A INFLUÊNCIA DO ESTRESSE NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO ESTRESSE NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO INTEGRATIVA"

Transcrição

1 A INFLUÊNCIA DO ESTRESSE NO COMPORTAMENTO ALIMENTAR EM PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Gabriele Mayer ¹ Andressa Zagrobelny ² Liz Elaine Sowek ³ Vanessa Tizott Kanut Scremin 4 RESUMO - A presente revisão integrativa visa abordar os principais trabalhos com as temáticas envolvendo o estresse e o comportamento alimentar, bem como a influência das emoções no mesmo. Para tal, foi realizado um levantamento bibliográfico com a seguinte pergunta norteadora: qual o impacto do estresse no comportamento alimentar em profissionais da área da enfermagem?, resultando em 33 artigos selecionados com os critérios: data, idioma, base de dados e descritores: estresse OU estresse ocupacional OU emoções E comportamento alimentar E enfermagem OU enfermeiros. A alta carga de estresse ocupacional afeta de forma direta no comportamento alimentar, podendo acarretar diversos transtornos alimentares como bulimia, anorexia, e mais precisamente a compulsão alimentar, fazendo com que trabalhadores comecem a consumir alimentos energéticos, ricos em açúcar e gordura. As carreiras na área da saúde estão entre as que mais sofrem com a tensão no ambiente de trabalho, o qual apresenta grande tensão emocional, desgaste físico e psíquico que podem contribuir para o surgimento do estresse. Os resultados encontrados mostram que as emoções, qualidade do sono, trabalho por turnos, falta de infraestrutura e motivação têm grande influência no estado de estresse e, consequentemente no comportamento alimentar. PALAVRAS-CHAVE: ESTRESSE OCUPACIONAL; TRABALHO POR TURNOS; COMPORTAMENTO ALIMENTAR; EMOÇÕES. THE INFLUENCE OF STRESS ON EATING BEHAVIOUR IN NURSING PROFESSIONALS: AN INTEGRATIVE REVIEW ABSTRACT: This integrative review aims to address the main papers with the topics involving stress and eating behaviour, as well as the influence of emotions on it. For this purpose, a bibliographic survey was conducted with the following guiding question: "what is the impact of stress on eating behavior in nursing professionals?", resulting in 33 articles selected with the criteria: date, language, database and descriptors: stress OR occupational stress OR emotions AND eating behavior OR nurses. The high level of occupational stress directly affects eating behavior and can cause several eating disorders such as bulimia, anorexia, and more precisely, eating compulsion, causing workers to start consuming energetic foods containing sugar and fat. Careers in the 1 Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais. Curso Superior de Nutrição. 2 Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais. Curso Superior de Nutrição. 3 Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais. Docente do curso de Nutrição. 4 Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais. Docente do curso de Nutrição.

2 health area are among those who suffer most from stress in the work environment, which presents high emotional tension, physical and psychological exhaustion that can contribute to the development of stress. The results found show emotions, quality of sleep, shift work, lack of infrastructure and motivation have a great influence on the state of stress and consequently on eating behaviour. KEYWORDS: OCCUPATIONAL STRESS; SHIFT WORK; EATING BEHAVIOR; EMOTIONS. 1 INTRODUÇÃO O estresse é uma manifestação decorrente de condições ambientais que excedem a capacidade de adaptação dos processos fisiológicos ou psicológicos. O estresse ocupacional constitui-se de sintomas e eventos associados ao ambiente de trabalho, onde o indivíduo pode relacionar as atividades, tarefas e exigências como agentes estressores, podendo acarretar disfunções físicas, psicológicas e sociais em nossa saúde (OMS, 2016). Estudos apontam que o estresse pode alterar o comportamento alimentar, aumentando o consumo de alimentos mais palatáveis e com alto valor energético, especialmente aqueles ricos em açúcar e gordura (ZELLENER, SAITO, GONZALEZ, 2007; OLIVER, WARDLE, 1999). Além dos afazeres inerentes a profissão da enfermagem, fatores relacionados ao ambiente físico como ruído, iluminação, temperatura, higiene, disposição do espaço físico para o trabalho também influenciam na carga estressora (SANTOS, 2016). A alta carga de estresse está relacionada com o aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, dores musculares, ansiedade, fadiga, irritabilidade, insônia, redução da capacidade de concentração e afeta de forma direta no comportamento alimentar, levando grande parte dos indivíduos a desenvolver transtornos alimentares, como bulimia, anorexia, e mais precisamente a compulsão alimentar (MONTEIRO et al., 2018). Estudos sugerem que os efeitos do estresse no consumo alimentar parecem diferir de acordo com características individuais, como o gênero. Mulheres estressadas apresentaram maior consumo de alimentos calóricos quando comparadas às menos estressadas, o que não é observado no gênero masculino (ZELLENER; SAITO; GONZALEZ, 2007; MIKOLAJCZYK; EL ANSARI; MAXWELL, 2009). Ocorrências de estresse crônico estão ligadas a maior exposição ao cortisol, que possui efeitos sobre o sistema de recompensa cerebral (SRC). O cortisol aumenta a sensibilidade do SRC, o que pode desencadear o consumo excessivo de alimentos de alta palatabilidade (ADAM; EPEL, 2007). Alguns hormônios, como a dopamina, a leptina e a insulina, também atuam no nível central, aumentando o desejo por alimentos palatáveis. Por sua vez, alimentos ricos em gordura e em açúcar produzem prazer e emoções positivas, aumentando o desejo por seu consumo e vinculando a lembrança de seu consumo com a sensação de recompensa (ZHENG, 2009). Sendo assim, as escolhas alimentares diante das situações estressantes, são responsáveis pela

3 mudança das preferências alimentares e aumento do consumo de alimentos que normalmente são consumidos com cuidado (como alimentos ricos em açúcar), e isso está relacionado à tentativa de utilizar o alimento como forma de aliviar o estado emocional (OLIVER; WARDLE; GIBSON, 2000; WALLIS; 2009). Nesse sentido, observa-se o cruzamento de aspectos biológicos e psicológicos na relação entre estresse e consumo alimentar. Por um lado, têmse respostas fisiológicas ao consumo de alimentos palatáveis que influenciam e guiam seu consumo futuro; e por outro existem motivações de natureza hedônica e emocional que regulam e influenciam o consumo alimentar e que, por vezes, se justapõem a mecanismos fisiológicos (PENAFORTE; MATTA; JAPUR, 2016). Segundo Alvarenga et al. (2016) é importante ressaltar que o comportamento alimentar é baseado em diversos fatores. As atitudes alimentares são basicamente formadas por três componentes, sendo eles: afetivo onde os sentimentos, humor e emoções são causados por um objeto especifico; cognitivo onde há crenças e conhecimento sobre o objeto e volitivo que diz respeito à vontade, interação comportamental em relação ao objeto. A ingestão alimentar está diretamente ligada ao comportamento alimentar, visto que é através desse sistema que se é conduzido as escolhas. Para este trabalho é necessário deixar claro alguns conceitos como o de fome, fome hedônica e saciedade. Fome é uma necessidade fisiológica quando há privação de energia ou alimentos, estimulando o ser humano a buscar comida. A fome hedônica ou apetite, é o desejo de comer um alimento ou grupo de alimentos específicos, esperando ter satisfação e prazer, e por fim, a saciedade é a sensação de plenitude gástrica, perda da fome e sensação de bem-estar após uma refeição. Logo se é possível afirmar que a fome se relaciona à necessidade de comida, e o apetite ao desejo por comida (ALVARENGA et al., 2016). O apetite é extremamente vulnerável ao estresse e à palatabilidade, dessa forma surge o consumo exagerado por alimentos ricos em açúcar, gordura e sal, visto que estes são encontrados e acessíveis a população, desde a década de 80 onde a indústria impulsionou a criação e venda de produtos industrializados (SAWAYA; FILGUEIRA, 2013). As carreiras na área da saúde estão entre as que mais sofrem com a tensão no ambiente de trabalho, o qual apresenta grande tensão emocional, desgaste físico e psíquico que pode contribuir para o surgimento do estresse (ALVES, 2011). Segundo a Ordem dos Enfermeiros, em Portugal, essa profissão registra maior nível de estresse ocupacional, devido seu papel fundamental no local de trabalho e contato frequente com pacientes e familiares (LIMA, 2019). Com base nesses dados, torna-se relevante a realização de uma revisão integrativa, buscando selecionar trabalhos que apontem a real relação entre o estresse e o comportamento alimentar em tais profissionais, bem como os principais elementos causadores do estresse ocupacional. 2 MATERIAL E MÉTODOS Trata-se de uma revisão integrativa, com abordagem no assunto a respeito da influência do estresse no comportamento alimentar entre os profissionais da área de enfermagem.

4 Este método de estudo foi escolhido, pois possibilita resumir pesquisas já concluídas, e a ter conclusões apoiadas em um interesse. Além de ser um grande avanço para os pesquisadores do meio acadêmico, popularizando o acesso e facilitando atualização (SOUZA; SILVA; CARVALHO, 2010). A revisão integrativa, é considerada a mais ampla abordagem metodológica referente às revisões, pois possibilita a inclusão tanto de estudos experimentais e nãoexperimentais. Composta por diversos propósitos como definição de conceitos, revisão de teorias, evidências, e análise de problemas metodológicos de um tópico particular (WHITTEMORE; KNAFL, 2005). Esta revisão foi elaborada a partir de seis etapas propostas por Souza, Silva e Carvalho (2010): a 1ª etapa consiste na construção da pergunta norteadora; na 2ª etapa é realizada a busca na literatura, estabelecendo os descritores, critérios de inclusão e exclusão e seleção dos trabalhos; 3ª etapa constitui-se da coleta de dados; 4ª etapa é realizada uma análise crítica dos estudos incluídos; 5ª etapa discussão dos resultados; por fim a 6ª etapa apresentando a revisão integrativa. Para elaboração do seguinte estudo, foi estabelecida a seguinte pergunta norteadora: qual o impacto do estresse no comportamento alimentar em profissionais da área da enfermagem?. A partir disso, foram definidos os termos estresse OU estresse ocupacional OU emoções E comportamento alimentar E enfermagem OU enfermeiros. Os critérios de inclusão de artigos foram: trabalhos encontrados nas bases de dados eletrônicas Google Scholar, PubMed e Scielo, além do idioma português (Brasil), português (Portugal) e inglês, publicado entre os anos de 2010 e 2020 e que apresentavam a temática estabelecida. Já para os critérios de exclusão se deram por meio de artigos publicados fora do tempo estabelecido e por estudos que não abordavam a temática pesquisada. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Como resultado desta revisão, percebe-se que há diversos parâmetros que acarretam o estresse e consequentemente mudanças no comportamento alimentar. No total foram encontrados 33 trabalhos que obedeceram aos critérios estabelecidos, nas áreas de saúde como a nutrição, medicina, enfermagem e psicologia (quadro 1). Quadro 1: Levantamento de trabalhos encontrados Recursos informacionais Artigos encontrados Fonte: As autoras, Artigos incluídos na revisão Google Scholar PubMed 8 4 Scielo 10 9 Em relação a quantidade de periódicos, percebeu que a partir do ano de 2016, houve um aumento na publicação de trabalhos (266%), o que mostra que o interesse por tal tema vem crescendo, conforme figura 1. Figura 1. Relação entre o número de artigos e ano de publicação.

5 Número de artigos Ano Fonte: As autoras, Quanto ao delineamento da amostra estudada observou-se que dos 33 trabalhos utilizados, 6 (18%) são internacionais e 27 (82%) nacionais. 15 (45%) são revisões bibliográficas, 3 (9 %) revisões integrativas e 15 (45%) experimentais, resultando no total de 16 (4%) de pesquisas quantitativas e 17 (51%) de pesquisas qualitativas. Segundo Sowek et al. (2019) as pesquisas qualitativas e quantitativas se complementam devido a promoção de diferentes tipos de conhecimentos que são relevantes para a prática da interdisciplinaridade e geram aprendizado para o desenvolvimento da profissão. Com relação as características do estudo 16 (48%) apresentam como conteúdo principal as causas do estresse ocupacional, 4 (12%) relacionam o estresse com o aparecimento da síndrome de Burnout, 6 (18%) relaciona o trabalho em turnos e a falta da qualidade de sono como o fator principal desencadeante do estresse, 5 (15%) relatam que a motivação e apoio podem reduzir ou eliminar o estresse ocupacional e 7 (21%) fazem a relação entre estresse e emoções. Causas do estresse Os resultados das pesquisas se mostram bastante similares com relação aos fatores causais do estresse. Silva (2013), indica que há quatro fatores que resultam na sobrecarga de trabalho, induzindo ao estresse, sendo eles: a urgência do tempo; responsabilidade excessiva; falta de apoio; expectativas contínuas de nós mesmos e daqueles que estão a nossa volta. Já Cunha et al. (2016), ressalta a existência de três grupos de fatores resultantes no estresse, como os ambientais incluindo incertezas econômicas, políticas e tecnológicas; organizacionais como pressão, sobrecarga de trabalho, chefe exigente e colegas desagradáveis e por último os individuais que derivam de questões pessoais. Dentro do campo da enfermagem Trettene et al. (2016) afirma que condições como a necessidade de tomada de decisão imediata e frequente, alto grau de dificuldade e responsabilidade, insuficiência de recursos, falta de reconhecimento por parte dos gestores, alta rotatividade, superlotação, espaço físico inadequado, assistência direta e indireta a pacientes gravemente enfermos e em risco de morte eminente são a chave para a insatisfação profissional e futuramente para o estresse. Da mesma forma, Ribeiro (2018), diz que o estresse no ambiente da saúde, se dá principalmente pela rotina do ambiente hospitalar, por conta da alta tensão no local e condições de trabalho. Com isso a melhoria na organização na estrutura e nas condições de trabalho, poderiam ser fatores que contribuíssem para reduzir os efeitos de estresse nesse ambiente.

