DIFERENTES PESOS CORPORAIS AO FINAL DA FASE DE RECRIA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS. mail:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFERENTES PESOS CORPORAIS AO FINAL DA FASE DE RECRIA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS. mail:"

Transcrição

1 DIFERENTES PESOS CORPORAIS AO FINAL DA FASE DE RECRIA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS Heder José D Avila Lima 1, Sergio Luiz de Toledo Barreto 2, Diane Santos Melo 3, Natália de Souza Ribas 4 1 Estudante de Doutorado em Zootecnia DZO/UFV Viçosa MG - Brasil. e- mail: 2 Professor Adjunto do Departamento de Zootecnia DZO/UFV Viçosa - MG. 3 Estudante de mestrado UFV/UFLA 4 Estudante de graduação AGN/UFV Data de recebimento: 07/10/ Data de aprovação: 14/11/2011 RESUMO O experimento foi desenvolvido para estudar o desempenho produtivo de 4 lotes de codornas com diferentes pesos ao final da fase de recria, ou seja: 119,6 + 3,1 g; 125,7 + 2,5 g; 130,8 + 2,0 g e 135,0 + 2,1 g. Foram utilizadas 720 codornas japonesas com 40 dias de idade, constituindo quatro tratamentos, dez repetições e 18 aves por unidade experimental. Foram analisados: consumo de ração (CR), produção de ovos por ave dia a cada semana (POAD), taxa de postura geral (TP), peso dos ovos total e quinzenal (PO), massa de ovos total e quinzenal (MO), conversão alimentar por dúzia de ovos (CADZ), peso aos 110 dias de idade (P110), ganho de peso (GP), uniformidade aos 110 dias (UNIF) e viabilidade das aves (VIAB). Não houve efeito dos pesos sobre TP, P110, UNIF, PO e VIAB. De forma quadrática foi estimado em 131,4g o peso em que ocorreu o menor CR. Codornas com 119,6 e 125,7 g obtiveram maior GP e POAD inferior nas duas semanas iniciais. Estas aves também apresentaram pior CADZ, sendo 133,9 g o peso corporal ideal estimado para codornas japonesas aos 40 dias de idade. PALAVRAS CHAVE: Coturnix coturnix japonica, maturidade sexual, produção de ovos DIFFERENT BODY WEIGHTS AT THE END OF THE GROWING PHASE ON JAPANESE QUAIL PERFORMANCE ABSTRACT The experiment was conducted to evaluate quails performance with four different weights at the end of the growing phase: g, g, g and g. Were used 720 Japanese quails with 40 days old, up four treatments and ten replicates of 18 birds each. Were examined: feed intake (CR), egg production per bird day (POAD), total egg production (TP), egg weight (PO), egg mass (MO), feed conversion per dozen eggs (CADZ), weight at 110 days old (P110), weight gain (GP), uniformity at 110 days (UNIF) and viability of the birds (VIAB). No weight effect on P110, UNIF, PO and VIAB. Quadratically was estimated at g the weight that was with smaller CR. Quails with and ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 404

2 125.7 g had higher GP and POAD lower in the initial two weeks. These birds also had worse CADZ, being g ideal body weight estimated. KEYWORDS: Coturnix coturnix japonica, egg production, sexual maturity INTRODUÇÃO A coturnicultura é uma atividade atrativa para produção de proteína animal de qualidade a custo relativamente mais baixo comparado a outros sistemas de produção animal. Dentre os fatores que contribuem para este cenário na produção de ovos de codornas está a maturidade sexual precoce, em torno de 40 dias de idade para as fêmeas. A idade ao primeiro ovo é um dado importante quando se visa a produção de uma espécie em cativeiro, pois caracteriza a aptidão da ave para a reprodução (Moro et al., 2002). Há variação na idade à maturidade sexual e também no peso do ovo das diferentes espécies de aves. O início da produção de ovos tem grande relação com o peso médio corporal (Brody et al., 1984) e o peso das aves é um dos fatores que influenciam o peso dos primeiros ovos (Summers, 1994). Neste sentido, faz-se necessário observar o peso adequado das codornas ao final da fase de recria, considerando que são aves leves e que pequenas variações no peso corporal podem resultar num aporte físico inadequado para maturação do aparelho reprodutor e início da postura. Objetivou-se com o presente estudo verificar o desempenho produtivo de 4 lotes de codornas com diferentes pesos ao final da fase de recria. METODOLOGIA O experimento foi desenvolvido no setor de avicultura do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Viçosa-MG, tendo duração de 70 dias. Foram utilizadas 720 codornas da sub-espécie japonesa, com 40 dias de idade, distribuídas em delineamento experimental inteiramente casualizado, constituído por quatro tratamentos, dez repetições e 18 aves por unidade experimental (UE). As codornas foram alojadas em gaiolas de arame galvanizado dispostas em escada, com as dimensões de 25 x 34 cm, sendo uma UE constituída por duas gaiolas. Os tratamentos consistiram em diferentes pesos ao final da fase de recria, ou seja: 119,6 + 3,1 g; 125,7 + 2,5 g; 130,8 + 2,0 g e 135,0 + 2,1 g. As gaiolas foram equipadas com comedouros do tipo calha, e bebedouros do tipo nipple com copinho. Como programa de iluminação foi adotado um fotoperíodo de 16 horas. Os animais foram submetidos a ração única, formulada a base de milho e farelo de soja (19,31% de proteína bruta e 2800 kcal de energia metabolizável/kg). As exigências nutricionais utilizadas para a formulação das dietas das aves foram baseadas em resultados de experimentos conduzidos no DZO UFV, sendo apresentadas assim como a composição química e os valores nutricionais dos ingredientes utilizados para a formulação da dieta, em Rostagno et al. (2011). Foram analisados: consumo de ração (CR), produção de ovos por ave dia a cada semana (POAD), taxa de postura geral (TP), peso dos ovos média geral e quinzenal (PO), massa de ovos total e quinzenal (MO), conversão alimentar por dúzia de ovos (CADZ), peso aos 110 dias de idade (P110), ganho de peso (GP), uniformidade das aves aos 110 dias (UNIF) e viabilidade das aves (VIAB). Os dados coletados foram submetidos à análise estatística utilizando-se o SAEG - Sistema para Análises Estatísticas e Genéticas (UFV, 2007). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 405

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Não houve efeito (P>0,05) dos pesos ao final da recria sobre a taxa de postura geral, peso das aves e uniformidade aos 110 dias de idade, peso dos ovos na média geral e quinzenal e viabilidade das aves (Tabela 1). Codornas de menor peso apresentaram maior consumo de ração na fase de postura, parâmetro que variou (P>0,05) de forma quadrática estimando em 131,4 g o peso em que ocorreu o menor consumo de ração, de acordo com a equação Ŷ= 346,334 4,93286X + 0, X 2 ; R 2 = 0,98. Aves mais leves tiveram maior ingestão de ração provavelmente para a maturação do aparelho reprodutor e órgãos correlacionados, como fígado, onde há grande depósito de gordura para o início da atividade reprodutiva. Tabela 1: Desempenho produtivo de codornas japonesas em função de diferentes pesos ao final da fase de recria Parâmetros Pesos ao final da recria (g) CV 119,6 125,7 130,8 135,0 (%) Taxa de postura (%) ns 66,48 64,53 66,92 67,29 7,8 Consumo de ração (g/dia) 1 24,76 22,93 22,01 22,48 7,9 Peso aos 110 dias (g) ns 170,02 169,95 170,02 172,60 2,8 Ganho de peso (g) 2 50,43 43,29 39,22 37,61 11,2 Uniformidade aos 110 dias (%) ns 76,76 76,64 84,34 77,25 13,9 Conversão alimentar/dúzia (kg/dz) 3 0,448 0,428 0,397 0,403 9,7 Peso médio dos ovos (g) ns Viabilidade das aves (%) ns 10,41 96,46 10,11 94,24 10,38 95,91 10,34 94,58 2,8 5,9 Análise quinzenal Peso dos ovos 1 (g) ns Peso dos ovos 2 (g) ns Peso dos ovos 3 (g) ns Peso dos ovos 4 (g) ns 9,92 10,28 10,69 10,75 9,70 9,93 10,34 10,46 10,10 10,16 10,65 10,60 9,99 10,12 10,64 10,63 6,7 3,4 2,9 2,2 1 Efeito quadrático(p<0,05); 2 Efeito Linear (P<0,01); 3 LRP (P<0,01); ns Efeito não significativo (P>0,05). Neste sentido, codornas de menor peso obtiveram maior ganho de peso, parâmetro que variou de forma linear conforme a equação: Ŷ= 150,383-0,843244X; R 2 = 0,96. Possivelmente estas aves ainda não estavam fisiologicamente preparadas para reprodução, não alcançando peso adequado à maturidade sexual. Assim, codornas leves apresentaram maior consumo de ração e ganho de peso para atingir o mesmo peso, peso aos 110 dias de idade, que demais aves, ficando também ao final com similar uniformidade. A não diferença para peso dos ovos (P>0,05) pode estar relacionada ao início desta avaliação com 50% de postura total das aves, visto que as codornas de peso 119,6 e 125,7 g atrasaram o início da produção (equações para semana 1 e 2: POAD1: Ŷ= - 34, ,287058X; R 2 = 0,95; POAD2: Ŷ= -132, ,117446X; R 2 = 0,84), com a produção de ovos por ave ao dia não sendo inferior (P>0,05) somente a partir da terceira semana de produção (Gráfico 1). Com o maior consumo de ração na fase de postura, aves de menor peso possivelmente atingiram 50% de produção com peso corporal próximo das demais, pois após a fase de crescimento o maior ganho de peso ocorre no início da maturidade sexual ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 406

4 com o desenvolvimento do aparelho reprodutor e órgãos que dão suporte à reprodução. Aves mais pesadas, segundo Summers (1994), atingem o pico de produção mais rápido que as mais leves e também apresentam maior peso de ovo tanto no início quanto no final da produção. Como o peso das aves influencia o peso dos ovos e conforme o exposto sobre as codornas atingirem pesos similares, apresentando as mais leves (119,6 g e 125,7 g), pior conversão alimentar por dúzia de ovos, devido ao uso de nutrientes para atingir o peso corporal adequado, os dados de peso dos ovos na presente pesquisa discordam dos relatados por Summers (1994). Postura (%) Semanas em produção 119,6g 125,7g 130,8g 135,0g Figura 1: Produção de ovos de codornas japonesas com diferentes pesos ao final da recria Relacionada à produção de ovos por ave ao dia, a massa de ovos produzida pelas aves de 119,6 g e 125,7 g foi linearmente inferior (P<0,01) na primeira semana de produção, conforme equação: Ŷ= - 8, , X; R 2 = 0,85 (Gráfico 2). Dessa forma, com estes pesos aos 40 dias de idade as aves não estavam aptas à reprodução, não apresentando desenvolvimento adequado do aparelho reprodutivo (ovário mais oviduto) que corresponde entre 4,8% (Garcia et al., 2001) e 8,6% (Bertechini, 2007) do peso vivo da codorna em produção. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 407

5 12 MO (g/ave/dia) ,6g 125,7g 130,8g 135,0g Quinzena experimental Figura 2: Massa de ovos de codornas japonesas com diferentes pesos ao final da recria Assim, aves de menor peso necessitaram de maior consumo de ração para alcançar a maturidade sexual, apresentando pior conversão alimentar por dúzia de ovos, parâmetro que melhor se ajustou ao LRP (P<0,01), estimando em 133,9 g o peso corporal ideal (Ŷ= 0,8391-0,003X; Y= 0,4000; R 2 = 0,99). Trabalhando com aves de 124,6 g e 153,9 g de peso corporal a partir dos 37 dias de idade, Reis et al. (2007) verificaram que as aves mais pesadas apresentaram maiores valores de consumo de ração, produção de ovos por ave ao dia, peso dos ovos e massa de ovos. Estes autores também observaram que não houve diferença significativa no peso das aves quando estas atingiram 50% de postura. Conforme Silva (2009) aos 31 dias de idade as codornas pesam 105 g, que é o peso referente ao período de pré-postura. Já o peso corporal estimado para codornas em início de produção de ovos aos 40 dias de idade de 133,9 g é próximo ao informado por Oliveira (2007), de 133,5 g para codornas japonesas aos 42 dias de idade. CONCLUSÃO Codornas japonesas apresentam melhor desempenho produtivo quando atingem peso corporal em torno de 133,9 g ao final da fase de recria. AGRADECIMENTO À FAPEMIG Fundação de amparo à pesquisa do estado de Minas Gerais - pelo financiamento do projeto. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERTECHINI, A. G. O ovo de codorna. In: III SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COTURNICULTURA, Lavras, Anais... Lavras, Minas Gerais: Núcleo de Estudos em Ciência e Tecnologia Avícolas, 2007, p ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 408

6 BRODY, T.B.; SIEGEL, P.B.; CHERRY, J.A. Age, body weight and body composition requirements for the onset of sexual maturity of dwarf and normal chickens. British Poultry Science, v.25, p , GARCIA, E. A.; MENDES, A. A.; PIZZOLANTE, C. C. Alterações Morfólogicas de Codornas Poedeiras Submetidas a Muda Forçada. Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.3, n.3, p , MORO, M. E. G.; ARIKI, J.; MALHEIROS, E. B. Avaliação dos níveis de proteína da dieta sobre a idade à maturidade sexual e produção de ovos de perdiz (Rhynchotus rufescens Temminek). Acta Scientiarum, v. 24, n. 4, p , OLIVEIRA, B. L. Manejo em granjas automatizadas de codornas de postura comercial. In: III SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COTURNICULTURA II CONGRESSO BRASILEIRO DE COTURNICULTURA, Lavras, Anais... Lavras, Minas Gerais: Núcleo de Estudos em Ciência e Tecnologia Avícolas, p REIS, R.S.; LIMA, H.J.D.; MESQUITA, R.M. Avaliação do peso corporal de codornas japonesas na maturidade sexual sobre o desempenho produtivo. In: III SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COTURNICULTURA II CONGRESSO BRASILEIRO DE COTURNICULTURA, Lavras, Anais... Lavras, Minas Gerais: Núcleo de Estudos em Ciência e Tecnologia Avícolas, p.195. ROSTAGNO, H. S.; ALBINO, L. F. T.; DONZELE, J. L. et al. Tabelas Brasileiras para Aves e Suinos : Composição de Alimentos e Exigências Nutricionais. 3.ed. VIÇOSA: UFV, Departamento de Zootecnia, p. SILVA, J.H.V. Tabelas para codornas japonesas e européias. Jaboticabal SP: Funep, p. SUMMERS, J.D. A importância do peso corporal e da idade de maturidade sexual - Influência dos programas adequados de manejo e alimentação para obtenção de uma poedeira lucrativa. In: SIMPÓSIO TÉCNICO DE PRODUÇÃO DE OVOS, 1994, São Paulo, Anais...São Paulo: APA, p UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV. Sistema de análises estatísticas e genéticas - SAEG. Versão 9.1. Viçosa, MG, p. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 409

Palavras-chave: agroindústria, alimentos alternativos, codornas europeias, resíduo de fruta

Palavras-chave: agroindústria, alimentos alternativos, codornas europeias, resíduo de fruta INCLUSÃO DO RESÍDUO DA POLPA DO MARACUJÁ SOBRE DESEMPENHO DE CODORNAS DE CORTE Iva Carla de Barros AYRES* 1, Romilton Ferreira de BARROS JUNIOR¹, Geraldo Roberto Quintão LANA 1, Sandra Roseli Valerio LANA

Leia mais

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL Raphael Rodrigues dos SANTOS* 1, Saullo Diogo de ASSIS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO 1, Juliana Pinto MACHADO 1,

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) DENSIDADE INICIAL DE ALOJAMENTO DE CODORNAS JAPONESAS NA FASE DE POSTURA

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) DENSIDADE INICIAL DE ALOJAMENTO DE CODORNAS JAPONESAS NA FASE DE POSTURA GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984-3801) DENSIDADE INICIAL DE ALOJAMENTO DE CODORNAS JAPONESAS NA FASE DE POSTURA Heder José D Avila Lima 1*, Sergio Luiz Toledo Barreto 1, Matheus Henrique Valeriano

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL

RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL RELAÇÃO ENTRE METIONINA + CISTINA DIGESTÍVEIS E LISINA DIGESTÍVEL EM DIETA PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE PRÉ- INICIAL Heder José D Avila Lima 1, Sergio Luiz de Toledo Barreto 2, Débora Lacerda Ribeiro

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE Pedro Henrique Alves FAGUNDES* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA

Leia mais

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA Mayara Borges CRISTOFOLI* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Mariana Elias BORGES 2, Maria Auxiliadora de OLIVEIRA 1, Alisson Verbenes

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE Hérica da Silva MESSIAS* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inêz de Oliveira LACERDA 2, Eduardo

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA Jovane Lino RIBEIRO* 1, Thuani Venâncio da Silva PEREIRA 2, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Alessandra Luiza de SOUZA 1, Suelem

Leia mais

CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ

CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ Raphael Rodrigues dos SANTOS* 1, Saullo Diogo de ASSIS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO 1, Marcos Barcellos CAFÉ 1, Juliana Pinto MACHADO 1, Maria

Leia mais

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES Silvia Vitória Santos de Carvalho ARAÚJO* 1, Túlio Leite REIS 1, Juan

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE Matheus Sodré FERREIRA* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Agnaldo Borge de SOUZA 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Cleber

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA Luciana Freitas FERNANDES* 1, Marcelo Helder Medeiros SANTANA 1, Antonia Valcemira Domingos

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 58 GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984-3801) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA Heder José D'Avila Lima * ; Sergio Luiz de Toledo Barreto 1 ; Fernanda

Leia mais

Exigência de proteína bruta para codornas européias no período de crescimento

Exigência de proteína bruta para codornas européias no período de crescimento [Crude protein requirement for European quails during the growing period] A.B. Fridrich, B.D. Valente, A.S. Felipe-Silva, M.A. Silva*, G.S.S. Corrêa, D.O. Fontes, I.C. Ferreira Escola de Veterinária da

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 60 aos 95 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

EFEITO DE NÍVEIS DIETÉTICOS DE CÁLCIO E FÓSFORO DISPONÍVEL SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE CODORNAS JAPONESAS

EFEITO DE NÍVEIS DIETÉTICOS DE CÁLCIO E FÓSFORO DISPONÍVEL SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE CODORNAS JAPONESAS 135 EFEITO DE NÍVEIS DIETÉTICOS DE CÁLCIO E FÓSFORO DISPONÍVEL SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE CODORNAS JAPONESAS ( EFECTS OF DIETARY CALCIUM AND PHOSPHORUS LEVELS ON PERFORMANCE AND EGG SHELL

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE Flávia Silveira VASCONCELOS* 1, Rivia Maria Prates de SOUZA¹, Maysa Eduarda COSTA ¹, Alexandre Vinhas de SOUZA¹, Marcos

Leia mais

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS NA PÓS-MUDA ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE E CRIADAS EM CLIMA QUENTE

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS NA PÓS-MUDA ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE E CRIADAS EM CLIMA QUENTE DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS NA PÓS-MUDA ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE E CRIADAS EM CLIMA QUENTE Renato Mattos FERNANDES*¹, Maria Luiza Santos MACIEL¹, Alexandre Vinhas de SOUZA¹, Marcos Vinicius Martins

Leia mais

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE Lorrayne Moraes de PAULO* 1, Alison Batista Vieira Silva GOUVEIA 1, Stéfane Alves SAMPAIO

Leia mais

Desempenho de codornas de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável

Desempenho de codornas de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável Ciência Rural, Desempenho Santa Maria, de codornas Online de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável. ISSN 0103-8478 1 Desempenho de codornas de corte submetidas

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA Rafaela Cavalcante CALIXTO* 1, Lucyana Vieira COSTA 1, João Darós MALAQUIAS JÚNIOR 1, Maria Ivete de MOURA 1, Francine Oliveira

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA Dionísia Souza MARQUES* 1, Genésio de Cássio Souza CRUZ 1, Ademir José CONTE 2, Maria Auxiliadora de OLIVEIRA 1, Agnaldo

Leia mais

NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA LEVELS OF CHOLINE SUPPLEMENTATION IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS

NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA LEVELS OF CHOLINE SUPPLEMENTATION IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS 118 REIS, de R.S. et al. NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA Renata de Souza Reis¹, Sérgio Luiz de Toledo Barreto¹, Eriane de Paula¹, Jorge Cunha Lima Muniz¹, Gabriel

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS Early Theodoro Alves de ARGYRI 1, Maria Cristina de OLIVEIRA* 1, Bruno Nunes GONÇALVES 1, Rodolfo Gomes de SOUZA 2 *autor para

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Eduardo Terra NOGUEIRA

Leia mais

Eng. Agrônoma, aluna de Doutorado, Dep. de Zootecnia, CCA/UFC, CE, 3

Eng. Agrônoma, aluna de Doutorado, Dep. de Zootecnia, CCA/UFC, CE,   3 Revista Ciência Agronômica, v.37, n.3, p.369-375, 2006 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE www.ccarevista.ufc.br ISSN 0045-6888 Efeito da densidade de alojamento

Leia mais

EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE

EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE Daniel Pereira TUPINÁ * 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO424 Avicultura

Programa Analítico de Disciplina ZOO424 Avicultura 0 Programa Analítico de Disciplina ZOO Avicultura Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 0 Períodos

Leia mais

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático Resumo Expandido Título da Pesquisa: Suplementação de carboidrases e fitase em ditas para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre o desempenho Palavras-chave: enzimas; monogástricos; disponibilização

Leia mais

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE Sinthia Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Bruna

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Metionina mais Cistina Digestíveis para Suínos Machos Castrados dos 60 aos 95 kg Introdução A sucessiva seleção

Leia mais

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase recria de 13 a 18 semanas de idade

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase recria de 13 a 18 semanas de idade Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64, n.6, p.1691-1698, 2012 Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase recria de 13 a 18 semanas de idade [Requirement of methionine plus cystine

Leia mais

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Karina Aurora Rodrigues GOMES 1, Adriano GERALDO 2, Sérgio Domingos SIMÃO³, Filipe Soares NOGUEIRA

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTAL SOBRE A QUALIDADE DA CASCA DO OVO DE CODORNAS JAPONESAS. *autor para correspondência:

EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTAL SOBRE A QUALIDADE DA CASCA DO OVO DE CODORNAS JAPONESAS. *autor para correspondência: EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTAL SOBRE A QUALIDADE DA CASCA DO OVO DE CODORNAS JAPONESAS Jéssyka Laura Galdino COSTA* 1, Rannyelle Gomes SOUZA 1,Kilmer Oliveira SOARES 2, Edilson Paes SARAIVA 1, Ricardo

Leia mais

RESUMO Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura

RESUMO Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura RESUMO YURI, Flavio Manabu. Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal Área: Produção Animal) Universidade do Estado

Leia mais

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura

Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Uso da Ora-Pro-Nobis para Codornas Japonesas em Fase de Postura Juliano José de Oliveira COUTINHO 1 ; Jeferson Éder Ferreira de OLIVEIRA 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3 ; 1 Bacharelando em Zootecnia DCA/IFMG/Bambuí/

Leia mais

Teor de metionina + cistina para codornas de corte do nascimento aos 21 dias de idade

Teor de metionina + cistina para codornas de corte do nascimento aos 21 dias de idade Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.67, n.1, p.242-248, 2015 Teor de metionina + cistina para codornas de corte do nascimento aos 21 dias de idade [Total methionine + cystine level for European quail from

Leia mais

Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura. Sodium levels in diet of laying japanese quails

Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura. Sodium levels in diet of laying japanese quails Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura Sodium levels in diet of laying japanese quails LIMA, Heder José D Avila 1* ; BARRETO, Sergio Luiz de Toledo 2 ; PAULA, Eriane de 2 ; DUTRA, Daniel

Leia mais

Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura. Sodium levels in diet of laying japanese quails

Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura. Sodium levels in diet of laying japanese quails Níveis de sódio na ração de codornas japonesas em postura Sodium levels in diet of laying japanese quails LIMA, Heder José D Avila 1* ; BARRETO, Sergio Luiz de Toledo 2 ; PAULA, Eriane de 2 ; DUTRA, Daniel

Leia mais

HEDER JOSÉ D AVILA LIMA

HEDER JOSÉ D AVILA LIMA HEDER JOSÉ D AVILA LIMA RELAÇÕES METIONINA + CISTINA, TREONINA E TRIPTOFANO COM A LISINA E NÍVEIS DE LISINA DIGESTÍVEL EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS NA FASE DE CRESCIMENTO Tese apresentada à Universidade

Leia mais

DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO

DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO Mara Regina Ribeiro CARDOSO¹, Kênia Ferreira RODRIGUES 2, Aline Ferreira AMORIM* 3, Valquíria Sousa SILVA 4, Edelson

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE

UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE Dyjoan Whenys Dias ASSUNÇÃO* 1, Josilene Correa ROCHA 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso de SOUZA 1, André Lúcio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO Matheus Sousa de Paula CARLIS (1) *, Érica Santos MELLO (2), Rosemary Pereira de Pedro SOUZA

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS ANAIS VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS TM BERTOL 1 *, JV LUDKE 1, DL ZANOTTO 1, A COLDEBELLA 1 1 Embrapa

Leia mais

Níveis de sódio na alimentação de codornas japonesas na fase de postura. Sodium levels in food of Japanese quail in the laying phase

Níveis de sódio na alimentação de codornas japonesas na fase de postura. Sodium levels in food of Japanese quail in the laying phase Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável V.12, Nº 2, p. 338-342, 2017 Pombal, PB, Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rvads DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v12i2.4391

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

Efeito dos níveis de triptofano digestível em dietas para codornas japonesas em postura

Efeito dos níveis de triptofano digestível em dietas para codornas japonesas em postura Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.37, n.6, p.1012-1016, 2008 Efeito dos níveis de triptofano digestível em dietas para

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTE E ENERGIA NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS (Coturnix coturnix japonica)

EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTE E ENERGIA NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS (Coturnix coturnix japonica) EFEITO DA TEMPERATURA AMBIENTE E ENERGIA NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS (Coturnix coturnix japonica) Kelly Cristina Nunes 1, Rodrigo Garófallo Garcia 2, Irenilza de Alencar Nääs 3, Mayara Rodrigues de

Leia mais

INCLUSÃO DE FARINHA DE VÍSCERAS NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 1 INCLUSION OF POULTRY OFFAL MEAL IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS

INCLUSÃO DE FARINHA DE VÍSCERAS NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 1 INCLUSION OF POULTRY OFFAL MEAL IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS 158 RENATA, S.R. et al. INCLUSÃO DE FARINHA DE VÍSCERAS NA RAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 1 Renata de Souza Reis 2, Sérgio Luiz de Toledo Barreto 2, Gabriel da Silva Viana 2, Michele de Oliveira

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE Valéria Bonifácia Marra da SILVA* 1, Mônica Maria de Almeida BRAINER 1, Jean de Souza MARTINS

Leia mais

Efeito da seleção no primeiro ciclo de postura para produção de ovos sobre o desempenho no segundo ciclo

Efeito da seleção no primeiro ciclo de postura para produção de ovos sobre o desempenho no segundo ciclo Ciência Rural, Efeito Santa da Maria, seleção v.34, no primeiro n.1, p.225-229, ciclo de postura jan-fev, para 2004produção de ovos sobre o desempenho no segundo ciclo. ISSN 0103-8478 225 Efeito da seleção

Leia mais

QUALIDADE DE OVOS DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE NO SEGUNDO CICLO DE POSTURA

QUALIDADE DE OVOS DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE NO SEGUNDO CICLO DE POSTURA QUALIDADE DE OVOS DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM ERVA-DOCE NO SEGUNDO CICLO DE POSTURA Alexandre Vinhas de SOUZA* 1, Marcos Vinicius Martins MORAIS 1, Debora Duarte MORALECO 2, Jean Kaique VALENTIM

Leia mais

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA Rogério Soares do ROSÁRIO* 1, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Genésio de Cássio SOUZA

Leia mais

Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para coturnix japonica) ) em postura

Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para coturnix japonica) ) em postura Acta Scientiarum 20(3):407-411, 1998. ISSN 1415-6814. Níveis de energia metabolizável e de metionina em rações para codornas (Coturnix ( coturnix japonica) ) em postura José Henrique Stringhini*, Nadja

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE Nayara Emanoelle Matos e SILVA* 1, Sandersson Santos da FONSECA2, Vitor Colossal da SILVA2, Jean Kaique VALENTIM², Adriano

Leia mais

ROQUE MACHADO DE MESQUITA FILHO AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE MUDA FORÇADA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO PARA CODORNAS JAPONESAS.

ROQUE MACHADO DE MESQUITA FILHO AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE MUDA FORÇADA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO PARA CODORNAS JAPONESAS. ROQUE MACHADO DE MESQUITA FILHO AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE MUDA FORÇADA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO PARA CODORNAS JAPONESAS. Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

(Coturnix coturnix japonica) MACHOS NA FASE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE 1

(Coturnix coturnix japonica) MACHOS NA FASE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE 1 410 EXIGÊNCIA DE CÁLCIO COSTA, PARA F. G. P. CODORNAS et al. JAPONESAS (Coturnix coturnix japonica) MACHOS NA FASE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE 1 Calcium requirement for male japanese quails (Coturnix coturnix

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

Exigências nutricionais de treonina digestível para poedeiras semipesadas no segundo ciclo de produção

Exigências nutricionais de treonina digestível para poedeiras semipesadas no segundo ciclo de produção Revista Brasileira de Zootecnia 2010 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Exigências nutricionais de treonina digestível para poedeiras semipesadas no segundo ciclo de produção

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS

FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS Mariane Benedita Ramos de ARRUDA* 1, Mariana Elias BORGES 2, Marcos Vinicius Alves SANTOS 1, Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO

Leia mais

Avaliação dos modelos para determinar exigências energéticas de poedeiras

Avaliação dos modelos para determinar exigências energéticas de poedeiras Avaliação dos modelos para determinar exigências energéticas de poedeiras Nilva Kazue Sakomura 1 *, Roberta Basaglia 1, João Batista Kochenberger Fernandes 2, Kleber Thomas Resende 1 e Cristina Maria Lima

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 2004 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br NÍVEL DE LISINA DIGESTÍVEL PARA AS DIETAS PRÉ-INICIAIS DE PINTOS DE CORTE Introdução Objetivo Material e Métodos A utilização

Leia mais

EXIGÊNCIA DE METIONINA + CISTINA PARA FRANGAS DE REPOSIÇÃO NA FASE INICIAL (1 A 6 SEMANAS DE IDADE)

EXIGÊNCIA DE METIONINA + CISTINA PARA FRANGAS DE REPOSIÇÃO NA FASE INICIAL (1 A 6 SEMANAS DE IDADE) DOI: 10.1590/1089-6891v18e-22100 ZOOTECNIA EXIGÊNCIA DE METIONINA + CISTINA PARA FRANGAS DE REPOSIÇÃO NA FASE INICIAL (1 A 6 SEMANAS DE IDADE) REQUIREMENT OF METHIONINE PLUS CYSTINE FOR PULLETS IN THE

Leia mais

Exigências de cálcio e de fósforo disponível para codornas japonesas de 26 a 38 semanas de idade

Exigências de cálcio e de fósforo disponível para codornas japonesas de 26 a 38 semanas de idade Exigências de cálcio e de fósforo disponível para codornas japonesas de 26 a 38 semanas de idade Requirements for calcium and phosphorus available for Japanese quail of the 26 to 38 weeks of age VIEIRA,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: MEDICINA

Leia mais

Níveis de sódio em dietas para codorna japonesa em pico de postura. Sodium levels in laying Japanese quail diet on the peak production

Níveis de sódio em dietas para codorna japonesa em pico de postura. Sodium levels in laying Japanese quail diet on the peak production Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, n.5, p.1559-1565, 2007 (supl.) Níveis de sódio em dietas para codorna japonesa em

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 4 ; Eduardo

Leia mais

DIGESTIBILIDADE DE FONTES RENOVÁVEIS DE CÁLCIO PARA CODORNAS DE CORTE

DIGESTIBILIDADE DE FONTES RENOVÁVEIS DE CÁLCIO PARA CODORNAS DE CORTE DIGESTIBILIDADE DE FONTES RENOVÁVEIS DE CÁLCIO PARA CODORNAS DE CORTE Iva Carla de Barros AYRES* 1, Ana Patrícia Alves LEÃO 1, Sandra Roselí Valerio LANA 1, Geraldo Roberto Quintão LANA 1, Romilton Ferreira

Leia mais

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64, n.6, p.1699-1706, 2012 Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade [Requirement of methionine + cystine for

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia NÍVEIS DE LISINA TOTAL E RESPOSTAS ZOOTÉCNICAS PARA SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Ines Andretta 1, Bruno Neutzling Fraga 1, Marcos Kipper da Silva

Leia mais

Efeitos de níveis nutricionais de energia sobre o desempenho e a qualidade de ovos de codornas européias na fase inicial de postura

Efeitos de níveis nutricionais de energia sobre o desempenho e a qualidade de ovos de codornas européias na fase inicial de postura Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, n.1, p.86-93, 2007 Efeitos de níveis nutricionais de energia sobre o desempenho e

Leia mais

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE Bruna Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Sinthia Pereira

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras no período de 24 a 40 semanas de idade

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras no período de 24 a 40 semanas de idade Revista Brasileira de Zootecnia ISSN 1516-3598 (impresso) ISSN 1806-9290 (on-line) www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.38, n.9, p.1726-1731, 2009 Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras no

Leia mais

DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO

DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO

Leia mais

Desenvolvimento folicular e desempenho produtivo no início do ciclo de postura em duas raças de poedeiras

Desenvolvimento folicular e desempenho produtivo no início do ciclo de postura em duas raças de poedeiras Ciência 548 Rural, Santa Maria, v.44, n.3, p.548-554, mar, 04 Ferreira et al. ISSN 003-8478 Desenvolvimento folicular e desempenho produtivo no início do ciclo de postura em duas raças de poedeiras Follicular

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

RESTRIÇÃO DIETÉTICA DE SÓDIO COMO MÉTODO ALTERNATIVO DE MUDA FORÇADA PARA CODORNAS JAPONESAS.

RESTRIÇÃO DIETÉTICA DE SÓDIO COMO MÉTODO ALTERNATIVO DE MUDA FORÇADA PARA CODORNAS JAPONESAS. RESTRIÇÃO DIETÉTICA DE SÓDIO COMO MÉTODO ALTERNATIVO DE MUDA FORÇADA PARA CODORNAS JAPONESAS Heder José D Avila Lima 1, Sergio Luiz de Toledo Barreto 2, Rodrigo Lopes de Almeida 1, Diane Santos Melo 3,

Leia mais

NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS

NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS Francisco Jardel BARBOSA* 1, Jalceyr Pessoa Figueiredo Júnior 2, Fernando Guilherme Perazzo Costa 3, Marcelo

Leia mais

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM Antonio Hugo Rabelo de Castro 1 ; Kênia Ferreira Rodrigues 2 ; 1 Aluno do Curso de Zootecnia;

Leia mais

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias Prova didática: concurso público- Edital nº 229/2010-FCAV Dr. Luciano Hauschild

Leia mais

Níveis de metionina+cistina no desempenho de poedeiras comerciais leves com 45 semanas de idade

Níveis de metionina+cistina no desempenho de poedeiras comerciais leves com 45 semanas de idade Níveis de metionina+cistina no desempenho de poedeiras comerciais leves com 45 semanas de idade Levels of methionine+cystine on rations of laying hens with 45 weeks of old age BARBOSA, Maria José Baptista

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS

AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS AVALIAÇÃO DE RAÇÕES NO GANHO DE PESO DE CODORNAS JAPONESAS Antônio Pasqualetto 1, Adriano Póvoa Ribeiro 2, Carlos André R. Araújo 2, Mário Zanin Netto 2, Melissa T. Gonçalves 2 Resumo Objetivou-se determinar

Leia mais

Exigência de energia metabolizável de codornas de corte no período de 1 a 14 dias de idade

Exigência de energia metabolizável de codornas de corte no período de 1 a 14 dias de idade Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Exigência de energia metabolizável de codornas de corte no período de 1 a 14 dias de idade Carina Scherer

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 5 ; Eduardo

Leia mais

NÍVEIS DE PROTEÍNA BRUTA E ENERGIA METABOLIZÁVEL NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS DA LINHAGEM LOHMANN BROWN 1

NÍVEIS DE PROTEÍNA BRUTA E ENERGIA METABOLIZÁVEL NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS DA LINHAGEM LOHMANN BROWN 1 BRUTA E ENERGIA METABOLIZÁVEL NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS DA LINHAGEM LOHMANN BROWN 1 Levels of crude protein and metabolizable energy on the production and eggs quality of Lohmann Brown

Leia mais

Visão geral sobre manejo reprodutivo em codornas Machos e Fêmeas

Visão geral sobre manejo reprodutivo em codornas Machos e Fêmeas Aula USP FMVZ VRA Reprodução de Aves 11/07/2014 Visão geral sobre manejo reprodutivo em codornas Machos e Fêmeas Prof. D.Sc. DMV - Roberto de A. Bordin Setor de Nutrição, Produção, Sanidade e Agronegócio

Leia mais

Influência de métodos de debicagem e do tipo de bebedouro no desempenho e na qualidade dos ovos de codornas japonesas 1

Influência de métodos de debicagem e do tipo de bebedouro no desempenho e na qualidade dos ovos de codornas japonesas 1 Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Influência de métodos de debicagem e do tipo de bebedouro no desempenho e na qualidade dos ovos de codornas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE MUDA INDUZIDA ATRAVÉS DE PARÂMETROS COMPORTAMENTAIS E FISIOLÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE MUDA INDUZIDA ATRAVÉS DE PARÂMETROS COMPORTAMENTAIS E FISIOLÓGICOS 1 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE MUDA INDUZIDA ATRAVÉS DE PARÂMETROS COMPORTAMENTAIS E FISIOLÓGICOS Autores: Helenice Mazzuco 1, Valdir Silveira de Avila 1, Arlei Coldebella 1, Jonas Irineo Santos Filho 1,

Leia mais