Arrecadação específica e a sustentabilidade financeira do setor de limpeza urbana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arrecadação específica e a sustentabilidade financeira do setor de limpeza urbana"

Transcrição

1 Arrecadação específica e a sustentabilidade financeira do setor de limpeza urbana (DC1) Uso Interno na - Confidencial

2 Introdução 1 (DC1) (DC1) Uso Uso Interno Interno na na - - Confidencial

3 Limpeza Urbana no Brasil O que é Limpeza Urbana? O serviço de limpeza urbana é composto pelos processos de coleta, tratamento e disposição final de resíduos sólidos, considerando diversos tipos de resíduos (ex. público, doméstico, de construção civil, etc). A responsabilidade da gestão correta destes resíduos varia de acordo com o tipo de material em questão, conforme tabela ao lado: Fases do gerenciamento de resíduos sólidos no município Geração de resíduos Tipo de resíduos Domiciliar Comercial* Público Serviços de saúde Industrial* Coleta e Transporte Portos, aeroportos, terminais ferroviários e rodoviários Agrícola Entulho (construção civil)* Processos de Tratamento Disposição Final Responsabilidades Município Município Município Gerador Gerador Gerador Gerador Gerador * O município é corresponsável por pequenas quantidades. A quantidade máxima de resíduo varia de acordo com a legislação local. 3 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

4 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Contextualização da evolução das leis relacionadas à temática Principais obrigações dos municípios Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS para obtenção de recursos federais Disposição final ambientalmente adequada (aterros sanitários) metas para adequação ; Inclusão social; Fornecimento de informações para organização e manutenção do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (SINIR); 4 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

5 Relações entre os atores na implementação da PNRS e seus desafios 2 5 (DC1) (DC1) Uso Uso Interno Interno na na - - Confidencial

6 Relações entre os atores na implementação da PNRS e seus desafios Modelo ilustrativo 6 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

7 Cenário atual 3 7 (DC1) (DC1) Uso Uso Interno Interno na na - - Confidencial

8 Cenário atual Com o aumento da renda familiar há uma mudança no tipo de consumo. 8 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

9 Cenário atual Aumenta o consumo no Brasil......aumenta a geração de resíduos % S e i m a g i n a r m o s q u e o p e s o m é d i o 5, d o b r a s i l e i r o é d e % , 5 k g ( 2005 ), p o d e - s e d i z e r q u e c a d a c i d a d ã o g e r a e m u m a n o o e q u i v a l e n t e a 5, 7 v e z e s o s e u p r ó p r i o p e s o e m r e s í d u o s. 0 G e r a ç ã o P o p u l a ç ã o t o t a l d e b r a s i l e i r a R S U ( t / a n o ) Fonte: Cetesb/IBGE 9 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

10 Cenário Atual Metade dos resíduos sólidos gerados no Brasil não tem uma destinação adequada. Geração de RSU total e per capita nos anos de 2011 e 2012 (1kg por hab dia) Principais destinações finais nos anos de 2011 e 2012 (42% lixão) Fonte: Pesquisa Abrelpe e IBGE Fonte: Abrelpe, (DC1) Uso Interno na - Confidencial

11 Formas de arrecadação Orçamento municipal, taxa e tarifa 4 11 (DC1) (DC1) Uso Uso Interno Interno na na - - Confidencial

12 Gastos Per Capita (R$/Hab/ano) Recursos financeiros destinados ao serviço de limpeza urbana Relação dos recursos financeiros destinados para limpeza urbana (R$/hab/ano) e quantidade per capita de resíduos produzidos em um ano (kg/hab/ano) 1.200,00 800, ,00 700,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0,00 600,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 Quantidade per capita (kg/hab/ano) Gastos per capita (R$/hab/ano) Quantidade de resíduo per capita (kg/hab/ano) 12 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

