Afinal, qual é mesmo o "suave veneno" dos transgênicos?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Afinal, qual é mesmo o "suave veneno" dos transgênicos?"

Transcrição

1 SÓLO PARA PARTICIPANTES Fecha: 5 y 6 de noviembre de 2001 ORIGINAL: PORTUGUÉS Comisión Económica para América Latina y el Caribe - CEPAL Universidad de Sao Paulo - Núcleo de Estudios de Mulher e Relaçoes Sociais de Género Conselho Nacional dos Direitos de la Mulher Fondo de Desarrollo de las Naciones Unidas para la Mujer - UNIFEM Agencia de Cooperación Técnica Alemana - GTZ Reunión de Expertos sobre Globalización, Cambio Tecnológico y Equidad de Género Sao Paulo, Brasil, 5 y 6 de noviembre de 2001 Afinal, qual é mesmo o "suave veneno" dos transgênicos? Este documento ha sido preparado por Fátima Oliveira, Médica, Directora de la SBB/Sociedad Brasilera de Bioética, Consejera del CNDM/Consejo Nacional de los Derechos de la Mujer de Brasil y Coordinadora de la Red de Información sobre Bioética: bioética & teoría feminista y antiracial. Las opiniones expresadas en este documento, que no ha sido sometido a revisión editorial, son de la exclusiva responsabilidad de la autora y pueden no coincidir con las de la Organización.

2 Afinal, qual é mesmo o suave veneno dos transgênicos?* Fátima Oliveira RESUMO Os transgênicos organismos que, por manipulação genética, têm adicionado ao seu patrimônio genético genes de outros organismos e transmitem tais modificações à sua descendência, posto que a transgênese é germinativa constituem, segundo a grande imprensa, o último grande debate do Século. No Brasil, em particular, têm mobilizado setores expressivos da comunidade científica e trata-se de uma discussão que se popularizou muito no ano de 1999, às custas das mobilizações contra a decisão da CTNBio Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, que autorizou o plantio e conseqüentemente, a comercialização e o consumo da soja da Monsanto, dispensando Estudo de Impacto Ambiental. O artigo aborda de forma didática desde a fabricação da primeira planta transgênica (1983); analisa o fenômeno da humanização de animais via transgênese; indaga e reflete sobre se queremos alimentos turbinados e a troco de quê; expõe a suja guerra comercial das sementes e das patentes, e especula sobre a esperada caixa de surpresas que provavelmente a dialética da Natureza nos reserva, já que é de domínio popular e científico que ninguém agride a Natureza impunemente. A autora afirma ainda que a propalada hipótese de que os transgênicos são instrumentos de combate à fome é falsa, baseada, sobretudo, nas lições da chamada Revolução Verde, e conclui com um alerta: os impactos dos transgênicos sobre o meio ambiente e a saúde humana ainda são uma incógnita. As manipulações genéticas contemporâneas consistem em adição, subtração (destruição), substituição, mutagênese, desativação ou destruição de genes. O vocábulo transgênico foi usado em 1982, por Gordon e Ruddle, época em que foram divulgados, nos EUA, os camundongos gigantes fabricados por Palminter Brinster e Hammer. Em 1983 foi feita a primeira planta transgênica. A transgênese é uma biotecnologia aplicável em animais e vegetais que consiste em adicionar um gene, de origem animal ou vegetal, ao genoma que se deseja modificar. Denomina-se transgene o gene adicional. O transgene passa a integrar o genoma hospedeiro e o novo caráter dado por ele é transmitido à descendência. O que significa que a transgênese é germinativa. A engenharia genética, ao transferir genes entre espécies diferentes, quebrou a fronteira entre as espécies. A transgenicidade, como qualquer outra biotecnologia bioengenheirada, elimina as fronteiras entre as espécies ao possibilitar que qualquer ser vivo adquira novas características ou de vegetais, ou de animais ou humanas. Feito de tal monta com certeza provocará inúmeras alterações na vida biológica, social, política e econômica em âmbito mundial, já que é fato inconteste que as biotecnologias 2

3 bioengenheiradas portam um enorme potencial de desequilíbrio de micro e macro ecossistemas. Não custa refletirmos um pouco sobre a dialética da natureza. Qual o impacto e como reagirá a natureza diante de sementes resistentes à ação de pesticidas e doenças? O esperado é que mais cedo ou mais tarde, em um processo de seleção, as sementes bioengenheiradas eliminem as sementes naturais e também podem se misturar, via polinização, a vegetais naturais gerando espécies estéreis ou, no mínimo, enfraquecidas. Dan Quayle, ex-vice-presidente norte-americano, disse em maio de 1992: Os Estados Unidos já são líder mundial de biotecnologia, e queremos manter essa liderança. Fez essa declaração ao anunciar a nova regulamentação para alimentos bioengenheirados. Concluiu-se que esses alimentos devem ser regulamentados como os produtos comuns, visto que há certo consenso na comunidade científica de que não envolvem riscos... Alain Schlesser, diretor da empresa francesa Prince de Bretagne Biotechnologie, (Saint-Pol-de-Léon), disse: Não se deve traçar uma demarcação nítida entre as técnicas tradicionais de seleção e as técnicas de engenharia genética. Há antes um continuum... Pode-se acrescentar que a biologia molecular é mais segura que a seleção tradicional... No caso de uma planta transgênica, conhecemos o gene, conhecemos sua posição no cromossomo e podemos acompanhar seu efeito na alimentação humana. Nos anos 90, praticamente inexistem controvérsias, entre os cientistas, acerca da segurança dos alimentos bioengenheirados ou de proveta. De fato, determinada proteína é sempre a mesma em qualquer ser vivo. O produto é o mesmo quanto à composição química, tanto in natura quanto se fabricado artificialmente. Os senões ficam por conta dos processos de fabricação. A segurança do produto não significa que os processos que lhe dão origem não envolvem riscos ecológicos. Ninguém sabe como a dialética da natureza responderá a tudo isso. Esse é um grande problema... (1) O fenômeno da humanização de animais via transgênese Na pecuária a transgênese é realizada para acelerar o crescimento, aumentar o peso, fabricação de substâncias úteis, em geral remédios raros e caros, humanização 3

4 de animais para transplantes em seres humanos etc. Animais transgênicos têm adicionado ao seu patrimônio genético genes humanos com a finalidade de imitar o funcionamento do organismo humano. São de muita utilidade na pesquisa básica, todavia alguns animais transgênicos beiram as raias do bizarro e parecem que são apenas brinquedos para a diversão de alguns cientistas. Polly, a ovelha humana (1997) transgênica de humano é uma bomba biológica. As células que a originaram foram, propositadamente, infectadas com o mal da vaca louca! Dolly foi um sucesso de mídia e quase conseguiu reeditar os Tribunais da Santa Inquisição. Polly não mereceu as mesmas deferências de espaço na imprensa que foram dispensadas à Dolly, sequer mereceu uma declaração da Santa Sé. O que é uma contradição, pois no aspecto da biossegurança Dolly é quase inofensiva, mas Polly é no fundamental uma bomba biológica bioengenheirada! Vejamos porque: Polly é uma ovelha transgênica literalmente uma monstrinha genética uma possível biofábrica da proteína alfa-1-antitripsina. Dizem também que suas irmãs foram programadas para fabricar fibrinogênio e proteína C ativada. Os citados produtos úteis (e são mesmo úteis quando oriundos de fontes limpas!) são inutilidades terapêuticas, pois as células que originaram as ovelhas humanas são provenientes de células que foram, propositadamente, infectadas pelo mal da vaca louca! Estamos, literalmente, diante de um horror genético, pois sabemos que a Síndrome de Creutzfeldt in natura é temerária... manipulada em laboratórios de engenharia genética... a Deus pertence... Não é? Parece que não há respaldo ético nas sociedades contemporâneas para algo que, mesmo sendo um direito individual (o de pesquisar, por exemplo), tenha possibilidades concretas de causar malefícios para outras pessoas. Aqui cabe indagar (e perguntar não ofende ): será que todo o alarde da mídia mundial durante vários meses, em 1996, sobre o mal da vaca louca não era verdadeiro? (2) Queremos alimentos turbinados? A troco de quê? No mundo vegetal as realizações transgênicas de maior vulto são: plantas resistentes aos herbicidas, aos vírus e ao stress abiótico; amadurecimento retardado de 4

5 frutos; alteração da qualidade nutricional ou do sabor; fabricação de plantas inseticidas; aumento da produção de substâncias úteis; produção de plantas ornamentais exóticas, de plantas biorreatoras e busca de um caminho que elimine a necessidade de adubo. No Brasil, o debate atual sobre os transgênicos teve como fio detonador a soja da Monsato que possui um gene que a torna resistente ao herbicida Roundup Ready (RR), fabricado exclusivamente pela Monsanto, aprovada, intempestivamente, para comercialização, e conseqüentemente para consumo humano, pela CTNBio que dispensou Estudos de Impacto Ambiental! (3). O que pensar de instituições governamentais cujo objetivo é garantir a biossegurança, mas que se arrogam o direito de dispensar Estudos de Impactos Ambientais de produtos cujos efeitos na saúde humana são uma incógnita, tão-somente porque a maioria dos seus membros se acha detentora do monopólio do saber? No mínimo a CTNBio cometeu uma imprudência e deve ser responsabilizada por ela. Dia 18 de junho de 1999 o juiz federal Antônio Souza Prudente, da 6ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal determinou, em medida cautelar, que o plantio comercial da soja Roundup Ready está suspenso em todo o país. A decisão do juiz foi uma resposta à ação movida pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pela Organização Não-Governamental Greenpeace (Paz Verde). Tal medida assegura que a soja da Monsanto não poderá ser vendida até que o governo defina as regras de biossegurança e rotulagem dos organismos geneticamente modificados e a Monsanto realize Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e os resultados demonstrem que seu produto não causa danos ao meio ambiente e nem à saúde das pessoas. A suja guerra comercial das sementes... das patentes... Abrindo mão da reflexão sobre os riscos ecológicos em geral, para o meio ambiente e para a saúde humana, a principal decorrência cruel é de ordem econômica, pois se há uma plantação de soja que exige um tipo específico de inseticida que só é fabricado por uma única empresa fica óbvio que criou-se um privilégio econômico que se 5

6 configura como um beco sem saída, ao beneficiar apenas aquela empresa, que por sua vez terá todos aos seus pés. Do ponto de vista da ética das relações estritamente comerciais isso é inadmissível, pois cria consumidores escravos! Considerando-se a etiqueta necessária ao mercado, trata-se também de uma conduta predatória e antiética que precisa ser banida, na medida em que o mercado, segundo seus ideólogos e defensores, tem como finalidade regular as relações econômicas e não criar mercados cativos! As empresas agrobiotecnológicas conseguiram patentear suas sementes bioengenheiradas de uma forma draconiana: o agricultor, não compra a semente, paga apenas o direito de uso das sementes para uma safra. Para proibir o replantio algumas empresas já estão fabricando sementes turbinadamente "suicidas" alteradas geneticamente para a produção de uma colheita infértil. Nos EUA a Monsanto já entrou na Justiça contra agricultores que replantaram sementes de sua safra de transgênicos. A multa estipulada para quem replanta transgênicos nos EUA é de US$ 1 milhão. Em resposta, em abril de 1999, agricultores norte-americanos entraram com um processo no Departamento Antitruste dos Estados Unidos contra a Monsanto. Segundo previsões, no ano 2000 o mercado mundial de sementes movimentará cerca de 28 bilhões de dólares, dos quais 12 bilhões serão provenientes de sementes bioengenheiradas. Em 1990, quando as vendas atingiram 13,6 bilhões de dólares, as sementes híbridas (manipuladas) patenteadas responderam por 6 milhões, ou seja, quase 45% do movimento. O grande mito que envolve as sementes selecionadas é o da alta produtividade, qualidade que, alega-se, estaria intrinsecamente associada a elas. Nada mais falso! Sua grande produtividade decorre da capacidade de absorver três a quatro vezes mais fertilizantes, desde que devidamente irrigadas. Ou seja, elas não valem nada sem fertilizantes e irrigação abundante. Outro mito garante que essas sementes são mais resistentes às pragas. Pura ilusão. O fato é que tem se perseguido a elaboração de sementes melhores, com mais qualidades do que as fornecidas pela natureza, inclusive no que se refere a derrotar pragas. Crescem 6

7 as pesquisas sobre os biopesticidas de primeira e segunda geração. Busca-se também, exaustivamente, um meio de fazer as plantas fabricarem suas próprias defesas ou venenos. Das 25 maiores empresas de sementes do mundo, cinco encontram-se entre as sete maiores indústrias de pesticidas. São empresas com especificidade refinada e muito seletivas: só produzem sementes que resistem, exclusivamente, aos pesticidas que elas mesmas fabricam. Assim, o comprador da semente fica obrigado a adquirir também o herbicida específico e reguladores de crescimento, do contrário corre o risco de perder a safra (4). Caixa de surpresas Apregoa-se ainda que a engenharia genética pode produzir alimentos livres de fertilizantes. No caso, bastaria inocular nas plantas genes capazes de aumentar a fixação de nitrogênio. Talvez seja verdade, mas existem muitos senões. Quais são as conseqüências dessa prática no balanceamento de nutrientes do solo? Embora já se conheça grande parte das etapas da fixação do nitrogênio, é inegável a complexidade do processo, uma vez que ele envolve questões referentes ao equilíbrio ambiental, ao macro e ao microecossistema. Tudo isso poderá transformar a natureza em uma caixa de Pandora e trazer complicações nunca dantes imaginadas. Nesse cenário de conquistas e dúvidas, a botânica acadêmica se revitaliza e ganha um status invejável, de grande prestígio, ao se habilitar a preservar as espécies e até a gerar novas variabilidades adaptáveis a diferentes meios ambientes (5). A hipótese de que os transgênicos são instrumentos de combate à fome é falsa: as lições da Revolução Verde Jacques Diouf, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), defende essas técnicas, argumentando que elas ajudam a acabar com a fome de 400 milhões de pessoas no mundo inteiro (6). É 7

8 lamentável que a FAO não tenha aprendido nada com as lições legadas pela chamada Revolução Verde. No final da década de 60, a Revolução Verde anunciava o fim da fome. Alardeava o melhoramento dos vegetais destinados à alimentação e acenava com as supersementes, o que asseguraria a alta produtividade. A Revolução Verde foi uma política agrícola elaborada pelos Estados Unidos e exportada para os países pobres e em desenvolvimento. Significou a abertura e a ampliação de amplos mercados para os norte-americanos nos setores de sementes, fertilizantes, pesticidas e maquinaria. Foi apresentada ao mundo como um programa de ajuda humanitária da ONU, para aperfeiçoar e aumentar a produtividade agrícola e, assim, combater a fome. Trabalhou-se com a divulgação de plantas melhoradas pela genética convencional. O Banco Mundial financiou a implantação dessa política, e as dívidas externas dos países ajudados cresceram assustadoramente. Sob a fachada da ONU, e aproveitando-se da ingenuidade de grande parte dos cientistas, os Estados Unidos divulgaram uma miragem. Parecia que a trilha dos milagres havia sido encontrada, mas os resultados práticos dessa revolução não foram nada animadores. Eles demonstraram que o problema da fome é muito mais uma questão de política do que da produção agrícola em si. Os atuais conhecimentos tecnocientíficos indicam a possibilidade de aumento da produção agrícola, mas as pessoas continuam a morrer de fome. (Veja o caso do Brasil, com suas inchadas e crescentes hostes de famintos e miseráveis.) Isso comprova que a causa da fome não reside na escassez de alimentos, e sim na apropriação privada dos alimentos por uns poucos. Conseqüentemente, sob o capitalismo, as correntes de solidariedade contra a fome, por mais bem-intencionadas, justas e até necessárias, sempre se mostrarão incapazes de debelar a fome. Apesar de ter gerado conhecimentos científicos importantes, a Revolução Verde nos legou desastres ecológicos e sociais, a diminuição da produção geral de alimentos, o aumento e novas variedades de pragas, a extinção de cereais, oleaginosas e leguminosas. 8

9 Foi o grande marco da penetração do capitalismo no campo e introduziu o processo de substituição da agricultura de subsistência, e suas culturas variadas, pela monocultura de cereais. E o abandono da policultura trouxe a diminuição da diversidade genética e a subordinação dos agricultores à agroindústria, pois as supersementes só alcançam, de fato, uma alta produtividade com o auxílio de adubos químicos, herbicidas e pesticidas. No tocante às manipulações genéticas vegetais, o que deve ser combatido hoje não é o processo em si, o saber, mas a sua monopolização e uso indevido, tanto política quanto ecologicamente. O centro da questão aponta, em especial no Brasil, para a urgência de uma reforma agrária antilatifundiária. Indica que precisamos de um programa de desenvolvimento agrário que objetive a reorganização da produção rural e inclua o acesso às agrobiotecnologias aplicáveis às necessidades de cada local, inclusive a utilização de manipulações genéticas, desde que necessárias e seguras. Também é imperioso que se desmonte o mito de que tudo o que não provém desses novos saberes não presta ou está fora de moda (7). Os impactos ambientais e na saúde humana ainda são uma incógnita Os impactos ambientais e sobre a saúde humana dos transgênicos ainda não estão estabelecidos, conforme leis elementares de biossegurança, logo é importante duvidar da tão propalada inocuidade dos transgênicos, já que as evidências dos malefícios são um fato. Por exemplo, o feijão transgênico da EMBRAPA contém um gene da castanha-dopará ao ser testado nos EUA causou reações alérgicas. Pesquisas realizadas em 1998 pelo médico escocês Arpad Pusztai demonstraram que batatas transgênicas de genes que produzem lectins (proteína que danifica as células do sistema imunológico) podem modificar o metabolismo humano. Pusztai durante 100 dias alimentou ratos com batatas bioengenheiradas produtoras de lectins, cujos resultados foram: retardo do crescimento e menor resistência às infecções, quando comparados com ratos alimentados com batatas naturais. No meio ambiente, as sementes modificadas podem provocar desequilíbrios. Por serem mais resistentes à ação de pesticidas ou doenças, há o risco de que elas, num processo de seleção, eliminem as sementes naturais. Ou mesmo que se misturem a outras, 9

10 pela polinização, criando espécies debilitadas ou estéreis. No caso da soja transgênica no Brasil, por exemplo, diz Rifkin, a planta, que é resistente a herbicidas, pode vir a provocar a polinização de ervas daninhas. As ervas alteradas só serão descobertas anos depois, quando representarem uma séria ameaça a lavouras, já que serão resistentes a herbicidas. Quando isso ocorrer, o seguro contra catástrofes oferecido pela Monsanto já terá vencido e não se poderá responsabilizar ninguém pelo prejuízo (8), (9). Mas ouçamos Claudine Guérin-Marchand, responsável pela pesquisa do CNRS, indicada pelo Instituto Pasteur, Paris, França: A introdução de novos genes em uma planta pode conduzir a fenômenos desconhecidos e pouco previsíveis; aparecimento de novas alergenicidades ou toxicidades e aumento da toxicidade natural. Os riscos relacionados com a presença de genes de resistência a antibióticos ainda são controversos. Temos poucos dados sobre este problema e nenhuma conclusão (10). Considerando os argumentos mencionados é que Áustria e Grécia proibiram plantações experimentais de transgênicos em seus territórios e o Comitê Ambiental do Parlamento Europeu estuda uma moratória para os transgênicos. Redes de supermercados, como Tesco e Carrefour, já anunciaram que não terão produtos transgênicos e seus derivados em suas prateleiras. A Nestlé está sendo pressionada por consumidores, em vários países do mundo, para que assuma o compromisso de não utilizar transgênicos em seus produtos. Conforme declarações do então presidente da CTNBio, Dr. Antônio Carlos Barreto, ao Correio Brasiliense em julho de 1998, o impacto da soja transgênica na saúde humana terá como cobaias as pessoas em geral (11). Cabe lembrar que desde outubro de 1996 o Brasil possui a Resolução 196/96 Sobre Pesquisas em Seres Humanos que contradiz a intenção do Dr. Antônio Carlos Barreto: Todo procedimento de qualquer natureza envolvendo o ser humano, cuja aceitação não esteja ainda consagrada na literatura científica, será considerado como pesquisa e, portanto deverá obedecer às diretrizes da presente Resolução. Os procedimentos referidos incluem entre outros, os de natureza instrumental, ambiental, nutricional, educacional, sociológica, econômica, física, psíquica ou biológica, sejam 10

11 elas farmacológicas, clínicos ou cirúrgicos e de finalidade preventiva, diagnóstica ou terapêutica. III. Aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos (III.2). E para que não restem dúvidas sobre o assunto, segundo a minha opinião baseada na experiência de ter participado do Grupo Executivo de Trabalho que elaborou a Resolução 196 a liberação para consumo humano dos transgênicos em geral no Brasil deve antes obedecer à Resolução 196. Vejamos: A pesquisa em qualquer área do conhecimento, envolvendo seres humanos deverá observar as seguintes exigências (...) b. Estar fundamentada na experimentação prévia realizada em laboratórios, animais ou em outros fatos científicos. III. Aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos (III.3.b). Sou de opinião que, tendo em conta a ignorância da ciência, não podemos permitir que os transgênicos passem a fazer parte de nossa alimentação tal como os produtos alimentícios da natureza, sob pena de que talvez sequer tenhamos tempo para maldizer o amanhã. Publicado nas revistas:. O Mundo da Saúde, Ano 23, Vol. 23, Nº. 5, setembro/outubro de 1999, p , São Paulo, SP, Brasil. Revista Mujer Salud 3/2000 (Finalmente, Cuál es el "suave veneno" de los transgénicos?), versão em inglês: Women's Health Journal. NOTAS (1). OLIVEIRA, Fátima. Engenharia genética: o sétimo dia da criação. Moderna, SP, SP, 1995, p (2). OLIVEIRA, Fátima. Biossegurança e bioética na pesquisa e na utilização dos processos e produtos das biotecnologias. (3). CTNBio Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), criada pela Lei 8.974/95 de Biossegurança, regulamenta a manipulação e uso das técnicas de engenharia genética, bem como as normas para liberação no meio ambiente de organismos cujo material genético (DNA ou RNA) foi alterado por qualquer técnica de engenharia genética. De acordo com a Lei de Biossegurança, é proibida a liberação de Organismos Geneticamente Manipulados (OGMs) no meio ambiente, fora das normas determinadas pela CTNBio, bem como produtos similares estrangeiros só poderão entrar em território brasileiro com autorização da CTNBio. (4). OLIVEIRA, Fátima. Engenharia genética: o sétimo dia da criação. Moderna, SP, SP, 1995, p Sobre os efeitos deletérios dos pesticidas no meio ambiente e na saúde humana vale a pena conferir Theo Colborn, Dianne Dumanosky e John Peterson Myers no livro O Futuro Roubado. Editora L&PM, Porto Alegre, RS, (5). OLIVEIRA, Fátima. Engenharia genética: o sétimo dia da criação. Moderna, SP, SP, 1995, p (6). Jr. PITELLA. João. Suspenso plantio de soja transgênica Juiz manda indústria provar que alimento não causa danos ao meio ambiente nem ao consumidor. Decisão vale em todo o país. Correio Braziliense. Brasília, Distrito Federal, terça-feira, 22 de junho de (7). OLIVEIRA, Fátima. Engenharia genética: o sétimo dia da criação. Moderna, SP, SP, 1995, p (8). Jeremy Rifkin é autor do livro O século da biotecnologia: a valorização dos genes e a reconstrução do mundo, lançado no Brasil, em 1999, pela editora Makron Books. (9). MURPHY, Priscila. Especialista faz alerta sobre uso de semente transgênica. Estado de S. Paulo, domingo, 25 de abril de (10). GUÉRIN-MARCHAND, Claudine. Manipulações genéticas. EDUSC, Bauru, SP, 1999, p 228. (11). HATHAWAY, David. Quando a ciência se torna eticamente inadequada. 24 de abril de

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS As décadas de 1970 e de 1980 marcaram as grandes transformações por que passaria a biologia com as descobertas da organização do funcionamento e da variação

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil logo_ilsi_al... Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil O Ponto de Vista da Indústria Avaliação do Risco Ambiental de Culturas Geneticamente Modificadas Geraldo U. Berger, Ph.D.

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008.

Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. A presente nota objetiva auxiliar na discussão acerca da definição da expressão derivados dos recursos genéticos no âmbito da internalização do terceiro objetivo da

Leia mais

TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS.

TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS. TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS. Esta cartilha foi produzida pelo Idec, no âmbito do projeto Consumer Organizations and the Cartagena Protocol on Biosafety: Protecting the Consumer s Right to

Leia mais

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras A distribuição das propriedades rurais O Instituto Brasileiro de

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

meio ambiente no sul do país enquanto a importação de produtos contendo transgênicos já pode estar provocando impactos na saúde dos consumidores.

meio ambiente no sul do país enquanto a importação de produtos contendo transgênicos já pode estar provocando impactos na saúde dos consumidores. ATIVIDADE TRANSGÊNICOS PRODUTOS TRANSGÊNICOS Os organismos geneticamente modificados (OGMs), ou transgênicos, são aqueles que tiveram genes estranhos, de qualquer outro ser vivo, inseridos em seu código

Leia mais

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste Sumário Executivo Este é o terceiro relatório Registros de Contaminação Transgênica (http://www.gmcontaminationregister.org), que analisa casos de contaminação, plantios ilegais e liberação de organismos

Leia mais

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN?

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? Pág 1 ADN Ficha de Trabalho 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? R: As aplicações são efectuadas em: Medicina Forense, testes de ADN e Engenharia genética. 1- Quais as potencialidades

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Alimentos transgênicos: mitos e verdades

Alimentos transgênicos: mitos e verdades Alimentos transgênicos: mitos e verdades Celeste Aparecida Pimentel Professora do Departamento de Ciências Humanas Campus VI UNEB celesteaparecidapei@yahoo.com.br Resumo Neste estudo apresento os alimentos

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante.

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. 32 Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. Os OGMs liberados no meio ambiente são regulados pelas agências

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

Melhoramento Genético

Melhoramento Genético Melhoramento Genético Cibele Lima Douglas de Alencar Matheus Paiva Silva Pablo Medeiros Pedro Vierira César Rogério Ayres Alves O melhoramento genetico é uma ciência utilizada para a obtenção de indivíduos

Leia mais

Seleção Artificial. "A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado".

Seleção Artificial. A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado. Biotecnologia Seleção Artificial Processo conduzido pelo ser humano de cruzamentos seletivos com o objetivo de selecionar características desejáveis em animais, plantas e outros seres vivos. "A seleção

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Missão. Visão. Quem Somos

Missão. Visão. Quem Somos Quem Somos A Monsanto foi fundada em 1901 em Saint Louis, Missouri, nos Estados Unidos, e hoje possui 404 unidades em 67 países do mundo. Estamos no Brasil desde 1963 e contamos com o trabalho e a colaboração

Leia mais

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores Transgênicos Aspectos legais, éticos e de biossegurança Victor Martin Quintana Flores Plantas geneticamente transformadas Aspectos relevantes das plantas transgêncas aumento da produtividade das lavouras,

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA Departamento de Biotecnologia, Genética e Biologia Celular Centro de Ciências Biológicas Universidade Estadual de Maringá Coordenador: Prof. Dr. João Alencar Pamphile

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1 Ética: compromisso social e novos desafios Propriedade intelectual e bioética Cintia Moreira Gonçalves 1 A propriedade intelectual e a propriedade industrial estão previstas e protegidas no ordenamento

Leia mais

Conhecimento feito por Jornalistas

Conhecimento feito por Jornalistas Conhecimento feito por Jornalistas Lugar de jornalista não é só no jornal. É nos livros também, principalmente quando eles colocam em prática sua capacidade de informar com precisão, profundidade e didatismo.

Leia mais

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos ENTREVISTA Entrevista concedida a Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos Foto: Cláudio Bezerra Produtos geneticamente

Leia mais

Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação

Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação Redação 1 o ou 2 o ano médio Tema: Corrigir uma redação Aula:! Olá, seja bem-vindo a Educare, meu nome é Professor Roberto e estou aqui para ajudá-lo.

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

Transgênicos: uma questão estratégica

Transgênicos: uma questão estratégica Página 1 de 7 Patrocínio Fundação Rosa Luxemburg fale conosco Busca no site Sexta-feira, 26 de agosto de 2005 Em sintonia com: Busca avançada Hipóteses sobre a revolução iniciada Imperador-bomba Transgênicos:

Leia mais

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma

Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Legislação de Biossegurança e Rotulagem de OGMs Patrícia Fukuma Kayatt e Fukuma Advogados e Consultores Jurídicos Legislação de Biossegurança a) Lei 8974/95- chamada de Lei de Biossegurança foi aprovada

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

PLANTAS TRANSGÊNICAS

PLANTAS TRANSGÊNICAS Plantas Transgênicas 15 PLANTAS TRANSGÊNICAS 5.2 A transformação genética é a transferência (introdução) de um ou vários genes em um organismo sem que haja a fecundação ou o cruzamento. Os organismos transformados

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça SUBSTITUTIVO GERAL AO PROJETO DE LEI 307/2003. SÚMULA: Veda o cultivo, a manipulação, a importação, a industrialização e a comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Estado do Paraná,

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O que há de errado com os transgênicos

O que há de errado com os transgênicos O que há de errado com os transgênicos Especialistas em genética estão modificando formas de vida, alterando artificialmente os genes para produzir plantas e animais que nunca teriam existido em um processo

Leia mais

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene.

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene. Aula Biologia Tio Ton Biologia 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Lei polêmica Projeto restringe poder da CTNBio, proíbe clonagem terapêutica e mobiliza cientistas. O projeto de Lei de Biossegurança nº 2.401, de 2003, que deveria substituir a legislação

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5 BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Teste 5 1. Considere os seguintes processos usados para obtenção de organismos. I. Substituir o núcleo de

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved.

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved. PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA PROPRIEDADE INTELECTUAL Constituição Federal Cláusula de Patentes LPI 9,279/96 INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial Patentes de Fármacos e químicos

Leia mais

As árvores transgênicas

As árvores transgênicas documento informativo - wrm Arvores Transgênicas Movimento Mundial pelas Florestas As árvores transgênicas Até agora o debate sobre os organismos geneticamente modificados- também chamados de transgênicos-

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Plantas Transgênicas

Plantas Transgênicas Plantas Transgênicas Organismo geneticamente modificado (OGM): Transgênico Organismo que recebeu um ou mais genes de outro organismo e passa a expressar uma nova característica de especial interesse. DNA

Leia mais

A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade

A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade Texto Base: Aula 20 A importância dos espaços de Educação Não Formal para a Conservação da Biodiversidade Alessandra Bizerra Nas últimas aulas, analisamos a enorme biodiversidade do planeta, em especial,

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015)

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) 1- A Fábrica Celular Células de bactérias (procarióticas) e células animais (eucarióticas), apresentam semelhanças e diferenças. a) Qual a estrutura presente em ambas que

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 853, DE 2003 (Do Sr. JOSÉ DIVINO) Dispõe sobre o teor máximo permitido de Alcatrão, Nicotina e Monóxido de Carbono (CO) por cigarro produzido e consumido em todo território Nacional.

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 1) De que se trata a ação das entidades de Mato Grosso contra a Monsanto? A Famato - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso - em parceria

Leia mais

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico Dezidério Machado Lima 1 Resumo Com o advento de novas técnicas da engenharia genética, valores de cunho ético, religioso, econômico e jurídico foram

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 DE MARÇO ANHEMBI SÃO PÀULO-SP

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) Estas perguntas e respostas foram preparadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em resposta

Leia mais

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Antônio Inácio Andrioli "No curso da evolução corretamente entendida não como um processo teleológico ou rigidamente determinado, mas como um processo que contém

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição.

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição. ANÁLISE E IMPACTOS DO PROTOCOLO DE CARTAGENA PARA O BRASIL 41 Deise M. F. Capalbo* A análise de risco é um processo comparativo que deve ser conduzido, caso a caso, com embasamento cientifico e por processo

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE TÍTULO DO PROGRAMA A História do Alimento SINOPSE O documentário defende as pesquisas científicas e a engenharia genética envolvendo alimentos. Faz um retrospecto da produção agrícola para mostrar que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda

GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda Quem é vc Professora? A primeira dúvida que surge Quando a gente inicia um semestre é Eu sou o que sou! Sou o capitão da minha alma e

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

Audiência Pública Nº 02/2007

Audiência Pública Nº 02/2007 Audiência Pública Nº 02/2007 Requerimentos da CIBio da Monsanto do Brasil Ltda. para liberação comercial de algodão geneticamente modificado: Processo n o 01200.004487/04-48 - Algodão MON 1445 Processo

Leia mais

REFORMA DA POLÍTICA AGRÍCOLA COMUM G O R A N U N C. www.greens-efa.eu

REFORMA DA POLÍTICA AGRÍCOLA COMUM G O R A N U N C. www.greens-efa.eu REFORMA DA POLÍTICA AGRÍCOLA COMUM A ou G O R A N U N C A www.greens-efa.eu UMA PAC EQUITATIVA 80% de todos os pagamentos diretos ao abrigo da PAC continuam a destinar-se a apenas 20% das explorações agrícolas.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) Altera a redação dos artigos 14, 17 e 18 da Lei nº 11.794, de 08 de outubro de 2008, para dispor sobre a vedação da utilização de animais em atividades

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Agrotóxicos: meu bem, meu mal? Incentivo ao Ensino de Ciências, Saúde e Meio Ambiente. AUTORA: LAURA CAROLINE HELD ORIENTADOR: DARIO XAVIER PIRES

Leia mais

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved.

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. Porquê estudar plantas? (TTPB1) Guião de Ensino Visão Geral As Plantas fornecem-nos oxigénio,

Leia mais

Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Brasília, 10 de julho de 2013

Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Brasília, 10 de julho de 2013 Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Brasília, 10 de julho de 2013 Painel Os Processos Decisórios e de Regulamentação e o Controle Social na Construção da Política de Biossegurança Leonardo Melgarejo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Conexões entre matemática e biologia

Conexões entre matemática e biologia EB-207 Matemática Biológica 1 Conexões entre matemática e biologia Prof. Rodrigo Sávio Pessoa Sumário 2 1. Introdução 2. A nanotecnologia aplicada as ciências biológicas 3. Algumas questões biológicas

Leia mais

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP Introdução No Brasil já existem mais de 19 mil propriedades orgânicas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

conceitos e componentes Deise M F Capalbo

conceitos e componentes Deise M F Capalbo Biossegurança e Análise de Risco: conceitos e componentes Deise M F Capalbo SEMINÁRIO Comunicação de Risco CURSO TALLER LACbiosafety na biossegurança de OGM Armonización de técnicas para recolección y

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais