TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA"

Transcrição

1 TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS

2 Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como missão integrar científica, cultural, técnica e filosoficamente sua área de abrangência, sendo agente geradora do desenvolvimento nacional sustentável e de inserção e emancipação social, colaborando para a construção de uma nação brasileira soberana e justa, por meio da formação de profissionais competentes e comprometidos com o contexto socioeconômico e cultural brasileiro e regional. Assim, sem deixar de atender ao conjunto das áreas de conhecimentos universais, ocupa-se, em particular, de temáticas brasileiras regionais, quais sejam: Meio Ambiente, Planejamento e Gestão, Ecoturismo, Integração Regional, Programas de Desenvolvimento e Implantação de Serviços, Programas de Saneamento e Saúde Pública, Programas de Educação, incluindo Educação à Distância, Programas de Informatização, dentre outros. O Centro de Ensino Superior Prof. Plínio Mendes dos Santos (CESUP), foi criado em 1974, e implantou, de acordo com o previsto em seu projeto educacional, ainda em 1974, cursos de graduação, realizou pesquisas e implementou projetos de extensão. Em 1989, ampliou a sua atuação com uma nova unidade em Rio Verde de Mato Grosso-MS, para atender a demanda daquela região e sua área de influência. Como parte do seu desenvolvimento, em 1990, o CESUP solicitou ao então Conselho Federal de Educação, autorização para a transformação do Centro de Ensino Superior Prof. Plínio Mendes dos Santos na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (). O reconhecimento da Universidade, pelo atual Conselho Nacional de Educação, deu-se pelo Parecer n.º 153/96, de 02 de dezembro de 1996, homologado por Decreto Presidencial de 18/12/1996. No ano de 2005, a Universidade, após sua larga experiência em ofertar cursos de pós-graduação lato sensu a distância (visto ter sido autorizada pela Portaria nº , de 19/09/2002), decidiu-se pela ampliação da oferta de 2

3 cursos a distância, no âmbito da graduação, sendo Credenciada pela Portaria nº , de 29/11/2005. Mantenedora Base legal da Mantenedora A Anhanguera Educacional S/A (AESA) assumiu o controle acionário do Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda., mantenedor da, em outubro de 2007, em outubro de 2008, o Conselho Universitário decidiu, por unanimidade, pelo novo texto do Estatuto, aprovado, em seguida, pelo Ministério da Educação, por meio da Portaria MEC nº. 879, de 18 de novembro de 2008, veiculada no D.O.U. nº. 225, de 19 de novembro de A partir desta data a Universidade passou a denominar-se Universidade Anhanguera- Uniderp, mantida pelo Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda - CESUP. A Anhanguera Educacional S/A. - AESA incorporou o Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda.-CESUP, em 30 de abril de 2009, conforme Assembleia Geral Extraordinária AGE realizada na mesma data e registrada na JUCESP (NIRE n.º ), em 30 de setembro de 2009, sob o n.º /09-9, e pela Portaria MEC n , de 13 de novembro de 2009, publicada no D.O.U. nº 218, de 16 de novembro de 2009, a mantença da Universidade Anhanguera-Uniderp foi transferida do Centro de Ensino Superior de Campo Grande Ltda.-CESUP, para a Anhanguera Educacional S/A - AESA. A AESA transformou sua natureza social de sociedade anônima para sociedade empresária ltda., em 06 de setembro de 2010, passando a denominar-se Anhanguera Educacional Ltda. - AELTDA., consoante atos registrados na JUCESP (NIRE n.º ), sob o n.º /10-8, em 25 de outubro de Dirigente Presidente: CEO Rodrigo Calvo Galindo 3

4 Mantida Nome: Universidade Anhanguera-Uniderp Código e Nome da IES: 671 Organização Acadêmica: Universidade Categoria Administrativa: Instituição privada com fins lucrativos Portaria de (Credenciamento ou Recredenciamento): Portaria Nº 4.069, de 29 de novembro de 2005 Unidade Ceará / Matriz (Sede) CNPJ: / Rua Ceará, nº333/bairro: Miguel Couto/Campo Grande-MS/CEP: / Fone:(67) Home Page: Unidade Agrárias CNPJ: / Rua Alexandre Herculano, nº1.400/bairro:jardim Veraneio/Campo Grande- MS/CEP: / Fone:(67) Home Page: Unidade Rio Verde de Mato Grosso CNPJ: / Av. Eurico Sebastião Ferreira, nº 930/Centro/Rio Verde de Mato Grosso- MS/CEP: / Fone:(67) Dirigentes Reitora: Leocádia Aglaé Petry Leme Pró-Reitor Administrativo: Evaldo Tadeu Gomes Rosa Pró- Reitor de Extensão: Ivo Arcangelo Vendrusculo Busato 4

5 Pró-Reitora de Graduação, Pesquisa e Pós-Graduação: Luciana P. de Andrade Diretora Acadêmica da Unidade: Eugênia Aparecida dos Santos Histórico do Curso O CST em Estética e foi criado no ano de 2006, por meio da Resolução Nº 020/CONSU/2006 foi reconhecido pela Portaria Nº 286/12 D.O.U. 21/12/12, e é oferecido na Universidade Anhanguera-Uniderp, Unidade Matriz, situada a Rua,Ceará Nº 333, Bairro Miguel Couto, Campo Grande - MS. O regime de matrícula é seriado, e atualmente é oferecido no (s) turno (s), matutino e noturno com 260 vagas, sendo 130 no matutino, e 130 no noturno, com integralização em seis semestres. Formas de Acesso O acesso ao curso ocorre mediante Processo Seletivo é realizado por Concurso Vestibular sob a responsabilidade da Comissão Permanente do Processo Seletivo, que divulga em edital próprio os cursos, os requisitos de ingresso e matrícula, o número de vagas e demais informações. Há dois processos seletivos: o Concurso Principal e o Processo Seletivo Continuado. O ingresso também é possível pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), conforme o desempenho e a classificação do candidato, nos termos dos dispositivos especificados pela Instituição, de acordo com as especificidades de cada curso, registradas nos editais. O Programa Universidade para Todos (PROUNI), criado pelo Ministério da Educação, por meio da MP nº. 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº , de 13/01/2005, tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e tecnológico. A adesão da instituição ao Programa segue as recomendações do Governo Federal. 5

6 Os portadores de diploma de nível superior, devidamente registrado, poderão utilizar este documento para análise e ingresso, no período vigente do processo seletivo, desde que haja vagas remanescentes, ou de acordo com os editais publicados especificamente para o curso de Medicina. O aproveitamento de estudos é concedido com base no requerimento do estudante e as adaptações ao currículo em vigor são determinadas no Plano de Estudos de Adaptação que é elaborado pelo Coordenador do Curso, de acordo com as normas aprovadas pelos Conselhos Superiores e legislação pertinente. Coordenação de Curso As decisões referentes ao curso, sua execução e supervisão são da competência da Coordenação de Curso, grupo gestor composto pelo Coordenador, Colegiado de Curso e Núcleo Docente Estruturante, de acordo com o disposto no Estatuto, Regimento Geral, Normas Acadêmicas, e demais legislações pertinentes em vigor. Naila de Campos Soares, bacharel em Fisioterapia pelo Centro Universitário Unisalesiano de Lins, especialista em Neurologia pelo Centro Universitário Unisalesiano de Lins, mestre em Pediatria, linha de pesquisa: Gastroenterologia Pediátrica Universidade do Estado de São Paulo (UNESP), professora universitária. A Coordenadora, Naila de Campos Soares, que possui 16 anos de experiência profissional, 16 anos de experiência de magistério superior e desses, 5 anos de gestão acadêmica. O Colegiado de Curso em 2015 é composto pelos seguintes representantes: Coordenador do Curso: Profa. Naila de Campos Soares Profa.: Claudionora Neves Souza Profa.: Denise Maria de Oliveira da Silva Gaspar Profa.: Gislene de Campos Soares Pereira 6

7 Profa.: Julice Medeiros Coelho Profa.: Leticia Cortez de Britto Aluno: Marcela Moranti Sena O Núcleo Docente Estruturante atual do curso possui a composição relacionada a seguir: Coordenador do Curso: Profa. Naila de Campos Soares Profa.: Claudionora Neves Souza Profa.: Gislene de Campos Soares Pereira Profa.: Julice Medeiros Coelho Profa.: Letícia Cortez de Britto Corpo Docente O corpo docente possui experiência no magistério superior e experiência profissional não acadêmica. A contratação de novos docentes decorre de processo de seleção, no qual especial atenção é dedicada à tarefa de empregar profissionais com trajetória consolidada, aliada a uma formação sólida com aderência as disciplinas que irá ministrar. A divulgação de vagas é pública e os candidatos são selecionados por provas de títulos, didática, experiência acadêmica e não acadêmica. Ressaltase que a contratação do candidato selecionado é feita nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho, do Plano de Carreira Docente e de diretrizes emanadas da Entidade Mantenedora. A relação dos Docentes que ministram as disciplinas em cada semestre letivo consta registrada na Coordenação do Curso, indicada nos Planos de Ensino e Aprendizagem, e demais documentos complementares a esse Projeto Pedagógico que norteiam a ofertas das disciplinas. Objetivos Gerais do Curso 7

8 O CST em Estética e objetiva formar profissionais Tecnólogos em Estética e plenamente preparados para uma atuação profissional ampla, capaz de integrar equipes em Clínicas de Estéticas, Clínicas de Saúde, Centros de Beleza. Assim, o Curso Superior de Tecnologia Estética e da Universidade Anhanguera-Uniderp visa preparar profissionais competentes para um mercado de trabalho em plena ascensão. Cabe ainda, a este profissional integrar equipes de trabalho tornando-as favorável ao processo histórico de transformações e de compreensão das organizações da sociedade contemporânea no que se refere à estética e à imagem pessoal. Objetivos Específicos do Curso Os objetivos específicos do CST em Estética e são os seguintes: Formar profissionais para atuarem na área de Estética e incluindo: Estética Corporal, Facial, Estética Pré e Pós-Cirúrgica, Maquiagem Profissional, Massagens Corporais, Terapia Capilar, Visagismo, Cosmetologia; Proporcionar o conhecimento das ciências básicas para a prática das atividades de estética e cosmetologia; Capacitar o futuro profissional para o correto uso de técnicas, produtos e equipamentos estéticos, cosméticos, dermatológicos etc; Capacitar o futuro profissional para o trabalho em equipe multidisciplinares nos serviços de estética e cosmética; Formar profissionais para atuar em salões de beleza, representante de produtos, clínicas de estética e médicas, spas, hotéis, casas de repouso, academias de ginásticas etc; 8

9 Proporcionar aos graduados em Tecnologia em Estética e formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, com atenção à saúde, ao meio ambiente e às questões éticas. Perfil de Egresso O CST em Estética e, a fim de atender aos objetivos anteriormente explicitados e formar um profissional capacitado para atuar na área da Estética e, com visão aprofundada acerca das tendências cosméticas, da imagem pessoal e da promoção, proteção, manutenção e recuperação estética, o perfil profissional visado pela Universidade Anhanguera-Uniderp contempla conhecimentos multidisciplinares e vivências das rotinas ligadas às referidas atividades, incluindo competências e habilidades a seguir especificadas. Área de Atuação A área de atuação, que não deve ser confundida com local de trabalho, é definida neste modelo acadêmico como o campo de trabalho e de ocupação do profissional. Definir as áreas de atuação do curso permite selecionar as competências e habilidades necessárias para um profissional com formação generalista e abrangente. Como o CST em Estética e oferece uma formação básica geral e ampla, os profissionais são capacitados para atuar na área da Estética e, com visão aprofundada acerca das tendências cosméticas, da imagem pessoal e da promoção, proteção, manutenção e recuperação estética, o perfil profissional visado pela Universidade Anhanguera-Uniderp contempla conhecimentos multidisciplinares e vivências das rotinas ligadas às referidas atividades, incluindo competências e habilidades a seguir especificadas. 9

10 Competências Profissionais, visadas pelo Curso de Estética e da Universidade Anhanguera-Uniderp: Competências para desempenhar os diferentes procedimentos relativos à aplicação de tratamentos estéticos e cosmetológicos. Competência para avaliar e utilizar processos, produtos e equipamentos nos referidos procedimentos, a fim de estabelecer análise fundamentada e comunicação entre as áreas da estética e cosmética com as áreas da saúde; Competência para planejar, organizar e executar procedimentos estéticos, corporais, faciais, capilares contribuindo para o bem estar dos clientes; Competência para resolver ou encaminhar problemas advindos dos serviços executados, durante, ou após, os procedimentos; Competência para atualização permanente da formação profissional nos aspectos técnico-científicos, estéticos, comportamentais; Competência para observar e analisar com segurança novas tendências, recursos, eficácia de tratamentos, indicação e contraindicação na área da estética e cosmética. Habilidades Profissionais visadas pelo Curso de Estética e da Universidade Anhanguera-Uniderp: Habilidade para avaliar tecnologias, processos e produtos cosméticos; Habilidade para empreender e gerir negócios relativos à área de estética e cosmética referentes a recursos humanos, físicos e materiais; Habilidade para desenvolver metodologias que visam prevenir ou atenuar aspectos estéticos corporais, faciais, capilares; 10

11 Habilidade de comunicação interpessoal para atuação em equipes técnicas ou junto a clientes, mantendo sempre uma conduta confidencial e ética, contribuindo para a auto-estima e bem-estar do cliente; Habilidade para orientar e encaminhar o cliente, quando necessário, a profissionais da área de saúde. Matriz Curricular A matriz curricular está estruturada por disciplinas de área e de curso, cumprindo as determinações legais e as Diretrizes Curriculares do curso, e organizadas com aulas expositivas, atividades práticas, atividades supervisionadas, tais como laboratórios, atividades em biblioteca, trabalhos individuais e em grupo etc. Nas disciplinas que requerem práticas, as atividades presenciais são divididas em atividades teóricas-práticas em laboratórios específicos, sempre respeitando os critérios legais do número máximo de alunos em aulas práticas, no caso das que demandam esse tipo de prática, ou através de desenvolvimento de trabalhos em equipe e discussão de temáticas de interesse da própria matéria/conteúdo ou de enfoque interdisciplinar. A seguir são apresentadas as disciplinas que compõe a matriz curricular do curso: 1 o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Biologia 60 2 Introdução à Estética 40 3 Noções de Sistemas Anatômicos 80 4 Nutrição 40 5 Química Geral e Orgânica 60 6 Desenvolvimento Pessoal e Profissional 40 11

12 Seminário Integrador I 40 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Alterações Cutâneas 60 2 Cosmetologia I 80 3 Fisiologia Aplicada à Estética 80 4 Gestão e Planejamento Aplicados à Estética 40 5 Tricologia 40 6 Responsabilidade Social e Meio Ambiente 40 Seminário Integrador II 40 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Avaliação e Diagnóstico Corporal 80 2 Cosmetologia II 80 3 Psicologia Aplicada à Estética 40 4 Recursos Eletrotérmicos Aplicados à Estética Corporal 80 5 Biossegurança 40 Seminário Integrador III 40 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Avaliação e Diagnóstico Facial 80 2 Recursos Eletrotérmicos Aplicados à Estética Facial 80 3 Terapia Capilar 80 4 Massagem Estética e Relaxante 80 12

13 Seminário Integrador IV 40 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Tópicos Aplicados a Estética 60 2 Estética Capilar 80 3 Estética Corporal 80 4 Estética Facial 80 5 Projeto Multidisciplinar de Auto-Aprendizagem I 160 Subtotal o Semestre N o Disciplina Carga Horária total 1 Imagem Pessoal 40 2 Prática Assistida em Estética Capilar 80 3 Prática Assistida em Estética Corporal 80 4 Prática Assistida em Estética Facial 80 5 Terapias Orientais 40 6 Projeto Multidisciplinar de Auto-Aprendizagem II 160 Subtotal 480 Língua Brasileira de Sinais - Libras 40 Aulas ou Atividades Carga Horária Aulas Teóricas 1460 Aulas Práticas 500 Atividades Complementares / Seminários Integradores 160 Projetos Multidisciplinares 320 Carga Horária Total

14 Disciplinas e Ementas 1º Semestre Biologia Ementa: Visão geral da célula. Organização celular. Componentes químicos da célula. Membrana plasmática. Núcleo. Ciclo celular. Bactérias. Fungos. Biologia dos vírus. Constituintes celulares e intersticiais dos tecidos orgânicos: epiteliais, sanguíneos, conjuntivos, adiposos, cartilaginosos, ósseos, musculares e nervosos. Organização histológica dos principais órgãos dos sistemas: vascular, linfóide, digestório, respiratório e endócrino. Introdução à Estética Ementa: História da Beleza e estudo do Belo. A Estética através dos tempos. Conceitos de beleza. Padrões étnicos da beleza. Áreas de atuação profissional. Qualidade de prestação de serviços. Materiais e equipamentos de trabalho. Noções de estética corporal. Noções de estética facial. Noções de estética capilar e cosmetologia. Tendências na estética. Noções de Sistemas Anatômicos Ementa: Terminologia anatômica. Anatomia de superfície. Planos e cavidades corporais. Sistema ósseo. Sistema muscular. Sistema circulatório. Sistema respiratório. Sistema digestório. Sistema urinário. Sistema reprodutor masculino e feminino. Sistema nervoso. Sistema tegumentar. 14

15 Nutrição Ementa: Conceitos em alimentação e nutrição. Noções de alimentação saudável. Dietas alternativas. Nutracêuticos. Avaliação nutricional da composição corporal. Fatores antinutricionais dos alimentos. Química Geral e Orgânica Ementa: Teoria atômica. Ligações interatômicas. Polaridades de moléculas. Forças intermoleculares. Funções inorgânicas dos compostos. Funções orgânicas dos compostos. Interações químicas. Estudo das soluções. Equilíbrio químico em meio aquoso. Seminário Integrador I Ementa: Estudo de temas transversais semestrais. Atividades teórico-práticas com elaboração de trabalhos a partir de seminários, visitas técnicas, exposições etc. Atividades de auto-estudo e educação continuada. Desenvolvimento Pessoal e Profissional Ementa: Planejamento e desenvolvimento de competências e habilidades para o desenvolvimento pessoal e profissional do acadêmico e futuro graduado, a partir de um tema-problema (anúncio de emprego em sua área de formação). 2º Semestre Alterações Cutâneas 15

16 Ementa: Lesões elementares. Seborréia e acne. Hipolipodistrofias. Dermatoses metabólicas. Dermatoviroses. Dermatozoonoses. Hanseníase. Colagenoses. Micoses superficiais. Doenças bolhosas. Piodermites. Psoríase. Vitiligo. Alterações malignas de pele. Cosmetologia I Ementa: Introdução à Cosmetologia. Fisiologia da pele. Mecanismos de permeabilidade cutânea. Cosméticos classificados por função. Classificação por apresentação. Aplicação das diversas formas cosméticas. Legislação em cosmetologia. Fisiologia Aplicada à Estética Ementa: Organização funcional do corpo humano. Fisiologia da pele e anexos. Sistema tegumentar. Noção de sistema nervoso. Sistema cardiovascular e linfático. Sistema respiratório. Sistema muscular. Sistema endócrino e metabolismo. Sistema digestório. Sistema reprodutor. Gestão e Planejamento Aplicados à Estética Ementa: Administração e organização dos serviços em estética. Procedimentos de gestão e de recursos humanos no trabalho em equipe. Legalização de empresas de serviços estéticos. Administração de material e financeira. Organização do ambiente de trabalho. Noções de marketing. Qualidade em prestação de serviços. Seminário Integrador II Ementa: Estudo de temas transversais semestrais, Atividades teórico-práticas com elaboração de trabalhos a partir de seminários, visitas técnicas, exposições etc. Atividades de auto-estudo e educação continuada. 16

17 Tricologia Ementa: Alterações capilares por agentes físicos. Alterações capilares por agentes químicos. Alterações capilares por agentes mecânicos. Patologias capilares. Tratamento estético em tricologia. Responsabilidade Social e Meio Ambiente Ementa: Ecossistemas. Aquecimento global. A natureza e o comportamento dos sistemas naturais. Objetivos de desenvolvimento do milênio. Reversão de tendências. Sustentabilidade. Responsabilidade empresarial. Marketing sustentável. Educação ambiental para um cidadão global. 3º Semestre Avaliação e Diagnóstico Corporal Ementa: Propedêutica diagnóstica das lesões cutâneas. Exame físico da pele. Semiologia e semiotécnica da Estética. Registro e documentação, enfocando as bases fisiológicas da anamnese. Exame físico geral. Avaliação dos sinais vitais. Avaliação antropométrica (peso, altura, percentual de gordura, dobras cutâneas), ambiental, funcional. Classificação de graus de hidrolipodristrofia e estrias. Biossegurança Ementa: Princípios de microbiologia, parasitologia e virologia. Higiene e profilaxia. Prevenção e controle de infecção. Conceito de assepsia, desinfecção e esterilização. Técnica de lavagem de mãos. Soluções usadas em limpeza e esterilização: princípios ativos e produtos químicos. Métodos e técnicas de limpeza, desinfecção e esterilização. Classificação de materiais. Gerenciamento e descarte de resíduos. Mapa de risco. Legislação ambiental e sanitária. 17

18 Cosmetologia II Ementa: Ativos cosméticos sintéticos e bioativos. Aplicabilidade cosmética dos ativos. Mecanismo de ação doa ativos cosméticos. Compatibilidades e incompatibilidades entre os ativos. Concentrações usuais dos ativos cosméticos. Psicologia Aplicada à Estética Ementa: O homem e a sociedade. A Psicologia e a imagem do homem. A beleza como fator de motivação. Relações humanas. Grupos. Liderança. Trabalho. Comunicação. Recursos Eletrotérmicos Aplicados à Estética Corporal Ementa: Princípios e utilização da corrente elétrica. Fundamentos básicos da eletricidade.efeitos da corrente elétrica nas regiões corporais.uso estético da corrente elétrica de baixa, média e alta freqüência.recursos térmicos. Irradiação.Descarga elétrica. Seminário Integrador III Ementa: Estudo de temas transversais semestrais, Atividades teórico-práticas com elaboração de trabalhos a partir de seminários, visitas técnicas, exposições etc. Atividades de auto-estudo e educação continuada. 4º Semestre Avaliação e Diagnóstico Facial Ementa: Semiologia da pele. Propedêutica diagnóstica das lesões cutâneas. Exame físico da pele. Biotipos cutâneos. Sistema melânico. Alterações dos melanócitos. Aparelhos para avaliação da pele. 18

19 Massagem Estética e Relaxante Ementa: Fundamentos anátomo-fisiológicos da massagem. Massagem clássica (técnicas segmentares, princípios, efeitos, indicações e contraindicações). Massagem do tecido conjuntivo (princípios, efeitos, indicações e contra-indicações).drenagem linfática manual (princípios, efeitos, indicações e contra-indicações). Recursos Eletrotérmicos Aplicados à Estética Facial Ementa: Aplicação de correntes de baixa, média e alta freqüência na Estética Facial. Aplicação do Desicrute. Eletrolifting: conceito, efeitos fisiológicos e terapêuticos, indicações e contra-indicações. Peeling diamante e ultrassônico. Endodermologia/vacuoterapia. Eletroporação facial. Seminário Integrador IV Ementa: Estudo de temas transversais semestrais, Atividades teórico-práticas com elaboração de trabalhos a partir de seminários, visitas técnicas, exposições etc. Atividades de auto-estudo e educação continuada. Terapia Capilar Ementa: Terapia capilar conceito. Técnicas para a manutenção da saúde do couro cabeludo. Técnicas de reestruturação da haste capilar. Ativos para o uso capilar. Anamnese capilar. 5º Semestre 19

20 Estética Capilar Ementa: Estudo das alterações cutâneas do couro cabeludo. Estudo das alterações estruturais capilares. Estudo da ficha de avaliação em estética capilar. Orientação quanto a indicação e a utilização de recursos cosméticos e eletroterápicos. Orientação para a elaboração e aplicação de protocolos para o tratamento da seborréia. Orientação para a elaboração e aplicação de protocolos para o tratamento da queda. Orientação para a elaboração e aplicação de protocolos para a reestruturação da fibra capilar. Estética Corporal Ementa: Caracterização da ficha de avaliação corporal. Gomagem e hidratação. Corrente Russa. Endermologia e vacuoterapia. Ultra-som (3MHz). Eletroporação. Pressoterapia. Técnicas de massagem relaxante, modeladora, quick massage e drenagem linfática. Geoterapia. Bandagens quentes e frias. Aromaterapia. Estética Facial Ementa: Higienização facial. Hidratação facial. Esfoliação química e física. Argiloterapia aplicada a estética facial. Aromaterapia. Máscaras. Organização e elaboração de procedimentos de trabalho. Recursos cosméticos e cosmecêuticos. Projeto Multidisciplinar de Auto-Aprendizagem I Ementa: Projeto multidisciplinar relativo à adoção de técnicas e tecnologias aplicadas à Estética no âmbito de uma Clínica de Estética. 20

21 Tópicos Aplicados à Estética Ementa: Princípios da maquiagem. A trajetória da maquiagem através dos tempos. Tipos de pele. A geometria do rosto. Formatos de rosto, sobrancelhas, olhos, nariz, queixo e lábios. Técnicas de maquiagem para diversos momentos. Biocosméticos. A história da depilação. Métodos de depilação: cera quente e cera fria; cremes, géis e sprays depilatórios. Novas técnicas: depilação a laser, luz pulsátil e eletrólise. 6º Semestre Imagem Pessoal Ementa: Imagem pessoal: princípios, fundamentos e técnicas. Ambiente profissional e social. Comportamento, gestos e fala. Uso adequado do vestuário (regras). Visagismo: introdução, princípios e linguagem visual, processo criativo dos diversos estilos. Prática Assistida em Estética Capilar Ementa: Análise da estrutura capilar com auxílio do videodermatoscópio. Avaliação das características tricológicas. Manutenção da saúde do couro cabeludo: protocolos para combate a caspa, seborréia e queda. Manutenção da saúde da haste capilar: protocolos de hidratação, queratinização e cauterização. Argiloterapia capilar. Prática Assistida em Estética Corporal Ementa: Aplicação prática assistida das técnicas de gomagem e hidratação, corrente russa, endermologia, vacuoterapia. Ultra-som 3Mhz. Eletroporação, pressoterapia, massagem relaxante, massagem modeladora, quick massage e 21

22 drenagem linfática, geoterapia, bandagens quente e fria, aromaterapia. Caracterização dos critérios de avaliação corporal. Organização do protocolo de trabalho. Prática Assistida em Estética Facial Ementa: Aplicação prática assistida das técnicas de higienização cutânea facial, hidratação. Esfoliação física e química. Argiloterapia e aromaterapia, máscaras. Avaliação de caso. Organização do protocolo de trabalho. Critérios para análise e relação de recursos cosméticos e cosmecêuticos. Indicação e elaboração de tratamentos faciais. Higienização cutânea facial. Projeto Multidisciplinar de Auto-Aprendizagem II Ementa: Projeto Multidisciplinar relativo à criação de uma Clínica de Estética. Análise de Mercado. Plano de Negócios. Recursos humanos e materiais. Marketing. Planejamento e gestão estratégica. Terapias Orientais Ementa: Fundamentos das terapias orientais, yin e yang, cinco elementos, shiatsu, reflexologia podal, palmar e auricular, Técnicas de ventosa, moxabustão, dietética chinesa. Feng Shui. Aromaterapia, Cromoterapia. Língua Brasileira de Sinais Libras Ementa: Introdução: aspectos clínicos, educacionais e sócio-antropológicos da surdez. A Língua Brasileira de Sinais - Libras: características básicas da fonologia. Noções básicas de léxico, de morfologia e de sintaxe, com apoio de recursos audio-visuais. Noções de variação. Praticar Libras: desenvolvimento da expressão visual-espacial. 22

23 Bibliografia Básica e Complementar Serão registrados nos Planos de Ensino e Aprendizagem de cada semestre e turma, as referências bibliográficas que fundamentam a disciplina ou módulo. Os Planos de Ensino e Aprendizagem serão disponibilizados e apresentados aos alunos no início de cada período letivo. Regulamentos das disciplinas ou atividades As disciplinas ou atividades que possuem organização didática diferenciada (Estágios supervisionados, Trabalho de Conclusão de Curso, Atividades Complementares etc) são regidas por Regulamento próprio, disponível na Coordenação do Curso e apresentadas pelos professores aos alunos, no início de cada período letivo. Infraestrutura Física e sua Utilização O CST em Estética e disponibiliza 9 salas de aula, sendo uma para cada turma e 6 laboratórios com capacidade e equipamentos adequados e condições satisfatórias para atender suas respectivas atividades teóricas e práticas. Possui ainda o espaço físico que onde se encontra a Coordenação do Curso, responsável pela gestão didático-pedagógica do mesmo, em consonância com o seu Colegiado de Curso e Núcleo Docente Estruturante. Além dessas, outras instalações estão à disposição dos docentes e discentes, tais como: salas para professores e reuniões, secretaria, Departamento de Controle Acadêmico, posto de atendimento bancário, setor de multimeios, setor de reprografia, cantinas, espaços para convivência, salas de estudo e representação estudantil, estacionamentos, auditórios, etc cujo respectivo detalhamento encontra-se apresentado no Programa Institucional da IES. 23

24 Acrescente-se ainda que, para apoiar as atividades do mencionado Curso, a IES possui laboratórios de informática, tecnicamente preparados, com pessoal qualificado. Esses últimos dão o suporte necessário ao desenvolvimento das habilidades relativas à informática em especial, bem como de outras demandas pedagógicas. Biblioteca O Sistema de Bibliotecas da Universidade Anhanguera-Uniderp-SIBI, unidade de apoio ao ensino, pesquisa e extensão, é formado pelo acervo bibliográfico das bibliotecas das duas Unidades em Campo Grande e de outro acervo no campus de Rio Verde de Mato Grosso (MS) e do Centro de Educação à Distância. Na hierarquia da Instituição, o Sistema Integrado de Bibliotecas vinculase ao Departamento de Bibliotecas do Sistema Anhanguera. A aquisição de todo material bibliográfico destinado às bibliotecas pertencentes à Universidade Anhanguera-Uniderp e às bibliotecas participantes é centralizada no Departamento de Bibliotecas da Anhanguera Educacional, através de sugestões das bibliotecas locais, e distribuída para as unidades a que pertence. A catalogação e o processamento técnico dos materiais adquiridos são realizados pela Biblioteca Central e distribuídos para as bibliotecas setoriais e participantes. A Universidade Anhanguera-Uniderp e bibliotecas participantes possuem Regimento e Regulamento, possibilitando a boa prestação de serviços aos usuários. O acervo bibliográfico da Universidade Anhanguera-Uniderp está tecnicamente organizado por assunto, segundo o sistema de Classificação Decimal de Dewey, e por autor de acordo com a tabela PHA. As bibliotecas da Universidade AnhangueraUniderp e bibliotecas participantes atuam no meio acadêmico e junto a comunidade em geral, prestando serviço de disseminação da informação dando apoio ao ensino, pesquisa e extensão da Universidade. 24

25 O material bibliográfico da Universidade Anhanguera-Uniderp e bibliotecas participantes encontram-se à disposição do corpo docente, discente, técnico-administrativo, pessoal de apoio, bem como da comunidade local e para empréstimo inter-bibliotecário. A biblioteca que atende o CST em Estética e encontra-se instalado na Unidade matriz e está à disposição do corpo docente e discente e, também, da comunidade em geral, todo o Sistema de Bibliotecas (SIBI) da Universidade, anteriormente descrito. Informatização As Bibliotecas da Universidade Anhanguera-Uniderp e bibliotecas participantes estão devidamente informatizados para fornecer informações rápidas e precisas a seus usuários. Tal procedimento oferece as vantagens de disseminação seletiva da informação, compilação de bibliografias em menor tempo, obtenção de dados para avaliação quantitativa do acervo, controle de empréstimos etc. Desta forma, evidencia-se a importância da automação na melhoria e eficiência dos serviços prestados. As Bibliotecas da Universidade Anhanguera-Uniderp e bibliotecas participantes utilizam o sistema ALEPH desenvolvido para a gestão de bibliotecas e o banco de dados Oracle. O sistema permite também ao usuário o acesso aos serviços e catálogos da biblioteca e integra em tempo real, às rotinas de controle oferecendo a qualquer usuário operações de buscas, reservas e renovações, sem deslocamento de sua residência ou ambiente de trabalho. Estão disponíveis aos usuários o catálogo do acervo da Universidade Anhanguera-Uniderp e bibliotecas participantes assim como de toda Rede Anhanguera, que pode ser consultado por autor, título, assunto e tombo, bem como permite fazer empréstimo de material bibliográfico de maneira rápida e eficiente. Para a utilização das bases de dados em CD-Rom, encontram-se disponíveis nas Bibliotecas, microcomputadores com Kit Multimídia. 25

26 A Biblioteca Central oferece um Setor de Informática, dotado de hardware, software e de pessoal treinado para programar e manter os serviços de automação. Atualmente, encontram-se instaladas na Biblioteca as seguintes bases de dados: Base de monografias; Base de usuários; Base de periódicos; Base de empréstimos. 26

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2010 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2010 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL MATUTINO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso: Superior Tecnológico em Estética e Cosmética. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso: Superior Tecnológico em Estética e Cosmética. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Superior Tecnológico em Estética e Cosmética Missão O Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética tem como missão formar profissionais qualificados para trabalhar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2013

RESOLUÇÃO CA Nº 001/2013 RESOLUÇÃO CA Nº 001/2013 Aprova a alteração na Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética, da Faculdade Independente do Nordeste. O Conselho Acadêmico - CA da Faculdade

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

CST EM DESIGN DE INTERIORES

CST EM DESIGN DE INTERIORES CST EM DESIGN DE INTERIORES Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CST EM DESIGN DE INTERIORES Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed.

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC NUTRIÇÃO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: NUTRIÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

MANUAL DE ATENDIMENTO SUPERVISIONADO EM PROCEDIMENTOS DE ESTÉTICA E COSMÉTICA

MANUAL DE ATENDIMENTO SUPERVISIONADO EM PROCEDIMENTOS DE ESTÉTICA E COSMÉTICA 0 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CURSO DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATENDIMENTO SUPERVISIONADO EM PROCEDIMENTOS DE ESTÉTICA E COSMÉTICA BELÉM PARÁ 2014 1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA DIRETOR

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA

TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Rio Verde de Mato Grosso - MS

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Rio Verde de Mato Grosso - MS ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Rio Verde de Mato Grosso - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética

Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora A Ata

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Estética e Cosmética

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Estética e Cosmética CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Estética e Cosmética Características Gerais O curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética visa à formação de profissionais para atuar no segmento de Estética, Cosmética

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia

TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia TECNOLOGIA EM Estética e Cosmetologia Características gerais do curso O curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmetologia visa à formação do profissional para atuar no segmento de Estética, Cosmetologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2013 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PROCESSO N 979/12 PROTOCOLO N.º 11.205.949-0 PARECER CEE/CEB N.º 624/12 APROVADO EM 08/08/12

PROCESSO N 979/12 PROTOCOLO N.º 11.205.949-0 PARECER CEE/CEB N.º 624/12 APROVADO EM 08/08/12 PROTOCOLO N.º 11.205.949-0 PARECER CEE/CEB N.º 624/12 APROVADO EM 08/08/12 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL MARTINUS SUBSEDE CENTRO MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Pedido

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Graduação em Estética - Bacharelado Missão O Curso de Estética, tem como missão a formação de profissionais para atuarem no segmento de estética de forma criativa, crítica

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA GERAL/FCSES EDITAL Nº009/2010 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2010 A Secretária Geral da Faculdade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como missão integrar

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

PEDAGOGIA UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS

PEDAGOGIA UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS PEDAGOGIA UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como missão integrar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

FISIOTERAPIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FISIOTERAPIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FISIOTERAPIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Fisioterapia Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/07/2006. Portaria MEC nº 1.319, publicada no Diário Oficial da União de 18/07/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 62-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Escolar, modalidade regular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA Faculdade Campo Limpo Paulista CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA PROJETO PEDAGÓGICO 2015 Sumário 1. Curso e Área de Conhecimento 2.Objetivo 3.Público-Alvo 4.Coordenador 5.Duração

Leia mais

JORNALISMO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS

JORNALISMO UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP. Campo Grande - MS JORNALISMO UNIVERSIDADE ANHANGUERA- Campo Grande - MS Histórico da Universidade Anhanguera-Uniderp A Universidade Anhanguera-Uniderp, localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, tem como missão integrar

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

IX. Descrição da biblioteca quanto ao acervo de livros e periódicos, relacionados à área dos cursos, política de atualização e informatização, área

IX. Descrição da biblioteca quanto ao acervo de livros e periódicos, relacionados à área dos cursos, política de atualização e informatização, área IX. Descrição da biblioteca quanto ao acervo de livros e periódicos, relacionados à área dos cursos, política de atualização e informatização, área física disponível, formas de acesso e utilização BIBLIOTECA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, Publicado no Diário Oficial da União de 21/12/2006 (*) Portaria/MEC nº 2012, publicada no Diário Oficial da União de 21/12/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais