Calculadora RenovaBio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calculadora RenovaBio"

Transcrição

1 Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Detalhes Técnicos, Certificações e Calculadora Campinas, 18 de agosto de 2017 Calculadora RenovaBio Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Marília Folegatti Matsuura Marcelo Morandi Michelle Scachetti Nilza Patrícia Ramos Joaquim Seabra Antonio Bonomi Mateus Chagas Otávio Cavalett Marcelo Moreira 1

2 Introdução 2

3 Metas Volumétricas Individuais Modelo em desenvolvimento: RENOVABIO Metas de Emissões energia CO 2 etanol, biodiesel, bioquerosene, biometano Certificação da produção de biocombustíveis por ciclo de vida Metas de redução de emissões no mercado de combustíveis Aperfeiçoamento regulatório, fiscalização e monitoramento +Competitividade +Eficiência +Diálogo +Credibilidade 3

4 Avaliação do Ciclo de Vida Técnica de gestão ambiental que envolve a compilação e avaliação das entradas, saídas e dos impactos ambientais potenciais de um sistema de produto ao longo o seu ciclo de vida (i.e., do berço ao túmulo). 4

5 ISO ISO

6 6

7 ISO/TS 14067:2013 ABNT NBR 14067:2015 PAS 2050 Product Life Cycle Accounting and Reporting Standard Roundtable on Sustainable Biomaterials 7

8 FRONTEIRA DO SISTEMA 8

9 Atribucional Consequencial Diferença conceitual entre as abordagens 9

10 COPRODUTOS Subdivisão do processo Expansão do sistema Alocação (relações físicas) Alocação (outras relações) 10

11 LCFS RFS RED 10% de redução na média da intensidade de carbono (GEE) no ciclo de vida dos combustíveis em Não há limite mínimo para biocombustíveis individualmente. O mix de combustível deve atingir uma redução de 10% em 2020 comparado com uma linha de base. 36 bilhões de galões de biocombustíveis em 2022, dos quais 21 bilhões de galhões de biocombustíveis avançados. A meta depende da categoria do biocombustível: 20%, 50% e 60% respectivamente para etanol de milho, biodiesel ou biocombustível avançado (e.g., etanol de cana-de-açúcar), e biocombustíveis celulósicos. Meta de 10% de energia renovável no transporte; FQD exige uma redução de 6-10% das emissões de GEE no ciclo de vida em Biocombustíveis devem reduzir em ao menos 35% as emissões de GEE comparados às referências fósseis. O limite mínimo sobe para 50% em 2017 e 60% em 2018 para biocombustíveis produzidos em instalações novas. 11

12 Tipo de ACV RED RFS LCFS Atribucional e consequencial (tratamento da energia elétrica como coproduto) Consequencial Consequencial Escopo b Poço à roda Poço à roda Poço à roda Unidade funcional MJ de combustível mmbtu de combustível MJ combustível g CO Emissões de GEE dos 2 eq/mmbtu gasolina em ,78 g CO combustíveis de 83,8 g CO 2 eq/mj combustível fóssil 2 eq/mj (gasolina g CO 2 eq/mmbtu diesel em CARBOB); 102,01 (diesel ULSD) referência 2005 Tratamento dos coprodutos Gases considerados e fatores de caraterização f Mudança do uso da terra (LUC) Ferramentas de análise Alocação em base energética e Expansão do expansão do sistema (apenas para Expansão do sistema d sistemae e alocação em base energética energia elétrica) c CO 2, CH 4 e N 2 O; GWP100 conforme o TAR do IPCC Consideram-se somente os efeitos diretos. Não há valores default atribuídos à DLUC g. Emissões amortizadas em 20 anos, sem taxa de desconto. Janeiro de 2008 como data de referência para o cálculo. Efeitos indiretos não são considerados. NÃO ESPECÍFICO CO 2, CH 4 e N 2 O; GWP100 conforme o SAR do IPCC; COV e CO convertidos em CO 2 por relação molecular Modelagem dos efeitos diretos e indiretos conjuntamente. Emissões amortizadas em 30 anos. Há divisão entre DLUC doméstico (EUA) e internacional. GREET, CENTURY, DAYCENT, FASOM e FAPRI-CARD CO 2, CH 4 e N 2 O; GWP100 conforme o AR4 do IPCC; COV e CO convertidos em CO 2 por relação molecular Modelagem dos efeitos diretos e indiretos conjuntamente. Emissões amortizadas em 30 anos. CA-GREET, OPGEE, GTAP e AEZ-EF 12

13 13

14 14

15 15

16 Avaliação de desempenho ambiental 16

17 OBJETIVO E BASE METODOLÓGICA Objetivo Determinar a intensidade de carbono dos biocombustíveis, gerando um índice em g CO 2 eq/mj Base metodológica Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) Abordagem atribucional Alocação em base energética 17

18 ESCOPO Tipos de biocombustível Etanol de cana-de-açúcar (1G e 2G) Etanol de milho Biodiesel de soja Biodiesel de gordura bovina Bioquerosene de HEFA de soja Bioquerosene de SIP de cana-de-açúcar Biometano de resíduos agroindustriais Biometano de resíduos urbanos Biocombustíveis importados 18

19 ESCOPO Categoria de impacto ambiental Mudança do Clima Etapas do ciclo de vida Well-to-wheel 19

20 FONTES DE DADOS Processos à montante do processo agrícola Bases de dados: ecoinvent Processo agrícola Perfil de produção específico: dados primários da área sob gestão da usina Perfil de produção padrão ( default ): dados já inseridos na RenovaCalc Resíduos: carga ambiental zero Processo industrial Perfil de produção específico: dados primários Processos à jusante do processo industrial Valores padrão ( default ): literatura, estatísticas setoriais 20

21 FONTES DE DADOS Emissões 21

22 FONTES DE DADOS Perfil de produção específico Os processos de organização de dados, alimentação da RenovaCalc e auditoria para certificação são mais trabalhosos. Em compensação, os investimentos para melhoria de eficiência e redução de emissões de GEE na produção do biocombustível serão percebidos e valorizados Perfil de produção padrão ( default ) Ao se optar pelo perfil de produção padrão (opção B), os processos de oferta e verificação de dados serão mais simples, porém o produtor de biocombustível não conseguirá se distinguir favoravelmente dos seus concorrentes. O perfil de produção padrão corresponderá ao nível tecnológico mais comum no momento atual, gerado a partir de informações de bancos de dados do setor produtivo e da literatura técnica, ao qual são aplicados fatores de penalização. 22

23 Índice de intensidade de carbono INDICADOR 00 Combustível fóssil g CO 2 eq/mj Biocombustível g CO 2 eq/mj Mitigação g CO 2 eq/mj 23

24 DESEMPENHO AMBIENTAL DOS COMBUSTÍVEIS DE REFERÊNCIA Gasolina tipo A 86,4 g CO 2 eq/mj Diesel fóssil 87,4 g CO 2 eq/mj 24

25 Mudança de Uso da Terra 25

26 POR QUE MUT? Abordagens: DLUC, iluc, Gestão de Risco Fonte: Ahlgren e Lucia (2014)

27 POLÍTICAS INTERNACIONAIS RFS1 inicio em 2005; RFS Modelagem dos efeitos diretos e indiretos conjuntamente. Emissões amortizadas em 30 anos. iluc passou a ser incorporado no RFS2 em Modelagem dos efeitos diretos e indiretos conjuntamente. Emissões amortizadas em 30 anos. Revisões periódicas. Emissões iluc foram desconsideradas na primeira fase. Evolução iluc nas legislações (para etanol de cana) 50 Consideram-se somente os efeitos diretos na propriedade. Não há valores default atribuídos à DLUC. Emissões amortizadas em 20 anos. Janeiro de 2008 como data de corte para o cálculo. Formula de cálculo divulgada em (DRIA) 2010 (RIA) Risk assessment Fonte:Agroicone, com base em USPEA (2009 e 2015), CARB (2011 e 2015); Valin

28 POLÍTICAS MUT NO BRASIL Zoneamentos Zoneamento da cana Zoneamento da Palma Políticas para combate ao desmatamento e gestão do território Zoneamentos e iniciativas estaduais para gestão do território Política nacional de controle do desmatamento (PPCDAM, PPCERRADO) Compromissos voluntários de redução de desmatamento até 2020: Amazônia (80%) e no Cerrado (40%); Desmatamento ilegal zero na Amazônia até 2030 (NDC); Lei de Proteção de Vegetação Nativa (Código Florestal); Implementação do CAR; Georreferenciamento das áreas para fins de crédito oficial + CAR. Restauração de pastagens, ILPF etc (NDC). Moratória da soja como iniciativa privada com apoio do Ministério do Meio Ambiente 28

29 DESAFIOS Expansão sobre pastagens como política climática e de segurança alimentar; Dificuldade de verificar o balanço de carbono nas diferentes pastagens; Capacidade de absorção das pastagens não está devidamente refletida nos cálculos de conversão direta (iluc e segurança alimentar); Não há consenso acerca da modelagem de iluc no Brasil; Arcabouço institucional significativo para MUT. 29

30 PROPOSTA: ADOÇÃO EM DUAS FASES 1ª Fase: As emissões MUT não serão calculadas; controle rigoroso de conversão de áreas de vegetação nativa; Acompanhamento e revisão da política de acordo com avanços da ciência podendo levar a revisão; Biomassa Critério de elegibilidade Referência Cana-de-açúcar Conformidade com o Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Brasil, 2009 Palma de óleo Conformidade com o Zoneamento Agroecológico da Palma de óleo Brasil, 2010 Soja e Milho Conformidade com a Moratória da soja Abiove, 2017 Todas Conformidade com o Código Florestal Brasil, 2012 Todas CAR sem áreas de desmatamento a partir de 2018 Protocolo RenovaBio 2ª Fase: 2022 em diante A definir de acordo com os resultados e aprimoramentos da Fase 1. 30

31 VANTAGENS DA PROPOSTA Compatibilidade com padrões internacionais; Compatibilidade e reforço das políticas nacionais; Transparência; Simplifica e diminui os custos de certificação; Não restringe em demasia a possibilidade de expansão de área para produção de biocombustíveis; Alinhada com iniciativas setoriais já em curso. 31

32 Explorando a RenocaCalc 32

33 OBJETIVOS Determinar a intensidade de carbono dos biocombustíveis, gerando um índice em g CO₂eq/MJ Quantificar o benefício ambiental pela substituição de um combustível fóssil de referência 33

34 Rotas de Produção de Biocombustíveis Etanol de cana-de-açúcar Biodiesel de soja Etanol de milho Biodiesel de gordura bovina Etanol de segunda geração BioQAV Biometano de resíduos agroindustriais Biometano de resíduos urbanos 34

35 Rotas de Produção de Biocombustíveis Etanol de cana-de-açúcar Biodiesel de soja Etanol de milho Biodiesel de gordura bovina Etanol de segunda geração BioQAV Biometano de resíduos agroindustriais Biometano de resíduos urbanos 35

36 Rotas de Produção de Biocombustíveis Etanol de cana-de-açúcar Biodiesel de soja Etanol de milho Biodiesel de gordura bovina Etanol de segunda geração BioQAV Biometano de resíduos agroindustriais Biometano de resíduos urbanos 36

37 Apresentando a RenovaCalc Exemplo para etanol de cana-de-açúcar Versão em desenvolvimento! Dados de entrada Dados agrícolas e industriais: principais dados para a caracterização dos sistemas Parâmetros fixos Insumos agrícolas (mudas, defensivos...) Insumos industriais (água, cal, ác. fosfórico, ác. sulfúrico...) Transporte (usina ao consumidor) 37

38 Entrada de dados agrícolas Área Produção ha TC Dados primários Usina (cana própria) Corretivos Calcário Gesso Fertilizantes N P₂O₅ K₂O kg/tc kg/tc kg N/TC kg P₂O₅/TC kg K₂O/TC Fertilizantes Orgânicos e Organominerais Vinhaça Torta de Filtro kg/tc Cinzas Combustíveis Diesel Biometano L/TC kg/tc L/TC Nm³/TC Dados primários ou Dados default 38

39 Entrada de dados agrícolas Fornecedor 1 Fornecedor 2 Dados consolidados Fornecedor N Usina (cana própria) Fornecedores (cana de terceiros) Média ponderada 39

40 40

41 41

42 Fase Agrícola Usina (cana própria) Fornecedores (cana de terceiros) Média ponderada Fase Industrial Usina (Fase industrial) 42

43 Entrada de dados industriais Usina (Fase industrial) Processamento Colmos Palha Rendimentos Etanol anidro Etanol hidratado Açúcar Eletricidade comercializada Bagaço comercializado Combustíveis Bagaço próprio Bagaço de terceiros Palha Cavaco de madeira TC t kg/tc kg/tc kg/tc kwh/tc kg/tc kg/tc kg/tc kg/tc kg/tc Dados primários 43

44 Cálculos Dados Agrícolas Dados industriais Modelos e Fatores de Emissão Resultados: g CO₂ eq / MJ 44

45 Cálculos Fóssil de referência g CO₂ eq / MJ Redução das emissões (g CO₂ eq / MJ) 45

46 Resultados 46

47 Redução das emissões g CO₂ eq / MJ Resultados Sensibilidade Simulações com dados hipotéticos 55,9 58,3 55,9 60,3 63,1 Autônoma Anexa Básica Otimizada sem palha Otimizada com palha Etanol: 85 L/TC Açúcar: - Etanol: 53,4 L/TC Açúcar: 51,3 kg/tc Sensibilidade à Produção de Açúcar Etanol: 85 L/TC EE: 0 kwh/tc Etanol: 85 L/TC EE: 67,7 kwh/tc Etanol: 85 L/TC EE: 185 kwh/tc Sensibilidade à Produção de Energia Elétrica Excedente 47

48 Redução das emissões g CO₂ eq / MJ Resultados Sensibilidade Simulações com dados hipotéticos 55,9 54,1 57,5 53,7 55,9 57,2 80 L/TC 85 L/TC 90 L/TC 60 TC/ha 77,4 TC/ha 100 TC/ha Etanol: 80 L/TC EE: 0 kwh/tc Etanol: 85 L/TC EE: 0 kwh/tc Etanol: 90 L/TC EE: 0 kwh/tc Sensibilidade à Produtividade Industrial (etanol) 1,45 kg N/TC 3,8 L diesel/tc 1,1 kg N/TC 3,2 L diesel/tc 0,85 kg N/TC 2,7 L diesel/tc Sensibilidade à Produtividade Agrícola 48

49 Redução das emissões g CO₂ eq / MJ Resultados Sensibilidade Simulações com dados hipotéticos 55,9 60,7 Ureia Nitrato de Amônio Etanol: 85 L/TC Etanol: 85 L/TC Sensibilidade à fonte de nitrogênio 49

50 Rotas de Produção de Biocombustíveis Etanol de cana-de-açúcar Biodiesel de soja Etanol de milho Biodiesel de gordura bovina Etanol de segunda geração BioQAV Biometano de resíduos agroindustriais Biometano de resíduos urbanos 50

51 Entrada de dados Produção de soja Área Produção Corretivos Calcário Gesso Sementes Inoculantes (FBN) Fertilizantes N P₂O₅ K₂O Combustíveis Diesel ha t kg/t soja kg/t soja kg/t soja kg/t soja kg N/t soja kg P₂O₅/t soja kg K₂O/t soja L/t soja Dados primários Dados primários ou Dados default 51

52 Entrada de dados Produção de soja Processamento de soja t soja Rendimentos Óleo Farelo kg/t soja kg /t soja Dados primários Extração de óleo Combustíveis Eletricidade Gás natural Diesel Cavaco de madeira Bagaço de cana kwh/t soja Nm³/t soja L/t soja kg/t soja kg/t soja 52

53 Entrada de dados Produção de soja Extração de óleo Produção de biodiesel Processamento de óleo t óleo Integração com a extração de óleo? Rota Metílica ou Etílica Rendimentos Biodiesel Glicerina Combustíveis Eletricidade Cavaco de madeira Diesel (transporte) kg/t óleo kg /t óleo kwh/t óleo kg/t óleo L/t óleo Dados primários 53

54 54

55 Redução das emissões g CO₂ eq / MJ Resultados Sensibilidade Simulações com dados hipotéticos kg/ha 3120 kg/ha 4800 kg/ha Sensibilidade à Produtividade Agrícola

56 Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Detalhes Técnicos, Certificações e Calculadora Campinas, 18 de agosto de 2017 Obrigado 56

Avaliação de Ciclo de Vida: proposta de avaliação de desempenho ambiental e certificação para o Programa RenovaBio

Avaliação de Ciclo de Vida: proposta de avaliação de desempenho ambiental e certificação para o Programa RenovaBio Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização: oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do bioquerosene Belo Horizonte, 29 e 30 de agosto de 2017 Avaliação de Ciclo de

Leia mais

I ENCONTRO TÉCNICO DO RENOVABIO AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NO ÂMBITO DO RENOVABIO

I ENCONTRO TÉCNICO DO RENOVABIO AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NO ÂMBITO DO RENOVABIO I ENCONTRO TÉCNICO DO RENOVABIO AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NO ÂMBITO DO RENOVABIO GT ACV RenovaBio Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Gustavo Bayma Joaquim Seabra Antonio Bonomi Marcelo Moreira Juliana Picoli

Leia mais

PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO

PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO Biodiesel e bioquerosene: sustentabilidade econômica e ambiental Brasília, 24 de maio de 2017 PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO Embrapa Marília Folegatti Matsuura Marcelo

Leia mais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Workshop estratégico CTBE: modelagem econômica Campinas, 29 de setembro de 2017 Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Marília Folegatti

Leia mais

Conceitos, Objetivos e Ferramentas do RenovaBio. Contabilidade de Carbono e RenovaCalc

Conceitos, Objetivos e Ferramentas do RenovaBio. Contabilidade de Carbono e RenovaCalc Conceitos, Objetivos e Ferramentas do RenovaBio Contabilidade de Carbono e RenovaCalc GT ACV RenovaBio Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Gustavo Bayma Joaquim Seabra Antonio Bonomi Marcelo Moreira Juliana

Leia mais

II Workshop de validação da RenovaCalc e do processo de certificação do RenovaBio

II Workshop de validação da RenovaCalc e do processo de certificação do RenovaBio II Workshop de validação da RenovaCalc e do processo de certificação do RenovaBio Campinas, 19 de março de 2018 Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Breve Histórico Lançamento do RenovaBio 12/16 Resolução CNPE

Leia mais

RENOVACALC: AVALIANDO AS EMISSÕES DOS BIOCOMBUSTÍVEIS

RENOVACALC: AVALIANDO AS EMISSÕES DOS BIOCOMBUSTÍVEIS RENOVACALC: AVALIANDO AS EMISSÕES DOS BIOCOMBUSTÍVEIS GT ACV Anna Letícia Pighinelli Marília Folegatti Gustavo Bayma Michelle Scachetti Juliana Picoli Nilza Ramos Renan M. Novaes Marcelo Morandi Renan

Leia mais

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Nova Independência/SP, 17 de maio de 2018 REUNIÃO DE FORNECEDORES Pedra Agroindustrial S/A Usina Ipê Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Prof.

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio

Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio WORKSHOP BIOEN-FAPESP RenovaBio: ciência para a sustentabilidade e competitividade da bioenergia Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio Antonio Bonomi Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo-SP, 21/09/17 Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Biocombustíveis e a Aviação Impactos

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis Histórico dos biocombustíveis no Brasil Aprovação da Lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis

Leia mais

TÓPICOS DE PESQUISA VISANDO APRIMORAR O RENOVABIO. Marcelo A. B. Morandi Nilza Patrícia Ramos

TÓPICOS DE PESQUISA VISANDO APRIMORAR O RENOVABIO. Marcelo A. B. Morandi Nilza Patrícia Ramos TÓPICOS DE PESQUISA VISANDO APRIMORAR O RENOVABIO Marcelo A. B. Morandi Nilza Patrícia Ramos Renan M. Novaes GT ACV A construção de um modelo de bioeconomia sólida requer investimento em desenvolvimento

Leia mais

Fatores de emissão de N 2 O para fertilizantes nitrogenados e resíduos agroindustriais

Fatores de emissão de N 2 O para fertilizantes nitrogenados e resíduos agroindustriais WORKSHOP BIOEN-FAPESP RenovaBio: ciência para a sustentabilidade e competitividade da bioenergia Fatores de emissão de N 2 O para fertilizantes nitrogenados e resíduos agroindustriais João Luís Nunes Carvalho

Leia mais

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas?

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? 1º Encontro Técnico do RenovaBio RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? Luciano Rodrigues UNICA/ESALQ Qual o valor da energia renovável, em especial dos biocombustíveis? Benefício ambiental

Leia mais

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 4ª Reunião do Comitê RenovaBio Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Entradas

Leia mais

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 Consulta Pública - Anexo da Nota Técnica nº 12/2018/DBIO/SPG Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Proposta de Metas Compulsórias

Leia mais

NOTA TÉCNICA. RenovaCalc MD : Método e ferramenta para a contabilidade da Intensidade de Carbono de Biocombustíveis no Programa RenovaBio

NOTA TÉCNICA. RenovaCalc MD : Método e ferramenta para a contabilidade da Intensidade de Carbono de Biocombustíveis no Programa RenovaBio NOTA TÉCNICA RenovaCalc MD : Método e ferramenta para a contabilidade da Intensidade de Carbono de Biocombustíveis no Programa RenovaBio Março de 2018 NOTA TÉCNICA RenovaCalc MD : Método e ferramenta para

Leia mais

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética 2 Argentina Brazil Canada China Denmark

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora)

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Caderno de Biocombustíveis 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Cadernos FGV Energia A FGV Energia edita e atua em parcerias para a produção de publicações

Leia mais

Consulta Pública do RenovaBio Comentários e sugestões da ABIOVE

Consulta Pública do RenovaBio Comentários e sugestões da ABIOVE Consulta Pública do RenovaBio Comentários e sugestões da ABIOVE Daniel Amaral Gerente de Economia daniel@abiove.org.br Rio de Janeiro RJ 5 de junho de 2018 Glicerina é um co-produto Anexo, item 2.2, alínea

Leia mais

Ações em ACV da Embrapa

Ações em ACV da Embrapa Workshop Parceria UFRJ e Embrapa Campinas, 25 de novembro de 2015 Ações em ACV da Embrapa Marília Folegatti Sumário A importância da agricultura brasileira A Embrapa ACV na Embrapa Rede ACV Embrapa Estudos

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Setembro de 2017 PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Elizabeth Farina Diretora Presidente Fotografia da crise no setor sucroenergético, no mercado de combustíveis e no Brasil Endividamento

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Ano Safra 2017/2018

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Ano Safra 2017/2018 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Ano Safra 2017/2018 APRESENTAÇÃO Como estratégia de sua gestão de emissões e contribuição com o movimento global de combate às mudanças climáticas, a Jalles

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia Marcela Cardoso Guilles da Conceição Rio de Janeiro,

Leia mais

RenovaBio Impactos Esperados

RenovaBio Impactos Esperados RenovaBio Impactos Esperados Plinio Nastari Presidente, DATAGRO Representante da Sociedade Civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética 17ª. Conferencia da DATAGRO sobre Açúcar e Etanol Grand

Leia mais

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica Diretoria de

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚSTRIA DE AÇÚ LCOOL. A CANA COMO FONTE DE ENERGIA M. Regis L. V. Leal Copersucar

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚSTRIA DE AÇÚ LCOOL. A CANA COMO FONTE DE ENERGIA M. Regis L. V. Leal Copersucar CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚSTRIA DE AÇÚ ÇÚCAR E ÁLCOOL LCOOL A CANA COMO FONTE DE ENERGIA M. Regis L. V. Leal Copersucar A CANA COMO FONTE DE ENERGIA M. Regis L. V. Leal Centro de Tecnologia Copersucar

Leia mais

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente FGV ENERGIA Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 2018 1 2 Associados 3 4 RECONHECIMENTO

Leia mais

Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis

Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis Balanço Energético e Emissões de Gases de Efeito Estufa na Produção de Bioetanol da Cana-de-açúcar em comparação com outros Bio-combustíveis Agrobiologia Seropédica, RJ Robert M. Boddey Embrapa Agrobiologia,

Leia mais

Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017

Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017 Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017 Lidando com a Mudança Climática Aviação e o Meio Ambiente Representa 2% das emissões totais de GEE A Aviação Internacional

Leia mais

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE

Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Fórum sobre Sustentabilidade ABINEE Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental São Paulo, 03/09/2012 Sustentabilidade Ambiental Econômica Social

Leia mais

Sessão 5 - Avaliação técnica, econômica e ambiental de biorrefinarias. Biorrefinaria Virtual de Cana-de-açúcar BVC. Mateus F.

Sessão 5 - Avaliação técnica, econômica e ambiental de biorrefinarias. Biorrefinaria Virtual de Cana-de-açúcar BVC. Mateus F. 1º Workshop sobre o Estado da Arte da Tecnologia de Produção de Etanol: de Olho na Segunda Geração Sessão 5 - Avaliação técnica, econômica e ambiental de biorrefinarias Biorrefinaria Virtual de Cana-de-açúcar

Leia mais

Perspectivas de incremento do desempenho da cadeia produtiva do etanol de cana-de-açúcar

Perspectivas de incremento do desempenho da cadeia produtiva do etanol de cana-de-açúcar III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Bioetanol e Indústria Sucroenergética Instituto de Economia, UFRJ, novembro de 2010 Perspectivas de incremento do desempenho da cadeia produtiva do etanol de cana-de-açúcar

Leia mais

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente FGV ENERGIA Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 2018 1 Associados RECONHECIMENTO

Leia mais

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis em Portugal

Sustentabilidade dos Biocombustíveis em Portugal Sustentabilidade dos Biocombustíveis em Portugal Transposição da Diretiva 2015/1513 Diálogo Estruturado com os stakeholders 1. Missão da ENMC Mercado de Biocombustíveis 1. Acompanhamento da Definição das

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

Desafios e oportunidades da produção de biocombustíveis no Brasil

Desafios e oportunidades da produção de biocombustíveis no Brasil Desafios e oportunidades da produção de biocombustíveis no Brasil Esdras Sundfeld Chefe Adjunto de P&D Embrapa Agroenergia II Simpósio sobre Metodologias de Laboratório de Pesquisa Agropecuária Pelotas,

Leia mais

Tabela 3. Valores típicos e valores penalizados para a produção de milho

Tabela 3. Valores típicos e valores penalizados para a produção de milho Abordagem Escopo Unidade Tratamento Fonte Ferramenta Área Calcário Gesso Concentração Concentração Combustíveis Calcário Sementes Combustíveis Calcário GLP Eletricidade Calcário Gesso Sementes Combustíveis

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

Avaliação de Sustentabilidade da produção de Etanol de Cana-de-Açúcar

Avaliação de Sustentabilidade da produção de Etanol de Cana-de-Açúcar UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia de Alimentos Lab. de Engenharia Ecológica e Informática Aplicada LEIA Avaliação de Sustentabilidade da produção de Etanol de Cana-de-Açúcar

Leia mais

Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro

Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro Lançamento do Caderno de Biocombustíveis - Fgv Energia Donizete Tokarski Diretor Superintendente Rio de Janeiro, 15 de setembro de 2017 Produtoras de Biodiesel

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 18 de Agosto de 2017 NP-3 Downstream no Brasil tem características privilegiadas Por ser longo em cru, curto em derivados e distante dos principais mercados Posição

Leia mais

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Zilmar José de Souza Rio de Janeiro RJ 27 de novembro de 2017 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/ A União das Indústrias de Cana-deaçúcar

Leia mais

SETOR ENERGÉTICO: Prof. Aziz Galvão da Silva Júnior (DER) Projeto Biodiesel

SETOR ENERGÉTICO: Prof. Aziz Galvão da Silva Júnior (DER) Projeto Biodiesel AGRONEGÓCIO E SETOR ENERGÉTICO: Uma Parceria Estratégica! Prof. Aziz Galvão da Silva Júnior (DER) Projeto Biodiesel UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA /Recursos Não Renováveis / Produção Industrial / População

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Paulo Moraes Ozaki Índice Dados gerais do projeto Métodos Análise de mercado Análise dos arranjos (Clusters) Viabilidade econômica Aspectos sociais Aspectos ambientais

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel

Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Cadeia Produtiva da Soja e Biodiesel Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia 18 de agosto de 2017 Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc 14º Encontro de Energia FIESP São Paulo, 06 de agosto de 2013 Matriz Energética Brasileira Cana: 36%

Leia mais

COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO

COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO Bioquerosene para avançar Ao ratificar o Acordo do Clima de Paris, o Brasil assumiu o compromisso de redução das emissões de gases

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade Cana-de-açúcar - Energética 1 t de cana (colmos) 140 kg de açúcar 280

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida do PE Verde I m green

Avaliação do Ciclo de Vida do PE Verde I m green Avaliação do Ciclo de Vida do PE Verde I m green Introdução Um dos grandes desafios que a nossa sociedade enfrenta refere-se à redução das emissões de gases de efeito estufa, de modo que não haja mudanças

Leia mais

Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás

Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás Workshop: O Biogás e seu papel na matriz energética brasileira e no meio ambiente Panorama do Biogás no Brasil Setor Sucroenergético Painel 1: Políticas Governamentais para o Biogás André Elia Neto Campinas

Leia mais

ACV de biodiesel em Portugal no contexto da RED

ACV de biodiesel em Portugal no contexto da RED Realização Patrocínio Biodiesel: Avanços Tecnológicos, Mercado, Barreiras e Cenários ACV de biodiesel em Portugal no contexto da RED Érica Castanheira & Fausto Freire Centro para a Ecologia Industrial

Leia mais

Aspectos ambientais da fertilização nitrogenada: emissão de gases do efeito estufa

Aspectos ambientais da fertilização nitrogenada: emissão de gases do efeito estufa Aspectos ambientais da fertilização nitrogenada: emissão de gases do efeito estufa Carlos Eduardo P Cerri ESALQ/USP Aspectos ambientais da fertilização nitrogenada: emissão de gases do efeito estufa ÍNDICE

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético Workshop de Resultados: Projeto SUCRE Zilmar José de Souza A bioeletricidade no setor sucroenergético Campinas SP 7 de dezembro de 2017 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/ Ø A União das Indústrias de

Leia mais

GEO ENERGÉTICA Setembro 2015

GEO ENERGÉTICA Setembro 2015 GEO ENERGÉTICA Setembro 2015 Sumário Executivo GEO Energética é uma companhia 100% brasileira que, depois de dez anos de pesquisa, desenvolveu um processo biotecnológico único e inovador para a produção

Leia mais

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil Plinio Nastari presidente da DATAGRO representante da sociedade civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética Workshop BIOEN-FAPESP RENOVABIO

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA Pedro C. R. Rossi (pedro.rossi@ufabc.edu.br) Fontes de energia Principais fontes de energia disponíveis para a sociedade Fontes de energia Energia primária, energia de uso

Leia mais

Seminário Internacional Relacionando Mudança do Clima e Contas Nacionais

Seminário Internacional Relacionando Mudança do Clima e Contas Nacionais Seminário Internacional Relacionando Mudança do Clima e Contas Nacionais Painel 3: Relacionando inventários nacionais de emissões à contabilidade econômica Inventário de emissões e remoções de GEE do Brasil

Leia mais

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia Tema Estratégico Independência Energética Soberania e Segurança Nacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS TÊXTEIS

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS TÊXTEIS AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS TÊXTEIS Marco Introdutório Neste trabalho a técnica de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) foi empregada para avaliação do desempenho ambiental do processo de confecção

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas 2 PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução do parque de geração de eletricidade no RS no período

Leia mais

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain *O setor representa cerca de 1% do PIB brasileiro ou R$32 bilhões de reais, gera aproximadamente 684 mil empregos, que representa 0,7% do mercado

Leia mais

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS Seminário Biotecnologia 4.0 São Paulo/SP 11 mai. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

Leia mais

ACV do óleo de girassol produzido em Portugal

ACV do óleo de girassol produzido em Portugal ACV do óleo de girassol produzido em Portugal Filipa Figueiredo, Érica Castanheira & Fausto Freire ADAI-LAETA, Centro para a Ecologia Industrial http://www2.dem.uc.pt/centerindustrialecology Universidade

Leia mais

Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE

Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE Setembro de 2017 Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE Marlon Arraes Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Ministério de Minas e Energia RENOVABIO. Departamento de Biocombustíveis Fevereiro de Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO.

Ministério de Minas e Energia RENOVABIO. Departamento de Biocombustíveis Fevereiro de Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Ministério de Minas e Energia RENOVABIO Departamento de Biocombustíveis bio@mme.gov.br Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Fevereiro de 2018 Departamento de Biocombustíveis (DBIO)/SPG RenovaBio Objetivos da

Leia mais

RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO. Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18

RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO. Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18 RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18 RenovaBio Fundamento Legal Lei nº 13.576, de 26 de dezembro

Leia mais

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Coordenação Técnica Instituto de Energia e Meio Ambiente Greenpeace Equipe Responsável David Shiling Tsai Felipe Barcellos e Silva Gabriel de Freitas Viscondi Larissa

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

Perspectiva para o biodiesel no Brasil e no Mundo

Perspectiva para o biodiesel no Brasil e no Mundo Sede da CNA, Brasília, 10 de outubro de 2018 V Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia (EnPI) Mesa Redonda 4 Biomassa para Bioenergia, visão do setor produtivo Perspectiva para o biodiesel

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

Agenda de P&D da Embrapa Cerrados

Agenda de P&D da Embrapa Cerrados Manejo, conservação e uso de recursos naturais Recuperação de Áreas Degradadas: Desenvolvimento de tecnologias para restauração ecológica e recuperação de áreas agrícolas com baixa capacidade produtiva.

Leia mais

Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs)

Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) Estratégia para redução de gases de efeito estufa para o Brasil AGO 2018 1 PRINCIPAIS DESAFIOS CONTRIBUIÇÕES NACIONALMENTE DETERMINADAS (NDCS) Acordo de

Leia mais

ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ABORDAGEM DA CADEIA DO BIODIESEL SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Gean Carla S. Sganderla, GPERS/UNIR, sganderlavale@yahoo.com.br Artur Souza Moret, GPERS/UNIR, amoret@unir.br RESUMO (de acordo

Leia mais

Biomassa e Energia Raízen CTBE

Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa agrícola; Custos de Produção; Potencial Bagaço e Palha; AGENDA Potencial Vinhaça e Torta de Filtro; Cogeração Eletricidade; Etanol 2ª Segunda Geração T MS/há/ ano

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 26 de maio de 2017 Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Avaliação da safra 2016/2017 Moagem e produção Mercados de etanol

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ

CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ CURSO INTERNACIONAL ENERGIA NA INDÚ INDÚSTRIA DE AÇÚCAR ÇÚCAR E ÁLCOOL LCOOL Balanço energético da produção de etanol de cana de açúcar Dr. Luiz A. Horta Nogueira UNIFEI 1 2 CURSO ENERGIA NA INDÚSTRIA

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Potencial e disponibilidade de biomassa de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do

Leia mais

VII Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Mecânica

VII Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Mecânica Engenharia Mecânica AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA DO BIODIESEL DE GIRASSOL EM PORTUGAL: COMPARAÇÃO COM OUTRAS OLEAGINOSAS IMPORTADAS Filipa Figueiredo 1, Érica Castanheira 1, João Malça 1,2 e Fausto Freire

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA ÁREA DE AGRICULTURA. Marília Folegatti Embrapa Meio Ambiente

AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA ÁREA DE AGRICULTURA. Marília Folegatti Embrapa Meio Ambiente AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA ÁREA DE AGRICULTURA Marília Folegatti Embrapa Meio Ambiente Sumário Importância da agricultura brasileira. Importância dos estudos de ACV para o agronegócio brasileiro. Diferenças

Leia mais

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente

Biodiversidade e biocombustíveis. Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente Biodiversidade e biocombustíveis Agosto 2009 M. Cecilia Wey de Brito Secretária de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente DESAFIOS Continuidade da perda da biodiversidade (conversão do

Leia mais

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ricardo de Gusmão

Leia mais

Energia a partir de Fontes Renováveis

Energia a partir de Fontes Renováveis Energia a partir de Fontes Renováveis A energia sempre teve um papel fundamental no desenvolvimento e crescimento de um país. Cada vez mais se faz necessário o uso das fontes energéticas, renováveis ou

Leia mais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos sociais na cadeia de biocombustíveis

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos sociais na cadeia de biocombustíveis Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas, 29 de setembro de 2017 Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos sociais na cadeia de biocombustíveis Divisão de Inteligência

Leia mais

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil O acordo de mudanças climáticas: impactos na eficiência energética no Brasil Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil uma meta de redução absoluta de emissões aplicável

Leia mais

4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida

4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida 4. Resultados do Inventário do Ciclo de Vida Neste estudo se desenvolveu uma metodologia de cálculo para avaliar o uso de energia e emissões de GEE, que pode ser utilizada facilmente para gerar automaticamente

Leia mais

PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS

PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS Agosto 2017 PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico A Plataforma Mineira

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE RESOLUÇÃO N o 14, DE 8 DE JUNHO DE 2017 Estabelece diretrizes estratégicas para a política de biocombustíveis a ser proposta pelo Poder Executivo, cria o Comitê

Leia mais

O CONCEITO DE BIORREFINARIA

O CONCEITO DE BIORREFINARIA Biorrefinarias O CONCEITO DE BIORREFINARIA Biorrefinaria é uma instalação que integra processos de conversão de biomassa em biocombustíveis, insumos químicos, materiais, alimentos, rações e energia. O

Leia mais