16 de Setembro - Dia Mundial da Proteção da Camada de Ozônio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16 de Setembro - Dia Mundial da Proteção da Camada de Ozônio"

Transcrição

1 16 de Setembro - Dia Mundial da Proteção da Camada de Ozônio A Camada de Ozônio e sua Importância para a Preservação da Vida na Terra Armando Tanimoto Paulo Soares

2 Sumário Introdução Origem do Trabalho Importância do Assunto Radiação Não Ionizante; Por que os UV-B são nocivos; As Camadas da Atmosfera; Ozônio: Sua Formação e Destruição Natural, Função ; SDO: Sua Utilização no Brasil, Produção e Consumo no Mundo e Concentração na Atmosfera; Acordo Internacional e Instrumentos Normativos Brasileiros; A Química da Destruição do Ozônio Estratosférico; Potencial Destruidor da Camada de Ozônio e sua Relação com o Efeito Estufa; Conclusão Sessão de Perguntas

3 Introdução Origem do Trabalho Curso de Pós-Graduação em Gerenciamento Ambiental e Tecnologias Limpas na Indústria - UFBA Importância do Assunto

4 Radiação Não Ionizante Conceitos Básicos A B C

5 Conceitos Básicos Por que os UV-B são nocivos? Devido ao seu alto nível energético, pode afetar muitos processos químicos e biológicos. Efeitos na saúde humana e nos animais: Aumento de incidência de catarata; Queimaduras e câncer de pele (-1% de conc. de O3 leva ao aumento de 2% de câncer); Redução da capacidade imunológica contra agentes infecciosos. Efeitos nos Ecossistemas Limitação do crescimento nos vegetais; Atraso no período de brotamento das flores; Diminuição na taxa de produção dos fitoplânctons. Efeito nos Materiais Redução no tempo de vida útil dos plásticos.

6 Camadas da Atmosfera Conceitos Básicos

7 Conceitos Básicos A Formação do Ozônio O 2 Radiação UV < 200 nm 2O O + O 2 O 3

8 Desenvolvimento - Conceitos Básicos A Destruição Natural do Ozônio O 3 Radiação UV 200 a 315 nm O 2 + O

9 Desenvolvimento - Conceitos Básicos

10 Conceitos Básicos A Função do Ozônio Estratosférico

11 Substâncias Destruidoras da Camada de Ozônio (SDO) O que são as SDO? São compostos orgânicos com átomos de halogênios Nomenclatura: N o de ligações duplas N o de Carbonos -1 CFC - abcd N o de Fluor N o de H +1 N o de Carbonos N o de Flúor Halon - abcd N o de Bromo N o de Cloro Ex: CFC-11 Halon

12 Substâncias Destruidoras da Camada de Ozônio Utilização no Brasil 2,8% 10% 0,8% 5,6% 21,9% 2,9% 50,8% 5,6% - Refr. Dom. 21,9% - Espumas 5,6% - Refr. Com 2,9% - Aerossóis 50,8% - serviço 2,8% - A/C Automotivo 10% - Solventes 0,8% - Extinção de Incêndio Figura 6 - Consumo Brasileiro em Termos de PDO por Setor (1993) Fonte: PBCO 5,6%

13 Substâncias Destruidoras da Camada de Ozônio (SDO) Histórico no Mundo Dez/73: Rowland e Molina descobrem que os CFC podem destruir o ozônio estratosférico; Jun/75: Oregon/USA bane o uso de CFC em aerossóis; Out/78: CFC em aerossóis banido nos USA; Out/84: Pesquisadores ingleses comprovam queda de 40% do ozônio na Antártida; Mar/85: Convenção de Viena; Set/87: Assinado o Protocolo de Montreal (redução de 50% até 1999); 90: Emenda de Londres acelera a substituição dos CFC (redução de 100%/2000) 92: Emenda de Copenhagen antecipa a eliminação para jan.96 (Países desenvolvidos) Jan/95: Comprovada redução do ozôniospbre o Ártico Out/95: Rowland e Molina ganham o Prêmio Nobel de Química.

14 Produção e Consumo das SDO 1400 Produção Mundial de CFC a 1995 (Fonte DUPONT) Assinatura do Protocolo de Montreal (1987) Primeira Publicaçãosobre a Destruição da Camada de Ozônio (1974) 800 Mil Ton

15 ODP Tonnes ODP Tonnes Produção e Consumo de CFC Production of CFCs ( As Reported to the Ozone Secretariat, UNEP) Consumption of CFCs ( As Reported to the Ozone Secretariat, UNEP) 1,200, ,200, ,000, ,000, , , , , , , , , Developing Countries CEIT Countries Industrialised Countries Year Developing Countries CEIT Countries Industrialised Countries Year

16 ODP Tonnes ODP Tonnes Produção e Consumo de HALON Production of Halons ( As Reported to the Ozone Secretariat, UNEP) Consumption of Halons ( As Reported to the Ozone Secretariat, UNEP) 250, , , , , , , , ,000 50, Developing Countries CEIT Countries Industrialized Countries Year Developing Countries CEIT Countries Industrialized Countries Year

17 Gas Abundance in PPT Total Gaseous Chlorine in PPT Concentração das SDO na Atmosfera Atmospheric Concentrations of CFC-11, CFC-12, CFC-113, Carbon Tetrachloride, Methyl Chloroform and Total Gaseous Chlorine (Source: World Resource , WRI) CFC-11 CFC-12 CFC-113 Carbon Tetrachloride Methyl Chloroform Total Gaseous Chlorine Year

18 Acordos Internacionais Convenção de Viena - 85 Participação de 21 países; Objetivo: Proteger a Camada de Ozônio; Reconhecimento do Poder de Destruição dos CFC; Priorização de Temas Científicos para Pesquisas (Física e Química da Atmosfera) Protocolo de Montreal - 87 Participação de 24 Países; Divulgada Lista das SDO sob Controle; Base 86-50% de Redução em 1999; Divisão dos Países em 2 Blocos: Países Desenvolvidos e em Desenvolvimento (consumo < 0,3 kg de SDO per capita); Reuniões Subsequentes (Anuais).

19 Acordos Internacionais Emenda de Londres - 90 Participação de 53 países (inclusive o Brasil); Antecipado Prazo para Redução de Produção e Consumo para jan.2000 Inclusão de outras SDO (CFC, TCC, 1,1,1 Tricloetano); Criação do Fundo Multilateral. Emenda de Copenhagen - 92 Participação de 74 Países; Antecipado Prazo para Redução de Produção e Consumo para jan.96; Inclusão de outras SDO (HCFC, HBFC e o Brometo de Metila).

20 Tempo Limite para a Redução de Consumo A N E X O A A N E X O B Gp. I (CFC- 11/12/113/114/115) a.b. 95~ Gp. II (Halon 1211/1301/2402) a.b. 95~ Gp. I (Outros CFC) Gp. II (CCl4 a.b. 98~ Gp. III (Metilclorofórmio) a.b. 98~ Gp. I (HCFC) ANEXO C Gp. II (HBFC) 100 ANEXO E Brometo de Metila a.b. 95~ Países Desenvolvidos

21 Instrumentos Normativos Brasileiros CONAMA 13/95 Prazo Final (mar.96) para cadastramento das empresas que produzam, importem, exportem, comercializem ou utilizem as SDO em quantidades acima de 1 ton; Proibição, a partir de 29.dez.95, do uso das substâncias dos Anexos A e B do Protocolo de Montreal em equipamentos, produtos e sistemas novos, nacionais ou importados em: Instalações de combate a incêndio; Ar condicionado central; Instalações frigoríficas com compressores de potência igual ou superior a 100 HP. Proibição, a partir de 01.jan.97, do uso das substâncias dos Anexos A e B em: Ar condicionado automotivo (modelos novos); Todos os usos como solventes (prorrogado até 01.jan.99 pela Res. 229/97) Proibição, a partir de 01.jan.2001, do uso das substâncias do anexo A e B em: Ar condicionado automotivo (todos os modelos); Refrigeradores e congeladores domésticos; Todos os usos como esterelizantes, espuma rígida e semi-rígida; E em todos os demais sistemas de refrigeração.

22 A Ação do Cloro A Química da Destruição do Ozônio CCl 3 F Radiação UV 175 a 220 nm Cl + CCl 2 F Radiação UV CCl 2 F 2 Cl + CClF a 220 nm Cl + O 3 ClO + O 2 ClO + O Cl + O 2 Ciclo catalítico do Cloro

23 A Química da Destruição do Ozônio A Ação do Bromo Br x / O x BrO + O Br + O 2 Br + O 3 BrO + O 2 O 3 + O 2O 2 Br x / Cl x BrO + ClO Br + ClOO ClOO + M Cl + O 2 + M Br + O 3 BrO + O 2 Cl + O 3 ClO + O 2 2O 3 3O 2 Br x / NO x / O x BrO + NO 2 + M BrONO 2 + M BrONO 2 + hv Br + NO 3 NO 3 + hv NO + O 2 NO + O 3 NO 2 + O 2 Br + O 3 BrO + O 2 2O 3 3O 2 Br x / HO x / O x BrO + HO 2 HOBr + O 2 HOBr + hv OH + Br OH + O 3 HO 2 + O 2 Br + O 3 BrO + O 2 2O 3 3O 2 Ciclo catalítico do Bromo

24 A Química da Destruição do Ozônio A Ação dos Óxidos de Nitrogênio N 2 O + hv N 2 O + O N 2 + O 2NO NO + O 3 NO 2 + O 2 NO 2 + O NO + O 2 Ciclo catalítico do Nitrogênio

25 A Química da Destruição do Ozônio A Ação do Hidrogênio OH + O 3 HO 2 + O 2 H 2 O + O 2OH Ciclo catalítico do Hidrogênio

26 A Química da Destruição do Ozônio O Poder Destruidor de Outras Substâncias HF = Estáveis Impacto desconhecido HCFC = Removidos na troposfera pelo ataque da hidroxila OH + H-R H 2 O + R

27 PDO x GWP Comparação dos efeitos de destruição da Camada de Ozônio e o Potencial do efeito Estufa Halon-1301 Halon-1211 Carbon Carbon Tetrachloride 1.1 CFC-12 CFC-12 1 CFC-114 CFC CFC-11 CFC-11 1 CFC-113 CFC CFC-115 CFC Methyl Bromide 0.6 HCFC-141b 0.11 Methyl Chloroform 0.1 HCFC-142b HCFC-22 HCFC HCFC-124 HCFC HFC-32 HFC-32 HFC-134a HFC-134a Global Worming Potential (20 Year, CO2 = 1) (Source: Scientific Assessment of Ozone Depletion) Ozone Depletion Potential (CFC-11 = 1) (Source: The Montreal Protocol)

28 Estimativa de Consumo das SDO na Bahia ?? Polo Bahia Brasil

29 Principais Causas de Perdas na Indústria Liberação Intencional Projetos de sistemas de refrigeração deficientes; Desinformação do potencial de danos ao meio ambiente; Procedimentos de manutenção inadequados. Emissão Fugitiva Manutenção preventiva inexistente; Equipamentos inadequados (juntas, gaxetas etc)

30 Conclusão Desafios a serem vencidos para que os prazos assumidos pelo Brasil sejam cumpridos Maior envolvimento das Organizações Estaduais de Meio Ambiente no monitoramento do uso das SDO; Proibir a emissão de SDO para a atmosfera nos serviços de manutenção; Criar uma estrutura de recolhimento e reciclagem dos CFC; Inserir as instituições de ensino técnico em programas de treinamentos dos milhares de técnicos de refrigeração e ar condicionado; Criar linhas de financiamento para as pequenas empresas substituirem os sistemas que utilizem as SDO; Revisar as alíquotas do imposto de importação dos produtos controlados e dos substitutos (10 e 14% respectivamente), diminuindo assim a defasagem de preços entre os produtos;

31 Conclusão Proibição de liberação SDO para atmosfera Atmosfera Envolvimento das Org. Est. de Meio Ambiente SDO CFC Halon Treinamento Linhas de financiamento

32 Buraco na Antártida Em Out.97, atingiu-se os valores mais baixos, jamais registrados na Antártida. Mais de 50% do ozônio estratosférico foi destruido durante a primavera

33 Buraco na Antártida Teoria da Química Heterogênea Formação de Nuvens Polares Estratosféricas Temperaturas extremamente baixas (-85 oc) levam a formação de cristais de gelo Reações químicas ocorrem em diferentes estados físicos dos reagentes (sólido e gasoso) Longo inverno sem movimentação das camadas gasosas Formação de substâncias reservatórios (ClONO 2, HOCl, N 2 O 5 entre outras)

34 Buraco na camada de ozônio / Antártida

35 Buraco na camada de ozônio / Antártida

36 Buraco na camada de ozônio / Antártida

37 Buraco na camada de ozônio / Antártida

38

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC.

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Nome do Indicador: Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Os clorofluorcarbonos (CFC's) são substâncias artificiais que foram por muito tempo utilizadas nas indústrias de

Leia mais

Proteção da Camada de Ozônio

Proteção da Camada de Ozônio Proteção da Camada de Ozônio 1. O que é o ozônio? O ozônio (O 3 ) é um dos gases minoritários mais importantes que, embora encontrado em toda a atmosfera, concentra-se (cerca de 90% do total) na região

Leia mais

DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO

DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO DO AMBIENTE UNIDADE NACIONAL DO OZONO 16 DE SETEMBRO DIA MUNDIAL DA PRESERVAÇÃO DA CAMADA DE OZONO LUANDA - ANGOLA 2010 Angola 1 PROTOCOLO

Leia mais

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque O OZONO NA ATMOSFERA O buraco na camada de ozono é a região sobre Antárctica com um total de 220 ou menos unidades de Dobson A imagem mostra o buraco em outubro de 2004. Imagem obtida pelo satélite Aura

Leia mais

Glossário O Q U E O B R A S I L E S T Á F A Z E N D O P A R A A P R O T E Ç Ã O D A C A M A D A D E O Z Ô N I O

Glossário O Q U E O B R A S I L E S T Á F A Z E N D O P A R A A P R O T E Ç Ã O D A C A M A D A D E O Z Ô N I O Glossário CFC Conama Consumo GTZ HC HFC HCFG Ibama PDO PFC PNC PNUD SDOs Unido Clorofluorcarbono Conselho Nacional do Meio Ambiente Produção de determinada substância, excluindo-se suas importação, exportação

Leia mais

O que é o ozônio e onde se encontra?

O que é o ozônio e onde se encontra? O que é o ozônio e onde se encontra? zônio é um gás naturalmente presente na atmosfera. Cada O molécula contém três átomos de oxigênio e é quimicamente designado por O 3. Figura 1: Formação de Ozônio na

Leia mais

Sumário Executivo PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO

Sumário Executivo PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO Sumário Executivo O Brasil tem feito sua parte ao se analisar os esforços internacionais para a proteção da Camada de Ozônio. O Protocolo de Montreal estabelece as obrigações

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH. Fábio Moraes dos Santos Analista Ambiental Coordenação CPCO

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH. Fábio Moraes dos Santos Analista Ambiental Coordenação CPCO PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH Fábio Moraes dos Santos Analista Ambiental Coordenação CPCO Evolução do buraco da Camada de Ozônio na Antártida Setembro 1980 Setembro 2011 Setembro 1980

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

RECOLHIMENTO, RECICLAGEM E REGENERAÇÃO DE FLUIDOS REFRIGERANTES: bom para o Meio Ambiente, bom para você!

RECOLHIMENTO, RECICLAGEM E REGENERAÇÃO DE FLUIDOS REFRIGERANTES: bom para o Meio Ambiente, bom para você! Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio Telefone: (61) 2028-1934 Fax: (61)

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

O que é o ozônio e onde se encontra?

O que é o ozônio e onde se encontra? O que é o ozônio e onde se encontra? Ozônio é um gás naturalmente presente na atmosfera. O Cada molécula contém três átomos de oxigênio e é quimicamente designado por O 3. Raios Ultravioleta Ionosfera

Leia mais

Eliminação do Consumo de Hidroclorofluorcarbonos - HCFCs

Eliminação do Consumo de Hidroclorofluorcarbonos - HCFCs SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL - SMCQ Eliminação do Consumo de Hidroclorofluorcarbonos - HCFCs FRANK AMORIM ANALISTA AMBIENTAL Mecanismo de destruição da molécula de ozônio Radiação

Leia mais

Proteção da Camada de Ozônio: Convenção de Viena e Protocolo de Montreal

Proteção da Camada de Ozônio: Convenção de Viena e Protocolo de Montreal Ficha Catalográfica (preparado pelo Setor de Biblioteca da CETESB) S242e São Paulo (Estado). Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Entendendo o Meio Ambiente / Coordenador geral [do] Secretário de Estado

Leia mais

o buraco da camada de ozônio sobre a Antártida está lentamente se curando

o buraco da camada de ozônio sobre a Antártida está lentamente se curando CAMADA DE OZÔNIO O ozônio (O 3 ) é produzido pela ação da luz ultravioleta proveniente do Sol sobre o oxigênio (O 2 ) do ar. A camada de ozônio é uma porção da estratosfera situada a cerca de 22 km do

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Uso RESOLUÇÃO CONAMA nº 267 de 2000

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Uso RESOLUÇÃO CONAMA nº 267 de 2000 RESOLUÇÃO CONAMA nº 267, de 14 de setembro de 2000 Publicada no DOU n o 237, de 11 de dezembro de 2000, Seção 1, páginas 27-29 Correlações: Alterada pela Resolução n o 340/03 (revogado o art. 7 o e alterado

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas www.ecoevol.ufg.br/adrimelo/ecossistemas Aula 9: Poluição

Leia mais

Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio e Protocolo de Montreal sobre Substâncias que destroem a Camada de Ozônio

Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio e Protocolo de Montreal sobre Substâncias que destroem a Camada de Ozônio do Meio Proteção da Camada de Ozônio: Convenção de Viena e Protocolo de Montreal Entendendo o Meio Ambiente Volume V Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio e Protocolo de Montreal sobre

Leia mais

República de Angola Ministério do Urbanismo e Ambiente Direcção Nacional do Ambiente Unidade Nacional do Ozono OZONO: A PROTECÇÃO QUE ENVOLVE A TERRA

República de Angola Ministério do Urbanismo e Ambiente Direcção Nacional do Ambiente Unidade Nacional do Ozono OZONO: A PROTECÇÃO QUE ENVOLVE A TERRA República de Angola Ministério do Urbanismo e Ambiente Direcção Nacional do Ambiente Unidade Nacional do Ozono OZONO: A PROTECÇÃO QUE ENVOLVE A TERRA UNIDADE NACIONAL DO OZONO LUANDA-2007 1 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Poluição do ar. Tempo de residência: tempo médio de permanência da espécie no ar.

Poluição do ar. Tempo de residência: tempo médio de permanência da espécie no ar. Poluição do ar Para avaliar a extensão de alcance do poluente, deve-se conhecer o tempo de residência da espécie na atmosfera e as condições atmosféricas Tempo de residência: tempo médio de permanência

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA RESÍDUOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) PROTOCOLO DE MONTREAL

LOGÍSTICA REVERSA RESÍDUOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) PROTOCOLO DE MONTREAL LOGÍSTICA REVERSA RESÍDUOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) PROTOCOLO DE MONTREAL Setembro/2014 Oseas Omena SDOs Substâncias que destroem a camada de ozônio Substâncias químicas sintetizadas pelo homem,

Leia mais

Plano de aula incluindo recursos multimédia de Química

Plano de aula incluindo recursos multimédia de Química Grupo de Multimédia, Ensino e Fronteiras da Química Centro de Investigação em Química da Universidade do Porto CIQ (U.P.) Plano de aula incluindo recursos multimédia de Química Título: Camada de ozono

Leia mais

Aula 7. Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras. Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba de Sousa

Aula 7. Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras. Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba de Sousa Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Aula 7 Principais problemas ambientais e as legislações brasileiras Thalles Pedrosa Lisboa/ Prof. Rafael Arromba

Leia mais

Ameaça à Camada de Ozônio

Ameaça à Camada de Ozônio Ameaça à Camada de Ozônio Início dos anos 70 cientistas identificaram problemas em potencial relacionados a: exaustão de aviões supersônicos voando na baixa estratosfera e produtos químicos usados em refrigeradores

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA PROTOCOLO DE MONTREAL CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

União em benefício global

União em benefício global União em benefício global o completar 20 anos de vigência em Setembro de 2007, o Protocolo de Montreal consolida-se A como um dos mais eficientes acordos multilaterais estabelecidos pelo sistema das Nações

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Química da Atmosfera

Química da Atmosfera Química da Atmosfera Capítulos 1 ao 4 do Colin Baird Capítulo 1 Química Estratosférica: A camada de ozônio Troposfera: *15km altitude *85% da massa H 2 O quantidades variáveis; CO 2 0,04% 1 Regiões da

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO NO BRASIL

A PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO NO BRASIL Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio A PROTEÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO NO BRASIL

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado

Leia mais

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas Brasília, 21 de setembro de 2011 Audiência Pública Senado Federal 5a. Reunião Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas -CMMC Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Nacional I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO: Projeto PNUD BRA/10/G71 Fortalecimento Institucional para a Proteção da Camada de Ozônio II - CONTEXTO DA CONTRATAÇÃO O Protocolo

Leia mais

Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável

Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH) Etapa II - Proposta para o Setor de Serviços Stefanie von Heinemann Seite 1 Diagnóstico do Setor de

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no consumo de HFCs e PFCs

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no consumo de HFCs e PFCs SEGUNDO INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA RELATÓRIOS DE REFERÊNCIA EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no

Leia mais

Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio

Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Protocolo de Montreal para Proteçao da Camada de Ozônio Ações de Controle do Comércio de SDOs

Leia mais

FLUÍDOS FRIGORÍFICOS

FLUÍDOS FRIGORÍFICOS FLUÍDOS FRIGORÍFICOS , Fluidos Frigoríficos ou Refrigerantes Substâncias empregadas como veículo térmico para transporte de calor nos sistemas de refrigeração Podem ser classificados nas seguintes categorias:

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental por L. Roriz Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização Discutir a efectiva contribuição da climatização para

Leia mais

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas

Leia mais

F lu í d o s Re f ri g e r ant es. Capital Comércio de Refrigeração Ltda. Rua Guaiaúna, 380 São Paulo SP www.capitalrefrig.com.br

F lu í d o s Re f ri g e r ant es. Capital Comércio de Refrigeração Ltda. Rua Guaiaúna, 380 São Paulo SP www.capitalrefrig.com.br F lu í d o s Re f ri g e r ant es Alte rnat ivos NOSSO OBJETIVO COM ESTA A P RESENTAÇÃO Nosso objetivo! Compartilhar uma visão presente e futura para fluidos refrigerantes; Ajudar nossos clientes na tomada

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

PERGUNTAS. Um planeta 2/ O Sol envia-nos (há várias respostas correctas): Luz Energia Fogo Calor

PERGUNTAS. Um planeta 2/ O Sol envia-nos (há várias respostas correctas): Luz Energia Fogo Calor 1/ O Sol é: Uma estrela 1 PERGUNTAS Um planeta 2/ O Sol envia-nos (há várias respostas correctas): Luz Energia Fogo Calor Chuva 3/ É verdade que o Sol gira à volta da Terra: Sim Não 4/ A camada de ozono

Leia mais

Os compressores alternativos podem ser montados de três formas distintas; abertos, herméticos e semiherméticos.

Os compressores alternativos podem ser montados de três formas distintas; abertos, herméticos e semiherméticos. 2. COMPRESSORES 2.1 INTRODUÇÃO. Neste capítulo será feita uma análise individual do compressor. Esta análise individual será usada futuramente para verificar o equilíbrio funcional entre os demais componentes.

Leia mais

O PROTOCOLO DE MONTREAL E A ELIMINAÇÃO DAS SDOs NO BRASIL

O PROTOCOLO DE MONTREAL E A ELIMINAÇÃO DAS SDOs NO BRASIL Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Coordenação de Proteção da Camada de Ozônio O PROTOCOLO DE MONTREAL E A ELIMINAÇÃO

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Este documento, e outros relativos à prevenção e protecção contra incêndio, encontra-se na página da Internet dos Consultores de Risco da Allianz

Leia mais

A TERRA E SUA ATMOSFERA

A TERRA E SUA ATMOSFERA A TERRA E SUA ATMOSFERA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Ahrens, C. D. Meteorology Today Trewartha & Horn An Introduction to Climate Varejão-Silva, M. A. Meteorologia e Climatologia Tamanho relativo dos planetas

Leia mais

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2. O ozono como filtro protetor da Terra. Formação e decomposição do ozono na atmosfera. Filtros solares. Alternativas aos CFC. Como se mede

Leia mais

: fórmula mínima M = (1. 12 + 4. 1) g/mol M = 16g/mol. b) A equação química do processo é: (g) + 2O 2. (g) CO 2. (g) + 2H 2

: fórmula mínima M = (1. 12 + 4. 1) g/mol M = 16g/mol. b) A equação química do processo é: (g) + 2O 2. (g) CO 2. (g) + 2H 2 20 A Bolívia é um grande produtor de gás natural (metano) e celebrou com o Brasil um acordo para a utilização deste importante recurso energético. Para seu transporte até os centros consumidores, há um

Leia mais

GTZ/Proklima Agência de Cooperação Técnica Alemã em cooperação com SENAI e Ministério do Meio Ambiente

GTZ/Proklima Agência de Cooperação Técnica Alemã em cooperação com SENAI e Ministério do Meio Ambiente REALIZAÇÃO GTZ/Proklima Agência de Cooperação Técnica Alemã em cooperação com SENAI e Ministério do Meio Ambiente SUPERVISÃO EXECUTIVA Juergen Usinger Gustavo Arnizaut SUPERVISÃO TÉCNICA E REVISÃO (3ª

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A GESTÃO DOS GASES AMBIENTALMENTE CONTROLADOS NA MARINHA DO BRASIL Por: Leonardo Tannure Orientador Prof. Dr. Francisco Carrera

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

OZÔNIO O PROTETOR SOLAR DA TERRA ATIVIDADE 5

OZÔNIO O PROTETOR SOLAR DA TERRA ATIVIDADE 5 OZÔNIO O PROTETOR SOLAR DA TERRA ATIVIDADE 5 CARO MONITOR A atividade 5 envolverá as aulas 38 de Biologia e a 13 de Química, vocês notarão que a partir dela estaremos refletindo sobre temas que atualmente

Leia mais

Índice R E L A T Ó R I O 2 0 0 5-2 0 0 7

Índice R E L A T Ó R I O 2 0 0 5-2 0 0 7 Índice Glossário 1 Sumário executivo 3 Introdução 5 A Camada de Ozônio 5 A Convenção de Viena e o Protocolo de Montreal 7 Capítulo 1 9 Ações Brasileiras para Eliminação de SDOs e o Protocolo de Montreal

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

ECARO-25 Sistema de Agente Limpo Superior

ECARO-25 Sistema de Agente Limpo Superior c l e a n a g e n t f i r e s u p p r e s s i o n S U P R E S S Ã O D E I N C Ê N D I O p o r A G E N T E L I M P O TECNOLOGIA AVANÇADA QUE OFERECE o melhor desempenho COM S U P R E S S Ã O D E I N C Ê

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa Física e Química A 10º Ano ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA E QUÍMICA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH. Proposta Preliminar para Consulta Pública

PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH. Proposta Preliminar para Consulta Pública REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs PBH Proposta Preliminar para Consulta Pública MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Coordenação Nacional PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

A Legislação Brasileira das Substâncias. Destruidoras da Camada de Ozônio. e sua Aplicação no Estado da Bahia

A Legislação Brasileira das Substâncias. Destruidoras da Camada de Ozônio. e sua Aplicação no Estado da Bahia A Legislação Brasileira das Substâncias Destruidoras da Camada de Ozônio e sua Aplicação no Estado da Bahia Armando Hirohumi Tanimoto Engenheiro Químico, Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho,

Leia mais

PRINCIPAIS POLUENTES DO AR. CO 2 CH 4 NO NO 2 CFCs, HCFCs, HFCs CO SO O 3

PRINCIPAIS POLUENTES DO AR. CO 2 CH 4 NO NO 2 CFCs, HCFCs, HFCs CO SO O 3 PRINCIPAIS POLUENTES DO AR CO 2 CH 4 NO NO 2 CFCs, HCFCs, HFCs CO SO O 3 DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) FONTES respiração, decomposição de plantas e animais e queimadas naturais de florestas; queima de combustíveis

Leia mais

Veja algumas das principais observações

Veja algumas das principais observações MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANTÁRTICAS E O MEIO AMBIENTE Principais conclusões do Grupo de Especialistas do Scientific Committee on Antarctic Research (versão completa da publicação em http://www.scar.org/publications/occasionals/acce_25_nov_2009.pdf)

Leia mais

PARA BOAS PRÁTICAS EM

PARA BOAS PRÁTICAS EM PROGRAMA BRASILEIRO DE ELIMINAÇÃO DOS HCFCs-PBH TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO PARA BOAS PRÁTICAS EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO DO TIPO SPLIT Diga não aos vazamentos. Juntos, protegendo a camada de ozônio.

Leia mais

ANTÁRTICA. Prof. Marcos Col. Santa Clara

ANTÁRTICA. Prof. Marcos Col. Santa Clara ANTÁRTICA Prof. Marcos Col. Santa Clara Origem do nome ÁRTICO vem da palavra grega árktos (ursa), usada pelos astrônomos da Antiguidade para designar as constelações da Ursa Maior e Menor, pontos de orientação

Leia mais

Protocolo de Montreal

Protocolo de Montreal Protocolo de Montreal Divulgação CADERNOESPECIAL Segunda-Feira, 25 de fevereiro de 2008 BRASIL O país é exemplo na redução de CFC, gás que destrói a camada de ozônio. Pg. 02 CONQUISTAS O Protocolo entra

Leia mais

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE 1. CONTEXTO Na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para Implementação

Leia mais

SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA

SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA SEÇÃO II - CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS PARA O DESENVOLVIMENTO Capítulo 9 PROTEÇÃO DA ATMOSFERA Introdução 9.1. A proteção da atmosfera é um empreendimento amplo e multidimensional, que envolve vários

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no consumo de HFCs e PFCs

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no consumo de HFCs e PFCs SEGUNDO INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA RELATÓRIOS DE REFERÊNCIA EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS: Emissões na produção e no

Leia mais

Ozônio estratosférico:

Ozônio estratosférico: Química da atmosfera Ozônio estratosférico: - o que é a camada de ozônio? - quais processos (físicos e químicos) afetam a [O 3 ] Níveis de ozônio são expressos tipicamente em parte por bilhão por volume

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP)

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP) REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO DO AMBIENTE UNIDADE NACIONAL DO OZONO PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO UNIDADE NACIONAL DO OZONO LUANDA ANGOLA 2010 PLANO DE GESTÃO

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR É o estudo de como os átomos estão distribuídos espacialmente em uma molécula. Dependendo dos átomos que a

Leia mais

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas

Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Saiba mais Efeitos da poluição do ar sobre as plantas Marcelle Dafré Martinelli A poluição atmosférica é um dos principais problemas ambientais das grandes metrópoles, como a cidade de São Paulo, devido

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Com experiência de 20 anos no mercado de instrumentação e um amplo portfólio de produtos e serviços, a Contech lança linha de proteção contra incêndio. Um fornecedor completo para atender as necessidades

Leia mais

Análise Comparativa da Performance de Unidades de Ar Condicionado tipo Janela Usando R22, R290 e R600a

Análise Comparativa da Performance de Unidades de Ar Condicionado tipo Janela Usando R22, R290 e R600a UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Análise Comparativa da Performance de Unidades de Ar Condicionado tipo Janela Usando R22, R290 e R600a DISSERTAÇÃO SUBMETIDA

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ Capítulo 15 - p. 198 PROBLEMATIZAÇÃO

Leia mais

FUNDO MULTILATERAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE MONTREAL SOBRE SUBSTÂNCIAS QUE PREJUDICAM A CAMADA DE OZÔNIO

FUNDO MULTILATERAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE MONTREAL SOBRE SUBSTÂNCIAS QUE PREJUDICAM A CAMADA DE OZÔNIO FUNDO MULTILATERAL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE MONTREAL SOBRE SUBSTÂNCIAS QUE PREJUDICAM A CAMADA DE OZÔNIO INFORMAÇÕES DO PROJETO PAÍS BRASIL AGÊNCIA DE IMPLEMENTAÇÃO: PNUD TÍTULO DO PROJETO Plano

Leia mais

Principais Problemas Ambientais

Principais Problemas Ambientais Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química Atmosférica (Parte 2) Principais Problemas Ambientais Felipe Dias dos Reis Principais

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO?

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? » DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) Técnicos Qualificados no Manuseamento de Fluidos Frigorigéneos que afectam a camada de ozono (CFC-HCFC): QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? Técnicos do grupo

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE 1. CONTEXTO Na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para Implementação

Leia mais

Nuvens e o Aerossol Atmosférico. Leonardo Baptista

Nuvens e o Aerossol Atmosférico. Leonardo Baptista Nuvens e o Aerossol Atmosférico Leonardo Baptista Estrutura da atmosfera Massa da atmosfera (ar seco): 5,13 1018 kg Qual a composição da atmosfera? Composição da atmosfera Nitrogênio: 78,084% Oxigênio:

Leia mais

O OZÔNIO. Distribuição e conteúdo do ozônio na atmosfera

O OZÔNIO. Distribuição e conteúdo do ozônio na atmosfera O OZÔNIO Tópicos: Histórico Distribuição e conteúdo do ozônio na atmosfera O que são Unidades Dobson? O Buraco de Ozônio Formação e destruição do ozônio na estratosfera Bibliografia Histórico Em meados

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

Processos de Produção

Processos de Produção Processos de Produção Processos de Produção PRINCIPAIS ASPECTOS AMBIENTAIS: Emissões atmosféricas Geração de Resíduos Geração de Efluentes Processos de Produção Aspecto Emissões atmosféricas Impacto Poluição

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39

Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23. Parte I: AR E ENERGIA 37 Capítulo 2: A Química da Estratosfera: A Camada de Ozônio 39 Capítulo 1: Introdução à Química Ambiental 23 A NATUREZA DA QUÍMICA AMBIENTAL E A ORGANIZAÇÃO DESTE LIVRO 24 UM ESTUDO DE CASO: OS PRODUTOS QUÍMICOS TÓXICOS E OS RECÉM-NASCIDOS 25 ABORDAGENS PARA A PREVENÇÃO

Leia mais