REGULAMENTO INTERNO. Conservatório de Música do Porto Regulamento Interno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO. Conservatório de Música do Porto Regulamento Interno"

Transcrição

1

2 REGULAMENTO INTERNO 2

3 INDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 5 CAPÍTULO I - ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO... 6 SECÇÃO - CONSELHO GERAL... 6 SECÇÃO - DIRETOR... 6 SECÇÃO - CONSELHO PEDAGÓGICO... 6 SECCÃO - CONSELHO ADMINISTRATIVO... 8 CAPÍTULO II - ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA.. 8 SECÇÃO 1 - DEPARTAMENTOS CURRICULARES... 9 SECÇÃO 2 - GRUPOS DISCIPLINARES SECÇÃO 3 - CONSELHOS DE TURMA SECÇÃO 4 - TUTORIA...13 CAPÍTULO III - OFERTA EDUCATIVA SECÇÃO 1 - CURSOS SECÇÃO 2 - CURSOS LIVRES SECÇÃO 3 - MATRÍCULAS PARA NOVOS ALUNOS SECÇÃO 4 - RENOVAÇÃO DE MATRICULAS SECÇÃO 4 - PROGRAMAS SECÇÃO 5 - AVALIAÇÃO CAPÍTULO IV - COMUNIDADE EDUCATIVA: DIREITOS E DEVERES SECÇÃO 1 - DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ESCOLAR SECÇÃO 2 - ALUNOS SECÇÃO 3 - PESSOAL DOCENTE SECÇÃO 4 - PESSOAL NÃO-DOCENTE SECÇÃO 5 - PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO...22 CAPÍTULO V - ESPAÇOS ESCOLARES, EQUIPAMENTOS E ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CAPÍTULO VI - DISPOSIÇÕES FINAIS

4 INTRODUÇÃO O Conservatório de Música do Porto é uma escola pública do Ensino Artístico Especializado da Música. Criado pela Câmara Municipal do Porto em sessão de 1 de Julho de 1917, foi inicialmente instalado em edifício situado na Travessa do Carregal. Em 13 de Março de 1975 transferiu-se para o palacete Pinto Leite localizado na Rua da Maternidade, n.º 13, propriedade da Câmara Municipal. A partir de 15 de Setembro de 2008, integrado no projeto piloto do Programa de Requalificação e Modernização das Escolas levado a cabo pelo Ministério da Educação, através da E.P. Parque Escolar, esta instituição quase centenária passou a ocupar uma ala do Edifício central do antigo liceu D. Manuel II na Praça Pedro Nunes, que também acolhe a Escola Secundária Rodrigues de Freitas. As suas instalações contam ainda com um edifício construído de raiz onde se inserem os auditórios, sala de orquestra, biblioteca, salas do 1º ciclo e outros equipamentos de apoio. O rico historial do Conservatório de Música do Porto confirma-o como uma instituição cimeira no panorama nacional do ensino da música e na vida cultural do país. Algumas das mais importantes figuras da música portuguesa integraram as suas sucessivas direções, fazendo parte do seu corpo docente, desde sempre, inúmeros profissionais da mais alta qualificação pedagógica e artística. Em consequência, a relevância da sua atividade é atestada pelo significativo número de músicos intérpretes, compositores, diretores de orquestra, professores, ou em inúmeras outras funções da área da música que realizaram os seus estudos no Conservatório de Música do Porto. De destacar que a própria Orquestra Sinfónica do Porto teve origem na Orquestra Sinfónica do Conservatório de Música do Porto. Ao longo da sua existência, o Conservatório do Porto foi sendo a instituição escolhida como fiel depositária de espólios e doações de importantes figuras da vida musical da cidade. O Conservatório de Música do Porto ministrou todos os níveis de ensino da música até à publicação do Decreto-Lei n.º 310/83 de 1 de Julho. A partir de então deu-se a separação dos níveis de ensino, passando o superior para os Politécnicos e Universidades e mantendo-se no Conservatório o nível básico e secundário. O Conservatório de Música do Porto é atualmente frequentado por mais de 900 alunos, oriundos de uma alargada zona geográfica da região Norte. O seu corpo docente é constituído por mais de 150 professores, sendo o pessoal não docente composto por 7 assistentes técnicos e 9 assistentes operacionais. Conta ainda com a colaboração de 22 assistentes ao abrigo dos Contratos de Emprego Inserção. Em consequência da vinculação de cerca de 20 escolas de música do ensino particular e cooperativo da zona Norte, o Conservatório tem ainda a seu cargo o processo administrativo e a certificação dos alunos dessas escolas que não têm autonomia pedagógica. 4

5 OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO O Regulamento Interno constitui, em articulação com o Projeto Educativo e toda a legislação aplicável, um instrumento-chave na concretização e consolidação da autonomia da escola ao serviço de um bom funcionamento de todos os seus recursos físicos e humanos. O presente regulamento tem por objeto a definição do regime de funcionamento do Conservatório de Música do Porto e a regulamentação das suas práticas e atividades. Estabelece ainda regras e normas referentes aos direitos e deveres dos seus diferentes agentes e à utilização das suas instalações e equipamentos. Enquanto escola do ensino especializado da música, a admissão dos alunos é feita através de provas de admissão/aferição, de acordo com os normativos legais em vigor e objeto de regulamento específico, aprovado anualmente pelo Conselho Pedagógico. A especificidade deste ensino reside obviamente na formação vocacional que contem uma forte componente prática, ministrado em salas específicas para o efeito, quer para aulas individuais de instrumento e canto quer para aulas de conjunto. O processo de ensino-aprendizagem em música inclui uma natural preponderância da apresentação pública, implicando uma rotina de audições, concertos, concursos, provas, exames e outras. Esta prática implica numerosas apresentações públicas, por vezes no exterior da escola, daí advindo algumas consequências, tanto no que respeita ao acompanhamento dos professores, como na compreensão, aceitação e envolvimento dos encarregados de educação. (Ver Regulamento das Audições) Em escolas vocacionais de música, o perfil do professor implica naturalmente uma prática continuada daquilo que ensina, entendendo-se essa sua atividade artística como um fator de renovação e aperfeiçoamento pessoal, realçando a dimensão artística da sua atividade pedagógica. Este Regulamento Interno é complementado por um conjunto de Regulamentos Específicos que regem diferentes setores da vida do Conservatório. Devido ao seu carácter mais específico, estes documentos poderão ser objeto de adaptação e atualização, no quadro das atribuições que a legislação prevê para o Diretor, o Conselho Pedagógico e o Conselho Geral. 5

6 CAPÍTULO I ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Artigo 1º Base legal O regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, estabelecido pelo Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de Abril, define toda a estrutura de administração e gestão da escola. SECÇÃO 1 CONSELHO GERAL Artigo 2º Definição O Conselho Geral é o órgão responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade do Conservatório, assegurando a representação e participação de toda a comunidade educativa, nos termos e para os efeitos do n.º 4 do artigo 48º da Lei de Bases do Sistema Educativo. SECÇÃO 2 DIRETOR Artigo 3º Definição O Diretor é o órgão de administração e gestão da escola nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, financeira e patrimonial. SECÇÃO 3 CONSELHO PEDAGÓGICO 6

7 Artigo 4º Definição O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Conservatório, nomeadamente nos domínios pedagógico-didáticos, da orientação e acompanhamento dos alunos e da formação inicial e contínua do pessoal docente e não docente. O Conselho Pedagógico é constituído por: 1) Diretor; Artigo 5º Composição 2) Coordenador do Departamento Curricular dos Instrumentos de Cordas (incluindo os Grupos Disciplinares de Cordas Friccionadas e Dedilhadas); 3) Coordenador do Departamento Curricular dos Instrumentos de Sopros e Percussão (incluindo os Grupos Disciplinares de Madeiras, Metais e Percussão); 4) Coordenador do Departamento Curricular dos Instrumentos de Teclas (incluindo os Grupos Disciplinares de Piano, Órgão, Cravo e Prática de Teclado); 5) Coordenador do Departamento Curricular de Ciências Musicais (incluindo os Grupos Disciplinares de Formação Musical, Análise e Técnicas de Composição, História da Música e Acústica Musical); 6) Coordenador do Departamento Curricular de Canto, Classes de Conjunto e Acompanhamento (incluindo os grupos Disciplinares de Canto, Teatro, Classes de Conjunto e Pianistas Acompanhadores); 7) Coordenador do Departamento Curricular de Línguas, Ciências Sociais e Humanas e 1º Ciclo; 8) Coordenador do Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais e Expressões; 9) Coordenador dos diretores de turma e dos Projetos; 10) Representante dos pais e encarregados de educação; 11) Representante dos alunos do nível secundário. Artigo 6º Por uma questão de equilíbrio na constituição dos Departamentos, no que diz respeito ao número de docentes, os departamentos de Línguas, Ciências Sociais e Humanas e 1º Ciclo são agregados e representados por um único Coordenador, o mesmo acontecendo com o Departamento de Matemática e Ciências Experimentais e Expressões. 7

8 Artigo 7º Representação dos pais e encarregados de educação O representante dos pais e encarregados de educação é designado anualmente pela respetiva associação, e, no caso de ela não existir, por uma assembleia de pais e encarregados de educação, expressamente convocada pelo Diretor para esse efeito. SECCÃO 4 CONSELHO ADMINISTRATIVO Artigo 8º Definição O Conselho Administrativo é o órgão deliberativo em matéria administrativa e financeira do Conservatório, nos termos da legislação em vigor. Artigo 9º Composição O Conselho Administrativo tem a seguinte composição: 1. O diretor, que preside; 2. O subdiretor ou um dos adjuntos do diretor, por ele designado para o efeito; 3. O chefe dos serviços de administração escolar, ou quem o substitua. CAPÍTULO II ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Artigo 10º Estas estruturas de orientação educativa são órgãos de apoio ao Conselho Pedagógico, tanto em matérias de carácter pedagógico e artístico, como na coordenação da atividade de todos os docentes das respetivas áreas pedagógicas, científicas e artísticas. 8

9 SECÇÃO 1 DEPARTAMENTOS CURRICULARES Artigo 11º Composição 1. Os departamentos são constituídos pelos professores que integram os vários grupos disciplinares. 2. O Conservatório de Música do Porto tem os seguintes Departamentos Curriculares: 1. Departamento Curricular dos Instrumentos de Cordas (incluindo os grupos disciplinares de Cordas friccionadas e dedilhadas); 2. Departamento Curricular dos Instrumentos de Sopros e Percussão (incluindo os grupos disciplinares de Madeiras, Metais e Percussão); 3. Departamento Curricular dos Instrumentos de Teclas (incluindo os grupos disciplinares de Piano, Órgão, Cravo e Prática de Teclado); 4. Departamento Curricular de Ciências Musicais (incluindo os grupos disciplinares de Formação Musical, Análise e Técnicas de Composição, História da Música e Acústica Musical); 5. Departamento Curricular de Canto e de Classes de Conjunto (incluindo os grupos disciplinares de Canto, Teatro, Classes de Conjunto e Pianistas Acompanhadores); 6. Departamento Curricular de Línguas, Ciências Sociais e Humanas e 1.º ciclo; 7. Departamento Curricular de Matemática, Ciências Experimentais e Expressões; Artigo 12º Competências Os Departamentos Curriculares têm como objetivo: 1. O desenvolvimento e concretização do Projeto Educativo do Conservatório; 9

10 2. A colaboração com o Conselho Pedagógico e o Diretor, na promoção da qualidade educativa da escola e no acompanhamento eficaz do percurso escolar dos alunos; 3. O reforço da articulação curricular na aplicação dos planos de estudo em vigor, bem como de componentes curriculares específicas da escola; 4. A coordenação pedagógica e didática dos cursos, em função dos respetivos planos de estudo; 5. A organização, acompanhamento e avaliação das atividades pedagógicas e artísticas dos alunos. Artigo 13º Os Departamentos Curriculares reúnem de acordo com o estabelecido internamente em cada departamento. Artigo 14º Competências São competências do Coordenador de Departamento Curricular: 1. Estabelecer os objetivos comuns do trabalho a efetuar com os vários grupos disciplinares do seu departamento; 2. Coordenar a elaboração de projetos curriculares relativos aos grupos disciplinares do departamento; 3. Coordenar a elaboração de uma proposta conjunta dos grupos disciplinares do departamento, com vista à realização do Plano Anual de Atividades; 4. Velar pelo bom funcionamento das atividades pedagógicas e artísticas do seu departamento; 5. Criar momentos de reflexão e avaliação da ação pedagógica, bem como de pesquisa investigação e experimentação acerca de modelos pedagógicos e didáticos inovadores; 6. Definir com os elementos do departamento as necessidades de formação contínua; 7. Representar o respetivo departamento no Conselho Pedagógico; 8. Informar o seu departamento acerca das decisões do Conselho Pedagógico; 9. Convocar e orientar as reuniões do Departamento. SECÇÃO 2 10

11 GRUPOS DISCIPLINARES Artigo 15º Composição São constituídos pelos professores de cada uma ou mais disciplinas constantes do plano de estudos do Conservatório. Artigo 16º Sempre que se julgar necessário, podem ser criados grupos disciplinares cujo representante será designado pelo Diretor sobre proposta do respetivo departamento. Artigo 17º Competências São competências do Representante de Disciplina: 1. Coordenar a elaboração das provas de exame bem como de todos os restantes instrumentos de avaliação dos alunos; 2. Refletir com o grupo sobre metodologias, estratégias e iniciativas que melhorem os processos de aprendizagem e desempenho dos alunos; 3. Estimular a troca de experiências e conhecimentos com vista a combater o insucesso e a rotina; 4. Apoiar os professores menos experientes, ajudando à sua plena integração na vida da escola; 5. Propor a aquisição de materiais e equipamentos necessários ao bom funcionamento das atividades letivas; 6. Organizar um dossiê da Disciplina, disponível para a comunidade escolar, onde constem: o programa da disciplina; os materiais e recursos didáticos relevantes para o seu funcionamento; os critérios de avaliação; as provas de avaliação; as propostas de trabalho. Artigo 18º 11

12 Os grupos disciplinares regem-se pelas regras definidas no regimento do departamento curricular a que pertencem SECÇÃO 3 CONSELHOS DE TURMA Artigo 19º A organização, acompanhamento e avaliação das atividades a desenvolver com os alunos e a articulação entre a escola e as famílias é assegurada pelos professores titulares das turmas, no 1.º ciclo do ensino básico, e pelo conselho de turma, no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário. Artigo 20º Constituição O Conselho de Turma tem a seguinte constituição: 1. Os professores da turma; 2. Dois representantes dos pais e encarregados de educação; 3. Um representante dos alunos, no caso do 3.º ciclo do ensino básico e no ensino secundário. Artigo 21º Para coordenar o trabalho do Conselho de Turma, o Diretor designa um Diretor de Turma de entre os professores da mesma. Artigo 22º Nas reuniões do Conselho de Turma em que seja discutida a avaliação individual dos alunos apenas participam os membros docentes. 12

13 SECÇÃO 4 TUTORIA Artigo 23º Professores tutores No desenvolvimento da sua autonomia, o Conservatório pode designar professores tutores para acompanhamento particular do processo educativo de um aluno ou grupo de alunos. (Ver Projeto de Ação Tutorial do Conservatório de Música do Porto) CAPÍTULO III OFERTA EDUCATIVA SECÇÃO 1 CURSOS Artigo 24º Legislação A oferta educativa do Conservatório de Música do Porto desenvolve-se no âmbito dos seguintes diplomas legislativos: Portaria 1551/2002 de 26 de Dezembro Portaria n.º 691/2009 de 25 de Junho, na redação que lhe é dada pela Portaria nº 267/2011 de 15 de Setembro Despacho 76/SEAM/1985 de 9 de Outubro Despacho 65/SERE/90 de 23 de Outubro, alterado pelo DL 74/

14 Artigo 25º Cursos Assim, ao nível da sua implementação nos diversos níveis de ensino, a nossa oferta educativa estrutura-se da seguinte forma: 1º Ciclo/Iniciação - regime integrado ou supletivo Horário: Diurno Duração: 4 anos, a começar no 1º Ano Curso Básico de Instrumento (Curso Artístico Especializado Música em regime integrado, articulado ou supletivo) Horário: Misto Duração: 5 anos, a começar no 1º grau (5º ano de escolaridade - 2º ciclo) Certificação escolar: 9º ano de escolaridade / Curso básico de Música nível 2 do Quadro Nacional de Qualificações, regulamentado pela Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho Curso Complementar de Instrumento (duas variantes: clássica e jazz para alguns instrumentos a definir no regulamento de admissões) (Curso Artístico Especializado Música em regime integrado, articulado ou supletivo) Horário: Misto Habilitação de acesso: 9º ano de escolaridade e curso básico de instrumento/prova de aferição Duração: 3 anos Certificação escolar: 12º ano de escolaridade / Curso Complementar de Música Curso Complementar de Canto (Curso Artístico Especializado Música em regime integrado, articulado ou supletivo) Horário: Misto Habilitação de acesso: 9º ano de escolaridade Duração: 3 anos Certificação escolar: 12º ano de escolaridade / Curso Complementar de Canto Curso Complementar de Formação Musical (Curso Artístico Especializado Música em regime integrado, articulado ou supletivo) Horário: Misto Habilitação de acesso: 9º ano de escolaridade e curso básico de instrumento Duração: 3 anos 14

15 Certificação escolar: 12º ano de escolaridade / Curso Complementar de Formação Musical Artigo 26º Instrumentos ministrados O CMP ministra atualmente os seguintes instrumentos: 1. Acordeão 2. Canto 3. Clarinete 4. Contrabaixo 5. Cravo 6. Fagote 7. Flauta de Bisel 8. Flauta Transversal 9. Formação Musical 10. Guitarra 11. Guitarra Portuguesa 12. Harpa 13. Oboé 14. Órgão 15. Percussão 16. Piano 17. Saxofone 18. Trombone 19. Trompa 20. Trompete 21. Tuba 22. Viola d arco 23. Violino 15

16 24. Violoncelo SECÇÃO 2 CURSOS LIVRES Artigo 27º 1. Poderão ser criados anualmente cursos livres, em áreas a definir com planos de estudos e regras de funcionamento. Estas modalidades de formação serão ministradas preferencialmente em horário pós laboral/noturno. 2. Compete ao Conselho Pedagógico aprovar estas ofertas educativas. SECÇÃO 3 MATRÍCULAS PARA NOVOS ALUNOS Artigo 28º Legislação As matrículas são regulamentadas pela legislação em vigor. Artigo 29º Admissão de novos alunos O Ingresso e consequente matrícula no CMP está sujeito à realização de provas de admissão (para novos alunos) ou provas de aferição (para alunos que tiverem frequentado outro estabelecimento de ensino). 16

17 Artigo 30º Provas de admissão 1. A realização das provas de admissão/aferição faz-se de acordo com as normas e prazos a definir pelo Conselho Pedagógico. 2. O Diretor fará afixar, em local visível, o calendário e as normas referidas no número anterior. 3. Os alunos que requerem mudança de curso estão sujeitos a um teste de admissão, sempre que essa mudança implique a frequência das disciplinas de Instrumento ou Canto. Artigo 31º Curso secundário/complementar de música A admissão ao ensino secundário/complementar de música rege-se pela Portaria n.º 691/2009 de 25 de Junho com as alterações da Portaria nº 267/2011 de 15 de Setembro e ainda pelo Despacho 18041/2008 de 4 de Julho. SECÇÃO 4 RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS Artigo 32º Curso Básico e Secundário de Música A renovação de matrícula está sujeita ao estipulado pela Portaria n.º 691/2009 de 25 de Junho com as alterações da Portaria 267/2011 de 15 de Setembro, nomeadamente no seu artigo 8º. Artigo 33º 1º Ciclo/Iniciação Para alunos em regime supletivo a renovação de matrícula está sujeita à obtenção no final do ano letivo anterior da classificação igual ou superior a Satisfaz à disciplina de instrumento. SECÇÃO 4 17

18 PROGRAMAS Artigo 34º Os programas ministrados são os que vigoram, com as necessárias adaptações devidamente autorizadas. Artigo 35º No início de cada ano letivo, as escolas públicas, ouvido o Conselho Pedagógico, podem atualizar as listas oficiais de obras, que deverão ser enviadas às escolas particulares e cooperativas da sua rede de vinculação, como define o Guião do Ensino Artístico do Oficio Circular nº122/nea/99 de 30 de Junho. Artigo 36º Os programas em vigor para a disciplina de Análise e Técnicas de Composição tiveram a homologação pelo Despacho do SEEBS de 23 de Junho de 1987 (1º ano); pelo Despacho do SERE de 29 de Março de 1998 (2º ano) e pelo Despacho do SEEBS de 25 de Outubro de 1998 Artigo 37º O programa de Guitarra Portuguesa foi elaborado pelo Grupo de Cordas Dedilhadas e aprovado em Conselho Pedagógico, em 23 de Janeiro de 2006 SECÇÃO 5 AVALIAÇÃO Artigo 38º Avaliação 1. A avaliação dos alunos do Ensino Artístico Especializado rege-se pelos normativos em vigor para os ensinos básico e secundário e pelos normativos específicos da área artística, adaptando-se os instrumentos de avaliação à natureza de cada disciplina. 18

19 CAPÍTULO IV COMUNIDADE EDUCATIVA DIREITOS E DEVERES SECÇÃO 1 DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ESCOLAR Artigo 39º Direitos São direitos de todos os elementos da comunidade escolar: 1. Ser respeitado e tratado com correção pelos restantes elementos da comunidade escolar; 2. Ser respeitado nas suas diferenças culturais e sociais; 3. Ver respeitada a sua segurança e integridade física; 4. Beneficiar de espaços limpos, arejados e isentos de elementos poluidores e de ruído em excesso; 5. Participar, através dos seus representantes na elaboração e revisão do regulamento interno e do projeto educativo. Artigo 40º Deveres São deveres de todos os elementos da comunidade escolar: 1. Respeitar e tratar com correção os restantes elementos da comunidade escolar; 2. Respeitar os outros nas suas diferenças culturais e sociais; 3. Zelar pela preservação, conservação e limpeza das instalações, do material didático, mobiliário e espaços verdes, fazendo uma adequada utilização desses espaços e recursos; 4. Contribuir para a boa qualidade do ambiente, nomeadamente mantendo os espaços interiores livres de fumo e de ruído em excesso. 5. Atuar de acordo com as orientações do regulamento interno. 19

20 SECÇÃO 2 ALUNOS Artigo 41º Aos alunos matriculados em regime integrado, articulado e supletivo aplica-se o Estatuto do Aluno do Ensino Básico e Secundário (EAEBS), aprovado pela Lei n.º 30/2002, de 20 Dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 3/2008, de 18 de Janeiro e pela Lei n.º 39/2010 de 2 de Setembro. Artigo 42º Direitos e deveres 1. Os direitos e deveres do aluno são todos aqueles que decorrem do: a. Estatuto do Aluno aprovado pela Lei n.º 39/2010 de 2 de Setembro b. Projeto Educativo e do Regulamento Interno; 2. Outros deveres: a. Assistir de forma correta a audições, concertos ou outras atividades realizadas no Conservatório, manifestando assim o respeito pelos executantes; b. Participar em todas as atividades extracurriculares para que forem selecionados de forma pontual e empenhada; c. Abster-se de participar em apresentações públicas fora do Conservatório sem o prévio conhecimento do seu professor; d. Cumprir o conjunto de ações previstas para o cumprimento dos vários momentos de avaliação, de cujas datas e conteúdos devem tomar conhecimento atempadamente; e. Conhecer e cumprir as normas internas de funcionamento das atividades curriculares e extracurriculares. Artigo 43º Faltas A falta é a ausência do aluno a uma aula ou a outra atividade de frequência obrigatória ou facultativa caso tenha havido lugar a inscrição. 20

21 Artigo 44º Falta de material 1. Ao aluno que comparecer por três vezes às atividades escolares no mesmo período letivo sem se fazer acompanhar do material necessário será atribuída uma falta. 2. Neste caso será dado conhecimento ao encarregado de educação ou ao aluno quando este for maior de idade, pelo meio mais expedito, para que possam proceder ao respetivo pedido de justificação. No caso de este não ser apresentado ou não ser aceite a justificação, a falta será considerada injustificada. Artigo 45º Pedido de justificação de faltas 1. Para os alunos matriculados em regime integrado e articulado o pedido de justificação de faltas rege-se pelo Estatuto do Aluno. 2. Para os alunos matriculados em regime supletivo o pedido de justificação das faltas é apresentado por escrito em impresso próprio disponível na reprografia pelos pais ou encarregados de educação ou, quando o aluno for maior de idade, pelo próprio, ao professor da respetiva disciplina. Artigo 46º Excesso grave de faltas Para os alunos em regime supletivo não se aplica o estabelecido no ponto 5 do artigo 21º do Estatuto do Aluno (Lei n.º 39/2010 de 2 de Setembro) Artigo 47º Efeitos da ultrapassagem do limite de faltas injustificadas Atendendo a que o regime supletivo do ensino artístico especializado da música é um tipo de ensino vocacional e com caráter não obrigatório, e tendo em conta ainda que a procura é maior do que a oferta, existindo listas de espera para o ingresso de novos alunos, e de acordo com decisão emanada do Conselho Pedagógico na sua reunião de 2 de Dezembro de 2008, aos alunos matriculados em regime supletivo não se deve aplicar, no que concerne aos efeitos da ultrapassagem do limite de faltas injustificadas, o consagrado no artigo 22º do Estatuto do Aluno. SECÇÃO 3 21

22 PESSOAL DOCENTE Artigo 48º Direitos e deveres Os direitos e deveres do pessoal docente são todos aqueles que decorrem dos direitos e deveres estabelecidos para os funcionários e agentes do Estado em geral, bem como os direitos e deveres profissionais consagrados no Estatuto da Carreira Docente em vigor. SECÇÃO 4 PESSOAL NÃO-DOCENTE Artigo 49º Direitos e deveres Estão estipuladas no Decreto-Lei n.º 184/2004, de 29 de Julho as matérias referentes a direitos e deveres específicos, carreiras e conteúdos funcionais, remunerações e condições de trabalho, estatuto disciplinar, formação e dependência hierárquica do pessoal não docente. SECÇÃO 5 PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Artigo 50º Direitos e deveres Os direitos e deveres dos Pais e Encarregados de Educação são todos aqueles que estão consignados na Lei de Bases do Sistema Educativo e no Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro, com as alterações que lhe foram introduzidas pelos Decreto-Lei n.º 80/99, de 16 de Março e pela Lei n.º 29/2006, de 4 de Julho, e ainda os deveres de responsabilidade consagrados no Estatuto do Aluno do Ensino Básico e Secundário. 22

23 CAPÍTULO V ESPAÇOS ESCOLARES, EQUIPAMENTOS E ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Artigo 51º Acesso às instalações e espaços escolares 1. Sendo o Conservatório de Música do Porto, pela sua natureza e pela sua prática, uma escola aberta à comunidade escolar, o acesso às suas instalações por encarregados de educação é uma realidade que constitui uma mais-valia na promoção da articulação e de uma saudável convivência entre a escola e a família. Nesse sentido, e desde que não prejudique o normal funcionamento das atividades escolares, é permitida a presença dos encarregados de educação nos espaços escolares a si destinados. 2. Os encarregados de educação poderão assistir às aulas de instrumento dos seus educandos, sempre que o respetivo professor considerar pertinente para o processo de ensino e aprendizagem e a convite do mesmo. 3. O acesso às instalações escolares de qualquer elemento estranho à comunidade escolar está condicionado ao controlo e registo da sua identificação pelo funcionário em serviço na portaria que tem como função zelar pela ordem e segurança da comunidade escolar. 4. Os espaços reservados ao público são a Receção e a zona de atendimento dos Serviços de Administração Escolar. 5. Não é permitido o acesso aos restantes espaços das instalações escolares sem prévia autorização da Direção, devendo o visitante ser acompanhado por um professor ou funcionário. Artigo 52º Biblioteca A Missão e objetivos da BE, a organização funcional do espaço, a organização e gestão dos recursos de informação, a gestão dos recursos humanos afetos à BE, os serviços prestados à comunidade escolar no âmbito do projeto educativo e o funcionamento da BE são regulamentados pelo Regulamento Interno da Biblioteca do Conservatório de Música do Porto. 23

24 Artigo 53º Reprografia 1. O Conservatório coloca à disposição da comunidade educativa o serviço de reprografia. 2. Deverão estar afixados no local, de forma bem visível, o horário de funcionamento e a tabela de preços dos serviços prestados e artigos vendidos. Artigo 54º Requisição de salas de estudo A requisição de salas para estudo ou ensaios por parte dos alunos rege-se pelo Regulamento para requisição de salas de estudo em anexo. Artigo 55º Cedência de instalações O Conservatório reserva-se o direito de ceder as suas instalações em regime e condições a estabelecer pelo Diretor. Artigo 56º Aluguer e empréstimo de instrumentos musicais O Conservatório de Música de Porto dispõe de instrumentos musicais para uso de alunos e de professores, que poderão ser alugados / emprestados. O regime de aluguer / empréstimo está definido pelo Regulamento de Aluguer e Empréstimo de Instrumentos Musicais em anexo. Artigo 58º Atividades extra curriculares O Conservatório de Música do Porto reserva-se o direito de cobrar um valor por atividades extra curriculares que venha a organizar no âmbito pedagógico, tais como cursos livres, master classes, concursos e concertos. CAPÍTULO VI DISPOSIÇÕES FINAIS 24

25 1. O presente Regulamento Interno é completado por um conjunto de Normas Internas de Funcionamento que regulam sectores específicos da vida da escola e que pela sua natureza são suscetíveis de uma mais corrente adaptação às condições concretas de funcionamento do Conservatório. 2. O Regulamento Interno inclui ainda, em anexo, os estatutos de algumas entidades específicas, com presença qualificada na vida da escola: Associação de Estudantes; Associação de Pais e Encarregados de Educação; Associação dos Amigos do Conservatório de Música do Porto. 3. De acordo com o previsto na lei, o Regulamento Interno pode ser revisto ordinariamente quatro anos após a sua aprovação e extraordinariamente a todo o tempo, por deliberação do Conselho Geral, aprovada por maioria absoluta dos membros em efetividade de funções. 4. O Regulamento Interno e as Normas Internas de Funcionamento são de conhecimento obrigatório por parte de todos os elementos que constituem a comunidade educativa. Sem prejuízo de serem facultados aos alunos ou encarregados de educação, no ato da matrícula, devem ser de fácil acesso e consulta por parte de todos os interessados, nomeadamente nos Serviços Administrativos; na Biblioteca; na Sala de Professores ou nas salas da Associação de Estudantes e da Associação de Pais e Encarregados de Educação; e na página do Conservatório na Internet ( 5. A presente revisão do Regulamento Interno e das Normas Internas de Funcionamento foi efetuada no ano letivo de 2011/2012, entrando em vigor imediatamente após a sua aprovação pelo Conselho Geral. 25

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 203 3-9-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4595 mento. Pelo Ministro Adjunto, Fausto de Sousa Correia, Secretário de Estado da Administração Pública e da Modernização Administrativa. A Ministra da

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO TRIÉNIO 2014/2017 Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e orientação educativa da unidade orgânica, nomeadamente nos domínios

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 4470 Diário da República, 1.ª série N.º 178 15 de Setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 267/2011 de 15 de Setembro Tendo em conta o reajustamento da organização curricular dos

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus Escola Superior de Educação João de Deus de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus na ESE João de Deus O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado

Leia mais

TÍTULO 1 NATUREZA E FINALIDADE DA ESCOLA

TÍTULO 1 NATUREZA E FINALIDADE DA ESCOLA REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 INTRODUÇÃO O Regulamento Interno constitui, em articulação com o Projeto Educativo e toda a legislação aplicável, um instrumento-chave na concretização e consolidação da autonomia

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO maiol2014 Índice Página Preâmbulo... 2 Artigo 1.º - Objetivo e Âmbito... 2 Artigo 2.º - Composição...

Leia mais

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 O presente Regimento tem por referência o anexo I do Decreto Lei nº 200/2007 de 22 de Maio e o Regulamento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Regulamento Interno. Índice

Regulamento Interno. Índice Regulamento Interno Índice 1. Introdução 2. Objecto e âmbito do Regulamento Interno 3. Oferta Educativa 3.1. Cursos 3.2. Acesso e moldes de frequência dos Cursos 3.3 Actividades lectivas 3.4 Avaliação

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2015 /2016. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2015 /2016. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1 A Escola de Música Marista (E.M.M) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS 1. INTRODUÇÃO O Conservatório de Música de Porto dispõe de instrumentos musicais

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 Regulamento de utilização das instalações de Incubação Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I - DEFINIÇÕES... 4 II LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÕES E SERVIÇOS... 4 III UTILIZADORES E ATIVIDADES... 5 IV INSTALAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Regulamento Interno CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SINTRA

Regulamento Interno CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SINTRA Regulamento Interno CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SINTRA Março de 2015 ÍNDICE PARTE I. INTRODUÇÃO E APRESENTAÇÃO. PARTE II: ÓRGÃOS DE GESTÃO. 1. Órgãos Sociais. 2. Direção Executiva. 3. Direção Pedagógica.

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário Regulamento Curso Vocacional do Ensino Secundário Página 1 Artigo 1. Âmbito 1 - Os cursos vocacionais do ensino secundário constituem uma oferta formativa que se desenvolve no âmbito de uma experiência-piloto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Regulamento Geral. As matrículas devem ser efetuadas o mais tardar até 15 de Setembro. As inscrições feitas em Junho e Julho beneficiam de desconto.

Regulamento Geral. As matrículas devem ser efetuadas o mais tardar até 15 de Setembro. As inscrições feitas em Junho e Julho beneficiam de desconto. Regulamento Geral Matrícula: Para efetuar a matrícula é necessário: Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão 1 Fotografia Pagamento da matrícula As matrículas devem ser efetuadas o mais tardar até 15

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Normas e Critérios de Acesso ao Serviço de Transporte Escolar (STE)

Normas e Critérios de Acesso ao Serviço de Transporte Escolar (STE) Normas e Critérios de Acesso ao Serviço de Transporte Escolar (STE) O Decreto-Lei n.º 299/84, de 5 de setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 7/2003, de 15 de janeiro, pela Lei n.º13/2006, de 17 de abril,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Violino Viola em violino ou na modalidade violino ou na modalidade Licenciatura em em viola ou na modalidade viola ou na ministrar aulas de violino e avaliar o aprendizado

Leia mais

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas No âmbito do ensino politécnico é conferido o título de especialista, o qual comprova a qualidade e a

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN

CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN A) CONCURSO 1- O Concurso Jovem.COM é um concurso de Interpretação. Tem como objetivos: - Promover os Conservatórios Oficiais de Música e suas cidades; - Premiar

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013 Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Aviso n.º 165/2013 Lista unitária de ordenação final do procedimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos de Especialização Tecnológica, doravante designados

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Regulamento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

Projeto de decreto-lei 20-08-2014 p. 1

Projeto de decreto-lei 20-08-2014 p. 1 CAPÍTULO I Objeto e âmbito Artigo 1.º Objeto O presente decreto-lei aprova um conjunto de medidas visando a introdução do Inglês como disciplina obrigatória do currículo a partir do 3.º ano de escolaridade.

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

Regimento Interno. Pais e Encarregados de Educação Representantes de Turma da Escola Secundária de Almeida Garrett

Regimento Interno. Pais e Encarregados de Educação Representantes de Turma da Escola Secundária de Almeida Garrett Regimento Interno Pais e Encarregados de Educação Representantes de Turma da Escola Secundária de Almeida Garrett 2012 Regimento Interno dos Pais e Encarregados de Educação representantes de turmas O

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010.

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Cria Cargos de Professor para os Níveis da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de provimento efetivo, no Quadro de Pessoal

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 (Anexo X C) Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS Novembro de 2011 REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS 1. INTRODUÇÃO O Conservatório de Música de Coimbra dispõe de instrumentos

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Dezembro de 2005 Trabalho realizado por: Joana Alves nº. 16071 Relatório da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais