Requisitos para Transporte de Passageiros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Requisitos para Transporte de Passageiros"

Transcrição

1 Normativo Técnico 13 Requisitos para Transporte de Passageiros PARTE A: GENERALIDADES APLICABILIDADE DEFINIÇÕES SIGLAS E ACRÓNIMOS TRANSPORTE DE PESSOAS EM NÃO CONFORMIDADE COM ESTES REQUISITOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS... 4 PARTE B: ASSISTENTES DE BORDO ASSISTENTES DE BORDO NECESSÁRIOS PRORROGATIVAS DOS ASSISTENTES DE BORDO ASSISTENTES DE BORDO NOS SEUS POSTOS DE TRABALHO... 5 PARTE C: PASSAGEIROS RECUSA DE TRANSPORTE PROIBIÇÃO DE TRANSPORTE DE ARMAS TRANSPORTE DE PASSAGEIROS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS OXIGÉNIO PARA USO MÉDICO PELOS PASSAGEIROS TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA CINTOS DE SEGURANÇA DOS PASSAGEIROS ASSENTOS NA FILA DE SAÍDA SINAIS DE INFORMAÇÃO AOS PASSAGEIROS CONFORMIDADE DOS PASSAGEIROS COM AS INSTRUÇÕES INFORMAÇÕES PRESTADAS AOS PASSAGEIROS INFORMAÇÃO AOS PASSAGEIROS: OPERAÇÕES PROLONGADAS SOBRE ÁGUA... 8 PARTE D: SEGURANÇA DAS BAGAGENS SEGURANÇA DA BAGAGEM NO COMPARTIMENTO DOS PASSAGEIROS BAGAGEM DE MÃO TRANSPORTE DE CARGA NO COMPARTIMENTO DE PASSAGEIROS... 9 PARTE E: PREPARAÇÃO PARA EMERGÊNCIA ACESSIBILIDADE ÀS SAÍDAS DE EMERGÊNCIA E AO EQUIPAMENTO CAPACIDADE DE EVACUAÇÃO ARMAR EM AUTOMÁTICO AS SAÍDAS DE EMERGÊNCIA PARAGENS EM QUE OS PASSAGEIROS PERMANECEM A BORDO ENCOSTOS DOS BANCOS DOS PASSAGEIROS ARMAZENAGEM DE COMIDA, BEBIDAS E SERVIÇO AOS PASSAGEIROS ANEXOS ANEXO 1 DE : FILA DA SAÍDA DE EMERGÊNCIA ANEXO 1 DE : TRANSPORTE DE CARGA NO COMPARTIMENTO DE PASSAGEIROS Pág. 1 de 13

2 Pág. 2 de 13

3 Esta página foi intencionalmente deixada em branco Pág. 3 de 13

4 PARTE A: Generalidades Aplicabilidade a) Esta parte prescreve os requisitos da República de Angola para o transporte de passageiros para os Operadores Aéreos e de aeronaves com mais de 5700 Kg, no cumprimento dos requisitos do Normativo Técnico 10. b) Esta Parte é aplicável a pessoas e entidades que operam a aeronave e pessoas que desempenham funções ou em seu nome Definições a) Para cumprimento desta Parte devem aplicar-se as seguintes definições: Nota: Outros termos relacionados com Aviação estão definidos no Normativo Técnico 1. (1) Assentos dos Passageiros nas Saídas. Estes assentos que têm acesso directo a uma saída e ainda aqueles assentos na fila através da qual os passageiros terão de passar para terem acesso à saída, desde o primeiro assento interior da saída à primeira do corredor de saída. Um assento de passageiro com acesso directo significa um assento a partir do qual um passageiro pode passar directamente à saída sem passar pelo corredor ou passar à volta de uma obstrução Siglas e Acrónimos a) Nesta Parte são usados as seguintes siglas e acrónimos: (1) COA Certificado de Operador Aéreo (2) PBE Equipamento Respiratório de Protecção (derivada do original em Inglês Protective Breathig Equipment) (3) PIC Piloto Comandante (derivado do original em Inglês Pilot in Comand) (4) SCA Chefe de Cabine (derivada do original em Inglês Senior Cabin Attendant) (5) SIC Co-piloto, Segundo em Comando (derivado do original em Inglês Second in Comand) Transporte de pessoas em não-conformidade com estes Requisitos de Transporte de Passageiros a) Os requisitos para o Transporte de Passageiros, citados na alínea b) não se aplicam quando transportando: (1) Um membro da tripulação não necessário ao voo; (2) Um representante do INAVIC em serviço oficial; (3) Uma pessoa necessária à protecção e segurança de carga ou animais; (4) Uma pessoa autorizada pelo detentor do Manual de Operações de COA, tal como aprovado pelo INAVIC. b) Nenhuma pessoa pode ser transportada sem estar em conformidade com os requisitos de Transporte de Passageiros a menos que: (1) Haja um lugar aprovado com um cinto de segurança aprovado para essa pessoa; (2) Esse assento esteja localizado de tal forma que o ocupante não esteja em posição de interferir com os membros da tripulação de voo que executam as suas tarefas; Pág. 4 de 13

5 (3) Não haja obstrução do acesso desde o seu lugar ao cockpit ou a uma saída de emergência; (4) Exista um meio de notificar essa pessoa quando for proibido fumar e quando os cintos de segurança devem ser apertados; (5) Essa pessoa tenha sido oralmente informada por um elemento da tripulação sobre o uso do equipamento de emergência e saídas. PARTE B: Assistentes de Bordo Assistentes de Bordo Necessários a) O Operador deve programar e o PIC deve assegurar que o número mínimo de assistentes de bordo licenciados necessários se encontra a bordo nos voos de Transporte de Passageiros. b) O número de assistentes de bordo não pode ser inferior ao mínimo prescrito pelo INAVIC nas especificações operacionais do Operador Aéreo ou o seguinte se maior: (1) Para uma capacidade de 20 a 50 lugares de passageiros: um assistente de cabine; (2) Um assistente de bordo adicional por cada unidade, ou parte de unidade, de cada 50 assentos de passageiro; c) Quando há passageiros a bordo de uma aeronave estacionada, o número mínimo de assistentes que deverão permanecer a bordo será metade do requerido para o voo. Deverá sempre haver pelos menos um assistente de bordo ou uma pessoa qualificada nos procedimentos de evacuação de emergência para essa aeronave. Nota: Quando metade resulte num número fraccionário, é permitido arredondar para o número inteiro imediatamente inferior Prorrogativas dos Assistentes de Bordo Um assistente de bordo licenciado sob o Normativo Técnico 7, quando também qualificado de acordo com o Normativo Técnico 14, pode efectuar, em regime contratual, serviços de segurança na cabine numa aeronave de transporte de passageiros ASSISTENTES DE BORDO NOS SEUS POSTOS DE TRABALHO a) Durante o taxi, os assistentes de bordo devem manter-se nos seus postos com os cintos de segurança apertados, excepto para realizar serviços relacionados com a segurança da aeronave e dos seus ocupantes. b) Durante a descolagem e aterragem, os assistentes devem permanecer nos seus postos com os cintos de segurança apertados. c) Durante as fases de voo em rota, os assistentes de cabine devem estar sentados nos seus postos com os cintos de segurança apertados sempre que o PIC assim o determine. Nota: Isto não invalida que o Comandante possa determinar o uso dos cintos noutras ocasiões para além da descolagem e aterragem. Pág. 5 de 13

6 d) Durante a descolagem e aterragem, os assistentes de bordo devem ser designados para postos tão perto quanto praticável das saídas do piso correspondente e devem estar uniformemente distribuídos ao longo da aeronave a fim de proporcionar a saída mais efectiva dos passageiros em caso de uma evacuação de emergência. e) Quando os passageiros estão embarcados numa aeronave em parque, os assistentes de bordo (ou outra pessoa qualificada nos procedimentos de evacuação de emergência para a aeronave) estarão colocadas da seguinte forma: f) Se só é necessária uma pessoa qualificada, essa pessoa deve estar localizada de acordo com os procedimentos do Manual Operacional; g) Se são necessárias mais pessoas, estas devem estar espaçadas ao longo da cabine a fim de proporcionar a assistência mais efectiva para a evacuação em caso de emergência. PARTE C: Passageiros RECUSA DE TRANSPORTE a) Um Operador Aéreo pode negar transporte a um passageiro porque: (1) Recusa-se a cumprir as instruções relativas às restrições dos assentos de saída prescritos pelo INAVIC; (2) Tem uma deficiência física que implica que apenas possa ser acomodado na fila de assentos de saída Proibição de Transporte de Armas Nenhuma pessoa pode, enquanto a bordo de uma aeronave em operação de transporte aéreo comercial, transportar consigo ou perto de si uma arma mortal ou perigosa, quer oculta quer visível. Nota: Este parágrafo não se aplica a polícias ou empregados do Estado que estão autorizados a transportar armas ou membros da tripulação e outras pessoas autorizadas pelo operador aéreo a transportar armas Pág. 6 de 13

7 Transporte de Passageiros em Situações Especiais a) Nenhum Operador Aéreo pode permitir o transporte de passageiros em situações especiais excepto: (1) Tal como está definido nos procedimentos do Manual Operacional do titular de COA; (2) Com conhecimento e acordo do PIC Oxigénio para uso Médico pelos Passageiros a) Um operador aéreo pode permitir a um passageiro o transporte de equipamento de armazenagem, geração, ou administração de oxigénio médico de aviação apenas conforme o que está prescrito pelo INAVIC. b) Ninguém pode fumar e nenhum tripulante pode permitir a alguém fumar enquanto o equipamento de armazenamento e administração de oxigénio médico esteja em uso por passageiro(s). c) Nenhum tripulante pode permitir que alguma pessoa ligue ou desligue do cilindro de oxigénio, o equipamento de administração de oxigénio enquanto qualquer outro passageiro se encontrar a bordo Transporte de Pessoas com Mobilidade Reduzida a) Ninguém pode permitir que uma pessoa com mobilidade reduzida ocupe assentos onde a sua presença possa: (1) Impedir a tripulação de cumprir os seus deveres; (2) Obstruir o acesso a equipamento de emergência; (3) Impedir a evacuação de emergência da aeronave Cintos de Segurança dos Passageiros a) Cada passageiro que ocupe um lugar ou beliche deve apertar o seu cinto de segurança e mantê-lo apertado enquanto o sinal FASTEN SEAT BELTS estiver aceso ou, se a aeronave não estiver equipada com este sinal, sempre que para isso instruído pelo PIC. b) Nenhum cinto de segurança dos passageiros pode ser usado por mais que um ocupante durante a descolagem e aterragem. c) Em cada assento não ocupado, os cintos de segurança devem estar dispostos de forma a não interferir com os tripulantes na execução do seu serviço ou numa emergência com a rápida saída dos ocupantes. Nota: Uma pessoa que ainda não tenha dois anos pode ser segura por um adulto que ocupa um assento ou beliche. Nota: Um beliche, tal como um lounge múltiplo ou assento de divã, pode ser ocupado por duas pessoas desde que esteja equipado com o cinto de segurança aprovado para cada pessoa e ser usado apenas durante o voo em rota. Pág. 7 de 13

8 Assentos na Fila de Saída Nenhum PIC ou SCA pode permitir que um passageiro se sente numa fila de saída de emergência se o PIC ou SCA determinarem como provável que o passageiro é incapaz de entender ou realizar as funções necessárias para abrir uma saída e sair rapidamente. Nota: Ver o Anexo 1 de para requisitos adicionais aos assentos na fila de saída Sinais de Informação aos Passageiros O PIC deve acender os sinais de informação necessários aos passageiros durante qualquer movimento na pista, por cada descolagem ou aterragem, e sempre que de qualquer forma for considerado conveniente Conformidade dos Passageiros com as Instruções Todos os passageiros num voo de transporte comercial devem cumprir as instruções dadas por um elemento da tripulação de acordo com esta Parte Informações Prestadas aos Passageiros a) Em conformidade com os procedimentos constantes do Manual Operacional do Operador, ninguém pode iniciar uma descolagem a menos que os passageiros sejam previamente informados sobre: (1) Restrições e proibições de fumar; (2) Localização e uso das saídas de emergência; (3) Uso dos cintos de segurança; (4) Meios de flutuação de emergência e sua utilização; (5) Localização dos extintores e modo de os operar; (6) Posicionamento das costas dos assentos; (7) Se o voo é acima de pés MSL, uso normal e de emergência do oxigénio; (8) O folheto informativo do passageiro. b) Imediatamente antes ou imediatamente depois de se apagar o sinal de apertar os cintos, o PIC ou SCA devem assegurar-se que os passageiros estão informados que devem manter os cintos de segurança apertados sempre que estão sentados, mesmo quando o sinal de apertar os cintos está apagado. c) Antes de cada descolagem, o PIC ou SCA devem assegurar que todas as pessoas de mobilidade reduzida estão pessoalmente informadas sobre: (1) O caminho de saída mais apropriado; (2) O momento de começar a mover-se para a saída em caso de uma emergência Informação aos Passageiros: Operações Prolongadas sobre Água Ninguém pode começar uma operação prolongada sobre água, a menos que todos os passageiros tenham sido informados oralmente da localização e modo de operar dos coletes salva-vidas, balsas e outros meios de flutuação, incluindo uma demonstração do método de vestir e encher um colete salva-vidas. PARTE D: Segurança das Bagagens Segurança da bagagem no compartimento dos passageiros. Pág. 8 de 13

9 a) Ninguém pode permitir a descolagem ou aterragem de uma aeronave a menos que cada peça de bagagem na cabine dos passageiros esteja convenientemente fixada a fim de prevenir tornar-se num risco durante o taxi, descolagem ou aterragem e ainda em condições de voo turbulento. b) Ninguém pode autorizar uma aeronave a mover-se em terra, descolar ou aterrar a menos que cada mesa esteja fixa na posição de guardada Bagagem de Mão a) Ninguém pode permitir o embarque de bagagem de mão a menos que esta possa ser adequadamente e com segurança arrumada de acordo com o Manual Operacional. b) Ninguém pode permitir que as portas de entrada numa aeronave de passageiros sejam fechadas em preparação para o taxi ou pushback a menos que, pelo menos um tripulante tenha verificado cada artigo da bagagem e tenha sido convenientemente arrumado nas prateleiras por cima das cabeças com os dispositivos de fixação aprovados ou portas, ou nos locais aprovados atrás da antepara. c) Ninguém pode permitir que a bagagem de mão seja arrumada num local que origine que aquele local fique carregado acima do valor máximo indicado na tabuleta de limitação de peso. Nota: Os locais de arrumação devem ser capazes de fixar os artigos nos impactos devido a choques suficientemente severos para induzirem as forças de inércia máximas especificadas nas condições de aterragem de emergência para as quais aquele tipo de aeronave está certificada Transporte de Carga no Compartimento de Passageiros Ninguém pode autorizar o transporte de carga no compartimento de passageiros de uma aeronave excepto como prescrito pelo INAVIC. Nota: Ver o Anexo 1 de para os requisitos específicos respeitantes ao transporte de carga no compartimento dos passageiros. PARTE E: Preparação para Emergência Acessibilidade às Saídas de Emergência e ao Equipamento Ninguém pode permitir que a bagagem de mão ou outros itens bloqueiem os acessos às saídas de emergência quando a aeronave se move em terra, durante a descolagem ou aterragem, ou enquanto os passageiros permanecem a bordo Capacidade de Evacuação O PIC, SCA ou outra pessoa designada pelo Operador Aéreo deve garantir que, quando os passageiros estiverem a bordo da aeronave antes de se mover em terra, pelo menos uma saída de emergência por piso permita a saída de passageiros por meios normais ou de emergência Armar em Automático as Saídas de Emergência Ninguém pode autorizar que uma aeronave transportando passageiros se mova em terra, descole ou aterre a menos que todos os meios automáticos de assistência à evacuação instalados na aeronave estão prontos para a evacuação. Pág. 9 de 13

10 Paragens em que os Passageiros Permanecem a Bordo a) Nas paragens em que os passageiros permanecem a bordo da aeronave, o PIC, o SCA, ou ambos devem assegurar que: (1) Todos os motores estão parados; (2) Pelo menos uma saída por piso permanece aberta a fim de permitir a evacuação dos passageiros; (3) Há pelo menos uma pessoa imediatamente disponível que está qualificada na evacuação de emergência da aeronave e que foi identificada aos passageiros a bordo como responsável pela segurança dos passageiros. b) No reabastecimento com passageiros a bordo, o PIC ou um representante da companhia designado, deve assegurar que os procedimentos do Manual Operacional são observados Encostos dos Bancos dos Passageiros Nem o PIC nem o SCA podem permitir a descolagem ou aterragem de uma aeronave a menos que todos os encostos dos assentos dos passageiros estejam na posição vertical. Nota: Só podem ser feitas excepções de acordo com os procedimentos do Manual Operacional desde que os encostos não obstruam o acesso de nenhum passageiro ao corredor ou a nenhuma saída de emergência Armazenagem de Comida, Bebidas e Serviço aos Passageiros a) Nem o PIC nem o SCA podem permitir o movimento de uma aeronave no solo, à descolagem ou na aproximação para a aterragem: (1) Quando alguma comida, bebidas ou utensílios de mesa fornecidos pelo Operador Aéreo estejam no lugar de qualquer passageiro; (2) A menos que cada tabuleiro de comida ou bebida e mesa das costas dos assentos esteja na posição de arrumada. ANEXOS ANEXO 1 de : Fila da Saída de Emergência a) Nenhum assistente de cabine pode sentar uma pessoa numa cadeira de passageiro na saída de emergência se determinar que essa pessoa não é capaz de realizar uma ou mais das funções aplicáveis abaixo listadas: (1) A pessoa tem falta de mobilidade, força ou destreza em ambos os braços e mãos, e ambas as pernas; (i) Para chegar à parte superior, lateral, e inferior do local dos mecanismos que operam as mangas da saída de emergência; (ii) De agarrar e puxar, empurrar, virar, ou de qualquer modo manipular esses mecanismos; (iii) Forçar, empurrar, puxar, ou de qualquer outra forma abrir as saídas de emergência; Pág. 10 de 13

11 (iv) Levantar, manter, depositar nos assentos próximos, ou manobrar por cima das costas dos assentos para a fila seguinte objectos grandes ou pesados nas portas de saída sobre as asas; (v) Remover obstruções grandes ou pesadas nas portas sobre as asas; (vi) Chegar à saída de emergência rapidamente; (vii) Manter o equilíbrio enquanto remove obstáculos; (viii) Sair rapidamente; (ix) Estabilizar uma manga da saída de emergência depois de desdobrada; (x) De ajudar outros a chegar à saída de emergência com manga. (2) A pessoa com menos de 15 anos de idade ou que não tenha capacidade para realizar uma ou mais das funções aplicáveis acima listadas sem a assistência de um companheiro, parente ou outro familiar adulto; (3) A pessoa com falta de capacidade para ler e compreender as instruções requeridas por esta secção e relacionadas com a evacuação de emergência fornecidas pelo Operador Aéreo impressas ou de modo gráfico ou capacidade para entender as ordens dos tripulantes; (4) A pessoa com falta de capacidade visual para realizar uma ou mais das funções acima sem assistência de ajuda visual além de lentes de contacto ou óculos; (5) A pessoa com falta de capacidade auditiva para ouvir e perceber as instruções gritadas pelo pessoal de bordo, sem assistência para além de ajuda auricular; (6) A pessoa com falta de jeito adequado para comunicar oralmente com outros passageiros; (7) A pessoa que tem uma condição ou responsabilidade, tal como transportar uma criança, que possa impedir a pessoa de realizar uma ou mais das funções acima listadas; ou uma condição que lhe possa causar dano se realizar uma das funções acima listadas. b) A decisão da adequação de cada pessoa que é permitida ocupar um assento na saída deve ser feito pelo pessoal de cabine ou outras pessoas designadas no Manual Operacional. c) No caso em que um assistente de cabine determine que um passageiro destinado a um assento na saída seja incapaz de realizar as funções de saída de emergência, ou se um passageiro solicita um assento não na saída de emergência, o assistente de cabine deve rapidamente recolocar o passageiro num assento não na saída de emergência. d) No caso de a lotação estar completa nos assentos fora das saídas de emergência, e se for necessário acomodar um passageiro num assento da saída de emergência, o assistente de cabine deve deslocar o passageiro disposto e capaz de assumir as funções de evacuação, para o assento da saída. e) Cada agente de bilhetes do Operador Aéreo deve, antes do embarque, designar os assentos consistentes com o critério de selecção dos passageiros e funções de saída de emergência. f) Cada agente de bilhetes do operador aéreo deve tornar disponível para inspecção pelo público em todas as entradas de passageiros e balcões de bilhetes de cada aeródromo e nos caminhos das operações de passageiros, procedimentos escritos a fim de determinar os assentos da fila de saída. g) Cada assistente de cabine deve incluir na sua informação aos passageiros um pedido para que um passageiro se identifique a fim de permitir a alteração de lugares se ele ou ela: (1) Não preenche as condições subjacentes ao critério de selecção; (2) Tenha uma condição não discernível que o impeça de realizar as funções de evacuação; Pág. 11 de 13

12 (3) Possa sofrer algum dano como resultado de realizar uma ou mais funções; (4) Não queira realizar funções de saída de emergência. h) Todos os assistentes de cabine devem incluir nas suas informações aos passageiros uma referência aos impressos para informação dos passageiros das funções a ser realizadas numa saída de emergência. i) Todos os passageiros devem obedecer às instruções dadas por cada tripulante ou outro empregado autorizado pelo Operador Aéreo que implementa restrições aos assentos de saída. j) Nenhum PIC pode permitir taxi ou pushback a menos que, pelo menos um tripulante tenha verificado que todas as saídas de emergência e caminhos de fuga estão desobstruídos e que nenhum assento de saída está ocupado por uma pessoa que o um membro da tripulação determine como sendo provavelmente incapaz de realizar as funções de evacuação aplicáveis. ANEXO 1 de : Transporte de Carga no Compartimento de Passageiros a) A carga pode ser transportada em qualquer lugar do compartimento de passageiros se transportada numa caixa aprovada que cumpra os seguintes requisitos: (1) A caixa deve suportar os factores de carga e condições de aterragem de emergência aplicáveis aos assentos dos passageiros do avião na qual a caixa está instalada, multiplicada pelo factor 1,15 usando o peso combinado da caixa e o peso máximo de carga que pode ser transportada na caixa; (2) O peso máximo de carga para a qual a caixa está aprovada para transporte e quaisquer instruções para assegurar as correctas condições de distribuição de peso dentro da caixa devem ser visivelmente marcadas na caixa; (3) A caixa não pode criar nenhuma sobrecarga no chão ou noutra estrutura do avião que exceda os limites de carga dessa estrutura; (4) A caixa deve estar fixada às guias dos assentos ou à estrutura do chão do avião e a sua fixação deve suportar os factores de carga e condições de aterragem de emergência aplicáveis aos assentos dos passageiros do avião no qual a caixa está instalada, multiplicada quer pelo factor 1,15, quer pelo factor de fixação de assentos especificado para o avião, o que seja maior, usando o peso combinado da caixa e o peso máximo de carga que pode ser transportada na caixa; (5) A caixa não pode ser instalada numa posição que restrinja o acesso ao uso de algum equipamento da saída de emergência, ou no corredor do compartimento dos passageiros. (6) A caixa deve ser completamente fechada e feita de material que seja, pelo menos, resistente ao fogo; (7) Conjuntamente com a caixa, devem ser fornecidos resguardos apropriados a fim de evitar que a carga se desloque sob condições de aterragem de emergência; (8) A caixa não pode ser instalada numa posição que impeça algum passageiro de ver o sinal de cinto de segurança não fumar, ou algum sinal de saída necessário, a menos que seja previsto um sinal auxiliar ou outro meio aprovado para a correcta notificação dos passageiros. b) A carga, incluindo bagagem de mão, pode ser transportada em qualquer lugar do compartimento de passageiros dos pequenos aviões (grupo B) se transportada numa prateleira, caixa ou compartimento instalado dentro do avião, se fixada por meios aprovados, ou se é transportada de acordo com cada uma das seguintes condições: Pág. 12 de 13

13 (1) Para cargueiros, é convenientemente fixada por um cinto de segurança ou outra cinta que tenha resistência suficiente para eliminar a possibilidade de se mover sob as condições normais previstas de voo ou em terra, ou para bagagem de mão, estar fixada de modo a evitar mover-se durante a ocorrência de turbulência; (2) Esteja embalada ou coberta a fim de evitar possível dano aos ocupantes; (3) Não crie nenhuma sobrecarga nos assentos ou na estrutura do chão que exceda os limites de carga para esses componentes; (4) Não esteja colocada numa posição que obstrua o acesso ou a utilização de qualquer saída normal ou de emergência, ou o uso do corredor entre a tripulação e o compartimento de passageiros, ou esteja colocada numa posição que obstrui qualquer passageiro de ver o sinal ou letreiro cinto de segurança, não fumar ou algum sinal de saída necessário, a menos que seja previsto um sinal auxiliar ou outro meio aprovado para a correcta notificação aos passageiros. (5) Não seja transportada directamente sobre os ocupantes assentados. (6) Esteja armazenada de acordo com estas restrições durante a descolagem e aterragem. (7) Para operações apenas de carga, a carga seja carregada de forma a que, pelo menos uma saída normal ou de emergência esteja disponível para, se ocorrer uma emergência, permitir a todos os ocupantes do avião um caminho não obstruído de saída do avião. Fim do Normativo Técnico Pág. 13 de 13

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Acessibilidade. Dicas ANAC

Acessibilidade. Dicas ANAC Acessibilidade Dicas ANAC Acessibilidade Assistência especial Passageiros que podem solicitar assistência especial: Gestantes; Idosos a partir de 60 anos; Lactantes; Pessoas com criança de colo; Pessoas

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico Página 1/9 Índice Parte A: Generalidades.. 3 15.001 Aplicabilidade...3

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves 1/12 Índice Parte A: Generalidades.3 2.001 Aplicabilidade.3 2.003 Definições...3 2.005 Siglas/Acrónimos...4

Leia mais

Axkid Manual de Instruções Kidzone

Axkid Manual de Instruções Kidzone Axkid Manual de Instruções Kidzone segurança Voltada para frente com cinto de 9-18kg Voltada para trás com cinto de segurança Voltada para frente com 9-25 Kg o cinto de segurança do adulto 15-25 kg Testado

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 18 Mercadorias Perigosas Página 1/23 Índice Parte A: Generalidades.4 18.001 Aplicabilidade...4 18.003 Definições.4

Leia mais

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE

GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE GUIA RÁPIDO DAS REGRAS DE GOLFE Uma vez que o golfe é um jogo auto regulado, todos os golfistas devem ter um bom entendimento do fundamental das Regras, tal como consta neste Guia. Contudo, este Guia não

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

Informações sobre os serviços para adeptos com deficiências

Informações sobre os serviços para adeptos com deficiências Informações sobre os serviços para adeptos com deficiências Final da UEFA Europa League 2011 Informações sobre os serviços para adeptos com deficiências 1. Serviços de transporte a. Serviços de táxis Vantastic

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van 1 o Objecto 1 O acesso, a permanência e a utilização das instalações do Centro Náutico de Cheoc-Van, adiante designado por Centro, afecto ao Instituto

Leia mais

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

Plano de Serviço de Apoio ao Cliente

Plano de Serviço de Apoio ao Cliente O da TAP Portugal visa abordar os elementos-chave em matéria de serviço constantes das novas regras estabelecidas pelo Departamento de Transporte (DOT) dos Estados Unidos, que afetam com maior impacto

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade PARTE A: GENERALIDADES... 3 4.001 APLICABILIDADE... 3 4.003 DEFINIÇÕES... 3 4.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADOS DE AERONAVEGABILIDADE...

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO DIREITO À INFORMAÇÃO: INFORMAÇÃO CLARA E PRECISA: CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Art. 6º São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os

Leia mais

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal.

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. Leis de cada país que regem a importação e exportação de animais devem ser respeitadas,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11 Índice Parte A: Generalidades..3 16.001 Aplicações.3 16.003 Definições..3

Leia mais

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Kid ISOfix. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Página 1/56 Índice Parte A: Generalidades.4 4.001 Aplicabilidade.4

Leia mais

TIPOS DE PASSAGEIROS COM MOBILIDADE REDUZIDA

TIPOS DE PASSAGEIROS COM MOBILIDADE REDUZIDA TIPOS DE PASSAGEIROS COM MOBILIDADE REDUZIDA As linhas aéreas utilizam um sistema de códigos, reconhecidos internacionalmente, para identificar o nível de assistência que necessitarão de prestar a cada

Leia mais

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS As transportadoras europeias elaboraram o Compromisso sobre Prestação de Serviços aos Passageiros das Transportadoras

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL NORMA DE SERVIÇO AÉREO INTERNACIONAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL NORMA DE SERVIÇO AÉREO INTERNACIONAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL TÍTULO: Regulamentação de Bagagem por Peça TIPO: Condições de Transporte DATA: 20 Set 00 VALIDADE: Prazo Indeterminado REFERÊNCIA: Ofício nº 342/PL-3/

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF

AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF 02 PT ES Dados Técnicos AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL Tipo Categoria Potência Potência Potência Pressão máxima média mínima do gás G30 I3B KW g/h KW

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES O Travão ABS encontra-se presente na maioria dos veículos modernos e contribui bastante para aumentar a eficiência da travagem, diminuindo a

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011

Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011 Regime de Responsabilidade Civil dos Transportadores e Operadores Aéreos Regulamentos Administrativos No 11/2004 e No 19/2011 Perguntas e Respostas 1. A que se referem as expressões transportador aéreo

Leia mais

Aprovação de Organizações de Treino

Aprovação de Organizações de Treino Normativo Técnico 9 Aprovação de Organizações de Treino PARTE A: GENERALIDADES... 4 9.001 APLICABILIDADE... 4 9.003 DEFINIÇÕES... 4 9.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 9.007 FREQUÊNCIA DA FORMAÇÃO... 5 PARTE B:

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. "Dispõe sobre adaptações no Transporte Coletivo Urbano e garante o acesso de pessoas portadoras de deficiência, do idoso e dá outras providências".

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Projecto de Bruxelas C REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO de [ ] que estabelece regras específicas para a qualificação da tripulação de cabina envolvida em

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 Transporte aéreo de mercadorias perigosas O transporte aéreo de mercadorias, a

Leia mais

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a no sentido da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Comfort. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger a sua

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP Passageiros: 1 2 3 4 5 6 Dados do Pacote Comprado: Destino com saída em / / e retorno em / /, através da Agência de Viagens, de acordo com a reserva previamente

Leia mais

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta

Leia mais

Operações de Aeronaves

Operações de Aeronaves Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves PARTE A: GENERALIDADES... 8 10.001 APLICABILIDADE... 8 10.003 DEFINIÇÕES... 8 10.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 10 PARTE B: REQUISITOS DA AERONAVE... 11 10.010 MARCAS

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ.

GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ. GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ. Como pessoa com mobilidade reduzida (PMR) deve ter a oportunidade de desfrutar de uma viagem

Leia mais

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24

CV 3001. Manual de Instruções. Cadeira Auto. Dispositivo de Retenção para Crianças. 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 CV 3001 Manual de Instruções Cadeira Auto Dispositivo de Retenção para Crianças 20110717 manual CV3001_voyage.indd 1 30/06/11 13:24 Apresentação Este é um dispositivo de retenção para crianças, utilizado

Leia mais

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto

NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES. 1.ª Âmbito e Objecto NORMAS TRANSITÓRIAS DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE GADO DE CHAVES 1.ª Âmbito e Objecto As presentes normas visam disciplinar a actividade do Mercado de Gado de Chaves. 2.ª Da organização do Mercado de

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES Voos nacionais Bagagem despachada Bagagem Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar mais de um volume,

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a 1 26 27 34 35 16 2 4 3 Manual de utilização 5 6 8 9 7 10 11 12 13 14 15 28 29 36 31 17 30 37 No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1 19 20 21 23 Peso 0-18 kg 18 22 38 39 Idade

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves Página 1/121 Índice Parte A: Generalidades..8 10.001 Aplicabilidade 8 10.003 Definições..9

Leia mais

Clique aqui para ver o limite de bagagem para crianças e bebês de colo.

Clique aqui para ver o limite de bagagem para crianças e bebês de colo. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto posso levar de bagagem nos voos da Qatar Airways? Clique aqui para ver o limite de bagagem. Clique aqui para ver o limite de bagagem para crianças e bebês de colo. Se quiser

Leia mais

Secretaria Especial de Direitos Humanos. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos

Secretaria Especial de Direitos Humanos. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos Secretaria Especial de Direitos Humanos Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DAS MULHERES, DA IGUALDADE RACIAL E DOS DIREITOS HUMANOS

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP)

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) CÓDIGO: DC 1.3/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 9 Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) (LUIZA ERUNDINA DE SOUZA, Prefeita do Município

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 11 Operações de Trabalho Aéreo Página 1/32 ÍNDICE Parte A: Generalidades.4 11.001 Aplicabilidade...4 11.003 Definições.4

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 12 Certificação e Administração do Operador Aéreo Página 1/91 Índice Parte A: Generalidades.. 6 12.001 Aplicabilidade

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

C90 Manual de instruções

C90 Manual de instruções C90 Manual de instruções Leia este Manual do Utilizador e as instruções de segurança antes de utilizar este aparelho! PRECAUÇÕES IMPORTANTES Ao usar electrodomésticos, precauções de segurança básicas devem

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA. As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia.

INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA. As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia. INFORMAÇÕES PARA O TURISTA, MAPAS E DICAS DE SEGURANÇA Benvindo à Grande Miami e suas praias As rotas delineadas neste mapa vão facilitar seus passeios e sua estadia. Dirigir pela Grande Miami e suas praias

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone.: 21 842 35 02 / Fax: 21 841 06 12 E-mail: ais@inac.pt Telex:

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.280, DE 02 SETEMBRO DE 2008 (D.O.M. 03.09.2008 N. 2037 Ano IX) DISPÕE sobre o serviço de transporte de pequenas cargas em conjunto com passageiros, denominado táxi-frete, e dá outras providências.

Leia mais

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple Segue-se um extracto do Manual do Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Se acha que a sua organização poderá

Leia mais

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Os equipamentos de salvatagem e combate á incêndio são essenciais para que seja mantida a segurança dos tripulantes quando o navio estiver em operação. A

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 d) Possuir formação de base, formação contínua e formação específica na área de prevenção de acidentes, segurança de voo e gestão do sistema

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE PUSH-PULL V1.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES A DOERS é uma marca, propriedade da: SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4º Dto.

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica.

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica. República Federativa do Brasil Comando da Aeronáutica Departamento de Aviação civil SUBDEPARTAMENTO TÉCNI- CO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL NORMATIVA IAC Nº 3134-0799 DATA DE APROVAÇÃO : 09 / 07 /99 ÂMBITO

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO

CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO 1-Passagem e contrato A passagem/bilhete e do contrato do Cruzeiro Disney Cruise (disponível em www.disneycruise.com/cruisecontract). Os formulários necessários

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1. Decreto-Lei n.º / No quadro da política comum de transportes e para reforçar a protecção dos consumidores, a Comissão Europeia entendeu ser fundamental garantir um nível de seguro mínimo comum e adequado

Leia mais

Modelo 775 da Micro Motion

Modelo 775 da Micro Motion Suplemento às Ligações P/N MMI-20016036, Rev. AA Setembro 2009 Modelo 775 da Micro Motion Adaptador Inteligent THUM de Montagem Integral Sem Fios Conteúdo Visão geral do Adaptador THUM..................................

Leia mais

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO 1. INFORMAÇÃO GERAL SOBRE O CORREDOR DA FORTALEZA DO MONTE O Corredor da Fortaleza do Monte, adiante designado por Corredor, administrado pelo Museu

Leia mais

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Ilustrações: Maria João Lopes Local e Data de Edição: Lisboa, 2005 Colecção: Folhetos SNR, n.º 4 Fotocomposição

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Kid. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

CHICCO MAX 3S. Grupo I, II e III 9 a 36 kg

CHICCO MAX 3S. Grupo I, II e III 9 a 36 kg CHICCO MAX 3S Grupo I, II e III 9 a 36 kg INSTRUÇÕES DE USO COMPONENTES 1. Apoio para a cabeça 2.Ganchos de bloqueio do cinto de segurança 3. Encosto 4. Assento IMPORTANTÍSSIMO! LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES COMPLEMENTARES E POR DEMANDA Aprovação: Resolução nº 169, de 24 de agosto de 2010, publicada

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis DECRETO N.º 136/X Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL CARTA DE APROVAÇÃO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL 06-01 Nos termos do disposto nas alíneas

Leia mais

Dicas de Segurança II

Dicas de Segurança II Dicas de Segurança II Ao Viajar Casa ou apartamento Não comente sua viagem com pessoas estranhas por perto. Avise a um vizinho de confiança sobre a sua viagem. Se possível, deixe um número de telefone

Leia mais

Condução do jogo. Associação de Ténis de Mesa do Distrito de Viseu Filipe Manuel Lima

Condução do jogo. Associação de Ténis de Mesa do Distrito de Viseu Filipe Manuel Lima Condução do jogo Menu Condução do Jogo Intervalos Serviço Bola Nula Um Ponto Contagem Sistema de aceleração Adaptação à mesa Os jogadores estão autorizados a uma adaptação à mesa de jogo até a um máximo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM

MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM SL-A11 Obrigado por comprar o nosso produto. Por favor leia este manual de instruções cuidadosamente para saber usá-lo corretamente antes da operação. Por favor,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 C6-0090/2006 2000/0069(COD) PT 16/03/2006 Posição comum Posição comum adoptada pelo Conselho em 9 de Março de 2006 tendo em vista a aprovação do Regulamento

Leia mais