Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental"

Transcrição

1 Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas Evangelista de Sousa Consultor Sênior Tamar Roitman - Pesquisadora 24/05/2017

2 SUMÁRIO Emissões de CO 2 nos transportes Compromissos do Brasil na COP 21 Biocombustíveis no mundo RenovaBio Reflexões

3 Emissões de CO 2 nos transportes 3 Mundo - Emissões de CO 2 na geração e consumo de energia por setor (2014) Serviços Outros 3% 7% Residencial 6% Indústria 19% Indústria 31% Transporte 23% Outros 10% Eletricidade 16% Eletricidade e calor 42% Fonte: IEA (2016) Brasil - Emissões de CO 2 na geração e consumo de energia por setor (2015) Transporte 43% Fonte: MME (2016) Entre 160 NDCs, representando 187 países, submetidas até agosto/2016: 75% identificaram explicitamente o setor de transportes como uma fonte de mitigação Mais de 63% das contribuições propõem medidas de mitigação específicas para o setor Melhoria em sistemas de ônibus ou BRT Combustíveis de baixo carbono (Biocombustíveis, GN) Mobilidade Outras estratégias de economia de combustíveis Metrô Restrições a veículos Medidas de frete verde Melhoria de rodovias Inspeção e manutenção Padrões de economia de combustível Melhoria em padrões de combustíveis e veículos Plano de mobilidade Retirada de subsídios a combustíveis Sistema de transporte inteligente Projeto urbanístico Veículos de 2 ou 3 rodas Reforma de estacionamentos Fonte: Gota,S. et al. (2016) Países de renda alta Países de renda média Países de renda baixa

4 Compromissos do Brasil na COP 21 Aumentar a bioenergia sustentável para 18% Participação da Bioenergia 18,3% 17,8% 16,4% 1,0% 1,5% 0,7% 16,8% 16,8% 15,7% Aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030, expandindo o consumo de biocombustíveis, aumentando a oferta de etanol, inclusive por meio do aumento da parcela de biocombustíveis avançados (segunda geração), e aumentando a parcela de biodiesel na mistura do diesel. Derivados da cana Biodiesel 4 Fonte: Elaboração própria a partir de dados da EPE (2016)

5 Compromissos do Brasil na COP 21 Cenário para o biodiesel Diesel B Consumo (milhões de m 3 ) B7 5,6 B10 9,4 93,6 Mm 3 /ano (7% de biodiesel) 69 Mm 3 /ano (7% de biodiesel) 2,3 2,5 2,8 2,9 3,4 3,9 3,8 77,9 87,8 49,1 51,3 54,8 57,8 59,4 55,6 54, Óleo diesel Biodiesel *Considera a demanda do ciclo diesel crescendo a 2,5% ao ano. Projeções EPE* 5 Projeções ABIOVE 2030: Produção de biodiesel - 18 Bi litros Consumo de diesel B - 90 Bi litros Cenário de crescimento médio do PIB de 3% aa a partir de Fonte: ANP, 2016

6 Biocombustíveis no mundo Combinação de mandatos e instrumentos de mercado 7 Estados Unidos (RFS - Renewable Fuel Standard) Criado em 2005 Mandato volumétrico de combustível renovável Produtores emitem créditos (RINs Renewable Identification Number) Refinarias/Importadoras devem atingir um volume obrigatório de renováveis e, para isso, produzem/compram biocombustíveis ou compram RINs California (LCFS Low Carbon Fuel Standard) Início em 2009 (readoção em 2015) Estabelece padrões anuais de Intensidade de Carbono (IC) para os combustíveis IC é a medida das emissões associadas à produção e ao consumo do combustível (é baseado na Análise do Ciclo de Vida) Programa estabelece metas graduais de redução de emissões de CO2, chegando a 10% até 2020 Refinarias/Importadoras atingem as metas produzindo ou comprando biocombustíveis ou comprando créditos União Europeia (RED Renewable Energy Directive) 2009: Meta de 10% de combustíveis renováveis até 2020 para todos os países membros 2015: Limite de 7% de biocombustíveis produzidos a partir de culturas alimentícias Suécia Política de biocombustíveis baseada em isenção de impostos (desde os anos 1990) Governo aumentou a taxação em gasolina e diesel e vinculou a arrecadação ao investimento em combustíveis renováveis

7 RenovaBio Eixos estratégicos Papel dos biocombustíveis na matriz energética Equilíbrio econômico e financeiro Regras de comercialização Novos biocombustíveis Previsibilidade Metas de redução de emissões Certificação das usinas (CO 2 /MJ gerado) Definição do número de CREs transacionados Competitividade Usinas mais eficientes gerarão mais CREs (função da classificação e da capacidade) Avaliação das usinas será anual (impede que se 8 acomodem após obterem nota alta) Usinas Certificação Certificado de Redução de Emissões (CRE) Modelo de Funcionamento Biocombustíveis CREs Distribuidoras? Meta de Redução de Emissões Metas de Redução de Emissões segurança para novos investimentos CREs garantia de receita para quem produz

8 Reflexões para o RenovaBio Necessário alinhar estratégias de Governo Compatibilizar RenovaBio com Combustível Brasil, definindo o papel de cada combustível na matriz dos transportes Inserir priorização dos combustíveis de baixo carbono nas metas de eficiência da indústria automotiva Oportunidades COP 21 criou condições sem precedentes para o reconhecimento da importância dos biocombustíveis Necessário considerar o conjunto dos impactos sócios ambientais e não apenas os aspectos ambientais positivos dos biocombustíveis Modelo proposto promove a competitividade entre os combustíveis e incentiva ganhos de eficiência Setor está otimista com as diretrizes, rapidez, transparência e o bom nível de interlocução 9

9 Reflexões para o RenovaBio Desafios Garantir o caráter meritocrático da proposta Metas de emissões separadas para ciclo Otto e ciclo Diesel? Poderiam ser unificadas no futuro? Quais serão os agentes e qual o papel de cada agente no mercado de CREs (Bolsa)? Como serão precificados os CREs? Como será o modelo e o processo de certificação das usinas? A certificação será obrigatória? Regionalização de mandatos seria positiva? É factível diante do atual arcabouço tributário (ICMS)? 10 Como garantir os investimentos necessários para o atingimento das metas? Anidro e biodiesel crescerão de acordo com o crescimento do mercado e do mandato de biodiesel Hidratado requer sinalização de curto prazo tributação diferenciada seria um caminho de transição até a entrada do RenovaBio? Necessário considerar toda a cadeia tributária? Direcionar parte das receitas de royalties do petróleo para o desenvolvimento tecnológico dos biocombustíveis?

10 Reflexões para o Biodiesel Matérias-primas Haverá matéria prima para expansão da produção com mandato além do B10 e/ou ampliação do mercado autorizativo? Será necessário alterar a tributação da cadeia de soja priorizando o mercado interno? Como incentivar o desenvolvimento da utilização de óleos residuais na produção do biodiesel? Como promover a diversificação das matérias primas, focando naquelas com potencial de alta produtividade, incentivando sua produção em busca da maior competitividade do biodiesel? 11 Comercialização Boa parte do setor está confortável com os leilões, mas a falta de previsibilidade da comercialização é um risco para os produtores Comercialização direta permitiria Redução de custos de intermediação Maior liberdade de escolha dos parceiros comerciais Contratos de longo prazo, dando maior previsibilidade e segurança ao produtor Favorecer a diversificação de matérias primas, como o óleo de palma na região Norte Maior uso em regiões onde o biodiesel for mais competitivo

11 fgvenergia.fgv.br

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora)

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Caderno de Biocombustíveis 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Cadernos FGV Energia A FGV Energia edita e atua em parcerias para a produção de publicações

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis Histórico dos biocombustíveis no Brasil Aprovação da Lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis

Leia mais

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética 2 Argentina Brazil Canada China Denmark

Leia mais

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS Seminário Biotecnologia 4.0 São Paulo/SP 11 mai. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

Leia mais

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo-SP, 21/09/17 Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Biocombustíveis e a Aviação Impactos

Leia mais

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas?

RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? 1º Encontro Técnico do RenovaBio RenovaBio: o que deve mudar no dia a dia das usinas? Luciano Rodrigues UNICA/ESALQ Qual o valor da energia renovável, em especial dos biocombustíveis? Benefício ambiental

Leia mais

LANÇAMENTO ROBERTO RODRIGUES

LANÇAMENTO ROBERTO RODRIGUES LANÇAMENTO CADERNO DE BIOCOMBUSTÍVEIS ROBERTO RODRIGUES 15 de Setembro de 2017 Insumo para transporte privado Benefício ambiental QUAL O VALOR DO ETANOL? INSTRUMENTO DE COMBATE AO AQUECIMENTO GLOBAL Benefício

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 18 de Agosto de 2017 NP-3 Downstream no Brasil tem características privilegiadas Por ser longo em cru, curto em derivados e distante dos principais mercados Posição

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 Consulta Pública - Anexo da Nota Técnica nº 12/2018/DBIO/SPG Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Proposta de Metas Compulsórias

Leia mais

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 4ª Reunião do Comitê RenovaBio Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Entradas

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Setembro de 2017 PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Elizabeth Farina Diretora Presidente Fotografia da crise no setor sucroenergético, no mercado de combustíveis e no Brasil Endividamento

Leia mais

PROGRAMAS INTERNACIONAIS DE INCENTIVO AOS BIOCOMBUSTÍVEIS E O RENOVABIO

PROGRAMAS INTERNACIONAIS DE INCENTIVO AOS BIOCOMBUSTÍVEIS E O RENOVABIO PROGRAMAS INTERNACIONAIS DE INCENTIVO AOS BIOCOMBUSTÍVEIS E O RENOVABIO AUTORA Tamar Roitman março.2019 SOBRE A FGV ENERGIA A FGV Energia é o centro de estudos dedicado à área de energia da Fundação Getúlio

Leia mais

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina Rio de Janeiro/RJ 30 ago. 2018 José Mauro Coelho

Leia mais

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil

RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil RenovaBio modelo para expansão de bioenergia no Brasil Plinio Nastari presidente da DATAGRO representante da sociedade civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética Workshop BIOEN-FAPESP RENOVABIO

Leia mais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Workshop estratégico CTBE: modelagem econômica Campinas, 29 de setembro de 2017 Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Marília Folegatti

Leia mais

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Nova Independência/SP, 17 de maio de 2018 REUNIÃO DE FORNECEDORES Pedra Agroindustrial S/A Usina Ipê Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Prof.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 Cenários para os biocombustíveis no Brasil Matriz energética e fontes de energia Biocombustíveis no mundo Evolução

Leia mais

APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO

APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO Universidade Federal do ABC V Simpósio do Curso de Pós-Graduação em Energia Santo André/SP 28 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel

O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis O marco regulatório dos biocombustíveis: Biodiesel Ricardo de Gusmão

Leia mais

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar São Paulo, 06 de fevereiro de 2012 O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura

Leia mais

POLÍTICAS E DIRETRIZES PARA O ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS

POLÍTICAS E DIRETRIZES PARA O ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS: GARANTINDO O ABASTECIMENTO E O CRESCIMENTO Ricardo de Gusmão Dornelles Ministério de Minas e Energia POLÍTICAS E DIRETRIZES PARA O ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS Conceito de Abastecimento:

Leia mais

Tabela 4.1: Produção de biocombustíveis no Brasil (litros)

Tabela 4.1: Produção de biocombustíveis no Brasil (litros) Biocombustíveis Tamar Roitman / Fernanda Delgado A) Produção A produção de etanol anidro e hidratado em março/217 superou em 143,5% e 122%, respectivamente, a produção de fevereiro/217. A maior produção

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS. Aurélio César Nogueira Amaral Diretor

REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS. Aurélio César Nogueira Amaral Diretor REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS Aurélio César Nogueira Amaral Diretor RenovaBio ANP Lei nº 13.576, de 26 de dezembro de 2017. Fonte: MME, 2017. RenovaBio Próximos Passos O MME elaborará, até o final

Leia mais

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil

Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Plenária: Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Ricardo de Gusmão

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio Campinas, 18 de agosto de 2017 SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes Fundado em 1941 Fórum para discussão

Leia mais

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente FGV ENERGIA Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 2018 1 2 Associados 3 4 RECONHECIMENTO

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS. Aurélio César Nogueira Amaral Diretor

REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS. Aurélio César Nogueira Amaral Diretor REGULAÇÃO DO RENOVABIO PRÓXIMOS PASSOS Aurélio César Nogueira Amaral Diretor RenovaBio ANP Lei nº 13.576, de 26 de dezembro de 2017. Fonte: MME, 2017. RenovaBio Próximos Passos O MME elaborará, até o final

Leia mais

Biocombustíveis BOLETIM ENERGÉTICO DEZEMBRO Tamar Roitman

Biocombustíveis BOLETIM ENERGÉTICO DEZEMBRO Tamar Roitman Biocombustíveis Tamar Roitman A) PRODUÇÃO O volume total de etanol (anidro e hidratado) produzido em outubro/17 somou 3,4 bilhões de litros, representando uma queda de 21,1% em relação ao mês anterior

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia Marcela Cardoso Guilles da Conceição Rio de Janeiro,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Márcio Félix Secretário

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Márcio Félix Secretário Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Márcio Félix Secretário COP-21 - Compromisso Brasileiro Pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (intended Nationally

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas 2 PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução do parque de geração de eletricidade no RS no período

Leia mais

RenovaBio Impactos Esperados

RenovaBio Impactos Esperados RenovaBio Impactos Esperados Plinio Nastari Presidente, DATAGRO Representante da Sociedade Civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética 17ª. Conferencia da DATAGRO sobre Açúcar e Etanol Grand

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

Ministério de Minas e Energia RENOVABIO. Departamento de Biocombustíveis Fevereiro de Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO.

Ministério de Minas e Energia RENOVABIO. Departamento de Biocombustíveis Fevereiro de Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Ministério de Minas e Energia RENOVABIO Departamento de Biocombustíveis bio@mme.gov.br Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Fevereiro de 2018 Departamento de Biocombustíveis (DBIO)/SPG RenovaBio Objetivos da

Leia mais

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Brasília, 7 de dezembro de 2016 Produtoras de Biodiesel Associadas Insumos Tecnologia

Leia mais

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 26 de maio de 2017 Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Avaliação da safra 2016/2017 Moagem e produção Mercados de etanol

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica Diretoria de

Leia mais

Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017

Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017 Alternativa para produção de combustíveis sustentáveis de aviação CTBE - Junho 2017 Lidando com a Mudança Climática Aviação e o Meio Ambiente Representa 2% das emissões totais de GEE A Aviação Internacional

Leia mais

Negociações internacionais sobre biodiesel: conjuntura e perspectivas

Negociações internacionais sobre biodiesel: conjuntura e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Negociações internacionais sobre biodiesel: conjuntura e perspectivas Daniel Furlan Amaral Economista Biodiesel Congress São Paulo - SP 27 de julho

Leia mais

COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO

COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO COMBUSTÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE AVIAÇÃO, UMA CONTRIBUIÇÃO AO NDC BRASILEIRO Bioquerosene para avançar Ao ratificar o Acordo do Clima de Paris, o Brasil assumiu o compromisso de redução das emissões de gases

Leia mais

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore

Leia mais

Certificação Renovabio 07 de Maio 2019

Certificação Renovabio 07 de Maio 2019 Certificação Renovabio 07 de Maio 2019 Felipe Bottini Sócio-Fundador felipe@greendomus.com.br Green Domus Desenvolvimento Sustentável Ltda Tel.: +55 (11) 5093-4854 contato@greendomus.com.br Av. Eng. Luís

Leia mais

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente

ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente ANP EPE e FGV RenovaBio Próximos Passos Perspectivas do Biodiesel com o RenovaBio Donizete Tokarski Diretor Superintendente FGV ENERGIA Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 2018 1 Associados RECONHECIMENTO

Leia mais

Biodiesel: Janela de Oportunidades

Biodiesel: Janela de Oportunidades Faet/Senar, Palmas/TO, 27 de novembro de 2018 Fórum de Desenvolvimento Estratégico da Agroenergia Biodiesel: Janela de Oportunidades Donizete Tokarski Produtores Associados Consumidores Insumos Tecnologia/Outras

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Visão Geral Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Apresentação para o ABDIB Fórum 2019 Estratégias para a Retomada da Infraestrutura 21/05/2019-14h30 Este documento foi preparado pelo

Leia mais

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios BIOMASSA: Pilar da Sustentabilidade Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Curitiba

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE RESOLUÇÃO N o 14, DE 8 DE JUNHO DE 2017 Estabelece diretrizes estratégicas para a política de biocombustíveis a ser proposta pelo Poder Executivo, cria o Comitê

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA

A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA A BUSCA PELA AUTOSUFICIÊNCIA Análise do Mercado de Gasolina no Brasil Prof. Marcelo Colomer São Paulo Agosto de 2013 Importações Acumuladas de Janeiro a Junho de 2013 Fonte: MDIC, 2013 2 Crescimento da

Leia mais

Perspectiva para o biodiesel no Brasil e no Mundo

Perspectiva para o biodiesel no Brasil e no Mundo Sede da CNA, Brasília, 10 de outubro de 2018 V Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia (EnPI) Mesa Redonda 4 Biomassa para Bioenergia, visão do setor produtivo Perspectiva para o biodiesel

Leia mais

RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO. Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18

RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO. Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18 RENOVABIO PRÓXIMAS ETAPAS REGULAMENTAÇÃO Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar Álcool - CSSA 40ª Reunião Ordinária Brasília, 21/03/18 RenovaBio Fundamento Legal Lei nº 13.576, de 26 de dezembro

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

AVANÇOS DA INDÚSTRIA DE BIODIESEL NO BRASIL

AVANÇOS DA INDÚSTRIA DE BIODIESEL NO BRASIL AVANÇS DA INDÚSTRIA DE BIDIESEL N BRASIL Mesa Redonda: Produção Industrial de Biodiesel Dr. Rafael Silva Menezes Coordenador de Inovação em Tecnologias Setoriais Coordenação-Geral de Desenvolvimento e

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 29 de Setembro de 2017 Arlindo Moreira Filho representante da Petrobras No evento de Ago/17, a Petrobras apresentou sua visão e inserção no RenovaBio com... Características

Leia mais

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz,

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz, 6 Conclusão A Matriz Energética possibilita aos planejadores de políticas energéticas contarem com uma ferramenta para simular trajetórias variadas da evolução da demanda e da oferta de energia no Estado,

Leia mais

PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO

PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO Biodiesel e bioquerosene: sustentabilidade econômica e ambiental Brasília, 24 de maio de 2017 PROGRAMA RENOVABIO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E CERTIFICAÇÃO Embrapa Marília Folegatti Matsuura Marcelo

Leia mais

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo

Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO Estratégia nacional do Brasil para perceber a diminuição dos gases de efeito estufa Marcelo Cupolo AGENDA DA APRESENTAÇÃO Quem somos: Abiogás www.abiogas.org.br

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB

O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL - PNPB Rodrigo Augusto Rodrigues Subchefe Adjunto da SAG/Casa Civil PR Coordenador da Comissão Executiva Interministerial do Biodiesel Niterói - RJ, 17

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS

PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS Agosto 2017 PLATAFORMA MINEIRA DE BIOQUEROSENE & RENOVÁVEIS Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico A Plataforma Mineira

Leia mais

Desafios e oportunidades no mercado internacional

Desafios e oportunidades no mercado internacional Bioenergia: Desafios e Oportunidades de Negócios Desafios e oportunidades no mercado internacional Eduardo Leão Sousa Diretor Executivo da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 27 de

Leia mais

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO UFRJ DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO Estimativa do consumo de açúcar no mercado brasileiro Estimativa do consumo mundial de açúcar 166 182 201 Fonte: F.O.Licht, LMC e estimativa UNICA. Nota: o volume

Leia mais

L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá

L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá Perspectivas para o biodiesel no Brasil L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá 1 Perspectivas para o biodiesel no Brasil Roteiro Evolução da produção de biodiesel Sustentabilidade e biodiesel

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

A Matriz Energética Brasileira: Situação Atual e Perspectivas. Julio Bueno

A Matriz Energética Brasileira: Situação Atual e Perspectivas. Julio Bueno A Matriz Energética Brasileira: Situação Atual e Perspectivas Julio Bueno Agosto 2013 Sumário 1- Matriz Energética: conceito e objetivos...1 2- Matriz Energética Brasileira Atual...2 3- Principais questões

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis e Derivados de Petróleo LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Luiz Antonio d Avila Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis

Leia mais

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc 14º Encontro de Energia FIESP São Paulo, 06 de agosto de 2013 Matriz Energética Brasileira Cana: 36%

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis. Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia

Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis. Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia Razões para os programas públicos de incentivos a combustíveis de fontes renováveis Eng. GABRIEL FERIANCIC SISTRAN Engenharia Fontes renováveis representam 45% da nossa matriz, enquanto a média mundial

Leia mais

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Marcos Clemente Centro Tecnológico de Jundiaí 25 de outubro de 2017 1 ROTA 2030 O que é? Nova trajetória para a

Leia mais

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Biodiesel Medida Provisória nº 647 de 2014 16 de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Aumento de mistura e seus impactos positivos Brasil é 2º maior mercado mundial de biodiesel e o 3º maior

Leia mais

Programa RenovaBio. Márcio Félix Secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Programa RenovaBio. Márcio Félix Secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Reunião Conjunta FIESP Conselho Superior do Agronegócio COSAG Conselho Superior de Infraestrutura COINFRA Programa RenovaBio Márcio Félix Secretário de Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain *O setor representa cerca de 1% do PIB brasileiro ou R$32 bilhões de reais, gera aproximadamente 684 mil empregos, que representa 0,7% do mercado

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS

PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS PROGRAMA DO CURSO EM DIREITO DA ENERGIA E SUSTENTABILIDADE 100 HORAS Módulo I Geopolítica, Evolução do Direito Constitucional e Agências Reguladoras do Setor de Energia (10 horas) II - Aspectos geopolíticos

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Reive Barros dos Santos Política Energética - Planejamento Rio de Janeiro, 1 de abril 2019 Este documento foi preparado

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

A RENOVACALC APLICADA AO BIOCOMBUSTÍVEL ETANOL DE CANA-DE-AÇÚCAR

A RENOVACALC APLICADA AO BIOCOMBUSTÍVEL ETANOL DE CANA-DE-AÇÚCAR 150 A RENOVACALC APLICADA AO BIOCOMBUSTÍVEL ETANOL DE CANA-DE-AÇÚCAR Michelle Tereza Scachetti¹, Mateus Ferreira Chagas², Joaquim Eugênio Abel Seabra³, Marília Ieda da Silveira Folegatti Matsuura¹, Nilza

Leia mais

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA V SIMPÓSIO DE COMBUSTÍVEIS MATRIZ ENERGÉTICA AUTOMOTIVA DESAFIOS ATÉ 2020 20 de junho de 2012 (quarta-feira) Milenium

Leia mais

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético XIX Seminário ABMR&A Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético Luciano Rodrigues Assessor Econômico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo 01 de outubro de 2008

Leia mais