REGIMENTO INTERNO (Conforme se acha em vigor com as Emendas Regimentais nºs 001 e 002/2006)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO (Conforme se acha em vigor com as Emendas Regimentais nºs 001 e 002/2006)"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO

2 REGIMENTO INTERNO (Conforme se acha em vigor com as Emendas Regimentais nºs 001 e 002/2006) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO COLÉGIO COMPOSIÇÃO E NATUREZA DAS REUNIÕES Art. 1º. O Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho é o órgão de aglutinação entre as administrações dos Tribunais Regionais do Trabalho do país. Art. 2º. Compete ao Colégio examinar os temas de interesse das administrações regionais da Justiça do Trabalho, intercambiando experiências e fixando entendimentos comuns, sem prejuízo da autonomia de cada administrador no trato dos assuntos que lhes são próprios e peculiares. Art. 3º. O Colégio compor-se-á de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho, tendo como membros de honra o Presidente e o Corregedor do Tribunal Superior do Trabalho. 1º. Os Tribunais que tiverem Presidentes e Corregedores terão garantido no Colégio assento para ambos. 2

3 2º. Poderão ser realizadas reuniões para tratar de assuntos exclusivos de Presidentes e Corregedores, hipótese em que terá voto nas sessões uma ou outra autoridade, conforme o assunto debatido. 3º. Mesmo nas reuniões mistas cada Tribunal terá direito a 01 (um) voto. 4º. A designação de representante será informal e levada ao conhecimento do Coordenador do Colégio por qualquer meio de comunicação. CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO COLÉGIO ELEIÇÃO DO COORDENADOR E DO SUBCOORDENADOR Art. 4º. As reuniões do Colégio serão programadas por deliberação da maioria e coordenadas por um dos seus integrantes, eleito para o desempenho de tal função, com mandato de um ano. Parágrafo único. Haverá um Subcoordenador também eleito dentre os membros do Colégio juntamente com o Coordenador, que o substituirá em seus impedimentos ou o sucederá em caso de vaga. 3

4 Art. 5º. A eleição dos dirigentes do Colégio ocorrerá no mês de novembro de cada ano, em reunião mista de Presidentes e Corregedores. 1º. Todos os membros, titulares ou designados, terão direito a voto. 2º. Considerar-se-ão eleitos os que obtiverem, em escrutínios sucessivos, primeiro para Coordenador, depois para Subcoordenador, metade mais um dos votos dos Tribunais presentes. 2º-A. Caso nenhum dos candidatos obtenha metade mais 01 (um) dos votos dos presentes, em segundo escrutínio, entre os 02 (dois) mais votados, considerar-se-ão eleitos aqueles que obtiverem maior número de votos. (redação conforme Resolução nº 002/2001). 3º. A votação será secreta e o resultado proclamado após a contagem dos votos. 4º. A posse ocorrerá na reunião que se seguir, oportunidade em que o Coordenador fará o relatório de suas atividades, submetendo-o à aprovação do Colégio. 5º. As funções de tesoureiro serão exercidas pelo Coordenador. (redação conforme Resolução nº 001/2001). 4

5 CAPÍTULO III DAS REUNIÕES DO COLÉGIO Art. 6º. O Colégio reunir-se-á ordinariamente, de dois em dois meses, em local previamente estabelecido por maioria simples de seus membros, dentre os municípios sede de Tribunal Regional do Trabalho. 1º. Poderá habilitar-se a sediar a reunião do Colégio a Região Trabalhista cuja presidência tiver comparecido às três reuniões imediatamente antecedentes, ou enviado representante. 2º. O Coordenador do Colégio poderá convocar reuniões extraordinárias sempre que houver matéria urgente a ser apreciada pela assembléia. 3º. Qualquer dos membros do Colégio poderá requerer ao Coordenador a realização de reunião extraordinária. Nessa hipótese, consultados os integrantes do Colégio por qualquer meio de comunicação, o Coordenador decidirá. 4º. O Coordenador convocará extraordinariamente a assembleia, caso requerimento específico já venha subscrito por metade mais um dos integrantes do Colégio. 5

