Ajuda de Berço. APADIF - Assoc. Pais e Amigos dos Deficientes das Ilha do Faial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajuda de Berço. APADIF - Assoc. Pais e Amigos dos Deficientes das Ilha do Faial"

Transcrição

1

2 Instituição Ajuda de Berço AMA Autismo AMI Portugal APADIF - Assoc. Pais e Amigos dos Deficientes das Ilha do Faial APOIO Asas de Ramalde Associação de Desenvolvimento Comunitário do Funchal Garouta do Calhau Associação Portuguesa de Apoio à Mulher contra o Cancro da Mama Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Associação portuguesa de Doentes de Parkinson Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos Doentes de Alzheimer Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (A.P.P.C.) de Viseu Centro de Ação Social do Concelho de Ílhavo Centro de Acolhimento Temporário "A Buganvília" Crescer Ser Fundação Gil Instituto D. Francisco Gomes Casa dos Rapazes Liga Portuguesa Contra o Cancro Meninos de Oiro NÓS Assoc. Pais e Técnicos para a integração do deficiente Obra de São José Operário SOL Assoc. apoio a crianças com VIH/SIDA Solar do Mimo Terra dos Sonhos Localização Lisboa Viana do Castelo Coimbra Faial Lisboa Porto Madeira Nacional Nacional Nacional Nacional Viseu Aveiro Beja Porto Nacional Faro Nacional Azeitão Barreiro Évora Lisboa/Nacional Seia Nacional 2

3 1. AJUDA DE BERÇO (NACIONAL) Acolher crianças entre os poucos dias de vida e os 3 anos, necessitadas de proteção urgente face a situações que as colocam em risco, tais como maus tratos, abusos sexuais, negligências várias e abandono, encaminhando-as posteriormente ao regresso da família biológica ou uma família de adoção. Em 2015, vão criar a primeira unidade de cuidados paliativos para bebés do país. 2. AMA AUTISMO (Viana do Castelo) Apoiar e acompanhar de crianças, jovens e adultos com PEA (Perturbações do Espectro do Autismo), promovendo o bem-estar biopsicossocial destes indivíduos, assim como a solidariedade social e a Acão social. A dificuldade para comunicar, exprimir e compreender mensagens, está na génese de grande parte das suas frustrações e dos seus comportamentos disruptivos, pelo que a comunicação é uma área prioritária. 3. AMI Portugal (Coimbra) Lutar contra a pobreza, a exclusão social, o subdesenvolvimento, a fome e as sequelas da guerra, em qualquer parte do Mundo, promovendo e facilitando a inclusão e integração social de grupos com dificuldades de inserção geradoras de fenómenos de pobreza persistente. 4. APADIF - Associação de Pais e Amigos dos Deficientes das Ilha do Faial Recuperar e integrar social e profissionalmente os indivíduos com necessidades educativas especiais que, devido a deficiências físicas, intelectuais ou outras, sintam dificuldade na sua adaptação ao meio envolvente. 5. APOIO (Lisboa) Apoiar os cidadãos, sobretudo que estejam em situação de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho, visando primordialmente o apoio a idosos, infância e juventude. 6. Asas de Ramalde (Porto) Intervém junto da população da freguesia de Ramalde, no acompanhamento social e económico, psíquico e cultural de várias gerações de pessoas, através de diferentes valências, com enfoque nas crianças e jovens de risco, assim como, idosos carenciados e/ou alvo de exclusão social. 7. Associação de Desenvolvimento Comunitário do Funchal Garouta do Calhau (Madeira) Promover a integração e o desenvolvimento social de grupos sociais mais desfavorecidos e em situações de risco; Promover a articulação entre as várias instituições locais com vista a uma melhor rentabilização dos recursos da sociedade e a garantia de um processo de desenvolvimento integrado nas comunidades locais. 3

4 8. Associação Portuguesa de apoio à mulher contra o cancro da mama (Nacional) Prestação de cuidados de saúde especializados, nas áreas de enfermagem, fisioterapia e psicologia, ao doente com patologia mamária e de cuidados de saúde em geral à população. prevenção do cancro da mama e ginecológico; Estímulo à informação no âmbito desta patologia. 9. Associação Portuguesa de apoio à vítima (Nacional) Apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais e contribuir para o aperfeiçoamento das políticas públicas, sociais e privadas centradas no estatuto da vítima. 10. Associação portuguesa de doentes de parkinson (Nacional) - Contribuir para melhorar as condições de vida dos portadores da doença de Parkinson, por todos os meios e através de todas as acções que se afigurem oportunas, tais como intervir junto dos organismos competentes para obter formas de apoio. 11. Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos doentes de Alzheimer (Nacional) Sensibilizar para a urgência de um Plano Nacional Alzheimer e disponibilizar o nosso conhecimento e experiência, na sua criação e implementação; Desenvolver campanhas nacionais e locais de informação sobre a doença, as suas características e formas de intervenção. 12.Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (A.P.P.C.) de Viseu Reabilitar e integrar socialmente pessoas com Paralisia Cerebral no âmbito da Educação, Segurança Social, Saúde, Habitação, Trabalho, Cultura, Recreação e Desporto. 13. Centro de Ação Social do Concelho de Ílhavo (Aveiro) Intervém na área da família e comunidade, através de apoio, atendimento e acompanhamento de famílias e indivíduos em situação de pobreza e/ou risco de exclusão social. 14.Centro de Acolhimento Temporário "A Buganvília" (Beja) Acolhimento temporário e transitório de crianças em situação de urgência e risco social com idades compreendidas entre os 0 e os 12 anos de idade. 4

5 15. Crescer Ser (Porto) Proceder ao estudo interdisciplinar das questões relativas à proteção jurídica e administrativa dos menores e da família; promover, dinamizar e organizar serviços comunitários de apoio à criança, ao jovem e à sociedade familiar. Para além das preocupações de prevenção primária, a Associação desenvolve as seguintes ações: acolhimento de crianças e jovens em situações de risco, com vista ao diagnóstico interdisciplinar. 16. Fundação Gil (Nacional) Promover a reintegração social de crianças e jovens que por razões diversas permanecem indevidamente hospitalizados por períodos prolongados. Apoia igualmente as suas famílias através de um trabalho continuado de capacitação social e emocional das mesmas. Em 2015, em parceria com o IPO, pretendem criar a primeira Unidade móvel de cuidados paliativos pediátricos ao domicílio. 17. Instituto D. Francisco Gomes Casa dos Rapazes (Faro) Acolher, educar e integrar na sociedade crianças e jovens que, por qualquer motivo, se viram privados de meio familiar normal. Um dos principais objetivos tem sido o combate ao insucesso escolar, registando-se no último ano 80% de aproveitamento escolar entre os menores da instituição. 18. Liga Portuguesa Contra o Cancro (Nacional) Apoiar o doente oncológico e família, na promoção da saúde, na prevenção do cancro e no estímulo à formação e investigação em oncologia. Objetivos: Divulgar informação sobre o cancro e promover a educação para a Saúde, com ênfase para a sua prevenção; Contribuir para o apoio social e a humanização da assistência ao doente oncológico, em todas as fases da doença; Cooperar com as instituições envolvidas na área da oncologia, nomeadamente os Centros do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil e os Hospitais das Regiões Autónomas; Estimular e apoiar a formação e a investigação em oncologia; Estabelecer e manter relações com instituições congéneres nacionais e estrangeiras; Desenvolver estruturas para as prevenções primária e secundária, tratamento e reabilitação, isoladamente ou em colaboração com outras entidades; Defender os direitos dos doentes e dos sobreviventes de cancro. 19.Meninos de Oiro (Azeitão) Defesa dos direitos das crianças, prestando apoio a famílias com crianças em situação de risco e perigo. 5

6 20. NÓS Associação de Pais e Técnicos para a integração do deficiente (Barreiro) Promover a inclusão social de pessoas com deficiência ou noutra situação de desvantagem social. 21.Obra de São José Operário (Évora) Contribuir para a promoção integral humana e social das pessoas ou famílias de Évora, nomeadamente as de recursos económicos mais débeis. Desenvolve, entre outras, uma ação social junto dos idosos e crianças. 22. SOL Associação de apoio a crianças com VIH/SIDA (Lisboa/Nacional) Apoiar crianças e jovens infetadas com o vírus do HIV/SIDA, bem como o acompanhamento às respetivas famílias. O objetivo da Sol é o de capacitar e integrar estas crianças e jovens na sociedade, bem como desenvolver dinâmicas que promovam as competências para uma convivência esclarecida com o HIV/SIDA. 23. Solar do Mimo (Seia / Serra da Estrela) Acolher crianças e jovens em risco, provenientes de situações de privação e carência económica, de meio familiar negligente, vítimas de violência doméstica, e que exigem apoio urgente e transitório, por estar em causa a sua integridade física e emocional. 24. Terra dos Sonhos (Nacional) Tem como principal atividade a realização dos sonhos de crianças e jovens doentes e institucionalizadas como forma de transmitir uma mensagem de esperança na possibilidade de realização dos seus objetivos mais inspiradores, independentemente de circunstâncias, condicionamentos e limitações. A superação da impossibilidade através da criação da possibilidade é o resultado final pretendido. Vão criar a primeira UCIF Unidade de Cuidados Intensivos de Felicidade - Unidade de prestação de serviços de saúde emocional com um modelo de intervenção terapêutica totalmente inovador a nível mundial da Psicologia da Saúde. 6

7 INFORMAÇÃO DETALHADA DAS INSTITUIÇÕES

8 AJUDA DE BERÇO (NACIONAL) Missão: tem como objetivo o acolhimento de crianças necessitadas de proteção urgente face a situações que as colocam em risco, tais como maus tratos, abusos sexuais, negligências várias e abandono, encaminhando-as posteriormente ao regresso da família biológica, seja a uma família de adoção. A instituição vai dar resposta a crianças até aos 3 anos, com doença crónica grave e esperança de vida curta e sem possibilidade de integração natural ou de adoção. Pretendendo-se desta forma, garantir até ao fim da vida destas crianças condições de dignidade e de amor. Centro de acolhimento de Alcântara; Centro de acolhimento de Monsanto. Ajuda de Berço + - em 2015 vão constituir a primeira unidade de cuidados paliativos para bebés do país. Nº de Beneficiários:

9 AMA AUTISMO (Viana do Castelo) Missão: A Fundação AMA Autismo, tem como objetivo principal o apoio e acompanhamento de todas as crianças, jovens e adultos com PEA (Perturbações do Espectro do Autismo), promovendo o bem-estar biopsicossocial destes indivíduos, assim como a solidariedade social e a Acão social. A dificuldade para comunicar, exprimir e compreender mensagens, está na génese de grande parte das suas frustrações e dos seus comportamentos disruptivos, pelo que a comunicação é uma área prioritária. Apoio em regime ambulatório apoio de psicologia, terapia ocupacional, serviço social, psicomotricidade; Centro de Atividades Ocupacionais; Apoio técnico precoce; Apoio domiciliário; Transporte escolar de crianças e adultos; Colónia de férias. Nº de Beneficiários:

10 AMI Portugal (Coimbra) Missão: Têm como objetivos lutar contra a pobreza, a exclusão social, o subdesenvolvimento, a fome e as sequelas da guerra, em qualquer parte do Mundo, promovendo e facilitando a inclusão e integração social de grupos com dificuldades de inserção geradoras de fenómenos de pobreza persistente. 9 centros portal amiga: têm por objetivo o combate à pobreza e à exclusão social, criando os meios necessários para a (re)inserção de situações-problema: Lisboa (Olaias e Chelas), Porto, Almada, Cascais, Funchal, Coimbra, Vila Nova de Gaia e Ilha Terceira; Programa Comunitário Alimentar de Ajuda a Carenciados; Abrigos noturnos; Equipas de rua; Apoio domiciliário; Residência ocial dos Açores; Gabinete de Inserção Profissional e Clube de Emprego; Gabinete de Apoio ao Emprego; Reciclagem de Radiografias; Reutilização de Consumíveis Informáticos e telemóveis; Recolha de Óleos Alimentares Usados. Nº de Beneficiários: beneficiários 10

11 APADIF - Associação de Pais e Amigos dos Deficientes das Ilha do Faial Missão: Recuperar e integrar social e profissionalmente os indivíduos com necessidades educativas especiais que, devido a deficiências físicas, intelectuais ou outras, sintam dificuldade na sua adaptação ao meio envolvente. ATL (atividades de tempos livres) - Apoio ao estudo de crianças entre os 3 e 10 anos; Centro de Dia - Visa a promoção da autonomia e a prevenção de situações de dependência de idosos; Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil; Moviment'Arte - Projeto para cidadãos que possuem limitações físicas, sensoriais, intelectuais e/ou emocionais, assim como, baixos recursos pessoais, sociais, culturais e/ou económicos; CRAES - Centro de Recursos de Apoio à Emergência Social - intervenção imediata a diferentes tipos de necessidades, a nível alimentar, habitacional, de vestuário, de equipamentos básicos e de medicação; Trilhos Saudáveis - potenciar a aquisição de hábitos de vida saudáveis; prevenir o mau uso e abuso de substâncias psicoativas. Nº de Beneficiários:

12 APOIO (LISBOA) Missão: Tem por objeto o apoio a cidadãos, sobretudo que estejam em situação de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho, visando primordialmente o apoio a idosos, infância e juventude. Centro de dia em Algés; Centro de dia no Bairro de Outurela/Carnaxide; Serviço de Apoio Domiciliário; Creche Ninho da Cegonha no bairro da Outurela; Cantina Social; Fundo de emergência social. Nº de Beneficiários:

13 Asas de Ramalde (Porto) Missão: Intervém junto da população da freguesia de Ramalde, no acompanhamento social e económico, psíquico e cultural de várias gerações de pessoas, através de diferentes valências, com enfoque nas crianças e jovens de risco, assim como, idosos carenciados e/ou alvo de exclusão social. Creche e Jardim de Infância; Casa da Juventude do Viso e Espaço Criança - desenvolvem atividades lúdico-pedagógicas e de ocupação de tempos livres; Idosos - nível da prestação de cuidados de higiene pessoal e habitacional, distribuição de refeições e tratamento de roupa; Centro de Dia; Protocolo de Rendimento Social de Inserção - intervenção junto de 210 famílias; Projeto comunitário Projeto (RE)AGIR Ramalde Escolhe Agir Implementação de Programa de Competências Pessoais e Sociais, dirigidas às crianças em idade pré-escolar, 1º, 2º e 3º ciclos; Ocupação dos Tempos Livres; Implementação de Programas de Formação Parental, dirigidos aos pais e encarregados de educação; Gabinete de Apoio à Inserção dirigido a jovens desinseridos do sistema de ensino; Projeto A Rumo Acompanhamento Psicossocial, Ocupacional, Pré-profissional, de Competências Pessoais e Sociais. Nº de Beneficiários:

14 Associação de Desenvolvimento Comunitário do Funchal Garouta docalhau (Madeira) Missão: Promover a integração e o desenvolvimento social de grupos sociais mais desfavorecidos e em situações de risco; Promover a articulação entre as várias instituições locais com vista a uma melhor rentabilização dos recursos da sociedade e a garantia de um processo de desenvolvimento integrado nas comunidades locais; Implicar a população por forma a que esta desenvolva uma atitude participativa e consciente dos seus problemas, necessidades e competências; Implementar, colaborar e acompanhar programas e projectos de âmbito local, que visem a formação, educação, ocupação de tempos livres e animação sócio-cultural das populações mais desfavorecidas. 6 centros comunitários: ATL Crianças e Jovens; Centro de Convívio (adultos e idosos); Apoio escolar. Nº de Beneficiários:

15 Associação Portuguesa de apoio à mulher contra o cancro da mama (Nacional) Missão: prestação de cuidados de saúde especializados, nas áreas de enfermagem, fisioterapia e psicologia, ao doente com patologia mamária e de cuidados de saúde em geral à população. prevenção do cancro da mama e ginecológico; Estímulo à informação no âmbito desta patologia. Consultas Médicas de cirurgia geral, ginecologia, fisiatria e medicina interna; Centro Especializado em Fisioterapia Oncológica, galardoado pelo Ministério da Saúde; Apoio Psicológico (terapia individual e familiar e Grupo de auto-ajuda); Aconselhamento Nutrição; Terapia através da Arte; Formação - Entidade formadora acreditada pela DGERT, desenvolveu formação especializada a profissionais e estudantes da área de saúde; Acções de Sensibilização no âmbito da patologia mamária e ginecológica dirigidas ao publico em geral. Nº de Beneficiários: 2500 utentes 15

16 Associação Portuguesa de apoio à vítima (Nacional) Missão: Apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais e contribuir para o aperfeiçoamento das políticas públicas, sociais e privadas centradas no estatuto da vítima. 2 Casa de Abrigo; Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes; Centro de Documentação e Informação da APAV- um acervo documental e bibliográfico que privilegia as áreas da vitimologia, da criminologia, da justiça restaurativa, do apoio à vítima e das violências; Centro de Formação APAV - Polos de Formação de Lisboa, Porto, Algarve e Açores; 15 gabinetes de Apoio à Vítima nos diversos distritos do país - têm disponível, de acordo com os recursos da sua rede de Voluntariado, serviços de apoio emocional, jurídico, psicológico e social à vítima de crime; Espaço APAV & Cultura, através da programação de uma série de eventos culturais de âmbito diverso, sempre de acesso gratuito; Linha de Apoio à Vítima; Unidade de Apoio à Vítima Imigrante e de Discriminação Racial ou Étnica; Unidade de Apoio à Vítima Imigrante e combate do Tráfico de Seres Humanos; Unidade de Apoio à Vítima Migrante e de Discriminação dos Açores. Nº de Beneficiários: processos de apoio; apoio a 8733 vítimas diretas 16

17 Associação portuguesa de doentes de parkinson (Nacional) Missão: A APDPk tem por missão contribuir para melhorar as condições de vida dos portadores da doença de Parkinson, por todos os meios e através de todas as acções que se afigurem oportunas, tais como intervir junto dos organismos competentes para obter formas de apoio. Tem como objetivos: Contribuir para a manutenção de um estilo de vida ativo e saudável da pessoa com a doença de parkinson; Melhorar o conhecimento da sociedade geral sobre a doença de Parkinson; Proporcionar formação aos doentes, familiares e cuidadores para que aprendam a viver com a doença, promovendo a saúde e combatendo a ansiedade causada pelo desconhecimento; Faciliar o acesso a cuidados de saúde especializados no tratamento da doença de parkinson, estabelecendo parcerias para todos poderem ter acesso a estes cuidados; Apoiar a investigação com vista à optimização dos cuidados de saúde; Assegurar contactos com entidades congéneres internacionais, a fim de manter uma actualização constante dos progressos na investigação e tratamento da doença. Neurofisioterapia; Psicoterapia; Terapia da Fala; Hidroterapia; Actividades lúdicas. Nº de Beneficiários:

18 Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos doentes de Alzheimer (Nacional) Missão: Sensibilizar para a urgência de um Plano Nacional Alzheimer e disponibilizar o nosso conhecimento e experiência, na sua criação e implementação; Desenvolver campanhas nacionais e locais de informação sobre a doença, as suas características e formas de intervenção; Alertar para a importância: - do diagnóstico precoce; - da valorização do papel dos clínicos gerais na deteção dos primeiros sinais da demência e encaminhamento para consulta da especialidade (Neurologia ou Psiquiatria); - da valorização do papel dos cuidadores, e do reconhecimento das suas necessidades e direitos específicos; - da integração do estudo da demência como matéria obrigatória na formação médica. Desenvolver ações de formação para cuidadores; Criação de serviços e equipamentos modelo com vista à aprendizagem e partilha das melhores práticas. Lar especializado para pessoas com demência (Estoril); Centro de Dia (Estoril); Centro de Dia (Lisboa); Centro de Dia (Matosinhos); Centro de Dia (Pombal); 3 Gabinetes Cuidar Melhor gabinetes de atendimento com os seguintes serviços: Informação; Encaminhamento; Apoio Jurídico; Alívio ao Cuidador; Apoio Psicológico; Avaliação Neuro psicológica; Estimulação Cognitiva e Formação Programa "Apoio Na Incontinência ; Banco De Ajudas Técnicas; Programa Ajudar É Cuidar ; Sala Snoezelen; Nº de Beneficiários:

19 Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (A.P.P.C.) de Viseu Missão: Reabilitação e Integração Social de pessoas com Paralisia Cerebral no âmbito da Educação, Segurança Social, Saúde, Habitação, Trabalho, Cultura, Recreação e Desporto. 2 Centros de Atividades Ocupacionais; 2 Unidades Residenciais; Formação Profissional; Centro de Reabilitação - atividades aquáticas adaptadas, fisioterapia, terapia da fala, Terapia ocupacional, Psicomotricidade; Escola de Ensino Especial; Consultas de clinica geral e de psicologia. Nº de Beneficiários:

20 Centro de Ação Social do Concelho de Ílhavo (Aveiro) Missão: Intervém na área da família e comunidade, através de apoio, atendimento e acompanhamento de famílias e indivíduos em situação de pobreza e/ou risco de exclusão social. 3 Creches; 3 Centros pré-escolares; 3 Centros de atividades ocupacionais; 2 Lar de idosos; Centro de Dia; Lar Residencial para Pessoas com deficiência e Estruturas Residenciais para Idosos; Formação Profissional a pessoas com deficiência; Centro de Emprego Protegido; Escola de Ensino Especial e Centro de Recursos para a Inclusão; Centro de Apoio Ocupacional; Cantina Social para o concelho de ílhavo. Nº de Beneficiários: 35 utentes 20

21 Centro de Acolhimento Temporário "A Buganvília" (Beja) Missão: Instituição de acolhimento temporário e transitório de crianças em situação de urgência e risco social com idades compreendidas entre os 0 e os 12 anos de idade. Funciona de forma permanente (24 horas). Integrar a criança num espaço, salvaguardando-a física e psicologicamente; dar resposta às mais diversas necessidades da criança de forma permanente; despistar aspetos carenciados de intervenção em termos de saúde, equilíbrio psicoafectivo, socialização e escolaridade; tratar as sequelas resultantes da situação de perigo em que se encontrava; proporcionar à criança uma vivência de tipo familiar; estudar a situação da criança e definir o projeto de vida mais adequado aos seus interesses. Centro de Acolhimento para crianças em risco. Nº de Beneficiários: 35 utentes 21

22 Crescer Ser (Porto) Missão: Instituição que tem como principais objetivos proceder ao estudo interdisciplinar das questões relativas à proteção jurídica e administrativa dos menores e da família; promover, dinamizar e organizar serviços comunitários de apoio à criança, ao jovem e à sociedade familiar, sendo o seu âmbito nacional; dinamizar formação especializada na área da proteção das crianças e jovens em perigo, junto de técnicos que exercem funções quer nas Comissões de Proteção, quer em equipamentos sociais destinados a esta problemática. Para além das preocupações de prevenção primária, a Associação desenvolve as seguintes ações: acolhimento de crianças e jovens em situações de risco, com vista ao diagnóstico interdisciplinar; 6 Centros de acolhimento para crianças de famílias desestruturadas (toxicodependentes, presidiários, pais violentos, etc.) - encontrando-se em fase de instalação mais dois Centros de Acolhimento; Consulta psicológica gratuita a crianças em idade escolar e suas famílias, que frequentam escolas situadas na área da sede da Associação; Consulta de Terapia Familiar com vista à promoção e proteção das famílias multi-problemáticas e desfavorecidas no domínio psicossocial. Nº de Beneficiários: 30 crianças 22

23 Fundação Gil (Nacional) Missão: A Fundação do Gil promove a reintegração social de crianças e jovens que por razões diversas permanecem indevidamente hospitalizados por períodos prolongados. Apoia igualmente as suas famílias através de um trabalho continuado de capacitação social e emocional das mesmas. Casa do Gil - Centro de Acolhimento Temporário com cuidados pós-hospitalares para crianças dos 0-12 anos ; Unidade móvel de apoio ao domicilio - as Unidades Móveis de Apoio ao Domicilio viabilizam o regresso a casa da criança doente crónica, prestando cuidados de saúde pediátricos ao domicílio, e desenvolvendo um trabalho de capacitação e autonomização da família para garantir a qualidade dos tratamentos efetuados em casa; Unidade móvel de cuidados paliativos pediátricos ao domicílio em parceria com o IPO, a Fundação Gil para 2015 pretende criar a primeira unidade do país. Nº de Beneficiários: 1000 crianças 23

24 Instituto D. Francisco Gomes Casa dos Rapazes (Faro) Missão: Instituição Particular de Solidariedade Social que acolhe, educa e integra na sociedade crianças e jovens que, por qualquer motivo, se viram privados de meio familiar normal. O objetivo máximo do Instituto D. Francisco Gomes é fazer com que no seu espaço as crianças e jovens acolhidos recuperem o equilíbrio e a estabilidade emocional essenciais para a futura integração na família e na sociedade. Um dos principais objetivos tem sido o combate ao insucesso escolar, registando-se no último ano 80% de aproveitamento escolar entre os menores da instituição. Centro de acolhimento (com pavilhão desportivo e piscina); Creche; Jardim de Infância; Piscina. Nº de Beneficiários: 60 rapazes dos 6 aos 18 anos 24

25 Liga Portuguesa Contra o Cancro (Nacional) Missão: Assume-se como uma entidade de referência nacional no apoio ao doente oncológico e família, na promoção da saúde, na prevenção do cancro e no estímulo à formação e investigação em oncologia. A LPCC prossegue os seguintes objetivos: Divulgar informação sobre o cancro e promover a educação para a Saúde, com ênfase para a sua prevenção; Contribuir para o apoio social e a humanização da assistência ao doente oncológico, em todas as fases da doença; Cooperar com as instituições envolvidas na área da oncologia, nomeadamente os Centros do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil e os Hospitais das Regiões Autónomas; Estimular e apoiar a formação e a investigação em oncologia; Estabelecer e manter relações com instituições congéneres nacionais e estrangeiras; Desenvolver estruturas para as prevenções primária e secundária, tratamento e reabilitação, isoladamente ou em colaboração com outras entidades; Defender os direitos dos doentes e dos sobreviventes de cancro. Núcleo de apoio ao utente Açores; Núcleo de apoio ao utente Centro; Núcleo de apoio ao utente Madeira; Núcleo de apoio ao utente Norte; Núcleo de apoio ao utente Sul; Linha de apoio ao cancro; Bolsa de investigação. Nº de Beneficiários: doentes acompanhados em centro de dia, 139 doentes em lares da liga, 826 doentes acompanhadas em consulta, mamografias realizadas em unidades móveis, consciencialização a alunos. 25

26 Meninos de Oiro (Azeitão) Missão: Defesa dos Direitos das Crianças, prestando apoio a famílias com crianças em situação de risco e perigo. Os objetivos da instituição são a melhoria das competências pessoais, sociais e parentais dos adultos cuidadores e o apoio das crianças e jovens no seu quotidiano, permitindo-lhes melhorar as suas vivências quer escolares, quer em termos de saúde, quer em termos de atividades de lazer. CAFAP - Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental; Banco de Recursos onde se pretende satisfazer as necessidades básicas dos utentes quer a nível alimentar, quer a nível de vestuário, calçado, mobiliário, brinquedos e material escolar; Loja Social. Nº de Beneficiários:

27 NÓS Associação de Pais e Técnicos para a integração do deficiente (Barreiro) Missão: Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que tem como missão promover a inclusão social de pessoas com deficiência ou noutra situação de desvantagem social. 4 Residências autónomas; Apoio Domiciliário para pessoas com deficiências; Centro de animação infantil e comunitária; Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP); Centro de Recursos para a Inclusão (CRI); Centros de Atividades Ocupacionais (CAO); Creche Os Pirilampos ; Empresa de Inserção Social Clube Família ; Escola de Educação Especial; Gabinete de Inserção Profissional (GIP); Intervenção Precoce na Infância (IP); Lar Residencial "Nossa Casa ; Lavandaria Comunitária; Núcleo municipal para a deficiência e saúde mental (Barreiro e Moita); Programa comunitário de ajuda alimentar para carenciados; Protocolo do Rendimento Social de Inserção (RSI); Serviço de Apoio às Escolas. Nº de Beneficiários: 2000 utentes 27

28 Obra de São José Operário (Évora) Missão: possui como objetivo contribuir para a promoção integral humana e social das pessoas ou famílias de Évora, nomeadamente as de recursos económicos mais débeis. Desenvolve, entre outras, uma ação social junto dos idosos e crianças. Estrutura Residencial para Pessoas Idosas; Centro de Dia; Serviço de Apoio Domiciliário; Cantina Social; Creche; Jardim de Infância. Nº de Beneficiários:

29 SOL Associação de apoio a crianças com VIH/SIDA (Lisboa/Nacional) Missão: tem como missão primordial o apoio a crianças e jovens infetadas com o vírus do HIV/SIDA, bem como o acompanhamento às respetivas famílias. O objetivo da Sol é o de capacitar e integrar estas crianças e jovens na sociedade, bem como desenvolver dinâmicas que promovam as competências para uma convivência esclarecida com o HIV/SIDA. Lar de Infância e Juventude; Centro de Atendimento e Acompanhamento Psicossocial; Centro de Apoio Familiar. Nº de Beneficiários: 56 utentes (14 jovens e crianças) 29

30 Solar domimo (Seia / Serra da Estrela) Missão: O Solar do Mimo acolhe crianças e jovens em risco, provenientes de situações de privação e carência económica, de meio familiar negligente, vítimas de violência doméstica, e que exigem apoio urgente e transitório, por estar em causa a sua integridade física e emocional. Promove junto das crianças e jovens acolhidos, a identificação dos indicadores de risco social, a avaliação e o acompanhamento psicológico nos domínios cognitivo, socio-afetivo, emocional e comportamental. Acompanhamento individual a cada utente, utilizando uma abordagem multidisciplinar das problemáticas, contribuindo para a construção de um projeto de vida estruturado. CAT - Centro de Acolhimento Temporário de Crianças em Risco. Nº de Beneficiários:

31 Terra dos Sonhos (Nacional) Missão: Melhorar a qualidade de vida mental e física dos seus beneficiários, promovendo a transformação de crenças e convicções, influenciando as perceções limitadoras que têm das suas vidas e do mundo, desenvolvendo atividades que criem emoções positivas e construam novas crenças potenciadoras, capacitando-os a agir de forma diferente e, assim, a obter resultados diferentes. Tem como principal atividade a realização dos sonhos de crianças e jovens doentes e institucionalizadas como forma de transmitir uma mensagem de esperança na possibilidade de realização dos seus objetivos mais inspiradores, independentemente de circunstâncias, condicionamentos e limitações. A superação da impossibilidade através da criação da possibilidade é o resultado final pretendido. (a abrir em 2014/2015) Casa dos Sonhos - alargando o âmbito da sua atuação e tornando real o sonho dos seus fundadores, A Terra dos Sonhos quer implementar novos projetos na Casa dos Sonhos baseado em metas muito bem definidas: Mudar Mentalidades; Alterar Crenças; Trabalhar Convicções; Criar Possibilidade onde antes havia Impossibilidade - VER VIDEO: UCIF Unidade de Cuidados Intensivos de Felicidade - primeira Unidade de prestação de serviços de saúde emocional com um modelo de intervenção terapêutica totalmente inovador a nível mundial da Psicologia da Saúde. Nº de Beneficiários: 80 sonhos realizados em 2013 impactando 80 crianças e respetivo meio envolvente (familiares, cuidadores, profissionais de saúde). 31

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Agradeço a atenção e espero a aprovação desta petição e a criação do DIA NACIONAL DOS SONHOS.

Agradeço a atenção e espero a aprovação desta petição e a criação do DIA NACIONAL DOS SONHOS. Apresentação institucional da Terra dos Sonhos No que respeita ao voluntariado, a Terra dos Sonhos conta neste momento, com cerca de 2000 voluntários em todo o país, com um leque de idades diversificado,

Leia mais

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social PROGRAMA DE AÇÃO PARA 2015 Em cumprimento do estabelecido das alíneas b) do Artigo 34.º e c) do Artigo 38º dos Estatutos do Lar das Criancinhas da Horta, vem esta Direção apresentar à Assembleia Geral,

Leia mais

PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS

PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS PROGRAMA EDP SOLIDÁRIA 2015 PROJETOS APOIADOS EDP SOLIDÁRIA INCLUSÃO SOCIAL Associação Desportiva, Cultural e Social de Aldeia de S. Sebastião Projeto: Servir A Associação Desportiva, Cultural e Social

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO MEDIDA / MEDIDA 009/00 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Relatório Anual de

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública PLANO DE ATIVIDADES 2016-2019 E ORÇAMENTO 2016 NOVEMBRO 2015 Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE Conselho Português para os Refugiados (CPR) O CPR, associação de solidariedade social e organização não governamental para o desenvolvimento (ONGD), foi constituído

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE PARKINSON ELEIÇÕES / 2012-2014 PROGRAMA ELEITORAL LISTA B Todos juntos somos fortes Não há nada a temer Ao meu lado há um amigo Que é preciso proteger Chico Buarque

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo

Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2013 A Plataforma Mais Diálogo Farmácias/Utentes de Saúde surge em 1998 como estrutura informal Fórum Mais Diálogo Farmácia / Utentes de Saúde 13 de Janeiro de 1998 1 Assinatura do Protocolo de

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é

Promoção e proteção dos direitos das crianças. A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é A utilidade de critérios, ou pilares concetuais, é inquestionável para enquadrar as ações de proteção e cuidados à infância. Os profissionais devem partilhar conceitos básicos, que os ajudem a identificar

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Raquel dos Santos Machado

Raquel dos Santos Machado Curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Raquel dos Santos Machado Sexo Lugar a que se candidata feminino Psicóloga (clínica) Experiência profissional (Comece por indicar a experiência

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

- ALMA ALENTEJANA Associação para o Desenvolvimento Cooperação e Solidariedade Social Laranjeiro

- ALMA ALENTEJANA Associação para o Desenvolvimento Cooperação e Solidariedade Social Laranjeiro - ALMA ALENTEJANA Associação para o Desenvolvimento Cooperação e Solidariedade Social Laranjeiro Área de Intervenção: Idosos - Centros de Convívio, Centros de Dia e Apoio Domiciliário a idosos. NIF: 503776084

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

Projecto MIMAR O SOLAR

Projecto MIMAR O SOLAR Equipa Star Wars 1 Projecto MIMAR O SOLAR 2 Projecto Mimar o Solar Apresentação O Projecto MIMAR O SOLAR surge como iniciativa promovida pelo Solar do Mimo Centro de Acolhimento Temporário de Crianças

Leia mais

MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE

MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE Programas de inserção social e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da

A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da respeita desenvolver Universidade INQUÉRITO a práticas um da estudo Beira ITO À de EMPREGABILIDADE empregabilidade,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro

Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro A t i v i d a d e s n o â m b i t o d o 1 7 d e O u t u b r o - 2 0 1 5 - Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro Concelhos do distrito de Aveiro Lançamento de um inquérito (mais

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS ANO LETIVO 2012 / 2013 ÍNDICE ÍNDICE... 1 EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NO ENSINO BÁSICO... 2 1. Legislação:... 2 2. Finalidades da educação

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa e que se traduzem num envelhecimento populacional, coloca às instituições, às famílias e à comunidade

Leia mais

Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia!

Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia! mais Cuidado Cuidados domiciliários com a maior cobertura do país Fazemos mais por Si, pela sua Saúde e pelo seu Bem-estar! Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia! A OldCare... A OldCare é uma

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama IMSI16 Contributo para a Democracia Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama Instituição Particular de Solidariedade Social Organização de voluntariado que apoia de forma individualizada vítimas

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Proposta de Parceria Pleno Ser / Escola

Proposta de Parceria Pleno Ser / Escola Proposta de Parceria Pleno Ser / Escola A Parceria Pleno Ser/Escola O ambiente escolar pode representar, muitas vezes, um prolongamento do lar. É onde a criança é inserida nos grupos sociais, colocada

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Projeto de melhoria da estrutura de equipamentos públicos e programas de saúde existentes A Cidade de Osasco constitui-se em importante polo de desenvolvimento da Região Oeste Metropolitana de São Paulo

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Município da Samba - Província de Luanda

Município da Samba - Província de Luanda Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado para o Desenvolvimento Sociocomunitário na Missão da Corimba - Município da Samba (Província de Luanda) Missão da Corimba - Sede Localização

Leia mais

Unidades Móveis de Saúde

Unidades Móveis de Saúde Saúde Comunitária Unidades Móveis de Saúde Enfª Maria Teresa Antunes 2009 Metodologia : Projectos de intervenção comunitária utilizando como meio de acessibilidade Unidades Móveis de Saúde: Lisboa - 3

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 3 FUNCIONAMENTO DA VALÊNCIA CENTRO DE RECURSOS PARA A INCLUSÃO 3 ESPAÇO FÍSICO 4 EQUIPA 4 FUNÇÕES DA

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência 2 O QUE É A DEMÊNCIA? A Demência é uma

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal Coimbra, 13 de novembro de 2014 Plano Nacional Saúde 2012-2016 2º Eixo: Equidade

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Santa Casa da Misericórdia de Seia Diretor(a) Dra. Claúdia Lopes Setor de Atividade 87301 Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. Número de Efetivos

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO [DREER] A tem por missão assegurar a inclusão familiar, educacional e social de crianças, jovens e adultos com deficiência ou outras necessidades especiais.

Leia mais

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 O acolhimento institucional constitui uma medida de

Leia mais

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO)

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Pl Anual de 2015-2016 Atividades Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Serviço de Psicologia e Orientação de Matosinhos HORÁRIO: Horário extra curricular - (preferencialmente são marcadas sessões com a colaboração

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2017 PLANO DE FORMAÇÃO 2017 fevereiro AEF Designação da Ação Duração Data Local Preço Preço de Conhecer e intervir nos cuidados paliativos 27 de fevereiro Núcleo Distrital de Beja Como Melhorar a Comunicação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020 Plano de Desenvolvimento Social aprovado na reunião plenária do Conselho Local de Ação Social de Peniche de 24 de novembro de 2015 Índice Índice... 1 1. Introdução... 2 2. Finalidade do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso

Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso Distrito Subsistema Tipo de ensino Nome do Estabelecimento Nome do Curso Lisboa Privado Politécnico Academia Nacional Superior de Orquestra Direcção de Orquestra Lisboa Privado Politécnico Academia Nacional

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

Almoços. 5 /almoço 48 /senha de 10 almoços

Almoços. 5 /almoço 48 /senha de 10 almoços Serviços de Apoio 2014-2015 Almoços 85 /mês (nos meses com férias é feito o ajuste do valor aos dias de aulas) 5 /almoço 48 /senha de 10 almoços O Externato dispõe de 3 salas de refeição com uma capacidade

Leia mais

Mazda Motor de Portugal inicia parceria com as Aldeias de Crianças SOS

Mazda Motor de Portugal inicia parceria com as Aldeias de Crianças SOS Mazda Motor de Portugal inicia parceria com as Aldeias de Crianças SOS Lisboa, 2 de Julho 2012. A Mazda Motor de Portugal e a Associação das Aldeias de Crianças SOS de Portugal acabam de dar início a uma

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO IPSS 1 0 0 % GRATUITO 1 0 0 % ALTERÁVEL

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO IPSS 1 0 0 % GRATUITO 1 0 0 % ALTERÁVEL C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR Creche Pré-Escolar 1 0 0 % GRATUITO Centro de Actividades dos Tempos Livres 1 0 0 % ALTERÁVEL Centro de Dia / Noite

Leia mais

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A

10434/16 mc/ap/ip 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 17 de junho de 2016 (OR. en) 10434/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações SOC 419 EMPL 278 ECOFIN 630 SAN 271 EDUC 243 n.º

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

NOVEMBRO DE 2016 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO VEM VENCER ASSOCIAÇÃO DE APOIO A CRIANÇAS, IDOSOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Barreiro

NOVEMBRO DE 2016 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO VEM VENCER ASSOCIAÇÃO DE APOIO A CRIANÇAS, IDOSOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Barreiro NOVEMBRO DE 2016 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2017 VEM VENCER ASSOCIAÇÃO DE APOIO A CRIANÇAS, IDOSOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Barreiro Para o ano 2017, decidimos como principais e prioritárias, as

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Isabel Fraga. Responsável: Equipa técnica: Fátima de Matos; Marina Santos Joana Gonçalves

Isabel Fraga. Responsável: Equipa técnica: Fátima de Matos; Marina Santos Joana Gonçalves Responsável: Isabel Fraga (Secretário; CPCJ; Pelouro da Ação Social, Habitação e Saúde) Equipa técnica: Fátima de Matos; Marina Santos Joana Gonçalves Objetivos Este projeto visa proporcionar às crianças

Leia mais

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO Aprovado em: 24-11-2006 Alterado em: 04-12-2007 (Introduzidas alterações alínea e), artigo 9º) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em

Leia mais

Fax ( 41)36771187 CPF 447.841.049-68. Função. Gerente. Celular (41) 91760959. R$ 461.800,00 (quatrocentos e sessenta e um mil e oitocentos reais)

Fax ( 41)36771187 CPF 447.841.049-68. Função. Gerente. Celular (41) 91760959. R$ 461.800,00 (quatrocentos e sessenta e um mil e oitocentos reais) 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( ) Estadual ( ) Regional ( X) Intermunicipal (no mínimo três municípios) 1.1. Dados Cadastrais do Proponente Entidade Proponente: FUNDAÇÃO SOLIDARIEDADE Endereço

Leia mais

Entidade Atualizado em:

Entidade Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Entidade Atualizado em: 01-10-2015 Esta informação destina-se a Entidades. O que é Instituições particulares de solidariedade social ou equiparadas e outras de fins idênticos e de reconhecido

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 INTRODUÇÃO Pretende-se com a apresentação do plano de ação 2015 da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Penafiel delimitar

Leia mais

COMPROMISSO COM A FAMILIA

COMPROMISSO COM A FAMILIA Rua Bela Vista, 220 Vila Camisão COMPROMISSO COM A FAMILIA A família é o objetivo central da Democracia Cristã, ação politica inspirada nos ideais do Cristianismo. Fomos nós, Social-Democrata-Cristãos,

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais