Planejamento, orçamento e custos de obra: Sisplo x Ms-Project.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento, orçamento e custos de obra: Sisplo x Ms-Project."

Transcrição

1 Planejamento, orçamento e custos de obra: Sisplo x Ms-Project. Adriana de Nazaré Moraes Mendes (UFPA) Jorge de Araújo Ichihara (UFPA) Daniele Gioppo Betini (UFPA) José Viana da Costa Junior (UFPA) Resumo: Uma das alternativas das empresas construtoras para a busca da eficiência é a adoção de inovações tecnológicas, sempre visando à racionalização no processo produtivo. Neste contexto este trabalho foi desenvolvido com o intuito de comparar um software regional Sisplo com o softaware internacional Ms_Project que ajudam na elaboração de orçamentos, no planejamento e no acompanhamento da execução de obras. Compara-se os software citados quanto às funções, custo e hardware requisitados, na elaboração do projeto de construção de um prédio em pavimento único com 358 m² de área construída destinado a instalação de um Fórum, localizado no nordeste do Pará. A duração da obra, nome do projeto e os encargos inerentes a obra são dados de entrada que alimentam os softaware. No decorrer do artigo será apresentado no ítem 1 a introdução, no ítem 2 o referencial teórico, no ítem 3 serão feitas considerações sobre os software e no ítem 4 serão realizadas as comparações dos mesmos. Conclui-se dizendo que devido ao alto custo das ferramentas que geram orçamento e planejamento de obra, a ferramenta sisplo aparece como uma solução vantajosa por obter resultados semelhantes, além de ser um produto de fácil acesso por ter sido desenvolvido na regiaõ norte e possuir um menor custo do que o software internacional Ms_Project. Palavras-chave: Planejamento, Orçamento, Custos, Sisplo e Ms_Project. 1. Introdução O mercado da construção civil altamente competitivo exige que as empresas tenham controle dos seus métodos de planejar e executar, visando à redução das perdas e dos gastos. Para isso saber orçar e planejar é fundamental para tal eficiência. A necessidade de processar grandes quantidades de informações, que são conseqüência da incerteza que envolve o processo construtivo, é um problema comum encontrado nas empresas do setor de construção civil. A incerteza limita a habilidade de uma organização em planejar ou tomar decisões acerca de atividades futuras. Segundo Galbraith (1974) para lidar com este problema as empresas podem optar por duas soluções, quais sejam: diminuir a necessidade de processar informações ou aumentar sua capacidade de processamento. O processo de planejamento da produção é extremamente importante para o desempenho do gerenciamento da construção, sendo considerado como função gerencial básica (LAUFER & TUCKER, 1987; SINK & TUTTLE, 1993). Antes de iniciar um projeto, precisa-se definir sua meta e depois determinar quais tarefas precisam completar para atingir essa meta. Depois de definirem as etapas e tarefas, resta somente definir a duração, as pessoas responsáveis por cada tarefa e por fim o custo de cada etapa. Existem diversas técnicas e ferramentas sofisticadas que podem ser aplicadas ao gerenciamento de programas. Para entendê-las, é necessário ter o conhecimento dos conceitos básicos de Projetos. Este artigo reúne alguns conceitos básicos que influenciam diretamente no gerenciamento de custos, planejamento e orçamento de uma obra. Faz-se necessário entender 1

2 a cadeia produtiva na construção civil, sua complexidade e sua grande diversidade de agentes intervenientes. Será comparado um software regional, elaborado na região norte, mas especificadamente em Belém no Estado do Pará, o Sisplo, que é um software prático, de baixo custo e de simples operação, utilizado na elaboração de orçamento, planejamento e acompanhamento de obras com um software internacional Ms_Project. 2. Referencial Teórico O Objetivo fundamental deste tópico é apresentar alguns dos principais conceitos que influenciam no gerenciamento de custos, planejamento e orçamento de uma obra. Faz-se fundamental entender que a cadeia produtiva na Construção civil é de enorme complexidade e é formada por grande diversidade de agentes interveniente: a) Os usuários, que variam de acordo com o poder aquisitivo, as regiões do país e a especificidade da obra (habitações, escolas, hospitais, edifícios comerciais e de lazer, rodovias, etc.); b) Os agentes responsáveis pelo planejamento do empreendimento, que podem ser agentes financeiros e promotores, órgãos públicos, clientes privados e incorporadores, além dos órgãos legais e normativos envolvidos, dependendo do tipo de obra a ser construída; c) Os agentes envolvidos na etapa de execução das obras: empresas construtoras, subempreiteiros, profissionais autônomos, laboratórios, empresas gerenciadoras e órgãos públicos ou privados responsáveis pelo controle e fiscalização das obras. Para que a execução de uma obra seja economicamente viável e ocorra sem falhas técnicas, devem ser evitadas improvisações no canteiro de obras. O porte e a complexidade das obras, a multiplicidade de soluções técnicas, assim como os limites de prazo e custo, tornam necessária a realização de um pré-planejamento. A partir da análise dos trabalhos a serem realizados e das condições gerais definidas para o empreendimento, podem ser tomadas medidas que otimizarão o processo executivo, eliminando perdas consideradas evitáveis. A seguir será.apresentado como um projeto pode ser definido Projeto Um projeto pode ser definido como uma seqüência de atividades ou eventos com início e fim definidos dirigidos por pessoas que se destinam a alcançar um dado objetivo dentro deparâmetros de custo tempo, recursos e qualidade." Um projeto é, todavia, único. Mesmo que haja alguma similaridade com um empreendimento executado, há características específicas e diferenciadoras. O sub-ítem a seguir falará sobre planejamento Planejamento O planejamento prévio possibilita a disponibilização dos meios financeiros necessários, sejam estes próprios ou externos, no momento certo, o que conseqüentemente gerará custos menores. Essa importância está no fato dele servir como instrumento de gestão e controle da execução. A função do planejamento é a de planejar os trabalhos da obra antes do seu início, de tal forma que sejam escolhidos os métodos construtivos e os meios de produção mais adequados e estes sejam coordenados entre si, considerando-se todo o quadro de 2

3 condicionantes internos e externos à empresa. Com o objetivo de obter o maior rendimento possível com menor custo de execução. Em seguida será discutido sobre orçamento Orçamento Orçamento é a previsão de receita e despesa de um individuo, de uma empresa, de um organismo. Assim, verifica-se que o orçamento deve ser um norteador das atividades das empresas. (LIBRELOTTO et al (1998) apud LOSSO (1995)). Os orçamentos poder ser classificados em dois tipos: orçamento empresarial e orçamento de produtos, conforme explicado abaixo. (LIBRELOTTO et al (1998) apud CABRAL (1988)). O orçamento empresarial engloba a empresa como um todo, devendo abordar questões relativas a vendas, produção e despesas de gestão em geral, durante um período determinado de tempo, normalmente um ano. (LIBRELOTTO (1998)). Segundo Limmer (1997) na orçamentação dos custos de um projeto deve-se obrigatoriamente, levar em consideração os custos nos quais incorrem a empresa que superintende ou executa os trabalhos de sua implementação, os quais chamamos custos empresariais. O orçamento de obras é composto pelas composições de preço unitário de cada serviço ou atividade, que por sua vez são compostos por seus insumos e seus respectivos consumos, ou seja, a composição de preço unitário nada mais é que a relação de matérias, mão-de-obra e equipamentos, segundo seu consumo, para a realização de uma unidade de um determinado serviço. Soares (1996) apud Losso define orçamento como a descrição pormenorizada dos materiais e das operações necessárias para realizar uma obra, com a estimativa de preços e, para ser elaborado, o orçamentista deve conhecer todos os detalhes possíveis que implicarão em custos durante a execução da obra Segundo Limmer (1997) o orçamento é parte integrante de um projeto, e sempre precede sua construção. O mesmo é composto por uma previsão dos custos de cada uma das atividades ou serviços que compõem o projeto, através da identificação e quantificação de cada um desses serviços, da definição do que será consumido e dos custos dos materiais utilizados, chegando assim a um preço unitário para cada unidade de serviço, e consequentemente ao custo total para a execução do projeto. O próximo sub-ítem faz-se referencia as custos Custos Há algum tempo orçar obra era atividade que envolvia, obrigatoriamente: cotações de preços junto aos fornecedores, levantamento minucioso do projeto, composições de preços unitários com índices próprios, e levantados em obras, definição de métodos construtivos, leitura atenta da documentação da obra, levantamento das despesas internas da empresa que compusessem os encargos sociais e o Benefícios (ou Bonificação) e Despesas Indiretas BDI. Neste ambiente os chutes e arredondamentos eram proibidos. Abria-se exceção quando não se dispusesse de projetos: o orçamentista (a máquina de orçar obras) fazia, então, às vezes do Projetista. A experiência em obras e em planejamento, eram valores que somavam àquele respeitável (apesar de muito envolvido na corrupção política) Departamento de Orçamentos das Construtoras, afinal, o seu departamento técnico. Se muito trabalhosos, a qualidade destes orçamentos, era inquestionável! 3

4 Com o surgimento do computador, de poderosos softwares de orçamento, com o advento da Internet, a informação a um clique do mouse, com tudo para ser melhorado, descomplicado, agilizado e menos oneroso, o orçamento de obras acabou entrando, e está cada vez mais se aproximando do fundo do poço. Acabou se resumindo nas seguintes atividades, e com as técnicas que tentaremos descrever: a) As cotações de Preços: Os preços dos insumos passaram a ser colhidos mecanicamente em revistas, em jornais e na própria Internet. As negociações, a parceria (palavra tão em moda hoje) que se estabelecia via telefone, talvez por economia, foram abolidas. Os descontos, as melhores condições para a aquisição, as informações que dispunham o fornecedor sobre seus produtos, estão perdendo lugar para o comodismo. b) O levantamento dos Quantitativos do Projeto: Em nome da agilidade estão cada vez mais fora de moda os levantamentos ou analise de projetos. Estão sendo lançados índices, os mesmos que antes serviam para conferir a coerência dos levantamentos, a torto e a direito nas planilhas orçamentárias. c) As Composições de Preços: Também se mecanizaram. Seus índices, antes apropriados em obras, estão sendo maquinados em laboratórios e utilizados indistintamente para qualquer região, tipo de obra, quantidade dos serviços, faça chuva ou sol. Coincidindo o título da composição disponível com o do serviço que se quer orçar, tudo estará resolvido. Adaptam-se índices para orçar obras. A quantidade de composições disponíveis passou a ser mandatária. d) Os Métodos Construtivos e a Leitura da Documentação: Sem a experiência de obras não há metodologia ou estudo razoável. E a pressa acaba dispensando a leitura das especificações e demais documentos técnicos, imprescindíveis a uma orçamentação decente. Orçar obra não é mais uma atividade trabalhosa e cara. Embora patente à necessidade do computador esteja se desvinculando da técnica e ruma a uma cada vez maior imprecisão. O ambiente corporativo internacional passou por mudanças e tornou-se, consideravelmente, mais competitivo e exigente. Na antiga economia o preço do produto final era resultante da soma dos custos de produção da empresa e do lucro previamente arbitrado. Na nova economia o lucro é resultante do diferencial entre o preço praticado pelo mercado e os custos da empresa. Assim, a administração dos custos diretos e indiretos torna-se fundamental, pois é dela que depende o lucro, conforme a expressão a seguir. PREÇO = CUSTOS + LUCRO PREÇO DE MERCADO CUSTOS = LUCRO FIGURA 01 - Formulação do preço em economia competitiva Fonte: SOUZA et al., Os custos podem ser classificados de acordo com o grau de média (custo total ou unitário), variabilidade (variável, fixo ou semi-variável), facilidade de atribuição (direto ou indireto) e momento de cálculo (histórico ou predeterminado). As empresas de construção civil atuam em dois sistemas administrativos, a administração central, onde os custos são chamados de empresariais e os sistemas de produção onde são chamados de produtivos. Os custos administrativos são constituídos pelas despesas administrativas, comerciais e financeiras enquanto que os custos de produção são formados por materiais, mão-de-obra, equipamentos, custos gerais diretos da obra e custos indiretos de produção. Serão demonstrados a seguir os cálculos das bonificações, despesas e encargos 4

5 inerentes a obra Cálculo do Beneficio ou Bonificação e Despesas Indiretas - BDI e Encargos Sociais Por se tratarem de parcelas importantes na determinação do preço final de uma obra, foi estudado e será mostrado o resultado do BDI e dos encargos sociais neste tópico. Na expectativa de encontrar valores orçamentais que mais se aproximassem da realidade, e após análise de diversas composições de encargos sociais e BDI apresentadas por empresas participantes de licitações públicas, deparou-se com vários problemas, desde os itens componentes até as fórmulas de cálculo utilizadas, causando sérias distorções no cálculo de ambas. A principal causa dessas distorções foi à falta de uniformidade no cálculo dessas taxas, pois não havia uma metodologia única, que fosse utilizada igualmente por todos os licitantes, gerando uma grande dispersão de resultados. O inciso II do 2 o do Art. 7 da Lei 8.666/93 estabelece que as obras e os serviços só podem ser licitados quando existir orçamento detalhado em planilhas que expressem a composição de todos os seus custos unitários. Também o inciso II do 2 o do Art. 40 da mesma Lei, obriga os editais de licitação de obras ou serviços a possuir dentre seus anexos e dele fazendo parte integrante, um orçamento estimado em planilhas de quantitativos e preços unitários (Redação dada pela Lei n o 8.883, de ). Nesses preços unitários devem estar inclusas as taxas de Encargos Sociais e BDI. No entanto, observou-se que falta conhecimento de engenharia de custos por grande parte daqueles que elaboram essas composições. Na prática, a maioria dos orçamentistas adota de maneira empírica, essas taxas a partir de publicações, ou porque viu ou soube de alguém que usa valores, sem fazer uma análise criteriosa das características de cada obra. As Parcelas componentes do BDI são: Despesas Indiretas, Administração Central, Impostos e Contribuições e Benefício (Bonificação). TABELA 1 Itens que compõem o BDI ITENS QUE COMPÕEM O BDI % Administração Central 5,91 ISS (5% x 50%) 2,50 COFINS 3,00 PIS 0,65 CPMF 0,38 Imposto de renda (15% x 8%) 1,20 Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (9% x 12%) 1,08 Seguro Obrigatório / Riscos e Eventuais 1,00 Despesas Financeiras 2,42 Bonificação da empresa (Lucro) 8,00 Fonte: Sisplo - Memória de Cálculo do BDI e Encargos Sociais X = (5,91 + 1,00) = 6,91% Y = 2,42% Z = 8,00% I = (2,50 + 3,00 + 0,65 + 0,38 + 1,20 + 1,08) = 8,81% 5

6 Aplicando os percentuais acima na fórmula, obtém-se a seguinte taxa: ( 1+ 0,0691)( 1+ 0,0242)( 1+ 0,08) BDI = 1 ( 1 0,0881) BDI = 0,2968 BDI = 29,68% Os encargos sociais podem ser classificados em trabalhistas, previdenciários e sociais, ou de acordo com a forma de fixação de suas alíquotas. TABELA 2 - Resumo geral dos encargos sociais ENCARGOS SOCIAIS BÁSICOS 37,30% ENCARGOS SOCIAIS S/CONTRA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 39,47% ENCARGOS SOCIAIS INDENIZATÓRIOS 28,21% TAXAS DAS REINCIDÊNCIAS 15,42% ENCARGOS SOCIAIS COMPLEMENTARES 30,79% DIAS DE CHUVA E OUTRAS DIFICULDADES 2,61% TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS TOTAL 152,80% Fonte: Sisplo - Memória de Cálculo do BDI e Encargos Sociais 3. Considerações sobre as ferramentas Duas ferramentas que ajudam na elaboração de orçamentos, no planejamento e no acompanhamento da execução de obras serão apresentadas, quanto às funções, custo e hardware requisitados Ferramenta Computacional Regional: Sisplo O Sisplo é um programa prático e de simples operação, que se propõe a servir de instrumento para Engenheiros, Arquitetos e Técnicos, na elaboração de orçamentos, no planejamento e no acompanhamento da execução de obras, este software foi elaborado pela Empresa Terceira Onda Serviços Ltda, que situa-se na cidade de Belém no Estado do Pará. A idéia desenvolvida foi de que a partir de um levantamento de serviços e quantidades, o usuário do Sisplo possa elaborar um orçamento, produzindo um preço unitário e um preço total para cada serviço, produzindo cronograma macro de execução e disponibilizando essas informações em relatórios. Depois de efetuado o orçamento, o usuário do Sisplo pode planejar a execução da obra e acompanhar a sua execução através da aplicação dos diversos suprimentos, segundo o cronograma de execução, e através da medição dos serviços executados. Com o Sisplo pode-se orçar obras civis, obras de instalações, obras de arte e obras rodoviárias. Em todos os casos, pode-se utilizar composição de preços e/ou suprimentos independentes e/ou verbas. Em orçamentos em que há obras de edificação e serviços de instalação, pode haver necessidade de, em alguns serviços utilizar-se composição de preços e em outros, utilizar-se suprimentos independentes (fios, cabos, tomadas, conectores, eletricistas, cabistas) e em alguns casos ainda, pode ser necessário utilizar verbas. Todos esses recursos pode-se utilizar-se em um mesmo orçamento. O software Sisplo contem um banco de dados com cerca de suprimentos e de composições de preços que servirão de base para a elaboração de orçamentos e atividades de planejamento de obras, utilizando coeficientes de produtividade compatíveis com os utilizados na maioria das obras públicas do Estado do Pará. O banco de dados é 6

7 dinâmico e pode ser enriquecido com a criação de novas composições e/ou ajustes em composições existentes. Como conseqüência, os relatórios gerados pelo sistema são voltados para as necessidades do dia-a-dia da produção, onde as informações do orçamento e do planejamento são manipuladas e emitidas no nível de detalhe compatível com as decisões tomadas nesta hierarquia da produção. Consegue-se através do sistema gerar informações sobre custos, prazos e recursos utilizados na obra, para os diferentes serviços executados em cada pavimento da edificação ou trecho na sua região de periferia. A atividade de planejar obras no Sisplo comporta em criar as etapas ou fases do projeto, distribuir as atividades no tempo, dentro de um cronograma cujo início e fim sejam conhecidos, lançar os serviços e suas respectivas quantidades a serem executadas em cada etapa e calcular o planejamento, em conformidade com a capacidade de execução da empresa e em respeito aos preceitos técnicos, com vistas a executar o projeto, e identificar o total de suprimentos e o desembolso necessário para a execução do projeto. Desse cálculo resulta um banco de suprimentos com as quantidades que necessitarão ser aplicadas em cada etapa ou fase do projeto. Após lançada a quantidade planejada, o Sisplo solicita que sejam informados os dias, dentro da etapa, em que o serviço será executado. Com base na quantidade informada e nos dias em que o serviço será executado, o Sisplo produz vários relatórios, dentre os quais merecem destaque: - Histograma (de materiais, de categorias de mão de obra e de equipamentos), onde são evidenciadas as etapas, os suprimentos e a quantidade a ser empregada. Esse relatório também é conhecido como mapa de compras. - O Plano de atividade e formação de equipe, relatório que considera a jornada de trabalho, a perda de horas trabalhadas por dia, o consumo de horas na execução de cada serviço, a quantidade de dias em que o serviço será realizado, baseado em que, calcula a quantidade de operários necessária para cumprir a tarefa no prazo. Através do módulo de medição, foi possível lançar as informações de medição das diversas obras em andamento e poder acompanhar os seus avanços físicos e financeiros, saldos a executar e a faturar, bem como analisar a aplicação de recursos. Para o bom funcionamento, já que esta ferramenta não funciona sozinha, requer como software Windows 95/98, podendo ser utilizado no Windows XP, na parte de hardware, no mínimo um Pentium 233 Mhz, com 32 Mb de memória RAM e CD-ROM disponível. Preço estimado do software é de R$ 1.200,00 (junho 2006) Ferramenta Computacional Internacional: Ms-Project O Ms_Project é um software da Microsoft, desenvolvido para gerenciamento de projetos. Sua primeira versão foi lançada em Desde então, além de contar com interface gráfica e amigável, vem sofrendo melhorias e dispondo de novos e poderosos recursos, através dele você poderá visualizar seu projeto centrado em diversos interesses: centrado em tempos, custos e recursos. Poderá ainda comparar o planejamento inicial com o efetivo andamento do projeto. O Ms_Project vem com 26 modos predefinidos, Antes de colocar todas as informações no Project, é necessário definir todas tarefas e etapas de seu projeto, o mesmo possibilita a inclusão de informações como: quem está gerenciando o projeto, a empresa, e outras informações adicionais que podem ser utilizadas conforme necessidade. O modo de apresentação original do Ms_Project é o diagrama de gantt, ele é composto por uma tabela e um diagrama de barras horizontais que representam a duração das tarefas do seu projeto. 7

8 A criação de uma estrutura de tópicos hierárquica organiza as tarefas do projeto em grupos. Cada grupo de tarefas é precedido por uma tarefa de resumo, que descreve as tarefas dentro do grupo; cada nível dentro da estrutura de tópicos fornece mais detalhes da tarefa. Uma estrutura de tópicos pode ser criada para tornar mais fácil a leitura de listas de tarefas longas para dividir um projeto em fases distintas ou para criar uma visualização de alto nível do projeto para fins de administração. Pode-se definir etapas para o projeto, cada etapa pode conter uma série de tarefas, pode-se estabelecer vínculos de dependência entre as tarefas, de modo que uma só comece ao terminar outra, ou que venham a terminar simultaneamente e assim por diante. Uma tarefa pode ter relação de dependência com várias outras. Quando uma tarefa é introduzida inicialmente no Ms_Project, ela é programada para começar na data de início do projeto. Vinculando as tarefas, você estabelece uma dependência que determina a seqüência de tarefas. Por seguinte, o Ms_Project agenda as tarefas definindo as datas de início e de término de cada tarefa. As barras de Gantt no modo gráfico de gantt são então movidas para as data apropriada na escala de tempo, e linhas de vínculo são desenhadas para mostrar a dependência. Existem quatro tipos de dependências de tarefas: término-a-início, término - a - término, início-a-início e início-a-término. A dependência término-a-início é a mais comum, enquanto a dependência início-a-término é a menos comum. O MS_Project oferece-lhe modelos de relatórios voltados a diferentes interesses que podem incidir sobre o mesmo projeto. Para o bom funcionamento, o software Windows 95/98, requer na parte de hardware, no mínimo um Pentium 233 Mhz, com 32 Mb de memória RAM e CD-ROM disponível. Preço estimado do software é de U$ 900 (julho 2006). 4. Comparação do Software regional Sisplo e com um software internacional, o Ms_project. Foi elaborado um projeto arquitetônico, com planta baixa, elevações, cortes, que possibilitaram fazer o levantamento dos quantitativos dos serviços integrantes do presente orçamento. Os projetos complementares como: Projeto estrutural, elétrico, hidro-sanitário, telefônico e de rede lógica serão tercerizados, porém para efeito de elaboração dos mesmos tomamos como base as especificações técnicas básicas de um fórum padrão. O Projeto utilizado na aplicação das ferramentas, refere-se à construção de um prédio em pavimento único com 358 m² de área construída, destinado a instalação de um Fórum de Comarca de 1º Entrância, localizado na região nordeste do Estado do Pará, com sistema de comunicação via telefone, correio, televisão, rádio, com acesso por via rodoviária, com pavimentação asfaltica em bom estado de conservação, linhas de ônibus estadual, consequentemente favorecendo o transporte de materiais, o deslocamento da fiscalização e da mão-de-obra terceirizada. O apoio logístico é limitado. Com todos os quantitativos de serviço levantados, partiu-se para a execução do orçamento do projeto utilizando as duas ferramenta em estudo. Com a ferramenta Sisplo, iniciou-se o orçamento do projeto, informando-se a duração da obra, nome do projeto, nome do sub-projeto, e todos os encargos inerentes a obra, como: Leis Sociais, BDI. Estes encargos incidem diretamente na composição de preço de serviços, conseqüentemente no valor total da obra. Na digitação da planilha de orçamento do projeto levou-se os seguintes itens em consideração: despesas iniciais, despesas gerais, serviços iniciais, movimentação de terra, fundações, estrutura, alvenaria, cobertura, instalações: elétrica, telefônica, lógica, hidráulica, 8

9 sanitária e combate a incêndio, revestimento, esquadrias, janelas/balancim, grades de ferro, vidros, pavimentação, aparelhos/louças e acessórios, forro, pintura, soleira/peitoris e rodapé, diversos e por fim limpeza. Com a digitação da planilha de orçamento finalizada gerou-se o preço total da construção do Fórum (obra em questão) através da planilha de serviços e preços, geramos o cronograma físico financeiro, relatórios de insumos e mão-de-obra utilizados na obra. Os serviços medidos são lançados no banco de dados do Sisplo, onde são acumulados com vistas a identificar as defasagens entre o que foi previsto e o que foi realizado. Esses são analisados e suscitam decisões administrativas com objetivo de tomar decisões que posam contribuir para a execução da obra dentro do prazo, dos custos previstos e com o padrão de qualidade esperado pelo contratante. Visualizou-se o planejamento e o acompanhamento das etapas por meio de relatórios, ráficos, e dessa forma, facilitando a fiscalização pelo contratante com geração de boletins de medição, parciais e totais da obra, tudo conforme o que foi programado e orçado na ferramenta Sisplo. Com a ferramenta Ms_Project definiu-se todas tarefas e etapas de seu projeto, onde definiu-se no campo apropriado ("Start Date" ou "Finish Date") qual a data que orientará todo o projeto. Foram iseridas as tarefas, utilizou-se o modo gráfico de gantt, definiu-se as etapas e as tarefas, estabeleceu-se as relações de dependência entre as tarefas Identificou-se o caminho crítico, as tarefas que são cruciais para a duração do projeto.um caminho crítico não pode ter a duração ampliada nem sua data de início retardada sem causar impacto na data final do projeto. As tarefas críticas formam um caminho crítico ao longo do projeto. Foram geradas as planilhas de acompanhamento da obra Com todos os dados inseridos corretamente foi calculado o custo da obra. Fazendo a comparação dos software quando à função, concluiu-se que ambos são utilizado para orçar, planejar e fazer o acomapanhamento da obra de modo que cada um tem a sua particularidade na inserção de dados e caminhos distintos para chegar na elaboração do orcaçamento e planejamento. Quanto aos hardware e software requisitados para utilização das ferramentas, ambos, requerem, no mínimo, Pentium 233 Mhz, com 32 Mb de memória RAM, CD-ROM e Windows 95/98, podendo ser utilizado no Windows XP, sucessivamente. O preço estimado do software regional Sisplo é de R$ 1.200,00 e do Ms_Project é de U$ 900. Verificou-se que a utilização da ferramenta Sisplo foi satisfatória, no que diz respeito a interface simples, de fácil entendimento e interação com o software Excel, atendendo aos requitos de um programa de gerenciamento e planejemento de obra, com a elaboração de relatório simples e precisos para os diversos setores da construção civil e é de baixo custo. Já o Ms_Project é uma ferramenta de altíssima precisão e variados recursos, dentre os diversos recursos disponíveis, destacou-se que baseia-se no modelo de diagrama de rede (ou diagrama de precedências): as tarefas do projeto são criadas na forma de blocos interligados, formando uma rede. Portanto, ele não trabalha com o diagrama de setas, muito popular em programas da década de 60, mas totalmente superados, utiliza tabelas no processo de entrada de dados. Existe um conjunto padrão de tabelas e o usuário pode criar suas próprias tabelas. Em muitas situações, um gráfico de gantt é gerado automaticamente, auxiliando o processo de entrada de dados, aceita relações de precedências entre tarefas tipo fim-início, início-início, fim-fim, e início-fim, permite tarefas recorrentes (ocorrem de forma repetitiva), permite estabelecer níveis hierárquicos através de tarefas de resumo. Este aspecto é muito útil na criação da estrutura de decomposição do trabalho, permite uso de subprojetos, possui recursos para agrupar, filtrar e classificar tarefas, possui um conjunto padrão de relatórios e o usuário pode criar seus próprios relatórios, permite a inclusão de campos do usuário, que aceitam diversos tipos de operação, tempo (datas e folgas), o cálculo da rede é feito automaticamente 9

10 com a entrada de dados, o cálculo da rede pode ser feito do início para o fim ou do fim para o início, permite o uso de datas programadas para as tarefas, permite o uso do modelo probabilístico. Portanto, o Ms_Project é uma ferramenta poderosa, com vários recursos, e nele obtem-se muitos benefícios e crescimento para a pessoa que está planejando a obra e utomaticamente para a empresa que está se beneficiando o software. 5. Conclusões Este trabalho foi de grande importância para desenvolver o planejamento e orçamento de uma obra, comparando duas ferramentas para orçar e planejar. Devido à exigência e a competitividade do mercado da construção civil, as empresas procuram ferramentas que possibilitem o maior controle dos métodos de planejamento e orçamento, visando à redução das perdas e dos gastos. Valores orçamentais foram calculados, aproximando, ao máximo, da realidade, evitando sérias distorções no cálculo dos encargos sociais e BDI, pois estas parcelas influenciam diretamente no preço final da obra. Gerentes de projetos, diretores, investidores, etc. estão normalmente envolvidos em inúmeros projetos e precisam de relatórios sintéticos que mostrem o andamento dos projetos e facilitem a percepção de pontos críticos que requerem providências. Ferramentas como o Ms_ Project são excelentes para viabilizar controle detalhado de projetos mas são complexas demais para uso na captura de informações e não criam os relatórios sintéticos que os dirigentes requerem. Isso não reduz o valor de ferramentas como o Ms_Project mas mostra que ferramentas complementares são também necessárias. O Sisplo é um programa prático e de simples operação, que serve de instrumentos para engenheiro, arquitetos e técnicos, na elaboração de orçamentos, planejamento e no acompanhamento da execução da obra. Constatou-se a facilidade e agilidade na elaboração do orçamento, devido o seu banco de dados possuir cerca de suprimentos e de composições de preços que servem de base para o planejamento das atividades referentes ao projeto, o qual aproxima o planejado do executado, devido seus relatórios e planilhas de cálculos de encargos sociais. Devido ao alto custo das ferramentas que geram orçamento, planejamento e custos de obra, a ferramenta Sisplo aparece como uma solução vantajosa por obter resultados semelhantes, além de ser um produto de fácil acesso por ter sido desenvolvido na regiaõ norte e possuir um menor custo do que o software internacional Ms_Project, porém é uma ferramenta poderosa, com vários recursos, e nele obtem-se muitos benefícios e crescimento para a empresa. 6. Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Avaliação de Custos Unitários e Preparo de Orçamentos de Construção para Corporação de Edifícios em Condomínios: NBR NB 140/65. Rio de Janeiro, AZEVEDO, A. C. S. Introdução a Engenharia de Custos. Editora PINI, São Paulo, 2 º Edição, GALBRAITH, J. Organization design: an information processing view. Interfaces, v.2, n.3, p.28-36, LAUFER, A.; TUCKER, R. L. Is Construction Planning Really Doing its Job? A Critical Examination of Focus, Role and Process. Construction Management and Economics, Londres, E. & F. N. Spon, v. 5, n. 3, p , may LIBRELOTTO, L.I. et al. Custos na Construção Civil: uma análise teórica e comparativa. Núcleo de Pesquisa em Construção Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis,

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO Renata Brabo Mascarenhas Barra (UEPA ) renatabbarra@hotmail.com GABRELA ANDRADE

Leia mais

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO APERFEIÇOAMENTO ENGENHARIA DE CUSTOS E ORÇAMENTOS TURMA 01 FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Milagres do Nascimento Engenheira civil orçamentista

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I:

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I: Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Unidade I: 0 Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras GERENCIAMENTO DE OBRAS Programas computacionais gráficos podem ajudar na elaboração de orçamentos,

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Prof. Ms. Daniele Ornaghi Sant Anna Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Programas computacionais gráficos podem

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Controle Interno Coordenadoria de Auditoria e Fiscalização

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Controle Interno Coordenadoria de Auditoria e Fiscalização NOTA TÉCNICA Nº 1/2007 SCI Brasília, 13 de dezembro de 2007. Assunto: Definição de limites para BDI nas contratações de serviço com locação de mão-de-obra: 26,44% para o regime de incidência cumulativa

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

CUB e Preço de Venda

CUB e Preço de Venda CUB e Preço de Venda Histórico do CUB: O CUB Custo Unitário Básico tem amparo na Lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964, que dispõe sobre as incorporações imobiliárias. Com amparo nesta Lei, surgiu em 1965

Leia mais

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1-

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1- Módulo de Gestão de Custos -1- A crescente necessidade das empresas, em melhorar o desempenho dos seus projetos, leva automaticamente a uma melhor gestão dos processos de Controle de Custo. O vem para

Leia mais

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS 1. Curso de ORÇAMENTO E CALCULO DE CUSTOS de Obras Inclui Composição de Preços, BDI e Programa de Orçamento Edificações Terraplanagem Estruturas Pavimentação

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos Darci Prado Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos SEÇÃO A: CONHECIMENTOS BÁSICOS SEÇÃO A-1: PLANEJAMENTO DE UM PROJETO 1. Uso do Computador em Gerenciamento de Projetos: o MS-Project........................

Leia mais

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção

Leia mais

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL Cristian Joaquim (1), Mônica Elizabeth Daré (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)cristianjoaquim@hotmail.com(2)m.dare@terra.com.br

Leia mais

Etapas e Serviços da Construção

Etapas e Serviços da Construção Especificação da Construção Capítulo 2 Etapas e Serviços da Construção 2.1 Introdução Antes de qualquer outra coisa, e dispondo basicamente do conjunto de documentos contendo a especificação da obra, um

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Paulista -

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1); ARAÚJO, Nelma Mirian Chagas de (2)

SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1); ARAÚJO, Nelma Mirian Chagas de (2) ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS INDICADORES DE CONSUMO DO TCPO E O CONSUMO REAL DESTES NOS CANTEIROS DE OBRA EM CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA PB SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1);

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO O governo federal estabeleceu, em 2011, uma nova modalidade de licitação conhecida como Regime Diferenciado de Contratações

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES Fabiane Vieira ROMANO M. Eng. Produção, Eng. Civil, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Equipamentos Públicos

Equipamentos Públicos Equipamentos Públicos 1 Como fiscalizar Conheça o método de fiscalização das obras dos Fóruns da Bahia Vistoria dos Fóruns de Itabuna e Vitória da Conquista envolve compatibilização dos projetos por meio

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

CURSO OBRAS RODOVIÁRIAS : ORÇAMENTO, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO

CURSO OBRAS RODOVIÁRIAS : ORÇAMENTO, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO CURSO OBRAS RODOVIÁRIAS : ORÇAMENTO, PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO O setor de transportes rodoviários tem destacada importância no desenvolvimento econômico nacional. Anualmente são disponibilizados recursos

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1 Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1. Estudo de Viabilidade Econômica para Solução CADDPROJ - Será que é preciso Otimizar o processo de Projeto? E agora, continuar no método Antigo ou Inovar?

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Ref.:Orçamento: BDI Benefícios e Despesas Indiretas BDI Benefícios

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

apresentação do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275

apresentação do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275 apresentação do sistema Um ERP para a Construção Civil O negócio Construção Civil tem necessidades específicas de controle: faturamento direto para o cliente alocação de pedidos em serviços específicos

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros Primeira

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

Planejamento e Controle de Obras

Planejamento e Controle de Obras NOVO LIVRO COM MS-PROJECT 2016 Planejamento e Controle de Obras com Microsoft Project 2016 Inclui: 2 pôsteres Proposta de implantação em construtoras Exemplos de EAP s Exemplo de pasta de planejamento

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Renato da Silva SOLANO

Renato da Silva SOLANO INDICADORES OPERACIONAIS DE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE PARA EDIFICAÇÕES DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DE LEVANTAMENTO NA FASE DE PROJETO E RELACIONAMENTO COM A FUNÇÃO

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04 Prof. Fábio Diniz FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DE PROJETOS Na aula anterior Project Charter. EAP / WBS. MS Project.

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

Exportação e Importação de Orçamentos

Exportação e Importação de Orçamentos Exportação e Importação de Orçamentos Copyright 2013 By Softplan. Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqTec Alfa João Paulo Florianópolis SC CEP 88030-000 Telefone: (48)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial Marcelo Ribeiro de Godoi Orçamento Fácil Construção Civil Predial Março/2009 Orçamento Fácil Construção Civil Predial 7 Capítulos 1ª edição - 1998 2ª edição - 2003 3ª edição - 2008 4ª edição - 2009 Copyright

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS OBJETIVO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS 04 E 05 DE SETEMBRO DE 2013 Curitiba/PR Proporcionar o aprimoramento dos servidores envolvidos diretamente na elaboração de orçamentos de obras e

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

PROJETO BÁSICO OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO ENDEREÇO: AVENIDA PRESIDENTE VARGAS, LOTE 34, QUADRA Q, SETOR CENTRAL, CERES - GOIÁS

PROJETO BÁSICO OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO ENDEREÇO: AVENIDA PRESIDENTE VARGAS, LOTE 34, QUADRA Q, SETOR CENTRAL, CERES - GOIÁS PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO PARA: OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO OBJETO DA LICITAÇÃO: O objeto da presente licitação é a OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO, na forma de

Leia mais

Guia Rápido Programs & Portfolio

Guia Rápido Programs & Portfolio Guia Rápido Programs & Portfolio Índice Índice 2 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e gerenciar

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275

relatórios do sistema http://www.luminait.com.br Lumina@LuminaIT.com.br +55 11 3996 4275 relatórios do sistema RELATÓRIOS DO SISTEMA Antes de detalharmos alguns dos relatórios do sistema, vale lembrar que o Lumina ERP trabalha com quatro visões da WBS (EAP). A partir destas visões nascem as

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015.

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 2015. REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Este documento visa responder às solicitações formuladas

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA. Curso de Engenharia Civil. Franciele Taís Fridhein

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA. Curso de Engenharia Civil. Franciele Taís Fridhein UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA Curso de Engenharia Civil Franciele Taís Fridhein FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARA

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CADERNO DE ENCARGOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CADERNO DE ENCARGOS Processo...: 08153-000393/2007-02 Objeto... :Tomada de Preços nº 01/2007 Contratação de empresa para a execução de Serviços de Pintura do prédio Sede da PRT 23ª Região Local...: Rua Presidente Castelo

Leia mais