1. Inconformados com a sentença de 1ª Instância, concluíram os Ap.os:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Inconformados com a sentença de 1ª Instância, concluíram os Ap.os:"

Transcrição

1 PN ; AP.: Tc. Porto, 1ª Vara; s2.: ; Ap.a3.: Acordam no Tribunal da Relação do Porto 1. Inconformados com a sentença de 1ª Instância, concluíram os Ap.os: (a) A matéria de facto provada apresenta-se obscura (vd. 6. da matéria assente), contraditória (vd. 7. vs. 11. id.), sendo certo que foi dada como provada também matéria manifestamente conclusiva e, para mais, em contradição com os factos aceites (vd. 8. id.); (b) É assim manifesta a insuficiência e até oposição entre a matéria de facto e a decisão proferida, ferida por conseguinte de nulidade; (c) De todo o modo, da análise da matéria assente parece manifesto que só se encontram em dívida as despesas resultantes do desconto das letras avalizadas e aceites pelo R. marido; (d) Tal é a conclusão que se retira, sequer sem necessidade de aplicação do disposto no Artº 784 CC; (e) Aliás, é manifesto, em face da matéria de facto provada, ter-se verificado entre a A. e o R. a substituição da obrigação deste pagar o preço dos fornecimentos, e pela obr igação de pagar as letras de câmbio; 1 Vistos: Des. Ferreira de Sousa (231) Des. Paiva Gonçalves (1029) 2 Adv.: Dr. F 3 Adv.: Dr. 1

2 (f) Ou seja, a dívida contraída pelo R. marido (no exercício do comércio, e como tal da responsabilidade de ambos os conjuges) foi substituída pela obrigação cambiária (não contraída no exercício do comércio, e como tal da responsabilidade exclusiva do R. marido); (g) Por fim, inexiste nos autos matéria de facto suficiente para fundamentar a decisão recorrida, que considerou da responsabilidade da R. mulher o pagamento das dívidas resultantes dos encargos do desconto das letras aceites e avalizadas pelo R. marido; (h) Bem antes pelo contrário, como é expressamente referido na decisão recorrida, e tal resulta ainda da matéria de facto provada, a A. não logrou comprovar que a obrigação cambiária foi contraída no exercício do comércio; (i) Ora, as despesas com o desconto das letras são consequência das obrigações cambiárias; (j) Acresce que do desconto das letras nenhum benefício directo ou indirecto poderia ou pode resultar para o casal; (k) Pelo que a dívida das despesas e encargos com o desconto das letras aceites e avalizadas pelo R. marido não se comunica à R. mulher, violando assim a sentença recorrida o disposto no Artº 1691 CC; (l) Deve ser revogada, com as legais consequências. 2. NÃO HOUVE CONTRA-ALEGAÇÕES. 3. MATÉRIA ASSENTE: (1) A Ap.a exerce de forma habitual e lucrativa a actividade de comercialização de pneus, peças e acessórios para automóveis; (2) O exerce de forma habitual e lucrativa a actividade de comercialização de artigos para automóveis; (3) No exercício das respectivas actividades, a Ap.a forneceu ao, a pedido deste, diversos artigos (daqueles que comercializa), pelo preço de Pte.: 2

3 $00, a pagar no prazo de 30 dias, sendo a última das datas de vencimento: ; (4) Nos outros fornecimentos realizados, como é costume, e porque o não podia pagar pontualmente, entregava à Ap.a letras de câmbio, que ele declarava aceitar ou avalizar; (5) As letras possibilitavam à Ap.a a obtenção de meios monetários, porque declarava descontá-las, tendo sido estipulado entre ela e o que, nestes casos, este suportava as despesas e encargos resultantes da declaração de desconto; (6) Por ter declarado descontar várias letras de câmbio, que o declarara aceitar, e referentes a fornecimentos da Ap.a, derivaram despesas e encargos no montante de Pte.: $00, conforme os avisos de lançamento e notas de débito remetidas ao primeiro; (7) O entregou à Ap.a 4 cheques, cada um no montante de Pte.: $00, que não foram pagos, e 4 letras de câmbio no montante de Pte.: $00, que também não foram pagas; (8) O tem a pagar à Ap.a, pelo menos, as quantias constantes dos referidos 4 cheques; (9) A Ap.a sacou letra de câmbio, que o aceitou, no montante de Pte.: $00; (10) Da quantia referida em 3,4,5,6 e 9, o pagou à Ap.a o montante de Pte.: $00; (11) Os cheques e letras referidos em 8 foram igualmente entregues para pagamento daquela quantia; (12) Os s são casados entre si. 4. A sentença recorrida condenou os s a pagar à Ap.a o montante de Pte.: $00, com juros desde , à taxa de 10%, até inclusive, e de 7% a partir dessa data. 3

4 4.1. Louvou-se, para concluir sobre a matéria de facto4, nos documentos juntos, pois o único depoente não tinha conhecimento das questões que lhe foram postas durante a inquirição. Assim, a resposta provado apenas que a Ap.a sacou letra de câmbio que o aceitou, no valor de Pte.: $00, fundou-se na letra junta, datada de , subscrita no lugar do aceite por assinatura que comparada, por semelhança, com a assinatura aposta na procuração passada ao advogado, fez concluir tratar-se da que usa o R. marido; A resposta provado ao quesito da quantia referida [Pte.: $00, referente a fornecimentos, desconto bancário e letra de câmbio], o pagou à Ap.a o montante de Pte.: $00?, teve como base a circunstância de não ser matéria controvertida; A resposta provado ao quesito os 4 cheques, cada um no valor de Pte.: $00, que não foram pagos, e a letra de câmbio no valor de Pte.: $00, que não o foi também, foram igualmente entregues para pagamento da referida quantia de Pte.: $00? teve como base a circunstância de os s não terem impugnado esta matéria articulada na p.i.; A resposta provado apenas que os s são casados entre si, fundamentou-se na certidão de casamento. 5. O RECURSO ESTÁ PRONTO PARA JULGAMENTO. 6. As críticas dos s no sentido de porem em evidência obscuridade da matéria de facto assente, muito embora a formulação linguística da especificação, quesitos e respostas não seja talvez a mais habitual, não procedem todavia, porque se fica a compreender, sem dúvidas, o recorte do litígio: fornecimentos mercantis de preço aceite/satisfeito em numerário, letras de câmbio e 4 cheques/sem cobertura estes, incobradas algumas daquelas/em suma, incumprimento parcial (1)/(8), provenientes da especificação; 3. (9)/(12), das respostas aos quesitos, cuja motivação segue no texto de

5 E não existe contradição entre dizer-se que 1 letra e os 4 cheques não pagos foram entregues para satisfazer o preço dos fornecimentos, já a circunstância de não terem sido cobrados se situar num plano expressivo diferente e distinto do plano em que se escreveu pagamento, para que serviriam, e evidentemente apenas no caso de conseguida liquidez. Por outro lado, a formulação o tem a pagar à Ap.a, pelo menos, as quantias constantes dos referidos 4 cheques, em face do que já deixámos dito, embora conclusiva, não perturba a inteligência do conflito, tratando-se de mera insistência e não estando de modo algum em oposição ao conjunto do provado: os montantes dos cheques não puderam ser efectivamente embolsados pelo portador. Não procedendo pois os argumentos iniciais dos recorrentes, subsiste apenas a razão por que impugnam o benefício comum do casal, através das operações de desconto das letras. Nem que estas tivessem tido origem em favor de crédito concedido pelo marido à Ap.a (posto que a actividade comercial, base da economia doméstica, se estrutura na reciprocidade do crédito concedido e recebido, e por isso mesmo), não estaria presente a infirmação do dado/fundamento da responsabilidade da mulher. Mas o certo é que nada se provou mais além do casamento, do regime de bens supletivo à data da contracção da dívida, e da qualidade de comerciante do marido, numa situação em que, tudo visto, se presume o benefício conjugal. Por fim, relembre-se, uma operação de desconto bancário, entre comerciantes, tem sempre natureza comercial, não necessitando pois a Ap.a de provar a base de comunicabilidade da dívida. Assim sendo não podem ter valimento as razões em contrário opostas pelos s à sentença de 1ª Instância. 7. Vistos os Arts. 406/1, 799/1, 1691/1 d. CC, decidem manter inteiramente a decisão recorrida. 8. Custas pelos s, sucumbentes. 5

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1092.01 1 ; Ag: TC Santo Tirso; Age 2 : José Julião João, Rua Senhora da Conceição 25/27 Peniche; Aga 3 : Ivone da Conceição Antunes Romão, Rua Senhora da Conceição 25 Peniche. Acordam no Tribunal da

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto.

Acordam no Tribunal da Relação do Porto. PN 05.021; Ap.: TC. Valença; Ap.e2: Ap.a3: Acordam no Tribunal da Relação do Porto. 1. A sentença recorrida condenou o Ap.e a pagar à Ap.a a quantia de Pte 3 000 000$00, correspondente ao dobro do sinal

Leia mais

PN ; Ap: TC Porto, 4ª Vara () Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

PN ; Ap: TC Porto, 4ª Vara () Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4179.07-5; Ap: TC Porto, 4ª Vara () Ap.e: Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: (1) A ap.e discorda da perda de causa, absolvida a do pedido de reconhecimento do direito à concessão

Leia mais

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu;

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu; PN. 1277.00; Ap.: TC Santarém, 1º J; Ap.e: Maria José Couto Pereira dos Santos, Rª António Vicente Júnior, 17º 2º Esq., Vale de Estacas; Ap.a: DIM Portugal, Importação e Comercialização Lda, Rª da Matinha,

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 276.01 1 ; Ap: TC Porto, 1ª Vara; Ape 2 : Maria Emília Ferreira Silva Aroso, Rua Padre Luís Campos, 1014, Vermoim, Maia; Apo 3 : Companhia Geral de Crédito Predial Português, SA, Lisboa, e Filial na

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 3799.04-5; Ag.: Tc. VN Famalicão, 1º J. (760-B.99); Ag.es 1 : Maria Adelina Barbosa de Sousa, Manuel Adriano Barbosa de Sousa, Maria da Conceição Barbosa de Sousa Oliveira, Belmira Barbosa de Sousa;

Leia mais

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 3133.06-5; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Ag.e: Agºs: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: (1) Discorda a ag.e da decisão de 1ª instância, que indeferiu requerimento

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1228.011 ; Ap: TC VN Gaia; Ap.e2: Ap.os: Acordam no Tribunal da Relação do Porto 1. Os Ap.es discordam da absolvição do pedido, ditada na sentença recorrida em favor dos Ap.os, contra os quais deduziram:

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 2160/07-2 Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I - RELATÓRIO O Digno Magistrado do M.ºP.º junto deste Tribunal requereu a resolução do conflito de competência entre os M.ºs Juiz da 1ª Vara

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

Tribunal de Contas. Recurso ordinário n.º 5-RO-JRF/2013. Acórdão n.º 21/ ª Secção - PL

Tribunal de Contas. Recurso ordinário n.º 5-RO-JRF/2013. Acórdão n.º 21/ ª Secção - PL Recurso no Tribunal Constitucional Recurso ordinário n.º 5-RO-JRF/2013 Acórdão n.º 21/2014 3.ª Secção - PL Acordam os juízes, em conferência, na 3.ª secção do Tribunal de Contas: Luís Novais Lingnau da

Leia mais

(a) e são filhos de e de

(a) e são filhos de e de PN 652.01; AG: TF.M. Braga; Age: Agos: MP Acordam no Tribunal da Relação do Porto 1. Nos termos do disposto nos arts. 1, 2, 3/4.6, 4, Lei 75/98, 19.11, 3,9/1.2.4, DL 164/99, 13.05, precárias as condições

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa XYZ, SA recebeu durante o ano de 2005 juros de depósitos a prazo no valor bruto de 250, sujeitos a retenção na fonte à taxa de 20%. Qual a conta a movimentar referente

Leia mais

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.:

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Processo nº (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 29 de Novembro de 2012 Recorrente: A (embargante) Recorridos: B (embargado) Banco Luso Internacional, S.A. (exequente) ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL

Leia mais

Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 2711.02-5 1 ; Ag.: Tc. Ovar, 2º J. (PN 629-B/99); Ag.e 2 : Daniel Valente da Silva Vigário; Ag.o 3 : Constantino José de Almeida e Silva, cc Elza Ferreira da Costa. Em Conferência, no Tribunal da Relação

Leia mais

Acórdão no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Acórdão no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 3348.08-5; Ap: Tc Mirandela, 2º J (3/07.4TBMDL) Ap.e: José Manuel Aires cc Laudomira Gomes da Silva, Val de Gouvinhas, 5385-133 Val de Gouvinhas 1 Apª: Casa Rafael de Beatriz Lopes Machado, Cruzamento

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 680/2014. Sentença

Processo de arbitragem n.º 680/2014. Sentença Processo de arbitragem n.º 680/2014 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro:

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Nos termos do artigo 304.º do Código Civil, não pode ser repetida a prestação realizada espontaneamente em cumprimento de uma obrigação

Leia mais

Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução. (a) Os recorrentes não se conformam por não terem feito vencimento quanto

Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução. (a) Os recorrentes não se conformam por não terem feito vencimento quanto PN 2307.02-51; Ap.: Tc. Vila do Conde; Ap.es2: ; Ap.os: CM Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução (a) Os recorrentes não se conformam por não terem feito vencimento quanto ao usucapião

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 3598.07-5; Cf.Comp.: TRP Rq.e: Maria Helena Marques Coelho Rodrigues Correia Simões1, Rua da Firmeza, 148 4000-225 Porto Rq.do: Carlos Alberto Correia Simões Rodrigues2 Em Conferência no Tribunal da

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 5762.05-5; Ap.: Tc. O. Azeméis, 3º J. (362T/02); Ap.e 1 : Somax, Sociedade de Madeiras, Lda, Mirões, César, O. Azeméis; Ap.a 2 : Massa falida de Riquinho2 Compra e Venda de Imóveis, Lda; Em Conferência

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa XYZ, SA recebeu durante o ano de 2005 juros de depósitos a prazo no valor bruto de 250, sujeitos a retenção na fonte à taxa de 20%. Qual a conta a movimentar referente

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública ,,, e (pretendem alterar o ) Artigo 7.º-A Imputação do cumprimento 1 O devedor pode designar a prestação correspondente ao crédito à aquisição de habitação própria permanente, para efeitos do disposto

Leia mais

Ap.e:; Ap.o: Acordam do Tribunal da Relação de Évora

Ap.e:; Ap.o: Acordam do Tribunal da Relação de Évora PN. 856/991; AP.: TC. Santarém. Ap.e:; Ap.o: Acordam do Tribunal da Relação de Évora 1. O Ap.o [A.] pediu o despejo da Ap.e [R.], por não ter satisfeito o pagamento de 57 rendas (Pte. 2050$00, mensais)

Leia mais

PN ; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

PN ; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 4112.03-5; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Ag.e1: ; Ag.o2: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. Introdução: (a) O Ag.e não se conforma com as decisões sucessivas através das quais (i) lhe não

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM. 1 Registro: 2016.0000888926 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2223275-04.2016.8.26.0000, da Comarca de Santa Bárbara D Oeste, em que é agravante ELZA DOMINGOS

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

ACORDAM, em 13 a Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte

ACORDAM, em 13 a Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *03073182* PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.480/13.3 TBVNG 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO JORGE MARTINS PEREIRA DA SILVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional página 1 de 11 PEÇA PROFISSIONAL. Direito Tributário.

DIREITO TRIBUTÁRIO. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional página 1 de 11 PEÇA PROFISSIONAL. Direito Tributário. DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Juarez aposentou-se no serviço público federal em 15/5/2005. Três anos depois, foi acometido de neoplasia maligna, conforme atestado em laudo pericial, datado de 5/9/2008

Leia mais

Matemática Financeira Descontos. Prof.: Joni Fusinato

Matemática Financeira Descontos. Prof.: Joni Fusinato Matemática Financeira Descontos Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Títulos de Crédito Instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) usados para formalizar

Leia mais

(1) Discorda a ag.e da decisão de 1ª instância, que indeferiu requerimento ao abrigo do artº 1785/3CC de continuação de divórcio post mortem;

(1) Discorda a ag.e da decisão de 1ª instância, que indeferiu requerimento ao abrigo do artº 1785/3CC de continuação de divórcio post mortem; PN 3133.06-5; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec (1763/05.2TMPRT) Ag.e: Marieta do Carmo Espírito Santo 1, Rua de São Brás, 29, 1º, Porto Agºs: Alice Glória Ribeiro 2, Zona J, Chelas, lote 559,

Leia mais

Em Conferencia no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução

Em Conferencia no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução PN 3228.02-5; Ag.: TC Macedo de Cavaleiros (195/00) Ag.o 1 : Eurico Joaquim de Sousa,, Benlhevai, Vila Flor; Ag.os: A. Alberto Praça Jerónimo, Lda. 2,, Via Sul, Macedo de Cavaleiros; Mercedes Benz Portugal,

Leia mais

PN ; AG.: TC. Lagos; Ag.e: SGALCO Soc. Construções, Lda.,R. Lima Leitão, 12, 1º Esq., Lagos; Ag.o: M.P.

PN ; AG.: TC. Lagos; Ag.e: SGALCO Soc. Construções, Lda.,R. Lima Leitão, 12, 1º Esq., Lagos; Ag.o: M.P. PN. 590.99 1 ; AG.: TC. Lagos; Ag.e: SGALCO Soc. Construções, Lda.,R. Lima Leitão, 12, 1º Esq., Lagos; Ag.o: M.P. Acordam no Tribunal da Relação de Évora 1. A Ag.e (falida) pediu a declaração de nulidade

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC)

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Revogou a Sentença nº 5/2016 - SRATC ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Descritores: Extinção do procedimento por responsabilidades sancionatórias /prescrição/ artigo

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

Do saque, ou seja, da emissão da letra de câmbio, decorre o surgimento de três situações jurídicas distintas:

Do saque, ou seja, da emissão da letra de câmbio, decorre o surgimento de três situações jurídicas distintas: Direito Empresarial II 6º Semestre CURSO: DIREITO LETRA DE CÂMBIO HISTÓRICO DA LETRA DE CÂMBIO A Letra de Câmbio é uma ordem de pagamento. Do saque, ou seja, da emissão da letra de câmbio, decorre o surgimento

Leia mais

PN ; Ap.: Tc. Porto, 2ª V. (); Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

PN ; Ap.: Tc. Porto, 2ª V. (); Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 5126.04-5; Ap.: Tc. Porto, 2ª V. (); Ap.e1:; Ap.o2: Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. Introdução: (a) O Embargante não se conforma com a improcedência parcial dos embargos de terceiro

Leia mais

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas.

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas. - Dispensa de Segredo Profissional nº 168/2008 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), Advogado (CP nº ( )), com escritório na ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional para prestar

Leia mais

Cheque administrativo ou cheque bancário ou cheque tesouraria (art.9º, III)

Cheque administrativo ou cheque bancário ou cheque tesouraria (art.9º, III) 1 Títulos de Crédito Sala 207 UNIP Títulos de Crédito VIII 29 de outubro Modalidades de Cheque Cheque visado (art.7º) - é o cheque em que o banco sacado a pedido do emitente ou do portador legitimado,

Leia mais

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor;

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor; PARECER N. 35/PP/2008-P CONCLUSÕES: I Os substabelecimentos, com ou sem reserva, não produzem efeitos enquanto não forem aceites, aceitação que pode ser manifestada no próprio instrumento de substabelecimento,

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra, de

Acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra, de Acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra, de 08-09-2015 Processo: 746/11.8TBLRA.C1 Relator: JORGE ARCANJO Meio Processual: APELAÇÃO Decisão: CONFIRMADA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I Se as partes não fixarem

Leia mais

PN ; Ap.: TC Maia 3J ( ) Em Conferência No Tribunal da Relação do Porto I INTRODUÇÃO:

PN ; Ap.: TC Maia 3J ( ) Em Conferência No Tribunal da Relação do Porto I INTRODUÇÃO: PN 116.06-5; Ap.: TC Maia 3J ( ) Ap.e: Ap.a: Em Conferência No Tribunal da Relação do Porto I INTRODUÇÃO: (1) A R., Portugal não se conforma com a condenação a reembolsar a A. da quantia de SF 8500 e de

Leia mais

1.1. Denominação Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S.A.

1.1. Denominação Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (Portugal), S.A. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco Bilbao

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS Introdução 1. A contabilidade do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados encontra-se organizada de acordo com o POC, adaptado à especificidade da Ordem dos Advogados, e respeitando as orientações

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Banco de Portugal (Rua do Ouro, 27, Lisboa)

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Banco de Portugal (Rua do Ouro, 27, Lisboa) FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

(a) Teve um mau ano comercial, em 1996, com um rendimento anual de Pte.

(a) Teve um mau ano comercial, em 1996, com um rendimento anual de Pte. PN. 972/00; AG: TC Évora; Ag.e 1 : José Manuel Pereira Rodrigues; Ag.os 2 : M. P., Maria do Carmo Cuco Ramalho Figueira Guerreiro, Joaquim Fialho Figueira Guerreiro e Isabel Caeiro Cuco. Em Conferência

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Processo n.º 3390/2014 Requerente: João Requerida: SA 1. Relatório 1.1. O requerente, alegando uma anomalia no funcionamento de um iphone que comprou à requerida, pede que a esta seja condenada a reparar

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.089/12.5 TBMAI 4º Juízo Cível Insolventes: FERNANDA CARMINDA QUEIRÓS CORREIA E PAULO JORGE TEIXEIRA MENDES Tribunal Judicial da Maia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1622.00;AG: TC Caminha; Ag.e: 1 Aurora Matos Fernandes Pinto, Lugar de France, Sopo, V.N. Cerveira; Ag.a: 2 Balbina Rosa Castanheiros, Av.Dr. Dantas Carneiro, Moledo, Caminha Acordam no Tribunal da

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário. Volkswagen Bank GmbH - Sucursal Portugal SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário Volkswagen Bank GmbH Sucursal Portugal SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 05Maio2017 O Preçário completo do VW Bank

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL (12.1.2016) - Duração 2 h 30 m I. LEIA o seguinte ac. RL 16-1-2014/Proc. 4817/07.7TBALM.L2-6 (ANTÓNIO MARTINS):

Leia mais

ÍNDICE. Caderno de Encargos: Parte I Disposições Gerais. 1. Identificação do procedimento. 2. Objeto do procedimento

ÍNDICE. Caderno de Encargos: Parte I Disposições Gerais. 1. Identificação do procedimento. 2. Objeto do procedimento ÍNDICE Caderno de Encargos: Parte I Disposições Gerais 1. Identificação do procedimento 2. Objeto do procedimento 3. Locais de realização dos serviços 4. Obrigações do adjudicatário 5. Valor Base 6. Prazo

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

MARIA HELENA COTTA CARDOZO PRESIDENTE

MARIA HELENA COTTA CARDOZO PRESIDENTE Recurso nº. : 140.207 Matéria : IRPF - Ex(s): 1999 Recorrente : JÚLIO ZUCKI Recorrida : 3ª TURMA/DRJ-FLORIANÓPOLIS/SC Sessão de : 06 de julho de 2005 IRPF - RESTITUIÇÃO DE IRRFONTE - O diretor de empresa

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.767/11.5 TBVNG 1º Juízo Cível Insolvente: ANA ALEXANDRA DE OLIVEIRA PAIVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 38ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO. Registro: ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 38ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO. Registro: ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000390065 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0035685-43.2010.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes ARANTES ALIMENTOS LTDA.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em janeiro de 2007, a Fazenda Nacional lavrou auto de infração em face da pessoa jurídica ABC, visando à cobrança de contribuições previdenciárias dos anos de 2005

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 6.896/11.3 TBMTS 6º Juízo Cível Insolventes: PAULO ALEXANDRE SOUSA NOGUEIRA E MARIA DO CÉU ATAÍDE SOUSA VAQUEIRO Tribunal Judicial de Matosinhos RELATÓRIO O presente RELATÓRIO

Leia mais

Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0734/05. Data do Acórdão: Tribunal: 2 SECÇÃO. Relator: JORGE LINO

Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0734/05. Data do Acórdão: Tribunal: 2 SECÇÃO. Relator: JORGE LINO Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0734/05 Data do Acórdão: 28-09-2006 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: IMPUGNAÇÃO JUDICIAL. EMOLUMENTOS REGISTRAIS. Sumário:

Leia mais

Prática Processual Civil. Programa

Prática Processual Civil. Programa ORDEM DOS ADVOGADOS COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I - A CONSULTA JURÍDICA 1.1 - A consulta ao cliente 1.2 - Tentativa de resolução amigável 1.3 - A gestão do

Leia mais

A mulher casada antes e depois do 25 de Abril:

A mulher casada antes e depois do 25 de Abril: A mulher casada antes e depois do 25 de Abril: A evolução da sua situação jurídica em Alexandra Teixeira de Sousa Maio de 2011. A mulher casada antes e depois do 25 de Abril: evolução da situação jurídica

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN. 209.01 1 ; AP: Tc P. de Ferreira Ap.e. 2 : Bernardino Filipe Martins Gonçalves, R. de Carral, 169, P. de Ferreira; Ap.os 3.: José Fernando Teles de Menezes, cc Maria Idalina Pinto de Moura, R. Dra.

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02/2012

INSTRUTIVO N.º 02/2012 INSTRUTIVO N.º 02/2012 Considerando que o Banco Nacional de Angola é a instituição competente para autorizar a constituição e proceder à supervisão das casas de câmbio, nos termos da Secção I do Capítulo

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.)

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 10.11.2010; Reunião realizada

Leia mais

ARBITRAGEM DE CONSUMO

ARBITRAGEM DE CONSUMO Decisão arbitral Requerente: A Requerida: B I. Ao abrigo do art. 15.º, n.º 1, da Lei 23/96, de 26 de julho, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 6/2011, de 10 de março, a arbitragem teve início

Leia mais

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 6215- Código das Contas e Normas Contabilísticas Objetivos Gerais Identificar e movimentar as contas das classes 1 a 8 do Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTO MOBILIÁRIO ADMINISTRATIVO E DE ESCRITÓRIO PARA A UCCI BENTO XVI

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTO MOBILIÁRIO ADMINISTRATIVO E DE ESCRITÓRIO PARA A UCCI BENTO XVI CONTRATO DE FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTO MOBILIÁRIO ADMINISTRATIVO E DE ESCRITÓRIO PARA A UCCI BENTO XVI ENTRE: Primeiro Contraente: União das Misericórdias Portuguesas, com sede na Rua de Entrecampos,

Leia mais

TRT-PR (AP)

TRT-PR (AP) TRT-PR-71003-2005-024-09-00-1(AP) CONTA-POUPANÇA. APLICAÇÃO FINANCEIRA. PENHORA. POSSIBILIDADE. É absolutamente legal a desconsideração da personalidade jurídica da empresa quando esta não apresenta força

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 2909.07; Ag: TC Murça (155/03.2TBMUR) Ag.e: Manuel Joaquim Gomes Ferreira cc Maria Judite Ferreira, 1 Rua Caminho de el-rei, nº 3 sótão, 2795, Queijas, Oeiras Agº: Abílio Ferreira Quintelas cc Teresa

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação de Lisboa I - RELATÓRIO

Acordam no Tribunal da Relação de Lisboa I - RELATÓRIO P 1333/14.4T8VFX.L1 Sumário: Quando o acordo ou a decisão final, em sede de Regulação do Exeercício das Responsabilidades Parenatis, não sejam cumpridos por ambos os pais, ou quando circunstâncias supervenientes

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em janeiro de 2007, a Fazenda Nacional lavrou auto de infração em face da pessoa jurídica ABC, visando à cobrança de contribuições previdenciárias dos anos de 2005

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 23/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 23/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 23/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

FCA Capital Portugal I.F.I.C. S.A.

FCA Capital Portugal I.F.I.C. S.A. Preçário FCA Capital Portugal I.F.I.C. S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-04-2016 O preçário completo da FCA Capital Portugal

Leia mais

(4) António enviou a B, Lda uma carta, onde escreveu:

(4) António enviou a B, Lda uma carta, onde escreveu: Considere com atenção os factos dados como provados pelo tribunal: (1) António foi admitido por B, Lda para exercer o seu trabalho sob a direcção, poder disciplinar e retribuição desta celebrando contrato

Leia mais

RMI_M I C B M I I M E R M L P F F L V F T L V B V

RMI_M I C B M I I M E R M L P F F L V F T L V B V RMI_M I A mola em inox (AISI 304) é uma mola de pressão usada quando é necessária uma maior resistência à corrosão, tendo como principal objetivo estabilizar a pressão radial do lábio de vedação. Esta

Leia mais

Em conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

Em conferência no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 3820.03-5; Ap.: Tc. Paredes, 2º J. (377.02); Ap.e 1 : José Joaquim Ferreira de Sousa, Rua de S. Dinis, 414, 3º, Porto; Ap.os 2 : José Maria de Sousa Moreira, cc Maria Moreira, Lugar de Bairro, Mouriz,

Leia mais

Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social

Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social Data 13 de janeiro de 2011 Assunto: Tema: Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social Laboral No dia 1 de Janeiro de 2011 entrou

Leia mais

Dispõe sobre a concessão de parcelamento e desconto sobre juros e multa de débitos junto a OAB/GO, de exercícios anteriores a 2013.

Dispõe sobre a concessão de parcelamento e desconto sobre juros e multa de débitos junto a OAB/GO, de exercícios anteriores a 2013. RESOLUÇÃO DO CONSELHO SECCIONAL Nº 08 /2013 Dispõe sobre a concessão de parcelamento e desconto sobre juros e multa de débitos junto a OAB/GO, de exercícios anteriores a 2013. O Conselho Seccional da Ordem

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 9/ (BO N.º 3, ) MERCADOS Mercados Monetários

INSTRUÇÃO N.º 9/ (BO N.º 3, ) MERCADOS Mercados Monetários INSTRUÇÃO N.º 9/2012 - (BO N.º 3, 15.03.2012) Temas MERCADOS Mercados Monetários ASSUNTO: Mercado de Operações de Intervenção (M.O.I.) O Banco de Portugal, no uso da competência que lhe é atribuída pelos

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ERBETTA FILHO (Presidente) e RAUL DE FELICE. São Paulo, 4 de maio de 2017.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ERBETTA FILHO (Presidente) e RAUL DE FELICE. São Paulo, 4 de maio de 2017. Registro: 2017.0000327714 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1023287-36.2014.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA IGREJA DE JESUS CRISTO

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

NOVO MODELO 3 DE IRS

NOVO MODELO 3 DE IRS NOVO MODELO 3 DE IRS EM VIGOR A Portaria n.º 421/2012de 2 1/12, DRn.º247 SérieI - Aprova os novos modelos de impressos a que se refere o n.º 1 do artigo 57.º do Código do IRS Anexos alterados: -Declaração

Leia mais

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento AULA 07 Ação de Consignação em pagamento TEXTO LEGAL COMPARADO TÍTULO III- DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS- CAPÍTULO I DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Art. 539 Nos casos previstos em lei, poderá o devedor

Leia mais

Processo de arbitragem

Processo de arbitragem Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Exame de Prática Processual Penal 23 de Janeiro de 2009

Exame de Prática Processual Penal 23 de Janeiro de 2009 No dia 6 de Maio de 2008, António, alegando urgente necessidade de auxiliar um seu irmão a fazer face a inesperadas despesas de saúde, convenceu Maria, com quem vivia em situação análoga à dos cônjuges,

Leia mais

f ÅâÄtwÉ W Üx àé VÉÅxÜv tä `öüv t cxä áátü

f ÅâÄtwÉ W Üx àé VÉÅxÜv tä `öüv t cxä áátü 1 QUESTÕES SOBRE TÍTULO DE CRÉDITO TOMO II 1. Como se opera a circulação das letras de câmbio? R.: Após o aceite do sacado, o beneficiário teria de, em tese, aguardar a data do vencimento para receber

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENVELOPES TIMBRADOS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENVELOPES TIMBRADOS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENVELOPES TIMBRADOS Entre a Agência para a Modernização Administrativa, I.P., de ora em diante designada por AMA ou Primeira Contraente, com sede na Rua Abranches Ferrão, n.º

Leia mais

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que me é atribuída pelo artigo 58 0 da Lei n.

Leia mais

UNIDADE 5 NOTA PROMISSÓRIA

UNIDADE 5 NOTA PROMISSÓRIA UNIDADE 5 NOTA PROMISSÓRIA Profª Roberta C. de M. Siqueira Direito Empresarial III ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso constante

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça Face à uniformização do sistema de custas consagrado

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL 1. Apreciação na generalidade O presente diploma vem

Leia mais

Ao saber de todo estes acontecimentos, Mariana ingressou com ação de partilha dos bens, adquiridos na constância do casamento.

Ao saber de todo estes acontecimentos, Mariana ingressou com ação de partilha dos bens, adquiridos na constância do casamento. Peça Prática Mariana e Fernando foram casados por 30 anos no regime de comunhão parcial de bens, e, em razão dessa relação tiveram 3 filhos, Juliana, Fernanda e Maria. No início de 2015, por não ser mais

Leia mais

Acordam no Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional

Acordam no Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional RECURSO CFJN Nº011 /09 R Acordam no Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional Os associados dirigentes, da Região do CNE, interpuseram 30/6/6/2009, cada um individualmente, recurso para o Conselho Fiscal

Leia mais