Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitetura colonial na coleção do Museu Histórico Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitetura colonial na coleção do Museu Histórico Nacional"

Transcrição

1 EIXO TEMÁTICO: ( ) Ambiente e Sustentabilidade ( ) Crítica, Documentação e Reflexão ( ) Espaço Público e Cidadania ( ) Habitação e Direito à Cidade ( ) Infraestrutura e Mobilidade ( ) Novos processos e novas tecnologias (X) Patrimônio, Cultura e Identidade Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitetura colonial na coleção do Museu Histórico Nacional Hans Nobauer s Paintings. Documents of colonial architecture in the Museu Histórico Nacional collections Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitectura colonial en la colección del Museo Histórico Nacional MAGALHÃES, Aline Montenegro (1) (1) Doutora em História. Historiadora no Museu Histórico Nacional, professora de História na Universidade Estácio de Sá e pesquisadora associada no PROARQ/UFRJ. Rio de Janeiro, RJ, Brasil; 1

2 Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitetura colonial na coleção do Museu Histórico Nacional Hans Nobauer s Paintings. Documents of colonial architecture in the Museu Histórico Nacional collections Pinturas de Hans Nobauer. Documentos de arquitectura colonial en la colección del Museo Histórico Nacional RESUMO A coleção Hans Nobauer do Museu Histórico Nacional é constituída por 26 pinturas a óleo sobre madeira, sendo 25 representativas de edificações urbanas do período colonial. O propósito do presente trabalho é analisar a história desse conjunto na instituição, procurando identificar sua relação com a preservação de monumentos realizada pela Inspetoria de Monumentos Nacionais que funcionou no MHN entre 1934 e 1937, bem como que narrativas foram produzidas com a exposição das obras nas galerias do MHN desde a sua aquisição e como essas narrativas se inseriram na História do Brasil contada pelo Museu, procurando perceber em que medida as representações pictóricas da arquitetura colonial se constituíram num testemunho da história contada aos visitantes. PALAVRAS-CHAVE: Hans Nobauer ( ), Gustavo Barroso ( ), Museu Histórico Nacional (1922-), Inspetoria de Monumentos Nacionais ( ), Arquitetura, Arte ABSTRACT The Hans Nobauer collection, kept by the National Historical Museum (MHN), in Rio de Janeiro, is composed by 26 oil paintings on wood, being 25 out of that total representative of urban edifications from colonial era. The purpose of this article is to analyse the role played by this set of pictures in the institution s history, trying to identify its relationship to the preservation of monuments, an activity carried out by the Inspetoria de Monumentos Nacionais, a department working inside the MHN from 1934 to 1937, as well as to discuss the narratives generated by the exhibition of these works in the MHN galleries since its acquisition and the way these narratives eventually became part of the History of Brazil as told by the Museum, trying to understand to what extent pictorial representations of colonial architecture worked as a testimony of the history told to museum s visitors. KEY-WORDS: Hans Nobauer ( ), Gustavo Barroso ( ), Museu Histórico Nacional (1922-), Inspetoria de Monumentos Nacionais ( ), Architecture; Art RESUMEN La colección de Hans Nobauer del Museo Histórico Nacional está constituida por 26 pinturas al óleo sobre madera, siendo 25 representativas de edificaciones urbanas del período colonial. El propósito del presente trabajo es analizar la historia de ese conjunto en la institución, buscando identificar su relación con la preservación de monumentos realizada por la Inspectoría de Monumentos Nacionales que funcionó en el MHN entre 1934 y 1937, así como que narrativas fueron producidas con la exposición de las obras en las galerías del MHN desde su adquisición y como esas narrativas se insertaron en la Historia de Brasil contada por el Museo, intentando comprender en qué medida las representaciones pictóricas de la arquitectura colonial se constituyeron en un testimonio de la historia contada a los visitantes. PALABRAS-CLAVE: Hans Nobauer ( ), Gustavo Barroso ( ), Museu Histórico Nacional (1922-), Inspectoría de Monumentos Nacionales ( ), Arquitectura, Arte 2

3 1. INTRODUÇÃO Quem visita o circuito de exposição do Museu Histórico Nacional MHN inaugurado em 2009, mais especificamente a parte dedicada às quatro principais cidades do Estado do Brasil no século XVIII, quais sejam, Salvador, Ouro Preto, Mariana e Rio de Janeiro, do módulo Portugueses no Mundo, se depara com alguns quadros do pintor austríaco Hans Nobauer. São pinturas a óleo sobre madeira representando construções setecentistas, como a Ponte de Dirceu e a Igreja de Santa Efigênia, de Ouro Preto. Realizadas a partir de fotografias, datam de finais da década de A presença dessas obras junto a oratórios e imaginária religiosa barroca causa certo estranhamento em alguns visitantes, pelo anacronismo estilístico e de época. Mas essa reação já era esperada pela equipe curadora da exposição. E é justamente a partir de questionamentos do tipo o que esses quadros fazem aqui? que se realiza um diálogo de temporalidades entre o século XVIII e o XX. A legenda explica que, além de representarem as cidades onde a estética barroca se desenvolveu com força devido à intensa atividade mineradora e ao crescimento urbano, os quadros podem ser considerados fontes de informação sobre uma ação preservacionista da arquitetura colonial em Ouro Preto, que teve lugar no Museu Histórico Nacional. Caída mais tarde no esquecimento, aquela iniciativa ganha agora no circuito permanente da exposição a oportunidade de ser relembrada. O órgão por ela responsável era a Inspetoria de Monumentos Nacionais (IMN), criada como um departamento do MHN, pelo Decreto n.º , de 14 de julho de 1934, tendo funcionado até 1937, quando da criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional SPHAN, atual Instituto, IPHAN. Pode-se considerar que a primeira iniciativa de Gustavo Barroso, então diretor do MHN, à frente da Inspetoria foi a de compor um documentário iconográfico de arquitetura do período colonial. Alfredo Norfini, Hans Nobauer e José Wasth Rodrigues foram os principais autores das imagens que integram essa coleção, na qual os monumentos de Ouro Preto e de outras cidades mineiras foram os mais reproduzidos. A coleção Hans Nobauer do Museu Histórico Nacional é constituída por 26 pinturas a óleo sobre madeira, sendo 25 representativas de edificações urbanas do período colonial. O propósito do presente trabalho é analisar a história desse conjunto na instituição, procurando identificar sua relação com a preservação de monumentos realizada pela Inspetoria de Monumentos Nacionais que funcionou no MHN entre 1934 e 1937, bem como que narrativas foram produzidas com a exposição das obras nas galerias do MHN desde a sua aquisição e como essas narrativas se inseriram na História do Brasil contada pelo Museu, procurando perceber em que medida as representações pictóricas da arquitetura colonial se constituíram como um testemunho da história contada aos visitantes. 2. SOBRE O PINTOR Johann Hans Nöbauer nasceu em Viena no dia 15 de julho de Naquela cidade diplomouse pela Escola de Belas Artes, antes de participar da Primeira Guerra Mundial como oficial de reserva da cavalaria, com atuação na parte de mapeamento. Em 1921 chegou ao Brasil em missão do governo austríaco de reconhecimento e pesquisa da fauna e flora brasileira, instalando-se no Rio de Janeiro. A exemplo de viajantes europeus do século XIX que percorreram o país em busca de informações sobre a terra, sua natureza e população, com o 3

4 objetivo produzir conhecimento (GUIMARÃES, 2000; FERREIRA, 2012), em 1921, Nobauer realizou excursões às matas circundantes da cidade do Rio de Janeiro e a várias cidades do interior. Convocado a retornar para a Áustria, recusou-se e por aqui ficou, publicando seus desenhos na imprensa e ilustrando livros infantis. Tempos depois, começou a pintar profissionalmente e a dar aulas de pinturas, fabricando seus próprios materiais de trabalho, como tinta, telas e molduras. Entre finais da década de 1920 meados da década de 1930 integrou o grupo de artistas que recebia encomendas de interessados pelo registro documental e metódico de antigas construções dos tempos coloniais que pudessem se constituir também em material didático, destinado a normatizar as manifestações dos arquitetos que pretendessem seguir o seu apelo em prol do que chamava de arte tradicional (Kessel, 2008:90). É desse período que datam suas obras representando paisagens e edificações das cidades do interior de Minas Gerais, que tiveram sua história ligada à economia mineradora, realizadas sob encomenda do Palácio Episcopal de Mariana, do Governo Federal e do Museu Histórico Nacional. Trabalhou ao longo de 26 anos em vários ministérios e na prefeitura do Distrito Federal como técnico de projetos, pintor artístico, retratista e maquetista para exposições. Atuou em várias exposições internacionais, na decoração, elaboração de maquetes e dioramas, tendo participado, por exemplo, da criação dos pavilhões do Brasil em mostras realizadas em Sevilha, Antuérpia, Barcelona e Paris. Na década de 1930 trabalhou como diretor de marketing e propaganda de várias fábricas, como a Nestlé, a Cervejaria Brahma e a Mercedes Bens. Em 1936, além de prestar serviços para os partidários do nazismo no Rio de Janeiro, foi contratado pelo presidente Getúlio Vargas para ajudar na elaboração do projeto para a sede da prefeitura do Rio de Janeiro, com a construção de um diorama. Com a derrota alemã na II Guerra Mundial e a perseguição aos espiões alemães mundo afora, Nobauer se viu obrigado a parar sua produção artística e viveu um curto período no ostracismo. Até que, em 1947, foi convidado pelo Brigadeiro Antônio Guedes Muniz a trabalhar na fábrica Nacional de Motores como Técnico de Propaganda. O pintor faleceu no dia 2 de fevereiro de Um de seus últimos trabalhos foi a elaboração de maquetes e dioramas do estádio Mário Filho, o Maracanã PRIMEIROS CONTATOS Conforme constam dos diferentes processos de entrada de obras de Hans Nobauer no acervo do Museu Histórico Nacional, as 26 pinturas foram adquiridas mediante compra da instituição, sendo algumas realizadas por encomenda de Barroso. O primeiro processo é de 1931 e informa a compra dos quadros a óleo representando a Casa dos Contos e a Ponte de Dirceu. 2 Nesse período, Gustavo Barroso não estava na direção do MHN, tendo sido afastado da direção em 1 Informações sobre a trajetória do pintor presentes em documento mimeografado, sem autoria, atribuídas a registros do próprio Nöbauer e à memória de sua filha Elizabeth de Oliveira. Cf.: Dossiê do quadro "Casa da Câmara Municipal de Mariana, MG", nº SIGA 96. Reserva Técnica do Museu Histórico Nacional. 2 Nota de empenho em nome de Hans Nobauer. Documento nº 1. Processo nº. 20/31. DICOP. Museu Histórico Nacional. 4

5 finais de 1930 para retornar apenas em finais de Entretanto, Rodolfo Garcia deveria estar dando encaminhamento a processos iniciados anteriormente, como pagamento por encomendas de obras de arte realizadas por Barroso enquanto estava na direção. É muito provável que Barroso tenha conhecido o trabalho de Nobauer através de d. Helvécio, especialmente quando esteve em Ouro Preto, entre 1928 e 1930, inspecionando obras de restauração de monumentos, a serviço do Estado de Minas Gerais. Segundo informações presentes no mímeo que integra o dossiê de uma das obras, na Reserva Técnica do MHN, o pintor já havia realizado uma série de trabalhos artísticos contratado por d. Helvécio, entre 1925 e 1927 e realizado registro de igrejas mineiras a pedido do Governo Federal nesse último ano. O interesse pelo culto ao passado uniu Barroso e d. Helvécio em algumas ocasiões. Foi assim com a criação do Museu Arquiepiscopal de Arte e História na igreja de São Pedro, em Mariana, quando d. Helvécio elegeu Barroso como um dos protetores da instituição em carta a ele enviada em 8 de setembro de Barroso respondeu à missiva agradecendo pela indicação de seu nome, prometendo cooperar com a instituição e louvando a iniciativa. 5 Na semana seguinte, mais precisamente, no dia 11 de setembro, a revista Fon-Fon, então dirigida por Barroso, lançou uma matéria sob o título A Bandeira da Laguna, informando sobre o traslado desse objeto referente à Guerra do Paraguai da Igreja da Sé para o recém-inaugurado Museu por iniciativa do então Arcebispo de Mariana. A matéria vem ilustrada com uma fotografia do clérigo. Já o semanário datado de 18 de setembro traz uma página inteira com nota ilustrada intitulada Excursão a Mariana. Nesta há imagens de Barroso ao lado de d. Helvécio e a informação de que a viagem foi realizada por representantes da Sé e do governo da República para assistir à Festa da Bandeira do 17º de Voluntários, que é a Bandeira da Laguna. Em 1930, Barroso e d. Helvécio estiveram juntos em mais uma celebração. Tratava-se da comemoração do bicentenário de Aleijadinho, organizada por comissão presidida por d. Helvécio, da qual Barroso foi nomeado membro de honra juntamente com José Marianno Filho, Presidente Antônio Carlos, entre outros NOBAUER E A PRESERVAÇÃO DE MONUMENTOS NO MHN Embora conste nas anotações sobre Nobauer que o registro de paisagens era o que mais gostava de fazer, essa não é uma marca das obras que constituem a coleção do artista no Museu Histórico Nacional, diferente das três realizadas para o Palácio Episcopal, por exemplo, onde impera a vista geral e parcial das cidades de Ouro Preto e Mariana. 7 3 Por conta dos desdobramentos de outubro de 1930, Gustavo Barroso foi demitido "a pedido" da direção do Museu Histórico Nacional, ficando afastado por dois anos. Para saber mais a respeito, (Cf.: MAGALHÃES, 2009: 140). 4 Carta de d. Helvécio a Gustavo Barroso. Mariana, 07/09/1926. Documento nº. 35. Processo nº. 20/26. DICOP. Museu Histórico Nacional. 5 Carta de Gustavo Barroso a d. Helvécio. Rio de Janeiro, 04/09/1926 [sic]. Documento nº. 36. Processo nº. 20/26. DICOP. Museu Histórico Nacional. 6 Carta de Vicente Racioppi a Gustavo Barroso. Ouro Preto, 28/06/1930. Arquivo de cartas recebidas. ASDG2. Seção de Arquivo Institucional. Museu Histórico Nacional. 7 Informações sobre a trajetória do pintor presentes em documento mimeografado, sem autoria, atribuídas a registros do próprio Nöbauer e à memória de sua filha Elizabeth de Oliveira. Cf.: Dossiê do quadro Casa da Câmara Municipal de Mariana, MG, nº SIGA 96. Reserva Técnica do Museu Histórico Nacional. 5

6 No MHN, dos 26 quadros pintados a óleo sobre madeira, 25 representam edificações do período colonial, um é dedicado aos costumes da época e foi intitulado Festa colonial. Embora as construções integrem a paisagem das cidades, sendo 13 de Ouro Preto, 5 de Mariana, 2 de São João Del Rey e 1 de Sabará, Caeté e Piracuruca no Piauí, elas estão destacadas, correspondendo ao interesse das encomendas feitas por Barroso de valorização dos monumentos a serem preservados. Sobre a preservação de monumentos no Brasil, cabe lembrar as palavras de Lúcio Costa: para que tenhamos uma arquitetura logicamente nossa é mister procurar descobrir o fio da meada, isto é recorrer ao passado, ao Brasil colônia. Todo esforço nesse sentido deve ser recebido com aplausos. (Lúcio Costa, Apud KESSEL, 2008: 18) A busca pela arquitetura genuinamente nacional de Lúcio Costa era partilhada por outros arquitetos, artistas e intelectuais, como Gustavo Barroso que, em princípios do século XX, vivenciavam um momento de transformações no Brasil. Em especial nos grandes centros urbanos, onde padrões arquitetônicos e concepções estéticas europeias eram largamente adotados nas reformas de modernização das principais cidades do país que, desta forma, se viam superando o atraso e se igualando às urbes das principais potências europeias. No curso das reformas de saneamento, embelezamento e modernização das grandes cidades, sacrificaram-se edificações do período colonial vistas como obstáculo ao progresso. No Rio de Janeiro, por exemplo, observou-se a demolição do Convento d Ajuda, em 1911, para a construção de um moderno hotel americano, que não chegou a ser erguido no local onde hoje se encontra a Praça Floriano, mais conhecida como Cinelândia. Em 1922, assistiu-se ao desmonte do Morro do Castelo, a partir do que o prefeito Carlos Sampaio instalou a Exposição Comemorativa do Centenário da Independência do Brasil e construiu aterros para expandir a cidade. Em Salvador, a Catedral da Sé, edificada em 1580, foi derrubada em 1933 para criar um recuo da linha de bonde e construir uma praça no local. Aos poucos, vestígios do passado iam desaparecendo, provocando uma reação por parte dos homens de letras que passaram a lamentar, não apenas a destruição de remanescentes que poderiam servir de subsídios para a história (VIANNA, Apud, KESSEL, 2008: 73), mas sobretudo a importação de estilos arquitetônicos, como o eclético e o art nouveau, que, na sua concepção, nada tinham a ver com as nossas tradições. Olhar para trás e buscar o fio da meada no sentido de identificar as raízes da arquitetura brasileira, foi uma atitude tomada por alguns letrados, como os arquitetos, estudiosos e artistas que se notabilizaram no movimento Neocolonial, analisado por Carlos Kessel em sua obra Arquitetura neocolonial no Brasil: entre o pastiche e a modernidade. Foram pessoas como Ricardo Severo e José Marianno Filho que atuaram na regeneração da arquitetura colonial, deixando de vê-la como símbolo do atraso para enxergar nela um caminho para o progresso nacional, conforme as palavras de Severo ditas em conferência que marcou o início da arquitetura neocolonial no Brasil como movimento: para criar uma arte que seja nossa e do nosso tempo cumprirá... que não se pesquisem motivos, origens, fontes de inspiração, para muito longe de nós próprios, do meio em que decorreu o nosso passado e no qual, terá que prosseguir o nosso futuro. Ficará bem explícito que não se intima ao artista de hoje a postura inerte da esfinge, voltada em adoração estática para os mitos do passado, mas sim a atitude viva do caminhante que, olhando o futuro, tem que seguir um caminho demarcado pela experiência e pelo estudo do passado, e cuja única direção é o progresso e a glória das artes nacionais. É necessário, pois, que os jovens arquitetos nacionais deem princípio a uma nova era de RENASCENÇA BRASILEIRA; a eles ofereço esta lição inicial. Examinai todas as coisas disse São Paulo, Benedito patrono desta terra, em uma de suas epístolas e aproveitai o que é Bom. (Apud KESSEL, 2008:88) 6

7 A arquitetura colonial estava sendo regenerada por outro movimento também, o dos modernistas que, buscavam identificar a brasilidade voltando-se para o interior, valorizando o que poderia ser considerado de mais autêntico. Seus olhares concentraram-se na arte, no valor estético das cidades coloniais, sendo o barroco considerado expressão artística genuinamente nacional. Tarsila do Amaral passou a ter o barroco das cidades mineiras como fonte de inspiração para suas obras: O tour dos modernistas a Ouro Preto ficou documentado pela pintura de Tarsila do Amaral em diversos esboços feitos no decorrer da viagem, na qual a pintora afirmou ter recuperado as cores de sua infância. Ouro Preto e a obra de Aleijadinho foram considerados o ponto alto da viagem, causando forte impressão no grupo. (Apud ANASTASIA, LEMOS, JULIÃO, 1999:128) Embora com apropriações diferentes da arquitetura colonial, tanto modernistas, que a partir de 1937, teve um grupo à frente da criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional SPHAN, se consolidando no Estado como responsáveis pela preservação do Patrimônio Nacional, quanto neocoloniais, valorizavam a herança lusófona nos remanescentes artísticos e arquitetônicos coloniais. Gustavo Barroso, um dos adeptos do movimento neocolonial, lançou-se na preservação dos monumentos nacionais em 1928, quando se ofereceu para inspecionar obras de restauração em Ouro Preto pelo Estado de Minas Gerais então governado pelo Presidente Antônio Carlos. Foi desse período as primeiras encomendas a Nobauer. Até então, escrevia na imprensa artigos de apelo ao culto da saudade e aos monumentos das cidades históricas carentes de cuidados das autoridades. (BARROSO, 1911 e 1912) Anos depois, graças a apelos dele e de Rodolfo Garcia 8 que assumiu a direção do MHN quando esteve dois anos afastado da direção ao Governo Federal, foi criada a Inspetoria de Monumentos Nacionais, como um departamento do MHN, cujas normas de funcionamento foram estabelecidas no Decreto n.º , de 14 de julho de 1934, que aprova o novo regulamento do MHN. (MAGALHÃES, 2004). Foi neste ano que as encomendas de obras artísticas retratando monumentos aumentaram, não apenas a Hans Nobauer, mas também a José Wahst Rodrigues e a Alfredo Norfini. E o que se destaca nas pinturas de Nobauer são as representações das edificações do período colonial, em especial da cidade de Ouro Preto. Em 1935, Gustavo Barroso enviou para o Governo Federal seu Plano de restaurações em Ouro Preto, onde listava 26 monumentos a serem contemplados pelos trabalhos da Inspetoria. Entre eles constavam duas igrejas, 15 chafarizes e 6 pontes. Com o tempo, o número de construções tratadas pela IMN, até o encerramento de suas atividades em 1937, aumentou para mais de trinta, mas não ampliando em matéria de diversidade. Templos, pontes e chafarizes eram vistos por Barroso como testemunhas mudas de uma era de glória e de esplendor. Segundo ele, A par desses monumentos, os ambientes históricos, que tanto prestígio dão à cidade, precisam manter suas feições primitivas e se despojarem dos arranjos e 8 Cf.: Relatórios de atividades enviados ao Ministério de Educação e Saúde de 1931 e Série ASDG1. Arquivo Institucional do Museu Histórico Nacional. 7

8 consertos infelizes que chocam com a generalidade das coisas circundantes. 9 Por sua vez, a coleção Nobauer conta em suas representações pictóricas, para nos restringirmos apenas a Ouro Preto, com 5 pinturas de igrejas, 4 de chafarizes e 1 da Ponte de Dirceu, também conhecida como Antônio Dias. Vale citar também uma obra retratando a Casa de Marília de Dirceu (BARROSO, 1928) que já havia sido posta abaixo para a construção de uma escola no local, outra com a Casa dos Contos e outra ainda com a Casa de Câmara e Cadeia, onde atualmente funciona o Museu da Inconfidência, edificações que não chegaram a ser citadas para receber os cuidados da IMN. No que diz respeito às construções das demais cidades, a tipologia das representações é a mesma, o que nos faz refletir sobre a objetividade da arte a serviço dos trabalhos de preservação levados a cabo por Barroso, toda realizada a partir de documentação fotográfica. 10 No processo 14/34, por exemplo, temos a informação do pagamento de 3:100$000 a Hans Nobauer por quatro quadros a óleo de velhas igrejas de Minas encomenda do Museu. 11 No mesmo processo, consta ainda o ofício 91, de 13 de junho de 1934 encaminhando a 2ª via da Nota de empenho, no mesmo valor, relativo a quadros de assuntos históricos de autoria do sr. Hans Nobauer. 12 A caracterização do trabalho encomendado demonstra a preocupação com a formação de um documentário arquitetônico para compor o acervo do Museu Histórico Nacional. A denominação das obras como sendo de assuntos históricos, aliada às palavras de Barroso classificando os monumentos retratados e a serem restaurados como testemunhos de um tempo que não deveria ser esquecido, pelo contrário, deveria ser cultuado, nos oferece as pistas sobre o valor dado tanto aos vestígios, quanto às suas representações, qual seja, o valor de monumento histórico (RIEGL, 2013: 17), valor documental relativo a um determinado período ou acontecimento escolhido para ser estudado, imortalizado. Também nos aponta para a história do Brasil que se pretendia escrever nas ruas estreitas de Ouro Preto e nas galerias do Museu Histórico Nacional. 5. CONTAR HISTÓRIAS COM A COLEÇÃO NOBAUER Templos, pontes e chafarizes das cidades de Ouro Preto são vestígios de uma ação ordenadora do espaço, entendidos por Barroso como símbolos da missão civilizadora portuguesa 13 por ele tão valorizada, como se percebe em alguns de seus escritos, quando ao falar sobre Martin Afonso de Tibiriçá, o índio convertido ao catolicismo, que ajudou os portugueses a desbravar as matas e a fundar a cidade de São Paulo, considera: 9 BARROSO, Gustavo. Plano de Restaurações em Ouro Preto (1935). In: Anais do Museu Histórico Nacional. v.5 (1944). Rio de Janeiro, 1955, p O artista plástico Cristiano Sátiro Oliveira Ramos de Paula, em 2004, residente em Bananal, SP, possui o acervo fotográfico utilizado por Hans Nobauer para a produção das obras arquitetônicas adquiridas pelo Museu Histórico Nacional. 11 Processo nº 14/34. DICOP. Museu Histórico Nacional. 12 Idem. Doc. n Na visão de Gustavo Barroso, o Brasil era considerado um país civilizado, e daí, digno de orgulho dos brasileiros, graças à ação colonizadora portuguesa, em especial seu caráter cristão. Vide, entre outras obras de sua autoria, o livro Portugal semente de impérios lançado em O conceito de civilização, aqui expressa, segundo Norbert Elias, a consciência que o ocidente tem de si mesmo. Poderíamos até dizer a consciência nacional. Ele resume tudo em que a sociedade ocidental dos últimos dois ou três séculos se julga superior a sociedades mais antigas ou a sociedades contemporâneas mais primitivas. ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, vol. 1 p

9 Testemunha e personagem das principais, nessa época de fé e elevação moral, o morubixaba Tibiriçá foi, na verdade, o laço que uniu no mesmo instintivo desejo de progresso, no mesmo informe anseio de futuro o índio bravio e o aventureiro civilizado, sob os braços acolhedores, pacificadores e luminosos da Cruz. (BARROSO, 2013: 42) Nessa Perspectiva, as contribuições dos indígenas não civilizados e negros, quando abordadas, eram em plano secundário, pela via do folclore (BITTENCOURT, ). Mostrar como as origens do Brasil ligavam-se ao velho mundo, nas técnicas de construção, nos estilos artísticos e no caráter das edificações que se perpetuaram, a exemplo das igrejas, foi uma escolha considerada promissora para a construção da identidade nacional. Preservando os vestígios de tempos considerados áureos e difundindo suas imagens na considerada Casa do Brasil título reivindicado para o MHN em relatório enviado para o Ministério da Educação e Saúde, em Barroso contribuía para o culto às tradições portuguesas remanescentes no território nacional e para a valorização de uma história do Estado português que daria origem ao Estado Brasileiro, da religião católica e das elites dominantes, seguindo os moldes da historiografia produzida por Varnhagen no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro IHGB (Cf.: GUIMARÃES, 2011: 238). Segundo Claudia Damasceno Fonseca, Contrastando com os vastos sertões que as envolviam, as povoações de Minas Gerais eram vistas como núcleos de civilização: locus de vida social e religiosa [...] instrumentos para controlar e submeter a população bastante heterogênea que ali se instalou, servindo também de postos avançados para novos desbravamentos e conquistas. A instituição de vilas com vastos termos era o meio utilizado pela Coroa para fazer com que o braço da justiça e do fisco chegasse até os arraias mais longínquos, fundados nos confins das terras conhecidas e colonizadas. (FONSECA, 2011: 32) As imagens de Nobauer encomendadas por Barroso representavam fragmentos dessa cidade. Instituições ordenadoras e controladoras como igrejas, a Casa de Câmara e Cadeia e a Casa dos Contos, que contribuíam para o fortalecimento dessa visão dos centros urbanos mineiros. Hans Nobauer. Igreja de Santa Efigênia, Ouro Preto, Óleo sobre madeira. Fonte: Museu Histórico Nacional 14 MUSEU HISTÓRICO NACIONAL. Relatório de atividades de ASDG1. Arquivo Institucional. Museu Histórico Nacional. p

10 Hans Nobauer. Casa de Câmara e Cadeia. Ouro Preto, 192- Óleo sobre madeira Fonte: Museu Histórico Nacional. Ao serem adquiridas, as obras de Nobauer, como as demais foram colocadas à mostra no circuito expositivo. Além de, na época, não haver nenhum tipo de depósito ou reserva técnica para abrigar objetos fora das galerias, a praxe era expor ao público todo o acervo da instituição. A divulgação das obras funcionava como uma espécie de educação cívica, nas salas do Museu Histórico Nacional. Era uma forma de mostrar aos visitantes os monumentos relacionados a determinados acontecimentos históricos, a exemplo da Casa dos Contos, Casa de Câmara e Cadeia e Casa de Marília, ligados à Inconfidência Mineira. Seus vestígios representados pictoricamente assumiam um papel de prova dos fatos narrados nas exposições e na divulgação da monumentalidade arquitetônica do Brasil, de modo a instigar o orgulho dos visitantes brasileiros em fazer parte desse país. De outra parte, valorizava-se também o próprio trabalho da IMN, como instituição que preservava aqueles testemunhos do passado para que as futuras gerações pudessem conhecer e valorizar. Algumas fotos do circuito de 1940, por exemplo, mostram que as igrejas mineiras pintadas por Hans Nobauer foram expostas na sala Arnaldo Guinle, ou Sala religiosa. Já as edificações civis, como a Casa dos Contos e os chafarizes de Ouro Preto, do mesmo pintor, encontravam-se na Sala D. João VI, dedicada ao período colonial. Nesta sala, havia uma parte dedicada a Tiradentes com o óleo de Washt Rodrigues representando o inconfidente como Alferes (RIBEIRO, 1944: 23). O Guia do Visitante, publicado em 1955, mostra que poucas mudanças foram feitas no circuito de exposição na década de 50. Na parte dedicada à Sala D. João VI aparece imagem com as obras de Nobauer. No mesmo Guia as salas de arte sacra denominam-se Frei Henrique Coimbra e Cardeal Arcoverde. Nas suas fotografias aparecem as igrejas pintadas por Nobauer, mas na descrição, nenhuma atenção específica a elas: nelas se acha maravilhoso acervo de móveis, telas, crucifixos, imagens em madeira e marfim bem como outros objetos religiosos, considerado 10

11 uma das maiores coleções sacras da América do Sul.(Idem: 27) Pela disposição das obras Nobauerianas, percebe-se que compuseram a narrativa sobre a Inconfidência Mineira e a Igreja Católica e sua arte no circuito expositivo das décadas de 1940 e Serviram como uma espécie de ilustração e testemunho da história contada pelo Museu Histórico Nacional que homenageava patronos, clérigos e ao falar sobre a Inconfidência Mineira e o período colonial, laureava d. João VI, filho da rainha que ordena a pena de enforcamento a Tiradentes. 6. CONSIDERAÇÕES PARA HOJE O circuito expositivo do tempo de Gustavo Barroso foi desmontado pouco depois de seu falecimento, em As sucessivas direções investiram em novas exposições e, nos módulos permanentes inaugurados entre as gestões de Solange de Sampaio Godoy e Vera Lúcia Bottrel Tostes (1987 e 2000), as obras de Nobauer não foram vistas. Estavam na Reserva Técnica e foram tomadas como documentos da ação da Inspetoria de Monumentos Nacionais quando essa repartição foi objeto de estudos de uma dissertação de mestrado, realizada por mim, sob orientação do professor Manoel Luiz Salgado Guimarães, entre 2002 e Voltaram a ser expostas como representativas dessa ação preservacionista em duas mostras temporárias comemorativas dos 70 anos da IMN, em 2004 e dos 25 anos de elevação de Ouro Preto a Patrimônio da Humanidade, em Atualmente, são classificadas no acervo do MHN como pinturas documentais, que, segundo o Thesaurus para acervos museológicos significa, descrição exata de uma coisa qualquer, com exceção de fatos históricos e retratos de pessoas (BIANCHINI e FERREZ, 1987: 393). Algumas delas podem ser conhecidas no atual circuito permanente, conforme informado no início deste artigo. Ao compreender os problemas implicados em determinadas classificações, como a noção de que uma imagem é capaz de descrever com exatidão o que representa, que possamos explorar diferentes modos de ver (Cf.: KNAUSS, 2006: 113) esse acervo, atribuindolhes outros valores, novas definições e variados sentidos para a produção de outras histórias. 11

12 REFERÊNCIAS ANASTASIA, Carla Maria Junho, LEMOS, Carmen Silvia e JULIÃO, Letícia. Dos bandeirantes aos modernistas: um estudo sobre Vila Rica. In: Oficina do Inconfidência. Ouro Preto: Museu da Inconfidência, p , dez BARROSO, Gustavo. Museu Militar. Jornal do Commércio, Rio de Janeiro, 25/09/ (João do Norte). Culto da saudade. Jornal do Commércio, Rio de Janeiro, 22/12/ O tacape de Tibiriçá. In: Segredos e revelações da história do Brasil. Brasília: Senado Federal, p BIANCHINI, Maria Helena S. e FERREZ, Helena Dodd. Thesaurus para acervos museológicos. Rio de Janeiro: Fundação Nacional Pró-memória. Coordenadoria Geral de Acervos Museológicos, BITTENCOURT, José Neves. Cada coisa em seu lugar. Ensaio de interpretação do discurso de um museu de história. In: Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. Vol. 8/9. São Paulo: o Museu paulista, p , ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, FERREIRA, Maria De Simone. Museus imperiais: uma viagem às imagens do Brasil na narrativa de Carl Von Koseritz. Rio de Janeiro: Cassará, FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas D'El Rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: UFMG, GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. História e Natureza em Von Martius: esquadrinhando o Brasil para construir a nação. História, ciências, saúde Manguinhos, vol. XVII (2), , jul-out KESSEL, Carlos. Arquitetura Neocolonial no Brasil: entre o pastiche e a modernidade. Rio de Janeiro: Jauá, Historiografia e nação no Brasil: Rio de Janeiro: EdUERJ, KNAUSS, Paulo. O desafio de fazer História com imagens: arte e cultura visual. ArtCultura. Uberlândia, v. 8, n. 12, jan-jun, MAGALHÃES, Aline Montenegro. Colecionando relíquias... um estudo sobre a Inspetoria de Monumentos Nacionais Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro. Programa de Pósgraduação em História Social da UFRJ, Troféus da guerra perdida: um estudo histórico sobre a escrita de si de Gustavo Barroso. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ. Rio de Janeiro, RIEGL, Alois. O culto moderno dos monumentos e outros ensaios estéticos. Lisboa: edições 70, RIBEIRO, Adalberto Mário. O Museu Histórico Nacional. Separata da Revista do serviço público. Ano VII, v.1, n. 2. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Fevereiro de

Além das visitas do primeiro do roteiro Ouro Preto [1 dia], sugerimos conhecer também:

Além das visitas do primeiro do roteiro Ouro Preto [1 dia], sugerimos conhecer também: Além das visitas do primeiro do roteiro Ouro Preto [1 dia], sugerimos conhecer também: Próximo à Praça Tiradentes, ao lado do Museu da Inconfidência, estão a Igreja de Nossa Senhora do Carmo e o Museu

Leia mais

Colorir sobre o 7 de Setembro

Colorir sobre o 7 de Setembro Desenhos para Pintar e Colorir sobre o 7 de Setembro 7 de Setembro Olá amigos e amigas do SOESCOLA. Hoje trago para vocês algumas sugestões de Desenhos para Colorir com o tema da Independência do Brasil

Leia mais

Largos, Chafarizes e Pontes

Largos, Chafarizes e Pontes 78 Guia Ouro Preto Largo da Alegria (Praça Silviano Brandão) Rua Teixeira Amaral - Centro. Largo de Coimbra Largo de Coimbra (São Francisco de Assis) Largos, Chafarizes e Pontes Largo que existe entre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: ARQ 5624 ARQUITETURA BRASILEIRA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: ARQ 5624 ARQUITETURA BRASILEIRA I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: ARQ 5624 ARQUITETURA BRASILEIRA I Profs.: Dalmo Vieira Filho Rodrigo Almeida Bastos PLANO DE ENSINO 2 O. SEMESTRE

Leia mais

A construção do tempo nacional na historiografia brasileira do século XIX Estágio docente da doutoranda Nathália Sanglard

A construção do tempo nacional na historiografia brasileira do século XIX Estágio docente da doutoranda Nathália Sanglard UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA A construção do tempo nacional na historiografia brasileira do século XIX Estágio docente da doutoranda Nathália Sanglard Ementa:

Leia mais

Pesquisa de doutorado pela fauusp recebe importante prêmio nacional

Pesquisa de doutorado pela fauusp recebe importante prêmio nacional Pesquisa de doutorado pela fauusp recebe importante prêmio nacional prêmio marta rossetti batista reconhece pesquisa que propõe método e abordagem inéditos sobre arquitetura religiosa de ouro preto no

Leia mais

Revista CPC, São Paulo, n.20, p , dez

Revista CPC, São Paulo, n.20, p , dez Nota explicativa um arquivo de pesquisa Eduardo Costa Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brasil Pós-doutorando no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas-Unicamp, onde

Leia mais

IV SEMINÁRIO IGREJA E BENS CULTURAIS EVANGELIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO ARQUITETURA E ARTE DO SAGRADO

IV SEMINÁRIO IGREJA E BENS CULTURAIS EVANGELIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO ARQUITETURA E ARTE DO SAGRADO IV SEMINÁRIO IGREJA E BENS CULTURAIS EVANGELIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO ARQUITETURA E ARTE DO SAGRADO ARTE SACRA NO ESPIRITO SANTO bens móveis integrados: uma perspectiva histórica e estética Attilio Colnago

Leia mais

BARROCO BRASIL. Disciplina: História da Arte PROFª:DANIELLI P.

BARROCO BRASIL. Disciplina: História da Arte PROFª:DANIELLI P. BARROCO "INCÊNDIO EM MARES DE ÁGUA DISFARÇADO! RIO DE NEVE EM FOGO CONVERTIDO!" (GREGÓRIO DE MATOS) BRASIL Disciplina: História da Arte PROFª:DANIELLI P. BARROCO NO BRASIL O Barroco no Brasil teve início

Leia mais

AMARILIS CHAVES DADOS ACADÊMICOS

AMARILIS CHAVES DADOS ACADÊMICOS AMARILIS CHAVES Amarílis Chaves nasceu em Belo Horizonte, onde muito cedo despertou para as Artes Plásticas, nunca mais tendo parado este percurso, sempre na procura de traço certo, da forma pura. DADOS

Leia mais

Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil

Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil Página: 01 Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil O Itaú Cultural inaugurou no sábado, dia 13, o Espaço Olavo Setubal, que apresenta de

Leia mais

HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL

HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL Período colonial: 1784_ Casa dos Pássaros, Casa de História Natural. Colecionava e preparava (taxidermizava) produtos naturais, aves e adornos indígenas para Lisboa. 1808_chegada

Leia mais

Bens em regime de proteção federal IPHAN

Bens em regime de proteção federal IPHAN Bens em regime de proteção federal IPHAN Casa de Câmara e Cadeia de Santos Número do Processo: 545 - T. Livro das Belas Artes: inscrição n.º 448, fl. 83, 12/05/59. Tombamento pelo CONDEPHAAT: inscrição

Leia mais

Arte no Brasil Colonial. Arquitetura e urbanismo. 8º ano

Arte no Brasil Colonial. Arquitetura e urbanismo. 8º ano Arte no Brasil Colonial Arquitetura e urbanismo 8º ano - 2013 A arte no Brasil colonial (1500 a 1808) foi marcada pela forte influência européia. O principal estilo que surge neste período é o BARROCO,

Leia mais

Cultura material e imaterial

Cultura material e imaterial Cultura material e imaterial Patrimônio Histórico e Cultural: Refere-se a um bem móvel, imóvel ou natural, que possua valor significativo para uma sociedade, podendo ser estético, artístico, documental,

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 D2 D3 D4 D5 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes Reconhecer a influência das diversidades étnico-raciais na formação da sociedade brasileira em diferentes tempos e espaços.

Leia mais

INFORMAÇÕES TURÍSTICAS EM BELO HORIZONTE

INFORMAÇÕES TURÍSTICAS EM BELO HORIZONTE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS EM BELO HORIZONTE http://www.soubh.com.br/pontos-turisticos/ https://www.guiabh.com.br/turismo PASSEIOS E PACOTES TURÍSTICOS (BELO HORIZONTE E REGIÃO) TOURS REGULARES - PREÇOS ESPECIAIS

Leia mais

1- A revisão historiográfica da arte brasileira do século XIX / início do XX.

1- A revisão historiográfica da arte brasileira do século XIX / início do XX. Ementa de Curso/Linha: HCA Período: 2012.2 Disciplina: História e Crítica da Arte séc. XIX - II Código: BAC 767 (M: 3579) BAC 813 (D: 3580) Nome do Curso: Arte, Ensino e Academia Professor: Sonia Gomes

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

1ª aula: 12/03 Módulo I Trabalhando os conceitos de memória, história e patrimônio (Apresentando os conceitos de memória e patrimônio)

1ª aula: 12/03 Módulo I Trabalhando os conceitos de memória, história e patrimônio (Apresentando os conceitos de memória e patrimônio) Fundação Oswaldo Cruz Casa de Oswaldo Cruz Programa de Pós-Graduação em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde Disciplina: Instituições de Memória Status: Eletiva Curso: Mestrado

Leia mais

IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA PAMPULHA: GUIA DO VISITANTE

IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA PAMPULHA: GUIA DO VISITANTE IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA PAMPULHA: GUIA DO VISITANTE Autor: Luiz Gonzaga Teixeira Editora: PUC Minas Ano: 2008 Páginas: 68 Resumo: O Guia do Visitante tem a finalidade de auxiliar aqueles que,

Leia mais

Curso: Arquitetura e Urbanismo - Profª: Dra. Ana Paula C. Gurgel REVISÃO DA ARQUITETURA DO PERÍODO COLONIAL E DO IMPÉRIO NO BRASIL

Curso: Arquitetura e Urbanismo - Profª: Dra. Ana Paula C. Gurgel REVISÃO DA ARQUITETURA DO PERÍODO COLONIAL E DO IMPÉRIO NO BRASIL Curso: Arquitetura e Urbanismo - Profª: Dra. Ana Paula C. Gurgel REVISÃO DA ARQUITETURA DO PERÍODO COLONIAL E DO IMPÉRIO NO BRASIL Maria Fernanda Derntl Fundações de vilas e cidades no Brasil Plano para

Leia mais

Cliente: Itaú Cultural Veículo: IstoÉ Gente Online Data: 14/01/2015 Página: 01 Seção: Home

Cliente: Itaú Cultural Veículo: IstoÉ Gente Online Data: 14/01/2015 Página: 01 Seção: Home Página: 01 Página: 02 Paisagens brasileiras Depois de quatro anos de reformas, o Itaú Cultural, em São Paulo, abre para o público o Espaço Olavo Setubal, que exibirá as mais importantes representações

Leia mais

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura 1916 Acervo IHGRGS Reconversão Econômica do 4º Distrito Bairros Floresta,

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Noite)

Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) 1. Em 1881, a Câmara dos Deputados aprovou uma reforma na lei eleitoral brasileira, a fim de introduzir o voto direto. A grande

Leia mais

Bernardelli: vida e obra

Bernardelli: vida e obra Projeto Bernardelli Objetivos do projeto O objetivo do Projeto Bernardelli é apresentar o estudo realizado na obra de arte, em suporte de papel, "Retrato de uma jovem dama", de Henrique Bernardelli, e

Leia mais

Rio Abaixo. Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados

Rio Abaixo. Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados do lo a c n o G o Sa Rio Abaixo Patrimônio Cultural Bens Tombados e Registrados Igreja Matriz de São Gonçalo do Amarante Igreja construída em terreno doado por José de Holanda Braga, em 1733. O retábulo

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Série: 8ª - Ensino Fundamental Professora: Michelle Fialho Atividades para Estudos Autônomos Data: 23 / 5 / 2016 Nome: _ Nº Turma: INTRODUÇÃO

Leia mais

PERCEPÇÕES LOCAIS DO PATRIMÔNIO: A ESCOLA SENAC DE MARÍLIA.

PERCEPÇÕES LOCAIS DO PATRIMÔNIO: A ESCOLA SENAC DE MARÍLIA. 146 PERCEPÇÕES LOCAIS DO PATRIMÔNIO: A ESCOLA SENAC DE MARÍLIA. Licenciado e Mestre em História pela Unesp, Doutor em História pela PUC/SP. Professor Titular na Unip, PEB II na Secretaria de Estado da

Leia mais

São as histórias de todos envolvidos nesse processo que queremos contar.

São as histórias de todos envolvidos nesse processo que queremos contar. Durante muitos anos as pinturas em fachadas, muros, faixas e cartazes desenvolveram um papel essencial de comunicação no cenário urbano. Porém, com a introdução de novas tecnologias digitais na indústria

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Ano: 5º - Ensino Fundamental - Data: 26 / 11 / 2018 CONTEÚDO 1 a AVALIAÇÃO O Brasil se moderniza; Era Vargas; Cidadania

Leia mais

RESUMOS Discente do curso de mestrado em História e Crítica da Arte do Programa de Pósgraduação

RESUMOS Discente do curso de mestrado em História e Crítica da Arte do Programa de Pósgraduação RESUMOS 2014 A OBRA MURAL DE BANDEIRA DE MELLO Rafael Bteshe Discente do curso de mestrado em História e Crítica da Arte do Programa de Pósgraduação em Artes Visuais da UFRJ. Docente do Ensino Médio e

Leia mais

Família fazendo arte! inscreva-se. sobrinhos e amigos! Palestra Oficinas Vídeo Web Site Exposição*

Família fazendo arte! inscreva-se. sobrinhos e amigos! Palestra Oficinas Vídeo Web Site Exposição* Palestra Oficinas Vídeo Web Site Exposição* A CRIANÇA EM VOCÊ irá fazer Arte junto com seus filhos, netos, sobrinhos e amigos! Família fazendo arte! inscreva-se novas turmas } Arte na InfânciA http://www.imagozoi.com.br/avonetoarte.html

Leia mais

O Comboio em Portugal. Departamento de Informática Universidade do Minho Campus de Gualtar. Telefone: Fax:

O Comboio em Portugal. Departamento de Informática Universidade do Minho Campus de Gualtar. Telefone: Fax: O Comboio em Portugal Departamento de Informática Universidade do Minho Campus de Gualtar 4710-057 BRAGA Telefone: 253.604457 Fax: 253.604471 http://ocomboio.net 034 Primeiro centenário do Caminho de ferro

Leia mais

UFU. Sugestões para o trabalho com Artes Plásticas Manual Provas 18 e 19/04 09 e 10/05

UFU. Sugestões para o trabalho com Artes Plásticas Manual Provas 18 e 19/04 09 e 10/05 UFU Sugestões para o trabalho com Artes Plásticas Manual 2015-2 Provas 18 e 19/04 09 e 10/05 HISTÓRIA Eixo Temático 1 O Processo Histórico (p. 36) Conhecer e interpretar fontes de informações sobre o passado,

Leia mais

Castelo de Leiria. Igreja de Santa Maria da Pena

Castelo de Leiria. Igreja de Santa Maria da Pena Castelo de Leiria Castelo medieval, artística e arquitetonicamente representativo das diversas fases de construção e reconstrução desde a sua fundação até ao século XX. Estruturas que compõem o conjunto

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

ABRIL 2012 MONOGRAFIAS

ABRIL 2012 MONOGRAFIAS ABRIL 2012 MONOGRAFIAS BARÃO DE FORRESTER : RAZÃO E SENTIMENTO : UMA HISTÓRIA DO DOURO : 1831- -1861 Barão de Forrester : Razão e Sentimento : Uma História do Douro : 1831-1861. - [S. l.] : Museu do Douro,

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: TÉCNICAS RETROSPECTIVAS CÓDIGO: TAU079 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: CARGA HORÁRIA: TEÓRICA: 45 horas PROFESSOR: Marco Antônio

Leia mais

Turismo cultural cultura

Turismo cultural cultura Turismo cultural É certo que o conceito de cultura é extremamente amplo, entretanto quando se fala de Turismo cultural este obtém uma conotação restritiva. O termo Turismo Cultural designa uma modalidade

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 1º SEMESTRE 2017

ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 1º SEMESTRE 2017 ATIVIDADE COMPLEMENTAR A FAU/CEATEC PUC-CAMPINAS 1º SEMESTRE 2017 Unidade Acadêmica: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Titulo da Atividade: Viagem de Estudos a Belo Horizonte e Ano: 1º semestre 2017

Leia mais

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses.

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Colônia é o período da História do Brasil que engloba os anos de 1500 a 1822. Ele começa com a chegada

Leia mais

FASVS. Ver, Experimentar. Projeto. Э Recriar. Renato J.C. Santos

FASVS. Ver, Experimentar. Projeto. Э Recriar. Renato J.C. Santos FASVS Renato J.C. Santos Projeto Ver, Experimentar Э Recriar 2 Projeto Pedagógico Museu Arpad Szenes Vieira da Silva Apresentação A Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva cumprindo os objectivos a que se

Leia mais

Patrimônio Histórico. Tradicionalmente refere-se à herança composta por um complexo de bens históricos.

Patrimônio Histórico. Tradicionalmente refere-se à herança composta por um complexo de bens históricos. Patrimônio Histórico Tradicionalmente refere-se à herança composta por um complexo de bens históricos. Todavia, esse conceito vem sendo substituído pela expressão patrimônio cultural, que é muito mais

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental PROCEDIMENTOS METODOLÓGICO QUAL O SIGNFICADO PARA VIDA PRÁTICA

PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental PROCEDIMENTOS METODOLÓGICO QUAL O SIGNFICADO PARA VIDA PRÁTICA PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental Capítulo 1: A construção da historia. Cultura e tradição Cultura: costumes que permanecem O registro como fonte histórica. Capitulo

Leia mais

METODOLOGIA DE CATALOGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU ETNOGRÁFICO DA COLÔNIA MACIEL

METODOLOGIA DE CATALOGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU ETNOGRÁFICO DA COLÔNIA MACIEL METODOLOGIA DE CATALOGAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ACERVO FOTOGRÁFICO DO MUSEU ETNOGRÁFICO DA COLÔNIA MACIEL GEHRKE, Cristiano 1 ; SILVEIRA, Graciela 2 ; CERQUEIRA, Fábio 3 ; 1,2 Acadêmicos do curso de Licenciatura

Leia mais

Planaltina história e cultura

Planaltina história e cultura Planaltina história e cultura Planaltina Planaltina tem a peculiaridade de ser uma cidade no Planalto Central que antecede a construção de Brasília e traz em sua identidade características sertanejas.

Leia mais

Forte de S. Francisco Xavier Castelo do Queijo

Forte de S. Francisco Xavier Castelo do Queijo Forte de S. Francisco Xavier Castelo do Queijo Porto Praça Gonçalves Zarco 4100-274 Porto Tel: 22 618 10 67 3ª a Domingo : 13.00 às 18.00 Encerra: 2ª Fª Escolas, reformados e deficientes: gratuito. Restante

Leia mais

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1 Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem (1896-1977) 1 Rodrigo Weber Klahr 2 Rafael C.M. Meinecke 3 Paulo Ernesto Scortegagna 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS.

Leia mais

RIF Ensaio Fotográfico

RIF Ensaio Fotográfico RIF Ensaio Fotográfico Mirim Santos: o artista de Ouro Preto Elaine Schmitt 1 As fotografias que compõem esse ensaio fotográfico foram feitas na cidade de Ouro Preto, Minas Gerais, em frente à Igreja Católica

Leia mais

As imagens de Tiradentes

As imagens de Tiradentes As imagens de Tiradentes Observe a imagem abaixo: Resposta de Tiradentes à comutação da pena de morte dos Inconfidentes. Leopoldino de Faria. Vamos analisar essa imagem, partindo apenas dela mesma? Descreva-a:

Leia mais

Museu Florestal Octávio Vecchi anuncia restauro aberto do tríptico de Hélios Seelinger

Museu Florestal Octávio Vecchi anuncia restauro aberto do tríptico de Hélios Seelinger Museu Florestal Octávio Vecchi anuncia restauro aberto do tríptico de Hélios Seelinger Paula Regina Di Francesco Picciafuoco A partir de março de 2018 se iniciou, no Museu Florestal Octávio Vecchi, um

Leia mais

Descobrir Europa. 1. Dia: Viena

Descobrir Europa. 1. Dia: Viena Descobrir Europa 1. Dia: Viena Chegada em Viena. Excursao panorâmica pela cidade, durante a que vai ver todos os pontos mais importantes de Viena. O passeio pelo Ringstrasse, que inclui a Ópera Estatal,

Leia mais

Patrimônios Culturais 60H

Patrimônios Culturais 60H Universidade Federal de Goiás Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Curso de Mestrado em Antropologia Social Disciplina: Patrimônios Culturais 60H Prof. Manuel Ferreira Lima Filho mflimafilho@yahho.com.br

Leia mais

De Ceilândia para Amsterdã, artista volta às origens para exibir mostra no DF Distrito Federal G1 DISTRITO FEDERAL

De Ceilândia para Amsterdã, artista volta às origens para exibir mostra no DF Distrito Federal G1 DISTRITO FEDERAL DISTRITO FEDERAL De Ceilândia para Amsterdã, artista volta às origens para exibir mostra no DF Pintora Júlia dos Santos, criada no DF, expõe cerca de 40 pinturas com bandeirolas juninas. Artista vive na

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA Fixação 1) (UFRN) No século XVIII, teve início a exploração da região mineradora no Brasil, provocando transformações importantes na economia colonial,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CATALOGAÇÃO DA INSTRUÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS DE PORTO NACIONAL E NATIVIDADE (SÉC. XIX).

IDENTIFICAÇÃO E CATALOGAÇÃO DA INSTRUÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS DE PORTO NACIONAL E NATIVIDADE (SÉC. XIX). IDENTIFICAÇÃO E CATALOGAÇÃO DA INSTRUÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS DE PORTO NACIONAL E NATIVIDADE (SÉC. XIX). Eliana Batista dos Santos 1 ; Benvinda Barros Dourado 2 1 Aluna do Curso de História; Campus de

Leia mais

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho A Exposição Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho Quadro Geral da Disciplina Museológica 1 Museologia Geral Teoria museológica (fato museológico) História dos museus Administração museológica Curadoria

Leia mais

ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX

ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX Pintura Brasileira século XIX Assim como a arquitetura, a pintura irá assimilar as mudanças sociais e políticas. Criaram-se neste período, no Brasil, empresas de mineração,

Leia mais

Minas ganha museu dedicado ao Estado

Minas ganha museu dedicado ao Estado Minas ganha museu dedicado ao Estado Espaço usa a tecnologia para mostrar as tradições, cultura e história do povo mineiro O Governo de Minas Gerais e a Vale inauguraram, em 30 de novembro de 2010, o Memorial

Leia mais

MAPEAMENTO SOCIOCULTURAL

MAPEAMENTO SOCIOCULTURAL ZL VÓRTICE MAPEAMENTO SOCIOCULTURAL em parceria com o SESC ZL VÓRTICE MAPEAMENTO SOCIOCULTURAL O PERIGO DA HISTÓRIA ÚNICA Se ouvimos somente uma única história sobre uma outra pessoa ou país, corremos

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO. PARA O CONCURSO PÚBLICO DO IPHAN e IBRAM Autarquias do Ministério da Cultura

CURSO PREPARATÓRIO. PARA O CONCURSO PÚBLICO DO IPHAN e IBRAM Autarquias do Ministério da Cultura CURSO PREPARATÓRIO PARA O CONCURSO PÚBLICO DO IPHAN e IBRAM Autarquias do Ministério da Cultura IPHAN - Instituto do Patrmônio Histórico e Artístico Nacional IBRAM - Instituto Brasileiro de Museus Público-alvo:

Leia mais

Carga Horária das Disciplinas e Atividades Acadêmicas

Carga Horária das Disciplinas e Atividades Acadêmicas Carga Horária das Disciplinas e Atividades Acadêmicas LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA - Grade Curricular Sugerida (C/H) Primeiro Período Seminário, Educação e Sociedade 40 Introdução aos Estudos Históricos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO UNIDADE ACADÊMICA: FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO: MUSEOLOGIA DISCIPLINA: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO MUNDIAL CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 horas CARGA HORÁRIA TOTAL: 64 ANO/SEMESTRE:

Leia mais

TIRADENTES O HERÓI DA INCONFIDÊNCIA

TIRADENTES O HERÓI DA INCONFIDÊNCIA Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2014. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: Edição IV MMXIV Fase 3 Grupo B TIRADENTES O HERÓI DA INCONFIDÊNCIA Capitanias hereditárias

Leia mais

Obs. Todas as disciplinas relacionadas já são registradas e codificadas. Pertencem ao DFCH com Carga Horária - 60 horas Créditos: 2T1P.

Obs. Todas as disciplinas relacionadas já são registradas e codificadas. Pertencem ao DFCH com Carga Horária - 60 horas Créditos: 2T1P. Anexo DISCIPLINAS OPTATIVAS DO CURSO A) Disciplinas Optativas do Eixo da Formação Científico-Cultural FCH358 - Antropologia do Imaginário: Analisar a constituição do imaginário social, a partir de uma

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR (ES):

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR (ES): I.IDENTIFICAÇÂO PLANO DE CURSO ANO 01 ESCOLA ESTADUAL CONTEÙDO: TURMA:7º ano Nº DE AULAS SEMANAIS: PROFESSOR (ES): OBJETIVOS GERAIS *Promover a aquisição de ferramentas intelectuais e a formação de atitudes

Leia mais

Sociedade do Ouro. Prof. Victor Creti

Sociedade do Ouro. Prof. Victor Creti Sociedade do Ouro Prof. Victor Creti Expedições militares Ocupação do território brasileiro Expansão para o sertão: Fatores facilitadores: União Ibérica: folga do Tratado de Tordesilhas; Princípio do Uti

Leia mais

PRESENÇA JESUÍTICA NA VILA DE PARANAGUÁ: O PROCESSO DE ESTABELECIMENTO DO COLÉGIO JESUÍTICO ( ).

PRESENÇA JESUÍTICA NA VILA DE PARANAGUÁ: O PROCESSO DE ESTABELECIMENTO DO COLÉGIO JESUÍTICO ( ). PRESENÇA JESUÍTICA NA VILA DE PARANAGUÁ: O PROCESSO DE ESTABELECIMENTO DO COLÉGIO JESUÍTICO (1708-1759). Meiri Cristina Falcioni Malvezzi * RUCKSTADTER, Vanessa Campos Mariano. Presença jesuítica na Vila

Leia mais

A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922.

A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922. A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922. Foi um encontro de novas ideias estéticas, que mudaram a arte

Leia mais

Regulação Semestral do Processo Ensino Aprendizagem 4º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data:

Regulação Semestral do Processo Ensino Aprendizagem 4º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Regulação Semestral do Processo Ensino Aprendizagem 4º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Disciplina: História Professor: Luis Fernando Caro estudante; Ao longo do bimestre desenvolvemos diversas

Leia mais

A vila de 1713 José Maurício de Carvalho

A vila de 1713 José Maurício de Carvalho A vila de 1713 José Maurício de Carvalho Comemoramos este ano os trezentos anos da elevação do arraial velho à condição de vila. O fato se deu em 1713, quando reinava em Portugal D. João V. Na organização

Leia mais

ÍNDICE. O Império Colonial em Questão: Problemas e Perspetivas, Agradecimentos... Siglas...

ÍNDICE. O Império Colonial em Questão: Problemas e Perspetivas, Agradecimentos... Siglas... ÍNDICE O Império Colonial em Questão: Problemas e Perspetivas, Miguel Bandeira Jerónimo.... Agradecimentos... Siglas... VII XIII XV 1. OS GOVERNOS DO IMPÉRIO: IDEOLOGIA, POLÍTICA E GUERRA... 1 Terror e

Leia mais

ACERVOS BRASILEIROS NOS TRÊS REGISTROS DO PROGRAMA MOW MOW REGISTRO INTERNACIONAL FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

ACERVOS BRASILEIROS NOS TRÊS REGISTROS DO PROGRAMA MOW MOW REGISTRO INTERNACIONAL FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL ACERVOS EIROS NOS TRÊS REGISTROS DO PROGRAMA MOW MOW REGISTRO INTER 1 THE EMPEROR S COLLECTION: BRAZILIAN AND FOREIGN PHOTOGRAPHY IN THE NINETEENTH CENTURY. 2 ARQUIVO PÚBLICO CEARÁ CEARÁ, 2003 DO ESPÍRITO

Leia mais

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional 2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial São Luís, 24 a 27/02/2016 A EMBRATUR Missão

Leia mais

O Aleijadinho e sua oficina catálogo das esculturas Devocionais

O Aleijadinho e sua oficina catálogo das esculturas Devocionais O Aleijadinho e sua oficina catálogo das esculturas Devocionais Autores: Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Olinto Rodrigues dos Santos Filho, e Antonio Fernando Batista dos Santos Editora: Capivara Ano:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS - ICH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS - ICH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS - ICH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ALFREDO FERREIRA LAGE, SUAS COLEÇÕES E A CONSTITUIÇÃO DO MUSEU MARIANO PROCÓPIO JUIZ

Leia mais

Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo

Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo Identificação do Monumento: Casa do Corpo Santo Outra designação: Casa do Corpo Santo (Museu do Barroco) Localização: Terreiro de Santa Maria, Setúbal, Portugal Data: 1714 (palácio primitivo do século

Leia mais

TÍTULO: HABITAÇÃO E MODOS DE VIVER: UM PONTO DE VISTA CONTEMPORÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

TÍTULO: HABITAÇÃO E MODOS DE VIVER: UM PONTO DE VISTA CONTEMPORÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA TÍTULO: HABITAÇÃO E MODOS DE VIVER: UM PONTO DE VISTA CONTEMPORÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

P L A N I F I CA ÇÃ O ANUAL

P L A N I F I CA ÇÃ O ANUAL P L A N I F I CA ÇÃ O ANUAL DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR: 290 - EMRC DISCIPLINA: EMRC NÍVEL DE ENSINO: Secundário CURSO: - - - - - - - - - - - - - - - - - ANO: 12º - ANO LETIVO:

Leia mais

Ilustração de Helena Zália AGENDA JUL-SET 2018

Ilustração de Helena Zália AGENDA JUL-SET 2018 Ilustração de Helena Zália AGENDA JUL-SET 2018 EXPOSIÇÕES 5 MAI - 31 AGO ILUSTRAÇÃO À VISTA A ilustração tem vindo a assumir uma importância crescente nas criações da Vista Alegre. Uma relação íntima demonstrada

Leia mais

A Redução de São Miguel Arcanjo

A Redução de São Miguel Arcanjo 1 Leia o texto a seguir, observe a imagem e responda às questões. A Redução de São Miguel Arcanjo A Redução de São Miguel Arcanjo foi fundada em 1632 na região do Tape. Porém, devido aos ataques de paulistas

Leia mais

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola Património Mundial CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola História, características A sua importância na identidade L o c a l i z a ç ã o Património Mundial O Classificado

Leia mais

Origami de Chapéu e espada de Soldado

Origami de Chapéu e espada de Soldado Origami de Chapéu e espada de Soldado Aqui você irá aprender a fazer um origami de chapéu de soldado. É muito fácil, ótimo para iniciantes na arte de dobrar papel e não leva muito tempo pra ficar pronto.

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ARQUITETURA E CULTURA BRASILEIRA CÓDIGO: ACR021 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 60

Leia mais

Nome do Curso: Historiografia da arte - séculos XVII, XVIII e XIX - e os conceitos definidores de estilos, períodos e movimentos artísticos

Nome do Curso: Historiografia da arte - séculos XVII, XVIII e XIX - e os conceitos definidores de estilos, períodos e movimentos artísticos Ementa de Curso/Linha: HCA Período: 2018.1 Disciplina: HISTÓRIA E CRÍTICA DA ARTE Código: BAC 764 (M) e BAC 810 (D) NOS SÉCULOS XVI AO XVIII - 1 Nome do Curso: Historiografia da arte - séculos XVII, XVIII

Leia mais

MINAS GERAIS AGOSTO DE 2017

MINAS GERAIS AGOSTO DE 2017 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bacharelado em História da Arte Ação de Extensão Arte, Cultura e Patrimônio no Território do Ouro SEGUNDA EDIÇÃO MINAS GERAIS AGOSTO DE 2017 INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Igreja Nossa Senhora da Candelária de Itu (SP) passará por restaurações

Igreja Nossa Senhora da Candelária de Itu (SP) passará por restaurações Igreja Nossa Senhora da Candelária de Itu (SP) passará por restaurações Local é considerado um dos maiores símbolos do barroco no Estado. Obras vão custar quase R$ 7 milhões e serão acompanhadas pelos

Leia mais

Histórico da Preservação do Patrimônio no Brasil. José La Pastina Filho Professor da UFPr e Superintendente do IPHAN/PARANÁ

Histórico da Preservação do Patrimônio no Brasil. José La Pastina Filho Professor da UFPr e Superintendente do IPHAN/PARANÁ Histórico da Preservação do Patrimônio no Brasil José La Pastina Filho Professor da UFPr e Superintendente do IPHAN/PARANÁ 1 Século XVIII 1742: Carta de D. André de Mello e Castro, Vice Rei do Brasil ao

Leia mais

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista Gisele da S. Gonçalves Roberta de S. Ramalho Palavras-chave: Percepção ambiental.

Leia mais

poeira de ouro projeto pedagógico Cândida Vilares Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP (11)

poeira de ouro projeto pedagógico Cândida Vilares Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP (11) projeto pedagógico Cândida Vilares Vera Vilhena poeira de ouro Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br www.editoramelhoramentos.com.br

Leia mais

DEMOLIÇÕES DO LARGO DO COIMBRA ATUAÇÃO DO SPHAN E IMPACTO NA POPULAÇÃO.

DEMOLIÇÕES DO LARGO DO COIMBRA ATUAÇÃO DO SPHAN E IMPACTO NA POPULAÇÃO. DEMOLIÇÕES DO LARGO DO COIMBRA ATUAÇÃO DO SPHAN E IMPACTO NA POPULAÇÃO. OLIVEIRA, ADRIANA G. 1. UFMG. FACULDADE DE ARQUITETURA - MACPS Rua Carlos Sá, 190 AP 201, Santa Amélia, Belo Horizonte, CEP: 31550-200

Leia mais

Temas de orientação dos professores do PPGHIS

Temas de orientação dos professores do PPGHIS ANEXO I Temas de orientação dos professores do PPGHIS Andréa Casa Nova Maia Doutora em História (UFF, 2002). Linhas de pesquisa: Sociedade e Cultura; Sociedade e Política. Temas de orientação: história

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

programas escolares

programas escolares programas escolares 2018-2019 O Serviço Educativo do Castelo de S. Jorge disponibiliza vários programas de atividades que têm por objetivo estimular a compreensão de diversos aspetos de continuidade espácio-temporal

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL Período: 2016/02 PLANO DE ENSINO

Disciplina: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL Período: 2016/02 PLANO DE ENSINO Disciplina: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL Período: 2016/02 Curso: Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo Projeto e Cidade Prof. Responsável: Dr. Yussef Daibert Salomão de Campos PLANO DE

Leia mais

[Candidatura Valorização do Centro Histórico do Porto Património Mundial 28 de Fevereiro de Dossier de fotografias.

[Candidatura Valorização do Centro Histórico do Porto Património Mundial 28 de Fevereiro de Dossier de fotografias. Dossier de fotografias 2008 a 2011 1 Levantamento de cada parcela (1796) dentro da área classificada. (mais de 5000 fotografias no total) Julho - Setembro de 2008 e 2010 Figure 1 Parcela 14045014 no 2008

Leia mais

A cartografia do período colonial brasileiro e a Igreja Católica

A cartografia do período colonial brasileiro e a Igreja Católica A cartografia do período colonial brasileiro e a Igreja Católica Ana de Lourdes Ribeiro da Costa Professora Adjunta da Faculdade de Arquitetura da UFBA Esta representação marcada pelo elemento religioso

Leia mais

PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE A REGIÃO VINHATEIRA DO ALTO DOURO OU ALTO DOURO VINHATEIRO

PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE A REGIÃO VINHATEIRA DO ALTO DOURO OU ALTO DOURO VINHATEIRO PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE A REGIÃO VINHATEIRA DO ALTO DOURO OU ALTO DOURO VINHATEIRO A região vinhateira do Alto Douro ou Alto Douro Vinhateiro é uma área do nordeste de Portugal com mais de 26 mil hectares,

Leia mais

Aula 12 PATRIMÔNIO DE PEDRA E CAL: A ARQUITETURA. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula 12 PATRIMÔNIO DE PEDRA E CAL: A ARQUITETURA. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula 12 PATRIMÔNIO DE PEDRA E CAL: A ARQUITETURA META Demonstrar a ação preservacionista voltada para arquitetura. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar as principais características

Leia mais