APOIOS AO INVESTIMENTO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOIOS AO INVESTIMENTO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada"

Transcrição

1 APOIOS AO INVESTIMENTO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

2 Índice INVESTIMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS SIDER... 2 SISTEMA DE INCENTIVOS EMPREENDE JOVEM REGIME DE APOIO AO MICROCRÉDITO BANCÁRIO NOS AÇORES

3 SISTEMA DE INCENTIVOS SIDER Com a publicação do Decreto Legislativo Regional nº19/2007/a, de 23 de Julho, alterado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 2/2009/A, de 2 de Março, pelo Decreto Legislativo Regional nº10/2010/a, de 16 de Março e pelo Decreto Legislativo Regional n.º 26/2011/A de 4 de Novembro que veio criar o Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER), tomou-se conhecimento que o mesmo era constituído por vários Subsistemas: Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local; Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento do Turismo; Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Estratégico e Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação. O SIDER tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional, através de um conjunto de medidas que visam o reforço da produtividade e competitividade das empresas. Apresentamos, de seguida, os principais aspetos dos referidos subsistemas: Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local; Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento do Turismo; Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Estratégico; Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação. Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Decreto Regulamentar Regional n.º 12/2010/A Âmbito O presente Subsistema apoia investimentos vocacionados para a satisfação local com despesas de investimento em capital fixo iguais ou superiores a ,00, nas seguintes atividades: Indústria; Construção civil; Comércio; Alojamento e restauração; Serviços. 2

4 O Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local apoia igualmente projetos de investimento, com despesas em capital fixo igual ou superiores a ,00 e iguais ou inferiores a ,00, destinados à promoção da segurança e qualidade alimentar dos estabelecimentos do comércio, indústria do ramo alimentar e de restauração e bebidas, existentes há mais de três anos. Neste mesmo Subsistema são apoiados projetos de urbanismo comercial, com despesas iguais ou superiores a ,00, que visem a modernização das empresas, a qualificação e a promoção do espaço público envolvente ao comércio, em áreas limitadas dos centros urbanos das vilas e cidades. Promotores Podem beneficiar dos incentivos previstos no Desenvolvimento Local empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais, cooperativas e agrupamentos complementares de empresas. Condições de Acesso dos Promotores Estar legalmente constituído ou comprometer-se a fazê-lo até à data de assinatura do contrato; Possuir a situação regularizada perante o Estado e a Segurança Social; Dispor de contabilidade organizada; Possuir situação económica e financeira equilibrada, traduzida num indicador de autonomia financeira igual ou superior a 15% ; Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade. Condições de Acesso dos Projetos Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento do projeto; Ser adequadamente financiado por capitais próprios, com um mínimo de 20% ; Não ter sido iniciado até à data de verificação das condições de acesso do promotor e do projeto, com exceção da aquisição de terrenos, elaboração de estudos e dos adiantamentos para sinalização; Ter uma duração máxima de execução de três anos; Os projetos de arquitetura ou as memórias descritivas do investimento, quando exigíveis, encontrarem-se aprovados, até á data de celebração do contrato de concessão de incentivos; Demonstrar a existência de estudo de viabilidade económica e financeira. 3

5 Despesas Elegíveis Consideram-se elegíveis no âmbito dos projetos de investimento vocacionados para a satisfação do mercado local, as seguintes despesas: Aquisição de terrenos destinados à extração de recursos geológicos; Construção de edifícios, obras de instalação e remodelação; Aquisição de máquinas e equipamentos; Aquisição de equipamentos sociais; Aquisição de veículos ligeiros mistos, de mercadorias e pesados; Aquisição e registo de marcas, patentes, licenças e alvarás; Despesas com transportes, seguros, montagem e desmontagem dos equipamentos; Estudos, diagnósticos e auditorias; Outras despesas, relativas à implementação de sistemas de certificação da qualidade, segurança e gestão ambiental, eficiência energética, e introdução de tecnologias de informação e comunicação. As despesas elegíveis, no âmbito dos projetos de investimento destinados à promoção da segurança e qualidade alimentar dos estabelecimentos do comércio, indústria do ramo alimentar e de restauração e bebidas, existentes há mais de 3 anos, são as seguintes: Construção, remodelação ou ampliação de instalações de laboração, de armazenagem ou de venda; Construção, remodelação ou ampliação de instalações sanitárias; Aquisição e instalação de equipamentos frigoríficos fixos ou móveis; Aquisição e instalação de equipamentos de processo, de limpeza e desinfeção; Aquisição e instalação de sistemas de ventilação, exaustão e ar condicionado; Aquisição de equipamentos de proteção ambiental; Aquisição de veículos ou contentores próprios para o transporte de alimentos; Aquisição de equipamentos necessários à implementação e ou monitorização de sistemas de segurança e da qualidade dos alimentos; Assistência técnica para a implementação de sistemas de segurança e ou da qualidade dos alimentos; Preparação do dossier de candidatura. Incentivos O incentivo a conceder a projetos de investimento vocacionados para a satisfação do mercado local de valor inferior a ,00 é de 40% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 45% para as ilhas de Faial e Pico e 50% para as restantes ilhas. 4

6 Para investimentos de valor superior a ,00 e inferior ou igual a ,00, o incentivo não reembolsável é de 20% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 25% para as ilhas de Faial e Pico e de 30% para as restantes ilhas, e o incentivo reembolsável de 25%. Quando o investimento é de valor superior a ,00, o subsídio não reembolsável é de 15% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 20% para as ilhas de Faial e Pico e 25% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável é de 25%. O incentivo a conceder a projetos de investimento destinados à promoção da segurança e qualidade alimentar reveste a forma de subsídio não reembolsável, com uma taxa de 40% para as ilhas de S. Miguel, Terceira, Faial e Pico e 50% para as restantes ilhas. No que diz respeito aos projetos de investimento de urbanismo comercial, o incentivo reveste a forma de subsídio não reembolsável, com uma taxa de 40% para as ilhas de S. Miguel, Terceira, Faial e Pico e 50% para as restantes ilhas. Apresentação de Candidaturas As candidaturas são formalizadas em formulário próprio e efetuadas em contínuo Para aceder as formulários de candidatura, clique aqui As mesmas devem ser apresentadas até 30 de junho de Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento do Turismo Decreto Regulamentar Regional n.º 09/2010/A Âmbito O Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento do Turismo apoia investimentos nas atividades de alojamento e restauração, animação e promoção turística, atividades termais e aluguer de veículos automóveis. 5

7 Promotores Podem beneficiar dos incentivos previstos no Desenvolvimento do Turismo empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais, cooperativas e agrupamentos complementares de empresas. Condições de Acesso dos Promotores Estar legalmente constituído ou comprometer-se a fazê-lo até à data de assinatura do contrato; Possuir a situação regularizada perante o Estado e a Segurança Social; Dispor de contabilidade organizada; Possuir situação económica e financeira equilibrada, traduzida num indicador de autonomia financeira igual ou superior a 15% ; Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade. Condições de Acesso dos Projetos Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento do projeto; Ser adequadamente financiado por capitais próprios, com um mínimo de 20% ; Não ter sido iniciado até à data de verificação das condições de acesso do promotor e do projeto, com exceção da aquisição de terrenos, elaboração de estudos e dos adiantamentos para sinalização; Ter uma duração máxima de execução de três anos; Os projetos de arquitetura ou as memórias descritivas do investimento, quando exigíveis, encontrarem-se aprovados, até á data de celebração do contrato de concessão de incentivos; Demonstrar a existência de estudo de viabilidade económica e financeira. 6

8 Despesas Elegíveis Constituem despesas elegíveis, no âmbito dos projetos de investimento de alojamento e restauração e animação turística, as seguintes: Aquisição de imóveis que reúnam boas condições para afetação turística; Construção de edifícios, obras de instalação e remodelação de instalações; Aquisição de máquinas e equipamentos; Aquisição de equipamentos sociais; Aquisição e ou recuperação de mobiliário, artefactos e elementos decorativos antigos; Aquisição de embarcações, com ou sem motor; Aquisição de veículos ligeiros e pesados; Aquisição e registo de marcas, patentes, licenças e alvarás; Despesas com transporte, seguros, montagem e desmontagem dos equipamentos elegíveis; Estudos, diagnósticos e auditorias; Projetos de arquitetura e de engenharia; Outras despesas, relativas à implementação de sistemas de certificação da qualidade, segurança e gestão ambiental, eficiência energética, e introdução de tecnologias de informação e comunicação. No que diz respeito aos projetos de promoção turística, são consideradas elegíveis as seguintes despesas: Campanhas publicitárias e produção de peças promocionais; Ações de distribuição e comercialização de produtos turísticos; Viagens promocionais e educacionais; Organização e participação em feiras turísticas; Estudos; Criação e registo de marcas promocionais; Outras despesas suportadas por operadores turísticos ou agências de viagens. 7

9 Incentivos Para investimentos de valor inferior a ,00, o subsídio não reembolsável é de: 40% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 45% para as ilhas de Faial e Pico e 50% para as restantes ilhas, no caso de projetos de investimento nas atividades de alojamento e aluguer de veículos automóveis; 50% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 55% para as ilhas de Faial e Pico e 60% para as restantes ilhas, no caso de projetos de investimento nas atividades termais e animação turística. Para investimentos de valor superior a ,00 e inferior ou igual a ,00: O incentivo não reembolsável a atribuir é de 25% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 30% para as ilhas de Faial e Pico e 35% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável é de 25%, para os projetos de investimento nas atividades de alojamento e aluguer de veículos; O incentivo não reembolsável a atribuir é de 35% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 40% para as ilhas de Faial e Pico e 45% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável é de 25%, para os projetos de investimento nas atividades termais e animação turística. Quando o investimento é de valor superior a ,00: O subsídio não reembolsável a atribuir é de 20% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 25% para as ilhas de Faial e Pico e 30% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável é de 25%, para os projetos de investimento nas atividades de alojamento e aluguer de veículos; O subsídio não reembolsável a atribuir é de 30% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 35% para as ilhas de Faial e Pico e 40% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável é de 25%, para os projetos de investimento nas atividades termais e animação turística. O incentivo a conceder a projetos de promoção turística reveste a forma de subsídio não reembolsável, com uma taxa de 50% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 55% para as ilhas de Faial e Pico e 60% para as restantes ilhas. 8

10 Apresentação de Candidaturas As candidaturas são formalizadas em formulário próprio e efetuadas em contínuo Para aceder as formulários de candidatura, clique aqui As mesmas devem ser apresentadas até 30 de junho de Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Estratégico Decreto Regulamentar Regional n.º 11/2010/A Âmbito Projetos de investimento que assumam um carácter estratégico para o desenvolvimento económico e social, que se integrem num dos seguintes tipos: Indústrias de base económica de exportação (vendas ao exterior não inferiores a 30% das vendas totais); o Limite mínimo de investimento: o Campos de golfe; o Limite mínimo de investimento: o Empreendimentos turísticos que possuam instalações termais ou que apresentem serviços de bem-estar baseados na utilização de recursos naturais; o Limite mínimo de investimento: o Empreendimentos turísticos que tenham um efeito estruturante na oferta turística da respetiva ilha reconhecido para o efeito por despacho do membro do Governo Regional com competência em matéria de turismo; o Limite mínimo de investimento: o Conjuntos turísticos (resorts); o Limite mínimo de investimento: o Parques temáticos; 9

11 o Limite mínimo de investimento: o Estabelecimentos de ensino pré -escolar, básico e secundário, integrados no sistema de ensino privado; o Limite mínimo de investimento: o Estabelecimentos de saúde com ou sem internamento; o Limite mínimo de investimento: o Residências assistidas e lares para idosos; o Limite mínimo de investimento: o Transporte marítimo inter-ilhas (apenas substituição de equipamentos e embarcações destinados ao transporte marítimo regular, que incluam pelo menos uma das seguintes ilhas: Santa Maria, Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo); o Limite mínimo de investimento: o Operações de gestão de resíduos; o Limite mínimo de investimento: o Aproveitamento de fontes renováveis de energia para a produção de biocombustíveis ou para a substituição do consumo de combustíveis fósseis, com exceção da produção de eletricidade para venda ao público. o Limite mínimo de investimento: Os valores mínimos de investimento sofrem uma redução de 50% no caso de projetos localizados nas ilhas de Santa Maria, Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo. Promotores Empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais, cooperativas, agrupamentos complementares de empresas, associações sem fins lucrativos de reconhecido interesse público e fundações. Não podem ser promotores, direta ou indiretamente, as instituições particulares de solidariedade social ou misericórdias. 10

12 Condições de Acesso dos Promotores Estar legalmente constituído; Possuir a situação regularizada face à administração fiscal e à segurança social e não se encontrarem em dívida no que respeita a apoios comunitários ou nacionais, independentemente da sua natureza e objetivos; Dispor de contabilidade organizada; Possuir situação financeira equilibrada, verificada pelo cumprimento do indicador de autonomia financeira igual ou superior a 15%; Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade, nomeadamente ter a situação regularizada em matéria de licenciamento; Ter concluído, há pelo menos um ano, o investimento relativo ao projeto anteriormente aprovado, considerando-se como data de conclusão do projeto a data da fatura correspondente à última despesa associada ao projeto. Condições de Acesso dos Projetos Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento do projeto; Ser adequadamente financiado por capitais próprios, com um mínimo de 20%; Não ter sido iniciado até à data de verificação das condições de acesso do promotor e do projeto, com exceção da aquisição de terrenos, elaboração de estudos diretamente associados ao projeto e dos adiantamentos para sinalização, até 50% do custo de cada aquisição, realizados há menos de um ano; Ter uma duração máxima de execução de três anos a contar da data da celebração do contrato de concessão de incentivos; Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade; Os projetos de arquitetura ou as memórias descritivas do investimento, quando exigíveis, encontrarem-se aprovados até à assinatura do contrato de concessão de incentivos; 11

13 Ter o projeto de instalação ou alteração aprovado nos termos da legislação aplicável, até à data da celebração do contrato de concessão de incentivos; Ser instruído com um estudo, que demonstre a viabilidade económica e financeira, indicando o responsável técnico pela sua elaboração e acompanhamento no período de execução; Obter parecer favorável por parte do departamento do Governo Regional com competência na área de atividade a desenvolver; Despesas Elegíveis Aquisição de terrenos para campos de golfe e parques temáticos; Apenas para PME, aquisição de imóveis que reúnam boas condições para afetação turística e que, pela sua localização e valor arquitetónico, reconhecido pela direção regional com competência em matéria de cultura que interesse preservar; Construção de edifícios, obras de instalação e remodelação de instalações e outras construções; Aquisição de máquinas e equipamentos, designadamente nas áreas da gestão, produção, comercialização e marketing, comunicações, logística, design, qualidade, segurança e higiene, controlo laboratorial, eficiência energética e proteção ambiental; Aquisição, remodelação e transformação de embarcações com motor; Aquisição de equipamentos relacionados com a proteção de embarcações, no âmbito do estabelecido no Código ISPS; Aquisição dos equipamentos sociais que o promotor seja obrigado a possuir por determinação legal; Aquisição de veículos ligeiros, pesados e outro material de transporte; Aquisição e registo de marcas, patentes, licenças e alvarás; Despesas com transportes, seguros, montagem e desmontagem dos equipamentos elegíveis; Apenas para PME, estudos, diagnósticos e auditorias associados ao projeto de investimento; Apenas para PME, projetos de arquitetura e de engenharia ou outros associados ao projeto de investimento; Despesas relacionadas com as operações de gestão de resíduos, incluindo recolha, transporte, armazenamento, triagem, tratamento, valorização e eliminação de resíduos; Outras despesas relativas à implementação de sistemas de certificação da qualidade, segurança e gestão ambiental, eficiência energética e introdução de tecnologias de informação e comunicações. 12

14 Incentivos As atividades de campos de golfe, empreendimentos turísticos que tenham efeito estruturante na oferta turística da respetiva ilha, conjuntos turísticos (resorts) e parques temáticos são subsidiados pelo presente Subsistema com um incentivo não reembolsável de 30% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 35% para as ilhas de Faial e Pico e 40% para as restantes ilhas, e um subsídio reembolsável de 25%. Às atividades de indústria de base económica de exportação, empreendimentos que possuam instalações termais, estabelecimentos de ensino pré-escolar, básico e secundário, estabelecimentos de saúde com ou sem internamento, residências assistidas e lares para idosos, transporte marítimo inter-ilhas, operações de gestão de resíduos, aproveitamento de fontes renováveis de energia e atividades de investigação e desenvolvimento tecnológico é atribuído o subsídio não reembolsável de 35% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 40% para as ilhas de Faial e Pico e 45% para as restantes ilhas, e o subsídio reembolsável à taxa de 25% O prazo de financiamento do incentivo reembolsável sem juros é de 10 anos, dos quais os 3 primeiros são de carência de capital, contados a partir da data do primeiro pagamento do incentivo. Apresentação de Candidaturas As candidaturas são formalizadas em formulário próprio e efetuadas em contínuo. Para aceder as formulários de candidatura, clique aqui As mesmas devem ser apresentadas até 30 de junho de

15 Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação Decreto Regulamentar Regional n.º 10/2010/A Âmbito Projetos vocacionados para estimular a qualidade e inovação nas empresas, com despesas de investimento em capital fixo iguais ou superiores a e iguais ou inferiores a , nas seguintes áreas de atividade: Indústria; Construção civil; Comércio; Turismo; Serviços Tipologia de Projetos Medida 1 Qualidade Visa apoiar investimentos orientados para a introdução nas empresas de metodologias, ferramentas e cultura da qualidade e para a adesão a sistemas de qualificação e implementação de sistemas de gestão da qualidade, numa das seguintes áreas de intervenção: Qualidade nos produtos, serviços e ou nos processos: Projetos de qualificação e ou de certificação de produtos ou de serviços; Projetos de evolução da qualidade de produtos e ou de serviços; Projetos de aquisição e ou de calibração de equipamentos de inspeção e de medição e ensaio da qualidade em processos e produtos. Qualidade nas organizações: Projetos de certificação de sistemas de gestão no âmbito do Sistema Português da Qualidade; Projetos de desenvolvimento e consolidação de sistemas da qualidade, ambiente e segurança, certificados no âmbito do Sistema Português da Qualidade; Projetos de auto -avaliação e implementação de sistemas de gestão pela qualidade total, com base em referenciais reconhecidos; Projetos de benchmarking; Projetos de medição sistemática da satisfação de clientes e colaboradores. 14

16 Medida 2 Inovação Destina-se a incentivar os investimentos orientados para a introdução nas empresas de uma cultura, metodologias e ferramentas de inovação, que visem o reforço da sua produtividade e competitividade, potenciando a sua participação no mercado global, numa das seguintes áreas de intervenção: Inovação nos produtos, serviços e ou nos processos: Projetos de investigação e desenvolvimento tecnológico que visem o reforço da produtividade e competitividade; Projetos de investigação e desenvolvimento tecnológico envolvendo empresas da Região e entidades do Sistema Científico e Tecnológico Regional, eventualmente associadas a outras unidades de investigação e desenvolvimento, nacionais ou estrangeiras, com vista ao estabelecimento de contratos direcionados ao desenvolvimento de novos produtos ou processos nas empresas da Região. Inovação nas organizações: Projetos de criação de estruturas empresariais de investigação e de desenvolvimento tecnológico que permitam às empresas realizar atividades de endogeneização e desenvolvimento de competências tecnológicas; Projetos de desenvolvimento de auditorias de inovação, de planos de inovação e de planos de desenvolvimento de novos produtos ou serviços; Projetos de benchmarking e de participação em redes nacionais e internacionais. Promotores Empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais, cooperativas e agrupamentos complementares de empresas. Condições Acesso dos Promotores Estar legalmente constituído; Possuir a situação regularizada face à administração fiscal e à segurança social e não se encontrarem em dívida no que respeita a apoios comunitários ou nacionais, independentemente da sua natureza e objetivos; Dispor de contabilidade organizada; Possuir situação financeira equilibrada, verificada pelo cumprimento do indicador de autonomia financeira igual ou superior a 15%; 15

17 Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade, nomeadamente ter a situação regularizada em matéria de licenciamento; Ter concluído, há pelo menos um ano, o investimento relativo ao projeto anteriormente aprovado, considerando-se como data de conclusão do projeto a data da fatura correspondente à última despesa associada ao projeto Condições Acesso dos Projetos Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento do projeto; Ser adequadamente financiado por capitais próprios, com um mínimo de 20%; Não ter sido iniciado até à data de verificação das condições de acesso do promotor e do projeto, com exceção da aquisição de terrenos, elaboração de estudos diretamente associados ao projeto e dos adiantamentos para sinalização, até 50% do custo de cada aquisição, realizados há menos de um ano; Ter uma duração máxima de execução de três anos a contar da data da celebração do contrato de concessão de incentivos; Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade; Os projetos de arquitetura ou as memórias descritivas do investimento, quando exigíveis, encontrarem-se aprovados até à assinatura do contrato de concessão de incentivos; Ter o projeto de instalação ou alteração aprovado nos termos da legislação aplicável, até à data da celebração do contrato de concessão de incentivos; Apenas para projetos de valor superior a , ser instruído com um estudo, que demonstre a viabilidade económica e financeira, indicando o responsável técnico pela sua elaboração e acompanhamento no período de execução. Despesas Elegíveis Medida 1 Qualidade Instrução dos processos de certificação, acreditação, qualificação ou de registo e custos complementares; Auditorias, inspeções e verificações; Assistência técnica necessária à execução do projeto e da candidatura; Ensaios laboratoriais de produtos e matérias-primas, efetuados por laboratórios acreditados no âmbito do Sistema Português da Qualidade; Ensaios laboratoriais de calibração, efetuados por laboratórios acreditados no âmbito do Sistema Português da Qualidade; 16

18 Ensaios laboratoriais para a certificação e homologação de produtos, efetuados por laboratórios acreditados no âmbito do Sistema Português da Qualidade; Ensaios laboratoriais de monitorização das emissões e resíduos, efetuados por laboratórios acreditados no âmbito do Sistema Português da Qualidade; Transporte de produtos a ensaiar ou de equipamentos a calibrar e outros custos associados; Estudos e outros elementos de diagnóstico necessários à execução do projeto; Software específico e indispensável à concretização do projeto; Custos que decorrem da obtenção e manutenção do rótulo ecológico, homologação de produtos ou marcação CE; Aquisição de equipamentos de medição, inspeção e ensaio indispensáveis ao projeto; Aquisição de equipamentos de monitorização da qualidade ambiental; Aquisição de bibliografia técnica associada ao projeto; Candidaturas a níveis de excelência e ou prémios nacionais ou internacionais de reconhecimento da gestão pela qualidade total; Ações de divulgação, nacionais ou internacionais, de obtenção da certificação, da qualificação, do registo ou de prémios. Medida 2 Inovação Adaptação de edifícios e instalações, até ao limite de 10% das despesas elegíveis do projeto; Equipamentos e software adquiridos expressamente para o projeto; Assistência técnica e científica; Contratos de transferência ou aquisição de tecnologia que se traduzam na sua efetiva endogeneização; Divulgação e promoção dos resultados no caso de inovações de produtos ou de processo com aplicação comercial, até ao limite de 10% das despesas elegíveis. Incentivo O incentivo a conceder reveste a forma de subsídio não reembolsável, com uma taxa base de 55% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 60% para as ilhas de Faial e Pico e 65% para as restantes ilhas. 17

19 Apresentação de Candidaturas As candidaturas são formalizadas em formulário próprio e efetuadas em contínuo. Para aceder as formulários de candidatura, clique aqui As mesmas devem ser apresentadas até 30 de junho de Para mais informações, favor contactar o Gabinete Económico desta Câmara. SISTEMA DE INCENTIVOS EMPREENDE JOVEM OBJECTIVO O Empreende Jovem foi criado pelo Decreto Legislação Regional nº27/2006/a, de 31 de Julho e reformulado através do Decreto Legislativo Regional nº25/2010/a, publicado em 22 de Julho. O novo Empreende Jovem visa essencialmente estimular uma cultura de risco e vontade empreendedora, ao promover a criação de empresas de carácter inovador, contribuindo assim para a diversificação e renovação do tecido empresarial. Âmbito São suscetíveis de apoio os projetos de investimento que promovam a criação de empresas detidas maioritariamente por jovens empreendedores e que se insiram nas seguintes atividades: Comércio; Indústria; Construção; Energia; Ambiente; 18

20 Armazenagem; Turismo; Informação e de comunicação; Educação; Saúde e apoio social; Serviços. Promotores Podem beneficiar do Empreende Jovem empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais e cooperativas, detidas maioritariamente por jovens empreendedores titulares de nível de formação mínimo correspondente à escolaridade obrigatória, com idade entre os 18 e os 35 anos. Os jovens empreendedores que tenham gozado de licença de parentalidade até à idade limite anteriormente referida, podem candidatar-se aos benefícios do presente programa até aos 40 anos. Condições de Acesso dos Promotores Os promotores devem: Estar legalmente constituídos; Possuir situação regularizada perante o Estado e a Segurança Social; Dispor de contabilidade organizada; Cumprir os critérios de PME. Condições de Acesso dos Projetos Os projetos devem: Ser apresentados antes do início da sua execução; Apresentar um valor de investimento em capital fixo compreendido entre e ; 19

21 Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento do projeto, devendo o contributo do promotor em capitais próprios representar, pelo menos, 15% do montante do investimento elegível; Ter uma duração máxima de execução de 3 anos, após a data de assinatura do contrato de concessão de incentivos; Apresentar viabilidade económico-financeira; Ser instruídos com um plano de negócios elaborado pelo promotor. Despesas Elegíveis Construção de edifícios; Aquisição de máquinas e equipamentos; Aquisição de viaturas novas; Aquisição de tecnologias de informação e comunicação; Aquisição de bibliografia técnica associada à execução do projeto; Constituição e ou aquisição de marcas, desenhos ou modelos, patentes e modelos de utilidade; Despesas com a criação e desenvolvimento de insígnias, marcas e coleções próprias bem como despesas com a valorização das marcas, insígnias adquiridas/criadas/constituídas; Despesas referentes a ações de divulgação, promoção e marketing; Despesas inerentes à certificação de sistemas, produtos e serviços; Implementação de sistemas de planeamento e controlo; Elaboração do processo de candidatura; Projetos de arquitetura e de engenharia; Despesas relacionadas com a intervenção de técnicos oficiais de contas; Outros investimentos de natureza incorpórea. 20

22 Incentivo O incentivo a conceder aos projetos reveste a forma de subsídio não reembolsável com uma taxa base de 50% para as ilhas de S. Miguel e Terceira, 55% para as ilhas do Faial e Pico e de 60% para as restantes ilhas. Majorações: 5%, quando os projetos incidam sobre atividades no domínio das ciências do mar, da biotecnologia e das tecnologias agro-alimentares, tecnologias da saúde, tecnologias da informação e energias renováveis; 5%, no caso de projetos premiados no âmbito do Concurso Regional de Empreendedorismo; 5%, no caso de projetos cujos jovens empreendedores tenham frequentado, com aproveitamento, até ao encerramento do processo, um curso de empreendedorismo; 5%, no caso de projetos em que o capital é detido, em pelo menos 75% por jovens empreendedores. Apresentação das Candidaturas As candidaturas são apresentadas exclusivamente através de formulário em suporte eletrónico, a enviar pela Internet, disponível no Portal do Governo ( As mesmas devem ser apresentadas até 30 de junho de

23 REGIME DE APOIO AO MICROCRÉDITO BANCÁRIO NOS AÇORES O Regime de Apoio ao Microcrédito Bancário nos Açores foi aprovado através do Decreto Legislativo Regional nº11/2012/a, de 26 de Março. Beneficiários São beneficiários do presente regime: - Desempregados, à procura de primeiro ou de novo emprego, com idade igual ou superior a 18 anos, sem condições para o acesso ao crédito bancário pelas vias normais; - Trabalhadores, com idade igual ou superior a 18 anos, considerados em situação precária de emprego, nomeadamente trabalhadores independentes cujo rendimento médio mensal, aferido relativamente ao ano anterior ao da candidatura, seja inferior à retribuição mínima mensal garantida regional, sem condições para o acesso ao crédito bancário pelas vias normais; - Sociedades por quotas, sociedades unipessoais por quotas e empresários em nome individual que não tenham condições para aceder ao crédito bancário pelas vias normais. Condições de Acesso - Possuírem situação contributiva regularizada perante o Estado e segurança social; - Não se encontrarem em situação de incumprimento perante instituições bancárias ou na Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal; - Disporem de capacidade organizativa para promover o projeto e aceitarem o acompanhamento do mesmo; - Estarem legalmente constituídos até à data da disponibilização do empréstimo; - Demonstrarem a viabilidade económico-financeira do projeto. As sociedades e empresários em nome individual devem ainda: - Encontrar-se regularmente constituídos e registados; - Dispor de licenciamento e outros requisitos legais para o exercício da atividade; - Não se encontrar em situação de incumprimento no que respeita a apoios comunitários ou nacionais; - Dispor de contabilidade organizada, quando legalmente exigido; - Apresentar, em relação ao ano anterior à candidatura, um valor máximo de 3 Unidades de Trabalho Ano e um Volume de Negócios não superior a euros. 22

24 Elegibilidade Não são consideradas elegíveis as despesas: - Aquisição de terrenos; - Aquisição de edifícios; - Todas as rubricas de investimento que não apresentem suficiente justificação ou relevante importância para o desenvolvimento do projeto; - As operações que se destinem a reestruturação financeira, consolidação ou substituição de créditos. Os projetos promovidos por sociedades ou empresários em nome individual devem apenas incluir investimentos em ativos fixos tangíveis e ou ativos intangíveis. Montante O microcrédito será concedido diretamente pelas instituições de crédito ou pelas sociedades financeiras de microcrédito, até ao montante máximo de Candidaturas As candidaturas devem ser apresentadas através de formulário a disponibilizar na página da internet do Governo Regional dos Açores, em qualquer serviço público tutelado pelas direções regionais com competência na matéria, no Instituto para o Desenvolvimento Social dos Açores e ainda nos Postos de Atendimento ao Cidadão. Contacte-nos Web: Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Enterprise Europe Network Rua Ernesto do Canto, n.º 13/ Ponta Delgada São Miguel Tel: Fax:

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 21/2007/A, de 24 de outubro, alterado pelos Decretos Regulamentares Regionais 11/2009/A, de 13 de agosto, e 9/2010/A, de 14 de junho. Promotores

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Comércio Investe. Projetos Individuais

Comércio Investe. Projetos Individuais Comércio Investe Projetos Individuais Portal dos Incentivos Fev 2015 Índice 1 Apresentação do Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Entidades Beneficiárias... 2 1.3 Condições de Elegibilidade do Promotor...

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge PROENERGIA - Programa de incentivos à produção de energia a partir de fontes renováveis Âmbito São suscetíveis de apoio projetos que envolvam: a) Investimentos na exploração de recursos energéticos renováveis

Leia mais

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Salão Nobre da Câmara Municipal de Arouca 28/10/2013 Agenda 1 - Projeto individual Condições de elegibilidade do promotor e do projeto Despesas elegíveis Incentivos

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais até concursos abertos 16 de abril de 2012 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Programa de Apoio à Revitalização das Lojas nos Centros Urbanos LOJA + Objetivo Promover a requalificação e revitalização do comércio dos centros urbanos, tendo em vista a ocupação de espaços devolutos,

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Projetos Conjuntos de Internacionalização: Natureza dos beneficiários Os beneficiários são empresas PME de qualquer natureza

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Qualificação das PME Vale Inovação Intene Consultoria de Gestão, Lda. Maio 2015 Rua Dr. Augusto Martins, n.º 90, 1.º andar Sala 4 4470-145 Maia

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo Benefícios Fiscais Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Condições de Acesso dos Beneficiários... 2 3 Condições de

Leia mais

Comércio Investe. Santa Maria da Feira, 25 de outubro de 201313. António Azevedo Administrador da Finaccount

Comércio Investe. Santa Maria da Feira, 25 de outubro de 201313. António Azevedo Administrador da Finaccount Comércio Investe Santa Maria da Feira, 25 de outubro de 201313 António Azevedo Administrador da Finaccount Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Comércio Investe Tipologias de investimento

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 39/2012 de 29 de Março de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 39/2012 de 29 de Março de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 39/2012 de 29 de Março de 2012 O X Governo dos Açores deliberou introduzir alterações ao regime Sistema de Apoio à Promoção de Produtos Açorianos de forma a potenciar um conjunto

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA ORÇAMENTO: 120 milhões de euros, dos quais 60 milhões de euros alocados pelo Turismo de Portugal. ENTIDADES PARCEIRAS: - Banco Bilbao Vizcaya Argentaria - Banco

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS ÀS PME S Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada PROGRAMA DE APOIO À RESTAURAÇÃO E HOTELARIA PARA A AQUISIÇÃO DE PRODUTOS REGIONAIS LINHA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA DOS AÇORES

Leia mais

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Portugal 2020 Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Out 2014 1 Apresentação dos Programas Os PO financiados pelos FEEI são os seguintes a) Quatro Programas Operacionais temáticos: Competitividade

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego Programa Investe Jovem Apoio à Criação do Próprio Emprego Portal dos Incentivos Jan 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Objeto... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Destinatários do Apoio... 2 1.4 Requisitos

Leia mais

FAQs COMÉRCIO INVESTE. Versão 1.0 Última atualização a 13.04.2015 PRIMAVERA Business Software Solutions, S.A. 1993-2015, All rights reserved

FAQs COMÉRCIO INVESTE. Versão 1.0 Última atualização a 13.04.2015 PRIMAVERA Business Software Solutions, S.A. 1993-2015, All rights reserved FAQs COMÉRCIO INVESTE Versão 1.0 Última atualização a 13.04.2015 PRIMAVERA Business Software Solutions, S.A. 1993-2015, All rights reserved FAQs 1. Quais as condições para poder apresentar uma candidatura

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL)

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) Condições de Acesso (Lei n.º 55-A/2010 de 31 de Dezembro) 0 SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 O Governo dos Açores pretende implementar uma nova estratégia de desenvolvimento, tendo em vista a dinamização

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020

Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020 Inovação e Competitividade Incentivos às Empresas 2020 Investigação, Inovação, Empreendedorismo Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Setúbal 16 Setembro 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do evento

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Medida Comércio Investe

Medida Comércio Investe Medida Comércio Investe Incentivo à Modernização Comercial O que é? - Incentivo financeiro não reembolsável; - 40% das despesas elegíveis nos projetos individuais; - Possibilidade de majoração de 10% por

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 138/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que o desenvolvimento de ações e medidas tendentes à formação e à educação do consumidor é concretizado,

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Diário da República, 1.ª série N.º 87 4 de maio de 2012 2361 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Presidência do Governo Decreto Regulamentar Regional n.º 11/2012/A Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

COMPETE 2020 PORTUGAL 2020

COMPETE 2020 PORTUGAL 2020 COMPETE 2020 PORTUGAL 2020 2 INOVAÇÃO PRODUTIVA Trata-se de uma linha de apoio ao investimento nas empresas, aplicável a PME e Não PME. Quais os principais objetivos desta linha: Apoiar a produção de novos

Leia mais

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Guimarães, 10 de abril de 2015 AGENDA 1 Portugal 2020 Enquadramento Geral 2 Sistema de Incentivos às Empresas 3 Concursos 1 2020 Enquadramento Geral PORTUGAL 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

www.finaccount.com Vales Simplificados Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação

www.finaccount.com Vales Simplificados Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação www.finaccount.com Vales Simplificados Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Índice 1. Vale Empreendedorismo 3 2. Vale Inovação 5 3. Vale Internacionalização 8 2 1 VALE EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

Fundos para a Internacionalização

Fundos para a Internacionalização Fundos para a Internacionalização Fundos de apoio às empresas O que são? São sistemas de incentivos vocacionados para o apoio às empresas, financiados por fundos comunitários e/ou nacionais. 2 Fundos de

Leia mais

Promoção da Propriedade Industrial

Promoção da Propriedade Industrial 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI Qualificação de PME) Projectos Individuais Dezembro de 2011 2 1- Enquadramento 2- Âmbito Sectorial Enquadramento Aviso n.º 14/SI/2011

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior

Incentivos a Microempresas do Interior Incentivos a Microempresas do Interior Saiba como se candidatar Para que servem estes incentivos? Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões com problemas de interioridade,

Leia mais

Concurso para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-54-2015-06

Concurso para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-54-2015-06 Concurso para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-54-2015-06 Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Desenvolvimento Local e Fomento da Base Económica de Exportação Nos termos

Leia mais

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos que reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, com vista a

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais