w w w. o i m p a rc i a l. c o m. b r MAIOR DO MARANHÃO Site de O Imparcial bate 6 milhões de acessos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "w w w. o i m p a rc i a l. c o m. b r MAIOR DO MARANHÃO Site de O Imparcial bate 6 milhões de acessos"

Transcrição

1 w w w. o i m p a rc i a l. c o m. b r Ano XCIII Nº SÃO LUÍS-MA, SEGUNDA-FEIRA, 9 DE DEZEMBRO DE 2019 CAPITAL E INTERIOR 98 MAIOR DO MARANHÃO Site de O Imparcial bate 6 milhões de acessos O portal do O Imparcial terminou o mês de novembro com um recorde histórico de acessos. Foram 5,9 milhões de acessos e mais de 2 milhões de usuários únicos entre os dias 1 e 31. O dado consolida O Imparcial, o veículo de mídia mais tradicional do Maranhão como o portal de notícias mais acessado em todo estado. PAGINA 8 ARQUIVO/OIMPARCIAL SEU DIREITO Férias coletivas: tire suas dúvidas Está chegando o período que muitas empresas optam pelas férias coletivas e, apesar da Reforma Trabalhista 2017 não ter alterado o Art. 139 que trata diretamente do tema, houve uma significativa alteração. PÁGINA 8 ALÔ CONCURSEIRO... Não consegue passar em concurso? Veja o porquê Confira 11 erros cometidos pelos concurseiros que pode determinar o fracasso nas provas PAGINA 8 DIVULGAÇÃO ASSECAP Farinha de Itapecuru vira Gosto do Maranhão PÁGINA 5 Ação do Dezembro Laranja contra o câncer de pele PÁGINA 5 ELEIÇÕES 2020 PSDB deve virar direita oficialmente O novo PSDB preconizado pelo governador de São Paulo, João Doria, vai formalizar hoje, durante seu congresso nacional em Brasília, uma mudança programática que afasta o partido da origem social-democrata e aproxima a legenda do eleitorado de direita e conservador que elegeu o presidente Jair Bolsonaro no ano passado. PÁGINA 2 TEMPO E TEMPERATURA DIVULGAÇAO/ADORO CINEMA Flávio Dino inaugura novo Calçadão de Imperatriz PAGINA 3 Saiba quem é quem no filme da Viúva Negra Filme solo da heroína da Marvel estreia no Brasil no dia 30 de abril de 2020 e conta uma história após os eventos de Guerra Civil. PAGINA 10 Transparentes APARTE APARTE Coisa de butique SEG 09/12/2019 E não é que a carne virou artigo de vitrine, objeto de desejo para ser vendido em requintadas butiques, delicia de consumo que pobre vai ficar somente olhando com água na boca sabendo que a turma da China está saboreando por um precinho bem baratinho enquanto ronca o bucho do brasileiro. Sampaio de olho na Copa do Brasil e na pré-temporada A Confederação Brasileira de Futebol deverá anunciar oficialmente, nesta segunda-feira (9), os clubes que farão parte da Copa do Brasil A expectativa é para a divulgação do nome do Sampaio Corrêa na lista dos participantes. PAGINA 9 Flamengo quer o escudo de melhor do mundo na camisa TÁBUA DE MARÉ 04H M 11H M 17H M 23H M PAGINA 9 NOSSOS TELEFONES: GERAL COMERCIAL CLASSIFICADOS CAA - CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ASSINANTE REDAÇÃO

2 2 George Raposo POLÍTICA ENCHIMENTO Número de servidores públicos cresce 132% PLANALTO Cartão corporativo segue sigiloso Só em 2017, o país gastou 750,9 bilhões com o pagamento de servidores ativos, o que corresponde a 10,5% do PIB Em 32 anos, o nú me ro de ser vido res pú bli cos cres ceu 123%: pas sou de 5,1 mi lhões pa ra 11,4 mi lhões no mes mo perío do, o se tor pri va do te ve al ta de 95%. O sal to mai or ocor reu nos mu ni cí pios, com au men to de 276%, ou se ja, eles têm seis de ca da gru po de 10 funci o ná ri os do país. Os es ta du ais, por sua vez, su bi ram 50%, e os fe de rais (in cluin do ci vis e mi li ta res), 28%. Os da dos cons tam do es tu do Três Dé cadas de Evo lu ção do Fun ci o na lis mo Pú bli co no Bra sil ( ), do Insti tu to de Pes qui sa Econô mi ca Apli cada (Ipea). De acor do com o le van tamen to, só em 2017, o país gas tou R$ 750,9 bi lhões com o pa ga men to de ser vi do res ati vos, o que cor res pon de a 10,5% do Pro du to In ter no Bru to (PIB). Pa ra es pe ci a lis tas, as es ta tís ti cas de mons tram o ta ma nho do di le ma que o go ver no tem pe la fren te pa ra a apro va ção da PEC do Pac to Fe de ra tivo 188/2019, que pre vê re pas ses de R$ 400 bi lhões da União pa ra es ta dos e mu ni cí pi os, em 15 anos, com a contra par ti da de que eles não se en di videm. O tex to tam bém pre vê re du ção do sa lá rio e da jor na da em mo men tos de cri se e adi a men to de re a jus tes, além da ex tin ção de mu ni cí pi os com me nos de 5 mil ha bi tan tes e ar re ca dação me nor do que 10% da re cei ta total. A eco no mis ta Mô ni ca Pi nha nez, da Fun da ção Ge tu lio Var gas (FGV-RJ), des ta ca que, por pre ci sar ajus tar as con tas, o go ver no fez a op ção de baixar dras ti ca men te o gas to com a fo lha BRENO FORTES/CB/D.A PRESS QUANTIDADE DE SERVIDORES FEDERAIS CRESCEU MENOS DO QUE A DOS MUNICIPAIS de pa ga men to. Usou o ar gu men to, tam bém, de que a ver ba eco no mi za da com o en xu ga men to se rá in ves ti da em saú de, edu ca ção e se gu ran ça. A es pe ci a lis ta, no en tan to, vê uma contra di ção. Por mais que se in vis ta em tec no lo gia, os se to res mais pró xi mos da pon ta não so bre vi vem sem ser vido res. A po lí ti ca res tri ti va dei xa a popu la ção de sas sis ti da, em um mo mento de drás ti co de sem pre go. Is so tem for te im pac to na po lí ti ca in dus tri al e de saú de pú bli ca, des ta cou. O PIB só cres ce com qua li fi ca ção, jus ta men te o que a po pu la ção de bai xa ren da não con se gue aces sar. As sim, o mer ca do, em vez de cri ar opor tu ni da des, produz bol sões de po bre za. Ro ber to de Góes Ellery Jú ni or, coor de na dor do cur so de Eco no mia da UnB, ad mi tiu que as con tas pú bli cas pre ci sam de ajus tes, mas, se gun do ele, não por des con tro le da fo lha de sa lá ri os. Fa lar em ex plo são da fo lha, que vem se man ten do em cer ca de 4% do PIB, não con diz com os da dos. O go ver no foi in fe liz ao ma ni pu lar os nú me ros. So mou a fo lha de pes so al com o re gi me ge ral (apo sen ta dos da ini ci a ti va pri va da), ao apre sen tar o Pla no Mais Bra sil, pa ra di zer que cerca de 65% dos gas tos é com a fo lha, quan do, na ver da de, as des pe sas com pes so al es tão em tor no de 25%, cri ticou. Ele con si de ra in te res san tes alguns pon tos da PEC que sus pen de pro mo ções e pro gres sões de car rei ra em tem pos de cri se, mas vê pe ri go no fim da es ta bi li da de. Não po de mos dei xar os mu ni ci pais (ser vi do res) à mer cê de go ver nan tes de plan tão, aler tou. Judiciário tem salário maior que o Executivo JAIR BOLSONARO NÃO VAI DIVULGAR OS GASTOS PESSOAIS Pa lá cio do Pla nal to de ci diu ig no rar de ci são re cen te do Su pre mo Tri bu nal Fe de ral (STF) e man ter sob si gi lo os gas tos com car tão cor po ra ti vo da Pre si dên cia. Des de 1967, um de cre to mi li tar am pa ra a de ci são de não di vulgar as des pe sas da Pre si dên cia. Há exa tos trin ta di as, no en tan to, o STF der ru bou o ar ti go 86 do de cre to-lei 200/67, se gun do o qual a mo vi men ta ção dos cré di tos des ti na dos à re a li za ção de des pe sas re ser va das ou confi den ci ais do pre si den te ou de mi nis tro de ve ria ser fei ta si gi lo sa men te. O go ver no foi no ti fi ca do em no vem bro so bre a mudan ça, mas não al te rou o seu pro ce di men to. Um mês após a de ci são do Su pre mo, pro vo ca da por uma ação do par ti do Ci da da nia (ex-pps), a Se cre ta ria-ge ral da Pre sidên cia (SGP) con ti nua man ten do os gas tos pre si den ciais em si gi lo e dis se que não pre ten de tor ná-los pú blicos. Se gun do da dos do Por tal da Trans pa rên cia do Gover no Fe de ral, a Pre si dên cia de sem bol sou, na ges tão de Jair Bol so na ro, R$ 14,5 mi lhões com car tões cor po ra tivos. Pa ra jus ti fi car a pre ser va ção do si gi lo, o go ver no infor mou que lan ça mão de ou tra le gis la ção, a Lei de Acesso à In for ma ção (LAI), de 19 de no vem bro de Sobre o as sun to, ca be es cla re cer que a le gis la ção uti li za da pe la Pre si dên cia da Re pú bli ca pa ra clas si fi car as des pesas com grau de si gi lo é dis tin ta da que la que foi ob je to da de ci são do STF, dis se, em no ta, a as ses so ria de comu ni ca ção do Pa lá cio do Pla nal to. Na in ter pre ta ção do Exe cu ti vo, mes mo que o Su premo te nha de ci di do pe la der ru ba da do ar ti go que per mitia o si gi lo, ou tra lei, a da Trans pa rên cia, pos si bi li ta que a Pre si dên cia man te nha os gas tos dos car tões cor po ra tivos sem se rem re ve la dos. CONVENÇÃO PSDB deve virar direita oficialmente JOÃO DÓRIA PREVIU UM NOVO PSDB FORMALIZADO NA DIREITA O LEVANTAMENTO DESTACA QUE OS DADOS APRESENTADOS ESTÃO LONGE DE REVELAR UM SETOR PÚBLICO EM EXPANSÃO De acor do com Fé lix Lo pez, pesqui sa dor do Ipea, as re mu ne ra ções men sais mé di as va ri am sig ni fi ca ti vamen te en tre os três ní veis de go ver no. A dos fe de rais au men tou de R$ 5 mil, em 1986, pa ra R$ 9,2 mil, em 2017, com al ta re al anu al de 1,9% e avan ço acu mu la do de 84%. No ní vel es ta du al, pas sou de R$ 3,6 mil pa ra R$ 5 mil, no pe río do, um cres ci men to mé dio anual de 1% e au men to re al acu mu la do de 39%. Já a mé dia dos mu ni ci pais foi de R$ 2 mil pa ra R$ 2,9 mil, avan ço anu al de 1,1%, e acu mu la do de 41%. O que sig ni fi ca, con for me Lo pez, que, ape sar de re pre sen ta rem 60% do se tor pú bli co, os mu ni ci pais ga nha vam, em mé dia, três ve zes me nos que os fe derais. Na com pa ra ção en tre os Três Po deres, o Ju di ciá rio tem sa lá ri os cin co vezes mai o res que o Exe cu ti vo, na média. Ape nas um em ca da 10 ser vi do res é da es fe ra fe de ral. O le van ta men to des ta ca, ain da, que os da dos apre senta dos es tão lon ge de re ve lar um se tor pú bli co em ex pan são des con tro la da, em ta ma nho e des pe sa. Por tan to, falar em su pers sa lá ri os é ma ni pu la ção dis cur si va. As des pe sas com ser vi dores su biu ape nas de 9,5% pa ra 10,4% do PIB, de 2011 a Te mos que qua li fi car a nar ra ti va, as si na lou Fé lix. O es tu do re for ça: In da ga mos, a par tir des se ce ná rio, se o de ba te so bre a ex pan são mais rá pi da das des pe sas pre vi den ciá ri as con ta mi nou a percep ção so bre o que de fa to ocor re na des pe sa com ser vi do res ati vos. Em bora não se jam te mas in de pen den tes, o apro pri a do é tra tar ati vos e ina ti vos, sem pre, se pa ra da men te, des ta ca o tex to. Ain da mais re le van te é o fa to de tan to a des pe sa co mo o cres ci men to re la ti vo do nú me ro de ser vi do res ativos es ta rem con cen tra dos no Exe cu tivo mu ni ci pal, o que de ve ser ana li sado à luz das cres cen tes atri bui ções e de man das por ser vi ços pú bli cos as sumi das nes se ní vel por de ter mi na ção cons ti tu ci o nal. Áre as pri o ri tá ri as O au men to do fun ci o na lis mo mu- ni ci pal não ocor reu por aca so, con forme o es tu do. Eles têm de cum prir a obri ga ção cons ti tu ci o nal com ser viços em áre as mais in ten sas de con trata ções 40% dos pro fis si o nais es tão nas áre as de edu ca ção ou saú de: profes so res, mé di cos, en fer mei ros e agen tes de saú de. Avan ço pa ra as mu lhe res A par ti ci pa ção da mu lher no merca do de tra ba lho avan çou nos 32 anos ava li a dos pe lo es tu do do Ipea, de acor do com a aná li se da sé rie his tó rica, em bo ra elas con ti nu em ga nhan do me nos do que os ho mens, em to dos os ní veis. Uma ex pli ca ção pos sí vel para a si tu a ção é a pro ba bi li da de de que elas es te jam pre do mi nan te men te em ocu pa ções com me nor re mu ne ra ção (res pon dem pe la mai or par te das vagas nas áre as de saú de e edu ca ção). A mé dia sa la ri al dos ho mens era 17,1% su pe ri or à das mu lhe res em 1986, dife ren ça que su biu pa ra 24,2%, em O no vo PSDB pre co ni za do pe lo go ver na dor de São Pau lo, João Do ria, vai for ma li zar ho je, du ran te seu congres so na ci o nal em Bra sí lia, uma mu dan ça pro gra má tica que afas ta o par ti do da ori gem so ci al-de mo cra ta e apro xi ma a le gen da do elei to ra do de di rei ta e con ser vador que ele geu o pre si den te Jair Bol so na ro no ano passa do. Nas se ma nas que an te ce de ram o even to, o par ti do pro mo veu uma con sul ta pré via pe la in ter net pa ra ou vir a mi li tân cia tu ca na a res pei to de te mas so bre os quais a si gla vai se po si ci o nar ofi ci al men te. A ideia é que o re sulta do da en que te sir va de ba se pa ra a vo ta ção dos 700 dele ga dos es pe ra dos no even to. De pois de aco lher dis si den tes bol so na ris tas co mo o de pu ta do Ale xan dre Fro ta (SP), o em pre sá rio Pau lo Mari nho e o ad vo ga do e ex-mi nis tro Gus ta vo Be bi an no, o PSDB ago ra vai abra çar ban dei ras que aju da ram a ele ger o pre si den te, co mo a re du ção da mai o ri da de pe nal pa ra 16 anos em ca so de cri mes he di on dos, o fim da es ta bi lida de pa ra ser vi do res pú bli cos e o pa ga men to de men sali da de em uni ver si da des pú bli cas. Em bo ra bus que se apro xi mar do elei tor que ele geu Bol so na ro, o par ti do vai mar car uma po si ção crí ti ca e de afas ta men to do go ver no. Prin ci pal qua dro do PSDB, Do ria pro je ta uma dis pu ta com o pre si den te pe lo elei tor con ser va dor na cor ri da pre si den ci al de O PSDB te rá mais a ca ra do Do ria, das no vas li de ranças e da mi li tân cia. É o mo men to de po si ci o na men to e mo der ni za ção, afir mou o pre si den te do di re tó rio paulis ta do PSDB, Mar co Vi nho li, ali a do do go ver na dor. O di ri gen te tu ca no pon de rou, en tre tan to, que o par ti do vai de fen der te mas que, de acor do com ele, es tão dis tantes da agen da bol so na ris ta, co mo a de fe sa da de mo cracia e das li ber da des in di vi du ais.

3 POLÍTICA Celio Sergio ANOS Câmara de São Luís realizará sessão solene Coi sa de bu ti que Câ ma ra Mu ni ci pal de São Luís re a li za, hoje, no Ple ná rio Si mão Es tá cio da Sil vei ra, ses - são so le ne pa ra co me mo rar seu Quar to Cen te ná rio de fun da ção Na lis ta de con vi da dos pa ra as ho me na gens à Ca sa estão po lí ti cos, au to ri da des e per so na li da des pú bli cas, re pre sen tan tes da so ci e da de ci vil e ser vi do res do ór gão. A so le ni da de con ta rá com a presen ça do de sem bar ga dor apo sen ta do Mil son Cou ti nho, au tor do li vro Legis la tu ras, Le gis la do res e Pre si den tes da Câ ma ra Mu ni ci pal de São Luís em Qua tro Sé cu los, que ex pla na rá a obra. A Câ ma ra Mu ni ci pal de São Luís é a quar ta mais an ti ga do Bra sil. Na gestão do ve re a dor Os mar Fi lho (PDT), des de o iní cio do ano, a Ca sa vem expe ri men tan do um pro ces so de moder ni za ção em to dos os se to res. Nes ta sex ta-fei ra, 6, o Le gis la ti vo Mu ni ci pal Lu do vi cen se re ce beu home na gem no Se na do Fe de ral, pe lo seu Quar to Cen te ná rio de fun da ção. A ses são es pe ci al foi pro pos ta pe lo sena dor We ver ton Ro cha (PDT). His tó ria As câ ma ras mu ni ci pais co me çaram a ser cri a das a par tir de 1532, no con tex to da pri mei ra ex pe di ção co loni za do ra por tu gue sa na Amé ri ca, coman da da por Mar tim Afon so de Sousa, cons ti tuin do-se, ao lon go do perío do co lo ni al, co mo ba se lo cal da admi nis tra ção lu sa e reu nin do com petên ci as das es fe ras ad mi nis tra ti va, judi ciá ria, fa zen dá ria e po li ci al. A câ mara mais an ti ga a ser ins ta la da foi a da vi la de São Vi cen te. Após a In de pen dên cia, fo ram es tabe le ci das al gu mas re for mas na es trutu ra e ad mi nis tra ção das câ ma ras. A Cons ti tui ção de 1824 de ter mi nou que CÂMARA FICA LOCALIZADA NA RUA DA ESTRELA, NO CENTRO HISTÓRICO DE SÃO LUIS as câ ma ras mu ni ci pais fos sem compos tas por ve re a do res, com pe tin dolhes o go ver no econô mi co e mu ni cipal de vi las e ci da des, ex cluin do, portan to, a fun ção ju di ci al de sua es fe ra de atu a ção. Mu dan ças mais pro fundas fo ram de fi ni das pe la lei de 1º de ou tu bro de 1828, que mo di fi cou a forma das elei ções e rei te rou o ca rá ter es tri ta men te ad mi nis tra ti vo des ses ór gãos, ca rac te rís ti ca que man têm até a atu a li da de. Tra je tó ria O pri mei ro re gis tro da ins ta la ção da Câ ma ra Mu ni ci pal de São Luís é da ta da em 1619, com pos to por se te ve re a dor, um juiz, um es cri vão, um pro cu ra dor do Con se lho, um es cri vão das da tas e de mar ca ções, um al mo xari fe e um pro cu ra dor dos ín di os. Atu al men te, a Câ ma ra fi ca lo ca li za na Rua da Es tre la, no Cen tro da ci dade. Há um pro je to de fa zer da an ti ga Fá bri ca São Luís a no va se de do Po der Le gis la ti vo Mu ni ci pal. E não é que a car ne vi rou ar ti go de vi tri ne, ob je to de de se jo pa ra ser ven di do em re quin ta das bu ti ques, de licia de con su mo que po bre vai fi car so men te olhan do com água na bo ca sa ben do que a tur ma da Chi na es tá sa bo re an do por um pre ci nho bem ba ra ti nho en quan to ron ca o bu cho do bra si lei ro. Mui tos po de ri am fi car despre o cu pa do, ain da so bra o por co, mas tam bém não, deu bi cho na va ra, me lhor di zen do, no co le ti vo suí no da turma dos olhos es ti ca dos. Re sul ta do que nos so por qui nho vai pa ra os chi ne ses, no vo do no co mer ci al do mun do. Pa re ce que na da so bra pa ra a me sa do bra si lei ro que con ta com um pre si den te e uma mi nis tra da Agri cul tu ra pre o cu pa dos com os ma nés que vo ta ram ne les. Mas tam bém não, va le o dó lar das ex por ta ções. Quan do eles che ga ram ao po der o po vo já era las ca do mes mo, co mia car ne, de se gun da, mas co mia. Tem os que de fen dem a qua li da de da car ne de fran go co mo so lu ção do boi fu gido pa ra a Chi na. Mas tam bém não, vai pa ra a mar di ta ex por ta ção. De so lu ção mes mo, res ta o re ne ga do ovo, tan tas ve zes co lo ca do em ter cei ro ní vel, ago ra vi rou a sal va ção da mis tu ra no pra to bra si lei ro. Cu ri o so que o go ver no Bol so na ro fa la do as sun to, ten do di nhei ro no cai xa nem pre ci sa de ali men tos de qua li da de. Po pu lação pas si va co me ovo, agra de ce a Deus, sem um ge mi do de pro tes to. Igual a bra si lei ro não tem igual. E pa ra a segun da vai um ovo me xi do? Dino inaugura novo Calçadão de Imperatriz.bom quan do dois po lí ti cos sa bem o que que rem, um quer ser go ver na dor, o ou tro pre fei to da ca pi tal, in te ligen tes con ver sas, acor dos fu tu ros CONSTRUÍDO EM 1979, ESSA É A PRIMEIRA VEZ QUE O ESPAÇO RECEBE UMA GRANDE OBRA DE REVITALIZAÇÃO. Fo ram dé ca das de es pe ra, mas o go ver na dor Flá vio Di no en tre gou a obra de re for ma com ple ta do Cal çadão de Im pe ra triz, um dos mai o res e mais tra di ci o nais cen tros de co mér cio po pu lar da Re gião To can ti na, be ne fici an do lo jis tas e con su mi do res de Impe ra triz e ci da des cir cun vi zi nhas. A ce rimô nia de en tre ga atraiu mi lha res de pes so as pa ra o lo cal. Cons truí do em 1979, es sa é a primei ra vez que o es pa ço re ce be uma gran de obra de re vi ta li za ção. Or ça da em R$ 3,4 mi lhões, a obra in cluiu a cons tru ção da co ber tu ra e de qui osques, ser vi ços de ur ba ni za ção e pai sagis mo, re cu pe ra ção de ilu mi na ção, im ple men ta ção do sis te ma de comba te a in cên dio e ade qua ções ne cessá ri as pa ra re ce ber pes so as com de fici ên cia fí si cas. Além des sas me lho ri as, o es pa ço ago ra con ta com sis te ma de dre nagem e par te do pi so cen tral em concre to ar ma do. Nas la te rais, foi apli cado o pi so in ter tra va do, for ma do por blo cos de con cre to que fa ci li tam a ma nu ten ção. O es co a men to da água da chu va tam bém foi pen sa do pa ra a no va cober tu ra, que dis põe de co ne xão das ca lhas com a dre na gem. A co ber tu ra é re ves ti da com te lhas ter mo a cús ti cas, que re du zem o con su mo de ener gia e os ruí dos ex ter nos. Com a obra, o Calça dão de Im pe ra triz pas sa a ser a primei ra rua co mer ci al co ber ta do Mara nhão. O go ver na dor Flá vio Di no foi re cep ci o na do com mui to ca ri nho pelos im pe ra tri zen ses, in cluin do um gru po de mo to ta xis tas, que apro veitou a opor tu ni da de pa ra agra de cer pe la re cen te me di da do go ver na dor que isen tou es ses pro fis si o nais do paga men to do Im pos to so bre a Pro pri e- da de de Veí cu los Au to mo to res (IP VA) a par tir de Pa ra o go ver na dor Flá vio Di no, a obra se in se re na es tra té gia do Go verno do Ma ra nhão de va lo ri za ção do espa ço pú bli co, di na mis mo econô mi co e ge ra ção de opor tu ni da des de empre go e ren da. O go ver na dor lem brou que o Cal ça dão en tra no rol de conquis tas que a ges tão es ta du al vem garan tin do à po pu la ção de Im pe ra triz e re gião. De mos um pas so mui to impor tan te ho je, por que, jun to com a Bei ra-rio, com a cli ma ti za ção do Centro de Con ven ções, o Cal ça dão faz par te da iden ti da de da ci da de de Impe ra triz, e ago ra va lo ri za do, qua li fi cado e pron to pa ra atrair no vos con sumi do res, fri sou o go ver na dor. Flá vio Di no res sal tou, ain da, ou tros in ves ti men tos que se rão en tre gues nos pró xi mos me ses na ci da de, co mo a Ca sa do Ido so e a Ca sa da Mu lher de Im pe ra triz. É uma for ma de es ti mu lar o empre en de do ris mo e a ge ra ção de oportu ni da des de in ves ti men tos, em pregos aqui na re gião, além de ter fi ca do um es pa ço mui to bo ni to, que mos tra o res pei to que eu sem pre rei te ro e subli nho, que eu te nho com a ci da de de Im pe ra triz e com a re gião To can ti na, afir mou. Co mo par te da pro gra ma ção de inau gu ra ção do no vo Cal ça dão de Im pe ra triz, a As so ci a ção Co mer ci al de Im pe ra triz re a li zou o sor teio de diver sos brin des, e o can tor Eras mo Dibell fez um poc ket show no en cer ramen to da fes ta..pa re ce que a no va ví ti ma no ma pa das mal da des do de pu ta do Cé sar Pi res (PV) se rá o ex-se cre tá rio Nunes. APAR TE AN DO De pois de en xo tar o de pu ta do Dr. Yglésio (ex-pdt), ago ra o pre si den te Sim pli cio des co briu que vai que di vidir de for ma so li dá ria o pré-can di da to Ma dei ra com a tur ma do Sarney. Flá vio já sa be so bre is to? Ca so Ká tia Bo géa saia mes mo do IPHAN o de pu ta do fe de ral Hil do Ro cha (MDB) pro me te, nos bas ti do res, reta li a ção ao go ver no Bol so na ro. Se rá que o pre si den te es tá sem dor mir por is to? Brin ca dei ras de bas ti do res di zem que do jei to que o pre fei to Edi val do Ho lan da (PDT) vai com a ex ten são das obras em São Luís lo go che ga em Al cân ta ra. Tem as fal to pa ra tu do is to?

4

5 4 Celio Sergio OPINIÃO Pre ce den te pe ri go so FRAN FI GUEI RE DO Dou tor em di rei to cons ti tu ci o nal Desafio na educação O Bra sil cor re con tra o tem po pa ra co lo car seus es tu dan tes de en si no médio os úl ti mos três anos an tes do ingres so na uni ver si da de na es co la de tem po in te gral, o que, com pro va damen te, fa ci li ta o aces so à edu ca ção supe ri or e ofe re ce me lho res pos si bi li dades no cam po pro fis si o nal, in clu si ve em re la ção a ga nhos sa la ri ais mai o res quan do in gres sa rem no mer ca do de traba lho. Es ta dos e o Dis tri to Fe de ral têm pe la fren te a di fí cil ta re fa de cum prir o que pre vê a Ba se Na ci o nal Co mum Curri cu lar (BNCC). O gran de de sa fio do novo en si no mé dio em tem po in te gral é au men tar pa ra no ve ho ras diá ri as a carga ho rá ria nas es co las pú bli cas de to do o país, a par tir do ano que vem, com o ob je ti vo de am pli ar a per ma nên cia do alu no no lo cal de apren di za gem. De acor do com as nor mas ado ta das pe lo go ver no fe de ral no ano pas sa do, as es co las es ta du ais de en si no mé dio têm de au men tar a car ga ho rá ria no de correr dos pró xi mos cin co anos em pe lo me nos me ta de dos es ta be le ci men tos de en si no. A pro pos ta do no vo mo de lo prevê ele va ção gra da ti va das 800 ho ras pa ra ho ras anu ais. Nos pri mei ros cin co SI O NEI RI CAR DO LEÃO Jor na lis ta, mem bro da Co mis são de Jor - na lis tas pe la Igual da de Ra ci al (Co ji ra- DF) e pes qui sa dor da cul tu ra ju dai ca anos de vi gên cia do en si no mé dio in tegral, as es co las já de vem ofe re cer ho ras de au la por ano. Es sa é a me ta previs ta pe lo Pla no Na ci o nal de Edu ca ção (PNE), que de ter mi na a ofer ta do en si no in te gral em, no mí ni mo, 50% dos educan dá ri os pú bli cos até Atu al men te, es se mo de lo é ado ta do em pe que na es ca la em to das as uni dades da Fe de ra ção e no Dis tri to Fe de ral, mas mui to ain da tem de ser fei to pa ra a uni ver sa li za ção des se avan ço na po lí tica edu ca ci o nal bra si lei ra. Nú me ros do PNE re ve lam que, em 2017 (ano do úl timo le van ta men to), o país ti nha ape nas 8,7% de ma trí cu las em es co las em tempo in te gral. Es pe ci a lis tas apon tam que, no mun do, não há qual quer ca so de ensi no mé dio de qua li da de em tem po parci al. Nas na ções de sen vol vi das, a re gra é a jor na da am pli a da na apren di za gem. No Bra sil, Per nam bu co é o es ta do com a me lhor per for man ce e ser ve de exem plo pa ra os de mais en tes fe de ra tivos. A ex pec ta ti va é de que, no ano que vem, mais de 60% das es co las es ta du ais per nam bu ca nas já te nham ado ta do o en si no em tem po in te gral. O es ta do é pi o nei ro na im ple men ta ção do no vo A saga dos judeus etíopes A mi gra ção dos ju deus etío pes pa ra Is ra el no fim do sé cu lo 20 é o úni co episó dio em que afri ca nos dei xa ram o conti nen te pa ra se rem be ne fi ci a dos com uma vi da mais dig na e prós pe ra do ponto de vis ta so ci al, econô mi co e po lí ti co por mo ti vos de so li da ri e da de re li gi o sa e ét ni ca. Um re la to do sé cu lo 10, fei to em 1868 pe lo es tu di o so ori en ta lis ta e linguis ta se mi ta Jo seph Halevy, pro fes sor de es co las ju dai cas, fa la va do con ta to que ele tra va ra com a co mu ni da de dos be ta Is ra el na en tão Abis sí nia co mo o Im pé rio Etío pe era cha ma do. De acor do com ele, hou ve cu ri o si da de e in qui e tação des de os pri mei ros mo men tos da in te ra ção. A abor da gem, con for me Halevy regis trou em li vro, foi ini ci al men te cer cada de des con fi an ças, pois os be ta Is ra el vi ram com es tra nhe za que pu des se haver ju deus bran cos. Eles só se en ten deram quan do, em meio à ten ta ti va de diá lo go, sur giu a pa la vra Je ru sa lém. Em 1908, 44 ra bi nos re co nhe ce ram co mo au tên ti cos os ju deus etío pes. A acei tação se for ta le ceu em 1973, quan do o rabi no se fa ra dim Ova dia Yossef ad mi tiu que os be ta Is ra el são des cen den tes da tri bo per di da de Dan. Um ano de pois, o grão-ra bi no as kena zim, Sh lo mo Go ren, além de res paldar o que fi ze ra Ova dia Yossef, de fen deu o di rei to dos ju deus etío pes de se rem be ne fi ci a dos com a Lei do Re tor no pa ra Is ra el. Os ra bi nos ao res pal da rem a le gi ti mi da de dos be ta Is ra el com o pressu pos to da re la ção com a Tri bo de Dan, pou co co nhe ci da pe lo gran de pú bli co con sa gra ram a pre sen ça dos ne gros nas Es cri tu ras. To das es sas de ci sões em re la ção aos be ta Is ra el se ba se a ram no fa to de os reli gi o sos iden ti fi ca rem que eles pra ti cam a fé de acor do com os ri tu ais ju dai cos, in cluin do o uso da lín gua he brai ca, profes sam e trans mi tem en si na men tos de uma To rá que, se gun do se apu rou poste ri or men te, pos sui mais de 500 anos, além de guar dar o sha bat e ce le brar as da tas do ca len dá rio ju dai co. Eles se veem co mo des cen den tes do rei Sa lo mão e da rai nha de Sa bah. Es ta é co nhe ci da en tre os po vos etío pes co mo Ma ke da, na tra di ção is lâ mi ca por Bel kis e chama da de Ni cau la por Flá vio Jo se fo, histo ri a dor ro ma no de ori gem ju dai ca. Essa so be ra na de ve ter rei na do no sé cu lo 9 a.c. O que se co nhe ce so bre a rai nha de Sa bá es tá re la ta do na Bí blia He brai ca, no Tal mu de (co le tâ nea das tra di ções orais ju dai cas), no Al co rão (li vro sa grado mu çul ma no) e no Ke bra Na gast tex to re li gi o so que des cre ve a his tó ria len dá ria da ori gem da di nas tia sa lomôni ca dos reis da Etió pia, re co nhe ci do por mem bros da Igre ja Or to do xa Etío pe e pe lo mo vi men to Ras ta fa ri co mo uma es cri tu ra de ins pi ra ção di vi na. Se gun do es sas nar ra ti vas, a so be ra na ao ou vir da fa ma do rei Sa lo mão, or ga ni zou uma cara va na e vi a jou pa ra Je ru sa lém a fim de co nhe cê-lo. De acor do com o Ke bra Na gast, a rainha, após per ma ne cer por me ses na com pa nhia de Sa lo mão, re tor nou pa ra ca sa grá vi da e con ce beu um fi lho que re ce beu o no me de Me ne lik, o pri mei ro da di nas tia sa lomô ni ca dos reis da Etiópia. Ape sar do pas sa do glo ri o so, os be ta Is ra el no sé cu lo 20 ha vi am se tor na do uma co mu ni da de fra gi li za da só cio, econô mi ca e po li ti ca men te. Eles cor riam ris co de se rem di zi ma dos em de corrên cia da guer ra ci vil que en tão se tra vava na Etió pia. A par tir de 1984, a co mu ni da de ini ciou um mo vi men to de re tor no à ter ra pro me ti da, um pro ces so cha ma do de Aliyah, que é a imi gra ção ju dai ca pa ra a Ter ra de Is ra el, com o aco lhi men to pe lo Es ta do dos in di ví du os que pro cu ra vam o per ten ci men to que en ten di am ser de di rei to. Era cer ca de 2,5 mil quilô me tros mo de lo, ten do pas sa do da 21a co lo cação no Ín di ce de De sen vol vi men to Bási co de Edu ca ção (Ideb) pa ra o pri mei ro lu gar em Ho je, ocu pa o ter cei ro pos to. A in ten ção dos for mu la do res da po líti ca edu ca ci o nal do país é que, com o au men to do tem po de vi vên cia dos estu dan tes nas sa las de au la e de mais ambi en tes dos es ta be le ci men tos de en sino, ha ja uma me lho ra nos ní veis crí ti cos de apren di za gem atu ais o Bra sil se saiu mui to mal na úl ti ma pes qui sa do Pro gra ma In ter na ci o nal de Ava li a ção de Es tu dan tes (Pi sa), da Or ga ni za ção pa ra a Co o pe ra ção e o De sen vol vi men to Econô mi co (OC DE), en tre as 79 na ções ava li a das. Es pe ra-se, tam bém, que possa ser es tan ca da a eva são es co lar, gra ve pro ble ma a ser sa na do. Cer to é que o país al can ça rá ín di ces sa tis fa tó ri os em sua po lí ti ca edu ca ci o nal quan do a es cola trans for mar-se em in cu ba do ra dos pro je tos de vi da dos jo vens. E o en si no mé dio em tem po in te gral é uma es tra tégia de vi tal im por tân cia pa ra o de senvol vi men to in te gral dos es tu dan tes, que vão vi ven ci ar um mer ca do ca da vez mais com pe ti ti vo e de sa fi a dor. de per cur so. Era pre ci so atra ves sar o Sudão, a pé ou por trans por te ter res tre. Esfor ço exaus ti vo e ar ris ca do, mui tos não re sis ti ram e mor re ram no ca mi nho. Di an te des sa re a li da de, o go ver no de Is ra el de ci diu pro mo ver uma pri mei ra ação de apoio e aco lhi men to a es sa popu la ção a qual de no mi nou Ope ra ção Moi sés. O es for ço te ve êxi to par ci al, ao pri o ri zar o des lo ca men to por via ter restre. Já em maio de 1991, as for ças de segu ran ça de Is ra el exe cu ta ram uma segun da ação, ago ra com a uti li za ção exclu si va e ma ci ça de aviões pa ra o transpor te de etío pes no cur tís si mo pra zo de 36 ho ras. A Ope ra ção Sa lo mão foi a mai or da his tó ria, sem pa ra le lo em abran gên cia e ra pi dez. Nas du as ope ra ções, cer ca de 20 mil etío pes fo ram aco lhi dos em Is ra el, on de re ce be ram o sta tus de ci da dãos ple nos, além de apoio fi nan cei ro e so ci al pa ra se es ta be le ce rem no país. Ho je são 135 mil ci da dãos vi ven do em vá ri as re giões, inte gra dos e atu an do em vá ri as áre as da so ci e da de. Há um de pu ta do fe de ral no Knes set co mo é cha ma do o Par la mento de Is ra el elei to pe la co mu ni da de judia etío pe. Uma in da ga ção, cer ta men te, diz respei to a se os be ta Is ra el so frem ou não ra cis mo no país. Há epi só di os co mo o ca so de do a ções de san gue de etío pes que fo ram se cre ta men te re jei ta das por um la bo ra tó rio, o que ge rou um es cânda lo na ci o nal até com pas se a tas. Is so levou o en tão pre miê Shi mon Pe rez a pedir per dão em pú bli co e abrir uma inves ti ga ção ofi ci al pa ra apu rar o ca so. De to do mo do, os co men tá ri os da jor na lis ta Do ra Ro senthal, au to ra de Os Is ra e len ses pes so as co muns em uma ter ra ex tra or di ná ria, tra duz um sen timen to na ci o nal em re la ção a es se segmen to. Se gun do ela, é in co mum que is ra e len ses te nham um con sen so, mas qua se to dos con cor dam que o res ga te dos ju deus etío pes foi um dos me lho res mo men tos do país. In vo can do o prin cí pio da pre sun ção de ino cên cia e an te a Corte di a me tral men te di vi di da, o pre si den te do Su pre mo Tri bu nal Fe de ral pa re ce ter se pul ta do o es for ço ini ci a do em Cu ri ti ba pa ra res tau rar a mo ra li da de da coi sa pú bli ca no país. Foi pre mi a do pela cir cuns tân cia, com a su per va lo ri za ção da pre si dên cia, pa ra inter pre tar a Cons ti tui ção e pro fe rir de ci são de fi ni ti va so bre a consti tu ci o na li da de da pri são em se gun da ins tân cia. Era a ho ra e a vez de nos so chi ef of jus ti ce. O lu me. Que a uti li zou bem, na opi nião de al guns, e bem mal a juí zo de ou tros tan tos, fa zen do per sis tir a ques tão na cons ci ên cia da mai o ria dos bra si lei ros. Con cluiu o ma gis tra do pe la in cons ti tu ci o na li da de da pri são de réus con de na dos em se gun da ins tân cia. E des con si de rou os ris cos de pres cri ção e a in fi ni da de de re cur sos em ma té ria cri minal. De ci diu, en fren tan do te o ri as, te ses e ar gu men tos de ma gistra dos, ju ris tas e ad vo ga dos, e in cor po ran do-se a um dos flan cos an tagô ni cos do tri bu nal, que só o es go ta men to ple no de to das as ins tân ci as po de cul mi nar na pu ni ção da con du ta de li ti va. Res tou, a par tir daí, um qua dro ge ral de per ple xi da de. É que, sus ten ta da ago ra pe lo vo to do pre si den te, a cor te re cu ou e mo di ficou in te gral men te a de ci são an te ri or, co mo se àque la ti ves se confe ri do o ca rá ter de pro vi so ri e da de, im pró pria à na tu re za do jul gado. Es ta be le ceu-se uma con fu são na vi da ju rí di ca e po lí ti ca do país. E, em meio a qua dro de gran de in con for mis mo, re me teu-se à clas se po lí ti ca o pa pel de re sol ver a ques tão. Ago ra, co mo di zem os ju ris tas, de le ge fe ren da, ou se ja, via le gis la ção. E sur ge no vo pro ble ma. Mo di fi car, sim ples men te, a le gis la ção pro ces su al resol ve a ma té ria ou ela se re ves te de con teú do pre ci pu a men te cons ti tu ci o nal? O Con gres so na ve ga por es ses me an dros, não sem o jus to re ceio de que qual quer des sas pro vi dên ci as le gis la tivas se ja, de igual sor te, re ne ga da pe la al ta cor te. Con si de ran do o pre su mí vel ele va do sa ber ju rí di co de seus mem bros, não se rá graci o so in da gar que prin cí pio nor te ou o vo to de seis emi nen tes minis tros pa ra si tu ar o Su pre ma Cor te em mo nu men tal re cuo ju rispru den ci al, den tro de pou co tem po, sem fa to con cre to no vo e, o que é pi or, com vi sí veis e de ter mi na dos efei tos po lí ti cos, evi den cia dos me nos de 24 ho ras após a pro cla ma ção do re sul ta do. Her me nêu ti ca. Se ria es sa a cha ve pa ra pers cru tar a res pos ta? Tu do in di ca que sim. E, mais pre ci sa men te, her me nêu ti ca cons titu ci o nal. A in ter pre ta ção cons ti tu ci o nal se des ta ca da in ter pre tação or di ná ria. Ela po de e de ve ser po lí ti ca, no bom sen ti do, quando se per si gam al tos ob je ti vos na ci o nais. Por exem plo, na de marca ção, con teú do e apli ca bi li da de de po lí ti cas de exe cu ção cri minal. É que, nes se mis ter, com ple xo, va ri a do e ex cep ci o na lís si mo do ofí cio ju rí di co, há du as li nhas fun da men tais de ori en ta ção. Pa ra a pri mei ra, o sis te ma cons ti tu ci o nal é her me nêu ti co e se bas ta a si mes mo. É a exe ge se pu ra, or to do xa, ava lo ra ti va, que encon tra no ju ris ta ale mão Kel sen, seu mai or ava tar. A ou tra é a inter pre ta ção te le on to ló gi ca, que per se gue o es pí ri to e os fins da Cons ti tui ção pa ra in te grá-los à pró pria iden ti da de e fun ção no mun do ju rí di co. Ope ra pa ra que lei mai or pos sa atin gir os seus ob je ti vos su pe ri o res, is to é, ga ran tir a or dem, a es ta bi li da de e a segu ran ça de pes so as e ins ti tui ções. Tra ta-se de in ter pre ta ção funda men tal pa ra que o Es ta do exe cu te su as fun ções es sen ci ais como a ma nu ten ção da Re pú bli ca, do re gi me de mo crá ti co e as segu re a mo ra li da de da coi sa pú bli ca. A re cen te de ci são do Su premo Tri bu nal Fe de ral pa re ce ter op ta do pe la pri mei ra das pre missas apon ta das pa ra, num re cuo de 180 graus, con si de rar in cons titu ci o nal a pri são de réus, mes mo se con de na dos em ins tân cia cole gi a da, ime di a ta ao juí zo de pri mei ro grau. Por es se jul ga do, conso li dou-se de fi ni ti va men te co mo a úl ti ma das ins tân ci as cri minais, na ve gan do os réus, con de na dos por ins tân cia co le gi a da inte gran te do mes mo sis te ma ju ris di ci o nal, no mar da im pu ni da de. Num país em que a de linquên cia or di ná ria se si tua nas ca madas so ci ais mais bai xas e a de co la ri nho bran co in ci de, em per centu al me nor, na eli te po lí ti ca, em pre sa ri al e fi nan cei ra, mas com com pro va dos e for tes efei tos da no sos so bre to do o cor po so ci al, usar o prin cí pio da pre sun ção de ino cên cia co mo su pos ta sal vaguar da da que les, na ver da de be ne fi ci an do mui to mais a es tes, repre sen ta do lo ro so ar ti fí cio de con tem po ri za ção ju ris di ci o nal. Es se en ten di men to me nos ser ve aos ele va dos in te res ses da Cons ti tui ção que a gru pos man co mu na dos em que, em re de de de linquên cia per ver sa, se cru zam in te res ses es pú ri os de to da ordem. En tão, é fá cil de du zir. o prin cí pio da pre sun ção de ino cên cia par te, na ver da de, de uma pre sun ção fal sa. As se gu ran do, co mo re qui si to pa ra a pri são, sob o pá lio dos di rei tos fun da men tais, o re cur so à ju ris di ção su pre ma, o Su pre mo Tri bu nal Fe de ral afas tase do es pí ri to da Cons ti tui ção e sub ver te mag nos e su pe ri o res prin cí pi os da Car ta po lí ti ca. A de ci são, com to das as pre mis sas e vê ni as, fe riu o ros to da na ção. En se jou, no can tei ro das ex pe ri ênci as na ci o nais, que tan tas es pe ran ças, flo res ci das na vi go ro sa ação de Cu ri ti ba, fe ne ces sem, uma a uma, aos pés do bal do es tarre ci do.

6 GERAL AVANÇO Reformas avançam no Centro de São Luís George Raposo 5 SAÚDE Ação do Dezembro Laranja contra o câncer de pele ARQUIVO Realizadas por meio do programa São Luís em Obras, requalificação dos espaços tradicionais do Centro da capital são marca da gestão do prefeito Edivaldo OCen tro de São Luís ga nha, na ges tão do pre fei to Edival do Ho lan da Ju ni or, uma no va con fi gu ra ção ur ba nísti ca com es pa ços pú bli cos re qua li fica dos e mais apra zí veis à po pu la ção, a exem plo do Com ple xo De o do ro, obra re a li za da pe lo Ins ti tu to do Pa trimô nio His tó ri co e Ar tís ti co Na ci o nal (IPHAN) em par ce ria com a Pre fei tu ra de São Luís e en tre gue em de zem bro do ano pas sa do. Ago ra, por meio do pro gra ma mu ni ci pal São Luís em Obras, es tão sen do am pla men te refor ma dos o Par que do Bom Me ni no e a Pra ça da Bí blia, cu jos ser vi ços avançam dan do mos tras de que em bre ve es te lo cais te rão sua im por tân cia histó ri ca res ga ta da e va lo ri za da. Es te con jun to de obras que es tá sen do re a li za do no Par que do Bom Me ni no e Pra ça da Bí blia são par te de um pro gra ma de re for mas que ini ci a- mos em agos to e que abran gem não só o Cen tro da ci da de, co mo tam bém di ver sos bair ros de São Luís aos quais te mos le va do as fal ta men to, re for mas de pra ças, uni da des de saú de e merca dos. O São Luís em Obras, na re gião do Cen tro, se une a ou tras ações nossas e tam bém em par ce ria que ser vem pa ra re vi ta li zar, ur ba ni zar e tra zer de vol ta nos so po vo pa ra ocu par es pa ços que são ver da dei ros car tões-pos tais de nos sa lin da São Luís, co mo é o ca so da Fon te das Pe dras, que re for ma mos e en tre ga mos re cen te men te à po pu lação, pon de rou o pre fei to Edi val do lem bran do ain da da re qua li fi ca ção do Com ple xo De o do ro e da Rua Gran de, PREFEITO EDIVALDO SEGUE COM INVESTIMENTOS NO CENTRO DE SAO LUIS exe cu ta da pe lo IPHAN em par ce ria com a Pre fei tu ra. Am pli an do a ga ma de in ves ti men to no Cen tro na úl ti ma se ma na o pre feito as si nou or dem de ser vi ço pa ra refor ma das pra ças da Mi se ri cór dia e da Sau da de. As obras vão res ga tar a be leza des ses im por tan tes es pa ços pa ra a ci da de e pa ra a po pu la ção. O ti tu lar da Se cre ta ria Mu ni ci pal Ex tra or di ná ria de Pro je tos Es pe ci ais (Sem pe), Gus ta vo Mar ques, des ta ca a im por tân cia das obras pa ra a ci da de. O ser vi ço de re for ma am pla da Pra ça da Bí blia e do Par que Bom Me ni no visa pro pi ci ar à po pu la ção lu do vi cen se equi pa men tos ade qua dos ao la zer, va lo ri zan do ati vi da des in fan tis e também des ti na das aos ido sos, es por ti vas e de con vi vên cia so ci al. As obras es tão sen do exe cu ta das den tro do cro nogra ma pre vis to, de cla rou. PRA ÇA DA BÍ BLIA Na Pra ça da Bí blia, já foi con cluí da 90% da pa vi men ta ção, o que in clui as cal ça das e o pá tio cen tral. Tam bém che gou a 90% a cons tru ção dos qui osques, is to é, fal ta ape nas a pin tu ra e a co ber tu ra do pá tio, pois foi de mo li da to da a es tru tu ra pré-exis ten te pa ra dar lu gar a no vos ali cer ces (sa pa tas de con cre to), cis ter na, al ve na ria, pe dras e ban ca das, re ves ti men to ce râ mi co e re bo co. PAR QUE DO BOM ME NI NO No Par que do Bom Me ni no, lo ca liza do na Ave ni da Ale xan dre de Mou ra, Cen tro, es tá sen do cons truí da a su peres tru tu ra dos qui os ques, pró xi mo às qua dras es por ti vas. Já fo ram cons truídas as sa pa tas de sus ten ta ção, os pi lares de con cre to e as pa re des de al vena ria es tão em fa se de con clu são, passan do pa ra o re bo co. A ATIVIDADE PREVÊ CERCA DE 200 ATENDIMENTOS. A Se cre ta ria de Es ta do da Saú de (SES), em par ce ria com a So ci e da de Bra si lei ra de Der ma to lo gia Re gi o nal Ma ra nhão, re a li zou no úl ti mo sá ba do (7), aten di men to der ma to ló gi co no Hos pi tal Dr. Car los Ma ci ei ra (HCM), com fo co na pre ven ção do cân cer de pe le em ação do De zem bro La ran ja. A ati vi da de pre vê cer ca de 200 atendi men tos. A ação é pa ra di ag nos ti car pa ci en tes que te nham pro vá veis le sões que pos sam ser di ag nos ti ca das co mo cân cer de pe le. To das as pes so as que têm man chas de pe le iden ti fi ca das são con vi da das a com pa re cer ao Hospi tal Dr. Car los Ma ci ei ra pa ra fa zer a ava li a ção, ex plicou o di re tor ge ral do Hos pi tal Dr. Car los Ma ci ei ra, Edilson Me dei ros. De acor do com o Ins ti tu to Na ci o nal do Cân cer (IN- CA), a es ti ma ti va de no vos ca sos de cân cer de pe le no Bra sil é de , sen do ho mens e mulhe res. O nú me ro de mor tes em con sequên cia da do ença che ga a 1.958, sen do ho mens e 821 mu lhe res. En tre os fa to res de ris co pa ra do en ça es tão a ex po sição pro lon ga da e re pe ti da ao sol (rai os ul tra vi o le tas), prin ci pal men te na in fân cia e ado les cên cia. Ter his tó ria fa mi li ar ou pes so al de cân cer de pe le. Pes so as que tra balham sob ex po si ção di re ta ao sol são mais vul ne rá veis ao cân cer de pe le não-me la no ma. Ou tros fa to res de ris co in clu em in di ví du os com sis te ma imu ne de bi li ta do e expo si ção à ra di a ção ar ti fi ci al. O cân cer de pe le não me la no ma ocor re prin ci palmen te nas áre as do cor po mais ex pos tas ao sol, co mo ros to, pes co ço e ore lhas, po den do apre sen ta-se co mo man chas na pe le que co çam, ar dem, des ca mam ou sangram. Pa ra os ca sos de fe ri das que não ci ca tri zam em até qua tro se ma nas, de ve-se pro cu rar o mé di co der ma to logis ta pa ra ava li a ção e di ag nós ti co. Governador inaugura obras no interior NAEL REIS SABOR Farinha de Itapecuru vira Gosto do Maranhão FARINHA DE MANDIOCA DEU INÍCIO AO USO DO SELO GOVERNADOR FLÁVIO DINO DURANTE A ENTREGA DE ESCOLA DIGNA PARA A POPULAÇÃO DE PENALVA Um pa co te de obras, ser vi ços e ações pa ra me lho rar as con di ções de mi lha res de pes so as em mu ni cí pi os do in te ri or do Ma ra nhão. Nes te sá bado (7), o go ver na dor Flá vio Di no percor reu ci da des com bai xo ín di ce de de sen vol vi men to e inau gu rou obras nas áre as de in fra es tru tu ra, edu ca ção, se gu ran ça ali men tar, ha bi ta ção e abas te ci men to. A agen da in te gra plano do Go ver no do Es ta do que tem como ob je ti vo me lho rar os ín di ces econô mi cos e so ci ais nos 30 mu ni cípi os com me no res ín di ces de de senvol vi men to. A sé rie de ben fei to ri as vão pro mover ci da da nia e res ga tar a dig ni da des às co mu ni da des aten di das. A agen da foi mar ca da pe lo Dia D de inau gu rações das no vas uni da des do pro gra ma Res tau ran te Po pu lar. Fo ram se te equi pa men tos en tre gues, on de se rão ser vi das re fei ções pe lo va lor sim bó lico de R$ 2 e ofe re ci dos ser vi ços di versos co mo ca pa ci ta ções, as sis tên cia so ci al e aten di men tos em saú de bá sica. Na oca sião, fo ram inau gu ra das uni da des es co la res pe lo pro gra ma esta du al Es co la Dig na, de sis te mas de abas te ci men to de água, qua dra po lies por ti va e ou tras me lho ri as. A pro gra ma ção te ve iní cio na ci dade de Pe nal va, on de o go ver na dor Flávio Di no en tre gou o pré dio do Cen tro de En si no An te ro Câ ma ra Pe nha. A uni da de con ta com es tru tu ra de sa las de au la, co zi nha, ba nhei ros e ou tras de pen dên ci as. A obra in te gra as ati vida des do pro gra ma es ta du al Es co la Dig na, co or de na do pe la Se cre ta ria de Es ta do de Edu ca ção (Se duc). O progra ma do Go ver no do Es ta do vem trans for man do cons tru ções de bair ro e pa lha em es co las de al ve na ria. Es sa é uma se ma na mui to im portan te, mar ca da pe la en tre ga de es colas dig nas e res tau ran tes po pu la res, mos tran do que in ves ti mos com se ri e- da de e, so bre tu do, com mui to sen so de res pon sa bi li da de so ci al. Com ba ter as de si gual da des é in ves tir na edu cação e de mais po lí ti cas so ci ais, co mo te mos fei to, ape sar das cri ses no país. Te mos con se gui do avan çar e cum prir nos sas me tas e es ta mos che gan do per to de mil obras edu ca ci o nais, um re cor de na his tó ria do Ma ra nhão, pon tu ou o go ver na dor Flá vio Di no. A po pu la ção de Pe nal va foi contem pla da ain da com 40 kits de ir ri gação, que vai be ne fi ci ar 40 fa mí li as no mu ni cí pio. A ação co or de na da pe la Se cre ta ria de Es ta do de Agri cul tu ra Fa mi li ar (SAF) ga ran te água lim pa e aces sí vel a po pu la ções da re gião. Que ro pa ra be ni zar o go ver na dor e sua ges tão, por mais uma en tre ga impor tan te em nos sa ci da de, com es sa es co la que vai ser vir às nos sas cri anças. E é com es se olhar di fe ren ci a do pa ra a edu ca ção pú bli ca que o go verna dor mu da rá nos so es ta do e construi rá um fu tu ro me lhor, en fa ti zou o pre fei to da ci da de, Ro nil do Cam pos. Em Ca ja ri, o go ver na dor Flá vio Dino en tre gou o pri mei ro dos se te restau ran tes po pu la res da agen da e anun ci ou o pa co te de ben fei to ri as, na Rua do Ae ro por to, bair ro Lour des, às 10h30. Além do equi pa men to de segu ran ça ali men tar, o mu ni cí pio foi be ne fi ci a do com a en tre ga do Cen tro de En si no Nos sa Se nho ra da Con ceição, mais uma uni da de do Es co la Digna e a pro mo ção da Fei ri nha da Agricul tu ra Fa mi li ar, ini ci a ti va da SAF. O Go ver no do Es ta do, por meio do Sis te ma da Agricul tu ra Fa mi li ar (for ma do por SAF, Agerp e Iter ma), em par ce ria com o Mo vi men to dos Tra ba lha do res Ru rais Sem Ter ra (MST), pro mo veu na úl ti ma sex ta-fei ra (6), no So lar Cul tu ral da Ter ra Ma ria Fir mi na dos Reis, em São Luís, a apre sen ta ção do pri mei ro pro du to com o se lo da agri cul tu ra fa mi li ar Gos to do Ma ra nhão. Item bas tan te co mum no pra to do ma ra nhen se, a fari nha de man di o ca foi a es co lhi da pa ra dar iní cio ao uso do se lo. Pro du zi da pe la Co o pe ra ti va Mis ta das Áre as de Re for ma Agrá ria do Va le do Ita pe cu ru (Co o pe vi) do Assen ta men to Cris ti na Al ves, em Ita pe cu ru-mi rim, a fa rinha é con si de ra da co mo um dos prin ci pais des ta ques da co mu ni da de, que já re ce beu, tam bém em 2019, inves ti men tos do Go ver no do Es ta do vi san do o in cen ti vo da Ca deia Pro du ti va da Man di o ca. O se cre tá rio de Es ta do da Agri cul tu ra Fa mi li ar, Jú lio Cé sar Men don ça, ex pli cou que o se lo da rá vi si bi li da de aos pro du tos oriun dos da agri cul tu ra fa mi li ar. O lan çamen to da fa ri nha do As sen ta men to Cris ti na Al ves é um mar co pa ra a agri cul tu ra fa mi li ar do Ma ra nhão. O Sis tema SAF vem in ves tin do no for ta le ci men to da ca deia pro du ti va da man di o ca no as sen ta men to, on de já re forma mos uma agroin dús tria na co mu ni da de e ou tras ações de in cen ti vo. E es te se lo vem fe char o ci clo da cadeia, que é a co mer ci a li za ção, dis se o se cre tá rio. Ter a fa ri nha de man di o ca em ba la da e ro tu la da era um so nho an ti go dos agri cul to res fa mi li a res do As sen tamen to Cris ti na Al ves, co mo con ta o pro du tor Ge ral do Bar bo sa, co nhe ci do co mo Ju ca. É um so nho re a li za do, eu es tou fa lan do em no me de to dos os tra ba lha do res do as sen ta men to. Es sa fa ri nha em ba la da e com o se lo é uma re a li za ção que a gen te sem pre al me jou há mui to tem po e ago ra che gou a opor tu ni da de des se so nho ser re a li za do, des ta cou o agri cul tor.

7 Responsáveis: Celio Sergio AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SRP Nº 046/2019. A Prefeitura Municipal de Buriticupu/MA, através da Comissão Permanente de Licitação torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar, sob a égide da Lei nº /02 e subsidiariamente as disposições da Lei 8.666/93 e suas alterações posteriores, Licitação na modalidade Pregão na sua forma Presencial, do tipo Menor preço por item, sob o Regime de Empreitada por preço unitário, objetivando: Formação de registro de preços para futura e eventual contratação de empresa para prestação de serviços contínuos, por demanda, de agenciamento de viagens, compreendendo os serviços de emissão, reserva, marcação, remarcação e cancelamento de passagens aéreas nacionais, internacionais, bem como passagens terrestres para o Município de Buriticupu/Ma. ABERTURA: 20 de dezembro de 2019, às 09h00min, Sala de sessões da Comissão de Licitações localizada na Rua São Raimundo, nº 01, Centro, Buriticupu MA, sendo presidida pelo Pregoeiro desta Prefeitura Municipal. O edital e seus anexos encontram-se disponíveis no prédio onde funciona a Comissão Permanente de Licitação, onde poderão ser consultados gratuitamente ou adquiridos mediante o recolhimento da importância de R$ 50,00 (cinquenta reais) feito exclusivamente através de documento de Arrecadação Municipal (DAM), Rua São Raimundo, nº 01, Centro, Buriticupu MA. 05 de dezembro de Fabiano de Jesus Barbosa Ferreira /Pregoeiro. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO SETORIAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRONICO Nº 004/ PO/SEDUC/MA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº / SEDUC/MA A Secretaria de Estado da Educação, através do seu Pregoeiro Substituto, realizará às 14h (quatorze horas), horário de Brasília, do dia 20 de dezembro de 2019, licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO, do tipo menor preço por item, que tem como objeto o fornecimento de material de consumo, para atender a necessidade de desenvolver as atividades relacionadas ao Censo Escolar da Educação Básica 2019 e 2020, conforme especificações, quantitativos e condições estabelecidas no Termo de Referência Anexo I, em sessão pública on-line por meio de recursos de tecnologia da informação INTERNET, através do site Com fundamentação na Lei Federal nº , de 17 de julho de 2002, Decreto Federal nº , de 20 de setembro de 2019, da Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 1/2010 e suas alterações, Instrução Normativa nº 03/2018, da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro 2006, alterada pela Lei Complementar nº 147, de 07 de agosto de 2014, Decreto Federal nº 8.538, de 06 de outubro de 2015, aplicando subsidiariamente a Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e demais normas regulamentares e princípios correlatos pertinentes à espécie, e exigência estabelecidas neste Edital e seus Anexos, em conformidade com o Termo de Referência elaborado pelo setor competente desta Secretaria. O Edital e seus anexos estão à disposição dos interessados, por intermédio de Sistema Eletrônico, quais sejam: ou Serviços/Licitações/Edital Secretaria de Estado da Educação do Maranhão - SEDUC/MA, UASG: , onde poderão ser obtidos e consultados, gratuitamente, e ainda, estão à disposição dos interessados, na sala da Comissão Setorial Permanente de Licitação CSL da SEDUC/MA, no endereço Rua dos Pinheiros, Quadra 16, nº 140, Jardim São Francisco, São Luís/MA, de 2ª a 6ª feira, no horário de 10h às 16h, onde poderão ser consultados. Para informações adicionais, no mesmo endereço ou pelo ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO SETORIAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRONICO Nº 003/ PO/SEDUC/MA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº / SEDUC/MA A Secretaria de Estado da Educação, através do seu Pregoeiro Substituto, realizará às 10h (dez horas), horário de Brasília, do dia 20 de dezembro de 2019, licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO, do tipo menor preço por item, que tem como objeto o fornecimento de material permanente (mobiliário), para atender a necessidade de desenvolver as atividades relacionadas ao Censo Escolar da Educação Básica 2019 e 2020, conforme especificações, quantitativos e condições estabelecidas no Termo de Referência Anexo I, em sessão pública on-line por meio de recursos de tecnologia da informação - INTERNET, através do site Com fundamentação na Lei Federal nº , de 17 de julho de 2002, Decreto Federal nº , de 20 de setembro de 2019, da Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 1/2010 e suas alterações, Instrução Normativa nº 03/2018, da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro 2006, alterada pela Lei Complementar nº 147, de 07 de agosto de 2014, Decreto Federal nº 8.538, de 06 de outubro de 2015, aplicando subsidiariamente a Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e demais normas regulamentares e princípios correlatos pertinentes à espécie, e exigência estabelecidas neste Edital e seus Anexos, em conformidade com o Termo de Referência elaborado pelo setor competente desta Secretaria. O Edital e seus anexos estão à disposição dos interessados, por intermédio de Sistema Eletrônico, quais sejam: ou Serviços/Licitações/Edital Secretaria de Estado da Educação do Maranhão - SEDUC/MA, UASG: , onde poderão ser obtidos e consultados, gratuitamente, e ainda, estão à disposição dos interessados, na sala da Comissão Setorial Permanente de Licitação CSL da SEDUC/MA, no endereço Rua dos Pinheiros, Quadra 16, nº 140, Jardim São Francisco, São Luís/MA, de 2ª a 6ª feira, no horário de 10h às 16h, onde poderão ser consultados. Para informações adicionais, no mesmo endereço ou pelo São Luís - MA, 04 de dezembro de João Batista de Sá Lopes Gonçalves Pregoeiro Substituto SEDUC/MA São Luís - MA, 04 de dezembro de João Batista de Sá Lopes Gonçalves Pregoeiro Substituto SEDUC/MA AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SRP Nº 047/2019. A Prefeitura Municipal de Buriticupu/MA, através da Comissão Permanente de Licitação torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar, sob a égide da Lei nº /02 e subsidiariamente as disposições da Lei 8.666/93 e suas alterações posteriores, Licitação na modalidade Pregão na sua forma Presencial, do tipo Menor preço por item, sob o Regime de Fornecimento, objetivando: Formação de registro de preços para eventual aquisição de combustíveis e lubrificantes para as diversas secretarias do município de Buriticupu - MA. ABERTURA: 20 de dezembro de 2019, às 15h00min, Sala de sessões da Comissão de Licitações localizada na Rua São Raimundo, nº 01, Centro, Buriticupu MA, sendo presidida pelo Pregoeiro desta Prefeitura Municipal. O edital e seus anexos encontram-se disponíveis no prédio onde funciona a Comissão Permanente de Licitação, onde poderão ser consultados gratuitamente ou adquiridos mediante o recolhimento da importância de R$ 50,00 (cinquenta reais) feito exclusivamente através de documento de Arrecadação Municipal (DAM), Rua São Raimundo, nº 01, Centro, Buriticupu MA. 05 de dezembro de Fabiano de Jesus Barbosa Ferreira /Pregoeiro. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO SETORIAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO AVISO DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico nº 065/2019 Processo nº /2019/SES Objeto: Registro de Preços para eventual e futura contratação de empresa especializada na prestação de serviços de locação de máquinas de hemodiálise. Abertura: 20/12/2019, às 09h (horário de Brasília); Local: Informações: Comissão Setorial Permanente de Licitação CSL, localizado na Av. Professor Carlos Cunha, s/n, Jaracaty, São Luís/MA; Fones: (98) e São Luís - MA, 04 de dezembro de GISELLE REJANE LOUZEIRO GOMES Pregoeira da CSL/SES. ESTADO DO MARANHÃO COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO MARANHÃO CAEMA CONVOCAÇÃO O Conselho de Administração da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão CAEMA, convoca os Senhores Conselheiros para participarem da Reunião, a ser realizada no dia 12 de dezembro de 2019, às 15h, na sede social da Companhia, situada a Rua Silva Jardim, nº 307, Centro, na cidade de São Luís, estado do Maranhão a fim de deliberarem sobre a seguinte pauta: 1. Deliberar sobre alteração do Regimento Interno da Companhia, conforme Art. 38, inciso XIV do Estatutos Social da CAEMA 2. Deliberar sobre o Plano de Negócios para o exercício de 2020, conforme disposto no Art. 45, inciso XV, alínea a, do Estatuto Social da CAEMA; 3. Deliberar sobre a Estratégia de longo prazo, conforme disposto no Art. 45, inciso XV, alínea b do Estatuto Social da CAEMA; 4. Deliberar sobre o calendário das Reuniões do Conselho de Administração; São Luís, 04 de dezembro de Cynthia Celina de Carvalho Mota Lima André dos Santos Paula Presidente do Conselho Presidente Interino da CAEMA ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR Nº /2015 CITAÇÃO DE ACUSADO POR EDITAL CITAÇÃO COM PRAZO DE 15 DIAS O Presidente da Comissão designada no Processo Administrativo Disciplinar nº /2015, por meio da Portaria nº 834, de 01 de novembro de 2019, do Chefe de Assessoria Jurídica, da Secretaria de Estado da Educação, publicada no Diário Oficial do Estado nº 210, de 04 de novembro de 2019, faz saber a FLOR DE MARIA SILVA CORREIA, Professora III, matrícula nº , que estão correndo em seus termos legais, os autos do Processo Administrativo em que a mesma figura como Arguida, incurso no art. 228, inciso II, da Lei nº 6107/94, por possível cometimento de infração administrativa de Abandono de Cargo. E, constando dos Autos que o servidor se encontra em lugar incerto e não sabido, fica, pelo presente Edital, citado a comparecer, sob pena de revelia, perante esta Comissão de Processo Administrativo Disciplinar, sediada na Rua das Figueiras, s/n, bairro São Francisco, nesta capital, a fim de apresentar em banca suas testemunhas e, posteriormente, ser interrogada sobre o fato que lhe é imputado no prazo de 15 (quinze) dias, a contar da data de publicação desta. Para ciência do Arguido, conforme preceitua o artigo 246, inciso IV e 256, inciso II, do Código de Processo Civil, é expedido o presente Edital, a ser publicado em jornal de grande circulação. São Luís, 06 de dezembro de Humberto Mendes Nascimento Presidente PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 27/2019 (PA-1494/2019) Objeto: Contratação de serviços continuados de apoio administrativo com dedicação permanente de mão de obra na categoria de motorista, conforme condições, quantidades e exigências estabelecidas no Edital e seus anexos. Tipo de licitação: Menor Preço. Data da abertura: 20 de dezembro de 2019, às 09:00 horas (horário de Brasília/DF). Local: O edital é gratuito e está à disposição dos interessados para consulta e retirada nos endereços e Maiores informações no endereço Av. Senador Vitorino Freire, º andar -Areinha São Luís/MA- Seção de Aquisições Públicas ou pelos telefones (0xx98) /9379/9421 das 08 às 17:30 horas. 45, O JORNAL MAIS ACESSADO DO MARANHÃO ,, MILHÕES DE CLIQUES MENSAIS MILHÕES MILHÕES

8 CONCURSOS E EMPREGO OPORTUNIDADE Por que eu não consigo aprovação em concurso? Samartony Martins 7 CADASTRO DE RESERVA Edital do Senado previsto para sair no 1º semestre Confira os 11 erros mais cometidos pelos concurseiros que resultam em reprovação nos concursos.fique atento às dicas que podem fazer diferença no resultado final do seletivo RODRIGO OLIVEIRA Fez um con cur so e não pas sou? Não se de ses pe re. Es se é um mo men to de ava li ar as cau sas da re pro va ção e se pla ne jar me lhor pa ra al can çar a tão so nha da es ta bi li da de de um car go pú bli co. Para aju dar vo cê a re fle tir so bre is so, O Im par ci al en tre vis tou o pro fes sor Fran cis co Athayde, do Úni co Ves ti bular, que elen cou os er ros mais co muns dos con cur sei ros. 1 Não ler o edi tal Des co nhe cer o edi tal do con cur so é o pri mei ro er ro co me ti do. As pes so as dei xam de ler por que não acham im por tan te e se con ten tam com as in for ma ções ge rais di vul ga das pe la mí dia. É pre ci so ler cri te ri o sa men te o edi tal. Co nhe cê-lo bem faz com que o alu no sai ba o conteú do pro gra má ti co, ha bi li da des exigi das, for ma to da pro va, etc., o que aju da no pro ces so de pre pa ra ção. 2 Não de fi nir um ho rá rio de es tudo ade qua do É ne ces sá rio que o con cur sei ro de fi na um ho rá rio de estu do ade qua do à sua ro ti na. Às ve zes, é de fi ni do um ho rá rio que ele não con se gue cum prir. Is so é frus tran te e di mi nui a mo ti va ção pa ra a con ti nuida de dos es tu dos. Pa ra mon tar um pla ne ja men to efi ci en te, vo cê de ve listar em uma pla ni lha os seus com promis sos fi xos, co mo ho rá rio pa ra dormir, se ali men tar e trans por te. O tempo que res ta po de ser usa do pa ra es tudo. Com es se pla ne ja men to, se rá mais fá cil man ter a ro ti na de es tu dos e au- FAZER A INSCRIÇÃO E NÃO LER O QUE PEDE O EDITAL É UM DOS ERROS MAIS GRAVES men tar as chan ces de su ces so na prova. 3 Não se pla ne jar nos es tu dos Dei xar pa ra es tu dar per to do dia da pro va é ou tra cau sa do fra cas so em con cur sos. É pa pel do can di da to iden ti fi car os as sun tos/dis ci pli nas que tem mais di fi cul da de e fo car nisso. Um er ro co mum é es tu dar ape nas a te o ria e não re sol ver ques tões. A reso lu ção de ques tões le va ao di ag nós tico dos con teú dos que pre ci sam ser mais es tu da dos e aos mo ti vos que levam o can di da to a er rar mais itens. 4 Não adap tar a me to do lo gia de es tu do à for ma co mo o can di da to apren de An tes de ini ci ar os es tu dos, o con cur sei ro pre ci sa co nhe cer su as for ças, di fi cul da des e for ma tos pe los quais apren de com mais fa ci li da de, que vão de ter mi nar co mo ele de ve estu dar. Tem gen te que apren de me lhor ou vin do, ou tros ven do/len do, uns ren dem mais em sa la de au la com um pro fes sor, ou tros es tu dam fa cil men te so zi nhos, há ain da os que apren dem me lhor quan do ex pli cam pa ra alguém. Quan do vo cê sa be a sua for ma mais efi ci en te de apren der, vo cê conse gue oti mi zar os seus es tu dos se concen tran do na me to do lo gia e ma te ri ais ade qua dos ao seu per fil de apren di zagem. ROBERCI JÁ ESTÁ ANALISANDO COMISSÃO EXAMINADORA O Se na do de ve di vul gar, no pri mei ro se mes tre do pró xi mo ano, o edi tal do con cur so pa ra a re com po si ção do qua dro fun ci o nal da ca sa, que, se gun do in te gran tes da Co mis são Exa mi na do ra que ela bo ra o cer ta me, de ve atrair apro xi ma da men te 100 mil in te res sa dos pa ra 40 va gas in cluin do ca das tro re ser va. O pro je to-ba se do even to co me ça a ser ela bo ra do. Di an te da pro por ção do cer ta me que re a li za re mos, pre ten de mos en trar em con ta to com di ver sas ins ti tuições, in clu si ve aque las que não es ti ve ram pre sen tes à au di ên cia, ex pli cou Ro ber ci Ri bei ro, pre si den te da comis são que or ga ni za o con cur so, re fe rin do-se à au di ência pú bli ca que reu niu in te gran tes de ban cas or ga ni zado ras. Te re mos que nos cer ti fi car que a ins ti tui ção tenha ca pa ci da de ope ra ci o nal de exe cu tar um pro je to que en vol va de ze nas de mi lha res de pes so as, acres cen tou Ro ber ci. En tre os fa to res que se rão ava li a dos pa ra es ti ma ti va de can di da tos, es tá a re du ção re cen te na quan ti da de de con cur sos aber tos pe lo Po der Exe cu ti vo. Ou tro item ana li sa do é a atra ção ofe re ci da pe lo pró prio cer ta me do Se na do, in cluin do sa lá ri os, es ta bi li da de no car go e as pos si bi li da des de car rei ra. O ti po de car go a ser ofe re ci do tam bém po de im pli car uma pro cu ra mai or. As va gas ofe re ci das são pa ra téc ni co e ana lis ta le gis la ti vo. Ao to do, o Se na do tem car gos não ocu pa dos. Ro ber ci ar gu men tou que a ex pec ta ti va de gran de pro cu ra pra ti ca men te eli mi na a pos si bi li da de de que o con cur so to do se ja re a li za do ape nas em Bra sí lia. As sim, a exem plo dos ha vi dos em 2008 e 2011, a pos si bi li da de mai or é de que se ja pos sí vel re a li zar a pro va, ou pe lo menos a pri mei ra fa se ob je ti va, em to das as ca pi tais. Fique atento para possíveis equívocos SELEÇÃO FUB oferece nove vagas de professor FAÇA UM PLANEJAMENTO COM A SELEÇÃO DE TODOS OS ARQUIVOS/LINKS RELACIONADOS AO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5 Não uti li zar a in ter net de for ma cor re ta A in ter net ofe re ce aces so a gran de quan ti da de de in for ma ção, que pre ci sa ser fil tra da pe lo can di da to pa ra que não fi que per di do e des perdi ce tem po. Por is so, ele pre ci sa fa zer um pla ne ja men to com a se le ção de to dos os ar qui vos/links re la ci o na dos ao con teú do pro gra má ti co pa ra de finir o ro tei ro de es tu do no am bi en te vir tu al. A in ter net ofe re ce for ma tos que fa ci li tam a apren di za gem, co mo vi de o au las e pod casts, mas é pre ci so bus car si tes con fiá veis. De pois que tudo ti ver si do fil tra do, é só exe cu tar o pla ne ja men to e vo cê vai uti li zar com efi ci ên cia a in ter net. 6 Fal ta de lo cal e ma te ri al adequa dos pa ra os es tu dos Pa ra ter efici ên cia, é ne ces sá rio dis por de um am bi en te ade qua do de es tu do, com me sas e ca dei ras er gonô mi cas a fim de evi tar des con for to fí si co e que se ja si len ci o so pa ra não ha ver dis tra ções. Ter em mãos ma te ri ais de qua li da de que reú nem to dos os con teú dos pa ra es tu dar tam bém é fun da men tal pa ra o do mí nio dos as sun tos. 7 Não se pre pa rar fi si ca men te pa ra a pro va Além da pre pa ra ção téc ni ca e con teu dis ta, é ne ces sá rio se pre pa rar fi si ca men te pa ra con cur sos. Is so acon te ce por que as pro vas ge ralmen te têm uma lon ga du ra ção e muitos alu nos per dem a con cen tra ção por dor na co lu na ou de ca be ça, prove ni en tes da ten são a que fi cam subme ti dos du ran te o exa me. Pa ra is so é im por tan te pra ti car exer cí ci os com re gu la ri da de pa ra for ta le ci men to dos mús cu los e man ter uma ali men ta ção le ve e sau dá vel, prin ci pal men te no dia da pro va. 8 Não pes qui sar so bre a ban ca exa mi na do ra e pro vas an te ri o res Fal ta de co nhe ci men to acer ca da banca exa mi na do ra res pon sá vel pe lo con cur so é ou tro er ro co mum. Existem vá ri as en ti da des que fa zem is so e ca da uma tem o seu es ti lo, que de ve ser es tu da do pe lo can di da to pa ra se pre pa rar de for ma téc ni ca, além de es tu dar o con teú do pro gra má ti co. Aqui tam bém mui tos pe cam em desco nhe cer pro vas an te ri o res do mesmo con cur so que o can di da to pre tende con cor rer e, de pre fe rên cia, re a liza das pe la mes ma ban ca exa mi na dora. 9 Con cor rer a edi tais pa ra áre as mui to dis tin tas A fal ta de fo co na esco lha dos edi tais le va mui tos can di datos a ter pou cas chan ces de apro va- ção, por que con cur sos de áre as distin tas exi gem o do mí nio de as sun tos bem di fe ren tes. Pa ra ter me lho res resul ta dos, é im pres cin dí vel que o concur sei ro de fi na uma área es pe cí fi ca ou áre as cor re la tas pa ra que o seu desem pe nho nos es tu dos se ja po ten ci a- li za do. 10 Dei xar a an si e da de sair de con tro le É pre ci so man ter um mí nimo de tran qui li da de du ran te a pro va. Mui tos can di da tos per dem ques tão por ner vo sis mo e an si e da de, mes mo sa ben do o con teú do. Uma di ca é come çar pe las dis ci pli nas que tem mais afi ni da de pa ra ir ga nhan do con fi ança. Ou tra é in ter pre tar ade qua da mente ca da ques tão a fim de não er rar boba gens. O ner vo sis mo é co mum em pro vas, mas de ve ser con tro la do pa ra não atra pa lhar o de sem pe nho. 11 Pou cas va gas Mui tos con cursos dis põem de um nú me ro de va gas mui to pe que no di an te da de man da de pes so as in te res sa das. Es sa con corrên cia ab sur da não po de ser des consi de ra da e o con cur sei ro não po de colo car a res pon sa bi li da de to tal da apro va ção ape nas em si pró prio, é pre ci so le var em con si de ra ção as ques tões cir cuns tan ci ais. INSCRIÇÕES PODEM SER REALIZADAS ATÉ 10 DE JANEIRO A Fun da ção Uni ver si da de de Bra sí lia (FUB) es tá com as ins cri ções aber tas de se te edi tais de con cur sos pú blicos que ofe re cem, ao to do, no ve va gas pa ra pro fes sor de ma gis té rio su pe ri or. Após apro va dos, os can di da tos rece be rão re mu ne ra ções va ri an do de R$ 3.600,48 a R$ 9.616,18, a de pen der da ti tu la ção. As ins cri ções já es tão aber tas e po dem ser re a li za das até 10 de ja nei ro pró xi mo, pe lo si te cursos.unb.br. As ta xas va ri am de R$ 90,01 a R$ 240,40. A se le ção dos can di da tos se rá re a li za da por pro va es cri ta de co nhe ci men tos, pro va oral pa ra de fe sa de co nhe cimen tos, pro va di dá ti ca e pro va de tí tu los. O Edi tal 318 se re fe re a uma va ga pa ra pro fes sor de psi co lo gia pa ra lo ta ção no De par ta men to de Psi co lo gia Es co lar e De sen vol vi men to (PED). A re mu ne ra ção é de R$ 9.616,18 e os in te res sa dos de vem pos suir gra du a ção em psi co lo gia e dou to ra do em psi co lo gia ou áre as afins. Já Edi tal 319 ofe re ce uma va ga pa ra pro fes sor de eletrô ni ca (re mu ne ra ção de R$ 9.616,18). Mas é ne ces sá rio ter dou to ra do em en ge nha ria elé tri ca ou áre as afins. O apro va do se rá lo ta do no De par ta men to de En ge nha ria Elé tri ca. O Edi tal 320 é pa ra lo ta ção na Fa cul da de de Medi ci na. A se le ção ofe re ce três va gas pa ra pro fes sor adjun to, as sis ten te e au xi li ar de ana to mia pa to ló gi ca. Remu ne ra ções: de R$ 3.600,48 a R$ 5.831,21. Os can di datos de vem ter gra du a ção em me di ci na, re si dên cia mé dica em pa to lo gia (ana to mia pa to ló gi ca); dou to ra do em pa to lo gia, em ci ên ci as mé di cas, em ci ên ci as da saú de ou em áre as afins. O Edi tal 322 é pa ra va ga de pro fes sor na área de in ter pre ta ção e voz. Re mu ne ra ção: R$ 9.616,18. Os can di da tos pre ci sam de dou to ra do em artes cê ni cas ou te a tro ou ar tes e a lo ta ção se rá pa ra o Depar ta men to de Ar tes Cê ni cas.

9 8 Samartony Martins VIDA CONTEÚDO ON-LINE Site de O Imparcial bate 6 milhões de acessos Férias coletivas: tire suas dúvidas Os dados do Google Analytics, ferramenta usada para medir audiências de sites e portais em todo mundo, serviram para mostrar o crescimento exponencial do site PATRÍCIA BRENDA Opor tal do O Im par ci al termi nou o mês de no vem bro com um re cor de his tó ri co de aces sos. Fo ram 5,9 milhões de aces sos e mais de 2 mi lhões de usuá ri os úni cos en tre os di as 1 e 31. O da do con so li da O Im par ci al, o veícu lo de mí dia mais tra di ci o nal do Mara nhão, co mo o por tal de no tí ci as mais aces sa do em to do es ta do. Os nú me ros do Go o gle Analytics, fer ra men ta usa da pa ra me dir au di ênci as de si tes e por tais em to do mun do, mos tram um cres ci men to ex po nen cial do por tal de no tí ci as, que vem baten do re cor de de aces sos mês após mês. Os qua se 6 mi lhões em au di ên cia é a mai or au di ên cia de um por tal de notí ci as em to do Ma ra nhão. Pa ra a co or de na do ra de Con teú do On li ne, Pa trí cia Bren da, o nú me ro é re fle xo de um tra ba lho em equi pe com fo co téc ni co e mui to es tu do na bus ca de te mas re le van tes. Es se recor de re fle te um es for ço de to do ti me pa ra aten der as ex pec ta ti vas do lei tor, ele gen do te mas cer tos pa ra as pes soas cer tas, co men ta. O di re tor de Ne gó ci os Di gi tais Pedro Hen ri que co me mo ra mais um mês de re cor de no por tal O Im par ci al e a li de ran ça na au di ên cia em to do Ma ra nhão. Po de mos se gu ra men te co me mo rar o fa to de que O Im par ci al é o veí cu lo de mí dia es cri ta com mai or au di ên cia do Ma ra nhão. Se unir mos o 6 MILHÕES DE ACESSO! É A MAIOR AUDIÊNCIA DE UM PORTAL DE NOTÍCIAS DO ESTADO al can ce im pres so mais di gi tal, o da do cres ce, co men ta. Se gun do ele, es te é mais um pas so da cor po ra ção em di re ção à con so lida ção do Im par ci al co mo um gru po de mí dia e tec no lo gia com fo co no digi tal. De mos mais um pas so. Ho je já so mos os lí de res em au di ên cia, o que co nec ta a mar ca O Im par ci al, que tem 93 anos e boa par te de les de di cado à mí dia im pres sa, com o pre sen te e o fu tu ro da mí dia. Es ta mos ca da vez mais in tro du zin do a ino va ção em nos so DNA. E es pe ra mos que is so nos ren da con quis tas ain da mais mar cantes. EMPRESAS CONSULTAM SINDICATO DOS TRABALHADORES Es tá che gan do o pe río do que mui tas em pre sas op tam pe las fé ri as co le ti vas e, ape sar da Re for ma Tra ba lhis ta 2017 não ter al te ra do o Art. 139 que tra ta di re ta men te do te ma, hou ve uma sig ni fi ca ti va al te ra ção no Art. 134 que por meio do seu pa rá gra fo 3º, ve da o iní cio das fé ri as no pe río do de dois di as que an te ce de fe ri a do ou dia de repou so se ma nal re mu ne ra do. Co mo al guns sin di ca tos es tão se guin do es sa li nha de en ten di men to, e ne gan dose a pro to co lar as car tas que tem da ta de iní cio, os di as 23/12 e 30/12, é im pres cin dí vel que an tes de de fi nir a da ta de iní cio das fé ri as co le ti vas RH ou Ad mi nis tra ti vo da em pre sa con sul te o sin di ca to que res pon de pe la maio ria dos tra ba lha do res da em pre sa pa ra cer ti fi car-se do acei te, aler ta o con sul tor tra ba lhis ta da Con firp, Consul to ria Con tá bil, Da ni el Rai mun do dos San tos. Ele res sal ta que o uni ver so sin di cal gi ra em tor no de en ti da des, por es se mo ti vo é de gran de com ple xida de al gu ma afir ma ção so bre o ru mo a ser to ma do, não se po de afir mar a op ção e en ten di men to in di vi du al de ca da en ti da de. Exis tem ra ras con ven ções co le ti vas que pos si bi li tam que as fé ri as se jam con ce di das às vés pe ras de fe ri a dos, sex tas, sá ba dos e do min gos, so bre pon do o que a le gis la ção pre cei tua, mas co mo são fa tos bem raros, nes se sen ti do a re co men da ção é que no ca so da empre sa op tar por ter fé ri as co le ti vas, an tes de de fi nir a data con sul te o que pre cei tua a con ven ção co le ti va. Aler ta im por tan te é re fe ren te a exis tên cia de uma gran de in segu ran ça ju rí di ca no país, e mui tas de ci sões ain da são ba se a das em um en ten di men to con ser va dor, ca so não ha ja na da pre vis to em CCT, a su ges tão e que em ca so de con ces são de fé ri as co le ti vas, que o iní cio não se ja em dois di as que an te ce dem os fe ri a dos do dia 25/12 e 30/12, ou se ja, que si ga-se a re gra pre vis ta em le gis la ção, que é de con ce der as fé ri as com iní cio no mí ni mo 3 di as de an te ce dên cia a um fe ri a do ou DSR. No mês de novembro 117% a mais de visualizações CONSULTA SPC e Serasa, como saber se seu nome está inscrito? SERASA DISPONIBILIZA A CONSULTA GRATUITA NO SITE PORTAL DE NOTÍCIAS DE O IMPARCIAL REGISTROU 37,1 MILHÕES DE ACESSOS, UM AUMENTO SIGNIFICATIVO AO LONGO DO ANO DE 2019 Os nú me ros O Jor nal O Im par ci al atin giu a mar ca de 3,9 mi lhões e 5,0 mi lhões de aces sos em se tem bro e outu bro, res pec ti va men te, e al can çou no mês de no vem bro 117% a mais de vi su a li za ções, em com pa ra ção com o mes mo pe río do do ano pas sa do, quan do ob te ve 3,2 mi lhões de acessos.no acu mu la do do ano, en tre os me ses de ja nei ro e no vem bro, o jor nal O Im par ci al re gis trou 37,1 mi lhões de aces sos, um au men to sig ni fi ca ti vo ao lon go do ano de Um da do também que tam bém evi den cia o pa tamar ele va do em que o por tal vem sendo in se ri do com um nú me ro aci ma do es pe ra do na au di ên cia. Usuá ri os Pa ra le lo ao au men to do vi su a li za ções de pá gi nas, ou tro re sulta do im por tan te ob ti do pe lo Go o gle Analytics foi o re gis tro da mar ca de 2,1 mi lhões de usuá ri os no si te, um au- men to de 150% se com pa ra do ao mês de no vem bro do ano pas sa do. Além do re cor de tam bém no tem po mé dio diá rio em que um lei tor per ma ne ce co nec ta do no por tal. Os da dos mostram que o tem po mé dio de um usuário por dia no si te che ga a seis mi nutos; e que ca da usuá rio per ma ne ce em mé dia 3 mi nu tos em uma ses são. Com um con teú do sem pre atu a liza do, as pro du ções de con teú do pa ra o si te con ti nu am fo can do em ex ce lência, cri ti ci da de e com pe tên cia, através de ar ti gos, aná li ses e ma té ri as rela ci o na das aos mais di ver sos te mas. O si te O Im par ci al se mos tra ca da vez mais imer so no pro ces so de transfor ma ção di gi tal, ali nha do a in for mação de qua li da de, tu do is so pa ra ofere cer ao pú bli co, se ja on de es ti ver, a me lhor ex pe ri ên cia em con teú do e ino va ção. Es ta mos ca da vez mais in tro du zin do a ino va ção em nos so DNA. E es pe ra mos que is so nos ren da con quis tas ain da mais mar can tes A con sul ta à si tu a ção cre di tí cia do con su mi dor po de ser fei ta de for ma gra tui ta di re ta men te nos ór gãos mante ne do res dos ban cos de da dos (SPC, SCPC, SE RA SA etc). Co mo con sul tar? O SCPC (Boa Vis ta Ser vi ços), dispo ni bi li za a con sul ta gra tui ta me di an te ca das tro ape nas pa ra o pró prio ti tu lar do CPF em sua pá gi na na in ter net ( su mi dor po si ti vo.com.br/con sul tacpf-gra tis/) A Se ra sa tam bém dis po ni bi li za con sul ta gra tui ta no seu si te ape nas pa ra o pró prio ti tu lar. ( sa con su mi dor.com.br/con sul tar-meu-cpf/) O SPC BRA SIL co bra a con sul ta em seu si te ( ja.spc bra sil.org.br/pes soa-fi si ca/con sul tarcpf.html) De ta lhe im por tan te: SPC, Se ra sa ou SCPC não en viam s ou te le fo nam pa ra in for mar pen dên ci as fincei ras. A for ma de co mu ni ca ção de les sem pre é por carta tim bra da e de vi da men te en de re ça da. En tão, não clique em s do ti po seu no me foi ca das tra do em nos sos sis te mas por uma dí vi da não pa ga. Cli que aqui pa ra ver o ca das tro. Se cli car, pos si vel men te es ta rá infec tan do seu com pu ta dor com um ví rus que po de destruir seus ar qui vos, rou bar seus da dos, in clu si ve se nhas, etc. O in te res sa do tam bém po de com pa re cer pes so almen te a uma cen tral de aten di men to do SPC, SE RA SA ou SCPC com os se guin tes do cu men tos: do cu men to de iden ti da de com fo to e CPF (car tei ra de iden ti da de, cartei ra de mo to ris ta, car tei ra do tra ba lho, pas sa por te, cartei ra pro fis si o nal ou ou tro do cu men to com ca rá ter ofici al). A con sul ta e a cer ti dão de vem ser gra tui tas. Os ende re ços dos pon tos de aten di men to do SPC de vem ser pro cu ra dos atra vés das As so ci a ções Co mer ci ais e Câma ras de Di ri gen tes Lo jis tas (CDLs) de ca da ci da de.

10 ESPORTES SAMPAIO De olho na Copa e na pré-temporada Samartony Martins 9 SÃO PAULO Raí é mantido como executivo de futebol O Tricolor, mesmo assim, já tem como certa sua inclusão, devido à subida da Federação Maranhense de Futebol no ranking nacional, ultrapassando o Rio Grande do Norte. NERES PINTO ACon fe de ra ção Bra si lei ra de Fu te bol de ve rá anun ci ar ofici al men te, nes ta se gun da-feira (9), os clu bes que fa rão parte da Co pa do Bra sil A ex pec ta tiva é pa ra a di vul ga ção do no me do Sam paio Cor rêa na lis ta dos par ti cipan tes. O Tri co lor, mes mo as sim, já tem co mo cer ta sua in clu são, de vi do à su bi da da Fe de ra ção Ma ra nhen se de Fu te bol no ran king na ci o nal, ul trapas san do o Rio Gran de do Nor te. A FMF, po rém, con se guiu tal pro e- za, gra ças às pon tu a ções ob ti das pe lo de sem pe nho dos clu bes, no ta da mente, o pró prio Sam paio Cor rêa, campeão da Co pa do Nor des te 2018, e fina lis ta da Sé rie B em O ran king da CBF, que ho je se rá atui a li za do, ofere ce dez va gas aos me lho res po si ci o- na dos que não ga ran ti ram va gas pe los es ta du ais, re gi o nais e Cam pe o na to Bra si lei ro. Além da Co pa do Bra sil, o Tu ba rão vai dis pu tar ain da o Cam peo na to Ma ra nhen se e a Sé rie B do Cam pe o na to Bra si lei ro. O es ta do do Ma ra nhão te rá três repre sen tan tes na Co pa do Bra sil: Im pera triz, cam peão es ta du al de 2019, e Mo to Club, vi ce-cam peão, e Sam paio, pe lo Ran king Na ci o nal de Fe de ra ções. Com a par ti ci pa ção na Co pa ga ran tida, o Tri co lor dis pu ta rá três com pe tições no pró xi mo ano, con tan do o Cam pe o na to Ma ra nhen se e a Sé rie B. O sor teio da Co pa do Bra sil 2020 ocor re rá na pró xi ma quin ta-fei ra. Os BRIGATTI E SUA COMISSÃO TÉCNICA ESTÃO PRONTOS PARA RECEBER O NOVO ELENCO ti mes vão ser dis tri buí dos em po tes, de acor do com a clas si fi ca ção no Ranking. Na pri mei ra fa se e na se gun da, as dis pu tas ocor rem em jo go úni co. Pe la clas si fi ca ção, o Sam paio de ve atu ar fo ra de ca sa na pri mei ra fa se. Na fa se se guin te, o man do de cam po é de fi ni do por meio de sor teio. Re a pre sen ta ção Nes ta se gun da-fei ra (9), os jo ga dores re cém-con tra ta dos es ta rão sen do apre sen ta dos à co mis são téc ni ca coman da da por João Bri gat ti, a par tir das 15h, no Cen tro de Trei na men to Jo sé Car los Ma ci ei ra. Al guns jo ga dores che ga ram du ran te a se ma na, mas ou tros es ta vam sen do es pe ra dos ontem. En tre as no vas con tra ta ções, estão o za guei ro Lu cão e o vo lan te Ramon, que vêm do Glo bo/rn, e o meia Wescley, que es ta va no Her cí lio Luz (SC). Os ata can tes Gus ta vo Ra mos (Re mo), Ma teus Li ma (Im pe ra triz), Isra el Ju ni or (Tu na Lu so), Lu an (Re sende) e Si val do, co nhe ci do co mo Chavei ri nho (Guarany de So bral) tam bém fo ram con fir ma dos. Ou tros no mes po de rão ser anun cia dos ho je pa ra a de fe sa e meio-campo. Fa la-se em con tra ta ções fei tas em paí ses sul-ame ri ca nos. Do gru po atu al, fo ram re no va dos os con tra tos do la te ral Ever ton, o zaguei ro Thi a go, o vo lan te Ri car do Capa ne ma, o la te ral João Vic tor e os atacan tes Ulis ses e Ma teus. O vo lan te Fer rei ra irá dis pu tar o Cam pe o na to Pa rai ba no por con ta de um acer to ante ri or, mas dei xou en ca mi nha da sua vol ta pa ra dis pu tar a Sé rie B pe lo Sampaio. Andrey (que foi em pres ta do para o CRB), Yann, Pau lo Sér gio, Eloir, Ne to e o go lei ro Moi sés, da ba se, ainda têm vín cu lo até 2020 com o clu be. RAÍ VEM SENDO CRITICADO POR CONSELHEIROS E TORCIDA O pre si den te do São Pau lo, Car los Au gus to de Bar ros e Sil va, o Le co, de fi niu no fim de se ma na que Raí per mane ce rá co mo di re tor exe cu ti vo de fu te bol pa ra a pró xima tem po ra da. Ele te rá o con tra to re no va do até o fim de O vín cu lo atu al ven ce ao tér mi no des te ano. Raí vem sen do cri ti ca do por con se lhei ros e tor ce dores por cau sa do pla ne ja men to pa ra es ta tem po ra da. A tro ca no co man do da di re to ria de fu te bol era vis ta co mo cer ta, mas Le co de ci diu man ter o di ri gen te após a conquis ta da va ga di re ta na fa se de gru pos da Co pa Li ber tado res de O apoio do elen co tam bém pe sou. Ex-jo ga dor e ído lo do São Pau lo, Raí es tá na di re to ria do clu be des de Além de le, tam bém com põem o de par ta men to o ge ren te de fu te bol Ale xan dre Pás sa ro e o di re tor ad jun to de fu te bol Fer nan do Cha pe có. Ape sar de se la da a per ma nên cia de Raí, a ideia é que o São Pau lo so fra di ver sas mu dan ças em sua es tru tu ra de ges tão. O pre si den te Le co quer o su pe rin ten den te de rela ções ins ti tu ci o nais Lu ga no mais per to do fu te bol, com par ti ci pa ção mais ati va no dia a dia. Com a de ci são de man ter Raí, o São Pau lo vai in ten sifi car o pla ne ja men to pa ra O téc ni co Fer nan do Diniz e sua co mis são per ma ne ce rão pa ra a pró xi ma tempo ra da. O trei na dor tam bém vem so fren do com crí ti cas de con se lhei ros e tor ce do res, mas te ve o tra ba lho de fendi do pe los jo ga do res. MUNDIAL Mengo cobiça mimo e gigantes ostentaram na camisa NOVO CÓDIGO Advertência para uso de maconha e cocaína JOGADOR GUERREIRO FOI PEGO NO EXAME DE DOPING O VENCEDOR DO TORNEIO TERÁ A HONRA DE ESTAMPAR NA CAMISA POR UM ANO O DISTINTIVO DE MELHOR TIME DO PLANETA. O Mun di al de Clu bes da Fi fa co loca rá em jo go, a par tir do pró xi mo dia 11, no Qa tar, um mi mo a mais do que o co bi ça do tro féu chan ce la do pe la en ti da de má xi ma do fu te bol. O vence dor do tor neio te rá a hon ra de estam par na ca mi sa por um ano o distin ti vo de me lhor ti me do pla ne ta. O em ble ma em vi gor des de 2007 dei xa rá de ser do Re al Ma drid em 21 de dezem bro. Ne nhu ma equi pe exi biu a con de co ra ção por tan to tem po quanto a es pa nho la. Quan do Fla men go, Li ver po ol (Ingla ter ra), Al-Hi lal (Ará bia Sau di ta), Es pé ran ce (Tu ní sia), Monterrey (Méxi co), Hi enghène Sport (No va Ca ledônia) ou Al-Sadd (Qa tar) er gue rem o Mun di al de Clu bes da Fi fa em 21 de de zem bro, em Doha, o Re al Ma drid te rá es tam pa do o dis tin ti vo por di as con se cu ti vos. Atu al tri cam peão, o ti me me ren gue usa o ador no des de 4 de ja nei ro de 2017 con tra o Se vil la na Co pa do Rei da Es pa nha. Du as se ma nas an tes, em 18 de de zem bro, ha via der ro ta do o Kashi ma An tlers na de ci são do Mundi al. As ou tras du as con quis tas fo ram con tra o Grê mio (2017) e o Al Ain no ano pas sa do. O rei na do che ga rá ao fim no su per clás si co do pró xi mo dia 18 con tra o Bar ce lo na. O em ble ma de cam peão mun di al foi cri a do pe la Fi fa em O Mi lan de Ka ká es tre ou o bra são de pois de su pe rar o Bo ca Ju ni ors na de ci são do tor neio. Além do clu be ita li a no, apenas Man ches ter Uni ted, Bar ce lo na, In ter na zi o na le, Bayern Mu ni que e Co rinthi ans exi bi ram a lo go. No pe río do em que usou o es cu do, o Re al Ma drid acu mu la 172 jo gos ofici ais se rão 176 no to tal. O clu be exibi rá o em ble ma por mais qua tro par tidas: Espanyol, Brug ge, Va len cia e Barce lo na. A des pe di da se rá jus ta men te no clás si co de 18 de de zem bro, no Camp Nou, con tra o mai or ri val. O time vol ta rá a cam po em 22 de de zem- bro di an te do Ath le tic Bil bao. Po rém, a es sa al tu ra, o mun do te rá um no vo cam peão. Tal vez, Fla men go ou Li verpo ol, fa vo ri tos a pro ta go nis tas da fi nal dos so nhos no Edu ca ti on City Stadium, em Al Rayyan, no Qa tar. Quem usou o bra são inau gu ra do em 2007 Mi lan: 2007 Man ches ter Uni ted: 2008 Bar ce lo na: 2009, 2011 e 2015 In ter na zi o na le: 2010 Co rinthi ans: 2012 Bayern Mu ni que: 2013 Re al Ma drid: 2014, 2016, 2017 e 2018 A Agên cia Mun di al An ti do ping (Wa da, na si gla em inglês) al te rou seu có di go dis ci pli nar. A par tir de 2021, não pu ni rá mais atle tas por uso de dro gas so ci ais, co mo maco nha e co caí na. Pa ra is so, te rá de se pro var que a uti liza ção da subs tân cia proi bi da não te ve co mo fi na li da de ob ter per for man ce. A re ve la ção foi fei ta ao Es ta do pe lo co or de na dor da Co mis são Mé di ca e de Com ba te à Dopa gem da CBF, Fer nan do So le ra. A no va con du ta mu da a for ma de pu nir e olhar atle tas pe gos no do ping do mun do in tei ro, mas só co me ça rá a va ler após os Jo gos Olím pi cos de Tó quio. A par tir de 2021, quem com pro var o uso (de ma co nha ou ca caí na) pa ra fim re cre a ti vo não re ce be rá mais pu ni ção de quatro anos, co mo acon te ce ho je. Te rá ape nas uma ad vertên cia, ex pli cou. A Wa da con fir mou a in for ma ção por meio de sua asses so ria de im pren sa. Per ce be mos que nos ca sos que um atle ta tem pro ble ma com dro ga e não es tá ten tan do se be ne fi ci ar com ga nho em per for man ce, a pri o ri da de de ve ser com a saú de do atle ta, mais im por tan te do que im por uma lon ga san ção es por ti va, es cre veu. A mu dan ça foi de fi ni da du ran te sim pó sio mun di al da en ti da de, re a li za do en tre os di as 5 e 8 de no vem bro na ci da de de Ka towi ce, na Polô nia. So le ra re pre sen tou o Bra sil e con fir mou ter as si na do o do cu men to. No en tanto, fez al gu mas res sal vas. O có di go mun di al não de pende da mi nha von ta de. Eu es tou pre o cu pa do por que a inter pre ta ção é pro ble má ti ca. Já es tá de fi ni do e to dos as sina mos o acor do. Não con cor dei em mu dar a le gis la ção, mas as si nei, dis se. O bra si lei ro sa be que a no va me di da im pac ta rá em to das as en ti da des an ti do ping e se rá neces sá ria a cri a ção de um de par ta men to es pe ci a li za do pa ra acom pa nhar o his tó ri co de re sul ta dos dos exa me.

11 10 George Raposo IMPAR CINEMA Saiba quem é quem no filme da Viúva Negra QUADRINHOS Primeira edição da Mônica é vendida por R$ 500 Filme solo da heroína da Marvel estreia no Brasil no dia 30 de abril de 2020 e conta uma história após os eventos de Guerra Civil Viú va Ne gra, a pri mei ra aventu ra so lo da he roí na vi vi da por Scar lett Johans son, apresen ta rá uma sé rie de no vos per so na gens ao uni ver so ci ne ma tográ fi co da Mar vel. En tre vi lões e mo cinhos, co nhe ça o elen co e os per so nagens do fil me que inau gu ra a fa se 4 do es tú dio: SCAR LETT JOHANS SON NA TASHA RO MA NOFF/ VIÚ VA NE GRA A atriz in ter pre ta a Na tasha Ro manoff des de Ho mem de Fer ro 2. Já seu fil me so lo se pas sa rá lo go após os even tos de Ca pi tão Amé ri ca: Guer ra Ci vil (2016), que mos trou a per so nagem dei xan do os ho lo fo tes pa ra se refu gi ar jun to com Ste ve Ro gers (Ch ris Evans). Mes mo as sim, o lon ga mostra rá par te do vas to pas sa do não explo ra do da agen te, al go que foi ape nas ci ta do até ago ra. Du ran te a San Di e go Co mic-con, Johans son afir mou que: pu de in ter pre tar Na tasha co mo uma mu lher to tal men te re a li za da, cheia de fa ce tas. DA VID HAR BOUR ALE XEI O ator co nhe ci do por Stran ger Things e Hellboy es tá con fir ma do no elen co, no pa pel de Ale xei Shos ta kov, per so na gem mais co nhe ci do co mo Guar dião Ver me lho, o Ca pi tão Améri ca rus so. Nos qua dri nhos, o Guar dião Verme lho foi in tro du zi do em Os Vin gado res #43, lan ça da em Ale xi Alano vi ch Shos ta kov era um dos pi lo tos mais ha bi li do sos da União So vié ti ca, DIVULGAÇÃO / MARVEL SCARLETT JOHANSON INTERPRETA A NATASHA ROMANOFF DESDE HOMEM DE FERRO 2. ten do si do trei na do por Vasily Kar pov e uti li za do pe lo go ver no nas mis sões mais se cre tas e pe ri go sas do país. Seu su ces so era pro pa gan de a do pe la mídia, o que o le vou a ser con de co ra do co mo He rói da União So vié ti ca. Na vi da pes so al, Shos ta kov era casa do com Na tasha Ro ma noff e vi via uma vi da fe liz até que a KGB per ce beu que o ca sal ti nha po ten ci al pa ra ser vir co mo agen tes es pe ci ais. Com is so, Ale xi foi proi bi do de ter con ta to com sua es po sa ou fa mi li a res e Na tasha foi in for ma da que seu ma ri do ha via mor- ri do em uma mis são, o que a le vou a se alis tar na KGB pa ra hon rar a memó ria de Ale xi. As ações de Na tasha eram exa ta men te a in ten ção da agência, que se pôs a trei nar a per so na gem pa ra se tor nar a Viú va Ne gra. No trai ler, Ale xi é apre sen ta do como o pai zão da fa mí lia for ma da por ele, Na tasha, Me li na (Ra chel Weisz) e Yelena (Flo ren ce Pugh). Apo sen ta do do pa pel co mo Guar dião Ver me lho, Ale xi vol ta a ves tir o uni for me quan do Na tasha re tor na e é obri ga da a pe dir a aju da de seus an ti gos com pa nhei ros. Rachel Weisz faz o papel da Dama de Ferro REPRODUÇÃO / MARVEL EDIÇÃO PODE SER VENDIDA POR PREÇO BAIXO NA NET Quem ex plo ra a CCXP 2019 po de en con trar um es tande pe que no, es con di do em uma das la te rais, cha ma do R & R Co le ci o ná veis. Den tro de le, na lo ja Co mic Hun ter, uma ra ri da de: um exem plar ori gi nal da pri mei ra edi ção dos qua dri nhos da Tur ma da Mô ni ca. A ra ri da de, da ta da de 1970, é ven di da por R$ 500 na fei ra. Ape sar de ser en con tra da por pre ços mais al tos na web, o do no da lo ja, Cel so Frei xo, ex pli ca que o es ta do do gi bi de ter mi nou seu va lor de re ven da. Eu com prei um lo te há cer ca de três me ses, e es sa HQ es ta va no meio. Era o pra to prin ci pal. O es ta do de la não es tá mui to bom, por is so o va lor, afir ma. Es sa é o ter cei ro exem plar ori gi nal que eu ti ve em mãos. Nun ca vi em es ta do mui to me lhor, en tão elas no má xi mo che gam a R$ 1.000, com ple men ta. Ele tam bém con ta que, ape sar de não ter si do ven dida, a edi ção é um dos itens que vem atrain do o in te res se do pú bli co que vi si ta o es tan de, até por es tar em um lugar de des ta que. To do mun do pe ga, olha, por que não é uma re e di ção, é a ori gi nal de Tal vez se ja a mais ra ra, mas não é a mais ca ra, con clui Frei xo. SÉRIE The Witcher deixa boa primeira impressão DIVULGAÇÃO ASSIM COMO A VIÚVA NEGRA, A DAMA DE FERRO DAS HQS ERA, ORIGINALMENTE, UMA AGENTE A SERVIÇO DO GOVERNO RUSSO Ra chel Weisz foi con fir ma da no lon ga no pa pel da per so na gem Me lina, uma as sas si na e es piã bas tan te efi caz. Tal no me su ge re que a atriz pode in ter pre tar a Da ma de Fer ro, Me lina Vos to koff. As sim co mo a Viú va Negra, a Da ma de Fer ro das HQs era, origi nal men te, uma agen te a ser vi ço do go ver no rus so. Em bo ra fi zes sem par te do mes mo ti me, ela e Na tasha nun ca se de ram mui to bem. Ao lon go dos anos, Me li na de sen vol veu um ódio pe la co le ga de es pi o na gem. Lo go, quan do even tu al men te aban do nou o ser vi ço rus so e se tor nou uma as sas sina de alu guel, não foi um pro ble ma ser con tra ta da pa ra dar fim à vi da de Na tasha. Ha bi li do sa no com ba te corpo a cor po, além de ser uma no tá vel es piã, Me li na che gou per to de cumprir sua mis são, mas a S.H.I.E.L.D. apa re ceu em um mo men to cru ci al, obri gan do a sua fu ga. Pe lo trai ler, fi ca su ben ten di do que Me li na e Na tasha têm uma re la ção mais ami gá vel, tal vez até fa mi li ar, já que am bas di vi dem a me sa com Ale xi e Yelena em pre pa ra ção pa ra en frentar um ini mi go em co mum, o Trei na- dor. FLO REN CE PUGH YELENA O pa pel da atriz de Figh ting with My Family foi con fir ma do co mo Yelena. É pos sí vel que se tra te de Yelena Be lo va, per so na gem dos quadri nhos da Mar vel que, co mo a Viú va Ne gra, é es piã e as sas si na. Ori gi nal men te, ela foi apre sen ta da co mo uma ad ver sá ria da Na tasha, mas even tu al men te se tor nou uma ali da e até as su miu o tí tu lo de Viú va Ne gra. Na San Di e go Co mic-con, a per so na gem foi des cri ta co mo uma irmã pa ra Na tasha. Con si de ran do sua pre sen ça na reunião com Me li na, Ale xi e a Viú va Negra (gru po que o Guar dião Ver me lho cha ma de fa mí lia ), sua re la ção com a he roí na de ve ser bem pró xi ma, se ja ou não de san gue. O-T FAG BEN LE MA SON Co nhe ci do por seu pa pel em The Hand maid s Ta le, O-T Fag ben le es tá con fir ma do no pa pel de Ma son. O per so na gem é uma es pé cie de re pa rador pa ra os es piões. Quan do um agen te pre ci sa de aju da, ele que faz as coi sas acon te ce rem, ex pli cou o ator. Po rém, Ma son é tam bém um in te resse amo ro so de Na tasha.? TREI NA DOR Ain da não foi con fir ma do quem fará o pa pel do Trei na dor, vi lão prin cipal do fil me. Du ran te a San Di e go Comic-Con foi di vul ga da ape nas a imagem aci ma, que mos tra a Viú va lu tando con tra o per so na gem. Im por tan te an ta go nis ta dos quadri nhos, a pri mei ra apa ri ção do Treina dor na Mar vel acon te ceu na edi ção 195 de Os Vin ga do res, em A gran de ha bi li da de de le é sua me mó ria mus cu lar, ou se ja, ape nas ob ser van do ele é ca paz de apren der o es ti lo de lu ta de al guém. Por is so, é um há bil es pada chim, atle ta, ati ra dor e lu ta dor. No trai ler, o vi lão é vis to per se guindo Yelena e Na tasha e en fren tan do o Guar dião Ver me lho. O que a pré via não de fi niu, no en tan to, é se o Trei nador es tá se guin do or dens de um ou tro vi lão ou se ele se rá re al men te o pronci pal an ta go nis ta do fil me. HENRY CAVILL É O PROTAGONISTA DA SÉRIE NO NETFLIX A es treia de The Wit cher es tá ca da dia mais pró xi ma, e os fãs têm ain da mais mo ti vos pa ra es ta rem an si o sos. Al guns fãs e jor na lis tas que as sis ti ram a epi só di os do seri a do es tre la do por Henry Ca vill, que che ga à Net flix no dia 20 de de zem bro, de ram su as pri mei ras im pres sões, com pa ran do a sé rie fa vo ra vel men te a Ga me of Th ro nes, fenô me no da HBO que se en cer rou nes te ano. As ce nas de lu ta em The Wit cher fa zem as de Ga me of Th ro nes pa re ce rem com dois bê ba dos bri gan do do la do de fo ra de um bar, dis pa rou um in ter nau ta. As lu tas em The Wit cher fa zem as de Ga me of Th ro nes pa re ce rem hor rí veis, dis se ou tro. A es tru tu ra do ro tei ro tam bém me re ceu elo gi os. Eu ad mi to, co mo um gran de fã dos li vros, eu es ta va um pou co pre o cu pa do, mas Lau ren S. His s ri ch fez um traba lho pri mo ro so em con tar a his tó ria, afir mou um espec ta dor, se re fe rin do à sho wrun ner do se ri a do. E o elen co tam bém foi ou tro des ta que, em es pe ci al o de sem pe nho de Henry Ca vill no pa pel do pro ta go nis ta Ge ralt de Ri via. As per for man ces que mais cha ma ram a aten ção em The Wit cher até ago ra são Henry Ca vill como Ge ralt, Anya Cha lo tra co mo Yennefer, e Joey Batey co mo Jas ki er, dis se mais um fã. The Wit cher é ba se a da na sé rie de li vros po lo ne sa homô ni ma es cri ta por An dr zej Sap kows ki, que vi rou um fenô me no do mun do dos ga mes ao ser adap ta da pe la com pa nhia CD Pro jekt Red.

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Li ga de Ami gos do Ce bi

Li ga de Ami gos do Ce bi Es ta tu tos Li ga de Ami gos do Ce bi Ca pí tu lo I Da de no mi na ção, na tu re za e fins Art. 1º 1 - A LI GA DE AMI GOS DO CE BI, do ra van te de sig na da por LAC, é uma As so cia ção de di rei to

Leia mais

MUDANÇA ELEITORAL EM PORTUGAL

MUDANÇA ELEITORAL EM PORTUGAL RECENSÕES MUDANÇA ELEITORAL EM PORTUGAL Clivagens, economia e voto em eleições legislativas 1983-1999 [André Fre i re (2001), Oe i ras, Cel ta Edi to ra, ISBN 972-774-106-1] António Teixeira Fernandes

Leia mais

O CASO DE FOZ COA: UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE SOCIOPOLÍTICA [Ma ria Edu ar da Gon çal ves (org.), Lis boa, Edi ções 70, 2001]

O CASO DE FOZ COA: UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE SOCIOPOLÍTICA [Ma ria Edu ar da Gon çal ves (org.), Lis boa, Edi ções 70, 2001] RECENSÃO O CASO DE FOZ COA: UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE SOCIOPOLÍTICA [Ma ria Edu ar da Gon çal ves (org.), Lis boa, Edi ções 70, 2001] Maria de Lourdes Lima dos Santos Nes te es tu do, o caso de Foz Coa

Leia mais

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO)

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) Paulo Afonso Sandri * Con vém sa li en tar, em prin cí pio, a di fe ren ça

Leia mais

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP Serigrafados Bisotados Temperados Laminados Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) 2827-2100 Rua Pa dre Car va lho, 348 Pi nhei ros - São Pau lo - SP (11) 2142-8588 Rua Pa dre

Leia mais

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR NOME: N. o : 7. o ANO DATA: / /201 FOLHETO DE MATEMÁTICA (V.C. E R.V.) Este fo lhe to é um ro te i ro de es tu do para você re cu pe rar o con te ú do tra ba lha do em 201. Como

Leia mais

CRIMES AMBIENTAIS: SURSIS PROCESSUAL, PENAS ALTERNATIVAS E DOSIMETRIA

CRIMES AMBIENTAIS: SURSIS PROCESSUAL, PENAS ALTERNATIVAS E DOSIMETRIA CRIMES AMBIENTAIS: SURSIS PROCESSUAL, PENAS ALTERNATIVAS E DOSIMETRIA * I INTRODUÇÃO. II SURSIS PROCESSUAL. III PENAS ALTERNATIVAS. IV ESCOLHA E APLICAÇÃO DE PENAS (do si me tria). V CONCLUSÃO. I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A

Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A Os negócios do Zé do Picolé Capítulo 1 Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A fi na li da de deste ca pí tu lo é mos trar a vo cê como se cal cu la o pre ço de ven

Leia mais

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão REGISTO IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão Fernando Luís Machado Introdução As ques tões so ci a is, cul tu ra is e po lí ti cas que a imi gra ção la bo

Leia mais

A prática do silêncio

A prática do silêncio PNV 291 A prática do silêncio Carlos Mesters São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560

Leia mais

Advento, Natal, Ano-Novo

Advento, Natal, Ano-Novo PNV 288 Advento, Natal, Ano-Novo tradições e lembranças Edmilson Schinelo Isolde Dreher (Orgs.) São Leopoldo/RS 2011 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus Q.01 GEOGRAFIA O conflito envolvendo Geórgia e Rússia, aprofundado em 2008, foi marcado por ampla repercussão in ter na - ci o nal. Ou tros con fli tos, en vol ven do pa í ses da ex-união So vié ti ca,

Leia mais

Medley Forró 4 Tenho Sede Dominguinhos e Anastácia

Medley Forró 4 Tenho Sede Dominguinhos e Anastácia TENOR Medley Forró 4 Tenho Sede Dominguinhos e Anastácia q # = 0 # # 4 # c. # n 8. iá. Lá lá lá iá lá iá lá lá iá lá iá lá iá lá iá... A iá Tra -ga me'um co - po dá - gua gan ta pe de'um pou te - nho -

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

ARTIGOS DO DOSSIÊ: FAMÍLIAS NO CENSO 2001 Karin Wall (org.)

ARTIGOS DO DOSSIÊ: FAMÍLIAS NO CENSO 2001 Karin Wall (org.) ARTIGOS DO DOSSIÊ: FAMÍLIAS NO CENSO 2001 Karin Wall (org.) FAMÍLIAS NO CENSO 2001 Estruturas domésticas em Portugal Karin Wall É difícil pensar na família, e nos movimentos de transformação que a atravessam,

Leia mais

nelson de oliveira ódio sustenido

nelson de oliveira ódio sustenido ódio sustenido sai da chu va, josé! Ah, José, que é que vo cê faz aí parado? Sai da chu va, José! Larga es sa tai nha e cor re pra varanda. Ah, José, a vi da não é só ga nhar ou per der. Você sa be dis

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

A CONCESSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO AOS MAGISTRADOS

A CONCESSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO AOS MAGISTRADOS Jurisprudência Catarinense Volume - 91 21 A CONCESSÃO DE LICENÇA-PRÊMIO AOS MAGISTRADOS Fábio Nilo Bagattoli Ju iz de Direito Subs ti tu to do TJSC Su má rio: 1. Con si de ra ções ini ci a is. 2. Dos pe

Leia mais

DA AÇÃO ACIDENTÁRIA 1 NOTAS INTRODUTÓRIAS A RESPEITO DA EVOLUÇÃO INFORTUNÍSTICA DO TRABALHO NO BRASIL

DA AÇÃO ACIDENTÁRIA 1 NOTAS INTRODUTÓRIAS A RESPEITO DA EVOLUÇÃO INFORTUNÍSTICA DO TRABALHO NO BRASIL Jurisprudência Catarinense Volume - 81/82 33 DA AÇÃO ACIDENTÁRIA Juiz de Direito SUMÁRIO: 1. No tas in tro du tó ri as a res pe i to da evo lu ção in for - tu nís ti ca do tra ba lho no Bra sil. 2. Par

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A EVOLUÇÃO DA EUROPA SOCIAL

UM OLHAR SOBRE A EVOLUÇÃO DA EUROPA SOCIAL UM OLHAR SOBRE A EVOLUÇÃO DA EUROPA SOCIAL Ma nu el Car va lho da Sil va Re su mo No con tex to ac tu al de glo ba li za ção e de evo lu ção do pro ces so de in te gra ção eco nó mi ca e fi nan ce i ra

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre

PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre Alfredo Alejandro Gugliano Nes te ar ti go apre sen to uma aná li se com pa ra da de

Leia mais

PLANOS DE ACÇÃO PARA A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Mudança tecnológica e ajustamento estrutural

PLANOS DE ACÇÃO PARA A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Mudança tecnológica e ajustamento estrutural PLANOS DE ACÇÃO PARA A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Mudança tecnológica e ajustamento estrutural Nuno de Almeida Alves Introdução O pro ces so de mu dan ça es tru tu ral das so ci e da des

Leia mais

A LEI N /98 OS CRIMES HEDIONDOS E DE TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES

A LEI N /98 OS CRIMES HEDIONDOS E DE TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES A LEI N. 9.714/98 OS CRIMES HEDIONDOS E DE TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES * Com o ad ven to da Lei n. 9.714/98, am pli an do as es pé ci es e pos si - bi li da des de san ções subs ti tu ti vas pre vis

Leia mais

CONTROLO E IDENTIDADE: A NÃO CONFORMIDADE DURANTE A ADOLESCÊNCIA

CONTROLO E IDENTIDADE: A NÃO CONFORMIDADE DURANTE A ADOLESCÊNCIA CONTROLO E IDENTIDADE: A NÃO CONFORMIDADE DURANTE A ADOLESCÊNCIA Pedro Moura Ferreira Resumo A análise sociológica sobre o desvio dos jovens tem sido desenvolvida em torno de dois modelos: o do controlo

Leia mais

O que é que o ree lei to tem? O re tor no: o es bo ço de uma teo ria da ree lei ção no Bra sil

O que é que o ree lei to tem? O re tor no: o es bo ço de uma teo ria da ree lei ção no Bra sil Revista de Economia Política, vol. 27, nº 4 (108), pp. 664-683 outubro-dezembro/2007 O que é que o ree lei to tem? O re tor no: o es bo ço de uma teo ria da ree lei ção no Bra sil CAR LOS PE REI RA E LU

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

DEONTOLOGIA JURÍDICA E MEIO AMBIENTE*

DEONTOLOGIA JURÍDICA E MEIO AMBIENTE* DEONTOLOGIA JURÍDICA E MEIO AMBIENTE* ** SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO: Uma vi são pa no râ mi ca. II. UM TEMA ÉTICO-DEONTOLÓGICO. a) Éti ca e meio am bi en te. b) Éti ca de con tor no am bi en tal. c) Uma éti

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/ FGV MATEMÁTICA APLICADA DEZEMBRO/2009 01. Uma pes qui sa fe i ta em 46 pa í ses e pu bli ca da pela re vis ta The Eco no mist mos tra que, se trans for ma mos a mo e da de cada país para dó lar e cal cu

Leia mais

Recasamento, divórcio, casamento. O re ca sa men to é o tri un fo da es pe ran ça atra vés da ex pe riên cia (Sa mu el John son, séc.

Recasamento, divórcio, casamento. O re ca sa men to é o tri un fo da es pe ran ça atra vés da ex pe riên cia (Sa mu el John son, séc. O RECASAMENTO EM PORTUGAL Cristina Lobo e Cristina Palma Conceição Resumo Identificar tendências do fenómeno do recasamento em Portugal, nas duas últimas décadas, constitui o objectivo principal deste

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

patrícia reis amor em segunda mão

patrícia reis amor em segunda mão amor em segunda mão 1. júlia No box ao la do, mes mo no mu ro de ci men to estra ga do, jun to ao bo cal da água, o ga to cinzento, preto e ama re lo sem no me, dor me com o sos se go de um raio de sol.

Leia mais

METODOLOGIAS DE PESQUISA EMPÍRICA COM CRIANÇAS

METODOLOGIAS DE PESQUISA EMPÍRICA COM CRIANÇAS METODOLOGIAS DE PESQUISA EMPÍRICA COM CRIANÇAS Sílvia Sara Sousa Saramago Resumo Neste texto apresentam-se as principais técnicas de pesquisa empírica com crianças, que têm vindo a ser desenvolvidas no

Leia mais

po ra li da de, que ge ne ra li za a afir ma ção fei ta como que de pas - sa gem, du ran te a lei tu ra do tex to agos ti nia no, de que nun ca

po ra li da de, que ge ne ra li za a afir ma ção fei ta como que de pas - sa gem, du ran te a lei tu ra do tex to agos ti nia no, de que nun ca Tempo01-Vol.3:Tempo01/Vol.3 29/04/11 15:00 Page 3 A quar ta par te de Tem po e nar ra ti va visa ex pli ci tar da for - ma mais com ple ta pos sí vel a hi pó te se que go ver na nos sa in - ves ti ga ção,

Leia mais

Terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Terça-feira, 28 de fevereiro de 2012 29 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO A Icatu Se gu ros S/A apre sen tou lu cro lí qui do de R$ 103 mi lhões no exer cí cio, su pe ri or ao di vul ga do no exer cí cio an te ri or em 30%. A per for man ce po si

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Souza, Rosa Fátima de Tempos de infância, tempos de escola: a ordenação do tempo escolar no ensino público paulista (1892-1933)

Leia mais

/ /2015 FOLHETO DE GEOGRAFIA (V.C. E R.V.)

/ /2015 FOLHETO DE GEOGRAFIA (V.C. E R.V.) COLÉGIO OBJETIVO NOME: N. o : DATA: / /2015 FOLHETO DE GEOGRAFIA (V.C. E R.V.) 7. o ANO Caro alu no, este folheto destina-se a orientá-lo em seus es tu dos ge o grá fi cos, des ta can do pon tos im por

Leia mais

O GOVERNO DO JUDICIÁRIO EM SANTA CATARINA A Inter ven to ria Lu iz Gal lot ti

O GOVERNO DO JUDICIÁRIO EM SANTA CATARINA A Inter ven to ria Lu iz Gal lot ti 26 Volume - 96 Jurisprudência Catarinense O GOVERNO DO JUDICIÁRIO EM SANTA CATARINA A Inter ven to ria Lu iz Gal lot ti Desembargador aposentado Ex-Presidente do TJSC e membro do IHGSC Com a de po si ção

Leia mais

Rio 40 Graus Fernanda Abreu/F.Fawcett/Laufer Û Û Û Û Û Û Û Û Û

Rio 40 Graus Fernanda Abreu/F.Fawcett/Laufer Û Û Û Û Û Û Û Û Û CONTALTO c 4 io 40 Graus Fernanda Abreu/F.Fawcett/Laufer Arrano: Edu Morelenbaum 7 10 12 15 17 20 2 24 25 26 27 i-o qua-ren-tagraus graus vi-lha pur-ga-tó-rio da be-le-za_edocaos i-o qua-ren - ta graus

Leia mais

œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ αœ œ œ œ œ œ œ œ Υ Β œ œ œ œ αœ

œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ αœ œ œ œ œ œ œ œ Υ Β œ œ œ œ αœ ANEXO 12 - TRANSCRIÇÃO DO OFÍCIO «FESTA DE STA. MAFALDA V.» P-AR Res. Ms. 017 Ad Vésperas -Antífona - Modo VII - fl. 003r Copista: Fr. Rodrigues das Dores Transcrição: Cátia Silva Al - le - lú - ia, al

Leia mais

A REDEFINIÇÃO DO PAPEL DO ESTADO E AS POLÍTICAS EDUCATIVAS Elementos para pensar a transição

A REDEFINIÇÃO DO PAPEL DO ESTADO E AS POLÍTICAS EDUCATIVAS Elementos para pensar a transição A REDEFINIÇÃO DO PAPEL DO ESTADO E AS POLÍTICAS EDUCATIVAS Elementos para pensar a transição Almerindo Janela Afonso Resumo Seguindo sobretudo alguns dos termos de referência do debate em contexto europeu,

Leia mais

MODERNIDADES MÚLTIPLAS. S. N. Eisenstadt

MODERNIDADES MÚLTIPLAS. S. N. Eisenstadt MODERNIDADES MÚLTIPLAS S. N. Eisenstadt Resumo A ideia de modernidades múltiplas pressupõe que a melhor forma de compreender o mundo contemporâneo e de explicar a história da modernidade é concebê-lo como

Leia mais

Nova lei do Plano Diretor contém importante contribuição do SICMA

Nova lei do Plano Diretor contém importante contribuição do SICMA BO LE TIM SIC MA IN FOR MA TI VO DO SIN DI CA TO DAS IN DÚS TRI AS DA CONS TRU ÇÃO E DO MO BI LIÁ RIO DE ANÁ PO LIS Ano 13 12 Edi Nº ção 44 Es Ou pe tu ci bro al / Ju De lho zem de bro 2016 de 2015 EDI

Leia mais

As vicissitudes da formação do cen te em ser vi ço: a pro pos ta re fle xi va em de ba te

As vicissitudes da formação do cen te em ser vi ço: a pro pos ta re fle xi va em de ba te As vicissitudes da formação do cen te em ser vi ço: a pro pos ta re fle xi va em de ba te Ju lio Groppa Aquino Mônica Cristina Mus si Uni ver si da de de São Pa u lo Re su mo Este ar ti go tem por ob je

Leia mais

A SERVICIALIZAÇÃO DO TRABALHO Perspectivas e tendências. Paulo Pereira de Almeida

A SERVICIALIZAÇÃO DO TRABALHO Perspectivas e tendências. Paulo Pereira de Almeida A SERVICIALIZAÇÃO DO TRABALHO Perspectivas e tendências Paulo Pereira de Almeida Se nos fo ca li zar mos no tra ba lho en quan to ac ti vi da de pro du ti va (ou seja, de i xan do por ora de lado ou tras

Leia mais

AUTOMEDICAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES SOCIOLÓGICAS

AUTOMEDICAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES SOCIOLÓGICAS AUTOMEDICAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES SOCIOLÓGICAS Noémia Mendes Lopes Resumo Com base num projecto de investigação em curso, apresentam-se neste artigo algumas reflexões sociológicas sobre a automedicação,

Leia mais

VINHO: PRÁTICAS, ELOGIOS, CULTOS E REPRESENTAÇÕES EM QUESTÃO NA SOCIEDADE PORTUGUESA

VINHO: PRÁTICAS, ELOGIOS, CULTOS E REPRESENTAÇÕES EM QUESTÃO NA SOCIEDADE PORTUGUESA ARTIGOS VINHO: PRÁTICAS, ELOGIOS, CULTOS E REPRESENTAÇÕES EM QUESTÃO NA SOCIEDADE PORTUGUESA Dul ce Ma ria da Gra ça Ma ga lhães Re su mo A so ci e da de por tu gue sa em ge ral tem vin do a ser pal co

Leia mais

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito LIBERDADES CONDICIONAIS O conceito de papel sexual revisitado João Manuel de Oliveira e Lígia Amâncio Resumo O objectivo deste artigo é o de propor um modelo de análise psicossociológica das relações sociais

Leia mais

Identidade, movimento associativo, redes de sociabilidade.

Identidade, movimento associativo, redes de sociabilidade. IDENTIDADES EM REDE Construção identitária e movimento associativo Inês Pereira Resumo O presente artigo debruça-se sobre o processo de construção identitária, sendo a identidade aqui concebida como algo

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da Unicamp 010 ª fase - Matemática 13.01.010 UNIAMP 010 - MATEMÁTIA 1. Uma confeitaria produz dois tipos de bo los de fes ta. ada quilograma do bolo do tipo A consome 0, kg de açúcar e 0, kg de farinha.

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação

A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação Chiara Saraceno Preâmbulo No de cur so dos anos de 1980 e 1990 a ques tão da igual da de en tre os

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Ribeiro Masagão, Vera Questões em torno da construção de indicadores de analfabetismo e letramento Educação e Pesquisa,

Leia mais

CLIVAGENS, CONJUNTURA ECONÓMICA E COMPORTAMENTO ELEITORAL EM PORTUGAL Uma análise das legislativas de 1995 com dados agregados

CLIVAGENS, CONJUNTURA ECONÓMICA E COMPORTAMENTO ELEITORAL EM PORTUGAL Uma análise das legislativas de 1995 com dados agregados CLIVAGENS, CONJUNTURA ECONÓMICA E COMPORTAMENTO ELEITORAL EM PORTUGAL Uma análise das legislativas de 1995 com dados agregados André Freire Re su mo Este ar ti go ana li sa o im pac te das es tru tu ras

Leia mais

IDENTIDADES JUVENIS E DINÂMICAS DE ESCOLARIDADE

IDENTIDADES JUVENIS E DINÂMICAS DE ESCOLARIDADE IDENTIDADES JUVENIS E DINÂMICAS DE ESCOLARIDADE Pedro Abrantes Resumo Muitas vezes pensadas como temas independentes, as identidades juvenis e as dinâmicas de escolaridade desenvolvem-se em profunda articulação

Leia mais

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade;

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade; VALOR E DISTRIBUIÇÃO: DA TEORIA À NORMA Mariano F. Enguita Resumo Abordar a problemática da desigualdade ou, mais precisamente, da justiça económica, requer partir de um critério distributivo contra o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

O INÍCIO DE UMA NOVA ERA

O INÍCIO DE UMA NOVA ERA O INÍCIO DE UMA NOVA ERA O principal indicador de sucesso das negociações em Copenhague é um resultado que garanta à atmosfera terrestre experimentar uma redução das emissões de gases de efeito estufa

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Mussi, Mônica Cristina; Aquino Groppa, Julio As vicissitudes da formação docente em serviço: a proposta reflexiva em debate

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano

Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano Informativo mensal da PUC Minas em Betim nº 82 Novembro de 2007 Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano A PUC Mi nas co me mo rou, em outubro, um ano de cri a ção da Pas to ral na Uni ver si da

Leia mais

A Situação Bra si le i ra do Aten di men to Pe da gó gi co-educacional Hospitalar

A Situação Bra si le i ra do Aten di men to Pe da gó gi co-educacional Hospitalar A Situação Bra si le i ra do Aten di men to Pe da gó gi co-educacional Hospitalar Ene i da Simões da Fonseca Universidade do Estado do Rio de Janeiro Resumo A le gis la ção bra si le i ra re co nhe ce

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Casar ou Não, Eis a Questão. Os Casais e as Mães Solteiras Escravas no Litoral Sul-Fluminense,

Casar ou Não, Eis a Questão. Os Casais e as Mães Solteiras Escravas no Litoral Sul-Fluminense, Casar ou Não, Eis a Questão. Os Casais e as Mães Solteiras Escravas no Litoral Sul-Fluminense, 1830-1881 Márcia Cristina de Vasconcellos Resumo O pre sen te ar ti go ana li sa os re gis tros pa ro qui

Leia mais

edificações vias públicas leis e normas

edificações vias públicas leis e normas mobilidade acessível na cidade de são paulo edificações vias públicas leis e normas ACESSIBILIDADE prefeitura da cidade de são paulo secretaria municipal da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Pedro Roberto Jacobi Uni ver si da de de São Pa u lo Resumo Este ar ti go apre sen ta uma re fle xão so bre edu ca ção e as pos si bi - li da des

Leia mais

Cul tu ra e For ma ção Hu ma na no Pensamento de Anto nio Gramsci

Cul tu ra e For ma ção Hu ma na no Pensamento de Anto nio Gramsci Cul tu ra e For ma ção Hu ma na no Pensamento de Anto nio Gramsci Carlos Edu ar do Vieira Universidade Federal do Paraná Resumo To man do por base a hi pó te se de que no âm bi to do pen sa men to grams

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE

AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE Jurisprudência Catarinense Volume - 83/84 3 AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE Juiz de Direito em Criciúma, Santa Catarina É ine gá vel que o Di re i to

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

O mi la gre ir lan dês co mo exem plo da ado ção de uma es tra té gia na cio nal de de sen vol vi men to

O mi la gre ir lan dês co mo exem plo da ado ção de uma es tra té gia na cio nal de de sen vol vi men to Revista de Economia Política, vol. 27, nº 4 (108), pp. 546-566, outubro-dezembro/2007 O mi la gre ir lan dês co mo exem plo da ado ção de uma es tra té gia na cio nal de de sen vol vi men to ALE XAN DRA

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus Q.01 BIOLOGIA O gráfico mostra os níveis de glicose medidos no sangue de duas pessoas, sendo uma saudável e outra com di a be tes melito, imediatamente após uma refeição e nas cinco horas seguintes. a)

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DOS SALÁRIOS EM PORTUGAL:

A DISTRIBUIÇÃO DOS SALÁRIOS EM PORTUGAL: A DISTRIBUIÇÃO DOS SALÁRIOS EM PORTUGAL: 1982-1994* José A. F. Ma cha do*** José Mata** 1. INTRODUÇÃO Du ran te a úl ti ma dé ca da, Por tu gal de vo tou uma quan ti da de si gni fi ca ti va de re cur

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

OS FUNDAMENTOS DA BIOÉTICA E O DIREITO *

OS FUNDAMENTOS DA BIOÉTICA E O DIREITO * OS FUNDAMENTOS DA BIOÉTICA E O DIREITO * Volnei lvo Carlin ** SUMÁRIO: Intro du ção. De li mi ta ção do tema. Prin cí pi os fun da - men ta is da Bioé ti ca (di re i tos fun da men ta is da Bioé ti ca,

Leia mais

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal Vera Borges Resumo Neste artigo apresentam-se algumas pistas de análise para o estudo das trajectórias individuais da carreira

Leia mais

I, 1 Por di ver sos meios a idên ti co fim se che ga 1

I, 1 Por di ver sos meios a idên ti co fim se che ga 1 I, 1 Por di ver sos meios a idên ti co fim se che ga 1 (a) A ma nei ra mais co mum de apla car os âni mos dos que ofende mos, quan do eles nos têm à mer cê da sua vin gan ça, é (c), pe la sub mis são,

Leia mais

A História de Alda : ensino, classe, raça e gê ne ro

A História de Alda : ensino, classe, raça e gê ne ro A História de Alda : ensino, classe, raça e gê ne ro Ma rí lia Pinto de Car va lho Universidade de São Pau lo Resumo Este ar ti go ana li sa a tra je tó ria de vida e a prá ti ca pe da gó gi ca de uma

Leia mais

O re gis tro fi lo ge né ti co da po pu la ção bra si le i ra au to clas si fi ca da como bran ca do Su des te

O re gis tro fi lo ge né ti co da po pu la ção bra si le i ra au to clas si fi ca da como bran ca do Su des te A abordagem interdisciplinar no estudo do Homo brasilis: a genética em acordo e desacordo com a história The in ter dis ci plin ary ap proach in the study of Homo brasilis: ge net ics in agree ment and

Leia mais

Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó

Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó José Maurício Andion Arruti Resumo Este ar ti go toma como pon to de par ti da, a emer

Leia mais

Com muito carinho para minha querida amiga e super profissional. Ale Del Vecchio

Com muito carinho para minha querida amiga e super profissional. Ale Del Vecchio Com muito carinho para minha querida amiga e super profissional. BA BE BI BO BU BÃO ba be bi bo bu bão BA ba boi BE be bebê BI bi Bia BO bo boi BU bu buá Nome: BA BE BI BO BU BÃO ba be bi bo bu bão BA

Leia mais

Esco la, de mo cra cia e a cons tru ção de personalidades mo ra is

Esco la, de mo cra cia e a cons tru ção de personalidades mo ra is Esco la, de mo cra cia e a cons tru ção de personalidades mo ra is Ulis ses F. Ara ú jo Uni ver si da de Esta du al de Cam pi nas Resumo Este ar ti go pro põe-se a dis cu tir as re la ções en tre mo ra

Leia mais

Cotidiano Redescoberto. Alunos desvendam a História no Bairro Prosperidade

Cotidiano Redescoberto. Alunos desvendam a História no Bairro Prosperidade Cotidiano Redescoberto Alunos desvendam a História no Bairro Prosperidade Avenida Goiás, 600 - Centro São Caetano do Sul (SP) CEP 09521-300 Telefones: 441-9008 - 441-7420 www.mp.usp.br/fpm Este livro integra

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais