O USO DO LÚDICO EM HEMODIÁLISE: BUSCANDO NOVAS PERSPECTIVAS NA QUALIDADE DE ATENDIMENTO AO PACIENTE NO CENTRO DE DIÁLISE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DO LÚDICO EM HEMODIÁLISE: BUSCANDO NOVAS PERSPECTIVAS NA QUALIDADE DE ATENDIMENTO AO PACIENTE NO CENTRO DE DIÁLISE"

Transcrição

1 371 Revista Eletrônica da Facimed, v.3,n.3, p ,jan/jul.2011 ISSN ARTIGO ORIGINAL O USO DO LÚDICO EM HEMODIÁLISE: BUSCANDO NOVAS PERSPECTIVAS NA QUALIDADE DE ATENDIMENTO AO PACIENTE NO CENTRO DE DIÁLISE USE OF HEMODIALYSIS PLAYFULNESS IN: SEEKING NEW PERSPECTIVE ON QUALITY OF PATIENT CARE IN CENTRAL DIALYSIS RESUMO Francielly Almeida Cavalcante 1 Greice Quelle Saar 2 Lillian Sampaio Ramos 3 Angela Antunes de Morais Lima 4 A hemodiálise é o método que consiste na filtração dos líquidos extracorporais do sangue por uma máquina que substitui as funções renais. Com o tratamento, o paciente passa a freqüentar a clínica constantemente, em um ambiente de monotonia, onde o corpo sofre e a mente padece. Para a maioria, o mais difícil não é conviver com essas mudanças, e sim o tratamento, visto que este altera significativamente a sua rotina, provocando desesperança nos resultados. Com o intuito de favorecer um atendimento humanizado durante as sessões de hemodiálise, verificou-se a necessidade de inserção de atividades lúdicas no Centro de Diálise de Cacoal, objetivando proporcionar momentos de descontração, avaliar a resposta ao uso destas atividades pelos pacientes e a participação e aceitação da equipe de enfermagem. Foi realizada uma pesquisa de campo de caráter exploratório com abordagem qualitativa, utilizando-se como instrumento de coleta e avaliação dos dados a entrevista, falas e expressões do paciente e equipe de enfermagem e uma ficha denominada de Emocionômetro para avaliação do humor. O estudo foi realizado em sete encontros, com dezessete pacientes submetidos a hemodiálise no período matutino. De acordo com os resultados, as atividades lúdicas influenciaram positivamente durante o tempo que permaneceram no local, observando que durante o período, o sorriso emergia no rosto dos pacientes e de toda a equipe de enfermagem, diminuindo, assim, as intercorrências durante as sessões. Palavras-chave: Hemodiálise, Atividades Lúdicas, Enfermagem ABSTRACT Hemodialysis is the method that consists in filtering liquids extracorporeal blood by a machine that replaces kidney function. With treatment, the patient began to attend the clinic constantly in an atmosphere of monotony, where the body suffers and the mind suffers. For most, the hardest thing is not to live with these changes, but the treatment, as this significantly alters his routine, causing despair in the results. With a view to promoting a humanized during hemodialysis sessions, there was the need for engaging in playful activities Dialysis Center of Cacoal, aiming to provide moments of 1 Enfermeira graduada pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal- FACIMED, (2010). 2 Enfermeira graduada pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal- FACIMED, (2010). 3 Enfermeira graduada pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal- FACIMED, (2010). 4 Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato grosso do Sul (UFMS, 2000) especialista em Saúde da Família pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR (2002) e em Didática o Ensino Superior pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal- FACIMED (2007).

2 372 relaxation, to evaluate the response to the use of these activities and participation by patients and acceptance nursing team. We conducted a field study of exploratory qualitative approach, using as an instrument for data collection and assessment interviews, speeches and expressions of the patient and nursing staff and a form called Emocionômetro for assessing mood. The study was conducted in seven meetings, with seventeen patients undergoing dialysis in the morning. According to the results, the recreational activities positively influenced during the time that remained in place, noting that during the playful smile emerged in patients' faces and the entire nursing staff, thus reducing the complications during the sessions. Key words: Hemodialysis, Recreational Activities, Nursing 1. INTRODUÇÃO A insuficiência renal crônica (IRC) é um desafio que impõe ao paciente mudanças de hábitos, ocasionando um grande impacto em seu cotidiano, sendo necessário a adaptação de novas rotinas na vida diária. Diante dessa situação conflituosa, é de suma importância considerar não apenas a patologia do paciente, mas todo seu contexto biopsicossocial. Segundo Queiroz (2008), as alterações na vida dos pacientes são incômodas e contínuas, permitindo-lhes sentir-se excluídos por terem que se submeter ao tratamento dialítico, usarem medicamentos continuamente, reduzir sua ingesta hídrica e restringir-se de certos tipos de alimentos. O tratamento de hemodiálise torna o paciente insatisfeito consigo mesmo, pois ele passa a freqüentar a clínica constantemente, em alguns casos, até três vezes por semana, ficando em média 4 (quatro) horas por sessão, em um ambiente de monotonia, onde o corpo sofre e a mente padece. Diante do exposto, constrói-se uma problemática na qual é questionada a importância da utilização das atividades lúdicas durante as sessões de hemodiálise e se estas atividades favorecem a interação entre a equipe de enfermagem e o paciente. A pesquisa baseia-se na hipótese de que as atividades lúdicas quando empregadas, permitem ao paciente, melhoras no enfrentamento da doença e proporcionam ao mesmo, momentos de alegria, trocas de experiência e esperança com relação ao tratamento, além de estimular a interação com a equipe de enfermagem. Neste contexto, com o intuito de favorecer um atendimento humanizado durante as sessões de hemodialise, verificou-se a necessidade da inserção das atividades lúdicas no Centro de Diálise de Cacoal, com o objetivo de analisar a

3 373 percepção e aceitação do paciente frente a doença e as sessões de hemodiálise, proporcionar momentos de descontração, avaliar a resposta ao uso destas atividades pelos pacientes e a participação e aceitação da equipe de enfermagem. Buscando uma assistência de enfermagem mais qualificada, prestada aos pacientes com IRC em programa de hemodiálise, a redução do tempo ocioso e angustiante, que essas sessões de diálise causam, na maioria das vezes, justificase a importância da elaboração e execução desta pesquisa, uma vez que, o envolvimento do paciente em atividades lúdicas proporcionam todos os benefícios mencionados. 2. A HEMODIÁLISE A insuficiência renal crônica (IRC) resulta de numerosas doenças e representa o declínio da função renal de forma lenta e progressiva (FILHO, 2006). Lomba e Lomba (2005), relatam que com a diminuição da função renal, todo o organismo fica comprometido, pois a doença manifesta alterações bioquímicas, endócrinas e metabólicas, acarretando problemas como insuficiência cardíaca, hipertensão arterial, edema, hálito amonical, úlceras gastrointestinais, neuropatias (parestesias, convulsões, e outros), anemias, problemas de coagulação, desequilíbrio ácido-básico, redução da libido, graves alterações nos ossos e outros. Nos casos mais graves da IRC, quando os pacientes não são tratados, ocorre acúmulo de líquido, formando edema e desequilíbrios metabólicos [...], correndo o risco de não sobreviver por mais de três ou quatro dias (ZATZ, 2000 apud PIETROVSKI, 2005). De acordo com Kusumoto (2008), uma das formas de tratamento da IRC, é a diálise, do tipo hemodiálise ou diálise peritonial. Estas, apesar de prolongarem a vida, não promovem a cura. Somente o transplante renal resolverá definitivamente o problema do paciente. Lomba e Lomba (2005) afirmam ser a hemodiálise o método de escolha na diálise, consistindo na filtração dos líquidos extracorporais do sangue por uma máquina substitutiva das funções renais. Para iniciar o tratamento, é necessário criar, cirurgicamente, uma fístula arteriovenosa, para ter acesso à circulação do paciente.

4 As Atividades Lúdicas As atividades lúdico-educativas tem sido objeto de transformação na vida de indivíduos doentes. O lúdico não cura o paciente mais proporciona grandes melhoras, ajudando no enfrentamento da doença. Para Erdmann (1998) apud Marisco (2002 p. 36), o lúdico é um momento de encontros e iluminação, de fantasias e realidades, [...] de querer brincar, festejar, rir, enfim, divertir-se, e são momentos de cuidar de si. As atividades lúdicas são necessidades humanas inerentes a cada indivíduo, que permitem a compreensão de experiências mais dolorosas, o aumento da criatividade e prazer e, assim, facilitam as relações interpessoais (OLIVO, 1998 apud BRASIL & SCHWARTZ, 2005). Em seus estudos, Beuter (2004), relata que cada paciente responde de maneira particular as atividades lúdicas, podendo apresentar-se negativamente a elas, para tanto, cabe a equipe de enfermagem saber empregá-las, materializandose nestas e reconhecer o lúdico como instrumento espontâneo e livre, permitindo a expressão e a singularidade de cada indivíduo. O mesmo autor ainda diz que nesta abordagem ambos, enfermeira e cliente são sujeitos criadores, capazes de reinventar modos e formas de cuidado. 2.2 As Atividades Lúdicas na Hemodiálise Ao deparar-se com a doença o paciente sente-se amedrontado diante do dilema entre a morte e a total dependência ao longo de sua vida do tratamento. Marisco (2002), relata que o cliente quando se vê diante do diagnóstico de uma doença incurável, de ter que se submeter a um tratamento longo e incerto, de ter limitações físicas, uma vida social diminuída e um futuro incerto, sofre sérios abalos tanto em seu estado físico, psíquico, emocional e social. Além de modificar desfavoravelmente a vida do renal crônico, a doença consome as perspectivas de vida do paciente. Portanto, é crucial para o resgate de cada indivíduo, outrora esquecidos e desacreditados, a dedicação da equipe de enfermagem não apenas com a assistência tecnicista, evidenciando, principalmente o fato de a hemodiálise não ser o fim, e sim o meio de prolongar a vida.

5 375 Beuter (2004) considera a enfermagem como arte e ciência, que assiste o indivíduo em seu estado físico, biológico e espiritual, e reconhece a doença como instrumento que fere seu bem-estar, utilizando-se, para isso, do lúdico como arte. Brasil & Schwartz (2005), em sua pesquisa, observaram que o único meio de distração dos pacientes submetidos a hemodiálise era assistir televisão, especificamente aos telejornais, onde as noticias sempre despertavam sentimentos tristes e depressivos, principalmente para eles que ficam conectados a uma máquina por quatro horas. A finalidade do lúdico, durante as sessões de hemodiálise, é transformar o tempo inativo do paciente em algo produtivo, que possa animá-los e já para a equipe de enfermagem, o objetivo é promover a integração junto aos clientes, de forma criativa (MARISCO, 2002). Assim, o apoio terapêutico que ocorre por meio das atividades lúdicas pode contribuir para todas as questões referentes ao paciente renal crônico que busca a completa aceitação de si, preservando a dignidade, direito nato de todo ser humano (BRASIL & SCHWARTZ, 2005). Desta forma, o uso do lúdico em pacientes portadores de IRC, durante as sessões de hemodiálise, pode representar novas perspectivas para o cliente com a relação à doença, ao tratamento e até mesmo a vida. 3. MATERIAIS E MÉTODOS A pesquisa realizada é de caráter exploratório com abordagem qualitativa, desenvolvida com pacientes renais crônicos que participam do programa de hemodiálise no Centro de Diálise de Cacoal (CDC). Esta clínica, atende em média 68 pacientes com IRC por mês, realizando os atendimentos nas segundas, quartas e sextas-feiras em 3 (três) turnos e nas terças, quintas feiras e sábados em 2 (dois) turnos. Os pacientes assistidos residem nos municípios de Pimenta Bueno, Cacoal, Rolim de Moura, Ministro Andreazza, São Miguel do Guaporé, Novo Horizonte entre outros. Iniciou-se com a implantação das atividades lúdicas que foram realizadas no período matutino, com 1 (um) a 2 (dois) encontros semanais, durante 4 (quatro) semanas, totalizando 7 (sete) encontros, alternando entre as terças, quintas e/ou sábados, nos meses de agosto a setembro/2010. A amostra se constituiu de 17 pacientes escolhidos de forma seletiva, de acordo com o total de pacientes que

6 376 freqüentaram o turno em que foram executadas as ações da pesquisa, além de 06 técnicas de enfermagem e 02 enfermeiras que estavam trabalhando durante o turno selecionado. A pesquisa não seguiu com exatidão as propostas metodológicas do préprojeto, pois houve redução no número de encontros e alterações no tipo de atividade a ser realizada, devido ao curto prazo para execução da pesquisa e limitações encontradas no ambiente físico, respectivamente. O estudo foi desenvolvido em quatro etapas. Na primeira etapa foi realizada uma reunião com a enfermeira responsável pela equipe e com a psicóloga da clínica, onde foram apontadas as limitações dos pacientes e do ambiente e, sugeridas algumas idéias referentes às atividades. A segunda etapa consistiu na abordagem aos pacientes através de entrevistas (Anexo 1), onde a proposta desta pesquisa foi apresentada e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) assinado. Na terceira etapa foram realizados encontros semanais, executando, assim, as atividades lúdicas propostas aos pacientes. Na quarta etapa, houve o encerramento dos encontros, onde foi aplicado um questionário aos pacientes e equipe de enfermagem (Anexo 2), para avaliação dos resultados. Os métodos utilizados durante os encontros foram musicoterapia, pinturas e jogos como: resta um, pega vareta, dominó, dama, trilha maluca, cubo mágico, caçapalavras, baralho e bingo; foi usado ainda uma ficha de avaliação de humor, através de um instrumento denominado Emocionômetro, que possui caracteres com as seguintes descrições: alegre, normal, triste, irritado e amedrontado (Anexo 3). Foram inclusos na pesquisa, pacientes de ambos os sexos, com faixa etária igual ou superior a 18 anos, sem problemas que os impediram de falar ou participar da pesquisa, participaram também a equipe de enfermagem, após assinar o TCLE, sendo exclusos da pesquisa os indivíduos que se negaram a participar das atividades, menores de 18 anos e qualquer outro motivo que não favoreceu a realização da mesma. Para identificar a fala dos participantes da pesquisa, foram utilizados pseudônimos, sendo P para os pacientes, T para os técnicos de enfermagem e E para a enfermeira, preservando assim, a identidade dos mesmos. Para divulgação de fotos dos pacientes em eventos científicos e na apresentação da pesquisa, participantes assinaram um termo de autorização para sua exibição.

7 ANÁLISE E DISCUSSÃO DE DADOS Ao longo do tratamento os pacientes hemodialíticos, passam a viver a vida de uma forma passiva. No início da pesquisa, antes da execução das atividades lúdicas, procurou-se conhecer as perspectivas dos pacientes durante as sessões de hemodiálise, visto que o tratamento ocupa um tempo considerável na vida desses indivíduos, impedindo-os até mesmo de permanecer em suas atividades rotineiras. Foi selecionado um turno, contando com a presença de 16 a 17 pacientes por sessão, cujas idades variavam entre 26 e 64 anos. O tempo de tratamento do início da hemodiálise entre um paciente e outro, variou de 30 dias a 7 anos, sendo que, alguns desses pacientes já realizaram tratamento em outros municípios. Pascoal et al (2009) afirmam que o tratamento dialítico é responsável por um cotidiano restrito onde suas atividades são limitadas após o início do mesmo. Embora a doença cause limitações na vida diária dos pacientes como restrições alimentares, mal-estar e outros, para alguns deles o mais difícil não é conviver com essas mudanças, e sim o tratamento, visto que este altera significativamente a sua rotina, provocando, assim, um desgaste físico e emocional, e às vezes a desesperança nos resultados. Há o relato de alguns pacientes que chegaram a manifestar-se da seguinte forma: - Até chego bem a clínica, mais saio daqui mal, não acredito nesse tratamento... (P1); - Gostaria de estar em casa... isso é um cabresto, não tenho liberdade. (P2). Já outros dizem que se acostumaram a essa nova rotina, já que não há solução. Com o tempo ocioso, os dialíticos começam a pensar nos problemas que estão enfrentando, gerando preocupações e angústias, o que interfere em seu bemestar psicobiológico. Quando interrogados sobre o que faziam durante as sessões as respostas foram: 61% dos pacientes dormiam, 23% dormiam e conversavam, 8% permanecia sempre acordado, observando os colegas e a equipe e 8% dormia e ouvia música. Alguns pacientes desejavam ocupar-se enquanto esperavam, mas devido as suas limitações e a falta de atividades, acabavam sem ter o que fazer. Outros relataram que já participaram de atividades quando hemodialisavam em outra cidade e que gostaria de participar, caso houvesse a oportunidade.

8 378 Ao serem questionados sobre que atividades mais lhe interessavam, e que gostariam de realizar durante as sessões, responderam: - Eu gostava de ler, mais minha visão não me ajuda mais... se tivesse uma revista pra mim ver seria bom. (P3); - Eu não gosto muito de jogo não, mais aqueles caça-palavras é legal, dá pra gente tentar né. (P5); - O mais legal de tudo é o bingo, lá onde eu fazia era a única coisa que todos participavam e gostavam. (P7) Visando proporcionar uma quebra no ócio ocasionado pelo tratamento, propôs-se empregar a ludicidade durante as sessões, uma vez que essas atividades lúdicas constitui uma necessidade humana que facilita o processo das relações interpessoais, permitindo ao indivíduo desvelar e compreender as experiências dolorosas e mais conflituosas com espontaneidade, criatividade e prazer (OLIVO, 1998 apud BRASIL e SCHWARTZ, 2005, p. 104). Com as atividades propostas, a princípio, poucos pacientes interagiram, porém ao observarem um ou outro participando, brincando, se distraindo, acabaram se animando para interagir também. Quadro 1: Quantitativo de pacientes presentes em cada encontro e participantes das atividades lúdicas empregadas. CDC, Cacoal, Encontros Pacientes presentes Pacientes participantes Porcentagem (%) 1º ,25 Atividades realizadas Jogos individuais e dinâmica 2º ,75 Jogos individuais 3º ,75 Bingo 4º ,55 Jogo individual 5º ,76 6º Jogos individuais e Pintura Concurso de Pintura e dinâmica 7º Bingo Fonte: Cavalcante, Saar e Ramos, 2010

9 379 O quadro acima demonstra o quantitativo de pacientes participantes com relação ao número de pacientes presentes. Observou-se que houve uma maior interação e aceitação, quando as atividades empregadas envolviam todo o grupo, tanto para os pacientes quanto para a equipe de enfermagem, como visualizado no 3º, 6º e 7º encontro (Quadro 1). Das atividades em grupo, o bingo foi a que teve maior interação entre eles, resultando em momentos de descontração, alegria e interação, onde por alguns instantes, a mensagem que transmitiam era a de que não estavam em uma unidade de tratamento, mas sim em um momento de lazer. Ao fim do jogo alguns pacientes relataram: - Não precisava nem de brindes, só pela diversão já estava bom.(p8); - Poderia ter isso pelo menos uma vez por mês (P5); - Nossa! O tempo passou que eu nem vi. (P9). Durante as atividades, as tensões ocasionadas pelo ambiente foram minimizadas e a interação com a equipe de enfermagem estimulada, o sorriso emergia no rosto dos pacientes e de toda a equipe de enfermagem, confirmando o Conceito de Variação proposto por Nightingale (1989) apud Barros e Gomes (2000), onde as alterações do ambiente é um fator importante para a recuperação do paciente, preocupando-se com os efeitos da mente sobre o corpo e defendendo a necessidade de atividades de distração que eliminassem os pensamentos negativos, de forma a facilitar, a recuperação do paciente. As atividades lúdicas realizadas individualmente, como jogos e pinturas, obtiveram menor participação, como observado no 1º, 2º, 4º e 5º encontros (Quadro 1), porém os resultados alcançados diferiram daqueles encontrados nos jogos em grupos, pois os pacientes que optavam em participar dessa atividade especificamente eram em sua maioria, aqueles que pouco interagiam durante as atividades em grupo, portanto através desses jogos, foi possível trabalhar até com os pacientes mais desanimados e tímidos, possibilitando maior diálogo e proximidade com o paciente, compreendendo melhor suas angústias. Durante as atividades, foram encontradas algumas dificuldades como restrições auditivas e visuais. As mesmas impediram alguns pacientes de participarem das brincadeiras em determinados encontros, com isso, buscou-se alternativas, oportunizando a participação dos mesmos. Mas, o uso do lúdico possibilitou aos pacientes novas experiências. Ao enfrentar os desafios propostos, a primeira reação era recusar-se a participar devido as suas limitações físicas, como o ocorrido no jogo pega-vareta, quando desafiados a desenvolver novas habilidades,

10 380 visto que o jogo se dificulta ao utilizar apenas uma das mãos. Um dos pacientes expressou-se da seguinte forma: - Ah não, esse aí não tem como jogar não... eu só posso mexer um dos braços, desse jeito você vai ganhar tudo... (P5) Porém, mediante ao estímulo e a tentativa, admitiram a possibilidade. Os jogos proporcionaram aos pacientes quebra nas barreiras impostas por eles mesmos e com isso acreditou-se na busca de alternativas para resolução dos desafios propostos: - Esse jogo é legal, eu não conhecia... e olha que só com uma mão eu ganhei de você... (risos) (P5). A pintura foi outro desafio, pois para alguns se tratava de algo desconhecido: - [...] Pintar... eu nunca pintei na minha vida, mais acho que ia gostar... Observouse que através dessa atividade, os pacientes que pouco se expressavam por palavras, passavam a se expressar através da arte. Essa foi a atividade que mais envolveu o paciente em sua atenção, provocando uma dedicação total naqueles que participavam. Enquanto isso a serenidade invadia o ambiente. Marisco (2002), diz que o lúdico estimula a criatividade do indivíduo, possibilitando-o descobrir o seu ser mais profundo. Ao finalizar essa atividade, alguns pacientes relataram: - [...] Foi muito bom, pelo menos o tempo passou mais rápido. (P11); - Que legal. Pintar! Hoje nem vi o tempo passar. (P7); - Nossa! Eu nunca tinha pintado, mais eu gostei bastante... a hora passou bem mais rápido. (P10) Por um instante o lúdico permitiu aos pacientes esquecerem de suas preocupações e se envolver no mundo das brincadeiras, descobrindo o prazer de jogar e de viver, como verificado nas falas abaixo: - Gostei demais, é uma alegria, uma união. (P10); - Muito bom, até ajudou a funcionar a mente da gente (P8); - Não gostaria que vocês parassem as atividades, porque me faz esquecer, pelo menos no momento, os problemas, a dor no braço e a chatice da pressão. Esquecemos tudo... (P7). Sobre o assunto Aquino, Bortolucci e Marta (2004), concluem que o riso elimina toxinas e melhora a circulação sanguínea e a oxigenação dos pulmões, promovendo o relaxamento muscular, contribuindo para o esquecimento das experiências ruins e para melhorar a perspectiva futura. Em concordância, Brasil e Schwartz (2005) declaram que a felicidade obtida por meio do lúdico é o melhor dos fortalecimentos, acelerando a circulação do sangue, facilitando o cumprimento de todas as funções, tentando, portanto, não só alimentar e aumentar a saúde, quando existente, mas restaurá-la quando perdida. Abaixo o quadro 2 demonstra o humor verificado antes e depois das atividades

11 381 aplicadas, observando melhoras no ânimo e auto-estima dos pacientes, pois alguns encontravam-se tristes, sonolentos e até mesmo desanimados. Quadro 2 - Emocionômetro: evolução do humor dos pacientes durante os encontros, antes e depois da inserção de atividades, CDC, Cacoal, Encontros Momento Normal Alegre Triste Irritado Medo Total de pacientes 1º Antes Depois º Antes Depois º Antes Depois º Antes Depois º Antes Depois º Antes Depois º Antes Depois Fonte: Cavalcante, Saar e Ramos, 2010 Com relação à equipe de enfermagem, houve expressiva colaboração e participação durante a execução das atividades propostas, pois ao mesmo tempo em que prestavam os cuidados, participavam das brincadeiras, interagindo com o grupo, proporcionando assim uma assistência não somente técnica, mas também humanizada e autêntica, proporcionando bem-estar tanto ao cliente, como a própria equipe. Sobre o assunto, Marisco (2002) destaca como objetivo da enfermagem humanística a melhora do paciente tanto física quanto emocionalmente. Quando questionados sobre a importância das atividades para os pacientes, alguns afirmaram que: - O paciente distrai, esquece os problemas. É um descanso para a mente. (T1); - O paciente acaba se distraindo. Quando ficam parados, começam a passar mal, a pressão cai, devido as preocupações. (T2); - É bom sim, ainda mais para eles que estão com o psicológico afetado (T3); - [...] Distrai, não vê o tempo passar... quando ficam pensativos, eles ficam deprimidos. Mas a distração faz até

12 382 reduzir a dor e as intercorrências. Foi muito interessante, por que nunca ninguém fez esse trabalho aqui. (E1). Ao término dos encontros, verificou-se que os laços de amizade e companheirismo se estreitaram com a equipe e outros pacientes, mostrando que o desânimo presente em maior parte deles, no início, já não fazia parte mais do contexto, quando aplicado as atividades lúdicas. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa atingiu os objetivos propostos, pois foram desenvolvidas atividades lúdicas - jogos, pinturas e dinâmicas - para os pacientes hemodialisados, onde a presença destas atividades no Centro de Diálise ocorreu positiva e gradativamente, pois a confiança e amizade dos pacientes foram conquistadas a cada encontro. O uso do lúdico em pacientes portadores de IRC durante as sessões de hemodiálise, embora não tenha contribuído significativamente para aceitação da doença, permitiu melhor percepção frente às sessões, possibilitando assim, conhecê-los mais profundamente, proporcionar momentos agradáveis de descontração e alegria, redução das intercorrências durante as sessões e até mesmo redução do tempo ocioso, trocas de experiência e esperança com relação ao tratamento, além de estimular a interação com a equipe de enfermagem, pois por meio das experiências vivenciadas e compartilhadas, através do diálogo, foi possível estabelecer um elo, não só profissional, como de amizade e companheirismo. Esta pesquisa tornou-se um projeto de extensão, cuja continuidade se dá pelas autoras e outros acadêmicos de enfermagem, com o intuito de oferecer, ainda na graduação, uma experiência do uso do lúdico. REFERÊNCIAS 1. AQUINO, R.G. BORTOLUCCI, R.Z. MARTA, I.E.R. Doutores da graça: a criança fala.. Jornal Brasileiro de Enfermagem [online]. 2004, v.3. Disponível em: Acesso: 03/10/2010.

13 BEUTER Margrid. Expressões lúdicas no cuidado: elementos para pensar/fazer a arte da enfermagem [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação da Escola de Enfermagem Anna Nery; Disponível em: Acesso: 23/07/ BRASIL, Maria de Lourdes S.; SCHWARTZ, Eda. As atividades lúdicas em unidade de hemodiálise. Acta Health Science, Maringá, 2005, v. 27, n BARROS, AL.B.L. GOMES, I.M. Perfil dos diagnósticos de enfermagem de pacientes internados com infarto agudo do miocárdio. Acta Paulista de Enfermagem. São Paulo. V.13, número especial, parte II, p , FILHO, Geraldo Brasileiro. Bogliolo Patologia. 7 ed. Guanabara: Rio de Janeiro, 2006, p KUSUMOTO, Luciana et al. Adultos e idosos em hemodiálise: avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde. Acta paulista de enfermagem [online]. 2008, vol.21. Disponível em: Acesso: 19/07/ LOMBA, André. LOMBA, Marcos. Especialidades Médicas. 2 ed. Objetivo saúde: Olinda, p MARISCO, N. S. Novas possibilidades de humanização na hemodiálise: o cliente e a equipe de enfermagem na construção do mais-ser. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002, 134p. 9. PASCOAL, Melissa et al. A importância da assistência psicológica junto ao paciente em hemodiálise. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar [online]. 2009, vol.12, n.2. Disponível em: ci_arttext&tlng=en Acesso em: 05/10/ PIETROVSKI, V. O espaço de hemodiálise na ótica de usuários com insuficiência renal crônica.dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2005, 76p 11. QUEIROZ, Maria Veraci Oliveira et al. Tecnologia do cuidado ao paciente renal crônico: enfoque educativo-terapêutico a partir das necessidades dos sujeitos. Texto contexto de enfermagem [online]. 2008, vol.17.

14 Disponível em: Acesso: 16/07//

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE Marcela Cristina Vergilio Lipori 1 Renan Augusto de Ramos 2 Clóris Regina Blanski Grden 3 Emanoel Severo 4 Lílian Maria Pinheiro

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS.

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. Cícero Gonçalves dos Santos Faculdade Sete de Setembro (FASETE), cycero_hsc@hotmail.com Denise Xavier Fortes Faculdade

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 Larissa Carolina Rios (Apresentador) 1, Adriana Zilly (Colaborador) 2, Maria de Lourdes de

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS *

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * Camila Lima e Silva.. Musicoterapeuta pela Universidade Federal de Goiás.. Musicoterapeuta no Despertar Núcleo Educacional e Terapêutico.

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica

RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica RESIDÊNCIA MÉDICA E HUMANIZAÇÃO: Mudanças na ótica e na ética das relações durante a residência médica Autores: Glenda Garrafa Mori glendagmori@yahoo.com.br Irene Abramovich iabramo@uol.com.br Paulo Monteiro

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB)

O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB) O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB) Emanuela Santos dos Santos¹, Cleiton Silva da Silva², Cláudia Magno de Oliveira³, Paulo Henrique Almeida

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA

O JOGO TERAPÊUTICO COMO EM PEDIATRIA O JOGO TERAPÊUTICO COMO INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO EM PEDIATRIA Faculdade de Psicologia/UNISA Joana d`arc Marinho Corrêa Sakai CRP 06-18972/2 BRINQUEDO: INSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃO O ato de brincar: atividade

Leia mais

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum Hemodiálise Uma breve introdução Avitum O que é hemodiálise? Na hemodiálise, um rim artificial (hemodialisador) é usado para remover resíduos, substâncias químicas extras e fluido de seu sangue. Para colocar

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR NO ASILO: FORTALECENDO A INTEGRAÇÃO EDUCAÇÃO-ASSISTÊNCIA Damaris Asseburg, Juliana Farias Duarte, Glasiely Alves da Silva, Karen Lúcia Abreu Rodrigues, Noédia Moura de Souza

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER Kenia Anifled de Oliveira Leite Professora do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande-PB. kaleite@ig.com.br Carla Giullianna Meira

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo.

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo. Apoio: A Constituição Federal do Brasil diz que: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos

Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos Dárlinton Barbosa Feres Carvalho, Samuel Moreira Abreu Araújo darlinton@acm.org, samucacesa@yahoo.com.br Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 FATORES QUE INTERFEREM NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DURANTE A PASSAGEM DE PLANTÃO Samuel Leandro dos Santos 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A comunicação é um processo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais