C O B B - V A N T R E S S. C O M. Suplemento para manejo de matrizes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C O B B - V A N T R E S S. C O M. Suplemento para manejo de matrizes"

Transcrição

1 C O B B - V A N T R E S S. C O M Suplemento para manejo de matrizes

2

3 Manejo de matrizes Este material suplementar para manejo de matrizes da Cobb foi elaborado para uso em conjunto com o Guia de manejo de matrizes e auxiliar você na elaboração do seu prorama de manejo. O manejo deve não só atender às necessidades básicas dos plantéis, como também ser ajustado adequadamente para que o potencial das aves seja aproveitado ao máximo. Nossas recomendações neste livreto se baseiam no conhecimento científico atual e na experiência prática e refletem o potencial enético das matrizes da Cobb com base nos reistros de número total de ovos e porcentaem de eclosão feitos nos 25 dos maiores plantéis da Cobb do mundo todo. Este livreto deve ser utilizado apenas como um uia e adaptado localmente de acordo com sua própria experiência ao projetar o desempenho de todos os plantéis em uma operação específica. Você deve se informar sobre leislações locais que possam influenciar as práticas de manejo que você escolher adotar. Entre em contato com seu representante técnico da Cobb para receber mais ajuda. A Cobb se dedica à seleção de raças com base em características de saúde, bem-estar e desempenho e continua expandindo a variedade de cruzamentos para atender às expectativas lobais dos clientes. As matrizes modernas são mais eficientes, produtivas e robustas do que as erações anteriores de alinhas. Esse proresso ocorreu devido ao aprimoramento enético e aos avanços nos métodos de criação que aumentam a lonevidade, os resultados de bem-estar e o desempenho de matrizes em ranjas de recria e postura.

4 Manejo de matrizes Desempenho de matrizes Idade na descarte (semanas) (dias) Idade com produção diária de 5 (semanas) (dias) Pico de produção () 6 6 Total de ovos/fêmeas alojada 165, 13,4 Ovos férteis/fêmeas alojada (mínimo de 50 ) 161,3 1,5 Pico de eclosão () Média de Eclosão () 5,3 4,5 Pintos de corte/fêmeas alojada 13,4 150,6 Viabilidade apartir de 25 semanas () 93,5 93,3 Galpão Escuro Galpão Aberto Peso corporal da fêmea (k) 3,22 3,31 (25 semanas) (lb),10,29 Peso corporal da fêmea (k) 4,19 4,2 (60 semanas) (lb) 9,23 9,40 Peso corporal da fêmea (k) 4,24 4,32 (65 semanas) (lb) 9,34 9,51

5 Pesos corporais de fêmeas Recria em alpões Escuros Idade Peso corporal Ganho de peso dias semanas lb corporal ,63 0,90 1,21 1,46 1,6 1,90 2,12 2,34 2,54 2,3 2,93 3,13 3,34 3,56 3,0 4,09 4,42 4, 5,1 5,5 5,95 6,53 6,, Entre 2 e 22 semanas, os pesos são medidos quando as aves não estão com alimento no papo (peso corporal seco) ou pelo menos de 6 a horas após o último arraçoamento. Outra opção é pesar as aves após as luzes serem acesas e antes do arraçoamento. (Entre em contato com o Consultor técnico da Cobb para receber os proramas de alimentação e iluminação.) Os pesos correspondem ao aniversário semanal. Consulte o Guia de manejo de matrizes da Cobb para ver recomendações erais de manejo de lote, estão de uniformidade e diretrizes relacionadas ao arraçoamento pós-pico. Entre semanas, a uniformidade de lote de 6 a ou a 10 de CV é a preferencial para atinir as condições adequadas antes da estimulação luminosa.

6 Pesos corporais de fêmeas Recria em alpão aberto Idade Peso corporal Ganho de peso dias semanas lb corporal Entre 2 e 22 semanas, os pesos são medidos quando as aves não estão com alimento no papo (peso corporal seco) ou pelo menos de 6 a horas após o último arraçoamento. Outra opção é pesar as aves após as luzes serem acesas e antes do arraçoamento. (Entre em contato com o Consultor técnico da Cobb para receber os proramas de alimentação e iluminação.) Os pesos correspondem ao aniversário semanal. Consulte o Guia de manejo de matrizes da Cobb para ver recomendações erais de manejo de lote, estão de uniformidade e diretrizes relacionadas ao arraçoamento pós-pico. Entre semanas, a uniformidade de lote de 6 a ou a 10 de CV é a preferencial para atinir as condições adequadas antes da estimulação luminosa.

7 Pesos corporais de fêmeas adultas ,10,32,52,2,91,0,16,23,31,3,44,50,55,60,64,69,2,5,9,2,5,,92,95,9 9,01 9,03 9,05 9,0 9,09 9,12 9,14 9,16 9,1 9,20 9,23 9,25 9,2 9,29 9,31 9, ,29,51,1,90,10,26,34,42,50,56,63,69,4,9,3,6,90,93,96,99 9,03 9,06 9,09 9,13 9,16 9,1 9,20 9,23 9,25 9,2 9,29 9,31 9,34 9,36 9,3 9,40 9,42 9,45 9,4 9,49 9,51 Peso corporal em alpão aberto Peso corporal em escuros Idade em semanas lb lb

8 Pesos e classificação dos ovos Idade em semanas Peso dos CLASSIFICAÇÃO DOS OVOS ovos Pequeno Gema dupla Descarte Com fissura Trincados 5 53,0 54,9 56, 5,5 59, 60,6 61,5 62,3 63,1 64,0 64,6 64,9 65,4 65,6 66,1 66,5 66,9 6,4 6, 6,1 6,3 6,4 6,6 6, 6,9 69,2 69,3 69,5 69, 69, 69, 69,9 0,1 0, 0, 0, 0,9 11,, 3, 0, 0,1, 5, 3,2 3,0 1, 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 3,0 0, 5,1 3,4 1,6 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0, 0,9 0,9 0,9 0,9 0,9 1,5 Ovos de cama 4 25,0 15,0 1,0 3,0 2,5 2,5 O peso dos ovos depende do peso corporal e do nível de produção das fêmeas, assim como do nível nutricional dos alimentos dados ao lote. Esses números são apenas de referência e podem variar consideravelmente dependendo das condições de manejo.

9 5,0 23,0 53,0 4,0 3,0 5,5 6,0 5,5 4,5 4,0 3,0 9,0,5,0 5,5 4,5 3,0 69,0 6,0 6,0 66,0 65,0 64,0 63, ,0 5,0 5,0 56,0 55,0 54,0 53, ,95 1,35 1,65 1,95 2,22 2,4 2,2 2,9 3,22 3,4 3,2 3,9 4,1 4,3 4,5 4, 4,9 5,1 5,3 5,4 5,5 5,6 5, 5, 5,9 6,04 6,12 6,20 6,25 6,30 6,35 6,40 6,45 6,50 6,55 6,60 6,65 6,0 6,5 1, 5,5 10,6 16,3 22,2 2,1 33,9 39, 45,4 5 56,5 6 6,4 2,, 3,0,0 93,0 9, 102, ,9 116, ,4 129, 134,0 13,2 142,3 146, ,3 15, , 169,4 13,0 16,5 1 13, , 19,6 49,3,9 2,9 3,9 3,4 2,4 1,9 1,3 9,4,4,4 6,0 5,5 4,0 3,0 1,5 0,6 69,6 6,6 6,6 66,6 65,5 64,5 63,6 62,6 61,6 60,6 59, 5, 5, 56,6 55,6 54,6 53,6 52, 51, 50, 55,0 5,0 93,0 95,0 95,0 9,0 9,5 9,5 9,5 9,5 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9,0 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9,5 9,5 9,5 9,5 9,5 9,5 9,5 0,1 1,5 4,9 9, 15,2 20,9 26,6 32,3 3,9 43,5 49,0 54,4 59, 65,0 5,3 5,3 90,1 94,9 99,6 104,2 10, 113,2 11,6 121,9 126, ,4 13,5 142,4 146, ,0 15, 161,3 164,9 16,4 11, 15,2 1,5 Desempenho de matrizes Idade em semanas Total de ovos (HW) Ovos férteis (HW) Mortalidade acum. () Ovos Incub. (semanal) Total de ovos (HH) Ovos férteis (HH)

10 5,0 4,0 5,0 6,0,0,0 9,0 9 9,5 9,0,5,0,5,0 6,5 6,1 5, 5,5 5,2 5,0 4, 4,5 4,2 4,0 3, 3,2 3,0 2, 2,2 1, 1,2 0,6 9,9 9,1,4,6 6,9 6,1 5,4 9 93,0 94,0 95,0 95,5 96,0 96,5 96,5 96, 96, 96, 96, 96,6 96,6 96,5 96,5 96,4 96,2 96,2 96,1 96,1 96,0 95, 95,5 95,2 95,0 94, 94,4 94,2 94,1 93, 93,3 93,0 92,4 91, 90,9 9 9,5,9,1,4 3,3 6,0,2,4 9,0 9,6 9 91,2 9 93,1 92,6 9 91,6 9 90, 9 9, 9,5 9,1 9,0,,5,5,5,4,4,4,1,1,9,6,6,3,2,1,0 6, 6, 6,5 6,4 6,3 0,1 2, 4,1 4,6 4,9 5,0 5,0 5,0 5,0 4,9 4, 4, 4,6 4,5 4,4 4,4 4,2 4,2 4,1 4,0 3,9 3, 3, 3, 3,6 3,6 3,5 3,4 3,3 3,3 3,2 3,1 3,0 3,0 2,9 2, 2, 2,6 2,6 2, ,0 9,6 1,3 2,6 3,5 4,2 4, 5,3 5,9 6,4 6,,0,1,2,2,2,2,1,0 6,9 6,9 6, 6, 6,6 6,5 6,4 6,3 6,2 6,1 6,0 5,9 5, 5, 5,6 5,4 5,3 5,1 5,0 4, 4, 4,5 9 91,5 92,3 93,0 93,5 93,9 94,3 94,6 94, 95,0 95,1 95,3 95,4 95,5 95,5 95,6 95,6 95, 95, 95, 95, 95, 95, 95, 95, 95, 95, 95,6 95,6 95,5 95,5 95,4 95,3 95,2 95,1 95,0 94,9 94, 94,6 94,4 94,3 3,3,0,0,9 9,3 9,6 9,9 9 90,6 9 91,2 91,3 91,3 91,3 91,3 91, ,9 90, 90, 90, ,1 90, ,9 9,9 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9,6 0,1 1,2 4,0,0 12,6 1,5 22,5 2,5 32,5 3,5 42,4 4,2 51,9 56,5 6 65,5 69, 4,1,2 2,3 6,3 9 94,0 9, 101,5 105,1 10, 112,1 115,5 11,9 122,2 125,4 12,5 131,5 134,5 13, ,9 145,5 14,1 150,6 34, 36,0 3,3 3,6 39, 40, 41,2 41, 42,4 42,9 43,5 43,9 44,1 44,5 44,6 44,9 45,2 45,5 45, 46,1 46,3 46,4 46,5 46,6 46, 46,9 4,1 4,1 4,3 4,4 4,5 4,5 4,5 4, 4, 4, 4,9 4,1 4,1 4,1 4,2 Fertilidade do lote de matrizes, eclodibilidade e peso do pintinho Idade em semanas Peso do pintinho Semanal acum. Semanal acum. Semanal acum. Semanal acum. Eclosão dos férteis () Número de pintinhos/ fêmeas alojada Eclodibilidade () Fertilidade ()

11 9 93,0 94,0 95,0 95,5 96,0 96,5 96,5 96, 96, 96, 96, 96,6 96,6 96,5 96,5 96,4 96,2 96,2 96,1 96,1 96,0 95, 95,5 95,2 95,0 94, 94,4 94,2 94,1 93, 93,3 93,0 92,4 91, 90,9 9 9,5,9,1,4 5,0 4,0 5,0 6,0,0,0 9,0 9 9,5 9,0,5,0,5,0 6,5 6,1 5, 5,5 5,2 5,0 4, 4,5 4,2 4,0 3, 3,2 3,0 2, 2,2 1, 1,2 0,6 9,9 9,1,4,6 6,9 6,1 5,4 1,0 6,0 5,0 4,5 4,0 3,5 3,5 3,3 3,3 3,3 3,3 3,4 3,4 3,5 3,5 3,6 3, 3, 3,9 3,9 4,0 4,3 4,5 4, 5,0 5,3 5,6 5, 5,9 6,2 6,,0,6,3 9,1 9, ,9 12, ,9 5,9 5,4 4,9 4,6 4,4 4,2 3, 3,3 2, 3,0 3,3 3,5 3, 3,9 4,2 4,4 4,4 4,6 4, 4, 4,9 4,9 4,9 4,9 4,9 4,9 5,0 5,0 5,1 5,2 5,2 5,3 5,3 5,3 5,3 5,3 5,3 5,4 5,4 5,4, 6,6 6,1 5,6 5,4 5,1 4, 4,3 3,9 3,4 3, 3,9 4,1 4,4 4,6 4, 5,0 5,2 5,4 5,4 5,6 5,6 5,6 5,6 5,6 5,6 5,6 5, 5, 5, 5,9 5,9 6,0 6,0 6,0 6,0 6,1 6,1 6,1 6,1 6,1 3,3 6,0,2,4 9,0 9,6 9 91,2 9 93,1 92,6 9 91,6 9 90, 9 9, 9,5 9,1 9,0,,5,5,5,4,4,4,1,1,9,6,6,3,2,1,0 6, 6, 6,5 6,4 6,3 Informações do incubatório Idade em semanas Fertilidade Eclodibilidade Infértil Inicial Média Tardia HOF () EMBRIODIAGNÓSTICO

12

13

14

15

16 Níveis nutricionais Níveis nutricionais recomendados para matrizes de produção Cobb500 Fase Idade (dias) (semanas) Unidade Inicial Crescimento Pré Postura 106-1º ovo 16-1º ovo Reprodução 1 1º ovo º ovo - 3 Reprodução 2 >26 >39 Macho >16 >24 Eneria metabolizável a Proteína bruta Cálcio Méd. fósforo Sódio Cloreto Potássio Ácido linoleico Lisina diestível Metionina diestível M + C diestível Triptofano diestível Treonina diestível Arinina diestível Valina diestível Isoleucina diestível MJ/k kcal/k kcal/lb 11, ,00 0,95 5 0,15-4 0,15-4 0,60 0 0, ,65 0,9 0,6 0,64 11, ,50 0,95 2 0,15-4 0,15-4 0, , ,00 1,20 2 0,15-4 0,15-4 0,60 0 Aminoácidos diestíveis 0, ,13 5 0, , ,14 0, , ,00 3,00 2 0,15-4 0,15-4 0,60 1,25 0,66 4 0, , ,50 3,20 0,15-4 0,15-4 0,60 1,25 0, ,14 0, , ,00 0,95 2 0,15-4 0,15-4 0, , a Se a eneria precisar ser ajustada para as condições locais, todos os outros nutrientes (proteínas/aminoácidos) precisam ser ajustados na mesma proporção.

17 Níveis de aminoácidos diestíveis Níveis de aminoácidos diestíveis recomendados com base nas taxas de aminoácidos/lisina Fase Idade (dias) (semanas) Inicial Crescimento/Pré-Postura 29-1º ovo 5-1º ovo Reprodução 1º ovo + Macho Lisina Metionina M + C Triptofano Treonina Arinina Valina Isoleucina

18 Vitaminas e Micro-Minerais suplementares Níveis suplementares recomendados de vitaminas e Micro-Minerais por tonelada métrica Fase Unidade Inicial / Pré-Postura / Machos Reprodução Vit. A (Dietas com milho) KIU Vit. A (Dietas com trio) KIU Vit. D3 KIU Vit. E KIU Vit. K 3,0 6,0 Tiamina 2,5 3,0 Riboflavina,0 13 Ácido pantotênico Niacina Piridoxina 3,0 6,0 Ácido fólico 3,0 Vit. B Biotina (Dietas com milho) 5 0 Biotina (Dietas com trio) 0 5 Colina Mananês Zinco Ferro Cobre Iodo 1,5 Selênio 0 0 KIU = milhares de unidades internacionais; = ramas Os níveis suplementares de vitaminas e micro-minerais sempre devem ser revisados para arantir que os níveis totais não ultrapassem os definidos pela leislação local.

19

20 cobbcares.com Saúde e Bem-estar animal Cobb tem um compromisso antio e de lono prazo com a saúde e bem-estar animal das aves que criamos e distribuímos ao redor do mundo. L PT : Julho 201

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

Suplemento de nutrição e desempenho do frangos de corte

Suplemento de nutrição e desempenho do frangos de corte Suplemento de nutrição e desempenho do frango de corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de rendimento e desempenho dos seus frangos de corte Cobb5, bem como

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 408 MATRIZES. Objetivos de Desempenho. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 408 MATRIZES. Objetivos de Desempenho. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 408 Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para matrizes Ross 408 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

Suplemento sobre manejo de machos. Macho

Suplemento sobre manejo de machos. Macho Suplemento sobre manejo de machos Macho reprodutores Introdução O compromisso da Cobb com a melhora enética da nossa família de produtos continua aumentando o potencial de desempenho em todas as áreas

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Cobb 0 Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte Introdução Este suplemento apresenta as metas

Leia mais

Manual de Padrões de Desempenho

Manual de Padrões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 Manual de Padrões de Desempenho Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 96% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 95% Viabilidade Macho, 1 18 semanas 85% Viabilidade Macho,

Leia mais

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Padrões Standards de Desempenho Manual Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 94% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 90% Viabilidade Macho,

Leia mais

Reprodutores Pais Edição 2

Reprodutores Pais Edição 2 Reprodutores Pais Edição 2 W-36 SILVER BROWN Performance Manual de Standards de Manual Produção Resumo do Desempenho Fêmeas vivas, 1 18 Semanas 94% Fêmeas vivas, 19 75 Semanas 90% Machos vivos, 1 18 Semanas

Leia mais

MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS. Embrapa 051 (Produção em parques)

MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS. Embrapa 051 (Produção em parques) MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS Embrapa 051 (Produção em parques) 1 Características das poedeiras Embrapa 051 As poedeiras coloniais Embrapa 051 são galinhas híbridas, resultantes

Leia mais

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Sumário INTRODUÇÃO...........................................................................................................................04

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

MATRIZES. Objetivos de Desempenho. Junho An Aviagen Brand

MATRIZES. Objetivos de Desempenho. Junho An Aviagen Brand MATRIZES Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho das matrizes Ross 308 e deve ser usado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes Ross 308.

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos. Aulus Carciofi

Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos. Aulus Carciofi Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos Formulação É o atendimento das exigências nutricionais dos animais por meio da combinação de ingredientes Nutrição Alimentação Alimentos (ingredientes)

Leia mais

Poedeiras Comerciais Edição 2

Poedeiras Comerciais Edição 2 Poedeiras Comerciais Edição 2 W-36 SILVER BROWN Performance Manual de Standards de Manual Produção Recomendações Gerais de Manejo O potencial genético das aves Hy-Line apenas poderá ser alcançado se efectuarem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES Banco de dados de digestibilidade dos nutrientes de ingredientes tradicionais e novos para nutrição de Truta e Striped Bass F.T. Barrows 1, T.G.

Leia mais

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL

RAÇÃO ALGOMIX SUÍNOS PRÉ-INICIAL Classificação do Produto: Ração para suínos pré-inicial. Indicação do Produto: Ração pronta para alimentação de suínos em fase pré-inicial (07 a 35 dias de idade). Espécie animal a que se destina: Suínos.

Leia mais

Produção de Ração Matérias-primas

Produção de Ração Matérias-primas Produção de Ração Matérias-primas Os valores nutricionais das matérias-primas poderão variar de acordo com os métodos de processamento, condições climáticas locais, estação do ano, entre outros. A matriz

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 230/8 PT 25.8.2016 REGULAMENTO (UE) 2016/1413 DA COMISSÃO de 24 de agosto de 2016 que altera o Regulamento (UE) n. o 432/2012 que estabelece uma lista de alegações de saúde permitidas relativas a alimentos

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR baixo teor de Gordura e Sódio; é rica em Vitamina B12; fonte de Vitamina D, Energia (Kcal) 83 Gordura (g) 1.4 Ác. gordos saturados (g) 0.2 Ác. gordos monoinsaturados (g) 0.4 Ác. gordos

Leia mais

Poedeira. Embrapa GUIA DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS

Poedeira. Embrapa GUIA DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS Poedeira Embrapa GUIA DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS Características das poedeiras Embrapa 051 As recomendações apresentadas nesta publicação são baseadas na experiência dos pesquisadores

Leia mais

DIZERES DE ROTULAGEM

DIZERES DE ROTULAGEM DIZERES DE ROTULAGEM MACISTE VIT SUPLEMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DAS REFEIÇÕES DE ATLETAS EM PÓ SABOR ARTIFICIAL BAUNILHA Peso líquido: g Aromatizado Artificialmente Indústria Brasileira INFORMAÇÃO

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

Poedeiras Comerciais. Edição 2

Poedeiras Comerciais. Edição 2 Poedeiras Comerciais Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Poedeira Standards Comercial Manual Recomendações Gerais de Manejo O potencial genético de Hy-Line só pode ser realizado se as práticas de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 2003 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA DIETA PARA POEDEIRAS COMERCIAIS Introdução As dietas para poedeiras ainda são formuladas baseando-se

Leia mais

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA INGREDIENTES Descrição Qtd kcal CHO PTN GORD ALC Farinha, de trigo 30,00 g 105,41 21,94 g 3,50 g 0,41 g Açúcar, refinado 30,00 g 119,64 29,91 g Fermento em pó, químico 1,00

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

CROQUIS DE RÓTULO DE PRODUTO

CROQUIS DE RÓTULO DE PRODUTO SUIGOLD CT 3% RTPI-369 EMISSÃO SET/12 SUIGOLD CT 3% NÚCLEO PARA SUINOS Indicado para o balanceamento de rações para suínos nas fases de crescimento e terminação. USO PROIBIDO NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES.

Leia mais

Aula 02 Produção de Matrizes

Aula 02 Produção de Matrizes Avicultura Aula 02 Produção de Matrizes Prof. Dr. Bruno Antunes Soares Sumário 1. A Matriz de Corte 2. Ambiência e Instalações 3. Equipamentos 4. Fase de Criação das Aves do Matrizeiro 1. Fase Inicial

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: RESOLUÇÃO RDC N.º 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23/09/05 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS" A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 INTRODUÇÃO O ovo é um alimento mundialmente conhecido e faz parte do hábito alimentar de diversas populações. Os hebreus

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994 título: Portaria nº 33, de 13 de janeiro de 1998 ementa não oficial: Adota valores como níveis de IDR para as vitaminas, minerais e proteínas publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR Tem alto teor de Proteína; é rico em Cálcio, Fósforo e Vitamina B12; fonte de Vitaminas A, E e B2. Valores de referência do requeijão com 13% proteína Energia (Kcal) 187 Proteína (g)

Leia mais

FICHA TÉCNICA MASS GFF 27000

FICHA TÉCNICA MASS GFF 27000 FICHA TÉCNICA MASS GFF 27000-27g DE PROTEÍNAS POR DOSE - 5 FONTES DE PROTEÍNAS - CARBOIDRATOS COMPLEXOS - MATRIZ PROTEICA DE ALTO VALOR BIOLÓGICO - 25 VITAMINAS E MINERAIS - BAIXO TEOR DE GORDURAS MASS

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO LINHA LINHA BRANCA PROTEÍNADOS CONCENTRADOS ENERGÉTICOS RAÇÕES NÚCLEOS PRODUTO Tech Sal Reprodução ADE Tech Sal 40 Tech Sal 45 Tech Sal 65 Tech Sal 80 Tech Sal 87 Tech Sal

Leia mais

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO

GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO GADO DE CORTE PSAI E RAÇÃO NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*)

Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*) Ministério da Saúde Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde Portaria Nº 30, de 13 de janeiro de 1998 (*) A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas

Leia mais

Suplemento de Manejo de Machos. Machos Cobb MX. reprodutor

Suplemento de Manejo de Machos. Machos Cobb MX. reprodutor Suplemento de Manejo de Machos Machos Cobb MX reprodutor Introdução O compromisso da Cobb com o melhoramento enético da nossa família de produtos continua a aumentar o potencial de desempenho em todas

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS EMBRAPA 051 SOB DIFERENTES PROGRAMAS ALIMENTARES EM COMPARAÇÃO COM UMA LINHAGEM COMERCIAL

DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS EMBRAPA 051 SOB DIFERENTES PROGRAMAS ALIMENTARES EM COMPARAÇÃO COM UMA LINHAGEM COMERCIAL DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS EMBRAPA 051 SOB DIFERENTES PROGRAMAS ALIMENTARES EM COMPARAÇÃO COM UMA LINHAGEM COMERCIAL Juliana Forgiarini 1, Suelen Nunes da Silva 2, Everton Luis Krabbe 3, Diego Surek

Leia mais

FICHA TÉCNICA 3 WHEY GAINERS. 25g de PROTEINAS POR DOSE WPI + WPC HIGH PROTEIN PROTEÍNAS DE ALTO VALOR BIOLÓGICO

FICHA TÉCNICA 3 WHEY GAINERS. 25g de PROTEINAS POR DOSE WPI + WPC HIGH PROTEIN PROTEÍNAS DE ALTO VALOR BIOLÓGICO FICHA TÉCNICA 3 WHEY GAINERS 25g de PROTEINAS POR DOSE WPI + WPC HIGH PROTEIN PROTEÍNAS DE ALTO VALOR BIOLÓGICO 3 WHEY GAINERS AGE combina de forma equilibrada carboidratos, proteínas de alto valor biológico,

Leia mais

PREÇO ÚNICO PARA REGISTRO DE PREÇO DE RAÇÃO INSUMOS E MATERIAL DE APICULTURA

PREÇO ÚNICO PARA REGISTRO DE PREÇO DE RAÇÃO INSUMOS E MATERIAL DE APICULTURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI DIRETORIA DE GESTÃO DA UNIDADE AGRÍCOLA-ESCOLA Sítio Lagoa do Clementino, n 999, RN 233, Km

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

ISO WHEY V3 AGE ISO WHEY V3 AGE

ISO WHEY V3 AGE ISO WHEY V3 AGE NEW 100% ISOLADA ISO WHEY V3 AGE é a forma molecular da Proteína do Soro de Leite Isolada (WPI), obtida por meio de processo de microfiltração. Sua formulação isenta de gorduras e com baixo teor de carboidratos,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 31

RELATÓRIO DE PESQUISA - 31 RELATÓRIO DE PESQUISA - 31 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 1 Introdução A nova disponibilidade

Leia mais

O OVO NA ALIMENTAÇÃO. Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015

O OVO NA ALIMENTAÇÃO. Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015 O OVO NA ALIMENTAÇÃO Profa. Assoc. Elizabeth A F S Torres Faculdade de Saúde Pública USP 2015 INTRODUÇÃO O ovo é um alimento mundialmente conhecido e faz parte do hábito alimentar de diversas populações.

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES PARTE I

MANEJO DE MATRIZES PARTE I FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS AVÍCOLAS Disciplina de Avicultura LAVINESP/FCAV MANEJO DE MATRIZES PARTE I Prof. Edney Pereira da Silva Jaboticabal

Leia mais

NRC Gado Leiteiro Nutrição para máxima eficiência produtiva e reprodutiva

NRC Gado Leiteiro Nutrição para máxima eficiência produtiva e reprodutiva Gado de Leite 1/21 NRC Gado Leiteiro Nutrição para máxima eficiência produtiva e reprodutiva Antonio Ferriani Branco 2/21 Mineral requirements - macro-minerals Exigência de macro minerais gerado pelo NRC

Leia mais

Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5. Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016

Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5. Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016 Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5 Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016 CRIAÇÃO E MANEJO DE FRANGOS DE CORTE Limpeza e Desinfecção das Instalações Remoção de toda matéria

Leia mais

Guia de Manejo Poedeiras Comerciais

Guia de Manejo Poedeiras Comerciais Guia de Manejo Poedeiras Comerciais > CONCEITO GERAL DE CRIAÇÃO pag. 3 > LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOS GALPÕES pag. 4 - Controle de insetos pag. 4 - Operações preliminares à lavagem pag. 4 - Lavagem pag. 4

Leia mais

FICHA TÉCNICA. 45g PROTEÍNAS POR DOSE ALTO VALOR BIOLÓGICO WPC + WPI 25 VITAMINAS E MINERAIS CARBOIDRATOS SIMPLES E COMPLEXOS

FICHA TÉCNICA. 45g PROTEÍNAS POR DOSE ALTO VALOR BIOLÓGICO WPC + WPI 25 VITAMINAS E MINERAIS CARBOIDRATOS SIMPLES E COMPLEXOS 45g PROTEÍNAS POR DOSE ALTO VALOR BIOLÓGICO WPC + WPI 25 VITAMINAS E MINERAIS CARBOIDRATOS SIMPLES E COMPLEXOS FICHA TÉCNICA MASS GAINERS 4400 AGE foi desenvolvido para suprir altas demandas energéticas,

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão

Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão Multidisciplinar 1/21 Avanços em Nutrição Mineral de Ruminantes Suplementando com precisão Antonio Ferriani Branco 2/21 As exigências de cálcio (NRC, 2001) Coeficiente de absorção de 30% para forrageiras

Leia mais

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS WHEY ISO FAST AGE é obtido por meio de processo de microfiltragem, o que resulta em uma proteína mais pura, livre

Leia mais

FICHA TÉCNICA. PROTEIN BAR AGE é uma barra prática e saborosa que apresenta 39% de proteínas em sua formulação, além de 22 vitaminas e minerais.

FICHA TÉCNICA. PROTEIN BAR AGE é uma barra prática e saborosa que apresenta 39% de proteínas em sua formulação, além de 22 vitaminas e minerais. FICHA TÉCNICA PROTEIN BAR 46g 18g DE PROTEÍNAS 22 VITAMINAS E MINERAIS MATÉRIAS-PRIMAS COM GARANTIA DE ORIGEM PROTEIN BAR AGE é uma barra prática e saborosa que apresenta 39% de proteínas em sua formulação,

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P.

GADO DE LEITE. Tecnologias, suplementos, e Fator P. Tecnologias, suplementos, e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 USO DE TREONINA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE DESEMPENHO E CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 3 Introdução Nos relatórios anteriores (RP 31 e RP 32), relatamos

Leia mais

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO

MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO MÁXIMA PERFORMANCE O ANO TODO LINHA LINHA BRANCA PROTEÍNADOS UREADOS CONCENTRADOS ENERGÉTICOS RAÇÕES NÚCLEOS PRODUTO Tech Sal Reprodução AD Tech Sal Performance Tech Sal 45 Tech Sal 65 Tech Sal 80 Tech

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

kcal = 3284 kj g g 41

kcal = 3284 kj g g 41 DIZERES DE ROTULAGEM HEAVY MASS SUPLEMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DAS REFEIÇÕES DE ATLETAS EM PÓ SABOR ARTIFICIAL BAUNILHA/MORANGO/CHOCOLATE Aromatizado Artificialmente Peso Líquido: 1,5 kg Fabricado

Leia mais

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta).

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). 1) Caracterização O concentrado protéico de arroz (CPA) é um produto oriundo do processamento do arroz para produção

Leia mais

GADO DE CORTE LINHA BRANCA

GADO DE CORTE LINHA BRANCA GADO DE CORTE LINHA BRANCA NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo, afeto, cuidado,

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para o frango Ross 308 AP (AP95) e deve ser utilizado em conjunto

Leia mais

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS

MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE UNIFEBE MICRONUTRIENTES VITAMINAS E MINERAIS Profª. MSc Luciane Ângela Nottar Nesello E-mail: lucianenesello@unifebe.edu.br Vitaminas e Minerais Amplamente distribuídos

Leia mais

Comunicado Técnico. Foto: Paulo Kurtz

Comunicado Técnico. Foto: Paulo Kurtz Comunicado Técnico 458 ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Novembro, 2007 Concórdia, SC Foto: Nilson Woloszyn Foto: Paulo Kurtz Utilização do Grão de Ervilha Forrageira na Alimentação de Leitões na Fase de

Leia mais

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P.

EQUINOS. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. Tecnologias, suplementos, rações, Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

PREVENÇÃO E FORÇA NUTRILITE PACOTE A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA AS NECESSIDADES FEMININAS

PREVENÇÃO E FORÇA NUTRILITE PACOTE A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA AS NECESSIDADES FEMININAS e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced e os lançamentos Advanced CARACTERÍSTICAS veio para ajudar a preencher a lacuna entre o que consumimos e o que devemos consumir

Leia mais

Suplementação. Introdução

Suplementação. Introdução Introdução Suplementação Suplemento alimentares são preparações destinadas a complementar a dieta e fornecer nutrientes como, vitaminas e minerais e, sais minerais. Mas o que são Suplementos Alimentares?

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: Portaria Nº 33, de 13 de janeiro de 1998* (Republicado por ter saído com incorreções do original publicado no Diário Oficial da União de 16 de janeiro de 1998, Seção I-, página 5.) A Secretária de Vigilância

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS Jéssica Daliane DILKIN 1, Marindia A. KOLM 1, Maurício BARRETA 1, Fernando TAVERNARI 2, Aline ZAMPAR 1, Aleksandro S.

Leia mais

FICHA TÉCNICA MASS GAINERS 4400 AGE SYN SYNERGIC MASS GROWTH

FICHA TÉCNICA MASS GAINERS 4400 AGE SYN SYNERGIC MASS GROWTH FICHA TÉCNICA MASS GAINERS 4400 AGE SYN SYNERGIC MASS GROWTH MASS GAINERS 4400 AGE foi desenvolvido para suprir altas demandas energéticas, fornecendo 4400 calorias ao longo do dia. Possui uma combinação

Leia mais

APTAMIL PROEXPERT PEPTI

APTAMIL PROEXPERT PEPTI EXCLUSIVOS PREBIÓTICOS DANONE 0,8g/100mL de scgos/lcfos (9:1) 1 INDICAÇÃO: Alimentação de lactentes com Alergia ao Leite de Vaca (ALV) sem quadros diarreicos, desde o nascimento. DESCRIÇÃO: Fórmula infantil

Leia mais

disponibilidade de minerais e vitaminas

disponibilidade de minerais e vitaminas Capítulo4Metodologias para avaliar a disponibilidade de minerais e vitaminas 1. Disponibilidade biológica dos minerais...131 1.1. Introdução...131 1.2. Digestibilidade e disponibilidade dos minerais...131

Leia mais

18g de proteínas por barra

18g de proteínas por barra NEW 18g de proteínas por barra PROTEIN BAR AGE OUTSIDE é uma nutrição prática e deliciosa com 39% de Proteínas de Alto Valor Biológico, 22 Vitaminas e Minerais em uma só barra. MAIS VANTAGENS: PROTEIN

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

Número PP002/2015. Fornecedor. Pregão. Unidade Requisitante UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA BAHIA - CAMPUS VITORIA DA C

Número PP002/2015. Fornecedor. Pregão. Unidade Requisitante UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA BAHIA - CAMPUS VITORIA DA C Folha 1 1 SUPLEMENTO, vitaminico mineral, po, uso veterinario, para suinos, a base de vitaminas e sais minerais. Composicao minima do produto: Vitamina A-150. 650UI, Vitamina D3-39.170UI, Vitamina E -361mg,

Leia mais

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Allan Reis Troni allan_troni@yahoo.com.br Introdução Contínua evolução das linhagens

Leia mais

TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA

TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA Concórdia-SC, 25 de abril de 2018. TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PARA ÍNDICES DE EQUIVALÊNCIA ENTRE INGREDIENTES DA RAÇÃO DE GALINHAS DE POSTURA E OVOS IN NATURA E

Leia mais

Produtos. Tossicanis. Calmavet. Colírio Cinerária Marítima. Colírio Veterinário. Provex. Calêndula Concreta. Catálogo de

Produtos. Tossicanis. Calmavet. Colírio Cinerária Marítima. Colírio Veterinário. Provex. Calêndula Concreta. Catálogo de Seu novo parceiro PR Tossicanis Xarope Expectorante e Fluidificante Di-Ter-Butilnaftaleno Sulfonato de Sódio, Xarope de Grindélia, Xarope de Bálsamo de Tolú, Xarope de Alcatrão Calmavet Tranquilizante

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA

TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA Concórdia-SC, 12 de setembro de 2018. TABELA DE DRAWBACK PARA OVOS DE GALINHA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PARA ÍNDICES DE EQUIVALÊNCIA ENTRE INGREDIENTES DA RAÇÃO DE GALINHAS DE POSTURA E OVOS IN NATURA

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 408. Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 408. Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 408 Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para o frango Ross 408 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual de

Leia mais

Os nutrientes de Provitae Aleitamento foram criteriosamente selecionados tendo em conta os seguintes efeitos benéficos:

Os nutrientes de Provitae Aleitamento foram criteriosamente selecionados tendo em conta os seguintes efeitos benéficos: Provitae Aleitamento Ómega-3 + Silimarina + Vitaminas + Minerais Suplemento alimentar especialmente desenvolvido para a mulher a amamentar Os nutrientes de Provitae Aleitamento foram criteriosamente selecionados

Leia mais

DIZERES DE ROTULAGEM MIDWAY ANABOL PACK

DIZERES DE ROTULAGEM MIDWAY ANABOL PACK DIZERES DE ROTULAGEM MIDWAY ANABOL PACK Contém: 30 sachês Indústria Brasileira WILD BCAA AMINOÁCIDOS DE CADEIA RAMIFICADA EM TABLETES (Tablete Amarelo) Porção de 3 g (3 tabletes) L-leucina 618 mg - L-isoleucina

Leia mais

AZ Vit. Ficha técnica. Suplemento Vitamínico Mineral. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10.

AZ Vit. Ficha técnica. Suplemento Vitamínico Mineral. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10. Ficha técnica AZ Vit Suplemento Vitamínico Mineral REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS: 7898171287350 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO

Leia mais

2. Número de Registro Produto registrado no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento sob nº 03065

2. Número de Registro Produto registrado no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento sob nº 03065 1. Produto Biohidract 2. Número de Registro Produto registrado no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento sob nº 03065 3. Classificação do produto Suplemento vitamínico hidrossolúvel 4. Espécie

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Formação do Plantel Reprodutor Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Objetivos Conhecer, compreender e executar as técnicas aplicadas nos programas de seleção

Leia mais

INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES.

INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES. INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES. Entre 28 de junho de 2016 e 20 de julho de 2016, foi realizada pesquisa

Leia mais