VOLUME II. Plano de Atendimento à População Atingida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME II. Plano de Atendimento à População Atingida"

Transcrição

1 VOLUME II Plano de Atendimento à População Atingida

2 Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela análise, monitoramento e acompanhamento das ações propostas no Projeto Básico Ambiental (PBA). Neste documento são apresentados diversos planos, programas e projetos cujos principais objetivos são a mitigação e a compensação dos impactos negativos e a potencialização dos impactos positivos gerados pela Usina de Belo Monte. O PBA aqui apresentado foi aprovado pelo IBAMA após uma série de discussões com o empreendedor e tem como objetivo específico orientar a implementação das ações previstas. É preciso ressaltar o dinamismo do licenciamento ambiental assim como do próprio PBA. Neste sentido, a qualquer tempo o Ibama poderá, de acordo com os monitoramentos e acompanhamentos propostos, alterar, propor ou acordar ações que minimizem dificuldades ou potencializem soluções, antes não previstas neste documento. Por sua vez, o PBA define critérios para atendimento da população atingida e prevê mecanismos de participação da sociedade. Dentre estes, destaca-se o Fórum de Acompanhamento Social, com diversas comissões para tratar assuntos específicos afetos à evolução dos planos, programas e projetos desenvolvidos no âmbito do PBA. Este mecanismo de validação social é importante aliado para que o empreendimento sirva como um catalizador no processo de desenvolvimento da região, ao mesmo tempo em que garante a presença e dá voz às entidades sociais das populações diretamente afetadas, e portanto interessadas, pelo empreendimento. A disponibilização de cópias do PBA para consulta da população interessada atende a uma exigência estabelecida pelo IBAMA na Licença de Instalação da UHE Belo Monte.

3 i SUMÁRIO 4. PLANO DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA Programa de Negociação e Aquisição de Terras e Benfeitorias na Área Rural Projeto de Regularização Fundiária Rural Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos Projeto de Indenização e Aquisição de Terras e Benfeitorias Introdução Justificativa Objetivos Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a serem Gerados Equipe Técnica a ser Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos Projeto de Reassentamento Rural Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá Ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas... 89

4 ii Apresentação dos Resultados - Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos Projeto de Reorganização de Áreas Remanescentes Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Reparação Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Programa de Recomposição das Atividades Produtivas Rurais Projeto de Apoio à Pequena Produção e à Agricultura Familiar Introdução Justificativa Objetivo Metas

5 iii Etapas do Empreendimento na qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Monitoramento e Avaliação Responsáveis pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Recomposição das Atividades Produtivas de Áreas Remanescentes Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento na qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Monitoramento e Avaliação Responsáveis pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Projeto de Recomposição das Atividades Comerciais Rurais Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento na qual Deverá ser implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Monitoramento e Avaliação Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Projeto de Reestruturação do Extrativismo Vegetal Introdução Justificativa

6 iv Objetivo Metas Etapas do Empreendimento na qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Monitoramento e Avaliação Responsáveis pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Projeto de Apoio à Cadeia Produtiva do Cacau Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Responsáveis pela Elaboração do Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Fomento à Produção de Hortigranjeiros Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos

7 v 4.3. Programa de Recomposição da Infraestrutura Rural Projeto de Recomposição da Infraestrutura Viária Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas Quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Recomposição da Infraestrutura de Saneamento Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas Quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Relocação de Cemitérios Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapa do Empreendimento na Qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação

8 vi Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveisl pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Programa de Negociação e Aquisição de Terras e Benfeitorias na Área Urbana Projeto de Regularização Fundiária Urbana Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapa do Empreendimento na Qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Indenização e Aquisição de Terras e Benfeitorias Urbanas Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento para Implantação Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Reassentamento Urbano Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapa do Empreendimento na Qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas

9 vii Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Reparação Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapa do Empreendimento no Qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Programa de Recomposição das Atividades Produtivas Urbanas Projeto de Recomposição das Atividades Comerciais, de Serviços e Industriais Urbanas Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas Quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados Equipe Técnica a ser Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos Projeto de Recomposição das Atividades Oleiras e Extrativas de Areia e Cascalho Introdução Justificativa

10 viii Objetivos Metas Etapas do Empreendimento nas Quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliograficas Projeto de Implantação de Estaleiro em Vitória do Xingu Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento na Quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Programa de Acompanhamento Social Projeto de Acompanhamento e Monitoramento Social das Comunidades do Entorno da Obra e das Comunidades Anfitriãs Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais deverá ser Implementado Programas/Projetos Componentes Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas

11 ix Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Atendimento Social e Psicológico da População Atingida Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Anexos Programa de Restituição / Recuperação da Atividade de Turismo e Lazer Projeto de Recomposição das Praias e Locais de Lazer Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Projeto de Reestruturação das Atividades Produtivas de Turismo e Lazer Introdução Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento nas quais Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados

12 x Equipe Técnica Envolvida Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas Programa de Recomposição/Adequação dos Serviços e Equipamentos Sociais Projeto de Recomposição/Adequação da Infraestrutura e Serviços de Educação Justificativa Objetivo Metas Etapa do Empreendimento na qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a serem Gerados Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Projeto de Recomposição dos Equipamentos Religiosos Justificativa Objetivo Metas Etapas do Empreendimento na qual Deverá ser Implementado Área de Abrangência Base Legal e Normativa Metodologia Atividades a Serem Desenvolvidas Apresentação dos Resultados/Produtos a Serem Gerados Interface com outros Planos, Programas e Projetos Avaliação e Monitoramento Responsável pela Implementação Parcerias Recomendadas Cronograma Físico Profissionais Responsáveis pela Elaboração do Programa ou Projeto Referências Bibliográficas

13 xi LISTA DAS FIGURAS FIGURA Fluxograma Relocação Assistida FIGURA Fluxograma Relocação Assistida FIGURA Vista geral da localidade de São Pedro FIGURA Residências em São Pedro FIGURA Sistema de esgotamento sanitário da comunidade da Ressaca FIGURA Sanitário encontra-se na parte externa das residências FIGURA Abastecimento de água por gravidade, feito pelos moradores da comunidade. Atende pequena parte da comunidade FIGURA Abastecimento de água individual FIGURA Sanitário encontra-se na parte externa das casas FIGURA Sanitário encontra-se na parte externa das casas FIGURA Moradores abrindo novo poço. Poço antigo secou devido à redução do nível do rio na época de seca FIGURA O abastecimento de água é individual em maior quantidade na Ilha da Fazenda FIGURA Poucas casas apresentam sanitários internos, que são usados pelos vizinhos que não os possuem FIGURA Poços servem a maior parte das casas, nascente distante que abastece por gravidade FIGURA Equipamentos Sociais e Rurais no Setor Margem Direita do Reservatório do Xingu FIGURA Equipamentos no Setor Margem Esquerda do Reservatório do Xingu 225 FIGURA Distribuição espacial dos principais equipamentos existentes no setor Ilhas Reservatório do Xingu FIGURA Equipamentos no Setor Reservatório dos Canais FIGURA ADA Urbana FIGURA Localização das Áreas Urbanas a serem Afetadas pelo Reservatório Xingu FIGURA Típica escavação do horizonte de argila nos lotes da Sindoalta FIGURA Fabricação artesanal de tijolos na área Sindoalta FIGURA Fôrmas para fabricação artesanal de tijolos FIGURA Estoque comunitário de tijolos crus na área Sindoalta FIGURA Áreas de Potencialidade 1 para Depósitos de Argila, Areia e Cascalho 325 FIGURA Mapa de localização dos depósitos de argila FIGURA Dragas utilizadas no processo extrativo de areia e cascalho FIGURA Porto de areia da ASSARRIXI FIGURA Portos dos areeiros independentes (sem divisão física de limites) FIGURA Público-Alvo do Programa de Acompanhamento Social FIGURA Público-Alvo do Programa de Acompanhamento Social FIGURA Fluxograma de ações do projeto FIGURA Fluxograma de ações dos Balcões de Atendimento FIGURA Programa de Recomposição/Adequação dos Serviços e Equipamentos Sociais Interface com outros Programas e Projetos FIGURA Projeto de Recomposição/Adequação da Infraestrutura e Serviços de Educação Metodologia Nenhuma entrada de índice de ilustrações foi encontrada. LISTA DE QUADROS

14 xii QUADRO Público alvo do Programa de Negociação e Aquisição de Terras e Benfeitorias QUADRO Situação Jurídica dos Imóveis Rurais, segundo Localização QUADRO Equipe Técnica QUADRO Critérios de Elegibilidade QUADRO Expectativa da população quanto ao empreendimento QUADRO Total de Profissionais Envolvidos QUADRO Equipe Técnica QUADRO Equipe Técnica QUADRO Metas estimadas do Projeto de Apoio à Pequena Produção e Agricultura Familiar QUADRO Equipe Técnica Envolvida QUADRO Estabelecimentos comerciais identificados na ADA QUADRO Equipe Técnica Envolvida QUADRO Caracterização do extrativismo Vegetal na ADA da UHE Belo Monte 164 QUADRO Equipe Técnica Envolvida QUADRO Cooperativas de Produtores de Cacau QUADRO Tipos de Sociedades Cooperativas QUADRO Equipe Técnica Prevista para o Projeto de Apoio à Cadeia Produtiva do Cacau QUADRO Equipe Técnica QUADRO Distribuição da População Atraída, por Município QUADRO Instituições de Produtores Rurais Existentes na Área de Influência Direta QUADRO Síntese da cadeia produtiva de produtos hortigranjeiros QUADRO Equipe Técnica Prevista para o Projeto Hortigranjeiros QUADRO Equipe Técnica QUADRO População Atingida pelas Interferências na Infraestrutura Rural QUADRO Projetos Componentes do Programa e seus Objetivos QUADRO Trechos Rodoviários a Serem Adequados QUADRO Equipe Técnica QUADRO Equipe Técnica QUADRO Situação Jurídica dos Imóveis Urbanos QUADRO Condição de Ocupação dos Imóveis Urbanos QUADRO Legislação Relativa à Regularização Fundiária QUADRO Equipe Técnica QUADRO Referências Legais e Normativas QUADRO Métodos de Avaliação Imobiliária Urbana QUADRO Classificação dos imóveis urbanos segundo a ABNT-NBR QUADRO Critérios de Elegibilidade QUADRO Alternativas de Atendimento QUADRO Levantamento de preços de áreas urbanas (lotes/terrenos) segundo fontes pesquisadas QUADRO Roteiro Mínimo para o Laudo de Avaliação Urbana QUADRO Equipe Técnica Necessária para a Implementação do Projeto QUADRO Equipe Técnica QUADRO Tipologia das Edificações nos Imóveis da ADA Urbana QUADRO Material de Construção das Edificações da ADA Urbana QUADRO Área Construída das Edificações da ADA Urbana QUADRO Uso dos Imóveis na ADA Urbana QUADRO Situação Jurídica dos Imóveis da ADA Urbana QUADRO Condição de Ocupação dos Imóveis da ADA Urbana QUADRO Opção de Atendimento no Caso de Remoção

15 xiii QUADRO Referências Legais e Normativas QUADRO Normas e Padrões Internacionais para Orientação de Remoções e Despejos Causados por Projetos de Desenvolvimento QUADRO Critérios de Elegibilidade QUADRO Alternativas de Atendimento QUADRO Equipe Técnica Necessária para a Implementação do Projeto QUADRO Equipe Técnica QUADRO Equipe Técnica QUADRO Equipe Técnica Prevista para o Projeto de Recomposição das Atividades Comerciais, de Serviços e Industriais Urbanas QUADRO Equipe Técnica QUADRO Equipe Técnica Prevista para o Projeto Estaleiro Vitória do Xingu QUADRO Equipe Técnica QUADRO Público-Alvo do Programa de Acompanhamento Social QUADRO Dimensionamento da equipe inicial QUADRO Dimensionamento da equipe na segunda fase / monitoramento: QUADRO Equipe Técnica QUADRO Público-Alvo do Programa de Acompanhamento Social QUADRO Equipe Técnica QUADRO Apresentação de resultados QUADRO Equipe Técnica: Projeto de recomposição das praias e locais de lazer QUADRO Equipe Técnica QUADRO Cronograma do Curso de Guia de Turismo QUADRO Matriz Curricular do Curso Técnico em Guia de Turismo Regional QUADRO Equipe Técnica Prevista para a Implantação do Projeto de Reestruturação das Atividades Produtivas de Turismo e Lazer QUADRO Equipe Técnica Prevista para a Implantação do Projeto de Reestruturação das Atividades Produtivas de Turismo e Lazer QUADRO Equipe Técnica QUADRO Distribuição da População Atraída, por Município QUADRO Demanda das Salas de Aula para Região de Inserção da UHE Belo Monte - EIA QUADRO Distribuição de Alunos por Sala de Aula - MEC QUADRO Atualização da Demanda das Salas de Aula para a Região de Inserção da UHE Belo Monte QUADRO Alunos incorporados as Escolas de Altamira Zona Urbana QUADRO Indicadores Socioeconômicos e suas Fontes de Obtenção

VOLUME IV. Plano de Acompanhamento Geológico/Geotécnico e de Recursos Minerais Plano de Gestão de Recursos Hídricos

VOLUME IV. Plano de Acompanhamento Geológico/Geotécnico e de Recursos Minerais Plano de Gestão de Recursos Hídricos VOLUME IV Plano de Acompanhamento Geológico/Geotécnico e de Recursos Minerais Plano de Gestão de Recursos Hídricos Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza

Leia mais

Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 3 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte

Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 3 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 3 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Os documentos

Leia mais

VOLUME V. Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres

VOLUME V. Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres VOLUME V Plano de Conservação dos Ecossistemas Terrestres Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela análise, monitoramento e acompanhamento das ações

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) 09/11/2015 Escritório da SAI - Entrevista sobre o andamento dos programas do PBA-CI e Licença de Operação. 09/11/2015 Escritório da SAI - Entrevista com técnicos responsáveis pelo setor de compras. 09/11/2015

Leia mais

GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA:

GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA: MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA EXECUTIVA Assessoria Especial de Meio Ambiente GRANDES OBRAS NA AMAZÔNIA: Aprendizados e Diretrizes GT sobre Deslocamentos Compulsórios DESAFIOS NO DESLOCAMENTO

Leia mais

UHE CASTANHEIRA. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Juara, Setembro de 2015

UHE CASTANHEIRA. Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Juara, Setembro de 2015 UHE CASTANHEIRA Estudo de Impacto Ambiental - EIA Juara, Setembro de 2015 Identificação do Consórcio Consultor - Consultoria: Ambiental, Engenharia, Gestão de Projetos; - Atua no Brasil e Exterior; - ISO

Leia mais

Capítulo I - Apresentação

Capítulo I - Apresentação Capítulo I - Apresentação O empreendimento objeto deste, compreende a implantação e operação das infraestruturas de uso comum do Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB), no município de São João

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

Cadastro Socioeconômico, Imobiliário e Fundiário

Cadastro Socioeconômico, Imobiliário e Fundiário Cadastro Socioeconômico, Imobiliário e Fundiário Conteúdo da Apresentação Objetivos e Abrangência Conceito Cadastral Marco Legal Etapas da Ação Cadastral Procedimentos Operacionais: Pré-Cadastro Cadastro

Leia mais

Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 2 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte

Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 2 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte Relação de Documentos Revisados para Elaboração do 2 Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente do Projeto UHE Belo Monte Os documentos disponibilizados para revisão, utilizados para a elaboração

Leia mais

O PACUERA E SEUS DESAFIOS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente

O PACUERA E SEUS DESAFIOS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente O PACUERA E SEUS DESAFIOS Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente USO DE RESERVATÓRIOS Na antiguidade Barragens construídas pelos egípcios na região do rio Nilo para se prevenirem de eventos hidrológicos

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Critérios e Demandas 2 de 5 Avaliação sobre a qualidade das obras entregues Município Situação em fevereiro de 2015 Situação em maio de 2015 Altamira Após a conclusão de uma obra,

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

Parágrafo único. Entende-se como vizinhança o entorno do local afetado pela instalação e funcionamento do empreendimento ou atividade, podendo ser:

Parágrafo único. Entende-se como vizinhança o entorno do local afetado pela instalação e funcionamento do empreendimento ou atividade, podendo ser: CAPÍTULO III DO ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA Art. 32. Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é o documento que apresenta o conjunto dos estudos e informações técnicas relativas à identificação, avaliação,

Leia mais

Disposições do Código Florestal Parte 2

Disposições do Código Florestal Parte 2 Instrumentos da legislação ambiental aplicáveis aos sistemas de infraestrutura Disposições do Código Florestal Parte 2 AUT 192 novembro de 2015 Principais determinações gerais do CF Florestas e demais

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Controle Social 2 de 6 Avaliação sobre o envolvimento de espaços de participação social na implementação do saneamento básico Município Situação em fevereiro de 2015 Situação

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Descrição do Indicador de Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios da Área de Influência Direta da UHE Belo Monte (por ponderada da região)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Prof a Dr a Maria Cristina Rizk 2017 crisrizk@fct.unesp.br www.fct.unesp.br/docentes/plan/crisrizk/ Art. 14. São planos de resíduos sólidos: I - o Plano Nacional de Resíduos

Leia mais

Gerenciamento Social no Metrô de São Paulo. Reassentamento de Famílias e Indivíduos Vulneráveis Atingidos pela Expansão

Gerenciamento Social no Metrô de São Paulo. Reassentamento de Famílias e Indivíduos Vulneráveis Atingidos pela Expansão Gerenciamento Social no Metrô de São Paulo Reassentamento de Famílias e Indivíduos Vulneráveis Atingidos pela Expansão 18ª Semana de Tecnologia Metroferroviária São Paulo 13 de Setembro de 2012 setembro

Leia mais

UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos

UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos UHE Bem Querer EIA/Rima: reuniões públicas informativas início dos estudos 23 a 28 de julho de 2018 Proposta de agenda 18:00 Abertura Qual o objetivo da reunião pública? Quem é a EPE? Em que fase dos estudos

Leia mais

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.4 Programa de Comunicação Social NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência... 4

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

VOLUME I. Apresentação Caracterização do Empreendimento Plano de Gestão Ambiental Plano Ambiental de Construção

VOLUME I. Apresentação Caracterização do Empreendimento Plano de Gestão Ambiental Plano Ambiental de Construção VOLUME I Apresentação Caracterização do Empreendimento Plano de Gestão Ambiental Plano Ambiental de Construção Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela

Leia mais

PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS 5.3 Programa de Negociação Terras e Benfeitorias

PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS  5.3 Programa de Negociação Terras e Benfeitorias PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.3 Programa de Negociação de Terras e Benfeitorias CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Caracterização das Propriedades... 2 1.2. Ações já Realizadas... 4 2. Justificativa...

Leia mais

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 872 de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 17 de junho de 1986. 1. OBJETIVO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO (RAS) PARA EMPREENDIMENTOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL

TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO (RAS) PARA EMPREENDIMENTOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO AMBIENTAL SIMPLIFICADO (RAS) PARA EMPREENDIMENTOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO

Leia mais

5.10. Projeto de Segurança e Alerta. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.10. Projeto de Segurança e Alerta. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Projeto de Segurança e Alerta CAPA 5.10 - Projeto de Segurança e Alerta ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 3

Leia mais

Características da UHE Belo Monte

Características da UHE Belo Monte Realização: Patrocínio: Características da UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. CASA DE FORÇA PRINCIPAL (Sítio Belo Monte) Potência: 11.000 MW (18 x 611,11 MW). Garantia física: 4.419 MW médios. 1ª Unidade

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FGTS - OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

REGULAMENTAÇÃO DO FGTS - OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS REGULAMENTAÇÃO DO FGTS - OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS INSTRUÇÕES NORMATIVAS 13/2016 e 33/2014 Os novos parâmetros urbanísticos devem ser definidos com base na expectativa de atração de população e na

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A 1 APRESENTAÇÃO

NORTE ENERGIA S.A 1 APRESENTAÇÃO NORTE ENERGIA S.A 1 APRESENTAÇÃO De forma a atender aos dispositivos legais para procedimento de Autorização de Supressão Vegetal visando o uso alternativo de solo no âmbito do processo de licenciamento

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Empreendimentos Imobiliários

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Empreendimentos Imobiliários O Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Empreendimentos Imobiliários SECOVI São Paulo Setembro de 2011 Manchete do JT- 17/09/2011 JT- 17/09/2011 Condomínio Barão de Mauá Área crítica: Jurubatuba Camara

Leia mais

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Malária RASTREAMENTO DAS MATRIZES DE Rastreabilidade da Matriz de Indicadores - MALÁRIA - IMPACTOS IMPACTOS E EXPECTATIVAS Aumento do fluxo migratório EIA Volume

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Articulação 2 de 6 Caracterização do arranjo institucional, com foco na gestão do sistema Município Situação em fevereiro de 2015 Situação em maio de 2015 Situação em agosto de

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 30-11-2010 SEÇÃO I PÁG 60-61 RESOLUÇÃO SMA-112 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o Órgão Técnico do Sistema de Planejamento e Gestão da Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) DA BACIA DO RIO TIJUCO MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de estudo para AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA

Leia mais

O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO

O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO SETEMBRO 2017 O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO GOVERNADOR VALADARES 19 MORTES Impacto em diversos municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo, ao longo de 650 quilômetros. 5 NOVEMBRO DE 2015 Rompimento

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA COMPLEXO EÓLICO PIAUÍ LAGOA DO BARRO DO PIAUÍ / PI INTERESSADO: ATLANTIC ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. PROCESSOS SEMAR: 001854/14; 001855/14; 001856/14; 001857/14; 001858/14;

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.10.3 Subprograma de Requalificação Ambiental e Urbana das Vilas de Visconde de Mauá, de Maringá e de Maromba, no Estado do Rio de Janeiro Elaborado

Leia mais

UHE Belo Monte - Indicadores socioambientais do empreendimento (atualizações ressaltadas em amarelo) Periodicidade de Apuração

UHE Belo Monte - Indicadores socioambientais do empreendimento (atualizações ressaltadas em amarelo) Periodicidade de Apuração Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios da Área de Influência Direta da UHE Belo Monte (por município e média ponderada da região) (IDHM) Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal dos municípios

Leia mais

As visões dos Stakeholders sobre o Rio Doce: Situação Atual e Perspectivas

As visões dos Stakeholders sobre o Rio Doce: Situação Atual e Perspectivas As visões dos Stakeholders sobre o Rio Doce: Situação Atual e Perspectivas Germano Luiz Gomes Vieira Secretário de Estado Adjunto Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD Rio de

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DISPOSIÇÕES GERAIS Termo de Referência para apresentação de Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental EIA/RIMA referente a Estabelecimentos Prisionais e Complexos Penitenciários Esse formato visa orientar

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte ,1 MW

Usina Hidrelétrica Belo Monte ,1 MW Usina Hidrelétrica Belo Monte 11.233,1 MW Localização do Empreendimento Projeto Belo Monte Mapa de Localização Projeto Belo Monte CANAL DE DERIVAÇÃO 16 KM Concepção do Projeto após Resolução CNPE - Arranjo

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DISPOSIÇÕES GERAIS Termo de Referência para apresentação de Relatório de Controle Ambiental RCA referente a loteamento do solo urbano exclusiva ou predominantemente residencial Esse formato visa orientar a elaboração de

Leia mais

DESAPROPRIAÇÃO / SERVIDÃO. Setembro de 2014

DESAPROPRIAÇÃO / SERVIDÃO. Setembro de 2014 DESAPROPRIAÇÃO / SERVIDÃO Setembro de 2014 14653-1 - PROCEDIMENTOS GERAIS (Vigente) Não aborda os eventos desapropriação e servidão (Em revisão) 11.1.2 Critérios 11.1.2.1 Desapropriações Apresentação do

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO3: Desenvolvimento de Projeto Executivo dos sistemas de esgotamento sanitário dos Povoados de Chapada e Manchão do Meio em Xambioá/TO

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA, TRANSPORTE E TRÂNSITO

ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA, TRANSPORTE E TRÂNSITO ATRIBUIÇÕES DA 1. DA I. O planejamento, a coordenação, a promoção, a execução e fiscalização de obras e serviços públicos; II. A coordenação do licenciamento dos projetos de urbanização de obras e dos

Leia mais

A nossa missão é atender as suas expectativas aplicando soluções ambientais eficientes que promovam o desenvolvimento econômico atrelado a

A nossa missão é atender as suas expectativas aplicando soluções ambientais eficientes que promovam o desenvolvimento econômico atrelado a A nossa missão é atender as suas expectativas aplicando soluções ambientais eficientes que promovam o desenvolvimento econômico atrelado a sustentabilidade socioambiental. 27 2142-8322 www.elementus-sa.com.br

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 1 3. Objetivos... 2 4. Área de Abrangência...

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL URBANA DA POPULAÇÃO DIRETAMENTE ATINGIDA DE SALTO DA DIVISA, MINAS GERAIS, BRASIL APÓS A IMPLANTAÇÃO DA

Leia mais

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3.326, de 29 de novembro de 1994 Publicada no DOERJ de 09 de dezembro de 1994

Leia mais

Conversando sobre Belo Monte. O que dizem os estudos Parte 1

Conversando sobre Belo Monte. O que dizem os estudos Parte 1 2 Conversando sobre Belo Monte O que dizem os estudos Parte 1 1 2 Vamos continuar nossa conversa sobre o Aproveitamento Hidrelétrico (AHE) Belo Monte. Esta segunda cartilha apresenta algumas conclusões

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FORMATO PARA APRESENTAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) E RESPECTIVO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL (RIMA) DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EIA/RIMA -

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO Ilhéus, 01 de Abril de 2009. OF GAB 013/2009 Senhor Presidente, Em atendimento ao disposto no Art. 73, da Lei Orgânica do Município de Ilhéus, estamos encaminhando à esta Casa Legislativa o Programa de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Assunto: Origem: AHE Belo Monte COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Nota Técnica

Leia mais

Quadro 2.0.a Lista de Reuniões e Entrevistas inspeção realizada no período de 10 a 14 de fevereiro de 2014

Quadro 2.0.a Lista de Reuniões e Entrevistas inspeção realizada no período de 10 a 14 de fevereiro de 2014 (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Quadro 2.0.a no Sítio Belo Monte no Sítio Belo Monte SAF RUC Jatobá SAF RUC Jatobá Leme/ Leme/ Reunião sobre o SGA da. Status da elaboração

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Quadro 2.0.a Coordenação dos EP/ 11/08/2014 Escritório / Escritório da Escritório da Escritório da - Coordenador de SST / Coordenador de SST

Leia mais

5.10. Programa de Segurança e Alerta. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.10. Programa de Segurança e Alerta. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência... 4

Leia mais

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação Legislação Segundo legislação brasileira considera-se impacto ambiental: "qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente causada por qualquer forma de matéria ou energia

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária

Programa de Regularização Fundiária Programa de Regularização Fundiária O Programa de Regularização Fundiária (PRF) é um processo urbanístico, social e jurídico que objetiva a regularização da posse da terra para a população de baixa renda,

Leia mais

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na

Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na Regularização Fundiária em Área de Preservação Permanente na forma da Lei n.º 11.977/09 Gustavo Burgos de Oliveira, Assessor Jurídico do MP/RS. Porto Alegre, 14 de dezembro de 2010. Regularização Fundiária:

Leia mais

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão Panorama Global Crescente preocupação com relação aos IMPACTOS AMBIENTAIS Panorama Nacional Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de reserva legal e áreas de preservação permanente,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Arroio do Meio - Departamento do Meio Ambiente/DMA Formulário para Licenciamento Ambiental

Prefeitura Municipal de Arroio do Meio - Departamento do Meio Ambiente/DMA Formulário para Licenciamento Ambiental FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DE BOVINOCULTURA Regularização 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 REQUERENTE: 1.2 ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA: 1.3 MUNICÍPIO: CEP: 1.4 ENDEREÇO DO EMPREENDIMENTO: 1.5

Leia mais

BALANÇO SOCIAL Os benefícios gerados por meio dos investimentos sociais. Belo Horizonte, 21 de setembro de 2016

BALANÇO SOCIAL Os benefícios gerados por meio dos investimentos sociais. Belo Horizonte, 21 de setembro de 2016 BALANÇO SOCIAL Os benefícios gerados por meio dos investimentos sociais Belo Horizonte, 21 de setembro de 2016 QUEM SOMOS Anglo American é uma mineradora global e diversificada com foco em Diamante, Platina

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

INDICADOR 2A 3 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2017/2020

INDICADOR 2A 3 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2017/2020 INDICADOR 2A 3 PLANO DE APLICAÇÃO PLURIANUAL 2017/2020 Segundo Termo Aditivo do Contrato de Gestão nº 003/ANA/2011 INDICADOR 2 PLANEJAMENTO E GESTÃO Janeiro de 2019 INFORM 1 Informações hidrológicas das

Leia mais

5.7. Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica. Revisão 00 NOV/2013

5.7. Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.7 Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 3 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA OBTENÇAÕ DE LICENCIAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO LICENÇA PRÉVIA 1 - Requerimento 2 - Cadastro 3 - Guia de Recolhimento 4 - Cópia da Publicação do Requerimento e da concessão

Leia mais

Condomínio Belvedere Green

Condomínio Belvedere Green projeto Condomínio Belvedere Green Regularização do Uso e Ocupação do Solo Roteiro de parcelamento Legislação Aplicável 1. Regularização Fundiária Lei nº 10.267/2001 - regulamentada pelo Decreto nº 4.449/2002

Leia mais

Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental. Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental

Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental. Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental Setor de aval. de Proj. de Transp. Rodoviários Setor de aval.de Proj. de Transp.

Leia mais

5.7. Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica. Revisão 00 NOV/2013

5.7. Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.7 Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica CAPA 5.7 - Programa de Reestruturação Produtiva e Reativação Econômica ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já

Leia mais

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.4 Programa de Comunicação Social CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência... 5 5. Metodologia...

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.39 - Plano de Desenvolvimento dos Territórios de Paranaíta, Jacareacanga e Alta Floresta Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional

Leia mais

Apresentar alternativas para conciliar geração de energia e os interesses das comunidades locais

Apresentar alternativas para conciliar geração de energia e os interesses das comunidades locais 1 Objetivos Apresentar alternativas para conciliar geração de energia e os interesses das comunidades locais Debater o remanejamento das populações de empreendimentos de energia Propor caminhos para o

Leia mais

IV - Planta geral, com quadro de áreas, em escala adequada, da implantação do empreendimento, incluindo o sistema de tratamento e disposição final

IV - Planta geral, com quadro de áreas, em escala adequada, da implantação do empreendimento, incluindo o sistema de tratamento e disposição final Resolução SMA - 73, de 2-10-2008 Estabelece os procedimentos para o licenciamento ambiental das atividades de manejo de fauna silvestre, nativa e exótica, no Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Leia mais

2 Áreas de Preservação Permanente APPs. ATENÇÃO! A vegetação da APP deverá ser mantida!

2 Áreas de Preservação Permanente APPs. ATENÇÃO! A vegetação da APP deverá ser mantida! 2 Áreas de Preservação Permanente APPs CONCEITO: Considera-se APP a área, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica

Leia mais

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra;

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; três convenções Biodiversidade, Desertificação e Mudanças climáticas; uma declaração de princípios sobre florestas;

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS MARCUS VINICIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 CONCEITOS DE OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS A OUC

Leia mais

MÓDULO DE ANÁLISE. Situação atual e passos seguintes

MÓDULO DE ANÁLISE. Situação atual e passos seguintes MÓDULO DE ANÁLISE Situação atual e passos seguintes NOVO MODELO DE GESTÃO O Sistema Online de Licenciamento (SOL) reduziu a burocracia, acelerou o trâmite dos processos e garantiu transparência. Tempo

Leia mais

Licenciamento ambiental. para sua empresa!

Licenciamento ambiental. para sua empresa! Licenciamento ambiental A FAZ para sua empresa! LICENCIAMENTO AMBIENTAL Buscando um desenvolvimento econômico sustentável ambientalmente, foram criadas as Políticas de Meio Ambiente, as quais, por sua

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FORMATO PARA APRESENTAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) E RESPECTIVO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL (RIMA) DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS EIA/RIMA - SAN002

Leia mais

Construção ou Readequação de Acesso na Faixa de Domínio da BR-101

Construção ou Readequação de Acesso na Faixa de Domínio da BR-101 Construção ou Readequação de Acesso na Faixa de Domínio da BR-101 Documentação necessária para a solicitação de construção/readequação de Acesso: 1º PASSO: ESTUDO DE VIABILIDADE DO ACESSO a) Ofício: Tipo

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina Teresina (PI), Fevereiro de 2016 1. A SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA 1. SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA Enchentes na Zona Norte 1.

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO. Lei nº , de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6.

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO. Lei nº , de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NA LEI ESTADUAL DE PARCELAMENTO DO SOLO Lei nº 17.492, de 22 de janeiro de 2018, revogou a Lei Estadual n 6.063/82 Lei n 6.063/82 - Dispõe sobre o parcelamento do Solo Urbano e dá

Leia mais

da não implantação dos empreendimentos 4-1

da não implantação dos empreendimentos 4-1 1. INTRODUÇÃO 1.1 Localização 1.2 Contexto 1.3 Projeto 1.4 Organização dos Trabalhos 2. INFORMAÇÕES GERAIS 2.1 Empreendedores 2.2 Consultoria Responsável pela Elaboração do EIA/RIMA 2.3 Empresa Responsável

Leia mais

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental.

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. LOTEAMENTO Sistema de Licenciamento Ambiental SISLAM Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. 1 - Procedimentos de licenciamento: 1. Os responsáveis pelas

Leia mais

Edição Número 161 de 20/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 161 de 20/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 161 de 20/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 350, DE 6 DE JULHO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental específico

Leia mais

ECOINFRA Licenciamento e Gestão Socioambiental em Projetos de Infraestrutura

ECOINFRA Licenciamento e Gestão Socioambiental em Projetos de Infraestrutura ECOINFRA 2017 Licenciamento e Gestão Socioambiental em Projetos de Infraestrutura Painel 4: A interface com a comunidade e partes interessadas no licenciamento ambiental GESTÃO SOCIAL DE EMPREENDIMENTOS

Leia mais

III U Localização na Cidade / Centralidades Regionais

III U Localização na Cidade / Centralidades Regionais I EMPREENDIMENTO E.H.I.S. SÍTIO PAIOLZINHO Vila Yolanda II Cidade Tiradentes Município de São Paulo ENTIDADE ORGANIZADORA APOIO Associação de Auxílio Mútuo da Região Leste ASSESSORIA TÉCNICA RBANIA Arquitetura

Leia mais

I - promoção do desenvolvimento estadual sustentável, com valorização da inovação e da diversidade cultural da comunidade sul-mato-grossense;

I - promoção do desenvolvimento estadual sustentável, com valorização da inovação e da diversidade cultural da comunidade sul-mato-grossense; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Gestão Territorial do Estado de Mato Grosso do Sul (PGT/MS); aprova a Primeira Aproximação do Zoneamento Ecológico- Econômico do Estado de Mato Grosso do Sul (ZEE/MS),

Leia mais

Município de Teixeira de Freitas - Bahia

Município de Teixeira de Freitas - Bahia Município de Teixeira de Freitas - Bahia Esquema de definição dos programas do PLHIS Situação institucional; Situação normativa e legal; Informação e dados municipais; Dinâmica urbana e mercado de solo;

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR 07/2017/CBH RIO DAS VELHAS Belo Horizonte, 07 de fevereiro de 2017.

OFÍCIO CIRCULAR 07/2017/CBH RIO DAS VELHAS Belo Horizonte, 07 de fevereiro de 2017. OFÍCIO CIRCULAR 07/2017/CBH RIO DAS VELHAS Belo Horizonte, 07 de fevereiro de 2017. REF:. SEGUNDO CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE DEMANDA ESPONTÂNEA O Comitê da Bacia Hidrográfica do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO PROGRAMA MUNICIPAL DE AÇUDAGEM

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO PROGRAMA MUNICIPAL DE AÇUDAGEM TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO PROGRAMA MUNICIPAL DE AÇUDAGEM 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 REQUERENTE: 1.2 CPF/CNPJ: 1.3 ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA: 1.4 MUNICÍPIO: CEP: 1.5 ENDEREÇO

Leia mais