6 Estresse e o sono Além destes fatores decorrentes do ambiente do trabalho, o sono também é um importante aliado para o alívio do estresse. O estresse no ambiente de trabalho pode levar o profissional a desenvolver distúrbios do sono, como o bruxismo e sonambulismo, acarretando em desgaste e até baixo desempenho do trabalhador (SILVA, 2013). Savioli (2019), afirma que é no momento de repouso que nosso corpo se recupera, porém, uma demanda excessiva de tarefas somada a alimentação inadequada, faz com que seja liberado mais cortisol, reduzindo os níveis de serotonina e melatonina, impedindo um sono reparador. Indivíduos que apresentam privação de sono decorrentes dos trabalhos por turnos, tendem a apresentar um estilo de vida mais sedentário quando comparados a indivíduos com padrão de sono adequado. Este estilo de vida acrescido de alterações no comportamento alimentar pode favorecer o balanço energético positivo e propiciar o ganho de peso de maneira inadequada, resultando em sobrepeso e obesidade (COELHO et al., 2014). Buchvold (2019), reitera que o trabalho noturno é responsável pela interrupção do ciclo de sono, resultando na desregulação circadiana, influenciando na duração e qualidade do sono. Segundo Bittencout, Walz e Zanin (2015), o estresse ocupacional somado a privação de sono, está associado ao desenvolvimento da obesidade e de doenças metabólicas, supostamente através da desregulação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. Bem como Freitas et al. (2015) atesta que a falta da rotina de sono e alterações no consumo alimentar estão associadas ao agravo de doenças metabólicas já existentes ou ao seu aparecimento. Coelho et al. (2014) postula que a duração e horários dos turnos afetam o padrão de sono, bem como o esquema laboral pode atrapalhar os horários, frequências e preferências alimentares dos profissionais, predispondo a obesidade e comorbidades associadas. Estresse e trabalho por turnos Os profissionais da área de enfermagem, em sua grande maioria, têm como característica profissional o trabalho por turnos, o que pode acarretar ainda mais em distúrbios do sono devido as alterações circadianas. Luna et al. (2015), declara que os profissionais que atuam no período da noite, estão mais susceptíveis ao surgimento de doenças devido ao grande cansaço e desgaste físico. Assim como Lowden et al. (2010) e Buchvold (2019), mostram em seu estudo que trabalhadores em turnos correm um risco maior de desenvolver obesidade, doenças cardiovasculares, úlceras pépticas, problemas gastrointestinais, desregulação dos níveis de açúcar no sangue e síndrome metabólica. Freitas et al. (2015) reitera que trabalhos em turno afetam a qualidade nutricional da dieta e frequência do consumo de determinados alimentos, como fast foods e industrializados. Silva, Santos e Nascimento (2016) também alegam que estes profissionais estão mais susceptíveis a desenvolver o estresse ocupacional, devido a sua longa jornada de trabalho. Além disso, Mekary et al. (2012), relatou em seu estudo que

7 profissionais da área da saúde que trabalham no turno da noite, muitas vezes omitiam o café da manhã, devido à exaustão referente ao tempo trabalhado, tiveram risco aumentado em 21% de ter Diabetes do que aqueles que realizaram o café da manhã. Transtornos alimentares O ambiente de trabalho pode exercer efeitos positivos e negativos na saúde física e mental do trabalhador, uma vez que seu bom desempenho no trabalho pode trazer satisfações em seu desenvolvimento pessoal, proporcionando um bom retorno financeiro, por outro lado, os trabalhadores podem estar expostos diariamente a situações estressantes, as quais podem desencadear consequências negativas a saúde, e entre elas, destaca-se o comportamento alimentar (SILVA; ANTHERINO; LIMA, 2020). Nos trabalhos encontrados, 8 (24 %) trazem os transtornos alimentares como principal consequência do estresse ocupacional, sendo o mais citado o transtorno de compulsão alimentar (TCAP). Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V, 2014), o TCAP se caracteriza pela ingestão de grandes quantidades de alimento em um curto espaço de tempo, além da sensação de perda de controle. De acordo com Lourenço (2016) há vários fatores que podem acarretar esse comportamento como a ansiedade, estresse, depressão e a frustração no ambiente de trabalho, concluindo que o ato de comer está relacionado com o alívio de emoções negativas, sendo comum associar o alimento como fator que irá aliviar ou compensar o sofrimento. Oliveira et al. (2020) refere que o TCAP tem um perfil clínico semelhante à de outros transtornos, como por exemplo a bulimia nervosa, onde a impulsividade relacionada a alimentação aponta comportamentos compensatórios, como o vômito e o uso de laxantes. Já a anorexia é caracterizada pela restrição da ingestão de alimentos junto com uma drástica perda de peso. Estresse ocupacional e Síndrome de Burnout O estresse ocupacional é gerado por problemas causados pelo ambiente de trabalho, o qual estabelece um conjunto de atividades de valores, comportamentos e representações, o que acomete atualmente trabalhadores do mundo inteiro, considerado um grave problema de saúde, podendo interferir em condições psicológicas e físicas dos indivíduos (LEITE, 2018). De acordo com Filho e Almeida (2016), o estresse ocupacional também pode estar relacionado com transtornos psicológicos como a ansiedade, depressão e Síndrome de Burnout, a qual se caracteriza pelo conjunto de sinais e sintomas de exaustão física, psíquica e emocional decorrentes da má adaptação ao trabalho prolongado e estressante, acompanhado de frustração em relação a si e ao trabalho (ALVES, 2011). Gazziano e Ferraz (2010), enfatizam que a síndrome de Burnout está relacionada à atividade profissional e ambiente de trabalho e não especificamente à profissão exercida. Tal diferenciação deve ser feita pois o profissional pode apresentar sintomas de estresse ocupacional embora não manifestem características do Burnout.

8 Para Costa e Teo (2014), o estresse ocupacional pode alterar a fome e o apetite, acarretando prejuízos à saúde do indivíduo. Além disso, há indícios de que o alto nível de estresse no trabalho, faça com que a pessoa consuma um número menor de alimentos saudáveis, levando ao alto consumo de alimentos ultra processados, pobres em nutrientes essências como vitaminas e minerais, sendo potencialmente geradores de estresse. A exposição do estresse pode ser um fator determinante para a alteração do padrão alimentar, podendo modificar o metabolismo de vários nutrientes, como vitaminas do complexo B, vitamina C, cálcio, magnésio, ferro e zinco. Se o estresse é continuo, pode trazer problemas imunológicos e endócrinos, podendo ocorrer alterações do perfil lipídico, pressão arterial, e problemas cardiovasculares (DALMAZO et al., 2018). Influência das emoções no estresse Dalmazo (2018), ressalta que a alteração das emoções, determinam as escolhas alimentares, fazendo com que os alimentos sejam associados ao contexto emocional em que normalmente são consumidos. O comer emocional pode ser considerado uma reposta as emoções negativas, sendo uma consequência da incapacidade de controlar as emoções de forma severa. Constatou-se então que o termo emoção engloba vários significados que vai desde a descrição de uma emoção específica como a raiva e a tristeza, ou meramente um estado emocional, como o estresse (BETTIN; RAMOS; OLIVEIRA, 2019). Uma série de estudos, vem sendo feitos sobre a associação entre uma inadequada regulação emocional e comportamento alimentar, principalmente em indivíduos com hábitos alimentares desequilibrados. O ato de comer por conta de emoções muito fortes, pode resultar em doenças mais graves, como a obesidade, bulimia e até mesmo anorexia, pois faz com que o indivíduo se alimente de forma descontrolada (GOUVEIA; CANAVARRO; MOREIRA, 2017). Sinha e Jastreboff (2013), em seu trabalho apontam evidêcias de estudos clínicos e populacionais de que há uma associação entre eventos estressantes ou estados de estresse crônico e adiposidade, Índice de Massa Corporal (IMC) e ganho de peso. Apesar de alguns estudos resultarem na redução da ingestão de alimentos sob estresse agudos, este também é relacionado ao aumento do consumo, em especial daqueles com alta palatabilidade. As mesmas autoras relatam que mudanças nos padrões alimentares como por exemplo, pular refeições, ficar por um longo período sem ingerir alimentos e comer de maneira compulsiva são efeitos prejudiciais à saúde resultante do estresse e preferência alimentar (SINHA; JASTREBOFF, 2013). As inquietações do comportamento alimentar, também podem ser caracterizadas pela preocupação excessiva com a imagem corporal. Ela pode se dar por consequências da alta ingestão de comidas calóricas, questões psicológicas ou saúde física. Gameiro (2018), refere-se que a sensibilidade interpessoal está relacionada com a depressão, visto que ela traz sentimentos de inferioridade, o que pode levar o indivíduo a sentir tristeza e consequentemente a ter hábitos alimentares ruins, resultando em

9 problemas mais sérios de compulsão alimentar, bulimia e a anorexia. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Mesmo com o baixo resultado nas buscas de trabalhos que relacionam o estresse com o comportamento alimentar, os estudos encontrados mostram um referencial bastante satisfatório para concluirmos que de fato as emoções como ansiedade e depressão decorrentes, principalmente do estresse ocupacional, são fatores influenciáveis no comportamento alimentar. Além disso, fatores como a falta de qualidade ou privação do sono também se mostram bastante relevantes para a incidência de estresse, bem como a tendência a aderir dietas mais calóricas, que na maioria das vezes são compostas por alimentos de baixo valor nutricional e altamente processados, podendo resultar em doenças metabólicas, principalmente obesidade, diabete e hipertensão. Em relação a fatores que podem levar a prevenção desses sintomas decorrentes do estresse ocupacional, nota-se que melhoras na infraestrutura do local de trabalho, bem como reconhecimento por ações realizadas podem levar a motivação destes profissionais, e consequentemente a redução do estresse. Diante da escassez de recursos, torna-se relevante uma investigação de maior amplitude de estudos que abordem a temática apresentada em tal revisão integrativa, para no futuro poder contribuir com ações preventivas de desenvolvimento de transtornos alimentares decorrentes deste estresse no ambiente de trabalho. REFERÊNCIAS ADAM, T. C.; EPEL, E. S. Stress, eating and the reward system. Physiology & behavior, v. 91, n. 4, p , ALVARENGA, M. et. al. Nutrição Comportamental. 1 ed. digital. São Paulo. Ed. Manole, ALVES, A. C. G. C. Estresse e o trabalho do enfermeiro: uma revisão bibliográfica. Trabalho de especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde, Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and statistical manual of mental disorders DSM-V. 5ª edição, Porto Alegre: Artmed, BETTIN, B. P. C.; RAMOS, M.; OLIVEIRA, V. Alimentação emocional: narrativa histórica e o panorama atual. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v. 13. n. 80. p Jul./Ago BITTENCOURT, K. F.; WALZ, J. C.; ZANIN, R. Revisão da literatura: obesidade, alimentação e estresse. In: Congresso de Stress da ISMA-BR, 15. Fórum internacional de qualidade de vida no trabalho. Porto Alegre, COELHO, M. P. et al. Prejuízos nutricionais e distúrbios no padrão de sono de trabalhadores da enfermagem.

10 Rev. Brasileira de Enfermagem, v. 67, n. 5, p , COSTA, F. D.; TEO, C. R. A. P. Alimentação e vulnerabilidade ao estresse ocupacional: uma revisão integrativa. In: Congresso de Stress da ISMA-BR, 14. Fórum internacional de qualidade de vida no trabalho. Porto Alegre, CUNHA, N. C. et al. Estresse dentro das organizações de trabalho. Rev Getec v. 5, n. 9, p DALMAZO, A. L. et al. Estresse e Consumo Alimentar em Pacientes Hipertensos. Arq. Bras. Cardiologia, São Paulo, v. 113, n. 3, p Set, FREITAS, E. S. et al. Alteração no comportamento alimentar de trabalhadores de turnos de um frigorífico do sul do Brasil. Rev Ciências e Saúde Coletiva, v. 20, n. 8, p , GAMEIRO, P. C. S. Alexitimia, Comportamentos Alimentares, Esquemas Emocionais e Sintomas Psicopatológicos em Adultos. Instituto Superior Miguel Torga GAZZIANO, E. S.; FERRAZ, E. R. B. O impacto do stress ocupacional e Burnout para enfermeiros. Rev. Enfermería Global, n. 18, GOUVEIA, M. J; CANAVARRO, M. C.; MOREIRA, H. O papel moderador do peso na associação entre as dificuldades de regulação emocional e os comportamentos alimentares. Rev. de Psicologia da Criança e do Adolescente, v.8, LIMA, J. Saúde dos enfermeiros: presentismo e stress no trabalho. International journal on working conditions, n. 17, p , LEITE, T. S. A. Estresse ocupacional em enfermeiros que atuam na urgência e emergência: uma revisão integrativa. Rev Humanidades e Inovação, v. 5, n LOURENÇO, A. S. A. Ingestão de alimentos como mecanismo de regulação da ansiedade. Escola de Psicologia e das Ciências da Vida. Dissertação de mestrado - Psicologia Clínica e da Saúde, Lisboa, LOWDEN, A. et al. Eating and shift work effects on habits, metabolism, and performance. Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, v. 36, n. 2, LUNA, G. A. S. et al. O trabalho noturno e as consequências para a saúde do enfermeiro: uma revisão bibliográfica. Ciências Biológicas e da Saúde. Maceió. v. 2 n.3 p Maio, MIKOLAJCZYK, R. T.; EL ANSARI, W.; MAXWELL, A. E. Food consumption frequency and perceived stress and depressive symptoms among students in three European countries. Nutrition journal, v. 8, n. 1, p. 31, MEKARY, R. A. et al. Eating Patterns and Type 2 Diabetes Risk in Men: Breakfast Omission, Eating Frequency, and Snacking. Rev Am J Clin Nutr, v. 95, n. 5, MONTEIRO. F. O. et al. Consequências do estresse no comportamento alimentar. In: X Semana de Iniciação Científica, 2018, Ceará. Anais da 10ª Semana de Iniciação Científica da Faculdade de Juazeiro do Norte. Ceará, 2018.

11 OLIVEIRA, L. E. L. Síndrome de Burnout entre enfermeiros do setor de urgência e emergência: uma revisão integrativa. Trabalho de conclusão de curso Emfermagem, Centro Universitário De Brasília, Brasília, OLIVEIRA, M. E. S. P. et al. Transtorno de compulsão alimentar periódica: uma perspectiva neurobiológica. Brazilian Journal of Development, v. 6, n.3. Curitiba, OLIVER, G.; WARDLE, J. Perceived effects of stress on food choice. Physiology & Behavior, v. 66, n. 3, p , OLIVER, G.; WARDLE, J.; GIBSON, E. L. Stress and food choice: a laboratory study. Psychosomatic Medicine, v. 62, n. 6, p , OMS. Organização Pan Americana de Saúde. Estresse no ambiente de trabalho cobra preço alto de indivíduos, empregadores e sociedade. In: Determinantes Sociais e Riscos para a Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental, PENAFORTE, F. R.; MATTA, N. C.; JAPUR, C. C. Associação entre estresse e comportamento alimentar em estudantes universitários. Demetra: alimentação, nutrição & saúde, v. 11, n. 1, p , RIBEIRO, R. P. et al. Estresse ocupacional entre trabalhadores de saúde de um hospital universitário. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 39, SANTOS, C. M. S. O estresse e seu impacto no ambiente de trabalho. Trabalho de Conclusão de Curso Administração, Faculdade Aldete Maria Alves, Minas Gerais, SAVIOLI, G. Estresse, Ansiedade e Depressão: Como prevenir e tratar através da nutrição. 1. ed. São Paulo: Canção Nova, p. v. 1. ISBN SAWAYA, A. L.; FILGUEIRAS, A. Abra a felicidade: Implicações para o vício alimentar. Estud. Av., São Paulo, v. 27, n. 78, p , SILVA, K. R. Estresse no Ambiente de trabalho: causas, consequências e prevenções. Fundação Educacional do Município de Assis Fema: Assis, SILVA, D. P.; SANTOS, N. R. O.; NASCIMENTO, L. K. A. Fatores que influenciam o estresse ocupacional na enfermagem. Rev Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 14, n. 2, SILVA, B. D.; ANTHERINO, J. C.; LIMA, R. S. V. Transtorno da compulsão alimentar no ambiente de trabalho: uma revisão bibliográfica. Rev. Acervo Saúde. Vol. Sup. n SINHA, R; JASTREBOFF, A. M. Stress as a common risk factor for obesity and addiction. Nacional Institutes of Health. New Haven, SOUZA, M.T.; SILVA, M.D.; CARVALHO, R. Integrative review: what is it? How to do it? Einstein, São Paulo, v.8, n.1, p , SOWEK, L. E. et al. Propostas Interdisciplinares Para o Tratamento da Obesidade em Adultos. International

12 Jornal of Developmnet Research, v. 10, n. 2, p , TRETTENE, A. S. et al. Estresse em profissionais de enfermagem atuantes em unidades de pronto atendimento. Bol. Acad. de Psicologia. V. 36. São Paulo, WALLIS, D. J.; HETHERINGTON, M. M. Emotions and eating. Self-reported and experimentally induced changes in food intake under stress. Appetite, v. 52, n. 2, p , WHITTEMORE R., KNAFL K. The integrative review: update methodology. J. Adv. Nurs, v. 52, ed. 5, p , ZELLNER, D. A.; SAITO, S.; GONZALEZ, J. The effect of stress on men's food selection. Appetite, v. 49, n. 3, p , ZHENG, H. et al. Appetite control and energy balance regulation in the modern world: reward-driven brain overrides repletion signals. International journal of obesity, v. 33, n. 2, p. S8-S13, 2009.

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS Resumo COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS UMEBARA, L.M.; VIROTE, W. Os transtornos alimentares tiveram aumento na incidência nos últimos anos, principalmente entre a

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado

SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado SÍNDROME DE BURNOUT das causas ao cuidado PELA MANHÃ VOCÊ SE SENTE ASSIM? E NO TRABALHO, VOCÊ SE SENTE ASSIM? SUA VIDA ESTA ASSIM? OU TUDO ESTA ASSIM? ESTRESSE Ocorre diante de uma situação (real ou imaginária)

Leia mais

ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL. DIETAS Aula 7. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL. DIETAS Aula 7. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL DIETAS Aula 7 Profª. Tatiane da Silva Campos DISTÚRBIOS DESEQUILÍBRIOS HOMEOSTÁTICOS Anorexia nervosa: Distúrbio crônico caracterizado pela

Leia mais

CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU. Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3)

CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU. Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3) CHAMA O SAMU: QUEM PRECISA SOU EU Edilzia Souza Guedes (1) Augusto Catarino Bardosa (2) Robson Edney Mariano (3) (1) Universidade Potiguar (UNP); edilziaguedes@hotmail.com (2) Universidade Potiguar (UNP);

Leia mais

Clínica Jorge Jaber. Dependência Química. Luciana Castanheira Lobo de Araújo

Clínica Jorge Jaber. Dependência Química. Luciana Castanheira Lobo de Araújo Clínica Jorge Jaber Dependência Química Luciana Castanheira Lobo de Araújo Critérios para o diagnóstico Rio de Janeiro 2018 Resumo Considerado um transtorno mental, além de um problema social pela Organização

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR

COMPORTAMENTO ALIMENTAR COMPORTAMENTO ALIMENTAR Balanço energético Peso corporal Ingestão Gasto fome saciedade Absorção de nutrientes Taxa metabólica Termogênese Atividade Video: http: / / illuminations.nctm.org/java/whelk/student/crows.html

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional.

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional. GEN VIII Grupo de Estudos em Neurometria Discussão de Casos Clínicos Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia

Leia mais

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

PAPEL DA NUTRIÇÃO NO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UMA REVISÃO NA LITERATURA

PAPEL DA NUTRIÇÃO NO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UMA REVISÃO NA LITERATURA PAPEL DA NUTRIÇÃO NO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UMA REVISÃO NA LITERATURA João Paulo da Silva Lima¹; Carla Kilenny Tavares dos Santos²; Luana Suely Albuquerque de Lima³. INTRODUÇÃO Centro Universitário Tiradentes

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

1º DIA - 13 DE AGOSTO - TERÇA-FEIRA

1º DIA - 13 DE AGOSTO - TERÇA-FEIRA 1º DIA - 13 DE AGOSTO - TERÇA-FEIRA 08:00-09:00 ABERTURA 09:00-1030 VITAMINA D e SAÚDE 09:00-09:25 - Panorama da Adequação no Brasil 09:25-09:50 - Metabolismo e Catabolismo da vitamina D 09:50-10:15 -

Leia mais

Higiene, Segurança e Qualidade de Vida no Trabalho no Serviço Público

Higiene, Segurança e Qualidade de Vida no Trabalho no Serviço Público Higiene, Segurança e Qualidade de Vida no Trabalho no Serviço Público Um ambiente desfavorável no trabalho é um fator de risco para 60% das doenças não transmissíveis Ban Ki-Moon marcoavezzani@gmail.com

Leia mais

Comunidade Pastoral ADOECIDOS PELA FÉ?

Comunidade Pastoral ADOECIDOS PELA FÉ? Comunidade Pastoral ADOECIDOS PELA FÉ? HÁBITOS, COSTUMES E...GENÉTICA PSICOPATOLOGIAS DINAMISMO EMOCIONAL AFETO (Instinto) Inconsciente EMOÇÃO LÓGICA (RAZÃO) Consciente Equilíbrio (ideal) = 50% afeto +

Leia mais

OBESIDADE E ATIVIDADE FÍSICA

OBESIDADE E ATIVIDADE FÍSICA OBESIDADE E ATIVIDADE FÍSICA OBESIDADE O QUE É? Doença crônica, definida como o acúmulo de tecido gorduroso localizado ou generalizado, provocado por desequilíbrio nutricional associado ou não a distúrbios

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO, NUTRIÇÃO E TREINAMENTO PERSONALIZADO

ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO, NUTRIÇÃO E TREINAMENTO PERSONALIZADO ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO, NUTRIÇÃO E TREINAMENTO PERSONALIZADO OBJETIVOS DO CURSO O curso de Especialização em Fisiologia do exercício, Nutrição e Treinamento Personalizado oportuniza

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO.

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO. 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Obesidade Anna Carla Takano Daniele Sita Jéssica Pereira de Mello

Leia mais

Desenvolvimento Humano na Terceira Idade. Uma perspectiva biopsicossocial do desenvolvimento humano

Desenvolvimento Humano na Terceira Idade. Uma perspectiva biopsicossocial do desenvolvimento humano Desenvolvimento Humano na Terceira Idade Uma perspectiva biopsicossocial do desenvolvimento humano Conteúdos da Aula: Envelhecimento da população (Introdução); Aspectos psicossociais; Aspectos Nutricionais

Leia mais

1 O EDITORIAL INTRODUÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE

1 O EDITORIAL INTRODUÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE 1 O trabalhador precisa ficar atento ao estresse. Portanto, quanto mais cedo identifica-lo melhor. Nesta cartilha você vai saber quais são os sintomas

Leia mais

O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?

O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA? O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA? Dra. Júlia Machado Dra. Marisa Rodrigo Clínica do Sono Porto, 27 de Maio de 2011 O que é o sono? Repouso físico e mental Comportamento periódico Factor de

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM FATIMA DO PIAUÍ.

PROMOÇÃO DA SAÚDE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM FATIMA DO PIAUÍ. PROMOÇÃO DA SAÚDE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM FATIMA DO PIAUÍ. JOSÉ MÁRIO FERNANDES MATTOS¹ -UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO- UNIVASF, e-mail: zemabio@gmail.com RESUMO

Leia mais

TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES AUTOR(ES): CAROLINA HADDAD CUNHA, ALESSANDRA ÚBIDA BRAGA FERNANDES

TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES AUTOR(ES): CAROLINA HADDAD CUNHA, ALESSANDRA ÚBIDA BRAGA FERNANDES TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES):

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no

Estresse. O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no Estresse O estresse tem sido considerado um problema cada vez mais comum, tanto no contexto profissional quanto na vida pessoal. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 90% da população mundial sofre

Leia mais

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento do Transtorno no Uso de Drogas

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento do Transtorno no Uso de Drogas Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento do Transtorno no Uso de Drogas Fisioterapeuta Jussara Lontra Centro de Estudos Expressão genérica que pode ser definida como qualquer movimento corporal,

Leia mais

CLIMATÉRIO E AUMENTO DE PESO

CLIMATÉRIO E AUMENTO DE PESO CLIMATÉRIO E AUMENTO DE PESO Apresentação: Nutricionista Débora Corrêa Borges 12/07/2017 O climatério é definido pela Organização Mundial da Saúde como fase biológica da vida que compreende a transição

Leia mais

SAÚDE MENTAL DOS MÉDICOS RESIDENTES. Luiz Antonio Nogueira Martins

SAÚDE MENTAL DOS MÉDICOS RESIDENTES. Luiz Antonio Nogueira Martins SAÚDE MENTAL DOS MÉDICOS RESIDENTES Luiz Antonio Nogueira Martins PRIVAÇÃO DO SONO teste de atenção sustentada - 14 R1 detecção de arritmias em ECG resultados: aumento do número de erros 7,3 minutos a

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS

PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS Resumo GORZONI, J. H.; BRANDÃO, N. Estudos têm demonstrado o crescimento da síndrome metabólica. No entanto, esta pesquisa tem por objetivo

Leia mais

Farinha de Trigo Faz Mal Mesmo? Qual a importância para o organismo?

Farinha de Trigo Faz Mal Mesmo? Qual a importância para o organismo? O aumento dos índices relacionados ao excesso de peso, à obesidade e a doenças como a diabetes ao longo dos últimos anos levantou a questão se de fato a quantidade de carboidratos ingeridos diariamente

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS A SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES FACTORS ASSOCIATED WITH BURNOUT SYNDROME IN TEACHERS

FATORES ASSOCIADOS A SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES FACTORS ASSOCIATED WITH BURNOUT SYNDROME IN TEACHERS FATORES ASSOCIADOS A SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES FACTORS ASSOCIATED WITH BURNOUT SYNDROME IN TEACHERS FACTORES ASOCIADOS EL SÍNDROME DE BURNOUT EN PROFESORES Maria Iasmin Lopes Ramalho, Universidade

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SINDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Leia mais

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional.

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional. GEN XIX Grupo de Estudos em Neurometria Discussão de Casos Clínicos Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia

Leia mais

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado.

Depressão. Em nossa sociedade, ser feliz tornou-se uma obrigação. Quem não consegue é visto como um fracassado. O QUE É SAÚDE? É o nosso estado natural. Segundo a O.M.S. saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade: É o estado de perfeito bem-estar físico, mental e social. Depressão Em nossa sociedade,

Leia mais

DESAFIOS DA DOCÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA SEGUNDO OS PROFESSORES DA ESCOLA ESTADUAL 19 DE MAIO, ALTA FLORESTA - MT

DESAFIOS DA DOCÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA SEGUNDO OS PROFESSORES DA ESCOLA ESTADUAL 19 DE MAIO, ALTA FLORESTA - MT 1 DESAFIOS DA DOCÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA SEGUNDO OS PROFESSORES DA ESCOLA ESTADUAL 19 DE MAIO, ALTA FLORESTA - MT RESUMO Tássia Fernanda da Silva Ensinar é uma atividade considerada altamente

Leia mais

Cartilha do Sono. Associação Brasileira do Sono.

Cartilha do Sono. Associação Brasileira do Sono. Cartilha do Sono Associação Brasileira do Sono. RESPEITE SEU SONO E SIGA SEU RITMO Porque devemos respeitar o sono e seguir o nosso ritmo? O QUE É CRONOTIPO Cada pessoa prefere realizar suas atividades

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: O PONTO ALTO DO ESTRESSE

SÍNDROME DE BURNOUT: O PONTO ALTO DO ESTRESSE SÍNDROME DE BURNOUT: O PONTO ALTO DO ESTRESSE DIAS, S.K.F. 1 ; RODRIGUES, I.B. 2 ; FARIA, M.C.C. 3. RESUMO A seguinte pesquisa tem como objetivo levantar as principais causas e tratamentos para a síndrome

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

(11)

(11) Olá, me chamo ALINE LISBOA FARIAS - C.R.P: 06/120305 sou psicóloga graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Sócia proprietária do LYSIS CONSULTÓRIO DE PSICOLOGIA. Atuo realizando atendimentos

Leia mais

DEPENDÊNCIA DE SEXO PELA INTERNET. Oswaldo Rodrigues. Aneron Canals

DEPENDÊNCIA DE SEXO PELA INTERNET. Oswaldo Rodrigues. Aneron Canals DEPENDÊNCIA DE SEXO PELA INTERNET Oswaldo Rodrigues Aneron Canals ANERON CANALS MÉDICO PSIQUIATRA MESTRE EM PSICOLOGIA CLINICA PUCRS ESPECIALISTA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL TREINAMENTO AVANÇADO

Leia mais

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Agenda Stress profissional nos enfermeiros e seus impactos Burnout profissional Engagement com o trabalho Preditores

Leia mais

INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA 1 INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA EMANUELA MARIA POSSIDÔNIO DE SOUSA BEATRIZ TEIXEIRA PARENTE LIMA GARLANA LEMOS DE SOUSA GRACY JÉSSICA MOURA DE OLIVEIRA

Leia mais

A prevalência de Síndrome de Burnout ou esgotamento profissional em profissionais do ensino

A prevalência de Síndrome de Burnout ou esgotamento profissional em profissionais do ensino A prevalência de Síndrome de Burnout ou esgotamento profissional em profissionais do ensino Priscila Barros Armando¹; Olívia Cristina Perez² ¹Especialista em Administração de Recursos Humanos pela Universidade

Leia mais

PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM UNIVERSITÁRIAS Maria Alice Nunes de Campos Monteiro 1 ; Gersislei Antonia Salado 2 ; Talma

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT. Profª Giselle Sailer

SÍNDROME DE BURNOUT. Profª Giselle Sailer SÍNDROME DE BURNOUT Profª Giselle Sailer INTRODUÇÃO A Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Esgotamento profissional, é um processo de enfraquecimento decorrente de um período prolongado

Leia mais

1 ; 2 ; 3 ; 4 ; 5.

1 ; 2 ; 3 ; 4 ; 5. A INSERÇÃO DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE NA ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA AO IDOSO EM UNIDADES DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DE ARTIGOS CIENTÍFICOS PUBLICADOS EM ÂMBITO NACIONAL Zaqueu

Leia mais

Dra Fernanda Azevedo Nutricionista CRN 9885 Especialista em Nutrição funcional

Dra Fernanda Azevedo Nutricionista CRN 9885 Especialista em Nutrição funcional ROTEIRO DE CONSULTA NUTRIÇÃO FUNCIONAL Dra Fernanda Azevedo Nutricionista CRN 9885 Especialista em Nutrição funcional Sumário O que é Nutrição Funcional Roteiro da Consulta Sinais e Sintomas Avaliação

Leia mais

ASPECTOS COGNITIVOS SUPERIORES: UMA ESTREITA RELAÇÃO COM O ALIMENTO

ASPECTOS COGNITIVOS SUPERIORES: UMA ESTREITA RELAÇÃO COM O ALIMENTO ASPECTOS COGNITIVOS SUPERIORES: UMA ESTREITA RELAÇÃO COM O ALIMENTO Sandra Regina de Almeida 1 ; Dayane Soncin 1 ; Luciana Bria Lopes; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2. RESUMO: Emoção é um impulso neural

Leia mais

Benefícios Fisiológicos

Benefícios Fisiológicos Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento do Transtorno no Uso de Drogas Fisioterapeuta Jussara Lontra Atividade Física expressão genérica que pode ser definida como qualquer movimento corporal,

Leia mais

Mas porque é importante tratar a ansiedade?

Mas porque é importante tratar a ansiedade? Mas porque é importante tratar a ansiedade? Mas porque é importante tratar a ansiedade? Porque a ansiedade excessiva, sem tratamento, é um fator de risco para o desenvolvimento de infarto do coração, aumentando

Leia mais

SAÚDE E MOVIMENTO: Análise do Comportamento alimentar e físico em adolescentes RESUMO

SAÚDE E MOVIMENTO: Análise do Comportamento alimentar e físico em adolescentes RESUMO SAÚDE E MOVIMENTO: Análise do Comportamento alimentar e físico em adolescentes Juliane B. ASSIS1; Paloma F. SANTOS2; Paulo S.M. JÚNIOR3; Luzia R.P.RODRIGUES4; Diego P.MARCELINI5 RESUMO A alimentação equilibrada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL ROBERTA CASTRO CAMPOS BORBA O ESTRESSE OCUPACIONAL EM UM CAPS

Leia mais

FATORES PSICOLÓGICOS QUE LEVAM AS PESSOAS A CONSUMIREM COMPULSIVAMENTE

FATORES PSICOLÓGICOS QUE LEVAM AS PESSOAS A CONSUMIREM COMPULSIVAMENTE 1 FATORES PSICOLÓGICOS QUE LEVAM AS PESSOAS A CONSUMIREM COMPULSIVAMENTE Gabriela Vaz Queiroz 1 Gabriela Gonçalves Correia 1 Julye Maciel Diniz 1 Vanessa Farias de Sousa 1 Amália Cardoso Dias 2 Robson

Leia mais

Enfermeira, Mestranda do programa de pós-graduação em Enfermagem da UFPE. 3

Enfermeira, Mestranda do programa de pós-graduação em Enfermagem da UFPE.  3 SINAIS DE RISCO ASSOCIADOS AO TRANSTORNO DE COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP): UM OLHAR VOLTADO ÀS ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE Ana Márcia Tenório de Souza Cavalcanti1

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL LEITÃO DA CUNHA PROJETO BOM DE PESO

ESCOLA MUNICIPAL LEITÃO DA CUNHA PROJETO BOM DE PESO ESCOLA MUNICIPAL LEITÃO DA CUNHA PROJETO BOM DE PESO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSORA JERUSA MÔNICA DE ABREU SOUZA INTRODUÇÃO A obesidade vem aumentando de forma alarmante, sendo por isso considerada

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR DE COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ- MA FOOD CONSUMPTION OF GARBAGE COLLECTORS OF MUNICIPAL IMPERATRIZ- MA

CONSUMO ALIMENTAR DE COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ- MA FOOD CONSUMPTION OF GARBAGE COLLECTORS OF MUNICIPAL IMPERATRIZ- MA 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 CONSUMO ALIMENTAR DE COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO

Leia mais

TÍTULO: ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS DO QUESTIONÁRIO HOLANDES DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR

TÍTULO: ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS DO QUESTIONÁRIO HOLANDES DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR TÍTULO: ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS DO QUESTIONÁRIO HOLANDES DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO

Leia mais

Dra Rossandra Sampaio Psicóloga Clínica CRP Especialista em Gestão de Sistemas e serviços de Saúde (FIOCRUZ) Mestranda em Psicologia da

Dra Rossandra Sampaio Psicóloga Clínica CRP Especialista em Gestão de Sistemas e serviços de Saúde (FIOCRUZ) Mestranda em Psicologia da Dra Rossandra Sampaio Psicóloga Clínica CRP 02-10159 Especialista em Gestão de Sistemas e serviços de Saúde (FIOCRUZ) Mestranda em Psicologia da Saúde (FPS) Qualidade de vida, Conceito da OMS: A percepção

Leia mais

BURNOUT NA EQUIPE DE SAÚDE: Como lidar? Dra. Patricia Dalagasperina

BURNOUT NA EQUIPE DE SAÚDE: Como lidar? Dra. Patricia Dalagasperina BURNOUT NA EQUIPE DE SAÚDE: Como lidar? Dra. Patricia Dalagasperina COMO LIDAR? 1 CONHECER burn - queima out - exterior Processo consumindo física e emocionalmente Falta de combustível Ministério da Saúde

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS SOUZA, J. P.; MARIN, T. Resumo O diabetes vem sendo considerado um grave problema de saúde pública. O objetivo do estudo foi

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO Natália Cunha Ferreira 1, Geyce da Silva Sales 2, Maylla Luanna Barbosa Martins 3 1 Aluna do curso de nutrição; Campus

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO OBESIDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO OBESIDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO OBESIDADE Giuliana Inocente Guilherme Takashi Yano Mariana Strauss

Leia mais

UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) 1

UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) 1 UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) 1 Tainá Melissa Heinkel 2, Bruna Leticia Endl Bilibio 3, Pâmela Fantinel Ferreira 4. 1 Estudo realizado no Curso de

Leia mais

STRESS E QUALIDADE DE VIDA

STRESS E QUALIDADE DE VIDA STRESS E QUALIDADE DE VIDA Stress é a resposta do organismo a determinados estímulos que representam circunstâncias súbitas ou ameaçadoras. Para se adaptar à nova situação, o corpo desencadeia reações

Leia mais

7 dicas rápidas para emagrecer após a gravidez

7 dicas rápidas para emagrecer após a gravidez 7 dicas rápidas para emagrecer após a gravidez 01 SUMÁRIO Texto sobre 02 7 dicas rápidas para emagrecer após a gravidez 03 Emagrecer após a gravidez: conheça as principais dicas 04 1- Amamentar o bebê

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: PREVENÇÃO DA SÍNDROME DE BURNOUT NA EQUIPE DE ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES

DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES DIRETRIZES SOBRE CO-MORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS (ABEAD 2002) DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS ALIMENTARES Introdução Quadros sugestivos de transtornos

Leia mais

DOENÇAS OCUPACIONAIS: O SOFRIMENTO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO 1 OCCUPATIONAL DISEASES: THE SUFFERING IN THE WORK RELATIONSHIPS

DOENÇAS OCUPACIONAIS: O SOFRIMENTO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO 1 OCCUPATIONAL DISEASES: THE SUFFERING IN THE WORK RELATIONSHIPS DOENÇAS OCUPACIONAIS: O SOFRIMENTO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO 1 OCCUPATIONAL DISEASES: THE SUFFERING IN THE WORK RELATIONSHIPS Andressa Da Silva Dias 2, Bruna Sampaio Lovato 3, Cassiane Antunes Carniel 4,

Leia mais

ATIVIDADES GRUPAIS: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM OS TRABALHADORES HIPERTENSOS DE UM SERVIÇO PÚBLICO

ATIVIDADES GRUPAIS: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM OS TRABALHADORES HIPERTENSOS DE UM SERVIÇO PÚBLICO ATIVIDADES GRUPAIS: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM OS TRABALHADORES HIPERTENSOS DE UM SERVIÇO PÚBLICO ARAÚJO, Nádja Leyne Ferreira de 1 ; PAULA, Maria Elyza de Oliveira 1 ; NEVES, Heliny Carneiro

Leia mais

NUTRIÇÃO E TREINAMENTO DESPORTIVO

NUTRIÇÃO E TREINAMENTO DESPORTIVO EMENTA NUTRIÇÃO E TREINAMENTO DESPORTIVO DISCIPLINA: Adaptações neuromusculares ao treinamento EMENTA: Arranjo funcional das unidades motoras e as mudanças plásticas das influências segmentares e supra-segmentares

Leia mais

Síndrome de Burnout MARIA BETÂNIA BEPPLER

Síndrome de Burnout MARIA BETÂNIA BEPPLER Síndrome de Burnout MARIA BETÂNIA BEPPLER Herbert Freudenberger (1926 1999) Christina Maslach (1946 ) Conceito(s) Burnout é um "incêndio interno", um "esgotamento dos recursos físicos e mentais. É "esgotar-se

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Introdução. Nutricionista FACISA/UNIVIÇOSA. 2

Introdução. Nutricionista FACISA/UNIVIÇOSA.   2 IMPACTO DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM INDIVÍDUOS COM EXCESSO DE PESO ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Simone Angélica Meneses Torres Rocha 1, Eliene da Silva Martins Viana

Leia mais

DETERMINANTES NEUROLOGICOS DO CONTROLE DO PESO E DO APETITE a

DETERMINANTES NEUROLOGICOS DO CONTROLE DO PESO E DO APETITE a DETERMINANTES NEUROLOGICOS DO CONTROLE DO PESO E DO APETITE a Luan da costa Braga b Mikele Costa de Lima b Rodrigo Lopes da Costa b Tiago dos Santos-Nascimento c RESUMO Antes de a barriga roncar, uma serie

Leia mais

Biologia. Qualidade de Vida das Populações Humanas. Hábitos Alimentares e Exercícios Físicos Parte 1. Prof. Daniele Duó

Biologia. Qualidade de Vida das Populações Humanas. Hábitos Alimentares e Exercícios Físicos Parte 1. Prof. Daniele Duó Biologia Qualidade de Vida das Populações Humanas Hábitos Alimentares e Exercícios Físicos Parte 1 Prof. Daniele Duó Hábitos Alimentares e Exercícios Físicos O QUE É SAÚDE? Saúde é um estado de completo

Leia mais

Transtornos Alimentares na Gestação

Transtornos Alimentares na Gestação Transtornos Alimentares na Gestação Comportamentos Alimentares Inadequados Durante a Gestação: prevalência e fatores associados em amostra de serviços públicos de saúde no sul do Brasil. Nutr. Rafael Marques

Leia mais

Profa. Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química (UNIFESP) Doutoranda (UNIFESP)

Profa. Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química (UNIFESP) Doutoranda (UNIFESP) Profa. Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química (UNIFESP) Doutoranda (UNIFESP) anacarolina@vidamental.com.br vidamental.com.br Venha se especializar com

Leia mais

NUT-154 NUTRIÇÃO NORMAL III. Thiago Onofre Freire

NUT-154 NUTRIÇÃO NORMAL III. Thiago Onofre Freire NUT-154 NUTRIÇÃO NORMAL III Thiago Onofre Freire Alimentação e Nutrição Nutrição Necessidades Adequada Salário mínimo de 600 reais Água Luz Telefone Moradia Prestações Transporte 100 100 100 100 100 100

Leia mais

Distúrbios da Nutrição Subnutrição e Obesidade

Distúrbios da Nutrição Subnutrição e Obesidade Distúrbios da Nutrição Subnutrição e Obesidade Profa. Dra. Jacqueline Pontes Monteiro Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP SP Departamento de Puericultura e Pediatria Objetivos

Leia mais

TÍTULO: PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES

TÍTULO: PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES TÍTULO: PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): ALANA

Leia mais

AFFRON 30 cápsulas 13/11/2017

AFFRON 30 cápsulas 13/11/2017 13/11/2017 Ingredientes: Affron (Extrato seco de Açafrão com 3,5% de Lepticrosalides) Vitamina B6 Cobre Affron 100% Açafrão (Crocus sativus L.) geneticamente certificado Extrato com elevado teor de componentes

Leia mais

Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho

Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho Doenças Mentais e os Riscos Psicossociais no Trabalho Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho Porto Alegre, Novembro/2010 Especialista em Medicina do Trabalho, Doutora pela USP, Diretora

Leia mais

OBESIDADE E RELAÇÕES AFETIVAS: UMA PROBLEMÁTICA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO.

OBESIDADE E RELAÇÕES AFETIVAS: UMA PROBLEMÁTICA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. OBESIDADE E RELAÇÕES AFETIVAS: UMA PROBLEMÁTICA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Ana Cláudia Moraes da Silva, Claudinéia Maria de Oliveira, José Rogério de Paula Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium

Leia mais

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP

Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP Estresse: Teu Gênero é Feminino... Dr. Renato M.E. Sabbatini Faculdade de Ciências Médicas UNICAMP O nosso amiguinho do dia a dia: Estresse Você é estressada? 1. Sim, muito estressada, sou ansiosa e reajo

Leia mais

7 segredos para gerir o estresse no trabalho (sem surtar)

7 segredos para gerir o estresse no trabalho (sem surtar) 7 segredos para gerir o estresse no trabalho (sem surtar) Por / Cláudia Gasparini Mulher irritada: sete em cada dez brasileiros sofrem com sequelas do estresse Dependendo da dose, o estresse pode ser um

Leia mais

Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2 Maria Grossi Machado3 Milene Peron Rodrigues Losilla4

Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2 Maria Grossi Machado3 Milene Peron Rodrigues Losilla4 PERFIL ANTROPOMÉTRICO E PREVALÊNCIA DE DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PROFISSIONAIS CAMINHONEIROS E MOTORISTAS ATENDIDOS EM AÇÃO EDUCATIVA Beatriz de Oliveira Matos1 Lais Miranda de Melo2

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

O ESTRESSE VIVENCIADO PELA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI)

O ESTRESSE VIVENCIADO PELA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) O ESTRESSE VIVENCIADO PELA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) A ocorrência de estresse na vida moderna é um fato marcante e presente, tanto na vida profissional, como na vida pessoal. O estresse

Leia mais

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol MAGNÉSIO DIMALATO FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7 PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol Importante para mais de 300 processos biológicos no organismo, o magnésio é um mineral essencial utilizado na síntese de proteínas

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: SÍNDROME METABÓLICA E SUAS POSSÍVEIS FORMAS DE TRATAMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Transtornos Alimentares e Alcoolismo

Transtornos Alimentares e Alcoolismo Transtornos Alimentares e Alcoolismo Fatima Vasconcellos Chefe de Clínica Serviço de Psiquiatria Chefe do CETTAO/SCMRJ Coordenadora Depto Psicoterapia da ABP Transtornos Alimentares Conjunto de síndromes

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás

Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás Sara Marques da Silva¹(IC)*, Lorena Dutra¹(IC), Ester Dias Ruas¹(IC),

Leia mais

Não-Ergonomia: organização do trabalho e seus impactos na saúde do trabalhador. Engª. Cristiane Galassi

Não-Ergonomia: organização do trabalho e seus impactos na saúde do trabalhador. Engª. Cristiane Galassi Não-Ergonomia: organização do trabalho e seus impactos na saúde do trabalhador. Engª. Cristiane Galassi Formação: - Técnica em Eletrônica; - Graduada em Engenharia de Produção; - Especialista em Engenharia

Leia mais

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar?

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA Idade vs Riscos Psicossociais. Como actuar? Competitividade -Produtividade Competitividade Produtividade

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Medida de Burnout de Shirom-Melamed (MBSM) Shirom-Melamed Burnout Measure (SMBM) Tradução e adaptação: A. Rui Gomes (2012) (rgomes@psi.uminho.pt)

Leia mais

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional.

Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia profissional. GEN III Grupo de Estudos em Neurometria Discussão de Casos Clínicos Nosso objetivo: Exposição de casos clínicos, compartilhar conhecimentos e ampliar as possibilidades de atendimentos no seu dia a dia

Leia mais