INTEGRANDO GERÊNCIA DE PROJETOS ÁGEIS COM SCRUM E OS PROCESSOS MPS.BR NÍVEL G

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEGRANDO GERÊNCIA DE PROJETOS ÁGEIS COM SCRUM E OS PROCESSOS MPS.BR NÍVEL G"

Transcrição

1 INTEGRANDO GERÊNCIA DE PROJETOS ÁGEIS COM SCRUM E OS PROCESSOS MPS.BR NÍVEL G Claudinei Martins da Silva 1 RESUMO: Com o aumento da dependência tecnológica nas organizações para a tomada de decisões, ocorreu uma demanda por sistemas mais complexos e, consequentemente, aumentaram os riscos de falhas nas entregas, dificultando a liberação de produtos com a qualidade desejada. Tais fatores prejudicam a imagem da organização, aumentam os custos e ampliam o insucesso de projetos existentes. A partir de uma pesquisa bibliográfica, este trabalho descreve como integrar o gerenciamento de projetos com o método ágil SCRUM e o modelo de qualidade do processo MPS.BR voltado para a realidade do mercado de pequenas e médias empresas de software no Brasil. Palavras-chave: MPS.BR, Scrum, Desenvolvimento ágil. 1 INTRODUÇÃO As organizações estão aumentando cada vez mais sua dependência tecnológica, representando um número maior de sistemas informatizados para atender suas operações internas como reflexo de uma tendência natural. Para sobreviver em um ambiente competitivo, as empresas estão buscando tecnologias para reduzir custos e ampliar a sua atuação. A demanda por sistemas cada vez mais complexos com a capacidade de tomada de decisão é primordial para ganhar eficiência e controle. Nesse cenário, todos os processos envolvidos no desenvolvimento de sistemas têm um nível crescente de complexidade, aumentando o risco de mau funcionamento e dificultando a produção com a qualidade desejada. 1 Analista de Sistemas Softplan. Bacharel em Sistemas de Informação. Especialização em Gerência de Projetos de Tecnologia da Informação.

2 Produzir sistemas com falhas prejudica a imagem da organização, aumenta os custos de desenvolvimento e amplia o insucesso de projetos existentes. Para acompanhar essa complexidade, as empresas estão buscando um método de avaliação de maturidade para trazer disciplina e controle no desenvolvimento de sistema, do qual as organizações partem de um modelo evolutivo de qualidade, com início na total falta de controle para gradativamente adquirir maturidade. (BARTIÉ, 2002). A evolução dos processos é definida pelo nível de maturidade do modelo MPS.BR, caracterizado por sete níveis: A (Em otimização), B (Gerenciado Quantitativamente), C (Definido), D (Largamente definido), E (Parcialmente definido), F (Gerenciado) e G (Parcialmente Gerenciado). Iniciando pelo nível G, seguindo progressivamente até o nível A. (SOFTEX, 2011). A entrega dentro do prazo é outro ponto crítico no desenvolvimento de sistemas. Existem vários métodos, entre eles os chamados ágeis, que possuem esse nome por serem mais adaptativos e flexíveis em relação aos tradicionais, e os resultados devem ser entregues em pequenos intervalos de tempo, realizando entregas ao final de cada ciclo (sprints). (CARVALHO, 2009). Para atender rapidamente à necessidade do mercado, as indústrias de sistemas estão desesperadas em busca do aperfeiçoamento de seus processos internos. Isso evidência que a maioria das empresas que fornecem sistemas a uma organização são amadora, ou seja, desconhecem de um processo de engenharia de software. A principal conseqüência desse cenário é a não existência de nenhuma garantia na entrega da solução tecnológica dentro do prazo e custo negociados. (BARTIÉ, 2002). A união de uma metodologia ágil com os processos de maturidade é um desafio ainda maior a ser vencido para que as organizações alcancem o estado de excelência no desenvolvimento de sistemas, a fim de atender à expectativa de sistemas complexos. O objetivo desse trabalho é apresentar a metodologia Scrum e os processos de maturidade MPS.BR nível G por meio de uma pesquisa bibliográfica e propor a integração entre essas tecnologias. Para tal, apresenta-se no segundo e terceiro capítulo um estudo da metodologia Scrum e o processo MPS.BR. No quarto capítulo será detalhado os processos MPS.BR nível G, os resultados esperados e a sua integração com Scrum.

3 2 SCRUM Scrum é uma metodologia ágil. Seu nome teve origem no jogo de Rugby, o qual tem uma reunião rápida antes de iniciar um lance. Nesse método, cada membro possui um papel específico e todos colaboram para alcançar um objetivo comum. Ele baseia-se em seis características (CARVALHO, 2009): Flexibilidade de resultados; Flexibilidade de prazos; Times pequenos; Revisões frequentes; Colaboração; Orientação a objetos. Product Backlog é uma lista de funcionalidades a serem desenvolvidas que devem estar ordenadas por prioridade. Essas funcionalidades são determinadas por meio da coleta de requisitos. (CARVALHO, 2009). Para Kniberg (2007), Backlog é onde começa tudo, é o coração do scrum. Uma lista de coisas que o cliente deseja, chamadas de estórias. Daily Meeting é uma reunião diária que ocorre entre os membros do time, geralmente realizada em pé para maior agilidade. Três perguntas devem ser respondidas por cada membro: O que foi feito ontem? O que será feito hoje? Há algum obstáculo à realização de suas atividades? O objetivo das respostas é a formalização do comprometimento com os demais membros da equipe. Assim, são disseminadas as metas individuais de cada integrante, que conhecem seus impedimentos e podem cobrar compromissos assumidos. (CARVALHO, 2009). Product Owner define os requisitos iniciais e gerais, retorno de investimento, objetivos e planos de entregas. Garante que as funcionalidades de maior valor sejam priorizadas a cada sprint. O Team desenvolve as funcionalidades do produto, transforma o product backlog em valor ao produto, gerencia seu próprio trabalho, e também é responsável pelo sucesso da sprint e do projeto como um todo. (MARÇAL, 2009). Sprint Planning é uma reunião em que estão presentes o Product Owner, o Scrum Master e todo o Scrum Team. O Product Owner descreve as atividades de maior prioridade

4 para a equipe. A equipe faz perguntas durante a reunião com o objetivo de quebrar as atividades em tarefas que irão dar origem ao Sprint Backlog. (VINÍCIUS, 2012). Sprint é o período de tempo em que são implementados um conjunto de itens definidos no Backlog do Produto. Normalmente dura de uma a quatro semanas, dependendo da decisão da equipe. Para o desenvolvimento de software, uma Sprint possui as fases: requisitos, análise, projeto e entrega. Sprint Review é a reunião que acontece após cada Sprint para ser discutido os erros, acertos e lições aprendidas. (CARVALHO, 2009). Sprint Backlog é construída durante a reunião de planejamento da Sprint, constituída por um subconjunto do Backlog do Produto. (CARVALHO, 2009). Segundo KNIBERG (2007), é uma reunião crítica, é o evento mais importante do scrum. Para Carvalho (2009), o Scrum master é a pessoa responsável por fazer o processo do Scrum acontecer. Ele remove os obstáculos apontados na reunião diária (Dayli scrum) para que os membros da equipe realizem o seu trabalho. Segundo Marçal (2009), o Scrum master também deve ensinar o Scrum a todos os envolvidos no projeto e adequar a cultura da organização. Story points é uma medida que qualifica o tamanho da atividade (ECLIPSE, 2012). O gráfico de BurnDown é uma representação do trabalho restante em comparação com o trabalho já realizado, ele é muito útil para mostrar o fim dos trabalhos e para alertar sobre o atraso antes do prazo final. (CARVALHO, 2009). Sprint retrospective é uma reunião com o objetivo de melhorar o processo e o produto para a próxima Sprint.(CARVALHO, 2009). Segundo Victor (2012), Impediments Backlog é qualquer coisa que impede a realização de uma tarefa de um membro da equipe. Cada membro da equipe pode anunciar impedimento durante a reunião diária. 3 MPS.BR O objetivo do processo MPS.BR é a Melhoria de Processo de Software Brasileiro. Suas metas são (SOFTEX, 2011): a) Meta técnica: aprimoramento do modelo MPS.BR por meio de seus guias e instituições. b) Meta de mercado: disseminação e adoção do modelo em todas as regiões do país. O modelo MPS.BR está divido em 4 guias (SOFTEX (Org.)) :

5 1) Guia Geral: contém a descrição geral do modelo MPS.BR e detalha o modelo de referência MR-MPS. 2) Guia de Aquisição: descreve um processo de aquisição de software e serviços correlatos. destina-se à instituições que queiram adquirir produtos de software e serviços relacionados. 3) Guia de Avaliação: descreve o processo e o método de avaliação MA.MPS. 4) Guia de implementação: contém orientações para a implementação do modelo de referência MR-MPS. É uma série de onze documentos que fornecem orientações para implementar nas organizações os níveis de maturidade. A base desse modelo são os requisitos de processos definidos nos modelos de melhoria de processo, buscando atender à necessidade de implantar os princípios da engenharia de software ao contexto das empresas brasileiras, em consonância com padrões internacionais. (SOFTEX, 2011). O modelo MPS estabelece um modelo e um método de avaliação de processos, e essa estrutura tem por objetivo garantir que ele esteja sendo empregado de forma coerente com as suas definições. O modelo está divido em níveis de maturidade de G até A, que é uma combinação entre processos e sua capacidade. O nível de maturidade em que se encontra a organização permite prever o seu desempenho futuro ao executar um ou mais processos. Quanto ao nível de maturidade, está dividido em sete níveis (SOFTEX, 2011): A Em otimização; B Gerenciado quantitativamente; C Definido; D Largamente definido; E Parcialmente definido; F Gerenciado; G Parcialmente Gerenciado. Os processos são descritos em termos de propósitos e resultados. O propósito descreve o objetivo a ser atingido e o resultado é o que se espera com a afetiva implementação do processo. A capacidade do processo é representada por um conjunto de atributos de processo descritos como resultado esperado. Ela expressa ao grau de refinamento com que o processo é executado na organização. À medida que a organização evolui os níveis de maturidade, um maior nível de capacidade para desempenhar o processo deve ser atingido.

6 Os diferentes níveis de capacidade são atribuídos por nove atributos de processo (AP). O seu resultado é avaliado por meio de seus respectivos resultados (RAP), conforme definido a seguir para o nível de maturidade G. AP 1.1 O processo é executado Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito. Resultado esperado: RAP 1. O processo atinge seus resultados definidos. AP 2.1 O processo é gerenciado Este atributo evidencia o quanto a execução do processo é gerenciada. Resultados esperados: RAP 2. Existe uma política organizacional estabelecida e mantida para o processo. RAP 3. A execução do processo é planejada. RAP 4. A execução do processo é monitorada e ajustes são realizadas. RAP 5. As informações e os recursos necessários para a execução do processo são identificadas e disponibilizadas. RAP 6. As responsabilidades e a autoridade para executar o processo são definidas, atribuídas e comunicadas. RAP 7. As pessoas que executam o processo são competentes em termos de formação, treinamento e experiência. RAP 8. A comunicação entre as partes interessadas no processo é planejada e executada de forma a garantir o seu envolvimento. RAP 9. Os resultados dos processos são previstos com a gerência de alto nível para fornecer visibilidade sobre a sua situação na organização. RAP 10. O processo para o projeto é executado. O modelo MPS.BR prevê a exclusão de alguns processos do escopo da avaliação, por não serem pertinentes ao negócio da unidade organizacional, que pode ser total ou parcial. Essa exclusão deve ser justificada no Plano de Avaliação. A aceitação e justificativas são de responsabilidade do avaliador líder. (SOFTEX, 2011).

7 4 MPS.BR- PARCIALMENTE GERENCIADO E SUA INTEGRAÇÃO COM SCRUM Neste capítulo serão detalhados os processos Gerência de projetos e Gerência de requisitos, no qual será apresentada uma proposta de integração com o Scrum. A implementação do nível de maturidade parcialmente gerenciado deve ser executada com cautela por estabelecer o início dos trabalhos. Ao final da implementação deste nível, a organização deve ser capaz de gerenciar parcialmente seus projetos de software. A mudança de cultura organizacional e a definição do conceito acerca do que é projeto são os dois pontos desafiadores para a implementação no nível G. O nível de maturidade G é composto pelos processos Gerência de Projetos e Gerência de Requisitos. A implementação desses processos devem satisfazer os atributos de processo AP1.1 e AP2.1. (SOFTEX, 2011). Neste capítulo, serão apresentados os processos do nível G e sua integração com o Scrum. 4.1 PROCESSO: GERÊNCIA DE PROJETOS GPR Seu propósito é estabelecer e manter planos que definam as atividades, recursos e responsabilidades do projeto e prover informações sobre o andamento do projeto que permitam correções quando houver desvios significativos. (SOFTEX, 2011). GPR 1: o escopo do trabalho para o projeto é definido - Reúne todo o trabalho necessário e estabelece o que está e o que não está no projeto. Ele contém a definição do objetivo e a motivação, os limites e as restrições e todos os produtos que serão entregues. (SOFTEX, 2011). Scrum - Documento de visão e o Product Backlog. GPR 2: as tarefas e os produtos de trabalho do projeto são dimensionados utilizando métodos apropriados - O escopo do projeto é decomposto em partes menores que deve fornecer uma referência para a atribuição de tamanho, esforço, cronograma e responsabilidades, e são utilizadas como uma estrutura subjacente para planejar, organizar e controlar o trabalho executado. O resultado esperado é a estimativa de tamanho. (SOFTEX, 2011). Scrum Story points. Atribuir um tamanho para cada estória.

8 GPR 3: o modelo e as fases do ciclo de vida do projeto são definidas Consiste de fases e atividades que são definidas de acordo com o escopo dos requisitos. Essas fases geram produtos de trabalho necessários para o desenvolvimento das fases posteriores, no qual permite planejar o projeto, incluindo marcos importantes para o controle de revisões. As fases podem ser chamadas de modelo de ciclo de vida. (SOFTEX, 2011). Scrum Sprint planning, Daily Meeting, Sprint review e Sprint retrospective. O Scrum possui quatro fases de ciclo de vida. GPR 4: o esforço e o custo para a execução das tarefas e dos produtos de trabalho são estimados com base em dados históricos ou referências técnicas Custo e esforço são baseados em dados históricos aplicados ao tamanho. Para estimar o esforço e o custo, tipicamente são considerados o escopo, produtos de trabalho e as tarefas estimadas para o projeto; os riscos, as mudanças já previstas, o ciclo de vidas escolhido para o projeto, viagens previstas, nível de competência da equipe do projeto, dentre outros. Empresa implementando o nível G, geralmente precisam construir essa base de dados histórica. (SOFTEX, 2011). Scrum - Não possui dados históricos de custo e esforço. GPR 5: o orçamento e o cronograma do projeto, incluindo a definição de marcos e pontos de controle, são estabelecidos e mantidos Dependências entre tarefas e potencias gargalos são identificados utilizando métodos específicos, por exemplo, análise de caminho crítico. É estabelecido o cronograma das atividades com início, duração e término. O orçamento do projeto é definido com base no cronograma e na estimativa de custos. Esse resultado é importante, pois o cronograma e o orçamento são fundamentais para o acompanhamento do projeto. (SOFTEX, 2011). Scrum - Sprint planning e Sprint review para estimativa de horas. O orçamento não é contemplado pelo Scrum. GPR 6: os riscos do projeto são identificados e o seu impacto, probabilidade de ocorrência e prioridade de tratamento são determinadas e documentadas Identificar, analisar e priorizar os riscos do projeto. É interessante elaborar uma lista de riscos mais comuns para identificar quais são potencias para o projeto. Para definir a prioridades dos riscos, é necessária uma análise de probabilidade de ocorrência e gravidade. Esse resultado

9 não significa gerenciamento de riscos, mas um acompanhamento para avaliar como afeta o projeto. (SOFTEX, 2011). Scrum - Daily Meeting, Impediments Backlog. Os impedimentos são levantados durante as reuniões diárias e armazenados no Backlog de impedimentos. GPR 7: os recursos humanos para o projeto são planejados considerando o perfil e o conhecimento necessário para executá-los Determinam funções, responsabilidades e relações hierárquicas do projeto. As funções podem ser direcionadas para membros internos e externos à organização. Incluir informações de quando e como o recurso será envolvido no projeto, critérios para sua elaboração, mapa de competências da equipe e identificação de treinamento, se necessário. (SOFTEX, 2011). Scrum - Product backlog. A equipe deve ter competência e conhecimento para incluir itens no Product Backlog. Se algum treinamento for necessário, deve ser incluído no próprio Product Backlog. GPR 8: os recursos e o ambiente de trabalho necessários para executar o projeto são planejados - Necessário planejar explicitamente todos os recursos, como ferramentas, serviços, componentes ou despesas, mesmo os considerados como existentes e disponíveis, devido a sua alocação para uso. Se não houver nenhum recurso com necessidade de aquisição para o projeto, deve-se registrar que a questão foi examinada. (SOFTEX, 2011). Scrum - Scrum master e Product owner. São responsáveis em garantir os recursos necessários para o projeto. GPR 9: os dados relevantes do projeto são identificados e planejados quanto à forma de coleta, armazenamento e distribuição. Um mecanismo é estabelecido para acessá-los, incluindo, se pertinente, questões de privacidade e segurança - A documentação do projeto pode estar representada por diversas formas, por exemplo: relatórios, dados informais, estudos e análises; lições aprendidas, itens de ação e indicadores. Esses artefatos podem estar em qualquer formato, como: impressos, fotografia, meio eletrônico e multimídia. A identificação, coleta, armazenamento e distribuição devem ser planejados para garantir segurança e integridade. É necessário explicitar a existência ou não de dados confidencias. (SOFTEX, 2011). Scrum - Não possui um gerenciamento de dados.

10 GPR 10: um plano geral para a execução do projeto é estabelecida com a integração de planos específicos Garantir que todos os planos que afetam o projeto estejam integrados e que a dependência entre eles tenha sido identificada e considerada durante o planejamento, conciliando o trabalho existente aos recursos existentes. A reunião dos documentos de cronograma, planejamento de recursos humanos, custos, riscos, dados e outros é entendida como sendo o Plano de Projeto. (SOFTEX, 2011). Scrum - Documento de visão e Product backlog representam o Plano do Projeto. GPR 11: a viabilidade de atingir as metas do projeto é explicitamente avaliada considerando restrições e recursos disponíveis. Se necessário, ajustes são realizados Considera o escopo do projeto e examina aspectos técnicos (requisitos e recursos), financeiros (capacidade da organização) e humanos (disponibilidade e capacitação). Uma avaliação preliminar pode ser executada a partir da visão geral dos objetivos e resultados esperados. À medida que o projeto evolui, a viabilidade de sucesso pode ser avaliada com mais precisão. (SOFTEX, 2011). Scrum - Durante a definição do Product backlog, o Scrum master e o Product owner são responsáveis por avaliar a viabilidade do projeto. Durante a evolução do projeto, a Daily Meeting pode identificar restrições. GPR 12: o plano de projeto é revisado com todos os interessados e o compromisso com ele é obtido e mantido É importante revisar o planejamento com os interessados e conciliar as diferenças existentes entre os recursos estimados e os disponíveis. Quando houver conflitos como requisitos, custos e prazos, negociações devem ser realizadas. Os comprometidos deverão ter a confiança de que o trabalho pode ser executado dentro das restrições de custos, desempenho e cronograma. Durante o projeto, novos interessados podem ser identificados e compromissos anteriormente podem ser modificados, por isso, é necessário verificar se os compromissos assumidos estão sendo cumpridos. (SOFTEX, 2011). Scrum - Sprint Planning, Daily meeting e Sprint review são os eventos onde a equipe (team), Scrum master e Product owner revisam os planos. GPR 13: o escopo, as tarefas, as estimativas, o orçamento e o cronograma do projeto são monitorados em relação ao planejado - Avaliar constantemente a aderência entre os planos. Os resultados e os critérios de conclusão de cada tarefa são analisados e as entregas são avaliadas em relação às suas características; a aderência ao cronograma e o dispêndio de

11 esforços são avaliados e o uso dos recursos. Acompanhar o que foi planejado, detectar problemas e corrigi-los é essencial para o gerenciamento. (SOFTEX, 2011). Scrum - Nas reuniões diárias, é possível detectar problemas e desvio de cronograma por meio do gráfico de Burndown. GPR 14: os recursos materiais e humanos, bem como os dados relevantes do projeto, são monitorados em relação ao planejado Monitorar os itens planejados referentes a recursos materiais e recursos humanos. O monitoramento consiste em uma análise do que foi planejado em relação aos valores atuais e, caso seja necessário, planos de ação devem ser executados para evitar a criação de outros problemas futuros. (SOFTEX, 2011). Scrum - O Scrum master poderá identificar a necessidade de recursos materiais e humanos para o projeto. GPR 15: os riscos são monitorados em relação ao planejado Novos riscos podem ser identificados e os parâmetros dos riscos já identificados podem ser alterados. Poderá ser necessário executar ações para diminuir a probabilidade de que um risco ocorra ou, caso já tenha ocorrido, executar uma ação de contingência. A lista de riscos deve ser avaliada periodicamente em conjunto com seus parâmetros e prioridades. (SOFTEX, 2011). Scrum - As reuniões diárias e de Sprint poderão identificar futuros riscos; ou riscos que se concretizaram. Para isso é necessário realizar uma ação para minimizar seus efeitos. GPR 16: o envolvimento das partes interessadas no projeto é planejado, monitorado e mantido Identificar os interessados no projeto, em que fase eles são importantes e como eles serão envolvidos. Depois de identificado e planejado o envolvimento, deverá ser seguido, monitorado e mantido. Deverá haver uma comunicação com os envolvidos, como: questões relativas a prazos, custos, recursos, comprometimentos e também requisitos. (SOFTEX, 2011). Scrum - A essência do Scrum é o envolvimento e comprometimento das partes com o projeto. As reuniões diárias para acompanhamento do que foi planejado é uma forte evidência desse envolvimento. GPR 17: revisões são realizadas em marcos do projeto e conforme estabelecido no planejamento Revisões em marcos do projeto são diferentes do acompanhamento que ocorre dia a dia. Os marcos precisam ser previamente definidos no planejamento do projeto.

12 Os marcos são fundamentais para avaliar de forma ampla o andamento do projeto. (SOFTEX, 2011). Scrum - A Sprint review é o momento ideal para avaliar em linhas gerais o andamento do projeto. GPR 18: registros de problemas identificados e o resultado da análise de questões pertinentes, incluindo dependências críticas, são estabelecidos e tratados com as partes interessantes O acontecimento de problemas e desvios em relação ao planejamento devem ser analisados e registrados. A falha na execução dessa tarefa pode afetar a execução de ações para correção nos desvios e, consequentemente, no andamento do projeto. Os problemas precisam ser corrigidos e gerenciados até a sua solução. (SOFTEX, 2011). Scrum - Os problemas identificados são relacionados no backlog de impedimentos e o Scrum master é responsável pela sua solução. GPR 19: ações para corrigir desvios em relação ao planejado e para prevenir a repetição dos problemas identificados são estabelecidas, implementadas e acompanhadas até a sua conclusão - Com o acompanhamento do projeto, problemas são identificados, analisados e registrados. Ações corretivas devem ser definidas e gerenciadas até serem concluídas. O controle dos problemas levantados, as ações tomadas, os responsáveis pelas ações e os resultados devem ser registrados. (SOFTEX, 2011). Scrum - O Scrum master é o responsável por corrigir os desvios em relação ao planejado, mas no Scrum não há registros das ações e seu acompanhamento até a sua conclusão. 4.2 PROCESSO: GERÊNCIA DE REQUISITOS GRE Seu propósito é gerenciar requisitos do produto e dos componentes do produto, e identificar inconsistência entre os requisitos. O objetivo principal é controlar a evolução dos requisitos. Seu processo gerencia todos os requisitos recebidos ou gerados pelo projeto que são requisitos funcionais, não funcionais e os impostos ao projeto pela organização. Para assegurar que os requisitos são gerenciados, a organização deve executar um conjunto de passos apropriados. Ao receber requisitos de um fornecedor, estes devem ser revisados para resolver questões e promover o bom entendimento, antes da entrada do requisito no escopo do projeto. (SOFTEX, 2011).

13 Dentre outras atribuições da gerencia de requisitos, estão: documentar as mudanças nos requisitos e suas justificativas; manter a rastreabilidade bidiredicional e identificar inconsistências. (SOFTEX, 2011). GRE 1: o entendimento dos requisitos é obtido junto aos fornecedores de requisitos Garantir que os requisitos estejam claramente definidos a partir do entendimento realizado junto aos fornecedores. Os requisitos devem ser documentos para comprovar o entendimento. É importante garantir que a identificação de requisitos atenda às expectativas do cliente. Após avaliação dos requisitos, é necessário registrar o aceite dos fornecedores. (SOFTEX, 2011). Scrum- O Scrum master e o Product Owner são os responsáveis por garantir que os requisitos estejam claramente definidos para posterior entrada no Product backlog. GRE 2: os requisitos são avaliados com base em critérios objetivos e um compromisso da equipe técnica com estes requisitos é obtido Após o requisito ser aprovado pelo cliente, são necessários avaliação e comprometimento com a equipe técnica, esse comprometimento também deve ser registrado na forma de ata, ou algum outro mecanismo. É recomendável que os requisitos sejam submetidos à aprovação técnica antes de ser enviado para aprovação do cliente, evitando assim retrabalho, ou apresentação de um documento sem qualidade técnica. (SOFTEX, 2011). Scrum - O Product owner deve garantir o entendimento e a aprovação por parte do cliente e da equipe técnica. GRE 3: a rastreabilidade bidirecional entre os requisitos e os produtos de trabalho é estabelecida e mantida Estabelecer um mecanismo que permita rastrear a dependência entre os requisitos e os produtos de trabalho. A rastreabilidade facilita a avaliação de impacto das mudanças de requisitos, como: estimativas de escopo nos produtos de trabalho ou nas tarefas do projeto descritas no cronograma. (SOFTEX, 2011). Scrum - Não possui mecanismo de rastreabilidade. GRE 4: revisões em planos e produtos de trabalho do projeto são realizadas visando a identificação de inconsistência em relação aos requisitos Identificar inconsistência entre os requisitos e os demais elementos do projeto. Essas inconsistências devem ser registradas e ações corretivas executadas e acompanhadas até seu término. (SOFTEX, 2011).

14 Scrum - Durante a Sprint review, é realizada avaliação e disparadas ações corretivas, se necessárias. GRE 5: mudanças de requisitos são gerenciadas ao longo do projeto Poderá haver mudança dos requisitos durante o projeto, como: requisitos novos, retirados ou modificados no projeto. Essas mudanças devem ser registradas em um histórico de decisões de requisitos. Scrum - Mudanças de requisitos podem ser detectadas durante o planejamento e revisão da Sprint ou nas reuniões diárias. (SOFTEX, 2011). 5 CONCLUSÃO A adoção de metodologias ágeis vem crescendo cada vez mais, por serem de fácil implementação, porém falta documentação, o que é uma característica dos métodos ágeis. O modelo MPS.BR, possui documentação ampla e contempla todas as etapas do desenvolvimento. Como resultado deste trabalho pode perceber que é possível utilizar uma metodologia ágil com qualidade através de um modelo de maturidade. A integração entre Scrum e MPS.BR foi satisfatória e relativamente fácil de ser alcançada para o nível de maturidade G. O Scrum atendeu quase 100% em sua aderência ao modelo MPS.BR, o que não impede de serem implementados trazendo grandes ganhos no planejamento e qualidade do produto final. O Scrum fornece uma metodologia ágil, adequada para que se tenha ganho na produtividade. Seus principais benefícios são: Flexibilidade de resultados, flexibilidade de prazos, times pequenos, revisões frequentes e colaboração. Por ser de fácil entendimento e sua implantação é rápida. As reuniões diárias promovem o comprometimento da equipe com o projeto. O MPS.BR oferece um modelo e uma forma de avaliação de processos para garantir de forma coerente as suas definições, que estão dividas em níveis de maturidade de G até A, permitindo para a organização prever o seu desempenho futuro com base no nível de maturidade em que se encontra. Os seus processos são descritos em termos de propósitos e resultados. A maior dificuldade em realizar esse trabalho foi entender o modelo MPS.BR por ser um conteúdo extenso e estar dividido em vários documentos chamados de guias.

15 Para trabalhos futuros, sugere-se analisar a integração do Scrum com os demais níveis de maturidade do modelo MPS.BR e integração Scrum com o modelo XP.

16 INTEGRATING PROJECT MANAGEMENT WITH AGILE SCRUM AND MPS.BR PROCESSES LEVEL G ABSTRACT: With increasing dependence on technology in organizations for making decisions, there was a demand for more complex systems and, consequently, increased the risk of failed deliveries, hindering the release of products with the desired quality. These factors affect the organization's image, increase costs and extend the failure of existing projects. From a literature search, this paper describes how to integrate project management with Scrum agile method and process quality model MPS.BR facing the reality of the market for small and medium-sized software companies in Brazil. Keywords: MPS.BR, Scrum, Agile development.

17 REFERÊNCIAS BARTIÉ, Alexandre. Garantia da qualidade de software. Rio de Janeiro: Campus, CARVALHO, Bernardo Vasconcelos de. Aplicação do método ágil Scrum no desenvolvimento de produtos de software em uma pequena empresa de base tecnológica Dissertação (Mestrado em Ciências em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Itajubá, ECLIPSE. Concept: Story Points. Disponível em: < ml>. Acesso em: 23 abr KNIBERG, Henrik. Scrum e XP direto das Trincheiras. Estados Unidos: C4Media, MARÇAL, Ana Sofia Cysneiros. SCRUMMI: Um processo de gestão ágil baseado no SCRUM e aderente ao CMMI Dissertação (Mestrado em informática aplicada da Universidade de Fortaleza) Universidade de Fortaleza UNIFOR, SOFTEX, MPS.BR. Melhoria de Processo de Software Brasileiro, Guia de Aquisição: 2011 (Outubro de 2011). Disponível em: < Acesso em 12 mar SOFTEX, MPS.BR. Melhoria de Processo de Software Brasileiro, Guia de Avaliação: 2011 (Maio de 2011). Disponível em: < Acesso em 12 mar SOFTEX, MPS.BR. Melhoria de Processo de Software Brasileiro, Guia Geral: 2011 (Agosto de 2011). Disponível em: < Acesso em 12 mar SOFTEX, MPS.BR. Melhoria de Processo de Software Brasileiro, Guia de Implementação Parte 1: Nível G: 2011 (Julho de 2011). Disponível em: < Acesso em 12 mar SOFTEX. Guias. Disponível em: < Acesso em: 2 abr VICTOR. Glossary of Scrum Terms. Disponível em: < Acesso em: 24 mar VINÍCIUS. Sprint Planning Meeting. Disponível em: < Acesso em: 23 abr

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Bernardo Grassano, Eduardo Carvalho, Analia I.F. Ferreira, Mariano Montoni bernardo.grassano@projectbuilder.com.br,

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Integração de Projetos Ágeis XP com o MPS.BR Nível G

Integração de Projetos Ágeis XP com o MPS.BR Nível G Integração de Projetos Ágeis com o MPS.BR Nível G Marcelo Stanga Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) São Miguel do Oeste SC - Brasil marcelostanga@gmail.com Resumo. Neste artigo, aborda-se

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Nível G

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Nível G MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 1: Nível G (Versão 1.1) Este guia contém orientações para a implementação do nível G do Modelo de Referência MR-MPS. Julho

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G.

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. Magda A. Silvério Miyashiro 1, Maurício G. V. Ferreira 2, Bruna S. P. Martins 3, Fabio Nascimento 4, Rodrigo Dias

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013)

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Professor Gledson Pompeu gledson.pompeu@gmail.com Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Versões atualizadas de notas de aula e listas de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Nível G

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Nível G MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 1: Nível G (Versão 1.0) Este guia contém orientações para a implementação do Nível G do Modelo de Referência MR-MPS. Dezembro

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE?

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE? É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE Doubleday K. Francotti v 1.0 Onde foi parar os requisitos? Trabalhando 30h por dia! Manda quem pode... Caminho das pedras Hum... Acho que deu certo... Onde foi parar

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Palavras-chaves: SCRUM, Melhoria de Processo de Software, Qualidade de Software.

Palavras-chaves: SCRUM, Melhoria de Processo de Software, Qualidade de Software. Blucher Mechanical Engineering Proceedings May 2014, vol. 1, num. 1 www.proceedings.blucher.com.br/evento/10wccm TECHNICAL SOFTWARE DEVELOPMENT WITH THE ADOPTION OF AGILE METHODOLOGY T. M. R. Dias 1, P.

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software ADRIANA TAVARES FIGUEIREDO Graduaçao em Licenciatura para Computação UNILASALLE RJ / 2006 Pós Graduada em Design Estratégico e MKT Management ESPM RJ

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Desafios no Uso do Scrum em Ambientes CMMI

Desafios no Uso do Scrum em Ambientes CMMI Desafios no Uso do Scrum em Ambientes CMMI Teresa Maria de Medeiros Maciel UFRPE/INES/UFPE tmmaciel@gmail.com Base de conhecimento disponível Maior controle ISO9001 MPS BR Padronização processual

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS WESLLEYMOURA@GMAIL.COM INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução aos métodos ágeis Metodologias tradicionais Estes tipos de metodologias dominaram a forma de desenvolvimento de software

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIA SCRUM PARA OBTENÇÃO DE NÍVEL F DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIA SCRUM PARA OBTENÇÃO DE NÍVEL F DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIA SCRUM PARA OBTENÇÃO DE NÍVEL F DO MPS.BR 1 Arthur Mauricio da Silva, 1 Maria Aparecida Denardi 1Curso de Sistemas de Informação - UNIPAR - Universidade Paranaense. CEP 85801-180

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 3: Fundamentação para Implementação do Nível E do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Prof. Dr. Marcos Kalinowski (UFF) kalinowski@acm.org Agenda do Curso Motivação para processos de software Visão geral do programa MPS.BR e do modelo MPS-SW

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS MPS.BR - Melhoria de Processo do Brasileiro Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS Este guia contém orientações para a implementação do nível G do Modelo de

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Adoção de Práticas Ágeis no Desenvolvimento de Soluções de Business Intelligence. Trilha da Indústria - 2015

Adoção de Práticas Ágeis no Desenvolvimento de Soluções de Business Intelligence. Trilha da Indústria - 2015 Adoção de Práticas Ágeis no Desenvolvimento de Soluções de Business Intelligence Trilha da Indústria - 2015 Palestrante Graduação Ciência da Computação UFAL/2008 Mestre em Ciência da Computação UFPE/2011

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Encontrando o equilíbrio entre a metodologia SCRUM na Fabrica Java e o modelo MPS-SW nível F

Encontrando o equilíbrio entre a metodologia SCRUM na Fabrica Java e o modelo MPS-SW nível F Encontrando o equilíbrio entre a metodologia SCRUM na Fabrica Java e o modelo MPS-SW nível F Estrutura Datacoper 129 Colaboradores Administradores Contadores Economistas Engenheiros de Software Sistemas

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 10: Implementação do MR-MPS em organizações do tipo Fábrica de Teste

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 10: Implementação do MR-MPS em organizações do tipo Fábrica de Teste MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 10: Implementação do MR-MPS em organizações do tipo Fábrica de Teste Este guia contém orientações para a implementação do

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Brasileiro Guia de Implementação Parte 1: Fundamentação para Implementação do Nível G do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível G do

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR SCIENTIA PLENA VOL 6, NUM 3 2010 www.scientiaplena.org.br Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR F. G. Silva; S. C. P. Hoentsch, L. Silva Departamento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Implementando maturidade e agilidade em uma fábrica de software através de Scrum e MPS.BR nível G

Implementando maturidade e agilidade em uma fábrica de software através de Scrum e MPS.BR nível G Implementando maturidade e agilidade em uma fábrica de software através de Scrum e MPS.BR nível G Fernando Szimanski 1, Jones Albuquerque 2, Felipe Furtado 2 1 CRIATIVA tecnologia - 77.410-020 - Gurupi

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais