Henrique Cesar de Almeida Maia, Alexandre Ciappina Hueb, João Batista V. Carvalho, Melchior Luiz Lima, Osvaldo Sampaio Netto EDITORIAL COORDINATION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Henrique Cesar de Almeida Maia, Alexandre Ciappina Hueb, João Batista V. Carvalho, Melchior Luiz Lima, Osvaldo Sampaio Netto EDITORIAL COORDINATION"

Transcrição

1

2

3 CARDIOVASCULAR SCIENCES FORUM CARDIOVASC SCI FORUM - Vol 7 / Number 1 - January/March EDITORIAL COORDINATION Henrique Cesar de Almeida Maia, Alexandre Ciappina Hueb, João Batista V. Carvalho, Melchior Luiz Lima, Osvaldo Sampaio Netto ASSOCIATED EDITORS Alfredo I. Fiorelli, Carlos Henrique Marques Santos, Marco Antônio Rodrigues Torres, Elias Kallás, José Carlos Dorsa V. Pontes, Sérgio Nunes Pereira EDITORIAL SECRETARY: Otoni Moreira Gomes Sponsored by: FUNDAÇÃO CARDIOVASCULAR SÃO FRANCISCO DE ASSIS VERDADE É JESUS SÃO FRANCISCO DE ASSIS TRUTH IS JESUS CARDIOVASCULAR FOUNDATION FUNDACIÓN CARDIOVASCULAR SAN FRANCISCO DE ASSIS JESUS ES LA VERDAD Coordination: Elaine Maria Gomes Freitas (OAB) Events Administration: Elton Silva Gomes Scientific Coordination: Otoni M. Gomes Clinic Director: Eros Silva Gomes International Scientific Board Alberto J. Crottogini (Argentina) Celina Morales (Argentina) Daniel Bia (Uruguay) Calogerino Diego B. Cuzumano (Venezuela) Diego A. Borzelino (Venezuela) Domingos S. R. Souza (Sweden) Eduardo Armentano (Uruguay) Eduardo R. Migliaro (Uruguay) Pierluca Lombardi (EE.UU) Michael Dashwood (England) Pascal Dohmen (Germany) Patrícia M. Laguens (Argentina) Pawan K. Singal (Canadá) Ricardo Gelpi (Argentina) Ruben P. Laguens (Argentina) Sylvain Chauvaud (França) Tofy Mussivand (Canadá) Tomas A. Salerno (EE.UU) Scientific Co-sponsorship by: International College of Cardiovascular Sciences, South American Section of the International Academy of Cardiovascular Sciences (IACS - SAS), Department of Experimental Research of the Brazilian Society of Cardiovascular Surgery (DEPEX - SBCCV), SBCCV Department of Extracorporeal Circulation and Mechanical Assisted Circulation (DECAM - SBCCV), SBCCV Department of Clinical Cardiology, Brazilian Association of Intensive Cardiology, Brazilian Academy of Cardiology for the Family, SBCEC - Brazilian Society of Extracorporeal Circulation

4 CARDIOVASCULAR SCIENCES FORUM CARDIOVASC SCI FORUM - Volume 7 / Number 1 - January/March International College of Cardiovascular Sciences SCIENTIFIC BOARD - BRAZIL Adalberto Camim (SP) Aguinaldo Coelho Silva (MG) Alan Tonassi Paschoal (RJ) Alcino Lázaro da Silva (MG) Alexandre Ciappina Hueb (SP) Alexandre Kallás (MG) Antônio Alves Coelho (DF) Antônio A. Ramalho Motta (MG) Antônio de Pádua Jazbik (RJ) Antônio S. Martins (SP) Bruno Botelho Pinheiro (GO) Carlos Alberto M. Barrozo (RJ) Carlos Henrique M. Santos (MS) Carlos Henrique V. Andrade (MG) Cláudio Pitanga M. Silva (RJ) Cristina Kallás Hueb (MG) Domingos J. Moraes (RJ) Edmo Atique Gabriel (SP) Eduardo Augusto Victor Rocha (MG) Eduardo Keller Saadi (RS) Elmiro Santos Resende (MG) Eduardo Sérgio Bastos (RJ) Eros Silva Gomes (MG) Evandro César V. Osterne (DF) Fábio B. Jatene (SP) Francisco Diniz Affonso Costa (PR) Francisco Gregori Jr. (PR) Geraldo Martins Ramalho (RJ) Geraldo Paulino S. Filho (GO) Gilberto V. Barbosa (RS) Gladyston Luiz Lima Souto (RJ) Guaracy F. Teixeira Filho (RS) Hélio Antônio Fabri (MG) Hélio P. Magalhães (SP) Henrique Murad (RJ) Ivo A. Nesralla (RS) Jandir Ferreira Gomes Junior (MS) João Bosco Dupin (MG) João Carlos Ferreira Leal (SP) João Jackson Duarte (MS) Jorge Ilha Guimarães (RS) José Dondici Filho (MG) José Ernesto Succi (SP) José Francisco Biscegli (SP) José Teles de Mendonça (SE) Juan Alberto C. Mejia (CE) Kleber Hirose (SP) Leonardo Andrade Mulinari (PR) Liberato S. Siqueira Souza (MG) Luiz Antonio Brasil (GO) Luiz Boro Puig (SP) Luis Carlos Vieira Matos (DF) Luiz Fernando Kubrusly (PR) Luiz Paulo Rangel Gomes Silva (PA) Mário Ricardo Amar (RJ) Marcelo Sávio Martins (RJ) Marcio Vinicius L. Barros (MG) Marcílio Faraj (MG) Maria José Campagnole (MG) Mario Coli J. de Moraes (RJ) Mario Oswaldo V. Peredo (MG) Melchior Luiz Lima (ES) Miguel Angel Maluf (SP) Neimar Gardenal (MS) Noedir A. G. Stolf (SP) Osvaldo Sampaio Netto (DF) Pablo Maria A. Pomerantzeff (SP) Paulo Antônio M. Motta (DF) Paulo de Lara Lavítola (SP) Paulo Rodrigues da Silva (RJ) Pedro Rocha Paniagua (DF) Rafael Haddad (GO) Rodrigo Mussi Milani (PR) Ronald Sousa Peixoto (RJ) Rika Kakuda Costa (SE) Roberto Hugo Costa Lins (RJ) Ronaldo D. Fontes (SP) Ronaldo M. Bueno (SP) Rubio Bombonato (SC) Rui Manuel S. A. Almeida (PR) Sérgio Luis da Silva (RJ) Sérgio Nunes Pereira (RS) Sinara Silva Cotrim (MG) Tânia Maria A. Rodrigues (SE) Victor Murad (ES) Walter José Gomes (SP) Walter Labanca Arantes (RJ) Wanewman Lins G. Andrade (BA) EDICOR Ltda. Truth is Jesus the Word of God John 1.1; 14.6; 17.17

5 CARDIOVASCULAR SCIENCES FORUM ISSN (Publicação Online) ISSN (Publicação Impressa) EDITORIAL SECRETARY Fundação Cardiovascular São Francisco de Assis Verdade é Jesus R. José do Patrocínio, Santa Mônica, Belo Horizonte / MG - Brazil CEP: Tel./ Fax: (55) Site: DATA PROCESSING CENTER Coordination: Elton Silva Gomes Lay-out/Editoring: Sávio Rodrigues Webmaster: Gustavo Rique ADVERTISING Advertising inquiries should be addressed to ServCor - Division of Events, R. José do Patrocínio, Santa Mônica Belo Horizonte / MG - Brazil - CEP: Tel./ Fax: (55) Copyrights: EDICOR Ltda. Truth is Jesus the Word of God John 1.1; 14.6; Home Page:

6

7 ISSN (Publicação Online) ISSN (Publicação Impressa) CARDIOVASC SCI FORUM - January/March ; 7 (1): CONTENTS EDITORIAL Scientific Forum XXI: International Congress of Cardiovascular Sciences Alison Muller - Canada 08 SPECIAL REPORT Free papers report in the Scientific Forum XXI: International Congress Of Cardiovascular Sciences 09 UPCOMING EVENTS 26 INSTRUCTIONS TO AUTHORS 31

8 EDITORIAL 8

9 SPECIAL ARTICLE ARTIGO ESPECIAL 9

10 Correlação Doppler entre Índice de Resistência, Índice de Pulsatilidade e Relação Sistólica Diastólica em Ultrasonografia Obstétrica / Doppler Correlation Between Resistance Index, Pulsatility Index and Systolic to Diastolic Ratio on Obstetric Doppler Ultrasound Sydney Correia Leão, Hertaline Menezes N. Rocha, Ivanna Oliveira Leal, Maria Regina Menezes Lima, Anderson Carlos Marçal, Tânia Maria de Andrade Rodrigues Instituição: Laboratory of Molecular Anatomy. Morphology Department Universidade Federal de Sergipe. Aracaju/SE Fundamentos: The rate of placental blood perfusion is an important parameter that refleats the function of the placenta (Tchirikov; Strohner; Förster et al, 2009). With the utilization of doppler in obstetrics, it became possible to measure the rate of placental blood perfusion using criteria such as Resistance Index (RI), Pulsatility Index (PI) and systolic to diastolic ratio (S/D), enabling the diagnosis of some pathologic conditions in obstetrics. Objetivo: Analyze the correlation between Resistance Index (RI), Pulsatility Index (PI) and systolic to diastolic ratio (S/D) of umbilical and middle cerebral arteries on 265 obstetric doppler ultrasounds. Método: This is a cross-sectional retrospective study, based on random secondary data of 265 obstetric doppler ultrasounds collected in an Obstetrics Reference Service of the city of Aracaju/ SE. The inclusion criteria for the study were all registers of obstetrical ultrasounds in the period between October/10 and July/11, achieved by the same medical sonographer. Data collected included Resistance Index (RI), Pulsatility Index (PI) and Systolic to diastolic ratio (S/D) of umbilical (UA) and middle cerebral arteries (MCA). In addition, it was measured the UA/MCA ratio. Patients whose information was incomplete were excluded. Statistical analysis was performed using Pearson s partial correlation (r). Values above 0.7 were considered of significant statistical correlation. Resultados: Correlation between umbilical artery (UA) parameters is 0.95 (RI and PI); 0.88 (RI and S/D) and 0.89 (PI and S/D). Already correlation between middle cerebral artery (MCA) parameters is 0.89 (RI and PI); 0.89 (RI and S/D) and 0.88 (PI and S/D). Correlating UA and MCA parameters with UA/MCA ratio, it was observed strong statistical correlation with RI (0.70) and moderate correlation with PI (0.65) and S/D (0.64) of umbilical artery. Moderate inverse correlation is found with RI (-0.60); PI (-0.48) and S/D (-0.49). When comparing the same parameters of the two arteries, it was found poor correlation: 0.12 (PI); 0.16 (RI) and 0.07 (S/D). Conclusão: There is a strong correlation between the parameters of a same artery, and poor correlation between the parameters of different arteries. Among the different doppler parameters, RI of umbilical artery is the strongest predictor of the UA/MCA ratio. 10

