Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2009"

Transcrição

1 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2009 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico - PUC/SP - Temas: Destaque: Japão busca parceria com o Brasil - Japão aponta intenção de ampliar presença no Brasil Investimentos e Comércio Nipo-brasileiro - Usiminas apresenta produtos com tecnologia da Nippon Steel para a indústria naval - Petrobrás refina óleo no Japão para atender a demanda na Ásia - Embraer vende jatos ao Japão - Investimento japonês na área de seguros - Nissui investe em pescados - Japão importa álcool anidro Investimentos e Comércio Sino-brasileiro - Vale avalia a construção de centros de distribuição na China - Petrobrás negocia participação da Sinopec em blocos exploratórios - China define estabelecimentos exportadores de carne de frango - Produtores comemoram primeira venda de frango à China - Consórcio Chinês vai fornecer pacote de trens com 120 carros por US$ 165 milhões - Compra de trilhos para a Ferrovia Norte-Sul será retomada - Grupo siderúrgico chinês demonstra intenção de instalar usina - Empresa Chinesa pretende montar máquinas para construção no Brasil - Siderúrgicas chinesas acertam acordos provisórios Diversos - Embrapa na Coréia - Motocicletas da Índia no Brasil - Fabricante de Taiwan pretende ampliar produção de notebooks - Empresas Asiáticas ampliam participação no mercado automobilístico - Ásia mantém-se como o principal mercado comprador do Brasil Destaque: Japão busca parceria com o Brasil Em recente palestra na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Maio de 2009), o embaixador do Japão no Brasil enfatizou o crescimento no Japão de um novo interesse pelo Brasil. Em uma pesquisa realizada pelo JBIC, com 600 empresas japonesas, o Brasil, entre os países do mundo com perspectivas para investimentos japoneses nos próximos anos, ocupou a sexta posição ultrapassando os Estados Unidos. Considerando um investimento a longo prazo, sobe para a quarta, ficando atrás da China, Índia e Rússia; mas na frente dos Estados Unidos e dos países do leste asiático, que por muitos anos eram os principais destinos dos investimentos japoneses. De outro lado, não é só um dado quantitativo, mas igualmente uma intenção de alocação de investimentos em setores de ponta, fazendo interagir o capital, a tecnologia, os recursos naturais, e também o mercado. De acordo com o embaixador trata-se da perspectiva de uma parceria para o desenvolvimento no âmbito global, com ênfase na tecnologia como palavra-chave para 1

2 o futuro do relacionamento. Em seu entendimento, o Brasil possui a capacidade de absorver essa tecnologia, de desenvolver a sua própria e adaptá-la às condições de seus vizinhos e demais parceiros. Japão aponta intenção de ampliar presença no Brasil A Jetro, órgão do governo japonês para promoção de investimentos, registra um aumento de interesse das empresas nipônicas pelo Brasil. Em 2008 o escritório brasileiro passou do 15º para o sexto lugar em volume de consultas, entre os 55 países em que a Jetro atua. E este ano a expectativa é de que o Brasil mantenha a sua classificação. As atenções para o Brasil não acontecem à toa. Na verdade não resta aos japoneses outra alternativa senão olhar para fora e arriscar distâncias maiores. Os dados da economia japonesa não são animadores. Depois de amargar uma queda de 15% no PIB no primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período de 2008, o Japão deve fechar 2009 com queda de 6,25% na economia, prevê o FMI. Mesmo com o anúncio do pacote fiscal do governo em março, é claro para todos que a solução não está no mercado interno. Pelo contrário. A crise reforçou a certeza de que novos mercados externos são a única saída para que as grandes companhias do Japão recuperem parte do nível de produção do ano anterior e amenizem a dependência em relação às exportações para Estados Unidos e China. Para Rei Oiwa, da Jetro, o Brasil começou a atrair setores novos da indústria japonesa. "Antes as atenções estavam para a exploração de recursos naturais, para o setor automobilístico e de eletrônicos." Agora surgem fabricantes de têxteis, perfumaria, cosméticos, remédios e de eletrodomésticos. (Japão volta a se interessar pelo Brasil, Valor Econômico, Marta Watanabe, 23/06/2009) Investimentos e Comércio Nipo-brasileiro Usiminas apresenta produtos com tecnologia da Nippon Steel para a indústria naval A Usiminas apresentou a executivos da indústria naval uma tecnologia que está implantando na usina de Ipatinga, em Minas Gerais, para fornecer à Petrobras e outras empresas chapas grossas de alta resistência que podem ser usadas na construção de navios, plataformas e na fabricação de tubos de aço. A novidade consiste em acoplar à linha de produção um equipamento de resfriamento acelerado de chapas grossas. A previsão da empresa é começar a vender as novas chapas de aço a partir de 2011 já de olho na demanda de equipamentos do pré-sal. Esse aço será produzido a partir de tecnologia desenvolvida pela Nippon Steel, uma das controladoras da Usiminas, e leva a marca CLC (sigla em inglês para Continuous Line Control), algo como controle contínuo de processo. Por meio de um acordo, a companhia brasileira comprou o equipamento para produção do aço de alta resistência e fez um acordo de transferência de tecnologia com a Nippon Steel. A Nippon Steel desenvolveu o equipamento de resfriamento acelerado de chapas na década de 80, mas levou anos para aprimorá-lo. Só nos últimos dez anos a indústria naval e offshore japonesa passou a utilizar o aço produzido a partir da tecnologia e é a primeira vez que a Nippon transfere a tecnologia e a venda do equipamento. (Usiminas monta estratégia para atender estaleiros, Valor Econômico, Francisco Góes, 25/06/2009) Petrobrás refina óleo no Japão para atender a demanda na Ásia Quando comprou, em abril de 2008, 87% da refinaria Nansei Sekiyu, em Okinawa, no sul do Japão, a Petrobras pretendia começar neste ano os investimentos necessários 2

3 para que pudesse processar petróleo comprado de outras unidades da própria empresa para reexportá-lo, com adição de etanol. A crise adiou esses planos, mas segundo o presidente da Nansei Sekiyu, Oswaldo Kawakami, a refinaria já começa a vender óleo para o mercado asiático. São volumes modestos, mas fazem parte de um plano da Petrobras para aproveitar a boa localização da Nansei Sekiyu, única refinaria da companhia na Ásia. Há pouco mais de um ano, a produção era de 25 mil barris ao dia. Agora, saltou para 55 mil barris. E a expectativa é continuar com esse nível de produção até o fim do ano. "Até agora estamos conseguindo vender a preços competitivos e com lucro", diz. Segundo Kawakami, a refinaria deve encerrar o ano fiscal de 2009 no azul, embora tenha registrado prejuízo no ano passado. (A expansão da Petrobras na Ásia, Valor Econômico, Marta Watanabe, 19/06/2009) Embraer vende jatos ao Japão A Embraer anunciou, em 15/06/2009, a venda de um terceiro jato à Fuji Dream Airlines, do modelo 175. O contrato original com a empresa, assinado em novembro de 2007, incluía pedidos firmes para dois jatos 170 e direitos de compra para outra aeronave do mesmo modelo. O custo médio de um Embraer 175 é de US$ 35 milhões. A Fuji Dream, companhia japonesa do grupo Suzuyo, iniciará as operações comerciais do jato 170 em julho deste ano. A empresa já recebeu duas aeronaves. Já o modelo Embraer 175 tem previsão de ser entregue em 2010 e está configurado para 84 assentos. (Embraer amplia venda dos jatos 190 e 175 para Europa e Japão, Valor Econômico, Virginia Silveira, 16/06/2009) Investimento japonês na área de seguros A Marítima confirmou, em 20 de maio de 2009, a associação com a japonesa Yasuda, que comprou 50% de seu capital por R$ 336 milhões. É o maior investimento feito fora do Japão pelo controlador da Yasuda, o Grupo Sompo Japan. Segundo o diretor administrativo e financeiro da Marítima, Milton Bellizia Filho, a empresa vai usar os R$ 200 milhões de injeção de capital novo para crescer no mercado de seguros brasileiro, que é hoje de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) e tem potencial para chegar nos 6% agora que a "cultura" de seguros está chegando cada vez mais às classes C e D. Para ficar com 50% da Marítima, a Yasuda fará também oferta privada de R$ 136 milhões para aquisição das ações dos acionistas minoritários pelo mesmo valor por ação da capitalização. Por isso, o valor total do investimento dos japoneses na aquisição será de R$ 366 milhões. (Marítima terá injeção de R$ 200 mi de capital, Valor Econômico, Cristiane Perini Luchesi, 21/05/2009) Nissui investe em pescados A japonesa Nissui, que fatura mais de US$ 5 bilhões por ano com a exploração, industrialização e venda de pescados, está acertando os últimos detalhes para iniciar suas operações no Brasil por meio de uma associação com a Netuno Alimentos, maior empresa do setor no país. A transação será feita por meio da criação de uma nova companhia, a Netuno Internacional, na qual a Nissui fará um aporte de capital de US$ 20 milhões para deter 50% dela. Já a Netuno Alimentos entrará com as operações que possui, mas continuará a ser dona das fábricas, que serão arrendados à empresa recém-criada. O objetivo da intricada operação é dar fôlego às atividades da Netuno e segregar as dívidas da companhia brasileira (cerca de R$ 150 milhões) da nova sociedade. (Japonesa Nissui prestes a se associar à Netuno, Valor Econômico, Carolina Mandl, 07/07/2009) 3

4 Japão importa álcool anidro O grupo Cosan fechou um acordo com a trading japonesa Mitsubishi para exportar álcool anidro para o Japão. O contrato prevê o embarque de até 80 milhões de litros por ano. A parceria prevê o fornecimento do combustível para utilização do anidro na produção de ETBE (éter etílico terc-butílico), um aditivo que contém etanol misturado com derivados de petróleo. O álcool, neste caso, vai substituir o metanol, considerado um aditivo poluente, dando um caráter sustentável ao combustível final (gasolina). Pelo contrato firmado com a Mitsubishi, a Cosan será fornecedora por um período de três anos O acordo firmado com a trading japonesa obedece os critérios de sustentabilidade. Este contrato está vinculado ao cumprimento das leis trabalhistas, à redução de gases de efeito estufa e ao respeito ao ambiente. (Cosan fecha acordo para exportar álcool ao Japão, Valor Econômico, Mônica Scaramuzzo, 14/07/2009) Investimentos e Comércio Sino-brasileiro Vale avalia a construção de centros de distribuição na China A Vale mudou sua estratégia de comercialização na China e decidiu construir centros de distribuição de minério de ferro no país. A companhia brasileira avalia erguer duas unidades, com capacidade de 2 milhões de toneladas cada uma. As províncias em estudo são Shandong, Hebei, Lianoning e Guandong, situadas nas regiões Centro, Nordeste e Sul. A mineradora já assinou protocolos de intenções com quatro portos: Rizhao (Shandong), Qingdao (Shandong) Caofeidian (Hebei) e Dalian (Liaoning). Em Guandong, os planos ainda avançaram pouco, porque é uma região onde a siderurgia deve crescer no futuro. O projeto está na dependência da concessão de licenças pelo governo chinês, que é bastante rigoroso nessa área. A Vale pretende operar com estoques para reduzir a dependência das operadoras marítimas, que puxaram os preços do frete antes da crise. A mudança permitiria ainda atender pequenas e médias siderúrgicas no mercado spot, no qual a Vale começou a atuar recentemente. As usinas chinesas de menor porte produzem aço para a construção civil, um do setores mais beneficiados pelo pacote fiscal de US$ 586 bilhões do governo chinês. Em Rizhao as negociações estão mais adiantadas. A Vale fechou um acordo para construir um terminal portuário para 300 mil toneladas de minério em conjunto com a Lan Bridge Group. Serão investidos US$ 410 milhões no terminal, com 75% de participação do sócio chinês e 25% da Vale. (Vale investe em centros logísticos na China para ampliar mercado, Valor Econômico, Raquel Landim, 22/05/2009) Petrobrás negocia participação da Sinopec em blocos exploratórios A Petrobras vai oferecer participação à petroleira chinesa Sinopec em blocos exploratórios de petróleo no Brasil e no exterior, informou um relatório divulgado em 27/05/2009 pelo JP Morgan. Segundo a Reuters, o banco, que informou ter conversado com o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, e o diretor financeiro, Almir Barbassa, diz que a estatal vai oferecer oportunidades de exploração para a Sinopec em dois blocos na bacia Pará-Maranhão, uma nova fronteira no Norte. Além disso, a Petrobras irá oferecer oportunidades de exploração em pelo menos um de seus blocos internacionais (Golfo do México, África ou Turquia). (Petrobras e Sinopec, Valor Econômico, 28/05/2009) 4

5 China define estabelecimentos exportadores de carne de frango A China divulgou em 27/05/2009 a lista dos estabelecimentos brasileiros que poderão exportar carne de frango ao país. De acordo com o Ministério da Agricultura, a lista definida com autoridades chinesas na semana passada, quando o presidente Lula visitou o país, tinha 24 estabelecimentos exportadoras, mas só 22 receberam autorização, já que dois estão pendentes de liberação. O início das vendas pode ser imediato. Os estabelecimentos foram habilitados pela China em dezembro de 2008, mas nenhum embarque foi feito porque o país não concedia licenças de importação. (Frango para China, Valor Econômico, 28/05/2009) Produtores comemoram primeira venda de frango à China Uma semana depois de a comitiva chefiada pelo Presidente Lula ter deixado a China, o Brasil fechou o primeiro contrato de venda de frango. O Grupo Doux Frangosul embarcará, na primeira semana de junho, 12 contêineres com carne de frango para a China. O volume negociado e a receita obtida não são informados por questões estratégicas da empresa. Mas, o mais importante é o que aponta o presidente da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango: A China abriu as negociações para valer. Não fez como alguns países que fizeram acordo com o Brasil, mas até agora não adquiriram o produto, como a Índia. De acordo com o executivo, quando negociações deste tipo são fechadas entre países, o tempo médio para o primeiro embarque nunca é inferior a 40 dias. (Brasil vende 1º. lote de frango à China. O Estado de S. Paulo, Célia Froufe, 30/05/2009) Consórcio Chinês vai fornecer pacote de trens com 120 carros por US$ 165 milhões O consórcio chinês CMC-CNRCRC ganhou licitação internacional do governo do Estado do Rio de Janeiro para fornecer à Supervia, concessionária de trens urbanos da região metropolitana, 30 trens unidades elétricos (TUE) por US$ 165 milhões. Os trens serão comprados com recursos de um financiamento de US$ 220,9 milhões em fase de contratação pelo governo estadual com o Banco Mundial (Bird) dentro da segunda etapa do Programa Estadual de Transportes (PET II). O consórcio chinês é liderado pela China National Machinery Import & Export Corp. (CMC), trading criada na década de 50 e que durante muito tempo foi a única autorizada a importar e exportar maquinário da China, disse Marco Polo Moreira Leite, presidente da Asian Trade Link (ATL), que representa o consórcio, ainda formado pela trading CNR (dona da fabricante dos trens Changchun Railway Vehicles Corp. (CRC). (Chineses vencem licitação da Supervia, Valor Econômico, Francisco Góes, 24/06/2009) Compra de trilhos para a Ferrovia Norte-Sul será retomada Um negócio de cerca de R$ 90 milhões para compra de 30 mil toneladas de trilhos destinados à Ferrovia Norte-Sul, em construção no Norte e Centro-Oeste, tornou-se alvo de polêmica. Empresas importadoras que representam fabricantes chineses - entre os quais os grupos siderúrgicos Wuhan e Anshan - apresentaram os melhores preços para fornecimento dos trilhos em licitação aberta pela Valec Engenharia, Construções e Ferrovias, concessionária da Norte-Sul. As duas "tradings" terminaram desclassificadas por descumprimento de termos do edital, entraram com recursos e perderam. A Valec cancelou a licitação e deve lançar novo certame para compra de um volume maior de material. A Asian Trade Link (ATL), empresa que representa nesse negócio "trading" chinesa ligada à siderúrgica Wuhan, fez a melhor proposta para fornecer as 30 mil toneladas de trilhos à Valec. Trata-se de um trilho especial conhecido no setor como TR-57 e que seria fornecido ao comprador em barras de 12 metros cada uma. 5

6 Em segundo lugar, ficou a Triumph Brazil Trading Company representando a Anshan. Apesar de apresentarem os melhores preços, as duas empresas foram "inabilitadas" pela Valec por descumprirem itens do edital de licitação. Marco Polo Moreira Leite, presidente da ATL, disse que havia cláusula no edital segundo a qual as empresas tinham de provar que haviam fornecido ao Brasil metade do volume licitado. (Valec desclassifica chineses e anula licitação de R$ 90 mi, Valor Econômico, Francisco Góes, 02/06/2009) Grupo siderúrgico chinês demonstra intenção de instalar usina O grupo siderúrgico chinês Wuhan Iron & Steel (Wisco) confirmou a decisão de instalar uma usina na região no Norte do Estado do Rio de Janeiro. Os recursos necessários para a construção serão de US$ 4 bilhões e as obras poderão gerar até 20 mil empregos. Em 19/05, a LLX e a MMX - mineradora do mesmo grupo - anunciaram um memorando de entendimentos sobre uma parceria comercial e estratégica com a Wisco. No documento, os chineses demonstram o interesse na construção de uma usina com capacidade de 5 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos por ano. Para analistas do setor, no momento estes entendimentos não passam de um protocolo de intenções, mas não é segredo para ninguém que os chineses estão há algum tempo lutando para instalar uma siderúrgica no Brasil. A Baosteel, a maior siderúrgica da China, já tentou duas vezes em associação com a Vale - uma no Maranhão e outra no Espírito Santo - e não conseguiu levar avante por questões ambientais de localização de terreno. Neste contexto, a Wuhan, terceira no ranking da China, não esconde seu interesse em fazer uma usina no Brasil, onde o custo do aço é um dos mais baixos do mundo. (Cidade do Rio se prepara para receber siderúrgica chinesa, Valor Econômico, Chico Santos, 02/07/2009) Empresa Chinesa pretende montar máquinas para construção no Brasil A XCMG (Xuzhou Construction Machinery Group), maior fabricante de máquinas para construção da China, pretende instalar um centro de distribuição e uma montadora de equipamentos no Brasil. A empresa está em busca de terrenos no complexo industrial e portuário de Suape, em Ipojuca (PE). A instalação da indústria será feita em sociedade com a Êxito, empresa que hoje faz a importação das máquinas da XCMG para o Brasil. A idéia é importar partes de carregadeiras e outras máquinas para montá-las no Brasil a partir do próximo ano, facilitando a logística de transporte da China para cá. Antes de instalar a montadora, porém, a XCMG pretende colocar em operação, ainda neste ano, uma central de distribuição e uma oficina de consertos. A expectativa da empresa também é transformar o Brasil em uma plataforma de exportação para atender os clientes da América Latina. (Pernambuco vai receber unidade da chinesa XCMG, Valor Econômico, Carolina Mandl, 09/07/2009) Siderúrgicas chinesas acertam acordos provisórios Duas siderúrgicas chinesas confirmaram, em 15/07, o fechamento de acordos de preços provisórios do minério de ferro, em meio a uma verdadeira queda de braço entre as grandes siderúrgicas do País e as mineradoras em torno da redução dos preços. Um executivo da Hebei Iron and Steel Group informou que sua companhia fechou acordo com a Vale, prevendo um desconto provisório de 28% em relação ao preço de contrato do ano passado, e com as anglo-australianas Rio Tinto e BHP Billiton para um desconto provisório de 33%. O diretor-geral da Hunan Valin Iron também afirmou que a companhia atualmente está utilizando um preço provisório com desconto de 33% em relação ao ano passado. Segundo analistas, os acordos prevêem apenas contratos provisórios com descontos 6

7 de 28% a 33%, que valerão até que o novo contrato anual seja definido com a China. Destacam que o desconto é o mesmo mecanismo adotado no início do ano, quando a Vale anunciou que concederia um corte provisório de 20% para seus clientes. A diferença é que hoje o acordo de 28% estabelecido com japoneses, europeus e coreanos serve de parâmetro para o mercado. (Mineradoras fecham acordos provisórios na China, O Estado de S. Paulo, Natália Gomez e Mônica Ciarelli,16/07/2009) Diversos Embrapa na Coréia A Embrapa inicia 2009 na área internacional com uma importante realização: a troca de representações com a Coreia do Sul e, consequentemente, a instalação do primeiro Laboratório Virtual da Embrapa no Exterior (Labex) no continente asiático. Em fevereiro, o especialista em reprodução animal da Agência de Desenvolvimento Rural (RDA) coreana, Boh Suk Yang, chegou ao Brasil para instalar o Republic of Korea Abroad Virtual Laboratory (RAVL), o Labex coreano, na sede da Embrapa, em Brasília. Da mesma forma, a partir de setembro a Embrapa iniciará as atividades do Labex da Embrapa na Coreia do Sul. O laboratório irá funcionar na cidade de Suwon, 40 km ao sul da capital Seul. Inicialmente, as instalações ficarão no próprio RDA. (Embrapa na Coréia, Valor Econômico, 20/05/2009) Motocicletas da Índia no Brasil A Dafra, fabricante de motocicletas pertencente ao grupo Itavema, anunciou em 01/07/2009 uma parceria com a indiana TVS Motor Company para trazer ao mercado nacional pelo menos dois modelos, a serem lançados entre o fim de 2009 e durante o ano que vem. Para o primeiro modelo, uma motocicleta esportiva, a previsão inicial é de que sejam produzidas entre 30 mil e 40 mil unidades em A princípio, a parceria prevê a montagem das motocicletas produzidas pela fabricante indiana na unidade da Dafra em Manaus (AM). Os modelos da TVS trazidos pela Dafra serão comercializados com as duas marcas. A rede de concessionárias também vai ser a mesma, informou o presidente da fabricante brasileira. Em 2008, a TVS produziu na Índia cerca de 1,5 milhão de motocicletas. A empresa briga pelo segundo lugar em vendas em seu país de origem, onde a Honda lidera. Já a Dafra, neste ano, ocupa a quarta colocação em participação de mercado (4,8%) no Brasil, atrás das japonesas Honda, Yamaha e Suzuki. (Dafra anuncia parceria com indiana, Valor Econômico, Guilherme Manechini, 02/07/2009) Fabricante de Taiwan pretende ampliar produção de notebooks Nos próximos meses, a Asus quer colocar no mercado novos modelos de ultraportáteis, além de duas opções de laptops A fabricante de computadores e componentes Asus, de Taiwan, vai ampliar sua base fabril no país com a contratação de uma unidade de produção terceirizada em Manaus. Em janeiro, ela deu início à fabricação local de seus equipamentos com uma parceria com a Visum, de Curitiba, especializada na montagem de placas e eletrônicos. Foram trazidos dois modelos de seu EeePC, os chamados netbooks, portáteis de tamanho reduzido com tela inferior a 10 polegadas. Nos próximos meses, a Asus quer colocar no mercado novos modelos de ultraportáteis, além de duas opções de laptops tradicionais. (Asus amplia produção de netbooks no país, Valor Econômico, André Borges, 20/05/2009) 7

8 Empresas Asiáticas ampliam participação no mercado automobilístico No primeiro semestre, as vendas da Hyundai no Brasil cresceram 16,1% na comparação com o mesmo período do ano passado, para 24,6 mil unidades. No grupo das dez maiores empresas automobilísticas do País, ficou atrás em porcentual de crescimento apenas da Toyota, que aumentou suas vendas em 20% no período, e da Ford, com 18,4% Junto com as japonesas Toyota, Honda, Nissan e Mitsubishi - que estão no País há mais tempo - e a também coreana Kia, o grupo de asiáticas detém hoje mais de 12% das vendas no País. Em 2000, a participação era de 5,7% e, em 2007, de 9%. As montadoras asiáticas seguem no Brasil a estratégia adotada em outros países, de entrar em mercados maduros como fizeram na década de 70 nos Estados Unidos. Entre as novatas, a chinesa Chery é uma das que têm potencial para atuar no País, com veículos de boa qualidade e alto valor agregado de conteúdo. A marca segue a estratégia de chegar primeiro como importadora. Uma fábrica local também foi anunciada pela Chery para o fim de 2011, o que tem provocado corrida de Estados e prefeituras para atrair o investimento de cerca de US$ 500 milhões. A Toyota também terá nova fábrica no País, em Sorocaba (SP), com inauguração prevista para 2011, para a produção de um carro compacto. Já a Hyundai coreana, que prometia inaugurar sua filial própria em Piracicaba (SP) também daqui a dois anos, paralisou o projeto, mas tem planos de retomá-lo no futuro. (Asiáticas buscam mais espaço no País, O Estado de S. Paulo, Cleide Silva, 12/07/2009) Ásia mantém-se como o principal mercado comprador do Brasil A Ásia se tornou a região do planeta que mais compra produtos do Brasil, ultrapassando a América Latina e a União Européia. No primeiro semestre de 2009, os asiáticos responderam por 26,8% das vendas externas, acima dos 22,9% dos europeus e dos 20,8% da América Latina. Nos seis primeiros meses de 2008, a participação da Ásia estava em 18%, quase 9% a menos. A América Latina absorvia 25,7% das exportações e a UE, 24,4%. A China, em particular, se consolidou como principal comprador dos produtos brasileiros e, pela primeira vez, foi o maior parceiro comercial do Brasil em um semestre. A Ásia foi o único mercado em que as exportações aumentaram no primeiro semestre, comparado com igual período de Segundo o Ministério do Desenvolvimento, as vendas para a Ásia cresceram 15,8%, com destaque para a China (42,3%). Puxadas pelas "commodities", só em junho, as exportações para a China avançaram 64,4% em relação a junho de Para todos os outros principais blocos econômicos, houve queda das exportações. As vendas para os Estados Unidos caíram 43,3% no semestre, e para a UE, 27,2% e para o Mercosul, a retração foi de 40,3%. Do lado das importações, o Brasil reduziu as encomendas de todos os blocos. As compras do Mercosul caíram 17,4%; da União Europeia, 21,9%; da Ásia, 27,3%; e dos EUA, 13,6%. (Vendas brasileiras só crescem para a Ásia, O Estado de S. Paulo, Renata Veríssimo, 02/07/2009) Las opiniones expresadas y la información mencionada en este documento pertenecen a su autor, autores o a las fuentes citadas y no representan necesariamente la opinión del Observatorio Iberoamericano de Asia-Pacífico ni de las instituciones de las cuales depende o que lo patrocinan. Éstas no hacen propios los contenidos del documento y no son responsables ni de su autoría ni del uso que se pueda hacer de los mismos. 8

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL ANÁLISE ECONÔMICA DA CSN DE SETEMBRO DE 2011 Cenário Internacional 2011 foi marcado por um ambiente econômico de instabilidade, agravamento da crise européia.

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Marco Polo de Mello Lopes Presidente Executivo ABM Maio 2011 1 PIB x Consumo de Aço x Desenvolvimento Econômico 2 Conversa entre Lula e

Leia mais

APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO. Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC. 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública

APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO. Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC. 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública APIMEC São Paulo Rômel Erwin de Souza CEO Apresentação Usiminas 2T11 - APIMEC 12 de novembro de 2015 Classificação da Informação: Pública Agenda Usiminas em linhas gerais Informações de Mercado Usiminas

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais TOSHIBA CORPORATION De origem japonesa, a Toshiba Corporation atua há mais de 120 anos na produção e venda de produtos eletrônicos dotados de alta tecnologia. Foi fundada em 1875 e desde então atende a

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Dezembro 2009/Janeiro de 2010

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Dezembro 2009/Janeiro de 2010 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Dezembro 2009/Janeiro de 2010 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico - PUC/SP www.pucsp.br/geap Temas: Destaque:

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Gerente de Relações Institucionais Marcio Mendonça Cruz Revitalização Revitalização da da indústria indústria

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2010

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2010 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Junho/Julho de 2010 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico - PUC/SP www.pucsp.br/geap Temas: Destaque: Investimentos

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, São Paulo 25 de outubro de 2010 O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Dr. Ivan Ramalho, Secretário-Executivo Ministério

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore

A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore A Siderurgia brasileira de aços planos e o Atendimento ao Mercado Naval e Offshore Workshop de Tecnologia de Construção Naval e Offshore PROMINP Firjan, 24 de Junho de 2009 Sergio Leite de Andrade Vice

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011 Relações com Investidores A Tenaris Sobre a Tenaris Líder global na produção de tubos de aço e serviços para a indústria energética, automotiva e aplicações

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Outubro/Novembro de 2009

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Outubro/Novembro de 2009 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Outubro/Novembro de 2009 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico - PUC/SP www.pucsp.br/geap Temas: Destaque: investimento

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010. Tribuna da Bahia. Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha

Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010. Tribuna da Bahia. Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010 Tribuna da Bahia Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha Assistência médica e mecânica nas rodovias Os motoristas que trafegam pelas

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 3ª SEMANA DE MAIO O Valor Econômico traz, novamente, declarações do presidente do INDA, Carlos Loureiro. Na reportagem, o porta-voz da entidade afirma que as medidas

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil- Asia-Pacífico Siderurgia / Mineração Parceria entre CSN e Baosteel

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil- Asia-Pacífico Siderurgia / Mineração Parceria entre CSN e Baosteel Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil- Asia-Pacífico Outubro- novembro do 2006 Henrique Altemani de Oliveira, Grupo de Estudos Ásia-Pacífico PUC/SP - www.pucsp.br/geap Temas: - Parceria

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria tecnológica com a Kawasaki na sede da Odebrecht S.A.

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Doutorando: Julio Cesar Neves dos Santos Orientadora: Profa. Ph.D Eunice Maia de Andrade O que é Álcool combustível? Histórico UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 04 A 08 DE NOVEMBRO

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 04 A 08 DE NOVEMBRO SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 04 A 08 DE NOVEMBRO Esta semana, destaque para as matérias dos jornais Valor Econômico, Demanda no mercado interno sobe e melhora perspectiva para siderurgia,

Leia mais

POTÁSSIO DO BRASIL ANUNCIA NOVA DESCOBERTA DE MINERALIZAÇÃO DE POTÁSSIO NA BACIA AMAZÔNICA E MOBILIZA TERCEIRA SONDA

POTÁSSIO DO BRASIL ANUNCIA NOVA DESCOBERTA DE MINERALIZAÇÃO DE POTÁSSIO NA BACIA AMAZÔNICA E MOBILIZA TERCEIRA SONDA POTÁSSIO DO BRASIL ANUNCIA NOVA DESCOBERTA DE MINERALIZAÇÃO DE POTÁSSIO NA BACIA AMAZÔNICA E MOBILIZA TERCEIRA SONDA PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA Nova descoberta de minério de potássio na Bacia do Amazonas

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL DÉCADA DE 70 E 80 O BRASIL CHEGOU A SER O 2º PRODUTOR MUNDIAL DE EMBARCAÇÕES EMPREGAVA 40 MIL TRABALHADORES DIRETOS E CERCA DE 160 MIL INDIRETOS DÉCADA DE 90 Abertura indiscriminada

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2010

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2010 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2010 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico - PUC/SP www.pucsp.br/geap Temas: Destaque: Visita de

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Tarsila do Amaral (Carnaval em Madureira -1924) Cândido Protinari (Samba, óleo sobre tela.1956) Mar O Pré-Sal é Leito oceânico uma dádiva de Deus Arte Petrobras

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ CAMPUS 2014 Brésil Internacional Agenda PetróleoeGásNaturalnoBrasileRiodeJaneiro Situação da Indústria Naval Sistema FIRJAN: Soluções para Indústria de P&G

Leia mais

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014 Apresentação para Investidores Novembro de 2014 1 Agenda Diferenciais Gerdau Estratégia Destaques Operacionais e Financeiros Perspectivas Diferenciais Gerdau Mais de 110 anos de atuação no mercado do aço

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico Duarte Aquino Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo Vitória, 22/09/2011 POR QUE INVESTIR NO ESPÍRITO SANTO?

Leia mais

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS DIRETORIA DE GESTÃO DE FUNDOS E INCENTIVOS E DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS 1º DE JANEIRO DE

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 02 A 06 DE DEZEMBRO

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 02 A 06 DE DEZEMBRO SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 02 A 06 DE DEZEMBRO Esta semana, destaque para a matéria da versão online do jornal Diário do Comércio sobre os dados do setor siderúrgico de outubro, com

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins Japão e Tigres Asiáticos Prof.º Acácio Martins Aspectos gerais: natureza e sociedade Arquipélago montanhoso localizado no hemisfério norte, no extremo leste da Ásia; Área de 377.488 km² um pouco maior

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços 1 1- Panorama Econômico 2- PQR 3- Destaques 2 ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO O Rio de Janeiro que você já

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços Sumário Rio de Janeiro em números Energia Petróleo Carteira de Investimentos Rio de Janeiro em números Comércio Exterior Rio bate

Leia mais

Destaques. Edição 27 - Ano 02. Acompanhe as principais notícias do Grupo Gerdau nas Américas. Boa leitura!

Destaques. Edição 27 - Ano 02. Acompanhe as principais notícias do Grupo Gerdau nas Américas. Boa leitura! Edição 27 - Ano 02 Acompanhe as principais notícias do Grupo Gerdau nas Américas. Boa leitura! Destaques» Gerdau aumenta faturamento em 39% no trimestre» Grupo Gerdau amplia operações em Minas Gerais»

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Fusões e Aquisições. Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012. Classificação da Informação: Pública

Fusões e Aquisições. Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012. Classificação da Informação: Pública Fusões e Aquisições Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012 Principais Características da Metodologia de Fusões e Aquisições 2 Fusões e Aquisições Metodologia A partir de 2010, os critérios da metodologia

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA

ABINFER. Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA ABINFER Programa para a cadeia produtiva de FERRAMENTARIA O Plano de Metas foi um importante programa de industrialização e modernização levado a cabo na presidência de Juscelino Kubitschek 1956-1961.

Leia mais

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento Márcio Félix Secretário de Estado de Desenvolvimento Vitória, 04 de outubro

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2009

Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2009 Síntese de atualidade econômica e empresarial Brasil-Ásia-Pacífico Abril/Maio de 2009 Henrique Altemani de Oliveira Grupo de Estudos Ásia-Pacífico PUC/SP www.pucsp.br/geap Temas: - Destaque: Visita do

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER PERÍODO DE 10 A 14 DE FEVEREIRO Nessa semana, destaque para a reprodução no portal Metálica da matéria do jornal Valor Econômico, Inda mantém previsão de alta de

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Seminário A competitividade do comércio exterior capixaba: infraestrutura logística e controle aduaneiro Cristina Vellozo Santos Subsecretária de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Clipping Pessimismo sobre mineradoras aumenta e Vale cai em Nova York

Clipping Pessimismo sobre mineradoras aumenta e Vale cai em Nova York Pessimismo sobre mineradoras aumenta e Vale cai em Nova York 4360532 - VALOR ECONÔMICO - EMPRESAS - SÃO PAULO - SP - 13/06/2014 - Pág B2 A forte queda do preço do minério de ferro e um relatório pessimista

Leia mais

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~ Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático ~ Japão, China e ASEAN ~ Palavras-chaves Leste Asiático o Centro de Crescimento do Mundo Integraçã ção o Progressiva das

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 JUNHO 2015. Cotação (30/06/15) PLAS3 - R$ 0,27 Valor de mercado em 30/06/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 67 milhões Quantidade Ações Ordinárias: 249 MM Relação com Investidores

Leia mais