SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás"

Transcrição

1 2º trimestre/2013

2

3 R SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Petróleo e Gás Resumo Executivo São Paulo V.02 02/2013 agosto / 2013 Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 1

4 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ENERGIA Rua Bela Cintra, º e 13º andar São Paulo - SP - Brasil Tel.: Fax.: internet: Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 2

5 Governador do Estado Geraldo Alckmin Secretário de Energia José Aníbal Peres de Pontes Secretário Adjunto Ricardo Achilles Chefe de Gabinete Alexsandro Peixe Campos Subsecretaria de Energia Elétrica Subsecretaria de Petróleo e Gás Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretaria de Energias Renováveis Milton Flávio Marques Lautenschlager Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 3

6

7 SUMÁRIO SUBSECRETARIA DE PETRÓLEO E GÁS Apresentação 7 Produção de Gás Natural 9 Consumo de Gás Natural 10 Produção de Petróleo 13 Carga Processada 14 Produção de Derivados de Petróleo 15 Consumo de Derivados de Petróleo 16 Atuação da Subsecretaria de Petróleo e Gás 21 Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 5

8

9 Apresentação O presente relatório tem por objetivo apresentar de forma sintetizada, uma série comparativa entre São Paulo e Brasil, dentro de períodos pré-estabelecidos, de informações energéticas dos setores de Gás Natural, Petróleo e Derivados. As informações contidas neste volume contemplam os seguintes assuntos: Produção e Consumo de Gás Natural; Produção e Consumo de Derivados de Petróleo. As números apresentados foram obtidos junto à ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ARSESP Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo e as concessionárias paulistas de Gás Natural (COMGÁS, Gás Natural Fenosa e Gás Brasiliano Distribuidora Ltda.). Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 7

10

11 PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL No primeiro semestre de 2013, a produção de Gás Natural no Estado de São Paulo representou 10,49 % do total do país, o que pode ser verificado no quadro comparativo, abaixo: PRODUÇÃO ( 10 3 m 3 ) Ano 2013 BRASIL SÃO PAULO SP/Br (%) Janeiro ,02 Fevereiro ,50 Março ,88 Abril ,59 Maio ,29 Junho ,66 Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro TOTAL ,49 Produção de Gás Natural ( 10³m³ ) Acumulado no Ano ; 10% ; 90% DEMAIS ESTADOS SÃO PAULO Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 9

12 CONSUMO DE GÁS NATURAL Comparativo do consumo de Gás Natural por classes entre Brasil e Estado de São Paulo. CONSUMO ( 10³m³ ) Jan à Jun 2013 Brasil São Paulo SP/Br (%) Residencial ,7 Industrial ,4 Comercial ,2 Automotivo ,6 Cogeração ,3 Ger.Elétrica ,7 Outros (*) ,3 TOTAL ,9 (*) Inclui GNC - Gás Natural Comprimido Consumo de Gás Natural no Estado de São Paulo Acumulado no Ano / 2013 ( 10³m³ ) ; 5% ; 4% ; 15% ; 2% ; 1% % ; 70% ABEGÁS -Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Residencial Industrial Comercial Automotivo Cogeração Ger.Elétrica Outros (*) Consumo de Gás Natural no Brasil Acumulado no Ano / 2013 ( 10³m³ ) ; 7% ; 1% ; 39% ; 4% ; 1% ; 42% ; 6% Residencial Industrial Comercial Automotivo Cogeração Ger.Elétrica Outros (*) ABEGÁS -Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 10

13 CONSUMO DE GÁS NATURAL Junho / 2013 A seguir, é apresentado o comparativo do consumo de gás natural por classe no mês de Junho/2013, entre o Brasil e o Estado de São Paulo. Junho 2013 CONSUMO DE GÁS DE NATURAL - (10³m³ ) BRASIL SÃO PAULO SP/Br (%) Residencial ,18 Industrial ,96 Comercial ,57 Automotivo ,67 Cogeração ,34 Ger. Elétrica ,15 Outros (*) ,65 TOTAL ,57 (*) Inclui GNC Gás Natural Comprimido Consumo de Gás Natural - Brasil e São Paulo Junho / 2013 ( 10³m³ ) BRASIL SÃO PAULO ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 11

14 CONSUMO DE GÁS NATURAL São Paulo por classe julho/2012 a junho/2013 A tabela a seguir apresenta os valores referentes ao consumo de Gás Natural no Estado de São Paulo nos últimos 12 meses, discriminado por classe de consumo. Consumo de Gás Natural Total por Classe (10³m³) de jul/12 a jun/13 Ano Residencial Industrial Comercial Automotivo Cogeração Geração Eletr. Outros jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ m ai/ jun/ TOTAL ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Participação das Classes no Consumo Total de Gás Natural no Estado de São Paulo (%) jul/12 a jun/13 12,61% 0,58% 3,38% Residencial Industrial 5,54% Comercial Automotivo 4,51% 72,28% Cogeração Geração Elétrica 1,89% Outros ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 12

15 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO A tabela abaixo apresenta os valores comparativos de Produção de Petróleo, entre o Estado de São Paulo e Brasil no período de julho/2012 a junho/2013 Mês Produção de Petróleo (m³) Brasil São Paulo SP/BR (%) jul/ ,43 ago/ ,45 set/ ,46 out/ ,33 nov/ ,38 dez/ ,36 jan/ ,83 fev/ ,54 mar/ ,70 abr/ ,32 mai/ ,49 jun/ ,08 12 Meses Findos ,94 A N P - A gência N acio nal do P etró leo, Gás N atural e B io co mbustí veis Produção de Petróleo (m³) 12 Meses Findos - jul/2012 a jun/ ; 98% DEMAIS ESTADOS SÃO PAULO ; 2% ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 13

16 CARGA PROCESSADA DE PETRÓLEO Na tabela a seguir estão representados os valores comparativos de Carga Processada de Petróleo nos últimos 12 meses, no Estado de São Paulo e Brasil Mês Carga Processada (m³) Brasil São Paulo SP/BR (%) jul/ ,22 ago/ ,60 set/ ,08 out/ ,58 nov/ ,47 dez/ ,00 jan/ ,47 fev/ ,34 mar/ ,94 abr/ ,49 mai/ ,69 jun/ ,71 12 Meses Findos ,20 Carga Processada (m³) 12 Meses Findos - jul/2012 a jun/ ; 56% ; 44% DEMAIS ESTADOS SÃO PAULO ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 14

17 Produção de Derivados de Petróleo nas refinarias do Estado de São Paulo julho/2012 a junho/2013 A seguir, é apresentada a produção mensal de derivados de petróleo, nos últimos 12 meses realizada pelas refinarias do Estado de São Paulo. Mês Gasolina Óleo Diesel Produção Mensal de Derivados de Petróleo - São Paulo (m³) Óleo Combustível GLP Querosene de Aviação Coque Nafta Demais (*) jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ TOTAL (*) asfalto, gasolina de aviação, querosene iluminante, óleo lubrificante, graxa, solventes, parafina, gases de refinaria e outros. Fonte: ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Produção Derivados de Petróleo (m³) São Paulo - junho 2013 GLP; ; Óleo 7% Combustível; % Óleo Diesel; ; 42% Querosene de Aviação; ; 5% Coque; ; 5% Nafta; ; 2% Demais (*); ; 5% Gasolina; ; 26% (*) asfalto, gasolina de aviação, querosene iluminante, óleo lubrificante, graxa, solventes. parafina e gases de refinaria. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 15

18 Consumo Mensal de Derivados de Petróleo São Paulo (m³) Julho/2012 a Junho/2013 Na tabela a seguir estão indicados os valores correspondentes ao consumo mensal dos Derivados de Petróleo, nos últimos 12 meses no Estado de São Paulo. Mês Gasolina Consumo Mensal de Derivados de Petróleo - São Paulo (m³) Óleo Diesel Óleo Combustível GLP Querosene de Aviação Demais (*) jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ TOTAL (*) gasolina de aviação e querosene iluminante. Fonte: ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Consumo Derivados de Petróleo (m³) São Paulo - junho 2013 GLP; ; 9% Óleo Combustível; ; 1% Óleo Diesel; ; 34% Querosene de Aviação; ; 7% Coque; ; 14% Nafta; ; 2% Demais (*); ; 7% Gasolina; ; 26% (*) gasolina de aviação e querosene iluminante. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 16

19 Produção Total de Derivados de Petróleo Comparativo entre São Paulo / Brasil A tabela abaixo apresenta os valores comparativos da Produção Total de Derivados de Petróleo entre o Estado de São Paulo e Brasil nos últimos 12 meses. Mês Produção de Derivados (m³) Brasil São Paulo SP/BR (%) jul/ ,05 ago/ ,25 set/ ,79 out/ ,11 nov/ ,44 dez/ ,57 jan/ ,74 fev/ ,02 mar/ ,77 abr/ ,83 mai/ ,92 jun/ ,16 12 Meses Findos ,41 Fonte: ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Produção de Derivados de Petróleo (m³) jul/2012 a jun/ ; 56% ; 44% DEMAIS ESTADOS SÃO PAULO Fonte: ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 17

20 Consumo Total de Derivados de Petróleo (m³) Comparativo entre São Paulo / Brasil A seguir, é apresentado o consumo comparativo do total de derivados de Petróleo entre São Paulo e Brasil, nos últimos 12 meses. Mês Consumo de Derivados (m³) Brasil São Paulo SP/BR (%) jul/ ,1 ago/ ,2 set/ ,9 out/ ,4 nov/ ,0 dez/ ,3 jan/ ,4 fev/ ,0 mar/ ,8 abr/ ,4 mai/ ,8 jun/ ,3 12 Meses Findos ,5 ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Consumo de Derivados de Petróleo (m³) jul/2012 a jun/ ; 68% DEMAIS ESTADOS SÃO PAULO ; 32% (*) Demais: asfalto, gasolina de aviação, querosene iluminante, óleo lubrificante, graxa, solventes, parafina e gases de refinaria. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 18

21 Produção de Derivados de Petróleo (m³) Comparativo entre São Paulo / Brasil A tabela abaixo apresenta os valores comparativos da produção de derivados de Petróleo entre o Estado de São Paulo e o Brasil no mês de junho/2013. DERIVADOS (m³) BRASIL SÃO PAULO SP/BR (%) Gasolina % Óleo Diesel % Óleo Combustível % GLP % Querosene de Aviação % Coque % Nafta % Demais (*) % TOTAL % (*) Demais: asfalto, gasolina de aviação, querosene iluminante, óleo lubrificante, graxa, solventes, parafina e gases de refinaria. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Produção Derivados de Petróleo (m³) São Paulo / Brasil - junho Gasolina Óleo Diesel Óleo Combustível GLP SÃO PAULO Querosene de Aviação Coque Nafta Demais (*) BRASIL (*) Demais: asfalto, gasolina de aviação, querosene iluminante, óleo lubrificante, graxa, solventes, parafina e gases de refinaria. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 19

22 Consumo de Derivados de Petróleo Comparativo entre São Paulo / Brasil - junho/2013 A tabela abaixo apresenta os valores comparativos do consumo de derivados de petróleo entre o Estado de São Paulo e o Brasil em junho de DERIVADOS SÃO PAULO BRASIL SP/BR (%) Gasolina ,7 Óleo Diesel ,9 Óleo Combustível ,3 GLP ,0 Querosene de Aviação ,5 Demais (*) ,2 TOTAL ,5 (*) Demais: gasolina de aviação e querosene iluminante. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Consumo Derivados de Petróleo (m³) São Paulo / Brasil - junho Brasil São Paulo Gasolina Óleo Diesel Óleo Combustível GLP Querosene de Aviação Demais (*) (*) gasolina de aviação e querosene iluminante. ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 20

23 ATUAÇÃO DA SUBSECRETARIA DE PETRÓLEO E GÁS FOCO 1 INTERNALIZAÇÃO DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS E MINIMIZAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ÀS ATIVIDADES DE PETRÓLEO E GÁS EM SÃO PAULO PILARES DE AÇÃO Ampliação da formação e preparação da mão de obra estadual Intensificar a qualificação profissional da mão de obra paulista, para os níveis básico, operacional, técnico e superior, com foco nas atividades de petróleo e gás; Atração de novos empreendedores e investimentos nas atividades de petróleo e gás natural - Fomento a geração de postos de trabalho e renda no Estado; Apoio ao planejamento e desenvolvimento regional sustentável do litoral paulista fomentar o planejamento territorial e urbano dos municípios litorâneos com vistas a estabelecer as prioridades de reforço e ampliação da infraestrutura urbana habitação, saneamento, transportes e energia e dos serviços públicos saúde, educação e segurança pública. FOCO 2 DESENVOLVER A COMPETÊNCIA E COMPETITIVIDADE ESTADUAL NA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PILARES DE AÇÃO Propiciar melhorias de escala, participação de mercado e competitividade das empresas paulistas Apoio à implantação de parques tecnológicos, estruturação de linhas de financiamento e estudos de avaliação dos aspectos tributários; Desenvolvimento energético ampliar o uso do gás natural na matriz de energética do Estado, em substituição a outros energéticos e na diversificação de seu uso pelos segmentos de consumo, em particular para as situações nas quais haja oportunidades de ganhos econômicos, ambientais e aumento de eficiência energética. Resumo Executivo nº 02/2013 Pág.: 21

24 EQUIPE TÉCNICA Elisabete Fernandes Jânio Queiroz Souto José Luiz de Carra Marcelo Fernandes de Souza Marco Antônio Luiz Cremonesi Plínio Pires Barbosa Reinaldo Alves Almança Sergio Nakamura Silvia Regina de Aquino Resumo Executivo nº 02/2013

25

26

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013

Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013 Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013 1 Agenda Oferta e Demanda de Gasolina Preços da Gasolina: Defasagem e Perdas Soluções do Governo Propostas 2 Oferta e Demanda de Gasolina

Leia mais

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE Fatores válidos para recolhimento em 01/08/2016 JANEIRO 3,3714 3,2396 3,0166 2,8566 2,6932 2,5122 2,3076 2,1551 1,9790 1,8411 1,7203 1,5947 FEVEREIRO 3,3614 3,2158 3,0021 2,8464 2,6807 2,4939 2,2968 2,1429

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 49 - Junho 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 49 - Junho 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO BIOELETRICIDADE: Desafios para Crescer ETHANOL SUMMIT 2011 José Aníbal Secretário de Energia do Estado de São Paulo São Paulo 6 de Junho de 2011 Nuclear 5,8% Secretaria

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012 Sumário...04 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12 JANEIRO 2,7899 2,6581 2,4351 2,2751 2,1117 1,9307 1,7261 1,5736 1,3975 1,2596 1,1388 1,0132 FEVEREIRO 2,7799 2,6343 2,4206 2,2649 2,0992 1,9124 1,7153 1,5614 1,3860 1,2496 1,1288 1,0032 MARÇO 2,7699 2,6010

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Janeiro/2011 SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Janeiro 2011 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Março/2011 SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Março 2011 GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Dezembro/2009 SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 05 P.28 Dezembro 2009 GOVERNO

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Junho/2011 SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Junho 2011 GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Setembro/2011 SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Setembro 2011 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Agosto/2011 SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Agosto 2011 GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA. Série Informações Energéticas, 001. Boletim Informativo

SECRETARIA DE ENERGIA. Série Informações Energéticas, 001. Boletim Informativo n SECRETARIA DE ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 08 P.28 Abril 2011 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ENERGIA Rua Bela Cintra,

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Painel I: PERSPECTIVAS PARA O NOVO CENÁRIO DO GÁS NATURAL NO BRASIL

Painel I: PERSPECTIVAS PARA O NOVO CENÁRIO DO GÁS NATURAL NO BRASIL Painel I: PERSPECTIVAS PARA O NOVO CENÁRIO DO GÁS NATURAL NO BRASIL Symone Christine de Santana Araújo Diretora do Departamento de Gás Natural Ministério de Minas e Energia GÁS PARA CRESCER SUMÁRIO O mercado

Leia mais

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Fevereiro/2010 SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 05 P.28 Fevereiro 2010

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL Dezembro 2018 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores

Leia mais

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Janeiro/2009 SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 05 P.28 Janeiro 2010 GOVERNO

Leia mais

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Janeiro de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Janeiro de 2014 Em janeiro de 2014, a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia cresceu 3,3%, abaixo da registrada em dezembro

Leia mais

Papel da Estocagem de Gás para o Negócio da Geração Elétrica no Brasil. Edmar de Almeida Luciano Losekann Marcelo Colomer Helder Queiroz

Papel da Estocagem de Gás para o Negócio da Geração Elétrica no Brasil. Edmar de Almeida Luciano Losekann Marcelo Colomer Helder Queiroz Papel da Estocagem de Gás para o Negócio da Geração Elétrica no Brasil Edmar de Almeida Luciano Losekann Marcelo Colomer Helder Queiroz Plano da Apresentação Estocagem de Gás Mercado de Gás no Brasil Estocagem

Leia mais

Segurança energética: Geração térmica no Brasil

Segurança energética: Geração térmica no Brasil III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética -FGV Segurança energética: Geração térmica no Brasil Silvia Calou Diretora-Presidente CSPE ARSESP (Lei Complementar 1025/2007) Multissetorial: Gás Canalizado

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O

Secretaria de Saneamento e Energia B O L E T I M I N F O R M A T I V O B O L E T I M I N F O R M A T I V O Junho/2009 SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA Série Informações Energéticas, 001 Boletim Informativo Boletim Informativo São Paulo V.01 N 05 P.28 Junho 2009 GOVERNO

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul. Posição até 01/02/2019

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul. Posição até 01/02/2019 Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 01/02/2019 Centro-Sul registra recorde de vendas de etanol hidratado em janeiro São Paulo, 12 de fevereiro de 2019 O volume de etanol

Leia mais

A EXPANSÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL DO SEGMENTO COMERCIAL NO ESTADO DA PARAÍBA

A EXPANSÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL DO SEGMENTO COMERCIAL NO ESTADO DA PARAÍBA A EXPANSÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL DO SEGMENTO COMERCIAL NO ESTADO DA PARAÍBA Ádria Tavares Leite Silva 1 ; Adriana Almeida Cutrim 2 ; Marcelo Bezerra Grilo 3 ; Renato de Carvalho Valarim Júnior 4 ;

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Visão ANP Magda Chambriard Diretora-Geral FGV Energia em foco: Estratégias e Desafios para o Futuro Rio de Janeiro, 20 de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL Novembro 2018 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis Junho/218 Síntese de Comercialização de Combustíveis [ Número 4 ] Superintendência de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica Síntese de Comercialização de Combustíveis Destaques Gasolina

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL Setembro 2018 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 1/05/2018 Com produção recorde na 2ª quinzena de abril, etanol hidratado segue mais competitivo São Paulo, 10 de maio de 2018 A moagem

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO

ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico ÍNDICES DE PREÇOS DO SETOR DE SERVIÇOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - SETEMBRO 2016 - SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA...

Leia mais

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Março de 2014 Em março de 2014, a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia cresceu 4,3%, acima da registrada em fevereiro

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DO COMERCIO VAREJISTA DE MACEIÓ (AL) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DO COMERCIO VAREJISTA DE MACEIÓ (AL) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DO COMERCIO VAREJISTA DE MACEIÓ (AL) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano IV - Nº 30 - Fevereiro/10

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano IV - Nº 30 - Fevereiro/10 Sumário Panorama...4...5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Armando Laudorio Diretor Vice-Presidente: Gerson Salomão

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA SEGUNDO CAPÍTULO FÓRUM RAC2017 - CAMINHOS DA RETOMADA 17 de Julho de 2017 A MATRIZ ENERGÉTICA BASEADA NO PETRÓLEO E GÁS : NECESSIDADES E OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA Celso Morooka

Leia mais

Informativo outubro/18

Informativo outubro/18 22 BOLETIM MENSAL ABICOM Edição nº 06 Boletim Mensal Outubro/18 Informativo outubro/18 por [Sérgio Araújo] DESTAQUES DO MÊS ASSOCIADAS Conteúdo Notícias publicadas no mês de outubro/2018 com relação ao

Leia mais

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis Síntese de Comercialização de Combustíveis [ Edição nº 11/218] Superintendência de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica Síntese de Comercialização de Combustíveis Destaques Gasolina C

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS JUNHO DE 2017

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO?

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? OTÁVIO CUNHA, PRESIDENTE EXECUTIVO DA NTU Campinas-SP, 29 de Novembro de 2016 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Cenário atual 2.Novas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Outubro/2015 29 de outubro de 2015 out 98 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO?

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? OTÁVIO CUNHA, PRESIDENTE EXECUTIVO DA NTU Rio de janeiro, 24 de Novembro de 2016 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Cenário atual 2.Novas

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO

GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO Desmistificando e Desmitificando o Mercado de Gás Natural Diferenças Jurídico-regulatórias GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO Introdução A presente apresentação tem o escopo de desmistificar e desmitificar temas

Leia mais

Exercício Etapa 5 PEA 3100

Exercício Etapa 5 PEA 3100 Exercício Etapa 5 PEA 3100 Etapa 5 - Energia, Desenvolvimento e Meio Ambiente. Objetivo Essa etapa do Seminário tem o objetivo de permitir aos alunos realizar uma avaliação da emissão de CO2 equivalente

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

ÍNDICE 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CUB m² PARÁ SETEMBRO VARIAÇÃO ANUAL ACUMULADA CUB ONERADO E DESONERADO...

ÍNDICE 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CUB m² PARÁ SETEMBRO VARIAÇÃO ANUAL ACUMULADA CUB ONERADO E DESONERADO... Pág. 3 ÍNDICE 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 2 1.1 CUB m² PARÁ SETEMBRO 2018... 2 1.1.1 VARIAÇÃO ANUAL ACUMULADA CUB ONERADO E DESONERADO... 3 1.1.2 VARIAÇÃO ACUMULADA DO CUB - 12 MESES... 3 1.1.3

Leia mais

12 de junho 2019 O PAPEL DAS IMPORTAÇÕES

12 de junho 2019 O PAPEL DAS IMPORTAÇÕES 12 de junho 2019 O PAPEL DAS IMPORTAÇÕES Quem somos A Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis - Abicom, fundada em julho/2017, reúne atualmente 9 importadoras, com atuação em todo o território

Leia mais

Nosso compromisso. Visão Ser reconhecida como a melhor Companhia em soluções energéticas no Estado do Amazonas.

Nosso compromisso. Visão Ser reconhecida como a melhor Companhia em soluções energéticas no Estado do Amazonas. Nosso compromisso Missão Promover soluções energéticas, a partir do Gás Natural, agregando valor aos acionistas, clientes e colaboradores, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Amazonas. Visão

Leia mais

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA CASA DO POVO DE VALONGO DO VOUGA A Rotulagem de energia eléctrica pretende informar o consumidor sobre as fontes primárias utilizadas e emissões atmosféricas, associadas

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO Refino de petróleo O petróleo bruto é uma complexa mistura de hidrocarbonetos que apresenta contaminações variadas de enxofre, nitrogênio,

Leia mais

I Resultado (1) [1] Sindipeças Abipeças Relatório do Mercado de Reposição

I Resultado (1) [1] Sindipeças Abipeças Relatório do Mercado de Reposição I Resultado (1) A partir de informações disponibilizadas pelas empresas associadas que atuam no mercado de reposição, trabalhadas pela Assessoria de Economia do Sindipeças sob o conceito de médias móveis

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL MARÇO2019

RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL MARÇO2019 RELATÓRIO TÉCNICO GÁS NATURAL MARÇO2019 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres

Leia mais

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Tipos de Geração Capacidade Instalada (GW)

Leia mais

2

2 2 3 4 5 8 9 10 11 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 0 35,0% 750 25,0% 750 550 15,0% 550 350 5,0% 350-5,0% 150 150-15,0% -50-25,0% -50-250 % -35,0% -250 12 13 Celesc Distribuição S.A. EBITDA IFRS

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2º Trimestre de Teleconferência / Webcast 11 de Agosto de 2014

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2º Trimestre de Teleconferência / Webcast 11 de Agosto de 2014 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2º Trimestre de 2014 Teleconferência / Webcast 11 de Agosto de 2014 AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010

LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 LEVANTAMENTO DE CONJUNTURA INA - INDICADOR DE NÍVEL DE ATIVIDADE RESULTADOS AGOSTO / 2010 29/09/2010 1 1 INA Total da Indústria Divulgado 26/08/2010 Com ajuste sazonal Jul/10 Jun/10 INA Total da Indústria

Leia mais

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano III - Nº 24 - Julho/2009

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano III - Nº 24 - Julho/2009 RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO Ano III - Nº 24 - Julho/2009 Sumário Panorama...4...8 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado

Leia mais

EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico

EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico EMPREGO DO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO DO ESTADO DO CEARÁ (CE) - DEZEMBRO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS DA PESQUISA... 3 Ilustração

Leia mais

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano IV - Nº 31 - Março/10

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano IV - Nº 31 - Março/10 Sumário Panorama...4...5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Armando Laudorio Diretor Vice-Presidente: Gerson Salomão

Leia mais

CIDE Combustíveis e a Federação

CIDE Combustíveis e a Federação CIDE Combustíveis e a Federação O objetivo desta análise é investigar as possíveis causas da queda de arrecadação da CIDE no primeiro trimestre de 2009, na comparação com o primeiro trimestre de 2008.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 59, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 59, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 59, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 A DIRETORA-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 9º, inciso III,

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar fev/10 61,8% 25,6% 8,6% jan/11 59,4%

Leia mais

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis Agosto/ Síntese de Comercialização de Combustíveis [ Número 6] Superintendência de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica Síntese de Comercialização de Combustíveis Destaques Gasolina C

Leia mais

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis

Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis Síntese de Comercialização de Combustíveis [ Edição nº 8/218] Superintendência de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica Síntese de Comercialização de Combustíveis Destaques Gasolina C Mesmo

Leia mais

2

2 2 3 4 5 8 9 10 1T16 1T17 -1,1% -5,4% 11 12 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 0 35,0% 35,0% 750 750 25,0% 25,0% 550 15,0% 550 15,0% 350 5,0% 350 5,0% -5,0% -5,0% 150 150-15,0% -15,0% -50-50 -25,0%

Leia mais

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano V - Nº 39 - Março/11

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano V - Nº 39 - Março/11 Sumário Panorama...4...5 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros:

Leia mais

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI)

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Ney Cunha Superintendente Adjunto de Planejamento e Pesquisa da ANP 1 APRESENTAÇÃO Indústria do Petróleo

Leia mais

Workshop. Combustível Brasil. Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017

Workshop. Combustível Brasil. Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 Workshop Combustível Brasil Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 Workshop Combustível Brasil Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 BLOCO I INFRAESTRUTURA: refino e formulação Marcelo Cavalcanti Superintendente

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Energia Elétrica

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Energia Elétrica 3º bimestre/2014 SECR SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Energia Elétrica Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Energia Elétrica Resumo Executivo São Paulo V.01 03/2014 julho / 2014

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

Já desembolsamos mais de R$ 2 bilhões e apoiamos mais de 1400 empresas em todo Estado de São Paulo. PRESIDÊNCIA

Já desembolsamos mais de R$ 2 bilhões e apoiamos mais de 1400 empresas em todo Estado de São Paulo. PRESIDÊNCIA Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo prazo para as pequenas e médias empresas e municípios

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 356

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 356 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 356 Dispõe sobre as Tabelas Tarifárias a serem aplicadas pela concessionária de distribuição de gás canalizado Companhia de Gás de São Paulo (COMGÁS). A Diretoria

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais

Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Resultados da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo Indicadores regionais e setoriais Destaques do Emprego Consolidado Ano Variação mensal Variação Variação interanual (Abr-17/Mar-17) acumulada

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais