ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI DE 31/08/2011

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011"

Transcrição

1 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI DE 31/08/ DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam. Assim, criou-se a figura do dependente como beneficiário da Previdência Social CLASSE DE DEPENDENTES Os dependentes do segurado, considerados beneficiários do RGPS, de acordo com o art. 16 do Decreto n 3.048/99, temos os seguintes, em ordem decrescente de classe: CLASSE I o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não-emancipado de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido (os componentes desta classe são denominados DEPENDENTES PREFERENCIAIS); CLASSE I o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente, (os componentes desta classe são denominados DEPENDENTES PREFERENCIAIS); OBSERVAÇÃO! Atualmente, em virtude do art. 227, 6º da C.F/1988, não há mais distinção entre os filhos havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, pois todos terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas a filiação. Portanto, filhos são parentes em primeiro grau, quer sejam legítimos, quer adotivos. CLASSE II os pais; CLASSE III o irmão não-emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido. CLASSE III o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente. Para a previdência social, os dependentes de uma mesma classe concorrem em condições de igualdade e a existência de dependente de qualquer das classes exclui do direito às prestações os das classes seguintes, isto é, caso um segurado faleça, possuindo esposa e pai, terá direito a pensão por morte apenas a cônjuge, excluindo do pai qualquer direito. Verifica-se, portanto, a prevalência da classe preferencial sobre as demais EQUIPARAÇÃO AOS FILHOS São equiparados aos filhos, mediante declaração escrita do segurado, comprovada a dependência econômica, o enteado e o menor que esteja sob sua tutela e desde que não possuam bens suficientes para o próprio sustento e educação (artigo 16, 3º, do decreto 3048/99). O menor sob tutela somente poderá ser equiparado aos filhos do segurado mediante apresentação de termo de tutela (artigo 16, 4º, do decreto 3048/99). Para o enteado ou o menor sob tutela ser beneficiário do RGPS, na qualidade de dependente, é necessário que os seguintes requisitos sejam preenchidos de forma cumulativa: a) Declaração escrita do segurado; b) Comprovação de dependência econômica; c) O menor não possuir bens aptos a garantir-lhe o sustento e a educação. Portanto, após preenchidos os requisitos, o enteado e o menor sob tutela passam a pertencer à lista dos dependentes preferenciais (classe I) REGRAS E PROVAS DA DEPENDÊNCIA A dependência mencionada pela lei é de caráter econômico. O legislador classifica os dependentes em duas categorias: aqueles para os quais a dependência econômica é presumida, que são os dependentes da classe I (o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não-emancipado de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido);e aqueles para os quais a dependência econômica deve ser provada, que são os dependentes da classe II e III (os pais, o irmão não-emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido) INSS 2/2011 1

2 aqueles para os quais a dependência econômica é presumida, que são os dependentes da classe I (o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente);e aqueles para os quais a dependência econômica deve ser provada, que são os dependentes da classe II e III (os pais, o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente). Observe que mesmo que o dependente seja a pessoa mais rica do país, uma vez falecendo sua esposa, segurada da Previdência Social, a dependência do marido (dependente da classe I) é presumida, ou seja, não precisará ser comprovada. O companheiro ou companheira do falecido não precisa comprovar a dependência econômica, mas a situação conjugal, o que pode ser realizado pela justificação administrativa ou o provimento declaratório judicial. Na via administrativa deverão se juntar documentos comprobatórios de vida em comum, corroborados com provas testemunhais. Uma vez comprovado o vínculo, há presunção de dependência, haja vista tratar-se de dependente da classe I. O cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato que recebia pensão alimentícia na data do óbito concorrerá em igualdade de condições com os dependentes da classe I. aplicação das regras da dependência. 1º) Verifica-se a existência de dependentes da classe I. se existirem, a análise se encerra, haja vista que serão eles os dependentes do segurado falecido ou recluso. 2º) Se não existirem, passa-se à segunda fase os dependentes da classe II. Se existirem, passa-se à análise da dependência econômica, que deverá ser provada. Se conseguirem provar, serão eles os dependentes do segurado falecido ou recluso. 3º) Se não existirem dependentes da classe II, passa-se para a terceira fase, os dependentes da classe III. Se existirem, analisa-se, como no caso da fase 2, a dependência econômica. Assim, os pais (dependentes da classe II) somente terão direito ao benefício do filho se este não tiver nenhum dependente da classe I (o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não-emancipado de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido) e os pais comprovarem a dependência econômica. Assim, os pais (dependentes da classe II) somente terão direito ao benefício do filho se este não tiver nenhum dependente da classe I (o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente) e os pais comprovarem a dependência econômica INSCRIÇÃO DO DEPENDENTE A inscrição de dependente, para efeitos perante a previdência social, será promovida quando do requerimento do benefício a que tiver direito, mediante apresentação da seguinte documentação: Para os dependentes preferenciais: a) cônjuge e filhos certidões de casamento e de nascimento; b) companheira e companheiro documento de identidade e certidão de casamento com averbação da separação judicial ou divórcio, quando um dos companheiros ou ambos já tiverem sido casados, ou de óbito, se for o caso; e c) equiparado a filho certidão judicial de tutela e, em se tratando de enteado, certidão de casamento do segurado e de nascimento do dependente. Para os pais certidão de nascimento do segurado e documentos de identidade dos mesmos. Para o irmão certidão de nascimento. No caso de equiparado à filho, a inscrição será realizada por meio da comprovação da equiparação por documento escrito do segurado falecido manifestando essa intenção, da dependência econômica e declaração de que não tenha sido emancipado. Os pais ou irmãos deverão, para fins de concessão de benefícios, comprovar a inexistência de dependentes preferenciais, mediante declaração firmada pelo INSS. De acordo com o disposto no art. 22, 3º, do Decreto 3048/99, pra comprovação do vínculo e da dependência econômica, conforme o caso, devem ser apresentados no mínimo três dos seguintes documentos: I - certidão de nascimento de filho havido em comum; II - certidão de casamento religioso; III - declaração do imposto de renda do segurado, em que conste o interessado como seu dependente; IV - disposições testamentárias; V - anotação constante na Carteira Profissional e/ou na Carteira de Trabalho e Previdência Social, feita pelo órgão competente; VI - declaração especial feita perante tabelião; INSS 2/2011 2

3 VII - prova de mesmo domicílio; VIII - prova de encargos domésticos evidentes e existência de sociedade ou comunhão nos atos da vida civil; IX - procuração ou fiança reciprocamente outorgada; X - conta bancária conjunta; XI - registro em associação de qualquer natureza, onde conste o interessado como dependente do segurado; XII - anotação constante de ficha ou livro de registro de empregados; XIII - apólice de seguro da qual conste o segurado como instituidor do seguro e a pessoa interessada como sua beneficiária; XIV - ficha de tratamento em instituição de assistência médica, da qual conste o segurado como responsável; XV - escritura de compra e venda de imóvel pelo segurado em nome de dependente; XVI - declaração de não emancipação do dependente menor de vinte e um anos; ou XVII - quaisquer outros que possam levar à convicção do fato a comprovar. No caso de dependente inválido, para fins de inscrição e concessão de benefício, a invalidez será comprovada mediante exame médico-pericial a cargo do INSS. Deverá ser apresentada declaração de não-emancipação, no ato de inscrição de dependente menor de 21 anos. IMPORTANTE! A inscrição do dependente gera apenas uma expectativa de direito para este PERDA DA QUALIDADE DE DEPENDENTE Como ocorre com os segurados, o dependente também está sujeito à perda dessa qualidade perante a previdência social, nos seguintes casos (artigo 17 do Decreto n 3.048/99): I - Cônjuge Pela separação judicial ou divórcio, enquanto não lhe for assegurada a prestação de alimentos, pela anulação do casamento, pelo óbito ou por sentença judicial transitada em julgado. II - Companheira ou companheiro Pela cessação da união estável com o segurado ou segurada, enquanto não lhe for garantida a prestação de alimentos. III - Filho e o irmão, de qualquer condição Ao completarem 21 anos de idade, salvo se inválidos, desde que a invalidez tenha ocorrido antes de: a) de completarem 21 anos; b) do casamento; c) do início do exercício de emprego público efetivo; d) da constituição de estabelecimento civil ou comercial ou da existência da relação de emprego, desde que, em função deles, o menor com dezesseis anos completos tenha economia própria; ou e) da concessão de emancipação, pelos pais, ou de um deles na falta de outro, mediante instrumento público, independentemente de homologação judicial, ou por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver dezesseis anos completos. IV- Dependentes em geral Pela cessação da invalidez ou pelo falecimento. IMPORTANTE! Para que o filho e o irmão mantenham a qualidade de dependentes é necessário que eles sejam não emancipados, menores de 21 anos ou inválidos (Lei n 8.213/91, art. 16, I e III). No tocante à idade, se eles não forem inválidos, manterão a qualidade de dependentes enquanto não completarem 21 anos. Mas se forem inválidos, a qualidade de dependente será mantida enquanto durar a invalidez, independente da idade. O inciso II pode ser resumido da seguinte forma: o filho ou irmão não inválido que perdeu a qualidade de dependente em razão de ter completado 21 anos de idade ou da emancipação, se ficar inválido após tal evento, não recuperará a qualidade de dependente perdida. Ou seja, uma vez perdida a qualidade de dependente, esta não será recuperada em razão da invalidez superveniente. IMPORTANTE! Para que o filho e o irmão mantenham a qualidade de dependentes é necessário que eles sejam não emancipados, menores de 21 anos ou inválidos ou tenham deficiência intelectual ou mental, declarada judicialmente, que os tornem absoluta ou relativamente incapazes (Lei n 8.213/91, art. 16, I e III). No tocante à idade, se eles não forem inválidos, manterão a qualidade de dependentes enquanto não completarem 21 anos. Mas se forem inválidos, a qualidade de dependente será mantida enquanto durar a invalidez, independente da idade. Se forem absoluta ou relativamente incapazes em razão de deficiência intelectual ou mental, a qualidade de dependente será mantida enquanto não houver levantamento da interdição. O inciso III pode ser resumido da seguinte forma: o filho ou irmão não inválido que perdeu a qualidade de dependente em razão de ter completado 21 anos de idade ou da emancipação, se ficar inválido após tal evento, não recuperará a qualidade de dependente perdida. Ou seja, uma vez perdida a qualidade de dependente, esta não será recuperada em razão da invalidez superveniente. INSS 2/2011 3

4 IMPORTANTE! De acordo com o art. 26, 1º da IN - INSS n 45/2010, o filho adotado mesmo que receba pensão dos pais biológicos não perde a qualidade de dependente, quando o cônjuge ou companheiro adota o filho do outro. IMPORTANTE! De acordo com o art. 26, 2º da IN - INSS n 45/2010, é assegurada a qualidade de dependente perante a Previdência Social, do filho e irmão inválido maior de 21 (vinte um) anos, que se emanciparem em decorrência, unicamente, de colação de grau científico em curso de ensino superior, assim como para o menor de 21 (vinte e um) anos, durante o período de serviço militar obrigatório ou não OUTROS CONCEITOS E OUTRAS QUESTÕES Cônjuge Cônjuges são o marido e a mulher, unidos pelo casamento. Assim, tanto a esposa do segurado como o marido da segurada são beneficiários do RGPS na condição de dependentes. O Cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato que recebe pensão de alimentos concorrerá em igualdade de condições com os dependentes da classe I (lei n 8.213/91, art. 76, 2 ). Equipara-se a percepção de pensão alimentícia o recebimento de ajuda econômica (IN - INSS n 45/2010. Art. 323, 1 ). Assim, em caso de separação seja judicial ou de fato ou de divórcio o fator determinante para a manutenção da qualidade de dependente é o recebimento de pensão alimentícia. Entretanto, de acordo o entendimento do STJ, a mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial tem direito à pensão previdenciária por morte do ex-marido, comprovada a necessidade econômica superveniente (Súmula n 336 do STJ). Companheiro ou companheira De acordo 3º do art. 16 da Lei n 8.213/91, considera-se companheiro ou companheira a pessoa que, sem ser casada, mantém união estável com o segurado ou segurada. Assim para fins previdenciários, companheira é a mulher que mantém união estável com o segurado. Companheiro é o homem que mantém união estável com a segurada (RPS, art. 16, 5º). União estável é aquela configurada na convivência pública, contínua e duradoura entre o homem e a mulher, estabelecida com intenção de constituição de família (RPS, art. 16 6º e Código Civil, art. 123, caput). Para que seja caracterizada a união estável, é necessário que se façam presentes as seguintes condições: a) convivência pública, contínua e duradoura entre homem e a mulher, estabelecida com a intenção de constituição de família; e b) ambos os companheiros sejam solteiros, separados judicialmente, divorciados, viúvos ou separados de fato. Exclui-se, contudo, da figura jurídica da união estável o que a doutrina chama de concubinato. De acordo com a IN - INSS n 45/2010, art. 323, 3º, conclui-se que poderá ser concedida pensão por morte, apesar do instituidor ou dependente (ambos) serem casados com outrem, desde que comprovada a separação de fato ou judicial e a vida em comum. Filhos de qualquer condição filhos de qualquer condição são aqueles havidos ou não da relação de casamento, ou adotados, que possuem os mesmos direitos e qualificações dos demais, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação, nos termos do 6º do art. 227 da Constituição Federal.com o art. 16, incisos I e III. No caso de filho que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente, mesmo que seja maior de 21 anos, continua sendo dependente do segurado. Caso já tenha sido reconhecida judicialmente tal situação, para considerar este filho como beneficiário na qualidade dependente não será necessária a realização de perícia médica. Para tal fim, a declaração judicial já é suficiente. A idade limite dos filhos e irmãos em face da alteração do Código Civil A Lei , de , revogou o Código Civil de Uma das mudanças refere-se à maioridade das pessoas naturais, que ocorria a partir dos 21 (vinte e um) anos e atualmente se dá a partir de 18 anos, consoante o disposto no art. 5º, caput, do Código Civil: A menoridade cessa aos 18 (dezoito) anos completos, quando a pessoa fica habilitada a pratica de todos os atos da vida civil. Em face da modificação acima relatada, nos perguntamos: teria o Código Civil fixado novo termo (18 anos) para a fixação da dependência do filho não emancipado para efeitos previdenciários? A resposta é negativa. Como obtivemos uma resposta negativa, cabe nos perguntarmos, por quê o Código Civil, não alterou a maioridade na área previdenciária? È simples a resposta, porque a norma especial prevalece sobre a norma geral, segundo o princípio lex specialis derrogat generali. O Código Civil é lei geral, enquanto a Lei n 8.213/91, é lei especial. Portanto, não pode haver a derrogação (revogação parcial de uma lei) pretendida. INSS 2/2011 4

5 Ademais, o art. 2º, 2º, da LICC determina que a interpretação deve ser realizada nesse sentido: A lei nova, que estabeleça disposições gerais ou especiais a par das já existentes, não revoga nem modifica a lei anterior. A Casa Civil da Presidência da República emitiu nota SAJ n.º 42/2003 MF no sentido da permanência do direito à pensão para os filhos, as pessoas a ele equiparadas ou os irmãos que não se emanciparam e que, apesar de já serem maiores, não completaram a idade de 21 (vinte e um) anos prevista em legislação especial, aí incluídos tantos os que já adquiriram o direito à pensão quanto os que já vierem a adquirir, porquanto o novo Código Civil nada alterou, neste aspecto, a legislação previdenciária. Portanto, para efeitos previdenciários a emancipação é considerada, somente, a partir dos 21 anos de acordo A união homossexual Esta questão gerou polêmicas no meio forense. Em face da Ação Civil Pública nº , interposta pelo Ministério Público Federal perante a 3ª Vara Federal, em Porto Alegre-RS, a juíza Simone Barbisan Fortes concedeu liminar, com validade em todo o território nacional, concedendo a pensão por morte a companheiro de segurado falecido. Com base nessa decisão judicial, o INSS, por meio da IN 45/2010, regulamentou a situação dos companheiros homossexuais. De acordo com o art. 25 da IN INSS n 45/2010, o companheiro ou companheira do mesmo sexo de segurado inscrito no RGPS passa a integrar o rol e, desde que comprovada a vida em comum, concorre para fins de pensão por morte e de auxílio-reclusão, com os dependentes preferenciais (Classe I). A Portaria MPS n 513/2010, art. 1, estabelece, que no âmbito do RGPS, os dispositivos da Lei n 8.213/91 que tratam de dependentes para fins previdenciários devem ser interpretados de forma a abranger a união estável entre pessoas do mesmo sexo. O fundamento para a concessão de tais direitos está no princípio da igualdade, pelo qual não se pode discriminar alguém pela preferência sexual. Trata-se de uma realidade social presente, que não pode ser desconsiderada QUADRO RESUMO DA PERDA DA QUALIDADE DE DEPENDENTE Tipo de dependente Cônjuge Companheira ou companheiro Filho e o irmão, de qualquer condição Dependentes em geral Para o filho ou irmão com deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente. Ocorrência Pela separação judicial ou divórcio, enquanto não lhe for assegurada a prestação de alimentos; Pela anulação do casamento; Pelo óbito; ou Por sentença judicial transitada em julgado.(obs: 1) Pela cessação da união estável com o segurado ou segurada, enquanto não lhe for garantida a prestação de alimentos. Ao completarem 21 anos de idade, salvo de inválidos, ou pela emancipação, ainda que inválido, exceto, neste caso, se a emancipação for decorrente de colação de grau científico em curso de ensino superior. Pela cessação da invalidez; ou Pelo falecimento. Pelo levantamento da interdição. Obs:1 O cônjuge mesmo após a separação judicial, continua dependente do segurado desde que lhe seja assegurada a prestação de alimentos, permanecendo na condição de dependente mesmo após a morte do segurado. INSS 2/2011 5

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios

Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BRPT 07 Acordo de Previdência Social entre a República Federativa do e a República Portuguesa Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios Data da Solicitação Este formulário deve ser apresentado

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA nº 1/SEA - de 5/7/2010

PORTARIA NORMATIVA nº 1/SEA - de 5/7/2010 PORTARIA NORMATIVA nº 1/SEA - de 5/7/2010 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO, no uso de suas atribuições e de acordo com o disposto na Lei nº 306, de 21 de novembro de 2005 e Decreto nº 3.769, de

Leia mais

PREVIDÊNCIA. - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever.

PREVIDÊNCIA. - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever. PREVIDÊNCIA CONCEITO - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever. - Nasce com o Direito do Trabalho, tendo por objetivo minorar

Leia mais

CENSO CADASTRAL PREVIDENCIÁRIO DOCUMENTAÇÃO

CENSO CADASTRAL PREVIDENCIÁRIO DOCUMENTAÇÃO CENSO CADASTRAL PREVIDENCIÁRIO DOCUMENTAÇÃO I Para o censo dos servidores efetivos ativos e aposentados: a) Documento de identificação com foto (Carteira de Identidade ou Carteira de b) CPF; c) Comprovante

Leia mais

eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB

eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB INATIVAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS Eduardo Matta Milton da Silveira Diretor de Administração dos Benefícios Previdenciários eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB O que vou levar? Como

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

segurado especial. A palavra facultativamente, nesse caso, significa opção. Portanto, o especial, apesar de ser segurado obrigatório (vínculo

segurado especial. A palavra facultativamente, nesse caso, significa opção. Portanto, o especial, apesar de ser segurado obrigatório (vínculo SEGURADO ESPECIAL Disciplinando-se a fazer o que você sabe que é certo e importante, embora difícil, é a estrada para o orgulho, autoestima e satisfação pessoal. Margaret Thatcher A pessoa física residente

Leia mais

19/03/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos 1

19/03/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos 1 1 Lei 8213/91 alterada pela Lei nº 12.873/2013 Salário Maternidade Art. 71-A. Ao segurado ou segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido

Leia mais

Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários.

Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários. Convênio Petros / INSS - Passo a passo para Participantes e Beneficiários. Prezado(a) Participante / Beneficiário(a), A Petros firmou um Convênio diretamente com o INSS, a fim de permitir aos empregados

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL 55 No Brasil, há benefícios devidos ao segurado e àqueles que dependem do segurado. Para ter direito aos benefícios, é preciso estar inscrito no INSS e manter suas contribuições em dia. Na maior parte

Leia mais

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl...

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl... Page 1 of 6 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.012, DE 05 DE JULHO DE 2007 Altera a Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978; a Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968; a Lei Complementar nº 207, de 5 de janeiro

Leia mais

Desejo requerer o Benefício de Prestação Continuada na(s) seguinte(s) opção(ões):

Desejo requerer o Benefício de Prestação Continuada na(s) seguinte(s) opção(ões): Nome do(a) Participante DADOS DO(A) PARTICIPANTE Matrícula Data de Nascimento CPF Telefone ( ) Conta bancária para recebimento do benefício Nº da Agência Código de Operação Nº da Conta - DV Endereço do(a)

Leia mais

Notas técnicas. Introdução

Notas técnicas. Introdução Notas técnicas Introdução As Estatísticas do Registro Civil são publicadas desde 1974 e fornecem um elenco de informações relativas aos fatos vitais, casamentos, separações e divórcios ocorridos no País.

Leia mais

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares)

MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO. (para servidores militares) TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO nº 260/2013 ARQUIVOS DE IMPORTAÇÃO (para servidores militares) VERSÃO 2014 Layout para a importação

Leia mais

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 2008.70.62.001065-5 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente: Instituto Nacional do Seguro Social INSS Recorrido: PATRICK JUNIOR MORETTI, representado por TEREZINHA ZINO DE GOIS

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS E O SINTRASP/SC PARA ADMINISTRAÇÃO DE PLANO DE BENEFÍCIOS.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS E O SINTRASP/SC PARA ADMINISTRAÇÃO DE PLANO DE BENEFÍCIOS. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS E O SINTRASP/SC PARA ADMINISTRAÇÃO DE PLANO DE BENEFÍCIOS. CONTRATANTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SEGURANÇA

Leia mais

A respeito do regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir.

A respeito do regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. XX. (Auditor Governamental/CGE-PI/CESPE/2015): Direito Previdenciário A respeito do regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. 64. A dependência econômica do irmão menor de 21 anos de

Leia mais

COLÉGIO METODISTA GRANBERY EDITAL 2015 BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016

COLÉGIO METODISTA GRANBERY EDITAL 2015 BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 COLÉGIO METODISTA GRANBERY EDITAL 2015 BOLSAS DE ESTUDO ANO LETIVO 2016 A Comissão Permanente de Bolsas de Estudo do Instituto Metodista Granbery torna público o edital para o processo de concessão de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

O empregado doméstico deverá apresentar, por ocasião da sua admissão, os seguintes documentos:

O empregado doméstico deverá apresentar, por ocasião da sua admissão, os seguintes documentos: Empregado Doméstico- Aspectos Gerais 1. Introdução A Lei nº 5.859/72, no seu art. 1o, define empregado doméstico como aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ GABINETE DA PRESIDÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ GABINETE DA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 055/2005- TJAP PODER JUDICIÁRIO Institui regulamento para fins de promoção por merecimento de Serventuário da Justiça, e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições legais e, tendo

Leia mais

Regime Próprio de Previdência Social

Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social RPPS é o regime de previdência, estabelecido no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios que assegura,

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

Parágrafo 2o - O Certificado é assinado pelo presidente do CONRE ou por seu substituto legal.

Parágrafo 2o - O Certificado é assinado pelo presidente do CONRE ou por seu substituto legal. RESOLUÇÃO CONFE Nº 129, DE 25 DE AGOSTO DE 1982. Dispõe sobre o Certificado Especial de Habilitação, registro provisório, registro definitivo, baixa e reativação de registro de estatístico, transferência

Leia mais

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RESOLUÇÃO Nº: 025 DO SESCOOP/PR 08/07/2004. SUMÁRIO Finalidade 1. Da Finalidade 2. Da Admissão 3. Da Carteira de Trabalho

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário 2º Encontro Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários do RGPS Requisitos para a concessão de benefícios previdenciários 1) Requisitos Genéricos a) Adquirir

Leia mais

EDITAL Nº 008/2015, DE 18 DE JUNHO DE 2015. Processo Administrativo nº. 1.045.514/15

EDITAL Nº 008/2015, DE 18 DE JUNHO DE 2015. Processo Administrativo nº. 1.045.514/15 EDITAL Nº 008/2015, DE 18 DE JUNHO DE 2015. Processo Administrativo nº. 1.045.514/15 Processo seletivo simplificado para contratação emergencial por tempo determinado de um(a) professor(a) de História.

Leia mais

11/09/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 218 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 219 12

11/09/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 218 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 219 12 218 219 12 220 221 13 222 223 14 224 225 15 226 227 16 228 229 17 230 231 18 232 233 19 234 235 20 236 237 21 238 239 22 Direito Adquirido a Aposentadoria antes da EC nº 20/98 240 241 23 242 Benefício

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 14.330, de 28 de outubro de 2003. Regulamenta o inc. VIII do art. 17, os arts. 107, 108, 109 e 110, da Lei Complementar nº 478, de 26 de setembro de 2002,

Leia mais

Informativo 26/2015. SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15

Informativo 26/2015. SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 SEGURO- DESEMPREGO Resolução Nº 754, de 28.08.15 Informativo 26/2015 SEGURO-DESEMPREGO PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Resolução nº 754, de 26.08.15 O Ministério

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos.

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1. Contrato Individual de Trabalho arts. 442 a 456 da CLT: 1. Conceito: É o

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta a Lei nº 14.097, de 8 de dezembro de 2005, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dispõe sobre a geração e utilização de créditos tributários

Leia mais

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a);

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Quem são os dependentes: Cônjuge, companheiro(a), filhos menores de 21 anos, não emancipados ou inválidos e filhos até 24 anos cursando

Leia mais

Resolução nº 106, de 11 de dezembro de 1968 1

Resolução nº 106, de 11 de dezembro de 1968 1 RESOLUÇÃO Nº 106 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 10.12.1968, e de acordo com o disposto nos arts. 59, da Lei nº 4.728, de 14 de julho de

Leia mais

FORMULÁRIO DE RECADASTRAMENTO

FORMULÁRIO DE RECADASTRAMENTO DADOS CADASTRAIS Nome (não abrevie): Sexo: Data de Nascimento: / / Estado Civil: CPF:.. - Identidade: xxxx - Data de Emissão: / / Expedidor: Naturalidade: Nacionalidade: Mãe: Pai: Banco: Agência: Conta

Leia mais

MÓDULO RPPS ItabiraPrev. Instituto de Previdência de Itabira Lei Municipal nº 4.456, de 30/08/2011

MÓDULO RPPS ItabiraPrev. Instituto de Previdência de Itabira Lei Municipal nº 4.456, de 30/08/2011 MÓDULO RPPS Instituto de Previdência de Itabira Lei Municipal nº 4.456, de 30/08/2011 Regimes Previdenciários Art. 194, CF/1988 RGPS Regime Geral de Previdência Social RPPS Regime Próprio de Previdência

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO B

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO B JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070500116485/PR RELATORA : Juíza Narendra Borges Morales RECORRENTE : KANAYO TAKII NITTA E JULIANE NITTA RECORRIDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE PARA O MENOR SOB GUARDA À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE PARA O MENOR SOB GUARDA À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE PARA O MENOR SOB GUARDA À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PENSÃO POR MORTE... 4 3 DEPENDENTES

Leia mais

Assim, a validade de um contrato de trabalho está adstrita ao preenchimento de requisitos estabelecidos pelo art. 104 do CC.

Assim, a validade de um contrato de trabalho está adstrita ao preenchimento de requisitos estabelecidos pelo art. 104 do CC. Contrato de Trabalho Conceito segundo Orlando Gomes Contrato de Emprego (Trabalho) é a convenção pela qual um ou vários empregados, mediante certa remuneração e em caráter não eventual prestam trabalho

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 O que é o Recadastramento? Quem deve se recadastrar? Quem está afastado também deve se recadastrar? Quem NÃO deve se recadastrar? Quando realizar o recadastramento?

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito previdenciário da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da União Com base no direito previdenciário,

Leia mais

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 Ementa: Uso de contenção mecânica pela equipe de enfermagem, ante a recusa do paciente em receber tratamento. 1. Do fato Enfermeiro informa o

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870580000930/PR RELATORA : Juíza Ana Beatriz Vieira da Luz Palumbo RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS RECORRIDO : DIRCÉLIA PEREIRA 200870580000930

Leia mais

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência Art. 70-A. A concessão da aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade ao segurado que tenha reconhecido, em avaliação médica e funcional realizada por perícia própria do INSS, grau de deficiência

Leia mais

Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07

Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07 Acordo de Previdência Social entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07 1

Leia mais

ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA

ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA Publicado no: Boletim de Serviço Especial nº 01, de 13 de janeiro de 2015 ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA DA FINALIDADE Art. 1º - Regulamentar

Leia mais

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A.

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. 1. OBJETIVO DO PLANO O Plano de Opções de Compra de Ações ( Plano ) tem por objetivo a outorga de Opções de compra de ações de emissão da WEG S.A. ( Companhia

Leia mais

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens \PROVIMENTO Nº 110 O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO: a) a Lei nº 11.441/07 que alterou o CPC, possibilitando

Leia mais

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada 18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Capacidade de ser sócio 3. Impedimentos 4. Impedimentos para

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº DESPACHO Remeto à Secretaria do CSDPU a proposta de resolução em anexo, para autuação e distribuição. Adoto como justificativa para a Resolução as considerações constantes em seu preâmbulo. Informo, ainda,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS 1 - O que é Beneficiário Indicado? Qualquer pessoa física indicada pelo Participante conforme definido no regulamento do Plano. 2 - O que

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação renovatória, com fulcro no art. 51 e ss. da Lei n.º 8.245/1991. Foro competente: Vara Cível de Goianésia GO, conforme dispõe o art. 58, II, da Lei n.º 8.245/1991:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAPECERICA DA SERRA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAPECERICA DA SERRA Edital de Abertura de Inscrição Processo Seletivo Simplificado Regional para contratação de Agente de Organização Escolar/2015 A Comissão Especial de Contratação por Tempo Determinado CE CTD da Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE 2015

RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE 2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE 2015 Dispõe sobre as regras de funcionamento e os critérios para operação do seguro funeral. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex Capítulo II TRATAMENTO ADMINISTRATIVO DAS IMPORTAÇÕES -Seção I. Licenciamento das Importações

Leia mais

EDITAL Nº. 09/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO, POR TEMPO DETERMINADO, DE CUIDADOR EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

EDITAL Nº. 09/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO, POR TEMPO DETERMINADO, DE CUIDADOR EM EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL Nº. 09/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO, POR TEMPO DETERMINADO, DE CUIDADOR EM EDUCAÇÃO ESPECIAL O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE TAUÁ-CEARÁ, Prof. João Álcimo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 581/2007

PROJETO DE LEI Nº 581/2007 1 PUBLICADO DOC 09/02/2008, PÁG. 85 EMENDA Nº 01 AO PROJETO DE LEI Nº 581/2007 Altera-se redação do artigo 2º como segue Art. 2º. Ficam instituídas as carreiras dos servidores de nível superior da Prefeitura

Leia mais

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176.

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas Nota

Leia mais

PROCURAÇÃO. É recomendado (embora não obrigatório) que a procuração seja feita por prazo determinado.

PROCURAÇÃO. É recomendado (embora não obrigatório) que a procuração seja feita por prazo determinado. PROCURAÇÃO 1) NORMAS GERAIS. A Procuração lavrada em Repartição Consular brasileira é o mandato pelo qual alguém ("outorgado") recebe de outrem ("outorgante") poderes para, em seu nome, praticar atos ou

Leia mais

CHECKLIST DO ANEXO II EDITAL 02/2015 Para qual membro do grupo familiar e em que situação? Todas as pessoas do grupo familiar a partir de 18 anos.

CHECKLIST DO ANEXO II EDITAL 02/2015 Para qual membro do grupo familiar e em que situação? Todas as pessoas do grupo familiar a partir de 18 anos. Confira se reuniu todos os documentos de acordo com o Anexo II 1. ( ) 2. ( ) Documento Documento de identidade (RG) Cadastro de Pessoa Física (CPF) 3. ( ) Certidão de nascimento 4. ( ) Certidão de óbito

Leia mais

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 711, de 17 de fevereiro de 1961. CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE: Faço saber

Leia mais

PROVIMENTO Nº 22/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das

PROVIMENTO Nº 22/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das PROVIMENTO Nº 22/2015 Regulamenta a forma e os modelos de autorizações de viagens intermunicipais, interestaduais e internacionais de crianças e adolescentes. atribuições, A Corregedora-Geral da Justiça,

Leia mais

INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL SOBRE MUDANÇAS NO PLANSERV

INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL SOBRE MUDANÇAS NO PLANSERV Universidade Estadual de Feira de Santana Autorizada pelo Decreto Federal n.º 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 874/86 de 19/12/86 INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Direito Previdenciário Maratona INSS. Prof. Carlos Mendonça

Direito Previdenciário Maratona INSS. Prof. Carlos Mendonça Direito Previdenciário Maratona INSS Prof. Carlos Mendonça Salário Família Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória,

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

RESUMO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Atualização da 6ª para a 7ª edição Hugo Goes

RESUMO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Atualização da 6ª para a 7ª edição Hugo Goes RESUMO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Atualização da 6ª para a 7ª edição Hugo Goes Orientações : Para realizar as alterações, usaremos o seguinte método: 1. Os textos que serão EXCLUÍDOS estão tachados e realçados

Leia mais

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010)

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) 1) O que é? É uma ferramenta de cálculo simplificado e automatizado

Leia mais

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2005. RELATOR: Senador AUGUSTO BOTELHO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 208, de 2005, que altera a redação do art. 58 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para

Leia mais

Minuta de nova Resolução para o setor de fomento mercantil

Minuta de nova Resolução para o setor de fomento mercantil Minuta de nova Resolução para o setor de fomento mercantil Minuta de Resolução a ser expedida pelo COAF para o setor de fomento mercantil, em substituição às Resoluções nº 13, de 30.9.2005, e nº 20, de

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É um benefício concedido ao servidor, ativo ou inativo,

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso I do 4 do art. 40 da Constituição da República, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DE CONCESSÃO DA BOLSA PROUNI - 1º SEMESTRE LETIVO DE 2016

PROCESSO SELETIVO PARA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DE CONCESSÃO DA BOLSA PROUNI - 1º SEMESTRE LETIVO DE 2016 A UBEC União Brasiliense de Educação e Cultura, Mantenedora das seguintes Instituições de Ensino Superior: A) UCB Universidade Católica de Brasília; B) UNILESTE Centro Universitário do Leste de Minas Gerais;

Leia mais

ANEXO I Documentos necessários para o recadastramento, conforme vínculo.

ANEXO I Documentos necessários para o recadastramento, conforme vínculo. ANEXO I Documentos necessários para o recadastramento, conforme vínculo. Observação 1: É obrigatória apresentação dos documentos originais do servidor ou do pensionista, bem como cópia simples dos mesmos

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO Fevereiro/2012 Apresentação Prezado participante, Com o objetivo de mostrar como funciona a Fundação Coelce de Seguridade Social Faelce e o Plano de Benefícios Definidos,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

PROGRAME-SE! CRONOGRAMA PROUNI 2013/1

PROGRAME-SE! CRONOGRAMA PROUNI 2013/1 PROGRAME-SE! CRONOGRAMA PROUNI 2013/1 Data Descrição 17/01/13 a 21/01/13 Inscrições dos candidatos 24/01/13 Divulgação do Resultado Candidatos pré-selecionados 1º Chamada 24/01/13 a 30/01/13 Período para

Leia mais

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE

LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE LEI Nº 21.710, DE 30 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a política remuneratória das carreiras do Grupo de Atividades de Educação Básica do Poder Executivo, altera a estrutura da carreira de Professor de Educação

Leia mais

São convenentes neste instrumento:

São convenentes neste instrumento: CONVÊNIO PARA A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SANTANDER UNIVERSIDADES DE MOBILIDADE NACIONAL FIRMADO ENTRE A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG E O BANCO SANTANDER S/A São convenentes neste instrumento:

Leia mais