A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG)."

Transcrição

1 III Encontro da ANPPAS 23 a 26 de maio de 2006 Brasília DF A utilização da ovitrampa como prevenção do Aedes e controle do Dengue no Distrito de Martinésia, Uberlândia (MG). João Carlos de Oliveira(1), Samuel do Carmo Lima(2), Jureth Couto Lemos(3), Baltazar Casagrande(4), Elaine Aparecida Borges(5), Daniela Belo Silva(6), Jakson Arlam Ferrete(7), Kênia Rezende(8) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA LABORATÓRIO DE GEOGRAFIA MÉDICA E VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE (LAGEM IG/UFU) RESUMO Martinésia é um Distrito rural que está distante 32 Km da sede da cidade, possui 871 habitantes na área urbana, em 124 imóveis. O Dengue é uma das mais importante arbovirose que afeta o homem e constitui um sério problema de saúde pública em regiões tropicais, que favorecem os focos de Aedes aegypti e Aedes albopictus. O Dengue é uma doença febril, aguda e de etiologia viral. A fonte de infecção e reservatório vertebrado é o homem. A ovitrampa é uma armadilha artificial adaptada em vasos pretos de floricultura de 500 ml, com uma palheta de eucatex imersa em água, onde permite identificar a oviposição da fêmea do mosquito Aedes. As ovitrampas foram instaladas, entre fevereiro e julho de 2005, o que detectou de forma precoce os focos de Aedes. Com o aumento do índice de positividade de ovos (IPO), realizou uma gincana educativa e pedagógica com a participação dos estudantes e dos professores da Escola Municipal Antonino Martins da Silva, que retirou e eliminou, aproximadamente, 350 Kg de resíduos sólidos, potenciáveis criadouros de Aedes. As ovitrampas ampliaram a Educação e a Vigilância Ambiental em Saúde, sensibilizou a população para o problema, com informações sobre a doença (modo de transmissão, quadro clínico e tratamento), sobre o vetor (hábitos, criadouros domiciliares e naturais) e medidas de prevenção e controle. A gincana reduziu o IPO e o mais importante, não houve registro de casos de Dengue.

2 Martinésia é um Distrito rural do município de Uberlândia (MG), que está distante 32 Km da sede da cidade e possui uma população total de habitantes, sendo 871 residindo na área urbana. Situada na porção noroeste da sede da cidade Uberlândia (MG), que também faz limites com os municípios de Tupaciguara (Oeste), Araguari (Leste) e com o Distrito de Cruzeiro dos Peixotos (sudeste) (cf. figura 01). Figura 01 Localização geográfica do Distrito, Fonte: NASCIMENTO, Dorivaldo Alves do. Histórias de Uberlândia. Uberlândia MG: Grafy, Em 27 de setembro de 1926 foi criado o Distrito de Martinópolis, pela Lei 935 de 27 de setembro de Já em 31 de dezembro de 1943, pelo Decreto Lei Nº 1.058, Martinópolis foi mudado para o nome de Martinésia. No final da década de 1930, do século XX, contava com uma população total de habitantes, com uma produção abundantemente algodão, cana-de-açúcar, café e outros cereais, também havia ricas pastagens nos vales dos rios Uberabinha e das Velhas (hoje rio Araguari). As estruturas e coberturas geomorfológicas do Distrito correspondem a áreas de relevos intensamente dissecados, com topos aplainados e chapadas por toda a região, com altitudes entre 640 a 700 m (BACCARO, 1999). Quanto ao ambiente climático ROSA, LIMA e ASSUNÇÃO (1991, p ), indicam que: O clima do município de Uberlândia é subtropical de altitude, sendo caracterizado por dois períodos sazonais. Um deles, o inverno seco, quando a temperatura média mensal atinge 18ºC e a precipitação pluviométrica do mês mais seco fica em torno

3 de 60 mm. O outro período sazonal, o verão, há grande concentração pluviométrica entre outubro a março. Os meses de dezembro a fevereiro são responsáveis por cerca de 50% da precipitação anual que é de 1500 a 1600 mm. Outubro a fevereiro são os meses mais quentes, com temperatura média mensal variando de 21ºC a 23ºC, enquanto que a média anual das máximas encontram-se em torno de 28ºC a 29ºC. (ROSA, LIMA e ASSUNÇÃO, 1991, p ). O Distrito possui uma vegetação natural de Cerrado, típico de savana arbórea nos topos e chapadas, com presença de matas de galeria nas encostas (fundos de vales) (BACCARO, 1989; LIMA, ROSA & FELTRAN FILHO, 1989; SCHIAVINI & ARAÚJO, 1989), mas atualmente estão ocupadas por diversas atividades agropecuárias, principalmente nos cultivos de soja e pastagens extensivas, sendo reduzidas a poucas áreas nativas isoladas, principalmente nas vertentes. A área urbana do Distrito possui uma extensão territorial de, aproximadamente, 562 Km², com 124 imóveis e distribuídos em 22 quarteirões (cf. figura 02).

4 Figura 02 Mapa da área urbana do Distrito de Martinésia, FONTE: Centro de Controle de Zoonozes da Prefeitura Municipal de Uberlândia, MG, Quase toda a extensão territorial da área urbana do Distrito já está ocupada, onde há apenas alguns lotes vagos (baldios), principalmente na área mais recente da expansão da malha urbana. O Distrito apresenta duas áreas urbanas bastante distintas do ponto de vista ambiental e social. De um lado, tem-se a área mais antiga, que pertence aos quarteirões 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21e 22, construída desde a sua fundação, com ambientes de quintais bastante arborizados e presença mais intensa de resíduos sólidos dispostos inadequadamente (cf. figura 03).

5 Figura 04 Quintal na Rua Aniceto Antonio da Silva (Q16), dezembro de Foto: João Carlos de Oliveira O outro ambiente da área urbana do Distrito apresenta uma ocupação mais recente, segundo os moradores de dez anos para cá, com quintais pouco arborizados e com uma presença pequena de lixos armazenados e jogados nos quintais (cf. figura 05). Esta área corresponde aos quarteirões (01, 02, 03, 04, 05, 06 e 07). Figura 05 Vista panorâmica do lote na Rua da Cooperação (Q 04), junho de Foto: Jaksom Aran Ferrete A Dengue é hoje uma das mais importante arbovirose que afeta o homem e constitui um sério problema de saúde pública no mundo, especialmente na maioria dos países tropicais, onde as condições ambientais, principalmente a temperatura, a precipitação, a cobertura vegetal e a presença de criadouros favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti, principal mosquito vetor da doença, também, transmissor da Febre Amarela, que nestes últimos anos em

6 função dos hábitos populacionais foi (re) introduzida no Brasil. Na verdade as pesquisas entomológicas, direcionadas para detectar e monitorar os focos de Aedes aegypti, são desenvolvidas para a erradicação da Febre Amarela Urbana e a Dengue, por isso a prioridade com o monitoramento do Aedes aegypti. Além da grande preocupação com o Aedes aegypti, também há uma necessária atenção para com o Aedes albopictus, tendo em vista que já foi comprovada em laboratório a sua capacidade de transmissão do vírus do Dengue, por isso sendo uma espécie vetora e que pode ser potencialmente responsável por epidemias (BRASIL, 1997). As condições ambientais da maioria dos países tropicais favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti, principal mosquito vetor. Esta intensa preocupação com o Aedes aegypti se deve pela sua área geográfica de abrangência, que de acordo com BRASIL (2001, p. 11): O Aedes aegypti é uma espécie tropical e subtropical, encontrada em todo mundo, entre as latitudes 35ºN e 35ºS. Embora a espécie tenha sido identificada até a latitude 45ºN, estes têm sido achados esporadicamente apenas durante a estação quente, não sobrevivendo ao inverno. A distribuição do Aedes aegypti também é limitada pela altitude. Embora não seja encontrado acima dos 1000 metros, já foi referida a sua presença a 2132 e 2200 metros acima do nível do mar, na Índia e na Colômbia (OPS/OMS) (BRASIL, 2001, p. 11). Além da importância entomológica do Aedes aegypti pela sua particularidade urbana, sobre o Aedes albopictus não se dispõe de conhecimento suficiente, sobre a sua biologia e comportamento, apesar da comprovação em laboratório da sua capacidade de transmissão, por isso as operações da sua identificação merecem medidas no seu combate, isto porque BRASIL (2001, p. 18), lembra que: Aedes albopictus é uma espécie que se adapta ao domicílio e tem como criadouros recipientes de uso doméstico como jarros, tambores, pneus e tanques. Além disso, está presente no meio rural, em ocos de árvores, na imbricação das folhas e em orifícios de bambus. Essa amplitude de distribuição e capacidade de adaptação a diferentes ambientes e situações determina dificuldades para a erradicação através da mesma metodologia seguida para o Aedes aegypti. Além da sua maior valência ecológica, tem como fonte alimentar tanto o sangue humano como de outros mamíferos e até aves. Ademais disso, é mais resistente ao frio que o Aedes aegypti. É necessário que se promovam levantamentos regulares para a detecção de sua presença e o aprofundamento de estudos sobre hábitos naturais e artificiais. (BRASIL, 2001, p. 18). A intensa urbanização do Aedes se deve pelas trocas comerciais entre países, os fluxos migratórios, as altas densidades populacionais, os hábitos culturais em armazenar inadequadamente os resíduos sólidos que servem de criadouros para o vetor (LO, 1993 apud MONTEIRO, 2000). A situação epidemiológica do Dengue no Brasil, nestes últimos anos, tem tornado alarmante porque há uma intensidade de casos, e o mais agravante é que algumas Unidades Federativas estão na área endêmica para Febre Amarela Silvestre. Diante disto, é preciso uma somatória de ações que permeiem todas as faces do problema, para evitar (novas) epidemias de Febre Hemorrágica do Dengue no país, de conseqüências imprevisíveis, aumentando também o risco da urbanização da

7 Febre Amarela. Algumas regiões brasileiras estão mais suscetíveis aos focos e à epidemias, principalmente, os estados da região Sudeste, que de acordo com ANTUNES & JOLY & LINHARES (2004, p. 30) e o ESTADO DE MINAS (2004, p. 26): Minas Gerais, é o Estado de menor redução de casos de dengue da região Sudeste. O país reduziu o número de casos, que em 2004 apresentou 14,5% a menos, se comparado 2003 com casos. São Paulo com 64,8% de casos; Rio de Janeiro com 83,1% de 1304 vítimas; Espírito Santo com 6328 casos, 80,9% menor 2003 e Minas Gerais com 20% de em 2004, contra em O maior surto foi em 2002, com casos, com casos febre hemorrágica. A previsão de contaminações será de para o ano de 2005, com 35 casos febre hemorrágica, onde as áreas de maior risco são a região Sudeste em particular Minas Gerais e Espírito Santo, com 35% (ANTUNES & JOLY & LINHARES, 2004, p. 30 e ESTADO DE MINAS, 2004, p. 26). No caso de Uberlândia, a ocorrência de Aedes aegypti foi registrada inicialmente em 1986 (SANTOS e MARÇAL JUNIOR, 2004). Mas conforme reforça MARÇAL JUNIOR e SANTOS (2004, p. 235): Em Uberlândia, as primeiras notificações de dengue ocorreram em Desde então, novos casos têm sido registrados a cada ano em 1999, foram identificados casos novos de dengue na área urbana, correspondendo a um coeficiente geral de incidência de 52,67 % ºº, todos de forma clássica da doença. A análise da distribuição espacial da incidência do dengue nesse ano revelou que a transmissão se processa de modo desigual, sendo que o índice mais elevado foi registrado no setor Norte da cidade (MARÇAL JUNIOR e SANTOS, 2004, p. 235). A situação epidemiológica do Dengue no Distrito de Martinésia pode ser considerada tranqüila, talvez seja pelo seu isolamento. Mas os contatos intraurbanos são constantes, realizados em veículos particulares, Rodovia Municipal Neuza Resende e através do Sistema Integrado de Transporte (SIT), linha D280, que circula entre Martinésia/Cruzeiro dos Peixotos/Terminal Umuarama que liga o Terminal Umuarama ao Distrito, o que permite a instalação ou a importação de casos, vetores e/ou ovos. Portanto, o seu isolamento não comprova a ausência do vetor, pois durante as pesquisas de ovitrampas identificamos ovos de Aedes aegypti e de Aedes albopictus. Em função do perfil epidemiológico no Distrito, a instalação e manutenção de ovitrampas, se deram a partir de um projeto realizado, desde 2003, num conjunto de ações de manejo integrado como prevenção e controle do Dengue, a partir dos contatos com as lideranças, censo sócioambiental, pesquisa larvária, instalação e manutenção de ovitrampas e educação e vigilância ambiental em saúde. A escolha do Distrito de Martinésia se deu pela impossibilidade de desenvolvê-lo em um bairro de Uberlândia, sendo que o mosquito migra de um local para outro, neste caso, principalmente, entre as áreas periféricas de um bairro para outro. Enquanto que no Distrito a possibilidade de migração é mais difícil porque o mesmo fica isolado de outras áreas urbanas. Logo, é necessário demonstrar que uma das soluções para prevenir e controlar o Aedes é por meio de um conjunto de ações integradas, que cria uma sinergia entre as pessoas e ao mesmo

