ANÁLISE DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO DE PESQUISAS SÓCIO-PEDAGÓGICAS PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO ROSSANA MUNIZ CAPUTO Prof. MARCO A. LAROSA RIO DE JANEIRO 2002

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO DE PESQUISAS SÓCIO-PEDAGÓGICAS PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO ROSSANA MUNIZ CAPUTO Prof. MARCO A. LAROSA RIO DE JANEIRO 2002

3 AGRADECIMENTOS A todos os autores, alunos e pessoas que, direta e indiretamente contribuíram para a confecção desta monografia.

4 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia ao meu noivo que tanto colaborou para sua confecção e aperfeiçoamento.

5 RESUMO Nos dias de hoje, o potencial de exportação não se limita às grandes empresas. Este tabu já caiu não existe mais. As pequenas e médias empresas têm de se internacionalizar, quer exportando os seus produtos ou buscando tecnologia no resto do mundo. A consolidação do Plano Real comtemplou-nos com uma redução drástica da inflação, redução da taxa de juros, aumento do endividamento público e um enorme déficit nas transações correntes. Muitas empresas diminuíram suas exportações e aumentaram suas importações, gerando um déficit na balança comercial.

6 METODOLOGIA Neste trabalho foi utilizado bibliografias de Comércio Exterior, a operacionalidade de empresas de comércio internacional, Noções básicas de exportação, e Normas administrativas de exportação do SECEX, BACEN e DECEX.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO II CONDIÇÕES DOS PRODUTOS EXPORTADOS CAPÍTULO III MOVIMENTAÇÃO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS CAPÍTULO IV FORMAS DE PAGAMENTO CAPÍTULO VI NORMAS ADMINISTRATIVAS DAS EXPORTAÇÕES CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

8 INTRODUÇÃO Muitos são os empresários que se questionam sobre qual realmente seja a razão de ingressar no mercado internacional, dadas as dificuldades normalmente encontradas nas primeiras operações, tais como emissão de documentos, negociações de cambio e outras. A resposta mais abrangente desta questão poderia ser resumida no objetivo empresarial de busca de lucros, com maior eficiência. Isto se deve, inicialmente, ao fato de que a atividade de comercialização externa atende a múltiplos interesses, seja no aspecto privado da questão, seja no aspecto oficial determinado pelas próprias diretrizes governamentais que amparam e incentivam o comercio internacional. Deve-se, no entanto, ater-se a aspectos mais reflexivos no pressuposto, já apresentado, de que a tomada de decisões empresarias no mercado externo deve ser precedida de uma série de reflexões, visando estabelecer o necessário clima de serenidade profissional. A serenidade profissional estabelece para a empresa condições para a exportação e a visão mais abrangente de que esta atividade não deve ser vislumbrada como eventual, sob risco de que os esforços e investimentos feitos não atinjam jamais sua plena maturação. A exportação é um meio pelos quais as empresas se internacionalizam, e o acesso ao mercado internacional pressupõe um estagio superior de crescimento que envolve aspectos extremamente positivos para os resultados globais da empresa. Cabe ainda ressaltar que o marcado internacional, normalmente, serve de equilíbrio0 para regular a demanda das empresas.

9 CAPÍTULO I CANAIS DE DISTRIBUICAO Tradicionalmente, quando pensamos no mercado internacional, estamos imaginando de um lado um fabricante e de outro lado um importador. Contudo, devemos analisar também, as demais opções disponíveis no mercado que, alias, estão previstas na legislação e poderão se tornar ótimas alternativas quando não se esta bem familiarizado com o processo. Podemos dividir as exportações em dois grupos: Exportações diretas Exportações indiretas As exportações diretas são quando o fabricante e o exportador tem a mesma razão social, isto quer dizer que não há qualquer interveniência de outras empresas ou organizações no processo de exportação. Por outro lado, nas exportações indiretas, obrigatoriamente teremos a interveniência de uma terceira empresa que fará o papel de exportador. As exportações indiretas podem ser efetuadas através de dois tipos de empresas que poderão intervir no processo de exportação: Trading companies; Comerciais Exportadoras, Consórcios ou Cooperativas.

