Professor Vinícius Vanir Venturini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor Vinícius Vanir Venturini"

Transcrição

1 Demografia Pirâmides etárias. 01 (FGV) A partir de levantamentos demográficos, o órgão da ONU que estuda a população elaborou as pirâmides etárias que representam modelos de estrutura demográfica dos continentes. Observe as pirâmides I, II e III, referentes ao ano de 2010, apresentadas a seguir. ( Considerando a dinâmica demográfica predominante em cada continente, pode-se afirmar que a pirâmide a) I é representativa da explosão demográfica observada nas décadas de 1960/80 na América Latina. b) II é característica da Ásia, onde o crescimento demo- gráfico é garantido pelos imigrantes. c) II é típica da Europa, que reduziu a natalidade a partir das últimas décadas do século XX. d) III é característica da África, onde a transição demográfica encontra-se nas fases iniciais. e) III é típica da Oceania, onde os grupos humanos apresentam elevada taxa de fecundidade 02 (UEPB) Considerando que as pirâmides são gráficos que representam a estrutura de uma população distribuída por faixa de idade e sexos, observe as pirâmides 1, 2 e 3 e assinale com V ou com F as proposições, conforme sejam respectivamente Verdadeiras ou Falsas em relação à interpretação das mesmas. (AA) A base larga da pirâmide 1 indica uma alta expectativa de vida, que corresponde no geral aos países subdesenvolvidos, era a pirâmide típica do Brasil até o censo de (AA) A pirâmide 2 indica que o país apresenta uma elevação da expectativa de vida e que a população passa por um processo de envelhecimento. Assemelha-se à pirâmide que o Brasil começa a esboçar a partir dos anos (AA) A pirâmide 3 indica que o país apresenta uma baixa taxa de natalidade ao lado de uma baixa expectativa de vida, é a pirâmide típica dos países de economia emergente, a exemplo do Brasil e da Índia. (AA) A pirâmide 1 indica que o país necessita fazer altos investimentos em educação e saúde para qualificar sua mão-de-obra jovem enquanto que a pirâmide 3 indica que o país enfrenta altos gastos com aposentadorias, assistência social e carência de mão-de-obra nativa. A sequência correta das assertivas é a) F V F V b) V F V F c) V V V V d) F F F F e) F F V V

2 03 (ULBRA) Observe as duas pirâmides etárias a seguir: Pirâmide A Pirâmide B Fonte: Organização das Nações Unidas e Wikimedia Commons A diferença entre as duas informações é que: a) a primeira é característica de países da Europa central, enquanto a segunda é predominante em países da América Anglo-saxônica. b) a primeira é mais comum em países em desenvolvimento, como o Brasil, enquanto a segunda é exclusiva de países com elevada densidade demográfica, como a China. c) a primeira faz referência a países pouco urbanizados e subdesenvolvidos, e a segunda é proveniente de países industrializados centrais. d) a primeira destaca o envelhecimento rápido da população, e a segunda, uma maior estabilidade demográfica. e) a primeira está relacionada com as elevadas taxas de mortalidade infantil, enquanto a segunda está associada a uma baixa expectativa de vida 04 (UFPE) Analise o gráfico a seguir: Considerando os indicadores apresentados no gráfico e as atuais mudanças no processo de envelhecimento da população brasileira, é CORRETO afirmar que a) a expectativa de vida no Brasil vem aumentando muito célere, consequentemente apresentando taxas de longevidade acima da de países com índice de desenvolvimento humano elevado em aspectos, como saúde, escolarização e nutrição. b) de acordo com os indicadores demográficos, o Brasil se encontra no início do estágio de transição de país jovem para país maduro. O percentual de idosos é semelhante ao de países, como Suécia, Itália e Serra Leoa. c) apesar das mudanças ocorridas na estrutura etária da população brasileira, entre as décadas de 1960 e 2010, o país continua demograficamente jovem, com elevadas taxas de natalidade e

3 de mortalidade e com uma baixa expectativa de vida para a população em geral. d) a taxa de fecundidade no Brasil vem declinando, e a proporção de idosos vem crescendo mais rapidamente que a proporção de crianças. Contudo, esse processo de envelhecimento populacional não ocorre de maneira uniforme, em todas as regiões brasileiras. e) o envelhecimento da população brasileira é oriundo do intenso processo de urbanização em todas as suas regiões. Por isso, o aspecto triangular da pirâmide etária vem apresentando, nas últimas décadas, um aumento percentual do bônus demográfico de homens e mulheres. 05 (UCSC) Considere o gráfico a seguir: Fonte: IBGE/ Censo O gráfico apresenta três momentos da transição demográfica do Brasil. A respeito da sua dinâmica populacional, analise as afirmativas: I. Os gráficos revelam que a expectativa de vida da população brasileira obteve um aumento significativo desde a década de 50. Algumas das razões desse crescimento vertiginoso foram as melhorias nas condições de saúde, campanhas de vacinação, cuidados alimentares, coleta de lixo e saneamento. II. As taxas de natalidade no Brasil e o número de filhos diminuíram nos últimos anos. As principais razões são a grande difusão de métodos contraceptivos, o elevado custo na criação de filhos e a significativa participação das mulheres no mercado de trabalho. III. O Brasil está caminhando para um aumento no número de idosos e uma baixa taxa de natalidade, o que poderá trazer problemas futuramente como a falta de mão de obra e gastos excessivos com a previdência social. IV.A análise do gráfico revela que população do Brasil tende a diminuir à medida que a taxa de fecundidade aumenta. É correto o que se afirma APENAS em: a) I e II. b) II, III e IV. c) I, III e IV. d) II e III. e) I, II e III. 06 (UFRGS) Sobre a estrutura etária de uma determinada população e sua respectiva representação gráfica, considere as seguintes afirmações. I- A pirâmide etária revela importantes aspectos da situação socioeconômica de uma população. II- O declínio das taxas de natalidade causa um estreitamento na base da pirâmide. III- A redução nas taxas de mortalidade e o consequente aumento da expectativa de vida são representados pelo alargamento da base da pirâmide. Quais estão corretas?

