UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO FELIPE LIMA SILVA DOS SANTOS GLOBALIZAÇÃO E PERIFERIA MUNDIAL: UM DISCURSO ACERCA DA (IN) EFETIVIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Salvador 2018

2 FELIPE LIMA SILVA DOS SANTOS GLOBALIZAÇÃO E PERIFERIA MUNDIAL: UM DISCURSO ACERCA DA (IN) EFETIVIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Direito, da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção de grau de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Dr. Geovane de Mori Peixoto Salvador 2018

3 FELIPE LIMA SILVA DOS SANTOS GLOBALIZAÇÃO E PERIFERIA MUNDIAL: UM DISCURSO ACERCA DA (IN) EFETIVIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Graduação em Direito, da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção de grau de Bacharel em Direito. Aprovado em / / BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Geovane de Mori Peixoto Doutor em Direito pela UFBA Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Fábio Periandro de Almeida Hirsch Doutor em Direito pela UFBA Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Carlos Eduardo Behrmann Ratis Martins Doutor em Ciências Jurídico-Políticas pela ULisboa Universidade Federal da Bahia

4 "Parece que nenhuma vitória sobre a desumanidade tornou o mundo mais seguro para a humanidade. Triunfos morais, pelo que parece, não se acumulam; apesar das estórias de progresso, o movimento não é linear, os ganhos de ontem não são reinvestidos, nem os dividendos ganhos uma vez são irreversíveis. Sempre de novo, com cada mudança no equilíbrio do poder, retorna de seu exílio o espectro da desumanidade. Choques morais, por devastadores que tenham perecido em sua época, perdem pouco a pouco sua força - até serem esquecidos. Apesar de toda sua longa história, as escolhas morais parecem sempre começar da estaca zero " (BAUMAN) fundamental em relação aos direitos do homem, hoje, não ê tanto o de justificá-los, mas o de protegê-los. Trata-se de um problema não filosófico, mas político." (BOBBIO) Enquanto aqui embaixo a indefinição é o regime e dançamos com uma graça cujo segredo nem eu mesmo sei (CAETANO VELOSO)

5 DOS SANTOS, Felipe Lima Silva, Globalização e Periferia Mundial: Um discurso acerca da (in) efetividade dos Direitos Fundamentais, 2018, p., Monografia (Bacharelado) Faculdade de Direito, Universidade Federal da Bahia, Salvador, RESUMO O Presente trabalho surgiu da necessidade de entender a situação dos Direitos Humanos e Fundamentais perante o cenário pós-moderno no qual diversos fenômenos, como a globalização, o neoliberalismo e a própria crise do estado nacional perfazem-se como verdadeiros óbices contemporâneos à sua efetividade. A situação acentua-se na denominada periferia do capitalismo financeiro, na qual as promessas constitucionais de universalização desses Direitos nunca se cumpriram. A hipótese precípua, então, partiu da ideia de que para entender as razões da (in) efetividade social dos direitos Fundamentais, na realidade periférica, é imprescindível uma análise da história e formação local do país, suas idiossincrasias, enquanto periférico, bem como do entendimento de fenômenos contemporâneos de amplitude planetária. Nesse sentido, a pesquisa estabeleceu uma análise do problema da efetividade dos Direitos fundamentais através de sua inserção no contexto global contemporâneo, mas também numa perspectiva que levou em consideração particularidades históricas e sociais. Para tanto, utilizou-se do raciocínio hipotético-dedutivo, com predomínio de investigações histórico-jurídicas e da utilização de estratégias da pesquisa teórica (bibliográfica). Palavras-chave: Direitos Fundamentais; Direitos Humanos; Efetividade; Periferia do Capitalismo; Crise do Estado Nacional.

6 DOS SANTOS, Felipe Lima Silva, Globalização e Periferia Mundial: Um discurso acerca da (in) efetividade dos Direitos Fundamentais, 2018, p., Monografia (Bacharelado) Faculdade de Direito, Universidade Federal da Bahia, Salvador, ABSTRACT The presente work arose from a need to understand the situation of fundamental and Human Rights given the scenario post-modern in whitch a variety of phenomena, such as globalisation, neoliberalismo and the crisis of the national state make up as real obstacles contemporary to it s effectiveness. The situation is accentuated in the so called petiphery of financial capitalismo, in whitch the promises of constitutional universallization of these Rights never were fulfilled. The hypothesis function, then, departed from the idea that to understand the reasons for the (in) effectiveness of social fundamental rights, in reality peripheral, It is essential to na analysis of the history and formation of the country, it s idiosyncrasies, while the peripheral, as well as the understanding of the contemporary phenomenon of amplitude planetary. In this sense, the research established a problem analysis of the effectiveness of the fundamental Rights research established a problem of the effectiveness of the fundamental Rights through it s insertion in the global context the contemporary, but also from a perspective that took into account the particularitities of historical and social. For both, we used reasoning and hypothetical-deductive, with a predominance of investigations, historical-legal, and the use of strategies of theoretical research (bibliographic). Palavras-chave: Fundamental rights; Human Rights; Effectiveness; the periphery of capitalism; the Crisis of the National State.

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ESCORÇO HISTÓRICO, POLÍTICO E SOCIAL NA CONSAGRAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DIREITOS HUMANOS E FUNDAMENTAIS: UMA CONSAGRAÇÃO DE VALORES PARTILHADOS UNIVERSALMENTE? SURGIMENTO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: DO ESTADO ABSOLUTISTA AO ESTADO CONSTITUCIONAL LIBERAL PRIMEIRA GERAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS SEGUNDA GERAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS TERCEIRA GERAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS PARADIGMA PÓS-MODERNO: NEOLIBERALISMO, GLOBALIZAÇÃO E CRISE DO ESTADO NACIONAL CONSIDERAÇÕES ACERCA DO NEOLIBERALISMO A GLOBALIZAÇÃO E A EXPANSÃO MUNDIAL DO SISTEMA ECONÔMICO GLOBALIZAÇÃO E LEX MERCATORIA GLOBALIZAÇÃO E A QUESTÃO DA AUTONOMIA DO DIREITO CRISE DO ESTADO NACIONAL MODERNO IDIOSSINCRASIAS DA PERIFERIA MUNDIAL: O CASO BRASILEIRO Constituições brasileiras: um breve histórico Barreiras na efetividade dos direitos fundamentais em realidades periféricas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...62

8 6 1 INTRODUÇÃO A globalização tem seus primórdios na idade moderna, com o movimento histórico denominado de grandes navegações ou era das descobertas. Mas foi na primeira metade do século XX, terminada a segunda grande guerra mundial e, décadas após, com a queda do muro de Berlim, que se fez maiores os esforços no sentido dessa mundialização. Tal estreitamento nas relações entre os países do globo, nos mais diversos âmbitos, enquanto um fenômeno de avanços e retrocessos, impulsionou-se bastante, nesse período. Decorrência direta deste fenômeno, a divisão internacional do trabalho, segmenta os países, que outrora eram colônia e metrópole, em atuais centro e periferia do capitalismo financeiro. É neste presente cenário mundial, composto por bolhas de desenvolvimento, que surge, então, um paradoxo peculiar: a globalização da economia é uma realidade, conquanto, não se pode afirmar o mesmo da universalidade dos direitos humanos. Vive-se hoje no mundo altamente integrado. Um casamento da Família Real Britânica, distando mais de km de Salvador, sem guardar consigo qualquer relação relevante com esta cidade, é pauta principal nos telejornais; a cantora carioca Ludmilla lota show em Angola suas músicas difundiram-se bastante no país lusófono, em parte por conta do sucesso das telenovelas brasileiras por lá; e, não raro, nas alfândegas, Brasil afora, a Receita Federal realiza apreensões de produtos importados, sem a devida quitação dos tributos incidentes: importar bens de consumo, do mundo todo, hoje é algo tão trivial que ao menos precisa sair de casa. O que estes fatos têm em comum? Às vezes, dá-se uma impressão de se estar vivendo numa verdadeira comunidade planetária, na qual todos compartilham um mesmo mundo. Não faltam também, esforços, de amplos setores para que tal sentimento permaneça intacto no imaginário popular. No entanto, a partir de um olhar pouco mais apurado percebe-se que não é bem assim: a própria realidade em si da periferia mundial desmente de pronto tal falácia. Nenhum visual deslumbrante do litoral de grandes capitais brasileiras, por exemplo, resiste à uma simples adentrada no interior de seus espaços. Para além das praias, coqueiros e hotéis de luxo, por mais que tentem separar e esconder, os bolsões de miséria perfazem-se numa realidade indelével.

9 7 O Brasil é um país de histórico bastante específico, marcado pelo passado autoritário, colonial e sempre desigual. Último país da América a se tornar uma república e um dos últimos do mundo a abolir o regime de escravidão, teve, em sua história, uma miríade sucessiva de governos autocráticos. Nos idos do século XX esboçava-se as primeiras tentativas democráticas que, por uma razão maior, sempre eram interrompidas (luta contra a corrupção, ameaça comunista etc.). O que difere bastante da realidade europeia que, após séculos de expropriação das riquezas alheias, no além-mar e consequente acumulação primitiva de capital banca a sua modernidade e futura industrialização. Continente este que gesta também o welfare state e os denominados Direitos Sociais. O maior período seguido, em terras brasilis, sem rompantes autoritários é o atual que, nos próximos meses, completará parcos 30 anos. E, ainda assim, tal constatação não é incólume. Em 2016, numa imensa articulação institucional, o país assistia incrédulo ao afastamento, via processo de impeachment, bastante controverso, de sua presidenta. Com muita rapidez, surgiram diversas racionalizações e motivos os quais resultaram no afastamento da chefa do poder executivo, eleita democraticamente. O governante que assume, o até então vice-presidente, alcança a alarmante taxa de apenas 7% de aprovação, a pior do mundo, segundo dado, amplamente veiculado, proveniente do consultor de risco político Eurasia Group, sediado em Nova York. O presidente em exercício, então, impõe uma agenda de configuração altamente neoliberal, com seu programa político flertando diretamente com a dilapidação gradual dos direitos sociais, tão caros à população pobre desse país e tão arduamente conquistados. Como explicar o fenômeno de se ter um governante com a maior rejeição popular do mundo, operando medidas amplamente rejeitadas pelos governados, mas com razoável apoio das casas parlamentares, em suas empreitadas? Se não é a população - que rejeita amplamente sua agenda-, em nome de quem ou de quais interesses são tomadas as decisões? Tais interesses seriam SCHIMITT, Gustavo. Levantamento aponta Temer como presidente mais rejeitado do mundo. Disponível em: Acesso em: 09 abr

10 8 nacionais ou corresponderiam a movimentos transcendentes ao território brasileiro? O binômio Estado-Direito é capaz de garantir as promessas da modernidade frente a essa nova ordem de coisas? Nenhum presidente, desse país, eleito democraticamente, independente de espectro político ideológico, operou tamanho retrocesso no campo dos direitos sociais. Há uma enorme pressão governista para que se votem as reformas, as tais medidas impopulares, antes das eleições de Tal situação escancara as investidas que, a todo custo, tentam implementar medidas que a população nunca escolheria nas urnas. O direito de um povo escolher a agenda política de seu país, protegendo-se das arbitrariedades do estado, as chamadas liberdades civis, foram conquistas surgidas a partir de uma realidade e historicidade específica, consolidadas há séculos, nos locais intitulados de centro do capitalismo mundial. Do lado de cá, no entanto, assemelha-se mais a algo simbólico, a um conjunto de regras que, a depender da conjuntura, podem ou não serem observadas. A instabilidade institucional reina e vive-se na impressão de se estar sempre por um fio. Não há como falar da globalização e não mencionar à crise de paradigma do estado nacional. Ela é, sobretudo, uma crise de soberania. O estado, preso ainda ao paradigma moderno, é muito afeito ao território, ao local e impotente frente ao contexto financeirista pós-moderno. O capitalismo financeiro não reconhece fronteiras. Há entidades mercantis transnacionais que operam no globo inteiro e não se vinculam a nenhum território específico e muitas delas, inclusive, com valor de mercado maior que o PIB de diversos países juntos. Por possuírem um grande poder financeiro, suas ações ou omissões podem simplesmente afundar um país, principalmente aqueles situados na periferia do mundo. Adicione-se também, nessa equação, os blocos supranacionais (União Europeia, NAFTA, MERCOSUL etc.) e as ONGS. O estado nacional não detém mais o monopólio de dizer o Direito. E é a partir daí que surge a problemática central desta monografia: - se os Direitos Humanos surgem na Europa, como garantias frente às arbitrariedades do estado moderno, o que ocorre com sua efetividade na periferia do mundo, na crescente crise desse estado? A hipótese central que, de início, admite-se e que, ao longo do trabalho, se confirmará ou não, é a de que o novo paradigma inaugurado pela globalização econômica e as idiossincrasias de uma periferia mundial são fatores

11 9 chaves para a compreensão da (in) efetividade dos Direitos Fundamentais nestes locais, em especial o Brasil. Como escopo central, a presente pesquisa visa estabelecer uma análise da problemática da efetividade dos Direitos fundamentais no Brasil, através: i) da descrição do contexto mundial contemporâneo, mas ii) numa perspectiva que leve em consideração suas particularidades históricas. São esses os dois eixos nucleares a serem percorridos para se aproximar da compreensão da referida problemática, seu cenário e principais atores envolvidos. Por óbvio, não é o objetivo da presente pesquisa, responder a todas estas questões num trabalho tão breve que é a monografia de conclusão de curso, mas sim traçar sólidas balizas. A vertente metodológica será a jurídica sociológica, pois o trabalho compromete-se a compreender o fenômeno jurídico de uma forma aberta (zetética), ou seja, como uma variável da sociedade que o integra e sem os compromissos práticos imediatos próprios de uma abordagem mais tecnológica (dogmática). O raciocínio a ser priorizado, no decurso da pesquisa, será o hipotético-dedutivo. Concernente ao tipo genérico de investigação, será utilizado bastante o histórico jurídico, posto que analisará institutos jurídicos, situando-os no espaço-tempo, para, assim, assimilá-los criticamente e a estratégia metodológica é a pesquisa teórica (bibliográfica) que se utilizará a todo instante do procedimento de análise de conteúdo. Para tal empreitada, no primeiro capítulo, tendo como fio condutor a teoria das gerações (mas não se limitando a ela), será feito um panorama geral dos Direitos Humanos e Fundamentais positivos: contexto histórico, surgimento, debate acerca da universalidade. Já no segundo, o foco é a análise dos dilemas advindos com a pósmodernidade, a exemplo da globalização econômica, neoliberalismo etc., enquanto principais fenômenos limitantes da efetividade dos Direitos Humanos e Fundamentais. Essa limitação, porquanto existente no mundo atual globalizado, é uma realidade planetária, mas evidentemente opera efeitos bem diferentes no que se refere à periferia do capitalismo e nas localidades centrais. O terceiro capítulo explorará, portanto, tais limitações, tais barreiras na situação das realidades locais da periferia do capitalismo, em especial do Brasil.

12 10 2 ESCORÇO HISTÓRICO, POLÍTICO E SOCIAL NA CONSAGRAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS O problema da efetividade dos Direitos Fundamentais em países periféricos está relacionado à uma gama complexa de fatores. Um deles é o fato destes Direitos refletirem circunstâncias sociais e históricas próprias dos países ditos centrais. O processo de positivação dos Direitos Humanos e Fundamentais, porquanto um fenômeno cultural, ocorre no espaço e tempo histórico 1. Toda história da positividade jurídica destas liberdades, portanto, está intimamente relacionada à Europa. Foram as circunstâncias culturais e históricas particulares ocorridas nessa localidade que fomentaram o processo gradual de nomogênese destes Direitos. A efetividade de normas jurídicas não é algo que se realiza somente pela sua positivação, é preciso que haja um ambiente político, econômico e social favorável à observância da mesma. Partindo dessa premissa, faz-se mister um percurso histórico por essas conjunturas específicas. 2.1 DIREITOS HUMANOS E FUNDAMENTAIS: UMA CONSAGRAÇÃO DE VALORES PARTILHADOS UNIVERSALMENTE? A nomenclatura Direitos Humanos remete o leitor, numa acepção literal, ao Direito pertencente ao homem. O vocábulo homem, nesse caso, semanticamente designa espécie humana, o que sugere universalidade. Tal expressão representaria, então, uma miríade de implicações jurídicas (valorativas, principiológicas, normativas, prestacionais etc) que visam salvaguardar todos os indivíduos por esta condição: a de serem humanos. Conforme assevera LUÑO, em descrição precisa, tais Direitos representam faculdades e instituições que especificam as exigências da dignidade humana, liberdade e igualdade que devem ser reconhecidas positivamente pelos sistemas jurídicos em nível nacional e internacional 2. 1 REALE, Miguel. Filosofia do Direito. 20. ed. São Paulo: Saraiva, Passim. 2 LUÑO, Antonio Enrique Pérez. Derechos Humanos: Estado de Derecho y Constitución. 10. ed. TECNOS, p.48.

13 11 Cria-se, então, na condição existencial humana, uma espécie de núcleo axiológico irredutível. Tal base dota as pessoas de valor em si mesmas e ambiciona impedi-las de serem utilizadas como meio para os mais diversos fins existentes. Os chamados direitos fundamentais, por sua vez, muito embora, para alguns autores, sejam considerados sinônimo dos direitos humanos, possuirá, aqui, significações díspares. A expressão direitos fundamentais aplica-se àqueles direitos, reconhecidos no Direito Constitucional positivo de determinado país; os direitos humanos, por sua vez, referem-se às situações jurídicas provenientes dos documentos de Direitos Internacional e, como tais, almejam validade universal 3. A Organização da Nações Unidas define os direitos humanos como garantias jurídicas universais que protegem indivíduos, bem como grupos perante ações ou omissões dos governos que violem a dignidade humana. E acrescenta, Kamphorst: [...] Assim, os direitos humanos são, pois, garantidos internacionalmente, juridicamente protegidos e universais, porque baseados num sistema de valores comuns. Centram-se na dignidade do ser humano, obrigando os Estados e agentes estaduais a proteger indivíduos e grupos. 4 As ideias por trás do que se denomina contemporaneamente de Direitos humanos, mutatis mutandis, sempre estiveram presentes na humanidade. 5 Praticamente todas grandes matrizes religiosas e culturais preconizam valores como justiça, paz, caridade e a solidariedade perante o semelhante. No entanto, não se estar aqui a defender a hipótese de uma universalidade prévia das ideias que cominaram nos Direitos Humanos. A perspectiva do presente trabalho é, inclusive, no sentido contrário desta que é uma das principais apostas da modernidade europeia: a ideia da razão (pensamento ocidental) e do sujeito como coisas universais 6. O que se estar a defender, portanto, é que basicamente todos os matizes culturais possuem ideias que valorizam a paz, a justiça e a indignação perante o sofrimento alheio. O 3 SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, Passim. 4 BORGES, Bruna [et al]. Uma Introdução aos Direitos Humanos e Fundamentais no Plano Transnacional. In: Marlon André Kamphorst. Transnacionalismo, Globalização e Direitos Humanos. Santa Catarina: p MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p MASCARO, Alysson. Filosofia do Direito. 5. ed. São Paulo:Atlas, Passim

14 12 conteúdo desses valores é que variam, conforme a história e os signos de cada realidade cultural específica. Na antiguidade clássica ateniense, embora fosse uma comunidade escravocrata, a forma política pressupunha o arquétipo de um homem livre e com determinada individualidade. No cristianismo, por exemplo, tem-se a igualdade de todos os homens, na sua dignidade, perante Deus. A própria noção de Ubuntu, presente nos povos que tradicionalmente ocuparam a região da África Subsaariana, tem, como princípio, a harmonia no relacionamento dos seres humanos, na qual as partes individuais existem como um aspecto do todo, da comunidade. 7 Nesse sentido, COETZEE pontifica: Um dos primeiros princípios da ética Ubuntu é a libertação do dogmatismo. É a flexibilidade orientada para o equilíbrio e para a harmonia no relacionamento entre seres humanos. 8 Na literatura jurídica dogmática 9 é possível encontrar algumas conjecturas acerca do porquê dessa inclinação humana de compadecer-se e ajudar o próximo. Tais esclarecimentos geralmente são feitos, circunstancialmente na parte histórica das determinadas obras. Há Predomínio de visões essencialistas as quais entendem que essa indignação do homem perante as injustiças é da essência do ser humano. Seria este o motivo que explicaria o porquê de sempre ter existido, no seio social, valores ligados à dignidade do ser humano. Tal perspectiva, bem afeita aos juristas e, claramente, influenciada pela ética kantiana, sintetizada por esta célebre reflexão do ilustre filósofo prussiano: Duas coisas enchem o ânimo de crescente admiração e respeito [...]: por sobre o mim o céu estrelado; em mim a lei moral. 10 Estudos empíricos de psicologia social 11, por sua vez, apontam para outro viés. Seriam, então, tais inclinações de solidariedade como que o resultado adaptativo da convivência humana, em pequenos grupos originários, ao longo de milhares de anos. Os seres humanos aprenderam a cooperar beneficiando àqueles que estão em necessidade, na expectativa de um retorno, de algum benefício no futuro. Essa mútua 7 RAMOSE, Mogobe B. A ética do ubuntu. Tradução para uso didático de: RAMOSE, Mogobe B. The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p , por Éder Carvalho Wen. 8 Ibid., p MARMELSTEIN, op. cit., p KANT, Emanuel. Crítica da Razão Prática. Tradução de Afonso Bertagnoli. São Paulo, p STANGOR, Charlies. Principles of social psychology. Minneapolis: The Saylor foundation, 2015.

15 13 e (geralmente) equitativa troca de benefícios é denominado altruísmo recíproco. Por exemplo: Um indivíduo que está temporariamente ferido poderá beneficiar-se pela ajuda que ele ou ela pode receber dos outros durante esse tempo. E, de acordo com o princípio do altruísmo recíproco, outros membros do grupo estarão dispostos a dar essa ajuda ao indivíduo necessitado, porque esperam que uma ajuda semelhante lhes seja dada caso precisem. Tal análise tem um enfoque empírico e afeto ao campo sociológico, enquanto aquela acima, denominada de essencialista, vislumbra o fenômeno numa perspectiva predominantemente valorativa, mais afeta ao campo filosófico. A história e o presente da humanidade são e foram atravessados por períodos sombrios, marcados pelo genocídio, escravidão e outros infindáveis corolários da opressão do homem pelo homem. Tal premissa, contudo, não seria ela em si, impeditivo lógico, para que a condição humana diferisse disso. Não à toa, a história da humanidade caminha dialeticamente: se num primeiro período tem-se a escravidão, e, num segundo, as ideias abolicionistas, no terceiro, tem-se a própria abolição 12 ; se num primeiro momento, como consequência da revolução industrial, tem-se trabalhadores, trabalhadoras e crianças com jornadas desumanas de trabalho e toda uma periculosidade envolta, num segundo, tem-se a crítica e a luta política, para, num terceiro, haver o surgimento do que se denomina, hoje, Direito do Trabalho. Essa indignação perante o injusto é algo que esteve claramente presente na história da humanidade. Os direitos humanos nada mais são que a consolidação destes ideais, destes valores num plano positivo do direito internacional e os Direitos Fundamentais, por sua vez, no plano dos países. A ideia de uma realidade internacional pressupões o conceito de outra: a nacional. Este vocábulo remete à nação : um dos elementos do estado 13. O que se leva a concluir que a positivação dos Direitos Humanos e Fundamentais estão intimamente ligados ao surgimento do estado moderno um fenômeno europeu, portanto. Na França, em 2011, no governo de Sarkosy, editou-se uma lei proibindo o uso de véus islâmicos que cubram parcialmente ou totalmente o rosto, nos locais públicos do país. Na norma, há previsão de multa para pessoas que cobrissem o rosto nos tais 12 Exemplo clássico da dialética hegeliana. 13 BITTAR, Eduardo. Teoria do Estado: Filosofia Política e Teoria da Democracia. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2016

16 14 locais públicos, bem como a quem obrigue uma mulher a usar o niqab 14. Tal lei gerou bastante debate no mundo todo, de forma tal que chegou a ser discutida pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos que votou no sentido de ela estar de acordo com o Convênio europeu de Direitos Humanos. A Grande Sala do Tribunal de Estrasburgo entendeu pela necessidade de as autoridades identificarem autores de possíveis atentados terroristas, ou seja, lutar contra a fraude de identidade. Contudo, vários representantes mulçumanos se opuseram à lei, afirmando que ela estigmatiza a comunidade 15. Os ânimos se acirraram depois de polêmica declaração do ministro do interior, Claude Guéant, que afirmou que o aumento do número de muçulmanos na França e que certas práticas ligadas a essa religião representam um problema". 16 Tal situação emblemática, ocorrida na França, exemplifica categoricamente a insustentabilidade do paradigma moderno europeu que se apoia na premissa da universalidade dos seus valores. Como bem assevera Bittar: Todo projeto iluminista e racionalista de constituição do homem na base do dever puro e abstrato, toda a proposta de constituição da ética mundana na linha da ética racional, todas as ambições depositadas sobre a moral abstrata, sobre os direitos consagrados em declarações universais, sobre a cultura racional, tornaram-se questões ultrapassadas em face da pósmodernidade. [...]. A pós-modernidade não aceita o fato de que seja possível converter valores morais em normas universais com tranquilidade e isenção. 17 Grandes fluxos migratórios na Europa, originários sobretudo de nações que outrora foram colônias desses que são os países destino, em conjunto com um plexo de questões ligadas ao paradigma da globalização, geram uma inevitável tensão, no plano da convivência, entre os valores europeus e os não-europeus. Essa tensão é oriunda de um inegável e grande paradoxo contemporâneo: as ideias e condições históricas favoráveis para o surgimento da positivação jurídica dos Direitos humanos não fora um movimento historicamente partilhado, a partir de valores universais (tampouco a própria ideia de positividade jurídica o é), no entanto a sua universalização (no sentido de efetividade) é um dos maiores desafios da 14 Burca que cobre integralmente o rosto. 15 Não assinado: França proíbe véu islâmico e prende manifestantes. Disponível em: Acesso em: 10 maio Não assinado, Loc. Cit. Acesso em: 10 maio BITTAR, Eduardo. Traços de uma ética pós-moderna: a ética, a violência e os direitos humanos no século XXI. São Paulo. ISSN: n.º 97 (2002). p

17 15 contemporaneidade: - desafios para contrariar interesses, desafios para compatibilizar valores e muitos outros. Esse inclusive é um importante tema no âmbito das ciências sociais e filosofia política atuais e está longe de ser resolvido. Abordar tal temática extrapolaria os objetivos do presente trabalho, mas ter perpassado por ele, ainda que secundariamente, faz-se importante para o objetivo do presente tópico, bem como do capítulo, que é apresentar os Direitos Fundamentais como um fenômeno tipicamente europeu. E, como tal, resultante de uma historicidade específica. Tais circunstâncias, portanto, serão objeto do tópico que se segue. 2.2 SURGIMENTO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: DO ESTADO ABSOLUTISTA AO ESTADO CONSTITUCIONAL LIBERAL A positivação gradual dos direitos humanos e fundamentais sempre se atrelou em torno da questão de limitar o poder político. A ideia contemporânea que se tem de democracia, inclusive, inclui o reconhecimento de certos núcleos de autodeterminação individual que o estado não pode adentrar. 18 A consagração da ideia de que as instituições governamentais devem ser utilizadas somente a serviço dos governados, e não para atender aos desígnios dos governantes foi um primeiro passo decisivo na admissão da existência de direitos que, inerentes à própria condição humana, devem ser reconhecidos a todos 19. Ou seja, o ideal de limitação do poder dos que governam sempre foi corolário dos Direitos Humanos. Para compreender melhor o surgimento dessa concepção é preciso entender a mudança de paradigma do estado absoluto para o estado liberal constitucional. No âmbito da filosofia política, dois pensadores cruciais na teorização e fundamento do estado absolutista é Thomas Hobbes e Nicolau Maquiavel. Para Hobbes ( ), um príncipe deverá, portanto, não se preocupar com a fama de cruel se desejar manter seus súditos unidos e obedientes 20. Para ele, a única forma de se alcançar a paz seria concentrando todo o poder ao Estado o qual 18 BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.Passim. 19 JÚNIOR, Dirley Da Cunha. Curso de Direito Constitucional. 7. ed. Salvador: Juspodivm, p BRAICK, Patrícia Ramos; MOTA, MYRIAM BECHO. História: das cavernas ao terceiro milênio. 3. ed. São Paulo: moderna, Passim.

18 16 personifica-se no soberano. O autor identifica o estado com o leviatã, uma criatura indomável (somente Deus poderia dominá-lo), citada na bíblia e que vivia nos mares. O soberano, então, teria que ser que nem tal monstro uma vez que seria o único ente, a única autoridade capaz de estabelecer uma ordem no caos social que, na visão do autor, é a tendência natural da convivência humana (o estado de natureza), conforme sua célebre e imortalizada expressão: o homem é o lobo do homem (homo homini lúpus). Para Hobbes, o soberano deveria ter poder ilimitado, sem nenhuma regulamentação jurídica ou política. Nada que o governante fizesse poderia, sob hipótese alguma, ser considerado injusto e ninguém poderia questioná-lo. O soberano deveria prestar contas somente a Deus. Concernente à Maquiavel ( ), o ilustre autor afirmava que havia duas formas de manter o poder. Uma na qual utiliza-se as leis e outra baseada na força. A primeira seria própria dos homens, já a segunda, dos animais. Quando a primeira forma não é suficiente, o governante deve utilizar a segunda. Pois é crucial, para um príncipe, na visão do autor, comporta-se como um homem, mas também como um animal. 21 Para o referido autor, o príncipe não poderia ter outro escopo, ou outro tipo de pensar, tampouco cultivar consigo outra arte, que não seja a da guerra, junto a toda disciplina e regramento que a mesma necessita. Tal autor afirma que: O príncipe não precisa ser piedoso, fiel, humano, íntegro e religioso, bastando que aparente possuir tais qualidades. Um príncipe não pode observar todas as coisas a que são obrigados os homens considerados bons, sendo frequentemente forçado, para manter o governo a agir contra a caridade, a fé, a humanidade, a religião [...]. O príncipe não deve se desviar do bem, se possível, mas deve estar pronto e fazer o mal, se necessário. 22 Foram estes os substratos teóricos que sustentaram e justificaram o denominado Estado absolutista. Modelo político este que fora seguido pela maioria das nações europeias que despontavam nesse período entre o século XV a XVII, ou seja, entre o fim da idade média marcada sobretudo pela fragmentação do território, bem como pela descentralização do poder- e o posterior advento do comércio, surgimento das cidades e toda uma nova arquitetura no modus operandi do poder. 21 MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. São Paulo: Nova Cultural, Passim.

19 17 Essa praxis política, juntamente a toda uma confluência de ideias que lhe dava substrato resulta num estado poderoso, sem contrapesos e limites éticos, no qual o soberano poderia fazer do que bem entendesse para continuar no poder. Para que os valiosos fins fossem alcançados. A noção dos Direitos Fundamentais enquanto normas jurídicas limitadoras do poder estatal eclode como reação a este estado absolutista. Autores como John Locke e Montesquieu foram importantes no que tange à suas contribuições enquanto intelectuais nesse que foi um verdadeiro giro na forma de se exercer o poder político e o embrião das democracias contemporâneas. Tal mudança de paradigma, assim como todo acontecimento histórico, refletiu os anseios e acontecimentos de uma época, o século XVIII, conhecido como a era das revoluções. Marcado, sobretudo, pela Revolução Francesa e pela Revolução Gloriosa, no Reino Unido, a qual fora eclodida não exatamente no século XVIII, mas entre 1688 e 1689, no fim do século XVII, faltando apenas uma década para os anos Imbuídos pelos ideais iluministas, ambas revoluções mudaram a história do continente e porque não do mundo também. No caso da França, imbuídos pelos princípios de Liberté, Igualité e Fraternité, a sociedade passou por profundas mudanças, principalmente no que toca aos privilégios da nobreza: a monarquia absoluta que governava o país entrou em colapso em apenas alguns anos. A declaração dos Direitos do Homem e do cidadão fora um documento importantíssimo na revolução; ela define os direitos individuais dos homens como universais. O documento tem inspiração jusnaturalista e transformouse, em razão da universalidade de seus princípios, no marco culminante do constitucionalismo liberal, no instrumento de ascensão política e econômica da burguesia, a nova classe que se apossava do comando do Estado [...]. 23 A tal classe revolucionária, então, [...] Pondo fim ao Ancien Régime, proclamava os princípios da liberdade da igualdade da propriedade e da legalidade as garantias individuais liberais, que ainda se encontram nas declarações contemporâneas 24. No Reino Unido, a Revolução Gloriosa deu fim ao absolutismo britânico e garantiu uma certa estabilidade econômica e política que, anos depois, culminou na 23 JÚNIOR, Dirley Da Cunha. Curso de Direito Constitucional. 7. Ed. Salvador: Jusspodivm, p JÚNIOR, Loc. Cit.

20 18 revolução industrial. Dos documentos ingleses decorrentes da revolução, a denominada Declaração de Direitos (Bill of rights), foi um dos mais relevantes. Tal declaração foi crucial na afirmação da supremacia do parlamento e, portanto, igualmente importante na instituição da separação dos poderes. Foi também um modelo para o surgimento de monarquias submetidas à soberania popular. De grande importância também, nesse momento histórico, para o reconhecimento dos direitos fundamentais, foi a Reforma Protestante a qual levou à reivindicação e ao gradativo reconhecimento da liberdade de opção religiosa e de culto em diversos países da Europa. 25 Contudo, não terá espaço aqui, para o debate acerca do marco inicial da positivação dos Direitos Humanos: se tal fenômeno se deu com a Magna Carta de 1215, com a declaração de Direitos da Virgínia de 1776 (Bill of rights), com a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789, ou, ainda, com a Declaração Universal dos Direitos do homem de Importa saber que o paradigma do estado absolutista ilimitado e onipotente é modificado. Sua finalidade não é mais a simples satisfação dos interesses de um seleto grupo de pessoas e sim a busca pelo bem comum de seu povo. Não só os governados precisam obedecer às leis, mas os governantes também estão sujeitos à normas que disciplinam seus limites enquanto governante. Conforme asseverou grande teórico desse período, Rousseau: seria contra a natureza mesma de um corpo político que o soberano pudesse estabelecer acima de si mesmo uma lei que ele não pudesse infringir. 27 O poder agora, apesar de uno, divide-se no seu exercício, através da técnica de separação dos poderes. Tal instituto, que fora uma conquista do período, é imprescindível na garantia dos Direitos Fundamentais. Os denominados freios e contrapesos (checks and balances) são essenciais contra a concentração e abuso de poder - na proteção do indivíduo frente ao arbítrio do estado. Nos próximos subitens será esclarecido com mais detalhe acerca dessa evolução dos Direitos Humanos no tempo. A metodologia utilizada, para tanto, será àquela de autoria do professor Karel Vasak: teoria das gerações dos Direitos. Tal 25 SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, p Carvalho, Morgana. Jurisdição no Estado do Bem-Estar e do Desenvolvimento. Salvador: Padma p Rousseau, Jean-Jacques. Do Contrato Social. São Paulo: Ridendo Castigat Mores Passim.

21 19 abordagem atualmente é bastante criticada e, assim, não será diferente mais adiante, oportunamente, na presente pesquisa. Mas sua importância perfaz-se no seu inegável caráter didático e sintetizador. O jurista Karel Vasak ( ), no desenvolvimento da teoria das gerações, baseou-se no lema da Revolução Francesa: liberte, égalité e fraternité. Na primeira geração dos Direitos Fundamentais (liberte), então, seriam aqueles políticos e civis, baseados sobretudo na concepção negativa de liberdade (não-intervenção estatal) e tiveram seu surgimento diretamente ligado às revoluções burguesas. Já a segunda (égalité), seriam os direitos sociais, econômicos e culturais, inspirados no lema da igualdade e intimamente relacionados com o surgimento da Revolução Industrial e todos problemas com ela advindos. A terceira e última (fraternité) ganhou força após o segundo pós-guerra e traz consigo a questão do direito ao desenvolvimento, bem como os valores da paz e meio ambiente, principalmente após a Declaração Universal dos Direitos humanos, de Há até outros autores que defendem uma quarta ou até mesmo uma quinta geração de Direitos fundamentais, geralmente guardando relações com as implicações de um mundo cada vez mais globalizado e com os avanços tecnológicos PRIMEIRA GERAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS A positivação dos Direitos Humanos surge em paralelo à consagração das bases do Estado democrático de direito. Justamente quando foram criados os mecanismos institucionais que possibilitaram maior participação popular nos desígnios políticos e maior limitação do poder do estado. É nesse momento que a ideologia liberal se positiva em normas jurídicas. Tais regras vêm cumprir a função de traçar uma arquitetura do exercício do poder. Trata-se de uma verdadeira racionalização do exercício político, na forma de mandamentos previamente conhecidos pelos governantes e sociedade civil: as formas básicas do que hodiernamente é conhecido como de estado de direito. É o que se ver na descrição, sempre precisa, de Tércio Sampaio: 28 MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p. 37.

22 20 Estado de Direito tem a ver com codificação jurídica do poder. Em primeiro lugar, significa que o poder de coação politicamente organizado em instâncias centrais é posto à disposição do agente privado que se encontra numa posição protegida pelo direito. Em segundo lugar, significa que o poder político, ele próprio, está submetido ao direito, de tal modo que o poder só possa valer-se de seus meios de coação quando juntamente autorizado. E, afinal, que o próprio direito autorizante só pode ser criado, mudado ou reconhecido pelas condições postas pelo próprio sistema jurídico. 29 Olhando atualmente para as configurações do estado absolutista de outrora é de se impressionar o nível de intromissão que este tinha na vida privada dos indivíduos. Ademais, a própria ideia de privado, de indivíduo/sujeito, como um ente, a parte da coletividade, sobre o qual deva convergir direitos e garantias, noção, hoje, comum no ocidente é uma concepção histórica, surgida a partir daí - na modernidade. Os Direito Humanos, de primeira geração, têm grande contribuição nessa mudança. O antigo regime oprimia a sociedade civil em basicamente todas as searas: política, econômica, jurídica, religiosa. Qualquer grupo ou pessoa que cultivasse determinado tipo de ideia diferente da considerada oficial pelo estado sofreria perseguição. Como exemplo, válido lembrar-se das perseguições sofridas por Copérnico e Galileu, entre os séculos XVI e XVII, por defenderem que a terra gira em torno do sol e não o contrário; bem como o chamado index librorum prohibitorum os quais eram basicamente uma lista de livros proibidos pela igreja Católica 30. Afinal de contas, nesse período, teorias, como era o caso do geocentrismo, que pusessem em dúvida qualquer dogma católico, eram consideradas afrontas perante as ideias dominantes, conforme assevera Bittar: a perda da centralidade religiosa representava uma ameaça, que deveria ser severamente punida e rechaçada, à coesão do rebanho cristão FERRRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Estudos de Filosofia do Direito: Reflexões sobre o Poder, a Liberdade, a justiça e o Direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, p MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p BITTAR, Eduardo. Teoria do Estado: Filosofia Política e Teoria da Democracia. 5. ed. São Paulo: Atlas, p. 158.

23 21 As conquistas do estado constitucional liberal e dos Direitos fundamentais de primeira geração estão para o estado no sentido de uma postura negativa deste. As chamadas garantias civis e as liberdades criam, portanto, um núcleo inviolável perante o poder estatal. Daí, então, o motivo da expressão liberdade negativa, referindo-se à concepção de liberdade em voga nesse período: como um estado de coisas, salvaguardado das intervenções estatais; a liberdade como não impedimento. 32 Os Direitos Fundamentais de primeira geração foram os primeiros a serem reconhecidos, principalmente a partir das declarações dos anos 1700 e das primeiras constituições escritas que passaram a surgir nos estados ocidentais, decorrentes da ideologia burguesa, deste momento histórico. Os Direitos de primeira dimensão correspondem às denominadas liberdades públicas, abarcando os direitos à vida, à liberdade, à propriedade, à segurança e à igualdade de todos perante a lei; contemporaneamente, complementando esses mesmos direitos, mas numa acepção coletiva, há o direito de reunião, de associação e os Direitos políticos (como direito de voto e de se eleger). 33 Numa perspectiva histórica, tais Direitos foram os primeiros a serem reconhecidos para tutelarem as liberdades públicas, pois era bastante emergente, naquele período específico, a proteção dos indivíduos da discricionariedade do estado. Por essa questão urgia que fosse tutelada as liberdades tanto cível, quanto política e estas constituíam verdadeiras barreiras à atuação estatal. Por outro lado, esses Direitos expressavam também poderes de agir, reconhecidos formalmente, pelo ordenamento jurídico, a todos os seres humanos, independentemente de ingerência do estado. Contemporaneamente, pode-se dizer que as liberdades públicas, são consolidados no ocidente, quase inexistindo constituição que não os reconheçam SEGUNDA GERAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Apesar das declarações de direitos, elaboradas nesse momento histórico, em quase sua totalidade, consagrarem, ao longo de seus textos, direito à igualdade, não 32 FERRRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Estudos de Filosofia do Direito: Reflexões sobre o Poder, a Liberdade, a justiça e o Direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, p JÚNIOR, Dirley Da Cunha. Curso de Direito Constitucional. 7. Ed. Salvador: Jusspodivm, p. 590.

24 22 havia disposição e interesse, da emergente classe burguesa, de se garantir isonomia no plano material para todos os seres humanos. Ou seja, não havia nenhum propósito de estender a igualdade para o plano social, ou de criticar as desigualdades econômicas reais que se manifestavam nesse período. 34 Os efeitos da industrialização, os grandes problemas sociais e econômicos que a acompanharam, as doutrinas socialistas e a constatação fática de que a conquista formal de igualdade e liberdade não gerava a efetividade do seu gozo acabaram, já no decorrer dos anos 1800, gerando amplos movimentos de reivindicação e o reconhecimento gradual de diversos direitos, atribuindo agora ao Estado comportamento ativo na concretização da justiça social. O que distingue esses direitos da geração anterior é a sua dimensão positiva perante o estado, posto que se cuida não mais de evitar uma intervenção estatal na esfera das liberdades individuais, mas, sim, através da ação estatal, propiciar à sociedade o bem-estar social. 35 Por isso tratar-se, nesse período, de um conceito de liberdade positiva (diferentemente do paradigma de liberdade negativa presente na geração anterior) no qual se concretiza pelas condições materiais que um indivíduo tem de, no seio social, realiza-se e ser, de fato, independente. Nessa concepção de liberdade, não adiantaria a sua mera garantia formal, enquanto as pessoas não tivessem condições de se desvencilharem das estruturas sociais que as limitavam e perpetuava os privilégios da classe revolucionária: a burguesia. O estado constitucional liberal teria, como função exclusiva, somente a política e jurídica, no sentido mais estrito possível. Ou seja, seria ele indiferente ao que se dá no campo social e econômico. O poder estatal, no seu formato mínimo, deveria se ater apenas na administração e manutenção dos três poderes para protegerem as liberdades individuais. Naqueles outros campos, contudo, o estado seria omisso, passivo, não se intrometendo nas relações da sociedade civil. Era o estado do lema econômico liberal do laissez faire et laissez passer (deixa fazer, deixa ser, deixa passar). 34 MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, p. 325.

25 23 Tal discurso liberal de um estado pouco interventor, do laissez faire, na prática, contudo, observou-se bastante controverso. Por exemplo: quando os trabalhadores reivindicavam melhores condições de trabalho, o Poder estatal esquecia a teoria do laissez-faire e ia além da condição de mero espectador, tomando a posição dos donos dos meios de produção, utilizando-se da sua condição de detentor da violência legítima 36 para reprimir violentamente os trabalhadores. A utilização de forças policiais para proteger as fábricas, prender e perseguir lideranças operárias era algo bem comum. Tal fato denota que a tão aclamada liberdade formal era uma ideologia 37 : quando essa liberdade (no caso, a liberdade de reunião, de associação e de expressão dos trabalhadores) representava uma ameaça à estabilidade, o Estado passava a agir, intensamente, para impedir a mudança social. 38 Apesar de todo humanismo que inspirou as declarações de Direito, do grande avanço que foi dado na questão da limitação do poder estatal, da renovação na conceituação de cidadania, agora participação dos indivíduos nos negócios públicos, tais conquistas não abarcavam todos. A igualdade meramente formal em nada mudava a materialidade da vida da grande maioria da população, por isso a tônica do momento era a inclusão social. É nesse cenário que aparece os Direitos de segunda geração. A nova geração tem, por característica, assegurarem ao indivíduo direitos a prestações sociais por parte do Estado, tais como prestações de assistência social, saúde, educação, trabalho etc., revelando uma transição das liberdades formais abstratas para as liberdades materiais concretos. É, contudo, ao longo do século XX, de modo especial nas constituições do segundo pós-guerra, que estes novos direitos fundamentais acabaram sendo consagrados em um número significativo de constituições, além de constituírem o objeto de diversos pactos internacionais O termo monopólio da violência, referindo-se ao estado como o detentor do monopólio da utilização legítimo da força física, fora utilizada pela primeira vez por Max Weber numa conferência na Universidade de Munique. 37 Ideologia no sentido marxista: conjunto de ideias que têm uma aparência de verdade, mas que numa rigorosa análise, perfazem-se contraditórias. Sua a função é escamotear a realidade e racionalizar a explorações, dando subsídios teóricos que justificam as opressões do mais fraco pelos mais fortes. 38 MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, p. 325.

26 24 Alguns fatos históricos foram decisivos nessa mudança de paradigma. A revolução industrial trouxe prosperidade econômica para uma minoria abastada e uma miríade de problemas sociais acarretaram numa grande insatisfação da parcela afastada dos prazeres proporcionados na controversamente denominada Belle Époque (Bela época). O estado Constitucional Liberal não conseguia garantir harmonia social. Os operários organizavam-se de forma bastante politizada e iniciavam as primeiras reivindicações que visavam à conquista de direitos e melhores condições de trabalho. No fim da primeira metade do século XIX, Karl Marx redige o Manifesto Comunista e, em 1917, eclode a revolução russa a primeira experiência de revolução socialista bem-sucedida. É nessa atmosfera que surge o Estado de Bemestar social (Welfare State): um novo paradigma político, no qual o estado sem se afastar dos alicerces básicos do capitalismo [...] compromete-se a promover maior igualdade social e garantir as condições básicas para uma vida digna 40. Essa virada é bem de definida por Streck e Morais: O projeto liberal teve como consequências: o progresso econômico; técnicas de poder como poder legal, baseado no direito estatal [...]. Todavia, estas circunstâncias geraram, por outro lado, uma postura ultra individualista, assentada em um comportamento egoísta; uma concepção individualista e formal de liberdade no qual há o direito, e não o poder de ser livre; e a formação do proletariado em consequência da revolução industrial [...] 41 A Constituição alemã de Weimar (1919), bem como a constituição do México (1917) foram pioneiras na positivação dos Direitos Fundamentais de segunda geração. Nesse período, após o fim da primeira guerra mundial, os Estados Unidos da América despontaram como maior potência do mundo e em 1929 ocorre uma das maiores crises do capitalismo: a quebra da bolsa de valores de Nova York, uma crise de superprodução. O programa new deal, do presidente Roosevelt, fora uma resposta à crise e caracterizou-se numa maior intervenção do Estado na economia, bem como em programas sociais. 40 MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4. ed. São Paulo: Atlas, p STRECK, Lenio luiz; DE MORAIS; José Luis Bolzan. Ciência Política & Teoria do Estado. 8. Ed. Porto Alegre: Livraria do advogado, p. 55.

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Teoria da Constituição Constitucionalismo Parte 3 Profª. Liz Rodrigues - As etapas francesa e americana constituem o chamado constitucionalismo clássico, influenciado por pensadores

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Curso preparatório para o concurso: Polícia Rodoviária Federal Professor : Gustavo de Lima Pereira Contato: gustavo.pereira@pucrs.br AULA 1 AFIRMAÇÃO HISTÓRICA E TEORIA GERAL

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS www.trilhante.com.br ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS... 4 Histórico...4 Declaração Universal dos Direitos Humanos 1948... 5

Leia mais

Política. Como o poder se realiza? Força (violência) Legitimação (consentimento) - carisma, tradição e racionalização.

Política. Como o poder se realiza? Força (violência) Legitimação (consentimento) - carisma, tradição e racionalização. Política Ciência política: Objeto de estudo: o poder político. Principal instituição moderna do poder político: o Estado-nação. Outras instituições políticas modernas: o executivo, o legislativo, os partidos

Leia mais

O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII

O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII O ILUMINISMO SÉCULO XVII - XVIII ILUMINISMO: A BUSCA PELA RACIONALIDADE Somente pela razão os homens atingiriam o progresso, em todos os sentidos. A razão permitiria instaurar no mundo uma nova ordem,

Leia mais

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO PLATÃO (428-347 a.c.) Foi o primeiro grande filósofo que elaborou teorias políticas. Na sua obra A República ele explica que o indivíduo possui três almas que correspondem aos princípios: racional, irascível

Leia mais

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora ILUMINISMO Prof.ª Maria Auxiliadora A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO O Antigo Regime vigorou entre os séculos XVI a XVIII na maioria dos países europeus. Este período caracterizou-se pelo: poder absoluto

Leia mais

Aula 10 Iluminismo e o Despotismo Esclarecido

Aula 10 Iluminismo e o Despotismo Esclarecido Aula 10 Iluminismo e o Despotismo Esclarecido Conceito Iluminismo, Ilustração, Século das Luzes Século XVIII: França. Maturidade e maior expressão do movimento Produção cultural e intelectual de Paris:

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO Profª Viviane Jordão INTRODUÇÃO As características básicas do sistema econômico e político dominante na Europa ocidental nos séculos XVI e XVII foram: o capitalismo comercial

Leia mais

AVANÇOS E DESAFIOS DOS DIREITOS HUMANOS NA ATUALIDADE. Prof. Dra. DANIELA BUCCI

AVANÇOS E DESAFIOS DOS DIREITOS HUMANOS NA ATUALIDADE. Prof. Dra. DANIELA BUCCI AVANÇOS E DESAFIOS DOS DIREITOS HUMANOS NA ATUALIDADE Prof. Dra. DANIELA BUCCI 1 ENADE E OS DIREITOS HUMANOS Panorama Geral : PROVAS 2012 E 2015 As provas abarcaram questões gerais sobre globalização,

Leia mais

Aula 2 - Direitos Civis, Políticos e Sociais

Aula 2 - Direitos Civis, Políticos e Sociais Aula 2 - Direitos Civis, Políticos e Sociais Cidadania moderna (contexto); Crise do Absolutismo; Desintegração do sistema feudal; Surgimento do Estado de Direito (liberalismo); Democracia Representativa

Leia mais

Metas/Objetivos/Domínios Conteúdos/Competências/Conceitos Número de Aulas

Metas/Objetivos/Domínios Conteúdos/Competências/Conceitos Número de Aulas DEPARTAMENTO DE Línguas e Humanidades DISCIPLINA:História ANO:11ºA Planificação (Conteúdos)... Período Letivo: _1º Metas/Objetivos/Domínios Conteúdos/Competências/Conceitos Número de Aulas *Compreender

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito:

Leia mais

A consolidação das monarquias na Europa moderna

A consolidação das monarquias na Europa moderna A consolidação das monarquias na Europa moderna 12.1 A centralização do poder Colapso do feudalismo Ascensão da burguesia e decadência da nobreza Ambas não tinham força para impor sua hegemonia Necessidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO

ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO O Absolutismo ABSOLUTISMO REGIME AUTORITÁRIO Regime político em que o poder está concentrado nas mãos do Rei. Rei: chefe militar, economia, chefe administrativo, controle da Igreja, poder político -> Poder

Leia mais

CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA

CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA CIDADANIA E POLÍTICA CIDADANIA A palavra vem do latim civitas significa cidade, no sentido de entidade política. Refere-se ao que é próprio da condição daqueles que convivem em uma cidade. Esta relacionado

Leia mais

Thinkr: Faculdade Legale

Thinkr: Faculdade Legale Thinkr: Faculdade Legale Curso: PÓS EM DIREITO CONSTITUCIONAL - TURMA ON-LINE 01 (2019.1) Disciplina: PÓS EM DIREITO CONSTITUCIONAL - TURMA ON-LINE 01 (2019-1) Aula: 01 - AULA 01-15/02/2019 - PARTE 01/01

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Teoria da Constituição Constitucionalismo Parte 2 Profª. Liz Rodrigues - Constitucionalismo moderno: limitação jurídica do poder do Estado em favor da liberdade individual. É uma

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I COMPREENSÃO DOS FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA POLÍTICA, ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

SUMÁRIO. Parte I COMPREENSÃO DOS FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA POLÍTICA, ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo Contemporâneo, 5 Democracia, Cidadania e Demandas

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO 7 ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR Das Sociedades Recoletoras às Primeiras Civilizações A Herança do Mediterrâneo Antigo 1. Conhecer o processo de hominização;

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Profª: Kátia Paulino dos Santos 6/9/2013 20:00 1 Direitos Humanos Direitos Naturais Direitos Públicos Subjetivos Direitos dos Povos Direitos Morais Direitos

Leia mais

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos EUROPA SÉCULO XIX Revoluções Liberais e Nacionalismos Contexto Congresso de Viena (1815) Restauração do Absolutismo Princípio da Legitimidade Santa Aliança Equilíbrio Europeu -> Fim Sacro I. Romano Germânico

Leia mais

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX Profª Ms. Ariane Pereira As transformações na Europa final do século XVIII Ideias Iluministas: liberdade e igualdade; Revolução Francesa estabeleceu

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS PODERES

ORGANIZAÇÃO DOS PODERES ORGANIZAÇÃO DOS PODERES www.trilhante.com.br ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 Conceito de poder...4 Características do poder... 5 Histórico das funções dos poderes... 5 Conceitos e teoria clássica...6 2. SISTEMA

Leia mais

HISTÓRIA CONTEÚDOS. 1. População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento

HISTÓRIA CONTEÚDOS. 1. População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento HISTÓRIA O exame de História é concebido para avaliar, com base num conjunto de conteúdos programáticos circunscrito, as competências básicas exigidas para o acesso a um curso de nível superior na área

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III

DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL A EVOLUÇÃO PARA O ESTADO SOCIAL E O NEOCONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL III Constitucionalismo: aspectos históricos. Quando e como surgiu o Constitucionalismo? Final

Leia mais

HISTÓRIA. aula Iluminismo Ideais burgueses no século XVIII

HISTÓRIA. aula Iluminismo Ideais burgueses no século XVIII HISTÓRIA aula Iluminismo Ideais burgueses no século XVIII Idade Moderna (séc. XV ao XVIII) Grandes transformações na Europa: Renascimento Comercial, Urbano e Cultural Formação dos Estados Nacionais (Absolutismo)

Leia mais

Origens do Estado-Nação

Origens do Estado-Nação Geografia Política Geo B Aula 10 Origens do Estado-Nação a Europa Medieval (séc V-XIV) Queda do Império Romano, na segunda metade do século V, devido a crise econômica e invasões bárbaras. Processo de

Leia mais

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR CAPITALISMO X SOCIALISMO Economia de mercado lei da oferta e procura; Propriedade privada dos meios de produção; Obtenção de lucro; Sociedade dividida em classes sociais; Trabalho

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1ª Questão Assinale a alternativa incorreta: a) A palavra constitucionalismo possui vários sentidos, dentre eles um que a vincula ao surgimento das constituições escritas, formais,

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX Século XIX Expansão do capitalismo e os novos ideais Considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Junto com ela, propagaram-se os ideais de liberdade,

Leia mais

O que é Estado Moderno?

O que é Estado Moderno? O que é Estado Moderno? A primeira vez que a palavra foi utilizada, com o seu sentido contemporâneo, foi no livro O Príncipe, de Nicolau Maquiavel. Um Estado soberano é sintetizado pela máxima "Um governo,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA 85 PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA Curso:Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Série/Período: 2º Ano Carga Horária: 40 h/a (33 h/r) Docente

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL. Absolutismo Monárquico - Mercantilismo Prof. Admilson Costa.

HISTÓRIA DO BRASIL. Absolutismo Monárquico - Mercantilismo Prof. Admilson Costa. HISTÓRIA DO BRASIL Absolutismo Monárquico - Mercantilismo Prof. Admilson Costa. ESTADOS NACIONAIS A origem dos Estados Nacionais Estados Nacionais Estados nacionais europeus Absolutismo Monárquico A

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Profª: Kátia Paulino dos Santos 23/2/2013 18:25 1 Direitos Humanos Direitos Naturais Direitos Morais Direitos dos Povos Direitos Públicos Subjetivos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO 1 Profª: Kátia Paulino dos Santos Direitos Naturais Direitos Humanos Direitos Morais Direitos dos Povos Direitos Públicos Subjetivos Direitos Fundamentais

Leia mais

A Modernidade e o Liberalismo Clássico. Profs. Benedito Silva Neto e Ivann Carlos Lago Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento PPPG DPP

A Modernidade e o Liberalismo Clássico. Profs. Benedito Silva Neto e Ivann Carlos Lago Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento PPPG DPP A Modernidade e o Liberalismo Clássico Profs. Benedito Silva Neto e Ivann Carlos Lago Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento PPPG DPP Introdução Modernidade: noções fundamentais que, mais

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 CONTEXTO TRANSIÇÃO FEUDO-CAPITALISTA CRISE DO FEUDALISMO 1.2 CAUSAS EXPANSÃO DA ATIVIDADE COMERCIAL ALIANÇA REI-BURGUESIA ENFRAQUECIMENTO DO PODER CENTRAL CARACTERÍSTICAS GERAIS

Leia mais

Direitos e Garantias Fundamentais. Disciplina: Direito Constitucional I Professora: Adeneele Garcia Carneiro

Direitos e Garantias Fundamentais. Disciplina: Direito Constitucional I Professora: Adeneele Garcia Carneiro Direitos e Garantias Fundamentais Disciplina: Direito Constitucional I Professora: Adeneele Garcia Carneiro Dúvida Direitos humanos e Direitos fundamentais são sinônimos? Direitos humanos X Direitos fundamentais:

Leia mais

O Poder e a Vida Social Através da História

O Poder e a Vida Social Através da História O Poder e a Vida Social Através da História Disciplina: Sociologia Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 O PODER E A SOCIEDADE O poder consiste num conjunto de relações de força que indivíduos ou grupos

Leia mais

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA

ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA O ILUMINISMO ILUMINISMO, ILUSTRAÇÃO OU FILOSOFIA DAS LUZES Começou na Inglaterra e se estendeu para França, principal produtor e irradiador das ideias iluministas. Expandiu-se pela Europa, especialmente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos JORGE ALBERTO DE OLIVEIRA MARUM Promotor de Justiça no Estado de São Paulo, mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco) e professor titular

Leia mais

A BUSCA POR UMA COMPREENSÃO UNITÁRIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS THE SEARCH FOR AN UNITARY UNDERSTANDING OF FUNDAMENTAL RIGHTS

A BUSCA POR UMA COMPREENSÃO UNITÁRIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS THE SEARCH FOR AN UNITARY UNDERSTANDING OF FUNDAMENTAL RIGHTS SCHAFER, Jairo. Classificação dos direitos fundamentais: do sistema geracional ao sistema unitário: uma proposta de compreensão. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005. A BUSCA POR UMA COMPREENSÃO UNITÁRIA

Leia mais

O pensamento sociológico no séc. XIX. Sociologia Profa. Ms. Maria Thereza Rímoli

O pensamento sociológico no séc. XIX. Sociologia Profa. Ms. Maria Thereza Rímoli O pensamento sociológico no séc. XIX Sociologia Profa. Ms. Maria Thereza Rímoli Avisos Horário de Bate Papo: sextas-feiras, 17hs às 17hs:30 Atenção com o prazo de envio das respostas das atividades eletrônicas.

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

Na estrutura do Estado Absolutista havia três diferentes Estados. O que é correto afirmar sobre estes estados?

Na estrutura do Estado Absolutista havia três diferentes Estados. O que é correto afirmar sobre estes estados? Questão 1 Na estrutura do Estado Absolutista havia três diferentes Estados. O que é correto afirmar sobre estes estados? a. O Primeiro Estado era representado pelos religiosos, o Segundo Estado era representado

Leia mais

Unidade 04: Como nos relacionamos.

Unidade 04: Como nos relacionamos. FILOSOFIA 2º ANO (Revisão da AG II Etapa) Professor: Thiago Roque Conteúdos: Como nos relacionamos? (Poder e política). - Poder e autoridade (microfísica e macrofísica do poder em Foucault) - O pensamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BONFIM ESCOLA SECUNDÁRIA MOUZINHO DA SILVEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BONFIM ESCOLA SECUNDÁRIA MOUZINHO DA SILVEIRA PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - DESCRITORES DE DESEMPENHO DO ALUNO: História - 3.º CICLO 7º ANO História ESCALAS Fraco (05 19%) INSUFICIENTE (20 % - 49%) SUFICIENTE (50% - 69%) BOM (70% - 89%) MUITO

Leia mais

Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º Ano. Turmas 5º1 5º2 5º3. 1º Período 38 aulas 38 aulas 38 aulas

Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º Ano. Turmas 5º1 5º2 5º3. 1º Período 38 aulas 38 aulas 38 aulas DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Programação do 5º Ano 1.Aulas previstas (tempos letivos de 45 minutos) 5º1 5º2 5º3 1º 38 aulas 38

Leia mais

As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão

As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão Atividade extra As formas de controle e disciplina do trabalho no Brasil pós-escravidão Questão 1 Golpe do 18 Brumário O Golpe do 18 Brumário foi um golpe de estado ocorrido na França, e que representou

Leia mais

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA

FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA HERMENÊUTICA Hermenêutica faz parte das teorias do conhecimento humano. Interpretar é uma das funções produtoras do conhecimento: pensar é interpretar. O conceito da hermenêutica

Leia mais

Economia e Gestão do Setor Público. Profa Rachel

Economia e Gestão do Setor Público. Profa Rachel Economia e Gestão do Setor Público Profa Rachel Conceitos iniciais Gestão pública Apresenta : Semelhanças com a gestão privada Funcionamento: Como uma grande organização Lucro: Bem- estar das pessoas Estado,

Leia mais

Fábio Konder Comparato

Fábio Konder Comparato Fábio Konder Comparato Contrato: - Forma Social que se funda a partir do relacionamento entre individuos mediado por objeto-mercadoria (material e/ou imaterial) Sujeito Objeto - Sujeito (decorrente da

Leia mais

PROFESSOR (A): ASSINATURA DOS PAIS E/ OU RESPONSAVEIS:

PROFESSOR (A): ASSINATURA DOS PAIS E/ OU RESPONSAVEIS: NOME: DATA: TURMA: 8º PROFESSOR (A): ASSINATURA DOS PAIS E/ OU RESPONSAVEIS: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1º TRI DISCIPLINA: História NOTA: 1- "Todo o poder vem de Deus. Os governantes, pois, agem como ministros

Leia mais

Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte de conhecimento

Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte de conhecimento ILUMINISMO E O PENSAMENTO MODERNO A LUZ DA RAZÃO A razão no Iluminismo Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte

Leia mais

Conceito de Soberania

Conceito de Soberania Conceito de Soberania Teve origem na França (souveraineté) e seu primeiro teórico foi Jean Bodin. Jean Bodin Nasceu em Angers, França 1530, e faleceu em Laon, também na França em 1596, foi um jurista francês,

Leia mais

PREPARATÓRIO ESPCEX HISTÓRIA GERAL. Aula 4 O Absolutismo

PREPARATÓRIO ESPCEX HISTÓRIA GERAL. Aula 4 O Absolutismo PREPARATÓRIO ESPCEX HISTÓRIA GERAL Aula 4 O Absolutismo Introdução (I) Sécs XII a XV Alterações da ordem geopolítica europeia Os três poderes Poder local Poder supranacional Poder do Estado-Nação Senhores

Leia mais

A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS

A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS A HISTÓRIA SOCIAL DOS DIREITOS TEMÁTICA As As bases sócio-históricas da fundação dos Direitos Humanos na Sociedade Capitalista A construção dos Direitos A Era da Cultura do Bem Estar Os Direitos na Contemporaneidade

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO. Absolutismo ANA CRISTINA.

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO. Absolutismo ANA CRISTINA. Absolutismo DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis. Transição entre o feudalismo e o capitalismo. Nova adequação

Leia mais

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico

1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico 1- As matrizes clássicas do Estado de Direito - Características comuns 2- O Rule of Law Britânico Profa. Nina Ranieri 15/09/2017 1 Plano de aula I - Introdução As matrizes clássicas do Estado de Direito

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Câmara dos Deputados CEFOR/DRH Direito Constitucional Nilson Matias de Santana Objetivo geral Compreender as normas e princípios constitucionais que regulam a organização do Estado,

Leia mais

ENSINO MATRIZ DE PROVA DE AVALIAÇÃO EM REGIME NÃO PRESENCIAL SECUNDÁRIO

ENSINO MATRIZ DE PROVA DE AVALIAÇÃO EM REGIME NÃO PRESENCIAL SECUNDÁRIO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto nº 3 Escola Básica e Secundária de Rio Tinto ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE POR MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS MATRIZ DE PROVA DE AVALIAÇÃO EM REGIME NÃO PRESENCIAL Disciplina:

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for (Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for correto. 01) A Riqueza das Nações, livro escrito pelo inglês

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Teoria da Constituição Constitucionalismo Parte 1 Profª. Liz Rodrigues - O termo constitucionalismo está ligado à ideia de Constituição - independentemente de como, de fato, esta

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

DIREITOS SOCIAIS, JUSTIÇA E DEMOCRACIA

DIREITOS SOCIAIS, JUSTIÇA E DEMOCRACIA DIREITOS SOCIAIS, JUSTIÇA E DEMOCRACIA Bruna dos Santos Silva Benaglia 1 Paola Flores Serpa 2 Resumo: O presente artigo tem como objetivo apresentar os direitos sociais como princípio basilar para a justiça

Leia mais

Religião e Sociedade

Religião e Sociedade Religião e Sociedade A Religião, Crença e Ciência A secularização das sociedades modernas: passagem do regime religioso para o laico O conceito de religião e crença Religião, Filosofia e Ciência Objetivos

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

Direito Internacional Privado Joyce Lira

Direito Internacional Privado Joyce Lira Direito Internacional Privado Joyce Lira www.masterjuris.com.br PARTE I CRONOGRAMA DE CURSO 1) Direito Internacional Privado: reflexões internacionais. Aula 1 Aspectos iniciais. Aula 2 Sujeitos e conteúdo.

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO QUESTÃO 1. A sociedade do Antigo Regime As características sociais de cada período da história da Humanidade estão muito ligadas ao modo produção de cada

Leia mais

Primeiro Período. Segundo Período GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HGP. Ano letivo de Informação aos Pais / Encarregados de Educação

Primeiro Período. Segundo Período GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HGP. Ano letivo de Informação aos Pais / Encarregados de Educação GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HGP Ano letivo de 2016-2017 1. Aulas previstas (tempos letivos) Programação do 5º ano 5º1 (45m) 5º2 (45m) 5º3 (45m) 1º período 37 aulas 2º período 27 aulas 3º período 22 aulas

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL (Currículo iniciado em 2015) ANTROPOLOGIA 68 h/a 3210 A relação dialética entre o material e o simbólico na construção das identidades sociais e da

Leia mais

Aula 25 CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS

Aula 25 CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS Aula 25 CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS O que é cidadania? Cidadania é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais estabelecidos na constituição. Uma boa cidadania implica que os direitos

Leia mais

Fim dos regime feudal

Fim dos regime feudal Fim dos regime feudal O Estado Moderno formou-se em oposição as características dos senhores feudais: A política descentralizada; A influência Católica; A Falta de mobilidade social; Nos séculos finais

Leia mais

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA Conceito: O Iluminismo foi um movimento ideológico do século XVIII, que defendeu a liberdade de expressão e o fim de todo regime opressor. O Iluminismo

Leia mais

Escola Básica Carlos Gargaté - Mais de 20 Anos a Educar. Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2017/ História 7º/8º Ano

Escola Básica Carlos Gargaté - Mais de 20 Anos a Educar. Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2017/ História 7º/8º Ano Escola Básica Carlos Gargaté - Mais de 20 Anos a Educar 2017/ 2018 História 7º/8º Ano Informação aos Encarregados de Educação Descritores localização no tempo Instrumentos de Avaliação Fichas de Avaliação

Leia mais

Aula 01 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

Aula 01 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Turma e Ano: 2016 (Master A) Matéria / Aula: Teoria da Constituição - 01 Professor: Marcelo Leonardo Tavares Monitor: Paula Ferreira Aula 01 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1. Conceito de Constituição Sob um aspecto

Leia mais

Sumário Parte I ComPreensão dos Fundamentos do estado, das Formas e das Funções do Governo, 9 1 estado, Governo e sociedade, 11

Sumário Parte I ComPreensão dos Fundamentos do estado, das Formas e das Funções do Governo, 9 1 estado, Governo e sociedade, 11 Sumário Abreviaturas, xv Prefácio à 7 a Edição, xix Prefácio à 6 a Edição, xxi Prefácio à 5 a Edição, xxiii Prefácio à 4 a Edição, xxv Prefácio à 3 a Edição, xxix Prefácio à 2 a Edição, xxxiii Prefácio

Leia mais

Curso: Ensino Médio Integrado. Manoel dos Passos da Silva Costa 1

Curso: Ensino Médio Integrado. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 Curso: Ensino Médio Integrado Manoel dos Passos da Silva Costa 1 Antiguidade Preocupação em criticar a sociedade do que em estudá-la como ela é. Platão: República (Sociedade Ideal) Aristóteles: Política

Leia mais

História geral normalmente referem a Revolução Francesa, e, nela, a tomada da Bastilha, em 1789, como o momento de viragem. Mas não parece errado que

História geral normalmente referem a Revolução Francesa, e, nela, a tomada da Bastilha, em 1789, como o momento de viragem. Mas não parece errado que INTRODUÇÃO Quanto mais nos aproximamos do estudo de um objecto, mais ele nos parece complexo, pois assim evidencia os seus diversos e por vezes contraditórios pormenores. O pensamento filosófico-político

Leia mais

Reflexões introdutórias

Reflexões introdutórias Reflexões introdutórias Escola de Governo 07/03/2014 O que são Direitos Humanos? Perspectivas dos Direitos Humanos Jusnaturalista Direitos Naturais Técnica Direitos emanam do Estado Histórica Direitos

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

CAPACIDADE À LUZ DO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CAPACIDADE À LUZ DO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CAPACIDADE À LUZ DO ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lucas augusto da Silva de Souza¹ Heitor Romero Marques² Pedro Pereira Borges³ RESUMO: O estudo que será colocado em tela tem como temática a personalidade

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná 3º Período Prof.ª Helena de Souza Rocha

Universidade Tuiuti do Paraná 3º Período Prof.ª Helena de Souza Rocha Universidade Tuiuti do Paraná 3º Período Prof.ª Helena de Souza Rocha 1 A Teoria da Constituição, segundo José Joaquim Gomes Canotilho: é uma ciência que estuda a teoria política e científica da Constituição.

Leia mais

OEstado: as suas formas e características ao longo da história. Prof: Yuri Xavier Disciplina: Sociologia

OEstado: as suas formas e características ao longo da história. Prof: Yuri Xavier Disciplina: Sociologia OEstado: as suas formas e características ao longo da história Prof: Yuri Xavier Disciplina: Sociologia OEstado: é um determinado modo de organização do poder; surge na Europa, para superar o regime feudal,

Leia mais

quarta-feira, 4 de maio de 2011 A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO

quarta-feira, 4 de maio de 2011 A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO A CRISE DO ANTIGO REGIME Definição: movimento filosófico, intelectual e científico que contrariou as bases do Antigo Regime; Quando: século XVIII; Onde? ING (início), FRA (auge); Quem? O iluminismo representou

Leia mais

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino:

Assinale a resposta mais adequada de acordo com os nossos estudos nesta Unidade de Ensino: Questão 1 Se as inovações tecnológicas modificam o ritmo de vida das pessoas, pode-se dizer que alterações no ritmo das jornadas de trabalho também têm relação com as novas tecnologias? Assinale a resposta

Leia mais

Prof. Me. Renato R. Borges - Rousseau

Prof. Me. Renato R. Borges   - Rousseau Prof. Me. Renato R. Borges - contato@professorrenato.com Rousseau 1762 O homem nasce livre e por toda a parte encontra-se acorrentado. Rousseau forneceu o lema principal da Revolução Francesa: Liberdade,

Leia mais

Sumário. Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv

Sumário. Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre governo e Administração Pública, 1 Gestão pública no Brasil, 3 Reforma e modernização do Estado, 4 Papel do Estado no mundo

Leia mais

Direitos Humanos Noções

Direitos Humanos Noções Professor: Rodrigo Belmonte Matéria DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos Noções Teoria Geral Pacto de São José da Costa Rica Divisão didática necessária para melhor aproveitamento e-mail: rodrigoabelmonte@terra.com.br

Leia mais