UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO"

Transcrição

1 UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO

2 ROTEIRO Atitude estratégica e Cenários. Síntese da abordagem metodológica utilizada. Projeto para a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba CODEVASF. Ilustração dos resultados.

3 ATITUDE ESTRATÉGICA Atitude Estratégica

4 CENÁRIOS Utilização de Cenários. Em um plano mais amplo, o cenário permite catalisar a mobilização estratégica da instituição. Em um plano mais específico, o cenário alicerça o planejamento das ações da instituição. Externalidade no caso em pauta: Contribui para a mobilização estratégica de outros atores, a partir de uma visão homogênea sobre os possíveis cenários para o desenvolvimento.

5 CENÁRIOS Vantagens da abordagem Prospectiva. Enfatiza a importância de se fazer as perguntas certas, considerando como etapa fundamental a seleção dos condicionantes do futuro. Ao considerar explicitamente na metodologia a utilização da opinião das pessoas potencializa essa fonte de informação e não abstrai a inevitável existência de vieses. Introduz ferramentas para a análise de consistência das relações entre as variáveis e da modelagem da evolução das mesmas. Não prescinde do conhecimento aprofundado do sistema e do ambiente.

6 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA 2. Análise Estrutural do Sistema e do Ambiente Cenário 1. Delimitação do Sistema e do Ambiente 3. Seleção de Condicionantes do Futuro Cenário 5. Debate estratégico interno 2. Análise Retrospectiva e da Situação Atual Cenário 4. Geração de Cenários

7 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Seleção de condicionantes do futuro. Proposição de condicionantes do futuro. Reuniões em grupo com lideranças regionais (Manifestações espontâneas) Reuniões individuais com técnicos e lideranças regionais (Questionário estruturado) + Workshops com técnicos da instituição

8 Percepção das implicações da ocorrência da variável no futuro SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Seleção de condicionantes do futuro. Classificação. Alta Baixa Incerteza Crítica Curinga Tendência de Peso Surpresa Inevitável Fato Prédeterminado Baixa Alta Total Confiança em relação a ocorrência da variável no futuro

9 Motricidade Ponto Médio SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Seleção de condicionantes do futuro. Análise de motricidade e dependência. Explicativas Ligação Autômomas Resultado Ponto Médio Dependência

10 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Geração dos cenários. Fato pré determinado Tendência Tendência de peso Incerteza Crítica Oportunidade Surpresa inevitável Risco

11 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Geração dos cenários. Variáveis de tendência. o Mantêm a tendência descrita na variável (Cenários base). o Mantêm a tendência descrita na variável, com melhora em função de efeitos positivos de outras variáveis como, por exemplo, infraestrutura sobre indústria (Cenários de oportunidade). o Mantêm a tendência descrita na variável, com piora em função de efeitos negativos de outras variáveis como, por exemplo, meio ambiente sobre agricultura (Cenários de risco).

12 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Variáveis de oportunidade (Cenários de oportunidade). o Iniciam a potencialização da oportunidade descrita na variável. o Avançam a potencialização da oportunidade descrita na variável. o Consolidam a potencialização da oportunidade descrita na variável. Variáveis de risco (Cenários de risco). o Iniciam a ocorrência da ameaça. o Agravam a ocorrência da ameaça.

13 SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA UTILIZADA Base para o debate estratégico interno. Workshops com técnicos da instituição. Análise interna a instituição Forças Fraquezas Variáveis dos cenários relevantes para a instituição Oportunidades Ameaças Sugestões de posicionamentos estratégicos

14 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Cena 1 Cena 2 Cena 3 Cena A A A A 2028 Foram elaborados três cenários para cada subregião dos vales do São Francisco e do Parnaíba.

15 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Cenário A Marcha A marcha representa o avanço, mas pelo solo. A conquista dos objetivos palpáveis. A marcha leva ao desenvolvimento, mas as possibilidades de reduzir a defasagem em relação ao resto do País são menores, já que, em média, o ritmo atual de crescimento dos vales é menor do que o resto do País.

16 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Cenário O voo da arara azul A arara azul, pássaro de rara beleza, mas ameaçado de extinção. Seu voo representa a busca de objetivos ambiciosos, o aproveitamento das oportunidades. O voo da arara azul leva ao desenvolvimento, com substantivas possibilidades de reduzir a defasagem em relação ao resto do País..

17 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Cenário O voo do urutau O grito do urutau, que se faz ouvir após o anoitecer, parece um lamento, provoca espanto e piedade. Seu voo representa a lembrança de que a situação também pode piorar.. O voo do urutau põe em risco o desenvolvimento, com substantivas possibilidades de manter a defasagem em relação ao resto do País. vas possibilidades de reduzir a defasagem em relação ao resto do País.

18 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Exemplos de temas abordadas nos cenários. Básicos : o Implementação de um ousado programa de infraestrutura logística. o Expansão de atividades produtivas nos setores agropecuário e industrial. o Aporte de tecnologia e modelos de gestão eficientes nos programas públicos de agricultura irrigada. o Investimentos e gestão dos recursos hídricos englobando o planejamento/construção de barragens e a pesquisa/exploração de aquíferos. o Desenvolvimento de energias alternativas. o Adensamento da cadeia turística e expansão do setor de serviços. o Melhoria da infraestrutura urbana dos municípios.

19 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Mais sofisticados: o Realização dos investimentos necessários em geração e distribuição de energia elétrica. o Reversão da degradação ambiental. o Expansão dos serviços de educação acompanhada de um salto qualitativo com maior integração das ações às efetivas necessidades das atividades produtivas locais e à cultura local, associadas a um maior foco na consciência ambiental. o Integração da população assentada em atividades produtivas econômica e ambientalmente sustentáveis envolvendo a aceleração do processo de titulação de propriedades. o Aprimoramento dos mecanismos de condicionalidade dos programas de políticas compensatórias.

20 ILUSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Aprendizados: Implementação em larga escala do Modelo de Produção Integrada para atividades agropecuárias. Disseminação da cultura associativa/empresarial visando à abertura de canais de comercialização para atividades agropecuárias. Implantação de sistemáticas eficientes de monitoramento hidroclimático. Aprimoramento da articulação entre agentes públicos e privados voltados para o desenvolvimento regional.

PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO Lei 10.179/2014 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS OUTORGA ENQUADRAMENTO COBRANÇA SISTEMA DE INFORMAÇÕES COMPENSAÇÃO FUNDÁGUA PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Parceria entre Codevasf e Mapa beneficiará irrigantes com apoio

Parceria entre Codevasf e Mapa beneficiará irrigantes com apoio Cerca de 11 mil produtores agrícolas dos projetos públicos de irrigação mantidos pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) serão beneficiados com acordo de cooperação

Leia mais

Política Nacional de Recursos Hídricos

Política Nacional de Recursos Hídricos Política Nacional de Recursos Hídricos João Bosco Senra Diretor de Recursos Hídricos SRHU/MMA Workshop Sobre Contas de Água, Energia, Terra e Ecossistemas Rio de Janeiro, 23 a 25 de setembro de 2009 BRASIL

Leia mais

O objetivo do programa DEL. Aumentar a competitividade e capacidade de transformação dos municípios de pequeno e médio porte.

O objetivo do programa DEL. Aumentar a competitividade e capacidade de transformação dos municípios de pequeno e médio porte. CENÁRIO O objetivo do programa DEL Aumentar a competitividade e capacidade de transformação dos municípios de pequeno e médio porte. 3 Princípios do DEL Protagonismo dos Atores Política de Produto Desenvolviment

Leia mais

Plantações florestais na paisagem

Plantações florestais na paisagem Plantações florestais na paisagem TEMAS PRIORITÁRIOS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Temas priorizados 1. Novos modelos de plantações, considerando intensificação sustentável e mudanças climáticas 2. Engajamento

Leia mais

Programa de Revitalização de Bacias Hidrográficas. Penedo, dezembro de 2016

Programa de Revitalização de Bacias Hidrográficas. Penedo, dezembro de 2016 Programa de Revitalização de Bacias Hidrográficas Penedo, dezembro de 2016 Revitalização de Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica como unidade de planejamento e gestão. Água como elemento integrador

Leia mais

Situação política e econômica do País impacta no andamento de setores do comércio exterior

Situação política e econômica do País impacta no andamento de setores do comércio exterior Situação política e econômica do País impacta no andamento de setores do comércio exterior Até poucos meses uma das maiores preocupações do empresariado era a aceleração da aprovação do Plano de Trabalho

Leia mais

Situação política e econômica do país impactam no andamento de setores do comércio exterior

Situação política e econômica do país impactam no andamento de setores do comércio exterior Situação política e econômica do país impactam no andamento de setores do comércio exterior Até poucos meses uma das maiores preocupações do empresariado era a aceleração da aprovação do Plano de Trabalho

Leia mais

Administração e Planejamento Estratégico: Uma introdução

Administração e Planejamento Estratégico: Uma introdução Planejamento Administração e Planejamento Estratégico: Uma introdução Planejamento é a prática que as pessoas e organizações usam para administrar suas relações com o futuro. Maximiano 2000 Situação Estratégica

Leia mais

Agropensa: Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa

Agropensa: Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa Agropensa: Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema Agropensa Secretaria de Inteligência e Macroestratégia

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08 P D E P P Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local para os Municípios do Pontal do Paranapanema APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Regente Feijó 08/08 Sumário 1. Motivação 2. Viabilização do projeto

Leia mais

Comparação Padrões GTPS e GRSB. Apresentação para a AGO GTPS 29/04/2014

Comparação Padrões GTPS e GRSB. Apresentação para a AGO GTPS 29/04/2014 Comparação Padrões GTPS e GRSB Apresentação para a AGO GTPS 29/04/2014 Antecedentes 2011 2013: Subcomissão de indicadores: draft dos indicadores 2014: Reunião de planejamento estratégico Definições sobre

Leia mais

De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH. Brasília, 24 de abril de 2017.

De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH. Brasília, 24 de abril de 2017. De Olho no Lixo Baía de Guanabara: Estratégias invadoras para comunidades com baixo IDH Brasília, 24 de abril de 2017. Objetivo Criar espaços de articulação para a implantação de ações integradas, com

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo

Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo-SP, 21 de agosto de 2014 SEGURANÇA HÍDRICA PARA ABASTECIMENTO

Leia mais

Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade

Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade Articulação e Monitoramento ONIP para Implantação da Agenda de Competitividade Caso do Projeto Setembro, 2011 O Desafio Agilizar a implantação da Agenda de Competitividade para a Cadeia Produtiva de Óleo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO Pró Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PRPDI. 1a. Oficina de Prospecção de Cenários

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO Pró Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PRPDI. 1a. Oficina de Prospecção de Cenários UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO Pró Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PRPDI 1a. Oficina de Prospecção de Cenários 2 O Ministério de Educação (MEC) através da implantação do

Leia mais

O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB

O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento O Processo Participativo na Elaboração do PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em Infraestrutura

Leia mais

A ELETROBRAS e as Redes Inteligentes. abineetec 30/03/2011

A ELETROBRAS e as Redes Inteligentes. abineetec 30/03/2011 A ELETROBRAS e as Redes Inteligentes abineetec 30/03/2011 AGENDA 1. Nossas Diretrizes 2. A nossa visão estratégica 3. Grandes desafios 4. Conclusões Nossas Diretrizes Planejamento Estratégico Fonte: Eletrobras

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA UMA MATRIZ ENERGÉTICA REGIONAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA UMA MATRIZ ENERGÉTICA REGIONAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA UMA MATRIZ ENERGÉTICA REGIONAL Curso de Planejamento Energético. Formação de um Grupo de Trabalho. Interação entre atores FEAM, SEMAD, SEDE, SECTES, INDI, SME e CEMIG. Proposta

Leia mais

Pauta. Os compromissos AMAGGI e o Potencializa; Investigação apreciativa: ciclo do projeto. Resultados Rede e Agenda. Avaliação e Monitoramento

Pauta. Os compromissos AMAGGI e o Potencializa; Investigação apreciativa: ciclo do projeto. Resultados Rede e Agenda. Avaliação e Monitoramento Potencializa Pauta Os compromissos AMAGGI e o Potencializa; Investigação apreciativa: ciclo do projeto Resultados Rede e Agenda Avaliação e Monitoramento Avaliação do processo metodológico. Os compromissos

Leia mais

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Introdução Esta apresentação tem como objetivo iniciar, no âmbito da MEI, uma série de discussões acerca da possibilidade de obtermos maiores avanços na agenda

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA

ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA PROGRAMA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA PREFEITURA DE CAÇAPAVA DO SUL-RS JULHO DE 2013 Pág. 1 : 5 SRCRETARIA DE MUNICÍPIO DO PLANEJAMENTO E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Planejamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Planejamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Planejamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais 16 de maio de 2006 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Depto. Política Científica e Tecnológica da UNICAMP Grupo de Estudos sobre Organização

Leia mais

ANEXO 1 CENÁRIOS PROSPECTIVOS DE LONGO PRAZO METODOLOGIA EMPREGADA PARA CONSTRUÇÃO DOS CENÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS QUATRO

ANEXO 1 CENÁRIOS PROSPECTIVOS DE LONGO PRAZO METODOLOGIA EMPREGADA PARA CONSTRUÇÃO DOS CENÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS QUATRO ANEXO 1 OS CENÁRIOS PROSPECTIVOS DE LONGO PRAZO METODOLOGIA EMPREGADA PARA CONSTRUÇÃO DOS CENÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS QUATRO CENÁRIOS PROSPECTIVOS DE LONGO PRAZO OS CENÁRIOS PROSPECTIVOS DE LONGO

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

09:40 - Apresentação - Estudo de Viabilidade econômica para produção de biofertilizantes a partir de dejetos (José

09:40 - Apresentação - Estudo de Viabilidade econômica para produção de biofertilizantes a partir de dejetos (José 09:30 - Boas vindas 09:40 - Apresentação - Estudo de Viabilidade econômica para produção de biofertilizantes a partir de dejetos (José Luiz Bassani) 10:10 - Resposta do IAP sobre as tecnologias para tratamento

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação

Leia mais

Figura 1: Crescimento do número de usuários de Internet no Mundo (em milhões). Fonte: ITU Statistics (2013)

Figura 1: Crescimento do número de usuários de Internet no Mundo (em milhões). Fonte: ITU Statistics (2013) 1 Introdução A indústria de telecomunicações é caracterizada em grande parte pela busca contínua de inovação e pelo dinamismo do seu mercado. Essas características são resultantes da evolução da tecnologia

Leia mais

PLANEJAMENTO TERRITORIAL: PRINCÍPIOS E TENDÊNCIAS

PLANEJAMENTO TERRITORIAL: PRINCÍPIOS E TENDÊNCIAS PLANEJAMENTO TERRITORIAL: PRINCÍPIOS E TENDÊNCIAS PROF. DR. MARCOS AURÉLIO TARLOMBANI DA SILVEIRA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL GB 070 PLANEJAMENTO TERRITORIAL: UMA VISÃO GERAL Planejamento

Leia mais

2. MODELO EVOLUCIONÁRIO Incerteza Adaptação aos ambientes interno e externo

2. MODELO EVOLUCIONÁRIO Incerteza Adaptação aos ambientes interno e externo 3 PARADIGMAS DE GESTÃO 1. MODELO RACIONAL Passos no desenvolvimento da estratégia 1. Definição da missão - Definir utilidade - Definir objetivos estratégicos 2. Análise SWOT - Análise interna - Previsão

Leia mais

Metodologias de Cenários Futuros. Ana Almeida Planejamento e Estratégia do Produto Creative Labs Jul/2016

Metodologias de Cenários Futuros. Ana Almeida Planejamento e Estratégia do Produto Creative Labs Jul/2016 Metodologias de Cenários Futuros Ana Almeida Planejamento e Estratégia do Produto Creative Labs Jul/2016 O desejo de conhecer o futuro existe desde o início da humanidade. Em distintas épocas da história,

Leia mais

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016) ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SENASP (1/5) SECRETARIA NACIONAL DE ASSESSOR DAS 102.4 DAS 101.6 Conselho Nacional de Segurança Pública CHEFE DE GABINETE DE INTELIGÊNCIA ENFRENTAMENTO ÀS AÇÕES CRIMINOSAS

Leia mais

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES Construção de Governança para o Projeto Nacional de Desenvolvimento Apresentação : Jaques Wagner Governador da Bahia CDES situação atual

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da Evolução do Pensamento Administrativo I Semestre 1º Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido;

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; GRUPO 4 POLITICAS PUBLICAS CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; - PP com foque muito pequeno (especificas),

Leia mais

A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação. 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018

A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação. 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018 A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018 1 Agenda 2030 Oportunidades e Desafios Até 2030 o Brasil e outros

Leia mais

Breakout Group #3. #TPLBrazil March 2018 Porto Seguro Vitoria, Brazil

Breakout Group #3. #TPLBrazil March 2018 Porto Seguro Vitoria, Brazil Breakout Group #3 #TPLBrazil 12-16 March 2018 Porto Seguro Vitoria, Brazil Questão 1: Quais são os desafios principais para intensificação sustentável e mudanças climáticas 1) Um dos desafios é que nem

Leia mais

Palestra Interconectividade de Risco. São Paulo, 09 de novembro de 2017

Palestra Interconectividade de Risco. São Paulo, 09 de novembro de 2017 V Workshop PPI Divisão Patrimonial Industrial do Departamento Jurídico Palestra Interconectividade de Risco São Paulo, 09 de novembro de 2017 Especialista Sandra Alves, MBS, CPSI Diretora de Relacionamento

Leia mais

Informe da Comissão de Planejamento e Avaliação

Informe da Comissão de Planejamento e Avaliação Informe da Comissão de Planejamento e Avaliação Campo Grande, 08 de Junho de 2018 2 Metodologia de Trabalho l Plano de Ação da Comissão alinhado ao da Coordenação Nacional. Disponível no site do ForPlad

Leia mais

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA: Compreendendo os fatores que influenciam na implementação da estratégia.

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA: Compreendendo os fatores que influenciam na implementação da estratégia. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA 1 PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO GESTÃO, INTERNACIONALIZAÇÃO E LOGÍSTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA:

Leia mais

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016 RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO Agosto de 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL O QUE FAZEMOS NOSSO FOCO EM 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL objetivo Criar uma agenda viável e pragmática para

Leia mais

1.1. O problema Objetivos

1.1. O problema Objetivos 1 Introdução Mesmo com a atual crise econômica mundial, o mercado de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria apresenta crescimento no mundo. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

Workshop 02 de agosto de 2016

Workshop 02 de agosto de 2016 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE P&D DA ANEEL (2008-2015) E FORMULAÇÃO DE PROPOSTAS DE APRIMORAMENTO DESTE PROGRAMA: LINHAS DE PESQUISA E DESAFIOS METODOLÓGICOS Workshop 02 de agosto de 2016 1 INTRODUÇÃO - Motivação

Leia mais

ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL - AELBRA Credenciado pela Portaria Ministerial nº 1.198, de 13/06/2001 DOU de 15/06/2001 Recredenciado pela Portaria Ministerial n 1.381, de 23/11/2012 DOU de

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

RELACIONAMENTO COM AS COMUNIDADES NAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DA EXPANSÃO DO METRÔ DE SÃO PAULO

RELACIONAMENTO COM AS COMUNIDADES NAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DA EXPANSÃO DO METRÔ DE SÃO PAULO RELACIONAMENTO COM AS COMUNIDADES NAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DA EXPANSÃO DO METRÔ DE SÃO PAULO Maria Cecília Martino 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Missão / visão / valores Missão Estabelecer o

Leia mais

8 th WORLD WATER FORUM BRASÍLIA- BRASIL, MARCH 18-23,

8 th WORLD WATER FORUM BRASÍLIA- BRASIL, MARCH 18-23, POSSÍVEIS AÇÕES DA CHESF INTEGRADAS AO PRHSF 22 de Março de 2018 Sonáli Cavalcanti Oliveira Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Secretariat of the 8 th World Water Forum Eixos de atuação: Plano de

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO - COMPETÊNCIAS AULA ESTRATÉGIA E COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS

PÓS GRADUAÇÃO - COMPETÊNCIAS AULA ESTRATÉGIA E COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO - COMPETÊNCIAS AULA 3 19.08.16 ESTRATÉGIA E COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS Prof. Joel Dutra Objetivo Discutir a construção e uso das competências organizacionais e seu impacto na construção

Leia mais

A história das cidades e os desastres a percepção de perigo ou ameaça

A história das cidades e os desastres a percepção de perigo ou ameaça A história das cidades e os desastres a percepção de perigo ou ameaça A história das cidades e os desastres a percepção de risco A história das cidades e os desastres - passado remoto: os grandes desastres

Leia mais

Data: 02/02/2018 Conteúdo: Planejamento Estratégico: gestão orientada para resultados Professora: Conceição Castelo Branco

Data: 02/02/2018 Conteúdo: Planejamento Estratégico: gestão orientada para resultados Professora: Conceição Castelo Branco Data: 02/02/2018 Conteúdo: Planejamento Estratégico: gestão orientada para resultados Professora: Conceição Castelo Branco Se planejar é sinônimo de conduzir conscientemente, então não existe alternativa

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

Rio Grande do Sul. Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico. Com Dados SEPLAG RS

Rio Grande do Sul. Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico. Com Dados SEPLAG RS Rio Grande do Sul Dinâmicas Territoriais E Planejamento Logístico Com Dados SEPLAG RS Principais Dinâmicas Territoriais Esvaziamento do Arco de Fronteira Expansão da concentração Porto Alegre - Caxias

Leia mais

Painel com especialistas

Painel com especialistas Painel com especialistas O futuro da agropecuária diante dos desenvolvimentos em tecnologias da informação e comunicação Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema Agropensa Secretaria de Inteligência

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL (PMDRS) DE TAQUARA a 2037

ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL (PMDRS) DE TAQUARA a 2037 ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL (PMDRS) DE TAQUARA - 2017 a 2037 No sul do Brasil, os pequenos e médios municípios com até 50 mil habitantes representam um alto percentual

Leia mais

MATO GROSSO MAIS POR VOCÊ

MATO GROSSO MAIS POR VOCÊ Governo do Estado de Mato Grosso Silval Barbosa Governador Chico Daltro Vice- Governador MATO GROSSO MAIS POR VOCÊ OPORTUNIDADES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA OS PRÓXIMOS

Leia mais

RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA

RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA Restauração Florestal em larga escala promovendo geração de trabalho e renda PROGRAMA DE GARANTIA Case: Recuperação de 124 nascentes no assentamento rural São Pedro, em

Leia mais

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências Wanessa Dose Bittar Formação -Especializada em Engenharia de Produção ( UFJF) -Graduada em Educação Artística ( UFJF) -Técnica em Design ( CTU) Cursos Extras -Educação Empreendedora pelo Endeavor Brasil

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Seminário 10º ConstruBusiness Competitividade Sustentável Esther Dweck Chefe da Assessoria Econômica Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Quatro movimentos estruturais

Leia mais

ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA APOIO:

ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA APOIO: ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA REALIZAÇÃO: PARCEIROS: APOIO: 100% ESTABELECIMENTOS RURAIS NA AMAZÔNIA 90% 113.433 548.465 80% 70% 60% 89,5 50% 40% 761.357 2.457.094 30% 20% 10% 25,8 0% FONTE: CENSO,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 2ª oficina de prospecção de cenários Cuiabá, março de 2006 Objetivos da Oficina: 1. Analisar e discutir a consistência das combinações das hipóteses

Leia mais

GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO, TECNOLOGIA E DESEMPENHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO, TECNOLOGIA E DESEMPENHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL EMENTA GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO, TECNOLOGIA E DESEMPENHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: Boas práticas para execução de fundações EMENTA: Materiais e equipamentos necessários. Análise da capacidade

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DIAGNÓSTICO TÉCNICO-PARTICIPATIVO

Leia mais

LLM Marketing de serviços jurídicos

LLM Marketing de serviços jurídicos LLM Marketing de serviços jurídicos Planejamento estratégico + Posicionamento de Mercado Aula 02 Wolney Pereira Agenda 1) Projeto de marketing 2) Conceituação de estratégia 3) Processo de planejamento

Leia mais

Gestão Logística como Diferencial Competitivo

Gestão Logística como Diferencial Competitivo Gestão Logística como Diferencial Competitivo André Prado Diretor de Operações e Logística AGENDA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO AGENDA METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO O que contribui para uma boa estratégia

Leia mais

14 Audiência de Sustentabilidade. Divulgação da Pesquisa. Rumo à Credibilidade

14 Audiência de Sustentabilidade. Divulgação da Pesquisa. Rumo à Credibilidade 14 Audiência de Sustentabilidade Divulgação da Pesquisa Rumo à Credibilidade Agenda Introdução Metodologia Resultados Temas Relevantes Recomendações Conclusão 2 Introdução Contexto Global vs Brasileiro

Leia mais

Workshop. Combustível Brasil. Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017

Workshop. Combustível Brasil. Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 Workshop Combustível Brasil Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 Workshop Combustível Brasil Rio de Janeiro, 7 e 8 de março de 2017 BLOCO I INFRAESTRUTURA: refino e formulação Marcelo Cavalcanti Superintendente

Leia mais

Como nós trabalhamos. Equinocio consultoria - copyright

Como nós trabalhamos. Equinocio consultoria - copyright Como nós trabalhamos A Equinócio e seus parceiros se associam para garantir uma equipe multidisciplinar experiente na elaboração metodológica e de ferramentas para o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais

Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais 1 Parceria Social Público Privada (PSPP) como estratégia para o desenvolvimento sustentável dos territórios minerais Sistema legal institucional brasileiro Empresa Poder público municipal, estadual e federal

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Artigos Completos Aprovados 2ª Fase

Artigos Completos Aprovados 2ª Fase Artigos Completos Aprovados 2ª Fase N ID Categoria Título 1 5 Artigo Completo HABITATS DE INOVAÇÃO: POSSIBILIDADES SUSTENTÁVEIS PARA A SOCIEDADE 2 3 Artigo Completo 3 19 Artigo Completo MODELO DE GESTÃO

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Conselho Temático Permanente de Responsabilidade Social. Pesquisa Rumo à Credibilidade

Conselho Temático Permanente de Responsabilidade Social. Pesquisa Rumo à Credibilidade Conselho Temático Permanente de Responsabilidade Social Pesquisa Rumo à Credibilidade Agenda Introdução Metodologia Resultados Temas Relevantes Recomendações Conclusão 2 Introdução Contexto Global vs Brasileiro

Leia mais

Artigo Completo - Aprovados 1ª Fase

Artigo Completo - Aprovados 1ª Fase Artigo Completo - Aprovados 1ª Fase Nº ID Título 1 3 Modelo de gestão para incubadora de empresa sob a perspectiva da ferramenta business model canvas: o caso da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica

Leia mais

CONCEITOS e FUNDAMENTOS

CONCEITOS e FUNDAMENTOS DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO DO TURISMO CONCEITOS e FUNDAMENTOS Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira - marcos.ufpr@yahoo.com.br Docente e Pesquisador Universidade Federal do Paraná PPGGEO/PPGTUR/ Laboratório

Leia mais

Raimundo Deusdará Filho Diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação CODEVASF/AI Fortaleza/CE Junho de 2008

Raimundo Deusdará Filho Diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação CODEVASF/AI Fortaleza/CE Junho de 2008 II WORKSHOP INTERNACIONAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA IRRIGAÇÃO e I SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE O USO MÚLTIPLO DA ÁGUA Raimundo Deusdará Filho Diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO GERENCIAL PLANO DE CURSO

DESENVOLVIMENTO GERENCIAL PLANO DE CURSO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL PLANO DE CURSO Sumário 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 2. EMENTA... 2 3. OBJETIVO... 4 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO... 4 5. PROPOSTA METODOLÓGICA... 6 6. PROPOSTA AVALIATIVA... 7 7. APROVAÇÃO

Leia mais

PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ. Manejo Integrado do Fogo MIF

PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ. Manejo Integrado do Fogo MIF PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ Manejo Integrado do Fogo MIF PARQUE ESTADUAL DO JALAPÃO - PEJ Unidade de Conservação de Proteção Integral Criação: 12 de janeiro de 2001 Lei Estadual nº 1.203/2001 Área:

Leia mais

AÇÕES REALIZADAS EM 2014

AÇÕES REALIZADAS EM 2014 RESÍDUOS SÓLIDOS - Articulação junto à CNI para criar a proposta de resolução CONAMA sobre aproveitamento de Areias de Fundição - Distribuição de cartilhas A Indústria e a Política Nacional de resíduos

Leia mais

Tema Segurança Hídrica Painel: Pedro Roberto Jacobi, Procam e FE/USP

Tema Segurança Hídrica Painel: Pedro Roberto Jacobi, Procam e FE/USP Tema Segurança Hídrica Painel: Pedro Roberto Jacobi, Procam e FE/USP IV Conferência sobre Mudanças Globais Abril 4-7 2011 São Paulo Pedro Roberto Jacobi Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental da

Leia mais

Plano de Estudos. 1. o Ano - 1. o Semestre Código Nome Área Cientifica ECTS Duração Horas 9 Semestral 243

Plano de Estudos. 1. o Ano - 1. o Semestre Código Nome Área Cientifica ECTS Duração Horas 9 Semestral 243 Plano de Estudos Escola: Instituto de Investigação e Formação Avançada Grau: Programa de Doutoramento Curso: Agronegócios e Sustentabilidade (cód. 645) 1. o Ano - 1. o Semestre GES12422 Agribusiness e

Leia mais

Fórum Compliance como propulsor de investimentos em saneamento e a busca pelo fim da escassez hídrica no Nordeste

Fórum Compliance como propulsor de investimentos em saneamento e a busca pelo fim da escassez hídrica no Nordeste Fórum Compliance como propulsor de investimentos em saneamento e a busca pelo fim da escassez hídrica no Nordeste Álvaro José Menezes da Costa A busca pelo fim da escassez hídrica no Nordeste Julho 2017

Leia mais

Índice de mortalidade de médias e pequenas empresas. Brasil: 70% USA: 50% Pesquisa Small Business Administrator: 98% falta ou falha de planejamento.

Índice de mortalidade de médias e pequenas empresas. Brasil: 70% USA: 50% Pesquisa Small Business Administrator: 98% falta ou falha de planejamento. Plano de negócio Índice de mortalidade de médias e pequenas empresas Brasil: 70% USA: 50% Pesquisa Small Business Administrator: 98% falta ou falha de planejamento. O que é Plano de Negócio? Descrição

Leia mais

Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. 21 municípios. 12,3 milhões habitantes

Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. 21 municípios. 12,3 milhões habitantes A NOSSA METRÓPOLE... 21 municípios 12,3 milhões habitantes 75% da população vivem na metrópole + 75% do emprego estão no hipercentro 71% do PIB estadual DESAFIOS... Como mudar a lógica atual em que: O

Leia mais

Renovação do Curso. Eixo 3: Construção do edifício e da cidade SÍNTESE 19/11/2014

Renovação do Curso. Eixo 3: Construção do edifício e da cidade SÍNTESE 19/11/2014 Renovação do Curso Eixo 3: Construção do edifício e da cidade SÍNTESE 19/11/2014 Apresentação 07/05/2014 Como entender a construção do edifício e da cidade? I. EIXOS DE ABORDAGEM Eixo 3: Construção do

Leia mais

Áreas de Alto Valor de Conservação

Áreas de Alto Valor de Conservação Mil Madeiras Preciosas ltda. Áreas de Alto Valor de Conservação Resumo para Consulta Pública Acervo Área de Manejo PWA Setor de Sustentabilidade Itacoatiara/AM- Brasil. Agosto de 2017. SOBRE ESTE RESUMO

Leia mais

O PAPEL DA ENGENHARIA e AGRONOMIA PARA A INOVAÇÃO. BENEDITO G. AGUIAR NETO Reitor da UPM Presidente do CRUB

O PAPEL DA ENGENHARIA e AGRONOMIA PARA A INOVAÇÃO. BENEDITO G. AGUIAR NETO Reitor da UPM Presidente do CRUB O PAPEL DA ENGENHARIA e AGRONOMIA PARA A INOVAÇÃO BENEDITO G. AGUIAR NETO Reitor da UPM Presidente do CRUB O PAPEL ESTRATÉGICO DA ENGENHARIA E AGRONOMIA São fundamentais para o desenvolvimento social e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE NÚCLEO DE DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTOS E TECNOLOGIAS DE BASE AGROECOLÓGICA

DESENVOLVIMENTO DE NÚCLEO DE DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTOS E TECNOLOGIAS DE BASE AGROECOLÓGICA DESENVOLVIMENTO DE NÚCLEO DE DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTOS E TECNOLOGIAS DE BASE AGROECOLÓGICA Neves, M. C.; Corrales, F. M.; Moriconi, W.; Canuto, J. C., Ramos Filho, L. O.; Queiroga, J. L.; Malagoli-Braga,

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA DO TURISMO

GESTÃO PÚBLICA DO TURISMO GESTÃO PÚBLICA DO TURISMO Criação do Ministério do Turismo; Reativação do Conselho Nacional de Turismo; Redirecionamento do papel da Embratur; Plano Nacional de Turismo 003-007 e 007-00; Promulgação da

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD2537 Água em Ambientes Urbanos

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD2537 Água em Ambientes Urbanos Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PHD2537 Água em Ambientes Urbanos Bruno Boldrini de Carvalho Coelho N USP: 3729700 Fabia Akissue de Barros N USP: 3506246 Felipe de Freitas Bönecker N USP:

Leia mais

O instrumento é de rápida aplicação e pode orientar um plano de ação para avançar para solucionar os principais desafios encontrados.

O instrumento é de rápida aplicação e pode orientar um plano de ação para avançar para solucionar os principais desafios encontrados. Este é um instrumento que apresenta de forma simples um conjunto de elementos fundamentais que devem ser observados para a o desenvolvimento e implementação de uma política de educação integral. Ele pode

Leia mais

Pós-Graduação em Finanças e Economia: Especialização em Estratégia & Economia. Ementas das Disciplinas

Pós-Graduação em Finanças e Economia: Especialização em Estratégia & Economia. Ementas das Disciplinas Pós-Graduação em Finanças e Economia: Especialização em Estratégia & Economia Ementas das Disciplinas DISCIPLINAS BÁSICAS MATEMÁTICA BÁSICA 30H-AULA O propósito dessa disciplina é alinhar os conhecimentos

Leia mais

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014 Estratégias para a Inovação e Empreendedorismo Ecossistemas Regionais de Inovação, por meio do Empreendedorismo de Base Tecnológica e empresas Startups de Classe Mundial Visão de Futuro (2022), Competitividade

Leia mais