Prof. Luiz Fernando Paulillo Prof. Hildo Meirelles de Souza Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Luiz Fernando Paulillo Prof. Hildo Meirelles de Souza Filho"

Transcrição

1 Prof. Luiz Fernando Paulillo Prof. Hildo Meirelles de Souza Filho

2 Concentração industrial crescente e redução do nº de processadoras de suco ao longo das décadas; Integração vertical industrial para trás crescente (crescimento de pomares próprios industriais); Nº de citricultores em queda contínua; Falta de consenso sobre o preço internacional de referência para as negociações da laranja no Brasil e interpretações distintas sobre as movimentações dos mercados: FOB Santos, BNY, Rotterdan, Varejo (EUA e Europa); Participação crescente de tradings na Europa e off- shores.

3 1995/96: produtores (IEA) 2009/2010: produtores (Citrus Br) Em 13 anos: saíram do setor 2000/2010: a exclusão da década de 90 continuou 2001: produtores 2010: produtores produtores Exclusão mais intensa nos menores (< 10 ha): de (2001) para (2009) produtores

4 Tabela 1 Evolução do número de produtores de laranja no estado de São Paulo /09 Àrea hectares Arvores% Prod % Produtores Arvores% Prod % Produtores Arvores% Prod % Produtores >400 16,15 0, ,65 0, ,25 0, ,65 0, ,05 0, ,35 0, ,5 0, ,1 1, ,95 1, ,4 1, ,45 2, ,75 2, ,3 3, ,7 3, , ,95 3, ,5 3, ,3 4, ,45 14, ,45 11, , <10 15,45 75, ,15 76, ,4 76, ,85 99, , Eficiência na Citricultura: Eficiência Técnica Eficiência Econômica

5 BREAK-EVEN NA CITRICULTURA PAULISTA Preço mínimo para empatar os gastos na citricultura de acordo com os citricultores consultados pelo Cepea - US$/t - valor posto na indústria Preços médios recebidos (contratos e spot ponderados - U$s/cx) - Fonte: Cepea 2001/ / / / / / / / /10*

6 US$/cx PREÇOS MÉDIOS RECEBIDOS PELOS CITRICULTORES PAULISTAS - CONTRATOS - US$/cx. 40,8 kg Valores deflacionados pelo CPI norte-americano MÁXIMO MÉDIA MÍNIMO * Fonte: Cepea

7 Cade: encerramento do contrato padrão Acusações Cartel Operação da PF Fonte: Bradesco

8 E/D X Bolsa NY 50% 4,0 E/D 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 Bolsa NY 0% 0,0 1980/ / / / / / / / / / / / / / /09 Safra Nº expressivo de contratos? E/D% Bolsa NY corr Saídas de especuladores? Fonte: Associtrus

9 Fonte: Tavares, 2011

10

11 Novos Estudos - UFSCar

12 1,6 1,4 1,2 1 Indústria SLCC+NFC+Sub Produtor, IEA Indústria SLCC+NFC 0,8 0,6 0,4 0,2 0

13 7 Varejo USA NFC 6 5 Varejo USA Congelado Indústria SLCC+NFC+Sub Indústria SLCC+NFC 1 Produtor, IEA 0

14

15 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% - 10% - 20% - 30% Indústria SLCC+NFC +Sub Produtor, IEA Varejo USA Produtor, IEA Indústria SLCC

16 Elasticidade de transmissão de preços: contundentes indícios de uso de poder de compra Aumentos nos preços de suco recebidos pela indústria não são repassados aos preços da laranja pagos aos produtores no curto prazo Quedas nos preços de suco recebidos pela indústria são repassados de forma significativa aos preços da laranja pagos aos produtores: 44,4% da queda de preço do suco é imediatamente repassada ao preço da laranja.

17 Objetivos: Nova coordenação para as relações citricultores indústria Preços, margens, compromissos, políticas fitossanitárias.

18 Modelo Consecitrus = Consecana Repartição da receita com suco Percentuais de participação: Custo agrícola + custo industrial = Custo total do suco Exemplo: Apuração do custo agrícola = X % do Custo total Apuração do custo industrial = Y % do Custo total Preço pago ao produtor = X% x Preço do suco (+subprodutos?) Fica com a indústria = Y% x Preço do suco (+subprodutos?)

19 Reuniões separadas para discutir custos Custos pomares Planilhas disponíveis: Associtrus CONAB (rodada no cinturão) FAESP MB Associados, em discussão (2012) Custo Industrial? Preço de referência?

20 Estimativa de custos Definir parâmetros: coeficientes técnicos, tamanho médio de pomar, produtividade, etc. Custos industriais:? Preço do suco: NY, Varejo, Roterdã, preço declarado de exportação... Poder de mercado das indústrias: interferência nos preços da bolsa, controle das tradings, associação com grandes engarrafadoras, subfaturamento na exportação? Faturamento com subprodutos?

21

22

23 Consecitrus X Consecana: setor citrícola não é o setor canavieiro: Velhas práticas a serem rompidas Integração vertical Exclusão de produtores Rompimento de contratos Informações não reveladas Voto relator para a fusão: estimativa de produção, volume exportado, previsão de exportação, estoques de suco, preços médios, custos logísticos e de processamento, rendimento da laranja (Cxs de laranja/ tonelada de suco). Fusão condicionada ao Consecitrus Acompanhamento da efetivação das determinações do CADE: Informações obrigatórias Andamento do Consecitrus com progressos comprováveis

24 Como garantir que os acordos estabelecidos em cada safra serão efetivamente cumpridos? Quais os mecanismos que garantirão os acessos às informações? Como garantir credibilidade às auditorias?

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Considerações sobre o texto do voto de aprovação no CADE para a fusão Citrosuco e Citrovita

Considerações sobre o texto do voto de aprovação no CADE para a fusão Citrosuco e Citrovita Considerações sobre o texto do voto de aprovação no CADE para a fusão Citrosuco e Citrovita Hildo Meirelles de Souza Filho 1 Luiz Fernando de Oriani Paullilo 2 O presente texto tem o objetivo de tecer

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP - SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, em 5 de maio de 2000 foi

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP - SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, em 5 de maio de 2000 foi O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP - SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, em 5 de maio de 2000 foi apresentado a esta Casa um projeto de resolução, de autoria do

Leia mais

2. Contextualização do Consecitrus

2. Contextualização do Consecitrus MANIFESTAÇÃO DA ASSOCITRUS SOBRE O MODELO DE PARAMETRIZAÇÃO E DE DIVISÃO DE RISCOS E RETORNO NA CADEIA CITRÍCOLA BRASILEIRA Hildo Meirelles de Souza Filho Márcio Luís Borella Luiz Fernando de Oriani Paulillo

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA NO SETOR CITRÍCOLA E CONSEQUENCIAS DE SUA EXTINÇÃO

A EVOLUÇÃO DOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA NO SETOR CITRÍCOLA E CONSEQUENCIAS DE SUA EXTINÇÃO A EVOLUÇÃO DOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA NO SETOR CITRÍCOLA E CONSEQUENCIAS DE SUA EXTINÇÃO Ana Claudia Vieira Aluna do Programa de Pó-Graduação em Engenharia de Produção e Bolsista FAPESP - Univ. Federal

Leia mais

Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira. Consecitrus.

Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira. Consecitrus. Metodologia de cálculo do modelo de parametrização e de divisão de riscos e retorno da cadeia citrícolabrasileira Consecitrus Novembro de 2012 1 Conceitos básicos: objetivo O objetivo do presente trabalho

Leia mais

Perspectivas da Cadeia Produtiva da Laranja no Brasil

Perspectivas da Cadeia Produtiva da Laranja no Brasil 23 de novembro de 2006 Perspectivas da Cadeia Produtiva da Laranja no Brasil Marcos F. Neves (PENSA) e Marcos S. Jank (ICONE) Estrutura da Apresentação 1. Comércio Exterior - Agronegócio Exportações e

Leia mais

Programa do Evento. Patrocinio: Realização:

Programa do Evento. Patrocinio: Realização: Relato sobre o Workshop Futuro da Citricultura Mundial Evento GCONCI, realizado 24 de junho de 2010 Mauricio Mendes Brasília, 17 de Agosto de 2010 Programa do Evento Patrocinio: Realização: Inspirado no

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

5.4 - Frutas Cítricas

5.4 - Frutas Cítricas 93 5.4 - Frutas Cítricas Os principais países produtores de citros, segundo a FAO, são China, Brasil e Estados Unidos, seguidos por México, Espanha e Itália. Entretanto, por espécie o Brasil é destacadamente

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos 33ª Semana da Citricultura O Mercado Externo de Sucos e a Agenda Setorial São Paulo, 09 de junho de 2011. CONSUMO QUADRO GERAL O suco de laranja representa

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO. Diretor Executivo da Abrapa

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO. Diretor Executivo da Abrapa PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO Diretor Executivo da Abrapa PERSPECTIVAS 16/06/2015 PARA O MERCADO DE ALGODÃO Confidencial Uso Interno X Público 1 AGENDA ALGODÃO NO BRASIL PROJEÇÕES

Leia mais

CITRICULTOR INDEPENDENTE RECEBE MENOS QUE O PREÇO MÍNIMO HÁ TRÊS SAFRAS

CITRICULTOR INDEPENDENTE RECEBE MENOS QUE O PREÇO MÍNIMO HÁ TRÊS SAFRAS CAPA Por Margarete Boteon, Larissa Gui Pagliuca, Fernanda Geraldini Palmieri, Carolina Camargo Nogueira Sales e Renato Garcia Ribeiro Mesmo com preços maiores, Após três anos de preços em patamares baixos,

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE VERTICALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SETOR CITRÍCOLA

A ESTRATÉGIA DE VERTICALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SETOR CITRÍCOLA A ESTRATÉGIA DE VERTICALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SETOR CITRÍCOLA Ana Claudia Vieira Aluna do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Bolsista FAPESP - Univ. Federal de São Carlos -Rod. Washington

Leia mais

Secretaria de Política Agrícola - SPA. safra 2012/2013 de laranja

Secretaria de Política Agrícola - SPA. safra 2012/2013 de laranja Secretaria de Política Agrícola - SPA Apoio àcomercialização da safra 2012/2013 de laranja Resumo conjuntural -Excedente de produção (SP e MG): de 40 a 80 Mi cx; -Estoque elevado de suco: 535 mil toneladas

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Indicadores de Preços de Açúcar para o Mercado Internacional. Detalhamento Metodológico

Indicadores de Preços de Açúcar para o Mercado Internacional. Detalhamento Metodológico Indicadores de Preços de Açúcar para o Mercado Internacional Detalhamento Metodológico Submetido em Abril de 2012 Aplica-se aos Indicadores de Preços do Açúcar para o Sistema Consecana do Estado de SP

Leia mais

CONSECANA - Conselho de Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol do Estado de São Paulo

CONSECANA - Conselho de Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol do Estado de São Paulo CONSECANA - Conselho de Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol do Estado de São Paulo CIRCULAR Nº 02/12 DATA: 17 de abril de 2012 Ref.: Nova metodologia de apuração dos indicadores de preço do açúcar

Leia mais

Estrutura da Indústria de Suco de Laranja Concentrado Uma Investigação do Complexo Agroindustrial Citrícola Paulista

Estrutura da Indústria de Suco de Laranja Concentrado Uma Investigação do Complexo Agroindustrial Citrícola Paulista Estrutura da Indústria de Suco de Laranja Concentrado Uma Investigação do Complexo Agroindustrial Citrícola Paulista Elói Martins Senhoras 1 Kelly Pereira Takeuchi 2 Katiuchia Pereira Takeuchi 3 eloi@ige.unicamp.br

Leia mais

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 8 o Dia do HLB Cordeirópolis/SP 12 de Março 2015 Agronegócio Citrícola Brasileiro Agronegócio Citrícola Brasileiro 2010 PIB: US$ 6,5 bilhões (Ext. 4,39 + Int. 2,15)

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

Safra 2013/2014. Primeira Estimativa. Maio/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1

Safra 2013/2014. Primeira Estimativa. Maio/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Safra 2013/2014 Primeira Estimativa São Paulo e Triângulo Mineiro Maio/2013 Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Companhia Nacional de

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Plantando laranjas, enterrando citricultores!

Plantando laranjas, enterrando citricultores! Plantando laranjas, - Ano 9 - Número 47 enterrando citricultores! Em parceria com a Cutrale, a Coca-Cola compra quase um terço da safra de laranja da Flórida, apoiando mais de 400 produtores locais. A

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

O RETRATO DA CITRICULTURA BRASILEIRA

O RETRATO DA CITRICULTURA BRASILEIRA O RETRATO DA CITRICULTURA BRASILEIRA Marcos Fava Neves (Coordenador) Vinícius Gustavo Trombin Patrícia Milan Frederico Fonseca Lopes Francisco Cressoni Rafael Kalaki 20 de Outubro de 2010 Índice 1. O AGRONEGÓCIO

Leia mais

OS IMPACTOS DE UMA ASSOCIAÇÃO

OS IMPACTOS DE UMA ASSOCIAÇÃO MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Além da hierarquia: como implantar estratégias participativas para administrar a empresa enxuta. São Paulo: Atlas, 1995. TORQUATO, Francisco Gaudêncio. Marketing político

Leia mais

MARIE ANNE NAJM CHALITA; IEA SÃO PAULO - SP - BRASIL. mariechalita@iea.sp.gov.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA DE DEBATEDOR

MARIE ANNE NAJM CHALITA; IEA SÃO PAULO - SP - BRASIL. mariechalita@iea.sp.gov.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA DE DEBATEDOR A EVOLUÇÃO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS ENTRE CITRICULTORES E INDÚSTRIAS PROCESSADORAS DE SUCO NA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E SUA EXPRESSÃO NO DESENVOLVIMENTO SETORIAL MARIE ANNE NAJM CHALITA; IEA SÃO PAULO - SP

Leia mais

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A Edição nº 20 maio de 2011 EDIÇÃO ESPECIAL DE FECHAMENTO SAFRA O Informe Especial da Canaoeste tem como objetivo, transmitir aos associados todas as informações relevantes da safra 2010/2011, encerrada

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

Segunda Estimativa. Agosto/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1

Segunda Estimativa. Agosto/2013. São Paulo e Triângulo Mineiro. Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Safra 2013/2014 Segunda Estimativa São Paulo e Triângulo Mineiro Agosto/2013 Acompanhamento da Safra de Laranja 2013/14 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Companhia Nacional de

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

A coordenação agroindustrial citrícola brasileira e os novos recursos de poder: dos políticos aos jurídicos

A coordenação agroindustrial citrícola brasileira e os novos recursos de poder: dos políticos aos jurídicos 1 A COORDENAÇÃO AGROINDUSTRIAL CITRÍCOLA BRASILEIRA E OS NOVOS RECURSOS DE PODER: DOS POLÍTICOS AOS JURÍDICOS LUIZ FERNANDO PAULILLO; LUIZ MANOEL ALMEIDA; FABIANA ORTIZ MELLO; UFSCAR SÃO CARLOS - SP -

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA PARA UM NOVO MODELO DE GOVERNANÇA NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CITRÍCOLA BRASILEIRO

CONTRIBUIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA PARA UM NOVO MODELO DE GOVERNANÇA NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CITRÍCOLA BRASILEIRO CONTRIBUIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA PARA UM NOVO MODELO DE GOVERNANÇA NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CITRÍCOLA BRASILEIRO Organic Certification s Contribution to a New Governance Model in the Brazilian Citrus

Leia mais

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br. 36a Semana da Citricultura 02 a 05 de Junho de 2014 Cordeirópolis (SP)

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br. 36a Semana da Citricultura 02 a 05 de Junho de 2014 Cordeirópolis (SP) Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 36a Semana da Citricultura 02 a 05 de Junho de 2014 Cordeirópolis (SP) Revista Citricultura Atual... Uma Centena de Boas Informações Fatores impactantes na Florida

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO PESQUISA DE ESTIMATIVA DE SAFRA (PES) Coleta e divulgação de dados sobre a produção de citros

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO DE CITRUS: LARANJA

RELATÓRIO DE MERCADO DE CITRUS: LARANJA RELATÓRIO DE MERCADO DE CITRUS: LARANJA Setembro de 2008 Mercado Internacional O Brasil e os Estados Unidos dominam a produção mundial de laranja in natura, respondendo por mais de 50% da oferta anual

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas)

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas) Preços da mamona se recuperam 1. A produção e o consumo mundial de óleos vegetais se elevam A produção mundial de óleos vegetais aumentou aproximadamente 400 entre 1974/75 e 2006/07, passando de 25,7 hões

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014

CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014 CASTANHA DE CAJU Período: 01 a 30/09/2014 1.MERCADO INTERNO 1.1. Preços Quadro 1 Preços: Recebidos pelos Produtores - FOB e Paridade Estados Unidade 12 (a) meses 1 (b) mês Média de Mercado Preço Atual

Leia mais

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011 ALGODÃO Período: 9 a 23/09/20 Quadro I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores Semana Atual Centros de Produção Unid. 2 meses () mês () semana () Média do mercado

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 LARANJA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 LARANJA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA Data: 25/3/96 N o 7 LARANJA Introdução O mercado mundial de suco de frutas movimenta em torno de US$ 4,3 bilhões/ano, sendo

Leia mais

CONFLITOS, CRISES, COMPETITIVIDADE E COORDENAÇÃO: ATUAÇÃO E PERSPECTIVAS DOS AGENTES DO AGRONEGÓCIO CITRÍCOLA

CONFLITOS, CRISES, COMPETITIVIDADE E COORDENAÇÃO: ATUAÇÃO E PERSPECTIVAS DOS AGENTES DO AGRONEGÓCIO CITRÍCOLA CONFLITOS, CRISES, COMPETITIVIDADE E COORDENAÇÃO: ATUAÇÃO E PERSPECTIVAS DOS AGENTES DO AGRONEGÓCIO CITRÍCOLA Ana Claudia Giannini Borges UNIVEM Centro Universitário Eurípides de Marília Endereço: Avenida

Leia mais

Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus. URI GOLDSTEIN, M.Sc.

Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus. URI GOLDSTEIN, M.Sc. Custos de Implantação e Amortização de Sistemas de Irrigação Localizada em Citrus URI GOLDSTEIN, M.Sc. A Globalização e a Abertura Comercial Quais as estratégias? Competição em custos Eficiência tecnológica

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro Gerenciamento de citros e custos de produção Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro FARM FARM ATAC Pesquisa Consultoria (Produção e econômica) Produção Convênio com EECB Estação de pesquisa 08 Agrônomos

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO DAL MONTE 1, Hélio Luiz Beretta FERNANDES 2, Inês Leal de Andrade GOMES 3, Jairo

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

MARIA FLÁVIA DE FIGUEIREDO TAVARES

MARIA FLÁVIA DE FIGUEIREDO TAVARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONEGÓCIOS (CEPAN) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS O MERCADO FUTURO DE SUCO DE LARANJA CONCENTRADO E CONGELADO: UM

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras.

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Câncer Por que o Brasil tem vocação agrícola? Capricórnio Zona quente ou Intertropical Quatro fatores são fundamentais para

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

citricultura brasileira

citricultura brasileira Prof. Dr. Marcos Fava Neves FEA/USP Ribeirão Preto (Coordenador) O retrato da citricultura brasileira Elaboração: Markestrat Centro de Pesquisa e Projetos em Marketing e Estratégia Autores Marcos Fava

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

EVOLUÇ ÃO DA PRODUTIVIDADE NA CITRICULTURA PAULISTA

EVOLUÇ ÃO DA PRODUTIVIDADE NA CITRICULTURA PAULISTA EVOLUÇ ÃO DA PRODUTIVIDADE NA CITRICULTURA PAULISTA Denise Viani Caser Antonio Ambrosio Amaro 2 - INTRODUÇÃO 2 No decorrer de sua história, a citricultura brasileira mostrou fases de expansão e de retração,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Milho Período: 22 a 26/06/2015

Milho Período: 22 a 26/06/2015 Milho Período: 22 a 26/06/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0885 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro Robson Mafioletti Eng. Agr., MSc. Economia Aplicada - Diretor da AEAPR-Curitiba, Conselheiro Titular do CREA/PR Atua na Getec/Ocepar

Leia mais

OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA

OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA EDISON JOSÉ USTULIN Presidente da Comissão Nacional

Leia mais

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 Possibilidade de Comercialização de Arroz no Mercado Futuro Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 1 Estrutura

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Fechamento Máxima Mínimo Variação set/13 144,45 150,00 143,95-4,05 120,60 124,25 119,35-2,85 dez/13 148,50

Leia mais

Tendências de Mercado

Tendências de Mercado Tendências de Mercado Produto - BOI GORDO (Arroba) Feira de Santana 77,00 77,00 77,00 77,00 Itapetinga 71,00 71,00 71,00 FERIADO 71,00 Santo Antonio de Jesus 76,00 76,00 76,00 76,00 Salvador 78,00 78,00

Leia mais

SUCO DE LARANJA: PLANO DE NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO INTERNO

SUCO DE LARANJA: PLANO DE NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO INTERNO SUCO DE LARANJA: PLANO DE NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO INTERNO Prof. Dr. Marcos Fava Neves Professor Titular de Estratégia, Planejamento e Marketing FEA/USP Vinícius Gustavo Trombin Doutorando

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Valores (US$ FOB) (5.000.000) 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 65.000.000 55.000.000 45.000.000 35.000.000 25.000.

Valores (US$ FOB) (5.000.000) 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 65.000.000 55.000.000 45.000.000 35.000.000 25.000. 8 A participação da indústria óleo-citrícola na balança comercial brasileira Silva Santos, A 1 ; Bizzo, H R 2 ; Antunes, A M S 3 ; D Avila, l A 3 1 Instituto Nacional da Propriedade Industrial Praça Mauá,7,281-9

Leia mais

Associtrus alerta o setor produtivo sobre as alterações na Lei do Cade

Associtrus alerta o setor produtivo sobre as alterações na Lei do Cade Maio/junho de 2007 - Ano 3 - Número 12 Associtrus alerta o setor produtivo sobre as alterações na Lei do Cade Indústrias poderão ser beneficiadas por modificações que permitirão celebrar acordos para cessar

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura Instrumento de Defesa Sanitária Programa de Seguro Sanitário da Citricultura 1 Reportagem com comentários do Dr. Lourival Monaco e Dr. Juliano Ayres do FUNDECITRUS O setor produtivo e pesquisadores estimam

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1

SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1 III SEMEAD SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1 Marcos Fava Neves (*) Roberto Silva Waack (**) Adriana Mamone (***) RESUMO Este

Leia mais

Louis Dreyfus Commodities. Cutrale. Citrovita. Citrosuco. Associadas. www.citrosuco.com.br. www.citrovita.com.br. www.cutrale.com.

Louis Dreyfus Commodities. Cutrale. Citrovita. Citrosuco. Associadas. www.citrosuco.com.br. www.citrovita.com.br. www.cutrale.com. A Indústria Brasileira de suco de laranja Associadas Citrosuco www.citrosuco.com.br Citrovita www.citrovita.com.br Cutrale www.cutrale.com.br Louis Dreyfus Commodities www.ldcommodities.com.br 1 Das laranjas

Leia mais

A Emergência dos Conselhos Setoriais na Agroindústria Brasileira: gênese de uma governança mais ampla? 1

A Emergência dos Conselhos Setoriais na Agroindústria Brasileira: gênese de uma governança mais ampla? 1 página A Emergência dos Conselhos Setoriais na Agroindústria Brasileira: gênese de uma governança mais ampla? 1 Walter Belik 2, Luiz Fernando Paulillo 3 e Carlos Eduardo de Freitas Vian 4 Resumo: O artigo

Leia mais