CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM"

Transcrição

1 CAPÍTULO 7 JAVA Java é uma linguagem orientada a objeto cujo projeto foi desenvolvido pela Sun Microsystems no início de Ela foi originalmente concebida para ser utilizada na programação de dispositivos de consumo ( consumer devices ). Por volta de 1995, quando houve a explosão no uso da Internet, notou-se que Java era uma linguagem de programação ideal para este tipo de aplicação, uma vez que ela endereçava muitas questões de softwares distribuídos através de redes, tais como: interoperabilidade, portabilidade e segurança (Tilley, 1999). 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM Java é uma linguagem de programação que apresenta uma sintaxe próxima ao C e C++, sendo porém menos complexa que o C++. Estas características a tornam familiar à maioria dos desenvolvedores. Ela provê garbage collection, isto é, torna disponível um mecanismo que se encarrega de desalocar, automaticamentente, da memória todos os objetos que não estão sendo mais referenciados, suporta herança de classe simples e não usa ponteiros (Deitel e Deitel, 1997). Java provê flexibilidade porque as classes são linkadas na medida em que são necessárias para atender as requisições dos clientes, existindo também a possibilidade de ser feito o download dessas classes através da rede. Tal flexibilidade é uma mudança de paradigma na computação que requer todas as funcionalidades instaladas na plataforma do usuário antes da execução de uma aplicação (Tilley, 1999). 187

2 Ao contrário da maioria das linguagens de programação, o código escrito em Java não é compilado para uma máquina real, mas sim para uma virtual, chamada máquina virtual Java ( Java Virtual Machine JVM), cujas características são mantidas em qualquer tipo de hardware ou sistema operacional (Lemay e Perkins, 1997). Os aplicativos do Java dividem-se em dois grupos: os applets e as aplicações Java. Um applet é um programa escrito em Java que executa em um browser Web compatível com essa linguagem. Ele é carregado e executado ao mesmo tempo em que aparece, na tela do cliente, a apresentação de uma página de visualização. Agora, uma aplicação Java independente ( standalone ) é um programa escrito em Java que executa fora do browser Web, mas apenas onde existir uma JVM disponível. Os passos necessários para a construção de um aplicativo Java são listados a seguir (Lemay e Perkins, 1997): Escrever o código do programa em Java, mantendo um arquivo por classe. Compilar os arquivos com o programa fonte da aplicação para que possam ser executados na JVM. Como resultado, são gerados os arquivos <.class>, conhecidos como bytecodes, representando arquivos prontos para serem interpretados. Bytecode é um conjunto de instruções bastante parecida com alguns códigos de máquina, mas não é específica a nenhum processador. Este bytecode pode ser interpretado por qualquer compilador que possua uma JVM. Utilizar um software com as características JVM para executar os arquivos bytecodes através da emulação, isto é, interpretação dos comandos virtuais para a máquina ou ambiente real. Os arquivos <.class> podem ser carregados ou transferidos entre estações de trabalho e interpretados por qualquer JVM nelas disponível. O bytecode Java 188

3 provê portabilidade porque não é específico a nenhuma plataformas em particular nem nativo a qualquer processador. Entretanto, antes de serem executados, os bytecodes passam por uma verificação, onde os seguintes aspectos são observados (Lemay e Perkins, 1997): Se o código está de acordo com as especificações Java. Se o código não viola a integridade do sistema. Se o código não causa overflow ou underflow nas operações com pilhas. Se os tipos de parâmetros para os códigos estão corretos. Se não existem conversões ilegais de dados. Se o código não viola direitos de acesso a objetos. Se o código não força a mudança de tipos de objeto. Após passar por todos os testes, o arquivo <.class> poderá ser executado. Existe ainda outros mecanismos de segurança adicionais que fazem parte do núcleo do sistema Java, são eles (Shoffner e Hughes, 1999): o carregador de classes ( class loader ) e o gerenciador de segurança ( security manager ). O Java, atualmente, define três domínios possíveis: o computador local, a rede local onde o computador encontra-se localizado e a Internet. Cada um desses é tratado diferentemente pelo class loader, onde ele nunca permite que uma classe de um domínio menos protegido substitua uma classe de um outro domínio mais protegido. Classes em um domínio não podem recorrer a métodos de classes em outros domínios, a menos que essas classes tenham declarado explicitamente esses métodos como públicos. O gerenciador de segurança é uma classe adicionada recentemente ao Java reunindo, em um só lugar, todas as decisões sobre a política de segurança, isto é, quais aspectos de segurança um sistema deve suportar em relação a execução dos programas. 189

4 Assim, o gerenciador de segurança regula o acesso às funções sensíveis e o carregador de classes garante a aderência das mesmas às normas de segurança definidas pelo padrão Java INTERFACE Java suporta herança simples, isto é, cada classe Java pode ter somente uma superclasse, embora qualquer superclasse possa ter várias subclasses. Em outras linguagens de programação como C++ e Smalltalk as classes podem ter mais de uma superclasse herdando variáveis e métodos combinados dessas superclasses. A herança simples torna o relacionamento entre as classes e a funcionalidade que elas implementam simples de entender e projetar, mas de certa forma restritivo, por exemplo, comportamentos semelhantes precisam ser duplicados ao longo de diferentes ramificações da hierarquia de classes. O Java utiliza, para sanar as restrições de comportamento compartilhado, o conceito de interfaces. Uma interface, para o Java, é uma coleção de nomes de métodos indicando o comportamento de uma classe (Lemay e Perkins, 1997). Embora uma classe Java possa ter somente uma superclasse (herança simples) ela pode implementar qualquer número de interfaces. Uma classe oferece implementações aos métodos definidos na interface. Duas classes A e B diferentes podem implementar a mesma interface, mas o resultado da execução de um dos métodos definido nessa interface obtido através da classe A pode ser diferente do obtido pela classe B. As interfaces no Java suportam o conceito de herança múltipla de interface, passando para as suas filhas somente as descrições dos métodos e não a implementação desses métodos. As interfaces, como as classes, são declaradas em arquivos, sendo um para cada interface. Assim, como as classes elas são compiladas em arquivos <.class>. As interfaces 190

5 complementam e estendem o poder das classes e as duas podem ser tratadas praticamente da mesma maneira. A diferença é que uma classe pode ser instanciada enquanto uma interface não. Java não utiliza para definir uma interface uma linguagem de definição de interface (IDL) específica, a definição é escrita na própria linguagem de programação Java BIBLIOTECAS JAVA Java contém uma série de classes pré-definidas agrupadas em categorias chamadas pacotes. Juntos esses pacotes são referenciados como APIs Java ( Java Application Programming Interfaces ). A seguir são listados os pacotes Java disponíveis (Deitel e Deitel, 1997): java.applet ( Java Applet Package ), esse pacote contém a classe Applet e várias interfaces que habilitam a criação desses applets, assim como, interação entre applets / browsers e applets / audio. java.awt ( Java Abstract Windowing Toolkit Package ), esse pacote contém todas as classes e interfaces necessárias para um usuário criar e manipular interfaces gráficas (GUI). java.awt.image ( Java Abstract Windowing Toolkit Image Package ), esse pacote contém todas as classes e interfaces que habilitam armazenamento e manipulação de imagens num programa. java.awt.peer ( Java Abstract Windowing Toolkit Peer Package ), esse pacote contém interfaces que habilitam a interação dos componentes gráficos do Java em diferentes plataformas. java.io ( Java Input/Output Package ), esse pacote contém classes que manipulam entrada e saída de dados. 191

6 java.lang ( Java Language Package ), esse pacote é automaticamente importado em todos os programas. Ele contém classes e interfaces básicas necessárias a muitos programas Java. java.net ( Java Networking Package ), esse pacote contém classes que habilitam a comunicação entre programas via Internet e Intranets corporativas. java.util ( Java Utilities Package ), esse pacote contém classes e interfaces de propósito geral como, manipulação de data e hora, armazenamento e processamento de grande quantidade de dados, etc. E mais recentemente, java.rmi ( Java Remote Method Invocation Package ), esse pacote contém classes e interfaces que habilitam a invocação de métodos remotos entre aplicações Java. Applets e aplicações Java, em diferentes máquinas, comunicam-se diretamente através da invocação de seus métodos. java.server ( Java Server Package ), esse pacote contém classes e interfaces que facilitam a criação de servidores Java. java.security ( Java Security Package ), esse pacote contém classes e interfaces que facilitam ao desenvolvedor estabelecer a política de segurança, como por exemplo, o uso de criptografia e assinatura digital. Assim, a Figura 7.1 mostra o ambiente Java. 192

7 Java Applets Aplicações Java independentes Web browser Applets Java executando em um browser Aplicações Java independentes interagindo com o Sist.Operacional através de um ambiente de execução Ambiente de execução Java (Java Developer s Kit - JDK) -Carregador de classe -Interpretador de bytecode -Java Virtual Machine (JVM) -Biblioteca de Classes Java Compilador JIT (opcional) Compiladores JIT (Just-in-Time) converte de forma otimizada o bytecode Java em código nativo Windows MacOS/ PowerPC UNIX/RISC Outras Plataformas Fig. 7.1 Ambiente Java FONTE: Adaptada de Tilley (1999, p.2) 193

8 7.2 RMI Sistemas distribuídos necessitam que aplicações, executando em vários espaços de endereçamento, normalmente em diferentes computadores, sejam capazes de se comunicarem. Para um mecanismo de comunicação básico, a linguagem Java suporta o conceito de socket. A seguir, é descrito, brevemente, este conceito. O endereçamento de equipamentos na Internet é baseado em um identificador que independe da tecnologia de rede envolvida, conhecido como endereço IP ( Internet Protocol ), cujo formato é o do exemplo a seguir: Este formato representa um número de 32 bits que, no modo normal de endereçamento da Internet, está associado a um único equipamento. Ele identifica a rede e o seu equipamento nela. Existe um outro modo de endereçamento conhecido como multicasting, onde um endereço IP está associado a um grupo de computadores. O endereço IP permite apenas a localização de um dado equipamento na Internet; para a localização de uma aplicação qualquer executando nesse equipamento, existe um outro identificador conhecido como port. Esta localização é obtida através da associação do port com um dos protocolos de transporte Transmission Control Protocol (TCP) ou User Datagram Protocol (UDP). Essa tríade composta por endereço IP, número de port e protocolo de transporte é conhecida como socket (Cyclades Brasil, 1996). Apesar do socket ser flexível o suficiente para comunicação em geral, ele requer do cliente e do servidor o conhecimento dos protocolos para troca de mensagens, isto é, a codificação e decodificação destas mensagens. O projeto destes protocolos é sempre difícil e susceptível a erros. Assim, o Java suporta o conceito de invocação de método remoto ( Remote Method Invocation RMI) permitindo uma abstração maior ao desenvolvedor que não precisa se preocupar com o mecanismo de comunicação entre cliente e servidor. 194

9 RMI permite manipular objetos distribuídos utilizando Java. Exemplificando, assim como o CORBA especificou um padrão de comunicação entre cliente e servidor, onde esses podem ser escritos em qualquer linguagem de programação, o padrão RMI foi projetado para ser especialmente integrado à linguagem Java, isto é, clientes escritos em Java se comunicam com objetos escritos em Java através do RMI. Basicamente o RMI é um RPC, que ao invés de realizar chamadas a procedimento remotos realiza chamadas a métodos de um objeto remoto. Um objeto remoto é aquele que se localiza em uma JVM diferente daquela em que se encontra o cliente, potencialmente em outro computador. Um objeto remoto é descrito por uma ou mais interfaces escritas na própria linguagem de programação Java. Por ser tratar de um objeto remoto estas interfaces são chamadas de interfaces remotas. A invocação de um método de um objeto remoto tem a mesma sintaxe que a invocação de um método de um objeto local. O cliente quando invoca um objeto não sabe se esse objeto é local ou remoto em relação a ele. O RMI providencia a: Localização ( binding ) de um método de um objeto remoto. Comunicação através de uma conexão de rede confiável permitindo a transmissão de requisições e respostas, funcionando como um canal entre cliente e servidor. Interface com usuário convertendo uma chamada de método em um bloco de dados (mensagem) que possa trafegar através da conexão e remontando a mesma chamada de método no outro extremo (remoto) a partir desta mensagem. São necessários códigos nos pontos finais da conexão para deixar transparente o uso do RMI pelo usuário. No lado cliente, um stub tem a mesma assinatura (nome, argumentos e tipo de retorno) que o método remoto e sua função é empacotar os argumentos em 195

10 uma mensagem para ser enviada através do canal de comunicação. Quando uma mensagem contendo os resultados enviados pelo servidor surgir neste canal, o stub extrai o valor de retorno antes de passá-lo para o código que chamou o método. O complemento do stub, localizado no lado do servidor, é chamado de skeleton. Sua função é converter as mensagens que chegam pelo canal de comunicação em argumentos e chamar as implementações dos métodos requisitados. Quando o método termina a execução, o valor de retorno é convertido em uma mensagem que é remetida ao stub do cliente. A arquitetura em que se baseia o RMI consiste de 3 camadas: a camada stub / skeleton, a camada de referência remota ( remote reference ) e a camada de transporte, mostradas na Figura 7.2. Elas são independentes entre si e podem ser substituídas por diferentes implementações sem que umas afetem as outras. Por exemplo, pode-se substituir a camada de transporte implementada em TCP, usando socket Java, por outra baseada em UDP. 196

11 Interface do objeto Implementação do objeto Call ( ) Call ( ) return return Stubs Referência Remota Skeleton Referência Remota Transporte Transporte Máquina do cliente Máquina Remota Conexão TCP/IP Fig. 7.2 RMI FONTE: Adaptada de Java (1999, p.2) CAMADA STUB / SKELETON A camada stub / skeleton é a interface entre a aplicação e as outras camadas que compõem o RMI. Esta camada não trata do transporte em si, mas é responsável por transmitir os dados para a camada de referência remota como um stream de dados. Esse stream chamado de marshal stream emprega o mecanismo de serialização de objeto ( object serialization ). Este mecanismo permite que numa invocação (local ou remota) objetos Java possam ser passados como argumentos ou retornados como resultado da execução de 197

12 métodos. Os objetos Java, transmitidos através deste sistema de serialização de objetos, são passados por cópia entre espaços de endereçamento diferentes, isto é, máquinas diferentes. Caso já sejam objetos remotos, eles serão repassados por referência, onde referência de um objeto remoto é a referência de uma instância desse objeto. A serialização de objeto é específica da linguagem Java, assim, tanto clientes quanto servidores devem estar escritos em Java (Albuquerque, 1998). Quando um cliente invoca um método de um objeto remoto, os parâmetros do método são convertidos em um bloco de dados (mensagem) pelo stub e esta mensagem é enviada a máquina remota utilizando o protocolo, por exemplo, TCP/IP. Quando a mensagem chega na máquina remota, o skeleton transforma esta mensagem em argumentos e chama a implementação do método convertendo o resultado em uma mensagem que é redirecionada a máquina cliente, cujo stub é responsável pela extração do valor de retorno. O stub que se localiza no lado cliente contém todas as interfaces suportadas pela implementação do objeto remoto, sendo responsável por (Java, 1999): Iniciar a chamada do objeto remoto (acionando a camada de referência remota). Fazer o marshaling dos argumentos, utilizando o mecanismo de serialização de objeto, que será enviado para a camada de referência remota. Informar à camada de referência remota que a chamada pode ser invocada. Fazer o unmarshaling do valor de retorno ou exceção obtido. Informar à camada de referência remota que a chamada foi completada. O skeleton que se localiza no lado servidor contém um método que envia as chamadas recebidas do cliente para a implementação do objeto remoto, sendo responsável por (Java, 1999): 198

13 Fazer o unmarshaling dos argumentos recebidos. Realizar a chamada da implementação do objeto que executará o serviço requerido pelo cliente remoto. Fazer o marshaling do valor de retorno ou da situação de exceção, caso ocorra, utilizando o mecanismo de serialização de objeto que será enviado para a origem da chamada. As classes dos stubs e skeletons apropriadas são determinadas em tempo de execução e carregadas dinamicamente quando necessárias para atender uma requisiçâo do cliente CAMADA DE REFERÊNCIA REMOTA A camada de referência remota lida com a interface de transporte de baixo nível por meio de um protocolo. Esse protocolo é independente do stub do cliente e skeleton do servidor. O stub e skeleton desconhecem os diversos tipos de protocolo que um servidor pode utilizar. Existem vários protocolos que podem ser especificados e executados por esta camada, tais como (Java, 1999): Servidores suportam somente invocação ponto-a-ponto, onde um cliente interage com um único objeto. Servidores suportam replicação, onde um número de objetos remotos replicados precisam se manter sincronizados sempre que uma instância é modificada. Objetos remotos não estão continuamente ativos, sendo somente carregados do disco quando um cliente invoca um de seus métodos. Este protocolo pode ser selecionado pelo usuário que escolhe como a camada de referência será utilizada. Atualmente, a implementação da camada de referência está restrita a invocação ponto-a-ponto, onde um cliente interage 199

14 com um único objeto (não replicado) cuja referência é somente válida quando o processo servidor está executando. A classe que implementa esse protocolo é a java.rmi.server.unicastremoteserver CAMADA DE TRANSPORTE A camada de transporte manipula os detalhes da conexão e providencia um canal de comunicação entre as JVMs executando o código cliente e código servidor. O lado cliente deve possuir a interface do objeto remoto para poder referenciá-lo, enquanto o lado servidor possui a implementação do mesmo. Em geral, esta camada é responsável por (Java, 1999): Estabelecer conexões entre espaços de endereçamentos remotos, isto é, entre JVMs diferentes. Gerenciar conexões. Monitorar conexões (se elas existem ou não ( liveness )). Escutar chamadas que estejam sendo recebidas. Manter uma tabela que contém os objetos remotos residentes num determinado espaço de endereçamento. Estabelecer a conexão para as chamadas que estejam sendo recebidas. Localizar o alvo de uma chamada remota passando a conexão para quem a chamou. 7.3 APLICAÇÕES UTILIZANDO RMI O RMI, utilizando a facilidade de nomeação ( rmiregistry ), implementa um objeto servidor de nomes que mantem registrados todos os objetos localizados num host com os seus respectivos nomes, tornando acessível a referência desses objetos ao cliente. Uma aplicação cliente típica para invocar métodos de um objeto remoto deve obter primeiro a referência desse objeto. Essa referência é passada ao servidor que localizará a implementação do 200

15 objeto. O RMI trata os detalhes de comunicação entre cliente e servidor, assim, o cliente vê a invocação de um método de um objeto remoto como a de um objeto local. RMI (a) Registro Cliente RMI (c) Protocolo URL RMI (b) Servidor Protocolo URL Servidor Web Protocolo URL Fig. 7.3 Aplicações de objetos distribuídos com RMI FONTE: Adaptada de Java (1999, p.2) Na Figura 7.3 um cliente (RMI (a)) utiliza o sistema de registro para obter a referência de um objeto remoto, após obtida, invoca os seus métodos (RMI (b)). Caso seja necessário o RMI pode, se o cliente autorizar, utilizar o servidor web para localizar e carregar objetos remotos, isto é, classes Java em bytecodes. Para o carregamento pode-se utilizar qualquer protocolo Uniform Resource Locator (URL) suportado pelo sistema Java, por exemplo, HTTP, FTP, file, etc. Essas classes podem ser carregadas para serem executadas no servidor ou no cliente. Em aplicações que utilizam RMI, o método é executado na máquina onde se encontra o objeto sobre o qual ele atua. O objeto pode estar tanto em uma máquina diferente daquela onde se encontra o cliente quanto na mesma máquina. 201

16 7.4 CARREGAMENTO DINÂMICO DE STUB Em sistemas onde se utiliza o RPC, o código do stub deve ser gerado e linkado junto ao cliente antes de sua execução. Este código pode ser linkado estaticamente ou linkado dinamicamente em tempo de execução, utilizando para isso bibliotecas disponíveis localmente ou na rede. Em ambos os casos, o código que realiza o RPC deve estar disponível, na forma compilada, na máquina do cliente. O RMI generaliza essa técnica de carregar o código do stub em tempo de execução. Essa generalização do carregamento dinâmico do stub ( dynamic stub loading ) utiliza-se da capacidade do Java de realizar downloading de código. Tipicamente, o stub é carregado dinamicamente do sistema de arquivos locais, neste caso, o gerenciador de segurança não apresenta restrições. Entretanto, quando ele é carregado da rede, suas classes passam pelo gerenciador de segurança, prevenindo, assim, problemas potenciais de segurança (Java, 1999). O carregamento do stub, de forma dinâmica, é utilizado somente quando um cliente necessita de um determinado stub não disponível. Neste esquema, o código do stub (lado cliente) suporta o mesmo conjunto de interfaces remotas da implementação da classe que o gerou. Esse código do stub, residente num servidor host ou em qualquer outra localização, será enviado ao cliente sob demanda ( downloaded ). Para uma implementação remota, esse código pode ser gerado em tempo real ( on-the-fly ) no lado remoto e enviado para o cliente ou pode ser gerado no lado cliente através de uma lista de interfaces suportadas pela implementação remota. O carregamento dinâmico do stub emprega o carregador de classes do Java, o gerenciador de segurança e a serialização de objeto (Java, 1999). Quando a referência de um objeto remoto for passada como parâmetro ou como 202

17 resultado de uma chamada de método, o marshal stream, que transmite essa referência, incluirá também a informação de onde carregar a classe do stub para o objeto remoto (o URL, se ele for conhecido). Assim, quando a referência de objeto remoto for unmarshaled no destino, o marshal stream poderá localizar e carregar o código do stub (via carregador de classe e verificado pelo gerenciador de segurança) de tal forma que o cliente tenha disponibilizado o stub correto. 7.5 GARBAGE COLLECTION DE OBJETOS REMOTOS Num sistema distribuído, assim como, num sistema local, é desejável que todos os objetos remotos, não mais referenciados por qualquer cliente, sejam destruídos. Isso libera o desenvolvedor da necessidade de rastrear e finalizar, de maneira apropriada, os objetos remotos utilizados pelos clientes. Para executar a tarefa de coleta de lixo ( garbage collection ) o RMI utiliza-se de um algoritmo que implementa um contador de referência. Em tempo de execução, o RMI mantém, em cada JVM, o rastreamento de todas as referências de objetos vivos, isto é, que estão sendo referenciados por algum cliente naquela JVM. Quando um cliente referencia um objeto o contador é incrementado e quando deixa de referenciá-lo o contador é decrementado. A primeira vez que um objeto é referenciado é enviada uma mensagem de referenciamento para o servidor. No momento em que não existir mais referências vivas, uma mensagem de não referenciamento é enviada para o servidor. Se um objeto remoto não for mais solicitado pelos clientes, o RMI, em tempo de execução, utiliza uma referência fraca ( weak ) para referenciá-lo, permitindo ao coletor de lixo do JVM descartá-lo, caso não exista qualquer referência local a ele. Notar que, se existir partição de rede entre cliente e objeto remoto, é possível a ocorrência de uma remoção prematura deste objeto. Devido a esta 203

18 possibilidade, referências remotas não garantem integridade referencial, porque ela pode estar associada a um objeto inexistente e, neste caso, ocorrerá uma situação de falha (Java, 1999). 7.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Apesar do ambiente Java, como descrito neste capítulo, suportar as várias exigências de um ambiente de objetos distribuídos, nota-se que o RMI é um mecanismo caracterizado pelo fato do cliente, assim como o servidor serem, necessariamente, escritos em Java, tornando, por exemplo, a integração de sistemas legados, isto é, sistemas já existentes escritos nas mais diversas linguagens de programação, uma tarefa complexa (Curtis, 1998). Como visto nos capítulos anteriores, tem-se sempre um código, isto é, a implementação de um objeto executando numa máquina servidora acessada por um cliente. No Java, o mecanismo de adicionar uma camada extra de interpretação de bytecodes permite cópias e execução de seus códigos nas diversas máquinas onde as cópias estejam presentes. Esse mecanismo possibilita o ganho muito grande de portabilidade, mas, algumas vezes, causa perda de desempenho (Curtis, 1998). Pode-se também questionar, levando em conta a diferença existente na localização do código, a forma de distribuição implementada pelo Java. Tipicamente, um código é executado num servidor onde um cliente tem acesso a todas as suas funcionalidades. No Java, o código é copiado para o cliente como um arquivo e então executado. A aplicação do cliente acessa o código, em execução, localmente e, assim, o que é distribuído é o código Java e não, necessariamente, o dado e nem o processamento utilizado por ele (Grimes, 1997). De forma a ilustrar a utilização do Java/RMI encontra-se no Apêndice A um exemplo de aplicação. 204

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos

Invocação de Métodos Remotos Invocação de Métodos Remotos Java RMI (Remote Method Invocation) Tópicos Tecnologia RMI Introdução Modelo de camadas do RMI Arquitetura Fluxo de operação do RMI Passos para implementação Estudo de caso

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation)

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Programação com Objetos Distribuídos Um sistema de objetos distribuídos permite a operação com objetos remotos A partir de uma aplicação cliente

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

RMI: Uma Visão Conceitual

RMI: Uma Visão Conceitual RMI: Uma Visão Conceitual Márcio Castro, Mateus Raeder e Thiago Nunes 11 de abril de 2007 Resumo Invocação de Método Remoto (Remote Method Invocation - RMI) trata-se de uma abordagem Java para disponibilizar

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Distribuídos RPC x RMI. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos RPC x RMI. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos RPC x RMI Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Chamada Remota a Procedimento Definição Passagem de Parâmetros STUBS Semântica de Falhas 2 RPC Chamada Remota a

Leia mais

JAVA VIRTUAL MACHINE (JVM)

JAVA VIRTUAL MACHINE (JVM) JAVA VIRTUAL MACHINE (JVM) Por Leandro Baptista, Marlon Palangani e Tiago Deoldoto, 11 de Abril de 2009 A linguagem de programação Java proporciona o desenvolvimento aplicações que podem ser executadas

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Tipos de comunicação Middleware: serviço intermediário na comunicação de nível de aplicação. Fig. 67 Ex.: correio eletrônico Comunicação é persistente. Middleware

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução.

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. 3.1 ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Primeiramente, surgiu a arquitetura centralizada

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída em Java

Programação Paralela e Distribuída em Java Programação Paralela e Distribuída em Java Lucilene Baêta Ferrão, Reinaldo Silva Fortes Universidade Presidente Antonio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil lubeferrao@gmail.com, reifortes@yahoo.com.br

Leia mais

Definições. Parte 02. Java Conceitos e. Desenvolvimento de Programação Orientada a Objetos. Prof. Pedro Neto

Definições. Parte 02. Java Conceitos e. Desenvolvimento de Programação Orientada a Objetos. Prof. Pedro Neto Java Conceitos e Definições Parte 02 Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 2 O que é Java i. Java ii. Máquina Virtual iii. Java lento? Hotspot e JIT iv. Versões do Java e a confusão do Java2

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 04: Comunicação Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 FTP... 3 FTP e HTTP... 4 Exercícios... 6 2 Aula 1 FTP FTP significa File Transfer Protocol, traduzindo Protocolo

Leia mais

Um pouco do Java. Prof. Eduardo

Um pouco do Java. Prof. Eduardo Um pouco do Java Prof. Eduardo Introdução A tecnologia JAVA é composta pela linguagem de programação JAVA e pela plataforma de desenvolvimento JAVA. Os programas são escritos em arquivos-texto com a extensão.java.

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Orientação a Objetos em Java. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Orientação a Objetos em Java. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Orientação a Objetos em Java Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução; Orientação a Objetos; Orientação a Objetos em Java; Leonardo Murta Orientação a Objetos em Java 2 Agosto/2007

Leia mais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI JAVA MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Protocolo Requesição-Respostal Camadas Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI REMOTE METHOD INVOCATION Invocação remota

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos

Comunicação em Sistemas Distribuídos Comunicação em Sistemas Distribuídos Sockets Aplicações Protocolo de Aplicação FTP, SMTP, HTTP, Telnet, SNMP, etc. sockets TCP, UDP IP Data Link Ethernet, Token Ring, FDDI, etc Física Conjunto de APIs

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 4 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Migração de Código Em

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais