ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Ética e Legislação Profissional Assunto: Legislação Profissional / Confea/Crea Prof. Ederaldo da Silva Azevedo Aula 3

2 A flexibilização: As flexibilizações decorrentes da Lei Federal nº 9.394, de 1996, possibilitaram o aumento do número e a diversificação dos cursos e perfis acadêmicos.

3 Tendência da educação: Considerar a boa formação, no nível de graduação como uma etapa inicial da formação continuada. (aperfeiçoamento, especialização, mestrado ou doutorado e cursos seqüenciais de complementação de estudos)

4 A formação. O registro : ORGANOGRAMA DO REGISTRO PROFISSIONAL Sistema Educacional (Lei 9.394/96) Sistema Profissional (Lei 5.194/66) DIRETRIZES CURRICULARES CORPO DOCENTE RECONHECIMENTO DO CURSO DIPLOMA REGISTRO PROFISSIONAL Art. 55 INSTALAÇÕES GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO CONTINUADA Lei n 5.194/1966 Art. 10. Cabe às Congregações das escolas e faculdades de Engenharia, Arquitetura e Agronomia indicar ao Conselho Federal, em função dos títulos apreciados através da formação profissional, em termos genéricos, as características dos profissionais por elas diplomados. ATRIBUIÇÕES Art. 7 e Resoluções FISCALIZAÇÃO

5 O papel das escolas : Cada curso oferecido pela escola possuirá um Perfil Profissional de conclusão próprio, com diferentes competências e habilidades, determinadas em função das especificidades de cada região e escola.

6 Competência dos Conselhos, segundo o CNE:...O que lhes compete é definir as atribuições profissionais correspondentes, a partir da respectiva lei de regulamentação da profissão,.. (Parecer CNE/CES n 20/2002)

7 Competência dos Conselhos, segundo o CNE:...estabelecer requisitos e mecanismos que assegurem o exercício eficaz da profissão,(exame de ordem) de modo a apresentar à sociedade um profissional com as garantias que correspondam aos parâmetros da fiscalização e do seu exercício, quer em termos éticos, quer em termos técnicos. (Parecer CNE 136/2003)

8 Competência dos Conselhos, segundo o CNE:... as condições para início do exercício profissional não residem no diploma, mas nos controles do exercício profissional a cargo dos respectivos Conselhos.

9 Perfil profissional (programas das disciplinas, estrutura curricular e projeto pedagógico) Reforçando: Art. 10 da Lei nº 5.194, de Cabe as IES e IET fornecerem ao Sistema Confea/Crea, as características dos profissionais por elas diplomados.

10 Definições básicas da Resolução 1.010, de 2005 Atribuição profissional: ato específico de consignar direitos e responsabilidades para o exercício da profissão. Atividade profissional: ação característica da profissão, exercida regularmente, pontual. Competência profissional: capacidade de utilização de conhecimentos, habilidades e atitudes, em campos profissionais específicos, obedecendo padrões de qualidade e produtividade.

11 Definições básicas da Resolução 1.010, de 2005 Campo de atuação profissional: área em que o profissional exerce sua profissão, em função de competências adquiridas. Título profissional: título atribuído pelo Sistema Confea/Crea ao detentor de diploma ou certificado expedidos por instituições de ensino. Modalidade profissional: grupamento de campos de atuação profissional da Engenharia correspondentes a formações técnicas afins, estabelecido em termos genéricos pelo Confea. A Agronomia e Arquitetura possuem âmbitos.

12 Definições básicas da Resolução 1.010, de 2005 Grupo profissional: cada uma das três profissões regulamentadas na Lei nº de 1966, Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Curso regular: curso técnico ou de graduação reconhecidos, de pós-graduação, devidamente registrados no Sistema Confea/Crea.

13 Inovações da Resolução nº 1.010/05 Visão ampla e enriquecida das competências profissionais; Tratamento igualitário para técnicos, tecnólogos e plenos; Interpenetração das modalidades; Independência entre formação acadêmica e título;

14 Inovações da Resolução nº 1.010/05 Atribuições adequadas às diretrizes curriculares; Flexibilidade para incorporação de novos campos, a partir de cursos de pós-graduação (aperfeiçoamento, especialização, mestrado e doutorado) e disciplinas informativas e formativas cursadas, obedecidos os limites de coerência. Possibilidade de criação de Câmaras por campo do saber.

15 Níveis de formação profissional Técnico Graduação superior tecnológica Graduação superior plena Pós-graduação senso lato (especialização) Pós-graduação senso estrito (mestrado e doutorado)

16 Níveis: Legislação Profissional GRUPO MODALIDADE ÂMBITO

17 GRUPOS(CATEGORIA): Engenharia Arquitetura e Urbanismo Agronomia

18 Modalidades Engenharia: Modalidade Elétrica Modalidade Civil Modalidade Industrial Modalidade Química Modalidade Minas e Geologia Modalidade Agrimensura e Geografia Âmbito da Agrimensura Âmbito da Geografia

19 Modalidade Arquitetura e Urbanismo: Modalidade Única Âmbito da Arquitetura Âmbito da Tecnologia da Construção Âmbito do Urbanismo

20 Modalidade Agronomia: Modalidade Única Âmbitos da Agronomia Engenharia Agronômica Engenharia Florestal Engenharia Agrícola Engenharia de Pesca Âmbito da Meteorologia.. TIT PROF ANEXO

21 A atribuição inicial de título profissional, atividades e competências decorrerá, da análise do perfil profissional do diplomado, de seu currículo integralizado (matriz curricular) e do projeto pedagógico do curso regular. A extensão da atribuição inicial fica restrita ao âmbito da mesma categoria profissional e é concedida pelo CREA do qual o profissional é jurisdicionado.

22 Se a extensão da atribuição inicial se mantiver na mesma modalidade profissional, dependerá de decisão favorável da respectiva câmara especializada; Se a extensão da atribuição inicial não se mantiver na mesma modalidade profissional, dependerá de decisão favorável das câmaras especializadas das modalidades envolvidas. RES

23 Questões sobre extensão de atribuições: Um Arquiteto ou Arquiteto e Urbanista portador de certificado de Curso em Engenharia de Segurança do Trabalho poderá receber extensão de atribuições desta área? Sim, em conformidade com a Lei 7.410/85(pós em segurança do trabalho) e com o artigo 4º, inciso VI, da Resolução 1.010/05.

24 Comparativo Res. 218 e 1.010: Resolução 218/73 Resolução 1.010/05 Visão segmentada do espectrovisão holística do espectro profissional profissional Tratamento diferenciado para ostratamento igualitário para os níveis níveis profissionais profissionais Estanqueidade das Modalidades einterpenetração das Modalidades e Âmbitos Âmbitos(não em Grupos) Dificuldade para o tratamento dasharmonia para o tratamento das profissões inseridas no Sistema porprofissões inseridas no Sistema por força de Lei específica força de Lei específica Falta de definição para as atividadesdefinição coerente para as profissionais atividades profissionais

25 Resolução 218/73 Resolução 1.010/05 Incoerência para a atribuição decoerência para a atribuição de títulos profissionais títulos profissionais Vinculação do título profissional aoindependência entre título título acadêmico profissional e acadêmico Limitação da extensão dasabertura para a extensão atribuições profissionais interdisciplinar das atribuições iniciais dentro da Categoria Necessidade de outras resoluçõesfacilidade para abranger novos complementares para regulamentarcampos de atuação profissional o exercício profissional em novos campos de atuação Inadequação às diretrizesadequação às diretrizes curriculares curriculares

26 Vigência e aplicação: QUANDO ENTROU EM VIGOR: de Julho de Ainda não está sendo aplicada, aguardando o término da aprovação das matrizes do conhecimento. (listagem de conteúdos necessários a concessão de competências)

27 Vigência e aplicação: AO PROFISSIONAL JÁ DIPLOMADO APLICAR-SE-Á UM DOS SEGUINTES CRITÉRIOS: 1. Ao que estiver registrado será permitida a extensão da atribuição inicial de título profissional, atividades e competências, previstas na Resolução 1010; 2. Ao aluno matriculado em curso comprovadamente regular, anteriormente à entrada em vigor desta Resolução, é permitida a opção pelo registro em conformidade com as disposições então vigentes; 3. A resolução somente será obrigatória para os alunos que tenham entrado nas IES e IET após 01 de julho de 2007.

ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A RESOLUÇÃO Nº 1010/05 DO CONFEA E AS RELAÇÕES ENTRE FORMAÇÃO E EXERCÍCIO PROFISSIONAL Outubro de 2011 Ruy Carlos de Camargo Vieira A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05

OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05 OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05 MATERIAL ELABORADO A PARTIR DE APRESENTAÇÃO DO ENCONTRO DE LIDERANÇAS CONFEA, DE 12 DE MARÇO DE 2007, FEITA POR RUY CARLOS DE CAMARGO VIEIRA E MARCIUS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1073/2016. Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP

RESOLUÇÃO Nº 1073/2016. Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP RESOLUÇÃO Nº 1073/2016 Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP Resolução nº 473/2002 - Institui Tabela de Títulos Profissionais do Sistema Confea/Crea e dá outras providências. Organização

Leia mais

Boletim Gaúcho de Geografia

Boletim Gaúcho de Geografia http://seer.ufrgs.br/bgg NOTA: O QUE MUDA PARA OS GEÓGRAFOS BACHARÉIS COM A RESOLUÇÃO N 1.010 DO CONFEA Boletim Gaúcho de Geografia, 32: 147-150, dez., 2007. Versão online disponível em: http://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/37453/24204

Leia mais

Cada qual vê o que quer,

Cada qual vê o que quer, Cada qual vê o que quer, pode ou consegue enxergar Porque eu sou do tamanho do que vejo E não do tamanho da minha Altura (Fernando Pessoa) ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Eng. Civil e Advogado JOSÉ TADEU DA

Leia mais

Considerando que a Lei n 6.664, de 26 de junho de 1979, disciplina a profissão. de geógrafo;

Considerando que a Lei n 6.664, de 26 de junho de 1979, disciplina a profissão. de geógrafo; 1 PROJETO DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre as atividades, atribuição de títulos e competências profissionais para os diplomados nos campos profissionais abrangidos pelas diferentes Modalidades das Categorias

Leia mais

FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL NAS ATIVIDADES DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS

FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL NAS ATIVIDADES DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS Promoção Realização 21 a 25 de setembro de 2009 Hotel Maksoud Plaza São Paulo FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL NAS ATIVIDADES DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS Ericson Dias Mello 1 Comunicados

Leia mais

Resolução Confea

Resolução Confea Resolução 1.010 - Confea Uma Nova Concepção para o Exercício das Profissões da Engenharia e da Agronomia Prof. Paulo Roberto da Silva Assessor do Confea 6º Congresso de Educação Agrícola Superior ABEAS

Leia mais

Sistema Profissional X Sistema Educacional. O que inovar na Educação em Engenharia?

Sistema Profissional X Sistema Educacional. O que inovar na Educação em Engenharia? Sistema Profissional X Sistema Educacional O que inovar na Educação em Engenharia? CEAP COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS CONFEA Exercício 2017 Cons. Fed. Eng. Civil Osmar Barros Júnior

Leia mais

RESOLUÇÃO 1.010/2005. Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia

RESOLUÇÃO 1.010/2005. Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia PARTE I ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL Como lidar com a questão de atribuições profissionais em um sistema profissional: 1- formado por diferentes grupos

Leia mais

A RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 2005, FOI REVOGADA PELA NOVA RESOLUÇÃO?

A RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 2005, FOI REVOGADA PELA NOVA RESOLUÇÃO? PRINCIPAIS MUDANÇAS 1. Em relação à atribuição inicial: a nova Resolução traz o reconhecimento, seguindo a mesma linha da 1.048, de 2013, de que os Decretos nº 23.569 e 23.196, ambos de 1933, estão em

Leia mais

CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE

CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE 1 O Sistema CONFEA/CREA Nova Sistemática Definição de Atribuições Profissionais 2 O que é o Sistema CONFEA/CREA? Composto pelo CONFEA, CREAs e Caixas de Assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO 1.010/2005. O exercício profissional dos engs. Sanitarista e Ambiental á luz da resolução 1010

RESOLUÇÃO 1.010/2005. O exercício profissional dos engs. Sanitarista e Ambiental á luz da resolução 1010 O exercício profissional dos engs. Sanitarista e Ambiental á luz da resolução 1010 TÓPICOS Sistema Confea/Crea Legislações MEC e CONFEA O porque da resolução 1010 Mitos e Verdades sobre a resolução 1010

Leia mais

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais DEBI Curso de Engenharia Ambiental DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental Assunto: Atribuições do Engenheiro

Leia mais

Resolução nº 1073, de 19 de abril de 2016

Resolução nº 1073, de 19 de abril de 2016 Resolução nº 1073, de 19 de abril de 2016 (Publicada no D.O.U. de 22 de abril de 2016 Seção 1, págs. 245 a 249) Regulamenta a atribuição de títulos, atividades, competências e campos de atuação profissionais

Leia mais

ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL FRENTE AOS CURRÍCULOS DE AGRONOMIA

ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL FRENTE AOS CURRÍCULOS DE AGRONOMIA ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL FRENTE AOS CURRÍCULOS DE AGRONOMIA ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Decreto Federal 23.196 de 12/10/1933 Resolução 218/73 do CONFEA Resolução 1073/16 do CONFEA CEAGRO Ω sombreamentos entre

Leia mais

A EDUCAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A EDUCAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Diretrizes Curriculares, Atribuições Profissionais e a inovação tecnológica na âmbito da Resolução 1010/2005 Dr. Fernando Cezar Juliatti ABEAS DF (Gestão 2011-13) A EDUCAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia. 10/4/2017 UTFPR Campus Curitiba DAELT Ética, Profissão e Cidadania 1

Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia. 10/4/2017 UTFPR Campus Curitiba DAELT Ética, Profissão e Cidadania 1 Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia 1 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Filosofia Tabela de Títulos Decreto 23.569 Lei 5194 Resolução 218 e correlatas Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.016, DE 25 DE AGOSTO DE 2006

RESOLUÇÃO N 1.016, DE 25 DE AGOSTO DE 2006 RESOLUÇÃO N 1.016, DE 25 DE AGOSTO DE 2006 Altera a redação dos arts. 11, 15 e 19 da Resolução nº 1.007, de 5 de dezembro de 2003, do art. 16 da Resolução nº 1.010, de 22 de agosto de 2005, inclui o anexo

Leia mais

ANEXO III DA RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005.

ANEXO III DA RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005. ANEXO III DA RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005. REGULAMENTO PARA O CADASTRAMENTO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E DE SEUS CURSOS E PARA A ATRIBUIÇÃO DE TÍTULOS, ATIVIDADES E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

Leia mais

(Foi. 2 da Resolução n. 012/08, de )

(Foi. 2 da Resolução n. 012/08, de ) (Foi. 2 da Resolução n. 012/08, de 17.06.2008) IV - atividades realizadas em laboratórios de ensino e pesquisa, quando for o caso;e V - demais atividades inerentes aos respectivos níveis de formação, definidos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INFORMAÇÂO 016/2013 - DAP PROTOCOLO Nº. 1585/2013 INTERESSADO: Alexandre da Rocha Corrêa ASSUNTO: Consulta Técnica 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O Sr. Alexandre da Rocha Corrêa questiona se a atividade

Leia mais

Desafios da modalidade Ensino a Distância EaD. Vitória/ES. 19 e 20 de outubro de 2017

Desafios da modalidade Ensino a Distância EaD. Vitória/ES. 19 e 20 de outubro de 2017 Desafios da modalidade EaD Vitória/ES 19 e 20 de outubro de 2017 19 de outubro de 2017 Mesa Redonda: Modalidade de na formação dos profissionais da área técnica e tecnológica Ensino de Engenharia na modalidade

Leia mais

Atribuição e Titulação

Atribuição e Titulação Atribuição e Titulação 1.1 Legislação Federal Lei n. 2.800, de 18 de junho de 1956 Cria os Conselhos Federais e Regionais de Química dispõe sobre a profissão do químico e dá outras providências. Lei n.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA Legenda: (NR) indica o artigo cujo caput, parágrafo, alínea e/ou inciso foi incluído ou modificado por alteração ou exclusão. (REVOGADO)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás CREA-GO ATO ADMINISTRATIVO N XXX, DE XX DE XXX DE 2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás CREA-GO ATO ADMINISTRATIVO N XXX, DE XX DE XXX DE 2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás CREA-GO ATO ADMINISTRATIVO N XXX, DE XX DE XXX DE 2016 Dispõe sobre normas de Fiscalização das Instituições de Ensino e dos

Leia mais

Apresentação de Informações para a Criação da Câmara Especializada em Engenharia de Segurança do Trabalho

Apresentação de Informações para a Criação da Câmara Especializada em Engenharia de Segurança do Trabalho Apresentação de Informações para a Criação da Câmara Especializada em Engenharia de Segurança do Trabalho Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho 2º vice-presidente do CREA-RJ sherique@gbl.com.br

Leia mais

CREA-SC. Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC);

CREA-SC. Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC); CREA-SC Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC); Congrega atualmente 50.000 profissionais registrados (37.000 de nível superior e 13.000 de nível técnico) e 12.700

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO Autor: Deputado RICARDO IZAR : I RELATÓRIO O projeto de lei em exame tem por objetivo regulamentar o exercício da profissão de paisagista. Tem a forma usual das proposições voltadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA Página 1 de 7 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE ABRIL DE 2018 Estabelece diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato

Leia mais

DIRETRIZES CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO UTFPR

DIRETRIZES CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DA UTFPR Resolução

Leia mais

PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S. Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB.

PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S. Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB. PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB. LEIS Lei Nº 11000 (15/12/2004) Ementa: Altera dispositivos da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de

Leia mais

Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil. A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL.

Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil. A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL Paulo Roberto da Silva XIV ENCEP Recife, 14/05/2009 1 1 - O Ensino Superior- Regulamentação

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE VALE DO SALGADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º. A organização e a realização das Atividades Complementares dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGISTRO PROFISSIONAL Atribuições, Atividades e Campos de Atuação. Celso Roberto Ritter Superintendente CREA-PR

REGISTRO PROFISSIONAL Atribuições, Atividades e Campos de Atuação. Celso Roberto Ritter Superintendente CREA-PR REGISTRO PROFISSIONAL Atribuições, Atividades e Campos de Atuação Celso Roberto Ritter Superintendente CREA-PR Organização dos Títulos Profissionais Resolução 473/2002 Institui Tabela de Títulos Profissionais

Leia mais

Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART. Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas

Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART. Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas Conselhos Profissionais Autarquias federais criadas para regulamentar e fiscalizar o exercício profissional (OAB e

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Introdução PROFISSÕES REGULAMENTADAS O QUE SÃO? POR QUE EXISTEM? CONSELHOS PROFISSIONAIS O QUE SÃO? O QUE FAZEM? Profissões regulamentadas * Medicina

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 1, DE 3 DE ABRIL DE 2001.

RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 1, DE 3 DE ABRIL DE 2001. *) **) ***) ****) RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 1, DE 3 DE ABRIL DE 2001. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação. O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação,

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A RESOLUÇÃO 1010

UMA REFLEXÃO SOBRE A RESOLUÇÃO 1010 Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 UMA REFLEXÃO SOBRE A RESOLUÇÃO 1010 Christiane Brisolara de Freitas christiane@net.crea-rs.org.br

Leia mais

Resolução 1010/2005: Construindo um novo paradigma no Sistema Profissional

Resolução 1010/2005: Construindo um novo paradigma no Sistema Profissional VII CONGRESSO NACIONAL DE PROFISSIONAIS 67 a. SOEAA TEXTOS REFERENCIAIS Construindo uma Agenda Estratégica para o Sistema Confea/Crea com a Sociedade. Resolução 1010/2005: Construindo um novo paradigma

Leia mais

1º SEMINÁRIO DE REPRESENTANTES DO SISTEMA CONFEA/CREA ANÁLISE DE PROJETOS DE LEI BRASÍLIA-DF 14 DE MARÇO DE 2012

1º SEMINÁRIO DE REPRESENTANTES DO SISTEMA CONFEA/CREA ANÁLISE DE PROJETOS DE LEI BRASÍLIA-DF 14 DE MARÇO DE 2012 1º SEMINÁRIO DE REPRESENTANTES DO SISTEMA CONFEA/CREA ANÁLISE DE PROJETOS DE LEI BRASÍLIA-DF 14 DE MARÇO DE 2012 ASSUNTO: PL-1.025/2002 - dispõe sobre o exercício da profissão de Físico e dá outras providências

Leia mais

Acesse nosso site e assista nosso vídeo de Natal!

Acesse nosso site e assista nosso vídeo de Natal! SIC Nº 45/2018 Belo Horizonte, 12 de dezembro de 2018. ALTERAÇÃO NA RESOLUÇÃO CES/CNE Nº 1, DE 06 DE ABRIL DE 2018. ESPECIALIZAÇÃO. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. RESOLUÇÃO CES/CNE Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011

REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011 REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011 Este documento trata das especificidades referentes ao curso de Arquitetura e Urbanismo da da UNESP Presidente Prudente.

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Curso Noturno de Arquitetura e Urbanismo

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Curso Noturno de Arquitetura e Urbanismo ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO TÍTULO I Das Definições sobre a disciplina Estágio Curricular Supervisionado e suas Finalidades Art. 1º - Nos termos da Lei nº 11.788, de 25 de setembro de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP Fls. ~. j~ CP) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ProcessoN : PR-560/2015 ÀCEEA Histórico: o profissional registrado neste Conselho com atribuições do Decreto 90.922/1985, circunscritas ao âmbito da Agrimensura,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 8 DE JUNHO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 8 DE JUNHO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 8 DE JUNHO DE 2007. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação lato sensu, em nível de especialização.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA LUZIA/MG EDITAL Nº 01/2018

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA LUZIA/MG EDITAL Nº 01/2018 ANEXO I - CARGO PÚBLICO, ESCOLARIDADE, REQUISITO PARA INGRESSO, JORNADA DE TRABALHO, ( CONCORRÊNCIA E S) E VENCIMENTO INICIAL ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO 201 COVEIRO Ensino Fundamental completo 4 0 4 R$1.431,00

Leia mais

INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº /2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA

INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº /2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 170480/2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O SAAE- Serviço Autônomo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ESTÉTICA DO UNISALESIANO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ESTÉTICA DO UNISALESIANO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ESTÉTICA DO UNISALESIANO As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades,

Leia mais

Brasília, de de 201. Processo e-mec Nº Instituição de Ensino Superior: Curso: DIMENSÃO 1 - PERTINÊNCIA

Brasília, de de 201. Processo e-mec Nº Instituição de Ensino Superior: Curso: DIMENSÃO 1 - PERTINÊNCIA Brasília, de de 201. Processo e-mec Nº Instituição de Ensino Superior: Curso: DIMENSÃO 1 - PERTINÊNCIA Na dimensão Pertinência deve-se considerar aspectos referentes à demanda pelo curso na região, observando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 82/2004, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 82/2004, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 82/2004, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Aprova o Regulamento das Atividades Acadêmico-Cientifico-Culturais AACCs dos cursos de graduação da Universidade Regional de Blumenau, na forma dos Anexos

Leia mais

Encontro Nacional da Engenharia Civil. 12 a 14 de julho de 2017 São Paulo-SP

Encontro Nacional da Engenharia Civil. 12 a 14 de julho de 2017 São Paulo-SP Encontro Nacional da Engenharia Civil 12 a 14 de julho de 2017 São Paulo-SP 1 Lei 13.425, de 30 de março de 2017 Estabelece diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres

Leia mais

PROPOSTAS EXCLUÍDAS COM JUSTIFICATIVA Proposta 1:

PROPOSTAS EXCLUÍDAS COM JUSTIFICATIVA Proposta 1: PROPOSTAS EXCLUÍDAS COM JUSTIFICATIVA Proposta 1: Descrição: APRESENTAR CAPITULAÇÃO PARA MULTA POR ANOTAÇÃO FORA DE ÉPOCA PARA AS OBRAS CONCLUÍDAS E/OU ANOTAÇÃO DE CARGO E FUNÇÃO EXTINTAS. OS/05/TO Justificativa:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COORDENADORIA DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS DE ENGENHARIA QUÍMICA - CCEEQ Vitória-ES, 16 a 18 de maio de 2018 PROPOSTA Nº 10/2018 CCEEQ Assunto Atribuições do profissional Engenheiro

Leia mais

PORTARIA ICT/DTA Nº 55, de 11 de setembro de

PORTARIA ICT/DTA Nº 55, de 11 de setembro de PORTARIA ICT/DTA Nº 55, de 11 de setembro de 2 015. Dispõe sobre a regulamentação de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental do Instituto de Ciência e Tecnologia

Leia mais

ANEXO VII - Critérios de Excelência EDITAL SECRI 001/2019

ANEXO VII - Critérios de Excelência EDITAL SECRI 001/2019 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Av. Fernando Correa da Costa, nº 2.367 Boa Esperança - 78060-900 Cuiabá - MT Tel.: (65) 3313-7294 / 7295

Leia mais

Manual. Cartório de registro. A Engenharia nos Empreendimentos. Anexo X

Manual. Cartório de registro. A Engenharia nos Empreendimentos. Anexo X Manual A Engenharia nos Empreendimentos Cartório de registro Anexo X CARTÓRIO DE REGISTRO 1 Empreendimento Descrição: Cartório de Registro é o empreendimento cuja atividade exercida está sob a responsabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Reconhecida pela Portaria Nº821/MEC- D.O.U de 01/06/1994

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Reconhecida pela Portaria Nº821/MEC- D.O.U de 01/06/1994 UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Reconhecida pela Portaria Nº821/MEC- D.O.U de 01/06/1994 PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA MAGISTÉRIO NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL, ENSINO MÉDIO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS PERÍCIA AGRONÔMICA IMPORTÂNCIA PERÍCIA AGRONÔMICA Atuação como perito judicial; Ação de desapropriação de imóvel rural; Ação de inventário de imóvel rural; VALORAÇÃO DA INDENIZAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I - Do Conceito e das Finalidades Art. 1º. O presente

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA BACHARELADO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA BACHARELADO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA BACHARELADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares

Leia mais

Manual. Silvicultura - Exploração florestal. A Engenharia nos Empreendimentos. Anexo XXIV

Manual. Silvicultura - Exploração florestal. A Engenharia nos Empreendimentos. Anexo XXIV Manual A Engenharia nos Empreendimentos Silvicultura - Exploração florestal Anexo XXIV SILVICULTURA EXPLORAÇÃO FLORESTAL 1- Empreendimento Descrição: Entende-se como Silvicultura Exploração o empreendimento

Leia mais

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA RESOLUÇÃO 01/2009 A COMGRAD/CAR, no uso de suas atribuições, regulamenta as Atividades Complementares para o Curso de Engenharia Cartográfica, de

Leia mais

O Exercício da Engenharia Mecânica

O Exercício da Engenharia Mecânica Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia ENGENHARIA LEGAL Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Campus de Belém Curso de Engenharia Mecânica Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia

Leia mais

Art.3º - Esta Resolução entra em vigor nesta data.

Art.3º - Esta Resolução entra em vigor nesta data. RESOLUÇÃO N 10/2013/CONSUP/IFAP, DE 29 DE OUTUBRO DE 2013. Aprova o PROGRAMA MONITORIA no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá IFAP. O PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

I CURSO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES E COORDENADORAS DE CURSO. Cursos de Licenciatura

I CURSO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES E COORDENADORAS DE CURSO. Cursos de Licenciatura I CURSO DE FORMAÇÃO PARA COORDENADORES E COORDENADORAS DE CURSO Cursos de Licenciatura Coordenação de Ensino Prof.ª Suely Miranda Cavalcante Bastos Coordenadora do Ensino Prof.ª Miriam Marques Leal Assessora

Leia mais

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades Paulo M. V. B.

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO N o 28/CEPE, DE 1 o DE DEZEMBRO DE 2017 Dispõe sobre a curricularização da extensão nos cursos de graduação da Universidade Federal do Ceará (UFC). O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização

Leia mais

FORMULÁRIO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS (PES)

FORMULÁRIO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS (PES) FORMULÁRIO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS (PES) Local: São Luis Data: 21 de junho de 2013 P R O P O S I Ç Ã O N º 0 1 1. Formação P rofissio nal 3. Organização P rof issional X Título da Proposição:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 066/2017 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2017

RESOLUÇÃO Nº 066/2017 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2017 RESOLUÇÃO Nº 066/2017 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2017 Aprova Regulamento do Processo de Reconhecimento e Certificação de Saberes Profissionais no âmbito da Rede Certific do IF Goiano O DO INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais 18 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Todos os alunos do curso de agronomia deverão cumprir 200 horas de atividades complementares para atenderem as exigências curriculares visando a obtenção de título. As atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INFORMAÇÂO 109/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº. 157785/2012 INTERESSADO: Antonio de Sousa Neto ASSUNTO: Consulta Técnica 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO Consulta realizada pelo Senhor Antonio de Sousa Neto -

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA LUZIA/MG EDITAL Nº 01/2018

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA LUZIA/MG EDITAL Nº 01/2018 ANEXO I - CARGO PÚBLICO, ESCOLARIDADE, REQUISITO PARA INGRESSO, JORNADA DE TRABALHO, ( CONCORRÊNCIA E S) E VENCIMENTO INICIAL RETIFICAÇÃO Nº 01 ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO 201 COVEIRO Ensino Fundamental

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 18/2015 Autoriza a criação do Curso de Especialização em Engenharia Energética Sistemas Térmicos. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO. Núcleo de Estágios e Convênios NUCEN

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO. Núcleo de Estágios e Convênios NUCEN REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO Núcleo de Estágios e Convênios NUCEN Este Regulamento foi aprovado pelo CONSEPE e entrou em vigor em abril de 2017 Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório e Não

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA BACHARELADO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA BACHARELADO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA BACHARELADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Câmpus Jandaia do Sul da UFPR prevê a realização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro marianaeducamg@outlook.com PORTARIA Nº 01, DE 10 DE JANEIRO DE 2017 Estabelece critérios e define procedimentos

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS. Capítulo I DA NATUREZA

ANEXO II REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS. Capítulo I DA NATUREZA ANEXO II REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Alimentos do Campus de Jandaia do Sul da UFPR prevê a

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OLÍMPIA 04 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Definição De acordo com as diretrizes curriculares nacionais, as Atividades Complementares se inserem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Câmara Especializada de Engenharia Civil CEEC ANEXOS DA PAUTA ORDEM 86 SF 8/2015 ORDEM 117 R 48/2015 HISTÓRICO: O presente processo trata de pedido de REGISTRO DEFINITIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL 2007-I - PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS REMANESCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFV

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL 2007-I - PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS REMANESCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFV PRÓ-REITORIA DE ENSINO (031) 3899-12 Fax (031) 3899-1236 e-mail:pre@ufv.br EDITAL 2007-I - PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS REMANESCENTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFV A Pró-Reitoria de Ensino da Universidade

Leia mais

A CCEAGRO PREOCUPADA COM A QUALIDADE DO ENSINO DO GRUPO AGRONOMIA NO BRASIL 1) DIAGNÓSTICO SOBRE OFERTA DE VAGAS AGRONOMIA

A CCEAGRO PREOCUPADA COM A QUALIDADE DO ENSINO DO GRUPO AGRONOMIA NO BRASIL 1) DIAGNÓSTICO SOBRE OFERTA DE VAGAS AGRONOMIA A CCEAGRO PREOCUPADA COM A QUALIDADE DO ENSINO DO GRUPO AGRONOMIA NO BRASIL 1) DIAGNÓSTICO SOBRE OFERTA DE VAGAS AGRONOMIA Preocupados com a qualidade da formação dos profissionais, o Conselho Federal

Leia mais

FORTALEZA 30 DE SETEMBRO, 01 E 02 DE OUTUBRO DE 2013

FORTALEZA 30 DE SETEMBRO, 01 E 02 DE OUTUBRO DE 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COORDENADORIA DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL - CCEEI PROPOSTA Nº 11/2013 CCEEI FORTALEZA 30 DE SETEMBRO, 01 E 02 DE OUTUBRO DE 2013 ASSUNTO : Proposta de Resolução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE LIMEIRA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE LIMEIRA Edital de Cadastro Emergencial para Docentes Candidatos à contratação em LIBRAS Língua Brasileira de Sinais e Educação Especial (Deficiência Intelectual, Deficiência Auditiva e Transtorno do Espectro Autista)

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO Seção 1 DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio Obrigatório do Curso

Leia mais

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. Graduação em Engenharia Ambiental

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. Graduação em Engenharia Ambiental Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 3 - Engenharia Ambiental: Curso e Profissão Professor Sandro Donnini Mancini

Leia mais

O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições, e

O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições, e INSTRUÇÃO N.º 2551 Dispõe sobre os procedimentos para registro de profissional e concessão de atribuições provisórias, até que se definam as atribuições definitivas pelas Câmaras Especializadas. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO Seção 1 DA DEFINIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio Obrigatório do Curso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Leia mais

Araucária, 10 de março de Jorge Apóstolos Siarcos Diretor-Geral FACULDADE FAE ARAUCÁRIA

Araucária, 10 de março de Jorge Apóstolos Siarcos Diretor-Geral FACULDADE FAE ARAUCÁRIA RESOLUÇÃO CSA N. 12/2016 APROVA O REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, BACHARELADO, DA FACULDADE FAE ARAUCÁRIA. O Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

QUADRO DE CRITÉRIOS ESPECÍFICIOS DE AVALIAÇÃO E VAGAS DESTINADAS AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2017/02

QUADRO DE CRITÉRIOS ESPECÍFICIOS DE AVALIAÇÃO E VAGAS DESTINADAS AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2017/02 QUADRO DE CRITÉRIOS ESPECÍFICIOS DE AVALIAÇÃO E VAGAS DESTINADAS AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR 2017/02 CAMPUS CURSO MODALIDADE TURNO Vagas Processo Seletivo Complementar Alegrete Ciência

Leia mais

A constituição do Brasil prevê em seu artigo 5º:

A constituição do Brasil prevê em seu artigo 5º: A constituição do Brasil prevê em seu artigo 5º: XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer; Sistema Confea/Crea

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Nutrição do Centro Universitário do Cerrado- Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Pró-reitoria de Graduação Departamento de Apoio Didático-Pedagógico (DEAPE)

Universidade Federal de Sergipe Pró-reitoria de Graduação Departamento de Apoio Didático-Pedagógico (DEAPE) Universidade Federal de Sergipe Pró-reitoria de Graduação Departamento de Apoio Didático-Pedagógico (DEAPE) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada em Nível Superior de Profissionais

Leia mais