Planejamento e controle da produção em construtoras de edificações verticais na grande João Pessoa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento e controle da produção em construtoras de edificações verticais na grande João Pessoa"

Transcrição

1 Planejamento e controle da produção em construtoras de edificações verticais na grande João Pessoa Cícero Marciano da S. Santos (UFPB) Nelma Mirian Chagas de Araújo (CEFET PB) Antõnio de Melo Villar - Santhiago Montenegro (UFPB) Resumo: Em qualquer atividade de uma organização, o planejamento deve sempre ser encarado como uma rotina essencial. Entretanto, em grande parte dos projetos existentes, pouco se planeja, muito se executa e muito, mas muito mesmo, se gasta refazendo um trabalho que, com um devido planejamento, poderia ter sido evitado. O objetivo deste artigo é mostrar como as empresas construtoras de edificações verticais da cidade de João pessoa, fazem o Planejamento e Controle da Produção, identificando os processos envolvidos e as ferramentas gerenciais utilizadas para viabilizar essa atividade. Na metodologia utilizada, fez-se uso de entrevistas norteadas conforme a literatura pesquisada, para identificar as características desta atividade nas empresas pesquisadas. Ao final da pesquisa, observou-se que maior parte das empresas pesquisadas, não estão satisfeitas com seu PCP (Planejamento e Controle da produção), e pretendem aderir ao uso do Ms-Project, com o intuito de aperfeiçoar o PCP da empresa. Isso consolida a força da Tecnologia da informação, que mesmo na construção civil, tradicionalmente conservadora e resistente às mudanças tecnológicas, se apresenta como uma ferramenta fundamental para apoiar as atividades de qualquer organização. Palavras-chave: Planejamento e Controle da Produção; Ms-Project; Construção civil. 1. Introdução A indústria da construção civil vem evidenciando a necessidade de melhorar seu sistema de planejamento e controle da produção. Este setor difere bastante da manufatura industrial de onde surgiram e se desenvolveram os conceitos de gestão. Com isso, a indústria da construção civil vem tendo pouca evolução nessa área. Uma característica marcante, dessa atividade econômica, é a não utilização de um processo fábril tradicional de produção, como na manufatura tradicional. Na construção civil, o produto é fixo e único, característico de um sistema de produção para grandes projetos. Um projeto pode ser definido como uma seqüência de atividades ou eventos, com início e fim, definidos e dirigidos por pessoas que se destinam a alcançar um dado objetivo dentro de parâmetros de custo, tempo, recursos e qualidade. Um projeto é, todavia, único. Mesmo que haja alguma similaridade com um empreendimento executado, há características específicas e diferenciadoras. Para a manufatura tradicional, independente de seu sistema de produção ser continuo ou fluxo intermitente, a produção pode ser controlada de acordo com a quantidade produzida, sendo o PCP (Planejamento e Controle da Produção) por produto, para sistema de produção de fluxo intermitente, ou por processo, para sistema de produção de fluxo contínuo. Já na construção civil, onde o sistema de produção é para grandes projetos, o controle da produção 1

2 é realizado analisando as tarefas executadas dentro de um determinado período, o que torna o controle dessa atividade mais complexa. Segundo Araújo (2005), o controle gerencial nada mais é que a comparação sistemática entre o previsto e o realizado, tendo como objetivo fornecer subsídios para as análises físicas, econômicas e financeiras e estabelecer critérios lógicos para a tomada de decisões. Para Varalla (2003), planejar é um processo de previsão de decisões, que envolve o estabelecimento de metas e a definição dos recursos necessários para atingi-las, enquanto que controlar é acompanhar o que foi planejado, de forma a subsidiar a tomada de decisões apropriadas. Planejamento e controle são atividades essenciais em qualquer ramo de atividade econômica. 2. Planejamento e Controle da Produção na Construção Civil Consoante Goldman (2004), planejamento se constitui, atualmente, em um dos principais fatores para o sucesso de qualquer empreendimento. Na construção civil, faz-se necessário um sistema que possa canalizar informações e conhecimentos dos mais diversos setores e, posteriormente, direcioná-los de tal forma que todas essas informações e conhecimentos possam ser utilizados pela empresa, sendo a realimentação do sistema uma de suas características. Uma parte importante do planejamento de obras é a programação das diferentes atividades necessárias para a conclusão efetiva do empreendimento. Esta tarefa exige experiência e conhecimento das práticas construtivas. Bons planejadores adquirem considerável conhecimento em programação participando no planejamento e no controle de projetos reais.a geração de um plano de obra envolve vários processos, tais como: A definição de uma relação apropriada de atividades operacionais; Estimativa dos quantitativos de serviços a serem executados; Definição das equipes de produção e alocação de outros recursos; Estimativa da produtividade esperada das equipes, entre outros. Para auxiliar essas atividades, são utilizadas ferramentas gerenciais, que têm como objetivo montar um plano de ações e controlar a execução desses planos. A seguir serão descristas as ferramentas de planejamento e controle da produção mais utilizadas na contrução civil Ferramentas utilizadas no Planejamento e Controle da Produção Segundo Alberton e Ensslin (1994), existem várias técnicas que ajudam o planejamento e o controle de obras, tais como cronograma fisico-financeiro, cronograma de Gantt, redes PERT/CPM, dentre outras. Essas técnicas possibilitam melhorias substanciais em termos de desempenho global. O objetivo geral da aplicação dessas ferramentas é o auxílio no planejamento e controle da produção. Na contrução civil, tendo em vista a complexidade dessa atividade, essas ferramentas são fundamentais para que a execução da obra aconteça em conformidade com as especificações do planejamento. 2

3 Na sequência, o Quadro 1 apresenta os conceitos e as principais caracteristicas das ferramentas citadas neste artigo: Quadro 1 Ferramentas utilizadas no planejamento e controle da produção na construção civil. Ferramenta Conceito Características Cronograma Físico - Financeiro Cronograma de Gantt PERT/CPM Estabelece o início e o término das diversas etapas de serviços de construção, dentro das faixas de tempo previamente determinadas, possibilitando acompanhar e controlar a execução planejada. Consiste num diagrama onde cada barra tem um comprimento diretamente proporcional ao tempo de execução real da tarefa. O começo gráfico de cada tarefa ocorre somente após o término das atividades das quais depende. As atividades para elaboração do cronograma de Gantt compõem a determinação das tarefas, das dependências, dos tempos e a construção gráfica. Os métodos PERT (Program Evoluation and Review Technique Programa de Avaliação e Técnica de Revisão) e CPM (Critical Parth Method Método do Caminho Crítico), são bem similares, pode-se dizer que partem da mesma idéia. Estas técnicas foram desenvolvidas independentemente nos anos 50 para ajudar no controle de projetos grandes e complexos. Desde então, têm sido combinadas e usadas extensivamente para o planejamento de projetos e o controle dos mesmos. Fonte: Adaptado de Nogueira (2004) e Aquino et al Contem os itens principais e subitens das etapas de serviços de uma obra, apresentam as atividades e os tempos de execução por período de duração, geralmente em meses, os valores totais e o percentual de execução acumulado. Apresenta facilidade em controlar o tempo e em reprogramá-lo; Falha no sentido de fornecer informações para previsão e tomada de decisão; Não mostra os custos da produção no diagrama; Não indica quais tarefas são críticas para execução da obra, ou seja, podem por em risco o cumprimento do prazo de execução. Descrevem a tarefa, a duração e a informação de dependência das mesmas. Cada gráfico começa em um nó inicial, do qual as primeiras tarefas são originadas. Cada tarefa é representada por uma linha que indica seu nome, sua duração. A outra extremidade da linha da tarefa é terminada num outro nó, que é o começo de uma outra tarefa. Cada tarefa é conectada às suas tarefas sucessoras, o que dá a forma de rede de nós e linhas conectadas. O planejamento e controle do processo de execução, quando realizado, pode ser feito com o emprego dessas tradicionais técnicas: Diagrama de Gantt e o Método do Caminho Crítico (CPM), que também são empregadas no planejamento e controle da produção. Eles indicam que sobre esta técnica os aspectos de valor e fluxo são negligenciados, sugerindo o emprego de outras ferramentas Ms Project O Microsoft Project é uma poderosa ferramenta de apoio ao gerenciamento de projetos, onde é possível planejar, gerenciar, acompanhar atividades, recursos e demais variáveis do projeto. Além disso, pode ser utilizado como fonte de informações para seu projeto. A ferramenta de gerenciamento Ms Project é aplicável aos mais diversos tipos de projeto, sejam na gestão de projetos de engenharia (implantação e manutenção de empreendimentos) ou na área de gestão empresarial (planejamento estratégico ou gestão de projetos específicos). A utilização eficaz do Ms-Project envolve muito mais que o simples entendimento de como funciona o software, diferentemente de outros softwares. O Ms-Project está interligado com as disciplinas a que ele vem a auxiliar, de maneira geral, o gerenciamento de projetos. 3

4 Portanto, não basta apenas entender como é o funcionamento deste software, faz-se necessário aliá-lo ao conhecimento das melhores técnicas de gestão de projetos. Na elaboração e condução de projetos, o gráfico de Gantt é, sem dúvida, o mais utilizado e a mais importante visualização no Ms-Project. Ele é o padrão de visualização quando iniciamos o software. O modo de exibição gráfico de Gantt mostra as informações sobre as tarefas relativas ao seu projeto, como texto ou gráfico de barras. Na sequência a figura 1 apresenta a visualização do gantt de controle, observa-se que todas as informações que são inseridas como texto são também exibidas no formato de gráfico de barras. Figura 1 Visualização do Gantt de controle Fonte: Tela do software Ms-Project O gráfico de Gantt, ou Gantt de controle, permite a visualização temporal e o acompanhamento de tarefas, além de permitir a visualização rápida do caminho crítico. Isso mostra a contribuição do software para o gerenciamento de projetos, uma vez que essa era uma das grandes deficiências do gráfico de Gantt tradicional. Segundo Abe et al (2000)na construção civil o Ms Project atua: Identificação dos serviços que impactam diretamente sobre o prazo de entrega da obra; Na distribuição de recursos humanos e equipamentos; No estudo de simulações para avaliar prazos e custos; Na visualização de longo prazo do empreendimento; Na localização de gargalos em processos próprios da obra ou que envolva terceiros; Na coordenação dos esforços logísticos. 3. Metodologia Este trabalho utilizou a revisão bibliográfica e a pesquisa de campo como principais métodos de pesquisa. A pesquisa obedeceu aos seguintes passos para sua execução: 4

5 Revisão bibliográfica sobre Planejamento e Controle da Produção na construção civil, apresentando as ferramentas utilizadas para apoiar o controle e gerenciamento de projetos na construção civil. Pesquisa de campo realizada em quatro empresas construtoras de edificações verticais, através de entrevistas estruturadas, conforme a literatura pesquisada, com diretores ou engenheiros responsáveis pela execução das obras, ou seja, pessoas-chave no planejamento e controle da produção das empresas. Análise dos dados coletados nas empresas, discorrendo o processo de Planejamento e controle da execução dos serviços nas empresas pesquisadas A seguir o Quadro 2 mostra todas as etapas da análise, na sequência em que foi realizada nas empresas contrutoras de edificações verticais da grande João Pessoa. Quadro 2 Etapas da análise do sistema de Planejamento e controle da produção nas empresas Existe PCP formal na empresa? Há controle periodico da Execução dos serviços? Processos que a geração do planejamento de obra envolve Ferramentas utilizadas no planejamento e controle da execução dos serviços Satisfação da empresa com seu sistema de planejamento e controle da execução dos serviços Fonte: Elaborado pelos autores Sim Não Sim Não Horizonte de tempo do Planejamento Qual frequêcia? 1 semestre 1 ano Todo empreeendimento Semanal Quinzenal Mensal Definição da relação de atividades operacionais, Estimativa dos quantitativos de serviço a ser executado, Definição das equipes de produção e alocação de outros recursos, Estimativa da produtividade esperadas das equipes. Satisfeitas Insatisfeitas Cronograma de Gantt PERT/CPM Cronograma Fisico-Financeiro Ms-Project Não Pretende modificar Pretende modificar Não Pretende modificar Pretende modificar A estrutura de análise do sistema de planejamento e controle da execução dos serviços em obras de edificações verticais da grande João Pessoa foi desenvolvida a partir da literatura pesquisada e, a partir dessa sequência lógica foi descrito o planejamento e controle da execução dos serviços nas empresas que compõem a amostra. Para finalizar, foram feitas algumas considerações sobre essas atividade nas empresas construtoras de edificações verticais, sempre objetivando a facilidade e praticidade dos 5

6 métodos utilizados para viabilizar o gerenciamento de obras, facilitando o trabalho dos profissionais gerentes de obra, bem como a execução dos serviços no canteiro de obras Caracterização das empresas As empresas que fizeram parte da amostra atuam no mercado de João Pessoa e de outras capitais, como no caso da Empresa B, que atua em Natal (RN) e São Luis (MA). A empresa A atua em Natal (RN) e as empresas C e D atuam apenas no mercado da grande João Pessoa, sobretudo nos bairros da orla marítima: Manaíra, Tambaú e Cabo Branco. A seguir uma tabela sintetiza algumas informações sobre as empresas, como tempo de atuação no mercado, número de obras em andamento e número de funcionários. Quadro 3 Informações gerais sobre as empresas pesquisadas EMPRESA A B C D Tempo de atuação no Mercado 16 anos 20 anos 5 anos 8 anos Número de obras em andamento Número de funcionários Fonte: dados fornecidos pelas empresas pesquisadas Analisando os dados da tabela, de acordo com a classificação do SEBRAE (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) quanto ao número de funcionários, observa se que as empresas tem um perfil de pequeno a médio porte. Isso é facilmente observado pela verificação dos dados. Em comum, todas trabalham apenas com edificações verticais residenciais. 4. Resultados Após as entrevistas realizadas nas empresas construtoras de edificações verticais, foi traçado um perfil do sistema de planejamento e controle da execução dos serviços, a seguir a será descrito esse perfil detalhadamente, a partir dos dados coletados durante essas entrevistas. O primeiro passo foi identificar se há um sistema de planejamento e controle da execução dos serviços formal nas empresas. O Quadro 2 mostra as empresas que possuem ou não, um sistema de planejamento e controle da execução dos serviços formal e qual o horizonte de tempo que esse planejamento abrange. Sim/Semestral Sim/anual Quadro 4 Planejamento e controle da execução dos serviços nas empresa A empresa Planeja a execução dos serviços?qual o Horizonte de tempo desse planejamento? Sim/todo Empreendimento Não Fonte: dados da pesquisa A B C D Após o estudo de campo, foi identificado que todas as empresas pesquisadas possuem um sistema de Planejamento e Controle da Produção, onde o planejamento é feito para todo o empreendimento, com exceção da empresa B, que realiza o planejamento da execução da obra apenas para o período de 1 ano.o planejamento da produção na construção civil, abrange 6

7 vários processos, a seguir o quadro 6 apresenta os processos envolvidos no planejamento da produção nas empresas pesquisadas. Processos envolvidos no Planejamento da produção Definição de uma relação apropriada de atividades operacionais Quadro 6 Processos envolvidos no Plano de obras Empresas A B C D Estimativa dos quantitativos de serviços a serem executados X X X X Definição das equipes de produção e alocação de outros recursos X X X Estimativa da produtividade esperada das equipes, entre outros X X Fonte: dados da pesquisa. Analisando os dados do quadro 6, percebe se que as empresas pesquisadas, concentram o plenejamento da produção na estimativa dos quantitativos de serviços a serem executados, boa parte das empresas definem as equipes de produção antes do inicio da obra, apenas as Empresas A e D definem a produtividade esperada de suas equipes de produção. A empresa B, concentra o planejamento apenas na estimativa dos quantitativos de serviços, deve se salientar que esta empresa não executa o planejamento de toda obra antes de seu inicio, essa atividade é feita anualmente. Todas as empresas efetuam periodicamente o controle da execução dos serviços, havendo replanejamento, caso a execução das atividades não seja compatível com o programado para uma determinada data. A seguir o quadro 3 mostra como ocorre o controle da execução dos serviços. Sim/Semanal Sim/Quinzenal Sim/mensal Não Fonte: dados da pesquisa. Quadro 7 Controle da execução dos serviços nas empresa O Controle da execução dos serviços é realizado Periodicamente? X A B C D O controle ocorre através de reuniões periódicas conforme indicado no Quadro 7, nessas seções são feitas análises comparativas entre as atividades executadas e as atividades programadas para um determinado período. Quando ocorre divergência entre as atividades programadas e as executadas, as empresas tendem a adiantar os serviços, caso estes estejam atrasados, fazendo uma reprogramação das atividades, adiantando atividades que podem ser executadas, independentemente das atividades atrasadas. Isso só é possível mediante a análise do engenheiro responsável pelo planejamento da obra, que define quais atividades podem ser antecipadas. Quando as atividades executadas estão adiantadas em relação ao programado para o período, as empresas seguem normalmente avançando, objetivando a entrega do empreendimento sempre antes do prazo previsto. 7

8 Para auxiliar o planejamento e controle da execução dos serviços, as empresas usam ferramentas de controle gerencial comentadas na revisão de literatura deste artigo, na sequência o Quadro 8 indica quais as ferramentas são utilizadas pelas empresas. Quadro 8 Ferramentas utlizadas para Planejar e controlar a execução dos serviços Ferramentas utilizadas no Planejamento e Controle da execução dos serviços Ferramentas A B C D Cronograma de Gantt PERT/CPM Cronograma Fisico Financeiro Ms - Project Fonte: dados da empresa Com relação às ferramentas utilizadas, indicadas no Quadro 8, observa se uma tendência das empresas no uso do cronograma físico-financeiro, que pode ser combinado a outra ferramenta, como é o caso da Empresa C, que também faz uso do cronograma de Gantt. As empresas que utilizam o cronograma físico-financeiro, possuem dois cronogramas para o empreendimento, um fixo, onde são previstas todas as atividades para execução da obra, ou para um determinado periodo (no caso da Empresa B, 1 ano), e um móvel, onde são feitas as reprogramações durante as seções realizadas para acompanhar a execução das atividades. Apenas a Empresa A faz uso do software Ms Project. Nenhuma das empresas utiliza a rede PERT/CPM para planejar e controlar a execução de suas atividades. As empresas ainda relatam nunca ter feito uso dessa ferramenta, mesmo conhecendo sua importância para o planejamento estratégico das atividades. A Empresa A utiliza o Ms Project, pórem não faz uso de todas as suas atribuições, como: Distribuição de equipamentos; Estudo de simulações para avaliar prazos e custos; Coordenação dos esforços logísticos. O uso do Ms Project nessa empresa ainda está restrito a poucos funcionários e apenas ao planejamento e controle da execução das atividades com relação ao tempo de execução, pórem, a empresa pretende a curto prazo estender os beneficios da implantação do Ms project na empresa. Mesmo com a maioria das empresas não fazendo uso das ferramentas PERT/CPM e do software Ms Project, elas relatam não terem dificuldades para reprogramar suas atividades, principalmente no caso de atraso durante a execução da obra, mesmo utilizando ferramentas gerenciais que não fornecem informações sobre as atividades críticas. Segundo os engenheiros responsáveis por essas atividades, a experiência em canteiro de obras facilita a identificação das atividades críticas, eles alegam ainda que esse procedimento é de grande valia para grandes empreendimentos. 8

9 A Figura 2 apresenta dados refentes à satisfação das empresas com seu atual sistema de planejamento e controle da produção.. 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 A B C D Satisfeitas Insatisfeitas Pretende mudar Não pretende mudar Figura 2 Opinião das empresas com relação ao seu PCP Fonte: dados da empresa Mesmo com todas as defensivas, observa se que as empresas, em sua maior parte, não estão satisfeitas com seu sistema de planejamento e controle da execução dos serviços,como mostra a figura 2, apenas a Empresa A, que implantou recentemente o Ms Project, se mostra satisfeita, pretende apenas aprimorar o uso do software na empresa e treinar um número maior de funcionários, para que tenham acesso à ferramenta. Já as demais empresas que não utilizam o software, se declaram insatisfeitas e reconhecem que podem melhorar seu sistema de planejamento e controle da produção. Apenas a Empresa C mesmo não satisfeita, não pretende fazer modificações pelo menos à curto prazo. 5. Considerações Finais O Planejamento e Controle da Produção na contrução de edificações verticais é fundamental para o sucesso do empreendimento. As empresas reconhecem sua importância, mesmo não sendo um setor bem estruturado. Todas as empresas da pesquisadas apresentam um PCP formal e cotrolam a execução dos serviços através de seções periódicas e apoiadas por ferramentas gerenciais. O que observa se, em João Pessoa, é uma corrida em busca de um sistema de Planejamento e Controle da Produção mais eficiente, que vem gerando grandes modificações, por conta da competitividade do mercado e pelo fato da indústria da construção civil em João Pessoa, por muitos anos, não ter avançado tecnologicamente, com relação ao Sistema de Planejamento e Controle da Produção, no controle da execução dos serviços em obras de edificações verticais.. Durante anos as empresas construtoras de edificações verticais em João Pessoa vêm planejando e controlando a execução de seus serviçlos através de Cronogramas físicofinanceiro e Cronogramas de Gantt, ferramentas que não agregam conhecimento do processo construtivo e não fornecem informações para tomada de decisão. Ferramentas como PERT/CPM nunca foram utilizadas por nenhuma das construtoras pesquisadas, ao contrário de outras regiões como Sul e Sudeste que durante muitos anos fizeram uso dessas ferramentas em seu sistema de planejamento e controle da produção, que vieram a ser abandonadas, ao surgirem ferramentas mais completas, como é o caso do software Ms Project, que faz uso das ferramentas gerenciais, corrigindo algumas falhas e facilitando o seu uso, como no caso do gráfico de gantt, onde através do Gantt de controle, o gráfico mostra o caminho crítico, coisa que não era possível com a ferramenta tradicional. 9

10 O que se percebe nas empresas de João Pessoa é uma grande competitividade, sendo elas sensíveis às atitudes de seus concorrentes. Isso justifica o fato das empresas estarem buscando por melhorias no seu sistema de planejamento e controle de execução de obras, implantando o software Ms-project, que já é utilizada por uma das maiores construtoras da cidade e, mesmo com pouco tempo de uso na empresa começa a gerar bons frutos e despertar o interesse das demais empresas da cidade. O uso do Ms Project é uma ótima alternativa para as empresas do mercado de João Pessoa, tendo em vista que esse software oferece muitas vantagens, face às ferramentas tradicionais, onde a tomada de decisão fica restrita a um pequeno grupo da empresa, pois as atividades críticas são fatores determinantes para efetuar o replanejamento de obra. Com o uso do software, qualquer profissional da empresa treinado, pode obter informações importantes para tomada de decisão, independe de sua experiência em canteiro de obras, o que pode ser bastante útil em situações emergenciais. Grande parte da insatisfação dos entrevistados se deve ao fato do aumento da carga de trabalho, o que dificulta o gerenciamento das atividades no canteiro de obras, devido ao aquecimento do mercado de imóveis. Como há uma necessidade de cumprir prazos e no decorrer da obra ocorrem muitos imprevistos, fica dificil elaborar planos de ações, tendo em vista que a tomada de decisão fica restrita ao engenheiro responsável pelo planejamento. Assim, com a implantação do Ms Project as informações gerenciais ficam disponiveis para os demais funcionarios da empresa, que podem tomar decisões de acordo com as informações geradas pelo Ms Project. O uso de tecnologia da informação é realmente uma tendência global, mesmo no mercado da construção civil tradicional e notadamente resistente às modificações tecnológicas. Esse mercado vem abrindo espaço para o uso do Ms Project no planejamento e controle da execução dos serviços nos canteiros de obras. No fluxo e gerenciamento de informação, é fundamental para planejar e controlar a execução de qualquer empreendimento, é através desses aspectos que o Ms Project vem conquistando espaço no mercado da construção de edificações verticais da grande João Pessoa. 6. Referências ABE; M. T; SIQUEIRA; J. A. L; Engenharia de Software Aplicada à Engenharia de Estruturas (Ms Project) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo:2000. ALBERTON, A.; ENSSLIN, L. Uma metodologia para gerenciamento do planejamento de obras de construção civil. In: ENENGEP, 1994, João Pessoa. Anais... João Pessoa: UFPB AQUINO; J. P. R; MELHADO; S. B; Perspectivas da Utilização Generalizada de Projetos para Produção na Construção de Edifícios.Escola politécnica da USP disponivel em acessado em ARAÚJO, N. M. C Planejamento e controle de obras. João Pessoa: CEFET-PB, (Apostila, Curso Superior de Tecnologia em Gerência de Obras de Edificações). GOLDMAN, P. Introdução ao planejamento e controle de custos na construção civil brasileira.são Paulo: Atlas, NOGUEIRA; F; Notas de aula - Pesquisa Operacional PERT/CPM.2004 OLIVEIRA; J. A. V. S; Segundo Trabalho de Engenharia de Software - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

11 PADILHA; M. A.; MEDEIROS; A. P. T; ARAÚJO; N. M. C; Proposta de planejamento e controle gerencial para pequenas empresas de construção civil de João Pessoa. In - XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de SANTOS,F.H. Curso básico de gerenciamento de Projetos com ms-project nodulo I. Recife: PMI PE,2007. VARALLA, R. Planejamento e controle de obras. São Paulo: O Nome da Rosa, Agradecimentos Os autores agradecem as empresas que participaram desta pesquisa, principalmente pela presteza com que sempre trataram os pesquisadores e ao CNPq pelo apoio recebido (bolsa mestrado). 11

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (parte 1)

Gerenciamento de Projetos (parte 1) Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Gerenciamento de Projetos (parte 1) Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel de Gois Pinto Considere

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto Gerenciamento de Tempo Principal objetivo garantir que o projeto seja concluído dentro do prazo determinado; O cronograma do projeto é sempre

Leia mais

CPM Método do Caminho Crítico

CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma.

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem

Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA IETEC PÓS-GRADUAÇÃO-ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS EM CONSTRUÇÃO E MONTAGEM Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem

Leia mais

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico U UL L CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma

Leia mais

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins Ferramentas de Desenvolvimento Isnard Martins Referencial Bibliográfico Administração da Produção e Operações - L.Ritzman & Krajewsky I. Martins Notas de Aula PERT CPM Método PERT - CPM ou Método do Caminho

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 01 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO Renata Brabo Mascarenhas Barra (UEPA ) renatabbarra@hotmail.com GABRELA ANDRADE

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento do tempo De acordo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

/ 2012_1 6 ( ) ADM ( ) ADM COMEX ( ) ADM MKT

/ 2012_1 6 ( ) ADM ( ) ADM COMEX ( ) ADM MKT Disciplina: Gerenciamento de Projetos / 2012_1 Carga horária: 68h Curso/Semestre: 6 ( x ) ADM ( x ) ADM COMEX ( x ) ADM MKT Data de atualização: janeiro 2012 Núcleo: Operações e Logística Nucleador: Giovanni

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

1. Evolução da técnicas de gerenciamento

1. Evolução da técnicas de gerenciamento Gestão de Projetos Evolução das técnicas de gerenciamento; A história do gerenciamento de projetos; Características dos projetos; Causas de fracasso em projetos; Ciclo de vida de um projeto e suas fases;

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina FSP Faculdade Sudoeste Paulista Departamento de Engenharia Civil Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO CONCEITO DE PROJETO É um conjunto de atividades visando o alcance de um objetivo, apresentando as

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

Alexsandro Amarante da Silva Mestre em Engenharia de Produção UFSC Av Antônio Justa 3765, Varjota - Fortaleza. E-mail: alexsandro.amarante@zaz.com.

Alexsandro Amarante da Silva Mestre em Engenharia de Produção UFSC Av Antônio Justa 3765, Varjota - Fortaleza. E-mail: alexsandro.amarante@zaz.com. INTRODUZINDO CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DA CADEIA DE FORNECEDORES NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS UM MODELO EM PROTÓTIPO PARA A INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Adalberto Aguiar Albuquerque Mestrando da Universidade

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 W Projeto BS Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Gerenciamento Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 Índice Remissivo Resumo...3 1. Introdução...3 2. Conceituando a WBS (Work Breakdown Structure/Estrutura

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D

Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D Samuel João da Silveira (ECV/UFSC) samuelsj@pop.com.br Luis Alberto

Leia mais

A Construtora Colmeia

A Construtora Colmeia Vídeo Golf Ville Vídeo Golf Ville A Construtora Colmeia Fundada em 1980 Constrói empreendimentos residenciais e comerciais Obras em Fortaleza, Manaus, Natal e Campinas Mais de 2.000.000,00 m² construídos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com MODELO DE GERENCIAMENTO PMI PMI (Project Management Institute); O modelo PMI é divido em áreas de conhecimento da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO O planejamento possui três etapas: O estabelecimento dos objetivos a alcançar Tomada de decisões a respeito das ações futuras Elaboração de planos Explicando melhor, quanto mais

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS 7º semestre Eng. Produção Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Gestão do TEMPO em Projetos Redes e Cronogramas Prof. Luciel Henrique de Oliveira Como Gerenciar o

Leia mais

MELHORIA NA CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA COOPERAÇÃO O CASO DO INOVACON-CE

MELHORIA NA CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA COOPERAÇÃO O CASO DO INOVACON-CE MELHORIA NA CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA COOPERAÇÃO O CASO DO INOVACON-CE MAIA, MARIA ARIDENISE MACENA Professor da UNIFOR e Pesquisador do NPT - Universidade de Fortaleza Av. Washington Soares 1321 - Edson Queiroz

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais