Práticas de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica em Unidades Neonatais e Pediátricas: Desafios na Atuação dos Enfermeiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Práticas de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica em Unidades Neonatais e Pediátricas: Desafios na Atuação dos Enfermeiros"

Transcrição

1 Práticas de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica em Unidades Neonatais e Pediátricas: Desafios na Atuação dos Enfermeiros da Silva Dias, Camilla 1 da Conceição Rodrigues, Elisa 2 Moreira Christoffel, Marialda 3 1 Escola de Enfermagem Anna Nery/ Doutoranda do Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 2 Escola de Enfermagem Anna Nery/ / Profa. Departamento Materno Infantil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 3 Escola de Enfermagem Anna Nery/ / Profa. Departamento Materno Infantil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, Resumo: Introducão: Trata -se de um estudo recorte da Dissertação de Mestrado sobre as Práticas de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica (PICC) em Unidades Neonatais e Pediátricas. As práticas de manutenção do cateter central de inserção periférica constituem práticas que vão desde a inserção do cateter até o fim da sua indicação, compondo um dos pilares que sustentam a segurança no uso desse dispositivo. Objetivos: descrever as dificuldades da práticas de manutenção dos PICC em unidades neonatais e pediátricas; analisar as implicações dessas dificuldade nas práticas de manutenção dos PICC para o cuidado neonatal e pediátrico. Material e Método: Estudo tipo Survey realizado em quatro instituições públicas do Rio de Janeiro. Participaram do estudo enfermeiros atuantes unidades neonatais e pediátricas. A coleta de dados ocorreu de janeiro à julho de 2015, através de questionário eletrônico, somente iniciada após a aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa Nº CAAE: Os dados foram analisados descritivamente. resultados: Participaram do estudo o total de 74 enfermeiros, dos quais 44 (59,46%) atuantes em unidades neonatais e 30 (40,6%) em unidades pediátricas. A maioria das dificuldades das práticas de manutenção referidas pelos enfermeiros são devido a realidade institucional e a escassez de alguns recursos materiais. Conclusiones Há necessidade de promover a atualização dos enfermeiros para que possam revisar as práticas e atualizar os protocolos de manutenção do PICC com base nas melhores evidências científicas, garantindo assim a qualidade da terapia intravenosa em recém-nascidos e crianças. Palabras clave: Cateterismo Venoso Central, Enfermería Neonatal, Enfermería Pediátrica, Mantenimiento.

2 I. INTRODUÇÃO Este estudo trata-se de um recorte da Dissertação de Mestrado intitulada: Práticas de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica (PICC) em Unidades Neonatais e Pediátricas. As práticas de manutenção do PICC são procedimentos que podem ser delimitados através de etapas que englobam desde cuidados referentes à permeabilização dos cateteres utilizando solução salina 0,9% para a lavagem do lúmen; como a troca do curativo e coberturas, além da avaliação diária do sítio de inserção do cateter afim de identificar as intervenções de enfermagem necessárias para o cuidado com o cateter (1). Podem ser definidas como um procedimento macro, pois depende de outros procedimentos para garantir o funcionamento adequado do dispositivo venoso central, os quais podem ser definidos, como: a estabilização do cateter ou fixação do cateter, lavagem (flushing); utilização de solução salina ou solução heparina, para a sua permeabilidade, ativação e desativação do cateter; curativos, trocas de intermediários (equipos, conexões, ou sistemas de infusão) e a remoção do dispositivo (2). Cabe ao enfermeiro que atua com estas faixas etárias do recém-nascido e da criança possuir conhecimentos específicos, pois devido as características peculiares tanto do recém-nascido quanto da criança, apresentam anatomia e fisiologia diferenciada, o que demanda uma assistência de enfermagem especializada para atender as demandas dos cuidados desta clientela (2). Além disso com o avanço tecnológico e o constante desenvolvimento científico dos recursos materiais utilizados na terapia infusional, os profissionais de enfermagem que atuam nessas áreas neonatal e pediátrica, precisam estar sempre em busca de novos conhecimentos para garantir a tomada de decisão na escolha dos dispositivos e das práticas adequadas para os procedimentos de manutenção do PICC, pois com esse avanço tem como consequência, cuidados de enfermagem mais complexos e que exigem maior segurança nos procedimentos invasivos para a garantia da sobrevivência (3). Para a realização desta prática, se faz necessário que o enfermeiro possua conhecimento sobre os tipos de cateteres existentes, conforme com a Resolução nº 258/2001 do Conselho Federal de Enfermagem do Brasil, nesta resolução destaca a responsabilidade do enfermeiro tanto no procedimento de inserção do PICC, mas também na manutenção do PICC (4). Diante desse contexto o presente estudo teve como objetivos: Descrever as dificuldades encontradas para realizar as práticas de manutenção dos cateteres centrais de inserção periférica nas unidades neonatais e pediátricas; e analisar as implicações das práticas de manutenção dos cateteres centrais de inserção periférica para o cuidado neonatal e pediátrico. II. MÉTODO Estudo quantitativo do tipo survey descritivo, cujo as características são a produção de descrições quantitativas de uma população pré-definida; utilização de instrumento pré-definido; desejando-se responder questões do tipo o quê ; porque como? e quanto? ; não se tem interesse ou não é possível controlar as variáveis dependentes e independentes; o objeto de interesse ocorre no presente ou no passado recente e o ambiente natural é o melhor lugar para se estudar o fenômeno de interesse (6). O método survey pode ser definido, como um estudo feito com amostra de pessoas, pela mensuração de suas opiniões (enquetes) a fim de serem analisadas para eventual intervenção naquela população (5). A população do estudo foi composta por Enfermeiros que atuavam em unidades neonatais e pediátricas e que realizavam o procedimento de manutenção do PICC no cotidiano assistencial.

3 Para a seleção dos participantes foi utilizada a amostragem não probabilística por conveniência. Esse tipo de amostragem pode ser aplicado quando os respondentes são pessoas difíceis de identificar ou grupos específicos (6). Os participantes foram divididos inicialmente em dois grupos: Enfermeiros que atuavam com a clientela pediátrica e Enfermeiros que atuavam com a clientela de neonatologia. Foi realizado em quatro instituições de saúde, públicas, de ensino e de referência para o atendimento de recém-nascidos e crianças, todos situados no município do Rio de Janeiro, Brasil. A coleta dos dados ocorreu durante os meses de janeiro à julho do ano de O instrumento utilizado para a coleta de dados foi um questionário auto-administrado construído através de um software para programação de questionários eletrônicos online. A análise dos dados quantitativos foi descritiva e estatística através do Statistical Package for Social Sciences for Windows (pacote estatístico SPSS) versão 17.0, o qual está associado ao Software SurveyMonkey, sendo os dados apresentados sob a forma de quadros e de tabelas. Este estudo está de acordo com a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) do Brasil, no que tange os aspectos éticos, após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, sob parecer n III. RESULTADOS A pesquisa ocorreu em quatro Instituições de Saúde, as quais foram denominadas: A, B, C, D. A coleta dos dados iniciou-se pela Instituição A seguida pelas demais instituições, B C e D. Em todas as instituições a coleta de dados ocorreu simultaneamente tanto nas unidades neonatais como nas unidades pediátricas (FIGURA 01). Figura 01. Total dos Enfermeiros Participantes da Pesquisa, Rio de Janeiro, Fonte: Dados do formulário online da pesquisa. A população total de enfermeiros atuantes nas unidades neonatais e pediátricas das quatro instituições, cenários do estudo corresponderem ao quantitativo total de 174 enfermeiros. Após a aplicação

4 dos critérios de inclusão a amostra foi composta por 142 enfermeiros, sendo 86 de unidades neonatais, e 56 de unidades pediátricas. No entanto, da amostra de 142 enfermeiros, 74 (44 de unidades neonatais e 30 de unidades pediátricas) participaram do estudo, responderam o questionário online. (FIGURA 01). O Quadro 01 descreve as dificuldades encontradas na prática para realizar o procedimento adequado de manutenção no CCIP. Para a construção desse quadro, foi necessário criar categorias agrupando as respostas, pois não havia nenhuma alternativa de resposta estipulada, sendo questões abertas para a resposta dos enfermeiros. Quadro 01. Distribuição das Práticas dos Enfermeiros das Unidades Neonatais e Pediátricas segundo as Dificuldades Encontradas para Realizar o Procedimento de Manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica, Rio de Janeiro, INSTITUIÇÕES DE SAÚDE DIFICULDADES ENCONTRADAS NA PRÁTICA DO PROCEDIMENTO DE MANUTENÇÃO Unidades Neonatais Unidades Pediátricas n (%) n (%) Falta de Recursos Materiais 15 34, ,00 Necessidade de Treinamento e Atualização da Equipe de Enfermagem Inexistência de POP- procedimento operacional específico 9 20, , , ,00 Conscientização da Equipe de Enfermagem 4 9, ,00 Ausência de registro de Enfermagem 2 4, Insuficiência do Quantitativo de Enfermeiros 2 4, Não Encontraram Dificuldades 15 34, ,00 Fonte: Dados do formulário online da pesquisa. Nas unidades neonatais, as categorias que mais se destacaram foram: a falta de recursos materiais, sendo especificado o curativo filme transparente, com 15 (34,09%), das respostas; a necessidade de treinamento e atualização da equipe de enfermagem, com 9 (20,45%), e inexistência de um Procedimento Operacional Padrão POP específico para realizar a manutenção do PICC, com 6 (13,64%). E, 15 (34,09%), dos enfermeiros responderam não ter dificuldades para realizar os procedimentos de manutenção nessas unidades (QUADRO 1). Nas unidades pediátricas, apenas 03 (10,00%) enfermeiros, descreveram que não tinham dificuldades para realizar os procedimentos de manutenção do PICC. Dentre as dificuldades mais respondida pelos enfermeiros foram: 12 (40,00%) a inexistência de um POP específico para realizar a manutenção do PICC; 9 (30,00%) a falta de recursos materiais; 6 (20,00%) a necessidade de treinamento e atualização

5 da equipe de enfermagem e 6 (20,00%) a conscientização da equipe de enfermagem sobre a importância de realizar tal procedimento sobre o funcionamento adequado do PICC (QUADRO 1). As unidades neonatais quando comparadas com as unidades pediátricas apresentaram dificuldades distintas para realizar as práticas de manutenção do PICC. Nas unidades neonatais, 15 (34,09%) descreveram a falta de recursos materiais e 9 (20,45%) a necessidade de treinamento e atualização da equipe de enfermagem, enquanto que nas unidades pediátricas, 12 (40,00%) descreveram a inexistência de um POP, específico para realizar a manutenção do PICC e 9 (30,00%) também descreveram a falta de recursos materiais, com umas das principais dificuldades destacadas pela maioria dos participantes do estudo. Para minimizar as dificuldades encontradas para a realização do procedimento de manutenção do CCIP, o enfermeiro tem como os principais desafios dessa atuação com o PICC: precisa centralizar as suas ações em seu papel de educador, enfatizando a importância desse procedimento, além de treinar a equipe de enfermagem sobre está prática, pois muitas vezes a falha desses procedimentos, implica em grandes complicações para o recém-nascido e criança, podendo ocasionar a retirada precoce do dispositivo (7). Os procedimentos de manutenção do PICC demandam que a equipe de enfermagem esteja sempre em atualização para construção dos conhecimentos científicos, além que as instituições de saúde proponham e fomentem treinamentos para a equipe com essa finalidade. Pois algumas complicações são oriundas das práticas realizadas sem evidências científicas, para desenvolver a melhor prática são necessários que estes treinamentos sejam frequentes, anuais, devido os avanços tecnológicos e achados dos estudos mediante as práticas do PICC (3). Os protocolos devem ser específicos para a manutenção do PICC, além de ser de grande importância para o profissional enfermeiro. Nos protocolos devem estar bem descrito todo o passo-a-passo, bem detalhado de como deverá ser realizado todos os procedimentos sobre o uso do PICC, pois são instrumentos essenciais para garantir o respaldo e a autonomia profissional, mediante a qualquer complicação com o PICC (8). IV. CONCLUSÃO Posto isso, sabe-se que o enfermeiro possui o respaldo legal para o manuseio do PICC, desde que possua o conhecimento científico que respalde a sua tomada de decisão referente aos procedimentos de manutenção desse dispositivo intravenoso. Portanto, há necessidade de promover a atualização dos enfermeiros para que possam criar, revisar e atualizar as práticas e protocolos sobre a manutenção do PICC, além da criação de grupos de terapia infusional, com a responsabilidade de elaboração e atualização desses protocolos. Afim que todos os envolvidos no processo sejam beneficiados, planejando medidas para que possam diminuir as dificuldades e os desafios encontrados nas práticas de manutenção do PICC, propondo soluções com base nas melhores evidências científicas, para uma maior qualidade da terapia intravenosa em recém-nascidos e crianças. Destaca-se como limitação importante do estudo, que a amostra não é representativa do município do Rio de Janeiro havendo necessidade de ampliação da pesquisa para outras unidades. REFERÊNCIAS 1. Silva AM, Matuhara AM, Vicentin AH, Machado AF, Freitas CB, Silva CPR, et al. Diretrizes práticas para terapia infusional. São Paulo, [Cited 2017 Abr 10]. 2 Infusion Nurse Society. Infusion Therapy Standards of Practice, 2016.

6 3 Gomes AVO, Nascimento MAL. Central venous catheterization in Pediatric and Neonatal. Intensive Care Units. Rev esc enferm USP (Online) [internet] 2013 [Cited 2017 Jun 20] 47(4): Available from: doi: /S COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução 258/2001, dispõe sobre a Inserção de Cateter Periférico Central, pelos Enfermeiros. (Online) [internet] [Cited 2017 Mai 17]. Available from: 5 Freitas H, Oliveira M, Saccol Az, Moscarola J. O método de pesquisa survey. Revista de Administração da USP (Online) [internet] 2000 set [Cited 2017 Mar 5] 35 (3): Available from: 6 Turato, ER. Métodos Qualitativos e Quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde Pública: São Paulo, v.39, n.3, p , Barbosa, JP. A importância do enfermeiro no manuseio do PICC na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista de pesquisa: o cuidado é fundamental online: Rio de Janeiro, v.3, n.2, p , Abr/jun, Oliveira CR, Neves ET, Rodrigues EC, Zamberlan KC, Silveira A. Inserted central cateter in pediatrics and neonatology: Possibilities of systematization in a teaching hospital. Esc Anna Nery (Online) [internet] 2014 jun [Cited 2017 Mai 5] 18(3). Available from: pdf. doi: /

TÍTULO: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES COM PICC INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES COM PICC INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES COM PICC CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP TERAPIA INTRAVENOSA EM NEONATOLOGIA E NA PEDIATRIA: UMA REVISAO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP TERAPIA INTRAVENOSA EM NEONATOLOGIA E NA PEDIATRIA: UMA REVISAO SISTEMÁTICA DA LITERATURA RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP TERAPIA INTRAVENOSA EM NEONATOLOGIA E NA PEDIATRIA: UMA REVISAO SISTEMÁTICA DA LITERATURA Fernanda Lemos Cardoso Ferreira 1, Giuliana Fernandes e Silva 2, Patrícia Mateus Lopes

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES PORTADORES DE PICC CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER/ INCA/ RJ

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER/ INCA/ RJ DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: ANÁLISE DO VOLUME DE SOLUÇÃO PARA MANUTENÇÃO DO CATETER VENOSO CENTRAL TOTALMENTE IMPLANTADO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO

Leia mais

Tipo de Apresentação: Pôster

Tipo de Apresentação: Pôster DESCRIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL Mércia Lisieux Vaz da Costa Mascarenhas 1 mercialsieux@gmail.com Bruna Lima da Silveira 2 bruna_lsd@hotmail.com

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ACESSOS VASCULARES E TERAPIA INFUSIONAL

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS GRUPO DE TRABALHO PORTARIA COREN-RJ Nº 484/2013

COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS GRUPO DE TRABALHO PORTARIA COREN-RJ Nº 484/2013 COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS GRUPO DE TRABALHO PORTARIA COREN-RJ Nº 484/2013 PAD nº 1695/2013 Parecer GT nº 001/2014 EMENTA: Aspectos legais, éticos e técnicos da assistência de Enfermagem na

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE PUNÇÃO VENOSA NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM ADULTOS

AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE PUNÇÃO VENOSA NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM ADULTOS AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE PUNÇÃO VENOSA NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM ADULTOS Cristina Oliveira da Costa(1); Fernanda Jorge Magalhães(1); Lilia Jannet Saldarriaga Sandoval(2); Thais Lima Vieira de

Leia mais

Curso - PICC. Local Lorena - SP. Curso de Habilitação no uso do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (em RN, Criança e Adulto)

Curso - PICC. Local Lorena - SP. Curso de Habilitação no uso do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (em RN, Criança e Adulto) Curso - PICC Local Lorena - SP Curso de Habilitação no uso do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (em RN, Criança e Adulto) INSIGHT Educação e Conhecimento Informações Gerais Carga Horária: 20

Leia mais

INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS EM PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA 1 INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS EM PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA1

INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS EM PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA 1 INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS EM PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA1 INCIDÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS EM PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA 1 Bárbara Tunie Chagas Rosa 2, Marinez Koller Pettenon3 3. 1. Projeto do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Enfermagem 2 Acadêmica

Leia mais

Educação permanente em saúde e implementação de diagnósticos de enfermagem: estudo descritivo

Educação permanente em saúde e implementação de diagnósticos de enfermagem: estudo descritivo Educação permanente em saúde e implementação de diagnósticos de enfermagem: estudo descritivo Ludimila Cuzatis Gonçalves¹, Elaine Antunes Cortez 1, Ana Carla Dantas Cavalcanti 1 1 Universidade Federal

Leia mais

CAMILLA DA SILVA DIAS

CAMILLA DA SILVA DIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO ACADÊMICO EM ENFERMAGEM CAMILLA DA SILVA DIAS PRÁTICAS

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 12 de dezembro 2018 Rosemeire Keiko Hangai INDICADORES ASSISTENCIAIS e GERENCIAIS DE

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 13 de dezembro 2017 Rosemeire Keiko Hangai INDICADORES ASSISTENCIAIS e GERENCIAIS DE

Leia mais

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais.

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Punção Venosa Periférica em Recémnascidos Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 14 Área de Aplicação: Neonatologia

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG214 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa

Programa Analítico de Disciplina EFG214 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa 0 Programa Analítico de Disciplina EFG21 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 2 Teóricas

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO PRIMÁRIA DE CORRENTE SANGUÍNEA - IPCS

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO PRIMÁRIA DE CORRENTE SANGUÍNEA - IPCS 1 de 6 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO As infecções primarias de corrente sanguínea (IPCS) estão entre as mais comumente relacionadas

Leia mais

QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH

QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO EM TERAPIA INTENSIVA: ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE ENFERMAGEM DA UTI PEDIÁTRICA HU-UFGD/EBSERH INTRODUÇÃO Francisco Rodrigues Martins 1 Mirelle Salgueiro Morini 2 Antonia Gomes

Leia mais

CULTURA DE SEGURANÇA: PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO

CULTURA DE SEGURANÇA: PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DE ENSINO Área temática: Linha Gerencial 02 Políticas públicas e gestão dos serviços de saúde. Sublinha de pesquisa: Gestão e organização do processo de trabalho em saúde e enfermagem. Modalidade de apresentação:

Leia mais

DESATIVAÇÃO DE CATETER VENOSO CENTRAL Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves

DESATIVAÇÃO DE CATETER VENOSO CENTRAL Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Técnica de desativação do cateter venoso central, mantendo a permeabilidade do mesmo. Pode ser utilizado para cateter central de inserção periférica (CCIP-PICC), cateter semiimplantado

Leia mais

Palavras-chave: Enfermagem; Segurança do Paciente; Enfermagem em Emergência.

Palavras-chave: Enfermagem; Segurança do Paciente; Enfermagem em Emergência. APRENDIZADO ORGANIZACIONAL: MELHORIA CONTÍNUA NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE RESUMO 1 Ketelin Machado 2 Laísa Schuh 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Cachoeira do Sul, RS, Brasil E-mail: rosaketelin@gmail.com

Leia mais

CATEGORIAS, DATAS E VALORES DE INSCRIÇÃO CATEGORIA 15/04/13 a 01/06/13 02/06/13 a 30/09/13 A partir de 01/10/13

CATEGORIAS, DATAS E VALORES DE INSCRIÇÃO CATEGORIA 15/04/13 a 01/06/13 02/06/13 a 30/09/13 A partir de 01/10/13 V Congresso Brasileiro de Enfermagem Pediátrica e Neonatal I Seminário Internacional de Saúde da Criança, Adolescente e Famïlia (I SISCAF) 14º Encontro do Laboratório de Estudos Interdisciplinares em Famïlia

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

ATIVAÇÃO DE UM CATETER VENOSO CENTRAL Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves

ATIVAÇÃO DE UM CATETER VENOSO CENTRAL Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Técnica de abertura de um cateter venoso central. Pode ser utilizado para cateter central de inserção periférica (CCIP-PICC), cateter semi-implantando e cateter totalmente implantado.

