustíveis na matriz energética nacional: O Brasil é o segundo maior produtor de etanol... em e o segundo maior produtor de biodiesel. em 2016 Estados Unidos: 58,0 bilhões de litros Brasil: 27,6 bilhões de litros (27,3 em 2017) União Europeia: 5,2 bilhões de litros China: 3,2 bilhões de litros Estados Unidos: 5,5 bilhões de litros Brasil: 3,8 bilhões de litros (4,3 em 2017) Alemanha: 3,0 bilhões de litros Argentina: 3,0 bilhões de litros

10 E AINDA TEMOS A TENDÊNCIA DE ELETRIFICAÇÃO DA MATRIZ VEICULAR... Market share em 2016 (sobre total de licenciamento) 1,5% 3,4% 6,4% 29% Noruega China Suécia Holanda Licenciamento em 2016 Veículos elétricos puros (BEVs) China 257 mil Estados Unidos 87 mil Noruega 30 mil Híbridos plug-in (PHEVs) China 79 mil Estados Unidos 73 mil Holanda 27 mil

11 BRASIL: GRANDE PRODUTOR DE PETRÓLEO

12 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO POR AMBIENTE EXPLORATÓRIO Em milhões de barris por dia 6 5 4,8 5,5 6,0% a.a ,6 3,3 3,7 4,2 9,6% a.a. 49% % 2 1 1,3 2,0 1,3 1,3 1,1 1,3-0,6% a.a. 77% % Terra e Pós-Sal Pré-Sal Produção Nacional Aumento significativo da participação da produção do pré-sal Fonte: EPE Declínio natural da produção do pós-sal

13 (2017) (2018) (2017) (2017)

14 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO POR TIPO DE CONTRATO Em milhões de barris por dia 6 5 4,8 5,5 0,3 6,0% a.a. 1% 4 3 2,6 3,3 0,5 1,8 0,7 1,5 1, % 2 6% 1 2,6 2,7 2,3 2,5 27% % Concessão Cessão Onerosa Produção Nacional Partilha Não Contratado Fonte: EPE 21% O aumento da produção vem principalmente dos contratos de partilha (por ex. Libra) e da cessão onerosa (por ex. Búzios e Atapu)

15 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO: RIO DE JANEIRO E DEMAIS ESTADOS Em milhões de barris por dia ,3 4,8 0,5 1,1 5,5 6,0% a.a % 3 2,6 0, ,8 1,8 2,7 4,3 4,5 7,3% a.a % Rio de Janeiro Demais Estados Produção Nacional Entre os demais estados, São Paulo (34%) e Espírito Santo (23%) possuem as maiores produções. Fonte: EPE

16 BALANÇO DE PETRÓLEO Em milhões de barris por dia 6 histórico 5 5,5 projeção 4 3,3 3, ,1 2,6 1,8 1,9 2,0 1,7 1,5 1,0 0,6 0,3 0,1 0,2 0, Produção Processamento Importação Exportação Exportação / Produção % 38% 47% % Fonte: EPE, ANP

17 PRODUÇÃO BRUTA E LÍQUIDA DE GÁS NATURAL Em milhões de m 3 por dia ,6% a.a % % ,6% a.a. ou 70% 53% % Produção Líquida Injeção, Consumo em E&P e Queima Produção Bruta Fonte: EPE

18 BRASIL: CENÁRIO MACROECONÔMICO

19 CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO PIB (% a.a.) 10% histórico projeção 8% 6% Agropecuária : 2,6% a.a : 2,7% a.a. 4% 2% 0% 1,0% 2,6% 3,0% Indústria : 1,1% a.a : 3,0% a.a. -2% -4% Serviços : 2,4% a.a : 2,9% a.a. -6%

20 BRASIL: GRANDE PRODUTOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS

21 ETANOL

22 CANA PROCESSADA E DESTINAÇÃO PARA ETANOL E AÇÚCAR Em milhões de toneladas de cana ,5% a.a. 55% % % % Cana para Açúcar Cana Processada Cana para Etanol Fonte: EPE, MAPA, UNICA, UDOP

23 OFERTA TOTAL DE ETANOL Em bilhões de litros ,8% a.a. 52% % ,7 35 6,1% a.a. 6% ,8% a.a. 70% % 1% Etanol Anidro Nacional Etanol Anidro Importado Fonte: EPE, MAPA, ANP Etanol Hidratado Oferta Total A projeção de etanol hidratado considera os sinais positivos do RenovaBio. Entre 2003 e 2015, a oferta de etanol hidratado cresceu 11% a.a.

24 OFERTA TOTAL DE ETANOL POR TIPO Em bilhões de litros E1G 26,8 93% 2017 E2G, 0,02 0,1% Milho, 0,5 1,7% Importação, 1,7 6% E1G 44,6 90% 2030 E2G, 2,4 5% Milho, 2,0 4% Importação, 0,5 1% Fonte: EPE, MAPA, ANP

25 DEMANDA TOTAL DE ETANOL Em bilhões de litros , ,2% a.a. 4% 5% ,0 33 6,4% a.a. 51% % % 5% 25% ,4% a.a. 66% 2030 Etanol Anidro Carburante Etanol Hidratado Carburante Outros Usos Exportação Demanda Total Fonte: EPE

26 BIODIESEL

27 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL OBRIGATÓRIO DE BIODIESEL Em bilhões de litros por ano 6 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8 1º de março de 2018 B ,3 Norte 3 2 Nordeste Sudeste Sul 1 Centro-Oeste Desde PROJEÇÕES o início do PNPB até março de 2018 PARA foram O TEOR realizados 60 leilões, onde foram DE BIODIESEL comercializados 32,5 bilhões de litros de biodiesel. Desde a sua obrigatoriedade em 2008 até 2017, o PNPB evitou importações de 27 bilhões de litros de diesel equivalente, o que representa cerca de 30% das importações de diesel no período. Fonte: EPE

28 PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ORIGEM Em bilhões de litros por ano 5,0 4,0 3,4 3,9 3,8 4,3 3,0 2,4 2,7 2,7 2,9 0,3% 1% 5% 2,0 1,6 17% ,2 70% 1, Óleo de Soja Gorduras Animais Óleo de Algodão Óleo de Fritura Usado Outras Fonte: EPE, ANP, NREL

29 CAPACIDADE INSTALADA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Capacidade em 2017 Capacidade em Construção autorizada pela ANP 7,4 bilhões de litros/ano 8,5 bilhões de litros/ano Centro-Oeste 2,9 Centro-Oeste 3,5 Sul 2,9 Sul 3,4 Sudeste 0,8 Sudeste 0,8 Nordeste 0,5 Nordeste 0,5 Norte 0,2 Norte 0,2 Fonte: EPE, ANP

30 DEMANDA DE BIODIESEL CENÁRIO B10 CENÁRIO B20 10% 10% 10% % 15% 20% Em bilhões de litros por ano ,3 10 6,7 15,4 7,7 B20 10,2%a.a. B10 4,4%a.a Fonte: EPE

31 IMPACTOS NA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL A Em bilhões de litros por ano 75 RNEST, 2º trem 2024, 130 mil b/d 73 B10 2,5%a.a B20 1,6%a.a Oferta Nacional de Óleo Diesel A Fonte: EPE

32 BIOQAV

33 BALANÇO NACIONAL DE QUEROSENE DE AVIAÇÃO Em bilhões de litros por ano Oferta Demanda Saldo Líquido ,3 histórico 7,5 6,7 projeção 9,9 Potencial para Bioquerosene de Aviação compromisso da aviação nacional em reduzir as emissões de carbono, seguindo CORSIA/ICAO ,7 Oferta Nacional de QAV 6,1 6,2 5, maior segurança energética e diversificação da oferta menor intensidade de emissões locais e globais de GEE Obs.: ICAO: International Civil Aviation Organization CORSIA: Carbon offsetting and reduction scheme for International Aviation Fonte: EPE, ANP

34 BIOGÁS

35 O BIOGÁS IMPORTANTE PARA MELHORAR A NOTA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICO- AMBIENTAL DAS USINAS NO ÂMBITO DO RENOVABIO

36 POTENCIAL BRASILEIRO DE BIOGÁS POR FONTE 3 vezes 8 vezes Fonte: ABIOGAS

37 PROJEÇÕES PARA CANA, VINHAÇA E TORTA DE FILTRO PROJEÇÕES PARA CANA PROJEÇÃO PARA VINHAÇA E TORTA DE FILTRO milhões de toneladas de cana processada ,5 %a.a milhões de toneladas de torta de filtro ,21 19,07 bilhões de litros de vinhaça 446, , ,0%a.a. 2,5%a.a Torta de Filtro Vinhaça Fonte: EPE

38 PROJEÇÕES PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS DE VINHAÇA E DE TORTA DE FILTRO bilhões Nm PROJEÇÃO PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS DO SETOR SUCROENERGÉTICO 7,73 1 ton cana kg torta 1 ton torta Nm 3 biogás ,93 5,4 3,2 1,7 2, L etanol 1 L vinhaça L vinhaça Biogás Torta de Filtro Biogás Vinhaça Nm 3 biogás Fonte: EPE

39 VEÍCULOS LEVES

40 PREMISSAS PARA VEÍCULOS LEVES E G NÃO SE CONSIDERA A ENTRADA DE VEÍCULOS ELÉTRICOS PUROS ATÉ 2030 NÃO SE CONSIDERA A ENTRADA DE AUTOMÓVEIS A DIESEL ESCOLHA ENTRE ETANOL HIDRATADO E GASOLINA C EM FUNÇÃO DO PREÇO RELATIVO E PRODUÇÃO DE HÍBRIDOS FLEX FUEL PELAS MONTADORAS NACIONAIS A PARTIR DE 2021 TEOR DE 27% DE ETANOL ANIDRO OBRIGATÓRIO NA GASOLINA C GANHOS DE 1% A.A. EM EFICIÊNCIA VEICULAR PARTICIPAÇÃO DOS HÍBRIDOS NO LICENCIAMENTO DE LEVES ,05% ,15% ,4% ,0% ,2%

41 LICENCIAMENTO DE VEÍCULOS LEVES Em milhões de veículos 7 6 histórico Crise política e econômica Recuperação da economia: crédito, emprego e renda Fatores para Recuperação das Vendas 5 4 3,6 4,7 Retomada do crescimento econômico 3 Aumento da renda da população 2,2 2 1,4 Redução da taxa de desemprego Manutenção da oferta de crédito Fonte: EPE, Anfavea

42 FROTA DE VEÍCULOS LEVES Em milhões de veículos 60 histórico Perfil da Frota % 25% 2,0% 0,01% % 30 0,2% 1,8% 8% % Flex Fuel Gasolina Etanol Híbrido Fonte: EPE

43 BARREIRAS À ENTRADA DE VEÍCULOS ELÉTRICOS BATERIAS Desempenho (capacidade de potência e quantidade de energia armazenada) Matérias-Primas Autonomia, tempo de recarga e peso dos veículos Disponibilidade e altos custos (60% dos custos de fabricação das baterias) INFRAESTRUTURA Postos de Recarga ou Eletropostos Investimentos elevados, arcabouço regulatório e precificação de energia, especificações das instalações e mão de obra qualificada PREÇO Custo dos Veículos Custo de baterias e investimentos em tecnologia

44 O PREÇO DO CARRO AINDA É UM DOS PRINCIPAIS ENTRAVES HÍBRIDO 30% MAIS CARO QUE MODELO SIMILAR PREFERÊNCIA DO CONSUMIDOR: SEDAN DE LUXO OU COMPACTO HÍBRIDO? SEDAN DE LUXO SEDAN DE LUXO HÍBRIDO SEDAN DE LUXO COMPACTO HÍBRIDO A partir de R$ 120mil A partir de R$ 160mil A partir de R$ 120mil A partir de R$ 127mil SOMENTE 6% DOS VEÍCULOS LEVES VENDIDOS NO BRASIL TEM PREÇO ACIMA DE R$ 80 MIL Fonte: FIPE, EPE

45 E O VEÍCULO ELÉTRICO PURO (BEV) NO BRASIL? GOVERNO FEDERAL AVANÇA NO SENTIDO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS Aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030, expandindo o consumo de biocombustíveis, aumentando a oferta de etanol (...) VEÍCULO ELÉTRICO PURO EM NICHOS DE MERCADO Frotas de táxi e serviço público, serviços de entrega, carsharing Garantir a expansão da produção de biocombustíveis em harmonia com o compromisso brasileiro na COP21 (...)

46 E O VEÍCULO ELÉTRICO PURO (BEV) NO BRASIL? VEÍCULO HÍBRIDO FLEX TORNA-SE UMA ALTERNATIVA INTERESSANTE PARA O BRASIL Os carros elétricos serão parte da solução, mas não a solução completa. O futuro nos reserva uma combinação de motores mais eficientes, veículos elétricos e biocombustíveis 1º teste de longa duração de veículo híbrido flex foi iniciado em março de Uma unidade do Toyota Prius Flex Híbrido vai rodar km entre São Paulo/SP e Brasília/DF. Fatih Birol Diretor Executivo da IEA

47 CONSIDERAÇÕES FINAIS

48 CONSIDERAÇÕES FINAIS: O DEVER DE CASA DA INDÚSTRIA Necessidade de maior gestão das emissões de gases de efeito estufa Desenvolvimento e implementação de tecnologias que melhorem a eficiência energética Implementação de técnicas de captura e armazenamento de carbono Diversificação de portfólios de investimentos para fontes menos intensivas em carbono Criação de ambiente mais propício para inovações Evolução: empresas para prover soluções de energia

49 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício Telefone: + 55 (21) Avenida Rio Branco, 1-11 o andar Centro - Rio de Janeiro Facebook: EPE.Brasil

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina Rio de Janeiro/RJ 30 ago. 2018 José Mauro Coelho

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS Seminário Biotecnologia 4.0 São Paulo/SP 11 mai. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica Diretoria de

Leia mais

PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E OFERTA DE GÁS NATURAL NO BRASIL

PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E OFERTA DE GÁS NATURAL NO BRASIL PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E OFERTA DE GÁS NATURAL NO BRASIL VII Seminário Sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira Rio de Janeiro/RJ 30 out. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis Histórico dos biocombustíveis no Brasil Aprovação da Lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Armando Guedes Coelho Conselheiro IBP Junho/2009 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald,

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora)

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Caderno de Biocombustíveis 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Cadernos FGV Energia A FGV Energia edita e atua em parcerias para a produção de publicações

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Setembro de 2017 PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Elizabeth Farina Diretora Presidente Fotografia da crise no setor sucroenergético, no mercado de combustíveis e no Brasil Endividamento

Leia mais

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética 2 Argentina Brazil Canada China Denmark

Leia mais

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 Consulta Pública - Anexo da Nota Técnica nº 12/2018/DBIO/SPG Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Proposta de Metas Compulsórias

Leia mais

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 4ª Reunião do Comitê RenovaBio Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Entradas

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 Cenários para os biocombustíveis no Brasil Matriz energética e fontes de energia Biocombustíveis no mundo Evolução

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro 2014 07/10/2014 1 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios

Leia mais

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL Ethanol Summit 2017 São Paulo/SP 27 jun. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Aprosoja e Abramilho Mercado do milho Produção mundial Safra 17/18* EUA 370,3 CHINA 215,0 BRASIL 95,0 EUROPA 59,6 ARGENTINA

Leia mais

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Visão ANP Magda Chambriard Diretora-Geral FGV Energia em foco: Estratégias e Desafios para o Futuro Rio de Janeiro, 20 de

Leia mais

ELETROMOBILIDADE BRASIL:PERSPECTIVAS

ELETROMOBILIDADE BRASIL:PERSPECTIVAS ELETROMOBILIDADE NO BRASIL:PERSPECTIVAS Painel: Mobilidade Elétrica no Brasil e no Mundo: Ontem, Hoje e Amanhã São Paulo, 19 de Outubrode 2017 Jeferson Borghetti Soares Superintendente TENDÊNCIAS GLOBAIS

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 Palestra Especial: ENASE 2018 Rio de Janeiro/RJ 23 mai. 2018 Reive Barros Presidente AGENDA Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) Cenário Macroeconômico

Leia mais

AVANÇOS DA INDÚSTRIA DE BIODIESEL NO BRASIL

AVANÇOS DA INDÚSTRIA DE BIODIESEL NO BRASIL AVANÇS DA INDÚSTRIA DE BIDIESEL N BRASIL Mesa Redonda: Produção Industrial de Biodiesel Dr. Rafael Silva Menezes Coordenador de Inovação em Tecnologias Setoriais Coordenação-Geral de Desenvolvimento e

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO FIRJAN Perspectivas do Gás Natural no Rio de Janeiro Rio de Janeiro/RJ 05 dez. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo AGENDA DA APRESENTAÇÃO Quem somos: Abiogás www.abiogas.org.br

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade Cana-de-açúcar - Energética 1 t de cana (colmos) 140 kg de açúcar 280

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Evolução Econômica: Renda e Consumo Alimentos e Energia 11º Congresso Brasileiro do Agronegócio Rio de Janeiro, 06 de agosto de 2012 Luciano Coutinho Presidente Breve panorama da economia mundial Incertezas

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Programa detalhado Critérios de Avaliação Participação

Leia mais

Perspectivas para o biodiesel no Brasil

Perspectivas para o biodiesel no Brasil Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo Perspectivas para o biodiesel no Brasil Fábio Guerra Assessor Econômico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília DF 17 de março

Leia mais

Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios

Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios - MEC SHOW 2018 - Milton Costa Filho Secretário Geral IBP Aviso Legal O conteúdo da presente apresentação é meramente informativo e utiliza dados

Leia mais

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético XIX Seminário ABMR&A Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético Luciano Rodrigues Assessor Econômico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo 01 de outubro de 2008

Leia mais

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio Campinas, 18 de agosto de 2017 SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes Fundado em 1941 Fórum para discussão

Leia mais

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz Ministério de Minas e Energia II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

Opções tecnológicas para o uso do etanol: emissões reguladas, GHG e eficiência veicular

Opções tecnológicas para o uso do etanol: emissões reguladas, GHG e eficiência veicular Opções tecnológicas para o uso do etanol: emissões reguladas, GHG e eficiência veicular Segundo Seminário Internacional sobre o Uso Eficiente do Etanol Prof. Dr. Waldyr L. R. Gallo Departamento de Energia

Leia mais

Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro

Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro Lançamento do Caderno de Biocombustíveis - Fgv Energia Donizete Tokarski Diretor Superintendente Rio de Janeiro, 15 de setembro de 2017 Produtoras de Biodiesel

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas 2 PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução do parque de geração de eletricidade no RS no período

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Descarbonização: Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene 30 de

Leia mais

A HORA E VEZ DO GÁS NATURAL DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO NOVO MARCO LEGAL

A HORA E VEZ DO GÁS NATURAL DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO NOVO MARCO LEGAL A HORA E VEZ DO GÁS NATURAL DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO NOVO MARCO LEGAL Perspectivas de Produção e Oferta de Gás Natural no Brasil São Paulo/SP 11 dez. 2017 Giovani Vitória Machado Superintendente de

Leia mais

A EPE E O RENOVABIO. Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica. José Mauro Coelho. Campinas/SP 29 set. 2017

A EPE E O RENOVABIO. Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica. José Mauro Coelho. Campinas/SP 29 set. 2017 A EPE E O RENOVABIO Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis PAPEL DA EPE NO PLANEJAMENTO

Leia mais

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Linhas de Financiamento Veículos Elétricos Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Agenda Indústria Automotiva Drivers para difusão Situação atual Linhas do BNDES Indústria Automotiva

Leia mais

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis Síntese de Comercialização de Combustíveis [ Edição nº 11/218] Superintendência de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica Síntese de Comercialização de Combustíveis Destaques Gasolina C

Leia mais

RenovaBio Impactos Esperados

RenovaBio Impactos Esperados RenovaBio Impactos Esperados Plinio Nastari Presidente, DATAGRO Representante da Sociedade Civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética 17ª. Conferencia da DATAGRO sobre Açúcar e Etanol Grand

Leia mais

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Nova Independência/SP, 17 de maio de 2018 REUNIÃO DE FORNECEDORES Pedra Agroindustrial S/A Usina Ipê Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Prof.

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO VII Seminário de Bioeletricidade CEISE Br / UNICA 25ª Fenasucro & Agrocana 2017 Sertãozinho/SP 23 ago. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Biodiesel: Janela de Oportunidades

Biodiesel: Janela de Oportunidades Faet/Senar, Palmas/TO, 27 de novembro de 2018 Fórum de Desenvolvimento Estratégico da Agroenergia Biodiesel: Janela de Oportunidades Donizete Tokarski Produtores Associados Consumidores Insumos Tecnologia/Outras

Leia mais

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar São Paulo, 06 de fevereiro de 2012 O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 794.911

Leia mais

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil Plinio Nastari presidente da DATAGRO representante da sociedade civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética Workshop BIOEN-FAPESP RENOVABIO

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel

O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel Ricardo de Gusmão

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB

O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB Rodrigo Augusto Rodrigues Subchefe Adjunto da SAG/Casa Civil PR Coordenador da Comissão Executiva Interministerial do Biodiesel Niterói - RJ, 17

Leia mais

2 Processo de Refino no Brasil e Mercado

2 Processo de Refino no Brasil e Mercado 2 Processo de Refino no Brasil e Mercado O Brasil possui atualmente 12 refinarias instaladas que se destinam ao processamento de petróleo com o objetivo de gerar derivados de qualidade para atendimento

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Aspectos mais relevantes das Externalidades Positivas do PNPB (Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel) e Impactos na Progressão da Mistura. Programa Nacional

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

I ECOSÃO PAULO. Fontes Renováveis de Energia. Prof. Suani Coelho. São Paulo, 8 de novembro de 2007

I ECOSÃO PAULO. Fontes Renováveis de Energia. Prof. Suani Coelho. São Paulo, 8 de novembro de 2007 I ECOSÃO PAULO Fontes Renováveis de Energia Prof. Suani Coelho São Paulo, 8 de novembro de 2007 Vantagens das Energias Renováveis Vantagens Estratégicas Fluxo mundial de petróleo Fonte: Kemp; Harkavy (1997)

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis. Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia

Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis. Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia Fontes renováveis representam 45% da nossa matriz, enquanto a média mundial

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO. Waste Expo 2016

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO. Waste Expo 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO Waste Expo 2016 ASSOCIADOS ALIMENTOS BIOGÁS E A ECONOMIA CIRCULAR ENERGIA BIOGÁS RESÍDUOS BIODIGESTÃO EFLUENTE NPK FERTILIZANTE AMBIENTE REGULATÓRIO DEZ 2012

Leia mais

Agenda positiva setorial e o aumento da responsabilidade do biodiesel no cenário energético nacional

Agenda positiva setorial e o aumento da responsabilidade do biodiesel no cenário energético nacional - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Agenda positiva setorial e o aumento da responsabilidade do biodiesel no cenário energético nacional Leonardo Zilio Assessor Econômico leonardo@abiove.org.br

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 773.422

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Visão Geral Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Apresentação para o ABDIB Fórum 2019 Estratégias para a Retomada da Infraestrutura 21/05/2019-14h30 Este documento foi preparado pelo

Leia mais

Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol. 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016

Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol. 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016 Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016 PROÁLCOOL Lançado pelo governo brasileiro em 1975 choques do petróleo (1973 e 1979). Duas aplicações veiculares:

Leia mais

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo-SP, 21/09/17 Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Biocombustíveis e a Aviação Impactos

Leia mais

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz,

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz, 6 Conclusão A Matriz Energética possibilita aos planejadores de políticas energéticas contarem com uma ferramenta para simular trajetórias variadas da evolução da demanda e da oferta de energia no Estado,

Leia mais

A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA

A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA Análise do Mercado de Gasolina no Brasil Prof. Marcelo Colomer São Paulo Agosto de 2013 Importações Acumuladas de Janeiro a Junho de 2013 Fonte: MDIC, 2013 2 Crescimento da

Leia mais

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente FGV ENERGIA Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 2018 1 2 Associados 3 4 RECONHECIMENTO

Leia mais

SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL

SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar São Paulo, 21 de outubro de 2013 Qual é a expectativa para a safra 2013/2014

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ricardo de Gusmão

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais