Manual de Levantamento de Imóveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Levantamento de Imóveis"

Transcrição

1 Manual de Levantamento de Imóveis Prelector: DNPE Luanda-Novembro/Dezembro de 2014 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

2 Índice Manual de Levantamento de Imóveis Agenda Teoria Patrimonial Contexto e objectivos do Levantamento de Imóveis Página 4 Enquadramento Legal Página 6 Levantamento de Imóveis Instruções Gerais Página 8 Fluxograma Levantamento de Imóveis Página 10 Passo a Passo Levantamento de Imóveis Página 13 Exercícios Práticos Página 72 Calendário dos Trabalhos Página 74 Página 2

3 Teoria Patrimonial Página 3

4 1. Contexto e objectivos do Levantamento de Imóveis Levantamento de Imóveis Resulta da acção de levantamento de bens imóveis em utilização pelas entidades públicas, tanto titulados pelo Estado como arrendados de terceiros, localizados no território nacional e no estrangeiro Tem como objectivo : Conhecer o universo de bens imóveis arrendados pelo Estado e os custos associados a esta realidade Conhecer o universo de bens imóveis do Estado Regularizar a situação jurídica do património imobiliário do Estado Realizar acções de avaliação dos bens imóveis titulados pelo Estado com valor desactualizado Desempenha um papel importante na criação das ferramentas necessárias para que os actos de gestão patrimonial e racionalização de instalações possam ser executados É realizado apenas uma vez na vida de uma entidade / nação / universo. Acção pontual, isolada e independente na história do Governo de Angola.. Página 4

5 1. Contexto e objectivos do Levantamento de Imóveis Bens Imóveis afectos à Entidade (Categorias de Bens Imóveis do Domínio Público e Bens Imóveis do Domínio Privado adquiridas em qualquer ano anterior a 2015) Levantamento de Imóveis Conhecimento acerca dos Imóveis arrendados ao Estado Conhecimento acerca do património imobiliário público Regularização da Situação Jurídica do património imobiliário público Avaliação dos Imóveis titulados pelo Estado com valor desactualizado Actos de gestão patrimonial dos Imóveis Públicos Página 5

6 2. Enquadramento Legal Lei 18/10 Património Público Princípios da gestão do património público (art. 3º) Princípio da boa gestão (art. 4º) Dever de Informação (art. 9º) Princípio da subordinação directa ao titular do Poder Executivo (art. 27º) Lei 3/10 Probidade Pública Princípios do respeito pelo património público (art. 7º) Actos contra os príncipios da Administração Pública Deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo (art. 24º alínea f) Actos que causam prejuízo ao património público (art. 26º) Decreto Presidencial 177/10 Instruções de Inventariação dos Bens Patrimoniais Públicos Classificador Patrimonial Decreto Presidencial 148/10 Estabelece o procedimento de regularização da situação jurídica do património imobiliário do Estado através da publicação de uma lista provisória de bens possivelmente titulados pelo Estado, do estabelecimento de um período de reclamação de propriedade destes imóveis e da consequente publicação da lista definitiva de imóveis pertencentes ao património público Decreto Presidencial 299/14 Estatuto Orgânico do Ministério das Finanças Estabelece as competências do Ministério das Finanças, através da DNPE, acerca da acomodação dos servições públicos (Art. 17º, nº 2, alínea h) Página 6

7 Levantamento de Imóveis Página 7

8 1. Instruções Gerais 1. Primeiramente, as entidades deverão informar se utilizam imóveis através de contratos de arrendamento: Informar a quantidade de imóveis arrendados Detalhar os dados referentes ao imóveis arrendados 2. Posteriormente, as entidades deverão informar os imóveis do património imobiliário do Estado que lhes estão afectos. O Levantamento de Bens Imóveis apresentará a seguinte abrangência: Bens Imóveis do Domínio Público (praias, museus, palácios, etc.), adquiridos em qualquer ano anterior a 2015 Bens Imóveis do Domínio Privado do Estado (escolas, hospitais, casas de função, etc.), adquiridos em qualquer ano anterior a Cada bem do activo imobilizado segue a seguinte metodologia de levantamento: Devem ser informados como: Imóvel autónomo todo o prédio rústico ou urbano, os direitos a ele inerentes e as suas partes integrantes. Exemplo: uma parcela de terreno ou um edifício perfeitamente delimitado e independente, como o Edifício do Ministério das Finanças no Largo da Mutamba. Agrupamento imobiliário todo o conjunto de vários edifícios separados entre si, mas constituindo um todo, por se encontrarem interligados por um espaço exterior comum, em regra vedado. Exemplo: Hospital Américo Boa Vida e Empreendimento Clássicos do Talatona. Página 8

9 1. Instruções Gerais Imóvel integrado um imóvel constituinte de um agrupamento imobiliário. Exemplo: Faculdade de Medicina no Hospital Américo Boa Vida. Agrupamento de infra-estruturas - todo o sistema ligado em rede, do mesmo tipo, subordinado à mesma finalidade, num determinado espaço geográfico, delimitado no solo. Exemplo: redes de esgoto e infra-estruturas ferroviárias. São valorizados de acordo com o custo de aquisição, o custo de construção ou o valor resultante de avaliação Página 9

10 Entidade 2. Fluxograma Levantamento de Imóveis INÍCIO SIGPE Aceder à aba de Levantamento SIGPE Imprimir uma Ficha de Levantamento em Branco Realizar o Levantamento Físico de Imóveis em campo SIGPE Aceder às funcionalidades da aba de Levantamento 1 Página 10

11 Entidade 2. Fluxograma Levantamento de Imóveis Levantamento de Bens Imóveis Arrendados ao Estado Levantamento de Bens do património imobiliário do Estado SIGPE SIGPE 1 Sim Preencher o questionário de imóveis arrendados Sim Preencher as fichas de Levantamento de Bens Imóveis SIGPE Informar os bens arrendados e os bens do património imobiliário público afectos à entidade A entidade arrenda imóveis? Existem bens do património imobiliário do Estado afectos à entidade? SIGPE Finalizar as funcionalidades da aba de Levantamento 2 SIGPE SIGPE Não Informar a situação dos imóveis em uso Não Informar que a entidade não possui nenhum imóvel afecto Página 11

12 DNPE / Delegações Provinciais de Finanças 2. Fluxograma Levantamento de Imóveis SIGPE 2 Validação dos dados reportados Identificação das necessidades de espaço das entidades SIGPE Analisar as Fichas de Levantamento de Imóveis recebidas das entidades Racionalização das instalações públicas e Gestão de Imóveis Públicos FIM SIGPE Validação dos dados reportados Identificação do património imobiliário público Acompanhamento da regularização da situação jurídica do património imobiliário público Acompanhamento do processo de avaliação dos imóveis com valor desactualizado Página 12

13 O Levantamento de Imóveis deve ser realizado no seguinte endereço electrónico: Página 13

14 1. Seleccionar a funcionalidade de Levantamento de Bens Imóveis Arrendados ao Estado Página 14

15 1.1 Premir o botão Cadastrar Página 15

16 1.2 Informar se a entidade ocupa imóveis arrendados. Caso a resposta seja Não, informar a situação dos imóveis em uso pela entidade e premir o botão Confirmar. (Neste caso, a funcionalidade estará encerrada e a entidade deverá prosseguir para o Levantamento de Bens Imóveis) Página 16

17 1.3 Informar se a entidade ocupa imóveis arrendados. Caso a resposta seja Sim, informar a quantidade de imóveis arrendados. Informar também se a entidade ocupa outros imóveis. Caso a resposta seja Não, premir o botão Confirmar. Página 17

18 1.4 Informar se a entidade ocupa imóveis arrendados. Caso a resposta seja Sim, informar a quantidade de imóveis arrendados. Informar também se a entidade ocupa outros imóveis. Caso a resposta seja Sim, informar a situação dos imóveis em uso pela entidade e premir o botão Confirmar. Página 18

19 1.5 Verificar se os dados referentes ao Responsável Máximo pelo Património da Entidade estão correctos. Se estiverem, premir o botão Confirmar Página 19

20 1.6 Verificar se os dados referentes ao Responsável Máximo pelo Património da Entidade estão correctos. Se não estiverem, premir o botão Responsável Página 20

21 1.7 Informar os dados solicitados na categoria Registo e premir o botão Confirmar Página 21

22 1.8 Informar os dados solicitados na categoria Endereço e premir o botão Confirmar Página 22

23 1.9 Informar os dados solicitados na categoria Contactos e premir o botão Confirmar. Posteriormente, premir o botão Voltar para o Levantamento Página 23

24 1.10 Premir o botão Cadastrar e preencher um questionário de arrendamento para cada imóvel arrendado Página 24

25 1.11 Informar a Localização do Imóvel e premir o botão Confirmar Página 25

26 1.12 Informar os dados referentes ao Contrato de Arrendamento e premir o botão Confirmar Página 26

27 1.13 Informar os dados referentes ao Compartilhamento do imóvel e premir o botão Confirmar Página 27

28 1.14 Anexar a cópia do Contrato de Arrendamento e premir o botão Confirmar Página 28

29 1.15 Verificar se as informações estão correctas e finalizar o questionário de arrendamento Página 29

30 1.16 Premir o botão Finalizar Recolha quando a Quantidade de Imóveis Arrendados for igual à quantidade de questionários respondidos Página 30

31 1.17 Ler a mensagem que será exibida, premir OK e seguir para a funcionalidade de Levantamento de Bens Imóveis Página 31

32 2. Seleccionar a funcionalidade de Levantamento de Bens Imóveis Página 32

33 2.1 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente ou a Empresa Pública e premir o botão Consultar Página 33

34 2.2 Caso não existam bens do património imobiliário do Estado afectos à entidade, seleccionar o botão Nenhum Imóvel Página 34

35 2.3 Caso existam bens do património imobiliário do Estado afectos à entidade, seleccionar o botão Cadastrar para inserir uma Ficha de Levantamento de Imóvel Página 35

36 2.4 Informar os dados solicitados na categoria Identificação e Classificação do Bem Página 36

37 2.4 Informar os dados solicitados na categoria Identificação e Classificação do Bem Seleccionar a natureza jurídica Domínio Público ou Domínio Privado do Estado, de acordo com os conceitos estabelecidos nos Títulos II e III da Lei 18/10 do Património Público Seleccionar o classificador patrimonial do imóvel, de acordo com o Classificador Patrimonial do Decreto Presidencial 177/10 Identificar a designação própria do imóvel com a informação que melhor o caracterize. Por exemplo: Palácio xxx, Quartel do xxxxx, Armazém de Mercadorias, "Parcela de Terreno com 10 ha, etc. Seleccionar entre: Imóvel autónomo todo o prédio rústico ou urbano, os direitos a ele inerentes e as suas partes integrantes. Exemplo: uma parcela de terreno ou um edifício perfeitamente delimitado e independente, como o Edifício do Ministério das Finanças no Largo da Mutamba. Agrupamento imobiliário todo o conjunto de vários edifícios separados entre si, mas constituindo um todo, por se encontrarem interligados por um espaço exterior comum, em regra vedado. Exemplo: Hospital Américo Boa Vida e Empreendimento Clássicos do Talatona. Imóvel integrado um imóvel constituinte de um agrupamento imobiliário. Exemplo: Faculdade de Medicina no Hospital Américo Boa Vida. Agrupamento de infra-estruturas - todo o sistema ligado em rede, do mesmo tipo, subordinado à mesma finalidade, num determinado espaço geográfico, delimitado no solo. Exemplo: redes de esgoto e infra-estruturas ferroviárias. Página 37

38 2.4 Informar os dados solicitados na categoria Identificação e Classificação do Bem Seleccionar o tipo de aquisição de imóvel de acordo com as opções descritas no artigo 12 do Decreto Presidencial 177/10 Informações a serem obtidas no contrato de empreitada ou no contrato de aquisição do imóvel em levantamento Indicar a espécie de imóvel de acordo com o descrito na caderneta de registo predial: 1 - Misto - quando o imóvel dispõe de dois artigos matriciais, um rústico destinado à agricultura, pecuária, etc. e outro urbano com um edifício construído ou considerado apto para construção sem que nenhuma das partes seja considerada principal. 2 - Rústico - todos os terrenos localizados fora de aglomerados urbanos e que não sejam classificados como terrenos para construção e que tenham como destino uma utilização geradora de rendimentos agrícolas. 3 - Urbano - são todos os imóveis que não devem ser classificados nem como mistos nem como rústicos. Os imóveis urbanos dividem-se em habitacionais, para serviços, comerciais, industriais ou terrenos destinados à construção. Página 38

39 2.5 Informar os dados solicitados na categoria Localização do Imóvel. Caso a morada do imóvel seja desconhecida, a entidade deverá seleccionar a opção Sim para a pergunta Morada Desconhecida Página 39

40 2.5 Informar os dados solicitados na categoria Localização do Imóvel. Caso a morada do imóvel seja desconhecida, a entidade deverá seleccionar a opção Sim para a pergunta Morada Desconhecida A opção Morada Desconhecida apenas pode ser seleccionada para Imóveis Rústicos. Imóveis Urbanos e Mistos têm obrigatoriamente de ter uma morada válida informada. Página 40

41 2.6 Informar os dados solicitados na categoria Localização do Imóvel. Caso a morada do imóvel seja conhecida, a entidade deverá seleccionar a opção Não para a pergunta Morada Desconhecida e informar os demais dados solicitados Página 41

42 2.7 Informar os dados solicitados na categoria Características Página 42

43 2.7 Informar os dados solicitados na categoria Características Indicar um dos tipos de utilização dada ao imóvel: 1-Uso público 2-Cessão 3-Concessão de exploração 4-Arrendamento 5-Habitação 6-Outra No caso de clicar em "Outra" o responsável pelo levantamento deve descrever o tipo de utilização que no momento está a ser dado ao imóvel (terreno ou edifício). Informar o tipo de material do imóvel, de acordo com as opções descritas no Classificador Patrimonial do Decreto Presidencial 177/10 O responsável deve seleccionar a classificação que tiver sido atribuída pelo Ministério da Cultura aos seus imóveis, sendo as opções: Com Interesse Histórico, Classificado, Não Classificado ou Outra. No caso de seleccionar "Outra, deve ser identificada e justificada a nova classificação atribuída ao imóvel Indicar o tipo de entidade proprietária do imóvel, podendo esta ser o Estado ou uma Entidade Pública Informar o caráter do direito que o Estado possui sobre o imóvel: Arrendamento Comodato Compropriedade Propriedade plena Propriedade do solo Reversão (direito de) Servidão Superfície Usufruto Página 43

44 2.8 Informar os dados solicitados na categoria Entidade em Uso, indicando a(s) entidade(s) que está(ão) a utilizar o imóvel em levantamento Página 44

45 2.9 Informar os dados solicitados na categoria Escritura Pública, indicando se o imóvel possui escritura pública ou não Página 45

46 2.10 Informar os dados solicitados na categoria Inscrição Matricial (Ou Equivalente) Página 46

47 2.10 Informar os dados solicitados na categoria Inscrição Matricial (Ou Equivalente) Indicar o nº do Artigo Matricial constante na Caderneta predial Informar se o imóvel possui Caderneta Predial ou documento equivalente Indicar o Valor Patrimonial constante na Caderneta Predial Indicar a data em que a inscrição na matriz foi realizada Informar o NIF do proprietário do imóvel Página 47

48 2.11 Informar os dados solicitados na categoria Registo Predial (Ou Equivalente) Página 48

49 2.11 Informar os dados solicitados na categoria Registo Predial (Ou Equivalente) Informar se o imóvel possui Certidão de Registo Predial ou documento equivalente Inserir a Superfície Coberta, Superfície Descoberta e Área Total do Terreno em metros quadrados. O Responsável pelo levantamento deve informar a estrutura interna do edifício de acordo com o descrito na Certidão de Registo Predial. O Responsável pelo levantamento deve informar a estrutura interna do edifício de acordo com o descrito na Certidão de Registo Predial. Inserir o nº da descrição do imóvel (terreno ou edifício) emitido pela Conservatória do Registo Predial Indicar uma das seguintes naturezas do registo predial constantes na certidão de registo: 1-Definitivo 2-Provisório 3-Provisório por dúvidas 4-Outra No caso de ser "Outra" natureza do registo, deve ser descrita a nova natureza a considerar, indicada na Certidão de registo predial Indicar a data em que foi feito o registo na Conservatória do Registo Predial Inserir o nº da inscrição do imóvel (terreno ou edifício) na Conservatória do Registo Predial Página 49

50 2.12 Informar os dados solicitados na categoria Valorização Página 50

51 2.12 Informar os dados solicitados na categoria Valorização Este campo só poderá ser seleccionado se o ano de aquisição do imóvel for anterior a 2004 Este campo deverá ser informado com Sim ou Não. Caso o custo de avaliação seja conhecido, o valor e a data de avaliação deverão ser informados. Página 51

52 2.13 Informar os dados solicitados na categoria Notas Adicionais Página 52

53 2.13 Informar os dados solicitados na categoria Notas Adicionais Este campo deverá ser preenchido com os detalhes do imóvel, tais como: número de salas, número de casas de banho, número de copas, número de elevadores, capacidade dos elevadores, área por piso, entre outros Página 53

54 2.14 Anexar, para cada documento informado ao longo da Ficha de Levantamento de Imóvel, a respectiva cópia (Escritura Pública, Certidão de Registo Predial, etc) Página 54

55 2.15 Finalizar a Ficha de Levantamento de Imóvel Página 55

56 2.16 Para reabrir uma ficha finalizada, premir o botão Reabrir Ficha Página 56

57 2.17 Para excluir uma ficha, reabrir a ficha desejada, seleccioná-la e premir o botão Excluir Página 57

58 2.18 Após cadastrar todas as Fichas de Levantamento de Imóvel pretendidas, premir o botão Finalizar Recolha Página 58

59 3. Seleccionar a funcionalidade de Reabrir Levantamento de Bens Imóveis Arrendados ao Estado Página 59

60 3.1 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública e premir o botão Consultar Página 60

61 3.2 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública pretendida e premir o botão Reabrir Página 61

62 4. Seleccionar a funcionalidade de Reabrir Levantamento de Bens Imóveis Página 62

63 4.1 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública e premir o botão Consultar Página 63

64 4.2 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública pretendida e premir o botão Reabrir Página 64

65 5. Seleccionar a funcionalidade de Imprimir Declaração de Conformidade Página 65

66 5.1 Seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública e premir o botão Consultar Página 66

67 5.2 Premir o botão Imprimir Declaração Página 67

68 6. Seleccionar a funcionalidade de Imprimir Ficha do Levantamento de Bens Imóveis Página 68

69 6.1 Para imprimir uma Ficha de Levantamento de Imóvel em branco, basta seleccionar a opção Em Branco e premir o botão Consultar Página 69

70 6.2 Para imprimir as Fichas de Levantamento de Imóvel preenchidas, seleccionar a Unidade Orçamental e o Órgão Dependente OU a Empresa Pública, a opção Preenchida e premir o botão Consultar Página 70

71 6.3 Premir o botão Imprimir Ficha Página 71

72 4. Exercícios Práticos A Entidade X foi convocada pela DNPE para participar no processo de Levantamento de Bens Imóveis. O técnico patrimonial deverá aceder ao SIGPE e informar a seguinte situação (os dados não informados podem ser inventados para fins do exercício): A Entidade X arrenda um imóvel conforme as seguintes informações obtidas no Contrato de Arrendamento: Data de Início do Contrato: 20 de Janeiro de 2014 Data de Término do Contrato: 20 de Janeiro de 2015 Valor da Renda Mensal do Imóvel: USD Proprietário do Imóvel: Júpiter Desenvolvimento Informático Limitada Área Útil total do Imóvel: 100m² Localização do Imóvel: Luanda, Angola A Entidade X é afectária de uma parcela de terreno de 10 hectares, classificado como Espaço Natural, expropriado em 1998 e com valor de aquisição desconhecido. Este imóvel está localizado na zona rural do Uíge e não possui nenhuma documentação jurídica associada. A Entidade X é afectária de uma instalação de serviços de natureza escolar construída pelo Estado, conforme documentos abaixo: Escritura Pública Inscrição Matricial Registo Predial Existente N 568M1 N de Descrição 3949 Valor Patrimonial: AKZ Natureza do Registo: Definitivo Proprietário do Imóvel: Ministério das Finanças Data do Registo: 12/07/2008 Data da Inscrição na Matriz: 20/02/2008 N da Inscrição: Página 72

73 4. Exercícios Práticos - Extras A Entidade Y foi convocada pela DNPE para participar no processo de Levantamento de Bens Imóveis. O técnico patrimonial deverá aceder ao SIGPE e informar a seguinte situação (os dados não informados podem ser inventados para fins do exercício): A Entidade Y pertence ao ramo de saneamento básico e não arrenda nenhum imóvel. A Entidade Y é afectária de uma rede de esgotos na cidade de Luanda. A Entidade Y é afectária de uma instalação de serviços de natureza administrativa. Todos os imóveis afectos à entidade são propriedade do Estado e apresentam situação jurídica regularizada. Página 73

74 5. Calendário dos Trabalhos Datas Relevantes INÍCIO DO LEVANTAMENTO DE BENS IMÓVEIS 5 de Janeiro de 2015 FIM DO LEVANTAMENTO DE BENS IMÓVEIS 30 de Abril de 2015 ANÁLISE DAS FICHAS DE LEVANTAMENTO DE IMÓVEIS SUBMETIDAS PERÍODO DE REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO JURÍDICA DOS IMÓVEIS TITULADOS PELO ESTADO PERÍODO DE AVALIAÇÃO DOS IMÓVEIS TITULADOS PELO ESTADO COM VALOR DESACTUALIZADO A partir de Maio de 2015 A partir de Julho de 2015 A partir de Novembro de 2015 Página 74

75 Contactos Contactos da DNPE Correio electrónico: Telefones: / Página 75

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS SEMINÁRIO SOBRE AS REGRAS DE EXECUÇÃO DO OGE/2010 E NORMAS E PROCEDIMENTOS A CUMPRIR NO ÂMBITO DO INVENTÁRIO DOS BENS DO ESTADO (IGBE) 14 de Abril de 2010 Apresentação da AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO

Leia mais

Projecto de Implementação da. Modelo 11

Projecto de Implementação da. Modelo 11 Projecto de Implementação da Reforma da Tributação do Património Modelo 11 MANUAL DO UTILIZADOR VERSÃO 1.0 DGITA Lisboa, 2004 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 Principais Funcionalidades da Aplicação...2 1.2

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os

Leia mais

Exercício de Inventariação 2012

Exercício de Inventariação 2012 Exercício de Inventariação 2012 5 a 8 de Fevereiro de 2012 Agenda 1 2 Conteúdos e objectivos da formação Processo de inventariação 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação 2.2 Enquadramento

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado Direcção Nacional do Património do Estado Luanda - Abril 2010 Índice 1. Legislação de suporte em vigor 2. Regulamento

Leia mais

GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Arrendamento de Imóveis por Ajuste Direto PROPRIEDADE

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura Para o correto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os seguintes documentos,

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio ASSEMBLEIA DO POVO Lei n.º 19/91 De 25 de Maio A grande maioria dos imóveis existentes no país constitui propriedade estatal, quer por reversão, ao abrigo do artigo 1.º, n.º 1 da Lei n.º 43/76, de 19 de

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário Orador: Victor Duarte 1.ª Conferência O Informador Fiscal/Lexit A Fiscalidade e o Orçamento

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4

Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 LEGAL FLASH I ANGOLA Outubro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE SOCIEDADES COMERCIAIS UNIPESSOAIS 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 4 I. REGIME PROVISÓRIO DE CONSTITUIÇÃO

Leia mais

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: ANTES do preenchimento da candidatura: o que precisa saber/ fazer? Reunir informação: Consultar as Normas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Direcção Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social [DOCUMENTO DE APOIO À CANDIDATURA ON LINE ] Para mais esclarecimentos, ligue para 21 798 86 01/ 86 55 ou através

Leia mais

Formulário ORLA instruções de preenchimento

Formulário ORLA instruções de preenchimento Formulário ORLA instruções de preenchimento O formulário ORLA deverá ser utilizado para solicitar: Mudança de morada número confidencialidade Suspensão temporária Alteração na lista telefónica titularidade

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SIPART (versão Setembro/2004) Manual de Utilização ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ACEDER À APLICAÇÃO...4 3. CRIAR NOVO UTILIZADOR...5 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL

Leia mais

ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS. Armando A Oliveira Agente de Execução

ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS. Armando A Oliveira Agente de Execução ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS Armando A Oliveira Agente de Execução Parecendo, à primeira vista, uma forma simples de assegurar o pagamento do crédito, há que ter em consideração que a penhora de

Leia mais

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo. novidades da versão 4.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA Reveste-se de suma importância a elaboração de um regulamento que sirva de pilar orientador do património da Freguesia de

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Sistema de Impostos. Impostos Portal do Contribuinte. Manual do Utilizador. Versão 1.3. República de Angola Ministério das Finanças

Sistema de Impostos. Impostos Portal do Contribuinte. Manual do Utilizador. Versão 1.3. República de Angola Ministério das Finanças Sistema de Impostos República de Angola Impostos Portal do Contribuinte Versão 1.3 Sistema de Impostos República de Angola Índice Item Página 1. Acesso ao Sistema...3 2. Informações...4 3. Declarar Imposto...

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e - Front-Office V1.0 Página 1 Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Instruções Gerais... 4 2.1 Acesso... 5 2.1.1 Regras para Aceder

Leia mais

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01 IMPOSTO DO SELO COMUNICAÇÃO DE CONTRATOS ARRENDAMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA (Modelo 2) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 2 - Esta declaração destina-se ao

Leia mais

Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores

Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Luís Moreira Cortez Teresa Fanico

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016 Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à Bolsa de Estudo 2015/2016 O que é? A bolsa de estudo é uma prestação pecuniária anual para comparticipação nos encargos com a frequência

Leia mais

Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR

Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR Informações necessárias para inscrição de imóvel no Cadastro Ambiental Rural - CAR Dados do imóvel (Todos os campos devem ser obrigatoriamente preenchidos) Nome imóvel rural:fazenda Sertão dos Freires

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/11 Critérios de Avaliação e Peritos Avaliadores dos Imóveis dos Fundos de Investimento Imobiliário O Decreto

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Actualização. Versão 5.3.1

Actualização. Versão 5.3.1 Actualização Versão 5.3.1 Janeiro 2011 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL 1 Índice 2 Facturação Certificada Conformidade de procedimentos... 4 2.1 Documentos Certificados...

Leia mais

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira Regulamento do inventa rio Junta de freguesia da Carapinheira 24-11-2014 Índice Página CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º - Objecto 3 Artigo 2º - Âmbito 4 CAPÍTULO II Inventário e cadastro Artigo 3º

Leia mais

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos Manuel Camarate de Campos logo_rsalp Investir em Moçambique Coimbra, 3 de Novembro de 2014 Investimento imobiliário? Habitação (condomínios, moradias, habitação social) Centros comerciais/retail Parks

Leia mais

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO: - SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO - SUBMISSÃO DE CHECK-LIST

Leia mais

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010:

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Extinção de dívidas do contrato Compra do imóvel com base no art. 12 da Lei nº 11.483/2007 Substituição do beneficiário do contrato de compra e venda ou cessão de direitos Emissão

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA

COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA COMISSÃO DA CARTEIRA PROFISSIONAL DE JORNALISTA Manual para requisição de títulos profissionais e actos a eles associados (emissões, revalidações,...) por via electrónica www.ccpj.pt Com a entrada em funcionamento

Leia mais

Freguesia de Paços de Brandão

Freguesia de Paços de Brandão REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E PATRIMÓNIO (RIP) Freguesia de Paços de Brandão PREÂMBULO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1, alínea d) do n.º 2 e alínea a) do n.º 5 do artigo 34.º da

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

A sua empresa é uma Beta-Tester da Imoplataforma. Guia de Utilização

A sua empresa é uma Beta-Tester da Imoplataforma. Guia de Utilização 1. A sua Imoplataforma 2. O primeiro login 3. Página de acolhimento 4. Inserir imóveis A sua empresa é uma Beta-Tester da Imoplataforma Guia de Utilização 5. Editar imóveis 6. Gerir as exportações 7. Eliminar

Leia mais

PASSO A PASSO do Certificado de Cadastro do Imóvel Rural - CCIR

PASSO A PASSO do Certificado de Cadastro do Imóvel Rural - CCIR PASSO A PASSO do Certificado de Cadastro do Imóvel Rural - CCIR 2015 1. Acesse o site 1. 1 - Acesse o site www.incra.gov.br; 1.2 - Clique do lado esquerdo da tela na parte EMISSÃO DE CCIR; 1.3 Leia todas

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 2/2009 REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DE BENS DE IMOBILIZADO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Perante as actuais exigências da gestão municipal torna-se premente o conhecimento

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Funchal Maio de 2010 PÓS-GRADUAÇÃO DE DIREITO IMOBILIÁRIO Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL (Associação Promotora do Ensino

Leia mais

Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br

Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br Para acessar o edital de chamamento público e realizar o credenciamento no Plano SC Saúde, acesse o endereço scsaude.sea.sc.gov.br Clique no centro da página onde consta o ícone "Prestador de serviço faça

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC. (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho)

Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC. (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho) Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho) 1. O presente documento explana os procedimentos necessários ao registo obrigatório das entidades com actividade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica 1. Introdução Ao longo de mais de 150 anos da existência do caminho de ferro em Portugal, foram muitos

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 Nº da candidatura / FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A CANDIDATO/A Nome: Data de nascimento (aa/mm/dd): / / BI ou Cartão do Cidadão nº: válido até (aa/mm/dd) / / NIF (n.º

Leia mais

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS Este documento destina-se a apoiar os serviços processadores na elaboração dos protocolos dos documentos de despesa em

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Reveste-se de uma suma importância a elaboração

Leia mais

RECIBO DE RENDA ELETRÓNICO FAQ

RECIBO DE RENDA ELETRÓNICO FAQ RECIBO DE RENDA ELETRÓNICO FAQ Perguntas frequentes Recibos de renda eletrónicos 1 - Face à entrada em vigor da Portaria n.º 98-A/2015, de 31 de março, é obrigatória a emissão de recibo de renda eletrónico?

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Para dar cumprimento ao

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador Internet Update de PaintManager TM Manual de registo do utilizador ÍNDICE O que é o registo CTS? 3 Como é realizado o pedido de registo? 3 Opção 1: Se o número de registo CTS for conhecido 3 Passo 1: 3

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES Associação Nacional de Jovens Empresários APOIO JURÍDICO FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Casa do Farol Rua Paulo Gama s/n 4169-006

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - MACHICO

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - MACHICO REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE SANTO ANTÓNIO DA SERRA - Nos termos do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 68.º e alíneas h) e i) do n.º 2 do mesmo artigo da Lei

Leia mais

Manual do Fénix. Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0)

Manual do Fénix. Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0) Manual do Fénix Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0) Este manual tem como objectivo auxiliar os alunos na inscrição às unidades curriculares. Índice 1 Entrar

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1

INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1 INSCRIÇÃO PARA FIES 2015/1 ADMINISTRAÇÃO ENFERMAGEM ENGENHARIA CIVIL A inscrição para adquirir o FIES 2015/1 para os cursos de Administração, Enfermagem e Engenharia Civil será feita exclusivamente pelo

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed.

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed. Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde Contacto: taxa.04@infarmed.pt 2008/Setembro NOTAS EXPLICATIVAS 1. As Declaração de Vendas a que se referem

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE Artigo 1.º Objecto A Direcção-Geral da Saúde e a Modelo Continente Hipermercados S.A (adiante Continente ), conferem anualmente,

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

MAIL DINÂMICO O QUE É? . É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO

MAIL DINÂMICO O QUE É? . É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO MAIL DINÂMICO O QUE É?. É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO. PERMITE O ENVIO DE MENSAGENS DE CORREIO ELECTRÓNICO PARA UM OU PARA VÁRIOS DESTINATÁRIOS EM SIMULTÂNEO. FUNCIONA DE

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

actualização gratuita *para clientes SOLUTIO Local com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes SOLUTIO Local com contrato de manutenção activo. novidades da versão 2.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

Inventário 2014 Manual de Procedimentos

Inventário 2014 Manual de Procedimentos Inventário 2014 Manual de Procedimentos O Inventário anual de bens móveis Conforme está previsto na legislação vigente (Instrução Normativa 205/88), é obrigatório aos gestores das Unidades responsáveis

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

Obter Recibos Electrónicos

Obter Recibos Electrónicos Obter Recibos Electrónicos Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Recibo Acto isolado Início > Os

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO Índice 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. Considerações Gerais... 5 1.2. Portal do IFAP... 6 1.3. Acesso à aplicação...11

Leia mais

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS

PARECER GENÉRICO DA COMISSÃO DO MERCADO DE CAPITAIS SOBRE A NECESSIDADE DE PRÉVIA AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS IMOBILIÁRIAS Sector de Talatona, Zona Residencial I 3º B, GU 19 B, Bloco A5, 1º e 2º I Luanda, Angola Tel: +244 222 70 40 00 Fax: +244 222 70 40 09 E-mail: comunicação.institucional@cmc.gv.ao UO/OD 5477 NIF 7403008227

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES

Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES SOLICITANDO O CARTO BNDES NO PORTAL DE OPERAÇÕES DO BNDES CARTO Solicitando o Cartão BNDES no Portal de Operações do BNDES - Cartão BNDES Formatados: Marcadores e numeração C:\BNDES - SOLICITACAO DE CARTAO.doc

Leia mais