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 % 2 1,9 1,56 2,1 1,6 1,84 1,17 1,25 1 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 1,5 1,45 % 1,92,64,76,5

Leia mais

PROGRAMAÇÃO Científica Neo/Ped. 12 de julho de quinta-feira

PROGRAMAÇÃO Científica Neo/Ped. 12 de julho de quinta-feira Promoção: Abenti Associação Brasileira de Enfermagem em PROGRAMAÇÃO Científica Neo/Ped 12 de julho de 2018 - quinta-feira 08h00-09h00: Solenidade de abertura 09h00-: Palestra magna 09h00-09h40: O impacto

Leia mais

Safeflow. Registro ANVISA n

Safeflow. Registro ANVISA n Registro ANVISA n 1.00085.30420 1) Terapia Infusional 2) Conceito de Infecção hospitalar 3) Acidente de trabalho e Legislação 4) Apresentação do Safelow 5) Importância do Safelow na terapia de infusão

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM BUNDLE PARA A INSERÇÃO DE CATETERES INTRAVENOSOS PERIFÉRICOS EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS

CONSTRUÇÃO DE UM BUNDLE PARA A INSERÇÃO DE CATETERES INTRAVENOSOS PERIFÉRICOS EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS CONSTRUÇÃO DE UM BUNDLE PARA A INSERÇÃO DE CATETERES INTRAVENOSOS PERIFÉRICOS EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS Taynara Bispo Conceição 1 ; Luciano Marques dos Santos 2 ; Gabriela Santos Silva 3 1. Voluntário

Leia mais

Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade

Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade PAD nº 1740/2013 Parecer CTGAE nº 001/2013 EMENTA: PUNÇÃO VENOSA VIA JUGULAR EXTERNA

Leia mais

BD PosiFlush TM Seringas Preenchidas

BD PosiFlush TM Seringas Preenchidas BD PosiFlush TM Seringas Preenchidas A primeira seringa preenchida e concebida para a lavagem de cateteres de uma forma prática e segura. Especialmente desenvolvida para eliminar o refluxo de sangue. Desenvolvidas

Leia mais

HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL

HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL 1 HABILITAÇÃO ACADÊMICA DO ENFERMEIRO ASSOCIADA À AUTONOMIA PROFISSIONAL Mariclen da Silva Pereira Acadêmica do curso de Enfermagem, ULBRA Cachoeira do Sul, RS mariclenpereira@hotmail.com Laísa Schuh Orientadora,

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza CE 23 a 25 de Maio de 2016 CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO Ana Caroline Andrade

Leia mais

CATETER VENOSO CENTRAL - MANUTENÇÃO Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves

CATETER VENOSO CENTRAL - MANUTENÇÃO Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na descrição dos cuidados de enfermagem ao paciente portador do cateter venoso central para garantir a permeabilidade do cateter e prevenção de infecção, assegurando

Leia mais

AS AÇÕES DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À GESTANTE: UM DESAFIO À ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE

AS AÇÕES DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À GESTANTE: UM DESAFIO À ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE AS AÇÕES DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À GESTANTE: UM DESAFIO À ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE GARCIA, E. S. G. F 1.; ROCHA, L. C. T. 2.; LEITE, E. P. R. C 3.; CLAPIS, M. J 4. *1Enfermeira Obstetra. Docente do Centro

Leia mais

GRUPO DE ACESSO VENOSO DE ENFERMAGEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

GRUPO DE ACESSO VENOSO DE ENFERMAGEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 GRUPO DE ACESSO VENOSO DE ENFERMAGEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 COSTA, Letícia Machado da 2 ; VIERO, Viviani 3 ; BANDEIRA; Danieli 4 RESUMO Neste relato de experiência será apresentado o Grupo de Acesso

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE NA CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO DE UM CENTRO CIRÚRGICO AMBULATORIAL. ATENÇÃO ESPECIALIZADA

IMPLANTAÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE NA CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO DE UM CENTRO CIRÚRGICO AMBULATORIAL. ATENÇÃO ESPECIALIZADA IMPLANTAÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE NA CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO DE UM CENTRO CIRÚRGICO AMBULATORIAL. ATENÇÃO ESPECIALIZADA Palavras-chave: CME; Indicadores; Qualidade; Produção INTRODUÇÃO

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO NEONATO PREMATURO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO NEONATO PREMATURO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO NEONATO PREMATURO RESUMO OLIVEIRA, Rita Daiane 1 ; RAVELLI, Rita de Cassia Rosiney 2 Objetivo: Conhecer a assistência do enfermeiro ao neonato prematuro. Método: Revisão bibliográfica

Leia mais

O conhecimento do enfermeiro sobre cateter central de inserção periférica: estudo descritivo

O conhecimento do enfermeiro sobre cateter central de inserção periférica: estudo descritivo ISSN: 1676-4285 O conhecimento do enfermeiro sobre cateter central de inserção periférica: estudo descritivo Renata Rangel Birindiba de Souza 1, Valdecyr Herdy Alves 1, Diego Pereira Rodrigues 1, Louise

Leia mais

ATUAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO USO DO CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC)

ATUAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO USO DO CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC) ATUAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO USO DO CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA (PICC) Laise Albuquerque de Almeida (1); Jamilla Brito de Oliveira Silva (2); Cláudia Paloma de Lima Barbosa (3); Lívia

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM. Acesso Venoso Periférico e suas Complicações na Criança Hospitalizada

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM. Acesso Venoso Periférico e suas Complicações na Criança Hospitalizada II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza - CE 23 a 25 de Maio de 2016 Acesso Venoso Periférico e suas Complicações na Criança Hospitalizada Tatianny Narah de Lima Santos 1, Maria

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 41/13 PARECER CFM nº 34/13 INTERESSADO: Universidade Federal do Paraná Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Cecan-Sul ASSUNTO: Competência do médico referente à nutrição

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/7 1. INTRODUÇÃO O cateter venoso central de inserção periférica (CCIP/PICC) vem sendo utilizado cada vez mais em pacientes que requerem tratamentos intravenosos prolongados. Trata-se de um dispositivo

Leia mais

Intervenções de Enfermagem no uso do PICC em pediatria e neonatologia: evidências científicas

Intervenções de Enfermagem no uso do PICC em pediatria e neonatologia: evidências científicas Intervenções de Enfermagem no uso do PICC em pediatria e neonatologia: evidências científicas Lucilene Alves Ferreira, Fernanda Jorge Magalhães 2, Karla Maria Carneiro Rolim 3, Francisco Elton Jones Arruda

Leia mais

Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online E-ISSN: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online E-ISSN: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online E-ISSN: 2175-5361 rev.fundamental@gmail.com Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Brasil Pereira Barbosa, Jecilea A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

16º CONEX - Encontro Conversando sobre Extensão na UEPG Resumo Expandido Modalidade B Apresentação de resultados de ações e/ou atividades

16º CONEX - Encontro Conversando sobre Extensão na UEPG Resumo Expandido Modalidade B Apresentação de resultados de ações e/ou atividades 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO PROJETO CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM E

Leia mais

PRORH/DAT - Relação de Cursos Realizados em 2014

PRORH/DAT - Relação de Cursos Realizados em 2014 A ARTICULAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A ARTICULAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 07/11/2014 18 1 14/11/2014 26 1 ADMINISTRAÇÃO DE

Leia mais

Redução da Taxa de LPP em pacientes internados no HMMD

Redução da Taxa de LPP em pacientes internados no HMMD Redução da Taxa de LPP em pacientes internados no Área(s): Hospital Municipal Dr. Moyses Deutsch M Boi Mirim Setor(es): Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, UTI Adulto, UTI Pediátrica, UTI Neonatal e Pronto

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor

PREVENÇÃO DE INFECCÇÃO ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL / CVC. Data Versão/Revisões Descrição Autor 1 de 9 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial FP, MTS, SRPT 1 Objetivo: Prevenir infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central ()

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE NAGEH - Enfermagem Benchmarking em Saúde 22 de fevereiro de 2017 Coordenação: Rosemeire K. Hangai Indicadores Assistenciais de Enfermagem 2015-2016 Incidência de Queda de Paciente

Leia mais

CATETER VENOSO CENTRAL- CURATIVO Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves

CATETER VENOSO CENTRAL- CURATIVO Enf a.(s): Andreia Paz, Renata Maciel e Paula Alves Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no curativo de Cateteres Venosos Centrais (CVC), do tipo: cateteres centrais de inserção periférica (CCIP/PICC), cateter semi-implantado, totalmente implantado e cateter

Leia mais

ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL. ALIMENTAÇÃO PARENTERAL Aula 1. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL. ALIMENTAÇÃO PARENTERAL Aula 1. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO NUTRICIONAL ALIMENTAÇÃO PARENTERAL Aula 1 Profª. Tatiane da Silva Campos A nutrição parenteral (NP) é o método de fornecer nutrientes ao corpo através de

Leia mais

Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica

Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica Análise da demanda de assistência de enfermagem aos pacientes internados em uma unidade de Clinica Médica Aluana Moraes 1 Halana Batistel Barbosa 1 Terezinha Campos 1 Anair Lazzari Nicola 2 Resumo: Objetivo:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURSO PRÉ CONGRESSO

PROGRAMAÇÃO CURSO PRÉ CONGRESSO PROGRAMAÇÃO CURSO PRÉ CONGRESSO CURSO PRÉ CONGRESSO Carga Horária: 8 horas Data: 06/12/2018 Horário de realização: 08:00 às 12:00 e 14:00 às 18:00 Local: Hotel Majestic Águas de Lindóia-SP CURSO 01 CURSO

Leia mais

Curso de Capacitação Estomaterapia Neonatal e Pediátrica: Atenção às crianças com estomias, feridas e incontinências

Curso de Capacitação Estomaterapia Neonatal e Pediátrica: Atenção às crianças com estomias, feridas e incontinências Curso de Capacitação Estomaterapia Neonatal e Pediátrica: Atenção às crianças com estomias, feridas e incontinências Coordenador do curso: Noélia Silva Ladislau Leite Área de conhecimento: Enfermagem Pré-requisito:

Leia mais

DOI: / v7i PESQUISA

DOI: / v7i PESQUISA PESQUISA Indicadores de qualidade na assistência de terapia intravenosa em um hospital universitário: uma contribuição da enfermagem Quality indicators in support of intravenous therapy in a university

Leia mais

VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PARECER CONSUBSTANCIADO Nº. 068/2011

VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PARECER CONSUBSTANCIADO Nº. 068/2011 1 VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PARECER CONSUBSTANCIADO Nº. 068/2011 Protocolo de Pesquisa nº. 0008/2011 de 14/03/2011 Projeto:. Avaliação da dor em neonatos e crianças pela enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MÔNICA SOUSA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MÔNICA SOUSA LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MÔNICA SOUSA LIMA ATUAÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM NOS CUIDADOS COM O CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA EM NEONATOLOGIA FLORIANÓPOLIS (SC) 2014 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS DOS PARTICIPANTES DE UM CURSO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: USO DE QUESTIONÁRIO PRÉ E PÓS-TESTE Sabrina de Souza Gurgel (1); Mayara Kelly Moura Ferreira

Leia mais

Subprojeto de Iniciação Científica

Subprojeto de Iniciação Científica Subprojeto de Iniciação Científica Edital: Título do Subprojeto: Candidato a Orientador: Candidato a Bolsista: Edital PIBIC 2014/2015 Avaliação da relação entre a capacidade para o trabalho e o nível de

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ANESTESIA GERAL

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ANESTESIA GERAL ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ANESTESIA GERAL FERREIRA, Tamires Alves¹; SEGATTO, Caroline Zanetti² RESUMO Objetivo: Definir ações dos profissionais de enfermagem no centro cirúrgico durante o ato anestésico.

Leia mais

TÍTULO: COMPLICAÇÕES RELACIONADAS AO CATETER DE HICKMAN EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (TMO)

TÍTULO: COMPLICAÇÕES RELACIONADAS AO CATETER DE HICKMAN EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (TMO) 16 TÍTULO: COMPLICAÇÕES RELACIONADAS AO CATETER DE HICKMAN EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (TMO) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, JM 1 Objetivo: A realização da retirada do introdutor femoral realizada pelo

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SUBMETIDOS À HEMODIÁLISE QUANTO AOS CUIDADOS COM A FÍSTULA ARTERIOVENOSA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SUBMETIDOS À HEMODIÁLISE QUANTO AOS CUIDADOS COM A FÍSTULA ARTERIOVENOSA CONHECIMENTO DE IDOSOS SUBMETIDOS À HEMODIÁLISE QUANTO AOS CUIDADOS COM A FÍSTULA ARTERIOVENOSA Lucila Corsino de Paiva (1); Eneluzia Lavynnya Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3);

Leia mais

Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura.

Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura. Análise da administração de medicamentos intravenosos pela enfermagem: uma prática segura. Flavia Giron Camerini 1; Lolita Dopico da Silva 2; Marglory Fraga de Carvalho³ Manassés Moura dos Santos ³; Raquel

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: EXECUÇÃO DE AÇÕES APÓS O PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM PEDIATRIA

SEGURANÇA DO PACIENTE: EXECUÇÃO DE AÇÕES APÓS O PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM PEDIATRIA SEGURANÇA DO PACIENTE: EXECUÇÃO DE AÇÕES APÓS O PREPARO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM PEDIATRIA Thais Lima Vieira de Souza (1); Cristina Oliveira da Costa (2); Érica Oliveira Matias (3);

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Sistema de Gestão da Qualidade DESCRITOR: Página: 1/9 1. INTRODUÇÃO A infecção de corrente sanguínea associada a cateter profundos (ICSAC) é uma das infecções nosocomiais mais frequentes e é responsável por desfechos desfavoráveis entre

Leia mais

MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL

MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL - Graduação em medicina; - Residência e/ou especialização em Terapia Intensiva Neonatal. Horário: - Plantão (sábado à noite - 12h) - O vínculo será através de Pessoa Jurídica.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

Mestrado Profissional em Enfermagem Assistencial

Mestrado Profissional em Enfermagem Assistencial Mestrado Profissional em Enfermagem Assistencial Profª. Drª. Zenith Rosa Silvino Coordenadora do MPEA - 2010/2014 O MPEA Aprovado pelo CUV em 12/03/2003 Reconhecido pela CAPES em dezembro/2003 (31003010055P3)

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

Jamille Guedes Monteiro Evangelista

Jamille Guedes Monteiro Evangelista CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES NO HOSPITAL REGIONAL DO CARIRI EM JUAZEIRO DO NORTE-CE. Jamille

Leia mais

PARECER COREN-SP 045/ CT PRCI

PARECER COREN-SP 045/ CT PRCI PARECER COREN-SP 045/2013 - CT PRCI n 100.986 Tickets nº 280.308, 285.668, 287.574, 289.137, 289.154, 289.362, 289.994, 290.298, 292.137, 292.841, 293.008, 293.476, 294.088, 294.148, 294.745, 297.066,

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA EM PROFISSINAIS DE ENFERMAGEM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA EM PROFISSINAIS DE ENFERMAGEM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA 16 TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA EM PROFISSINAIS DE ENFERMAGEM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): CINTHIA BABICHE

Leia mais

3 Metodologia Tipo de pesquisa

3 Metodologia Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Segundo Creswell (2010), a pesquisa quantitativa pode ser realizada através de um projeto de levantamento, onde é apresentada uma descrição quantitativa ou numérica

Leia mais

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL Autores: Liliane Parussolo Nogueira Fernandes Ana Cristina Rossetti Eliete J. Bernardo dos Santos Introdução A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SOBRE MEDIDAS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SOBRE MEDIDAS DE CONTROLE DE INFECÇÃO INTRODUÇÃO As IRAS representam um grave problema de saúde no país; Existe uma série de evidências que fundamentam as ações para a prevenção e o controle das IRAS a fim de reduzir os riscos nos serviços

Leia mais

EEAN.edu.br Cateter central de inserção periférica em pediatria e neonatologia: possibilidades de sistematização em hospital universitário

EEAN.edu.br Cateter central de inserção periférica em pediatria e neonatologia: possibilidades de sistematização em hospital universitário Esc Anna Nery 2014;18(3):379-385 PESQUISA RESEARCH EEAN.edu.br Cateter central de inserção periférica em pediatria e neonatologia: possibilidades de sistematização em hospital universitário Peripherally

Leia mais

CONHECIMENTO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA E A HEMODIÁLISE EM UM GRUPO DE IDOSOS

CONHECIMENTO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA E A HEMODIÁLISE EM UM GRUPO DE IDOSOS CONHECIMENTO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA E A HEMODIÁLISE EM UM GRUPO DE IDOSOS Isadora Costa Andriola 1 ; Maria Isabel da Conceição Dias Fernandes 2 ; Isabel Neves Duarte Lisboa 3 ; Millena Freire Delgado

Leia mais

MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL

MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL MÉDICO INTENSIVISTA NEONATAL - Graduação em medicina; - Residência e/ou especialização em Terapia Intensiva Neonatal. Horário: - Plantão (sábado à noite - 12h) - O vínculo será através de Pessoa Jurídica.

Leia mais

MÉDICO ORTOPEDISTA. - Atendimento ambulatorial em pacientes ortopédicos pediátricos encaminhados pela Central de Regulação;

MÉDICO ORTOPEDISTA. - Atendimento ambulatorial em pacientes ortopédicos pediátricos encaminhados pela Central de Regulação; MÉDICO ORTOPEDISTA - Atendimento ambulatorial em pacientes ortopédicos pediátricos encaminhados pela Central de Regulação; - Atendimento em centro cirúrgico dos pacientes ortopédicos pediátricos em todas

Leia mais

GRUPO DE GESTANTES: A PARTICIPAÇÃO ATIVA DAS MULHERES E O COMPARTILHAR DE CUIDADOS NO PRÉ-NATAL

GRUPO DE GESTANTES: A PARTICIPAÇÃO ATIVA DAS MULHERES E O COMPARTILHAR DE CUIDADOS NO PRÉ-NATAL GRUPO DE GESTANTES: A PARTICIPAÇÃO ATIVA DAS MULHERES E O COMPARTILHAR DE CUIDADOS NO PRÉ-NATAL Viviane Alberto Acadêmica do curso de Enfermagem, ULBRA Cachoeira do Sul, RS vivialberto1@gmail.com RESUMO

Leia mais

PDSA SUTURA EM LACERAÇÕES PERINEAIS DE 1 º GRAU NÃO SANGRANTES

PDSA SUTURA EM LACERAÇÕES PERINEAIS DE 1 º GRAU NÃO SANGRANTES PDSA SUTURA EM LACERAÇÕES PERINEAIS DE 1 º GRAU NÃO SANGRANTES Planejar (PLAN) Saúde Materno Infantil / Obstetrícia Hospitalar Hospital Municipal da Rede Cegonha Identificação do problema: Sutura da maioria

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA NEO/PED. 12 de julho de quinta-feira

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA NEO/PED. 12 de julho de quinta-feira IV Simpósio Internacional de Enfermagem em Adulto/Neonatal/Pediátrico Promoção: Abenti Associação Brasileira de Enfermagem em PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA NEO/PED 12 de julho de 2018 - quinta-feira 14h00 às

Leia mais

TÍTULO: CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA: CONHECENDO AS PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES

TÍTULO: CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA: CONHECENDO AS PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES TÍTULO: CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA: CONHECENDO AS PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

3 Metodologia Tipo de Pesquisa

3 Metodologia Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de Pesquisa Para a classificação desta pesquisa foi adotada a taxonomia proposta por Vergara (2000). Segundo esta classificação, as pesquisas podem ser classificadas quanto aos

Leia mais

I Workshop dos Programas de Pós-graduação em enfermagem

I Workshop dos Programas de Pós-graduação em enfermagem I Workshop dos Programas de Pós-graduação em enfermagem AVALIAÇÃO DAS MAMAS NO MOMENTO DA TRIAGEM NEONATAL Linha de pesquisa Enfermagem e saúde materno infantil. Responsável pelo trabalho: DOMINGOS; B.

Leia mais

Lígia Maria Alves Rocha (1); Clarice Mendes de Freitas (2); Idarlana Sousa Silva (3); Régia Christina Moura Barbosa Castro (4)

Lígia Maria Alves Rocha (1); Clarice Mendes de Freitas (2); Idarlana Sousa Silva (3); Régia Christina Moura Barbosa Castro (4) MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA O ALÍVIO DA DOR USADOS POR PARTURIENTES ATENDIDAS POR RESIDENTES DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA EM UMA MATERNIDADE ESCOLA DO CEARÁ. Lígia Maria Alves Rocha (1); Clarice Mendes

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS DOMICILIARES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE UPP

CONHECIMENTO DE IDOSOS DOMICILIARES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE UPP CONHECIMENTO DE IDOSOS DOMICILIARES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE UPP Patrícia Simplício de Oliveira Universidade Federal da Paraíba/ E-mail: patynha_enf@hotmail.com Josefa Danielma Lopes Ferreira Universidade

Leia mais

Promover uma via de acesso para administrar drogas intravenosas.

Promover uma via de acesso para administrar drogas intravenosas. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Punção Venosa Periférica em Adultos Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 66 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato EDILAINE APARECIDA FREITAS(UNINGÁ) 1 HILTON VIZI MARTINEZ(UNINGÁ)

Leia mais

TÍTULO: O CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ACERCA DA REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR MEDIANTE AS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015

TÍTULO: O CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ACERCA DA REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR MEDIANTE AS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015 16 TÍTULO: O CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ACERCA DA REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR MEDIANTE AS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Leia mais

Concurso Público 2016

Concurso Público 2016 Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Concurso Público 2016 Enfermagem em Pesquisa Clínica na Terapia Intensiva Pediátrica Prova Discursiva Questão 01 O suporte nutricional adequado de crianças

Leia mais

Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson

Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson Gestão materno infantil/ CO Modalidade: PDSA Fase 01 Planejar Identificação do problema Taxa de parto cesárea acima

Leia mais

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 Ementa: Passagem, cuidados e manutenção de PICC e cateterismo

Leia mais

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. O CUIDADO HUMANIZADO AO RECÉM-NASCIDO PREMATURO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Silva, MA* *Enfermeiro. Resinte do Programa Residência em Saú da criança e do Adolescente do Hospital Pequeno Príncipe. Curitiba-PR

Leia mais

3 MÉTODO. 3.1 Introdução

3 MÉTODO. 3.1 Introdução 53 3 MÉTODO 3.1 Introdução Neste capítulo será apresentado o método de pesquisa utilizado, esclarecendo o tipo de pesquisa realizado, método de coleta de dados, universo e amostra, tratamento dos dados

Leia mais