ESTUDO TÉCNICO N.º 28/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO TÉCNICO N.º 28/2013"

Transcrição

1 ESTUDO TÉCNICO N.º 28/2013 Subsídios à elaboração de Cenários Futuros para Políticas de Desenvolvimento Social e Combate à Fome: fatores explicativos da volatilidade dos preços de alimentos. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

2 Estudo Técnico No. 28/2013 Subsídios à elaboração de Cenários Futuros para Políticas de Desenvolvimento Social e Combate à Fome: fatores explicativos da volatilidade dos preços de alimentos. Técnico responsável Marcel Petrocino Esteves Revisão Paulo de Martino Jannuzzi Estudos Técnicos SAGI é uma publicação da Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI) criada para sistematizar notas técnicas, estudos exploratórios, produtos e manuais técnicos, relatórios de consultoria e reflexões analíticas produzidas na secretaria, que tratam de temas de interesse específico do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) para subsidiar, direta ou indiretamente, o ciclo de diagnóstico, formulação, monitoramento e avaliação das suas políticas, programas e ações. O principal público a que se destinam os Estudos são os técnicos e gestores das políticas e programas do MDS na esfera federal, estadual e municipal. Nesta perspectiva, são textos técnico-científicos aplicados com escopo e dimensão adequados à sua apropriação ao Ciclo de Políticas, caracterizando-se pela objetividade, foco específico e tempestividade de sua produção. Futuramente, podem vir a se transformar em artigos para publicação: Cadernos de Estudos, Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) ou outra revista técnica-científica, para alcançar públicos mais abrangentes. Palavras-chave: volatilidade de preços de alimentos; soberania alimentar; produção agrícola. Unidade Responsável Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Esplanada dos Ministérios Bloco A Sala 307 CEP: Brasília DF Fone: Fax: Secretário de Avaliação e Gestão da Informação Paulo de Martino Jannuzzi Secretária Adjunta Paula Montagner

3 Apresentação O presente Estudo Técnico visa oferecer subsídios para a elaboração de cenários futuros para as políticas de desenvolvimento social e combate à fome, explorando alguns dos elementos explicativos da volatilidade dos preços de alimentos e suas implicações para a soberania alimentar. Dentre as principais causas da volatilidade de preços de alimentos têm sido apontados o contínuo aumento da demanda mundial por alimentos, destinação parcial de grãos para produção de biocombustíveis, elevação dos preços do petróleo com repercussão nos custos de produção e distribuição, efeitos de fatores climáticos, especulação financeira de commodities alimentares, efeitos de fatores climáticos e crescimento decrescente de colheitas combinadas com baixos estoques. Não se pretende aqui esgotar a discussão dessas causas, mas evidenciar a partir de elementos explicativos da volatilidade de preços e do sistema predominante de produção e consumo de alimentos em larga escala que influenciam na disponibilidade, acesso e consumo de alimentos pela população mais vulnerável socialmente. Assim, busca-se oferecer subsídios para a elaboração de cenários futuros de implicações da volatilidade de preços de alimentos para a segurança alimentar e nutricional da população. 1. Antecedentes da crise de alimentos: elementos do modelo agrícola brasileiro e a relação com a soberania alimentar. A FAO (2009) assinala que as crises de alimentos que resultaram em alta dos preços estão associadas a uma combinação de fatores relacionada à falta de disponibilidade de alimentos (produção e oferta insuficientes) e ao acesso limitado de alimentos. A maior alta dos preços dos alimentos tem ocorrido nos cereais e óleos vegetais, sendo que estes produtos são componentes essenciais nas dietas das populações dos países em desenvolvimento (com alta de preços registrada em menor grau nos alimentos lácteos e açúcar). No entanto, cabe ressaltar que os países com produção e oferta de alimentos insuficientes representam uma pequena parcela, localizados nos continentes africano e asiático (FAO: 2009, 122). Às variáveis da crise de alimentos dissertadas pela FAO, acrescentam-se outras variáveis do atual período, dentre as quais podem ser mencionadas a modernização agrícola, o imperativo pelo aumento da produtividade agrícola, subsídios aos produtos voltados à exportação, os fundos especulativos dos mercados de alimentos e a concentração de contratos de compra por traders agrícolas, oscilações da produção e destinação da produção (alimentação humana, alimentação animal e biocombustíveis), restrição de exportações, a infraestrutura logística e as políticas de abastecimento.

4 As modernizações na agricultura, tais como adaptações genéticas de plantas às condições ecológicas com variedades de maior produtividade, alterações das condições do trabalho agrícola com a mecanização permitindo menores custos de produção, o desenvolvimento das ciências do solo e da engenharia possibilitando a adequação de condições de declividade e pedológicas, atrelada às novas condições de circulação e administração rural (DINIZ, 1986) revelam o caráter sistemático de modernizar as bases técnicas, sendo que as políticas públicas fizeram com que os maiores beneficiados fossem os agentes hegemônicos envolvidos no setor agrícola (COUTO, 2007: 113). As políticas de abastecimento tiveram um importante papel na expansão do consumo de alimentos, com a criação de vários órgãos no período de 1930 a A alteração da estrutura de comércio interno era entendida como uma solução para enfrentar as questões envolvendo o abastecimento de alimentos no país. A modernização (conservadora) da agricultura baseada no modelo de produção agrícola baseado no imperativo da produtividade em conjunto com o controle do Estado sobre o abastecimento de alimentos em um contexto de crescentes exportações não foram suficientes para erradicar a fome. Uma das implicações da conjunção de políticas públicas inerentes ao modelo rural adotado e as medidas do controle do abastecimento foi a concentração da renda agrícola no Centro-Sul do país (IBGE, 1998; CARNEIRO, 2009), em função dos amplos subsídios concedidos aos produtores de culturas voltadas à exportação e da infraestrutura logística e de abastecimento favoráveis. A Revolução Verde (expressão criada por Willian Grow, em 1966) designa um programa específico de produção de cereais (arroz, milho, trigo) aplicado em um conjunto de países periféricos que envolveu a intensiva utilização de sementes melhoradas (adaptadas a diferentes condições edafoclimáticas), insumos (agrotóxicos e fertilizantes), mecanização e redução de custos com manejo. Como benefícios, podem ser apontados o aumento da produtividade, a intensificação e aumento da produção, intercâmbio de variedades melhoradas e estímulo à pesquisa biotecnológica (variedades mais resistentes e com maior valor nutricional). Por outro lado, o incremento tecnológico acarretou na marginalização de pequenos produtores, houve o favorecimento dos interesses de empresas de equipamentos agrícolas, fertilizantes e processamento industrial de matéria-prima. Agravou alguns danos ambientais (desmatamento, poluição de solos e águas superficiais e subterrâneas) e a erosão genética (sementes nativas que são substituídas pelas sementes melhoradas). O crédito agrícola materializou-se de forma seletiva e observou-se a condição de dependência tecnológica. O Paradigma da Revolução Verde diz respeito ao modelo baseado no programa citado, que atinge e se confunde com a modernização da agricultura mundial. Diz respeito a um aumento da produtividade e da produção através do uso intensivo de

5 pacotes tecnológicos na agricultura, incluindo insumos químicos, maquinário, irrigação e sementes selecionadas. O aumento da produção de alimentos entre as décadas de 1950 a 1970 teve na desigualdade a sua principal característica (HOBSBAWN, 1995), sendo que a intensa produção de alimentos, utilizando-se do desenvolvimento científico e de aplicações tecnológicas em larga escala proporcionando em maior produção e maior produtividade não resultou no fim da fome e da insegurança alimentar. No Brasil, foi assumida a forma da modernização conservadora e foi aplicado de forma seletiva social (produtores mais capitalizados) e espacial (região Centro-Sul). De acordo com Graziano da Silva (1994), ao se adotar esse paradigma, ocorreu uma modernização da agricultura na qual os pequenos agricultores ficaram excluídos. Na busca pelo aumento da produtividade, os pacotes tecnológicos adotados culminaram em maior demanda por insumos químicos, equipamentos e sementes. A solução para a crise agrícola se deu sob a forma de modernização conservadora, não acompanhado de mudanças significativas na estrutura fundiária, acirrando ainda mais as disparidades sócioespaciais (ESTEVES, 2010). Segundo Santos (1993), um elemento fundamental para a difusão das modernizações no campo foi a institucionalização do crédito rural. Foi inclusive com o crédito rural oferecido aos produtores que se aumentou a demanda e o consumo de equipamentos e insumos agrícolas, culminando na transição para o padrão agrícola voltado aos imperativos da modernização do campo e no aumento da produtividade direcionado à expansão das culturas de exportação em substituição parcial da produção de gêneros alimentícios básicos da cultura alimentar brasileira. Tal alteração da base técnica que alterou a produtividade agrícola no país levou também a uma maior dependência de empresas multinacionais 1 produtoras de insumos, sementes de cultivares melhorado geneticamente e máquinas. Cabe ressaltar que dentre as implicações do modelo agrícola assumido, o aumento da produtividade referente aos alimentos básicos da alimentação brasileira não seguiu o mesmo ritmo daqueles produtos que representam grandes volumes exportados. Entre 1970 e 1998 a produtividade do feijão aumentou 1,4 vezes e do arroz aumentou 1,5 vezes, enquanto a cana-de-açúcar e a soja, alvo privilegiado de políticas de incentivos fiscais e financeiros e de desenvolvimento técnico apresentaram aumento de 5,2 e 16,6 vezes, respectivamente, para o mesmo período (IBGE apud RAMALHO, 2003). A modernização seletiva do campo constituiu em diferentes densidades técnicas na atual produção de alimentos, sendo beneficiadas as culturas 1 Segundo o CONSEA (2010), O pacote tecnológico aplicado nas monoculturas em franca expansão levou o Brasil a ser o maior mercado de agrotóxicos do mundo. Entre as culturas que mais os utilizam estão a soja, o milho, a cana, o algodão e os citros. Entre 2000 e 2007, a importação de agrotóxicos aumentou 207%. O Brasil concentra 84% das vendas de agrotóxicos da América Latina e existem 107 empresas com permissão para utilizar insumos banidos em diversos países. Os registros das intoxicações aumentaram na mesma proporção em que cresceram a venda de pesticidas no período Mais de 50% dos produtores rurais que manuseiam estes produtos apresentam algum sinal de intoxicação (CONSEA, 2010: 09).

6 voltadas à exportação, situando a agricultura familiar em posição marginal em relação aos investimentos de infraestrutura e subsídios e condições de competividade. A sua distribuição desigual acarreta, simultaneamente, riqueza-abundância e pobrezaescassez no território brasileiro (SANTOS, 1994). Ao menos dois grandes desafios podem ser assinalados à atual Política de Segurança Alimentar e Nutricional: os condicionantes relacionados à volatilidade dos preços de alimentos e a disponibilidade de alimentos (dentre o conjunto de produtos a serem monitorados conforme a proposta do Grupo de Trabalho de Indicadores e Monitoramento do CONSEA); e alcançar grupos populacionais específicos mais vulneráveis socialmente às oscilações das altas de preços (inclusive os povos tradicionais de territórios não regularizados e com direitos sociais mínimos ainda não assegurados). De acordo com os dados divulgados pela FAO, têm sido observados consecutivos aumentos do índice de preços dos alimentos. O índice é calculado a partir de um conjunto de commodities (cereais, óleos vegetais, produtos lácteos, açúcar e carne). O aumento da demanda e do consumo desses alimentos, sobretudo pelos países emergentes não acompanhou o mesmo aumento na produção, sendo um dos fatores que podem ser apontados para elevação dos preços de commodities, constituindo-se em um elemento a ser observado em relação às produções agrícolas incapazes de garantir o abastecimento interno e podendo comprometer a segurança alimentar. Dessa forma, as medidas protecionistas ou que visem assegurar o abastecimento interno dos países interferem diretamente nos preços dos alimentos. As tarifas de importação e sobretaxas de exportação praticadas por diferentes países visando à retenção de alimentos e os subsídios à produção interna (como a Política Agrícola Comum da União Europeia) operam como um mecanismo de controle de preços dos alimentos. A substituição de culturas tradicionais 2 por aquelas voltadas à produção de biodiesel e etanol deve também ser considerada, podendo ocasionar uma elevação dos preços dos alimentos. A questão do aumento por demanda de bicombustível, especialmente o etanol brasileiro, tem sido apontada pela ONU como um dos fatores de aumento dos preços dos alimentos, considerando que o aumento das áreas destinadas à produção de cana-de-açúcar voltada à produção de etanol afetaria a segurança alimentar. Essa relação entre produção destinada aos biocombustíveis e aumento do preço dos alimentos em função da substituição de culturas tradicionais não é direta, devendo ser considerado ao menos dois elementos ainda não 2 A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas (estão incluídos nesse grupo arroz, milho, soja e trigo) no Brasil, segundo o IBGE, tem apresentado aumento anual de produção (162 milhões de toneladas em 2012 e estimativa de 183 milhões de toneladas em 2013). No entanto, para a safra de arroz de 2012, houve redução da área plantada em 13,6% em relação à safra de 2011, e o milho e a soja acréscimo de área de 7,9% e 3,6%, respectivamente.

7 mencionados: as condições da tecnificação da agricultura 3 e a diminuição da parcela da população brasileira em situação de insegurança alimentar. Os primeiros resultados de efetividades das medidas adotadas no Brasil a partir da Política Nacional de Segurança Alimentar podem ser apreendidos a partir da pesquisa realizada pelo IBGE, ao incluir um levantamento de indicadores de Segurança Alimentar e Nutricional 4 à Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) em 2004, o Levantamento Suplementar da PNAD Segurança Alimentar. Foi empregada a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) 5, visando avaliar o acesso das famílias (com domicílio permanente ou improvisado) às refeições em aspectos qualitativos e quantitativos, incluindo a percepção das famílias sobre a sua condição de assegurar a alimentação 6. De acordo com o Levantamento Suplementar da PNAD 2009 Segurança Alimentar (IBGE, 2010), a população brasileira domiciliada apresentou uma redução de insegurança alimentar grave de 14,186 milhões em 2004 para 11,175 milhões, em A tecnificação da agricultura brasileira se acentua com a difusão de modernizações no campo, como já mencionada, e a creditização rural, dispondo hoje de instrumentos sofisticados como os zoneamentos agrícolas de riscos climáticos para 40 culturas em 24 estados. Os maiores aumentos na produtividade e rendimentos correspondem, em alguns casos, à diminuição da arena de produção e ampliação da área de produção (SANTOS & SILVEIRA, 2001), constituindo um sistema agrícola que envolve, além da produção, as etapas de distribuição, circulação e consumo, que resultam em regiões agrícolas particulares. A área total cultivada de cana-de-açúcar cresce gradualmente a cada ano, passando de ha (quantidade produzida em 2000) para ha (quantidade produzida em 2011), com concentração da produção nos estados de SP, MG, MT, MS, GO e PR. A tendência é que a área total aumente ainda mais para a safra 2010/2011, considerando que em 15/12/2010 foram publicados os zoneamentos de riscos climáticos da cana-de-açúcar para os estados da PB e RN (Portarias MAPA nº 438 e 439) e para o estado do AC em 24/03/2011 (Portaria nº 92 de 24 de março de 2011). Proporcionalmente, a destinação de cana-de-açúcar para a produção de etanol também tem apresentado nos últimos anos um aumento em relação à produção de açúcar. 4 A mensuração da SAN da PNAD/IBGE considera as dimensões apresentadas por Kepple (2010): a disponibilidade do alimento significa a oferta de alimentos para toda a população e depende da produção, importação (quando necessária), sistemas de armazenamento e distribuição; o acesso físico e econômico aos alimentos significa a capacidade de obter alimentos em quantidade suficiente e com qualidade nutricional, a partir de estratégias cultural e socialmente aceitáveis, além de depender da política de preços e da renda familiar. 5 Trata-se de uma metodologia elaborada na Universidade de Cornell na década de 1990, uma escala para medir a insegurança alimentar e adotada em 1995 pelo USDA (PÉREZ-ESCAMILLA, 2005). A partir da Escala de Insegurança Alimentar do USDA a EBIA foi desenvolvida uma adequação à realidade brasileira (SEGALL-CORRÊA, 2007), validada nas cinco regiões geográficas do Brasil antes de ser incorporada à PNAD/IBGE. A EBIA é um instrumento de medida da insegurança alimentar no Brasil, que classifica os domicílios em quatro categorias: segurança alimentar, insegurança alimentar leve, insegurança alimentar moderada e insegurança alimentar grave. 6 Como observa Belik (2004) a partir da análise das políticas implementadas na América Latina e da Cúpula Mundial da Alimentação realizada em 1996, em Roma, no passado se atribuía os problemas do acesso à alimentação às crises de alimentos e, consequentemente, nos diagnósticos de melhorar a capacidade de produção. A partir da década de 1990, se começa a compreender melhor as causas da fome e a considerar os aspectos nutricionais, mostrando que combater a fome deveria também incluir a preocupação com as dietas inadequadas, porque esta ausência de equilíbrio poderia levar a outros problemas (BELIK, 2004: 14).

8 2. Determinantes da volatilidade dos preços de alimentos e influência dos biocombustíveis: subsídios para cenários futuros voltados à soberania alimentar. O índice de preços de alimentos da FAO em 2008 apresentou alta de 24% em relação ao ano de 2007 e alta de 57% em relação ao índice de Dentre os elementos evidenciados que explicam a alta dos preços de alimentos nos últimos anos, acentuado a partir de 2007, têm sido apontado o papel exercido pelo aumento da demanda por biocombustíveis e o respectivo aumento de sua produção. Duas questões consequentes são colocadas: 1) a pressão por arrecadação de novas áreas para expansão de culturas utilizadas para a produção de biocombustíveis em escala mundial, como cana-de-açúcar no Brasil ou milho nos Estados Unidos 7, incluindo a expansão de novos fronts agrícolas ou substituição de culturas já existentes; e 2) o aumento pela demanda tanto por alimentos quanto por biocombustíveis combinada com o aumento das compras antecipadas - contratos futuros de grãos por traders exercem pressão sobre os preços, tem mostrado a tendência de manutenção dos preços elevados no mercado de commodities agrícolas. Segundo Ziegler (2011), a produção de etanol nos Estados Unidos, contemplada com cerca de US$6 bilhões anuais em subvenções destinadas aos produtores de milho reduziu consideravelmente a oferta do produto no mercado mundial de alimentos, sendo também um produto amplamente utilizado para a alimentação animal. Para Pastré (2011), um pequeno deslocamento da produção mundial pode influenciar o mercado em função da demanda crescente por alimentos observada nos últimos anos, sendo que a oferta se fragmenta e fica sensível a pequenas oscilações da produção (por diversas razões, como eventos meteorológicos adversos ou mesmo a opção por produtos com câmbio e mercados mais rentáveis). O acompanhamento da concentração da produção agrícola em culturas voltadas a atender as demandas por bioenergia se faz necessário pelas implicações nas condições sociais no meio rural e sobre a parcela da população brasileira mais vulnerável socialmente, pois está diretamente relacionada ao agravamento da produção de alimentos, reduzindo a sua disponibilidade e implicando diretamente na segurança alimentar, sobretudo com a intensificação da produção de produtos relacionados ao Programa de Biocombustíveis. Outra questão é o desvio da produção agrícola destinada ao consumo alimentar para as refinarias de combustíveis. Para elucidar essa questão, destaca-se o aumento recente das unidades de processamento 7 Outras culturas são empregadas na produção de biodiesel, como soja, palma, colza, canola, girassol, algodão.

9 de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo 8, que apresentou aumento de 29,32% entre 1993 e 2012 (de 133 para 172 unidades), sendo que apenas no ano de 2007 foram 14 novas unidades instaladas, com destaque para a instalação das usinas de processamento mistas a partir de 2008 (capacidade de produzir açúcar ou etanol), conforme apresentada na Tabela 1. Tabela 1: Tipologia das unidades de processamento de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo 9, SÃO PAULO, Tipo de processamento Total no período Açúcar Etanol Misto Não especificado Fonte: MAPA, Dados organizados pelo autor. É possível apreender ainda alguns aspectos centrais de análise de expansão da cana-de-açúcar no Brasil, que foi uma das culturas agrícolas que mais se expandiu (a soja apresentou maior expansão) em área ocupada como também aquela que os mais expressivos aumentos em relação à produtividade, em um processo que foi acompanhado da substituição ou diminuição de área ocupada por outras culturas agrícolas 10 (como arroz, feijão, milho, trigo). Da mesma forma, as áreas ocupadas pela cana-de-açúcar têm aumentado no território nacional: segundo dados da Pesquisa Agrícola Municipal (IBGE) a área 8 Relação das unidades produtoras cadastradas no Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA (2012). 9 Segundo o MAPA, em 2007 existiam no Estado de São Paulo 16 usinas de etanol e 132 mistas. 10 Em análise mesorregional para o Estado de São Paulo, Gomes dos Santos (2012) evidencia o predomínio da cana-de-açúcar de forma expressiva em 9 das 15 mesorregiões e o processo de substituição de culturas. A partir de dados da PAM/IBGE, dentre alguns exemplos podem ser citados a área da cana-de-açúcar que evoluiu de 1,8 milhão de hectares (ha) em 1990 para 5,1 milhão de ha em No mesmo período, o milho decaiu em área plantada de 1,6 milhão de ha para 775 mil ha; o feijão apresentou decréscimo de 367mil ha para 128 mil ha; o algodão herbáceo de 300 mil ha para 12,5 mil ha; o arroz de 221,5 mil ha para 21 mil ha.

10 cultivada de cana-de-açúcar tem crescido gradualmente: de 4,32 milhões de hectares em 1990 para 9,62 milhões de hectares em 2011, como apresentada no Gráfico 1. A soja apresenta a maior expansão, sobretudo pela expansão de novos fronts agrícolas no período. Gráfico 1: Área plantada de lavouras temporárias selecionadas segundo dados da PAM/IBGE (em milhões de hectares), Brasil, Fonte: PAM/IBGE. Dados organizados pelo autor. Gráfico 2: Quantidade produzida em lavouras temporárias selecionadas segundo dados da PAM/IBGE (em toneladas produzidas), Brasil, Fonte: PAM/IBGE. Dados organizados pelo autor.

11 Gráfico 3: Quantidade produzida de cana-de-açúcar segundo dados da PAM/IBGE (em toneladas produzidas), Brasil, Fonte: PAM/IBGE. Dados organizados pelo autor. Em análise do crescimento da produtividade agrícola em 156 países, inclusive o Brasil (FUGLIE, WANG e BALL, 2012) para o período de 1961 a 2009, são analisados a produtividade (denominada produtividade total dos fatores) permitindo a comparação da posição dos países na produção mundial de alimentos e os níveis de produtividade desses países. Segundo o estudo, o Brasil apresentou no período crescimento do produto estimado em 4,45% ao ano e crescimento da produtividade total dos fatores estimado em 4,04% ao ano, taxas superiores à taxa mundial. Brasil e China apresentaram maiores médias dentre os países analisados. Em relação aos maiores países produtores de carnes e grãos, o Brasil se situa entre os principais produtores mundiais de soja, frango, suínos e bovinos. O crescimento do Brasil e China é atribuído aos investimentos em pesquisa e extensão. Outros estudos apontam também outros elementos além dos investimentos em pesquisa determinante para o crescimento da produtividade total dos fatores, como investimentos em infraestruturas, principalmente em rodovias (MENDES et al., 2009) e das políticas de crédito e as exportações do agronegócio (GASQUES et al., 2012). As implicações do aumento pela demanda de etanol a partir da cana-de-açúcar (assim como a demanda por soja para a produção de biodiesel) no comportamento dos preços de alimentos ainda constituem em um campo de investigação que deve ser monitorado, assim como seus efeitos da expansão de áreas produtivas, substituição de culturas e conflitos pelo uso da terra. Outro fator comumente apontado como indutor

12 ou relacionado à elevação dos preços das commodities agrícolas é o preço do petróleo, ao qual se atribui o encarecimento dos custos de produção agrícola e dos transportes. No entanto, constata-se que esse argumento da alta dos preços do petróleo é insuficiente para explicar a manutenção dos preços elevados dos produtos agrícolas e não são levadas em consideração elementos particulares inerentes às políticas internas nacionais que influenciam diretamente nos custos de produção relacionados à distribuição. O preço do petróleo inclusive decresceu em 2012 (em relação à alta expressiva de ), chegando a US$90 o barril e em 2013 se manteve estável entre aproximadamente US$ 110 e US$120, ao passo em que as commodities agrícolas mantiveram a tendência de preços elevados. No caso brasileiro, a política cambial de valorização do real frente ao dólar tem atenuado as oscilações de preços do petróleo. Ademais, o preço do petróleo é apenas uma das componentes que definem os custos de fretes de produtos agrícolas, aos quais é levado em consideração pelos operadores logísticos o conjunto de variáveis 11 relacionadas ao carregamento, transporte e descarga (incluindo a infraestrutura física de modais e terminais, armazenagem, tributação, condições de tráfego, legislação trabalhista) e a demanda de tradings agrícolas para que a produção, principalmente àquela voltada à exportação, seja escoada no pico das safras, quando os preços estão mais baixos. Entre 2006 e 2008, os preços dos alimentos subiram de forma acentuada apresentando a tendência de manutenção de preços elevados, tendo sido observados anteriormente episódios curtos de grande alta de preços, como ocorreu em 1995, apresentado no Gráfico 4 e anteriormente, entre 1972 e 1974, período que inclui a alta de preços de petróleo e de embargos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). 11 Dentre esse conjunto de variáveis relacionadas ao custo do frete rodoviário de produtos agrícolas são considerados distância percorrida, cubagem, tempo de carga e descarga, capacidade legal de carga do veículo, Despesas Administrativas de Terminais (DAT), frete-valor (percentual sobre o valor da carga constante na Nota Fiscal e variável com a distância percorrida) para cobrir custos como o seguro obrigatório, gerenciamento de risco e segurança (patrimonial, rastreamento de veículos, combate ao roubo de cargas), estadia do veículo, restrições de acesso e de horário para carga e descarga. Ressaltase que a distância rodoviária média percorrida de alguns graneis sólidos, como o arroz é superior a 1.600Km, podendo chegar a mais de 3.000Km (GEIPOT, 1997; Caixeta-Filho, 2008). Nos anuários estatísticos produzidos pela Esalq-LOG da Universidade de São Paulo, é possível consultar os dados do denominado momento rodoviário: custos por volume por distância percorrida (R$/m³/Km).

13 Gráfico 4: Comportamento mensal do índice geral dos preços de alimentos e índice dos preços de cereais mensurados pela FAO, janeiro de 1990 a abril de Fonte: FAO. Dados organizados pelo autor. A renda e o tamanho da população podem ser apontados como elementos que historicamente estiveram relacionados à expansão do consumo de alimentos 12. No atual período técnico, ainda persiste um campo de investigação de forma a constatar se a agroenergia ou aumento da demanda (nacional e internacional 13 ) por biocombustíveis e sua incorporação nas matrizes energéticas pode se constituir como outro elemento determinante da produção agrícola e dos preços dos alimentos. Além disso, no caso brasileiro, é evidenciada a concentração produtiva, identificada pelos grupos empresariais e as estratégias de incorporação de unidades de processamento, compra ou arrendamento de terras e controle de usinas de processamento por 12 Em um sistema de produção e consumo de alimentos baseado na escassez produtiva, a eliminação da escassez encontra sua limitação nas condições que definem a reprodução material da sociedade. Dois elementos, sempre indispensáveis à condição de existência humana: o alimento e a terra (CASTILLO, 1995) estão submetidos aos imperativos do mercado. Assim, a demanda e a necessidade não podem ser dissociados destes dois elementos indispensáveis de reprodução material da vida e que qualifica a escassez, inclusive a de alimentos, como escassez produzida. Segundo Habermas (1993) as condições democráticas, a modernidade e o bem-estar social nem sempre caminham juntos, e muitas vezes se opõem nos países subdesenvolvidos (como no exemplo do autor sobre a Índia, onde a democracia não acompanhou a extinção da fome e a pobreza generalizada). Conforme Giddens (1991), a escassez e a abundância são reguladas pelos mercados, constituindo sistemas complexos de troca, mas eles também mantêm ou causam ativamente formas importantes de privação (GIDDENS, 1991: 164). 13 Em 2009 é aprovada a Diretiva 2009/28/CE do Parlamento Europeu estabelecendo as metas de utilização de cota de 20% de energia proveniente de fontes renováveis até 2020; para os biocombustíveis, em 2010 foi incorporada a utilização de biodiesel e etanol, visando diminuir a dependência de importações de combustíveis fósseis e fomentar novas tecnologias energéticas.

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2014 Principais resultados do Relatório Estado da Insegurança Alimentar no Mundo, publicado pela FAO Roma em 16 de setembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 05/2015 Resenha do Relatório Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015 (SOFI) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Agro-Combustíveis e segurança alimentar

Agro-Combustíveis e segurança alimentar Agro-Combustíveis e segurança alimentar Jean Marc von der Weid Novembro/2008 Não há dúvida de que estamos vivendo o início de uma grave crise alimentar mundial. Após décadas de excedentes na produção agrícola

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Brasília, 13 de maio de 2013 E.M. nº 001-2013/CONSEA Excelentíssima Senhora Presidenta da República, O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), reunido em plenária no dia 24 de

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 31/2013 Análise técnica do indicador PoU/FAO - População em situação de sub-alimentação, no Relatório sobre Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar

Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar VI Fórum Inovação, Agricultura e Alimentos Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar Walter Belik Instituto de Economia - Unicamp São Paulo, 14 de outubro de 2014 em milhões

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA.

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. Larissa Chiulli Guida lalaguida@yahoo.com.br Discente do curso de Geografia - Unifal-MG

Leia mais

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO 1 DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO Francisco Albertino Ribeiro dos Santos 1 Antônio Wilton Cajado de Sousa 2 Everton José Amaral Pereira 3 Rafael Rebelo Lopes 4

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária Brasília, 18 de abril de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO... 4 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa BRASIL SAFRA--------------CRESCIMENTO DE 50% NOS ÚLTIMOS 10

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Alimento: como produzir para atender as necesidades

Alimento: como produzir para atender as necesidades Alimento: como produzir para atender as necesidades Sílvio Isopo Porto Brasília (DF), junho de 2011 Fatores Críticos para Agricultura 1. Crescente demanda dos países emergentes 2. Utilização de produtos

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

A FOME DISCRETA E OS ESPAÇOS DAS DESIGUALDADES

A FOME DISCRETA E OS ESPAÇOS DAS DESIGUALDADES A FOME DISCRETA E OS ESPAÇOS DAS DESIGUALDADES Ana Elisa Rodrigues Pereira * A fome acompanha a humanidade há muito tempo. Porém, se antes ela era fruto de hecatombes, rigores climáticos, ou guerras onde

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi I Introdução Um estudo organizado por técnicos do Departamento de Agricultura dos

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG XXXIV CONGRESSO DA ABPI, WTC, SP, 25/08/14 DISPONIBILIDADE DE TERRAS NO BRASIL Fonte:IBGE, CONAB,

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura YEAR OF FAMILY FARMING Economic and Social Development Department Science for Poverty Erradication and Sustainable Development Tackling

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. GEOGRAFIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Geografia:

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. GEOGRAFIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Geografia: Instruções Gerais: VESTIBULAR 2013 1ª Fase GEOGRAFIA Grade de Correção Hoje você deverá responder às questões de Artes e Questões Contemporâneas, História, Geografia e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais