O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO"

Transcrição

1 O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Goiânia, GO, 16 de Outubro de 2014 Armando Z. Milioni SETEC, MCTI

2 ROTEIRO 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI 2 A SETEC: FOMENTO À INOVAÇÃO 3 A TRANSIÇÃO A PARTIR DE DOIS TEMAS PARA DISCUSSÃO

3 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI

4 MCTI ESTRUTURA GERAL CCT Conselho Nacional de CIT Gabinete do Ministro Secretaria Executiva SEPED SETEC SEPIN SECIS CNPq FINEP CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear AEB Agência Espacial Brasileira Agências de financiamento CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos 21 Unidades de Pesquisa e Institutos Tecnológicos

5 MCTI ESTRUTURA GERAL CCT Conselho Nacional de CIT Gabinete do Ministro Secretaria Executiva SEPED SETEC SEPIN SECIS Armando Z. Milioni Anterior: Alvaro T. Prata CNPq FINEP CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear AEB Agência Espacial Brasileira Agências de financiamento CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos 21 Unidades de Pesquisa e Institutos Tecnológicos

6 MCTI ESTRUTURA GERAL CCT Conselho Nacional de CIT Gabinete do Ministro Secretaria Executiva SEPED SETEC SEPIN SECIS Armando Z. Milioni Anterior: Alvaro T. Prata CNPq FINEP CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear AEB Agência Espacial Brasileira Agências de financiamento CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos 21 Unidades de Pesquisa e Institutos Tecnológicos SETEC: Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Três pilares de atuação em quatro Coordenações Gerais

7 2 A SETEC: FOMENTO À INOVAÇÃO

8 SETEC: Três Pilares 1 SETORES TECNOLÓGICOS Biocombustível e Bioenergia CGTS Hidrogênio Energia (Eólica, Solar, Elétrica) Carvão Mineral Minerais Estratégicos (Terras Raras) CGNT Nanotecnologia

9 Incentivos Fiscais (Lei do Bem) Subvenção Econômica SETEC: Três Pilares 2 REGULAÇÃO CGIT EMPRESA INOVADORA RH Qualificados Crédito com taxas juros equalizadas Compras Governamentais Fundos de Capital de Risco

10 Incentivos Fiscais (Lei do Bem) Subvenção Econômica SETEC: Três Pilares 2 REGULAÇÃO CGIT EMPRESA INOVADORA RH Qualificados Crédito com taxas juros equalizadas Compras Governamentais Fundos de Capital de Risco

11 SETEC: Três Pilares 3 SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SBRT: Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas PNI: Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos SIBRATEC Serviços Tecnológicos Extensão Tecnológica Centros de Inovação CGST

12 12

13 13

14 14

15 3 A TRANSIÇÃO A PARTIR DE 2014

16 MCTI 2014 EMBRAPII INT Energia e Saúde IPT Nanobiomanufatura SENAI / CIMATEC Automação e Manufatura PLATAFORMAS DO CONHECIMENTO

17 Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil

18 DA LEI DA INOVAÇÃO LEI , 02 de Dezembro de Art. 20. Os órgãos e entidades da administração pública, em matéria de interesse público, poderão contratar empresa, consórcio de empresas... visando à realização de atividades de pesquisa e desenvolvimento, que envolvam risco tecnológico, para solução de problema técnico específico ou obtenção de produto ou processo inovador.

19 DO DECRETO PNPC Decreto 8269, 25 de junho de 2014 Art. 1º Fica instituído... seguintes objetivos: I realizar encomendas tecnológicas... e II estimular a parceria entre empresas e instituições de pesquisa científica e tecnológica. Art. 2º Considera-se Plataforma do Conhecimento a empresa, o consórcio... que atue para obter resultados concretos para a solução de problema técnico específico ou obtenção de produto inovador de elevado risco tecnológico Art. 9º A plataforma do conhecimento será contratada nos termos do art. 20 da lei

20 O QUE O MUNDO FAZ EUA 45 Innovation Hubs China 16 Mega-projetos tecnológicos Europa 40 Plataformas Tecnológicas

21 DA GOVERNANÇA E IMPLEMENTAÇÃO Governança Comitê Gestor: Casa Civil (preside) + MF / MEC / MDIC / MPOG / MCTI Comitê Técnico: MCTI / MEC / MDIC + Ministérios temáticos Instituições Executoras ICTs Empresas Instituições de Fomento e Financiamento Instituições de Apoio INSTITUTOS SENAI DE INOVAÇÃO - ISI INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA - IST Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério das Cidades Ministério da Saúde Ministério das Comunicações Ministério da Educação Ministérios Parceiros Ministério da Defesa Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério de Minas e Energia

22 DA ESTRUTURA DO PROCESSO SELETIVO Seleção das Plataformas Chamadas Públicas Julgamento e Contratação Avaliação e Acompanhamento IV CNCT, ENCTI, CCT, capacidade científica e empresarial e experiência acumulada. Inscrição e seleção de pré-projetos. Avaliação e seleção de projetos definitivos. Comissão julgadora formada por profissionais, nacionais e internacionais, de reconhecida competência. Avaliação sistemática e periódica dos resultados como condição para continuidade do financiamento.

23 DAS CARACTERÍSTICAS DO PNPC Reunião de lideranças científicas nacionais e estrangeiras para garantir gestão e cooperação Garantia de estabilidade nos recursos para viabilizar pesquisa de fronteira Seleção de base institucional para ancorar consórcios de centros, ICTs, empresas 10 anos Regime especial de contratação de pessoas e de compras Avaliação sistemática por metas, como condição para continuidade de financiamento As plataformas serão avaliadas por seus resultados, pela geração de conhecimento, produtos e processos de relevância para a ciência e para a vida social e econômica do país.

24 QUAIS SERÃO AS PLATAFORMAS? Até 20 Plataformas do Conhecimento Agricultura Saúde Energia Em Aeronáutica Manufatura Avançada TICs 10 Anos Naval e equipamentos submarinos Amazônia Mineral Defesa

25 REFLEXÕES O PNPC supõe a existência de recursos adicionais Nada do que existe será descontinuado E de onde virão esses recursos adicionais? Questão exige reflexão Bolsas do CNPq e Ciências sem Fronteiras poderiam contar com recursos do pré sal Todas as definições ainda por serem referendadas Não há escolhas já feitas ou definitivas, conquanto haja estudos avançados Não é uma corrida o plano é para 10 anos

26 4 DOIS TEMAS PARA DEBATE

27 DOIS TEMAS PARA DEBATE 1) DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PRIVADO (e da estrutura do ensino superior público no Brasil) 2) DO ENSINO NOTURNO 27

28 DOIS TEMAS PARA DEBATE 1) DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PRIVADO (e da estrutura do ensino superior público no Brasil) Na Europa o ensino Superior é quase sempre público e gratuito, ou muito subsidiado (com exceções UK) EUA: 3 em cada 4 alunos na rede pública. Brasil: 3 em cada 4 alunos na rede privada. 2) DO ENSINO NOTURNO No Brasil: maioria absoluta com tendência crescente. Na Europa e nos EUA: quando existe, é como exceção. 28

29 O NÚMERO DE CONCLUINTES AVANÇA Em 2012 (último dado disponível): 876 mil pessoas concluíram um Curso Presencial de Ed.Superior 29

30 MAS A CONCENTRAÇÃO NA REDE PRIVADA TEM CONSEQUÊNCIAS... Em 2012 (último dado disponível): 876 mil pessoas concluíram um Curso Presencial de Ed.Superior 424 mil (quase 50%) em Administração, Direito e Educação Rede Pública: Para cada Eng. Mecânico, 4 Bach. Administração Rede Privada: Para cada Eng. Mecânico, 44 Bach. Administração 30

31 ... COMO MOSTRAM ESTES NÚMEROS ELOQUENTES Em 2012 (último dado disponível): 876 mil pessoas concluíram um Curso Presencial de Ed.Superior 424 mil (quase 50%) em Administração, Direito e Educação Rede Pública: Para cada Eng. Mecânico, 4 Bach. Administração Rede Privada: Para cada Eng. Mecânico, 44 Bach. Administração Rede Pública: Para cada Bach. Física, 29 Bach. Direito Rede Privada: Para cada Bach. Física, 1848 Bach. Direito Fonte: INEP

32 O SISTEMA PÚBLICO DA CALIFÓRNIA 109 unidades 23 unidades 10 unidades Fonte:

33 NO ENSINO FUNDAMENTAL Percentual de alunos matriculados em Turno Noturno 33

34 NO ENSINO MÉDIO Percentual de alunos matriculados em Turno Noturno 34

35 NO ENSINO SUPERIOR Percentual de alunos matriculados em Turno Noturno 35

36

37 GRATO PELA ATENÇÃO! Armando Zeferino Milioni Professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (SETEC) Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e 37

POLÍTICAS PÚBLICAS DE FOMENTO À INOVAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE FOMENTO À INOVAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS DE FOMENTO À INOVAÇÃO Seminário de Polí@cas Públicas para Ecossistemas Regionais de Inovação Armando Z. Milioni SETEC, MCTI, 7 de Outubro, 2014 MCTI ESTRUTURA GERAL CCT Conselho Nacional

Leia mais

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Políticas de educação, ciência, tecnologia e inovação no Brasil na última década Ampliação e aperfeiçoamento

Leia mais

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Dante Hollanda Tecnologista em Ciência e Tecnologia Curitiba, 08 de maio de 2014 1 Estrutura do MCTI 2 Secretaria

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Empresas

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Empresas 1 Políticas Públicas para o Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Empresas Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND Armando Zeferino Milioni, PhD. Secretário de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E INDUSTRIA: POR UMA ESTRATÉGIA OUSADA DE INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro Toubes Prata Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTI Open Innovation Seminar

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministro Marco Antonio Raupp 27/09/2012 Cenário orçamento FNDCT 2013 PLOA PROJETO DE LEI

Leia mais

AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES. IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015

AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES. IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015 1 AÇÕES DE FOMENTO À INOVAÇÃO: REFLEXÕES IX FORTEC Armando Z. Milioni SETEC / MCTI Maio, 2015 2 ROTEIRO 1) MCTI: Estrutura Geral 2) SETEC: Três Pilares de Atuação 3) SIBRATEC Shop e Plataforma ITEC 4)

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação.

Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação. Coordenação Sistêmica de Formação e Qualificação Profissional A qualificação abre as portas da inovação. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Secretaria de Inovação Secretaria

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável Ministro Marco Antonio Raupp Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) Aprovada pelo CCT em 15 de dezembro de 2011 Elaborada com

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5 MCTI - Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Incentivos Fiscais Prof. Dr. Aristeu Gomes Tininis Cuiabá, 15 de dezembro de 2015 MCTI SETEC. AGENDA Programa Inovar Auto. Lei do Bem. Possibilidades

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

o Fomento Público Federal

o Fomento Público Federal Seminário Biotecnologia e Inovação: Programas de Inovação e Incubadoras de Base Biotecnológicas Manaus, novembro de 2009 Algumas informações sobre o Fomento Público Federal Marcio de Miranda Santos Diretor

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 O Programa O SEBRAE, em parceria com o CNPq, desenvolveu o

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Tema 4. Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão. Maria Zaíra Turchi

Tema 4. Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão. Maria Zaíra Turchi Tema 4 Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão Maria Zaíra Turchi Profª Drª Maria Zaíra Turchi Presidente da FAPEG A FAPEG E O FOMENTO À PESQUISA NO ESTADO

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 Governo de Minas ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Atua na coordenação das Relações Internacionais

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

AÇÕES PARA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS INSTITUIÇÕES DA REDE

AÇÕES PARA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS INSTITUIÇÕES DA REDE AÇÕES PARA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS INSTITUIÇÕES DA REDE Novembro, 2013 CONTEXTUALIZAÇÃO Ranking da Produção Científica e Inovação Patentes Depositadas nos EUA Fonte: Ciência, Tecnologia e Inovação no

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

O MCT e suas Unidades de Pesquisa

O MCT e suas Unidades de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria-Executiva Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa O MCT e suas Unidades de Pesquisa LABORATÓRIO NACIONAL DE ASTROFÍSICA Luiz Fernando Schettino

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 II Seminário Brasileiro de Terras-Raras Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 Indústria de Terras Raras no Brasil Proposta de articulação empresarial para integração

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ

PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARANÁ Atribuições FINEP (Concedente) Promotora, financiadora e normatizadora do Programa TECNOVA em âmbito nacional.

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI 14 de setembro 2015 CHAMADA NACIONAL PARA SELEÇÃO DE INCUBADORAS Resultado do acordo de cooperação firmado entre a SAMSUNG,

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa UNIBRAL, apoiado no acordo de cooperação assinado entre Brasil e Alemanha em 31 de outubro de 2000, tem como objetivo estimular

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL.

2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL. 2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL. CONTEXTO MOU 2007 O governo da República Federativa do Brasil e o governo do Estado de Israel assinaram

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Workshop: Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA

Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA MEI-Mobilização Empresarial pela Inovação PRINCIPAIS DIRETRIZES Enfatizar a formação de recursos humanos qualificados Apoiar

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012 Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Foz do Iguaçu, Junho/2012 Trajetória 1984 Iniciativa CNPq 1987 Criação da ANPROTEC 1994 Plano Real 2001 II Conferência CTI 2007

Leia mais

Governança e Sustentabilidade. Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra

Governança e Sustentabilidade. Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra Governança e Sustentabilidade Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra A Pós-Graduação em Governança e Sustentabilidade FECAP foi concebida para fornecer as competências necessárias

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI INSTITUTO EUVALDO LODI IEL Integra o Sistema Indústria juntamente com CNI, SESI, SENAI e Federações Possui mais de 44 anos de atuação em todo o território Brasileiro Tem o compromisso com o aumento da

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

DIRETRIZES DIRETRIZES

DIRETRIZES DIRETRIZES A grande entrada de novos Doutores pelo REUni nas IFES, bem como a capacitação proposta nos âmbitos pré e pós PAPG, deve gerar um aumento significativo na demanda para financiamento de Projetos de Pesquisa.

Leia mais

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação HORIZONTE 2020 O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação Aberto para o mundo! Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação O que é HORIZONTE 2020? Um programa de financiamento

Leia mais

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAPG/BA (Programa de Centros Associados de Pós-Graduação),

Leia mais