13 Recursos financeiros destinados ao serviço de limpeza urbana Recursos financeiros destinados para limpeza urbana (R$/hab/ano) 1200, ,00 800,00 600,00 Tóquio investe amplamente em sistemas inovadores, mesmo produzindo a menor quantidade de resíduos das cidades internacionais analisadas A Cidade do México possui altos custos com o SLU devido a uma estrutura inchada para a execução dos serviços, possuindo aproximadamente 4 vezes mais funcionários comparado com São Paulo. Barcelona possui um dos melhores programas de coleta seletiva, investindo pesadamente em técnicas e equipamentos inovadores Nova Iorque possui um alto custo para gestão do SLU devido a logística para disposição final do resíduo Valor médio = 480,17 400,00 200,00 Valor médio = 88,14 0,00 Tóquio Cidade do México Barcelona Roma Paris Nova Iorque Londres Buenos Aires Brasília-DF Salvador Rio de Janeiro Goiânia São Paulo Belo Horizonte 13 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

14 Formas de arrecadação As formas de arrecadação comumente utilizadas pelo setor Taxa Aplicáveis para serviços disponibilizados e, não necessariamente utilizados. Deve ser cobrada apenas pelo poder concedente, sendo utilizada para atividade fim a qual foi requerida. Tarifa Preço público cobrado diretamente pelo concessionário Risco da inadimplência recai sobre o concessionário Limitações jurídicas a sua cobrança: Dois tributos não podem ter a mesma base de cálculo O serviço público deve ser específico e divisível Limitações jurídicas da cobrança: Aplicáveis para serviços efetivamente utilizados Orçamento municipal Parte do orçamento municipal destinado a limpeza urbana para cobrir o custo do serviço em sua totalidade ou de forma a complementar à taxa 14 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

15 Orçamento municipal Percentual do orçamento municipal destinado à limpeza urbana Cidades Brasília - DF Salvador Rio de Janeiro Goiânia São Paulo Belo Horizonte 4,7% 12,5% 6,8% 7,8% 5,3% 6,0% Segundo estudo do IBAM, a limpeza urbana consome em média de 7 a 15% do orçamento municipal das cidades brasileiras. 15 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

16 Taxa Principais indicadores comparativos entre as cidades nacionais Cidades Brasília - DF Salvador Rio de Janeiro Goiânia São Paulo Belo Horizonte Despesas correntes** Orçamento municipal destinado a limpeza urbana Relação entre arrecadação específica e despesa com SLU Orçamento gasto com empresas t erceirizadas Quantidade de lixo por habitante por ano (kg/hab/ano) Custo por habitante ano (R$/hab/ano) 4,7 % 19,8% 53,2% 605, ,45 12,5% 20,7 % 84,8% 253,31 84,99 6,8% 100,0% 31,8% 456,56 81,1 8 7,8% 0,0% 35,6% 368,65 7 5,80 5,3% 0,0% 1 00,0% 351,41 7 3,63 6,0% 47,7 % 53,1% 349,1 3 68,04 ** Valor anual do total de despesas da administração pública municipal para a manutenção dos serviços públicos em geral, exceto despesas de capital (exemplos: investimentos em obras públicas, compra de materiais, inversões de capitais). 16 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

17 Tarifa Joinville (SC): Instituição de cobrança da tarifa/taxa do resíduo sólido Um dos primeiros municípios a aprovar um plano municipal de resíduos sólidos como parte do plano municipal de saneamento básico do município. 1% da população participou das audiências públicas que ocorreram. Estudo e a elaboração de mecanismos de cobrança do resíduo gerado pela população 1999 : criação da taxa de limpeza e conservação cobrada junto ao imposto predial e territorial urbano (IPTU) 2000: remuneração dos serviços ocorreria pela cobrança direta da Tarifa de Limpeza Urbana (TLU) 2002: foi assinado o Contrato de Concessão dos Serviços de Limpeza Urbana Nº 378/2002 com prazo até 2022, podendo ser prorrogado por 10 anos Em 2008, eram aproveitadas toneladas/ano de resíduos recicláveis e, em 2011, esse número chegou a toneladas/ano, e há oito galpões de reciclagem. 17 (DC1) Uso Interno na - Confidencial

18 Ausência de arrecadação específica, destinação inadequada (Lixões) e doenças do Aedes Estudo realizado com mais de 1700 municípios identificou a alta incidência de destinação inadequada de resíduos nos municípios que não possuem uma arrecadação específica. com arrecadação específica sem arrecadação específica Aterro* 63% 29% Lixão** 37% 71% *dos municípios que compõem o ISLU, 776 possuem aterros sanitários **dos municípios que compõem o ISLU, 952 possuem lixões Fonte: G1 da Globo data: 13/04/ (DC1) Uso Interno na - Confidencial

19 Obrigado! Carlos Rossin 2016 Todos os direitos reservados. Neste documento, CP refere-se à PricewaterhouseCoopers Contadores Públicos Ltda., a qual é uma firma membro do network da PricewaterhouseCoopers, sendo que cada firma membro constitui-se em uma pessoa jurídica totalmente separada e independente. O termo refere-se à rede (network) de firmas membro da PricewaterhouseCoopers International Limited (IL) ou, conforme o contexto determina, a cada uma das firmas membro participantes da rede da. Cada firma membro da rede constitui uma pessoa jurídica separada e independente e que não atua como agente da IL nem de qualquer outra firma membro. A IL não presta serviços a clientes. A IL não é responsável ou se obriga pelos atos ou omissões de qualquer de suas firmas membro, tampouco controla o julgamento profissional das referidas firmas ou pode obrigá-las de qualquer forma. Nenhuma firma membro é responsável pelos atos ou omissões de outra firma membro, nem controla o julgamento profissional de outra firma membro ou da IL, nem pode obrigá-las de qualquer forma. (DC1) Uso Interno na - Confidencial

Gestão da Limpeza Urbana Um investimento para o futuro das cidades

Gestão da Limpeza Urbana Um investimento para o futuro das cidades www.pwc.com/br Gestão da Limpeza Urbana Um investimento para o futuro das cidades IV SINAOP Agenda 1. Degradação Ambiental e Resíduos Sólidos 2. Estudo sobre a Gestão de Limpeza Urbana 3. Política Nacional

Leia mais

Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU) 2017

Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU) 2017 Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU) 2017 Junho 2017 Sumário Página Apresentação... 2 Metodologia... 3 Cidades cobertas pelo SNIS que participam do ISLU... 5 Principais resultados do ISLU...

Leia mais

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10 Carlos Rossin Índice 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07 Formas de Arrecadação... 09 Orçamento Municipal... 10 Agentes executores dos serviços... 13 Regulamentações...

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Comunicação Ietec A sustentabilidade ambiental é um desafio mundial e, por isso, a produção, coleta e destinação dos resíduos tornaram-se tema

Leia mais

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha RESÍDUOS NO BRASIL Situação Atual da... Maioria Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CARROCEIROS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLAVEIS ANCAT

Leia mais

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com INTRODUÇÃO Semelhança entre processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Fonte: Barros,

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Relatórios integrados das empresas brasileiras

Relatórios integrados das empresas brasileiras Como as empresas estão respondendo às demandas de informação do mercado? As boas práticas e os avanços são generalizados ou se limitam a um reduzido número de empresas? Relatórios integrados das empresas

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

5 Encontro de Contabilidade e Auditoria Impactos contábeis da Lei 12973/14

5 Encontro de Contabilidade e Auditoria Impactos contábeis da Lei 12973/14 www.pwc.com.br 5 Encontro de Contabilidade e Auditoria Impactos contábeis da Lei 12973/14 Abrasca Ibracon Disciplinas de convergência contábil / fiscal Novas práticas contábeis 2007 ECD 2008 /2009 RTT

Leia mais

Governança, Riscos e Compliance

Governança, Riscos e Compliance Governança, Riscos e Compliance Novembro de 2014 GRC Nossa visão Práticas da organização em relação a: (i) supervisão, (ii) estratégia, (iii) gestão do risco; e (iv) cumprimento de leis e regulamentações,

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS UMA SOLUÇÃO VIÁVEL PARA ERRADICAÇÃO DOS LIXÕES DO BRASIL Engo. ELEUSIS BRUDER DI CREDDO Conselheiro

Leia mais

IFRS 13 Mensuração do valor justo

IFRS 13 Mensuração do valor justo www.pwc.com/br IFRS 13 Mensuração do valor justo Equivalente ao CPC 46 Tadeu Cendón Introdução IFRS 13 emitido em maio de 2011 Vigência a partir de 1/1/2013 aplicação prospectiva Objetivos Proporciona

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Algumas alterações ocorridas em 2016

Algumas alterações ocorridas em 2016 www.pwc.com.br Algumas alterações ocorridas em 2016 Novembro de 2016 1 SPED Contábil - Substituição Processo de Consulta no âmbito da RFB 2 SPED Contábil - ECD Decreto 8.683, de 25/02/2016: Grande avanço

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 SIMPLICIDADE elaboração e implementação dos PMGIRS BAIXO CUSTO GRADATIVIDADE ESTRUTURA

Leia mais

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Proporções descomunais: Panorama histórico RMSP São Paulo 2000 18 milhões hab. 10,5 milhões hab. 2010 20 milhões hab. 11,5 milhões hab. 2017 22 milhões

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL Alison Araujo Santos Acadêmico da Faculdade AGES. Bacharelado em Engenharia

Leia mais

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Componente Resíduos Sólidos

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Componente Resíduos Sólidos SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Componente Resíduos Sólidos Seminário Técnico ABES MG: A Política Nacional de Resíduos Sólidos em debates José Alberto M. Mendes Pesquisador UnB CREA-MG,

Leia mais

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Celise

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PAUTA DA APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO AO TEMA PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DOS RS LEGISLAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE MÉTODO DE COBRANÇA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ESTUDO DE MÉTODO DE COBRANÇA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM MUNICÍPIOS BRASILEIROS ESTUDO DE MÉTODO DE COBRANÇA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM MUNICÍPIOS BRASILEIROS 1 linha em branco, fonte Times New Roman, corpo 10 Katia Sakihama Ventura (Professora do Departamento de Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana Um investimento para o futuro das cidades

Gestão da Limpeza Urbana Um investimento para o futuro das cidades Gestão da Limpeza Urbana Abril de 2010 Gestão da Limpeza Urbana Apresentação A PricewaterhouseCoopers, para melhor atender às necessidades de seus clientes, opera com uma estrutura segregada em duas dimensões.

Leia mais

Grupo de Discussão. Revista Capital Aberto

Grupo de Discussão. Revista Capital Aberto Grupo de Discussão Revista Capital Aberto Reforma Tributária Julho/2017 Visão Histórica Sistema Tributário Brasileiro Visão histórica Sistema tributário brasileiro Baseado na EC 18, fixa normas gerais

Leia mais

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos José Valverde Machado Filho 22.08.2012 ONU-HABITAT afirma que população urbana da América Latina chegará a 89% em 2050. De acordo com o Estado das Cidades da

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

A construção do Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos através de Consórcio de Municípios: A Experiência do CISGA

A construção do Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos através de Consórcio de Municípios: A Experiência do CISGA 20º Encontro Anual dos Dirigentes Municipais de Meio Ambiente A construção do Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos através de Consórcio de Municípios: A Experiência do CISGA Porto

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos VIII Seminário e VII Workshop Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Situação da Política Estadual de Resíduos Sólidos Patrícia Gomes Salomão Secretária de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Vitória,

Leia mais

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro www.pwc.com.br Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro Junho 2015 Agenda 01 02 Sustentabilidade...olhando para futuro Para ser sustentável é preciso compreender e se adaptar

Leia mais

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014 www.pwc.com.br IN RFB 1.515/2014 Janeiro, 2015 Painel 1 Novo marco legal - geral: Extinção do RTT Novos CPCs Procedimentos de transição e adoção inicial Subcontas Mercado de capitais : Custos e despesas

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO Contribuições da Sociedade Civil para a construção de metas de resíduos para o período de 2017-2020 Introdução Eixos 1. 2. Aterros Sanitários

Leia mais

Instituto Acende Brasil

Instituto Acende Brasil www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro ano base 2014 Dezembro 2015 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ROTA TECNOLÓGICA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NOS MUNICÍPIOS DA

Leia mais

Remuneração executiva e geração de valor

Remuneração executiva e geração de valor 10Minutos Capital Humano Práticas de remuneração e desempenho em empresas de capital aberto no Brasil Remuneração executiva e geração de valor Maio de 2015 Destaques Abril 2015 Os modelos de remuneração

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA/RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos. Relatório CETESB

Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos. Relatório CETESB Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos Relatório CETESB Apresentação CETESB: Órgão Estadual de Meio Ambiente - responsável pelo controle da poluição ambiental do Estado de São Paulo; A partir de 1997:

Leia mais

ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA SUMÁRIO 1. ASPECTOS GERAIS... 3 2. SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO... 3 3. MECANISMO DE PAGAMENTO... 6 EQUAÇÕES

Leia mais

Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro

Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro Ano Base 2015 Outubro 2016 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4 2.

Leia mais

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014 Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa Zilda M. F. Veloso 08abril2014 I- CONSIDERAÇÕES GERAIS Objetivos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERAÇÃO DE RESÍDUOS PANO DE FUNDO: Sem a PNRS, a geração

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos

Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos Gustavo Fontana Supervisor Administrativo Financeiro do Departamento Municipal de Limpeza Urbana ALGUMAS INFORMAÇÕES

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Desafios da Gestão de Resíduos Urbanos 19/Julho/2017

Workshop Saneamento Básico Desafios da Gestão de Resíduos Urbanos 19/Julho/2017 Workshop Saneamento Básico Desafios da Gestão de Resíduos Urbanos 19/Julho/2017 Considerações iniciais A gestão de resíduos urbanos ainda não alcançou os objetivos estabelecidos pelas nossas políticas

Leia mais

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos.

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos e seus reflexos sobre a gestão dos aterros sanitários e o aproveitamento energético do metano UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO Média brasileira

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE Paulo Celso dos Reis Gomes Desafios do Governo Rollemberg em relação aos resíduos sólidos urbanos (2015/18) 1 Encerrar as atividades irregulares

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA FATOR DE AMPLIAÇÃO DA COBERTURA. esocial e Penhoras.

EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA FATOR DE AMPLIAÇÃO DA COBERTURA. esocial e Penhoras. EDUCAÇÃO PREVIDENCIÁRIA FATOR DE AMPLIAÇÃO DA COBERTURA esocial e Penhoras. Educação Previdenciária Fator de Ampliação da Cobertura Abstract Alinhando-se à Recomendação CNPC 1/2008, a PwC traz orientações

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Seminário Soluções Ambientais para Resíduos Sólidos Industriais DESAFIOS PARA SUSTENTABILIDADE RESÍDUOS

Leia mais

Aplicação, mudanças e tendências das normas contábeis - IFRS

Aplicação, mudanças e tendências das normas contábeis - IFRS www.pwc.com.br Aplicação, mudanças e tendências das normas contábeis - IFRS Setembro de 2012 Leandro Ardito Agenda Práticas contábeis adotadas no Brasil (CPC): visão geral e convergência com IFRS IFRS

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E OS DESAFIOS AO CUMPRIMENTO DA LEI Nº , DE 2010

A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E OS DESAFIOS AO CUMPRIMENTO DA LEI Nº , DE 2010 A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E OS DESAFIOS AO CUMPRIMENTO DA LEI Nº 12.305, DE 2010 Comissão de Legislação Participativa, 20 de junho de 2017 Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS: instituída

Leia mais

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos Criando valor através de resíduos sólidos Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 A preocupação com a destinação adequada dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro ~ 16 milhões de habitantes - 92 municípios ~ 16 mil toneladas diárias SITUAÇÃO DO PROGRAMA LIXÃO ZERO MUNICÍPIOS

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA Autores: Márcia Rosane Frey mfrey@unisc.br Irineu Afonso Frey irineu.frey@ufsc.br REFLEXÕES

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

A C T A N. º I V /

A C T A N. º I V / 1 A C T A N. º I V / 2 0 0 9 - - - - - - A o s d e z a s s e t e d i a s d o m ê s d e F e v e r e i r o d o a n o d e d o i s m i l e n o v e, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c

Leia mais

LEI FORTALECE OS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS: A UTILIZAÇÃO DAS PPP S PARA CONTRATOS DE LIMPEZA URBANA ASPECTOS TÉCNICOS E ECONOMICOS

LEI FORTALECE OS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS: A UTILIZAÇÃO DAS PPP S PARA CONTRATOS DE LIMPEZA URBANA ASPECTOS TÉCNICOS E ECONOMICOS LEI FORTALECE OS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS: A UTILIZAÇÃO DAS PPP S PARA CONTRATOS DE LIMPEZA URBANA ASPECTOS TÉCNICOS E ECONOMICOS Eng. Cyro Bernardes Jr, Dr. TEMOS QUE ACHAR NEGÓCIO ONDE NÃO TEM NEGÓCIO

Leia mais

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos Compostagem em SP: marco legal e desafios Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos O ambiente e a economia têm vivido em tensão e até mesmo em antagonismo. Com efeito,

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

REFERENCIA NACIONAL.

REFERENCIA NACIONAL. REFERENCIA NACIONAL. LOCALIZAÇÃO Município: Crateús CE. Semiárido Nordestino Bioma Caatinga. Localizado a 380 km de Fortaleza. Área: 2.985,41 km 2. IDH: 0,675 (IBEG 2000). População: 72 386 habitantes

Leia mais

Gestão integrada de projetos

Gestão integrada de projetos www.pwc.com Gestão integrada de projetos Seminário de Tecnologia para rastreabilidade de medicamentos São Paulo, 29 de maio de 2014 O que abordaremos? Tema Proposta tema Desafios para uma gestão das interdependências

Leia mais

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES Mesa Redonda 2 LEI Nº 12.305/2010, DESAFIOS E PERSPECTIVAS: Logística Reversa e Responsabilidade Compartilhada 30 DE OUTUBRO DE 2011 SÉRGIO LUIS DA SILVA COTRIM ESPECIALISTA

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS EDUARDO ROCHA DIAS SANTOS Gerente de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente 25 de maio de 2015 Poços de Caldas

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos Financiamento Municipal e Urbano no Brasil: Uma abordagem analítica Maria Cristina Mac Dowell Diretora de Educação Escola de Administração Fazendária ESAF/MF Urban Research Symposium Brasília, 05 de abril

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP

Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Núcleo de Meio Ambiente CIESP Regional Jaú/SP Política Nacional de Resíduos Sólidos Breves Considerações Pedro Paulo Grizzo Serignolli Advogado Especializado em Direito Ambiental Coordenador Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente pedropaulo@serignolli.com.br

Leia mais

Tendências de gastos até 2025

Tendências de gastos até 2025 1Minutos Infraestrutura Infraestrutura e grandes projetos Tendências de gastos até 225 Destaques Na América Latina, a previsão é de que os gastos no setor de extração ultrapassem US$ 14 bilhões em 225.

Leia mais

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014 www.pwc.com.br IN RFB 1.515/2014 Janeiro, 2015 Painel 1 Novo marco legal - geral: Extinção do RTT Novos CPCs Procedimentos de transição e adoção inicial Subcontas Mercado de capitais : Custos e despesas

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

CONSUMO RESPONSÁVEL VS. SISTEMA DE LIMPEZA URBANA. Junho/2017

CONSUMO RESPONSÁVEL VS. SISTEMA DE LIMPEZA URBANA. Junho/2017 CONSUMO RESPONSÁVEL VS. SISTEMA DE LIMPEZA URBANA Junho/2017 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU ODS 12 Consumo e Produção Responsáveis 12.2 Até 2030 - gestão sustentável e o uso eficiente

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS/GO

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS/GO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UniEVANGÉLICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS/GO Anápolis/GO

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Limpeza Urbana e Manejo de

Leia mais

Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo

Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo Estruturas do Sistema Ambiental que trabalham com o tema Resíduos Sólidos Comissão Estadual

Leia mais

Panorama dos Resíduos no Brasil

Panorama dos Resíduos no Brasil 04/02/16 Sumário Panorama dos Resíduos no Brasil INTRODUÇÃO BRASIL 1. Polí:cas Públicas no Brasil 1.1 Polí:ca Nacional de Resíduos 1.2 Planos e Gestão de Resíduos 2. Situação dos Resíduos Eng. Diógenes

Leia mais

REIDI (PIS/COFINS) Pontos de atenção para o co-habilitado

REIDI (PIS/COFINS) Pontos de atenção para o co-habilitado www.pwc.com REIDI (PIS/COFINS) Pontos de atenção para o co-habilitado Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Setembro, 2013 REIDI informações gerais REIDI informações gerais REIDI REIDI é o

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE SANANDUVA/RS Roger Marx Dalepiane¹, Marília Fracasso¹, Marcia Regina Maboni Hoppen Porsch², Oberdan Teles da Silva²,

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano Secretaria de Recursos Hídricos e Meio Urbano POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 30 de abril de 2014. Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - Lei 12.305/2010

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Fernando Altino Rodrigues Ética Ecológica e Ética Social Desenvolvimento Sustentável...permitir que os preços digam a verdade ecológica Weizsaecker INTERNALIZAÇÃO

Leia mais

A transformação de um passivo ambiental em recurso energético

A transformação de um passivo ambiental em recurso energético A transformação de um passivo ambiental em recurso energético Contexto regulatório, institucional e de negócio Carlos Alberto R. silva Fórum Nacional Resíduos Sólidos 2010 26 e 27 de outubro de 2010 Empresa

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

O Município de Araraquara é conveniado à ARES-PCJ por autorização da Lei municipal nº 8.178/2014.

O Município de Araraquara é conveniado à ARES-PCJ por autorização da Lei municipal nº 8.178/2014. Americana, 16 de setembro de 2015. PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 40/2015 CRO ASSUNTO: DIAGNÓSTICO DOS SERVIÇOS DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA DO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA INTERESSADO: DEPARTAMENTO

Leia mais

Esclarecendo o IFRS 15. A nova norma do IASB sobre o reconhecimento de receitas. 26 de novembro de 2014 Rio de Janeiro

Esclarecendo o IFRS 15. A nova norma do IASB sobre o reconhecimento de receitas. 26 de novembro de 2014 Rio de Janeiro www.pwc.com Esclarecendo o IFRS 15 A nova norma do IASB sobre o reconhecimento de receitas 26 de novembro de 2014 Rio de Janeiro IFRS 15 - Objetivos Em vigência a partir de 1 de janeiro de 2017 Modelo

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA Nome do Aluno(a) Goiânia- ------/-------------/-----------

Leia mais