10 As intermediações de uma Trading co. são comparadas a uma exportação direta, isto é, as vantagens são as mesmas que numa exportação direta. As exportações através de Trading co. também são chamadas de EQUIPARADAS, porque as responsabilidades fiscais terminam no momento em que o fabricante emite a nota fiscal contra as Trading Co. e entrega a mercadoria no deposito ou local por esta indicado. O prazo legal para uma Trading com. Efetuar o embarque da mercadoria para o exterior é de 180 dias, caso este prazo não seja cumprido, deve-se proceder à internação da mercadoria e recolher todos os tributos isentos no ato da compra. Já a interveniência de qualquer uma das organizações acima, também conhecidas como INTERVENIENTES, não goza dos mesmos benefícios das tradings. A responsabilidade do fabricante não termina no momento da emissão da nota fiscal e entrega da mercadoria ao exportador. O prazo legal para que o interveniente efetue o embarque da mercadoria para o exterior é de seis meses, contando da data do faturamento da mercadoria pelo fabricante contra a empresa interveniente e caso a exportação não seja efetuada dentro do prazo, o fabricante deverá recolher todos os tributo suspensos no ato da venda.

11 1.1 - AGENTES COMERCIAIS INTERNACIONAIS Atuam no agenciamento e intermediações internacionais de compras e vendas, mediante o pagamento de uma comissão, que é ajustada antes do fechamento da operação. Os agentes, normalmente, não possuem contratos formais e buscam investigar mercados e produtos para conciliar os interesses do importador e do exportador REPRESENTANTES COMERCIAIS INTERNACIONAIS Atuam de forma mais formal, com contrato, área de atuação delimitada e, normalmente, têm uma comissão garantida sobre todos os negócios realizados dentro de sua área de atuação. Como tal, procuram ajustar os interesses de suas representadas aos interesses do mercado internacional. A contratação de um representante internacional nem sempre é uma tarefa fácil, pois ele irá representar a empresa no exterior onde não se tem controle sobre sua forma de atuação e desempenho. Antes da contratação, é recomendável que se faça uma investigação a respeito da empresa ou da pessoa, em se tratando de pessoa física. Portanto, for Pessoa Jurídica cadastrada no REI - Registro de Exportadores e Importadores da SECEX - Secretaria do Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior - MDIC (este cadastramento pode ser efetuado através de qualquer conexão com o SISCOMEX- Sistema Integrada de Comércio Exterior - e, normalmente, é concretizado no primeiro processo de exportação da Empresa, necessitando tara tal que sejam informados CNPJ, constituição societária, capital social e outros dados cadastrais).

12 CAPÍTULO II CONDIÇÕES DE PRODUTOS EXPORTADOS Aparentemente, qualquer produto poderá ser exportado. Mas, existem controles mantidos pelo SECEX, contidos nos Anexos "A" a "J" da Portaria SCE 2/92, que devem ser consultados antes que se inicie qualquer procedimento de contato ou de negociação com o Exterior. Existem produtos com exportação proibida, outros com exportação suspensa, terceiros que sujeitam-se a autorizações prévias, e os produtos que pretende-se exportar podem ter que se adequar às exigências da legislação do País importador ou, ainda, atender hábitos, a tradições e a outras imposições sociais de seus compradores MARCA DO EXPORTADOR Marca é um sinal distintivo de qualquer natureza, que pode ser representado visual, verbal ou figurativamente, através de desenhos, letras ou símbolos que identifiquem a empresa ou o produto em relação a seus concorrentes, na mesma linha de produção. A proteção da marca é fator fundamental para perpetuação e notoriedade da marca, devendo a empresa ter a preocupação de registrar suas marcas antes de lançar seus produtos no mercado nacional ou internacional. É importante lembrar que, antes de solicitar o registro de uma marca no exterior, esta deverá estar devidamente registrada no país e deve-se analisar os seguintes critérios: Necessidade de registro; Se a marca não está registrada;

13 Se o produto a ser exportado para aquele país é de livre importação; Se a marca não ofende os usos e costumes daquele país; QUALIDADE DOS PRODUTOS EXPORTADOS A qualidade tornou-se um fator exponencial de competitividade, a ponto de figurar na maioria dos casos como parte contratual, e são evidentes as razoes para tais exigências. Nenhum consumidor perdoará um fabricante que lhe venda produtos frágeis ou mal embalados, de pouca durabilidade e de confiabilidade duvidosa. Se a qualidade dos produtos for apreciada pelo seu justo valor, um sistema de controle da qualidade corretamente aplicado pode representar o fermento indispensável para a elevar a produção, tanto em nível nacional, quanto para o mercado externo EMBALAGEM A importância da embalagem está vinculada ao fato de que o produto importado, seja em que país for, sempre é visto de maneira especial, e a atitude do consumidor é diferente da que mantém em relação a um produto fabricado em seu próprio país. A embalagem tem por função, essencialmente, promover e proteger o produto. Para atender ao primeiro aspecto, a adequação da embalagem de exportação deve esgotar o aspecto mercadológico do problema: Atitude dos consumidores; Peculiaridades mercadológicas;

14 Concorrência; Legislação ambiental. Quanto ao segundo aspecto, não podem ficar de fora os fatores como o das condições de transporte, estocagem, manuseio, venda, clima e outras variáveis físicas MARCAÇÃO DOS VOLUMES E PRODUTOS A marcação dos volumes destinados para exportação é importante, embora nos dias atuais, a grande maioria das mercadorias seja transportadas em containers que são previamente numerados e de fácil identificação. Portanto, ela perdeu importância em relação a identificação do importador, mas ao mesmo tempo, agregou outras. No momento da desovação, do container, o importador devera Ter condições de identificar o conteúdo de cada volume, sem ter que abrílo. Os dados indispensáveis na marcação dos volumes são: o nome do importador (abreviado se necessário), numero do volume, numero do pedido do importador, peso bruto e líquido, nome do exportador e país de origem CONDIÇÕES DE VENDA- INCOTERMS Visando universalizar e dar precisão aos termos utilizados nos contratos de compra e venda das mercadorias, a Câmara de Comércio Internacional definiu, em 1936 as Incoterms que, no decorrer dos anos, foram adaptadas, e a última reformulação foi efetuada em 1990.

15 As condições de entrega do produto nas transações internacionais deverão ser estabelecidas com muita precisão para que não se deixe de considerar nenhum aspecto que, muitas vezes, nos parece irrelevante, mas numa transação internacional, é de extrema importância. Não se pode admitir, no comercio internacional, que não se conheçam as Incoterms, que constituem um contrato bilateral com apenas três silabas. As condições mais utilizadas são: FOB- Free on bord- Livre a bordo; CFR- Cost and Freigth- Custo e frete; CIF- Cost, Insurance and Freight Custo, seguro e frete; EXW- Ex Works- A partir do local de producao (Ex- Fabrica); FAZ- Free along Side Ship- Livre no constado do navio; FCA- Free carrier- Transportador livre; CPT- Carriage paid to- Transporte pago até; CIP- Carriage and Insurance paid to- Transportador e seguro pago até; DAF- Delivered at Frontier- Entregue na fronteira. Talvez fosse interessante verificar, primeiro, onde vender seus produtos. A não ser, é claro, que Você já tenha, em carteira, pedidos garantidos a compradores bem definidos. Mas, verificar onde vender irá permitir detectar, primeiro, informações estatísticas sobre o mercado onde Você pretende atuar (através da SECEX ou do MRE - Ministério das Relações Exteriores) definindo se o mesmo é crescente, decrescente ou estável em ralação às quantidades ou aos valores que importa do Brasil e, principalmente, qual a performance de seus eventuais concorrentes.

16 Detectados os Países receptivos (e que sejam interessantes para sua Empresa em termos de abrangência de mercado, de preços internos praticados, de diferenças cambiais, de sazonalidade, de embalagens, de exigências técnicas e sanitárias, de custo dos transportes, de segurança nas operações de comércio exterior e de transparência legal nestas operações) Você irá prospectar as possíveis Empresas interessadas nos seus produtos. Para tanto, utilize as seguintes fontes de consulta: os Boletins de Informações de Mercado - BIM e os Boletins de Oportunidades Comerciais - BOC do Departamento de Informação Comercial do MRE, nossas representações Diplomáticas no Exterior, as Câmaras de Comércio e os Consulados instalados no Brasil, sua Associação de Classe, os Escritórios Sebrae, o Banco do Brasil, com seu programa de Geração de Negócios Internacionais - PGNI e, numa fase que já exigirá um preparo especial do Exportador, as viagens internacionais e as participações em feiras e em exposições internacionais.

17 CAPÍTULO III MOVIMENTAÇÃO INTERNACIONAL DE MERCADORIAS Entre os elementos que condicionam a vida e o bem-estar, a evolução, o desenvolvimento e a riqueza de um país, os meios de transporte ocupam um lugar de grande destaque, pois é certo que nem todos os produtos podem ser produzidos no local onde são consumidos. Os principais fatores que irão determinar o meio de transporte a ser utilizado são: Situação geográfica; Urgência; Custo; Tipo de produto. A partir de uma análise dos fatores acima, torna-se fácil tomar uma decisão sobre qual meio de transporte a ser utilizado nas mais diversas situações TRANSPORTE AÉREO O transporte aéreo, apesar de ser o meio de transporte mais caro, vem ganhando cada vez mais espaço no intercâmbio comercial entre os países. A sua utilização correta pode ser decisiva na introdução de determinados produtos no mercado internacional, em função da rapidez e segurança.

18 É regulamentado pela I.A.T.A- International Air Transport Association- que estabelece as tarifas de frete, fiscaliza sua aplicação e exerce o controle sobre as atividades das companhias aéreas. Existem quatro categorias de tarifas de transporte aéreo internacional: Tarifa Geral 1. Tarifa mínima de 1 a 5 Kgs. 2. Tarifa para embarques de 5 a 45 Kgs 3. Tarifas para quantidades com peso superior a 45 Kgs Tarifas Classificadas- São percentuais adicionados a tarifa mínima 1. Bagagem não acompanhada; 2. Jornais, livros, impressos e catálogos; 3. Material em braile; 4. Animais vivos; 5. Restos mortais e urnas; 6. Ouro, platina e valores em geral. Tarifas específicas- São aplicadas a certos produtos específicos dentro de regiões especificas. Tarifas por volume- São utilizadas para cargas inutilizadas, por peso bruto ou pelo volume da mercadoria. Carga Preferencial- Consiste de marcadorias perecíveis, que tem prioridade no embarque TRANSPORTE MARÍTIMO O transporte marítimo é responsável por cerca de 90% de toda a movimentação internacional de mercadorias. Em nosso país, o transporte internacional marítimo é disciplinado pelo Departamento da Marinha Mercante (D.M.M.).

19 Internacionalmente, quem disciplina o transporte marítimo são as conferências de fretes, organismos privados de caráter internacional, que representam os armadores atuantes numa determinada área. Paralelamente às conferências, existem os OUTSIDERS, armadores que não fazem parte de nenhuma conferência, que na maioria das vezes, tem uma rota fixa, sem estarem sujeitos a regularidade e freqüência como os navios conferenciados. Temos ainda, uma categoria conhecida como TRAMPS, armadores independentes, que operam em função da oportunidade de negócios. Normalmente, não operam em linhas regulares e fixas, e são utilizados para transporte de mercadorias a granel e cobram em função da viagem realizada TRANSPORTE FERROVIÁRIO O intercâmbio comercial com Argentina, Bolívia, Chile, Uruguai e Paraguai também se processa via ferroviária. Normalmente este meio de transporte é combinado, de alguma forma, com o transporte rodoviário. Normalmente este transporte é combinado, de alguma forma, com o transporte rodoviário, principalmente para Bolívia. Neste caso, o contrato de transporte é firmado somente com a empresa de transporte rodoviário, embora a mercadoria seja transportada em parte do trajeto via ferroviária TRANSPORTE RODOVIÁRIO O transporte rodoviário no Cone Sul da América é regido pelo Convênio sobre Transporte Internacional e Terrestre, firmado entre Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, BOLÍVIA, Chile e Peru. Este convênio formulou a

20 regulamentação conjunta do transporte internacional de cargas por estradas de rodagem na região sul do continente e permitiu, não só a garantia regular de trânsito dos veículos de carga nos países signatários, como também proporcionou às empresas permissionárias um regulamento com perfeita determinação de seus direitos e obrigações. Dentro do país é o DNER- Departamento Nacional de Estradas de Rodagens- órgão que fiscaliza e normatiza o transporte rodoviário. Uma das características mais importantes deste meio de transporte é a freqüência e simplicidade de funcionamento, a custo razoável. Desta forma, o desenvolvimento do comercio internacional encontrase estritamente ligado a um amplo e diversificado sistema de transporte. Analisando este ângulo, torna-se evidente que os custos, a velocidade e a freqüência exercem uma grande influência nos preços das mercadorias, assim como os métodos de comercio e distribuição de bens de consumo. O custo o transporte interno, adicionado ao custo de transporte internacional, até pode inviabilizar uma operação, levando-se em conta que qualquer importador sempre irá analisar o custo da mercadoria colocada no seu depósito, isto é custo CIF mais as despesas portuárias e impostos.

21 CAPÍTULO IV FORMAS DE PAGAMENTO Assim como no mercado nacional, no mercado internacional, temos diversas formas de pagamento; algumas envolvendo maiores e outras menores riscos de crédito. Um conhecimento sobre as formas de pagamento disponíveis dar-nos-á uma certa tranqüilidade numa negociação internacional. As formas de pagamentos usuais são: REMESSA ANTECIPADA É também conhecida como pagamento antecipado. É uma forma de pagamento pouco comumno comercio internacional, por se tratar de um contrato unilateral, em que o importador terá que confiar totalmente na idoneidade do exportador. A remessa antecipada consiste na remessa, por parte do importador, de ordem de pagamento, cheque bancário ou entrega em espécie ao exportador, antes do efetivo embarque da mercadoria. Para o exportador, esta é a forma mais segura possível, já para o importador, o risco é muito grande, pois a garantia de recebimento da mercadoria está nas mãos do exportador.

22 4.2 - COBRANÇA À VISTA OU À PRAZO Ao contrário da remessa antecipada, o risco, neste caso, é unicamente do exportador. Para minimizar os riscos, deve-se observar alguns critérios básicos ao aceitar esta forma de pagamento: O cliente é tradicional? O cliente compra com regularidade O país de destino tem controle cambial Existe informações cadastrais deste cliente? Se todas as respostas forem satisfatórias, o risco diminui, embora não está descartada a hipótese do importador, por qualquer razão, não retirar os documentos do banco e deixar a mercadoria à disposição do exportador no exterior. A cobrança poderá ser à vista ou à prazo, de acordo com as normas vigentes. Pode-se se conceder um prazo de até 180 dias sem anuência prévia do Banco Central. Isto não quer dizer que prazos maiores não poderão ser concedidos. Para a concessão de prazos de pagamentos superiores a 180 dias, será necessário uma autorização expressa do Banco Central, u seja fazer um ROF (Registro sobre Operações Financeiras) CARTAS DE CRÉDITO Carta de crédito documentário é um compromisso de pagamento por escrito, emitido por um banco (banco emissor) a favor do exportador (beneficiário) a pedido e de acordo com as instruções do importador (tomador), pelo qual o banco se compromete a pagar, aceitar ou negociar certa soma em dinheiro contra

23 apresentação de determinado documentos e o cumprimento de certas exigências dentro de um prazo limitado. As cartas de crédito são regulamentadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI), através de regras de usos e uniformes sobre créditos documentários. O pedido de abertura da carta de crédito é formalizado através de um impresso próprio, fornecido pelo banco, conhecido como proposta de abertura de crédito documentários, em que já se encontram as cláusulas, sob as quais o crédito deverá ser instituído, e os detalhes que serão fornecidos pelo próprio importador CONVÊNIO DE CRÉDITO RECÍPROCO (CCR) O Convênio de Crédito Recíproco (CCR) é um acordo multilateral de recebimento e pagamentos, que visa fomentar o intercâmbio comercial da América Latina e reduzir as transferências financeiras entre os países da ALADI. A negociação pode abranger qualquer tipo de produto de importação e exportação. Todas as negociações são feitas em dólares dos Estados Unidos da América COUNTER TRADE Não existe definição, em nível internacional, do que vem a ser a expressão counter trade. Nós, no Brasil, a definimos como comércio internacional de trocas, e em outros lugares, também é conhecida como comércio de barganha ou transações de compensação. Uma definição prática que poderíamos dar a counter trade seria a troca de mercadorias entre países.

24 CAPÍTULO V NORMAS ADMINISTRATIVAS DAS EXPORTAÇÕES As normas do comércio exterior brasileiro são determinadas pela Secretaria de Comérco Exterior, subordinada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. 5.1 REGISTROS SISCOMEX Qualquer empresa que queira formalizar a sua primeira operação com o mercado externo deverá providenciar o seu Registro do exportador, também conhecido como REI- Registro do Exportador e Importador, que credenciará a empresa para entrar no sistema automatizado do SISCOMEX. Este credenciamento é feito somente na primeira operação, junto à Delegacia da Receita Federal REGISTRO DE EXPORTAÇÃO Efetuado o registro do Exportador, o exportador estará habilitado a solicitar o Registro de Exportação- RE, que é a autorização prévia da exportação solicitada, via computador ou diretamente via DECEX, através de um sistema integrado on line conhecido por SISCOMEX. Deverão ser fornecidas informações comerciais, financeiras, cambiais e fiscais relativas ao seu processo de exportação

25 SOLICITAÇÃO DE DESPACHO A solicitação de Despacho é o documento solicitado pelo despachante aduaneiro, no porto de embarque da mercadoria. A SD é solicitada ao sistema integrado pelo despachante aduaneiro, como forma de liberação da mercadoria para embarque no porto, aeroporto ou fronteira COMPROVAÇÃO DE EMBARQUE- CE Efetuando o embarque da mercadoria, o despachante aduaneiro solicita ao sistema a comprovação de embarque, que é o documento que comprova a efetiva venda para o exterior DOCUMENTOS DE USO INTERNO Documentos de uso interno são todos os documentos que transitam apenas dentro do país, que são: CONTRATO DE CÂMBIO É o documento que comprova a conversão da moeda, fruto de uma operação no mercado internacional, quer na exportação ou na importação. Tanto na exportação como na importação, este documento poderá ser emitido antes ou após o efetivo embarque da mercadoria.

26 NOTA FISCAL A Nota Fiscal dá cobertura fiscal ao trânsito da mercadoria a ser exportada. Instruirá a movimentação interna até o local de efetivo embarque para transporte internacional e integrará o processo de desembaraço alfandegário, esta Nota Fiscal constitui-se nos modelos 1 ou 1A, deve ser emitida em nome do Importador com o respectivo endereço do País de destino e terá, como principal Código Fiscal da Operação, o lançamento 7.11 (para aquele Exportador que é o próprio Fabricante/Produtor das mercadorias exportadas). Nossa legislação exige que a Nota Fiscal seja preenchida com valores em Reais, resultante da conversão da moeda estrangeira negociada, e esta sistemática pode gerar situações conflitantes, dependendo da data de contratação do câmbio e da destinação dos valores resultantes, se para fins cambiais ou para fins fiscais, o regulamento do ICMS de seu Estado e não esqueça que as exportações também se sujeitam ao Regulamento do IPI em todos os seus tratamentos fiscais, normalmente, as Alfândegas exigem a citação, no corpo da Nota Fiscal, do número atribuído ao RE que ampara a exportação em curso DOCUMENTOS DE USO EXTERNO Documentos de uso externo são os documentos que não tem qualquer conotação fiscal dentro do país. São os documentos que o importador irá utilizar para efetuar o desembaraço da mercadoria no seu país. Os principais documentos de uso externo são:

27 FATURA PRÓ FORMA A fatura pró forma, serva para formalizar uma proposta de compra ou pedido e, ao mesmo tempo, serve para formalizar a importação junto às autoridades aduaneiras do país importador FATURA COMERCIAL A fatura comercial é o documento que substitui a nota fiscal no mercado internacional. A fatura comercial, é uma cópia da fatura pró forma, mas, neste caso, é o documento hábil para que o importador possa nacionalizar a mercadoria no país. É o espelho de sua transação comercial internacional, onde constará todos os pormenores da operação, tais como características dos produtos, quantidades, número e tipo de volumes, valores negociados, locais de origem e destino. Como documento básico do comércio exterior, serve como comprovante, da relação comercial, tanto no desembaraço aduaneiro como nos procedimentos de pagamento do Exportador, toda Fatura deve ser numerada, e esta numeração constará em todos os documentos que instruem o processo de exportação deve ser elaborada no idioma do País importador ou, na sua impossibilidade, no idioma inglês, para negociação bancária, são necessárias três vias originais, normalmente, toda fatura deve ser datada e assinada, devendo esta assinatura estar identificada. A Fatura Comercial deve conter: termos de pagamento, dados do veículo transportador, local de embarque e de destino, identificação dos volumes, pesos líquido/bruto e descrição completa das mercadorias, com preços unitários e eventuais descontos ou acréscimos

28 LISTA DE EMBALAGEM A lista de embalagem é o documento que lista todos os volumes e seus respectivos conteúdos e pesos. Tem duas finalidades: No momento do embarque e no porto de destino, as mercadorias são inspecionadas com a conferência na lista de embalagem CERTIFICADO DE ORIGEM São vários os certificados de origem disponíveis, sendo que sua principal finalidade é a de atestar a procedência e origem da mercadoria. Com base na oirgem, são concedidas reduções, ou até mesmo isenções, tas tarifas aduaneiras no país de destino. É o documento que atesta a origem das mercadorias e que pode ser exigido pelo Importador, para que este se valha dos benefícios da redução ou mesmo da isenção de tributos, garantidos pela legislação do País de destino das mercadorias, mas que comumente estão vinculados à origem das mercadorias transacionadas, através de acordos comerciais entre as Nações, tais como os previstos para os Países - membros da ALADI - Associação Latino Americana de Integração, os Países - membros do MERCOSUL - Mercado Comum do Sul, os Países - desenvolvidos (ou industrializados) signatários do SGP - Sistema Geral de Preferências, em consonância com as diretrizes para o comércio internacional definidos pelo GATT - Acordo Geral de Tarifas e Comércio, os Países em desenvolvimento signatário do SGPC - Sistema Global de Preferências Comerciais, os Países beneficiados pelo PEC - Protocolos de Expansão Comercial, ou ainda, quando exigidos para simples certificação da origem brasileira, os Certificados de Origem Comuns emitidos pelas Federações, Confederações ou Centros de Indústria, de Comércio ou de Agricultura.

29 CONHECIMENTO DE EMBARQUE O conhecimento de embarque, também conhecido como Bill of Ladind, para transporte marítimo,e AWB para transporte aéreo, é emitido pela companhia de transporte, informando todos os detalhes do produto e do embarque. É o documento emitido pelo Transportador internacional, ou pelo seu Agente local, comprovando a transferência da posse da mercadoria e sua saída para Exterior. Note que o Conhecimento de Embarque, como importante documento do processo de exportação, deve ter seu preenchimento cercado de todos os cuidados, principalmente quanto aos detalhes acertados com o Importador e quanto às particularidades contidas na Carta de Crédito, merece atenção especial a data de emissão do Conhecimento de Embarque, que pode inviabilizar uma Carta de Crédito se for posterior à data limite, nela estipulada, para emissão deste documento. Nunca permita que um Conhecimento de Embarque seja emitido com anotações que denunciem conflitos com o que foi informado ao Banco negociador APÓLICE DE SEGURO Este documento é exigido nas vendas CIF ou CIP, em que o exportador é responsável pelo pagamento de seguro de transporte internacional. Para o transporte internacional, é o documento que honra a exigência de contratação de seguro, pelo Exportador, para garantia total das mercadorias em caso de sinistro, deve estar, em tudo, condizente com as instruções contidas no Pedido de Compra ou na Carta de Crédito, sua contratação é obrigatória quando as condições são CIF, ou nos INCOTERMS equivalentes.

30 Após o correto preenchimento de todas as telas que compõem a entrada de um RE, o SISCOMEX atribuirá, automaticamente, numeração específica para seu processo de exportação, o que contribui a emissão do RE. Este RE emitido tem validade de 60 dias, mas poderá ser prorrogado. O SISCOMEX é bastante interativo, permitindo que seja utilizado com bastante desenvoltura. No entanto, se Você não domina, ainda, os aspectos operacionais do processamento das exportações, é aconselhável a assessoria de um Despachante Aduaneiro, capacitado ao trato fiscal e ao desembaraço alfandegário de seu processo de exportação. Emitido o RE - Registro de Exportação, deve-se providenciar os seguintes documentos, necessários para a circulação das mercadorias em território brasileiro, para embarque ao Exterior e para liquidação de câmbio junto ao Banco negociador

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula PROGRAMA Preparando-se para exportar 6 hs Procedimentos básicos na exportação 6 hs Procedimentos básicos na importação 6 hs Câmbio

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução na Importação A Declaração de Importação (D.I.) será instruída com os seguintes

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI PROCESSO DE FLUXOGRAMA DE Planejamento Pesquisa de Mercado Cadastramento REI 1 Cadastramento do REI O registro é feito automaticamente no sistema, quando da primeira importação e exportação (Portaria SECEX

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS...

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS... Índice 1 - DEFINIÇÕES... 3 1.1 Documentação no Comércio Exterior... 3 1.1.1 Fatura Comercial (Commercial Invoice):... 3 1.1.2 Lista de Embalagens (Packing List):... 3 1.1.3 - Certificado de Origem (C.O.):...

Leia mais

Financiamento á exportação

Financiamento á exportação Financiamento á exportação Crédito seguro/pagamento Garantido É um meio de pagamento internacional que consiste na emissão de uma carta de crédito na qual o Banco Emitente se compromete a pagar, aceitar

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

FORMAS DE PAGAMENTO UTILIZADAS NO COMÉRCIO EXTERIOR

FORMAS DE PAGAMENTO UTILIZADAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 FORMAS DE PAGAMENTO UTILIZADAS NO COMÉRCIO EXTERIOR Vender para o exterior. Exportar. Aproveitar oportunidades do mercado mundial. Este é o sonho de muitos empresários! Mas nem tudo são flores no mundo

Leia mais

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação

Leia mais

Agente de Carga Internacional

Agente de Carga Internacional Agente de Carga Internacional Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação de soluções logísticas

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE IMPORTAÇÃO

ANÁLISE DO PROCESSO DE IMPORTAÇÃO UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO DE PESQUISAS SÓCIO-PEDAGÓGICAS PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DO PROCESSO DE IMPORTAÇÃO LEONARDO BEZERRA DE SOUZA Prof. MARCO A. LAROSA RIO

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1 Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX - Módulo Importação) INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo III www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 EXECUÇÃO DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO... 04 1.1 Credenciamento Junto ao SISCOMEX... 04 1.1.1 Usuários do SISCOMEX...

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Regimes aduaneiros CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados, especializado em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro.

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Quem Somos A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Contamos com profissionais altamente qualificados no comércio internacional e uma rede

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

Concurso Receita Federal

Concurso Receita Federal PAGAMENTOS INTERNACIONAIS Concurso Receita Federal Analista Prof.Nelson Guerra VISÃO GERAL DE UMA OPERAÇÃO DE IM/EXPORTAÇÃO 1) OPORTUNIDADE NEGOCIAL: Contato importador / exportador. 2) REGULAMENTAÇÃO:

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS MERCOSUL/LXVII GMC / P DEC. Nº 01/07 NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 17/94 do Conselho do Mercado

Leia mais

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP

Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Exportação Indireta GRUPO INTERNACIONALIZAÇÃO DO SEBRAE-SP Junho/2011 1 Tipos de Exportação: Direta : A própria empresa vende diretamente ao exterior. Brasil Exterior 2 Indireta : Mercadoria é exportada

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial (Curso de consultoria empresarial em Belo Horizonte) Programa do curso: Planejamento Empresarial com Técnicas de Negociação 1. Perfil do gestor empresarial: Características do gestor

Leia mais