RELATÓRIO DE PESQUISA - 31

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE PESQUISA - 31"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE PESQUISA - 31 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 1 Introdução A nova disponibilidade e preço da L-treonina deve torná-la mais econômica para uso em rações de frangos. Além de reduzir o custo da ração, o uso da L-treonina também permite a redução de proteína bruta dietética. No entanto, os nutricionistas têm expressado preocupação no sentido de que formular dietas baseadas apenas em valores de aminoácidos digestíveis, ignorando o nível de proteína bruta, possa levar à pior desempenho e efeitos negativos sobre o rendimento de carcaça. O estudo foi conduzido na estação experimental Shur-Gain AgResearch, Canadá. Objetivo O objetivo do estudo foi determinar o efeito de dietas de baixa proteína bruta com incorporação de L-lisina, DL-metionina e L-treonina sobre o desempenho, as características de carcaça e mortalidade de frangos de corte. As dietas a base de milho e farelo de soja foram formuladas para os níveis mínimos dos sete primeiros aminoácidos limitantes. Materiais e Métodos A composição da dieta basal usada no estudo foi semelhante às dietas atualmente usadas nos EUA. As dietas foram formuladas em base de aminoácidos digestíveis, aplicando os coeficientes de aminoácidos digestíveis da Ajinomoto Heartland para os valores analisados no milho, no farelo de soja e na farinha de carne. Foram formuladas duas dietas basais usando níveis mínimos idênticos de nutrientes, sendo a única diferença, que a L-treonina foi oferecida em uma (Trat. 5) e não na outra (Trat. 1). Com base no preço de US$2,70/kg para L-treonina, o Tratamento 5 continha 600 gramas de L-treonina/ton e redução de aproximadamente 1,5% de PB. A substituição de proteína por L-lisina, DL-metionina e L-treonina até que a isoleucina, a valina, o triptofano e a arginina se tornassem limitantes, limitaram uma maior redução da PB (Ver Anexo 1). Proporções destas duas dietas foram misturadas para atingir os tratamentos intermediários, que resultaram em níveis de L-treonina adicionada de aproximadamente 0, 150, 300, 450 e 600 gramas/ton. Um total de 1350 pintos machos e 1350 pintos fêmeas Cobb de um dia de idade foram designados ao acaso aos tratamentos. As aves foram vacinadas contra a doença de Marek no incubatório. 01

2 Aves extras da mesma idade foram alimentadas com uma ração-controle inicial e usadas para substituir as que morreram nos primeiros 5 dias do estudo. Cada tratamento foi repetido 6 vezes por sexo, com 45 aves por box, com uma densidade de 0,09 m2 por ave. Cada box continha quatro bebedouros nipple, que forneciam água limpa à vontade. A ração seca peletizada foi fornecida à vontade em comedouros tubulares (um por box) com capacidade de 20 kg. Foi usada como cama a palha picada. Programa de Alimentação Os frangos foram alimentados com a dieta de 0-18 dias, imento de dias e inação de dias. Todas as dietas foram peletizadas e formuladas para conter 60 ppm de salinomicina (Coxistac 12%, 0,5 kg/ton) como auxílio na prevenção de coccidiose e 55 ppm de di-saliciclato metileno de bacitracina (BMD 110; 0,5 kg/ton) para prevenir a enterite necrótica. Avaliação da Carcaça Depois da determinação do peso corporal final, cinco aves de cada box foram escolhidas ao acaso e identificadas em ambas as asas com um número de identificação específico de cada ave. Estas foram processadas em um abatedouro local, resfriadas, pesadas (carcaça inteira) e os seguintes cortes foram feitos e pesados: 1. Peito com osso e pele peso combinado das duas metades; 2. Musculatura peitoral totalmente desossada (pectoralis major e pectoralis minor combinados). Resultados e Discussão Tabela 1 Tratamento por sexo sobre peso corporal, consumo de ração e conversão alimentar T Sexo Peso corporal (g) Consumo g/a/dia CA Mort % 1 F 43, ,293 1,597 1,899 1,85 2 F 43, ,260 1,604 1,910 0,74 3 F 43, ,295 1,592 1,904 1,48 4 F 43, ,263 1,604 1,912 1,85 5 F 43, ,301 1,617 1,917 0,74 1 M 44, ,220 1,563 1,846 5,56 2 M 44, ,219 1,556 1,870 3,33 3 M 43, ,224 1,597 1,876 3,70 4 M 44, ,242 1,624 1,886 2,59 5 M 43, ,239 1,570 1,868 3,33 1 M & F 43, ,257 1,580 1,873 3,71 2 M & F 43, ,240 1,580 1,890 2,04 3 M & F 43, ,260 1,595 1,890 2,59 4 M & F 43, ,253 1,614 1,899 2,22 5 M & F 44, ,270 1,594 1,893 2,04 SEM 0,3 17, ,0 2,0 3,0 0,017 0,024 0,010 NS 02

3 Desempenho Os machos tiveram pesos corporais significativamente maiores que as fêmeas nos dias 0 (P<0,01), 19 (P<0,001), 35 (P<0,001) e 49 (P<0,001). O peso corporal final (49 dias) de machos e fêmeas foram 3,065 e 2,675 kg, respectivamente. Os machos tiveram maior consumo diário de ração (P<0,001) durante os períodos inicial, de crescimento e de terminação. A conversão alimentar ajustada pela mortalidade de machos e fêmeas foram 1,869 e 1,908, respectivamente. Não houve efeito significativo (P>0,10) do tratamento dietético sobre peso corporal, consumo de ração ou conversão alimentar dos frangos (Tabela 1, Figuras 1-4). Figura 1 - Peso corporal -Machos + Fêmeas 49 Dias Figura 2 - Conversão Alimentar Machos + Fêmeas aos 49 Dias Peso Corporal (kg) Conversão Figura 3 - Mortalidade Fêmeas Figura 4 - Mortalidade Machos % %

4 Tabela 2 Características de Carcaça Tratamento Rendimento, % Carcaça Peito com osso Peito desossado 1 71,30 41,40 24, ,42 41,86 24, ,51 41,52 24, ,47 41,90 24, ,32 41,52 23,83 SEM 0,24 0,24 0,26 Fêmea 70,65 42,25 24,45 Macho 72,16 41,02 23,88 SEM 0,15 0,15 0,16 Signifi. *** *** * Por causa de seu peso corporal final maior, os machos tiveram rendimentos de carcaças (% do peso corporal) significativamente (P<0,001) maiores que as fêmeas. O rendimento de peito com osso e com pele (% do peso da carcaça) e de peito desossado (% do peso da carcaça) foram significativamente (P<0,001; P<0,05) mais baixos para machos do que para fêmeas. Não houve tendência (P>0,10) de nenhum efeito dos tratamentos dietéticos sobre as características de carcaças dos frangos. As médias dos tratamentos para rendimento de carcaça (% do peso corporal) foram muito semelhantes, variando de 71,30% (Trat. 1) a 71,32% (Trat. 5). Médias dos rendimentos de peitos (com osso e pele) variaram de 41,40 (Trat. 1) a 41,90% (Trat. 4), (Tabela 2). Tabela 3 Avaliações financeiras dos tratamentos usando preços de ingredientes e da carne em agosto de 2000 Trat Ração total c/ ave Rend. Carcaça % Massa Carcaça % Renda bruta ave $ $ Líq./ave (Carc-Ração) Economia c/ ave 1 66,20 71,30 2,03 2,64 1,97 0, ,88 71,42 2,05 2,67 1,99 1, ,74 71,51 2,06 2,68 2,00 2, ,51 71,47 2,06 2,68 2,01 2, ,90 71,31 2,05 2,67 1,99 1,98 04

5 Conclusão 1) O desempenho e a sobrevivência de machos e fêmeas neste estudo foram representativos de frangos de corte comerciais. 2) Os machos tiveram melhor peso corporal final (P<0,001), eficiência alimentar geral (P<0,001) e rendimento de carcaça (% de peso corporal; P<0,001) do que as fêmeas. 3) Os machos tiveram maior (P<0,001) mortalidade que as fêmeas. 4) A substituição da proteína bruta do ingrediente por aminoácidos industriais lisina, metionina e treonina não tem tendência (P>0,10) de afetar o desempenho ou rendimento de carcaça, se as dietas forem formuladas em base digestível e se for tomado o cuidado para que todos os níveis mínimos de aminoácidos essenciais sejam satisfeitos. Bibliografia Dados arquivados na Ajinomoto Heartland, Inc., Chicago, IL. (2000) 05

6 Anexo I Formulação da dieta Trata// Basal Basal Basal Milho 57,5 58,6 59,7 60,8 61,9 59,7 60,9 62,1 63,3 64,5 62,6 63,7 64,9 66,1 67,3 Soja 30,8 29,8 28,9 28,0 27,0 28,6 27,6 26,5 25,4 24,3 24,8 23,7 22,7 21,6 20,5 F. Carne 3,50 3,40 3,30 3,10 3,00 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00 Gordura 3,91 3,80 3,60 3,40 3,27 4,29 4,10 3,90 3,70 3,53 5,03 4,84 4,65 4,47 4,28 L-Lys 0,070 0,103 0,135 0,168 0,200 0,010 0,044 0,079 0,113 0,147 0,01 0,04 0,07 0,11 0,14 DL-Met 0,230 0,240 0,250 0,260 0,270 0,176 0,186 0,195 0,205 0,214 0,14 0,15 0,16 0,17 0,18 L-Thr 0,000 0,015 0,030 0,045 0,060 0,000 0,015 0,031 0,046 0,061 0,00 0,02 0,03 0,05 0,06 F. bical 1,12 1,16 1,19 1,23 1,26 1,04 1,04 1,05 1,06 1,07 0,91 0,92 0,93 0,94 0,95 Calcário 1,00 1,01 1,03 1,04 1,05 0,80 0,80 0,80 0,80 0,80 0,65 0,65 0,65 0,65 0,65 Sal 0,34 0,34 0,35 0,35 0,35 0,34 0,34 0,34 0,34 0,34 0,33 0,33 0,33 0,33 0,33 Vits & Min 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 0,30 Colina Cl 0,04 0,04 0,04 0,04 0,04 0,03 0,03 0,04 0,04 0,04 0,03 0,03 0,03 0,03 0,03 Lignosol 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 1,25 Composição - Calculada dos Ingredientes Analisados EM Kcal/kg Proteína 22,0 21,6 21,2 20,9 20,5 21,1 20,7 20,3 19,9 19, ,3 19,0 18,6 18,2 Arg 1,42 1,39 1,36 1,32 1,29 1,36 1,33 1,30 1,26 1, ,22 1,19 1,16 1,13 Arg Dig 1,31 1,28 1,25 1,22 1,19 1,25 1,22 1,19 1,16 1, ,12 1,09 1,06 1,03 Iso 0,88 0,86 0,85 0,83 0,81 0,84 0,82 0,80 0,78 0, ,76 0,74 0,72 0,70 Ile Dig. 0,80 0,78 0,76 0,75 0,73 0,76 0,74 0,73 0,71 0, ,68 0,67 0,65 0,63 Lys 1,23 1,23 1,23 1,22 1,22 1,12 1,12 1,12 1,11 1, ,03 1,03 1,02 1,02 Lys Dig. 1,10 1,10 1,10 1,10 1,10 1,00 1,00 1,00 1,00 1, ,91 0,91 0,91 0,91 Met 0,56 0,57 0,57 0,58 0,58 0,50 0,51 0,51 0,52 0, ,45 0,46 0,46 0,46 Met Dig. 0,54 0,54 0,54 0,55 0,55 0,48 0,48 0,48 0,49 0, ,43 0,43 0,43 0,44 M+C 0,91 0,91 0,91 0,91 0,91 0,84 0,84 0,84 0,83 0, ,77 0,77 0,76 0,76 M+C Dig 0,82 0,82 0,82 0,82 0,82 0,75 0,75 0,75 0,75 0, ,68 0,68 0,68 0,68 Thr 0,82 0,82 0,82 0,82 0,82 0,79 0,79 0,79 0,78 0, ,74 0,74 0,73 0,73 Thr Dig. 0,71 0,71 0,71 0,71 0,71 0,68 0,68 0,68 0,68 0, ,63 0,63 0,63 0,63 Trp 0,23 0,23 0,22 0,22 0,21 0,22 0,21 0,21 0,20 0, ,19 0,19 0,18 0,17 Trp Dig. 0,20 0,19 0,19 0,18 0,18 0,19 0,18 0,17 0,17 0, ,16 0,16 0,15 0,15 Val 1,00 0,98 0,96 0,94 0,92 0,96 0,94 0,93 0,91 0, ,88 0,87 0,85 0,83 Val Dig. 0,89 0,88 0,86 0,84 0,83 0,86 0,84 0,82 0,81 0, ,79 0,77 0,75 0,74 Gly 1,06 1,04 1,01 0,99 0,97 1,03 1,01 1,00 0,98 0, ,97 0,96 0,94 0,92 P disp. 0,45 0,45 0,45 0,45 0,45 0,43 0,43 0,43 0,43 0, ,42 0,42 0,42 0,42 Calcio 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 0,90 0,90 0,90 0,90 0, ,85 0,85 0,85 0,85 Sodio 0,18 0,18 0,18 0,18 0,18 0,18 0,18 0,18 0,18 0, ,18 0,18 0,18 0,

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 USO DE TREONINA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE DESEMPENHO E CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 3 Introdução Nos relatórios anteriores (RP 31 e RP 32), relatamos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 2003 NÍVEL DE LISINA NAS RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE: Experimento 1 22 a 42 dias de idade Experimento 2 36 a 49 dias de idade Introdução O nível de lisina das rações de frangos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 30

RELATÓRIO DE PESQUISA - 30 RELATÓRIO DE PESQUISA - 30 RELAÇÃO TREONINA:LISINA PARA ÓTIMO DESEMPENHO DE SUÍNOS EM FINAL DA TERMINAÇÃO Introdução Baker (1997) e Cadogan et al. (1998) relataram que a relação ótima Thr:Lys para suínos

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 2004 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br NÍVEL DE LISINA DIGESTÍVEL PARA AS DIETAS PRÉ-INICIAIS DE PINTOS DE CORTE Introdução Objetivo Material e Métodos A utilização

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 2003 EFEITO DA RELAÇÃO VALINA:LISINA DURANTE A LACTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE MATRIZ E LEITÕES Introdução Pesquisas na Kansas State University realizadas por Richert et al (1996)

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 2003 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA DIETA PARA POEDEIRAS COMERCIAIS Introdução As dietas para poedeiras ainda são formuladas baseando-se

Leia mais

Suplemento de nutrição e desempenho do frangos de corte

Suplemento de nutrição e desempenho do frangos de corte Suplemento de nutrição e desempenho do frango de corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de rendimento e desempenho dos seus frangos de corte Cobb5, bem como

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sobre o desempenho de leitões.

Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sobre o desempenho de leitões. Report Pig Issue 2 CreAMINO Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sore o desempenho de leitões. Conclusões A suplementação com CreAMINO não teve efeito

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 60 aos 95 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Metionina mais Cistina Digestíveis para Suínos Machos Castrados dos 60 aos 95 kg Introdução A sucessiva seleção

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Eduardo Terra NOGUEIRA

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia NÍVEIS DE LISINA TOTAL E RESPOSTAS ZOOTÉCNICAS PARA SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Ines Andretta 1, Bruno Neutzling Fraga 1, Marcos Kipper da Silva

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Cobb 0 Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte Introdução Este suplemento apresenta as metas

Leia mais

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE

PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE Data: Setembro/2002 PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO COM 5 FASES PARA FRANGOS DE CORTE A evolução genética que vem ocorrendo nos Frangos de Corte trás como conseqüência, além da natural melhoria nos parâmetros

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

Reprodutores Pais Edição 2

Reprodutores Pais Edição 2 Reprodutores Pais Edição 2 W-36 SILVER BROWN Performance Manual de Standards de Manual Produção Resumo do Desempenho Fêmeas vivas, 1 18 Semanas 94% Fêmeas vivas, 19 75 Semanas 90% Machos vivos, 1 18 Semanas

Leia mais

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte

Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Princípios da Nutrição de Frangos de Corte Allan Reis Troni allan_troni@yahoo.com.br Introdução Contínua evolução das linhagens

Leia mais

Utilização de probióticos em aves

Utilização de probióticos em aves Área de Ensino, Pesquisa e Extensão em Avicultura de Corte Relatório de Experimento Utilização de probióticos em aves Responsável: Profa. Dra. Ibiara Correia de Lima Almeida Paz Botucatu Dezembro de 2017

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS)

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Influência da nutrição e produção na qualidade da carcaça Definindo a qualidade de carcaça Teor de carne

Leia mais

AviagenBrief. Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas. Resumo

AviagenBrief. Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas. Resumo AviagenBrief September Janeiro/2011 2010 Nutrição para Máxima Rentabilidade - Faça suas Contas Marc de Beer, PhD Chefe de Serviços de Nutrição Mundial, Aviagen, Inc., USA. Resumo Introdução Os nutricionistas

Leia mais

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Sumário INTRODUÇÃO...........................................................................................................................04

Leia mais

Manual de Padrões de Desempenho

Manual de Padrões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 Manual de Padrões de Desempenho Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 96% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 95% Viabilidade Macho, 1 18 semanas 85% Viabilidade Macho,

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA Jovane Lino RIBEIRO* 1, Thuani Venâncio da Silva PEREIRA 2, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Alessandra Luiza de SOUZA 1, Suelem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES

AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES AVALIAÇÃO DE CONCENTRADO PROTEICO DE SOJA SELECTA EM PEIXES Banco de dados de digestibilidade dos nutrientes de ingredientes tradicionais e novos para nutrição de Truta e Striped Bass F.T. Barrows 1, T.G.

Leia mais

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta).

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). 1) Caracterização O concentrado protéico de arroz (CPA) é um produto oriundo do processamento do arroz para produção

Leia mais

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R

Página 2 de 10 Valor estimado: R$ ,5000 para: SOLUTION AGRONEGOCIOS LTDA - ME - ME, pelo melhor lance de R$ ,0000. Itens do grupo: 12 - R Página 1 de 10 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Media e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Camboriú Termo de Adjudicação do

Leia mais

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho

Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Standar Manual de Padr ds Manual ões de Desempenho Matrizes Edição 2 W-36 BROWN Performance Manual de Padrões Standards de Desempenho Manual Resumo do Desempenho Viabilidade Fêmea, 1 18 semanas 94% Viabilidade Fêmea, 19 75 semanas 90% Viabilidade Macho,

Leia mais

Produção de Ração Matérias-primas

Produção de Ração Matérias-primas Produção de Ração Matérias-primas Os valores nutricionais das matérias-primas poderão variar de acordo com os métodos de processamento, condições climáticas locais, estação do ano, entre outros. A matriz

Leia mais

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Carla Fonseca Alves 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Mônica Calixto

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS p. 1/6 Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS Vivian Feddern a *, Angélica Riqueli Laux b, Gustavo Júlio Mello Monteiro Lima

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Rápido Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com

matrizes Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea cobb-vantress.com Suplemento de Manejo de Matrizes Empenamento Lento Fêmea matrizes cobb-vantress.com Introdução Este Suplemento de Manejo de Matrizes Cobb deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Matrizes

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

Resumo Expandido Título da Pesquisa

Resumo Expandido Título da Pesquisa Resumo Expandido Título da Pesquisa: Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade.

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 LISINA, PROTEÍNA & ARGININA AVES JOVENS 1990 RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 REQUERIMENTOS DE LISINA EM AVES JOVENS DE ACORDO COM A PROTEÍNA DA DIETA E NÍVEIS DE ARGININA Objetivo Delineamento experimental

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos. Aulus Carciofi

Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos. Aulus Carciofi Princípios de formulação de alimentos para cães e gatos Formulação É o atendimento das exigências nutricionais dos animais por meio da combinação de ingredientes Nutrição Alimentação Alimentos (ingredientes)

Leia mais

Cristiano Kloeckner Kraemer Médico Veterinário Consultor Técnico

Cristiano Kloeckner Kraemer Médico Veterinário Consultor Técnico Cristiano Kloeckner Kraemer Médico Veterinário Consultor Técnico 18/10/2010 NOSSA EMPRESA Multimix Nutrição Animal: 100% Nacional com sede em Campinas SP. - Presente no mercado a 24 anos - Foco em nutrição

Leia mais

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte.

Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de. Frangos de Corte. Data: Junho /2007 Nova Estratégia para a Melhoria do Desenvolvimento de Frangos de Corte. Nas últimas décadas, o desenvolvimento corporal de frangos de corte tem sido acelerado, visando atender a demanda

Leia mais

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012 Controle de Qualidade em Fábrica de Rações Luciano Hauschild Maio 2012 Formulação Elaborar a ração Qualidade nutricional Qualidade física Qualidade microbiológica PRODUTOS Calcario Fosfato Farelos Aminoácidos

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para o frango Ross 308 AP (AP95) e deve ser utilizado em conjunto

Leia mais

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 2 dias de idade Luciana Pereira Nabute Cunha ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Flávia Luzia

Leia mais

LISINA Principal Aminoácido para Deposição Protéica

LISINA Principal Aminoácido para Deposição Protéica LISINA Principal Aminoácido para Deposição Protéica Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Dentre todos os aminoácidos, a lisina é o único que exerce uma função específica na composição corporal dos

Leia mais

Poedeiras Comerciais Edição 2

Poedeiras Comerciais Edição 2 Poedeiras Comerciais Edição 2 W-36 SILVER BROWN Performance Manual de Standards de Manual Produção Recomendações Gerais de Manejo O potencial genético das aves Hy-Line apenas poderá ser alcançado se efectuarem

Leia mais

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES

MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES MÉTODOS MANUAIS PARA FORMULAÇÃO DE RAÇÕES Victor Hugo Pedraça Dias 1 1 Engº Agrônomo - Esp. Geografia e Gestão Ambiental Prof. Substituto de Zootecnia e Nutrição Animal - IFRN CONCEITO Formular rações

Leia mais

~~Jraê5r

~~Jraê5r ~~Jraê5r 1999.00 005 ~J 'W" PROCI-FD CPPSE 1999 Confinamento, também se faz com Grão de Sorgo... Com Excelente Resultado. Confinamento tambem se faz com 1999 FD-1999.00005 GRÃO DE SORGO NA ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE Pedro Henrique Alves FAGUNDES* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 408. Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 408. Objetivos de Desempenho FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 408 Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para o frango Ross 408 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual de

Leia mais

Comunicado 508 Técnico

Comunicado 508 Técnico Comunicado 508 Técnico ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Dezembro, 2012 Concórdia, SC Foto: Lidiane B. Scapini Comparação das exigências nutricionais para suínos machos castrados recomendadas pelas Tabelas

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 408 MATRIZES. Objetivos de Desempenho. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 408 MATRIZES. Objetivos de Desempenho. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 408 Objetivos de Desempenho An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém os objetivos de desempenho para matrizes Ross 408 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

C O B B - V A N T R E S S. C O M. Suplemento para manejo de matrizes

C O B B - V A N T R E S S. C O M. Suplemento para manejo de matrizes C O B B - V A N T R E S S. C O M Suplemento para manejo de matrizes Manejo de matrizes Este material suplementar para manejo de matrizes da Cobb foi elaborado para uso em conjunto com o Guia de manejo

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

PRINCÍPIOS PARA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE PRINCÍPIOS PARA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE INTRODUÇÃO Contínua evolução das linhagens de frangos de corte Melhora anual no desempenho (Rostagno et al., 25a): 4 g a mais no peso; 1 a menos no consumo

Leia mais

Modelo de crescimento do Nutrient Requirements of Swine Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5

Modelo de crescimento do Nutrient Requirements of Swine Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5 Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias AZ 753 Tópicos em Produção Animal Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5 Modelo de crescimento

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE MINAFRA, CIBELE S.; LOPES JÚNIOR, CARLOS O.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; CYSNEIROS, CRISTINE DOS S. S.; FERRAZ, HENRIQUE T.; LOPES, DYOMAR T. Efeito de diferentes

Leia mais

FRANGO Objetivos de Desempenho

FRANGO Objetivos de Desempenho FRANGO Objetivos de Desempenho Junho 2007 Introdução Este encarte contém os objetivos de performance para o frango Ross 308 e deve ser utilizado em conjunto com o Manual de Manejo de Frangos Ross. Performance

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE Hérica da Silva MESSIAS* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inêz de Oliveira LACERDA 2, Eduardo

Leia mais

Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada

Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada Nivel de Lisina nas Rações de Frangos de Corte Exigência de Lisina Atualizada Disponível em nosso site: www.lisina.com.br A atualização das exigências dos nutrientes nas formulações de rações é importante

Leia mais

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc.

Classificação de Suplementos. Bruno Marson Zootecnista MSc. Classificação de Suplementos Bruno Marson Zootecnista MSc. CLASSIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DESTINADOS A NUTRIÇÃO ANIMAL (IN Nº 12 2004 / IN Nº 15 2009) Suplementos Suplemento Mineral Suplemento Mineral Com

Leia mais

Exigência de proteína bruta para codornas européias no período de crescimento

Exigência de proteína bruta para codornas européias no período de crescimento [Crude protein requirement for European quails during the growing period] A.B. Fridrich, B.D. Valente, A.S. Felipe-Silva, M.A. Silva*, G.S.S. Corrêa, D.O. Fontes, I.C. Ferreira Escola de Veterinária da

Leia mais

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina

PROTEÍNA. Lisina (ARC 1981) Aminoácidos Essenciais. Aminoácidos Essenciais - suínos. Fenilalanina Arginina omposição de um Protetor Hepático comercial PROTEÍNA Fórmula: Aspartato de L-ornitina...2,0 g loridrato de L-arginina...7,5 g L-citrulina...0,5 g Acetil metionina...1,0 g loridrato de colina...1,0 g Levulose...10,0

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003

Introdução. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p , 2003 Utilização de diferentes níveis de levedura (Saccharomyces cerevisiae) em dietas e seus efeitos no desempenho, rendimento da carcaça e gordura abdominal em frangos de cortes Josefa Deis Brito Silva 1,

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

Tecnologias de Produção Mais Limpa na Suinocultura Brasileira

Tecnologias de Produção Mais Limpa na Suinocultura Brasileira Tecnologias de Produção Mais Limpa na Suinocultura Brasileira Cleandro Pazinato Dias cleandropazinato@uol.com O QUE EU VOU APRESENTAR? O que é uma Produção Mais Limpa? Uso racional da água Uso racional

Leia mais

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com

Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte. frangos de corte. cobb-vantress.com Suplemento de Crescimento e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta as metas de peso para os seus Frangos de Corte Cobb 700, juntamente com

Leia mais

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RELATÓRIO DE PESQUISA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RELATÓRIO DE PESQUISA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RELATÓRIO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE PROBIÓTICOS, PREBIÓTICO E ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO

Leia mais

Comunicado 489 Técnico

Comunicado 489 Técnico Comunicado 489 Técnico ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Dezembro, 2011 Concórdia, SC Fotos: Valdir S. Avila/Embrapa Efeito do uso de um núcleo energético-protéico no desempenho de frangos de corte Valdir

Leia mais

Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte

Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte LEANDRO CÉSAR MILAGRES RIGUEIRA Aplicação do conceito de proteína ideal em dietas com diferentes níveis protéicos para frangos de corte Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das

Leia mais

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS IMPORTÂNCIA Conhecer fundamentos básicos de nutrição avaliar dietas e alimentos Interações entre nutrientes e o animal Exigências Cães e gatos Quantidade diária de nutrientes Manejo

Leia mais

Artigo Número 10 DETERMINAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DE AMINOÁCIDOS SULFURADOS PARA SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO. Introdução

Artigo Número 10 DETERMINAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DE AMINOÁCIDOS SULFURADOS PARA SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO. Introdução Artigo Número 10 DETERMINAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DE AMINOÁCIDOS SULFURADOS PARA SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Fabrício de A. Santos 1, Juarez Lopes Donzele, Márvio L.T. de Abreu, Leandro Hackenhaar Introdução

Leia mais

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias Prova didática: concurso público- Edital nº 229/2010-FCAV Dr. Luciano Hauschild

Leia mais

Estratégias Nutricionais para redução de dejeto suínos

Estratégias Nutricionais para redução de dejeto suínos JORNADA DE SUSTENTABILIDADE NA SUINOCULTURA Estratégias Nutricionais para redução de dejeto suínos Professora Dra: Lucélia Hauptli DZDR CCA - UFSC 29 de setembro, 2016 Auditório do ENS-UFSC, Florianópolis

Leia mais

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE Sinthia Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Bruna

Leia mais

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE Bruna Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Sinthia Pereira

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA Marcos L. DIAS 1 ; Fábio R. de ALMEIDA 1 ; Helena M. F. da SILVA 1 ; Antônio

Leia mais

Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação

Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação Lucas Marques Silva COSTA¹; Silvana Lucia Medeiros dos SANTOS²;Guilherme Salviano AVELAR³;Wesley Caetano VIEIRA³; Rômulo Candido Aguiar FERREIRA;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA RELAÇÕES CRESCENTES ENTRE TREONINA E LISINA DIGESTÍVEL A PARTIR DE L-TREONINA E FARELO DE SOJA PARA

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

Exigências de valina para frangos de corte

Exigências de valina para frangos de corte UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E PRODUÇÃO ANIMAL NAYARA TAVARES FERREIRA Exigências de valina para frangos de corte PIRASSUNUNGA-SP 2011

Leia mais

Alimentação e nutrição de aves de produção

Alimentação e nutrição de aves de produção Alimentação e nutrição de aves de produção Universidade Federal do Pampa - Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Avicultura II -Profª Lilian Kratz Semestre 2017/2 Introdução Os frangos são

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA

ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NA ESTAÇÃO SECA: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 7 FORMULAÇÃO DA DIETA Uma ração balanceada a quantidade do alimento capaz de prover, para um animal, os diversos nutrientes, numa proporção

Leia mais

Níveis de energia metabolizável e lisina digestível para o desempenho de pintos de corte de 1 a 10 dias de idade

Níveis de energia metabolizável e lisina digestível para o desempenho de pintos de corte de 1 a 10 dias de idade 49 Níveis de energia metabolizável e lisina digestível para o desempenho de pintos de corte de 1 a 10 dias de idade THAÍS LORANA SAVOLDI 1 *; RICARDO VIANNA NUNES 2 ; CARINA SCHERER 3 ; CLÁUDIO YUJI TSUTSUMI

Leia mais