6 Art. 7º. Enquanto o Colégio não dispuser de sede específica, valer-se-á dos meios que lhe forem postos à disposição pelo Tribunal que sediar a reunião. Parágrafo único. O membro anfitrião terá a prerrogativa de votar em primeiro lugar em qualquer matéria submetida à deliberação do Colégio. Art. 8º. As questões de ordem serão decididas soberanamente pelo Coordenador da reunião, sem recurso ao plenário. Art. 9º. Adotada uma deliberação sobre questão de mérito, ficará preclusa a discussão do tema, que somente poderá voltar a debate no ano civil posterior. Art. 10. As deliberações do Colégio, quer nas reuniões mistas, quer nas específicas de Presidentes ou de Corregedores, serão resumidas em ata, a cargo do juiz designado pelo Coordenador, com apoio de pessoal posto à disposição pelo juiz anfitrião. Art. 10-A. As deliberações serão denominadas de recomendações, numeradas em ordem sequencial e limitadas ao ano, de acordo com o modelo constante do anexo I, a esta Resolução integrado. (redação conforme Resolução nº 001/2006). 6

7 Art. 11. As reuniões iniciarão pela leitura e apreciação da ata da reunião anterior. Art. 12. As deliberações das reuniões ordinárias ou extraordinárias serão levadas ao conhecimento dos Poderes Executivo, Legislativo ou Judiciário, ou seus órgãos, sob a forma de moções ou reivindicações, quando assim decidido pelo Colégio. Art. 12-A. A eleição de Presidente de Tribunal Regional do Trabalho para membro do Conselho Superior da Justiça do Trabalho - CSJT, representando as regiões geográficas, será realizada durante reunião do Coleprecor. 1º. A escolha deverá recair entre os que na data da eleição tenham cumprido menos de um ano de mandato no cargo de Presidente. 2º. Observar-se-á o rodízio entre os Presidentes de Tribunais integrantes de cada região geográfica, sempre que possível. 3º. O eleito poderá declinar da escolha, caso em que realizarse-á novo escrutínio. 7

8 4º. Se, na data da eleição, não houver Presidente de Tribunal com menos de um ano de mandato no cargo, sobre este poderá recair a indicação, caso os demais Tribunais já tiverem representado a região geográfica anteriormente. 5º. Havendo empate na eleição, será considerado eleito o Presidente que tiver menos tempo no cargo. 6º. Considerar-se-á eleito o Presidente que obtiver metade mais um dos votos. 7º. Havendo consenso para a escolha do Representante Regional, a eleição se dará por aclamação. 8º. Proclamado o resultado da eleição, o Coordenador do Colégio comunicará ao Ministro Presidente do Conselho Superior da Justiça do Trabalho e, para fins de registro nos assentamentos funcionais, expedirá ofício junto ao Tribunal Regional do Trabalho, presidido pelo Presidente eleito. (redação conforme Resolução nº 002/2006). Art. 13. O Colégio editará uma revista a cada semestre, contendo prioritariamente os estudos produzidos por seus integrantes ou ex-integrantes. 8

9 Art. 14. Cada um dos integrantes do Colégio pagará, a partir de janeiro de 1995 e em caráter privado e pessoal, uma taxa de contribuição individual e mensal de R$ 30,00 (trinta reais), atualizável periodicamente e destinada a investimentos e despesas definidos pela maioria assemblear mediante ordem de pagamento em conta corrente bancária específica, em nome da coordenadoria. (redação conforme Resolução nº 01/2001). Art. 15. Em cada reunião, o Colégio escolherá relatores para temas específicos, que deverão apresentar seus trabalhos sempre por escrito, na reunião subsequente. Art. 15-A. O Colégio terá como canção oficial o Hino da Justiça do Trabalho, com letra e música de autoria do Desembargador Vicente José Malheiros da Fonseca. (redação conforme Resolução nº 001/2010). CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 16. Os casos omissos serão resolvidos pelo Colégio, em reunião mista de presidentes e corregedores. Art. 17. Este Regimento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Colégio. Brasília, 13 de agosto de

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO CNCGMP Conforme 103ª Reunião Ordinária do dia 05 de agosto de 2016, à unanimidade, o CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES-GERAIS DO aprovou a redação

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA DE GESTÃO DO TURISMO. CAPÍTULO I Da Natureza e Composição

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA DE GESTÃO DO TURISMO. CAPÍTULO I Da Natureza e Composição REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA DE GESTÃO DO TURISMO CAPÍTULO I Da Natureza e Composição Art.1º O Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo é um órgão consultivo

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LOURES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LOURES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Conselho Municipal de Educação de Loures REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LOURES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Natureza e Objetivos 1 - O Conselho Municipal de Educação do Concelho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

Regulamento da Região Escoteira do Paraná Aprovado na Assembléia Regional de 21 de 09 de 2008

Regulamento da Região Escoteira do Paraná Aprovado na Assembléia Regional de 21 de 09 de 2008 Regulamento da Região Escoteira do Paraná Aprovado na Assembléia Regional de 21 de 09 de 2008 Título I - Das Disposições Preliminares Art. 1º- O presente Regulamento contém as normas gerais para a Região

Leia mais

Ministério da Educação MEC Universidade Federal de São Paulo Unifesp Escola Paulista de Política, Economia e Negócios EPPEN Campus Osasco

Ministério da Educação MEC Universidade Federal de São Paulo Unifesp Escola Paulista de Política, Economia e Negócios EPPEN Campus Osasco REGIMENTO DA COMISSÃO DE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS - CAMPUS DE OSASCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAPITULO I DA COMISSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE PONTA GARÇA REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Ano Letivo 2016/17 1 Artigo 1º Da legislação A composição, as competências e o funcionamento do conselho pedagógico regem-se pelo

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

Artigo 5º - A COORDENADORIA EXECUTIVA será composta pelos Vice-Presidentes e Coordenadores Regionais, sob a Coordenação do Presidente.

Artigo 5º - A COORDENADORIA EXECUTIVA será composta pelos Vice-Presidentes e Coordenadores Regionais, sob a Coordenação do Presidente. REGULAMENTO DO FÓRUM PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA Artigo 1º - O FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE TRANSPORTE URBANO E TRÂNSITO passa

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE PLANEJAMENTO E DE ADMINISTRAÇÃO DAS IFES

FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE PLANEJAMENTO E DE ADMINISTRAÇÃO DAS IFES FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE PLANEJAMENTO E DE ADMINISTRAÇÃO DAS IFES REGIMENTO INTERNO Aprovado na 1ª reunião Extraordinária do FORPLAD, em 11/09/2013 Salvador BA ÍNDICE Título I - Do Fórum e seus

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 19/2006

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 19/2006 RESOLUÇÃO Nº 19/2006 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de usas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 8.020/2006-43 COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA 11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE Curitiba / 2011 APROVADO NA 5ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PESSOAL DOCENTE - CPPD

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PESSOAL DOCENTE - CPPD REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PESSOAL DOCENTE - CPPD CAPÍTULO I Natureza e Finalidade Art. 1º - A Comissão Permanente do Pessoal Docente - CPPD da Universidade Federal Rural da Amazônia,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Com vista ao desenvolvimento do Projecto Educativo de Escola, são fixadas no Regulamento Interno as estruturas que colaboram com o Conselho Pedagógico e

Leia mais

REGULAMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA

REGULAMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA REGULAMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA Artigo 1º - O FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA, doravante

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL. Março/2017 1

REGIMENTO ELEITORAL. Março/2017 1 REGIMENTO ELEITORAL Março/2017 1 REGIMENTO ELEITORAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL ABOR Capítulo I Disposições Preliminares Art. 1º. A Associação Brasileira de Ortodontia e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL DA ABS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SOMMELIERS.

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL DA ABS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SOMMELIERS. REGIMENTO INTERNO ELEITORAL DA ABS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SOMMELIERS. I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regimento Interno Eleitoral estabelece normas a serem observadas na eleição para a Diretoria

Leia mais

AULA 01. Curso de 80 questões comentadas e inéditas baseado no Regimento Interno do Tribunal Superior do Trabalho (Resolução Administrativa nº 1295)

AULA 01. Curso de 80 questões comentadas e inéditas baseado no Regimento Interno do Tribunal Superior do Trabalho (Resolução Administrativa nº 1295) AULA 01 Curso de 80 questões comentadas e inéditas baseado no Regimento Interno do Tribunal Superior do Trabalho (Resolução Administrativa nº 1295) AULA 01 art. 1º ao art. 34 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. QUESTÕES

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 335, de 29 de julho de 2006. REVOGADA Dispõe sobre a aprovação do Regimento Eleitoral do 9º Colegiado do Conselho Federal de Fonoaudiologia, e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal da Grande Dourados no uso de suas atribuições legais, considerando o previsto no 3º do artigo 22, da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 10/2003*

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 10/2003* RESOLUÇÃO Nº 10/2003* *(Revogado pela Resolução nº 26/2010 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão). ESTABELECE NORMAS PARA O PROCESSO ELEITORAL DE ESCOLHA DE REPRESENTANTES DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ TÍTULO I Do Conselho de Representantes Art. 1º O Conselho de Representantes é um órgão consultivo, deliberativo e fiscalizador da Associação de Docentes

Leia mais

PREÂMBULO CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES

PREÂMBULO CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO DE CURADORES PREÂMBULO Este Regimento complementa o Regimento Geral da Universidade Federal de Itajubá e regulamenta as

Leia mais

elaborar seus regimentos internos

elaborar seus regimentos internos Constituição Federal Art. 96. Compete privativamente: I - aos tribunais: a) eleger seus órgãos diretivos e elaborar seus regimentos internos, com observância das normas de processo e das garantias processuais

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

3º O Secretário-Executivo do Conselho Curador será substituído pelo Vice-Presidente da FEAM

3º O Secretário-Executivo do Conselho Curador será substituído pelo Vice-Presidente da FEAM Regimento Interno do Conselho Curador da Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM (Publicação Diário Oficial 06/12/2013) Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º O Conselho Curador da Fundação Estadual

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº D DE O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº D DE O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.744-D DE 2000 Estabelece a composição e a forma de funcionamento do Conselho de Gestão Fiscal (CGF), conforme previsto

Leia mais

ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 1.012, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2005 REGIMENTO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DO SISTEMA CONFEA/CREA

ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 1.012, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2005 REGIMENTO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DO SISTEMA CONFEA/CREA ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 1.012, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2005 REGIMENTO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DO SISTEMA CONFEA/CREA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA COMPOSIÇÃO Art. 1 O Colégio de Presidentes do Sistema Confea/Crea

Leia mais

Deliberações da 146ª Reunião Ordinária, realizada em 12/03/2004

Deliberações da 146ª Reunião Ordinária, realizada em 12/03/2004 Deliberações da 146ª Reunião Ordinária, realizada em 12/03/2004 1. Homologação das seguintes aprovações ad referendum dadas pela Presidência: a) Normas para realização de Concurso Público para a carreira

Leia mais

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15)

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) ANEXO 1.1 Regulamento Interno Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE 1 - Definição...

Leia mais

11/04/2017 ISMAEL NORONHA REGIMENTO INTERNO DO TST

11/04/2017 ISMAEL NORONHA REGIMENTO INTERNO DO TST ISMAEL NORONHA REGIMENTO INTERNO DO TST 1. (TST/2012) Em razão da aposentadoria de três Ministros, houve a necessidade do preenchimento dessas vagas, destinadas aos Juízes de carreira da Magistratura do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Aprovado pelo Conselho de Campus, conforme Resolução nº 50, de 14 de dezembro de 2016. Página 1 / 6 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP Teresina PI /2014. REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º O presente Regulamento

Leia mais

Regimento do Grupo de Recrutamento Matemática

Regimento do Grupo de Recrutamento Matemática Regimento do Grupo de Recrutamento 500 - Matemática Artigo 1º Objecto O presente regimento está conforme a legislação em vigor e o Regulamento Interno da Escola Secundária de José Afonso, Loures, e tem