11 Metástase Cardíaca de Sarcoma de Estroma Endométrica - Relato de Caso Cardiac Metastasis of Endometrial Stromal Sarcoma - Case Report Bruna Salgado Rabelo, Diego Pereira Zille, Gustavo de Oliveira Bretãs, Ac. Marina Leão, Dr. Juliano Maia Duarte Instituição: Instituto Mário Penna, Hospital Luxemburgo Faculdade de Medicina - UFMG Fundamentos: Tumores cardíacos primários são neoplasias pouco recorrentes na espécie humana. Já a incidência de metástases cardíacas relatadas na literatura é muito variável, com valores obtidos em estudos randomizados que vão desde 2,3% a 18,3%. Os tumores que apresentam a maior incidência de metástase cardíaca são: mesotelioma pleural, melanoma, tumores pulmonares,e carcinoma de mama.o sarcoma do estroma endometrial é um raro tipo histológico,com prevalência de apenas 0,2% entre os tumores uterinos. As metástases intracardíacas desse tipo tumoral são muito incomuns. Objetivo/ : Apresentar caso clínico raro de metástase intra-cardíaca com intuito de justificar a importância de se estender a propedêutica em pacientes com descompensação cardíaca. Método: Relato de caso: MAS, feminino, 44 anos, submetida à histerectomia em julho de 2007 com diagnóstico de sarcoma do estroma endometrial confirmado através de imuno-histoquímica. Diagnósticoconcomitante de metástases pulmonares e massa hiperecogênica no interior do átrio esquerdo evidenciada no ECO Doppler. A lesão,sugestiva de mixona, foi acompanhada de hipertensão pulmonar e de descompensaçao cardíaca. Devido a impossibilidade de abordagem cirúrgica, optou-se por iniciar quimioterapia paliativa com Doxorrubicina e Dacarbazina considerando a lesão atrial como metástase. Paciente evoluiu com resposta clínica completa, resolução de sintomas e desaparecimento da lesão atrial e pulmonar após seis ciclos de quimioterapia e até o momento, está estável em controle clínico cardiológico. Resultados: / Discussão: As apresentações clínicas de metástases cárdicas são extremamente variáveis podendo, em alguns casos, ser a primeira manifestação de uma neoplasia maligna não diagnosticada. No caso em questão, a paciente apresentava uma massa hiperecongênica no átrio esquerdo. Apesar de não ter sido realizada biópsia cardíaca, a remissão completa da massa tumoral aos quimioterápicos é indicativa de metástase cardíaca de sarcoma de estroma endometrial, já que os mixomas não são quimioresponsivos. As manifestações clínicas nesse tipo de metástase podem ser muito amplas como arritmias atriais - flutter atrial ou fribrilações - batimentos prematuros, arritimias ventriculares, distúrbios de condução e bloqueios atrioventriculares completos. Há ainda, relatos de dispnéia progressiva, hipotensão e descompensação cardíaca, sintoma este apresentado pela paciente. Conclusão: O caso clínico explicitado evidencia a importância de considerar a possibilidade de metástases cardíacas em pacientes com sarcoma uterino endometrial. O diagnóstico preciso terá implicações fundamentais no tratamento e prognostico do paciente. 11

12 Traumatismo por Arma Branca do Tronco Pulmonar / White Weapon Injury of the Pulmonary Artery Trunk André Cesário Dalsóquio, Beatriz Barbosa Lima, Isabelle Cristine Marques de Lima, Hussein Ali Awada, Vinicius Miranda Borges, Prof. Dr. João Batista Vieira de Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS- Alfenas, MG Objetivo: Apresentar caso de lesão traumática do tronco pulmonar por arma-branca. Introdução: As lesões do tronco pulmonar são graves e provocadas por agressão por arma-de-fogo ou arma branca.o hematoma mediastinal que se forma comprime as estruturas do mediastino como traquéia, brônquios e nervos (vago, laríngico recurrente), veia cava superior, veias braquiocefálicas. O tratamento é cirúrgico e de emergência e a morbimortalidade é expressiva( 20-40%). Apresentamos caso de lesão traumática do tronco pulmonar por arma-branca tratado com sucesso. Material e método: Paciente do sexo feminino, 77 anos, do lar, solteira, tentativa de auto-extermínio. Apresentava arma branca (punhal) em hemitórax E em região supra-clavicular E com pulsação do punhal. Queixava-se apenas de dor no local da inserção da arma branca. Encontrava-se estável hemodinamicamente, com Escala de Coma de Glasgow = 15, Freqüência respiratória = 20 i.r.p.m, Freqüência cardíaca = 70 b.p.m, Pressão arterial = 120x80 mmhg, Temperatura axilar: 36ºC. Ao exame físico encontrava-se sem alterações. Foi realizado Rx de tórax, ecocardiograma e triplexscan de artérias e veias subclávia à e a arma branca encontrava-se posicionada longitudinalmente da região supraclavicular e em direção ao mediastino. Não se constatou lesão cardíaca ao ecocardiograma. As artérias e veias subclávias esquerdas estavam íntegras. Os exames de imagem não foram conclusivos sobre a localização exata do punhal. No bloco cirúrgico procedeu-se a toracotomia exploradora em livro aberto. Foi retirada a arma branca da região supraclavicular e desde o hilo pulmonar. Não houve lesão cardíaca.constatou-se lesão do tronco da artéria pulmonar de 1cm tamponada. Feito rafia com fio prolene 40. Constatado fístula aérea em lobo superior esquerdo corrigida com fio prolene 2.0 em dois planos. Feito drenagem pleural tubular. No pósoperatório o paciente evoluiu bem e recebeu alta no oitavo dia de internação. Discussão: As lesões do tronco pulmonar por armabranca passíveis de correção cirúrgica na urgência são raras. Atualmente se dispõe da abordagem endovascular porém em muitas situações A abordagem convencional é a única opção de emergência para o tratamento efetivo. O presente relato demonstra como é possível o diagnóstico e o tratamento efetivos através de abordagem precoce com cirurgia convencional. 12

13 Ponte Aortomsentárica e Embolectomia com Fogarty em Paciente Octagenário Aortomesenteric Bridge and Embolectomy with Fogarty Catheter in Octogenarian Patient Saulo Santos Estrela Terra, Caio Carvalho dos Santos Souza, Sarah Paranhos Campos, Pedro Henrique Ribeiro Alves, Monise Zacariotto, Prof. Dr. João Batista Vieira Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS- Alfenas, MG Objetivo: Apresentar um caso de embolia mesentérica aguda em paciente idoso tratado em tempo hábil com revascularização intestinal. Introdução: A forma aguda da isquemia mesentérica é rara apresentando mortalidade de até 70%. A embolia, predominantemente, tem origem nas cavidades cardíacas a partir de fragmentos de um trombo mural associado a infarto do miocárdio e fibrilação atrial, raramente tem origem de um aneurisma proximal trombosado ou da liberação de placa de ateroma. É comum nos cardiopatas com antecedentes de eventos embólicos ou com embolia periférica concomitante. Material e método: Relatamos um caso de isquemia mesentérica aguda em paciente, 84 anos, sexo masculino internado no Hospital Universitário Alzira Vellano com quadro de dor epigástrica, tipo queimação, de forte intensidade, sem irradiações associado a náuseas e sudorese profusa. Histórico de abdome agudo inflamatório, fibrilação atrial, hipertensão arterial sistêmica e DPOC em uso de digoxina, enalapril, ácido acetilsalicílico e lasix. As hipóteses diagnósticas iniciais foram síndrome dispéptica e síndrome coronariana. Exames revelaram leucocitose com desvio a esquerda e acidose. Com quadro de abdome agudo vascular, o paciente foi submetido a uma laparotomia exploradora que identificou embolia mesentérica. Na cirurgia de emergência foi realizada a revascularização intestinal com embolectomia com cateter de fogarty ecom ponte aorto-mesentérica com ponte de PTFE aortomesentérica. Paciente teve um bom transoperatório eencaminhado a UTI. Devido a fibrilação atrial apresentou duas paradas cardiorespiratórias sendo realizada massagem cardíaca. A segunda massagem foi cessada devido à falta de resposta do paciente e considerando sua idade e suas co-morbidades. Discussão: O infarto intestinal está associado à alta morbidade, o que se deve em especial ao fato do leito vascular mesentérico ser relativamente pobre em colaterais (quadro agudo) e ao fato de que o diagnóstico nem sempre é realizado facilmente, já que o exame com maior acurácia, a angiografia, é muitas vezes impossibilitada devido ao o tempo e disponibilidade que demanda para sua realização.o diagnóstico precoce e a revascularização imediata são fatores limitadores da ressecção intestinal. O uso criterioso da exploração e de antibióticos é importante contemporâneo da embolia mesentérica. 13

14 Medicação Utilizada Durante a Gestação e suas Implicações no Desenvolvimento Fetal Medication Used During Pregnancy and its Implications in the Fetus Evollution Izabele Karoline de Lima Silva, Dayanne Lourenço Coelho, Priscila Aragão Alves Silva, Prof. Dra. Fálba Bernadete Ramos dos Anjos, Prof. Dra. Rita de Cássia Xavier de Carvalho, Prof. Dra. Karen Pena de Souza Cavalcanti Instituição: Universidade Federal de Pernambuco-UFPE e Universidade de Pernambuco - UPE Fundamentos: Os agentes anti-hipertensivos usados nas terapias medicamentosas podem ser classificados de acordo com os locais ou mecanismos de ação. O aumento do débito cardíaco pela resistência vascular periférica pode se tornar mais ineficiente durante a gestação. Os fatores de riscos envolvidos nas síndromes hipertensivas são: nuliparidade, extremos de idade cor e a obesidade. Objetivo: Identificar as medicações mais citadas no tratamento da hipertensão arterial (HA) e relacionálos com a hipertensão arterial (HA) nas gestantes assistidas em maternidade do Recife. Método: Estudo do tipo transversal, no qual foram entrevistadas 273 gestantes, no interstício de 2009 a 2010, na maternidade do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), sendo levantados: grau de instrução, renda familiar, a incidência de hipertensão na gestação e os alguns sinais manifestados nesta fase. Após a catalogação, elas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: Segundo as entrevistadas o grau de escolaridade foi: 3,30% eram analfabetas; 33,05% tinham o 1º grau incompleto; 24,80% o 1º grau completo; 12,40% o 2º grau incompleto; 18,18% o 2º grau completo; 1,65% o curso superior incompleto; 0,82% o superior completo e 5,80% não informaram. quanto à renda mensal das entrevistadas foi identificado que: 52,07% tinham renda de 1 salário mínimo; 2,48% tinham 1,5 salário; 22,31% recebiam entre 2 a 4; 4,13% entre 5 ou mais; 5,79% sem nenhuma renda e 13,22% não informaram. Os medicamentos citados para este fim foram: hidroclorotiazida (1,81%); aldometi (1,81%); captopril (6,29%); metildopa (90,09%). A doença hipertensiva específica na gestação (DHEG) é uma complicação exclusiva humana, que tem etiologia desconhecida. Contudo, neste estado especial, as complicações podem levar ainda, ao deslocamento prematuro de placenta, coagulação intravascular disseminada, hemorragia cerebral, hepática e renal, e no feto, alterar o suprimento de oxigênio e nutrientes, baixo peso ao nascer, riscos de desenvolver doenças pulmonares agudas e crônicas. Estes fármacos podem funcionar como terapia medicamentosa, e consequentemente reduzir a resistência periférica ao atuar sobre o músculo liso, produzindo relaxamento dos vasos de resistência, o que parece favorecer o fluxo sanguíneo materno-fetal. Conclusão: A terapia medicamentosa pode funcionar no combate a hipertensão, tendo ainda como coadjuvantes a dieta e o exercício físico. 14

15 Análise de Pacientes Submetidos a Gated-Spect após Revascularização Analysis of Patients Undergoing Gated-SPECT after Revascularization Lucas Carvalho de Toledo, Larissa de Rezende Mikael, Frederico Timoteo Silva Cunha, Gabriella Santos Basile Martins, Caroline Ivone Fontana Formigari, Prof. Osvaldo Sampaio Netto Instituição: Universidade Católica de Brasília - UCB Fundamentos: O GATED-SPECT consiste na cintilografia miocárdica sincronizada com o eletrocardiograma, permitindo o cálculo da fração de ejeção do ventrículo esquerdo, a determinação dos volumes sistólico e diastólico e a análise do espessamento e da motilidade das paredes miocárdicas. Além disso, mantém a capacidade de analisar perfusão sanguínea regional das paredes do miocárdio. Objetivo: Identificar a queixa principal que levou a realização do GATED-SPECT e correlacioná-la com o resultado do exame; comparando também os fatores de risco de cada paciente com o resultado do GATED- SPECT. Método: Aplicação de questionário em 219 pacientes que foram submetidos a GATED-SPECT no primeiro trimestre de 2010; dentre os quais 27 foram realizados após procedimento de revascularização. Resultados: Avaliando-se o resultado do exame nos 27 pacientes revascularizados com idade média de 64,9 + 9 anos; 10 pacientes mostraram um exame normal, 10 com isquemia e 7 com novo infarto. Dentre os pacientes com resultado normal 9 realizaram o exame para controle e 1 com queixa de cansaço; aqueles com resultado de isquemia 4 realizaram o exame para controle, 4 com queixa de dor no peito, 1 devido a teste de esforço alterado e 1 com queixas de palpitações. No grupo de pacientes com diagnóstico de novo infarto ao exame, 5 queixaram-se de dor no peito e 2 possuíam teste de esforço alterado. Dos fatores de risco analisados (hipertensão arterial, diabetes, atividade física rotineira, colesterol elevado, triglicerídeos elevados, tabagismo, história familiar e infarto prévio), o que se mostrou com maior prevalência em pacientes com diagnóstico de novo infarto foi a existência de um infarto prévio (85,7%) e a falta de atividade física rotineira. A média dos Índices de Massa Corporal (IMC) dos pacientes com resultado normal (26,7 g/m2) foi menor que a média dos pacientes com isquemia (29,2 g/m2) e infarto (29,4 g/m2). Conclusão: O GATED-SPECT é um excelente exame para o diagnóstico e seguimento terapêutico na Doença Arterial Coronariana (DAC). A maior prevalência de infarto prévio, IMC elevado e ausência de atividade física rotineira no grupo com resultado de exame alterado denota a importância desses fatores de risco para o desenvolvimento da Doença Arterial Coronariana. 15

16 Revascularização de Membros Inferiores com Veias do Sistema Venoso Profundo Revascularization of Lower Limbs Veins with the Deep Venous System Rafael Kimio dos Santos Haraki, Plínio Augusto M. Fonseca, Luiza Hayako Hirata Takizawa, Rayanne Nunes Ribeiro, Maísa Ribeiro de Souza, Prof. Dr. João Batista Vieira de Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS - Alfenas - MG Introdução: A reconstrução aorto-ilíaco-femoral com veias femoral superficial e poplítea autógenas (veias do sistema venoso profundo - VSVP) para tratar as complicações relacionadas ao emprego de próteses (infecção, com mais freqüência) tem sido feita com sucesso. Os resultados efetivos e a longo prazo assim como as implicações destes procedimentos, entretanto, permanecem questionáveis. Para serem efetivos, a morbidade e a mortalidade relacionadas deveriam ser pelo menos semelhantes aos métodos convencionais, com taxas de patência e de salvamento de membros efetivas, ausência de degeneração aneurismática e de morbidade venosa. Apresentamos aqui os resultados obtidos utilizando esta técnica, escolhida quando o emprego de próteses e de veias autógenas não foi factível. Material e Método: Foram empregadas veias do sistema venoso profundo dos membros inferiores, basicamente a veia femoral superficial e sua continuação, a veia poplítea, como substituta arterial com base nos trabalhos de CLAGETT, G.P. et al e SCHULMAN et al. Desde 1990, estes autores têm utilizado as veias do sistema venoso profundo para substituto do território aorto-ilíaco-femoral em casos de infecção em próteses ou na ausência de veias do sistema venoso superficial adequadas. As VSVP foram escolhidas para revascularização de membros inferiores diante de situações especiais como na infecção do enxerto protético aortofemoral ou na indisponibilidade de próteses (45 casos) e em derivações venosas fêmoro-poplíteas infrageniculares (09 casos). A opção pelo emprego das VSVP foi devido à ausência das veias safenas magnas e parvas retiradas em cirurgias anteriores ou presença dessas veias, porém, com calibre inadequado para sua utilização (05 casos). Resultados: Os pacientes apresentaram boa evolução com edema discreto no membro onde o segmento de veia femoral superficial foi retirado. Ecodoppler venoso pós-operatório revelou trombose venosa profunda em apenas um destes pacientes, o qual apresentou boa evolução após instituição do tratamento anticoagulante. O tempo médio de seguimento dos pacientes foi de 60 meses. A idade média dos pacientes foi de 71 anos e a maioria apresentou doença arterial obstrutiva multissegmentar. A patência primária foi de 90% nas derivações aorto-ilícas e de 85% nas fêmoropoplíteas. A patência secundária foi de 100% nos aorto-ilíacos e 60% nos fêmoropoplíteos. A mortalidade foi de 11,1% (6/54 pacientes) sendo 5 óbitos nas derivações aotoilíacas e um nas derivações fêmoropoplíteas. 16

17 A principal causa de óbito foi o infarto agudo do miocárdio (4/54 pacientes - 7,4%) e a síndrome de reperfusão secundária a isquemia aguda (2/54 pacientes - 3,7%). O tempo médio de cirurgia foi de 4,5 horas. Nossa primeira operação foi realizada no Hospital das Clínicas da UFMG em 25/04/1998 em um paciente de 78 anos encaminhado de outro serviço que apresentava uma prótese de Dacron infectada, utilizada em bypass aorto-femoral esquerdo. Este paciente apresentava fistulização para as regiões inguinal esquerda e hipogástrica, sendo submetido à retirada cirúrgica da prótese de Dacron. Durante o mesmo procedimento cirúrgico, o membro inferior esquerdo foi revascularizado com segmento de 26 cm das veias femoral superficial e poplítea esquerdas ( veia femoropoplítea ) interpostas em continuidade entre a aorta abdominal e a artéria femoral comum esquerda de forma reversa. Ambas as veias foram retiradas como enxerto em continuidade, distal à confluência da veia femoral profunda. O paciente evoluiu bem no pós-operatório com edema discreto que regrediu progressivamente não sendo mais perceptível a partir do 18º dia de pós-operatório. O Dupplex Scan no 30º dia de pós-operatório não evidenciou sinais de trombose venosa profunda no membro revascularizado. A pressão supramaleolar esquerda e o índice de pressão supramaleolar/ braquial esquerdo foram respectivamente de 120mmHg e de 1,0. Quatro meses depois, o mesmo paciente retornou com quadro isquêmico no membro inferior direito. Utilizamos a veia femoral superficial direita de forma reversa como enxerto cruzado esquerdo-direito sendo a anastomose proximal realizada com a veia femoral superficial esquerda utilizada na cirurgia anterior. O túnel para passagem do enxerto venoso profundo reverso foi construído no subcutâneo que já se encontrava livre da infecção relacionada à prótese aórtica retirada no primeiro procedimento. A terminação distal da VFS foi anastomosada de forma término-terminal a uma prótese de PTFE de 8,0 mm. A terminação distal da prótese de PTFE foi anastomosada de forma término-lateral à artéria poplítea direita no canal adutor, constituindo VFS e prótese de PTFE (enxerto composto). Conclusão: Concluímos ser viável a utilização da veia femoral superficial em situações de exceção e na urgência, como relatado na literatura, quando não encontramos outra opção para procedermos à reconstrução arterial. Os resultados obtidos até o momento são aceitáveis, mas um seguimento maior destes pacientes é necessário para estabelecermos o real papel do emprego de veias do sistema venoso profundo dos membros inferiores em revascularizações. 17

18 Tratamento de Deiscências de Feridas Operatória em Bypass Fêmoropoplíteo com Açúcar como Cobertura Primária Treatment of Postoperative Wound Dehiscence in Femoropopliteal Bypass with Sugar as Primary Coverage Fonseca, Plinio Augusto Moreira, Haddad, Barbara Mendes, Teixeira, Aline Stivanin, Carvalho, Karoline P. R. V, Prof. Dr. João Batista Vieira de Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS - Alfenas - MG Introdução: Há muito tempo o açúcar tem sido (40%) submetidos a by pass fêmoro-poplíteo utilizado no tratamento de feridas crônicas. apresentaram deiscência da ferida operatória. Após Entretanto estudos ainda precisam ser elaborados cuidados iniciais em hospital foram encaminhados para se confirmar a sua efetividade terapêutica. para acompanhamento ambulatorial. Os curativos Neste trabalho é apresentada uma revisão de cinco subsequentes foram realizados com lavagem pacientes submetidos a bypass fêmoro-poplíteo com deiscência pós-operatória da ferida cirúrgica tratados com curativos utilizando açúcar cristal granulado na ferida cirúrgica deiscente com sucesso. Objetivos: Apresentar o tratamento bem sucedido com emprego de açúcar cristal granulado em feridas pós-operatórias em bypass ( cirurgia vascular). Justificativas: Sabe-se que o custo dos curativos apresenta impacto sobre o sistema de saúde. Os pacientes com feridas crônicas necessitam de curativos periódicos com envolvimento de pessoal de enfermagem, médicos, podólogos e estomatoterapeutas. A utilização de produtos de baixo custo e com bom resultado na cicatrização exaustiva com soro fisiológico 0,9% três vezes por dia sob pressão, colocação de açúcar cristal sobre o leito da ferida, cobertura da mesma com gases esterilizadas, e enfaixamento. As feridas foram acompanhadas semanalmente até a sua epitelização. Resultados e Discussão: Obtivemos 100% de sucesso na cicatrização das feridas de deiscência pós-bypass. O tempo médio de cicatrização foi de 5-6 semanas. Os pacientes não apresentaram sinais maiores de infecção no período de seguimento. Conclusão: Pode-se concluir que o açúcar como curativo primário foi efetivo na cicatrização das feridas deiscentes no pós-operatório de bypass fêmoropoplíteo. das feridas é imperativo. O açúcar granulado tem demonstrado ser efetivo na recuperação destes pacientes. Material e Método: Cinco pacientes sendo três do sexo masculino (60%)e dois do sexo feminino 18

19 Tratamento de Úlceras de Membros Inferiores de Longa Duração com Sulfadiazina de Prata 1% Treatment of Leg Ulcers of Long Duration with Silver-Sulfadiazine 1% André Cesário Dalsóquio, Saulo Santos Estrela Terra, Rafael Kimio dos Santos Haraki, Rodrigo Jacobucci, Prof. Dr. João Batista Vieira de Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS - Alfenas - MG Fundamentos: O tratamento de feridas crônicas (úlceras de membros inferiores) é uma rotina no ambulatório de cirurgia vascular e na prática médica diária. A utilização de meios de cobertura da ferida com menor custo é fundamental para o sucesso e adesão do paciente ao tratamento. Nesse contexto, a cobertura com sulfadiazina de prata 1% tem sido utilizada com bons resultados. No estudo em questão, apresentamos os resultados da utilização dessa cobertura nos pacientes com úlcera de estase de longa duração, atendidos no ambulatório de cirurgia vascular. Objetivo: Apresentar os resultados do tratamento com emprego de pomada de sulfadiazina de prata 1% em úlceras de estase de longa duração (mais de 6 meses de evolução). Método: Vinte pacientes (n=20), sendo 07 do sexo masculino (74 %) e 13 do sexo feminino (26%), com úlcera de estase de longa duração foram tratados com sulfadiazina de prata 1% utilizada como cobertura primária de ferida. Os curativos foram realizados com lavagem exaustiva com soro fisiológico 0,9% três vezes por dia sob pressão, colocação de pomada de sulfadiazina de prata 1% sobre o leito da ferida, cobertura da mesma com gases esterilizadas, e enfaixamento. As feridas foram acompanhadas semanalmente até a epitelização e cicatrização. Os pacientes foram orientados quanto ao repouso médio de 30 minutos a cada hora com os membros elevados, controle rigoroso da hipertensão, diabetes melito e outras comorbidades. Resultados: Obtivemos 100% de sucesso na cicatrização das feridas. O tempo médio de cicatrização observado foi de 20,3 semanas. Os pacientes não apresentaram sinais maiores de infecção no período de seguimento. Conclusão: Tendo em vista o resultado encontrado, nota-se que a pomada de sulfadiazina de prata 1% mostrou efetividade considerável no tratamento de úlcera de estase de longa duração, favorecendo o processo de cicatrização nesses pacientes. Constatase também que esta medida terapêutica contribui a médio e longo prazo para a redução de custos em saúde, referentes a curativos em portadores de feridas crônicas. 19

20 Tamponamento Cardíaco por Ruptura Intrapericárdica de Aneurisma de Aorta Ascendente Cardiac Tamponade due to Intrapericardial Rupture of Ascending Aortic Aneurysm Diego Pereira Freire, Mariana Martins Ferreira, Flávia Ferreira Martins, Carla Maiolini de Freitas, Prof. Dr. João Batista Vieira Carvalho Instituição: Departamento de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Alzira Vellano, Universidade José Rosário Vellano, UNIFENAS - Alfenas - MG Objetivo: Relatar caso de ruptura intrapericárdica de anerisma de aorta ascendente abordado cirurgicamente. Introdução: A ruptura intrapericárdica dos aneurismas de aorta ascendente é quadro de alta morbimortalidade.a evolução destes pacientes em 90% dos casos é com tamponamento cardíaco e óbito. Em 10% dos casos no entanto a ruptura pode dissecar o medistino e ser contida por breve período (período latente de Baudet) o que possibilita a abordagem cirúrgica com possiblidades de salvamento do paciente. Material e Método: Apresentamos caso de paciente com ruptura de aneurisma de aorta ascendente parcialmente contida e tratado com cirurgia. Paciente T.R.S, sexo masculino, 66 anos, deu entrada em 01/12/08 no Pronto Socorro do HUAV, relatando dor em baixo ventre, de forte intensidade, do tipo queimação e sem irradiação. Ausência de náuseas, vômitos e febre. Estava fazendo uso de Amoxicilina e Clavulanato para tratamento de uma Pneunomia recentemente diagnosticada. Ao exame, paciente REG, hipocorado (+/4+), desidratado (2+/4+), anictérico, acianótico,afebril, Crepitação em base pulmonar à esquerda, BRNFT em 2T sem cliques, sopros e estalidos, Abdome tenso, RHA+, doloroso à palpação superficial em baixo ventre à direita e pontos ureterais superiores e inferiores à direita.a investigação médica incluiu RX de Toráx PA e Perfil, que revelou pulmões pouco expandidos, infiltrado Intersticial em bases, faixas laminares de Atelectasia à direita, cardiomegalia global,principalmente as custas de ventrículo esquerdo e leve ectasia do botão aórtico.a avaliação laboratorial revelou hemáceas 3.54/mm³, hemoglobina 9.10 g/dl, hematócrito 26.90%, leucócitos 3.800/mm³(neutrófilos 59%, 32% linfócitos), plaquetas /mm³, Sódio 131 meq/l, potássio 4,2mEq/l, Magnésio 2,3 mg/ dl, Creatinina 0,8 mg/dl, Uréia 107 mg/dl, TGO 19U/l e TGP 10 U/l.A endoscopia digestiva alta detectou-se Esofagite por refluxo Grau II, lesões agudas da mucosa gástrica sem sangramento ativo, duodenite enantematosa leve. O paciente foi internado com hipótese diagnóstica de pneumonia e abdome agudo perfurativo.em 05/12/08, paciente apresentou instabilidade hemodinâmica com quadro de choque e dor torácica de forte intensidade.rx de tórax evidenciou alargamento do mediastino e desvio da traquéia para esquerda.ecocardiograma revelou ruptura tamponada de aneurisma de aorta ascendente.conduzido ao bloco cirúrgico foi submetido a toracotomia exploradora com ráfia de 20

21 aorta e drenagem pericárdica e pleural bilateral.deu entrada no CTI em ventilação mecânica (FR 12/peep S/FI02 90%), sedado com fentanil e midazolam e mantido com noradrenalina em BIC. Dreno torácicos bilaterais e pericárdico apresentavam drenagem desprezível de líquido sanguinolento. No pósoperatório imediato RX de tórax revelou pulmões pouco expandidos com infiltrado interstício alveolar difuso, cefalização do fluxo pulmonar, ectasia da aorta torácica e cardiomegalia global. Em 13/12/08, paciente evoluiu com PA 95x57 mmhg, bradicardia 23bpm, realizado manobras de ressucitação evoluindo com Parada çárdio-respiratória e óbito. Discussão e conclusões: Paciente foi submetido a tratamento cirúrgico de emergência porém embora a correção tenha sido tecnicamente possível evoluiu para o óbito em conseqüência das comorbidades.a ruptura dos aneurismas de aorta ascendente permanece com alta morbimortalidade apesar dos recentes avanços propedêuticos e terapêuticos. 21

22 Fatores Adversos Envolvendo Situações de Risco na Gestação Adverse Factors Involving Risk Situations in Pregnancy Risk Priscila Helen da Silva Oliveira, Amanda de Santana Santos, Raissa Brown Ferreira Monteiro, Priscila A. Alves Silva, Prof. Dra. Fálba Bernadete Ramos dos Anjos, Prof. Ms. Evandro Valentim da Silva Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Fundamentos: A evolução normal da gestação está atrelada a vários fatores tais como idade, paridade, peso, altura, condições de saúde, fatores ambientais e genéticos, tabagismo e uso abusivo de álcool. O risco de cardiopatia, incapacidade e morte dos pacientes hiper-tensos tem uma intima relação o tabagismo. Objetivo: Analisar os fatores de riscos mencionados e estabelecer uma relação as condições sócioeconômicas assistidas em maternidade do Recife. Método: Estudo com 273 gestantes hiper-tensas, entrevistadas no interstácio de 2009 a 2010, da maternidade do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), sendo levantados: grau de instrução, renda familiar, a incidência de hipertensão na gestação e os alguns sinais manifestados nesta fase. Após a catalogação, elas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: Segundo as entrevistadas o grau de escolaridade foi: 3,30% eram analfabetas; 33,05% tinham o 1º grau incompleto; 24,80% o 1º grau completo; 12,40% o 2º grau incompleto; 18,18% o 2º grau completo; 1,65% o curso superior incompleto; 0,82% o superior completo e 5,80% não informaram. Quanto à renda mensal das entrevistadas foi identificado que: 52,07% tinham renda de 1 salário mínimo; 2,48% tinham 1,5 salário; 22,31% recebiam entre 2 a 4; 4,13% entre 5 ou mais; 5,79% sem nenhuma renda e 13,22% não informaram. Foi identificado que 13,8% das pacientes consumiam bebida alcoólica e 8,1% eram tabagistas. Entre aquelas que utilizavam bebida alcoólica 6% são analfabetas; 76% tinham o primeiro grau e 38% concluíram o ensino médio. Em relação àquelas que fumam 3,3% são analfabetas; 73,3% possuem o primeiro grau e 23,3% têm o ensino médio. O número de cômodos/domicílio foi de 2,48% com um cômodo; 29,75% com 2 a 4; 47,11% com 5 a 6; 13,22% com 7 ou mais e 7,44% não informaram. Estes agentes ambientais assumem um caráter de teratogenicidade como, por exemplo, o tabagismo materno que leva ao retardo do crescimento intrauterino, anomalias do trato urinário, baixo peso ao nascer. O álcool, independente da forma do uso: moderado a alto, causam alterações do crescimento e da morfógenese, retardo mental. Foi identificado que 13,8% das pacientes consumiam bebida alcoólica e 8,1% eram tabagistas. Entre aquelas que utilizavam bebida alcoólica 6% são analfabetas; 76% tinham o primeiro grau e 38% concluíram o ensino médio. Em relação àquelas que fumam 3,3% são analfabetas; 73,3% possuem o primeiro grau e 23,3% têm o ensino médio. Conclusão: As avaliações pré-natais poderiam estimular as gestantes a fazerem uma releitura dos seus hábitos a fim de promover a melhoria da qualidade de vida. 22

23 Patologias Identificadas nas Gestantes de Maternidade do Recife -PE Pathologies Identified in Pregnant Women of Maternity in Recife-PE Queila Carvalho Cristal de Oliveira, Mylena Patrícia de Queiroz, Priscila Aragão Alves Silva, Prof. Dra. Fálba Bernadete Ramos dos Anjos, Prof. Ms. Regina Coeli Ferreira Ramos, Prof. Ms. Wellington Souto Fontes Júnior Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Fundamentos: O crescimento fetal está intimamente associado aos fatores maternos. Na gravidez acontecem inúmeras alterações anatômicas e fisiológicas, resultado da acomodação adequada do feto. Objetivo: Identificar os possíveis indícios da etiopatologia da gestação. Método: Foram entrevistadas 273 gestantes, no interstício de 2009 a 2010, da maternidade do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), sendo levantados: grau de instrução, renda familiar, e as patologias citadas pelas entrevistadas. Após a catalogação, elas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: Segundo as entrevistadas, o grau de escolaridade foi: 3,30% eram analfabetas; 33,05% tinham o 1 grau incompleto; 24,80% o 1 grau completo; 12,40% o 2 grau incompleto; 18,18% o 2 grau completo; 1,65% o curso superior incompleto; 0,82% o superior completo e 5,80% não informaram. Na população investigada, 62,93% tinham patologias, tais como: 67% hipertensas; 11,65% diabéticas; 9,30% apresentavam as duas patologias associadas; 6,90% tinham hipotensão; 2,32% tinham febre reumática; 2,30% com sífilis; 0,44% anêmicas; 1% diabéticas e 25,07% não informaram. Em 52,07% delas recebiam 1salário mínimo; 2,48% foram 1,5 salários; 22,31% recebiam entre 2 a 4; 4,13% entre 5 ou mais; 5,79% sem nenhuma renda e 13,22% não informaram. Talvez as condições socioeconômicas tenham contribuído para o estabelecimento ou agravamento destes quadros. A explicação da etiopatologia, por exemplo, da hipertensão seja o aumento do debito cardíaco comum nesta fase. A progesterona circulante aumentada, devido ao metabolismo do binômio maternal-fetal, pode aumentar volume uterino, assim como o deslocamento cefálico do estomago, modificando o ângulo da junção gastresofágica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a anemia ferropriva acomete 52% das gestantes. Estas doenças podem ter se manisfetado antes da gestação, ou ser uma herança genética, no perfil destas mulheres. Conclusão: O monitoramento pré-natal pode prevenir as complicações perinatal, depressões e síndromes neonatais, com assistência de uma equipe interdisciplinar, com interferências profiláticas, para estas gestantes em condição de risco. 23

24 Diagnóstico Diferencial de Dor Torácica Aguda: Relato de Caso Differential Diagnosis of Acute Chest Pain: A Case Repor Larissa de Rezende Mikael, André Morais Alves, Matheus Cabral Lelis Beleza, Rodrigo Moreira Gervásio, Dra.Valéria Tatyane de Rezende Vera, Prof. Dr. Osvaldo Sampaio Netto Instituição: Universidade Católica de Brasília - UCB Fundamentos: A variedade e possível gravidade das patologias que se manifestam com dor torácica aguda faz com que seja primordial o diagnostico diferencial precoce entre as doenças que possuem um alto potencial de fatalidade ou não. Entre as principais patologias associadas ao quadro de dor torácica aguda podemos destacar o infarto agudo do miocárdio (IAM), aneurisma dissecante de aorta (ADA), pericardite aguda, miocardite, pneumotórax, úlcera perfurada e embolia pulmonar. Sendo, este relato proposto devido a discussão acerca do vasto quadro clínico que envolve a dor torácica aguda e seus possíveis diagnósticos diferenciais. Objetivo: Discutir a importância dos diagnósticos diferenciais de dor torácica aguda, a partir dos sinais e sintomas apresentados. Método: Realizado revisão de prontuário e literária acerca da melhor abordagem para esse quadro clínico. Resultados: Paciente masculino, 51 anos, hígido, sem antecedentes de doenças cardiovasculares, com queixa de dor torácica intensa, com irradiação para o dorso e conseqüente síncope. Foi levado ao Hospital Neurológico, onde ficou internado para a investigação da síncope, sem nenhuma conclusão diagnóstica. Recebeu alta hospitalar e devido a persistência dos sintomas procurou o cardiologista, e após o 5º dia do evento realizou angiografia pela qual foi diagnosticado aneurisma dissecante de 1ª porção do arco aórtico e insuficiência aórtica grave. Foi internado e submetido a cirurgia reparadora de aneurisma de arco de aorta e troca de válvula, sem intercorrências. Conclusão: O aneurisma dissecante de aorta é uma patologia com alto índice de mortalidade, principalmente nas primeiras 48 horas, chegando à 50%. Por este motivo o seu diagnóstico deve ser feito de maneira rápida e precisa. Além disso constitui também um problema de diagnóstico diferencial em serviço de emergência, tendo em vista a sua variedade de sinais e sintomas. Dentre eles podemos destacar dor torácica severa e intensa com irradiação, sintomas neurológicos, cardiorrespiratórios, gastrointestinais e geniturinários. Sendo o tempo um fator crucial no prognóstico das dissecções, a queixa de dor torácica relatada pelo paciente em questão, deveria ter tido maior relevância sobre a síncope, durante o atendimento de emergência. Desta maneira, o médico de plantão deve lançar mão primeiramente de exames radiológicos e em seguida do estudo angiográfico, para avaliar o tipo de lesão, sua dimensão e a partir desses dados determinar a conduta. 24

25 Avaliação da Resposta Inflamatória no Pós-Operatório de Cirurgia Cardíaca com Utilização de Circulação Extracorpórea Evaluation of the Post Operatory Inflamatory Response in Heart Surgery with ECC Diego Silveira Machado, Cinthia Cristiane Santos Fogaça, Ana Luiza Bueno Garcia, Alexandre Santana de Rezende, Prod. Dr. Elias Kallás, Prof. Dr. Alexandre Ciappina Hueb Instituição: Universidade do Vale do Sapucaí - UNIVAS - Pouso Alegre- MG Introdução: Com o advento da circulação extracorpórea (CEC), houve um grande desenvolvimento na cirurgia cardíaca com possibilidade de abordagens intracavitárias e manutenção de campo operatório estanque de sangue. A CEC aliada à resposta endócrino metabólica do trauma operatório pode deflagrar uma inflamação por meio de ativação celular e liberação de mediadores inflamatórios. As variáveis clínicas e laboratoriais que estabelecem os critérios diagnósticos da resposta inflamatória relacionada à CEC ainda não estão bem definidas. O presente estudo avaliará a ocorrência de manifestações clínicas de resposta inflamatória à CEC em pacientes adultos, submetidos à cirurgia cardíaca com emprego de circulação extracorpórea, correlacionando-a com desfecho clínico. Objetivo: Esse estudo tem por objetivo avaliar a função renal e a necessidade e quantidade de insulina utilizada no pós-operatório de pacientes não diabéticos submetidos à cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea. Casuística: Estudo analítico, observacional, nãocontrolado, individual, do tipo estudo-clínico onde foram avaliados consecutivamente, no período pósoperatório imediato primeiro e segundo dia, 30 pacientes adultos não diabéticos, de ambos os sexos, submetidos a revascularização miocárdica com CEC. Critérios de inclusão: idade superior a 18 anos, utilização de CEC, conformidade em participar do estudo após assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. Critérios de exclusão: reoperações e tempos de CEC menor que 30 minutos. No pós-operatório foram avaliadas a necessidade e quantidade de insulina regular humana utilizada para manter a glicemia abaixo de 150mg/dl. Foram avaliadas também as seguintes variáveis: níveis séricos de creatinina no pós-operatório imediato, primeiro e segundo pós-operatório assim como tempo de CEC, tempo de anóxia e alta da UTI. Resultados: A idade média foi 62,4±8,5 anos, o tempo de CEC 80,5±21,1 minutos e de anóxia 49,9±18,0 minutos. O tempo de internação médio na UTI foi 77,6±36,3 horas. A creatinina foi de 0, 78±0,24; 0,88±0,32 e 0,82±0,21 no pós-operatório imediato, 1º e 2º PO respectivamente, sem diferença estatística (p=ns). A quantidade de insulina regular administrados no POi, 1º e 2º PO foi: 4,65±2,33; 4,89±2,95 e 5,28±13,4 unidades, respectivamente, sem diferença entre os períodos. Quando se comparou a quantidade de insulina oferecida POi, 1º e 2º PO, com os níveis de creatinina, através do coeficiente de correlação de Spearman, não se observou significância estatística (r=0,198, p=0,320). Observou-se quanto maior o tempo de CEC maior foi o tempo de internação na UTI (r=0,485, p=0,007). Conclusão: Não há relação entre a creatinina sérica e a quantidade de insulina administrada nas primeiras 72 horas de pós-operatório de revascularização miocárdica em pacientes não diabéticos. 25

26 UPCOMING EVENTS EVENTOS 26

27 27

28 28

29 29

30 30

31 31

32 08:00 AM - WELCOME Konstadinos Plestis - MD - USA Otoni M. Gomes - MD - Brazil Mario Coli J. Moraes - MD - Brazil 08:10 AM - SESSION I Coordination: Konstadinos Plestis - MD - USA Otoni M. Gomes - MD - Brazil 08:10 AM - Prevalence of Cardiac Disease using Telecardiology System Control In Selected Communities Elmiro Santos Resende - MD - Brazil 08:25 AM - Left Ventricular Diastolic Disfunction: Ethiology Diagnosis and Treatment Antoinette Oliveira Blackman - MD - Brazil 08:40 AM - Aortic Disease Approach in Pregnant Women Christina Kallás Hueb - MD - Brazil 08:55 AM - Inflamatory Response Analysis by Blood Glucose Level Control in Off- Pump And On-Pump CABG Elias Kallás - MD - Brazil 09:10 AM - The Artificial Heart Evolution Walter Labanca Arantes - MD - Brazil 09:25 AM - Peripheral Arterial Revascularization with Lower Limbs Deep Vein Grafts João Batista Vieira de Carvalho - MD - Brazil 09:40 AM - Discussion 09:55 AM - SESSION II - MITRAL VALVE DISEASE Coordination: Mario Coli J. Moraes - MD - Brazil Konstadinos Plestis - MD - USA 09:55 AM - Optimized Anatomy Approach in Mitral Valve Surgery Alexandre Ciappina Hueb - MD - Brazil 10:10 AM - Advantage of Crossed Papillopexy in LV Remodeling After Mitral Valve Replacement Melchior Luiz Lima - MD - Brazil 10:25 AM - Strategy and Results with Left Ventricular Remodeling During Mitral Valve Replacement in Patients with NYHA Class IV Heart Failure Ricardo Adala Benfatti - MD - Brazil 10:40 AM - Optimized Electrophysiology Approach for Atrial Fibrillation Treatment during Mitral Valve Surgery Otoni M. Gomes - MD - Brazil 10:55 AM - Discussion 11:10 AM - Break 11:35 AM - SESSION III - AORTIC VALVE AND GREAT VESSEL DISEASES Coordination: Domingos Ramos de Souza - MD - Sweden Alexandre Ciappina Hueb - MD - Brazil 11:35 AM - Aortic Valve Surgery with Beating Heart and Perfused Lung Tomas A. Salerno - MD - USA 11:50 AM - Valve Sparing Aortic Root Surgery John Hemli - MD - USA 12:05 PM - From Minimally Invasive Aortic Valve Surgery to Transapical Aortic Valve Implantation Gregory Fontana - MD - USA 12:20 PM - Aortic Valve Repair. When and how? Konstadinos Plestis - MD - USA 12:35 PM - Trans catheter Aortic Valve Replacement. The SAPIENS Experience Jacob Scheinerman - MD - USA 12:50 PM - Pulmonary Embolectomy for Saddle and Submassive Pulmonary Emboli Alan Hartman - MD - USA 01:05 PM - Aortic Arch Surgery. Current techniques and Results Konstadinos Plestis - MD - USA 01:20 PM - Discussion 01:35 PM - Lunch 02:35 PM - SESSION IV - ENDOVASCULAR SURGERY IN THE 21st CENTURY. IS THIS THE FUTURE OF AORTIC SURGERY? Coordination: Konstadinos Plestis - MD - USA José Carlos V. Dorsa - MD - Brazil 02:35 PM - Trans catheter Aortic Valve Replacement. The INOVARE Experience José Carlos Dorsa V. Pontes - MD - Brazil 02:50 PM - Endovascular Repair of Thoracic Aortic Aneurysms Alfio Carroccio - MD - USA 03:05 PM - Roll of Endovascular Stenting in Dissecting Aortic Aneurysms João Jackson Duarte - MD - Brazil 03:20 PM - Hybrid Approaches in Aortic Surgery Noedir A. G. Stolff - MD - Brazil 03:35 PM - Endovascular Treatment of Type B Aortic Dissections Enio Buffolo - MD - Brazil 03:50 PM - Endovascular Treatment of Ascending Aortic Diseases Eduardo Keller Saadi - MD - Brazil 04:05 PM - Discussion 04:20 PM - SESSION V - CARDIOPLEGIA AND PERFUSION TECHINIQUES Coordination: Konstadinos Plestis - MD - USA Mario Coli J. Morais - MD - Brazil 04:20 PM - Venous Blood Cardioplegia Mario Coli Junqueira de Morais - MD - Brazil 04:35 PM - Comparative Study of Cardioplegic Solutions for Long Term Donnor Heart Protection Melchior Luiz Lima - MD - Brazil 04:50 PM - Perfusion Techniques in Arch and Thoracoabdominal Surgery Edward Delaney - MS CCP - USA 05:05 PM - Discussion 05:20 PM - SESSION VI - CORONARY ARTERY DISEASE Coordination: Tomas A. Salerno - MD - USA Otoni M. Gomes - MD - Brazil 05:20 PM - The No touch Saphenous Vein Graft Harvesting. Is it the Better Technique? Domingos Ramos de Souza - MD - Sweden 05:35 PM - Mini OPCABG Technique and Indications Federico Benetti - MD - Argentina 05:50 PM - Total Endoscopic Coronary Artery Bypass Grafting Nirav Patel - MD - USA 06:05 PM - Minimally Invasive Coronary Artery Bypass Surgery Rodrigo Mussi Milani - MD - Brazil 06:20 PM - Minimally Invasive Direct Coronary Artery Bypass Surgery. A Historical Perspective Valavanur Subramanian - MD - USA 06:35 PM - Discussion 06:50 PM - Closing Comments Konstadinos Plestis - MD - USA 07:00 PM - Adjournment 32

33 33

34 INSTRUCTIONS TO AUTHORS 1 - Objectives: The Cardiovascular Sciences Forum aims to serve all the Cardiovascular Sciences fields of investigation to hold together multiprofessional experience to optimize the generation of new ideas, improving mankind resources in the prevention and treatment of cardiovascular diseases. 2 - Advertising: Cardiovascular Sciences Forum does not hold itself responsible for statements made by any authors. Statements or opinions expressed in Cardiovascular Sciences Forum of the authors(s) and do not represent official policy of the Sponsor Institutions unless so especified. No responsability is assumed by the Cardiovascular Sciences Forum Sponsor Institutions any neither by it s Publising Enterprises, for any injury and/or damage to persons or propertty as a matter of products liability, negligence or from any use or operation of any methods, products, instructions or ideas contained in the material herein. No suggest test or procedure should be carried out unless, in the reader s judgment, its risk is justified. Because of rapid advances in the medical sciences we recommend that the independent verification of diagnosis and drug dosages should be made. Discussions, views and recommendations as to medical procedure, choice of drugs and drug dosages are the responsability of the authors. Although all advertising material published in Cardiovascular Sciences Forum is expected to conform to ethical (medical) standards, inclusion in this publication does not constitute a guarantee or endorsement by it s Sponsor Institutions or the Publisher of the quality or value of such product or of the claim made by its manufacture. 3 - Papers sent for publication in Cardiovascular Sciences Forum (Editorials, original articles, conferences, case reports, actualizations brief communications) should be related to cardiovascular sciences and unpublished. 4 - Although the stem language of the Archives, happens to be English, articles may also be published in spanish or portuguese. When published in spanish or portuguese for original reports an abstract version in english must be included. 5 - They should be typed in double spacing on foolscap paper, with 3 cm margins all around and in 3.5 diskettes, Word 6.0 or superior. Illustrations do not need to be printed in diskettes. 6 - Manuscripts should be arranged as follow: a) title page consisting of concise and informative title, full name of authors, b) The Service or Institution name should be displayed in the bottom of the first page. Folowing that, the name of the corresponding author, together with the address, phone, fax and . c) abstract not exceeding 250 words and three key words that can be called in and/or mesh, d) Introduction, e) material and methods, f) results, g) comments, h) conclusions, i) bibliographic references, j) name of the Service or Institution where the study was performed, k) address for correspondence. 7 - All articles should be sent together with a Submission Letter, mentioning the Section in wich the article is to be part of (see list above), statement from the author and co-authors to the fact that all are in agreement with the contents mentioned in the material, making it clear presence or not of conflict of interest and the absence of ethical problem related. That letter must by all means be sent by fax ( ) or by mail. 8 - Illustrations and Tables should be printed in separated pages, with their numbers and legends. 9 - The Cardiovascular Sciences Forum adopt the Vancouver Norms ( Bibliographic references: listed in the order in which they are first mentioned in the text. Identify references in text in arabic numerals within parenthesis marks. Titles of journals are abbreviated according to the Index Medicus / Medline. References should be numbered sequentially, as per appearance in the text, References cannot have indented paragraphs, but lined up on the left. Personal communications and data that have not been published, should not be included in the list of references, but just mentioned in the text and in the footnotes on the page where mentioned Journals: Author (s) name (s) based on rule explained in item 10.1) - Article title. Journal title (see item 10.1). year; Volume: first page - last page Books: Authors (s) name (s) - Title. Edition (if not the first). City: Publisher, Year: Number of pages (or that specific for reference) Chapter in a book: Author (s) name (s) of the chapter. Title of the chapter. In: Author (s) name (s) of the book, eds. Title of the book. Edition (if not the first). City: Publisher, Year: first and last pages of the referred chapter Thesis: Autor s Name, Title (Thesis degree), City, University, Year Annals of Congress: Name of the author (s) - Title of the paper published. In: Annals of the... name of the Congress. City: Promoter Society of Institution, Year: page Unpublished observations and personnal communications should not be used as references. They are included in the text, within parenthesis marks, or, if extensive, appear as footnotes. Include among references: papers accepted but not yet published, designating the journal and adding In press (within parenthesis marks). 34

35

ORGANIZADOR. Página 1 de 8

ORGANIZADOR. Página 1 de 8 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 CIRURGIA ENDOVASCULAR (R) / 0 PROVA DISCURSIVA Página de 8 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 CIRURGIA ENDOVASCULAR (R) / 0 PROVA DISCURSIVA CIRURGIA ENDOVASCULAR ) A isquemia mesentérica

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 31 - Por assunto

Índice Remissivo do Volume 31 - Por assunto Palavra-chave A Ablação por Cateter Acidentes por Quedas Acreditação/ ecocardiografia Nome e página do artigo Mensagem do Presidente, 1 Mensagem da Editora, 3, 82 Amilóide Amiloidose de Cadeia Leve de

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

DIAGNÓSTICOS PARA ENCAMINHAMENTO VIA CROSS PARA TRIAGEM NO INSTITUTO DO CORAÇÃO

DIAGNÓSTICOS PARA ENCAMINHAMENTO VIA CROSS PARA TRIAGEM NO INSTITUTO DO CORAÇÃO DIAGNÓSTICOS PARA ENCAMINHAMENTO VIA CROSS PARA TRIAGEM NO INSTITUTO DO CORAÇÃO AMBULATÓRIO GERAL CID B570 B572 D151 E059 E260 E783 E784 E785 E786 E788 E789 E853 I050 I051 I058 I059 I060 I061 I062 I068

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA FMRPUSP PAULO EVORA DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA FATORES DE RISCO Tabagismo Hipercolesterolemia Diabetes mellitus Idade Sexo masculino História familiar Estresse A isquemia é

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 1. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 1. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS Doença Cardiovascular Parte 1 Profª. Tatiane da Silva Campos - As doenças cardiovasculares estão relacionadas à aterosclerose, sua principal contribuição,

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA Paulo César Gottardo 1, Ana Quézia Peixinho Maia¹, Igor Mendonça do Nascimento

Leia mais

Programa dia AMBIENTE PROGRAMA PERÍODO ATIVIDADE TÓPICO

Programa dia AMBIENTE PROGRAMA PERÍODO ATIVIDADE TÓPICO Programa dia 07 04 2016 08:00 até 08:10 08:00/08:10 Abertura 08:10 até 10:00 08:10/10:00 MODULO I Discussões alheias à sala de cirurgia Beyond the operanting room 08:10/08:25 Estrutura ideal de um programa

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade DESCRITOR: Página:! 1/! 1. INTRODUÇÃO Estima-se que anualmente são realizadas cercas de 240 milhões de procedimentos cirúrgicos em todo mundo, sendo que a taxa de mortalidade para pacientes com menos de

Leia mais

São eles: Cuidados paliativos no manejo da doença cardíaca terminal em idosos Camilla Santos de Souza

São eles: Cuidados paliativos no manejo da doença cardíaca terminal em idosos Camilla Santos de Souza RELAÇÃO DOS E- POSTERES APROVADOS: A apresentação será no dia 21/10/2016 no Foyer no seguinte horário das 10:00 ás 10:30hs.Cada apresentação terá a duração de 10 minutos. As normas para o envio do e- pôster

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Disseção da Aorta A entidade esquecida Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Definição Separação das camadas da aorta com formação de Falso Lúmen íntima média adventícia Epidemiologia 5 : 1 10-40 casos

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

Choque hipovolêmico: Classificação

Choque hipovolêmico: Classificação CHOQUE HIPOVOLÊMICO Choque hipovolêmico: Classificação Hemorrágico Não-hemorrágico Perdas externas Redistribuição intersticial Choque hipovolêmico: Hipovolemia Fisiopatologia Redução de pré-carga Redução

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica Renato Sanchez Antonio Objetivo Isquemia perioperatória e infarto após CRM estão associados ao aumento

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

Avaliação da leucocitose como fator de risco para amputação menor e maior e na taxa de mortalidade dos pacientes com pé diabético

Avaliação da leucocitose como fator de risco para amputação menor e maior e na taxa de mortalidade dos pacientes com pé diabético 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROVA OBJETIVA. b) Liste os outros exames que devem ser solicitado para o esclarecimento do quadro e descreva qual seria a abordagem terapêutica.

PROVA OBJETIVA. b) Liste os outros exames que devem ser solicitado para o esclarecimento do quadro e descreva qual seria a abordagem terapêutica. Questão 1 Paciente de 32 anos, portadora de diabetes mellitus tipo 1, foi admitida no hospital queixando-se de dor lombar esquerda associada à febre e a calafrios, iniciados três dias antes. Procurou o

Leia mais

Programação Científica do Congresso 10 de setembro, quarta-feira

Programação Científica do Congresso 10 de setembro, quarta-feira 08:30-09:15h COMO EU FAÇO Auditório 10(114) (5995) Abordagem do paciente com insuficiência cardíaca descompensada 08:30-08:45h Uso racional dos diuréticos, vasodilatadores e beta-bloqueadores 08:45-09:00h

Leia mais

Boletim Científico SBCCV

Boletim Científico SBCCV 1 2 Boletim Científico SBCCV 4-2013 Intervenção percutânea versus cirurgia de coronária nos Estados Unidos em pacientes com diabetes. Percutaneous Coronary Intervention Versus Coronary Bypass Surgery in

Leia mais

Síndromes Coronarianas Agudas. Mariana Pereira Ribeiro

Síndromes Coronarianas Agudas. Mariana Pereira Ribeiro Síndromes Coronarianas Agudas Mariana Pereira Ribeiro O que é uma SCA? Conjunto de sintomas clínicos compatíveis com isquemia aguda do miocárdio. Manifesta-se principalmente como uma dor torácica devido

Leia mais

Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012

Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012 Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012 Homem de 44 anos de idade, com história de surtos reumáticos na infância e adolescência e com múltiplas operações de troca de valva aórtica, foi internado com

Leia mais

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax 9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax Enunciado Paciente do sexo masculino, 39 anos, atendido no Pronto Atendimento com quadro de dor abdominal difusa, intensa e de início súbito, com cerca de 3 horas

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Informamos que os seguintes trabalhos foram aprovados para apresentação PÔSTER.

Informamos que os seguintes trabalhos foram aprovados para apresentação PÔSTER. Informamos que os seguintes trabalhos foram aprovados para apresentação PÔSTER. O Pôster deverá conter as seguintes medidas: 0,85cm de largura e 1,30cm de altura, podendo conter descritivos através de

Leia mais

APRESENTAÇÕES DE PÔSTERES 19 de outubro de 2016 (quarta-feira) SALA 1 BIBLIOTECA CENTRAL

APRESENTAÇÕES DE PÔSTERES 19 de outubro de 2016 (quarta-feira) SALA 1 BIBLIOTECA CENTRAL 1. 8h MEDICINA 2. 8h15 MEDICINA 3. 8h30 MEDICINA 4. 8h45 MEDICINA - FELIPE CARLUCCIO FALAVIGNA - MARCELO RODRIGO TAVARES(ORIENTADOR) - KATIA SANTOS DE OLIVEIRA - EDUARDO POLETTI CAMARA - ANTONIO JOSE ASSIS

Leia mais

CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA GERAL DO CBC-SP ABDOME AGUDO VASCULAR

CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA GERAL DO CBC-SP ABDOME AGUDO VASCULAR CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA GERAL DO CBC-SP ABDOME AGUDO VASCULAR TCBC Wilson Rodrigues de Freitas Junior Dept. de Cirurgia Santa Casa SP SÃO PAULO 27/09/2014 ISQUEMIA MESENTÉRICA AGUDA RELATIVAMENTE

Leia mais

II FÓRUM DE CIRURGIA GERAL

II FÓRUM DE CIRURGIA GERAL II FÓRUM DE CIRURGIA GERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE CIRURGIA VASCULAR Maio de 2018 Adnan Neser Resolução CNRM n 02

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA ) Idosa de 8 anos, ex-tabagista (carga

Leia mais

Avaliação do Internato 14/3/2016 Nome:

Avaliação do Internato 14/3/2016 Nome: Avaliação do Internato 14/3/2016 Nome: A.R.R., 82 anos, natural e procedente de São Paulo, 2 Filhos, viúvo, mora com filho, aposentado ( funcionário publico) Queixa e duração: Vômitos, náuseas e astenia

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO CARDIOLOGIA

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO CARDIOLOGIA PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO CARDIOLOGIA 2019 Estágio em Cardiologia Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Essa programação objetiva promover os conhecimentos necessários ao primeiro ano de Estágio

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia

Imagem da Semana: Radiografia Imagem da Semana: Radiografia Imagem 01. Radiografia de tórax e abdome em AP Recém-nascido (RN), a termo, sexo masculino e parto vaginal. Foi reanimado na sala de parto devido a apneia e frequência cardíaca

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS. Dr. Vinício Elia Soares

ARRITMIAS CARDÍACAS. Dr. Vinício Elia Soares ARRITMIAS CARDÍACAS Dr. Vinício Elia Soares Arritmias cardíacas classificações freqüência cardíaca sítio anatômico mecanismo fisiopatológico da gênese ocorrência em surtos duração do evento 1 CONDIÇÕES

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar

Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar Forma mais comum de doença pulmonar aguda na população hospitalar adulta (3 a causa de óbito nos EUA), mais comum em idosos e em homens: 85% dos casos são provenientes

Leia mais

6.º Ano de Escolaridade Turma A

6.º Ano de Escolaridade Turma A Ano Escolar 0 / 0 Turma A 00 Escola Básica Bernardino Machado 066 ANA MARGARIDA BARROS MARQUES 07808 ANA OLIVEIRA GONÇALVES 70 ANDRÉ AZEVEDO ABREU 0860 ANDRÉ FILIPE DA SILVA COSTA 698 BERNARDO FERREIRA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cristelo Escola Básica de Cristelo Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas de Cristelo Escola Básica de Cristelo Relação de Alunos : A 4200 1 Adriano Emanuel Barbosa Bessa 15 S 450 2 Ana Catarina Martins da Silva 15 S 4861 3 Carlos Daniel Sousa Ribeiro 15 S 4154 4 Daniel André Vieira Pinto 15 S 4727 5 Emanuel Moreira Baptista 15 S

Leia mais

Número de NSPs cadastrados por UF. Número de NSPs com ao menos uma notificação

Número de NSPs cadastrados por UF. Número de NSPs com ao menos uma notificação Número de NSPs cadastrados por UF 654 N.NSP 600 400 200 0 6 Total = 3.723 9 10 16 23 26 39 42 43 43 46 46 50 68 86 227 193 139 91 96 98 105 345 322 AP AC RR AL SE TO PA RN MT PB AM RO PI MS MA DF PE CE

Leia mais

Sepse Professor Neto Paixão

Sepse Professor Neto Paixão ARTIGO Sepse Olá guerreiros concurseiros. Neste artigo vamos relembrar pontos importantes sobre sepse. Irá encontrar de forma rápida e sucinta os aspectos que você irá precisar para gabaritar qualquer

Leia mais

A apresentação será no dia 06/10/2017 no Teatro no seguinte horário das 15:00 ás 16:00 hs. Cada apresentação terá a duração de 10 minutos.

A apresentação será no dia 06/10/2017 no Teatro no seguinte horário das 15:00 ás 16:00 hs. Cada apresentação terá a duração de 10 minutos. TEMAS LIVRES ORAIS APROVADOS: A apresentação será no dia 06/10/2017 no Teatro no seguinte horário das 15:00 ás 16:00 hs. Cada apresentação terá a duração de 10 minutos. São eles: 15:00-15:10-50867 Acurácia

Leia mais

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Salomón S. O. Rojas, Januário M. de Souza, Viviane C. Veiga, Marcos F. Berlinck, Reinaldo W. Vieira, Domingo M.

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

CRITÉRIOS E EXAMES COMPLEMENTARES PARA REALIZAÇÃO DE ANESTESIA PARA EXAMES DIAGNÓSTICOS

CRITÉRIOS E EXAMES COMPLEMENTARES PARA REALIZAÇÃO DE ANESTESIA PARA EXAMES DIAGNÓSTICOS ELABORADO EM 13/06/2012 REVISÃO EM 13/06/2014 REVISÃO EM 30/03/16 PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA CRITÉRIOS E EXAMES COMPLEMENTARES PARA REALIZAÇÃO DE ANESTESIA PARA EXAMES DIAGNÓSTICOS 1. Critérios

Leia mais

69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF. Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30

69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF. Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF Abertura Josmar de Castro Alves

Leia mais

METODOS DE IMAGEM PARA DIAGNÓSTICO

METODOS DE IMAGEM PARA DIAGNÓSTICO JOÃO ABECASIS Hospital Lusíadas Lisboa Pós-Graduação em Medicina de Emergência Abordagem urgente das Síndromes Coronárias Agudas (António Fiarresga, João Abecasis, Pedro Silva Cunha, Sílvio Leal) A dor

Leia mais

Indicadores Estratégicos

Indicadores Estratégicos Indicadores Estratégicos DR. ALEXANDRE VIEIRA RIBEIRO DA SILVA INDICADORES ESTRATÉGICOS INDICADORES E AVALIAÇÃO ASSISTENCIAL Monitoramento da Informação Assistêncial Discussão dos resultados Padrões assistenciais

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Sessão Interativa Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Paciente J.D.M., masculino, 57 anos, deu entrada no Pronto Atendimento com queixa de dor torácica com irradiação para braço esquerdo e mandíbula,

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Analgesia Pós-Operatória em Cirurgia de Grande Porte e Desfechos

Analgesia Pós-Operatória em Cirurgia de Grande Porte e Desfechos Analgesia Pós-Operatória em Cirurgia de Grande Porte e Desfechos A Medicina Baseada em Evidências (MBE) é definida como o uso consciente, explícito e crítico da melhor evidência atual, integrado com a

Leia mais

Fonoaudiologia. Caderno de Questões PROVA DISCURSIVA. SRH Superintendência DESEN. de Recursos Humanos

Fonoaudiologia. Caderno de Questões PROVA DISCURSIVA. SRH Superintendência DESEN. de Recursos Humanos Fonoaudiologia 2012 Caderno de Questões PROVA DISCURSIVA SRH Superintendência de Recursos Humanos DESEN Departamento de Seleção e Desenvolvimento de Pessoal 01 Um homem de 50 anos de idade, com cirrose

Leia mais

DESPESAS MÉDICAS E HOSPITALARES COBERTAS. Diárias hospitalares (Tabela TUSS + 20%);

DESPESAS MÉDICAS E HOSPITALARES COBERTAS. Diárias hospitalares (Tabela TUSS + 20%); COBERTURA PARA INTERCORRÊNCIA CIRÚRGICA O PRODUTO O Cirurgia Segura é uma cobertura para intercorrências cirúrgicas (per ou pós-operatórias), experimentadas pelo paciente e das quais decorram necessidades

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Data realização: segunda, 18 de junho às 14:00 h Sala: 4 14348127 ADRIANA ISABEL PEREIRA RIBEIRO 1 14581488 ADRIANA RAQUEL BARBOSA SOUSA 2 14172404 ADRIANA SILVA DE CARVALHO 3 14557115 ALDA DANIELA SILVA

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO MIOCÁRDICA EM CIRURGIA CARDIOVASCULAR INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON MYOCARDIAL PROTECTION IN CARDIOVASCULAR SURGERY

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO MIOCÁRDICA EM CIRURGIA CARDIOVASCULAR INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON MYOCARDIAL PROTECTION IN CARDIOVASCULAR SURGERY SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO MIOCÁRDICA EM CIRURGIA CARDIOVASCULAR INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON MYOCARDIAL PROTECTION IN CARDIOVASCULAR SURGERY Auditório do Instituto Nacional de Cardiologia Ministério

Leia mais

DIA 20 DE ABRIL DE 2017 (Quinta-feira manhã) XXXV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA DA SBCEC

DIA 20 DE ABRIL DE 2017 (Quinta-feira manhã) XXXV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA DA SBCEC DIA 20 DE ABRIL DE 2017 (Quinta-feira manhã) AUDITÓRIO 7 XXXV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA DA SBCEC 08h00 12:30 HANDS ON EXCLUSIVO PARA PERFUSIONISTAS - Circuitos e montagens em ECMO

Leia mais

Epidemiologia e História Natural da TEP

Epidemiologia e História Natural da TEP Epidemiologia e História Natural da TEP Veronica M. Amado Universidade de Brasília UnB Hospital Universitário de Brasília - HUB Dados gerais TEP é a terceira causa mais comum de doença vascular aguda Incidência:

Leia mais

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DE CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DE CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DE CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA 1. JUSTIFICATIVA PARA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DE CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA A cardiologia

Leia mais

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II

Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II Instituto de Saúde Coletiva (ISC) Depto Epidemiologia e Bioestatística Disciplina: Epidemiologia II AULA 6 Fontes de informação epidemiológica: estatisticas vitais e vigilância epidemiológica 2017-1 1

Leia mais

6.º Congresso da AMACC - Lisboa. Caso Clínico

6.º Congresso da AMACC - Lisboa. Caso Clínico João Pascoal - Fev. 2014 Diagnósticos: 6.º Congresso da AMACC - Lisboa NOTA DE ALTA - Síndrome do coração esquerdo hipoplásico - Ventrículo esquerdo hipoplásico - Estenose mitral - Atrésia da aorta - Aorta

Leia mais

Tudo o que você precisa saber sobre Cateterismo

Tudo o que você precisa saber sobre Cateterismo Tudo o que você precisa saber sobre Cateterismo Informações Básicas O que é Cateterismo? O cateterismo é um procedimento médico utilizado para o diagnóstico e tratamento de doenças cardiovasculares. O

Leia mais

Redução da PA (8 a 10 mmhg da PA sistólica e diastólica) Aumento do tonus venoso periférico volume plasmático

Redução da PA (8 a 10 mmhg da PA sistólica e diastólica) Aumento do tonus venoso periférico volume plasmático Notícias do LV Congresso SBC On Line Como prescrever exercício na insuficiência cardíaca Até os anos 60-70, recomendava-se repouso de três semanas aos pacientes que se recuperavam de IAM, baseando-se no

Leia mais

Paulo do Nascimento Junior

Paulo do Nascimento Junior Circulação Ex xtracorpórea Cirurgia de Aor rta Ascendente Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia da Facu uldade de Medicina de Botucatu, UNESP Curiosidades 1952 1ª ressecção de aneurisma

Leia mais

aelousada.net página 1 de 1 RESULTADOS Escola: Escola Básica de Lousada Centro, Lousada Código: AMC Classificação Código PET do Aluno

aelousada.net página 1 de 1 RESULTADOS Escola: Escola Básica de Lousada Centro, Lousada Código: AMC Classificação Código PET do Aluno Escola: Escola Básica de Lousada Centro, Lousada Código: AMC do Aluno ANA ISABEL DA SILVA MAGALHÃES 24 Inferior a A2 ANABELA QUEIRÓS MENDES 26 Inferior a A2 ANDRÉ EMANUEL SANTOS BARBOSA 41 Inferior a A2

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar Escola EB 2,3 Abel Salazar - Ronfe. Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar Escola EB 2,3 Abel Salazar - Ronfe. Relação de Alunos : A 3241 1 Ana Catarina Castro Pereira 4028 2 Ana Rafaela Alves Gomes 3433 3 Diana Letícia Silva Macedo 3550 4 Diogo Filipe Silva Baptista 2806 5 Fábio André Salazar Oliveira 3650 6 Marco Isidro Martins

Leia mais

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta Trauma torácico Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing

Leia mais

LISTAS ANO LECTIVO 09/10 JI - SALA A

LISTAS ANO LECTIVO 09/10 JI - SALA A JI - SALA A AFONSO PEREIRA GOMES ANA BEATRIZ SILVA MONTEIRO ANA CAROLINA BRANCO FREITAS ANA FRANCISCA CARVALHO MACEDO CAROLINA PEREIRA GOMES CRISTIANA FERREIRA SILVA FRANCISCO VAZ PINHEIRO NUNES GABRIELA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cristelo Escola Básica de Cristelo Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas de Cristelo Escola Básica de Cristelo Relação de Alunos : A Ano Letivo 2014 / 201 Processo Nome Idade EMR Rep. LE1 LE2 NEE 388 1 Ana Sofia Araújo Torres S 6031 2 Beatriz Ribeiro Bessa S 6602 3 Bruna Filipa Nogueira Pacheco 12 S 7 4 Énio Pereira Lima S 394 Filipa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar Escola EB 2,3 Abel Salazar - Ronfe. Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar Escola EB 2,3 Abel Salazar - Ronfe. Relação de Alunos : A 423 1 Ana Beatriz Cardoso Vieira 12 S 4172 2 Ana Beatriz Silva Vidal 12 S 4327 3 Ana João Ferreira Neto 12 S 4278 4 Ana Luísa Gonçalves Pereira 11 S 3509 5 António Ricardo Machado Ferreira 13 S 3905

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

Protocolo: - - Admissão anterior nesta UCIP durante este internamento hospitalar: Não Sim <48 h >= 48 h

Protocolo: - - Admissão anterior nesta UCIP durante este internamento hospitalar: Não Sim <48 h >= 48 h Protocolo: - - Data de Admissão Hospitalar Data de Admissão na UCIP Data de Nascimento Admissão Hora de Admissão Hospitalar Hora de Admissão na UCIP Sexo: Masculino Feminino Indeterminado Peso: Kg Admissão

Leia mais

NOTA OBJ NOTA RED INSCRIÇÃO

NOTA OBJ NOTA RED INSCRIÇÃO Página: 1 AGUILAI VILELA RABELO 051001399-6 76,5 70,00 15 101 265 CLASSIFICADO ALAN PACIFICO LIMA TELES 051001419-4 69,5 60,00 81 -- -- NÃO CLASSIFICADO ALESSANDRA APARECIDA DE ARAUJO CAPANEMA 051001438-0

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA AVANÇADA: RELATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO AUTORES: LUIZ RENATO DAROZ, ASSAD MOGUEL SASSINE, FLÁVIA PEZZIN, THIAGO RODRIGUES SEQUEIRA, DIOGO OLIVEIRA BARRETO,

Leia mais

Alunos para o Quadro de Honra. Menção Honrosa

Alunos para o Quadro de Honra. Menção Honrosa Alunos para o Quadro de Honra 2016-2017 4º ano Afonso Maia Barbosa Vieira Veloso André Wang Zhang Dinis Vicente Martins 4A-BA Fabiana Vieira Henriques Luís Pedro Magalhães Ribeiro Rodrigo Alexandre Teles

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO MATERNA. Agosto de 2016

RESSUSCITAÇÃO MATERNA. Agosto de 2016 RESSUSCITAÇÃO MATERNA Agosto de 2016 Óbitos maternos segundo Ano do Óbito Período: 2004-2014- DATASUS 1900 1850 1800 1750 1700 1650 1600 1550 1500 1450 1400 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

Leia mais

1969: Miocardiopatia - IECAC

1969: Miocardiopatia - IECAC 1969: Miocardiopatia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC Moderador da Seção Anatomo- Clinica 20.08.1969 1969: 5 aulas no curso de Hemodinâmica e Angiocardiografia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC

Leia mais

CADA VIDA CONTA. Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização:

CADA VIDA CONTA. Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização: CADA VIDA CONTA Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização: MORTALIDADE MATERNA - BRASIL Boletim MS, Jan. 2012, Brasil DISTÚRBIOS HIPERTENSIVOS NA GESTAÇÃO PRÉ ECLÂMPSIA (PE) HIPERTENSÃO GESTACIONAL

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço TEP TEP maciço

Leia mais

BANCO DO BRASIL 02/2013 Data: 27/03/2014. Página: 1

BANCO DO BRASIL 02/2013 Data: 27/03/2014. Página: 1 Página: 1 AGUILAI VILELA RABELO 051001399-6 76,5 15 101 268 70,00 ALAN PACIFICO LIMA TELES 051001419-4 69,5 81 571 1431 60,00 ALESSANDRA APARECIDA DE ARAUJO CAPANEMA 051001438-0 71,5 48 365 905 90,00 ALESSANDRA

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 6

ORGANIZADOR. Página 1 de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 Página de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 MEDICINA INTENSIVA ) Homem de 55 anos, tabagista pesado há mais de 30 anos e com hipertensão arterial sistêmica, foi admitido em serviço

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias. Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil

Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias. Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias Fábio Taniguchi, MD, MBA, PhD Pesquisador Principal BPC Brasil Resultados Demográficos, Clínicos, Desempenho e Desfechos em 30 dias

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Alunos para o quadro de honra Menção Honrosa

Alunos para o quadro de honra Menção Honrosa Alunos para o quadro de honra 2015-2016 4º ano 4A-BA 4B-BA 4B-CA 4A-CO 4B-CO 4A-LO Andreia Gabriela Pereira Oliveira Francisca Lima Pereira Francisco Martins Pereira Lara Raquel Mateus Félix Poinhos Luana

Leia mais

DROGAS VASODILATADORAS E VASOATIVAS. Profª EnfªLuzia Bonfim.

DROGAS VASODILATADORAS E VASOATIVAS. Profª EnfªLuzia Bonfim. DROGAS VASODILATADORAS E VASOATIVAS Profª EnfªLuzia Bonfim. DROGAS VASODILATADORAS São agentes úteis no controle da cardiopatia isquêmica aguda, HAS, Insuficiência Cardíaca e outras situações que exigem

Leia mais

Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório

Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório Estratificação de risco cardiovascular no perioperatório André P. Schmidt, MD, PhD, TSA/SBA Co-responsável pelo CET do Serviço de Anestesia e Medicina Perioperatória do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Leia mais

TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA TRANSVERSAL (TT) 4ª. SÉRIE MÉDICA

TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA TRANSVERSAL (TT) 4ª. SÉRIE MÉDICA FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) COORDENAÇÃO GERAL DO CURSO DE MEDICINA (CGCM) NÚCLEO PEDAGÓGICO EDUCACIONAL (NuPE) TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA

Leia mais

ONTARGET - Telmisartan, Ramipril, or Both in Patients at High Risk for Vascular Events N Engl J Med 2008;358:

ONTARGET - Telmisartan, Ramipril, or Both in Patients at High Risk for Vascular Events N Engl J Med 2008;358: ONTARGET - Telmisartan, Ramipril, or Both in Patients at High Risk for Vascular Events N Engl J Med 2008;358:1547-59 Alexandre Alessi Doutor em Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

19/11/2015 (quinta-feira)

19/11/2015 (quinta-feira) 19/11/2015 (quinta-feira) 08:00-08:30 Abertura do Encontro 08:30-09:00 Aplicação da Telemedicina no Escore de Derivação de Cardiopatias Fetais 09:00-09:30 Cavidades Cardíacas Assimétricas na Vida Fetal

Leia mais

RASTREAMENTO DE PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA

RASTREAMENTO DE PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA RASTREAMENTO DE PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA Arielly Cristina VillarinhoVimar Mestranda em Ensino em Ciências

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO. Ano letivo 2018/ º ANO 1/8 CANDIDATURAS QUE PREENCHEM TODOS OS REQUISITOS. Nº de bolsas a atribuir: 15

BOLSAS DE ESTUDO. Ano letivo 2018/ º ANO 1/8 CANDIDATURAS QUE PREENCHEM TODOS OS REQUISITOS. Nº de bolsas a atribuir: 15 BOLSAS DE ESTUDO 10º ANO CANDIDATURAS QUE PREENCHEM TODOS OS REQUISITOS MARTA SOFIA LOPES GONCALVES PEDRO MIGUEL FERREIRA RODRIGUES PEDRO FERREIRA COELHO RITA CLAUDIA MAGALHÃES CARDOSO DA SILVA RAFAEL

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos Turma : A 1230 1 Amanda Fernandes Igreja S 11 2 Ana Margarida Magalhães Guedes 13 S 1232 3 Ariana Filipa Igreja S 1233 4 Bruna Carolina Rodrigues Peixoto S 1302 5 Bruno Rafael Freitas Faria 15 S 2044 6

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

Monitorização hemodinâmica. Disciplina Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente

Monitorização hemodinâmica. Disciplina Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente Monitorização hemodinâmica Disciplina Urgência e Emergência Profª Janaína Santos Valente Oximetria de pulso Não- invasivo; Ocorre transmissão de luz vermelha e infravermelha através dos capilares; Calcula

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14348127 ADRIANA ISABEL PEREIRA RIBEIRO Não -------- 053 05 05 (cinco) 14832779 ANA CARINA FERREIRA LOPES Sim 16 078 08 14 (catorze) Aprovado 14296519 ANA CATARINA CARVALHO CUNHA Sim 13 085 09 12 (doze)

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 2. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS. Doença Cardiovascular Parte 2. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS Doença Cardiovascular Parte 2 Profª. Tatiane da Silva Campos Para a avaliação do risco cardiovascular, adotam-se: Fase 1: presença de doença aterosclerótica

Leia mais