4 a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas III d) Apenas I e II e) I, II e III 07 (UFRGS) Entre os dados populacionais importantes para possíveis planejamentos socioeconômicos, destaca-se a composição etária da população. Considere o gráfico abaixo, analisando os dois tipos de estrutura etária apresentados e correlacionando a estrutura etária com o nível de desenvolvimento econômico dos países hipotéticos (1,2, 3, 4, 5 e 6). Com base no gráfico são feitas as seguintes afirmações. I) Os países com estrutura etária do tipo X tem grande concentração de população na faixa etária acima de 20 anos, grande crescimento vegetativo e uma alta expectativa de vida. II) Nos países com estrutura etária do tipo Y, nota-se uma elevada população com menos de 20 anos, altas taxas de natalidade e baixa expectativa de vida. III) A estrutura etária do tipo X é típica dos países centrais; já a estrutura etária do tipo Y é típica dos países periféricos. Quais estão corretas? a) Apenas I. b) Apenas III. c) Apenas I e III. d) Apenas II e III. e) I, II e III. 08 (UERJ) O Globo, 25/04/2010 Nas duas últimas décadas, o governo federal vem propondo ações no sentido de oferecer uma resposta às transformações na composição etária da população brasileira. Essas ações têm seguido uma tendência que se manifesta mais diretamente na seguinte iniciativa: a) revisão das bases da legislação sindical b) alteração das regras da previdência social c) expansão das verbas para o ensino fundamental d) ampliação dos programas de prevenção sanitária

5 09 (ENEM) Composição da população residente urbana por sexo, segundo os grupos de idade - Brasil /2010 Pirâmide Etária Urbana Brasileira Composição da população residente rural por sexo, segundo os grupos de idade - Brasil 1991/2010 Pirâmide Etária Rural Brasileira Fonte: IBGE, Censo Demográfico 1991/2010 BRASIL. IBGE, Censo Demográfico Rio de Janeiro, A interpretação e a correlação das figuras sobre a dinâmica demográfica brasileira demonstram um (a) a) menor proporção de fecundidade na área urbana. b) menor proporção de homens na área rural. c) aumento da proporção de fecundidade na área rural. d) queda da longevidade na área rural. e) queda do número de idosos na área urbana. 10 (UFOP) Leia os fragmentos de texto a seguir, de Luiz Antônio Oliveira, demógrafo e coordenador dosetor de população e indicadores sociais do IBGE. A população brasileira está envelhecendo em ritmo acelerado e até 2050 quase 30% da população do país terá acima de 60 anos e a expectativa de vida deverá chegar aos 81 anos. Por sua vez, o número de pessoas entre 0 e 14 anos se encontra em declínio. Com taxa de fecundidade abaixo do nível de reposição, nascem cada vez menos crianças no país, [...]. Em 2008, a esperança de vida de um brasileiro ao nascer é de 72,7 anos, bem maior que no passado em 1940, era de 45,5 anos. Ou seja, estamos vivendo 27,2 anos a mais. Se separarmos por sexo, veremos que, em 2008, a média de vida para as mulheres está em 76,6 anos e, para os homens, em 69 anos, uma diferença de 7,6 anos. (Fonte:. Acesso em: 06 maio 2010.) Sobre as mudanças na dinâmica demográfica da população brasileira, assinale a alternativa INCORRETA. a) A taxa baixa de fecundidade da população brasileira e o aumento gradativo do número de idosos são fatores que interferem na composição da população economicamente ativa PEA. b) Entre as razões da diminuição das taxas de natalidade, encontram-se a melhoria nos níveis de educação e de inserção social, as mudanças nos padrões de família e o maior acesso aos métodos anticoncepcionais. c) Entre as razões que fazem com que a expectativa de vida dos homens seja menor do que a das mulheres, está a mortalidade de jovens do sexo masculino entre os 18 e 30 anos por causas

6 associadas à violência. d) O ritmo do crescimento populacional do Brasil é, ainda hoje, igual ao da década de 1950, fato que, conjugado ao aumento da expectativa de vida, faz do Brasil um país densamente povoado. 11 (PUCRS) O Brasil tem hoje, aproximadamente, de habitantes. Sobre esse contexto populacional, que compreende grandes diversidades, podemos afirmar: I. A expectativa de vida do brasileiro com mais de 65 anos vem melhorando nas últimas décadas. II. O número de jovens de 0 a 15 anos apresenta menor crescimento na base da pirâmide etária. III. Os estados mais populosos são os que têm a maior extensão territorial. IV. O índice de fecundidade da população feminina, em idade fértil, tem apresentado dados cada vez mais elevados. Estão corretos apenas os itens a) I e II. b) I e IV. c) III e IV. d) I, II e III. e) II, III e IV. 12 (PUCPR) A estrutura demográfica brasileira caracteriza-se por: a) Aumento nas taxas de fecundidade e natalidade e aumento nos indicadores de mortalidade infantil, indicando aumento do crescimento vegetativo. b) Aumento da fecundidade, redução da expectativa de vida e aumento das imigrações, indicando crescimento da população adulta. c) Aumento da expectativa de vida, diminuição das taxas de fecundidade e de mortalidade e aumento da população com idade superior a 60 anos. d) Aumento da natalidade e da expectativa de vida, indicando crescimento demográfico significativo da população de 0 a 5 anos. e) Aumentos das emigrações, indicando a falta de perspectivas de vida e decréscimo na quantidade de população jovem e adulta. 13 (PUCMG) A população brasileira está cada vez mais velha, seguindo uma tendência que se observa desde Pessoas com 60 anos ou mais, que eram 7,9% da população brasileira em 1992, passaram a ser 11,1% no ano passado. Já o índice de crianças de até 9 anos, que representavam 22,1% dos brasileiros há 17 anos, chegou a 15,5% em As constatações são da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgadas nesta sexta-feira. (Folha de S.Paulo. 18/09/2009.) Essas mudanças observadas na estrutura etária da população brasileira estão relacionadas aos seguintes fatores, EXCETO: a) Redução da taxa bruta de natalidade, em todas as regiões e classes sociais. b) Diminuição da taxa bruta de mortalidade e elevação da expectativa média de vida da população. c) Elevação das taxas de mortalidade infantil, em virtude da redução da renda média da população mais pobre. d) Maior acesso da população aos métodos contraceptivos, além de melhoria gradual do nível de escolarização e do nível de renda das famílias mais pobres. 14 (UCB) IBGE: cresce esperança de vida no Brasil Em 2010, a esperança de vida ao nascer, no Brasil, era de 73,48 anos (73 anos, 5 meses e 24 dias), um incremento de 0,31 anos (3 meses e 22 dias) em relação a 2009, e de 3,03 anos (3 anos e 10 dias) sobre o indicador de A esperança de vida ao nascer, para os homens, era de 69,73 anos e, para as mulheres, de 77,32 anos, uma diferença de 7,59 anos (7 anos, 7 meses e 2 dias). A taxa de mortalidade infantil para o Brasil, em 2010, foi estimada em 21,64 por mil nascidos vivos, indicando redução de 28,03% ao longo da década. I. (AA) Existem explicações variadas para a maior expectativa de vida das mulheres em relação à dos homens, mas, de uma forma geral, essa situação é comum em quase todos os países do globo.

7 II. (AA) O aumento da expectativa de vida, assim como a redução da mortalidade infantil refletem avanços na melhoria da qualidade de vida do país na última década. III. (AA) Os resultados apresentados pelo IBGE permitem inferir que a redução na taxa de mortalidade infantil ocorreu de forma sempre constante e linear nas diferentes Unidades da Federação. IV. (AA) A redução da mortalidade infantil tem relação direta com a participação crescente da mulher nos diferentes setores da economia. V. (AA) Maior expectativa de vida significa aumento da população idosa no país. Esse aumento, por sua vez, exige políticas públicas e privadas para atender às necessidades diversificadas dessa parcela da população brasileira. 15 (UERJ) A partir da análise do gráfico, é possível projetar a redução da demanda por investimento público no seguinte segmento: a) sistema de previdência social b) infraestrutura de apoio ao turismo c) rede de escolas de ensino fundamental d) programa de atendimento médico-hospitalar 16 (UERJ) Pirâmide Etária brasileira ( ) Nas duas últimas décadas, o governo federal vem propondo ações no sentido de oferecer uma resposta às transformações na composição etária da população brasileira. Essas ações têm seguido uma tendência que se manifesta mais diretamente na seguinte iniciativa: a) revisão das bases da legislação sindical b) alteração das regras da previdência social c) expansão das verbas para o ensino fundamental d) ampliação dos programas de prevenção sanitária

8 17 (UERJ) A análise das pirâmides etárias possibilita perceber algumas tendências da dinâmica demográfica de uma sociedade. Observe a estrutura etária da população dos estados brasileiros em 2000: A macrorregião brasileira que deverá demorar mais para concluir seu processo de transição demográfica é a: a) Centro-Oeste b) Nordeste c) Sudeste d) Norte e) Sul 18 (IFG) Conforme os dados do IBGE (2010) a População Economicamente Ativa foi de 22,3 milhões. Na comparação anual, houve alta no contingente da indústria extrativa, na transformação e distribuição de eletricidade, gás e água, nos serviços prestados, nos aluguéis, dentre outros. Analisando o trecho acima com os seus saberes é correto afirmar que: a) Na População Economicamente Ativa são incluídas pessoas acima de 18 anos que trabalham, com exceção dos desempregados. b) De setembro de 2009 a setembro de 2010 diminuiu a taxa de rendimentos e ocupação de pessoas. c) A inserção da mulher no mercado de trabalho é um fator irrelevante para a mensuração da variação do rendimento familiar. d) População economicamente inativa (PEI) corresponde à parcela da população que não está empregada como crianças, idosos, deficientes, estudantes, ou que não exercem atividades remuneradas como donas de casa. e) Infere-se que um dos motivos para o decréscimo do rendimento real habitual poderia ser a

9 instalação de UHE s gerando emprego e renda. 19 (PUCPR) Considerando-se os dois últimos recenseamentos e as estimativas atuais sobre crescimento demográfico brasileiro, verifica-se: a) Cresceu a porcentagem de jovens. b) Diminuiu o número de velhos. c) Há menos mulheres. d) A base das pirâmides está mais larga nos últimos anos. e) Aumentou o número de adultos e idosos. 20 (IFRO) A população brasileira cresceu 0,9%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Neste ano, o Brasil tem 201,03 milhões, ou seja, 1,79 milhão a mais do que no ano passado (199,24 milhões). O crescimento é menor do que o observado entre 2011 e 2012, que havia sido 0,93%. Segundo o pesquisador do IBGE Gabriel Borges, a tendência é que o ritmo de crescimento da população caia até 2042, ano em que a população brasileira para de crescer. A população vai crescendo, cada vez menos, até 2042, quando começa a diminuir, disse ele (...). (ABDALA, V. População brasileira cresce 0,9% entre 2012 e Agência Brasil, Disponível em: Uma possível consequência direta da progressiva diminuição do crescimento populacional do Brasil nos próximos anos é: a) a redução do número de mortes. b) o envelhecimento populacional c) a ampliação da população economicamente ativa proporcionalmente a população economicamente inativa. d) o controle das migrações internas inter-regionais. e) o fim do inchaço habitacional nas metrópoles. 21 (FGV) As pirâmides apresentam a estrutura etária da população em 1980 e a sua projeção para Analisando a inversão da pirâmide, é correto afirmar que ela traz como consequência a

10 a) superação do desequilíbrio das populações feminina e masculina, em decorrência do aumento da expectativa de vida. b) urgência na ampliação dos investimentos em educação de base e formação de mão de obra qualificada para o setor produtivo. c) redefinição das metas das políticas públicas para atender à maior demanda por serviços em todas as faixas etárias. d) diminuição da oferta de emprego na faixa etária da população em idade produtiva. e) necessidade de conciliar o crescimento do número de aposentados com a diminuição da população economicamente ativa. 22 (IFPE) É correto afirmar-se sobre as características atuais da estrutura da população brasileira: a) No Brasil, o crescimento vegetativo ou natural continua apresentando índices muito baixos, típicos de países desenvolvidos. b) De 1992 para 2001, a participação dos menores de 10 anos na população total vem aumentando de 18,7% para 22,1%. c) A atual estrutura da população brasileira apresenta aumento das taxas de natalidade e de mortalidade e redução da expectativa de vida. d) No processo de transição demográfica, vem aumentando a participação da população de jovens e reduzindo-se a de idosos no conjunto total da população. e) No processo de transição demográfica, vem se reduzindo a participação da população jovem e aumentando a de idosos no conjunto total da população. 23 (UEPB) Acompanhando uma tendência mundial, o crescimento da população brasileira vem diminuindo nas últimas quatro décadas. [...] Além de estar crescendo menos, a população brasileira também apresenta outra característica: o envelhecimento. (Coleção Almanaque Abril. no p. 4) Este processo de mudanças no perfil da população brasileira, que é denominado transição demográfica, tem como características: I. O aumento da longevidade e da queda da fecundidade e da mortalidade, sobretudo, com o progresso da medicina e das condições sanitárias. II. A diminuição do número de filhos por famílias em razão das transformações econômicas e sociais que levaram a mulher ao mercado de trabalho. III. A mudança no desenho da pirâmide etária brasileira que passa a apresentar base mais estreita e topo mais largo. IV. O aumento da participação dos homens na pirâmide etária, que passaram a viver mais que as mulheres, as quais, tornaram-se mais expostas à mortalidade por homicídios e acidentes. Estão corretas apenas as proposições a) I, II e III. b) III e IV. c) I, III e IV. d) II e III. e) I, II e IV. 24 (UFRJ) O envelhecimento da população está mudando radicalmente as características da população da Europa, onde o número de pessoas com mais de 60 anos deverá chegar nas próximas décadas a 30% da população total. Graças aos avanços da medicina e da ciência, a população está cada vez mais velha. Isso ocorre em função do: a) Declínio da taxa de natalidade e aumento da longevidade. b) Aumento da natalidade e diminuição da longevidade. c) Crescimento vegetativo e aumento da taxa de natalidade. d) Aumento da longevidade e do crescimento vegetativo. e) Declínio da taxa de mortalidade e diminuição da longevidade.

11 25 (UEPB) Ministério da Defesa, Exército Brasileiro A estrutura etária da população tem reflexos importantes na economia de um país. Logo, a tendência dos grupos etários representados no gráfico nos leva à reflexão de que: I - Em 1980, 38% da população tinham entre 0 a 14 anos de idade, em 2000 esse percentual cai para 29%, e, de acordo com as projeções do IBGE, em 2020 as crianças e jovens menores de 14 anos serão apenas 23% da população do país. II - A participação relativa de idosos na população total vem aumentando significativamente. Em 1980, as pessoas com mais de 60 anos de idade representavam apenas 6%; em 2000 já perfaziam 7% e em 2020 totalizarão 13%. III - As estatísticas oficiais afirmam que em 2006, 97% das população entre 7 a 14 anos frequentavam a escola. Como a população, nessa faixa etária, tende a diminuir em termos relativos e a permanecer estável em termos absolutos, não será necessário ampliar o número de vagas já existentes nas escolas fundamentais e sim melhorar a universalização do ensino médio e a qualidade das escolas, em todos os níveis. IV - A projeção nos mostra que nas próximas décadas haverá um acelerado crescimento da população de idosos, resultante do aumento da expectativa de vida. Essas alterações no padrão demográfico brasileiro agravam a crise estrutural do sistema de previdência social no Brasil, mas, por outro lado, aumentam de maneira significativa a importância dos idosos no mercado de consumo (casas de repouso, atividades recreativas, educação continuada na área de informática, ensino de línguas estrangeiras e uma boa pedida para a indústria do turismo). Estão corretas: a) Apenas as proposições II e III b) Apenas as proposições I e II c) Todas as proposições d) Apenas as proposições II e IV e) Apenas as proposições I e IV 26 (UNIFESP) Observa-se no Brasil atual um desequilíbrio entre gêneros na população brasileira, causado a) pela maior presença de mulheres no mercado de trabalho, que gera violência doméstica contra mulheres, resultando em mais homens no Brasil. b) pela violência urbana e pela maior exposição dos homens a acidentes, resultando no predomínio de mulheres no Brasil. c) pelo crescente desemprego estrutural e de separações, o que leva ao aumento de suicídio de mulheres e ao predomínio masculino entre a população brasileira. d) pela escolaridade mais elevada e pelos melhores salários pagos às mulheres, o que leva homens aos negócios ilícitos e à sua morte, levando à maior presença feminina. e) pelo extermínio de homens líderes sindicais e pelo confinamento de mulheres como escravas brancas, que geram um saldo populacional positivo de mulheres no país.

12 27 (FGV) Em setembro de 2012 foi divulgada pelo IBGE a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios) referente ao ano de Um dos dados revelados mostra a diminuição da taxa de fecundidade total para níveis abaixo da reposição, 1,7 filhos/mulher. Este fato apresenta várias implicações, dentre as quais, a) o aumento das diferenças socioeconômicas regionais. b) a redução do movimento migratório a partir da década de c) a imediata estabilização da população economicamente ativa. d) a redução das diferenças entre as faixas etárias. e) a desaceleração do ritmo de crescimento da população. 28 (FGV) As características demográficas de um país são dinâmicas e alteram-se ao longo da história, segundo diferentes contextos socioeconômicos. Recentemente, o IBGE identificou algumas mudanças no perfil da população brasileira, entre as quais, a diminuição da população masculina em relação à feminina nas regiões metropolitanas e, por outro lado, o aumento da população masculina em relação à feminina em alguns estados das Regiões Norte e Centro- Oeste, além de um envelhecimento geral da população. Assinale a alternativa que melhor explique pelo menos uma dessas alterações. a) É natural que exista uma população masculina maior nas áreas rurais, dadas as características das atividades agropecuárias. b) O envelhecimento da população explica-se pela baixa qualidade de vida de que dispõe o povo brasileiro, em média. c) Nas Regiões Norte e Centro-Oeste, as más condições de vida afetam principalmente mulheres e crianças, o que explica o aumento proporcional da população masculina. d) A violência nas regiões metropolitanas envolve mais a população masculina, o que ajuda a explicar a diminuição proporcional dessa população em relação à feminina nessas regiões. e) O aumento da população feminina nas regiões metropolitanas explica-se pelo êxodo rural, ou seja, a busca de trabalho nas frentes agrícolas pela população masculina. 29 (FATEC) A análise da atual pirâmide etária brasileira permite afirmar que houve um estreitamento da base e um alargamento do topo, demonstrando I. a diminuição das taxas de natalidade. II. o aumento das taxas de mortalidade infantil. III. o aumento da expectativa de vida. IV. o aumento das taxas de fecundidade. Estão corretos SOMENTE os itens a) I e II. b) I e III. c) I e IV. d) II e III. e) II e IV. 30 (EsPCEx2012) Assinale a alternativa que apresenta características da dinâmica populacional de um país quando este conclui a sua transição demográfica. a) Alta taxa de fecundidade e de mortalidade. b) Alta taxa de natalidade e baixa taxa de mortalidade. c) Alta taxa de fecundidade e baixa taxa de mortalidade. d) Baixa taxa de fecundidade e alta taxa de mortalidade. e) Baixa taxa de natalidade e de mortalidade. Demografia Índice de Desenvolvimento Humano - IDH. 31 (UFRGS) Entende-se por Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de um país a) a divisão do Produto Interno Bruto pela população economicamente ativa, calculando-se assim a média produtiva per capita. b) o resultado de um ranqueamento de um conjunto de médias, considerando-se, entre outros fatores, o Produto Interno Bruto, a renda per capita, a porcentagem da população economicamente ativa, a participação do setor terciário na economia e o balanço entre exportação e importação.

13 c) uma média que se expressa numa escala que varia de 0 a 1, incluindo os indicadores de expectativas de vida, grau de escolaridade e renda per capita. d) o coeficiente obtido pela média ponderada entre Produto Interno Bruto e Produto Interno Líquido, e entre renda per capita e porcentagem de população economicamente ativa. e) um indicador que não se expressa em termos de quantificação, mas em termos de avaliação qualitativa de numerosos fatores socioeconômicos. 32 (FURG) O nível de escolaridade é um dos indicadores da qualidade de vida da população e uma exigência básica do mercado de trabalho. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a expressão analfabetismo funcional refere-se à parcela da população que: a) não cursou a escolaridade mínima de quatro séries iniciais. b) cursou o Ensino Fundamental. c) nunca freqüentou a escola. d) não sabe assinar o próprio nome. e) aprendeu um ofício sem passar pela educação formal. 33 (FATEC) Enquanto países europeus como a Bélgica e a Suíça apresentam taxas de mortalidade infantil inferiores a 5 por mil, países como Serra Leoa, Angola e Somália, na África, apresentam taxas de mortalidade infantil acima de 100 por mil. A comparação entre essas taxas nos revela que a) as condições climáticas temperadas são mais favoráveis à vida humana que as tropicais. b) países de povoamento muito antigo tiveram mais condições de superar os problemas demográficos que os países novos. c) os efeitos dos avanços alimentares e médico sanitários não atingem de forma semelhante os vários países do mundo. d) apesar das diferenças na mortalidade infantil, a expectativa de vida aumenta na mesma proporção nos dois grupos de países. e) as taxas de mortalidade mais elevadas tornam a estrutura da população dos países africanos semelhante à dos países europeus. 34 (FAAP/SP) Os índices de analfabetismo são alarmantes. O ser humano fica impossibilitado de desenvolver as suas potencialidades, de conhecer os fatos, de comparar, de enxergar melhor o mundo que está em sua volta e ao qual ele pertence. É mais provável que o texto anterior possa ser aplicado a milhões de pessoas que vivem na: a) África e América Anglo-Saxônica. b) Europa e América Anglo-Saxônica. c) América Latina e Rússia. d) Ásia Meridional e Europa. e) África e América Latina. 35 (ENEM) A tabela a seguir apresenta dados relativos a cinco países.

14 Com base nessas informações, infere-se que a) a educação tem relação direta com a saúde, visto que é menor a mortalidade de filhos cujas mães possuem maior nível de escolaridade, mesmo em países onde o saneamento básico é precário. b) o nível de escolaridade das mães tem influência na saúde dos filhos, desde que, no país em que eles residam, o abastecimento de água favoreça, pelo menos, 50% da população. c) a intensificação da educação de jovens e adultos e a ampliação do saneamento básico são medidas suficientes para se reduzir a zero a mortalidade infantil. d) mais crianças são acometidas pela diarréia no país III do que no país II. e) a taxa de mortalidade infantil é diretamente proporcional ao nível de escolaridade das mães e independe das condições sanitárias básicas. 36 (UFPE) Verifique os dados apresentados a seguir. Tomando-se por base esses indicadores sociais e econômicos, é correto afirmar que: a) desses países, apenas dois têm economia desenvolvida. b) os países 1 e 5 devem estar situados na Europa Ocidental. c) o país 4 encontra-se numa fase de recessão. d) os países 2 e 3 devem possuir um sistema econômico socialista. e) o país 5 é o único que possui uma economia desenvolvida. 37 (UELPR) O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é elaborado considerando-se dados sobre a longevidade, PIB (Produto Interno Bruto) per capita, grau de escolaridade e poder de compra de uma população. Varia de 0 a 1, sendo que os valores mais próximos a 1, indicam melhores condições de vida. Sobre o assunto, considere as afirmativas. I. Trata-se de um índice que oculta a qualidade de vida de uma população por relacionar fenômenos independentes. II. Trata-se de um índice que explicita as desigualdades sociais em diferentes escalas, pois combina indicadores de desenvolvimento social. III. Trata-se de um índice que oculta a existência de políticas públicas voltadas à melhoria da saúde, distribuição de renda e nível de escolaridade. IV. Trata-se de um índice que oculta diferenças interpessoais, pois resulta de cálculos obtidos a partir de médias. Assinale a alternativa correta: a) Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas. b) Apenas as afirmativas I, II e IV estão corretas. c) Apenas as afirmativas II, III e IV estão corretas. d) Apenas as afirmativas I e III estão corretas. e) Apenas as afirmativas II e IV estão corretas. 38 (EsPCEx2011) Sobre os indicadores socioeconômicos podemos afirmar que: I- o IDH do Brasil não reflete as condições de vida vigentes no País como um todo, em virtude de este apresentar fortes desigualdades regionais. II- o PIB per capita é, por si só, um dado suficiente para se avaliar as condições socioeconômicas de um país. III- tanto a taxa de analfabetismo como o nível de instrução possuem estreita relação com o rendimento (renda) da população.

15 IV- o cálculo do IDH baseia-se em três indicadores socioeconômicos: a expectativa de vida, o nível de instrução e a taxa de mortalidade infantil. Assinale a alternativa que apresenta todas as afirmativas corretas: a) I e II b) I e III c) I, II e IV d) II, III e IV e) III e IV 39* (EsPCEx2014) Em 1989, o coeficiente de Gini atingiu no Brasil um pico de 0,636. Depois disso, apresentou reduções quase constantes, registrando 0,543 em O coeficiente de Gini é um importante indicador socioeconômico que revela em um país o grau de a) escolaridade de sua população. b) desigualdade de renda. c) desenvolvimento humano da população. d) qualificação de sua mão de obra. e) pobreza de sua população. 40 (EsPCEx2015) O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para avaliar o nível de bem-estar social de um país. Sobre o IDH, podemos afirmar que I - o cálculo desse índice é feito com base nos seguintes indicadores socioeconômicos: longevidade, nível de instrução e PIB per capita. II - tal como o coeficiente de Gini, os valores do IDH variam entre 0 e 1, e quanto mais próximos a zero, mais elevado será o IDH, isto é, melhores serão as condições de vida de um país. III - o Brasil possui um IDH que o classifica acima da média de muitos países em desenvolvimento, porém encontra-se ainda atrás de países como a Argentina e o Uruguai. IV - os IDHs apresentados pelos estados do Maranhão e de Alagoas, no Nordeste brasileiro, estão entre os piores do mundo, inferiores aos de países africanos, como Zimbábue e Lesoto. Assinale a alternativa que apresenta todas as afirmativas corretas. a) I e III b) II e IV c) III e IV d) I, II e III e) I, II e IV Gabarito 1 D 11 A 21 E 31 C 2 A 12 C 22 E 32 A 3 C 13 B 23 A 33 C 4 D 14 V, V, F, F, V 24 A 34 E 5 E 15 A 25 C 35 A 6 D 16 B 26 B 36 E 7 C 17 D 27 E 37 E 8 C 18 D 28 D 38 B 9 A 19 E 29 B 39 B 10 D 20 B 30 E 40 A *Índice de Gini O Índice de Gini, criado pelo matemático italiano Conrado Gini, é um instrumento para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo. Ele aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente, varia de zero a um (alguns apresentam de zero a cem). O valor zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda. O valor um (ou cem) está no extremo oposto, isto é, uma só pessoa detém toda a riqueza. Na prática, o Índice de Gini costuma comparar os 20% mais pobres com os 20% mais ricos.

16 O Brasil possui um dos piores coeficientes de Gini do mundo, ficando empatado com Equador e estando à frente de países como a Bolívia, Camarões e Madagascar, segundo um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O certame ainda destacou que, entre os 15 países mais desiguais do mundo, 10 deles encontram-se na América Latina.

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 8R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA DEMOGRAFIA População absoluta: População total de um determinado local (cidade, estado ou país); População relativa:

Leia mais

Colégio Ressurreição

Colégio Ressurreição Colégio Ressurreição Atividade de revisão para a prova específica do 2º bimestre Responda em seu caderno as questões abaixo: 1. (Ufrgs 2005) Sobre a demografia brasileira, são feitas as seguintes afirmações:

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA DE RECUPERAÇÃO 2º ANO

TRABALHO DE GEOGRAFIA DE RECUPERAÇÃO 2º ANO TRABALHO DE GEOGRAFIA DE RECUPERAÇÃO 2º ANO 1.(Ufla-MG) Uma análise da sequência histórica dos censos do Brasil indica que o censo de 2000 demonstrava um país que se encontrava na chamada fase de transição

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 8B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA DEMOGRAFIA População absoluta: População total de um determinado local (cidade, estado ou país); População relativa:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE DEMOGRAFIA

LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE DEMOGRAFIA LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE DEMOGRAFIA 1) O envelhecimento da população está mudando radicalmente as características da população da Europa, onde o número de pessoas com mais de 60 anos deverá chegar nas

Leia mais

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão A Estrutura Etária DOS JOVENS AOS IDOSOS PIRAMIDES ETARIAS Estrutura etária é a divisão de uma população por grupos de idade e sexo - IDOSOS 60 ANOS OU MAIS

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4 DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS Aula 4 NOS DÁ A IDÉIA DA COMPOSIÇÃO DA POPULAÇAO... Década de 30 A ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER passou de aproximadamente 41 anos Década de 50 Viviam média

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

ESTRUTURA ETÁRIA. PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA

ESTRUTURA ETÁRIA. PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA ESTRUTURA ETÁRIA PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão PIRAMIDES ETARIAS Estrutura etária é a divisão de uma população por grupos de idade e sexo - IDOSOS

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Demografia 2

Paulo Tumasz Junior. Demografia 2 Paulo Tumasz Junior Demografia 2 APRESENTAÇÕES Slides - População Absoluta: Quantitativo de pessoas em um determinado espaço (País, Estado, Cidade e etc); - Populoso: Grande quantidade de habitantes o

Leia mais

DEMOGRAFIA DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza

DEMOGRAFIA DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza DEMOGRAFIA DO BRASIL Profº Gustavo Silva de Souza POPULAÇÃO TOTAL MUNDIAL - CRESCIMENTO POPULACIONAL - 1 DC - 250 milhões de habitantes 1650-500 milhões de habitantes 1850-1 bilhão de habitantes 1950-2,5

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================= 01- Qual a regionalização proposta

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 - DEMOGRAFIA DO BRASIL

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 - DEMOGRAFIA DO BRASIL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 - DEMOGRAFIA DO BRASIL 1) A população brasileira, apesar dos esforços praticados pelo governo para uma melhor ocupação do território ao longo do século XX, ainda está presente no

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Curitiba, PR 08/07/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 437,42 km² IDHM 2010 0,823 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 1751907

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Bertioga, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 492,82 km² IDHM 2010 0,730 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 47645 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Estrutura Populacional

Estrutura Populacional Estrutura Populacional A estrutura populacional consiste na divisão dos habitantes, de acordo com aspectos estruturais, possibilitando sua análise por meio: da idade (jovens, adultos e idosos); do sexo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 08 / 04/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rio Largo, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 310,86 km² IDHM 2010 0,643 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 68481

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Estrela de Alagoas, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 265,75 km² IDHM 2010 0,534 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

"Ensinar e aprender é o nosso OBJETIVO" C O L É G I O I N T E G R A D O D E O S A S C O Ensino de Educação Infantil, Fundamental e Médio

Ensinar e aprender é o nosso OBJETIVO C O L É G I O I N T E G R A D O D E O S A S C O Ensino de Educação Infantil, Fundamental e Médio VALOR DEZ NOTA Aluno(a): N.º R.M.: Data: 26/03/2015 Série: 2ªC Período: Tarde Ensino: Médio Bim.: Disciplina: 1 o Geografia Professor (a): Humberto Tarefa de Casa Nº. 02 1- Leia o texto a seguir e assinale

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Quebrangulo, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 300,93 km² IDHM 2010 0,559 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Santo Antônio, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4386,24 km² IDHM 2010 0,653 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 2005 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rosário Oeste, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 8061,98 km² IDHM 2010 0,650 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17679 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto de Pedras, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 267,75 km² IDHM 2010 0,541 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Araguaia, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5557,93 km² IDHM 2010 0,704 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 15644 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Batalha, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 322,26 km² IDHM 2010 0,594 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 17076

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Descalvado, SP 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 756,84 km² IDHM 2010 0,760 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 31056 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Maceió, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 516,46 km² IDHM 2010 0,721 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 932748

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Canarana, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 10877,15 km² IDHM 2010 0,693 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 18754 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Penedo, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 690,81 km² IDHM 2010 0,630 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 60378

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pedra Preta, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4205,57 km² IDHM 2010 0,679 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 15755 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo São Joaquim, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5039,25 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6042 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Barra do Garças, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9176,17 km² IDHM 2010 0,748 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 56560 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Roteiro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 129,89 km² IDHM 2010 0,505 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 6656

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Piranhas, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 408,47 km² IDHM 2010 0,589 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 23045

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Garças, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3670,07 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 10350 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Barra de São Miguel, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 75 km² IDHM 2010 0,615 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Bom Jesus do Araguaia, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4299,96 km² IDHM 2010 0,661 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5314 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santa Luzia do Norte, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 28,6 km² IDHM 2010 0,597 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Capela, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 207,26 km² IDHM 2010 0,573 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 17077

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Pedro da Cipa, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 344,84 km² IDHM 2010 0,660 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 4158 hab. Densidade

Leia mais

"As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo."

As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo. "As disparidades não são pequenas, as mudanças foram grandes, e o mundo já não é mais o mesmo." Fases do crescimento mundial: 1ª fase :Crescimento Lento (primitivo) 2ª fase: Crescimento rápido 3ª fase:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Verde, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4810,5 km² IDHM 2010 0,750 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 31589 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Jaciara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1663,25 km² IDHM 2010 0,735 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 25647 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Brás, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 140,32 km² IDHM 2010 0,572 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 6718

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Branquinha, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 192,17 km² IDHM 2010 0,513 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cajueiro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 124,88 km² IDHM 2010 0,562 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 20409

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Confresa, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5819,29 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 25124 hab. Densidade

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA HUMANA

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA HUMANA LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA HUMANA LISTA 01 - EIXO TEMÁTICO DEMOGRAFIA BRASILEIRA FRENTE B. Questão 01) No Brasil, desde 1997, o sistema previdenciário é deficitário, o que obriga

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Planalto da Serra, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2460,95 km² IDHM 2010 0,656 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 2726 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Arapiraca, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 352,81 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 214006

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olivença, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 173,99 km² IDHM 2010 0,493 Faixa do IDHM Muito Baixo (IDHM entre 0 e 0,499) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Murici, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 425,32 km² IDHM 2010 0,527 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 26710

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belo Monte, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 336,38 km² IDHM 2010 0,517 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Denise, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1306,42 km² IDHM 2010 0,683 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 8523 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Ouro Branco, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 206,01 km² IDHM 2010 0,547 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Traipu, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 702,41 km² IDHM 2010 0,532 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 25702

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Satuba, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 43,78 km² IDHM 2010 0,660 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 14603

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Olímpia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1572,86 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17515 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Maravilha, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 281,36 km² IDHM 2010 0,569 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10284

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Viçosa, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 356,67 km² IDHM 2010 0,586 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 25407

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mongaguá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 144,21 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 46293 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Miguel dos Milagres, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 65,4 km² IDHM 2010 0,591 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de União dos Palmares, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 429,08 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Coqueiro Seco, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 38,94 km² IDHM 2010 0,586 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alta Floresta, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 8983,98 km² IDHM 2010 0,714 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 49164 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Teotônio Vilela, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 298,26 km² IDHM 2010 0,564 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José da Tapera, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 521,63 km² IDHM 2010 0,527 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água do Casado, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 324,54 km² IDHM 2010 0,525 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Marechal Deodoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 333,64 km² IDHM 2010 0,642 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Luís do Quitunde, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 406,14 km² IDHM 2010 0,536 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Piaçabuçu, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 242,29 km² IDHM 2010 0,572 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 17203

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pão de Açúcar, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 662,95 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Craíbas, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 276,26 km² IDHM 2010 0,525 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 22641

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Paranatinga, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24272,24 km² IDHM 2010 0,667 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 19290 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rio Branco, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 530,1 km² IDHM 2010 0,707 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 5070 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Várzea Grande, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 940,83 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 252596 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto dos Gaúchos, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7036,6 km² IDHM 2010 0,685 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5449 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cuiabá, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3552,82 km² IDHM 2010 0,785 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 551098 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Maringá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11554,5 km² IDHM 2010 0,663 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6590 hab. Densidade

Leia mais