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES E ADMINISTRADORES TRIBUTÁRIOS ESTADUAIS ENCAT R E G I M E N T O

ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES E ADMINISTRADORES TRIBUTÁRIOS ESTADUAIS ENCAT R E G I M E N T O ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES E ADMINISTRADORES TRIBUTÁRIOS ESTADUAIS ENCAT R E G I M E N T O Aprovado no ENCAT Pará, realizado nos dias 28 de fevereiro e 1º de março de 2002. Alterações aprovadas

Leia mais

CAPÍTULO I: Disposições Preliminares

CAPÍTULO I: Disposições Preliminares REGIMENTO ELEITORAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL ABOR Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária de 30/04/05 CAPÍTULO I: Disposições Preliminares Art. 1. A Associação Brasileira

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015

R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Campus Avançado de Jandaia do Sul Colegiado de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante

Leia mais

Prefeitura da Estância de Atibaia

Prefeitura da Estância de Atibaia Prefeitura da Estância de Atibaia 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI, de Atibaia/SP Capítulo I DA NATUREZA Art. 1 - O presente Regimento define, explicita e regulamenta as atividades,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO MEDICINA. Seção I Do Colegiado e seus fins

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO MEDICINA. Seção I Do Colegiado e seus fins REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO MEDICINA Seção I Do Colegiado e seus fins Art. 01. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina do IMS/UFBA é regido por este Regimento, observadas as disposições

Leia mais

Regulamento da Assembleia Regional Pioneira Região Escoteira de São Paulo

Regulamento da Assembleia Regional Pioneira Região Escoteira de São Paulo Regulamento da Assembleia Regional Pioneira Região Escoteira de São Paulo Art. 1º. A Assembleia Regional Pioneira deverá se reunir anualmente dentro da Região Escoteira de São Paulo em sessão ordinária,

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente Resolução n 002/2010-CD Aprova o Regimento Interno do Conselho Diretor da Universidade Federal de Roraima. O PRESIDENTE DO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias

Leia mais

Art. 2º - Cada Setor é representado no Conselho Deliberativo por 3 (três) membros titulares.

Art. 2º - Cada Setor é representado no Conselho Deliberativo por 3 (três) membros titulares. O Conselho Deliberativo do Condomínio Nossa Fazenda, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso VIII e pelo 2 do Art. 45 da Convenção de Condomínio de 18 de dezembro de 1999, resolve elaborar

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM.

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM. REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado de Biomedicina da Faculdade AUM. REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FACULDADE AUM. CAPÍTULO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO. Regimento do Conselho Geral

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO. Regimento do Conselho Geral AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Regimento do Conselho Geral Artigo 1.º Definição 1. O conselho geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade da escola,

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB

Universidade de Brasília - UnB Universidade de Brasília - UnB REGULAMENTO DO COLEGIADO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE CIENCIAS DA SAÚDE Dispõe sobre os aspectos de organização, funcionamento e gestão do Colegiado de Extensão da Faculdade

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA N 004/2017, de 15 de maio de 2017.

RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA N 004/2017, de 15 de maio de 2017. RESOLUÇÃO CONSEPE/UFERSA N 004/2017, de 15 de maio de 2017. Dispõe sobre Colegiado de Curso de Graduação da UFERSA. O Presidente do - CONSEPE da - UFERSA, no uso de suas atribuições legais e com base na

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. Página 1 de 8

REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. Página 1 de 8 REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Página 1 de 8 2016 Sumário CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO II... 3 DA CONSTITUIÇÃO E DAS ATRIBUIÇÕES... 3

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS OUVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO - CNOMP ESTATUTO. Capítulo I Da Denominação, da Competência e da Sede

CONSELHO NACIONAL DOS OUVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO - CNOMP ESTATUTO. Capítulo I Da Denominação, da Competência e da Sede CONSELHO NACIONAL DOS OUVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO - CNOMP ESTATUTO Capítulo I Da Denominação, da Competência e da Sede Art. 1º Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3.

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3. CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3.949/2003 FONE/ FAX: 3525-4084 CEP: 89.163-077 RIO DO SUL SC. Edital

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1.

Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1. Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1.º (Natureza) O Conselho Pedagógico é o órgão de gestão pedagógica da Faculdade,

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 2, DE 3 DE JULHO DE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 2, DE 3 DE JULHO DE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 2, DE 3 DE JULHO DE 2013 Dispõe sobre a estrutura, organização e funcionamento das Comissões de Residência Médica das

Leia mais

Código de Organização Judiciária do Estado Prof. Pedro Kuhn

Código de Organização Judiciária do Estado Prof. Pedro Kuhn Analista Judiciário Área Judiciária e Administrativa Código de Organização Judiciária do Estado Prof. Pedro Kuhn Código de Organização Judiciária do Estado Professor Pedro Kuhn www.acasadoconcurseiro.com.br

Leia mais

DECRETO Nº , DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº , DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.491, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Regimento Interno da Delegação de Controle do Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das

Leia mais

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I Da Comissão Eleitoral Das Generalidades Art. 1º - A Comissão Eleitoral do Sindicato dos Servidores Municipais de Canela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES Partido dos Trabalhadores 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES (CAD). Art. 1º - O Conselho de Assuntos Disciplinares (CAD) é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 046, de 29 de outubro de 2012. Aprova o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I Da Entidade Art. 1º O Centro Acadêmico de Economia (CAE) fundado em 05-12-2013, constitui-se em sociedade civil sem fins lucrativos, apartidária, e é o órgão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE APOIO À PESQUISA DO IFES CAMPUS SERRA, CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E FINALIDADE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE APOIO À PESQUISA DO IFES CAMPUS SERRA, CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS SERRA Rodovia ES-010 Km 6,5 Bairro Manguinhos 29173-087 Serra ES 27 3348-9200 REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE APOIO À PESQUISA DO IFES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO nº 03/2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO nº 03/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO nº 03/2016 Aprova o Regimento Interno do Conselho Acadêmico de Pesquisa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

Comissão de Atletas Regulamento

Comissão de Atletas Regulamento Comissão de Atletas Regulamento 1. Missão 1.1. A Comissão de Atletas do COB tem por missão representar os Atletas Olímpicos perante o COB, fortalecendo os laços de comunicação e interação entre as partes.

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE GESTÃO DE PESSOAS DAS IFES REGIMENTO INTERNO

FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE GESTÃO DE PESSOAS DAS IFES REGIMENTO INTERNO FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE GESTÃO DE PESSOAS DAS IFES REGIMENTO INTERNO Agosto, 2018 ÍNDICE Título I Do Fórum e seus Objetivos Seção I Da Natureza Seção II Dos Objetivos Título II Da Estrutura do

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regimento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Telêmaco

Leia mais

TÍTULO I DAS ELEIÇÕES PARA A DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DO ESTADO

TÍTULO I DAS ELEIÇÕES PARA A DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DO ESTADO 1 Deliberação CSDP 08, de 19 de junho de 2015 Regulamenta as eleições para a Defensoria Pública-Geral e para o Conselho Superior da Defensoria Pública, bem como a consulta para formação da lista tríplice

Leia mais

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST PORTARIA N 023/2005/FEST DISCIPLINA A COMPOSIÇÃO, O FUNCIONAMENTO E AS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO SUPERIOR CONSUP - DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA. A DIRETORA GERAL da Faculdade de Educação Santa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO 43. FÓRUM NACIONAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS FONAJE

REGIMENTO INTERNO DO 43. FÓRUM NACIONAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS FONAJE REGIMENTO INTERNO DO 43. FÓRUM NACIONAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS FONAJE DA SEDE, PERÍODO E TEMA Art. 1. O 43. Fórum Nacional dos Juizados Especiais FONAJE será realizado em Macapá, Estado do Amapá, no período

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO do município de Areal, no âmbito de ação e conforme preceitua sua Lei de Criação

Leia mais

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA SECRETARIADO DE PASTORAL REGIMENTO DAS ASSEMBLÉIAS ARQUIDIOCESANAS

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA SECRETARIADO DE PASTORAL REGIMENTO DAS ASSEMBLÉIAS ARQUIDIOCESANAS ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA SECRETARIADO DE PASTORAL REGIMENTO DAS ASSEMBLÉIAS ARQUIDIOCESANAS CAPÍTULO I: DA NATUREZA ART. 1 - A Assembléia Arquidiocesana é uma porção da Igreja - Leigos, Religiosos, Padres,

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA REGIONAL SUL III REGIMENTO SEÇÃO I CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA REGIONAL SUL III REGIMENTO SEÇÃO I CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. 1 CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA REGIONAL SUL III REGIMENTO SEÇÃO I CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Organização Art.1º. A Pastoral Carcerária está organizada nos seguintes níveis:

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998

FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998 FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998 REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MACHADO DE ASSIS SEÇÃO I Do Conceito do Colegiado de Curso Art. 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

PORTARIA CFC N.º 167, DE 7 DE NOVEMBRO DE O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA CFC N.º 167, DE 7 DE NOVEMBRO DE O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA CFC N.º 167, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2017. Aprova o Regimento Interno do Comitê de Tecnologia da Informação (CTI) do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/2003. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

RESOLUÇÃO Nº 18/2003. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, RESOLUÇÃO Nº 18/2003 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 8.084/03-01 CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS. Seção I Da definição, constituição e atribuições

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS. Seção I Da definição, constituição e atribuições REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS Dispõe sobre o Regimento Interno da Comissão de Direitos Humanos da Associação dos Magistrados Brasileiros AMB.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto

Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto REGULAMENTO PARA PROCESSO CONCURSAL DE ELEIÇÃO DO DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal

Leia mais

Parágrafo Único. A Frente, que tem sede e foro no Distrito Federal é instituída

Parágrafo Único. A Frente, que tem sede e foro no Distrito Federal é instituída ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA DE COMBATE ÀS DROGAS CAPÍTULO I Da Frente Art. 1º A Frente Parlamentar Mista de Combate às Drogas, constituída no âmbito do Congresso Nacional, é integrada por Senadores

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE DO CREA-RS

REGULAMENTO DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE DO CREA-RS REGULAMENTO DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE DO CREA-RS O PRESENTE REGULAMENTO REGE A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DO COLÉGIO DAS ENTIDADES DE CLASSE DO CREA-RS. Art. 1 Fica instituído o Colégio de Entidades

Leia mais

CÓDIGO ELEITORAL DA COOPERATIVA DE TRABALHO DOS CONSULTORES E INSTRUTORES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL, PROMOÇÃO SOCIAL E ECONOMICA LTDA COOPIFOR

CÓDIGO ELEITORAL DA COOPERATIVA DE TRABALHO DOS CONSULTORES E INSTRUTORES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL, PROMOÇÃO SOCIAL E ECONOMICA LTDA COOPIFOR CÓDIGO ELEITORAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I - DISPOSITIVO ESTATUTÁRIO Art. 1º - O Código Eleitoral da COOPIFOR, aprovado pela Assembleia Geral, é parte integrante do Estatuto Social

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS QUESTÕES COMENTADAS GABARITO...19

1. APRESENTAÇÃO QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS QUESTÕES COMENTADAS GABARITO...19 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS... 2 3. QUESTÕES COMENTADAS... 8 4. GABARITO...19 Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998, que altera,

Leia mais

CAPÍTULO IX DA CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA DIRETORIA E DOS CONSELHOS

CAPÍTULO IX DA CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA DIRETORIA E DOS CONSELHOS CAPÍTULO IX DA CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA DIRETORIA E DOS CONSELHOS Art. 28 - A Diretoria Executiva será constituída por: 1. Presidente 2. Vice-Presidente 3. 1º Secretário 4. 2º Secretário 5. 1º Tesoureiro

Leia mais