8 tempo substitui algumas práticas mais agressivas para o meio ambiente e pessoas, por exemplo, o uso do fumaçê. A instalação e manutenção das ovitrampas ocorreram semanalmente, entre fevereiro e julho de 2005, em 19 (de 22) quarteirões, com um total de 24 coletas, com um monitoramento até dezembro de 2005, em função do manejo integrado como prevenção e controle do Dengue. As armadilhas foram instaladas em diferentes alturas e locais (dentro e fora das residências cf. figuras 06 e 07), exatamente para obter um melhor perfil e mapeamento dos focos do vetor. Fotos: João Carlos de Oliveira Figura 06 Ovitrampas instaladas (Q 05), julho de Figura 07 Ovitrampas instaladas (Q 16), julho de Nestes últimos anos têm surgido diferentes pesquisas sobre o mapeamento do Aedes. Estas pesquisas são feitas periodicamente com o intuito de detectar de maneira eficiente e precoce a presença do vetor em diferentes períodos sazonais. Sabendo da sensibilidade do método como forma de vigilância epidemiológica, FAY & ELIASON (1966) apud RODRIGUES (2005, p. 09) aponta que: Com a utilização da armadilha ovitrampa permitiram o conhecimento da população fêmeas numa localidade. Esta armadilha de oviposição vem demonstrando ser um método sensível e econômico para detectar a presença de Aedes aegypti e Aedes albopictus, principalmente quando os níveis de infestação das localidades estão tão baixos que o levantamento larvário não os revela (RODRIGUES, 2005, p. 09). As ovitrampas são Armadilhas Artificiais, onde BRASIL (2001, p. 49), apresenta algumas características: São depósitos de plástico preto com capacidade de 500 ml, com água e uma palheta de eucatex, onde serão depositados os ovos do mosquito. A inspeção das ovitrampas é semanal, quando então as palhetas serão encaminhadas para exames em laboratório e substituídas por outras. As ovitrampas constituem método sensível e econômico na detecção da presença de Aedes aegypti, principalmente quando a infestação é baixa e quando os levantamentos de índices larvários são pouco produtivos. São especialmente úteis na detecção precoce de novas infestações em áreas onde o mosquito foi eliminado. Devem ser distribuídas na localidade na proporção média de uma armadilha para cada nove quarteirões, ou uma para cada 255 imóveis, o que representa três ou quatro por zona (BRASIL, 2001, p. 49).

9 As metodologias usadas na instalação das ovitrampas em Martinésia foram de acordo com as observações de RODRIGUES (2005, p. 14): Na instalação das ovitrampas, foi colocada água da torneira nos potes até altura dos furos, a palheta de eucatex com a parte enrugada voltada para a parte interna em contato com a água e presa a um clips nº 08 (cf. figura 08). A superfície rugosa foi colocada de forma a possibilitar a oviposição dos mosquitos (RODRIGUES, 2005, p. 14). Fotos: Malaquias José de Souza Figura 08 Modelo de ovitrampa, outubro de Não foram instaladas ovitrampas nos quarteirões 01, 04, 07 e 13, em função de vários fatores, tais como: não há residências (quarteirão 04), só há uma residência e o morador não aceitou a instalação (quarteirão 13). No quarteirão 01, os moradores trabalham o dia todo e ficam ausentes de sua residência. As instalações das ovitrampas ocorreram a partir de conversas com alguns moradores, com explicações dos procedimentos de instalação e manutenção do equipamento, que houve uma boa aceitação. Para a escolha e a definição da residência para instalação da ovitrampa considero-se: a aceitação, a presença e cuidados do(a) morador(a) com a armadilha e ambiente adequado. Após a autorização do morador, a equipe registrou o endereço (Rua/avenida/número) da residência, nome do morador, o número da palheta sempre foi o mesmo do vaso e a data de cada coleta. Estes dados permitiram, semanalmente, executar os trabalhos de (instalação, manutenção e anotação das condições das Ovitrampas e das palhetas), bem como os contatos com os moradores. Depois da instalação e preparação de cada ovitrampa em seu lugar, verificava as condições ambientais dos quintais e realizava uma conversa com os moradores sobre as condições das ovitrampas (presença ou não de água, quedas, presença de resíduos, etc), em seguida as palhetas foram armazenadas numa prancheta para maior proteção dos ovos. No final da coleta as pranchetas foram trazidas para o LAGEM (IG/UFU) para contagem e identificação, em Lupa estereomicroscópica, porque a olho nu não é possível realizar a contagem dos ovos nas palhetas (cf. figuras 09 e 10).

10 Foto: Baltazer Casagrande Figuras 09 e 10 Palhetas armazenadas e verificação dos ovos em Lupa Microscópica, fevereiro de De posse das palhetas, em laboratório, houve a quantificação dos ovos por quarteirão para obter um mapeamento da presença do vetor (cf. quadro 01). QUADRO 01 Total de ovos por mês/quarteirão, fevereiro a julho de Q FEV MAR ABR MAIO JUN JUL TT EE TT Fonte: Pesquisa do autor, A tabulação dos ovos das palhetas das ovitrampas por quarteirão evidenciou que os ambientes com moradias da área urbana mais antiga apresentaram, em ordem crescente, uma maior quantidade de ovos, principalmente os quarteirões 21, 17, 16 e 14. Estes resultados, mais uma vez, confirmam as relações que existem entre alguns fatores determinantes tais como a densidade populacional, a densidade habitacional, a urbanização não planejada e as condições sócio-

11 econômicas e culturais dos moradores, o que propiciaram a rápida circulação e as condições necessárias à reprodução do vetor. Os ovos, também, foram quantificados por categorias viáveis, eclodidos e danificados, com um total de 7766, durante 24 coletas (cf. quadro 02). Esta tabulação foi realizada com o objetivo de verificar, mensalmente, a quantidade de ovos com viabilidade ou não de eclosão. QUADRO 02 PESQUISAS DAS OVITRAMPAS, Mês Total Ovos viáveis Ovos eclodidos Ovos danificados Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho TOTAL Fonte: Pesquisa do autor, Depois da quantificação dos ovos, realizou-se o cálculo do Índice de Positividade de Ovitrampa (IPO). O IPO foi descrito por (FAY & ELIASON, 1966 apud GOMES, 2002), considerando: Que é um método baseado na armadilha de oviposição denominada de ovitrampa, a qual permite a contagem e identificação dos ovos de Aedes aegypti e Aedes albopictus em palhetas, permite calcular a infestação de um local (FAY & ELIASON, 1966) apud GOMES (2002) (cf. cálculo 01e quadro 03). Cálculo 01 IPO = Nº de armadilhas positivas X 100 Nº de armadilhas examinadas QUADRO 03 IPO DAS OVITRAMPAS, MÊS Nº DE ARMADILHAS EXAMINADAS IPO (%) Fevereiro 12 63,15 Março ,10 Abril ,47 Maio ,05 Junho 16 84,21 Julho 08 42,10 Fonte: Pesquisa do autor, Com a instalação das ovitrampas e os cálculos de IPO, observou-se que houve uma maior infestação de ovos nas palhetas, entre fevereiro e março. Importante destacar que este período sazonal, para a região de Uberlândia (MG), já corresponde ao término do verão com uma redução nos índices pluviométricos, mas com presença de dias isolados de precipitação (cf. quadro 04). Mas este período é exatamente o mais propício para a oviposição, o que possibilita na presença de vetores e na possibilidade de casos de Dengue.

12 QUADRO 04 DIAS DE CHUVAS E MÉDIA TOTAL DE PRECIPITAÇÃO, MÊS Nº DE DIAS COM CHUVAS MÉDIA TOTAL (mm) Fevereiro 12 63,8 Março ,6 Abril 06 22,1 Maio 04 47,1 Junho 03 44,1 Julho Fonte: Pesquisa do autor, A partir do momento em que se verificou o aumento significativo de ovos, realizou, em abril, uma gincana com estudantes e professores da Escola Municipal Antonino Martins da Silva. A formação de 22 das equipes foi conduzida por professores da Escola, realizada a partir de sorteio dos estudantes, misturados, do Ensino Fundamental e um professor coordenador (cf. figura 11). Figura 11 Equipe formada para a gincana, abril de Foto: Jakson Arlam Ferrete Logo após a formação das equipes, acompanhadas de sacos de lixo de 100 litros e luvas, percorriam os quarteirões e visitavam e coletavam material dos quintais. Além de retirar os criadouros, houve uma explicação para os moradores dos devidos cuidados necessários para evitar o acúmulo de lixo em períodos chuvosos. Cada equipe, após a coleta dos resíduos dos quintais, retornavam para a Escola e depositavam o material na quadra (cf. figuras 12, 13 e 14).

13 Figura 12 Equipe coleta criadouros em quintal, abril de Foto: Jakson Arlam Ferrete Figura 13 Retorno das equipes com os sacos de lixos, abril de Foto: João Carlos de Oliveira

14 Figura 14 Sacos de lixos depositados na quadra, abril de Foto: João Carlos de Oliveira As equipes retiraram, aproximadamente, 350 Kg de resíduos sólidos principalmente plásticos, pneus, garrafas, papelão, latas, que foram quantificados e utilizados pelos professores como venda para reciclagem e para fazer presentes para o dia das mães do Distrito. Ao eliminar boa parte destes criadouros dos quintais, verificou-se que houve uma redução significativa de ovos nas palhetas, apesar da presença de água dentro das ovitrampas. Portanto acredita-se que há uma estreita relação entre água depositada e parada em criadouros e a presença do vetor de Aedes. Também, é importante destacar que em função da relevância dos resultados de mobilização dos moradores do Distrito e redução do IPO, um canal de televisão local (TV Integração afiliada da Rede Globo), numa tarde de junho de 2005, acompanhou e divulgou os trabalhos de monitoramento das ovitrampas, entrevistou os moradores e responsáveis pelo trabalho. Em suma, concluímos que a retirada (ou eliminação) de criadouros é um procedimento relevante no manejo integrado como prevenção e controle do Dengue. As múltiplas ações integradas permitem uma sinergia de Vigilância Ambiental em Saúde. Consideramos que a ovitrampa é uma armadilha eficiente e barata para verificar a presença e os focos de ovos de Aedes em diferentes períodos sazonais, conforme confirmação dos dados. Elas mapearam a oviposição e a distribuição espacial de ovos nos 19 quarteirões em diferentes períodos sazonais. Possibilitaram um maior contato com os moradores, ampliaram a Educação e a Vigilância Ambiental em Saúde, onde a população está sensibilizada para o problema, está informada sobre a doença (modo de transmissão, quadro clínico e tratamento), sobre o vetor (hábitos, criadouros domiciliares e naturais) e medidas de prevenção e controle. E o mais importante, durante as pesquisas, não ocorreu casos de Dengue.

15 (1) Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (IG/UFU) (2)Prof. Dr. Orientador do Programa de Pós-Graduação em Geografia (IG/UFU) (3) Mestre e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia (IG/UFU). Professora da Escola Técnica em Saúde (ESTES/UFU) (4) Aluno do Curso de Geografia (IG/UFU) e Bolsista do CNPq (5) Aluna do Curso de Geografia (IG/UFU) e estagiária do LAGEM (IG/UFU) (6) Aluna do Curso de Geografia (IG/UFU) e estagiária do LAGEM (IG/UFU) (7) Aluno do Curso de Geografia (IG/UFU) e estagiária do LAGEM (IG/UFU) (8) Aluna do Curso de Geografia (IG/UFU) e estagiária do LAGEM (IG/UFU) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, Camila e JOLY, Heloisa e LINHARES, Juliana. Outra campanha antimosquito. São Paulo: VEJA, 10 de novembro de 2004, p. 30. BACCARO, Claudete Aparecida Dallevedove. Estudos geomorfológicos do município de Uberlândia. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 1, n. 1, p , jun BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Guia de Vigilância epidemiológica. Brasília, BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instruções para pessoal de combate ao vetor manual de normas técnicas. Brasília, ESTADO DE MINAS. Alerta contra a dengue. Gerais. Belo Horizonte: ESTADO DE MINAS, 26 de outubro de 2004, p. 26. FORATTINI, Oswaldo Paulo. Ecologia, epidemiologia e sociedade. SP: Artes Médicas/EDUSP, GOMES, Almério de Castro. Fatores ambientais biológicos: vigilância e controle de vetores. Mimeo, GOMES, Almério de Castro. Vigilância da dengue: um enfoque vetorial. Biológico: São Paulo, v. 64, n. 2, p , jul./dez., LIMA, Samuel do Carmo, ROSA, Roberto e FELTRAN FILHO, Antonio. Mapeamento do uso do solo no município de Uberlândia MG, através de imagens TM/LANDAST. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.1, n. 2, p , dez MARÇAL JUNIOR, Oswaldo e SANTOS, Almerinda dos. Infestação por Aedes aegypti (Diptera: culicidae) e incidência do dengue no espaço urbano: um estudo de caso. Revista Eletrônica Caminhos de Geografia (IG/UFU), Uberlândia: Minas Gerais, 15(13) , out/2004. Disponível em: Data de acesso: 10 de jan MONTEIRO, Carlos Augusto (org.). Velhos e novos males da saúde no Brasil a evolução do país e suas doenças. SP: HUCITEC/NUPRENS/USP, NASCIMENTO, Dorivaldo Alves do. Histórias de Uberlândia. Uberlândia MG: Grafy, 2000.

16 RODRIGUES, Elisângela de Azevedo Silva. Vigilância de Aedes aegypti e Aedes albopictus com armadilhas tipo ovitrampa no setor oeste da cidade de Uberlândia MG, 2005, 31 p. Monografia (Bacharelado) em Geografia (IG/UFU) Universidade Federal de Uberlândia, SANTOS, Almerinda dos e MARÇAL JUNIOR, Oswaldo. Geografia do dengue em Uberlândia (MG) na epidemia de Revista Eletrônica Caminhos de Geografia (IG/UFU), Uberlândia: Minas Gerais, 2(11)35-53, fev/2004. Disponível em: Data de acesso: 10 de jan SCHIAVINI, Ivan e ARAÚJO, Glein Monteiro. Considerações sobre a vegetação da reserva ecológica do Panga (Uberlândia). Sociedade & Natureza, v. 1, n. 1, p , jun VIEIRA, Glaucimar Soares da Silva. Dengue um estudo da distribuição geográfica na cidade de Uberlândia MG, 2000 a , 57 p. Monografia (Bacharelado) em Geografia (IG/UFU) Universidade Federal de Uberlândia, 2003.

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

Boletim Epidemiológico da Dengue

Boletim Epidemiológico da Dengue Boletim Epidemiológico da Dengue Dados Referentes às Semanas Epidemiológicas: 01 a 03 - Períodos de 03/01/2016 a 23/01/2016 Ano: 09 Número: 03 Data de Produção: 22/01/2016 Esse boletim está na web: www.natal.rn.gov.br/sms

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA Perguntas e respostas sobre a FEBRE CHIKUNGUNYA O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014 50 Ariana Castilhos dos Santos Toss de Sousa Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Paranavaí ariana_marcos@hotmail.com

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal Prefeitura do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Centro de Controle de Zoonoses Data de produção: 17/2/215 Ano 8 Número 6 - Dados referente as Semanas Epidemiológica

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Humanas e Naturais CCHN Departamento de Geografia DEFESA DE MONOGRAFIA MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DAS AÇÕES PREVENTIVAS Marcelo Henrique Otenio 1 Regina H. F. Ohira 2 Simone Castanho S. Melo 3 Ana Paula Lopes Maciel 4 Edmara Janey

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

12 DE ABRIL DE 2011. Editais Quatro Barras. Notícias on-line. www.agoraparana.com.br

12 DE ABRIL DE 2011. Editais Quatro Barras. Notícias on-line. www.agoraparana.com.br 12 DE ABRIL DE 2011 caderno de editais Editais Quatro Barras 14 12 DE ABRIL DE 2011 ANO XVIII N 0 2090 Editais Quatro Barras Renegociação de dívidas dos Estados vai ser discutida em Curitiba nesta sexta-feira

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL NOTA TECNICA Nº 01/2011 SUVIGE-SUVAM/CPS/SESAP/RN

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Proposta de Lei n.º 189/XII

Proposta de Lei n.º 189/XII Proposta de Lei n.º 189/XII ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DE EPIDEMIAS DA FEBRE DO DENGUE A febre do dengue figura entre algumas das doenças que poderão ser consideradas emergentes no

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de outubro demonstra que 0,7% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte contam com a presença do mosquito

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Simone Aparecida de Paiva Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Graduando do curso de Gestão Ambiental Sônia Cristina

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS Editoria: Notícias www.manausonline.com.br Coluna: -- Prefeitura inicia programação do Outubro Rosa, movimento de prevenção ao câncer de mama ( ) Matéria articulada pela assessoria de imprensa -- NOTÍCIAS

Leia mais

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar.

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. O verão chega para agravar o pesadelo da dengue. As mortes pela doença aumentaram na estação passada e vem preocupando

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 018/2012 DATA: 31/10/2012 Luta anti vetorial contra Aedes aegypti Luta anti vetorial; Aedes aegypti; Dengue Autoridades de saúde; Departamentos e Unidades

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

Colorir. Vamos Cantar. Querido Amiguinho! Preste atenção! Pinte os espaços pontilhados e descubra o transmissor da dengue!

Colorir. Vamos Cantar. Querido Amiguinho! Preste atenção! Pinte os espaços pontilhados e descubra o transmissor da dengue! Olá, Querido Amiguinho! É com imensa alegria que preparamos esta revista para que você possa aprender mais sobre a Dengue e, assim, ajudar Limeira a combater esta doença. Colorir Pinte os espaços pontilhados

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA Porto Alegre, junho de 2016 1. O vetor Originário da África, o mosquito Aedes aegypti tem duas subespécies, Aedes aegypti formosus

Leia mais

Levantamento sobre a incidência de dengue e seu controle no município de. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS

Levantamento sobre a incidência de dengue e seu controle no município de. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS TÍTULO: LEVANTAMENTO SOBRE A INCIDÊNCIA DE DENGUE E SEU CONTROLE NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE PB.AUTORES: Orientador: Prof. Dr. Teobaldo Gonzaga R. Pereira, Annelise Mota de Alencar Mat. 20112043 Tel.

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

1 Na liga contra o AEDES

1 Na liga contra o AEDES Departamento de Planejamento Pedagógico e de Formação Supervisão de Projetos de Artes, Cultura e Cidadania Supervisão de Planejamento e Articulação de Programa de Educação Integral PROJETO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Maria da Glória Teixeira SETEMBRO 2008 FAS: série histórica de casos e taxa de letalidade. Brasil

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

Trabalhos selecionados

Trabalhos selecionados Trabalhos selecionados 1ª ETAPA DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DENGUE EM UBERABA: EPIDEMIA NUNCA MAIS E. M. PROFESSOR JOSÉ GERALDO GUIMARÃES - CENTRO INTEGRADO PACAEMBU PROFESSOR CÁSSIA CRISTINA DE SANTANA

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Zouraide Guerra Antunes Costa CENEPI GT-FEBRE AMARELA Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Febre Amarela no Brasil - resgatando a história...

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Rosemary Costa Pinto Assessora Técnica/ASTEC/FVS rosemary.pinto@gmail.com Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas Secretaria de Estado

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo ATA DE REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE AFONSO CLÁUDIO E DIVULGAÇÃO DO MUTIRÃO DE LIMPEZA DE QUINTAIS E TERRENOS, REALIZADA COM OS MORADORES DOS BAIRROS BOA

Leia mais

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC 1 de 5 Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC Maria Teresa Orlandi Apesar do risco iminente de uma epidemia de dengue chegar à região, as prefeituras têm demorado para detectar e extirpar

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA 1. DENGUE Em 2015, até a 52ª semana epidemiológica (SE) foram notificados 79.095 casos, com incidência de 5.600,2/100.000 habitantes. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior observa-se um aumento

Leia mais