esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO"

Transcrição

1 esocial A TRANSFORMAÇÃO DA RELAÇÃO DE TRABALHO E DE ARRECAÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO

2 CENÁRIO ATUAL EMARANHADO DE NORMAS E LEIS INÚMERAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS INFORMAÇÕES NÃO CONSOLIDADAS E DE MÁ QUALIDADE VÁRIOS AMBIENTES DE TRATAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIVERSIDADE DE PROPÓSITOS DE CADA ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO ALTO CUSTO OPERACIONAL PARA ATENDIMENTO DAS OBRIGAÇÕES QUE MARGEIAM A MÃO DE OBRA INFORMALIDADE NA CONTRATAÇÃO DE MÃO DE OBRA

3 CENÁRIO PROPOSTO EMARANHADO DE NORMAS E LEIS ÚNICA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS E DE BOA QUALIDADE UM ÚNICO AMBIENTE DE TRATAMENTO DAS INFORMAÇÕES MANTIDO O PROPÓSITO DE CADA ENTE DE FISCALIZAÇÃO, RESTRITO Á SUA COMPETÊNCIA DE ATUAÇÃO REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL PARA ATENDIMENTO DAS OBRIGAÇÕES QUE MARGEIAM A MÃO DE OBRA GARANTIA DE DIREITOS E REDUÇÃO DO NÍVEL DE INFORMALIDADE NA CONTRATAÇÃO DE MÁO DE OBRA

4 esocial Integra o sistema de escrituração digital; Exigirá que todos os empregadores enviem ao Fisco, de forma unificada, ou seja, em um único documento digital, todas as informações trabalhistas, previdenciárias, fundiárias e tributárias relativas aos seus trabalhadores. É um sistema aderente ao sistema de folha de pagamento adotado pela empresa; As informações serão armazenadas no Ambiente Nacional do esocial (Registro de Eventos Trabalhistas RET); Possibilitará aos órgãos participantes do sistema (Caixa Econômica Federal CAIXA, Instituto Nacional do Seguro Social INSS, Ministério da Previdência Social MPS, Ministério do Trabalho e Emprego MET e Secretaria da Receita Federal- RFB) sua efetiva utilização para as finalidades de suas respectivas competências.

5 LAYOUT MOS - MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO esocial (Versão 2.0) Ato Declaratório Executivo do Subsecretário de Fiscalização n 5, de 17 de julho de 2013, publicado no Diário Oficial da União em 18 de julho de 2013 (não tem força normativa) mera divulgação do layout inicial dos arquivos que compõem o esocial; Circular nº 642, de 6 de janeiro de Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas esocial; Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de DOU DE 12/12/ Institui o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas - e Social e dá outras providências.

6 LAYOUT Resolução MF/RFB/eSOCIAL nº 1, de 20 de fevereiro de 2015, - DOU de 24 de fevereiro de Dispõe sobre o sistema de escrituração digital das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas (esocial).; Resolução esocial nº 2, de 3 de julho de DOU DE 07/07/ Dispõe sobre aprovação de nova versão do Manual de Orientação do esocial; Resolução nº 3, de 27 de julho de 2015, Secretaria da Receita Federal do Brasil Comitê Gestor do esocial - Dispõe sobre o tratamento diferenciado, simplificado e favorecido a ser dispensado às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte no âmbito do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial).

7 LAYOUT versão 1.2 Como principais mudanças, destacam-se: Exclusão de 18 eventos e inclusão de 11 novos eventos. De forma geral, os impactos do novo manual para as empresas que já estavam trabalhando para se adequar ao esocial são a revisão de seus processos de SESMT e dos demais processos relacionados aos eventos periódicos, que agora têm prazos mais rigorosos de envio. Nas tabelas iniciais que já existiam, são mais de 70 campos novos e quase o mesmo número em alterações nas regras de validação, e ainda uma dezena de mudanças na obrigatoriedade de envio de informações.

8 AMBIENTE DO esocial Produção ambiente destinado para processamento e apuração das informações do empregador que produz todos os efeitos jurídicos. Pré-produção dados reais Ambiente de testes utilizando dados reais que serão validados, inclusive com os sistemas externos, sem efeitos jurídicos. Pré-produção dados fictícios Ambiente de teste que não serão validados com os sistemas externos sem efeitos jurídicos. OCORRÊNCIA DO FATO (EVENTO) N REGISTRO DO FATO (EVENTO)

9 AMBIENTE DO esocial Iniciais Primeiro grupo de eventos a ser transmitido ao Ambiente Nacional do esocial. Tabelas Complementam os eventos iniciais e são responsáveis por uma séria de informações que validam os eventos não periódicos e periódicos. São mantidas no esocial de forma histórica. Periódicos Tem periodicidade previamente definida (folha de pagamento, apuração de outros fatos geradores de contribuições previdenciárias, imposto sobre a renda retido na fonte sobre pagamento a pessoa física. Não Periódicos Não tem uma data especifica para ocorrer, pois dependem de acontecimentos na relação entre empresa e o trabalhador.

10 AMBIENTE DO esocial O esocial recepciona os eventos periódicos S-1200 Remuneração do Trabalhador utilizando-se do regime de competência e o evento S-1210 Pagamentos de Rendimentos do Trabalho se submete ao regime caixa. Regime Competência (Valor devido) é aquele que apropria receitas e despesas no período de realização, independente do recebimento efetivo das receitas, ou dos pagamentos. Regime Caixa (Valor efetivamente) pago O regime de caixa leva em conta as receitas e as despesas no período de seu recebimento ou pagamento, independente do momento em que são realizadas.

11 FLUXOGRAMA Áreas Sistemas Ambiente Nacional TI FISCAL do esocial Entes SSMA JURÍDICO CONTÁBIL COMPRAS RH

12 PRODUTOS DO esocial Folha de Pagamento Digital: escrituração fiscal digital das obrigações previdenciárias e trabalhistas e tabela de rubricas padronizada. Registro de Eventos Trabalhistas RET: admissões, afastamentos, demissões, férias etc. Folha de Pagamento Digital Simplificada: escrituração simplificada na web para pequenos empregadores (MEI, segurado especial, empregador doméstico, pessoa física equiparada à empresa e simples nacional até dois empregados). Portal do Trabalhador: sistema de consulta das informações dos empregados e autônomos, como INSS, FGTS e direitos trabalhistas.

13 PRODUTOS DO esocial Portal do Empregador: sistema de consulta da escrituração/declaração. - Módulo Reclamatória Trabalhista. - DCTF Web: unificação dos procedimentos no âmbito da RFB geração de guias, cobrança, parcelamento, compensação, restituição e CND.

14 DCTFWEB Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - Substituíra a GFIP; - Será gerada pelo esocial, SERO(1), SPED/Reinf; - Apuração automática dos débitos ou créditos; - Não será emitida sem que tenha sido efetivada a transmissão da apuração; - Não será possível a inclusão manual de débitos; - Integrado com o esocial; - Captação automática de créditos do salário-família, salário maternidade e retenções sobre notas fiscais; - Possibilidade automática entre débitos X créditos; - Geração de arquivo para importação pelo sistema PERD/COMP;

15 DCTFWEB

16 DAU Documentos de Arrecadação Unificado Para empregadores domésticos e segurados especiais Inclui também o FGTS e o IRRF Nos demais casos, o FGTS será gerado em ambiente da Caixa Econômica Federal, a partir das informações transmitidas ao esocial.

17 PRINCIPAIS IMPACTOS Relações Trabalhistas Tecnologia (softwares integrados de gestão) Governança corporativa Processos internos

18 MODELOS DE ENTREGA Entrega, transmissão e Retificação 1. O empregador gera um arquivo eletrônico contendo as informações (vide layout) assina-o digitalmente, transformando-o em um documento eletrônico nos termos da legislação; 2. O arquivo é transmitido pela Internet para o Ambiente Nacional do esocial, que após verificar a integridade formal, emitirá o protocolo de envio e o enviará ao empregador; 3. Não funciona por meio Programa offline Gerador de Declaração (PGD) ou validador e Assinador (PVA) ou seja, não possui aplicativo para download que importe o arquivo e faça validações antes de transmitir;

19 MODELOS DE ENTREGA Da Entrega, transmissão e Retificação (cont...) O arquivo poderá ser gerado de duas formas: a) pelo sistema da própria empresa ou contratado (webservice); b) diretamente no Portal do esocial - cujo preenchimento e salvamento dos campos e telas já operam a geração e transmissão do evento, módulo simplificado. No momento da transmissão, o ambiente do esocial retornará o protocolo de envio. Após a realização das validações, o esocial retornará o recibo de entrega ou mensagem de erro. O número do recibo de entrega é a referência a ser utilizada em eventuais retificações ou exclusões.

20 MODELOS DE ENTREGA Da Entrega, transmissão e Retificação (cont...) Qualquer informação enviada pelo esocial pode ser retificada com o envio de um novo arquivo. Exemplo: Retificação de dados do contrato de trabalho: Empregado admitido em 01/07/2015 Data informada no evento S-2200 Admissão do Trabalhador - 01/07/2014. Retificação: Envio ao esocial o evento S-2200 Admissão com indicativo de RETIFICAÇÃO, informando o número do recibo do arquivo a ser retificado e a data de admissão correta - 01/07/2015.

21 MODELOS DE ENTREGA Da Entrega, transmissão e Retificação (cont...) Para retificação após o envio do evento S-1299 Fechamento dos Eventos Periódicos, o empregador deverá reabrir o respectivo movimento utilizando-se o evento S-1298 Reabertura dos Eventos Periódicos, possibilitando o envio de retificações ou novos eventos referentes á remuneração dos segurados naquele período. Importante: Para o Fisco a retificação de informações enviadas por obrigações acessórias tem como efeito o inicio de novo prazo de prescrição para fins de levantamento de créditos.

22 MODELOS DE ENTREGA ALTERAÇÃO Ocorre nos eventos de Tabelas (S-1005 a S-1080) e S É permitido também a alteração de informações transmitidas em eventos não periódicos específicos: - S-2205 Alteração de Dados Cadastrais do Trabalhador - S-2206 Alteração do Contrato de Trabalho - S-2305 Trabalhador Sem Vínculo Alteração Contratual Os demais casos de alteração nas informações transmitidas serão tratados pelo esocial como procedimentos de RETIFICAÇÃO ou EXCLUSÃO. As alterações em eventos não periódicos, e principalmente em eventos de Tabelas, podem trazer consequências nos cálculos e apurações de fechamento dos eventos periódicos.

23 MODELOS DE ENTREGA ALTERAÇÃO Os eventos listados abaixo podem ser utilizados para alteração do Afastamento Temporário ou das Condições Ambientais do Trabalho, e ainda as informações sobre insalubridade, periculosidade e aposentadoria especial respectivamente: - S-2230 Afastamento Temporário - S-2240 Condições Ambientais do Trabalho Fatores de Risco - S-2241 Insalubridade, Periculosidade e Aposentadoria Especial

24 MODELOS DE ENTREGA EXCLUSÃO Para exclusão de eventos transmitidos indevidamente, faz-se necessária a transmissão de arquivo no layout S-3000 Exclusão de Eventos. Somente é permitida a exclusão de eventos não periódicos (S a S-2399) e periódicos (S-1200 a S-1298). Não é possível excluir nenhum dos eventos periódicos (S-1200 a S-1280) relativos a um período de apuração já encerrado. A exclusão de alguns tipos de eventos não periódicos pode ser rejeitada em algumas situações (ex.: admissão x se houver outro evento trabalhista posterior para o mesmo CPF).

25 MODELOS DE ENTREGA Da transmissão sequência lógica Ao transmitir as informações requeridas pelo esocial, o empregador deve considerar a sequência lógica. Isso porquê, as informações inseridas e transmitidas nos primeiros arquivos são necessárias ao processamento das informações constantes nos arquivos a serem transmitidos posteriormente. 1. Informações de identificação do empregador Eventos iniciais 2. Eventos de tabelas 3. Eventos não periódicos (caso existam) - alimentam o RET 4. Eventos periódicos

26 RET Registro de Eventos Trabalhistas - RET - As informações dos eventos não periódicos alimentam a base de dados do Ambiente Nacional do esocial, denominada Registro de Eventos Trabalhistas RET. - É utilizado para validação da folha de pagamento, composta pelos eventos de remuneração e pagamento dos trabalhadores, que fazem parte dos eventos periódicos. - Categorias de trabalhadores cuja informações alimentam o RET: a) empregados; b) Trabalhadores avulsos (*); c) Dirigentes sindicais (*); d) Estagiários (*); e) Diretores não empregados (*); e f) Cooperados (*). (*) Trabalhadores Sem Vínculo (TSV)

27 RET Registro de Eventos Trabalhistas - RET - Todos os contribuintes individuais, mesmos os não abrangidos pelas atividades especificas obrigatórias (citadas anteriormente), podem ser incluídos como TSV (*), de forma opcional. - Os trabalhadores TSV, que não se enquadram nas categorias de obrigatório (S-2300 Trabalhador sem Vínculo Início), e para os quais o Empregador não se utilizou da faculdade mencionada acima, deverão obrigatoriamente ter suas informações preenchidas no campo infocomplem (nome, data de nascimento, etc) quando do envio do evento S-1200 Remuneração do Trabalhador, para a correta identificação deste trabalhador que não está no RET. (*) Trabalhadores Sem Vínculo (TSV)

28 RET Registro de Eventos Trabalhistas - RET - O fechamento dos eventos periódicos somente é aceito se for informada a remuneração de todos os empregados no RET como ativos. - Para os TSV(*) (S-2300), não é aplicada a regra anterior. - Para fins de validação na base do RET será considerado apenas o trabalhador ativo no respectivo período de apuração. (*) Trabalhadores Sem Vínculo (TSV)

29 PRAZO DE ENTREGA Eventos Periódicos Os eventos periódicos devem ser transmitidos até o dia 7 do mês seguinte, antecipando-se o vencimento para o dia útil imediatamente anterior, em caso de não haver expediente bancário. Eventos Não Periódicos São aqueles que não tem uma data pré-fixada para ocorrer. O melhor momento para se transmitir os eventos não periódicos e os de tabela é imediatamente após a sua ocorrência. O MOS apresenta em cada descrição dos eventos não periódicos seu respectivo prazo para envio.

30 CARGA INICIAL Cadastro Inicial de Empregadores e Trabalhadores No momento em que a empresa estiver obrigada a enviar as informações para o esocial, será necessário realizar uma carga inicial dos dados da folha de pagamento para o sistema do Fisco. Esta carga será composta de dados, tais como: - tabela de rubricas; - Departamentos; - Obras; - Cargos; - Funções; - horários e turnos. Em razão do nível de detalhamento exigido nas informações que deverão ser prestadas, é de se esperar que muitas empresas terão dificuldades/demora no levantamento de algumas informações.

31 CARGA INICIAL Cadastramento Inicial do Vínculo O evento S-1200 Cadastramento inicial do Vínculo será enviado pela empresa no inicio da implantação do esocial, com todos os vínculos ativos, com seus dados cadastrais atualizados, servindo de base para construção do Regime de Eventos Trabalhistas, o qual será utilizado para validação dos eventos de folha de pagamento e demais eventos enviados posteriormente. Autônomos - Não estão previstos para a carga inicial, apenas os Trabalhadores Sem Vínculo TSV estão previstos no cadastramento, que para as empresas em geral refere-se a categoria de Diretor Não Empregado e cooperados.

32 CARGA INICIAL Cadastramento Inicial do Vínculo O evento S-1200 Cadastramento inicial do Vínculo será enviado pela empresa no inicio da implantação do esocial, com todos os vínculos ativos, com seus dados cadastrais atualizados, servindo de base para construção do Regime de Eventos Trabalhistas, o qual será utilizado para validação dos eventos de folha de pagamento e demais eventos enviados posteriormente. Rubricas As rubricas da folha de pagamento será preciso realizar uma parametrização das rubricas da folha de pagamento com a tabela de rubricas do Fisco, indicando-se as incidências tributárias de cada uma delas, inclusive se a empresa possuir liminar que justifique a não incidência sobre uma rubrica é preciso realizar esta comunicação ao sistema.

33 RISCOS 1 - Autuações fiscais do Ministério do Trabalho, Previdência Social e Receita Federal. 2 - Intervenção do Ministério Público do Trabalho, Imposição de formalização dos Chamados Termos de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho. 3 - Autuação fiscal por inconsistências identificadas nas informações enviadas pela Empresa. 4 - Exposição negativa da marca.

34 FRAGILIDADES EMPRESAS TERCEIROS CADASTRO FOLHA DE PAGAMENTO SEGURANÇA DO TRABALHO JORNADA DE TRABALHO GESTÃO DA INFORMAÇÃO

35 PLANO DE AÇÃO Mapeamento dos procedimentos da folha de pagamento, contratação e remuneração de mão obra; Revisar os laudos de segurança e medicina do trabalho; Sanear a s informações referente ao cadastro dos empregados; Retificação das informações consideradas como inconsistentes; Revisar os sistemas de controle da jornada de trabalho; Revisar os eventos registrados na folha de pagamento; Revisar a política interna de concessão de benefícios indiretos; Revisar as regras de contratação e gestão da terceirização; Difundir as informações e procedimentos a todos os níveis de liderança da empresa.

36 OBRIGADO! Welhington Lancaster (71) Lauro Azevedo (71)

37 Obrigado!

As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias

As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias JOHNATAN ABREU Janeiro de 2014 O que é o esocial? De acordo com o art. 2º da minuta da Portaria interministerial que regulamenta a ferramenta, é um instrumento

Leia mais

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 34/2013 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Não muda legislação, muda procedimentos.

Não muda legislação, muda procedimentos. Versão 1.1 esocial Não muda legislação, muda procedimentos. esocial = Transparência Fiscal Circular n. 642, de 06/01/2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração Fiscal Digital das obrigações

Leia mais

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL VISÃO GERAL DO E-SOCIAL 1 VISÃO GERAL DO E-SOCIAL SUMÁRIO 1.0 Introdução......03 2.0 Considerações Iniciais......03 2.1 Objeto do esocial......03 2.2 Conceito do esocial......03 2.3 Objetivos do projeto......03

Leia mais

esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES

esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES Regulamentação O que existia: Ato Declaratório SUFIS 05/2013 de 17 de julho de

Leia mais

Rio de Janeiro, 17/09/2013

Rio de Janeiro, 17/09/2013 Rio de Janeiro, 17/09/2013 Daniel Belmiro Fontes José Alberto Maia Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Termo de

Leia mais

O que é o esocial? Empregado

O que é o esocial? Empregado CICLO DE PALESTRAS O que é o esocial? É uma nova forma de registro de informações, também conhecida como folha de pagamento digital que unificará todos os sistemas. Empregado O Ato Declaratório Executivo

Leia mais

e-social - (ex-efd Social)

e-social - (ex-efd Social) Relações do Trabalho, Folha de Pagamento e Obrigações á partir de JANEIRO-2014! O QUE VAI MUDAR? NOVO MODELO OPERACIONAL? POR ONDE COMEÇAR? E - SOCIAL e-social - (ex-efd Social) Projeto e-social Com a

Leia mais

e-social Alexandre Corrêa

e-social Alexandre Corrêa e-social Alexandre Corrêa e-social O e-social consiste na escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais. Permitirá uma fiscalização muito mais eficaz,

Leia mais

esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas

esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas 1 Conhecendo e-social O e-social é um projeto do governo federal que vai coletar informações trabalhistas,

Leia mais

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Conceito de EFD-Social O (EFD-Social) é um projeto do governo federal que visa a unificação das obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016

Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016 Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia

Leia mais

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc.

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos WORKSHOP esocial www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 E agora, José?? Carlos Drummond de Andrade Solução? Problema? Afinal é bom para

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Sistema Público de Escrituração Digital SPED Sistema Público de Escrituração Digital SPED NF-e NFS-e ECD Contábil F-cont EFD - Folha EFD ICMS CT-e e-lalur EFD PIS/Cofins Contribuições Contribuinte RFB SEFAZ Leiaute Banco de Dados Procuração Eletrônica

Leia mais

Desvendando o esocial

Desvendando o esocial Desvendando o esocial O que é o esocial? O esocial é um dos componentes do SPED e visa formalizar digitalmente as informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas a todos os empregados e empregadores,

Leia mais

Breve contextualização

Breve contextualização Breve contextualização O esocial é o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade padronizar

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. FIESP, 23/10/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. FIESP, 23/10/2013 FIESP, 23/10/2013 O que é o esocial? Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Termo de Rescisão Seguro Desemprego Consequências

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013 ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013 Jeziel Tadeu Fior Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil O que é o esocial? Sistema de Escrituração Digital das Obrigações

Leia mais

esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito e PUC

esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito e PUC esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito VI Fórum Interestadual de Regularidade 9 de outubro de 2014 Frederico Faber Coordenador de Cobrança Cenário Atual Os empregadores são obrigados a preencher

Leia mais

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013 Neste bip Dicas sobre RAIS... 1 Contribuição Patronal para RAIS... 2 Rumodoc - Ajuda no sistema Rumo... 2 Fechamento contábil... 2 Dispensa da entrega da DACON... 3 Dicas de importação na RAIS Já era um

Leia mais

Andrezza Célia Moreira

Andrezza Célia Moreira Andrezza Célia Moreira Contadora e Perita Sócia da JANIR MOREIRA & CONTADORES ASSOCIADOS Conselheira do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais CRC-MG O esocial é um projeto do governo federal

Leia mais

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

14/11/2013. Centralização do FGTS. Surgimento do REMAG. Surgimento da GFIP. Surgimento do SPED. Histórico das Obrigações JOHNATAN ABREU

14/11/2013. Centralização do FGTS. Surgimento do REMAG. Surgimento da GFIP. Surgimento do SPED. Histórico das Obrigações JOHNATAN ABREU JOHNATAN ABREU Histórico das Obrigações Centralização do FGTS Surgimento do REMAG Surgimento da GFIP Surgimento do SPED 1 Objetivos do Projeto OBJETIVO: O esocial tem por objeto, informações trabalhistas,

Leia mais

Evento esocial. Prof. Edison Garcia Junior

Evento esocial. Prof. Edison Garcia Junior Evento esocial Prof. Edison Garcia Junior INTRODUÇÃO PROJETO SPED (esocial 2009): AD EXECUTIVO SUFIS Nº 05, DE 17/07/2013 INTRODUÇÃO esocial: Preparado para ter uma DR com seus terceiros?? INTRODUÇÃO esocial:

Leia mais

esocial Abril 2014 Equipe de Legislação

esocial Abril 2014 Equipe de Legislação esocial Abril 2014 Equipe de Legislação O que é o esocial? É um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação aos seus empregados. Está sendo desenvolvido,

Leia mais

esocial:instituído oficialmente pelo Decreto nº 8.373/2014 (DOU 12/12/2014)

esocial:instituído oficialmente pelo Decreto nº 8.373/2014 (DOU 12/12/2014) lipping Jurídico 2ª feira, 15 de dezembro de 2014 esocial:instituído oficialmente pelo Decreto nº 8.373/2014 (DOU 12/12/2014) Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU de 12/12/2014), o Decreto nº

Leia mais

Uma marca global, para uma empresa com serviços globais!

Uma marca global, para uma empresa com serviços globais! Uma marca global, para uma empresa com serviços globais! Quem somos? Fundada em 1998 em Curitiba, a Executiva é focada em soluções na área de Recursos Humanos, mais especificamente em Outsourcing de Processos

Leia mais

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Dra. Valéria de Souza Telles esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Manual de Orientação do e - Social Versão 1.0 (Ato Declaratório Executivo SUFIS nº 5/13 DOU de 18/07/2013) Manual de Orientação do

Leia mais

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado DIRF-2013 Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado 1 Obrigatoriedade de apresentação Programa gerador A apresentação Prazo de apresentação Retificação Processamento

Leia mais

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD (*) 1) SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED 1.1) FINALIDADE: instituído pelo Decreto nº 6.022, de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital SPED faz parte do programa

Leia mais

esocial EFD FOLHA DE PAGAMENTO

esocial EFD FOLHA DE PAGAMENTO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições 08/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) 01. CIRCULAR DA CEF APROVA LEIAUTE DO esocial CIRCULAR Nº 642, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015 Dia: 06/03/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT.

Leia mais

http://www.fiscosoft.com.br/inc/process_agenda_list_prevtrab.php

http://www.fiscosoft.com.br/inc/process_agenda_list_prevtrab.php Página 1 de 5 FISCOAgenda Trabalhista/Previdenciária Mês: 05/2015 Previdência Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Mudanças no manual e seus impactos Discussão

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEPMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012.

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. Espaço DIPJ 2013 Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. SUMÁRIO 1. Introdução 2. Quem Está Obrigado à Apresentação da DIPJ 2.1.

Leia mais

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA SISTEMA ISS WEB Sil Tecnologia LTDA Sumário INTRODUÇÃO 3 1. ACESSO AO SISTEMA 4 2. AUTORIZAR USUÁRIO 5 3. TELA PRINCIPAL 6 4. ALTERAR SENHA 7 5. TOMADORES DE SERVIÇO 7 5.1 Lista de Declarações de Serviços

Leia mais

Cartilha informativa sobre a IN 1.343. Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido.

Cartilha informativa sobre a IN 1.343. Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido. Cartilha informativa sobre a IN 1.343 Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido. 2013 Você sabe quais são os critérios para a compensação do Imposto de Renda? CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012 Circular 112/2012 São Paulo, 06 de Março de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de

Leia mais

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial O esocialvisa a unificação do envio de informações pelo EMPREGADOR em relação aos seus EMPREGADOS.Este processo

Leia mais

Contudo, a legislação infralegal e que trata da operacionalização do sistema de escrituração diverge do Código Civil.

Contudo, a legislação infralegal e que trata da operacionalização do sistema de escrituração diverge do Código Civil. Nas licitações ocorridas no ano de 2013, as empresas optantes pelo regime tributário de Lucro Real deverão registrar eletronicamente o Livro Diário Digital de 2012 (Balanço Patrimonial e Demonstrações

Leia mais

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega DIRF 2012 (Ano base 2012) A RFB (Receita Federal do Brasil) divulgou as regras para o preenchimento e o envio da Dirf (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) 2013. A Instrução Normativa nº 1.297/2012

Leia mais

Decreto nº 6.022-22/01/07. Objetivo: Institui o Sistema Público de Escrituração Digital - S P E D

Decreto nº 6.022-22/01/07. Objetivo: Institui o Sistema Público de Escrituração Digital - S P E D 1 Facilitador: JOSÉ AUGUSTO PICÃO Contador e Administrador de Empresas, com ênfase em Administração Tributária; Pós-Graduado em Contabilidade, Auditoria e Legislação Tributária Fundace - USP; Especialista

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital

Escrituração Fiscal Digital Escrituração Fiscal Digital Secretarias de Fazenda Evolução 2003 2004 2005 2006 2007 Emenda Constitucional nº 42 19/12/03 Art. 37 da Constituição Federal... XXII - as administrações tributárias da União,

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e.

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. Conhecimento de Transporte Eletrônico OBJETIVO Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS EIRELI X MEI ALUNA: Karen Lorena Guzmán Rodriguez 3º ano de Ciências Contábeis 2012 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA DEFINIÇÃO A Definição do Empresário Individual

Leia mais

Guia Rápido ECF e ECD - SPED Contábil 2016

Guia Rápido ECF e ECD - SPED Contábil 2016 ÍNDICE Introdução... 3 SPED Contábil: Maio de 2016... 4 O que é o ECD - SPED Contábil?... 4 Empresas obrigadas a entregar o SPED Contábil... 4 Layout 4: enquadre de forma legal sua empresa... 5 Prazo de

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SANTA MARIA FATECIENS 2008 Este manual tem por finalidade apresentar as especificações detalhadas da aplicação de Cadastro de Funcionários,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Instruções para prestação de informações pelo empregador, relativas a movimentações de empregados - Portaria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Instruções para prestação de informações pelo empregador, relativas a movimentações de empregados - Portaria empregador, relativas a movimentações de 03/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Orientações Publicadas no Portal

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

03/05/2015. Entendendo o esocial

03/05/2015. Entendendo o esocial Entendendo o esocial 1 O que é o esocial O esocialé o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Sistema Público de Escrituração Digital SPED Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída EFD REINF Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares)

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares) TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO (para servidores militares) VERSÃO 2014 Layout para a importação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL LEIS 12.996/2014 E 13.043/2014 MODALIDADES PGFN-DEMAIS DÉBITOS

Leia mais

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI Inicialmente, cabe informar que a Matrícula CEI, de acordo com o artigo 17 da Instrução Normativa RFB nº 971/09, é considerada como cadastro

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

INFORMAÇÃO IMPORTANTE INFORMAÇÃO IMPORTANTE CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995. INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Entre o período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995, as contribuições efetuadas pelos participantes

Leia mais

2 PASSO: Depois de acessado um dos endereços acima, clicar em Serviços Eletrônicos.

2 PASSO: Depois de acessado um dos endereços acima, clicar em Serviços Eletrônicos. GUIA PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO TRANSMISSÃO POR DOAÇÃO 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é http://pfe.fazenda.sp.gov.br/

Leia mais

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010.

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. 1 DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. INSTITUI E REGULAMENTA A DECLARAÇÃO MENSAL DE SERVIÇO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS - DMS-IF E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município de Uberlândia,

Leia mais

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF 1 - Configurações Necessárias: 1.1 Pacote 3000 Apontar o plano referencial a ser utilizado pela empresa; 1.2 Pacote 3012 (planos referenciais)

Leia mais

Neste bip. Como lançar FUNRURAL no Rumo. Você sabia? edição 24 Agosto de 2012

Neste bip. Como lançar FUNRURAL no Rumo. Você sabia? edição 24 Agosto de 2012 Neste bip Como lançar FUNRURAL no Rumo... 1 Férias Proporcionais na Rescisão... 2 Direito de férias regime parcial... 2 Prorrogação da EFD Contribuições para Empresas do Lucro Presumido e Arbitrado...

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Planejamento e Administração PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS

Leia mais

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização Nova Sistemática de Contabilização Impactos financeiros, contábeis, operacionais e fiscais Lycia Braz Moreira (lycia@fblaw.com.br) Assessoria Jurídica Unimed Federação Rio Definição O que é Intercâmbio?

Leia mais

Manual Escrituração Fiscal Digital

Manual Escrituração Fiscal Digital Manual Escrituração Fiscal Digital NOVEMBRO/2013 Sumário Sumário... 2 1 Introdução... 3 2 Funcionalidade... 3 3 Navegação no Sistema... 4 3.1 Inicialização... 4 4 Configurações Gerais... 7 4.1 Domínios...

Leia mais

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo Câmara Americana de Comércio São Paulo / SP 02/10/2015 Paulo Roberto Magarotto Auditor-Fiscal da Receita Federal

Leia mais

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações.

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações. índice O que é o esocial?...03 Cenário Atual...04 Cenário Ideal...05 Abrangência...06 Identificadores das Empresas...07 Identificadores...08 Módulo Consulta Cadastral...09 Órgãos envolvidos no Projeto...11

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas José Maia Ministério do Trabalho e Previdência Social Eduardo Tanaka Receita Federal Apresentação: - Visão geral do projeto - Aspectos conceituais

Leia mais

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS No último dia 3, a Receita Federal do Brasil ("RFB") expediu a Instrução Normativa ("IN/RFB") nº 1.571/2015, instituindo a

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BENS E RENDAS. Perguntas frequentes

DECLARAÇÃO DE BENS E RENDAS. Perguntas frequentes DECLARAÇÃO DE BENS E RENDAS Perguntas frequentes 1) É obrigatória a apresentação da minha declaração de bens e rendas na Câmara? Sim. De acordo com as Leis nº 8.429/92 e nº 8.730/93, o servidor público

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

Prof. Filemon Augusto de Oliveira

Prof. Filemon Augusto de Oliveira Prof. Filemon Augusto de Oliveira Mini Curriculum Prof. Filemon Augusto de Oliveira Contador Especialista em Gestão Financeira MBA Controladoria e Auditoria Empresário Contábil Membro do GT Tributário

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.1 12/11/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 23, 25, 30, 31, 34, 35, 37, 46, 47 e 48 Incluído: itens 14, 40, 41 e

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013 CISPED, 21/11/2013 Aspectos Técnicos Utilização do CPF como chave do trabalhador associado ao PIS/NIT; Validação na base do CNIS CPF/PIS/Data de nascimento; Cadastramento inicial apenas dos vínculos ativos;

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS.

REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS. REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS. TOLEDO-PR Página 2 de 6 1. OBJETIVO 1.1 O presente regulamento objetiva

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

1. Conhecendo a GissOnline

1. Conhecendo a GissOnline 1. Conhecendo a GissOnline 1.01 Quem deve utilizar a ferramenta Gissonline? Todos os prestadores e tomadores de serviço sejam eles pessoas jurídicas (empresas) ou equiparadas, estabelecidas ou sediadas

Leia mais

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer????

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer???? Fevereiro de 2014 O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda E agora, o que tenho que fazer???? O QUE É AFINAL? Componente do SPED (Sistema Público de

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010)

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) 1) O que é? É uma ferramenta de cálculo simplificado e automatizado

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. esocial - FECON 19/02/2014

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. esocial - FECON 19/02/2014 esocial - FECON 19/02/2014 Contextualização - Objetivo do Projeto OBJETIVOS - O que é o esocial Conceitos básicos - Qualificação cadastral - Povoamento da base - Eventos Não periódicos - Eventos periódicos

Leia mais

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810 PALESTRA OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS DOS MUNICÍPIOS E LEI 12.810 Teresina, 06/2013 Delegacia da em Teresina-PI OS MUNICÍPIOS E AS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Delegacia da em Teresina-PI OS MUNICÍPIOS E A RFB Tributos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Impacto do E Social para a Medicina do Trabalho. Dr Paulo R Zétola

Impacto do E Social para a Medicina do Trabalho. Dr Paulo R Zétola Impacto do E Social para a Medicina do Trabalho Dr Paulo R Zétola DECIFRA-ME OU DEVORO-TE! frase com que a esfinge, monstro da mitologia grega, híbrido de leão e mulher, iniciava a proposição de enigmas

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2. Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.6) Portaria SUACIEF nº 001/2009 SUMÁRIO 1. TELA PRINCIPAL... 3 2. MENU

Leia mais

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios TEXTO NA ÍNTEGRA Em face da publicação do Decreto nº 8.618/2015 - DOU de 30.12.2015, este procedimento foi atualizado.

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.2 13/10/2010 Sumário Apresentação... 3 Objetivo... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2016 1 SUMÁRIO 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO... 4 1.1. Pessoas obrigadas à apresentação da Declaração de Ajuste Anual IRPF 2016... 4 1.2. Pessoas dispensadas

Leia mais