Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades"

Transcrição

1 Relações do Trabalho no Brasil Cenários e Dificuldades Alexandre Furlan 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO Belo Horizonte,

2 O CENÁRIO TRABALHISTA NO BRASIL

3 O Cenário Trabalhista no Brasil Discussão principal na legislação trabalhista: Como garantir segurança jurídica e competitividade para as empresas e a proteção aos trabalhadores? Incapacidade de resposta do atual modelo de Relações do Trabalho: 50% de trabalhadores na informalidade Dificuldade das empresas competirem externamente e de ofertarem produtos com menores preços Insegurança jurídica

4 O Cenário Trabalhista no Brasil Legislação Trabalhista Brasileira: Ultrapassada Engessada Burocrática Insegura Limita a produtividade e o conforto do trabalhador Onerosa Induz ao conflito Desestimula a negociação e o diálogo

5 O Cenário Trabalhista no Brasil Exemplos de temas em evidência: Terceirização Redução da Jornada Legal

6 O Cenário Trabalhista no Brasil TERCEIRIZAÇÃO A terceirização não deve ser confundida com a precarização das relações de trabalho. A contratante é subsidiariamente responsável pela preservação dos direitos estabelecidos em lei. Benefícios da terceirização: Concentração de esforços em atividades específicas Incorporação acelerada de novas tecnologias Melhoria de qualidade Redução de custos (seleção, capacitação etc.)

7 O Cenário Trabalhista no Brasil TERCEIRIZAÇÃO Ações adotadas - percentual de empresas FONTE: CNI - Sondagem Especial Brasília, 29 de abril de 2009

8 O Cenário Trabalhista no Brasil REDUÇÃO DA JORNADA LEGAL O teto para a jornada legal de trabalho vigente no Brasil é de 44 horas semanais. Alemanha: 48 horas Inglaterra: 48 horas Em vários setores e circunstâncias a jornada já vem sendo reduzida ao longo do tempo por meio da negociação coletiva. Não há necessidade de nova lei para regular a jornada.

9 O Cenário Trabalhista no Brasil REDUÇÃO DA JORNADA LEGAL Estimativa de 2 milhões de empregos adicionais é equivocada. Cálculo dos defensores (2005): de postos com 44h Novos postos pela conta: ( x 4) / 40 = Cada 10 postos cria-se automaticamente 1 novo posto. Suspensão das horas extras criaria novos postos de trabalho (2005): Cálculo: ( horas extras / 44) =

10 O Cenário Trabalhista no Brasil REDUÇÃO DA JORNADA LEGAL Considerações: 40% com contratos são de 40h ou menos (PNAD/IBGE ) MPEs são responsáveis por 50% dos empregos (não contratarão novo empregado se tiverem que reduzir a jornada de poucas pessoas) Induz à informalidade ou à substituição por máquinas e equipamentos Perda de competitividade do Brasil no mercado global = menos emprego Ou seja: NÃO GERA EMPREGOS

11 O Cenário Trabalhista no Brasil REDUÇÃO DA JORNADA LEGAL Considerações: Não reconhece particularidades e necessidades em empresas e setores Não considera efeitos sobre MPEs (97% das empresas industriais) Ou seja: TRATA OS DESIGUAIS DA MESMA FORMA

12 CUSTOS DO TRABALHO

13 Custos do Trabalho Custos Trabalhistas e Reflexos Mercado Interno Consequência: Redução da capacidade de consumo, da produção e do emprego Mais custos Maior Preço Menor Consumo Menor Produção Menos Empregos Mercado Global Consequência: Perda de competitividade, investimentos e empregos

14 Custos do Trabalho Composição: Salários Encargos Obrigações Acessórias Benefícios Burocracia Seleção e Capacitação Insegurança Jurídica Restrições à Produtividade CUSTOS EM CADEIA

15 MÃO DE OBRA NO SETOR MINERAL

16 Dados do Setor Mineral Dados sobre mão de obra, emprego, para o setor mineral - SENAI REGIÕES Nº de vínculos - Emprego Formal - Total Brasil Indústria 1 Mineração 2 Part. % em relação ao total de vínculos Part. % em relação ao total de vínculos da indústria NORTE 2,408, ,745 37, % 11.8% NORDESTE 8,010,839 1,166, , % 8.8% SUDESTE 22,460,999 4,467, , % 6.5% SUL 7,557,531 2,100, , % 4.8% CENTRO-OESTE 3,630, ,509 38, % 8.5% Total 44,068,355 8,499, , % 6.7% Fonte: RAIS 2010 Observações: Vínculos Formais Indústira extrativa e de transformação, exceto construção civil 2 - Foram consideradas as seguintes divisões CNAE 1.0: Extração de carvão mineral, Extração de minerais metálicos, Extração de minerais não-metálicos e Fabricação de produtos de minerais não-metálicos

17 Dados do Setor Mineral Dados sobre mão de obra, emprego, para o setor mineral - SENAI REGIÕES Extração de carvão mineral Extracão de minerais metálicos Extração de minerais nãometálicos Fabricação de produtos de minerais nao metálicos Total Mineração NORTE ,847 3,866 19,207 37,084 NORDESTE 154 6,607 18,340 78, ,114 SUDESTE ,565 44, , ,830 SUL 4, ,089 82, ,830 CENTRO-OESTE 81 6,169 6,530 25,488 38,268 Total 5,418 66,726 87, , ,126 Fonte: RAIS/MTE Vínculos Formais - Mineração

18 Mão de Obra no Setor Mineral Pessoas Ocupadas no Setor Mineral: ,2% 5,1% 2,1 % 11,5% Fonte: RAIS - MTE *CNAE's 05, 07, 08 e 23

19 Mão de Obra no Setor Mineral Maiores ganhos e perdas de trabalhadores por família ocupacional: Família Ocupacional Diferença Alimentadores de linhas de produção Trabalhadores da fabricação de cerâmica estrutural para construção Agentes, assistentes e auxiliares administrativos Ajudantes de obras civis Motoristas de veículos de cargas em geral Dirigentes do serviço público Garimpeiros e operadores de salinas Montadores de móveis e artefatos de madeira Médicos Trabalhadores dos serviços domésticos em geral Fonte: RAIS, 2009 e 2010

20 Mão de Obra no Setor Mineral 10 ocupações com maior participação no Setor Mineral: Família Ocupacional % Trabalhadores da fabricação de cerâmica estrutural para construção 7,9 Ceramistas (preparação e fabricação) 7,5 Alimentadores de linhas de produção 5,3 Ajudantes de obras civis 5,3 Agentes, assistentes e auxiliares administrativos 4,9 Motoristas de veículos de cargas em geral 4,5 Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção Trabalhadores de beneficiamento de pedras ornamentais 2,8 Trabalhadores de extração de minerais sólidos (operadores de máquinas) 2,8 Mecânicos de manutenção de máquinas industriais 2,6 Fonte: RAIS CNAES 5, 6, 7 e 8 3,9

21 Dados do Setor Mineral Dados sobre mão de obra, emprego, para o setor mineral - SENAI Projeção de novos empregos Média anual no REGIÕES período NORTE 1,786 7,144 NORDESTE 4,425 17,698 SUDESTE 1,643 6,571 SUL 13,231 52,923 CENTRO-OESTE 4,331 17,323 Total 25, ,659 Fonte: Mapa do Trabalho Indús trial - UNIEPRO/DIRET

22 Dados do Setor Mineral Dados sobre mão de obra, emprego, para o setor mineral - SENAI Tipo de Formação Tipo de Famílias Ocupacionais Média anual no período Industrial Até 200h de qualificação 14,231 56,924 Mais de 200h de qualificação 3,264 13,055 Superior Técnicas 2,148 8,593 Industrial Total 19,887 79,549 Não Industrial Até 200h de qualificação 2,912 11,647 Ignorado 1,117 4,467 Mais de 200h de qualificação Superior 973 3,891 Técnicas 380 1,520 Não Industrial Total Total geral Fonte: Mapa do Trabalho Indústrial - UNIEPRO/DIRET 5,528 22,110 25, ,659

23 Mão de Obra no Setor Mineral SONDAGEM ESPECIAL CNI Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria 74% da empresas da Indústria Extrativa sofrem com a falta de trabalhadores qualificados Para os empresários do setor, a principal consequência da falta de mão de obra qualificada é a dificuldade de se aumentar a produtividade

24 Mão de Obra no Setor Mineral SONDAGEM ESPECIAL CNI Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria Impacto da falta de trabalhador qualificado por área/categoria profissional (de 1 a 4 quanto maior, maior o impacto)

25 Mão de Obra no Setor Mineral SONDAGEM ESPECIAL CNI Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria A capacitação na empresa é o mecanismo mais utilizado para lidar com a falta de trabalhadores qualificados Porém, pelo menos 70% das empresas afirmam sentir dificuldades para investir em qualificação, mesmo que considerando necessário 62% dos empresários da Indústria Extrativa afirmam que a má qualidade da educação básica é o principal obstáculo para qualificação do trabalhador Sondagem Especial CNI: Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria

26 Mão de Obra no Setor Mineral Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira IBRAM - 5ª Edição Cada emprego no setor mineral proporciona a criação de 13 empregos diretos na cadeia produtiva (pesquisa do Ministério de Minas e Energia)

27 EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL COMO PRIORIDADE PARA O SISTEMA INDÚSTRIA

28 Educação e Qualificação Profissional como Prioridade para o Sistema Indústria 471 unidades fixas e 323 unidades móveis - é o maior provedor de capital humano para as empresas Atualmente oferece: cursos de aprendizagem cursos técnicos de nível médio 76 cursos superiores de graduação 119 cursos de pós-graduação em tecnologia Em 2010 foram realizadas matrículas em cursos de qualificação e matrículas em cursos de aperfeiçoamento

29 Educação e Qualificação Profissional como Prioridade para o Sistema Indústria Trabalha de forma sintonizada com as demandas atuais e futuras da indústria: faz o monitoramento constante do mercado de trabalho realiza estudos prospectivos nos campos tecnológico, organizacional, ocupacional e educacional elabora projeções da demanda por formação profissional realiza pesquisas de demanda nos estados desenvolve ações junto a arranjos produtivos locais

30 Educação e Qualificação Profissional como Prioridade para o Sistema Indústria O Observatório Ocupacional do SENAI indica: A demanda média por educação profissional nos próximos 5 anos será de cerca 3 milhões ao ano, entre formação inicial (novos trabalhadores/novas vagas) e continuada (trabalhadores que já se encontram no mercado de trabalho).

31

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL Ano 4 Número 2 ISSN 2317-7330 Julho de 2014 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Insegurança jurídica é principal dificuldade enfrentada pelas empresas que terceirizam 70% das empresas industriais (transformação,

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Agenda. Cenário da Indústria

Agenda. Cenário da Indústria Agenda Cenário da Indústria Retrato da Indústria Participação (%) Tributos (2009) PIB (2012) Salários (2012) 45 26,3 24,6 Emprego (2012) 24,6 51 Exportações (2012) Fonte: IBGE, RAIS/MTE, SECEX/MDIC, DECONTEC/FIESP;

Leia mais

Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro

Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro Evidências para a gestão de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Instituto de Medicina Social UERJ Procientista

Leia mais

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 São Paulo 2009 Conteúdo 1. ESTOQUE DE PESSOAS NACIONAL COM BASE NA RAIS RELAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOCIAIS DO

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental

Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental Ano 5, Nº.2 - junho de 2007 Empresas enfrentam dificuldades no licenciamento ambiental A indústria brasileira está, cada vez mais, empenhada em adotar práticas de gestão ambiental que reduzam os conflitos

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Sondagem Especial da Confederação Nacional da Indústria CNI O N D A G E M Especial Ano 5, Nº.3 - setembro de 2007 Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Mais

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal Foco Educação Brasília, 18 de junho de 2013 Uma visão de futuro: Mapa Estratégico da Indústria COMPETITIVIDADE COM SUSTENTABILIDADE AMBIENTE

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

Ensino público, gratuito e de qualidade

Ensino público, gratuito e de qualidade CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA público, gratuito e de qualidade 1 Rua Américo Davim Filho, s/ nº Vila São Paulo São João Del Rei MG Fone: (3) 337-5367 / Ramal 03 pronatec.sjdr@ifsudestemg.edu.br

Leia mais

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009 Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras Setembro de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar a questão da inovação e da competitividade no universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras.

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Caixa Econômica Federal Novembro/2010 Objetivos da avaliação de lucratividade das Unidades

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO Ano 7 Número 02 abril de 2009 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira 54% das empresas industriais utilizam serviços terceirizados 75% das empresas contratantes

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários CONTEXTUALIZAÇÃO O cenário produtivo e de negócios vem sofrendo contínuas transformações que ampliam o grau de competição entre as organizações, especialmente

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias REDEPETRO RN Grandes Compradores, pequenos fornecedores M.Sc. Gutemberg Dias MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO BRASIL 5 milhões de empresas formais (99% das empresas formais) e 10 milhões de informais;

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600 Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) Dados Gerais do Porto Digital 191 Empresas *Empresas de TIC: Empresas de software e serviços de TIC; **Serviços associados: Empresas que prestam

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Os empresários e a educação (Artigo) Data:27/09/2011 Veículo: BRASIL ECONÔMICO. Joaquim Castanheira, Diretor de Redação

Os empresários e a educação (Artigo) Data:27/09/2011 Veículo: BRASIL ECONÔMICO. Joaquim Castanheira, Diretor de Redação Os empresários e a educação (Artigo) Data:27/09/2011 Veículo: BRASIL ECONÔMICO Joaquim Castanheira, Diretor de Redação Pergunte a dez empresários brasileiros quais são os principais gargalos para o desenvolvimento

Leia mais

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 SEMINÁRIO NACIONAL CURRÍCULO E AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 Secretaria

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

Caracterização de Feira de Santana

Caracterização de Feira de Santana Caracterização de Feira de Santana! O município representa a maior concentração urbana do interior do Nordeste brasileiro, considerando as cidades fora das regiões metropolitanas das capitais.! Em sua

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral e o Artesanato Mineral no Estado do Pará - Realidade ou Esperança? SEBRAE/PA

Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral e o Artesanato Mineral no Estado do Pará - Realidade ou Esperança? SEBRAE/PA Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral e o Artesanato Mineral no Estado do Pará - Realidade ou Esperança? SEBRAE/PA Abril de 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Pará SEBRAE/PA JOSÉ

Leia mais

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM ESTIMATIVA DE IMPACTOS NAS DESPESAS COM REMUNERAÇÃO DE PESSOAL DO SETOR DA SAÚDE DIEESE ER/DF NOV/2011 1 INTRODUÇÃO A CNTS e outras entidades envolvidas na

Leia mais

ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO

ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO ABRIL/2011 ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO CONTROLES DE JORNADA E O PONTO ELETRÔNICO REFERÊNCIA Formas de controle de jornada de trabalho. Alterações decorrentes da Portaria do MTE nº. 373/2011, que

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Terceirização no Mercado de Trabalho

Terceirização no Mercado de Trabalho Terceirização no Mercado de Trabalho CENÁRIO Nos anos 90, o Brasil passa por uma série de transformações institucionais e estruturais, em um contexto de baixo crescimento e recessão. Antes da década de

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Histórico e Momento Atual A NR 12 teve sua redação substancialmente alterada pela Portaria MTE nº 197/2010 e encontra-se em

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Os caminhos para o Brasil de 2022

Os caminhos para o Brasil de 2022 Os caminhos para o Brasil de 2022 GOVERNANÇA PARA A COMPETITIVIDADE Gustavo Morelli Sócio diretor da Macroplan Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014 Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste Paula Montagner Outubro/ 2014 A Organização Internacional do Trabalho - OIT tem sido a principal promotora da implementação de ações restritivas ao trabalho

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria

FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA. Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA Ano 3 Número 1 ISSN 2317-7330 outubro de www.cni.org.br FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO. Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos

METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO. Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos 1 CAPACIDADE DE PRODUÇÃO MENSAL ATIVIDADES INDICADORES GRANDE VITÓRIA REGIÃO NORTE REGIÃO SUL TOTAL Empresas Nº 47 31 46

Leia mais

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO FORMATO EVENTO SINOPSE PÚBLICO CARGA- HORÁRIA PREÇO SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 80,00 SENAI - AUTOMOTIVO - MECÂNICO DE TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA 120

Leia mais

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br Lei da Aprendizagem 10.097/2000 Visite nosso site: www.cepro.org.br HISTÓRICO DO CENTRO PROFISSIONALIZANTE RIO BRANCO 1946 1997 Lar Escola Rotary (LER)- uma escola rural Mudança do nome para Centro de

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração SOBRATEMA Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC da FIESP 1 MISSÃO,

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Observatórios do Trabalho

Observatórios do Trabalho Observatórios do Trabalho O que são? Ferramentas de estudo, análise e de apoio ao diálogo social e à elaboração de políticas públicas de emprego, trabalho e renda e de desenvolvimento local / regional.

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

A relação das MPEs paulistas com o Poder Público

A relação das MPEs paulistas com o Poder Público A relação das MPEs paulistas com o Poder Público SONDAGEM DE OPINIÃO Dezembro 2007 1 Introdução Objetivos: Conhecer o relacionamento das micro e pequenas empresas (MPEs) com a comunidade e com os órgãos

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO Abril de 2015 1 Sumário Executivo O trabalho utiliza a mesma base de dados e metodologia que o elaborado pela CUT/DIEESE, ou seja, agregações de setores terceirizados e contratantes

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia 1 Inovação e Tecnologia A Prensas Schuler instalou-se no Brasil em 1965, época de grande desenvolvimento da indústria, em particular a automotiva, assumindo imediatamente a posição ocupada até hoje: líder

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana Date 5 may 2015 SISTEMA S - Brasil Dionisio Parise SENAI Departamento Regional do Parana AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE CNA Confederação da Agricultura

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

EMPREGO NA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS Empresas buscam alternativas para evitar demissões Empresas buscam alternativas

EMPREGO NA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS Empresas buscam alternativas para evitar demissões Empresas buscam alternativas Sondagem Industrial Especial Ano 16 Número 1 Julho 2015 Sondagem Especial Emprego na indu stria de Minas Gerais EMPREGO NA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS Empresas buscam alternativas para evitar demissões Empresas

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

AGENDA MINEIRA DO TRABALHO DECENTE

AGENDA MINEIRA DO TRABALHO DECENTE AGENDA MINEIRA DO TRABALHO DECENTE É considerado trabalho decente aquele adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, equidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna. Cenário do

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO Felipe Espíndola Carmona Brasília 13 de setembro de 2012. RS-2012 Ditado Africanos diz: O homem branco tem relógio mas não tem tempo! Vivemos em um período em

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo 2008

Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Notas técnicas estudo do empreendedorismo remonta a Cantillon, que imagina O o empreendedor como um portador de incerteza no mercado, aquele que é capaz de prever e investir no futuro, ajudando a ajustar

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA Estrutura A principal característica da indústria do é a pequena diversificação de sua estrutura. Os quatro gêneros mais significativos de indústria química, metalúrgica,

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais