10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. JOÃO DA TALHA FICHA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA Biologia/Geologia ano1 NOME Nº TURMA CLASSIFICAÇÃO PROFESSORA I Yellowstone foi classificado como Parque Nacional, pelo governo americano, em 1872, devido principalmente aos seus espectaculares géiseres e nascentes termais. Só na segunda metade do séc. XX é que esta zona foi devidamente interpretada e reconhecida como o maior sistema vulcânico da América do Norte estando associado a um ponto quente (hot spot). O Parque Nacional de Yellowstone (fig.1-a) encontra-se na Placa Norte-Americana afastado da fronteira dessa placa litosférica e está localizado na caldeira mais jovem e ainda activa de uma cadeia de caldeiras sucessivamente mais antigas e já sem actividade vulcânica (fig.1-b). Algumas das formações geológicas presentes em Yellowstone foram datadas por métodos radiométricos. Um dos minerais mais usado neste método de datação é o zircão (mineral comum em rochas magmáticas e metamórficas). Em Yellowstone, foram feitos estudos que encontraram cristais de zircão com idade superior à da rocha magmática no seio da qual foram encontrados. Alguns geólogos interpretaram esse facto da seguinte forma: o zircão formou-se primeiro e foi depois incorporado, sem sofrer fusão, numa lava mais recente. Fig 1 A Mapa da região; Fig.1 B - Idade (em milhão de anos, M.a.) das caldeiras na cadeia vulcânica de Yellowstone. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1

2 1. Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. O vulcanismo em Yellowstone é do tipo A - interplacas associado a uma região de subducção. B - interplacas associado a um vale de rifte. C intraplaca associado a uma placa oceânica. D - intraplaca associado a uma placa continental. 2. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter afirmações correctas. Há cerca de 16 M.a., a Califórnia estava mais do ponto quente dado que o movimento da placa norte-americana ocorre segundo o sentido definido pela seta da fig. 1-B. A próxima [ ] nº1. B próxima [ ] nº 2. C afastada [ ] nº1. D afastada [ ] nº No arquipélago do Havai, o vulcanismo está também associado a um hot spot que conduz à emissão de lavas básicas. Em Yellowstone, as lavas emitidas são, geralmente, muito mais ácidas. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter afirmações correctas. As erupções no Havai tendem a ser mais e os cones vulcânicos terão vertentes mais do que em Yellowstone. A explosivas [ ] suaves B explosivas [ ] íngremes C efusivas [ ] suaves D efusivas [ ] íngremes 4. Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. Os géiseres, que tornaram o Parque de Yellowstone tão conhecido, são manifestações de vulcanismo A - residual em que há emissão intermitente de água líquida e de vapor. B - residual em que há emissão contínua de água líquida e de vapor. C - primário com libertação de gases ricos em enxofre. D - primário com emissões abundantes de dióxido de carbono. 5. Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. A datação efectuada às formações rochosas em Yellowstone pode ser usada como argumento que apoia a utilização do zircão em métodos de datação radiométrica, dado que este mineral A é dissolvido pelas águas das nascentes termais. B é muito resistente a condições de temperaturas elevadas. C tem grande facilidade em sofrer meteorização química. D é alterado quimicamente por águas com elevado teor de dióxido de carbono. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 2

3 6. O gráfico da figura 2 mostra a variação da temperatura com a profundidade em duas regiões distintas (A e B): uma das regiões apresenta nascentes termais e géiseres e na outra não há qualquer manifestação de vulcanismo. A curva C representa a variação da temperatura de ebulição da água em função da profundidade. Profundidade (m) Temperatura (ºC) Fig Com base nos dados da fig.2, classifica como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações. A A curva A corresponde à zona em que não há manifestações de vulcanismo.v B Na região B, o gradiente geotérmico diminui dos 500m aos 2000m de profundidade.f C - Na região A, a temperatura aumenta gradualmente até à profundidade de 2000m.V D Aos 1500m de profundidade, a água pode entrar em ebulição na região A.F E A temperatura de ebulição da água aumenta com a profundidade.v F Na região B, aos 250m de profundidade, a água pode entrar em ebulição.v G Desde a superfície até aos 250m de profundidade, o grau geotérmico é maior na região B do que na região A.F H A região A apresenta maior potencialidade para o aproveitamento da energia geotérmica do que a região B.F 6.2. As nascentes termais apresentam águas com elevado teor de minerais dissolvidos. Explica a elevada mineralização das águas das nascentes termais. As nascentes termais caracterizam-se pelas suas águas apresentarem temperaturas elevadas. A temperatura elevada da água juntamente com a própria composição química desta, vai favorecer a dissolução dos minerais das rochas por onde essa água circula. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 3

4 Assim, ao longo do tempo, a água vai ficando cada vez mais rica em substências minerais. 7. Explica a seguinte afirmação: Quando ocorre uma erupção vulcânica, a emissão de gases e a deposição de cinzas podem trazer a morte, mas, a longo prazo, a cinza é uma bênção para as culturas. As cinzas vulcânicas ao depositarem-se nos solos, fertilizam-nos enriquecendo-os em matéria mineral. Os gases e as cinzas, têm substâncias tóxicas que podem provocar a morte dos seres vivos. II 1. Os esquemas da fig. 3 representam diferentes situações em que é evidenciada a relação da distribuição geográfica de sismos com a tectónica de placas. Fig Identifica as camadas representadas por X, Y e Z. X- crusta continental; Y- litosfera; Z- crusta oceânica 1.2. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter afirmações correctas. A camada faz parte do mesmo modelo para a estrutura interna da Terra que a astenosfera. Este modelo baseia-se em critérios relacionados com das camadas. A Z [ ] a composição química B Z [ ] as propriedades físicas C Y [ ] as propriedades físicas D Y [ ] a composição química 1.3. A cada um dos esquemas (I, II, III e IV) faz corresponder a letra da legenda mais adequada. A Colisão entre zonas continentais de duas placas.i B Movimento ao longo de uma falha transformante.iii C Subducção de uma placa oceânica sob uma placa continental.iv D Criação de crosta oceânica por solidificação de magmas oriundos da astenosfera.ii E Fronteira inactiva Em que situações, das representadas na figura 3, os focos sísmicos estão associados a fronteiras convergentes? I e IV 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 4

5 1.5. Considerando a Teoria do Ressalto Elástico, explica a ocorrência de sismos na situação III. Na situação III, as duas placas litosféricas estão a deslizar lateralmente uma em relação à outra (falha transformante), havendo um acumular de tensão nos materiais rochosos. Quando a resistência dos materiais é ultrapassada, ocorre ruptura destes, com libertação da energia acumulada,originando o sismo Refere, explicando, duas medidas que permitam minimizar o risco sísmico numa determinada região. Educação da população de modo a que na altura de crise não haja situações de pânico e que as pessoas saibam o que devem fazer para minimizar possíveis acidentes. Elaboração de planos de emergência que sejam de imediato activados em situação de crise, de modo que os hospitais, a protecção civil estejam preparados para intervir. (entre outros) 2. Observa o sismograma seguinte, registado na Alemanha, relativo a um sismo ocorrido no México, em Identifica as ondas representadas por A, B e C. A- P; B- S; C- L 2.2. Pela observação do sismograma, faz corresponder a cada afirmação uma das letras da chave. CHAVE: A Afirmação apoiada pelos dados. B Afirmação contrariada pelos dados. C Afirmação que não é possível relacionar com os dados. AFIRMAÇÕES: 1 As ondas L são as ondas de menor amplitude.b 2 As ondas L são as ondas de menor velocidade.a 3 As ondas L são as mais destruidoras.a 4 As ondas P são as de maior velocidade.a 5 As ondas P são ondas de compressão.c 6 As ondas S têm maior amplitude que as P e menor amplitude que as L.A 7 Todas as ondas sísmicas têm a mesma velocidade.b 8 As ondas S não se propagam em meio líquido.c 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 5

6 3. Observa a figura 4 que esquematiza a trajectória das ondas sísmicas no interior da Terra. As letras (de A a G) representam estações sismográficas. Fig Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. Considerando as estações representadas na fig.4, verifica-se que A a estação G é a que apresenta maior diferença de tempo entre a chegada das ondas P e a chegada das ondas S. B - a diferença de tempo entre a chegada das ondas P e a chegada das ondas S é maior na estação A do que na B. C - na estação F são registadas ondas P e ondas S directas. D - nas estações D e G registam-se ondas P e não se registam ondas S Designa as camadas representadas por Y e X. Y- núcleo externo; X- núcleo interno 3.3. Designa a superfície de descontinuidade que marca o início da camada Y. Descontinuidade de Gutenberg III 1. O corte geológico da figura 5 refere-se a uma região onde ocorrem rochas dos três grandes grupos. Fig Classifica, quanto à sua origem, cada uma das rochas representadas na figura 5. Granito - rocha magmática; Mármore - r. metamórfica; Calcário r. sedimentar; Arenito r. sedimentar 1.2. Identifica a rocha do corte que se formou através de: A precipitação de sais dissolvidos na água. calcário B transformação de calcários no estado sólido, por acção da temperatura e da pressão. mármore C deposição de sedimentos detríticos. arenito D arrefecimento de material em fusão. granito 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 6

7 E calor proveniente de um corpo magmático. mármore IV 1. Os esquemas A e B da figura 6 traduzem uma provável evolução inicial da Terra, estando representados, pelos respectivos símbolos, diversos elementos químicos. Fig A cada um dos processos a seguir referidos (de 1 a 4) faz corresponder um dos esquemas (A ou B). 1 Acreção; A 2 Contracção; B 3 Diferenciação; B 4 - Desgaseificação. B 1.2. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter afirmações correctas. Na passagem da situação do esquema A para a situação do esquema B, a variedade dos elementos químicos constituintes da Terra e a temperatura interna. A aumentou [ ] diminuiu B aumentou [ ] aumentou C diminuiu [ ] diminuiu D diminuiu [ ] aumentou 1.3. Explica, com base nos dados, o aumento da densidade da Terra ao longo do processo de evolução representado na figura 6. A tua resposta deve fazer referência a: -variações de massa; -variações de volume; -processo de diferenciação. No processo de evolução da Terra, houve uma perda de material com a libertação de gases (H e He), variando assim, a sua massa inicial. No processo de diferenciação, os minerais mais densos migraram para o interior (Fe) ficando os menos densos na camada superior. A diminuição de volume sofrida com a diferenciação levou a um aumento da densidade do planeta. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 7

8 Bom trabalho! QUESTÃO COTAÇÃO (pontos) Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV Mais alguns exercícios. I 1. Lê com atenção o texto seguinte: Após um período de dormência de dois séculos, Kracatoa entrou em erupção a 20 de Maio de A erupção culminou numa série de quatro grandes explosões em 26 e 27 de Agosto. Toda a parte norte da ilha, que se elevava a cerca de 600 m de altitude, desabou formando uma enorme caldeira, 300 m abaixo do nível do mar. Quantidades tremendas de cinzas foram lançadas na alta atmosfera e deram a volta à Terra durante dois anos. Kracatoa era uma ilha desabitada, mas morreram mais de pessoas em Java e Sumatra devido ao enorme tsunami causado pela erupção Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. O vulcanismo referido no texto corresponde a A vulcanismo secundário de tipo central B vulcanismo secundário de tipo fissural C vulcanismo primário de tipo central D vulcanismo primário de tipo fissural 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 8

9 1.2. Classifica o tipo de erupção vulcânica descrita no texto. Justifica a tua resposta com base nos dados do texto. Erupção explosiva. Apresentou violentas explosões que levaram à destruição de uma parte da ilha (com formação de uma caldeira) e emissões de grandes quantidades de cinzas Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. O magma responsável por esta erupção vulcânica é A rico em sílica e apresenta temperaturas de cerca de 800 ºC. B pobre em sílica e apresenta temperaturas de cerca de 1100ºC. C rico em sílica e apresenta temperaturas de cerca de 1100ºC. D pobre em sílica e apresenta temperaturas de cerca de 800ºC Selecciona a opção que contém os termos que permitem completar correctamente os espaços da frase seguinte: O magma desta erupção vulcânica ascende com e contribui para a formação de um aparelho vulcânico de vertentes. A facilidade. suaves. B facilidade íngremes. C dificuldade suaves. D dificuldade íngremes. 2. Classifica cada uma das seguintes afirmações como verdadeira (V) ou falsa (F). A Os mantos de lava são característicos de erupções do tipo efusivo. V B Quanto mais violentas são as erupções, maiores são as dimensões dos piroclastos formados. F C Os cones vulcânicos formados por alternadamente por lava e piroclastos surgem como consequência de actividade vulcânica mista. _V D As lavas escoriáceas ou aa são lavas ácidas. _F E As correntes piroclásticas formam-se quando a fracção volátil de um vulcão é muito reduzida. F F As lavas básicas são mais quentes que as lavas ácidas. V G As mofetas são jactos intermitentes de água quente. F H As lavas em almofada arrefecem dentro de água. V 3. Os esquemas A e B da figura 1 traduzem anomalias magnéticas teóricas em dois troços distintos da crusta oceânica, ambos com 100Km de extensão e obtidos em direcção perpendicular às cristas médio-oceânicas. As bandas escuras e claras assinalam, respectivamente, polaridade normal e polaridade inversa. Fig Menciona a letra (A ou B) do esquema que traduz uma maior velocidade de expansão do fundo oceânico. Justifica. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 9

10 B; porque para o mesmo intervalo de tempo (1 ou 2) o troço B tem um maior comprimento o que significa que ocorreu uma maior expansão. Assim, conclui-se que nesse troço a expansão ocorreu mais rapidamente. 3.2 Distingue polaridade normal de polaridade inversa. Polaridade normal é a polaridade existente nas rochas idêntica à polaridade actual. Polaridade inversa é a polaridade existente nas rochas oposta à actual. 3.3 Classifica o tipo de limite de placas relacionado com os esquemas A e B. Divergente 3.4 Indica o tipo de vulcanismo predominante na fronteira de placas referida na questão anterior. Vulcanismo de vale de rifte é um vulcanismo efusivo 4 Os sismogramas fornecem importantes informações, quer sobre a localização das regiões sísmicas, quer sobre as características das zonas terrestres atravessadas pelas ondas sísmicas. Duas estações sismográficas, A e B, registaram um mesmo sismo. A figura 2 representa os respectivos sismogramas (sismograma A e sismograma B) e um gráfico para determinação da distância epicentral. Fig A partir da análise da figura 2, indica qual das ondas P, S ou L, apresenta maior velocidade. Ondas P Justifica a resposta 4.1. As ondas P são as primeiras a ser registadas nos sismogramas e verifica-se também, por análise do gráfico da figura 2, que demoram menos tempo do que as ondas S a percorrer a mesma distância logo são as mais rápidas. 4.2 Assinala a letra correspondente à alternativa que permite completar correctamente a frase: As estações sismográficas A e B estão situadas relativamente ao epicentro: A A, antes da zona de sombra e B, depois da zona de sombra. B - A, antes da zona de sombra e B, na zona de sombra. C A, na zona de sombra e B, depois da zona de sombra. D A e B, depois da zona de sombra. 5 O vulcão Popocatépetl (no México), em 2005, emitiu materiais piroclásticos que atingiram localidades a mais de 60 Km de distância. Na tentativa de perceber por que razão localidades tão distantes dos vulcões podem ser atingidas pelos materiais emitidos, planificou-se a experiência que a seguir se resume e cujo dispositivo se encontra representado na fig.3. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 10

11 Fig. 3 - Com o secador ligado na velocidade mínima (velocidade 1) deita-se muito lentamente (poucos grãos de cada vez), mesmo em frente da saída de ar do secador, uma porção de areia que está no copo; - Examinar o sedimento recolhido em cada caixa e medir o tamanho do grão. Usar uma lupa e uma escala; - Determinar a distância a partir do secador até ao centro de cada caixa; - Repetir os procedimentos anteriores mas usando cinza. -Uma vez recolhida a areia e a cinza das caixas, devem repetir-se todos os procedimentos, mas desta vez com a velocidade máxima do secador (velocidade 2). 5.1 Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. Com esta experiência pretendeu-se testar a seguinte hipótese: A A temperatura atmosférica influencia a deslocação das partículas através do ar. B A constituição química das partículas influencia a sua deslocação através do ar. C A humidade atmosférica influencia a deslocação das partículas através do ar. D O tamanho das partículas influencia a sua deslocação através do ar. 5.2 Indica dois cuidados a ter na execução/planeamento desta experiência de modo a que os resultados possam ser conclusivos. Exemplo: as partículas devem ter sido lançadas à mesma distância (e altura) do secador; em cada um dos ensaios a velocidade do secador deve ter sido a mesma; as partículas usadas no ensaio com a velocidade 1 devem ser iguais às usadas no ensaio com a velocidade 2;deve usar-se um secador em que seja possível manter a velocidade do ar ao longo de todo o ensaio... 6 Comenta a seguinte afirmação: Em vulcões que têm história de formação de nuvens ardentes, a monitorização da direcção e da velocidade dos ventos em momentos próximos das erupções vulcânicas é um procedimento particularmente importante. No teu comentário deves ter em conta: -tipo de erupção; -produtos emitidos; -minimização de riscos vulcânicos. A formação de nuvens ardentes está associada a erupções explosivas em que há emissão de grandes quantidades de cinzas e de gases que se encontram a temperaturas muito elevadas. Estas nuvens apresentam grande mobilidade deslocando-se a grandes velocidades e apresentando elevado poder destrutivo. Como os elementos constituintes das nuvens ardentes são muito leves e de pequenas dimensões (cinzas), a direcção e a velocidade do seu movimento são condicionadas pela direcção e intensidade dos ventos predominantes (para além do efeito da topografia do terreno). Assim, a monitorização dos ventos, neste tipo de erupções, poderá contribuir para prever, com mais rigor, o percurso na nuvem ardente, possibilitando tomar medidas de minimização dos riscos, nomeadamente a evacuação de populações. 7 A figura 4 representa a variação do fluxo térmico em função da idade das rochas dos fundos dos oceanos Atlântico a Pacífico. 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 11

12 Idade (M.a.) Idade (M.a.) Fig. 4 A linha contínua ( ) representa a variação do fluxo térmico prevista pela teoria da Tectónica de Placas. Os pontos dizem respeito aos valores do fluxo térmico que foram medidos. 7.1 Selecciona a alternativa que completa correctamente a afirmação seguinte. Pela análise dos gráficos da fig. 8, verifica-se que A - o fluxo térmico é mais baixo nos locais onde as rochas são mais jovens. B - no oceano Atlântico, rochas com 25 M.a. apresentam fluxos térmicos mais elevados do que os previstos. C - as rochas com 150 M.a., no oceano Pacífico, apresentam fluxos térmicos muito inferiores às do oceano Atlântico com a mesma idade. D - o fluxo térmico é mais elevado nos locais onde as rochas têm menos idade Selecciona a opção que contém os termos que permitem completar correctamente os espaços da frase seguinte: Com base nos resultados e considerando a teoria da Tectónica de Placas, podemos inferir que à medida que a crosta oceânica se do rifte arrefece, contrai-se e a sua densidade. A afasta [.] aumenta B afasta [ ] diminui C aproxima [ ] aumenta D aproxima [ ] diminui 10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 12

10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1

10ºC Fevereiro 2008 Teste A Página 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. JOÃO DA TALHA FICHA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA Biologia/Geologia ano1 NOME Nº TURMA CLASSIFICAÇÃO PROFESSORA I Yellowstone foi classificado como Parque Nacional, pelo governo americano,

Leia mais

Vulcanismo e Tectónica de Placas

Vulcanismo e Tectónica de Placas Vulcanismo e Tectónica de Placas Fig. 1 Sistema de reciclagem da crosta e vulcanismo nas fronteiras tectónicas. Margens convergentes e divergentes A superfície da Terra é constituída por placas diferenciadas

Leia mais

O vulcanismo, de acordo com os fenómenos observados, pode ser classificado como primário ou secundário:

O vulcanismo, de acordo com os fenómenos observados, pode ser classificado como primário ou secundário: 1. Vulcanismo O vulcanismo ou a atividade vulcânica consiste na libertação de produtos gasosos, líquidos e/ou sólidos para o exterior da crosta terrestre. Esta saída pode ser através de aberturas na superfície

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos.

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanologia - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanismo Primário (activo) Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural Secundário

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões.

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões. Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Estrutura Interna da Terra (pag. 59 a 69 Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 7 às 9h Quarta 9 às 12h museu IC II Aula 2 Deriva continental e Tectônica de placas Turma: 2015/2 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Dinâmica da Terra Deriva

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

Dinâmica da Litosfera Susana Prada. Teoria da deriva dos continentes. A Terra antes da Pangea 18-03-2015

Dinâmica da Litosfera Susana Prada. Teoria da deriva dos continentes. A Terra antes da Pangea 18-03-2015 Dinâmica da Litosfera Susana Prada A Terra antes da Pangea Fim do Precâmbrico: Supercontinente RODINIA Início do Paleozóico: início da 2ª deriva continental Teoria da deriva dos continentes Proposta pela

Leia mais

Qual a força que move os continentes? SabinaValente

Qual a força que move os continentes? SabinaValente Qual a força que move os continentes? SabinaValente Teoria da Tectónica de Placas (1968): A litosfera (ou a parte rígida da Terra) é constituída por segmentos, chamados PLACAS, que se movem sobre um substrato

Leia mais

NDAMENTOS DE GEOLOGIA E GEOQUÍMICA PROF. DR. DONIZETI ANTONIO GIUSTI

NDAMENTOS DE GEOLOGIA E GEOQUÍMICA PROF. DR. DONIZETI ANTONIO GIUSTI NDAMENTOS DE GEOLOGIA E GEOQUÍMICA PROF. DR. DONIZETI ANTONIO GIUSTI ESTRUTURA DA TERRA SISMOLOGIA GEOTERMIA VULCANISMO Kircher 1678 (Terra heterogênia em Mundus Sbterraneus. Kelvin 1873 (Termodinâmica

Leia mais

ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS

ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS ESCOLA FERREIRA CASTRO 13/14 PROFª SANDRA NASCIMENTO III TECTÓNICA DE PLACAS Regresso à deriva continental O interesse pela Teoria da Deriva Continental reacendeu-se, por volta de 1950, quando se começou

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

Correcção do Teste de Verificação da Aprendizagem

Correcção do Teste de Verificação da Aprendizagem Correcção do Teste de Verificação da Aprendizagem Preparação para a Ficha de Avaliação nº5 Em cada uma das questões seguintes assinala a opção correcta. Só deves assinalar uma opção em cada questão. 1

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global.

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global. Classificação de bacias sedimentares: mecanismos de subsidência e contexto tectônico - Bacias sedimentares: áreas da superfície terrestre que sofrem ou sofreram subsidência continuada. - Subsidência resposta

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE Definição CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE A Terra Esferóide achatado nos Pólos e dilatado no Equador. Diâmetro Polar: 12.712 Km. Diâmetro Equatorial: 12.756 Km. Maior elevação:

Leia mais

Netxplica http://netxplica.com

Netxplica http://netxplica.com Teste de Avaliação de Biologia e Geologia 10.º Ano de Escolaridade 3 Compreender a estrutura e o interior da geosfera Duração do Teste: 120 minutos VERSÃO 2 Na folha de respostas, indica de forma legível

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche]

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Estrutura e Composição da Terra Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Contornos do Mundo O interior terrestre é formado por várias camadas e as investigações sobre

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10ºAno Nome Nº Turma Data / / Avaliação 1. climáticas solar cinzas redução geográficas A projecção de vulcânicas teria como consequência a de

Leia mais

Prova Específica de Geologia

Prova Específica de Geologia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova Específica de Geologia 6 Junho 2014 1 hora e 30 minutos + 30 minutos de tolerância Escreva

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial)

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) 1. A Terra e os seus subsistemas em interacção. 1.1Subsistemas terrestres (geosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera). 1.2 Interacção

Leia mais

Parte 1 Formação geológica

Parte 1 Formação geológica AULA 1 CONTINENTES Parte 1 Formação geológica O Planeta Terra é formado por seis continentes: África, América, Antártica, Ásia, Europa e Oceania. A Terra apresenta 149.440.850 quilômetros quadrados de

Leia mais

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014 1 RELATÓRIO I Erupção Vulcânica de 2014 A Universidade de Cabo Verde em estreita colaboração com Instituto Tecnológico de Energias Renováveis de Tenerife (ITER) e de outras instituições científicas nacionais

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C GABARITO 2ª CHAMADA DISCIPLINA: FÍS./GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais ROCHAS E MINERAIS Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais A crosta terrestre é basicamente constituída de rochas. A rocha é produto

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk TERREMOTOS (Cap. 19) Earthquake Effects - Ground Shaking Northridge, CA 1994 Earthquake Effects Ground Shaking

Leia mais

ORIGEM, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA TERRA E A TECTÔNICA DE PLACAS

ORIGEM, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA TERRA E A TECTÔNICA DE PLACAS ORIGEM, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA TERRA E A TECTÔNICA DE PLACAS BIG BANG PLANETESIMAIS FORMAÇÃO DOS PLANETAS A teoria da Grande Explosão (Big( Bang), considera que nosso Universo começou ou entre 13 a

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento

Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento Planificação da unidade didáctica Biologia e Geologia: Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento Manual escolar utilizado: Título: Terra, Universo de Vida Autores: Amparo Dias da Silva; Fernanda

Leia mais

Como ocorre um Tsunami

Como ocorre um Tsunami Como ocorre um Tsunami O QUE É O tsunami é uma onda gigante gerada por distúrbios sísmicos, que possui alto poder destrutivo quando chega à região costeira. A palavra vem do japonês "tsu" (porto, ancoradouro)

Leia mais

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

AEPTBG10-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES

AEPTBG10-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES AEPTBG10-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES GEOLOGIA PROPOSTA DE SOLUÇÕES GEOLOGIA TEMA 1 EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS. 17 a 30 1. A V; B F; C V; D F; E V; F F; G V; H F. 2. 2.1. A Precipitação; B

Leia mais

Ficha Formativa 10º ano - Vulcanologia 2006

Ficha Formativa 10º ano - Vulcanologia 2006 Ficha Formativa 10º ano - Vulcanologia 2006 I. Preenche as lacunas das frases seguintes, utilizando as palavras ou expressões que melhor as completam. Os vulcões são aberturas naturais na crosta terrestre

Leia mais

Capítulo 2. Mecanismos de geração dos sismos

Capítulo 2. Mecanismos de geração dos sismos Capítulo 2. Mecanismos de geração dos sismos A estrutura da Terra. Origem dos sismos. Teorias dos mecanismos sísmicos. As falhas como geradoras de sismos. Geometria, tipo e classificação da sua actividade.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Guião de Exploração de Actividades. Parte A Alta Tecnologia para Estudar a Dinâmica Interna da Geosfera

Guião de Exploração de Actividades. Parte A Alta Tecnologia para Estudar a Dinâmica Interna da Geosfera Guião de Exploração de Actividades Que contribuições poderão fornecer os métodos directos e indirectos para o conhecimento da estrutura e dinâmica da Geosfera? Quais são os métodos para investigar o interior

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Observe a imagem 1, com atenção, e depois responda Fonte: http://nautilus.fis.uc.pt/astro/hu/viag/images/imagem24.jp 3 É o sexto planeta

Leia mais

Qual o nosso lugar no Universo?

Qual o nosso lugar no Universo? Qual o nosso lugar no Universo? Acredita-se que no Universo existam cerca de 100 000 milhões de galáxias. As galáxias são enormes grupos de estrelas, gás e poeira. Nem todas são iguais e diferenciam-se

Leia mais

ERUPÇÃO VULCÂNICA CAPELINHOS DOS CAPELINHOS VOLCANIC ERUPTION (1957) CINQUENTENÁRIO A RETROSPECTIVE

ERUPÇÃO VULCÂNICA CAPELINHOS DOS CAPELINHOS VOLCANIC ERUPTION (1957) CINQUENTENÁRIO A RETROSPECTIVE ERUPÇÃO VULCÂNICA DOS CAPELINHOS CINQUENTENÁRIO CAPELINHOS VOLCANIC ERUPTION (1957) A RETROSPECTIVE Fotografias da Erupção dos Capelinhos 1957-58 Capelinhos volcanic eruption 1957-58. Photo essay Propriedade:

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Teste de Avaliação. Turma: Nº: Duração 50 minutos. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica.

Teste de Avaliação. Turma: Nº: Duração 50 minutos. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica. Figura 1 1.1 Identifique os tipos de actividades vulcânicas, representadas na figura 1 A Actividade vulcânica de tipo efusivo;

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA.

PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA. PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA Nome: BI: Classificação: CHAMADA DE ATENÇÃO: Esta prova é constituída

Leia mais

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 28.05.

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 28.05. Teste Intermédio de Biologia e Geologia Versão 1 Teste Intermédio Biologia e Geologia Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 28.05.2009 10.º ou 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe

Leia mais

Formação do Sistema Solar

Formação do Sistema Solar Formação do Sistema Solar Teorias sobre a origem os Sistema Solar: o Hipótese de colisão entre 2 estrelas o Hipótese da aproximação entre 2 estrelas o Teoria rebular reformulada (actualmente aceite): Ponto

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Escola Secundária Vitorino Nemésio

Escola Secundária Vitorino Nemésio Escola Secundária Vitorino Nemésio Ano lectivo 2008/2009 Fisica e Química B 11ºAno 3º Teste de Avaliação Sumativa Nome: Nº: Classificação: Enc.Educação: A professora: 1. Todas as afirmações são falsas.

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 18.03.2010

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 18.03.2010 Teste Intermédio de Biologia e Geologia Teste Intermédio Biologia e Geologia Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 18.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Dinâmica do Clima. Precipitação

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Dinâmica do Clima. Precipitação Universidade de Aveiro Departamento de Física Dinâmica do Clima Precipitação Objectivos Analisar a evolução do Clima, no nosso caso a taxa de precipitação, desde Dezembro de 1994 até Dezembro de 2006.

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Índices Teleconectivos

Índices Teleconectivos Índices Teleconectivos NAO North Atlantic Oscillation ENSO El Niño Southern Oscillation Dinâmica do Clima Ana Picado 338 Carina Lopes 868 Introdução: Dinâmica do Clima A circulação atmosférica é bem conhecida

Leia mais

Vulcanismo. Como se caracteriza o vulcanismo açoriano? Qual a importância do vulcanismo para o conhecimento da estrutura da Geosfera?

Vulcanismo. Como se caracteriza o vulcanismo açoriano? Qual a importância do vulcanismo para o conhecimento da estrutura da Geosfera? Vulcanismo Como se caracteriza o vulcanismo açoriano? Qual a importância do vulcanismo para o conhecimento da estrutura da Geosfera? Quais são os principais tipos eruptivos e quais os impactes que provocam?

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS TREINAMENTO TÉCNICO: DA TEORIA A PRÁTICA Apostila de Treinamento (IAG-SISMO-042010) Elaborado por: Afonso Emidio de Vasconcelos Lopes Marcelo Assumpção SÃO PAULO

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais

Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano)

Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano) Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano) INFLUÊNCIA DO CO 2 NA DISSOLUÇÃO DE CALCÁRIOS (Parte II Proposta de Resolução do Guião) O que se pretende 1. Seleccionar o material necessário ao estudo

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I Aula: 6.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I 2 O universo 3 Galáxias São conjuntos de sistemas estelares que contêm mais de 100 bilhões de estrelas, poeira e gases. Via Láctea Constelação Agrupamento aparente

Leia mais

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS PLANIFICAÇÃO DO PCE Escola Básica e Secundária de Velas ANO LETIVO: 2014/2015 ANO: 7º ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS COMPETÊNCIAS- CHAVE C1;C3;C5;C7 C3;C5;C7 C3;C6;C7 DOMÍNIOS/ CONTEÚDOS METAS CURRICULARES ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais