NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS."

Transcrição

1 Bambuí/MG NÍVEIS DE FITASE EM DIETAS COM DIFERENTES VALORIZAÇÕES E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMI-PESADAS. Leonardo Almeida SANTOS¹; Adriano GERALDO²;, Cátia Borges FERREIRA³; Leandro Moreira SILVA³; Vanilda Aparecida Aguiar³; Leandro Carlos PEREIRA³; Jerônimo Ávito Gonçalves de BRITO 4, Antonio Gilberto BERTECHINI 5 ¹ aluno do curso de Zootecnia e bolsista do Programa Institucional de bolsas de Iniciação Científica do CEFET- Bambuí 2 Professor do CEFET- Bambuí 3 Alunos do curso de Zootecnia do CEFET- Bambuí 4 Pesquisador Comércio e Ind. Uniquímica Ltda. 5 Professor Titular do Depto. Zootecnia UFLA Bambuí MG Brasil. RESUMO O presente experimento foi realizado no setor de avicultura do Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí objetivando-se avaliar os efeitos da suplementação de fitase em dietas com diferentes valorizações para poedeiras semi-pesadas, sobre o desempenho e a qualidade da casca e dos ovos. Foram utilizadas 300 poedeiras da linhagem comercial Isa Brown com 26 semanas de idade. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado em esquema de parcela subdividida no tempo com 5 tratamentos, 6 repetições avaliando-se 4 períodos de 21 dias. Os tratamentos experimentais utilizados foram: T1- controle positivo (CP); T2- suplementação de 300 FTU/kg ração de fitase adotando a matriz nutricional (EMA = Kcal/kg; PB = 8.000%; Ca = 5.000%; Pd = 3.670%; Lisina dig., = 380%; Metionina dig., = 145%; Met + Cis dig., = 280%; Treonina dig., = 260%; Triptofano dig., = 60% e Valina dig., = 200%) na formulação; T3- suplementação de 1200 FTU/kg de ração de fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%), T4- suplementação de 2400 FTU/kg fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%) e T5- suplementação de 3600 FTU/kg de fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%). Os resultados obtidos mostram que a suplementação com fitase em dietas valorizadas não influenciaram (P>0,05) a produção de ovos, conversão alimentar, peso médio dos ovos, perdas de ovos, porcentagem da casca, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo fresco, mesmo no nível de menor nível de suplementação da enzima (300 FTU/kg de ração). Palavras-chave: Nutrição, Enzima, Fitase, poedeira. INTRODUÇÃO A avicultura de postura tem evoluído muito nos últimos anos, e como segmento importante na produção de alimento humano de alto valor biológico, têm-se adequado as técnicas que possibilitam a melhoria da eficiência de produção de aves. Na área da nutrição, muitas pesquisas têm sido realizadas principalmente com o objetivo de melhorar a digestibilidade de nutrientes que possibilitem a formulação de rações mais eficientes e econômicas, visto que a alimentação constitui o item de maior custo na produção animal Strada et al.,(2005). O uso de enzimas nas rações das aves e outros animais domésticos melhora a digestibilidade e disponibilidade de certos nutrientes para os animais, (principalmente o fósforo, nitrogênio, cálcio, cobre e zinco). Diminuindo a excreção destes nutrientes nas fezes e reduzindo a poluição ambiental. Costa et al., (2003). A enzima fitase, é estudada e utilizada na formulação de rações para monogástricos com o intuito de disponibilizar nutrientes complexados na molécula de fitato presente nos ingredientes de origem vegetal (Dari., 2004). Pelo fato da fitase endógena apresentar baixa atividade no trato digestório das aves, a

2 suplementação da dieta com fontes microbianas desta enzima tem se mostrado um método eficaz Fukayama et al., (2006). O fósforo fítico, torna-se um fator antinutricional por complexar-se a ânions, cátions, proteínas e aminoácidos impedindo que o fósforo seja devidamente aproveitado. A fitase age melhorando o desempenho das aves, uma vez que no organismo, atua quebrando as moléculas de fitato e diminuindo o impacto ambiental produzido pelo excesso de fósforo excretado em virtude do seu não aproveitamento. Bess et al., (2006). O uso desta enzima é também importante como forma de economizar as reservas brasileiras de fósforo (P) Casarteli et al., (2003). Objetivou-se com o presente trabalho avaliar os efeitos da suplementação de fitase em dietas valorizadas para poedeiras semi-pesadas sobre o desempenho e a qualidade da casca dos ovos. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado no setor de avicultura do Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí, (CEFET-Bambuí), no período 12/04/2008 a 04/07/2008 utilizando 300 poedeiras da linhagem comercial Isa Brown com 26 semanas de idade. As aves foram alojadas em gaiolas de arame galvanizado de 25 x 45 x 35 cm (2aves/gaiola), em galpão convencional de postura, com cobertura de telhas de barro. O programa de luz adotado foi o de 16 horas de luz/dia. A ração foi fornecida à vontade, distribuída no período da manhã (7:00 horas) e à tarde (15:00 horas). Diariamente foi anotada a temperatura máxima e mínima do galpão. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado em esquema de parcela subdividida no tempo (4 períodos de 21 dias) com 5 tratamentos, 6 repetições (10 aves por repetição), totalizando 30 parcelas. As rações experimentais foram formuladas de acordo com as exigências do Manual da Poedeira Isa Brown (2006), os tratamentos experimentais utilizados foram: T1- controle positivo (CP); T2- suplementação de 300 FTU/kg ração de fitase adotando a matriz nutricional (EMA = Kcal/kg; PB = 8.000%; Ca = 5.000%; Pd = 3.670%; Lisina dig., = 380%; Metionina dig., = 145%; Met + Cis dig., = 280%; Treonina dig., = 260%; Triptofano dig., = 60% e Valina dig., = 200%) na formulação; T3- suplementação de 1200 FTU/kg de ração de fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%), T4- suplementação de 2400 FTU/kg fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%) e T5- suplementação de 3600 FTU/kg de fitase valorizando em 65 kcal EM/kg ração, 4% na PB, 3,5% aminoácidos digestíveis, 0,15 Ca (4%) e 0,18 Pd (51%). Os dados de consumo de ração e conversão alimentar (kg de ração/kg de ovos) e peso médio dos ovos foram avaliados semanalmente. Para o cálculo do percentual de postura, os ovos foram coletados duas vezes ao dia e anotados em planilhas, o número de ovos íntegros, quebrados, trincados, com casca fina, sem casca, deformados e da mortalidade. Ao final de cada ciclo, foi calculada a produção total de ovos e a percentagem de postura de cada unidade experimental. No final de cada intervalo de 21 dias, por 3 dias consecutivos todos os ovos íntegros produzidos por parcela foram submetidos a determinação da qualidade externa através da gravidade específica (g/ml) pelo método da imersão dos ovos em solução salina com densidade variando de 1,066 a 1,102g/cm 3. As gravidades foram aferidas com a utilização de um densímetro de petróleo. Após o período de determinação da gravidade específica uma amostra de dois ovos íntegros por parcela experimental foram coletadas durante três dias para a determinação da porcentagem de casca, perda de peso durante o período de armazenagem de 7 dias em temperatura ambiente (com anotação diária da temperatura máxima e mínima da sala de armazenamento) e espessura da casca (mm). Após o período de armazenamento, os ovos foram pesados e então quebrados e as cascas foram lavadas com cuidado sem a retirada da membrana e secas à temperatura ambiente, e em seguida pesadas em balança de precisão digital com respectiva anotação. O percentual de casca foi obtido pela relação do peso do ovo fresco com o peso da casca seca. Após a pesagem das cascas, foram submetidas ao teste de espessura com auxílio de um micrômetro manual (Mitutoyo ) em três pontos no centro de cada casca, que foram anotados em planilhas. Os dados foram

3 submetidos à análise de variância pelo programa SISVAR e as médias comparadas pelo teste SNK a 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSÃO Os resultados de desempenho (produção de ovos, conversão alimentar, peso médio dos ovos, perdas de ovos) e qualidade de casca (porcentagem de casca, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo armazenado por 7 dias em relação ao peso do ovo fresco), são apresentados na Tabela1. Resultados semelhantes já foram encontrados por Savietto et al, (2007), em um trabalho com poedeiras de uma linhagem comercial de postura com 25 semanas de idade, em que o nível de 600 FTU/kg de ração e 0,225% de Pd não prejudicou o desempenho das aves, sendo a dieta contendo 600FTU s de fitase que obteve melhor desempenho das aves. Viana et al., (2008), que observaram que o consumo de ração (CR), percentual de postura (%), peso do ovo (g/ovo) e a conversão alimentar (CA) por dúzia não foram influenciados (P>0,05) pelos TABELA 1: Produção de ovos (PO), consumo de ração (CR), conversão alimentar (CA), peso médio dos ovos (PMO), perdas de ovos (PER), porcentagem da casca (CAS), espessura da casca (ESP) e porcentagem relativa do peso do ovo fresco (POA) de poedeiras semi-pesadas Isa Brown alimentadas com dietas experimentais no período de 26 semanas a 37 semanas de idade. TRATAMENTOS VARIÁVEIS T1 (CP) T2 T3 T4 T5 CV(%) PO(%/ave/dia) 94,56 95,81 96,43 94,96 96,01 4,75 CR (g) 115,33 118,77 119,48 120,49 120,55 6,58 CA (g/g) 1,99 2,03 2,00 2,08 2,03 7,04 PMO (g) 61,37 60,98 61,32 61,24 61,88 3,45 PER(%/ave/dia) 0,52 1,29 0,74 0,51 1,04 169,63 CAS (%) 10,26 10,39 10,06 10,31 10,06 4,46 ESP (mm) 0,55 0,54 0,64 0,54 0,53 44,73 POA (%) 98,82 98,88 98,84 98,73 98,85 0,26 Não houve interação significativa (P>0,05) entre tratamentos e períodos experimentais para as variáveis produção de ovos, conversão alimentar, peso médio dos ovos, perdas de ovos, porcentagem da casca, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo fresco. Analisando as variáveis produção de ovos, conversão alimentar, peso médio dos ovos, perdas de ovos, porcentagem da casca, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo fresco, não houve efeito significativo dos tratamentos sobre estas variáveis ( P>0,05). Os resultados obtidos mostram que a suplementação com fitase em dietas com diferentes valorizações não influenciaram o desempenho mesmo no nível de menor suplementação da enzima (T2) com 300 FTU/kg de ração. tratamentos dietéticos quando usou 360 galinhas poedeiras da linhagem Bovans Goldline, de 24 a 36 semanas de idade alimentadas com dietas experimentais com 80,160 e 240g/ton de fitase e 0,15% Pd. Os resultados das variáveis produção de ovos, conversão alimentar, peso médio dos ovos, perdas de ovos, porcentagem da casca, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo fresco dentro dos períodos experimentais são apresentados na Tabela 2.

4 TABELA 2: Produção de ovos (PO), consumo de ração (CR), conversão alimentar (CA), peso médio dos ovos (PMO), perdas de ovos (PER), porcentagem da casca (CAS), espessura da casca (ESP) e porcentagem relativa do peso do ovo armazenado por 7 dias, em relação ao peso do ovo fresco (POA), de poedeiras semi pesadas Isa Brown alimentadas com dietas experimentais no período de 26 semanas à 38 semanas de idade, de acordo com os períodos experimentais. PERÍODO PO (%/ave/dia) CR (g) CA¹ (g/g) PMO¹ (g) VARIÁVEIS PER (%/ave/dia) CAS¹ (%) ESP (mm) I (26-28 sem.) 96,30 116,32 2,04a 59,23d 0,85 10,36a 0,54 98,83 II(29-31 sem.) 95,69 120,80 2,06a 61,30c 0,83 10,26ab 0,56 98,88 III(32-34 sem.) 94,88 119,03 2,03a 62,03b 0,80 10,16ab 0,62 98,86 IV(35-37 sem.) 95,34 119,55 1,98b 62,87a 0,80 10,07c 0,52 98,72 CV2(%): 2,23 2,27 2,89 1,75 88,93 2,86 46,53 0,26 ¹médias seguidas de letras diferentes na coluna diferem estatisticamente pelo teste de SNK ( P< 0,01) POA (%) Não houve efeito significativo dos períodos experimentais (P>0,05) para as variáveis Produção de ovos, consumo de ração, perdas de ovos, espessura da casca e porcentagem relativa do peso do ovo armazenado por 7 dias em relação ao peso do ovo fresco. A utilização de dietas valorizadas com fitase otimizou a conversão alimentar, não influenciou na produção de ovos e peso do ovo fresco armazenado por 7 dias. Houve efeito significativo dos períodos (P<0,01) para as variáveis conversão alimentar, peso médio dos ovos e porcentagem da casca, Os resultados obtidos divergem dos encontrados por Casarteli et al., (2003) que observam uma redução na PMO, as aves que receberam dietas com 0,37Pt suplementada com 1000 FTU/kg de ração em comparação a aves recebendo dieta com 0,61% Pt sem suplementação de fitase. De acordo com os resultados obtidos observa-se uma melhora na conversão alimentar (CA) no 4 período em relação aos demais. Isto pode ser explicado devido a um aumento no peso médio dos ovos (PMO) com avanço dos períodos experimentais, fato comumente observado em outras pesquisas. Apresentados na tabela 3: Houve interação significativa entre os tratamentos e períodos experimentais (P<0,01) para a variável peso específico dos ovos (tabela 3). Observa-se um menor valor de peso específico somente no T3 dentro do período 4 (P<0,01). Analisando os períodos dentro dos tratamentos, observa-se diferenças somente dentro dos tratamentos T2, T3 e T5. TABELA 3; Peso Específico (g/ml) de poedeiras semi-pesadas alimentadas com dietas experimentais no período de 26 a 37 semanas de idade de acordo com os tratamentos e períodos experimentais. TRATAMENTOS PERÍODO CP T2² T3² T4 T5² I(26-28semanas) 1,0975 1,0978B 1,0976A 1,0971 1,0971B II(29-31semanas) 1,0933 1,094A 1,0923B 1,0926 1,0921A III(32-34semanas) 1,0945 1,0945A 1,0943A 1,0940 1,0928A IV(35-37semanas) 1,0931b 1,0930bB 1,0896aAB 1,0931b 1,0928bA CV1(%): 0,18 CV2(%): 0,09 ¹médias seguidas de letras minúsculas diferentes na linha diferem estatisticamente pelo teste de SNK (P<0,01). ²médias seguidas de letras maiúsculas diferentes na coluna diferem estatisticamente pelo teste de SNK (P<0,01).

5 CONCLUSÃO A suplementação de 300FTU/kg ração para poedeiras semi-pesadas no pico de produção, adotando-se a matriz nutricional comercial da fitase, mostrou-se efetiva sobre o desempenho e qualidade dos ovos na fase avaliada. Da mesma forma, uma redução mais acentuada na densidade nutricional (65Kcal/EM, 4% PB, 3,5% aminoácidos digestíveis 0,15 (4%) Ca e 0,18 (51%) Pd de dietas para poedeiras semipesadas no pico de produção pode ser efetuada com a suplementação maior ou igual a FTU da fitase avaliada sendo suficiente para um bom desempenho e qualidade externa dos ovos se comparando com a dieta controle (com níveis nutricionais usualmente utilizados). REFERÊNCIAS BESS, F.; ROSA, A.P.; KRABLE, E.L., et al. Efeito da adição de fitase sobre a percentagem de postura e densidade de ovos em matrizes de corte. In: CONFERÊNCIA APINCO 2006 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2006, Santos- SP: FACTA, Suplemento 8, 2006, p.106. CASARTELI, E.; MUCKE, D.; JUNQUIERA, O.M., et al. efeito de diferentes fontes e níveis de fósforo e da enzima fitase sobre o desempenho de poedeiras. In: CONFERÊNCIA APINCO 2003 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2003, Campinas-SP: FACTA, Suplemento 5, 2003, p.49. COSTA, F.G.P.; DUARTE, I.M.T.; NASCIMENTO, et al. efeito da redução do fósforo disponível em dietas suplementadas com fitase sobre o desempenho de poedeiras de ovos marrons. In: CONFERÊNCIA APINCO 2003 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2003, Campinas-SP: FACTA, Suplemento 5, 2003, p.63. FUKAYAMA, E.H.; SAKONURA, N.K.; DOURADO, L.R.B., et al. Efeito da suplementação de fitase sobre o desempenho de frangos de corte. In: CONFEÊNCIA APINCO 2006 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2006, Santos-SP: FACTA, Suplemento 8, 2006, p.113. NUTRITION Management Guide- ISA BROWN. Hendrix Genetics Company p. SAVIETTO, D.; ARAÚJO,L.F.; JUNQUEIRA, OM.,et al. Desempenho produtivo de poedeiras comerciais alimentadas com diferentes níveis de zinco disponível e fitase. In: CONFERÊNCIA APINCO 2006 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2007, Santos: FACTA, Suplemento 9, 2007, p.38. STRADA, E.S.O ET AL. Uso de Enzimas na Alimentação de Frangos de Corte. Rev. Bras. Zootec., Viçosa, v. 34, n.6, p. 2369, VIANA, M.T.S.; ALBINO, L.F.T.; ROSTANGO, H.S., et al. Efeito da suplementação da enzima quantum TM fitase sobre o desempenho de galinhas poedeiras. In: CONFERÊNCIA APINCO 2008 DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS, 2008, Santos-SP: FACTA, suplemento 10, p.48. AGRADECIMENTOS Especiais agradecimentos ao Comércio e Indústria Uniquímica. pelo apoio para a realização desta pesquisa e a todos os funcionários e professores do CEFET Bambuí e de outras instituições que direta ou indiretamente colaboraram e a diretoria do CEFET Bambuí pela concessão das bolsas do Programa Institucional de Iniciação Científica. DARI, R.L. A utilização de fitase na alimentação de aves. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIAS AVÍCOLAS 2004, Santos-SP: FACTA, Volume: 1, 2004, p.127 a 143.

Níveis de fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras semi-pesadas.

Níveis de fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras semi-pesadas. Níveis de fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras semi-pesadas. Leonardo Almeida SANTOS¹; Adriano GERALDO²; Cátia Borges FERREIRA³; Leandro Carlos PEREIRA³; Leandro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE CARBOIDRASE E FITASE EM DIETAS VALORIZADAS E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMIPESADAS

ASSOCIAÇÃO DE CARBOIDRASE E FITASE EM DIETAS VALORIZADAS E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMIPESADAS ASSOCIAÇÃO DE CARBOIDRASE E FITASE EM DIETAS VALORIZADAS E SEUS EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE POEDEIRAS SEMIPESADAS Javer Alves Vieira FILHO 1; ; Leandro Moreira SILVA 3 Adriano GERALDO

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 5 ; Eduardo

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Eduardo Terra NOGUEIRA

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 4 ; Eduardo

Leia mais

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Karina Aurora Rodrigues GOMES 1, Adriano GERALDO 2, Sérgio Domingos SIMÃO³, Filipe Soares NOGUEIRA

Leia mais

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático Resumo Expandido Título da Pesquisa: Suplementação de carboidrases e fitase em ditas para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre o desempenho Palavras-chave: enzimas; monogástricos; disponibilização

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: qualidade dos ovos Diego Henrique MIRANDA¹; Luiz Carlos MACHADO²; Tiago Antônio dos SANTOS³;

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 2003 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA DIETA PARA POEDEIRAS COMERCIAIS Introdução As dietas para poedeiras ainda são formuladas baseando-se

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

Níveis de inclusão de extrato de urucum e açafrão em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho e coloração da gema dos ovos

Níveis de inclusão de extrato de urucum e açafrão em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho e coloração da gema dos ovos II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 Níveis de inclusão de extrato de urucum e açafrão em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 60 aos 95 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES Silvia Vitória Santos de Carvalho ARAÚJO* 1, Túlio Leite REIS 1, Juan

Leia mais

USO DE FITASE PARA COELHOS EM CRESCIMENTO: DESEMPENHO PRODUTIVO

USO DE FITASE PARA COELHOS EM CRESCIMENTO: DESEMPENHO PRODUTIVO USO DE FITASE PARA COELHOS EM CRESCIMENTO: DESEMPENHO PRODUTIVO Marcelo Gaspary MARTINS 1 ; Luiz Carlos Machado 2 ; Bruna Pontara Vilas Boas Ribeiro 1 ; Luiz Otávio Rodrigues Pinto 3, Eduardo Henrique

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA Jovane Lino RIBEIRO* 1, Thuani Venâncio da Silva PEREIRA 2, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Alessandra Luiza de SOUZA 1, Suelem

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

V SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ V JORNADA CIENTÍFICA REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS E

V SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ V JORNADA CIENTÍFICA REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS E V SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ V JORNADA CIENTÍFICA REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS 1. DOS OBJETIVOS, CONCEITO E ORGANIZAÇÃO DA JORNADA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Metionina mais Cistina Digestíveis para Suínos Machos Castrados dos 60 aos 95 kg Introdução A sucessiva seleção

Leia mais

Milheto na alimentação de poedeiras. Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações.

Milheto na alimentação de poedeiras. Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações. Grão alternativo Milheto pode substituir o milho em até 100% na ração Milheto na alimentação de poedeiras Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações Autores:

Leia mais

QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1

QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1 QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1 Osvaldo Junior Cavalcante SILVA* 1, João Marcos Tavares NOVAIS², Josilene Correa

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

Associação de carboidrases e fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre desempenho e qualidade dos ovos de poedeiras leves

Associação de carboidrases e fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre desempenho e qualidade dos ovos de poedeiras leves Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.67, n.1, p.249-254, 2015 Associação de carboidrases e fitase em dietas valorizadas e seus efeitos sobre desempenho e qualidade dos ovos de poedeiras leves [Association of

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA Rafaela Cavalcante CALIXTO* 1, Lucyana Vieira COSTA 1, João Darós MALAQUIAS JÚNIOR 1, Maria Ivete de MOURA 1, Francine Oliveira

Leia mais

Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho

Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho Vitor Colossal da Silva 1 ; Marllon José Karpeggiane de Oliveira 2 ; Sandersson Santos Fonseca

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

Uso do resíduo da casquinha de milho como fonte de fibras para coelhos em crescimento

Uso do resíduo da casquinha de milho como fonte de fibras para coelhos em crescimento Uso do resíduo da casquinha de milho como fonte de fibras para coelhos em crescimento Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO¹; Luiz Carlos Machado²; Marcelo Gaspary Martins 1 ; Tiago Antônio dos Santos 1 ; Eduardo

Leia mais

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA Rogério Soares do ROSÁRIO* 1, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Genésio de Cássio SOUZA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 2004 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br NÍVEL DE LISINA DIGESTÍVEL PARA AS DIETAS PRÉ-INICIAIS DE PINTOS DE CORTE Introdução Objetivo Material e Métodos A utilização

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 2003 NÍVEL DE LISINA NAS RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE: Experimento 1 22 a 42 dias de idade Experimento 2 36 a 49 dias de idade Introdução O nível de lisina das rações de frangos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Inclusão de Emulsificante na Alimentação de Poedeiras Autor (es): Joyce Augusta Ferreira; Adriano Geraldo, Diogo Alvarenga Miranda, Jean Kaique Valentim;

Leia mais

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático

Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Desempenho de frangos de corte suplementados com complexo multienzimático Anderson Luiz de Assis INÁCIO 1, Israel Marques da SILVA 2, Adriano GERALDO 3, Clara Costa Zica GONTIJO 3, Joyce Augusta FERREIRA

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semi-pesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA Marcos L. DIAS 1 ; Fábio R. de ALMEIDA 1 ; Helena M. F. da SILVA 1 ; Antônio

Leia mais

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS Jéssica Daliane DILKIN 1, Marindia A. KOLM 1, Maurício BARRETA 1, Fernando TAVERNARI 2, Aline ZAMPAR 1, Aleksandro S.

Leia mais

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 Fernanda Gonçalves de SOUZA* 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso de SOUZA 1,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO Matheus Sousa de Paula CARLIS (1) *, Érica Santos MELLO (2), Rosemary Pereira de Pedro SOUZA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

Complexo multienzimático em dietas de poedeiras comerciais

Complexo multienzimático em dietas de poedeiras comerciais DOI: 10.5965/223811711612017061 Complexo multienzimático em dietas de poedeiras comerciais Multi-enzyme complex in laying hens diet Ricardo Cruz Vargas *, Adriano Geraldo, Tatiana Cristina Rocha, Israel

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Resumo Expandido Título da Pesquisa

Resumo Expandido Título da Pesquisa Resumo Expandido Título da Pesquisa: Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade.

Leia mais

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS Lorena Mari Sanches¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira 3 ; Rodrigo Garofallo

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA Luciana Freitas FERNANDES* 1, Marcelo Helder Medeiros SANTANA 1, Antonia Valcemira Domingos

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE Flávia Silveira VASCONCELOS* 1, Rivia Maria Prates de SOUZA¹, Maysa Eduarda COSTA ¹, Alexandre Vinhas de SOUZA¹, Marcos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

Utilização de diferentes tipos de emulsificantes na alimentação de frangos de corte e seus efeitos sobre o rendimento de carcaça

Utilização de diferentes tipos de emulsificantes na alimentação de frangos de corte e seus efeitos sobre o rendimento de carcaça Utilização de diferentes tipos de emulsificantes na alimentação de frangos de corte e seus efeitos sobre o rendimento de carcaça Sandersson Santos Fonseca 1 ; Marllon José Karpeggiane de Oliveira 2 ; Vitor

Leia mais

NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA LEVELS OF CHOLINE SUPPLEMENTATION IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS

NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA LEVELS OF CHOLINE SUPPLEMENTATION IN THE DIET OF LAYING JAPANESE QUAILS 118 REIS, de R.S. et al. NÍVEIS DE SUPLEMENTAÇÃO DE COLINA NA DIETA DE CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA Renata de Souza Reis¹, Sérgio Luiz de Toledo Barreto¹, Eriane de Paula¹, Jorge Cunha Lima Muniz¹, Gabriel

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA 58 GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984-3801) VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE FITASE EM RAÇÕES PARA CODORNAS JAPONESAS EM POSTURA Heder José D'Avila Lima * ; Sergio Luiz de Toledo Barreto 1 ; Fernanda

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE Hérica da Silva MESSIAS* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inêz de Oliveira LACERDA 2, Eduardo

Leia mais

ADIÇÃO DE XILANASE E GLUCANASEASSOCIADA A FITASE EM DIETAS DE FRANGO DE CORTE SOBRE A RETENÇÃO E EXCREÇÃO DE MINERAIS

ADIÇÃO DE XILANASE E GLUCANASEASSOCIADA A FITASE EM DIETAS DE FRANGO DE CORTE SOBRE A RETENÇÃO E EXCREÇÃO DE MINERAIS ADIÇÃO DE XILANASE E GLUCANASEASSOCIADA A FITASE EM DIETAS DE FRANGO DE CORTE SOBRE A RETENÇÃO E EXCREÇÃO DE MINERAIS Edenilse Gopinger 1 *,Valdir Silveira de Avila 2, Everton Luis Krabbe 2, Diego Surek

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE Matheus Sodré FERREIRA* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Agnaldo Borge de SOUZA 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Cleber

Leia mais

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012 Controle de Qualidade em Fábrica de Rações Luciano Hauschild Maio 2012 Formulação Elaborar a ração Qualidade nutricional Qualidade física Qualidade microbiológica PRODUTOS Calcario Fosfato Farelos Aminoácidos

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

EFEITO DA FITASE E DA DENSIDADE ENERGÉTICA EM DIETA PARA FRANGOS DE CORTE SOBRE O DESEMPENHO DE 28 A 35 DIAS DE IDADE

EFEITO DA FITASE E DA DENSIDADE ENERGÉTICA EM DIETA PARA FRANGOS DE CORTE SOBRE O DESEMPENHO DE 28 A 35 DIAS DE IDADE 1 EFEITO DA FITASE E DA DENSIDADE ENERGÉTICA EM DIETA PARA FRANGOS DE CORTE SOBRE O DESEMPENHO DE 28 A 35 DIAS DE IDADE Cristiéle Lange Contreira 1, Henrique Müller Dallmann 2, Valdir Silveira de Avila

Leia mais

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL Raphael Rodrigues dos SANTOS* 1, Saullo Diogo de ASSIS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO 1, Juliana Pinto MACHADO 1,

Leia mais

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 2 dias de idade Luciana Pereira Nabute Cunha ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Flávia Luzia

Leia mais

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Chrystiano Pinto de RESENDE 1 ; Everto Geraldo de MORAIS 2 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE MINAFRA, CIBELE S.; LOPES JÚNIOR, CARLOS O.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; CYSNEIROS, CRISTINE DOS S. S.; FERRAZ, HENRIQUE T.; LOPES, DYOMAR T. Efeito de diferentes

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO

QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO João Paulo Tiburcio BUENO 1, Rodrigo Garófallo GARCIA *1, Tássia

Leia mais

Associação de carboidrase e fitase em dietas valorizadas para poedeiras semipesadas

Associação de carboidrase e fitase em dietas valorizadas para poedeiras semipesadas Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1806-2563 ISSN on-line: 1807-8664 Doi: 10.4025/actascianimsci.v34i3.12735 Associação de carboidrase e fitase em dietas valorizadas para poedeiras semipesadas

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009.

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Avaliação de alterações na coloração e qualidade da gema de ovos em função do tempo e forma de

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS ANAIS VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS TM BERTOL 1 *, JV LUDKE 1, DL ZANOTTO 1, A COLDEBELLA 1 1 Embrapa

Leia mais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Jeffersson Lecznieski Gerente Técnico DSM Produtos Nutricionais Brasil Introdução Devido aos altos e crescentes custos das matérias

Leia mais

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Carla Fonseca Alves 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Mônica Calixto

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia NÍVEIS DE LISINA TOTAL E RESPOSTAS ZOOTÉCNICAS PARA SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Ines Andretta 1, Bruno Neutzling Fraga 1, Marcos Kipper da Silva

Leia mais

Manual de Padrões de Desempenho

Manual de Padrões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 Manual de Padrões de Desempenho Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 96% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 95% Viabilidade Macho, 1 18 semanas 85% Viabilidade Macho,

Leia mais

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Allan Reis Troni allan_troni@yahoo.com.br Introdução Contínua evolução das linhagens

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS Márcia das Neves Soares (1); Sarah Gomes Pinheiro (1);

Leia mais

Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim

Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; VIEITES, FLÁVIO M.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; CYSNEIROS, CRISTINE S. S.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Avaliação dos níveis de balanço

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características

Leia mais

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA Mayara Borges CRISTOFOLI* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Mariana Elias BORGES 2, Maria Auxiliadora de OLIVEIRA 1, Alisson Verbenes

Leia mais

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade

Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64, n.6, p.1699-1706, 2012 Exigência de metionina + cistina para frangas de reposição na fase cria de sete a 12 semanas de idade [Requirement of methionine + cystine for

Leia mais

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM

PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS RECEBENDO RAÇÕES COM DIFERENTES NÍVEIS DO RESÍDUO DA RASPA DA MANDIOCA COM E SEM URUCUM Antonio Hugo Rabelo de Castro 1 ; Kênia Ferreira Rodrigues 2 ; 1 Aluno do Curso de Zootecnia;

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE Nayara Emanoelle Matos e SILVA* 1, Sandersson Santos da FONSECA2, Vitor Colossal da SILVA2, Jean Kaique VALENTIM², Adriano

Leia mais

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS INTRODUÇÃO

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS INTRODUÇÃO QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS OLIVEIRA, L.G.G. de 1 ; NUNES, J.K. 2 ; SILVEIRA, M.A. da 3 ; PETERS, M.D. de P. 4 ; DIAS, L.P. 5 1 Discente Curso Técnico em

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 31

RELATÓRIO DE PESQUISA - 31 RELATÓRIO DE PESQUISA - 31 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 1 Introdução A nova disponibilidade

Leia mais

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO Fernanda Maria Denck (PIBIC/UEPG), Cheila Roberta Lehnen (Orientadora) e-mail: cheilalehnen@gmail.com, Joao Otávio

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 USO DE TREONINA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE DESEMPENHO E CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 3 Introdução Nos relatórios anteriores (RP 31 e RP 32), relatamos

Leia mais

MORFOMETRIA DUODENAL DE FRANGOS DE CORTE COM 21 DIAS, ALIMENTADOS COM SUPERDOSAGEM DE FITASE

MORFOMETRIA DUODENAL DE FRANGOS DE CORTE COM 21 DIAS, ALIMENTADOS COM SUPERDOSAGEM DE FITASE MORFOMETRIA DUODENAL DE FRANGOS DE CORTE COM 21 DIAS, ALIMENTADOS COM SUPERDOSAGEM DE FITASE José Danrley Cavalcante DOS SANTOS* 1, Geni Caetano XAVIER NETA 1, Eudes Fernando Alves DA SILVA 2, Samara da

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE

DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE Lucélia Alves do NASCIMENTO* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Ronielton Lucas Reis de CASTRO 1, Rogério Soares do

Leia mais

Palavras-chave: armazenamento, cinzas, extrato etéreo, proteína bruta, sólidos totais

Palavras-chave: armazenamento, cinzas, extrato etéreo, proteína bruta, sólidos totais AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE OVOS MARRONS: INFLUÊNCIA DA IDADE DA POEDEIRA E DO PERÍODO DE ESTOCAGEM Natália Ramos Batista 1 & Elis Regina de Moraes Garcia 2 1 Estudante do curso de Zootecnia da

Leia mais