TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009"

Transcrição

1

2 TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência Francisco Valim, Ago 2009

3 A CRISE GLOBAL EM UM DIAGRAMA Política Monetária Expansionista Risco Subestimado nos Mercados Financeiros Falhas em Governança Corporativa Famílias poupando pouco e se endividando demais Déficits no Orçamento Federal Bolha no Mercado de Ações Alavancagem excessiva nas Instituições Financeiras Teoria da Complexida de Empréstim os Predatórios Bolha Imobiliária Baixa Poupança Nacional Crash do Mercado de Ações Crescime n-to da China Instabilidade no Golfo Árabe Aumento no Preço do Petróleo Fontes: Harvard University/ New York Times DC ODC Recessão BH Crise Financeira DC- Derivativo de Crédito ODC Obrigações de Dívida Colateral BH Bônus Hipotecários Crash Imobiliário Menor crescimento econômico no longo prazo Eventual perda da Hegemonia Global Americana Endivida - mento Externo

4 ECONOMIA MUNDIAL 2009 POUCAS ECONOMIAS CRESCERÃO Fonte: FMI Fonte: IMF

5 AS ECONOMIAS EMERGENTES IMPEDIRÃO UMA QUEDA MAIOR DO PIB MUNDIAL CRESCIMENTO DO PIB em % Fonte: FMI

6 A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E A ECONOMIA BRASILEIRA Brasil está melhor preparado para enfrentar crises externas

7 A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E A ECONOMIA BRASILEIRA Retomada do crescimento econômico está sendo mais rápida do que o esperado

8 A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ESTÁ EQUILIBRADA SALDO RECURSOS DISPONÍVEIS SAÍDAS PAGAMENTO DÍVIDAS ENTRADAS RENDA + NOVAS CONCESSÕES

9 A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ESTÁ EQUILIBRADA SALDO DE RECURSOS DISPONÍVEIS EM R$ BILHÕES R$ 947 R$ R$ R$ R$ 1.206

10 CASO CENÁRIO DE STRESS 2010 CENÁRIO 1 Em 2010, concessões crescem o mesmo que o esperado em 2009 Queda dos recursos disponíveis estimada em 2,6% R$ R$ 1014 CENÁRIO 2 Concessões zeradas em 2010 Queda dos recursos disponíveis estimada em 16% Obs: Valores em R$ bilhões

11 ELEVADA COBERTURA CAMBIAL COLCHÃO (Reservas Internacionais/ Dívida Externa) Fonte: Banco Central Elaboração : Serasa Experian

12 COMO CONSEQÜÊNCIA, RISCO BRASIL SUBIU POUCO, DADA A GRAVIDADE DA CRISE

13 RECUPERAÇÃO DO COMÉRCIO NO PAÍS, MAIS RÁPIDA A PARTIR DE MAIO Fonte Serasa Experian

14 VÁRIOS SETORES DO COMÉRCIO APRESENTAM RECUPERAÇÃO DO CONSUMO Fonte Serasa Experian

15 PARCELA DA POPULAÇÃO MUNDIAL COM CONTA BANCÁRIA E ACESSO AO CRÉDITO Fonte: Banco Mundial

16 O BRASIL AINDA POSSUI UMA BAIXA RELAÇÃO CRÉDITO/ PIB ANTE O PORTE DA ECONOMIA Fonte: Banco Central

17 O CRÉDITO PARA PESSOA FÍSICA SE RECUPERA MAIS RÁPIDO DO QUE O PARA EMPRESAS Operações de Crédito no Sistema Financeiro R$ Bilhões Var.% 08/ * Var.% 09/08* Taxa de Juros Selic (dez.) N/A 15,75% 11,25% 13,75% 2,5 p.p. 8,75% -5,0 Total Crédito % p.p. 4,1% Crédito Consumidor Recursos % ,4% Livres % Crédito/PIB 33,9% 27,7% 34,2% 41,1% 6,9 p.p. 43,7% 2,6 p.p. %Crédito Consumidor/PIB 2,3% 5,3% 11,6% 13,3% 1,7 p.p. 14,9% 1,6 p.p. %Crédito Consumidor/ Consumo das Famílias 3,7% 8,5% 20,1% 22,2%* 2,1 p.p.* 23 %(**) 0,8 p.p. Taxa juros Crédito Pessoal a.a. 183,2 67,7% 45,8% 58,0% 12,2 32,9% -- Inadimplência Pessoa Física % N/A 5,44% 7,0% 8,1% p.p. 1,1 p.p. 8,6% 25,1pp 0,5pp * Até JUNHO 2009 (**) Estimado Fontes: Banco Central E Febraban Elaboração: Serasa Experian

18 A PERSPECTIVA PARA O CRÉDITO ÀS EMPRESAS, EM 2009, É DE CRESCIMENTO * Projeções Elaboração: serasa Fontes: Banco Central E Febraban Var.% 08/ * Var.% 09/08* Taxa de Juros Selic (dez.) N/A 15,75% 11,25% 13,75% 2,5 p.p. 8,75% -5,0 p.p. Total Crédito % ,1% Operações de Crédito no Sistema Financeiro R$ Bilhões Crédito Empresas Recursos Livres % ,7% % Crédito/PIB 33,9% 27,7% 34,2% 41,1% 6,9 p.p. 43,7% 2,6 p.p. % Crédito Empresas/PIB 6,6% 10,3% 12,5% 16,1% 3,6 p.p. 15,9% -0,2 p.p. Taxa juros Empresas a.a. N/A 27,47% 22,88% 30,75% 7,8% p.p. 27,6% -3,1% Inadimplência Pessoa Jurídica N/A 3,3% 2,0% 1,8% -10% 3,4% 1,6pp * Até JUNHO 2009 (**) Estimado Fontes: Banco Central E Febraban Elaboração: Serasa Experian

19 EXISTE POTENCIAL PARA EXPANSÃO DO CRÉDITO AO CONSUMIDOR 2008 Crédito Imobiliário / PIB Crédito Veículos / PIB Crédito PF / PIB Crédito Total PF / PIB Crédito Total PF / Renda Disponível Renda Disponível / Crédito Total PF Brazil 2,5 2,9 9,5 14,9 26,1 3,8 USA 86,3 9,2 9,0 104,5 121,9 0,8 UK 72,8 5,9 7,4 86,1 106,0 0,9 Corea 52,8 17,0 23,3 93,0 148,6 0,7 Canadá 31,4 4,5 16,1 52,0 92,0 1,1 Espanha 57,5 5,5 19,0 82,0 91,9 1,1 Chile 37,0 6,0 3,2 46,3 77,7 1,3 BRASIL Fonte: Banco Mundial/FMI/BIS Possui as menores relações crédito PF/PIB Único país em que o financiamento de veículos é superior ao habitacional Financiamento de veículos/pib no Brasil é 1/3 da relação nos Estados Unidos Único país em que a renda pessoal disponível cobre o crédito concedido ao consumidor por quase 4 vezes País que tem o crédito pessoal equivalendo a menor parcela da renda pessoal disponível

20 Taiwan Tailania O BRASIL TEM UMA DAS MAIS BAIXAS RELAÇÃO CRÉDITO IMOBILIÁRIO/PIB DO MUNDO Alemanha Japão UK EUA Bulgaria Rep. Tcheca Hungria Israel Cazaquistão Polonia Romenia Russia Africa do Sul Turquia Ucrânia Bahrain Egito Jordânia Kuwait Libano Marrocos Oman Qatar Arabia Saudita Tunísia União Est. Árabes Argentina Brasil Chile Colombia México China India Indonésia Malásia Filipinas Coreia do Sul Fonte: Merril Lynch

21 A RELAÇÃO CRÉDITO/PIB DO BRASIL É MENOR AINDA NA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL América Latina 33.2 Países Emergentes da Europa 45.0 Países Emergentes da Asia Países Desenvolvidos MUNDO 80.0 Fonte: Bancos Centrais / BIS

22 Os países que passaram por bolha de crédito... Possuem relação crédito imobiliário para PF/PIB acima dos 50% No Brasil é 2,5% Possuem relação crédito PF/PIB acima dos 80% Os recursos pessoais disponíveis são insuficientes para cobrir o crédito PF...é 14,9% A caixa d água está equilibrada!

23 MERGULHANDO MAIS FUNDO NO CRÉDITO

24 FOCO NO COMPORTAMENTO DO CRÉDITO ÀS EMPRESAS

25 AS NOVAS CONCESSÕES MENSAIS PARA AS EMPRESAS REFLETEM UMA RECUPERAÇÃO Fonte: Banco Central

26 AS NOVAS CONCESSÕES PARA AS EMPRESAS, EM DIVERSAS CARTEIRAS, ESTÃO APONTANDO PARA A NORMALIDADE DOS RECURSOS Fonte: Banco Central

27 A DEMANDA DAS EMPRESAS POR CRÉDITO TAMBÉM DEMONSTRA SINAIS DE RECUPERAÇÃO Fonte Serasa Experian

28 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO EMPRESAS Fonte Serasa Experian IQC Empresas varia numa escala de 0 a 100 e quanto maior, melhor é a qualidade do crédito (menor é a probabilidade de inadimplência).

29 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO EMPRESAS Fonte Serasa Experian

30 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO EMPRESAS Fonte Serasa Experian

31 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO EMPRESAS Fonte Serasa Experian

32 EM AGOSTO, HOUVE UMA MIGRAÇÃO DAS EMPRESAS PARA O RISCO MÉDIO Amostra: 647 empresas * SET/08 a JUN/09 Fonte: Serasa Experian

33 A CRISE TEVE EFEITO IMEDIATO NO DESEMPENHO DOS SETORES ECONÔMICOS 71 Setores tiveram o conceito piorado 24 Setores mantiveram o conceito 3 Setoesr melhoraram o conceito * SET/08 a JUN/09 Fonte: Estudos Setoriais Serasa Experian

34 O NÍVEL DE INADIMPLÊNCIA DAS EMPRESAS SE MANTEM EM PATAMAR ELEVADO 8,3% 7,3%

35 FOCO NO COMPORTAMENTO DO CRÉDITO AO CONSUMIDOR

36 AS NOVAS CONCESSÕES MENSAIS DE CRÉDITO PARA O CONSUMIDOR CONTINUAM SUBINDO Fonte: Banco Central

37 AS NOVAS CONCESSÕES PARA O CONSUMIDOR APRESENTAM PATAMARES PRÉ-CRISE Fonte: Banco Central

38 DEMANDA DO CONSUMIDOR POR CRÉDITO SOBE DESDE MARÇO Fonte Serasa Experian

39 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO DO CONSUMIDOR Fonte Serasa Experian IQC Consumidores varia numa escala de 0 a 100 e quanto maior, melhor é a qualidade do crédito (menor é a probabilidade de inadimplência).

40 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO DO CONSUMIDOR Fonte Serasa Experian

41 INDICADOR DE QUALIDADE DE CRÉDITO DO CONSUMIDOR Fonte Serasa Experian

42 A INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR TEM APRESENTADO CRESCIMENTO CONSTANTE 8,3% 7,3% Variação anual com 6,9% de aumento (Julho 2009/2008)

43 IMPORTÂNCIA DA REDUÇÃO DA INADIMPLÊMCIA NA FORMAÇÃO DOS JUROS Dados disponíveis em novembro/ 2008 Composição do Spread Inadimplência 18,62% Custo do Compulsório 37,35% Custo Administrativo 26,93% Margem do Banco 13,50% 3,59% Tributos e Taxas Fonte : Banco Central

44 IMPORTÂNCIA DA REDUÇÃO DA INADIMPLÊMCIA NA FORMAÇÃO DOS JUROS Qual a razão da inadimplência alta no País? Falta critério na concessão ou o brasileiro não é bom pagador? Modelo de seleção adversa Falta de informação Juros altos Incentivo a inadimplência 37,35% do spread devido à inadimplência Os juros são altos porque a inadimplência está socializada Modelo de seleção adversa

45 A FORÇA DO CADASTRO POSITIVO

46 OS CENÁRIOS NÃO INDICAM O RISCO DE CRISE OU BOLHA, MAS É PRECISO ATENÇÃO... Aumento do endividamento médio do consumidor Massa de consumidores usando crédito permanece constante Possivelmente caminhamos no sentido de uma concentração do crédito em uma mesma parcela da população Evolução do Saldo Médio de Crédito Parcelado Evolução da relação Saldo de Crédito Parcelado/Renda 7, , , , , , , , , , , / 31/ / 31/ / 31/ / 31/ / 31/ / 31/ / 31/ / 31/ 2009 Fonte : Amostra Credit Bureau Serasa fev/09

47 ALAVANCANDO O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DO CRÉDITO RESTRINGIR O CRÉDITO NÃO É O CAMINHO Como crédito tem um efeito multiplicador sobre os recursos futuros, estaríamos sacrificando crescimento futuro REDUZIR O SERVIÇO DA DÍVIDA Diminuir os juros que o consumidor paga Redução das componentes de custo de um empréstimo Crédito melhor concedido com base em informações positivas EVITAR O SUPER-ENDIVIDAMENTO Crescimento do crédito, mas não concentrado em apenas um determinado grupo de consumidores. Mecanismos adequados para avaliar endividamento e risco de consumidores : Cadastro Positivo

48 4 QUESTÕES CHAVE PARA ALAVANCAR O CRESCIMENTO COM INTELIGÊNCIA 1 Compartilhar dados 2 Gerenciar o ciclo completo de negócios do cliente 3 Promover uso de Cadastro Positivo 4 Educar financeiramente o consumidor

49 O VALOR DE COMPARTILHAR DADOS PELA EXPERIÊNCIA DA SERASA QUANTO MAIOR A QUANTIDADE DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS, MAIOR O RISCO DE INADIMPLÊNCIA... Quantidade de compromissos Risco de default em relação ao risco médio 107,1% 93,4% 76,3% 22,7% 51,1% -3,1% ou + Fonte : Serasa database fev/09

50 O VALOR DE COMPARTILHAR DADOS PELA EXPERIÊNCIA DA SERASA QUANTO MAIOR O PRAZO TOTAL DO COMPROMISSO, MAIOR É O RISCO Prazo do compromisso (em dias) Risco de default em relação ao risco médio 211% 187% 137% 80% -10% % 22% Fonte : Serasa database fev/09

51 O VALOR DE COMPARTILHAR DADOS PELA EXPERIÊNCIA DA SERASA QUANTO MAIS PAGAMENTOS EM DIA O CONSUMIDOR APRESENTA, MENOR O SEU RISCO EM RELAÇÃO À MÉDIA Diferença em relação ao risco médio QTDE DE PAGAMENTOS EM DIA -17,1% -11,2% -9,1% -1,6% 1-2 mais que ,0% 0 61,4% Fonte : Serasa database fev/09

52 O COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO AUMENTA OS EMPRÉSTIMOS ÀS MPE S 24 % do crédito para as MPE s AUMENTA EM CERCA DE 50% O ACESSO AO CRÉDITO DAS MPE`S. Fonte: Love and Mylenko, do Banco Mundial: baseados em entrevistas a empresa de 52 países.

53 O COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO AMPLIA O ACESSO AO CRÉDITO 25 % Acréscimo no volume emprestado DE CADA 100 MIL PEDIDOS DE CRÉDITO 11,4 MIL SÃO PERDIDOS PELA UTLILIZAÇÃO EXCLUSIVA DE INFORMAÇÃO NEGATIVA Fonte: Barron and Staten: Professores Drs. em Universidades dos EUA, considerando a experiência em mais de 100 países

54 INFORMAÇÃO POSITIVA SE O BRASIL JÁ POSSUI UM MODELO RÍGIDO DE AVALIAÇÃO DE RISCO, PARA QUE SERVE O CADASTRO POSITIVO? NÃO É UM EXAGERO? Sistema de concessão de crédito com a menor assimetria de informações Conhece Capacidade de pagamento Disposição para pagamento Diminuir a assimetria é obter informações detalhadas sobre o crédito

55 INFORMAÇÃO POSITIVA A INADIMPLÊNCIA NO BRASIL JUSTIFICA ESSA MEDIDA? Inadimplência no Brasil nos últimos cinco anos variou entre 6,5% e 8,6% Quatro vezes maior do que nas economias onde o crédito é amplamente distribuído Inadimplência nos EUA nos últimos 5 anos teve a média trimestral de 2,29%

56 NO BRASIL, O CADASTRO POSITIVO REDUZIRÁ A INADIMPLÊNCIA PF, EM CERCA DE 45% E AMPLIARÁ O ACESSO AO CRÉDITO EM 19%, DE ACORDO COM A SERASA EXPERIAN Inadimplência fonte Banco Central e estimativa de queda do Banco Mundial

57 O CADASTRO POSITIVO PROMOVE A QUEDA DA INADIMPLÊNCIA EM TODAS AS CARTEIRAS 28 Fonte: Barron and Staten: Professores Dr. em Universidades dos EUA 5

58 HOJE, AS AVALIAÇÕES DE CRÉDITO CONSIDERAM AS SEGUINTES INFORMAÇÕES: INFORMAÇÕES BÁSICAS Nome, endereço e telefone Dívidas Ativas no Mercado Relacionamento com sua empresa Renda atual ou estimada INFORMAÇÕES ADICIONAIS Profissão Ocupação / Empregador Cônjuge

59 PORÉM, ESSAS INFORMAÇÕES NÃO PERMITEM AVALIAR O CLIENTE EM PROFUNDIDADE... Quantos compromissos financeiros este consumidor já contratou? Qual o valor e até quando o consumidor pagará por esses produtos? Qual o perfil de pagamento que este consumidor apresentou no mercado?

60 SOMENTE UTILIZANDO AS INFORMAÇÕES DO CADASTRO POSITIVO É POSSÍVEL REALIZAR UMA ANÁLISE MAIS PRECISA DE RISCOS E POTENCIAL COMPROMISSOS HÁBITOS DE PAGAMENTO Produtos de crédito ou recorrentes contratados pelo consumidor Comprometimento real de renda atual e nos próximos meses Informações detalhadas dos pagamentos de compromissos nos últimos 2 anos Pontualidades de pagamento Existência de dívidas vencidas e não pagas

61 CONHECER O REAL COMPROMETIMENTO DA RENDA DOS CLIENTES PASSADO PRESENTE FUTURO Crédito imobiliário Cartão de crédito Seguro de auto 1 Seguro de auto 2 Financiamento auto 1 Financiamento auto 2

62 COM O CADASTRO POSITIVO É POSSÍVEL AUMENTAR A EFICIÊNCIA DE SUA OPERAÇÃO

63 E SUPERAR OS DESAFIOS EM TODAS AS ETAPAS DO CICLO DE CRÉDITO

64 OS MERCADOS ONDE O USO DO CADASTRO POSITIVO JÁ É UMA REALIDADE MOSTRAM OS GANHOS Antes Depois EUA Chile México Alemanha China Apenas 40% dos consumidores tinham acesso a financiamentos 2/3 dos empréstimos eram feitos a homens Baixa renda, pouco acesso ao crédito Crédito pouco difundido Exigências de garantias maiores, para créditos caros, restringindo assim o crescimento da economia 80% dos consumidores passam a ter acesso a financiamentos Aumentou o acesso das mulheres ao crédito até a quase igualdade Crescimento na concessão de crédito, principalmente para a baixa renda Crédito chega a ser 3x superior a média internacional Expressivo crescimento econômico, credito atingindo 150% do PIB

65 ESTUDOS COMPROVAM QUE É POSSÍVEL AUMENTAR A ACEITAÇÃO PARA MESMA TAXA DE INADIMPLÊNCIA:

66 O AUMENTO DA ACEITAÇÃO QUANDO SE CONSIDERAM AS INFORMAÇÕES DO MERCADO COMO UM TODO VERSUS INFORMAÇÕES APENAS DO SEGMENTO

67 E ATÉ MESMO A INCLUSÃO SOCIAL, RESULTANDO NO AUMENTO DA TAXA DE ACEITAÇÃO:

68 NO BRASIL, A SERASA EXPERIAN JÁ PODE DEMONSTRAR COMO ESTA FERRAMENTA PERMITE A IDENTIFICAÇÃO DE FALSOS-POSITIVOS CPFs Negativados pela Instituição X Informações Negativas e Positivas disponíveis no momento da concessão do crédito 150 mil CPFs negativados após concessão de crédito 100% não apresentavam anotações negativas 56% possuíam informações positivas 44% não possuíam informações negativas

69 CONSIDERANDO AS INFORMAÇÕES SOBRE OS HÁBITOS DE PAGAMENTO, SERIA POSSÍVEL IDENTIFICAR POSSÍVEIS FALSO-POSITIVOS 39% dos CPFs já apresentavam anotações de inadimplência (superior a 30 dias) no momento da operação de concessão de crédito: 100% não apresentavam anotações negativas 39% apresentavam inadimplência 61% estavam com pagamentos em dia

70 CADASTRO POSITIVO SERASA EXPERIAN

71 INFORMAÇÃO POSITIVA Fundamentado na Reciprocidade de Dados Cartões Varejo & Bancos Financeiras Utilities Teles de crédito Serviços Seguradoras

72 ALAVANCANDO O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL COM INTELIGÊNCIA Compartilhar Dados e Cadastro Positivo Mais precisão nas tomadas de decisão Mais Clientes Mais Negócios Maiores Margens Mais Crescimento Mais Desenvolvimento

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com Serasa Experian Cadastro Positivo fernanda.monnerat@br.experian.com fernanda.monnerat@br.experian.com Inadimplência das Empresas no Brasil Empresas negativadas: 3,9 Milhões de Junho/15 x 3,5 milhões Junho/14

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise

PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise 7º. SEMINÁRIO FEBRABAN DE ECONOMIA Depois da tempestade: a economia brasileira em 2009 PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise São Paulo (SP), 25 de novembro de 2008 1 AVISO IMPORTANTE:

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo Agenda 1 Cadastro Positivo: como estamos 2 O que muda no novo cenário 3 Benefícios do Cadastro Positivo

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL Ivo Vieitas ABECS 1 Agenda Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma Indústria Forte 2. Uma indústria Complexa 3. Nova Realidade 2 Agenda 1. Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

O CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL

O CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL O CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL 1 O CRÉDITO EM OUTROS PAÍSES PAÍS TOTAL Crédito Privado / PIB Crédito Imobiliário / PIB Outros Créditos / PIB EUA 160% 68% 92% INGLATERRA 110% 75% 35% ALEMANHA 105% 45%

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

Educação Financeira e Consumo Consciente do Crédito. Leonel Andrade, Presidente Credicard Outubro de 2010

Educação Financeira e Consumo Consciente do Crédito. Leonel Andrade, Presidente Credicard Outubro de 2010 Educação Financeira e Consumo Consciente do Crédito Leonel Andrade, Presidente Credicard Outubro de 2010 Cenário Macro-Econômico 13,0 13,1 % DESEMPREGO 1.456 RENDA 10,9 11,2 10,8 10,7 10,1 8,7 9,0 7,5

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência Henrique de Campos Meirelles Março de 2009 1 Panorama Internacional 2 2000 = 100 EUA: Índice de Preço das Residências 220 Entre 2000 a Jun/06, valor

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil Emerging Markets Research Brasil Macro Brasil Análise Econômica Credit Suisse Brasil Nilson Teixeira +55 11 3841 6288 nilson.teixeira@credit-suisse.com Iana Ferrão +55 11 3841 6345 Iana.ferrao@credit-suisse.com

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Economia Política Internacional

Economia Política Internacional Economia Política Internacional Reinaldo Gonçalves rgoncalves@alternex.com.br Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário PARTE I: ECONOMIA POLÍTICA INTERNACIONAL:

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Las Vegas - EUA Barro Recife/PE Qual é o imóvel mais caro? Fonte: Blog

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Juiz de Fora, 02 de abril de 2009

Juiz de Fora, 02 de abril de 2009 Juiz de Fora, 02 de abril de 2009 1 2 3 4 5 6 7 Cenário Econômico Principais Destaques Estrutura Foco no Acionista Desempenho Perspectivas Sustentabilidade PIB Brasileiro % 5,4 7,8 7,5 Média dos 20 anos

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda

Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Julio Cesar Leandro Superintendente da Unidade de Negócios Business Information Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O caminho para a dignidade até 2030: acabando com a pobreza, transformando todas as vidas e protegendo o planeta. O secretário-geral

Leia mais