Emprego das interjeições em contos infantis em português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emprego das interjeições em contos infantis em português"

Transcrição

1 MASARYKOVA UNIVERZITA V BRNĚ Filozofická fakulta Ústav románských jazyků a literatur Portugalský jazyk a literatura Bc. Linda Hříbalová Emprego das interjeições em contos infantis em português Magisterská diplomová práce Vedoucí práce: Mgr. Iva Svobodová, Ph.D. Brno 2012

2 Prohlašuji, že jsem diplomovou práci vypracovala samostatně s využitím uvedených pramenů a literatury. Taktéž prohlašuji, že tištěná verze je shodná s elektronickou. V Brně dne.

3 Chtěla bych touto formou poděkovat Mgr. Ivě Svobodové, Ph.D. za cenné rady, ochotu a trpělivost při vedení mé práce. Dále mé rodině a blízkým přátelům za podporu.

4 Índice Introdução... 6 Parte teórica Estatuto linguístico das interjeições Descrição linguística das interjeições Propriedades morfológicas Propriedades semânticas Propriedades fonético-fonológicas Propriedades sintáticas Função das interjeições no processo de comunicação Onomatopeias Definição das onomatopeias Tipos das onomatopeias Função das onomatopeias Classificação das interjeições Parte prática Introdução Metodologia Contos infantis Parte analítica Análise segundo a maior frequência de cada tipo de interjeição Interjeições primitivas e puras Onomatopeias Influência da língua inglesa Onomatopeias mais frequentes Particularidades das onomatopeias

5 Propriedades morfológicas Propriedades fonético-fonológicas Interjeições secundárias Interjeições verdadeiras Locuções interjetivas Interjeições na frase Interjeições primitivas Onomatopeias Interjeições secundárias Verdadeiras interjeições Locuções interjetivas Conclusão Referências bibliográficas Dicionários Páginas da internet

6 Introdução O presente estudo constará de duas partes principais: a teórica e a prática. O objetivo da parte teórica será apresentar as definições das interjeições, descrever as suas principais características, classificá-las, de acordo com as respetivas teorias, e analisar os seus traços diferenciadores pelas que diferem das outras classes gramaticais. Na parte prática, procederemos à nossa própria investigação, que consistirá na procura e na análise das interjeições em contos infantis. A escolha deste tema como o tema da tese final tem sua justificação empírica. Durante os meus estudos universitários, primeiro na Universidade de Masaryk em Brno e depois também nas Universidades de Coimbra e do Porto, reparei num uso bastante frequente destas expressões peculiares. O que se destacou foi a capacidade de contribuírem significativamente para que o texto falado se tornasse mais autêntico, dinâmico e vivo. Além disso, achei-as sempre muito peculiares tanto do ponto de vista formal, como do ponto de vista semântico. Ao entrar a aprofundar os conhecimentos relativos a este fenómeno linguístico, reparámos que os autores das gramáticas normativas e dos diferentes estudos linguísticos que se ocupam desta problemática, não apresentavam definições homogêneas, o que é natural sendo que o mesmo se dá também em outras classes gramaticais. No nosso trabalho, formado por cinco capítulos, serão incluídas, logo no primeiro capítulo, as diferentes opiniões: uns considerarão as interjeições como uma classe lexical igual às outras e defini-las-ão sob o ponto de vista emotivo como as palavras que exprimem emoções, sentimentos e sensações (Bechara:2001;p.330, Gomes:2006;p.33), outros irão rejeitar esta ideia e definirão a interjeição apenas como uma palavra sem esta pertencer a uma classe lexical (por ex.: Cunha e Cintra:2001;p.396, Back e Mattos:1972;p , A. de Morais Silva:1831;p.22., Carone:1986;p.47). No segundo capítulo descreveremos as características das interjeições dos pontos de vista formal, semântico e fonológico. Também analisaremos a função sintática das interjeições, e a sua integração na oração, sendo que também aqui nos encontraremos com várias discussões sobre se a interjeição é, ou não é, constituinte da frase. 6

7 No terceiro capítulo partiremos das opiniões dos linguistas de que as interjeições são constituintes da frase. Este terceiro capítulo terá como finalidade a de enumerar as funções sintáticas que podem, então, ser desempenhadas pelas interjeições. O quarto capítulo será dedicado à problemática das onomatopeias que representam um caso importante na área por nós estudada. A intenção de dedicarmos às onomatopeias um capítulo à parte condiz com a estrutura encontrada no estudo de João da Silva Correia, o qual nos serviu de base na parte prática 1. Também Gonçalves (Gonçalves:2002;p.346) classifica as onomatopeias como um grupo separado de sentido imitativo dentro dos gritos articulados. Devido à aparente semelhança entre estes dois fenômenos linguísticos consideramos importante distingui-los para não criar confusão. Neste quarto capítulo definiremos e caracterizaremos as onomatopeias dos pontos de vista formal e semântico, e à continuação, enumeraremos os seus diferentes tipos. Na parte final, descreveremos várias funções e papéis que elas desempenham na frase ou no texto. No último capítulo classificaremos as interjeições segundo vários critérios. Ao contrário da homogeneidade que existe nas classificações das interjeições checas, no caso de português, de acordo com o que foi referido acima, as classificações das interjeições apresentam uma considerável variabilidade, que também será refletida nesta parte teórica. A parte prática deste trabalho consistirá em nossa própria investigação, dedicada ao problema de uso das interjeições nos contos infantis portugueses e brasileiros. Escolhemos justamente os contos de fadas por se tratar do género literário que, junto com as histórias em quadrinhos, apresenta o número mais elevado de ocorrências de interjeições e de locuções interjetivas. A ideia da realização desta pesquisa surgiu inicialmente do desejo de desenvolver um trabalho que abrangesse o uso de interjeições em diferentes tipos de textos, mas a extensão limitada estabelecida pelas normas relativas à elaboração das teses finais, não nos permitiu fazer um estudo tão extenso. Por isso escolhemos o tipo textual que se mostrou ser o mais prototípico no âmbito do fenómeno por nós estudado, e, por isso, também o mais interessante e o mais apropriado para o nosso estudo. 11 CORREIA, João da Silva, Considerações gerais sobre a denominação, as espécies, os domínios e os processos da interjeição. [online]. [cit ] Disponível em: <http://cvc.institutocamoes.pt/bdc/etnologia/revistalusitana/32/lusitana32_pag_234.pdf> 7

8 Parte teórica 1. Estatuto linguístico das interjeições Comecemos por procurar a resposta à pergunta colocada: O que é uma interjeição?. A resposta poderia ser dubitativa e ambígua: Grito, palavra, frase? Ora, parece que é um assunto que gera muitas discussões. Existem diferentes opiniões: umas que defendem que as interjeições são palavras e que constituem uma classe lexical separada representada por gritos, instintivos ou até frases emocionais, e outras que estipulam o contrário. Neste capítulo incluiremos as definições encontradas em diferentes gramáticas normativas, dicionários e estudos linguísticos sobre as interjeições. Apesar de as interjeições serem incluídas nas gramáticas, dicionários e nos estudos linguísticos, além de poucas exceções são tratadas de uma forma muito concisa. Nas gramáticas normativas ocupam sempre um dos últimos lugares, sendo consideradas a última classe lexical, precisamente por não desempenhar nenhuma função sintática. As definições usadas pelas gramáticas normativas são homogéneas (Bechara:2001;p.330, Rocha Lima:2010;p.189, Gomes:2006;p.339). As interjeições expressam sentimentos, sensações e emoções, mas existe algo mais que as distingue das outras classes de palavras. J. S. Barbosa 2 menciona que as interjeições deviam ser relatadas nas gramáticas normativas logo no início antes dos nomes e de outras classes de palavras porque pertencem à linguagem primitiva, ou seja, são as primeiras palavras que aprendemos quando nascemos. Entre os gramáticos que analisam as interjeições sob o ponto de vista emotivo, mencione-se o gramático e linguista brasileiro E. Bechara, que julga que a interjeição é a expressão com que traduzimos os nossos estados emotivos (Bechara:2001;p.330). Para Rocha Lima é simplesmente a palavra que exprime emoção (Rocha Lima:2010;p.189). Também A. Gomes, considera as interjeições palavras que têm a 2 SOARES BARBOSA, Jeronymo, Grammatica philosophica da língua portugueza. [online]. [cit ] Disponível em: <http://books.google.cz/books?id=- 10SAAAAIAAJ&printsec=frontcover&vq=barbosa+1871&hl=pt- PT#v=onepage&q=interjei%C3%A7%C3%B5es&f=false> 8

9 função emotiva, exprimindo sentidos e emoções (Gomes:2006;p.339). Para C. Henriques são manifestações emotivas ou expressivas do falante, caracterizadas como palavras ou expressões ligadas à primeira pessoa do discurso (Henriques:2007;p.107). Todas estas gramáticas definem as interjeições como uma classe lexical. Outros linguistas, como por exemplo Cunha e Cintra (Cunha e Cintra,2001;p.396), Eurico Back e Geraldo Mattos (Back e Mattos,1972;p ), definem a interjeição como uma palavra, locução ou uma espécie de grito equivalente a uma frase que de maneira nenhuma pode caracterizar-se como uma classe de palavras. Defendem esta opinião argumentando que as interjeições aparecerem só na linguagem falada onde têm um valor afetivo e expressivo. António de Morais Silva na sua antiga gramática ainda do século XIX diz que as interjeições são: paixões violentas que se exprimem em uma, ou poucas palavras, as que equivalem a uma sentença 3. Também Lopes na sua análise considera esta opinião equívoca, sendo imprópria a inclusão nas 10 classes lexicais por uma outra razão: segundo ele, a interjeição não é só uma palavra. Na realidade, a interjeição é uma frase de situação do tipo frasícula (frase muito reduzida) que possui a peculiaridade de não admitir a primeira articulação, isto é, a possibilidade de ser segmentada em morfemas 4 Acrescenta: Trata-se, portanto, de uma representação figurativa associada a uma entonação peculiar manifesta mediante diversas modalidades de frase, tais como a apelativa ( Socorro!), a interrogativa ( Hem!), a dubidativa ( Hum!), a imperativa (Psiu!), a negativa(hum-hum), a optativa (Tomara!), a exortativa (Coragem!) etc. 5 Sobre a impossibilidade de dividir a interjeição em morfemas fala também Carone e completa: 3 DE MORAIS SILVA, António, Diccionario da lingua portugueza [online]. [cit ] Disponível em: <http://books.google.cz/books?id=okzdaaaayaaj&pg=pr42&dq=interjei%c3%a7%c3%b5es&hl =pt-pt&ei=2jy4trrfe8-fwb6472ebg&sa=x&oi=book_result&ct=result&redir_esc=y#v=onepage&q=interjei%c3%a7%c3%b5 es&f=false> 4 LOPES, Carlos Alberto Gonçalves, Análise crítica de alguns tópicos da gramática normativa adotada nas escolas brasileiras. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.filologia.org.br/xiv_cnlf/tomo_3/ pdf> 5 Ibid. 9

10 Não sendo as interjeições um tipo de vocábulo, não as podemos classificar como uma classe de palavra. As interjeições ah, ui não podemos dividir em morfemas e só ditos com certa entonação, em tom exclamativo podem levar um significado (Carone,1946;p.47). Também Gonçalves, no seu estudo A interjeição em português, fala sobre a condição e função das interjeições na frase: Enunciar uma interjeição não significa exprimir apenas algo, mas bem mais do que isso: manifestamos, representamos, utilizando-a como um objecto discursivo numa estratégia elaborada e dirigida a um alocutário. E é a este nível que a interjeição se relaciona com os constituintes da frase ou com a frase em si mesma. (Gonçalves:2002;p.12) Vejamos como alguns dicionários definem as interjeições. O dicionário Priberam define a interjeição tanto como uma palavra como uma voz: voz, palavra ou locução que exprime com energia os afetos do ânimo 6. Também o dicionário Porto Editora diz que interjeição é: vocábulo ou expressão de carácter sugestivo usada para traduzir um sentimento ou reação súbita (dor, alegria, admiração, etc.), para dar uma ordem, para chamar a atenção ou ainda para imitar um som 7. A definição do dicionário de Houaiss parece ser semelhante às outras definições, contudo, acrescenta a possibilidade de as interjeições formarem frases. Segundo Houaiss (Houaiss,2007), a interjeição é: palavra invariável ou sintagma, que com entonação peculiar, geralmente sem combinar-se gramaticalmente com elementos de oração, formam, por si sós, frases que exprimem uma emoção, uma sensação, uma ordem, um apelo ou descrevem um ruído (p.ex.: psiu! Oh! Coragem! Meu Deus!). Mattoso Câmara partilha a mesma ideia, que a interjeição pode ser uma frase, dizendo que a interjeição é verdadeira palavra-frase, pela qual o falante, impregnado de emoção, procura exprimir o seu estado psíquico num momento súbito, em vez de se exprimir por uma frase logicamente organizada (Câmara,1977;p.147). 6 "interjeição", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2010, [consultado em ]. 7 Infopédia. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.infopedia.pt/pesquisa.jsp?qsfiltro=0&qsexpr=interjei%c3%a7%c3%a3o > 10

11 Afastemo-nos agora da questão de se considerar ou não as interjeições como classe lexical e vejamos, em que todos os gramáticos concordam: todos estão de acordo com que as interjeições são uma classe fechada e autónoma não tendo nenhumas relações com outras palavras. As interjeições são dependentes do contexto, mas não transmitem mais do que a atitude do falante. O conteúdo concreto das interjeições só se revela através do contexto. Caldas 8 divide as interjeições em 1. Interjeições com a função de representação e 2. Interjeições com a função expressiva. As interjeições com a função de representação dividem-se em arbitrárias (por exemplo: bingo!) que não são imitação dos sons, e onomatopaicamente motivadas que são as onomatopeias que conhecemos das histórias em quadrinhos. A maioria das interjeições tem a função expressiva e dividimo-las em palavras de sensações, expressões de sentimentos (os dois grupos ainda divididos entre positivas e negativas) e expressões de atitudes (com subdivisão de neutras: indiferença ou surpresa e avaliativas: negativas e positivas). Curiosamente, o problema relativo às interjeições e à sua autonomia lexical, ocorre também em castelhano. Vejamos algumas das opiniões. Amador (Amador:1998;p.358) no seu livro sobre a gramática espanhola mostra várias opiniões de diferentes gramáticos espanhóis. Menciona a definição da Real Academia Espanhola que já não define a interjeição como uma palavra, mas antes como uma voz com a qual exprimimos uma impressão causada por algo que vemos, sentimos, ouvimos, recordamos, queremos ou desejamos. Os gramáticos gregos classificavam as interjeições como os advérbios, não sendo parecidas com nenhumas outras classes de palavras e ligando-se com o verbo. Também o autor da primeira gramática espanhola, António de Nebrija, aceita a opinião dos gregos classificando as interjeições como advérbios. O gramático latino Donato e outros gramáticos espanhóis seguem a opinião de Nebrija, justificando a inclusão nos advérbios pelo facto de as interjeições serem vozes que exprimem o afeto interior da alma e por serem invariáveis. E não sendo núcleos sintagmáticos (coordinantes ou subordinantes), só podem ser percebidos como parte independente da oração. 8 CALDAS DE, Raoni Naraoka, Estudo linguístico comparativo sobre onomatopeias em histórias em quadrinhos:português-alemão. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.fflch.usp.br/dlm/alemao/pandaemoniumgermanicum/site/images/pdf/ed2011-2/10_raoni_caldas_onomatopeias.pdf> 11

12 Calvo 9 inclui as interjeições nos advérbios chamados de actitud oracional (que explica como uma atitude do falante para o conteúdo do seu discurso) sendo as interjeições os elementos que manifestam a atitude do falante. Segundo ele, as interjeições não têm o significado específico suportando só de maneira expressiva uma situação afirmativa, negativa, dubitativa ou de qualquer outra do enunciado. 2. Descrição linguística das interjeições No presente capítulo apresentaremos as propriedades morfológicas, semânticas, fonético-fonológicas e sintáticas das interjeições Propriedades morfológicas As interjeições caracterizam-se pela sua peculiaridade formal, o que é uma das principais características que as distingue das outras classes gramaticais. Do ponto de vista formal, podemos dividir as interjeições em simples (constituídas por uma só palavra) e em locuções interjetivas (constituídas por duas ou mais de duas palavras) que são derivadas das frases ou palavras que perderam o seu significado original. Em linguagem contemporânea, ao desejarmos enunciar o número máximo de informações em pouco tempo, predominantemente utilizamos, para este fim, as interjeições simples. São palavras invariáveis, ou seja, não são submetidas nem à flexão nominal (as palavras não variam em género, número ou grau), nem à flexão verbal (não existem as categorias gramaticais de pessoa, tempo, modo, aspeto ou voz), com a exceção de algumas poucas interjeições que em certos contextos podem variar em grau, tendo depois um valor ainda mais expressivo. Isto acontece sobretudo nas interjeições secundárias - palavras derivadas pelo processo de conversão. Por exemplo na expressão: Verdade, verdadinha! a palavra derivada pelo processo de conversão verdadinha - 9 GONZÁLEZ CALVO, José Manuel, Sobre partes de la oración: artículo, pronombre, adverbio, interjección. [online]. [cit ] Disponível em: <http://cvc.cervantes.es/literatura/cauce/pdf/cauce14-15/cauce14-15_09.pdf > 12

13 varia em grau. O sufixo diminutivo no elemento repetido funciona como sufixo de avaliação para dar maior ênfase à expressão. 10 Aos traços específicos do ponto de vista formal pertence a capacidade de formar rimas, por exemplo: tiquetaque (onomatopeia com que se exprime o ruído proveniente de um movimento regular e cadenciado). Outro traço importante é a quantidade vocálica das interjeições que se depreende da diferente duração dos fonemas neles contidos. Sobre este aspeto falaremos também no capítulo 2.3. dedicado aos aspetos fonético-fonológicos das interjeições. Mencionemos como um exemplo a interjeição primitiva aaaaaaaah ou a onomatopeia méé (balido de ovelha). Também a elipse de elementos é um processo característico das interjeições, sobre tudo das palavras derivadas pelo processo de conversão: Silêncio! Esquerda, rodar! Outro processo importante do ponto de vista formal é a repetição vocabular. Segundo o estudo de João da Silva Correia 11, algumas interjeições usam-se repetidas para dar maior ênfase ao sentimento que denotam. A repetição do mesmo termo linguístico pode ser assindética (o elemento repetido é ligado somente por vírgula), o que é mais comum: Longe, longe! Velho, velho! ou sindética (o segundo elemento é separado por conetivos, neste caso conjunção e) Rico e rico! Também temos locuções interjetivas onde o elemento repetido é acompanhado pela conjunção: estúpido, mas estúpido! ou pelo advérbio: longe, muito longe! Destaque-se também, como a última peculiaridade das interjeições do ponto de vista formal, as combinações atípicas dos fonemas: atchim 12, tch, tsk (Gonçalves:2002;p.347). Herculano de Carvalho até diz que se trata duma configuração fónica inteiramente alheia ao sistema do português (Carvalho:1979 em Gonçalves:2002;p.347). 10 CORREIA, João da Silva, Considerações gerais sobre a denominação, as espécies, os domínios e os processos da interjeição. [online]. [cit ] Disponível em: <http://cvc.institutocamoes.pt/bdc/etnologia/revistalusitana/32/lusitana32_pag_234.pdf> 11 Ibid. 12 Ibid. 13

14 2.2. Propriedades semânticas Interjeições são palavras semanticamente plenas, também chamadas lexicais ou nocionais, possuindo uma significação própria também quando são isoladas, fora da frase. O sentido das interjeições depende muito do contexto e da entoação. A mesma interjeição pode exprimir vários sentimentos, até mesmo opostos. Por isso é sempre importante o tom de voz ou os gestos que a acompanham para reconhecer o significado da interjeição. Por exemplo a interjeição ah pode aparecer em vários contextos com diferentes significados: Ainda agora estava a acabar de te escrever, senti uma coisa a magoar-me, ah! 13 (a interjeição ah exprime a dor) ah!, era a escova de dentes. 14 (a interjeição ah exprime a compreensão) ah, como a vida teria sido diferente se eu tivesse dito não! 15 (a interjeição ah exprime o arrependimento) Depois, há os Descobrimentos e blá blá, somos todos heróis, o mar, o fado, caravelas e saudade, ah que saudades do Império (do cinema, bem entendido...), Camões, Fernão Mendes Pinto, o Centro Cultural de Belém e para o ano, se Deus quiser e não houver bronca entretanto, a CEE. 16 (a interjeição ah exprime a saudade) Como vemos nos exemplos anteriores, a interpretação da interjeição ah é contextualmente dependente, adquirindo vários sentidos e exprimindo sentimentos diferentes de acordo com o contexto. Por outro lado, por exemplo, as interjeições Ui! ou Oh, já são semanticamente mais unívocas, sendo acompanhadas por uma entoação num texto falado, por ex.: Ui! Que frio!, Oh! Ninguém esperava isto! (Gomes:2006;p.339). 13 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext nd-95a-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 14 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext nd-95a-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 15 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext nd-95a-2 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 16 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext9781-nd-91b-2 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 14

15 Do ponto de vista semântico, segundo a origem das interjeições, ou seja, segundo o significado original, podemos dividir as interjeições em primárias e secundárias. As interjeições primárias são as que pertencem inerentemente às interjeições, não foram derivadas das outras classes lexicais e na maioria das vezes nem sabemos a origem. As secundárias são as que passaram a ser interjeição por conversão. Pronunciando-se numa certa entoação perderam o seu significado original, por exemplo a interjeição secundária em português olha! já perdeu a conotação semântica com o verbo olhar e quase que não tem nada a ver com esse verbo, serve só para chamar atenção de alguma pessoa. A origem das interjeições é muito variada. Todas as partes da oração podem contribuir para formá-las, quando a interjeição deriva do ruído, possível de segmentar em fonemas. Mas, por outro lado, há interjeições que são originalmente nomes: (Cuidado! Fogo!) outras que são adjetivos: (Bravo! Bom!), verbos: (Olha! Anda!) advérbios: (Aqui! Como? Já!), conjunções (Pois), e até pronomes: (Que?). 17 Ao mesmo tempo há interjeições que, apesar de serem mencionadas nos dicionários, caem em desuso. As interjeições, tal como outros elementos linguísticos, são também dialetologicamente variáveis, sendo usadas de um modo diferente nas variedades (variantes) e subvariedades (subvariantes) diatópicas da língua portuguesa. Relembre-se que para exprimir o mesmo sentimento existem diferentes expressões no Brasil e em Portugal, ou no caso extremo, a mesma interjeição apresenta diferentes sentidos em diferentes variantes da língua portuguesa. A. Gomes menciona como exemplo a expressão Jesus!, a qual pode ser substituída noutras variedades por Santinho! Viva! ou Saúde! (Gomes:2006;p.340). No que se refere às interjeições primitivas, estas dependem sobretudo do repertório fonético de cada língua. Há muitos fonemas (ou combinações de fonemas) que em diferentes línguas conotam diferentes significados, por exemplo Ai! em português e espanhol exprime dor, enquanto que em alemão conota a alegria ou a surpresa (Lenz:1922 em Amador:1998;p.358). 17 CORREIA, João da Silva, Considerações gerais sobre a denominação, as espécies, os domínios e os processos da interjeição. [online]. [cit ] Disponível em: <http://cvc.institutocamoes.pt/bdc/etnologia/revistalusitana/32/lusitana32_pag_234.pdf> 15

16 2.3. Propriedades fonético-fonológicas Do ponto de vista fonológico, a interjeição realiza-se por vários processos, dos quais o mais importante é a entoação. A entoação pode mudar completamente de significado da interjeição: por exemplo, na interjeição Senhor! é o tom o fator semanticamente decisivo que contribui para a interpretação correta da enunciação (indignação ou ameaça) à qual pode atribuir também a propriedade exclamativa, interrogativa ou até imperativa: Tu calas-te? Ou no campo das interjeições do sentimento: Isto pode ser? Outra característica importante do ponto de vista fonológico é a intensidade com que é pronunciada a palavra. Por vezes a intensidade das expressões exclamativas é tão forte que se cria outro acento nas primeiras sílabas e ao mesmo tempo permanece o acento na sílaba onde estava, como no caso da palavra: espan...toso! Como já mencionámos no capítulo 2.1. que tratou sobre a quantidade vocálica, também a duração dos sons é muito importante e pode afetar fonema e sílabas. Há muitíssimas interjeições deste tipo: enooorme! Podemos notar o mesmo prolongamento nos fonemas iniciais dalgumas interjeições admirativas: fffortissimo! Também é frequente fazer uma pausa entre sílabas nas mesmas interjeições admirativas: Dis tin tí ssi mo! Propriedades sintáticas Já o nome mostra que as interjeições (inter-jeições, ou intercalações o nome vem do latim onde interjectione quer dizer interrupção ou interposição) se enquadram de modo autónomo na enunciação sendo consideradas como uma explosão afetiva intercalar. 19 Correia 20 denomina as interjeições profrase, ou seja, um sinal linguístico equivalente a uma frase. Não podem ser consideradas como uma parte da oração porque se equiparam com uma oração inteira. As interjeições na maioria das vezes têm existência autónoma, ou seja, não entram em construções sintáticas. Por si mesmas 18 CORREIA, João da Silva, Considerações gerais sobre a denominação, as espécies, os domínios e os processos da interjeição. [online]. [cit ] Disponível em: <http://cvc.institutocamoes.pt/bdc/etnologia/revistalusitana/32/lusitana32_pag_234.pdf> 19 Ibid. 20 Ibid. 16

17 levam um significado, e sendo assim são equivalentes a uma frase, o que as distingue das outras classes de palavras. Lenz, gramático espanhol, não considera a interjeição como uma parte de oração, nem como uma oração, mas antes como equivalente a uma oração. Não obstante, as exclamações como bravo! e também os vocativos podem considerar-se como partes da oração. E os imperativos podem substituir orações completas, uma vez que o sujeito no enunciado Vem! é expresso tão claramente como em Vens? Acrescenta que a interjeição é un elemento humano sendo a pronúncia duma interjeição acompanhada pelos gestos e movimentos das mãos sem entrar nas relações gramaticais com a língua. (Lenz:1922 em Amador:1998;p.358) O caráter independente das interjeições dentro da oração faz com que a interjeição não possa nunca perder o seu acento prosódico 21, ou seja, não pode figurar como proclítica à palavra seguinte, nem no caso das interjeições repetidas. Por exemplo: Ai mísero de mim! Ai infeliz! 22 Os dois ai têm de levar o acento prosódico, tanto como no caso da repetição olha, olha que não pode ser pronunciado como uma palavra por sinalefa: olhaolha. (Amador:1998;p.358) As interjeições que podem entrar em construções sintáticas são sobretudo aquelas que se usam mais frequentemente para designar movimento ou sons, chamadas onomatopeias. Tornam-se substantivos ou verbos tendo a função de predicado, sujeito, objeto direto e indireto. Nesses casos não se separam do resto da frase por vírgula na escrita, nem por pausa no discurso oral, como vemos nos exemplos a seguir. As funções que podem ser desempenhadas pelas interjeições são: - sujeito: o tiquetaque mantinha-se imperturbável objeto direto: palavras que fazem tiquetaque 24 E com uma brutalidade extraordinária e fulminante, dado que ergueu a cadeira e rebentou o sobrolho do 21 Acento prosódico é aquele que aparece em todas as palavras que possuem duas ou mais sílabas e recai na sílaba tónica, enquanto que o acento gráfico marca a sílaba tónica só de algumas palavras sendo o acento da escrita. 22 CALDERÓN DE LA BARCA, Pedro, A vida é sonho. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=ai%2c%20pobre%20de%20mim%2c%20ai%20infeliz%20 segismundo&source=web&cd=3&ved=0cdiqfjac&url=http%3a%2f%2fwww.casaraodobelvedere.co m.br%2fcalderon%2findex_arquivos%2fa%2520vida%2520e%2520sonho_primeira%2520jo RNADA.doc&ei=WVVfT9WyO43mtQa_ndy2Bg&usg=AFQjCNGShMLDljWspRtsVkps2OZMpyLwF A&cad=rja> 23 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext clt-95a-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 17

18 empregado sem que este tivesse tempo de dizer ai nem ui, obviamente disse-os depois adjunto adverbial de modo: Gomes adiantou que há um orçamento que aponta para os 400 mil contos, ao que Guterres respondeu com um cauteloso upa. 26 -objeto indireto: E, atónitos, os espectadores assistiram às denúncias do regabofe do grande capital, do comunista Agostinho Lopes, à defesa do cidadão médio, pelo centrista Baião Horta, aos upa, upa de Carneiro Jacinto, comentando o score do PS na sondagem, ao apelo de Vitorino para que os socialistas sejam humildes face àqueles números e aos lamentos de um professor brasileiro de Educação Física, que se queixava por fax de que não o deixam trabalhar Função das interjeições no processo de comunicação Neste capítulo falaremos sobre a função das interjeições e o papel que desempenham na língua, falada e escrita. Também neste aspeto os linguistas frequentemente discordam. A interjeição, junto com a entoação da frase, constitui uma expressão mais visível da afetividade da língua. Mas não se limita a expressar os sentimentos, também desempenha outras funções linguísticas, como chamar alguém, despertar interesse, provocar uma ação, acalmar, desafiar, mandar alguém sair, seduzir, exprimir stress, surpresa, etc. De um modo geral podemos constatar que as interjeições enriquecem o discurso e a enunciação ajudando a exteriorizar imediatamente o que o narrador sente e o que o ouvinte ouve. As interjeições, num certo contexto do discurso, exprimem rápida e exatamente algumas enunciações, substituindo assim tanto as frases simples como as frases compostas. Diferentes meios paralinguísticos, como por 24 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext clt-94b-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 25 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext soc-98a-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 26 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext soc-95b-2 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 27 Paulo Alexandre Rocha & Diana Santos, CETEMPúblico: Um corpus de grandes dimensões de linguagem jornalística portuguesa. par=ext22900-pol-95a-1 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.linguateca.pt/acdc/> 18

19 exemplo mímica, gestos ou sinais corporais acompanham o emprego das interjeições no discurso. As interjeições também servem para chamar a atenção e para cumprimentar. David F. Rodrigues 28 menciona que as interjeições também servem para exprimir cortesia ou descortesia verbal dependendo dos contextos em que aparecem e estabelecendo assim relações interpessoais. Os gritos articulados produzidos pelo homem, como ah! eh! hã? são considerados como verbalmente descortês pertencendo só à linguagem informal. Herculano de Carvalho 29 considera que a origem destes gritos pronunciados (interjeições primitivas) está no som que produziam antigamente os falantes espontaneamente para exprimir tais sentimentos como a dor, a surpresa, o medo, e outros, ou seja um som produzido instintivamente e não intencionalmente. E este som passou a ser transcrito e transformado em interjeições primitivas. Uma interjeição pode exprimir tanto a cortesia, como a descortesia, dependendo dos contextos. Rodrigues 30 menciona como exemplo a interjeição alto! que pode ser voz de comando usada para mandar parar ou suspender determinada ação ou atividade 31 ou segundo o dicionário Priberam exclamação usada para ordenar uma paragem 32, por exemplo neste contexto: Alto! Gritou a polícia, levantando a mão. 33 E neste caso não podemos falar sobre a cortesia ou descortesia tratando-se duma ordem emitida por alguma autoridade. Também pode servir para manifestar desacordo com o que acaba de ser dito e para interromper o discurso : No exemplo: Alto lá, não te admito que me fales dessa maneira! 34 já podemos considerar o uso da expressão alto como descortês uma vez que intervém no discurso. Esta interjeição é usada com o 28 RODRIGUES, David.F, Cortesia linguística e interjeição em Português Europeu, Actas do XIX encontro nacional da APL. 2003:Lisboa. Pág.653 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.apl.org.pt/docs/actas-19-encontro-apl-2003.pdf> 29 CARVALHO, Herculano De, 1973, Tomo 1:194 a 198 em RODRIGUES, David.F, Cortesia linguística e interjeição em Português Europeu, Actas do XIX encontro nacional da APL. 2003:Lisboa. Pág.653 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.apl.org.pt/docs/actas-19-encontro-apl-2003.pdf> 30 RODRIGUES, David.F, Cortesia linguística e interjeição em Português Europeu, Actas do XIX encontro nacional da APL. 2003:Lisboa. Pág.653 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.apl.org.pt/docs/actas-19-encontro-apl-2003.pdf> 31 Ibid. 32 "alto", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2010, [consultado em ]. 33 RODRIGUES, David.F, Cortesia linguística e interjeição em Português Europeu, Actas do XIX encontro nacional da APL. 2003:Lisboa. Pág. 659 [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.apl.org.pt/docs/actas-19-encontro-apl-2003.pdf> 34 Ibid. 19

20 mesmo significado nas expressões alto aí e alto lá, e dependendo do contexto, pertence ao âmbito formal ou informal. Em geral, as interjeições são aplicáveis a várias situações e o seu significado varia segundo o contexto e a situação. As interjeições desempenham um papel muito importante sobretudo na fala das crianças sendo usadas para substituir algumas palavras pertencentes a classes de palavras mais complexas. Através das interjeições designam pessoas, coisas, animais ou até uma ação. As interjeições no texto escrito dinamizam e enriquecem o texto e são usadas sobretudo para exprimir reações imediatas dos participantes da comunicação. As interjeições que imitam as vozes das pessoas, dos animais e também sons provocados pelos objetos inanimados aparecem, por exemplo, nos livros de banda desenhada e na literatura infantil. O texto com as interjeições parece ser mais realista, mais comunicativo e mais atrativo para o leitor. Além disso, as interjeições podem ser um fator de expressão da cultura do falante, como diz Adriana Leite do Prado Rebello: Desejos, pensamentos e até estratégias de persuasão podem ser representados pelas interjeições, que, com seu poder de transmitir um sentido completo, também atuam como uma das formas de expressão da cultura do falante suas ideias, crenças e costumes. 35 O emprego dos elementos interjetivos como os atos de discurso reflete a cultura do indivíduo, caracteriza o falante do ponto de vista regional e social e informa-nos sobre o seu estado emocional, entre outros aspetos. O emprego das interjeições também pode revelar o grau da formalidade de uma dada situação. 36 Wierzbicka 37 considera as interjeições como características marcantes das culturas baseando-se na própria investigação sobre as interjeições. Rebello escreve um estudo baseando-se na investigação da Wierzbicka e dividindo entre 4 grupos de interjeições: emotivas, volitivas, cognitivas e persuasivas. Depois de ter realizado o estudo sobre o emprego das interjeições na imprensa no Rio de Janeiro 35 REBELLO, Adriana Leite do Prado Rebello, Psiu! Do português L1 ao português L2. A interjeição como fator de identidade cultural. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno08-16.html> 36 Ibid. 37 WIERZBICKA, Anna, Cross-cultural pragmatics - the semantics of human interaction. Berlin-New York: Mouton de Gruyter, 1991 em REBELLO, Adriana Leite do Prado Rebello, Psiu! Do português L1 ao português L2. A interjeição como fator de identidade cultural. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno08-16.html> 20

21 apresenta-nos a conclusão que o grupo das emotivas é o mais utilizado, o que segundo ela bem reflete o caráter emotivo do povo brasileiro. 4. Onomatopeias No presente capítulo definiremos as onomatopeias, apresentaremos possíveis classificações das onomatopeias e diferentes funções da linguagem falada e escrita Definição das onomatopeias Onomatopeia é palavra de origem latina influenciada pelo grego, constituída de dois radicais: ónoma nome, poiéo fazer (Liceu Literário Português:2002;p.147). O termo onomatopeia significa a formação das palavras através da imitação dos sons e ruídos naturais, e também inclui as palavras formadas neste processo. O processo onomatopaico pode criar palavras e diferentes classes gramaticais e uma parte dessas onomatopeias são as interjeições. 38 Onomatopeias são as palavras que pretendem imitar sons e ruídos naturais, como por exemplo o som produzido pelos animais (miau - som do miado de um gato), sons de natureza (splash pessoa ou objeto caindo na água), de máquinas (bip - produzido por uma máquina ou robot), etc. Aliás, a imitação dos sons e ruídos naturais é sempre imperfeita porque o falante só é capaz de pronunciar os fonemas que aprendeu a pronunciar. Como já foi antecedido, cada linguagem designa os sons e ruídos conforme o repertório fonético de cada língua, razão pela qual as onomatopeias são diferentes em diferentes línguas. Isto explica porque depois em português um cão faz au au, enquanto que em checo haf haf. O galo em português canta cocoricó, enquanto que em inglês o mesmo faz cock-a-doodle-doo. Por serem as histórias em quadrinhos americanas mais conhecidas no mundo, as histórias de quadrinhos portuguesas adoptaram muitas onomatopeias do inglês, por exemplo: blingue-blingue (o som de bater duas jóias em prata, platina ou diamante) 38 CALDAS DE, Raoni Naraoka, Estudo linguístico comparativo sobre onomatopeias em histórias em quadrinhos:português-alemão. [online]. [cit ] Disponível em: < 21

22 vindo da onomatopeia bling-bling em inglês e mudado devido à preferência de português por acabar a palavra com a vogal, bangue-bangue (o ruído produzido pelo revólver)que é o mesmo que bang bang em inglês. Cof-cof é a onomatopeia derivada da palavra inglesa cough para imitar o ruído provocado pela tosse. Entre outros exemplos podemos mencionar: click, crack, crunch,... pronunciando-se em português com a pronúncia inglesa. Na realidade estas onomatopeias têm pouco a ver com o som que produzem, mas isso já foi dito e esclarecido. 39 As onomatopeias não são criadas espontaneamente pelo falante, mas são criadas com o objetivo de imitar e reproduzir sons. Sendo assim, dizemos que são convencionalmente construídas, não são naturais. Apesar de haver algumas onomatopeias tradicionais, os autores criam onomatopeias diferentes segundo o que ouvem. Formam só uma pequena parte do léxico total da língua apesar de o número das onomatopeias estar a crescer. O inventário é totalmente aberto, ou seja, o falante pode criá-las à sua vontade, mas as onomatopeias funcionam dentro da economia da língua e por muito perfeita que seja a sua imitação, não fogem às regras da combinação fonemática da língua. Além disso, aquelas que se usam com mais frequência, convertem-se em substantivos Tipos das onomatopeias Houaiss (Houaiss:2007) distingue entre onomatopeias linguísticas que têm a forma semelhante às palavras comuns e não linguísticas que tentam imitar os sons com maior fidelidade utilizando combinações das letras diferentes e parecendo assim mais reais. A seguir, distingue as onomatopeias brutas que são invariáveis e sintaticamente autónomas, ou seja, não se combinam com outras palavras, por exemplo: tiquetaque e onomatopeias gramaticalizadas que são derivações das onomatopeias brutas, por exemplo: tiquetaquear. 39 RODRIGUES, Sérgio, What língua is esta? [online]. [cit ] pp Disponível em: <http://books.google.cz/books?id=rgnowzwzhwic&pg=pa30&dq=onomatopeias&hl=pt- PT&sa=X&ei=YP1ITbsKMiohAfY7aScDg&ved=0CDwQ6AEwAzgK#v=onepage&q=onomatopeias&f=false> 22

23 Nogueira 40 divide as onomatopeias em não-vocabulizadas que não têm combinações fonéticas e ortográficas comuns para a língua, e vocabulizadas que são adaptações à estrutura vocabular da língua. Acrescenta que as onomatopeias mostram de modo redundante o que já foi designado por outras unidades da língua. A sua marginalidade não as exclui do sistema linguístico. A sua construção e o seu caráter estão submetidos às possibilidades do sistema fonológico Função das onomatopeias As onomatopeias usam-se muito na literatura infantil e nas histórias em quadrinhos, onde é preciso dizer o máximo com poucas palavras e também como uma reprodução sonora fiel. As onomatopeias nas histórias em quadrinhos começaram a utilizar-se na década dos 1890 e continuaram a desenvolver-se e melhorar ao longo do século XX. 41 Sobre a função das onomatopeias nos quadrinhos fala também Djota Carvalho no seu livro A educação está no gibi 42 e menciona que nas histórias em quadrinhos se usam também como efeitos visuais sendo assim a sua cor e forma utilizada para acentuar uma cena. Segundo Edgar Silveira Franco, o termo onomatopeia é de origem grega, da palavra onomatopoiiā que designa o ato de representar uma palavra reproduzindo seu som de forma gráfica 43. Franco relembra que as onomatopeias são típicas das histórias 40 NOGUEIRA, Rodrigo de Sá, Estudos sobre as onomatopeias, 1950 em DE CALDAS, Raoni Naraoka, Estudo linguístico comparativo sobre onomatopeias em histórias em quadrinhos:português-alemão. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.fflch.usp.br/dlm/alemao/pandaemoniumgermanicum/site/images/pdf/ed2011-2/10_raoni_caldas_onomatopeias.pdf> 41 CALDAS DE, Raoni Naraoka, Estudo linguístico comparativo sobre onomatopeias em histórias em quadrinhos:português-alemão. [online]. [cit ] Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext > 42 CARVALHO, Djota, A educação está no gibi. [online]. [cit ] Disponível em: <http://books.google.cz/books?id=rrjfdczr3dec&pg=pa44&dq=onomatopeias&hl=pt- PT&sa=X&ei=LPxIT5DcGoSChQeYyJWEDg&ved=0CFkQ6AEwCA#v=onepage&q=onomatopeias&f =false> 43 FRANCO, Edgar Silveira, Hqtrônicas do suporte papel à rede Internet. [online]. [cit ] Disponível em: <http://books.google.cz/books?id=w7qrrzutrdqc&pg=pa49&dq=onomatopeias&hl=pt- PT&sa=X&ei=19pIT66iCIHKhAerxb2FDg&redir_esc=y#v=onepage&q=onomatopeias&f=false> 23

24 em quadrinhos e a sua função é a de possibilitar o contato mais direto entre o escritor e o leitor. Despertam a fantasia dos leitores e tornam as expressões mais vivas. Se a onomatopeia desempenha um papel sintático na frase passando a outra classe gramatical, deixa de ser onomatopeia propriamente dita. Muitas vezes torna-se substantivo ou verbo, ou seja, gramaticaliza-se. Apresentadas as características e propriedades mais importantes das interjeições e onomatopeias, e o seu estatuto nas gramáticas e dicionários de português, podemos deduzir as seguintes conclusões-comparações: 1. As interjeições servem para exteriorizar sentimentos, sensações ou estados psicológicos do falante, podendo ser tanto as palavras já existentes na língua, como sons inarticulados. Por outro lado, as onomatopeias são reprodução de sons de origens diferentes não produzidos por falantes - através dos fonemas de que a língua possui, introduzindo-os na língua falada ou escrita. 2. As interjeições formam parte do léxico duma língua, enquanto que as onomatopeias são consideradas como empréstimos ligados a um contexto particular, por exemplo, às histórias em quadrinhos. 5. Classificação das interjeições As interjeições são uma classe de palavras pouco estudada e investigada que abrange palavras ou grupos de palavras diferentes do ponto de vista semântico, formal e funções que têm. Com isto está relacionada a diversidade que existe na classificação interna das interjeições. As gramáticas normativas não trazem uma só divisão das interjeições, mas sempre fazem distinção entre os sentimentos e sensações que descrevem dor, alegria, surpresa e muitos outros. A seguir, apresentaremos algumas classificações das gramáticas e estudos linguísticos que tivemos à disposição. As gramáticas tradicionais limitam-se a apresentar uma classificação estereotipada dividindo as interjeições segundo as emoções que expressam, e eventualmente, do ponto de vista formal, em interjeições simples ou locuções interjetivas, como vemos nos exemplos a seguir: 24

25 E. Bechara (Bechara:2001;p ) divide as interjeições em 15 grupos segundo o que expressam: 1. de exclamação: viva! 2. de admiração: ah, oh! 3. de alívio: ah, ch! 4. de animação: coragem, eia, sus! 5. de apelo ou chamamento: ó, olá, alô, psit, psiu! 6. de aplauso: bem, bravo! 7. de desejo ou ansiedade: oh, oxalá, tomara! 8. de dor física: ai, ui! 9. de dor moral: oh! 10. de dúvida, suspeita, admiração: hum, hem, hein! 11. de impaciência: arre, irra, apre, puxa! (e não registrado oficialmente pucha!) 12. de imposição de silêncio: caluda, psiu! 13. de repetição: bis! 14. De satisfação: upa, oba, opa! 15. De zombaria: liau! Também fala das locuções interjetivas que caracteriza como um conjunto de palavras com valor de interjeição, por exemplo: ai de mim! ora bolas! com todos os diabos! Infopédia 44 apresenta-nos também uma divisão entre as interjeições simples e locuções interjetivas, distinguindo depois várias subdivisões segundo a emoção que expressam: 44 Infopédia. [online]. [cit ] Disponível em: < 25

26 C. Cunha e L. Cintra (Cunha, Cintra:2001;p ) também classificam as interjeições segundo os sentimentos por elas expressas e mencionam também locuções interjetivas. Sugerem a seguinte divisão: 1. de alegria: ah! Oh! No Brasil também: oba! Opa! 2. de animação: avante! coragem! Eia! Vamos! 3. de aplauso: bis! Bem! Bravo! viva! 4. de desejo: oh! oxalá! 5. de dor: ai! Ui! 6. de espanto ou surpresa: ah! Chi! Ih! Ué! No Brasil também: puxa! 7. de impaciência: hum! Hem! Irra! 8. de invocação: alô! Ó! Olá! Psiu! Psit! 9. de silêncio: psiu! Silêncio! 10. de suspensão: alto! basta! Alto lá! 11. de terror: ui! Uh! Locuções interjetivas são depois expressões formadas por mais de uma palavra, por exemplo: ai de mim! Ora, bolas! Raios te partam! Valha-me Deus! (Cunha e Cintra,2001;p ) Rocha Lima (Rocha Lima:2010;p.189) distingue 7 grupos entre as interjeições sem levar em consideração locuções interjetivas: 1. de alegria: ah, oh, olá! 2. de desejo: oxalá, tomara! 3. de dor: ai, ui! 4. de chamamento: á, alto, psiu! 5. De silêncio: psiu, caluda! 6. De advertência: cuidado, alerta! 26

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data:

FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data: FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data: Listagem Conteúdos: 6º ano ensino fundamental Morfologia Fonética

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS

LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS LÍNGUA PORTUGUESA 7 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª SHEILA RODRIGUES PROF.ª SHIRLEY VASCONCELOS CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Trabalho- A trajetória humana, suas produções e manifestações. 2 CONTEÚDOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Planificação anual Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 75-78 Competências Compreensão oral: seleção da mensagens emitidas em situação de presença, sobre temas familiares para os alunos e

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

(Luís Fernando Veríssimo) 1. Tendo por base o texto acima, como podemos conceituar as interjeições? O que são elas?

(Luís Fernando Veríssimo) 1. Tendo por base o texto acima, como podemos conceituar as interjeições? O que são elas? Interjeição Alfabeto AH - Interjeição. Usada para indicar espanto, admiração, medo. Curiosamente, também são as iniciais de Alfred Hitchcock. AI - Interjeição. Denota dor, apreensão ou êxtase, como em

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER Língua Portuguesa Questão 02 A questão dois aborda o item 2.1. do Programa: referência. É correta a alternativa (E). Tanto o termo holandês (linha 21) como o termo primatólogo (linha 31) se referem a Frans

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA PORTUGUESA AULA 04 (13/02/15) PMERJ - 2015 Tel.: (22) 3852-3777 Professor: Bruna Michichelli

PORTUGUÊS LÍNGUA PORTUGUESA AULA 04 (13/02/15) PMERJ - 2015 Tel.: (22) 3852-3777 Professor: Bruna Michichelli LÍNGUA PORTUGUESA AULA 04 (13/02/15) INTERJEIÇÃO Interjeição é a palavra invariável que exprime emoções, sensações, estados de espírito, ou que procura agir sobre o interlocutor, levando-o a adotar certo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA 1. ano - 1. volume UNIDADE 1 Símbolos Letras do alfabeto UNIDADE 2 Alfabeto (vogais e consoantes) Crachá Letras do próprio nome, do nome do professor e dos colegas

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Planificação periódica 7ºano

Planificação periódica 7ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 7ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação 1ºPeríodo 7ºAno 2010/2011

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais Índice de aulas Tipologias textuais Texto narrativo em prosa Ação Personagens Narrador Espaço Tempo Modalidades do discurso A consequência dos semáforos, de António Lobo Antunes História sem palavras,

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Você que se inscreveu no Bolsão do Colégio Futuro Vip para cursar o 6º ano do Ensino Fundamental está recebendo o programa das provas. BOLSÃO 6º ANO Fonética Fonema distinção entre FONEMA e LETRA Sílaba

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura)

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) 4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) ESCALA DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA A

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral Módulo Geral CONCURSO: Ministério do Trabalho e Emprego CARGO: Auditor-Fiscal do Trabalho PROFESSOR: Pablo Jamilk Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 19 Família : - a minha história A família: - tipos de família - membros da família e suas funções - regras de convivência na família - a minha infância A família do meu amigo,

Leia mais

4.6 Argumento ab exemplo... 4.7 Argumento sistemático... 4.8 Argumentação naturalista...

4.6 Argumento ab exemplo... 4.7 Argumento sistemático... 4.8 Argumentação naturalista... SUMÁRIO Capítulo I Teoria da comunicação jurídica 1. Introdução 2. Aspectos gerais sobre a comunicação 3. Elementos da comunicação jurídica 4. A linguagem forense 5. A língua e a fala 6. As funções da

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 2015 9º Ano de

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Salesianos Mogofores Colégio

Salesianos Mogofores Colégio Salesianos Mogofores Colégio Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 6º ano Grupo de Português 2015-16 * Em anexo encontram-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (2º

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidades 1, 2, 3 e 4) Gêneros Poema Crônica História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso História de

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano Conteúdos Programáticos Bolsão 2016 Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I Conteúdo para ingresso no 2 o ano LÍNGUA PORTUGUESA: Alfabeto (maiúsculo e minúsculo); vogal e consoante; separação silábica;

Leia mais

O PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO: AS ORAÇÕES COORDENADAS

O PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO: AS ORAÇÕES COORDENADAS O PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO: AS ORAÇÕES COORDENADAS 1. Leia as orações dos itens seguintes, observando o tipo de relação semântica existente entre elas. Reescreva-as e ligue-as, empregando uma conjunção

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período DISCIPLINA: Língua Portuguesa Compreensão do oral; Ouvinte (DT); Vocabulário; Notas, esquemas; Oralidade (DT); Texto oral e texto escrito

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

ANEXO I FUNÇÕES, VAGAS, PRÉ-REQUISITOS, VENCIMENTOS, JORNADA DE TRABALHO E LOTAÇÃO.

ANEXO I FUNÇÕES, VAGAS, PRÉ-REQUISITOS, VENCIMENTOS, JORNADA DE TRABALHO E LOTAÇÃO. ANEXO I FUNÇÕES, VAGAS, PRÉ-REQUISITOS, VENCIMENTOS, JORNADA DE TRABALHO E LOTAÇÃO. Cargos/ Área de Atuação Hs/ Sem Nº de Vagas Nº de Vagas LOTAÇÃO Pré-Requisitos/ Escolaridade Vencimento Básico R$ Comuns

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2014/2015 Português 3.º Ano DISCIPLINA DOMÍNIOS CONTEÚDOS INTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO PORTUGUÊS Pesquisa

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Disciplina Espanhol Código - 368 Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho,

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis LÍNGUA PORTUGUESA para o Exame de Suficiência do CFC Bacharel em Ciências Contábeis O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira con cursos con cursos LÍNGUA PORTUGUESA para

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

A planificação de atividades para a leitura e educação literária:

A planificação de atividades para a leitura e educação literária: A planificação de atividades para a leitura e educação literária: Apresentação do professor-leitor ao leitor em formação Um percurso de leitura Maria Vitória de Sousa Do professor ao aluno 1. Ler o texto

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de21 de outubro de 2014 ) No caso específico da disciplina de Português, do 6.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

1. Agrupa as palavras segundo o número de sílabas e distribui-as pelo quadro, conforme o exemplo.

1. Agrupa as palavras segundo o número de sílabas e distribui-as pelo quadro, conforme o exemplo. 1. Agrupa as palavras segundo o número de sílabas e distribui-as pelo quadro, conforme o exemplo. computador mesa livraria órgão lápis bolo pá Monossílabos Dissílabos Polissílabos 2. Separa as sílabas

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Sumário. Apresentação... 33. Editais e plano de estudos. Parte ii

Sumário. Apresentação... 33. Editais e plano de estudos. Parte ii Sumário Apresentação... 33 Parte i Editais e plano de estudos Capítulo 1 Editais... 39 1. Introdução... 39 2. Plano de estudos... 39 3. Editais... 40 3.1. TRT 15 Campinas/SP FCC (outubro 2013)... 40 3.2.

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

Planificação periódica 8ºano

Planificação periódica 8ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 8ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Aveiro E S C O L A 2 º E 3 º C I C L O S J O Ã O A F O N S O D E A V E I R O

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias:

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: MORFOLOGIA A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: 1. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem

Leia mais