UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS COM ÊNFASE NAS PRÁTICAS DO PMI CORRENTES CRÍTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS COM ÊNFASE NAS PRÁTICAS DO PMI CORRENTES CRÍTICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS COM ÊNFASE NAS PRÁTICAS DO PMI CORRENTES CRÍTICAS MARIA APARECIDA RA: HÉLIO RA: CESAR RA: EDUARDO RA: PAULO RA: HENRIQUE RA: Professor: Nelson Rosamilha São Paulo, Abril de 2009.

2 SUMÁRIO 1. CAPÍTULO 1 APRESENTAÇÃO...3 CAPÍTULO 2 - TEORIA RESTRIÇÕES (THEORY OF CONSTRAIN-TOC) HISTÓRIA E DEFINIÇÃO PROCESSO DE RACIOCÍNIO Restrições Físicas Restrições Não- Físicas CAPÍTULO 3 GESTÃO DE PROJETOS E CORRENTE CRÍTICA OS PRINCIPAIS PROBLEMAS CCPM (CRITICAL CHAIN PROJECT MANAGEMENT) O GERENCIAMENTO DOS BUFFERS (PULMÕES) ETAPAS DA APLICAÇÃO DA CORRENTE CRÍTICA A SOLUÇÃO PARA AMBIENTES DE PROJETOS MÚLTIPLOS CAPÍTULO 4 SOFTWARES PARA GERENCIAMENTO SOFTWARES PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS POR CORRENTE CRÍTICA CAPÍTULO 5 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

3 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - PROCESSO DE RACIOCÍNIO PARA AS RESTRIÇÕES NÃO-FÍSICAS...9 FIGURA 2 - ÁRVORE DA REALIDADE ATUAL (DETTNER, 1997, P.28)...10 FIGURA 3 - DIAGRAMA DE DISPERSÃO DE NUVEM...11 FIGURA 4 - ÁRVORE DA REALIDADE FUTURA (DETTNER, 1997, P.28)...13 FIGURA 5 - ÁRVORE DA REALIDADE FUTURA (DETTNER, 1997, P.28)...14 FIGURA 6 - ÁRVORE DE TRANSIÇÃO (DETTNER, 1997, P.28)...14 FIGURA 7 - GERENCIAMENTO DOS BUFFERS EM NÍVEIS...20 FIGURA 8 - CRIAÇÃO DA REDE COM BASE NOS TEMPOS MÉDIOS POR TAREFA...22 FIGURA 9 - IDENTIFICAÇÃO DA CORRENTE CRÍTICA...23 FIGURA 10 - PROTEÇÃO DA CORRENTE CRÍTICA COM A COLOCAÇÃO DO PROJECT BUFFER (PB) E DOS FEEDING BUFFERS (FB)...24 FIGURA 11 - EXEMPLO DE PROJETOS CONCORRENTES...26 FIGURA 12 - RECURSO DRUM...26 FIGURA 13 - CONTENÇÃO ELIMINADA SEGUNDO PRIORIZAÇÃO DE PROJETOS PELA ORGANIZAÇÃO FIGURA 14 - UTILIZAÇÃO DO CAPACITY BUFFERS EM PROJETO...27 FIGURA 15 - PROJETOS ESCALONADOS PELA SINCRONIZAÇÃO DO CAPACITY BUFFER CAPÍTULO 1 APRESENTAÇÃO Este trabalho procura apresentar o método da CORRENTE CRÍTICA e alguns softwares que possuem as ferramentas necessárias para gerenciá-la. Ela pode ser considerada um dos maiores avanços e inovações na área de gerência de projetos dos últimos 30 anos. 3

4 Introdução Em 1984 foi publicado o livro The Goal (A Meta), do físico israelense Eliyahu Goldratt. Ele despertou o interesse de gerentes e diretores de empresas das mais diversas áreas de atuação. Em especial no ambiente de manufatura, onde o contexto do livro se situa, e onde primeiramente a filosofia gerencial chamada de Teoria das Restrições (TOC - Theory of Constraints) foi apresentada. As organizações cada vez mais estão sendo forçadas a aperfeiçoar processos, minimizar custos e aumentar a produtividade, sob pena de perderem mercado em um mundo cada vez mais competitivo e sem fronteiras. Como atingir estes objetivos tem sido na verdade o grande desafio enfrentado por seus gestores. A TOC oferece uma alternativa bastante interessante para esta equação, visualizando a empresa não em partes isoladas, mas como um sistema integrado. Mais especificamente, um conjunto de elementos entre os quais há algum tipo de ligação, ou seja, o desempenho do sistema depende dos esforços conjuntos de todos os seus elementos. Assim como em uma corrente, a empresa é tão forte quanto o seu elo mais fraco. Logo, se quisermos melhorar o desempenho do sistema, precisamos conhecer sua principal restrição e atuar nela, de forma a promover um processo de melhoria contínua. Outra questão com relação à importância dos projetos é seu valor estratégico para muitas empresas. Elas implementam suas iniciativas estratégicas em função das características dos projetos (não repetitivos, possuem duração determinada e resultam em um produto ou serviço único). O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) apresenta uma boa visão das possibilidades de aplicação dos conhecimentos em Gestão de Projetos, quando diz: "Os projetos são desenvolvidos em todos os níveis da organização. Eles podem envolver uma única pessoa ou milhares delas. Podem durar poucas semanas ou cinco anos. Os projetos podem envolver uma unidade isolada da organização ou atravessar fronteiras organizacionais, como ocorre com consórcios e parcerias" (PMI, 2000). 4

5 Além da percepção do crescimento da sua importância, também tem crescido a oferta de softwares voltados ao planejamento e controle de projetos. Novas funcionalidades e algoritmos têm surgido com o objetivo de tornar mais fácil as atividades de gerentes e recursos no desempenho de suas atribuições nos projetos. Infelizmente, apesar de todos os avanços na tecnologia, toda a experiência acumulada e de todos os estudos já realizados e publicados em torno do tema gerenciamento de projetos, os projetos continuam falhando em alcançar seus objetivos (COOKE-DAVIES, 2002). Administrar as incertezas inerentes aos projetos continua sendo tarefa difícil de realizar levando a projetos que ultrapassam suas metas de escopo, prazo e custo. 5

6 CAPÍTULO 2 - TEORIA RESTRIÇÕES (THEORY OF CONSTRAIN-TOC) 1.1 História e Definição Desenvolvida na metade dos anos 80, pelo físico israelense Eliyahu Goldratt, sendo a idéia fundamental desta teoria, é que todo o sistema tangível deve ter pelo menos uma restrição e existe uma causa comum para muitos efeitos. Segundo Goldrat, (1991), a TOC foi pode ser definida como uma filosofia global de gerenciamento empresarial que tem como propósito promover a contínua melhoria do desempenho esperado de qualquer organização, que tenha uma meta bem definida, através de soluções que enfocam suas poucas restrições. Segundo Noreen, et al. (1996), uma restrição num sistema é qualquer coisa que impeça o mesmo de alcançar seus objetivos. Então, é a restrição quem dita o ritmo do sistema, podendo ser um recurso, a demanda de mercado, a escassez de matéria-prima ou a uma política administrativa, e complementam afirmando que, se o sistema não possui restrição, então o sistema pode produzir uma quantidade infinitamente, e seus lucros serão infinitos. As restrições irão determinar a saída (ganho) do sistema, quer sejam reconhecidas e controladas ou não. A maioria dos processos de um sistema possui uma seqüência interdependente na cadeia. Fazendo uma analogia entre uma empresa e uma corrente, quando se traciona uma corrente ela se quebrará no elo mais fraco, ou seja, na restrição. Portanto para aumentar a resistência da corrente deve-se, concentrar os esforços no elo mais fraco, ou seja, na restrição. Por outro lado, o aumento da resistência de qualquer outro elo que não o mais fraco, de nada afetará a resistência da corrente como um todo. 6

7 Uma das grandes contribuições da TOC é o seu processo de melhoria contínua, a TOC, prega que toda ação tomada por qualquer parte da empresa deveria ser julgada pelo seu impacto no propósito global. Isso implica que, antes de lidarmos com aprimoramentos em qualquer parte do sistema, primeiro precisamos definir qual é a meta global Para tanto, é fundamental a organização conhecer a meta do sistema em questão. Não se pode controlar o que não se pode medir (Tom DeMarco, 1982) As medidas vão permitir o julgamento do impacto de qualquer ação local nessa meta. A principal premissa da TOC está no resultado financeiro, tendo em vista que se não existisse a restrição, seu lucro seria infinito. A TOC classifica as principais restrições em: físicas (Recursos) e não-físicas (políticas e emocionais). 1.2 Processo de Raciocínio Os processos de otimizações para melhoria contínua da TOC, para as restrições físicas, conduzem os esforços em direção à meta de qualquer sistema. Está dividida em 5 (cinco) passos: Primeiro passo, identificar a restrição do sistema: Numa fábrica haverá sempre um recurso que limita o seu fluxo máximo, assim como numa corrente há sempre um elo mais fraco, ou seja, apenas poucos pontos-chave do nosso sistema precisam de atenção contínua; Segundo passo, decidir como explorar a restrição do sistema: Após identificar a restrição, preciso garantir que sempre haja um estoque de segurança na frente da restrição; Terceiro passo, subordinar tudo o mais à decisão acima: Os outros recursos devem trabalhar ao passo da restrição, e não mais rápido ou mais devagar. A falta de outro recurso, provavelmente irá atrapalhar o desempenho do sistema; Quarto passo, elevar a restrição do sistema: Tirar o máximo da restrição, nesta etapa devemos considerar as várias alternativas para investir mais na restrição: mais turnos, mais um recurso idêntico entre outras; 7

8 Quinto passo, se no passo anterior uma restrição foi quebrada, volte à primeira etapa, mas não deixe que a inércia cause uma restrição no sistema: Quando uma restrição é quebrada, parece que não nos preocupamos em revisar essas regras. Como resultado, nossos sistemas estão, na sua maioria, limitados por restrições políticas Restrições Físicas Os processos de otimização para melhoria contínua da TOC, para as restrições físicas, conduzem os esforços em direção à meta de qualquer sistema. Está dividida em 5 (cinco) passos: - Identificar a restrição do sistema Numa fábrica haverá sempre um recurso que limita o seu fluxo máximo, assim como numa corrente há sempre um elo mais fraco, ou seja, apenas poucos pontos-chave do nosso sistema precisam de atenção contínua. - Decidir como explorar a restrição do sistema Após identificar a restrição, preciso garantir que sempre haja um estoque de segurança na frente da restrição. - Subordinar tudo o mais à decisão acima Os outros recursos devem trabalhar ao passo da restrição, e não mais rápido ou mais devagar. A falta de outro recurso, provavelmente irá atrapalhar o desempenho do sistema. - Elevar a Restrição do Sistema Tirar o máximo da restrição. Nesta etapa devemos consideramos as várias alternativas para investir mais na restrição: mais turnos, mais um recurso idêntico entre outras. Se num passo anterior uma restrição foi quebrada, volte à primeira etapa, mas não deixe que a inércia cause uma restrição no sistema Quando uma restrição é quebrada, parece que não nos preocupamos em revisar essas regras. Como resultado, nossos sistemas estão, na sua maioria, limitados por restrições políticas. 8

9 1.2.2 Restrições Não- Físicas Os 5 passos de melhoria contínua são facilmente entendidos se pensamos em restrições físicas, como a falta de capacidade de um recurso produtivo. Mas eles também podem ser aplicados em outras situações. Uma maneira de entender os 5 passos é olhar para as 3 (três) perguntas do processo de mudança da TOC, como pode ser observado na figura 1. Como provocar a mudança? O que mudar? Mudar para o que? Figura 1 - Processo de Raciocínio para as restrições não-físicas A interpretação da figura 1 nos permite identificar que para uma lista de sintomas, deve ser feita uma análise de causa e efeito com objetivo de identificar a causa principal do problema. Nas organizações, o problema principal é inevitavelmente um conflito não resolvido, chamado pela teoria de Core Conflict ou Conflito Principal. O processo de raciocínio nos permite de forma lógica as premissas por trás do conflito principal, e identificar o que esta por trás dos conflitos (doença) e permitindo assim traçar estratégias para melhoria de desempenho. 9

10 - O que mudar? A primeira pergunta nos obriga a fazer um diagnóstico da situação, a fim de encontrarmos o problema raiz do sistema (doença). Fazendo uma analogia com a medicina, aqui faremos um diagnóstico levando em consideração os sintomas do sistema (as coisas negativas que estão acontecendo no sistema) e tentamos achar o que está causando esses sintomas, queremos achar a doença do sistema. O pressuposto por trás dessa análise é de que há poucas causas comuns que explicam os muitos efeitos de um sistema. Aceitando esse pressuposto, não devemos atacar os sintomas do sistema, mas sim as suas causas comuns. Para responder a essa primeira pergunta, a TOC disponibiliza como ferramenta a Árvore da Realidade Atual (ARA). A ARA é um diagrama que através de conexões de causa e efeito, interliga todos os sintomas do sistema, permitindo então encontrarmos o problema raiz (a restrição). A Árvore da Realidade Atual pode ser visualizada através da figura 2. Árvore da Realidade Atual Efeitos Indesejáveis Efeitos Intermediários Conjunto de Problemas Figura 2 - Árvore da Realidade Atual (Dettner, 1997, p.28). 10

11 A ARA nos permite mapear a situação atual, com objetivo de avaliar a rede de relações de causa e efeito entre efeitos indesejáveis e auxilia na identificação das causas desses efeitos. Sua utilização é muito simples, basta descrever em um desenho simples, os principais sintomas percebidos de uma situação problemática e as suas causas aparentes. O benefício de se fazer isso é que fica muito mais fácil estabelecer relações entre causas e efeitos. - Pra que mudar? Na ARA, nos ajuda a encontrar o que está por trás da doença, ou seja, o que está impedindo a organização de melhora seu desempenho (doença). Na maioria das vezes essa restrição são políticas da empresa. Após encontrar as políticas restritivas da empresa, precisamos definir as políticas, e entender por que essas políticas restritivas ainda existem na organização. Para resolver a política restritiva (o problema raiz), precisamos primeiro definir o conflito por trás dela. Para fazer isso usamos como ferramenta o diagrama de dispersão de nuvem (DDN), ou simplesmente a nuvem. A nuvem é um diagrama de relações de necessidade, que contém 5 entidades. O diagrama de dispersão de nuvem (DDN) pode ser visualizado através da figura 3. Objetivo Necessidade Ação/Vontade B D A C D Figura 3 - Diagrama de dispersão de nuvem 11

12 Condição A, equivale ao objetivo, que é o oposto do problema-raiz da ARA, as condições B e C, são condições necessárias para atingir o objetivo. A condição D é um requisito essencial para atingirmos da necessidade B, e a condição D é um requisito essencial para atingirmos a necessidade C. As setas devem ser lidas como para que, porque, de forma que. Exemplo: Para obtermos A precisamos de B, e para obtermos B precisamos de D. O diagrama de dispersão, visa auxiliar na resolução do problema através das resoluções das seguintes questões: O que cada parte quer? (As respostas serão as caixas D e D'). Identifique claramente por que elas são mutuamente exclusivas, ou por que não podem ser satisfeitas simultaneamente, como exemplo fatal de recurso suficiente. Identifique as necessidades que estão sendo atendidas, ou seja, as ações/vontades de condição B e C, e a razão pela qual cada parte quer o que quer. As respostas serão as caixas B e C. Qual é o objetivo comum que B e C atendem? A idéia é que se não existisse algum objetivo em comum, ou estreitamente relacionado, não haveria conflito. Obtenha acordo quanto ao diagrama. Revise o diagrama e suas relações causais. Desafie as setas entre as caixas, perguntando "por quê?". As condições D e D são entidades mutuamente excludentes, isto é, não podemos ter as duas ao mesmo tempo. Porém nossa percepção (representada na Nuvem) diz que precisamos das duas para atingir o objetivo. Muitas pessoas tenta achar um meio termo, isto é, cede um pouco em D e D. O que precisamos fazer é buscar uma solução que elimine o conflito por completo, é nesse ponto que a nuvem nos ajuda, obrigando-nos a desafiar nossos pressupostos básicos sobre a realidade da empresa, e com isso nos direciona a possíveis caminhos de se sair do conflito. O principal objetivo da nuvem, e ser um norte, uma direção a seguir. 12

13 O próximo passo a seguir é descobrir outras coisas precisamos, para criar na nossa nova realidade, para que possamos melhorar nosso desempenho, ou seja, precisamos criar a construir a árvore da realidade futura (ARF). Na construção da ARF, procuramos por ramos negativos, que são os efeitos colaterais das idéias que estamos elaborando. A Árvore da Realidade Futura pode ser observada através da figura 4. Árvore da Realidade Futura Efeitos Desejáveis Efeitos Intermediários Injeções Figura 4 - Árvore da Realidade Futura (Dettner, 1997, p.28). Quando encontramos ramos negativos precisamos criar idéias que os elimine, essas idéias irão complementar a solução final. Assim, conseguimos curar a doença sem criar grandes efeitos colaterais. - Como provocar a mudança? Com a ARF concluída, já temos a nossa estratégia pronta, sabemos o que precisamos implementar, para melhorar o desempenho do nosso sistema. O próximo passo a seguir, é definir como iremos implementar essa estratégia. Para implementar o plano estratégico, devemos construir a Árvore de Pré-requisitos (APR). No diagrama APR, construímos os passos necessários para implementarmos a ARF, em seqüência lógica. 13

14 Na APR definimos também os objetivos intermediários para ser alcançados para podermos implementar a ARF. A Árvore de Pré-requisitos pode ser observada através da figura 5. Árvore de Pré-requisitos Objetivo Efeitos Intermediários Obstáculos Figura 5 - Árvore da Realidade Futura (Dettner, 1997, p.28). A última etapa é construir a Árvore de Transição (AT), que define que ações a ser tomada, e em que seqüência, para podermos atingir os objetivos intermediários da APR. Na AT descobrimos quais ações são necessárias e suficientes para que mudemos a realidade. A Árvore de Transição pode ser observada através da figura 6. Árvore da Transição Objetivo Efeitos Intermediários Ação Específica Figura 6 - Árvore de Transição (Dettner, 1997, p.28). 14

15 2. CAPÍTULO 3 GESTÃO DE PROJETOS E CORRENTE CRÍTICA 2.1 Os Principais Problemas A atividade de gerenciar projetos consiste em planejar, programar e controlar as tarefas de um projeto de forma que seus objetivos sejam atingidos, oferecendo uma visão integrada de todos os fatores envolvidos nestes projetos. Tem um enfoque humanístico e participativo, orientado para a obtenção de resultados, com a premissa de que os resultados são atingidos por meio do trabalho das pessoas. Além disso, o Gerenciamento de Projetos oferece uma grande variedade de princípios, procedimentos, habilidades, ferramentas e técnicas que são necessárias para alcançar os objetivos previamente planejados. Um projeto não pode ser implantado sem um planejamento, uma programação e um controle adequado, pois existem inúmeras variáveis que influenciam diretamente nas atividades, tornando-os complexos e fazendo com que seus objetivos se distanciem do esperado. A importância do Gerenciamento de Projetos está em poder analisar criticamente o seu andamento e fazer as correções necessárias quando ocorrem problemas ou mudanças que afetam o desempenho frente às metas determinadas. Muitos são os tipos de problemas tradicionalmente apontados pelos gerentes e demais profissionais da área de projetos (GOLDRATT, 1998). Esses problemas podem estar associados aos mais diversos fatores, desde tecnologia da informação até a cultura da organização, passando por problemas de processos e outros. 15

16 Porém, segundo GOLDRATT & FOX (1984), esses problemas facilmente percebidos pela organização não constituem o verdadeiro alvo a ser atingido para melhoria dos resultados. Uma das afirmações mais encontradas a respeito da problemática do gerenciamento de projetos é que os projetos apresentam muitas incertezas. Pode-se dizer, no entanto, que uma vez que a incerteza é uma característica inerente aos projetos (GOLDRATT, 1998; PMI, 2000; SOOD, 2003; CLELAND & IRELAND, 2000), é no gerenciamento adequado dessa incerteza que pode estar o segredo para um bom gerenciamento de projetos. Considerando que a incerteza é inerente aos projetos, que muitos profissionais da área de gerenciamento de projetos não gerenciam adequadamente essas incertezas, e que é freqüente a falta de certos cuidados necessários para garantia de um gerenciamento mais eficaz (WYSOCKI et al, 1995). Pode-se dizer que os impactos da incerteza nos projetos são muito grandes, levando ao surgimento dos muitos problemas percebidos pelas organizações. Situações em que muitos projetos disputam um número limitado de recursos (GOLDRATT, 1998; MEREDITH & MANTEL, 1995), é possível perceber o alcance do impacto dos atrasos se expandindo para além das fronteiras do projeto em que ocorreram. Um conjunto de projetos utilizando um conjunto limitado de recursos comuns pode ser tratado como um sistema (PATRICK, 2001) fica evidente o fato de que as decisões e eventos ocorridos em um projeto, poderão certamente impactar de formas diferentes os demais projetos componentes desse sistema. Importante perceber que um dos erros mais básicos é justamente em não tratar o ambiente multiprojeto como um sistema, o que leva a uma visão local dos problemas e possibilidades de gestão bloqueando as possibilidades de obtenção de melhorias globais (aquelas que realmente fariam sentido). 1. A multitarefa ocorre na maioria dos projetos existentes, principalmente em ambientes multiprojetos. A multitarefa será nociva nos casos em que: 2. As alocações não houverem sido planejadas adequadamente; 3. Não houver o estabelecimento claro de prioridades e seqüência de trabalho para orientação do recurso. 16

17 4. Além do problema da extensão do tempo de execução, surge outro tipo de desperdício, associado ao tempo necessário para um recurso retomar o desempenho de uma atividade a partir do ponto onde parou. Ao considerar todos os problemas surgindo no ambiente de projetos e as turbulências decorrentes, somando-os aos problemas decorrentes da multitarefa nociva, explicada no último tópico, surge ainda outra fonte de desperdício do tempo, dessa vez diretamente ligada ao comportamento do ser humano ao trabalhar sobre pressão em um ambiente de incerteza. O primeiro problema aparece representado sob a forma da lei de Parkinson (PARKINSON, 1957) segundo a qual um recurso utilizará todo o tempo que estiver disponível para execução de uma tarefa, ainda que seja possível concluir antes do tempo previsto. Esse tipo de comportamento levará ao desperdício do tempo de execução de uma tarefa, principalmente se considerarmos o fato de que, quanto mais tempo uma atividade demorar a ser concluída, mais tempo ela permanecerá exposta à possibilidade de ocorrência de incertezas. O segundo problema, também diretamente ligado à questão da pressão excessiva e dos conflitos de prioridades, pode ser representado por outro fenômeno conhecido das pessoas, que costuma ser chamado popularmente de síndrome do estudante segundo a qual, quando se consegue mais tempo para execução de uma atividade, tudo o mais se torna prioritário. A combinação dessas características pode tornar devastadores os impactos de problemas não previstos, aumentando a turbulência no ambiente e estabelecendo um ciclo vicioso que levará à degeneração contínua do desempenho da organização. 2.2 CCPM (Critical Chain Project Management) Baseada na TOC, em meados da década de 90, surge uma nova metodologia desenvolvida por Eliyahu Goldratt chamada Corrente Crítica ou CCPM (Critical Chain Project Management). É uma nova abordagem para Gerenciamento de Projetos, que oferece novos métodos de estimativas de tempo, de enfoque das atividades de monitoração do projeto e de formação da rede de precedência. 17

18 Pode ser definida como uma abordagem gerencial e de diagramação de rede, que leva a uma significativa melhora na desempenho de projetos, buscando resolver seus conflitos principais. Como na Teoria das Restrições, a CCPM busca obter esta melhora desafiando diversas premissas existentes hoje na maneira tradicional de planejamento e controle de cronogramas. A primeira premissa quebrada é de que o melhor lugar para inserção de segurança no projeto é dentro de cada tarefa individualmente. Existe uma tendência natural das pessoas de passarem estimativas de tempo extremamente superestimadas em função de possíveis futuras cobranças e também da manutenção da estabilidade de seu próprio nível de conforto. Como exemplo, se uma tarefa leva em média 13 dias para ser completada, a estimativa normalmente oferecida pelo responsável da tarefa é de no mínimo 40% mais alta do que a essa média. Isso ocorre em função da inserção de uma margem de segurança embutida na tarefa especifica. E a experiência mostra que quanto mais experiente o recurso, maior a inserção de segurança Devido a essas incertezas, os tempos estimados, e geralmente utilizados para cada etapa de um projeto, são muito maiores que o valor médio esperado. A Corrente Crítica sugere uma diminuição agressiva na estimativa de tempo por tarefa. Especificamente, essa estimativa é reduzida ao ponto onde as pessoas responsáveis por cada tarefa acreditam que seja uma estimativa agressiva, porém não impossível de ser realizada. Normalmente isso resulta em uma estimativa baseada na média da duração de uma tarefa, no lugar de uma estimativa com grande margem (90-95%) de segurança. Em alguns casos isso pode significar uma redução de mais de 50% na estimativa originalmente obtida. Considerando a realidade descrita, a corrente crítica propõe uma nova forma de trabalho, e abaixo descrevemos alguns elementos utilizados no modelo para reduzir, eliminar ou em alguns casos tornar gerenciáveis os efeitos: Horas Secas São as horas que serão utilizadas nos cronogramas, e "entregues" aos recursos para a realização das atividades. 18

19 A partir dai vamos comprometer os recursos a realizarem com o menor tempo possível suas atividades, reportando periodicamente quanto falta para terminar, mas lembrando que não existem "gorduras" nas horas (é necessário garantir isto nas estimativas). É fundamental uma mudança de comportamento do gerente do projeto em criar um ambiente onde desvios nas horas realizadas serão aceitos, pois o gerente estará controlando a folga como um todo, nos chamados "Pulmões". Pulmões Como o cronograma será desenvolvido com as horas secas, o projeto está exposto ao risco de estouro das estimativas. Mas ao invés de proteger cada uma das atividades, o projeto deve ser protegido. São vários tipos de pulmões: Pulmão de projeto (Project Buffer) Pulmão de Convergência (Feeding Buffer), Pulmão de Capacidade (Capacity Buffer) Entre outros. O projeto estará protegido se seguir o modelo da corrente critica. Então a principal atividade do gerente do projeto será de acompanhar os pulmões e não mais as atividades. Recurso Crítico Identifique e proteja o recurso crítico. É comum termos uma ou algumas poucas pessoas que realmente dão o ritmo dos projetos, e por isto são chamados de tambores. Então estas pessoas serão foco do planejamento, terão suas atividades otimizadas e receberão alguns pulmões de proteção, evitando o atraso dos projetos em função delas. Foco em Menos Projetos Estabeleça prioridades e concentre as energias para entregar um projeto por vez, ou um número menor. A conseqüência é clara: mais foco, menos gasto, mais gestão sobre os projetos. 19

20 2.3 O Gerenciamento dos Buffers (Pulmões) Os buffers (pulmões) envolvidos na CCPM (em especial o buffer do projeto) funcionam como uma base de sustentação para gerenciar e medir o progresso do projeto em relação à data de término esperada. Em geral, essa gerência dos buffers é feita dividindo-se o buffer em três diferentes níveis conforme exemplificado na figura 7. Cada nível representa 1/3 do tempo calculado ao buffer. CCFB = Critical Chain Feeding Buffers Figura 7 - Gerenciamento dos Buffers em níveis. Uma vez que a as estimativas por tarefa são de 50%, aproximadamente metade do tempo as tarefas terminarão mais cedo e metade do tempo mais tarde. É esperado que o tempo de buffer seja consumido e também recuperado, na medida em que as tarefas vão terminando mais cedo ou mais tarde do que determinado. Se uma atividade permanecer na parte verde do buffer do projeto, nenhuma ação é requerida ao gerente do projeto. Se o consumo do buffer entrar na sua segunda metade (amarela), o gerente do projeto deve tomar cuidado com as atividades envolvidas na corrente critica e desenvolver um plano de recuperação em associação com os gerentes que alocam recursos para as ali v idades em andamento e que estão por vir na corrente critica. 20

21 O objetivo é voltar para a área verde do buffer. Este plano de recuperação pode passar por horas extras, alocação extra de recursos, aumento de prioridades, fast-tracking, etc. Se o buffer entrar no seu terceiro nível (vermelho), o gerente de projeto deverá por em prática o plano de recuperação desenvolvido anteriormente e segui-lo até que o buffer esteja recuperado de volta em seu primeiro terço (verde). Várias são as ferramentas de softwares hoje que suportam tanto CCPM quanto a gerência de buffers. Através destes programas é possível obter relatórios precisos sobre o andamento do projeto, consumo do PB e dos FBs, quais as tarefas que estão consumindo mais ou menos os buffers e qual o tempo restante por tarefa no caminho que está alimentando um dado buffer. Estes relatórios ajudam o gerente de projeto na decisão de onde focar esforços e o que é ou não realmente importante. É interessante observar que os buffers não devem ser confundidos com as tradicionais folgas (FLOATS) do CPM. As folgas por definição existem em todos os caminhos nãocríticos de uma rede. Os gerentes de projeto aprenderam a usar a medição das folgas para gerenciar os problemas que os FB's (Feeding Buffers) tentam evitar. Porém as folgas resultam da lógica de um cronograma determinístico. Por exemplo, um caminho muito menor do que o caminho crítico tem uma folga relativamente grande. Como o caminho é pequeno, a variação na sua duração também deverá ser pequena (em relação à variação do caminho crítico). Por outro lado, um caminho quase tão grande quanto o caminho crítico, apresenta uma folga muito pequena. Normalmente é o caminho que mais representa perigo para o caminho crítico e, portanto, é o caminho que requer a maior proteção contra incertezas. Sendo assim, a quantidade de folga disponível em um cronograma do tipo CPM é inversamente proporcional ao necessário para proteger o caminho crítico. O tamanho dos buffers na CCPM varia diretamente em função dos caminhos a que estão associados. Logo, quanto maior o caminho em questão e maior a sua incerteza, maior deverá ser o buffer associado a ele. 21

22 Como na CCPM é esperado que haja um certo consumo de buffer, um orçamento tem que ser alocado para cobrir este tipo de tratamento. Existem várias formas de alocação de orçamento para cobertura de buffers que não são objetivos deste trabalho. Só cabe salientar que da mesma forma que existe um buffer de tempo, é natural que exista também um buffer proporcional de orçamento. 2.4 Etapas da Aplicação da Corrente Crítica - Criar a Rede Para criar um diagrama de rede com base em CCPM é preciso, em primeiro lugar, cortar o tempo estimado das tarefas em 50% e empurrar todas as tarefas para a sua data mais tarde de início, considerando as dependências de rede, conforme exemplificado na figura 8. Figura 8 - Criação da rede com base nos tempos médios por tarefa. - Identificar a Corrente Crítica Após a criação da rede, toda contenção de recursos deve ser eliminada para facilitar a identificação da corrente crítica. Comece pela contenção que está mais próxima do final do projeto ou que apresenta maior conflito e resolva até o início. Retorne ao final do calendário e repita as mesmas ações para o próximo recurso. Continue os mesmos passos até que todos os recursos tenham sido resolvidos. A corrente crítica é definida como sendo o maior caminho através da rede, levando-se em conta as dependências entre tarefas e também entre recursos. A identificação da corrente crítica pode ser observada através da figura 9. 22

O uso da Corrente Crítica na Gestão de Projetos

O uso da Corrente Crítica na Gestão de Projetos O uso da Corrente Crítica na Gestão de Projetos Autor: Eduardo Tealdi Fogaça R E S U M O Este artigo tem como objetivo descrever de forma sucinta o que pode ser considerado um dos maiores avanços e inovações

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS E CORRENTE CRÍTICA: ANÁLISE COMPARATIVA DAS FERRAMENTAS DE SUPORTE À METODOLOGIA ANDRÉ VALADARES RAQUEL FLEXA RAFAEL PAIM

GESTÃO DE PROJETOS E CORRENTE CRÍTICA: ANÁLISE COMPARATIVA DAS FERRAMENTAS DE SUPORTE À METODOLOGIA ANDRÉ VALADARES RAQUEL FLEXA RAFAEL PAIM GESTÃO DE PROJETOS E CORRENTE CRÍTICA: ANÁLISE COMPARATIVA DAS FERRAMENTAS DE SUPORTE À METODOLOGIA ANDRÉ VALADARES RAQUEL FLEXA RAFAEL PAIM 1. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. METODOLOGIA 3. OS PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

A Teoria das Restrições aplicada a Gerência de Projetos: Uma Introdução à Corrente Crítica

A Teoria das Restrições aplicada a Gerência de Projetos: Uma Introdução à Corrente Crítica A Teoria das Restrições aplicada a Gerência de Projetos: Uma Introdução à Corrente Crítica Prof. Osvaldo QUELHAS, D.Sc. Mestrado em Sistemas de Gestão /Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio

Leia mais

Revista Pesquisa e Desenvolvimento Engenharia de Produção n.2, p. 1 21, jul 2004

Revista Pesquisa e Desenvolvimento Engenharia de Produção n.2, p. 1 21, jul 2004 CORRENTE CRÍTICA: UMA ALTERNATIVA À GERÊNCIA DE PROJETOS TRADICIONAL Prof. André B. BARCAUI Mestrando em Sistemas de Gestão Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente LATEC/UFF Caixa

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Método da corrente crítica (CCPM)

Método da corrente crítica (CCPM) TUTORIAIS Método da corrente crítica (CCPM) Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA Conceitos iniciais CCPM: critical chain project management Origem e conceitos: tem origem na Teoria das Restrições

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O que é, e para que serve o Cronograma:

O que é, e para que serve o Cronograma: O que é, e para que serve o Cronograma: O cronograma é um instrumento de planejamento e controle semelhante a um diagrama em que são definidas e detalhadas minuciosamente as atividades a serem executadas

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A CORRENTE CRITICA APLICADA NA FERRAMENTA DE GESTÃO DE PROJETOS MS PROJECT

A CORRENTE CRITICA APLICADA NA FERRAMENTA DE GESTÃO DE PROJETOS MS PROJECT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições;

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Aula 12 1 2 Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Vantagem: o principal benefício é a geração de um modelo com previsão

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais