O RESPEITO PELOS COMPROMISSOS QUE ASSUMIMOS PERANTE OS NOSSOS CLIENTES É UM FACTOR CHAVE DA ACTUAÇÃO DA CAIXA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RESPEITO PELOS COMPROMISSOS QUE ASSUMIMOS PERANTE OS NOSSOS CLIENTES É UM FACTOR CHAVE DA ACTUAÇÃO DA CAIXA."

Transcrição

1 O RESPEITO PELOS COMPROMISSOS QUE ASSUMIMOS PERANTE OS NOSSOS CLIENTES É UM FACTOR CHAVE DA ACTUAÇÃO DA CAIXA. CLIENTES PARTICULARES Compromisso Caixa Sustentável Relatório de Sustentabilidade A transparência e o rigor da comunicação na oferta de produtos e serviços da Caixa constitui um factor distintivo da nossa Marca. O PLANETA AGRADECE.

2

3 Índice Mensagem do Conselho de Administração P Responsabilidade para com os nossos Clientes P. 8 2 Qualidade no Serviço ao Cliente P Avaliação da Qualidade do Serviço P Projecto CaixaRelação P Gabinete de Apoio ao Cliente P Relação Multi-Canal com o Cliente P Publicações Caixa Canais de Comunicação Privilegiada com os Clientes P Segurança do Cliente P Plano de Continuidade do Negócio P Nas Agências e ATM P Na Banca Electrónica P No Uso de Cartões P Cartão Caixa Fã e Fundo Caixa Fã P Cartão CUP Universidade Politécnico e Cartão ISIC P Créditos para Estudantes P Reabilitação Urbana P Valor Monetário dos Produtos e Serviços com Impactes Positivos no Ambiente e na Sociedade P Transparência e Responsabilidade P Educação Financeira P Sensibilização Ambiental P Comunicação Responsável P Compromissos P Tabela GRI P Sustentabilidade - Soluções Financeiras P Cartão de Crédito Caixa Carbono Zero P Crédito Pessoal Energias Renováveis e Protocolo EDP P Fundo Especial de Investimento Aberto Caixagest Energias Renováveis P Depósito Caixa Carbono Zero 2010 P Microcrédio P Inclusão Financeira dos Clientes com Incapacidade Física P. 22

4

5 P. 5 Mensagem do Conselho de Administração A responsabilidade de zelar pelo bem-estar económico, social e ambiental dos nossos Clientes, e da sociedade em geral, é um compromisso estratégico claramente assumido pela Caixa. No quadro particularmente difícil de crise financeira mundial em que vivemos, esse compromisso assume especial relevância. No cumprimento do desígnio da Sustentabilidade e da sua integração em toda a actuação da Caixa, incluindo no negócio, disponibilizamos aos nossos Clientes um conjunto de produtos e serviços com impactes positivos no Ambiente e na Sociedade. No domínio ambiental, o Crédito Pessoal Energias Renováveis, o Cartão de Crédito Caixa Carbono Zero, o Fundo Especial de Investimento Aberto Caixagest Energias Renováveis, e o De pó sito Caixa Carbono Zero são produtos que evidenciam a forte aposta da Caixa no Ambiente, em total sintonia com o Programa Caixa Carbono Zero 2010 Estratégia CGD para as Alterações Climáticas. No domínio social, apostamos no Microcrédito. Uma opção que decorre da actuação e postura da Caixa ao longo da sua história, com uma forte tradição no apoio aos mais diver sos sectores da população e à criação de Microempresas e PME, com o objectivo fundamental de contribuir de forma positiva para o combate à exclusão social e económica, através do apoio à criação de auto -emprego e de pequenos negócios. Também o Cartão Caixa Fã, em associação com o Fundo com o mesmo nome, integra a Sustentabilidade nas suas várias componentes: social, ambiental e económica. Parte das receitas geradas pela utilização do Cartão são canalizadas para o Fundo Caixa Fã, que apoia projectos estruturais empreendidos por instituições com credibilidade e capacidade de execução, que garantam a concretização das iniciativas propostas. Na relação com os Clientes, a melhoria da qualidade dos nossos serviços e a diversidade dos produtos financeiros, a par da trans parência e rigor da sua comunicação, constituem a nossa prática e objectivos permanentes, integrando as prioridades de gestão constantes das orientações estratégicas da CGD. A Caixa tem como principal meta uma evolução equilibrada entre solidez financeira, rentabilidade, crescimento, eficiência operacional e responsabilidade social, com uma permanente atenção ao cliente e optimização da qualidade do serviço que lhe é prestado. Privilegiamos a solidez, o rigor na gestão, a competência e a eficá cia no funcionamento, valores que sempre pautaram a actuação da Caixa e que adquirem, agora, no actual contexto de crise financeira que o mundo atravessa, uma relevância acrescida. Valores que são da maior importância na defesa permanente do interesse dos Clientes. Porque acreditamos que melhores conhecimentos financeiros permitem a tomada de decisões mais conscientes e favoráveis ao equilíbrio das finanças pessoais e da Sociedade, e em linha com o posicionamento de Responsabilidade Social da Caixa, temos vindo a desenvolver e a apoiar diferentes iniciativas de literacia financeira. Sites como o Saldo Positivo e o Ciclo da Poupança são bons exemplos de opções que queremos manter e reforçar.

6 P. 6 A Transparência e a Responsabilidade na relação com os Clientes são intrínsecas à actuação da Caixa. Para além dos programas de compliance no que diz respeito à informação a disponibilizar ao cliente acerca dos seus produtos e serviços, a CGD subscreve códigos voluntários, designadamente nos domínios do Crédito à Habitação e da Publicidade, que reforçam a qualidade, a transparência e a fidedignidade da sua comunicação. A segurança física dos nossos clientes e dos bens e valores que nos confiam é garantida por um conjunto de políticas e práticas adequadas, a que damos a máxima importância. Também com o objectivo de garantir a segurança, disponibilizamos, no site da CGD, informação útil e relevante, aos nossos Clientes, para uma utilização segura dos serviços de Internet Banking. A ligação forte que estabelecemos com os nossos Clientes e com a Comunidade faz da Caixa mais do que um Banco. [1.1., EC2, Abordagem de gestão de responsabilidade pelo produto (PR)] O Conselho de Administração

7

8 P Responsabilidade para com os nossos Clientes O respeito pelos compromissos que assumimos perante os nossos Clientes, é um factor-chave da nossa actuação. Como insti tui ção financeira, e atendendo ao enquadramento económico actual, a responsabilidade de zelar pelo bem-estar económico, social e ambiental dos nossos Clientes, e da sociedade em geral, é ainda mais relevante, sendo um compromisso estratégico cla ra mente assumido pela Caixa. A transparência, contínua e empenhada, e o rigor da comunicação da nossa oferta de produtos e serviços, um factor distintivo da nossa marca, tem sido amplamente reconhecida como demonstra a atribuição consecutiva nos últimos oito anos da Marca de Confiança. O empenho e responsabilidade da Caixa são evidentes nas diferen tes iniciativas que tem desenvolvido, nomeadamente nos programas de literacia financeira dirigidos a clientes e não clientes de todas as faixas etárias, que pretendem formar cidadãos mais esclarecidos e responsáveis nas suas opções financeiras. Exemplo dessa preocupação são os vários sites dedicados à educação financeira dirigidos a todos os tipos de audiências e faixas etárias. O cumprimento de um conjunto de regulamentação obrigatória, e de normativos voluntários, constituem também pilares de toda a nossa actuação. Garante a Segurança do Cliente e dos seus Bens Promove a Sensibilização Ambiental Incentiva a Educação Financeira Oferece um conjunto de produtos com impactes ambientais e sociais positivos Implementa uma Comunicação Responsável [ Abordagem de gestão PR]

9 P. 9 Figura 01. Rede de distribuição bancária em Portugal Região Norte Braga Rede de Balcões 41 Região Centro Aveiro Rede de Balcões 42 Gabinete de Empresas 3 Gabinete de Empresas 4 Bragança Castelo Branco Rede de Balcões 13 Rede de Balcões 20 Gabinete de Empresas 0 Gabinete de Empresas 1 Porto Coimbra Rede de Balcões 106 Rede de Balcões 42 Gabinete de Empresas 5 Gabinete de Empresas 1 Viana do Castelo Guarda Rede de Balcões 16 Rede de Balcões 17 Gabinete de Empresas 1 Gabinete de Empresas 1 Vila Real Leiria Rede de Balcões 20 Rede de Balcões 33 Gabinete de Empresas 1 Gabinete de Empresas 4 Região Sul Beja Rede de Balcões 18 Gabinete de Empresas 0 Évora Rede de Balcões 18 Gabinete de Empresas 0 Faro Rede de Balcões 33 Gabinete de Empresas 2 Lisboa Rede de Balcões 192 Gabinete de Empresas 9 Santarém Rede de Balcões 34 Gabinete de Empresas 2 Viseu Rede de Balcões 33 Gabinete de Empresas 1 Portalegre Rede de Balcões 16 Gabinete de Empresas 0 Açores Rede de Balcões 26 Gabinete de Empresas 1 Setúbal Rede de Balcões 53 Gabinete de Empresas 2 Madeira Rede de Balcões 19 Gabinete de Empresas 1 A Caixa tem uma rede de distribuição bancária em Portugal que abrange todo o território nacional. Desta forma, disponibilizamos produtos e serviços financeiros em regiões de baixa densidade populacional ou economicamente precárias, desempenhando um papel fulcral de inclusão financeira junto de populações mais desfavorecidas. Pode afirmar-se que dos Concelhos com densidade populacional e poder de compra per capita abaixo da média nacional (1), a Caixa se encontra presente em todos eles. [SO1, FS13] Grandes Números 792 Agências: 747 Continente 26 Açores 19 Madeira (1) A densidade populacional foi obtida a partir dos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao ano de O poder de compra per capita foi calculado a partir do estudo O Poder de Compra Concelhio 2005, (INE, 2007). As médias nacionais consideradas para a determinação do indicador tiveram em conta a média aritmética simples dos respectivos valores por concelho.

10 P. 10 Existem 193 Agências da Caixa nos 178 Concelhos com densidade populacional e poder de compra per capita abaixo da média nacional, o que representa 24 % no número total de Agências da nossa rede comercial. A Agência da Caixa na Ilha do Corvo é um exemplo de disponibilização de serviços em áreas com baixa densidade populacional e economicamente desfavorecidas. Com uma área de 17,2 Km2, 6,5 Km de comprimento e 4 Km de largura, a ilha do Corvo (a mais pequena do Arquipélago dos Açores), forma em conjunto com a Ilha das Flores o seu Grupo Ocidental. Está situada a 31º 05 de longitude Oeste e a 39º 40 de lati tude Norte. A distância da sua ilha vizinh a é de 24 km, a cerca de uma hora de lancha rápida. A sua população é de 425 habitantes (dados INE, 2001). 14 % do total de agências bancárias existen tes em Portugal são Caixa* [SO1, FS13] * Fonte: Marktest.

11 P Qualidade no Serviço ao Cliente O Grupo CGD tem como principal meta uma evolução equilibrada entre solidez financeira, rentabilidade, crescimento, eficiência operacional e responsabilidade social, com uma permanente atenção ao cliente e optimização da qualidade do serviço que a ele é prestado. (in Mensagem do Presidente no Relatório e Contas de ) De entre as 19 prioridades de gestão constantes das orientações estratégicas, consta a melhoria da eficiência operativa (CIR Cons tant Information Rate) e da qualidade do serviço. Assim sendo, constitui uma prioridade estratégica da Caixa o prosseguimento de iniciativas que se focalizam na qualidade do serviço prestado ao cliente. Estas acções têm como objectivo garantir aos clientes uma resposta de elevada qualidade face às suas necessidades, usufruindo de um serviço de qualidade superior quando se dirijam à Caixa, qualquer que seja o canal utilizado ou o produto pretendido. [Abordagem de gestão PR] 2.1. Avaliação da Qualidade do Serviço Em, foram pela primeira vez realizados o Programa de Satisfação das Pequenas e Médias Empresas (PME) e o Programa de Satisfação dos Clientes Caixa Empresas (Rede de Agências), que teve início no 2.º semestre de. Programa de Avaliação da Qualidade do Serviço Conjunto de acções da responsabilidade da Direcção de Marketing que têm como objectivo avaliar a qualidade do serviço nas Agências da Caixa, do Serviço Caixazul e do Caixa Empresas. Actividades desenvolvidas em Foram realizados: inquéritos a clientes: a clientes particulares (mass market) 15 clientes por agência a clientes Caixazul 15 clientes por gestor de cliente a clientes Caixa Empresas - 15 clien tes por gestor de cliente visitas de cliente mistério, com enfo que em:. 1º Semestre: Caixa Aforro e Plano de Pou pança Reforma. 2º Semestre: Poupança Jovem e Trans ferên cia de Crédito Habitação Principais Resultados da Análise Agências (mass market): Principal oportunidade de melhoria é a argumentação comercial. Gestores Caixazul A iniciativa no contacto pessoal e o atendimento prestado ao cliente são os parâmetros com melhor avaliação. [4.16., 4.17., Abordagem de gestão PR, PR5]

12 P. 12 Figura 02. Exemplo de testemunho de cliente Exemplo misterioso de testemunho de cliente mistério [4.16., 4.17., PR5] Com base neste Programa de Avaliação são definidos os sistemas de incentivos da rede comercial, bem como as iniciativas que fazem parte do Projecto CaixaRelação.

13 P Projecto CaixaRelação Gráfico 1. Reclamações recebidas em O Projecto CaixaRelação é um programa formativo estruturante da CGD, destinado aos colaboradores da Rede Comercial. Pretende actualizar a filosofia da função de atendimento e paralelamente aprofundar a polivalência de competências. Tem como objectivo desenvolver, na rede comercial, competências orientadas para o serviço ao cliente, de forma a garantir e aumentar a qualidade do serviço prestado, aprofundando a abordagem ao Cliente e uma cultura da excelência no Atendimento. [4.16. e Abordagem de gestão PR, PR5] Áreas Automáticas Caixa Directa Comunicação Crédito Depósitos e aplicações financeiras Meios de Pagamento Outros Produtos e Serviços Rede Comercial Estrutura da formação Curso E-learning sobre atendimento Formação Presencial em todas as agências sobre espírito de equipa Acções de Dinamização Local para reflexão e partilha de boas práticas 2.3. Gabinete de Apoio ao Cliente O Gabinete de Apoio ao Cliente, na dependência directa do Conselho de Administração, garante a centralização, a análise, o tratamento e a resposta a todas as reclamações e sugestões, qualquer que seja o canal de contacto e o suporte utilizado pelo Cliente. Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Sendo as reclamações e sugestões dos Clientes um meio privilegiado para melhorar a qualidade do serviço prestado, cumpre também a este Gabinete identificar oportunidades de melhoria e promover a sua implementação em estreita articulação com outro s Órgãos de Estrutura da CGD. [Abordagem de gestão PR] Dez [4.16., Abordagem de gestão PR, PR5]

14 P Relação Multi-Canal com o Cliente A Caixa tem vindo a desenvolver e a oferecer aos seus clientes um conjunto de canais electrónicos que proporcionam a desmaterialização das suas relações com o Banco. Desta forma, para além de obtermos uma redução dos consumos de matérias-primas e dos impactes ambientais, proporcionamos um relacionamento mais confortável com os nossos clientes. Além do Balcão, o cliente dispõe de um leque alternativo e alargado de canais: Caixadirecta Telefone banca pelo telefone Caixadirecta On-line banca pela internet Caixadirecta Mobile banca pelo telemóvel, Smartphone ou PDA Caixadirecta SMS banca através de mensagens escritas Caixadirecta Wap banca através de telemóvel com tecnologia wap Caixadirect Invest - serviço de corretagem on-line Os clientes gerem a sua escolha, em função da sua necessidade específica, localização e momento. Durante o ano de, foram lançados nos canais de Internet banking, diversos produtos de poupança on-line e disponibilizadas novas funcionalidades. Caixa Contact Center Promove a gestão integrada de todo o tipo de contactos, a execução de operações, o esclarecimento dos clientes e a captação de negócios. Grandes números CAIXADIRECTA Crescimento de 17 % no número de clientes Mais de 1,1 milhões de contratos 3 milhões de chamadas inbound, 86% resolvidas no atendimento automático Grandes números CAIXADIRECTA ON-LINE Mais de 400 milhões de operações realizada Crescimento de 28 % do número de operações realizadas em relação a 200 Grandes números CAIXA CONTACT CENTER Em, foram recebidos 24 mil de clientes. Extracto Global O Extracto Global disponibiliza com mais celeridade e comodidade, informação detalhada sobre: Nome e Contactos da sua Agência/Gestor Lista de Autorizações de Débito em Conta activas Maior detalhe ao nível das características dos produtos Discriminação dos Depósitos a Prazo e Poupança Discriminação de Acções e Obrigações Inclusão dos movimentos em Valores Mobiliários Agenda de eventos para o período de movimentos seguinte Para clientes Caixadirecta On-line, o Extracto Global está disponível para consulta sempre que for necessário. [EN26] Agência Universitária Central (AUC) Destinada ao segmento universitário, assenta num modelo e ser viço de banca à distância, com novas formas de interacção e comunicação, e uma disponibilidade de 24 horas por dia, todo s os dias do ano, através de uma linha azul ( ) e de um endereço de [EN26] Agência Central para o Microcrédito (ACM) Em, a Caixa reorganizou o circuito de operacionalização dos empréstimos de microcrédito, lançando para o efeito a Agência Central para o Microcrédito (ACM).

15 P. 15 A ACM tem como objectivos divulgar a informação sobre o micro crédito e simplificar o processo de decisão e concessão deste tipo de empréstimos. É uma Agência não presencial, que utiliza um conjunto de canais à distância, concretamente uma linha telefónica de atendimento, fax, e Linha de Apoio ao Cliente [EN26] 2.5. Publicações Caixa Canais de Comunicação Privilegiada com os Clientes A Caixa publica duas revistas especificamente dirigidas aos seus Clientes Particulares: A Revista Azul, destinada à comunicação com os clientes Caixazul A Revista Caixa no Mundo, suporte de comunicação com os Clientes Não Residentes Revista Caixa no Mundo Tem como objectivo aprofundar o relacionamento com os Clientes Não Residentes, divulgando a oferta de produtos e serviços Caixa adequados a este segmento, bem como os patrocínios e as par cerias estabelecidas. Esta publicação, com periodicidade trimestral, teve, em, uma tiragem de exemplares por edição e os temas principais das publicações foram: Sustentabilidade Desporto Cultura Solidariedade [2.10., 4.16., Abordagem de gestão PR, FS5] Revista Azul Com o objectivo de aprofundar o relacionamento com o Cliente, esta revista transmite valores de exclusividade, distinção e qualidade. Informa sobre produtos, serviços e projectos do Grupo CGD sobr e as diferentes parcerias estabelecidas, com vista à disponibilização de condições diferenciadoras para clientes Caixazul. Esta revista é publicada bimestralmente, tendo sido a sua tiragem, em, de exemplares por edição. Os temas abordados foram: A Família em Segurança O Planeta Azul Portugal Faz bem Celebrar a Vida O Futuro Este Ano é que é Grande Prémio da Associação Portuguesa de Comunicação de Empresa (APCE) 2007 Em, a Revista Azul recebeu o Grande Prémio APCE 2007, na categoria Publicação Externa o que representa o reconhecimento público de um concurso que tem como objectivo premiar os melhores projectos de comunicação empresarial do ano.

16 P Segurança do Cliente A segurança física dos nossos clientes e dos bens e valores que estes nos confiam, está garantida por um conjunto de políticas e práticas adequadas Plano de Continuidade do Negócio O Plano de Continuidade de Negócio é da responsabilidade do Gabinete de Prevenção, Segurança e Continuidade de Negócio (GPS). Este plano destina-se a implementar soluções de resposta a desas tres (como por exemplo, catástrofes naturais, falhas nos serviços básicos, contaminação ambiental, epidemias, perda de dados informáticos e falhas gerais de comunicações/equipamentos) que conduzam à inoperacionalidade generalizada das infra-estruturas físicas, considerando postos de trabalho e infra-estruturas tecnológicas (IT), ou à incapacidade generalizada de deslocação dos colaboradores para os seus postos de trabalho. Estas soluções visam tanto a Continuidade Operacional como a Recuperação Tecnológica, assumindo-se em qualquer dos caso s que existem colaboradores disponíveis para desenvolver as actividades mínimas para assegurar a continuidade do negócio da Caixa. Note-se que vários Órgãos de Estrutura do Banco têm um papel a desempenhar no âmbito do Plano que foi elaborado seguindo as Recomendações Prudenciais do Banco de Portugal, de Agosto de De modo preventivo, e como medida de limitação de impactos, são também conduzidas internamente na CGD iniciativas de âmbi to diverso que não se enquadram na Continuidade de Negócio, como por exemplo, a segurança e contingência informática como mitigação do risco de intrusões indevidas e falhas locais de sistemas. Guia de Segurança das Agências Este dossier é constituído pelo Plano de Prevenção e Emergência (PPE) da Agência, em conjunto com alguns Procedimentos de Segurança. O PPE tem como objectivo preparar e organizar os meios (humanos e materiais), a fim de garantir a salvaguarda dos ocupantes das ins talações - colaboradores e clientes - em situação de emergência. Este Guia tem a aprovação do Conselho de Administração e o seu conteúdo deverá ser do conhecimento de todos os colaboradores na Agência. Medidas de Segurança nas Agências e ATM Implementação de sistemas de controlo e vigilân cia:. Circuito Fechado de Televisão e Vídeo. Sistema Automático de Detecção de Incêndios/Inundação. Sistemas de Detecção de Intrusão e Controlo de Acessos 3.2. Nas Agências e ATM A CGD desenvolve políticas e medidas que têm como objectivo garantir a segurança física de todos aqueles que utilizam as suas infra-estruturas. Actualmente, 49,11 % da Rede de Agência s da Caixa já tem acesso ao seu Guia de Segu rança. [Abordagem de gestão PR, PR1]

17 P Na Banca Electrónica A Caixa disponibiliza informação, aos seus Clientes, para uma utilização segura dos seus serviços de Internet Banking, sensibilizando-os para que se protejam contra actos fraudulentos susceptíveis de pôr em causa a segurança dos seus valores. Tendo presente a importância da divulgação das matérias de se gurança, o site da CGD disponibiliza numa área especialmente dedicada à Segurança, toda a informação sobre as medidas praticadas pela Caixa e os cuidados que os clientes devem ter aquando da utilização dos serviços de Internet Banking e dos cartões de crédito: /Seguranca/Pages/Seguranca.aspx A Caixa informa todos os seus clientes acerca da existência de sis temas de proce di mentos pré-definidos para os alertas de fraude em operações de Internet Banking. Os colaboradores da Caixa seguem um manual de procedimentos sempre que os clientes rela tam potenciais casos de fraude, a recep ção de algum de phishing ou reportem uma anomalia no acesso electrónico. Pagamentos Seguros (MBNet) O MBNet é um serviço que permite realizar pagamentos on-line com segurança, tanto em sites nacionais como estrangeiros. A adesão e a utilização do MBNet para pagamentos on-line são gratuitas. Os pagamentos são processados através de cartões virtuais, previamente gerados pelo serviço MBNet. A segurança deste meio de pagamento, faz com que seja adoptado por elevado número de comerciantes em transacções on-line No Uso de Cartões A Caixa tem implementadas medidas cujo objectivo é evitar o uso fraudulento dos cartões bancários que comercializa. Prevenção de fraude Para a prevenção de fraude na utilização de cartões, a Caixa recorre a aplicações que funcionam em tempo real e permitem caracterizar um movimento como potencialmente genuíno ou fraudulento e interferir no motor de autorizações, actuando de forma preventiva. Sempre que um alerta identifica uma potencial fraude, o cartão pode ser bloqueado preventivamente, mesmo antes do cliente ser contactado e de ser verificada a sua veracidade. Cartões com chip e padrão EMV Os cartões de crédito e débito da Caixa já integram a tecnologia chip EMV (Europay, MasterCard e Visa). Esta tecnologia substitui o uso da banda magnética por um chip, que torna os cartões mais seguros e as transacções mais rápidas. Os cartões que utilizam chip têm capacidade de armazenar dados de forma segura (criptografados) e não podem ser clonados. [Abordagem de gestão PR, PR1] [Abordagem de gestão PR, PR1]

18 P Sustentabilidade - Soluções Financeiras Atenta às expectativas dos seus clientes, bem como às tendências de mercado, a Caixa disponibiliza um conjunto de produtos e serviços com impactes positivos no ambiente e na sociedade. Faz parte da sua essência assumir um papel especial no que diz respeito à promoção da igualdade de oportunidades e da inclusão financeira. De forma a satisfazer estes desígnios, a CGD integra os aspectos ambientais e sociais nas suas linhas de negócio, com produtos que beneficiam sectores menos favorecidos da sociedade e o ambiente. [Abordagens de gestão PR e de impactes ambientais e sociais de produtos e serviços (suplemento do sector financeiro), FS] Para melhor assumir o compromisso com a satisfação das expectativas dos seus clientes, a Caixa avalia o nível de sensibilização que estes têm em relação às questões ambientais e sociais e à forma como estas se relacionam com a actividade bancária. Pretendendo perceber qual a receptividade dos clientes bancários em relação à oferta de produtos e serviços financeiros socialmente responsáveis, a Caixa realizou, em Junho de, um estudo de mercado que abrangeu 127 consumidores. Grande objectivo do estudo. Identificar as principais necessidades e expectativas dos consumidores em relação aos bancos. Identificar o nível de importância atribuído a uma instituição financeira que se posicione como ambiental e socialmente responsável Amostra O universo considerado foi constituído por 127 indivíduos de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 14 e os 55 anos. Estiveram envolvidos clientes da Caixa e clientes de outros bancos, residentes nas regiões da Grande Lisboa, Leiria, Aveiro e Évora. Método Foram constituídos 16 focus-groups para entrevistar os participantes, que também responderam a um questionário individual com questões sobre as temáticas em causa. Principais resultados do estudo A maioria dos inquiridos mudaria para um banco que assumisse:. Não investir em empresas/negócios com impactes negativos no ambiente e na sociedade (cerca de 85%, no caso de todas as outras condições serem, pelo menos, iguais). Investir em empresas que desenvolvem actividades ligadas ao ambiente e à sociedade. Seguir práticas de responsible lending, ou seja, que explicava ao cliente as consequências de contrair dívidas (cerca de 84% mudariam de banco desde que não pagassem mais por esses serviços). 91% dos inquiridos afirmou que procuraria mais informação sobre imóveis ou automóveis (97%) energeticamente eficientes se existisse um banco que oferecesse vantagens económicas para a sua compra. 84% dos inquiridos julga que a economia portuguesa iria beneficiar da existência de um banco sustentável em Portugal [2.2., 4.16., 4.17., EC2, PR5, FS5] 4.1. Cartão de Crédito Caixa Carbono Zero Em a Caixa lançou o cartão Caixa Carbono Zero, um produto financeiro inovador e com características únicas no mercado nacional. Este cartão é uma das soluções financeiras que a CGD, no âmbito do Programa Caixa Carbono Zero, tem vindo a disponibilizar para facilitar o acesso de diversos segmentos de mercado a bens e serviços de baixo carbono. Destinado, numa primeira fase, apenas a particulares, o cartão de crédito Caixa Carbono Zero conta com um conjunto de parcerias e com uma loja on-line onde os clientes beneficiam de condições especiais na aquisição de bens mais eficientes no consumo de energia e com melhor desempenho ambiental. A utilização do cartão gera, através do programa de fidelização, uma contribuição para projectos que absorvem ou evitam dióxido de carbono, oferecendo ao utilizador uma carteira de créditos de carbono que permite compensar emissões que não consegue

19 P. 19 evitar, tornando o seu dia-a-dia ainda mais amigo do Ambiente. O primeiro projecto apoiado pelo cartão Caixa Carbono Zero é a reflorestação de 50 ha da Tapada Nacional de Mafra que arderam em As diversas vertentes do funcionamento do cartão Caixa Carbono Zero foram pensadas para minimizar o efeito no clima:. O cartão é fabricado em PETG (Politereftalato de Etileno Glicol) um plástico mais amigo do Ambiente, facilmente reciclável e isento de cloro. O guia do utilizador e o extracto são exclusivamente electrónicos, acessíveis através da Caixa Directa On-Line, centrando a comunicação com o cliente em meios electrónicos, e reduzindo assim o consumo de papel e de energia. O kit de entrega utiliza materiais reciclados e oferece um pacote de sementes de azevinho. Os cartões em fim de vida e inutilizados podem ser entregues em qualquer agência CGD, onde são integrados num circuito especial de destruição e o respectivo plástico enviado para reciclagem. As emissões inevitáveis resultantes da produção e envio dos cartões são contabilizadas e compensadas, tornando-o num produto CarbonoZero Em 31 de Dezembro de existiam 946 cartões Caixa Carbono Zero em circulação. [2.2., EC2, EC8, EN26, FS8] Pequenos passos para uma grande diferença em A Caixa criou um micro-site especialmente dedicado ao cartão Caixa Carbono Zero onde, para além de toda a informação sobre o funcionamento do produto, é possível encontrar muito mais. A loja on-line desenvolvida em colaboração com a PMElink apresenta uma selecção especial de produtos e serviços de baixo carbono, que os clientes do cartão podem adquirir com condições especiais. O site disponibiliza também a lista completa de parcerias e descontos, o acesso a calculadoras de emissões e conselhos úteis para reduzir custos de emissões de CO2 em casa, nas deslocações ou no trabalho. Facilitando o acesso a produtos e serviços de baixo carbono e sensibilizando para pequenos passos que podem fazer uma grande diferença, o cartão Caixa Carbono Zero ajuda os clientes CGD a tornar o seu dia-a-dia mais amigo do Ambiente Crédito Pessoal Energias Renováveis e Protocolo EDP Os clientes que pretendam adquirir equipamentos geradores de energias renováveis têm disponíveis linhas de crédito que ofe re cem condições especiais. O protocolo com a Energias de Portugal (EDP) destina-se a equipa mentos adquiridos através de fornecedores acreditados por aquela empresa no âmbito do projecto My.Energy. Esta parceria dá a possibilidade ao cliente de efectuar o pagamento do financiamento com a receita da produção de energia, no caso da microprodução, bem como de efectuar o primeiro pagamento ao fim de 6 meses. A oferta de produtos neste domínio reflecte a integração dos aspectos ambientais no core business da Caixa, enquadra-se no Programa Caixa Carbono Zero Estratégia CGD para as Alte rações Climáticas e posicionam o Banco como uma empresa preocupada com a redução do consumo de energia e com a utilização de tecnologias limpas. Oferta permanente e Protocolo EDP A Caixa promove, com condições especiais, o financiamento para a aquisição e instalação de: Colectores solares térmicos e fotovoltaicos Micro-turbinas eólicas Outros, incluindo equipamento de apoio ou ligação ao equipamento existente Condições especiais de ambas as Ofertas Taxas de juro especiais Isenção de comissão de estudo Redução de 50% na comissão de contratação Prazo até 10 anos, com prestações mensais Taxa de crescimento do valor do capital contratado 1.066%, em termos nominais, entre 2007 e 740%, em termos nominais, durante o período considerado [2.2., EC2, EN6 e FS8]

20 P Fundo Especial de Investimento Aberto Caixagest Energias Renováveis A Caixa disponibiliza o FEI Caixagest Energias Renováveis, um Fundo Especial de Investimento (criado e gerido pela Caixagest) cujos activos estão associados ao mercado das energias renováveis. Este produto permite que um cliente possa aliar-se ao Grupo Caixa, num projecto de conceito ambientalmente responsável sem descurar a necessidade de rentabilização dos seus investimentos. O Fundo está vocacionado para o financiamento de projectos de investimento que contribuam para o aumento da produção de ener gias renováveis, redução da emissão de CO2 e, consequentemente, para a melhoria da qualidade do ambiente. O investimento neste fundo deve ser visto como um complemento a uma carteira mais tradicional, com um prazo de manutenção superior a 3 anos. Principais Características do Fundo Investe em:. Projectos de energias renováveis e qualidade do ambiente. Certificados de Redução de Emissões Risco relativamente elevado porque concentra os investimentos num número reduzido de activos e porque investe em fundos de capital de risco. Outros Qualidade do Ambiente Licenças de Carbono Mercado Monetário Energias Renováveis Gráfico 2. Exposição da carteira em Janeiro de 2009 [2.2., EC2, FS8] 10% 20% 30% 40% 50% 60%

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

ANEXO I CONTA BES100% Gestão corrente da liquidez Constituição de poupança Acesso ao crédito Segurança

ANEXO I CONTA BES100% Gestão corrente da liquidez Constituição de poupança Acesso ao crédito Segurança ANEXO I CONTA BES100% Definição A Conta BES 100% é constituída por um Depósito à Ordem, uma Conta Poupança e um Descoberto Autorizado, e dispõe de um mecanismo de movimentação automática entre as duas

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014 Soluções de Financiamento BES 21 de Janeiro de 2014 Agenda I. Enquadramento II. III. IV. Soluções de Financiamento para «Começar» Soluções de Financiamento para «Crescer e Consolidar» Soluções de Financiamento

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento Solução Made by Um cartão à medida de cada cliente, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 São Paulo, 15-10-2009 1 Agenda Overview Os mercado de meios eletrônicos de pagamento em Portugal Posicionamento da Caixa

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Programa de Literacia Financeira

Programa de Literacia Financeira Programa de Literacia Financeira RESPONSABILIDADE SOCIAL / LITERACIA FINANCEIRA duas faces da mesma moeda 3ª Conferência Internacional de Educação Financeira Aveiro 3 e 4 julho 2012 1 «A educação é moeda

Leia mais

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO Praia, Junho de 2013 I Índice Enquadramento... 3 I. Objectivo... 4 II. Beneficiários... 4 III. Desenvolvimento dos

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição. Luis Costa Direcção de Marketing e Comunicação Banif

Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição. Luis Costa Direcção de Marketing e Comunicação Banif Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição Agenda 01 02 03 04 05 BANIF ID IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO: ECOSSISTEMA VITAL PRODUTOS E ABORDAGEM COMERCIAL: SOLUÇÕES BANIF EMPREENDER

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Norma de Procedimentos

Norma de Procedimentos FEADER A Europa investe nas zonas rurais Governo dos Açores Norma de Procedimentos Acção 3.2.1 Serviços Básicos para a Economia e Populações Rurais 2011 A CONSULTA DESTA NORMA NÃO DISPENSA A CONSULTA DA

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO A UNICRE UNICRE Instituição Financeira de Crédito, S.A Especialista em cartões de pagamento desde 1974 Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 122 Lisboa www.unicre.pt Emissora

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Sociedade da Informação e do Conhecimento 04 de Novembro 2008 Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Banda larga presente em 86% dos agregados domésticos

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais