Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016"

Transcrição

1 Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 São Paulo, 06 de setembro de 2016

2 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

3 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

4 EMPRESAS ENVOLVIDAS EMPRESAS EXECUTORAS DOS ESTUDOS XAXIM ENERGÉTICA S.A. CONSULTORIA AMBIENTAL

5 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

6 HISTÓRICO Revisão do Inventário Hidrelétrico realizada pela Desenvix: trecho um potencial de geração de 387,10 MW relacionados a 09 AHE Revisão do Inventário aprovada pelo ANEEL - Despacho N 948, de 4 de abril de 2007 Solicitação de TR à FATMA para elaboração de EIA/RIMA -negativa Publicação da Portaria no 68 da FATMA Termo de Referência para elaboração de Avaliação Ambiental Integrada de Bacia Hidrográfica no Estado de Santa Catarina Análise da FATMA Elaboração da AAI Prosul Projetos desenvolveu um estudo a para definir trechos restritos à implantação de AHE na bacia, inviabilizando os 9 eixos Elaboração dos Projetos Básicos para os AHEs Águas do Chapecó, Porto Ferreira, Nova União e Nova Erechim, contemplando as adequações para a melhoria do ponto de vista ambiental Aprovação do TR para elaboração de uma nova AAI FATMA aprovou o TR sugerido por um grupo de interessados, contemplando os aproveitamentos melhorados Protocolo da AAI e realização das Audiências Publicas

7 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

8 OBJETIVOS Avaliar os efeitos cumulativos e sinérgicos dos empreendimentos hidrelétricos sobre os recursos naturais e sobre as populações humanas; Identificar e avaliar os usos atuais e potenciais dos recursos hídricos no horizonte atual e futuro, visando compatibilizar a geração de energia e a conservação da biodiversidade; Sugerir melhoria da alternativa técnico-locacional do ponto de vista ambiental para a instalação dos aproveitamentos hidrelétricos; Estabelecer diretrizes e recomendações sociais e ambientais para a área de estudo e para o processo de licenciamento ambiental

9 ÁREA DE ESTUDO Trecho Baixo Chapecó, compreendido a jusante da UHE Quebra Queixo até a foz do rio Chapecó no rio Uruguai; e; no rio Chapecozinho, da jusante da PCH Salto Voltão até a sua foz no rio Chapecó, na região hidrográfica do Meio Oeste no Estado de Santa Catarina, Brasil.

10 ÁREA DE ESTUDO Área de Influência Regional Dados: Área de Influência Regional Área de Influência Local Municípios Área de Influência Local População (2010) 500 mil hab N Empreendimento Procedência/Fonte 01 Nova União 02 Nova Erechim 03 Porto Ferreira 04 Águas de Chapecó 05 Saudade 06 Foz do Xaxim 07 Marema 08 Foz do Chapecozinho 09 Santo Antônio Projeto Básico (2010/2011) Estudos de Otimização Inventário Hidrelétrico (2007)

11 METODOLOGIA DOS ESTUDOS DIAGNÓSTICO SOCIAMBIENTAL COMPARTIMENTAÇÃO DA BACIA AVALIAÇÃO AMBIENTAL DISTRIBUÍDA (AAD) ANÁLISE DE CONFLITOS ATUAIS CENÁRIOS E ANÁLISE DE CONFLITOS FUTUROS AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AII) MODELAGEM AMBIENTAL DIRETRIZES E RECOMENDAÇÕES ÍNDICES DE SENSIBILIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS ÍNDICES DE IMPACTO AMBIENTAL

12 ESFORÇO AMOSTRAL DO DIAGNÓSTICO Vegetação: Avaliação das variações possíveis nos tipos de coberturas vegetais e usos do solo, com 194 Pontos Amostrais Qualidade da Água: 02 campanhas em 25 pontos amostrais. Ictiofauna: 03 campanhas em 15 pontos amostrais

13 ESFORÇO AMOSTRAL DO DIAGNÓSTICO Fauna Terrestre: 01 campanha Modelagem: Circulação Hidrodinâmica, transporte de sedimentos e qualidade da água Socioeconômico: 01 campanha

14 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

15 ANÁLISE AMBIENTAL DISTRIBUÍDA ÍNDICES DE SENSIBILIDADE AMBIENTAL Meio Físico e Ecossistemas Terrestres Recursos Hídricos e Ecossistemas Aquáticos Socioeconomia

16 ANÁLISE AMBIENTAL INTEGRADA ÍNDICES DE IMPACTO AMBIENTAL QUAIS OS TEMAIS MAIS SENSIVEIS EM CADA EMPREENDIMENTO? PREPOSIÇÃO DE ARRANJOS ALTERNATIVOS

17 MELHORIA NOS ARRANJOS Levando em consideração, os aspectos de impactos na ictiofauna, qualidade de água e socioeconomia os aproveitamentos propostos foram analisados quantos aos: ü Desníveis artificiais causados pelos barramentos; ü Áreas inundadas, extensão e tempo de residência dos reservatórios; ü Trechos livres a jusante e montante; ü Extensão dos trechos de vazão reduzida e; ü Foz de afluentes preservadas, pois podem ser locais em potencial para desova e de alimentação dos juvenis de peixes. Inventário Hidrelétrico do Trecho Baixo Chapecó (2007) ESTUDO DA PROSUL Melhorias de projeto apresentadas na Avaliação Ambiental Integrada (AAI) RESULTADOS DA AAI Novas proposições de melhorias de projeto.

18 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

19 MELHORIA NOS ARRANJOS TRECHO LIVRE A JUSANTE (km) Se os empreendimentos Foz do Chapecozinho, Nova União e Marema não forem permitidos pelo Congresso Nacional e Funai, aumenta-se este trecho lótico em 9 km no Rio Chapecó e 8 km no Rio Chapecozinho (67km + 27 km= 94 km) DESNÍVEIS ARTIFICIAIS

20 MELHORIA NOS ARRANJOS ÁREA DO RESERVATÓRIO Em Porto Ferreira não houve redução da área, em função da exclusão do Trecho de Vazão Reduzida de 12,2 km, transformado em trecho lótico. 20

21 MELHORIA NOS ARRANJOS TRECHO DE VAZÃO REDUZIDA (km) TEMPO DE RESIDÊNCIA (dias)

22 APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DA BACIA Energia firme / Área Inundada (MWm/km²) Energia / Trecho impactado (MWm/km) Potência Instalada (MW) Foz do Xaxim 0% 20% 40% 60% 80% 100% Energia firme / Área Inundada (MWm/km²) Energia / Trecho impactado (MWm/km) Potência Instalada (MW) Águas de Chapecó 0% 20% 40% 60% 80% 100% Arranjo Inventario Arranjo Otimizado Arranjo Inventario Arranjo Otimizado Energia firme / Área Inundada (MWm/km²) Energia / Trecho impactado (MWm/km) Potência Instalada (MW) Santo Antônio 0% 20% 40% 60% 80% 100% Arranjo Inventario Arranjo Otimizado

23 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados da AAI Melhoria nos Arranjos Conclusão

24 CONCLUSÕES Os resultados da AAI propiciaram a realização de ajustes nos aproveitamentos em relação à redução da altura dos barramentos e dos tempos de residência, manutenção de trechos livres, manutenção livre de inundação a foz dos rios afluentes e manutenção de lamina de água adequada no trecho de vazão reduzida; Os resultados dos estudos, os arranjos alternativos e mitigações propostas frente aos impactos causados pelo desnível artificial de água criado pelos barramentos, trechos de vazão reduzida, área inundada e tempo de residência dos reservatórios situados no Baixo Chapecó indicam a pré viabilidade dos aproveitamentos; Os resultados da AAI indicaram alguns itens específicos que devem constar nos Termos de Referencia para EIA/RIMA com fins de licenciamento ambiental dos empreendimentos, como realização de estudos genéticos para confirmação da necessidade de mecanismos de transposição da ictiofauna de forma a manter o fluxo gênico das populações existentes na bacia do rio Chapecó;

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 18 de junho de 2015 Porto Alegre RS Brasil Impactos Ambientais Relacionados à Geração e à Transmissão 2 Hídrica

Leia mais

Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil

Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil Apresentação do resultado dos Estudos de Inventário Hidrelétrico do rio Uruguai - trecho binacional entre Argentina e Brasil Eletrobras Diretoria de Geração Superintendência de Geração Porto Mauá, 11 de

Leia mais

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL EL SISTEMA ELÉCTRICO BRASILEÑO Y LAS CUESTIONES SOCIO AMBIENTALES O PROJETO BELO MONTE Energia para os novos tempos Lima, 18 de Novembro

Leia mais

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná Curitiba, Outubro de 2017 1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução Conjunta SEMA/IAP n 09 de 03 de novembro

Leia mais

de PCHs e CGHs em Minas Gerais

de PCHs e CGHs em Minas Gerais Desafios do Licenciamento Ambiental Título de PCHs e CGHs em Minas Gerais Germano Luiz Gomes Vieira Secretário de Estado Adjunto de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Desafios para Licenciamento

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA Hermani M Vieira Geógrafo Gustavo F. Schmidt Eng. Civil Superintendência de Meio Ambiente Rio de Janeiro, 13 de junho de 2017 O que é? Avaliação Ambiental Integrada - AAI

Leia mais

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO SOCIOAMBIENTAL: Estratégias para mensurar e analisar as dimensões relacionadas ao empreendimento

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO SOCIOAMBIENTAL: Estratégias para mensurar e analisar as dimensões relacionadas ao empreendimento INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO SOCIOAMBIENTAL: Estratégias para mensurar e analisar as dimensões relacionadas ao empreendimento GESTÃO AMBIENTAL INTEGRADA GAI Estratégias do Ciclo de Planejamento: Políticas,

Leia mais

ESTUDOS DE VIABILIDADE UHE SINOP

ESTUDOS DE VIABILIDADE UHE SINOP ESTUDOS DE VIABILIDADE UHE SINOP FEVEREIRO 2009 Localização da Bacia Rio Teles Pires Estudos de Inventário - Aproveitamentos Identificados UHE FOZ DO APIACÁS AMAZONAS 208 MATO GROSSO Juara Nova Monte Verde

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de estudo para AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA

Leia mais

TECNOLOGIAS DE PROTEÇÃO DA ICTIOFAUNA EM EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS. A.A.Cesário Porto, E.M. de Faria Viana e C. Barreira Martinez.

TECNOLOGIAS DE PROTEÇÃO DA ICTIOFAUNA EM EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS. A.A.Cesário Porto, E.M. de Faria Viana e C. Barreira Martinez. TECNOLOGIAS DE PROTEÇÃO DA ICTIOFAUNA EM EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Code: 05.008 A.A.Cesário Porto, E.M. de Faria Viana e C. Barreira Martinez. 1 Universidade Federal de Minas Gerais; 2 RBE 21/11/2017

Leia mais

VII SIMPÓSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS. Eng. Vilson D Christofari 1

VII SIMPÓSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS. Eng. Vilson D Christofari 1 VII SIMPÓSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS MARCO LEGAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Eng. Vilson D Christofari 1 MARCO REGULATÓRIO Eng. Vilson D

Leia mais

Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos

Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE PROJETOS DE GERAÇÃO HIDRELÉTRICA: ESTUDOS DE CASO PROF. DR. GERALDO LÚCIO TIAGO FILHO CENTRO NACIONAL DE

Leia mais

Componentes e pesquisadores envolvidos

Componentes e pesquisadores envolvidos Componentes e pesquisadores envolvidos Impactos sobre aves (avifauna) Dr. Luciano Naka Impactos nas comunidades indígenas e tradicionais - Dr. Philip Fearnside Qualidade da água: monitoramento de níveis

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO FORUM - PERSPECTIVAS PARA O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO DIANTE DOS PROJETOS ESTRUTURANTES INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE A POLÍTICA ENERGÉTICA E MEIO AMBIENTE VICTOR ZULAR ZVEIBIL SECRETÁRIO

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA USINA HIDRELÉTRICA GAMELA NOVEMBRO / 2013 02 Sumário 1 O Empreendedor 2 Etapas Processuais 3 O Projeto 4 Usos Múltiplos da água (HICON) 5 Qualidade da água (ECOLOGY) 6 Conclusão 7 - Agradecimento 3 2.

Leia mais

14. Usinas Hidrelétricas

14. Usinas Hidrelétricas Fazem parte das usinas hidrelétricas as estruturas extravasoras, incluindo o canal de fuga e as unidades geradoras, compostas pela casa de máquinas, onde está localizado o conjunto gerador, do qual, por

Leia mais

Características da UHE Belo Monte

Características da UHE Belo Monte Realização: Patrocínio: Características da UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. CASA DE FORÇA PRINCIPAL (Sítio Belo Monte) Potência: 11.000 MW (18 x 611,11 MW). Garantia física: 4.419 MW médios. 1ª Unidade

Leia mais

da não implantação dos empreendimentos 4-1

da não implantação dos empreendimentos 4-1 1. INTRODUÇÃO 1.1 Localização 1.2 Contexto 1.3 Projeto 1.4 Organização dos Trabalhos 2. INFORMAÇÕES GERAIS 2.1 Empreendedores 2.2 Consultoria Responsável pela Elaboração do EIA/RIMA 2.3 Empresa Responsável

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS VIII Simpósio de Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04 de maio de 2012 TEMA 33: IMPACTOS AMBIENTAIS DE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Relator: Eng. Rafael Volquind Diretor Técnico

Leia mais

UHE CASTANHEIRA. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Juara, Setembro de 2015

UHE CASTANHEIRA. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Juara, Setembro de 2015 UHE CASTANHEIRA Estudo de Impacto Ambiental - EIA Juara, Setembro de 2015 Identificação do Consórcio Consultor - Consultoria: Ambiental, Engenharia, Gestão de Projetos; - Atua no Brasil e Exterior; - ISO

Leia mais

Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects

Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects Perspectives on the main benefits and opportunities associated with the development of large hydropower projects Tucurui, November 22, 2011 Marcio Drummond Evolução da Capacidade Instalada por Fonte (MW)

Leia mais

Conversando sobre o AHE BELO MONTE

Conversando sobre o AHE BELO MONTE Conversando sobre o AHE BELO MONTE Apresentadores Paulo Fernando Vieira Souto Rezende Coordenador dos Estudos do AHE Belo Monte - Eletrobrás Silviani Froehlich Gerente de Estudos e Projetos Ambientais

Leia mais

PCH PANDEIROS: UMA COMPLEXA INTERFACE COM A GESTÃO AMBIENTAL REGIONAL

PCH PANDEIROS: UMA COMPLEXA INTERFACE COM A GESTÃO AMBIENTAL REGIONAL PCH PANDEIROS: UMA COMPLEXA INTERFACE COM A GESTÃO AMBIENTAL REGIONAL Rafael Augusto Fiorine Enio Marcus Brandão Fonseca Newton José Schmidt Prado Wilson Roberto Grossi PCH Pandeiros Caracterização da

Leia mais

Migração e reprodução de Prochilodus costatus no alto rio São Francisco. Como conservar esta população se barragens forem instaladas?

Migração e reprodução de Prochilodus costatus no alto rio São Francisco. Como conservar esta população se barragens forem instaladas? Migração e reprodução de Prochilodus costatus no alto rio São Francisco. Como conservar esta população se barragens forem instaladas? Sub-Projeto: Análise da dinâmica migratória de populações de Curimatá-Pioa

Leia mais

De gota em gota. Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental.

De gota em gota. Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental. De gota em gota Construídas em sequência em um mesmo rio ou bacia, pequenas centrais hidrelétricas têm forte impacto ambiental. Por: Isabela Fraga Bancos de areia abaixo de barragem no rio Santo Antônio,

Leia mais

A visão do Ministério Público sobre o EIA e o Licenciamento Ambiental

A visão do Ministério Público sobre o EIA e o Licenciamento Ambiental II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais A visão do Ministério Público sobre o EIA e o Licenciamento Ambiental João Akira Omoto Procurador da República Manaus 14 de junho de 2006 A visão

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Francisco C. Donha Filho Engenheiro Civil FURNAS Centrais Elétricas S.A. José Glauber N. Cunha Engenheiro Eletricista SNC Lavalin - Marte INTRODUÇÃO O complexo hidrelétrico

Leia mais

O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal. Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz

O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal. Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz O programa Aliança EcoÁgua Pantanal e sua contribuição para o Pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal Maitê Tambelini Ibraim Fantin da Cruz APRESENTAÇÃO Iniciativa Objetivo Atividades ELOHA Estudo de

Leia mais

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau Usinas Hidrelétricas e Integração Regional Usina Hidrelétrica Jirau Santa Cruz de La Sierra 04/11/2016 Integração Energética Grande potencial de integração energética devido à abundância de recursos naturais

Leia mais

GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01

GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01 GUANHÃES ENERGIA PCH DORES DE GUANHÃES PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL FASE IMPLANTAÇÃO BMA_GEN_GDN_PCA_01 BELO HORIZONTE NOVEMBRO 2013 PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA 1 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

Inventário Hidrelétrico

Inventário Hidrelétrico Inventário Hidrelétrico Objetivo: Determinar o potencial hidrelétrico da bacia, mediante a identificação de um conjunto de aproveitamentos que proporcionem o máximo de energia ao menor custo, aliado a

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 3 Centrais Hidrelétricas

Geração de Energia Elétrica. Aula 3 Centrais Hidrelétricas Geração de Energia Elétrica Aula 3 Centrais Hidrelétricas 16/04/2008 1 Etapas de implantação de Grandes Centrais Hidrelétricas (GCH) 1. Estimativa do potencial hidrelétrico análise preliminar: aspectos

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE Rio Xingu, Brasil Dezembro 2010 Localização UHE BELO MONTE BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico

Leia mais

INTERFACE ENTRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL: Exemplos com ênfase na Questão Federativa

INTERFACE ENTRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL: Exemplos com ênfase na Questão Federativa INTERFACE ENTRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E O LICENCIAMENTO AMBIENTAL: Exemplos com ênfase na Questão Federativa Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos

Leia mais

PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR PARA A DECLARAÇÃO DO RIO SANTO ANTÔNIO E AFLUENTES COMO RIOS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE As assinaturas devem ser encaminhadas para: Tininha Rua Dr. Júlio Drumond, 138

Leia mais

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 PCH's De acordo com a resolução No. 394-04/12/1998 da ANEEL Agência Nacional de Energia

Leia mais

ÍNDICE. 1. Apresentação... 1/ Caracterização do Empreendedor... 6/ Caracterização da Equipe Responsável pelo Estudo...

ÍNDICE. 1. Apresentação... 1/ Caracterização do Empreendedor... 6/ Caracterização da Equipe Responsável pelo Estudo... 2523-00-ETB-RL-0001-00 Novembro de 2012 Rev. nº 00 MINAS PCH ÍNDICE 1. Apresentação... 1/8 1.1 - Caracterização do Empreendedor... 6/8 1.2 - Caracterização da Equipe Responsável pelo Estudo... 7/8 ANEXOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS ESTUDOS PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES AOS ESTUDOS PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES AOS ESTUDOS PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS 1. INTRODUÇÃO Considerando a perspectiva apresentada pelos estudos de inventário da bacia do rio Tijuco

Leia mais

ÍNDICE GERAL. III. Solução de Engenharia Partição de Queda / Localização. IV. Características do Empreendimento

ÍNDICE GERAL. III. Solução de Engenharia Partição de Queda / Localização. IV. Características do Empreendimento ÍNDICE GERAL I. Licenciamento Ambiental II. Estudos Ambientais Diretrizes III. Solução de Engenharia Partição de Queda / Localização IV. Características do Empreendimento V. Restrição da Inundação de Jirau

Leia mais

Celeridade e qualidade do licenciamento ambiental de grandes empreendimentos

Celeridade e qualidade do licenciamento ambiental de grandes empreendimentos Seminário Licenciamento Ambiental: Realidade e Perspectivas Celeridade e qualidade do licenciamento ambiental de grandes empreendimentos Alexandre Uhlig Brasília, 5 de novembro de 2015 O conteúdo desta

Leia mais

120 GW de capacidade de Geração GW médios de consumo. Crescimento anual de 3-5% no consumo

120 GW de capacidade de Geração GW médios de consumo. Crescimento anual de 3-5% no consumo Potencial Mineiro e Requisitos Ambientais e Legais no Processo de Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas - PCHs 120 GW de capacidade de Geração 50-55 GW médios de consumo Crescimento anual de 3-5%

Leia mais

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Introdução Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Barragens 2/22 As barragens, açude ou represa são definidas como obstáculos artificiais com a capacidade de reter água, qualquer outro líquido, rejeitos, detritos,

Leia mais

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Introdução. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Introdução Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira 2/21 Multidisciplinaridade Caráter multidisciplinar do conhecimento envolvido na construção de barragens: Topografia e Geodésia Hidrologia e Hidráulica Modelagens

Leia mais

USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais. Estudos de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental - EVTE de UHE

USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais. Estudos de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental - EVTE de UHE USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais Estudos de Viabilidade Técnico-Econômica e Ambiental - EVTE de UHE Maria Regina Toledo Capellão DEE/SEG Estudos Estudos para para Expansão Expansão

Leia mais

PEDIDO DE VISTA IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO

PEDIDO DE VISTA IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO PEDIDO DE VISTA IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO SUPRAM LESTE MINEIRO PROTOCOLO SIAM Nº: 937276/2011 FASE DO LICENCIAMENTO: Licença de Instalação - LI Licenciamento Ambiental (LI) 7299/2007/002/2007 Licença Concedida

Leia mais

UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos

UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos 23 a 28 de julho de 2018 Proposta de agenda 18:00 Abertura Qual o objetivo da reunião pública? Quem é a EPE? Em que fase dos estudos

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte 22.11.2011 1 Breve Histórico Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final

Leia mais

TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo II: Energia Hidráulica e Centrais Hidrelétricas Parte 2 de 2. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo II: Energia Hidráulica e Centrais Hidrelétricas Parte 2 de 2. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo II: Energia Hidráulica e Centrais Hidrelétricas Parte 2 de 2 Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Classificação da Geração Hidrelétrica Diagrama Esquemático das Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Seminário - Grandes Construções NOVEMBRO 2011

Seminário - Grandes Construções NOVEMBRO 2011 Seminário - Grandes Construções NOVEMBRO 2011 Potencial Hidrelétrico da Amazônia Amazônia: nova fronteira energética do País Equilíbrio entre aspectos ambientais e a geração 70% do potencial hidrelétrico

Leia mais

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Seminário Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas: Impactos Ambientais e Conflitos Sócio-econômicos PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Luiz Gustavo M. da Silva Universidade

Leia mais

São Paulo, 07 de março de 2018

São Paulo, 07 de março de 2018 São Paulo, 07 de março de 2018 2 Sumário A Chesf O Rio São Francisco Situação Energética Constatações A Inexorável Multiplicidade do Uso da Água A Preservação do Múltiplo Uso dos Recursos Hídricos Reflexões

Leia mais

A H E SIMPLÍCIO Q U E D A Ú N I C A. Francisco Cordero Donha Filho

A H E SIMPLÍCIO Q U E D A Ú N I C A. Francisco Cordero Donha Filho A H E SIMPLÍCIO Q U E D A Ú N I C A Francisco Cordero Donha Filho A H E SIMPLÍCIO Q U E D A Ú N I C A Francisco Cordero Donha Filho Rio Grande do Sul ÁREA DE INFLUÊNCIA UIZ DE FORA BICAS GUARARÁ SENADOR

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Importância do Monitoramento de Ictiofauna no processo de Licenciamento de empreendimentos Hidrelétricos

Importância do Monitoramento de Ictiofauna no processo de Licenciamento de empreendimentos Hidrelétricos Importância do Monitoramento de Ictiofauna no processo de Licenciamento de empreendimentos Hidrelétricos 5º Seminário Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais / 1º Workshop sobre Remoção

Leia mais

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s 23.04.2008 Decio Michellis Jr. Leis Decretos Resoluções Portarias Instruções Normativas Normas Convenções TOTAL 1. Água e efluentes

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 Aprova os novos indicadores de potencialidade de conflito em substituição aos do Anexo III do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba,

Leia mais

USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais. Estudos de Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas

USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais. Estudos de Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas USINAS HIDRELÉTRICAS Estudos de Engenharia e Ambientais Estudos de Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas Maria Regina Toledo Capellão DEE/SEG Estudos Estudos para para Expansão Expansão da da

Leia mais

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Brasília, DF Março de 2014 Estágios de Desenvolvimento de um Empreendimento

Leia mais

Argentina. Brasil. Panambi. Garabi. Rio Uruguai

Argentina. Brasil. Panambi. Garabi. Rio Uruguai Argentina Panambi Rio Uruguai Brasil Garabi Estudos de aproveitamento hidrelétrico do rio Uruguai no trecho binacional entre Argentina e Brasil Diretoria de Geração da Eletrobras PROJETO GARABI-PANAMBI

Leia mais

Licenciamento Ambiental Federal Geração Hídrica na Amazônia

Licenciamento Ambiental Federal Geração Hídrica na Amazônia MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Licenciamento Ambiental Federal Geração Hídrica na Amazônia

Leia mais

15 1 Gestão de reservatórios hidrelétricos: o potencial hidráulico da união Gerido como recurso renovável Fernando Campagnoli

15 1 Gestão de reservatórios hidrelétricos: o potencial hidráulico da união Gerido como recurso renovável Fernando Campagnoli Sumário 15 1 Gestão de reservatórios hidrelétricos: o potencial hidráulico da união Gerido como recurso renovável Fernando Campagnoli 20 2 Benefícios socioambientais de empreendimentos de Geração de hidroeletricidade

Leia mais

Barreiros. Pedrais. Praias

Barreiros. Pedrais. Praias Análise preliminar dos potenciais impactos decorrentes da elevação do NA máximo de operação do reservatório da UHE Santo Antônio em 0,80 m sobre os ambientes especiais para fauna (barreiros, pedrais e

Leia mais

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA ZONA DA MATA DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM / MG

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA ZONA DA MATA DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM / MG À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA ZONA DA MATA DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM / MG Empreendedor: GS SOUTO ENGENHARIA LTDA Empreendimento: CGH INGÁ MIRIM PARECER ÚNICO SUPRAM - ZM Nº:

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 001/2011 PROCESSO Nº 04733 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha V, para contenção de rejeitos da

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA E PLANEJAMENTO HIDROENERGÉTICO EM MINAS GERAIS: REFLEXOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO UBERABINHA-MG

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA E PLANEJAMENTO HIDROENERGÉTICO EM MINAS GERAIS: REFLEXOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO UBERABINHA-MG AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA E PLANEJAMENTO HIDROENERGÉTICO EM MINAS GERAIS: REFLEXOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO UBERABINHA-MG Rafael Mendes Rosa (Ekos Planejamento Ambiental) Gelze Serrat de Souza

Leia mais

A Produção Hidroeléctrica em Portugal

A Produção Hidroeléctrica em Portugal A Produção Hidroeléctrica em Portugal Como se desenvolverá o sistema hidroeléctrico futuro em Portugal? Turma: 11MC03_03 Carlos Alexandre Silva Cardoso Dinis de Sá Branco dos Santos Ivan Oliveira de Almeida

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS AMBIENTAIS NA REGIÃO DO MÉDIO CURSO DO RIO ARAGUARI.

AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS AMBIENTAIS NA REGIÃO DO MÉDIO CURSO DO RIO ARAGUARI. CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO

Leia mais

Tema 114 Aspectos Econômicos, Sociais e Ambientais na Implantação de Barragens. Foz do Iguaçu, 13 de maio de 2015.

Tema 114 Aspectos Econômicos, Sociais e Ambientais na Implantação de Barragens. Foz do Iguaçu, 13 de maio de 2015. Tema 114 Aspectos Econômicos, Sociais e Ambientais na Implantação de Barragens Foz do Iguaçu, 13 de maio de 2015. 1 2 A questão indígena e as hidrelétricas na Amazônia: o interesse de alguns milhares de

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Belo Horizonte, 21 de Agosto de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica

Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica Usina Hidrelétrica Bem Querer Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica Março de 2019 ESTUDOS DE INVENTARIO HIDRELÉTRICO DA BACIA DO RIO BRANCO LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE ABRANGENCIA Período de Realização

Leia mais

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País 11º FIIEE Minas Gerais Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País Modelo do Setor Elétrico do Brasil Leis 10847 e 10848 de 2004 Princípios Promover a Modicidade Tarifária Garantir a Segurança do Suprimento

Leia mais

Tratado para Aproveitamento dos Recursos Hídricos Compartilhados dos Trechos Limítrofes do Rio Uruguai e de seu afluente, rio Pepiri Guazu (1980)

Tratado para Aproveitamento dos Recursos Hídricos Compartilhados dos Trechos Limítrofes do Rio Uruguai e de seu afluente, rio Pepiri Guazu (1980) Sumário 1. Tratado entre Brasil e Argentina para Aproveitamento dos Recursos Hídricos Compartilhados dos Trechos Limítrofes do Rio Uruguai e de seu afluente, rio Pepiri Guazu (1980) 2. Estudos de Inventário

Leia mais

O CONTROLE DE CHEIAS E A GESTÃO DE. Joaquim Gondim

O CONTROLE DE CHEIAS E A GESTÃO DE. Joaquim Gondim O CONTROLE DE CHEIAS E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS Joaquim Gondim SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS Rio de Janeiro, 09/10/2010 CONTROLE DE CHEIAS E VOLUME DE ESPERA Quando a um reservatório utilizado

Leia mais

GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA:

GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA: MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA EXECUTIVA Assessoria Especial de Meio Ambiente GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA: Aprendizados e Diretrizes GT sobre Deslocamentos Compulsórios DESAFIOS NO DESLOCAMENTO

Leia mais

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária RASTREAMENTO DAS MATRIZES DE Rastreabilidade da Matriz de Indicadores - MALÁRIA - IMPACTOS IMPACTOS E EXPECTATIVAS Aumento do fluxo migratório EIA Volume

Leia mais

IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DA CONSERVAÇÃO DO PULSO DE INUNDAÇÃO DO PANTANAL. Por: *Débora Fernandes Calheiros.

IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DA CONSERVAÇÃO DO PULSO DE INUNDAÇÃO DO PANTANAL. Por: *Débora Fernandes Calheiros. ADM139 IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DA CONSERVAÇÃO DO PULSO DE INUNDAÇÃO DO PANTANAL Por: *Débora Fernandes Calheiros. Ao longo dos últimos 20 anos a Embrapa Pantanal tem contribuído para informar à sociedade

Leia mais

Para o atendimento pleno à sociedade com SOLUÇÕES EM ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE a Plonus está estruturada em nove EIXOS TEMÁTICOS.

Para o atendimento pleno à sociedade com SOLUÇÕES EM ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE a Plonus está estruturada em nove EIXOS TEMÁTICOS. NOSSA MISSÃO Desenvolver soluções de engenharia e meio ambiente que contribuam para que empreendimentos sejam socialmente inclusivos e ambientalmente equilibrados. Para o atendimento pleno à sociedade

Leia mais

Perspectivas da EPE para a geração hidrelétrica. Avanços nos estudos de planejamento e discussões em andamento.

Perspectivas da EPE para a geração hidrelétrica. Avanços nos estudos de planejamento e discussões em andamento. Perspectivas da EPE para a geração hidrelétrica. Avanços nos estudos de planejamento e discussões em andamento. Painel: Panorama Regulatório e legislativo para o setor de geração hidrelétrica Seminário

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

PHA Hidrologia Ambiental. Restrições Operativas, Vazões Ecológicas e Hidrograma Ecológico

PHA Hidrologia Ambiental. Restrições Operativas, Vazões Ecológicas e Hidrograma Ecológico Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental PHA3308 - Hidrologia Ambiental Restrições Operativas, Vazões Ecológicas e Hidrograma Ecológico Mario Thadeu

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA A EXPERIÊNCIA DA EMPRESA

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2013

Licenciamento Ambiental. Conservação da Biodiversidade 2013 Licenciamento Ambiental Conservação da Biodiversidade 2013 O que é o licenciamento ambiental? MMA - O licenciamento ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade

Leia mais

Argentina. Brasil. Panambi. Garabi. Rio Uruguai

Argentina. Brasil. Panambi. Garabi. Rio Uruguai Argentina Panambi Rio Uruguai Brasil Garabi Estudos de Inventário Hidrelétrico do Rio Uruguai no trecho binacional entre Argentina e Brasil Diretoria de Geração APRESENTAÇÃO do RESULTADO DOS ESTUDOS Eletrobras,

Leia mais

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental. Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental. Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental Capítulo XIV- Prognóstico Ambiental Curitiba, Abril de 2008 XIV - 2 Sumário p. 1 - A região sem o empreendimento...3

Leia mais

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas

Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Boas Práticas em Conservação e Manejo da Ictiofauna em Minas Gerais Distribuição Potencial de Peixes em Bacias Hidrográficas Ricardo Oliveira Latini Belo Horizonte / 2011 Foto: Fernando Alves Nicho ecológico

Leia mais

COBERTURA VEGETAL COMO FATOR DE PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

COBERTURA VEGETAL COMO FATOR DE PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS COBERTURA VEGETAL COMO FATOR DE PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Daniel Antonio Salati Marcondes, Washington Luiz Azevedo Geres, Elaine Genniffer C. Sanches Companhia Energética de São Paulo RESUMO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

@JI~=~ 1:nscrição Estadual - Pessoa Jurídica I R.G. - Pessoa Física. Iguaçu. Destino do Efluente Final

@JI~=~ 1:nscrição Estadual - Pessoa Jurídica I R.G. - Pessoa Física. Iguaçu. Destino do Efluente Final -.., @JI= Secretaria do Estado do Melo Inst ituto Ambiental do Paraná O Instituto Ambiental do Paraná-IAP, com base na legislação ambiental e demais normas pertinentes, e tendo em vista o contido no expediente

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ CICLO DE DEBATES SOBRE AS PERSPECTIVAS DA INTEGRAÇÃO ELÉTRICA

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES PARA OUTORGA NA BACIA DO RIO SÃO MARCOS. Goiânia, 03 de agosto de 2016

ENCONTRO TÉCNICO DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES PARA OUTORGA NA BACIA DO RIO SÃO MARCOS. Goiânia, 03 de agosto de 2016 ENCONTRO TÉCNICO DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES PARA OUTORGA NA BACIA DO RIO SÃO MARCOS Goiânia, 03 de agosto de 2016 Desde as nascentes do ribeirão Samambaia (ponto extremo mais ao norte) até a foz do São Marcos

Leia mais

Submódulo 9.3. Planejamento anual de prevenção de cheias

Submódulo 9.3. Planejamento anual de prevenção de cheias Submódulo 9.3 Planejamento anual de prevenção de cheias Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Adquirida em Outubro/99 conforme Contrato de Concessão de Geração n. 92/99 Aneel

Adquirida em Outubro/99 conforme Contrato de Concessão de Geração n. 92/99 Aneel Histórico AES Tietê Adquirida em Outubro/99 conforme Contrato de Concessão de Geração n. 92/99 Aneel O Contrato de Concessão relaciona as instalações, sua capacidade instalada, bem como sua potência e

Leia mais

A AÇÃO DE UM CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL, FRENTE ÀS PENDENCIAS DAS MITIGAÇÕES DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UHE: UM ESTUDO DE CASO.

A AÇÃO DE UM CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL, FRENTE ÀS PENDENCIAS DAS MITIGAÇÕES DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UHE: UM ESTUDO DE CASO. CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO LAGO DA UHE LAJEADO A AÇÃO DE UM CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL, FRENTE ÀS PENDENCIAS DAS MITIGAÇÕES DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UHE: UM ESTUDO DE CASO. João Pessoa,

Leia mais

RESOLVE, EUGENIO SPLENGER - Presidente

RESOLVE, EUGENIO SPLENGER - Presidente RESOLUÇÃO Nº 4.145, de 26 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova a Norma Técnica NT 03/2010, que dispõe sobre a Análise Ambiental Integrada no âmbito do licenciamento de Aproveitamentos Hidrelétricos no Estado da

Leia mais

HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS

HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS HIDRELÉTRICAS E AS AMEAÇAS PARA O CERRADO EM GOIÁS A proposta de construção de mais de 90 barragens nos rios de Goiás provocará desastre no ambiente e na sociedade, com efeitos irreversíveis a curto, médio

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 002/2011 PROCESSO Nº 04734 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha IV, para contenção de rejeitos

Leia mais